Antônio da Silva Ferreira Presidente Fisco Saúde, Francelino das Chagas Valença Junior

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Antônio da Silva Ferreira Presidente Fisco Saúde, Francelino das Chagas Valença Junior"

Transcrição

1 Jornal do Página 4 Registro na ANS Circulação Trimestral /Nº 01 março de 2011 QUANDO DEVEMOS FAZER UM CHECK UP Página 5 Conheça o Programa de Gerenciamento de Crônicos do FISCO SAÚDE Página 7 DESINTOXICAÇÃO CAPILAR Página 8 Qualidade de vida na 3 a Idade O FISCO SAÚDE obteve em 24/02/2011 a autorização de funcionamento (registro definitivo) na Agência Nacional de Saúde (ANS) sob o nº , estando agora completamente regular perante a legislação e pronto para se tornar um plano cada vez mais forte. Participe conosco desta vitória. Venha e traga seus familiares para o FISCO SAÚDE, um plano abrangente e de qualidade, feito por nós e para nós. Visite-nos e conheça nossas condições. Estamos de braços abertos para recebê-lo. Unimed Caruaru Atenção!!! O Fisco saúde celebrou em março de 2011 contrato com a Unimed Caruaru para proporcionar aos seus associados residentes em Caruaru ou imediações melhores condições de atendimento. Infelizmente, por decisão da Antônio da Silva Ferreira Presidente Fisco Saúde, Francelino das Chagas Valença Junior Presidente Sindifisco, José Alencar Tavares de Albuquerque Filho Diretor Executivo Fisco Saúde Indicador Médico (livreto da rede credenciada) Está em fase final de edição o indicador médico atualizado, que será enviado à residência de todos os associados. ANS, a UNIMED CARU- ARU está rescindindo este tipo de contrato com toda e qualquer operadora, pois significaria Transferência de Risco. Estamos em contato com a Unimed para tentar uma alternativa viável. DISQUE ANS XII SEMINÁRIO DOS PLANOS DE SAÚDE DO FISCO ESTADUAL BRASILEIRO Em setembro o Fisco Saúde sediará este importante evento, recebendo diversas entidades participantes do convênio de reciprocidade da FEBRAFITE visando prestar um atendimento cada vez mais completo e profissional aos usuários do sistema.

2 8 SAÚDE Qualidade de vida na 3º Idade Chamamos de senescência o envelhecimento inevitável, são as mudanças físicas, fisiológicas e cognitivas que ocorrem de forma gradual com o passar do tempo e a senilidade é o envelhecimento secundário resultante de doenças, abusos, afastamento das atividades sociais, falta de atividade física e estimulação cognitiva, de onde concluímos que este processo depende do estilo de vida de cada um. Um estilo de vida saudável implicará em um envelhecimento mais tranquilo e de qualidade. A OMS ( Organização Mundial da Saúde) define a qualidade de vida na terceira idade como a manutenção da saúde em seu melhor nível possível, em todos os seus aspectos, isto é, tanto no aspecto físico, emocional, social e espiritual. Porém, este conceito também pode ser subjetivo, pois está ligado à auto estima e o bem estar pessoal do idoso. Alguns fatores são de fundamental importância para envelhecermos com qualidade, como um bom relacionamento familiar, conservar amizades, participar de grupos da terceira idade, manter hábitos saudáveis, como alimentação adequada, atividade física ( com acompanhamento médico) e lazer. Por isso vale destacar o Programa de Gerenciamento de Crônicos disponibilizado pelo Fisco Saúde, pois oferece assistência diferenciada e monitora os casos através de uma equipe multidisciplinar que engloba médico, enfermeiro, assistente social, nutricionista, psicoterapeuta e outros profissionais como terapeuta ocupacional, fisioterapeuta e fonoaudiólogo, de acordo com a necessidade. Este monitoramento estabelece um vínculo baseado em carinho e atenção, como também estabilidade da condição de saúde, auto-controle sobre os hábitos e consequentemente melhoria na qualidade de vida. Qualidade de vida é, portanto, a soma dos fatores citados, mas é principalmente a preservação do prazer em todos seus aspectos. O prazer de ter um corpo saudável, a aceitação de seus limites, o prazer de interagir com outras pessoas e o prazer de compartilhar e aprender com novas experiências, já que viver implica em manter-se num processo eterno de aprendizagem. Nos sites do Fisco Saúde e Sindifisco você fica atualizado a respeito das atividades voltadas para terceira idade, como palestras, lazer e medicina preventiva. Maria Helena R.de Luna As.Social-Fisco Saúde. RESULTADO DO TRIMESTRE De olho no FISCO SAÚDE DEMONSTRATIVO DE RESULTADO - FISCO SAÚDE JANEIRO A MARÇO DE 2011 COMPETÊNCIA CONTÁBIL JANEIRO FEVEREIRO MARCO TOTAL FLUXO FINANCEIRO DO FISCO SAÚDE 1. RECEITAS , , , ,85 JANEIRO A DEZEMBRO DE MENSALIDADE , , , , FORMAÇÃO DO FUNDO DE RESERVA , , , , RECURSOS DISPONÍVEIS , , , ,73 2. GASTOS ASSISTENCIAIS , , , , CONTAS MÉDICAS , , , , FISCO SAUDE - CREDENCIADOS , , , , FISCO SAUDE - UNIMEDS (exceto Caruaru) 1.303, , , , FISCO SAUDE - RECIPROCIDADE 2.858, , , , FISCO SAUDE - REEMBOLSO , , , , OUTROS GASTOS ASSISTENCIAIS , , , , FISCO SAUDE - UTI MOVEL 4.622, , , , FISCO SAUDE - PAC. CRONICOS , , , , INSS COOP. E PESSOA FISICA 48,00 270, , , MATERIAIS E MEDICAMENTOS ESP , , , , TAXA FEBRAFITE 181,30 181, UNIMED CARUARU , , ,00 3. GASTOS ADMINISTRATIVOS , , , , PESSOAL , , , , ENCARGOS SOCIAIS/BENEFÍCIOS , , , , DESPESAS ADMINISTRATIVAS , , , , OUTROS TRIBUTOS 566, , , ,13 4. FUNDO DE ESTABILIZAÇÃO DE COTAS , , , ,56 5. TOTAL DE COTAS 8.590, , , , COTA PRE-FIXADA 230,00 230,00 230,00 230, COTA REAL 221,49 211,28 239,05 223,95 GASTOS ADMINISTRATIVOS ,60 6,1% OITO ERROS FUNDO DE ESTABILIZAÇÃO ,56 2,6% GASTOS ASSISTENCIAIS ,57 88,8% FORMAÇÃO DO FUNDO DE RESERVA ,12 2,5%

3 2 Tecnologia EDITORIAL Nós da Diretoria e Conselho de Administração do FISCO SAÚDE temos o prazer de apresentar a 1ª Edição do Jornal do nosso plano de saúde feito por nós e para nós que será editado trimestralmente a partir deste ano de Com isso, pretendemos nos aproximar cada vez mais do cumprimento das metas do planejamento estratégico do FISCO SAÚDE, aprovado em Assembleia Geral, no qual foi considerada de primordial importância a aproximação com os associados através de uma comunicação mais efetiva. Aqui os associados encontrarão informações sobre os serviços disponibilizados Deixam Saudades pelo FISCO SAÚDE e como acessá-los, campanhas e informações sobre saúde, além de visualizar dados sobre o andamento da gestão do plano, conquistas, informações financeiras e gerenciais e outros assuntos diversos que sejam considerados de interesse. Contamos com sua participação sugerindo temas e artigos através do com.br. Agradecemos a atenção de todos e desejamos uma boa leitura. Antônio da Silva Ferreira Presidente José Alencar Tavares de Albuquerque Filho Diretor Executivo O Fisco Saúde vem oferecer condolências às famílias dos entes queridos José Arnaldo Santos 30/07/ /01/2011 Maria Laura Pinheiro Rodrigues 11/04/ /03/2011 Edgar Nascimento Paiva 10/02/ /03/2011 Luiz Carlos de Araújo Filho 19/07/ /03/2011 Zulmar Santana Guerra 19/12/ /03/2011 Maria Augusta Mello de Andrade 24/07/ /03/2011 Durante todo o ano de 2010, a equipe do FISCO SAÚDE esteve particularmente envolvida na implantação do novo software de gestão do plano, que permite o acesso a informações em tempo real sobre o andamento das atividades, recursos etc. O sistema escolhido foi o Solus, que encontrase implantado e em funcionamento. Com isso, é possível uma gestão mais prática e efetiva, com acesso a informações integrais sobre o funcionamento do plano. O sistema permite ainda o controle das atividades desenvolvidas pelos funcionários, bem como acesso a informações financeiras e contábeis. Expediente Caixa de Assistencia à Saude do Sindicato dos Funcionários Integrantes do Grupo Ocupacional Administração Tributária do Estado de Pernambuco - FISCO SAUDE. Rua da Aurora, 1443 Sala 01 - Santro Amaro - Recife/PE Presidente: Antônio da Silva Ferreira - Diretor Executivo. José Alencar de Tavares de Albuquerque Filho - Edicão: Primeira - Projeto Gráfico: Sérgio Siqueira - Impressão. GRAPHIC - Tiragem: 2 mil exemplares Editoração: Joelma Helena da Rocha, Carmélia Pessoa - Periodicidade: Trimestral.

4 DESINTOXICAÇÃO CAPILAR Muito se fala sobre os mais variados tratamentos para os cabelos, como: Hidratações, Cauterizações, Realinhamento ou Selamento de Cutículas, etc, mas o que poucos sabem é que os fios perdem muito do seu viço com os processos químicos aplicados com o objetivo de embelezá-los. As colorações, descolorações, relaxamentos, constantes ou não, deixam os cabelos literalmente INTOXICADOS pela ação da AMÔNIA contida nos mesmos, danificando os fios, tornando-os sem balanço, sem brilho, secos, e por fim, quebradiços. A AMÔNIA permanece agindo no fio do cabelo por aproximadamente 6 meses a partir de sua aplicação. Considerando que os retoques são necessários em alguns casos de 8 em 8 dias (brancos), os cabelos recebem recarga constante. Mas como para todo veneno existe o antídoto, a DESINTOXICA- ÇÃO CAPILAR promove a neutralização destes químicos tão necessários, recuperando a saúde e a beleza dos nossos cabelos. O tratamento é composto de neutralizantes, reidratantes e selantes e deve ser feito pelo menos a cada 2 meses. Cleide Magalhães ZÉRIFO HAIR STUDIO Atenção! Este tratamento deverá ser realizado sob os cuidados de um profissional qualificado que irá diagnosticar a necessidade e acompanhar a evolução do resultado, a fim de garantir a saúde e a vitalidade dos seus cabelos. 7 BELEZA e lazer A FRASE ACIMA, conhecida por todos, não é apenas um ditado popular! Estudos comprovam que cantar pode curar muitos males, é o que garantem cada vez mais médicos, que recomendam a prática do canto com regularidade. Até pouco tempo atrás não existiam estudos científicos a respeito do assunto, mas resultados de pesquisas recentes confirmam inclusive que cantar deveria ser receitado pelos médicos. Cantar é a respiração estruturada. O efeito fisiológico da respiração abdominal - a mais profunda - que prevalece quando se canta, se trans- QUEM CANTA SEUS MALES ESPANTA forma em massagem para o intestino e em alívio para o coração. Além disso, essa respiração fornece ar adicional aos alvéolos pulmonares, impulsiona a circulação sanguínea e pode melhorar a concentração e a memória. Na opinião de especialistas, cantar é um ótimo remédio para os males específicos do nosso tempo, porque equilibra o sistema neurovegetativo e reforça a atividade dos nervos parassimpáticos, responsáveis pelo relaxamento do corpo. Cantar gera harmonia psíquica e reforça o sistema imunológico, frente a problemas tão frequentes hoje em dia, como os transtornos do sono, as doenças circulatórias e a síndrome de burnout - a exaustão emocional. Através da voz, o ser humano é capaz de expressar seus sentimentos de tal maneira que pode se desfazer de uma série de más sensações. Pensando nisso, surgiu inicialmente a ideia de criar um CORAL para os usuários do FiscoSaúde. Como já existe o CORAL DA SEFAZ, estamos promovendo, em parceria com a Diretoria do Sindifisco, a vinda dos responsáveis pelo coral a nossa sede, a fim de viabilizar a adesão dos filiados que queiram soltar a voz. A primeira visita será no dia 1º de junho, a partir das 11 horas. Maiores informações com Marta Carolina, diretora do Sindifisco.

5 SAÚDE NÃO TEM PREÇO Quando determinado bem tem um valor estimativo que não pode ser mensurado pelo mercado, diz-se que aquele bem não tem preço. Podemos citar várias coisas que se enquadram nessa definição: a paz de espírito, a honra, a sabedoria, a saúde, etc. Sabe-se que não existe dinheiro no mundo que seja capaz de comprar esses e outros bens essenciais. Acontece que, conforme a sociedade evolui (ou regride?), alguns bens que não têm preço passam a ser oferecidos no mercado, equiparando-se a qualquer mercadoria. É o caso da saúde. Não que a própria saúde tenha-se depreciado a ponto de tornar-se uma mercadoria qualquer. Mas ela passa a ser associada a uma variada gama de bens e serviços que são oferecidos no mercado com a finalidade precípua de manter ou restaurar a saúde. Quando a gente menos espera, a saúde mercadizouse e precificou-se. Podemos continuar afirmando que a saúde não tem preço. Mas tem um custo. A mercadização da saúde, a medicalização de atos antes considerados naturais, como nascer e morrer, o progresso tecnológico e a modificação do perfil de distribuição da população por faixa etária são alguns dos fatores que fazem com que o custo da saúde, O atendimento do fisco Saúde vai à casa dos associados através do Saúde Residência como um todo, seja cada vez maior. Aliás é paradoxal que o progresso tecnológico contribua para aumentar os custos da saúde, pois em outras áreas do conhecimento ele sempre tem contribuído para reduzir custos. Os fatores citados acima também agem num sistema de retroalimentação em que o aumento de um leva a uma elevação de outro. Assim, a medicalização favorece a mercadização, na medida em que alimenta o mercado da medicina, pelo lado da demanda. O progresso tecnológico alimenta o mercado pelo lado da oferta, com tratamentos e exames cada vez mais sofisticados e caros, favorecendo também a longevidade, visto que se tornam curáveis doenças que antes eram incuráveis. Isto leva à modificação do perfil de distribuição da população por faixa etária, introduzindo no mercado um contingente considerável de pessoas com idade mais avançada e, portanto, mais necessitadas de serviços médicos. Mais uma vez, o mercado é alimentado pelo lado da demanda. Assistimos assim à formação de uma bola de neve de proporções imprevisíveis. Não é desprezível a participação do Estado como um dos fatores que realimentam a espiral inflacionária dos custos da saúde. No Poder Executivo, impera a Agência Nacional de Saúde Suplementar, que se dedica mais a fiscalizar e a regulamentar do que a regular e disciplinar o setor. O Poder Judiciário decide sempre da maneira mais simpática, esquecendo muitas vezes que sua função é promover a Justiça. E o Poder Legislativo há muito tempo que se limita a respaldar as ações do Executivo. Nosso plano de saúde é classificado como autogestão não patrocinada. Significa que todos os gastos incorridos são suportados integralmente pelos usuários. Diferente dos planos de mercado, o custo real para o usuário só é conhecido após a efetivação dos procedimentos e a apresentação e processamento das contas. Até 2008, cobrava-se a cada mês um valor equivalente às despesas do mês anterior, com grandes inconvenientes para todos, inclusive para os usuários, que nunca sabiam quanto iam pagar no fim do mês. A partir de 2009, passamos a fixar o valor da cota por semestre, ajustando-o ao final do período, de acordo com as despesas incorridas, inclusive as administrativas. Os gastos com saúde têm crescido acima da inflação, por todos os motivos analisados acima. Isso se reflete inevitavelmente nos reajustes das cotas do Fisco Saúde. Nosso maior desafio hoje é manter o plano de saúde atraente para os mais jovens, que hoje subsidiam os mais idosos na perspectiva de que, aos sessenta anos, dificilmente encontrarão no mercado um plano equivalente e por um preço que possam pagar. José Alencar Tavares de Albuquerque Filho Diretor Executivo Fisco Saúde 3 saúde

6 Conheça o Programa de Gerenciamento de Crônicos do FISCO SAÚDE O Fisco Saúde, através da equipe de Auditoria, deu início ao Programa de Gerenciamento de Pacientes Crônicos, destinado ao monitoramento dos usuários que têm a saúde mais delicada e apresentam grande frequência de atendimentos hospitalares de urgência. Trata-se de um conjunto de ações de saúde aplicadas, de forma preventiva, aos usuários que necessitam de um acompanhamento constante. Entre nossos diferenciais um dos mais percebidos é oferecer serviços próprios de emergência médica domiciliar e aconselhamento médico telefônico que contribuem de forma importante para a resolubilidade das intercorrências e fidelizam o assistido ao nosso programa. OBJETIVO O objetivo deste programa é oferecer assistência diferenciada aos pacientes com patologias crônicas e complexas, como AVC, Mal de Alzheimer e Parkinson, entre outros, através do monitoramento e gerenciamento dos casos, oferecendo assistência aos pacientes que se enquadram nos critérios de inclusão do programa, sem gerar custos adicionais para estes, como também melhorar sua qualidade de vida. O PACIENTE CRÔNICO Para que possamos falar sobre o paciente crônico é necessário esclarecermos que são considerados crônicos aqueles pacientes que são portadores ou adquiriram ao longo da vida, patologias que levam à necessidade de acompanhamento médico prolongado podendo evoluir ou não para a dependência parcial ou total para cuidados básicos de vida, como: alimentação, higiene, deambulação, entre outras. São exemplos de patologias crônicas: Diabettis Mellitus; Hipertensão Arterial; Mal de Alzheimer; Mal de Parkinson; Acidente Vascular Cerebral, entre outras. Estas patologias podem acometer pessoas de qualquer idade, porém, os idosos são mais suscetíveis devido às gradativas alterações fisiológicas que, com o avanço da idade, limitam as funções do organismo, tornandoos cada vez mais dependentes para a realização do autocuidado o que leva à redução ou perda da qualidade de vida. Neste contexto, a hospitalização destes indivíduos passa a ser frequente e por longos períodos. Nas situações de internação, principalmente naquelas em que o paciente apresenta uma mudança súbita na sua condição de vida, tornando-se parcial ou totalmente dependente de cuidados básicos, a família passa a ter uma importância vital no processo de cuidado deste paciente, já que é ela que assumirá, no tempo devido, grande parte dos cuidados básicos necessários a este paciente. Devemos lembrar, entretanto, que a assistência oferecida em um ambiente hospitalar cria dependências, tanto para o paciente quanto para o familiar, que dificultam o retorno ao lar. Desta forma, cabe ao hospital prepará-los para que retornem ao lar em condições físicas, psíquicas e sociais adequadas à nova condição. Durante o processo de preparação da família, faz-se necessária a definição de um cuidador social, que será responsável por receber as informações, orientações e treinamentos oferecidos pela equipe multidisciplinar, com o objetivo de assumir os cuidados básicos de assistência. O QUE FAZ O PGDC? Definido o público a ser trabalhado, iniciamos nosso plano de ação, através de visitas domiciliares, que será executado pelo prestador de serviço contratado, suportados por uma equipe multidisciplinar, que engloba diversas áreas: médica, enfermagem, social e nutricional. Podendo ser acionadas outras áreas de assistências, conforme necessidade, entre elas: fisioterapia, fono-terapia, terapia ocupacional, etc. O monitoramento dos crônicos é realizado por contatos telefônicos e visitas presenciais, numa abordagem ativa e individual, considerando os riscos encontrados na identificação da população e as intercorrências surgidas durante o acompanhamento. Os profissionais do PGDC notificam intercorrências que são avaliadas e que podem desencadear ações das equipes de Atendimento Pré-Hospitalar (APH). Durante o monitoramento podem surgir eventualidades que interfiram na condição de saúde de nossos monitorados. Para atendê-los contamos com um prestador 24 horas por dia, todos os dias da semana, capacitado para intervir em diferentes níveis e assegurar o procedimento correto para cada situação. Atualmente, monitoramos portadores de doenças crônicas que apresentam as seguintes patologias: Doenças Cardíacas: ICC (Insuficiência Cardíaca Congestiva); Doenças Coronarianas; Hipertensão Arterial Sistêmica. Diabetes Mellitus; Acidente Vascular Cerebral; Doenças Pulmonares Crônicas: Asma de Adulto; Enfisema Pulmonar; Bronquite Crônica. CRITÉRIOS DE INCLUSÃO Após a visita da assistente social e/ ou da enfermeira é realizada a inclusão do cliente no programa de acordo com os critérios, objetivando a orientação sobre os recursos necessários à continuidade da sua assistência no domicílio, facilitando e intermediando o acesso aos recursos oferecidos pelo Fisco Saúde. O programa proporciona ao cliente uma avaliação individualizada e voltada para suas necessidades específicas de forma a permitir a propositura de recursos que melhor o atendam após a alta hospitalar. A partir do seu perfil, uma proposta de acompanhamento é elaborada e executada, exclusivamente, para a pessoa atendida. São elegíveis a inclusão: Pacientes com idade > 65 anos, com as patologias acima citadas; Portadores de doenças crônicodegenerativas; Frequência de internamentos hospitalares e de urgências; Sequelados de diversas patologias que necessitem de monitorização; Pacientes terminais. CRITÉRIOS DE EXCLUSÃO Pedido expresso pelo paciente, família e/ou médico assistente; Não colaboração do paciente, cuidador e/ou familiares; Recusa de visita da equipe multidisciplinar. CONSIDERAÇÕES GERAIS Muitos problemas dos pacientes podem ser resolvidos ou atenuados quando se sentem acolhidos em seus lares, por sua família, pois determinados aspectos emocionais podem conduzir ou rejeitar o tratamento. A manutenção de uma assistência à saúde adequada é a garantia do uso ordenado dos recursos em saúde, evitando que os usuários utilizem o plano de saúde além ou aquém de suas necessidades. Da mesma forma, entendemos que o resultado de uma abordagem inteligente é, sempre, a redução de custos da população de crônicos e o sucesso de um programa de gerenciamento desta população. Com os monitoramentos estabelecemos um vínculo baseado em carinho e atenção, que nos permite interferir em seus hábitos de forma ética e eficiente, promovendo a estabilidade de sua condição de saúde, autocontrole sobre seus hábitos e consequente melhoria na sua qualidade de vida. A assistência proporcionada pelo Programa de Gerenciamento não se limita a procedimentos meramente burocráticos. O binômio pacientefamília é atendido de forma holística, cumprindo assim o objetivo do Fisco Saúde que é o SER HUMANO. 5 FIQUE POR DENTRO

7 6 ACONTECEU Viagem a Paris De onde veio? Pra quem foi? No segundo semestre de 2010, a CREDIPE, que hoje se chama PERNAMBUCRED, promoveu uma campanha para incentivar os cooperados a investir suas economias nos fundos da cooperativa, com a distribuição de prêmios mediante sorteio. A Caixa de Assistência participou e ganhou o prêmio principal: Uma viagem a Paris com acompanhante, como foi divulgado pela cooperativa. Como o Governo do Estado passou a folha de pagamento para o Banco Bradesco, a direção do Fisco Saúde resolveu sortear o prêmio, que não podia ser recebido em dinheiro, entre os associado titulares que optassem pelo débito de suas mensalidades na mesma conta em que passaram a receber seus salários. Aproximadamente 50% dos titulares se habilitaram e o sorteio foi realizado na data agendada: 23 de fevereiro de A felizarda foi a Sra. Maria do Socorro Oliveira de Carvalho, que recebeu o prêmio no dia 22/03 das mãos do Sr. José Alencar Diretor Executivo do Fisco Saúde e do Sr. Givaldo Macêdo Soares Diretor Presidente da CREDIPE/ PERNAMBUCRED. Confira as fotos. quero agradecer a oportunidade oferecida pelo Fisco Saúde e pela sorte de ter sido a ganhadora desta viagem maravilhosa. Paris é tudo de bom! Uma arquitetura maravilhosa. Realmente não se poupou recursos para construção dos prédios, pontes, etc. O Museu do Louvre é um mundo de arte e beleza, é encantador! Mª do Socorro Oliveira de Carvalho Dia do Aposentado Cheguei Foi com muita alegria que comemoramos o dia dos aposentados. A Festa aconteceu na sede do Sindifisco em 09/02 e contou a participação de associados, familiares e amigos. O clima de animação tomou conta da festa ao som do frevo e muita boemia. O Fisco Saúde parabeniza os aposentados pelo seu dia, felicitando a cada um, homens e mulheres, pelos anos de trabalho, pelas conquistas realizadas e pelo comprometimento a favor do desenvolvimento do nosso país. O Fisco saúde dá parabéns às famílias e as boas vindas aos recém nascidos inscritos

8 4 QUANDO DEVEMOS FAZER UM CHECK-UP Saúde em Dia No decorrer da vida o ser humano na sociedade é submetido a diferentes exposições, que ocasionam consequências que podem passar despercebidas, mas também provocar sintomas imediatos ou tardios. Quando você não está se sentindo bem, a primeira coisa a fazer é procurar um médico ou um serviço de saúde. Mas saiba que existem algumas doenças que surgem sem dar aviso. Para detectá-las o ideal é fazer um check-up. A primeira coisa que se deve considerar é que o check-up não deve ser visto como um punhado de exames, mas uma série de avaliações que devem ser feitas, porque algumas doenças surgem silenciosamente. Uma pessoa pode, por exemplo, ter pressão alta por muitos anos antes da primeira manifestação e esta pode vir por meio de um enfarto. Outros podem ter sua glicose elevada, e só vir a descobrir quando apresentam uma retinopatia ou problemas vasculares. É preciso rastrear o perfil do paciente para que não haja um gasto desnecessário com exames, e o bom senso para não expor o paciente a riscos como submetê-lo a um exame incisivo, ou algum teste que coloque o indivíduo em contato com radiação, por exemplo, sem ter a certeza que aquele procedimento é imprescindível para o diagnóstico. Coisa que vemos com muita frequência: médicos indicando, ou pacientes exigindo exames, Dr. Ricardo L. Pinto, Gerente Médico Fisco Saúde porque ouviram falar no Fantástico ou estão na moda. Para rastrear o perfil do paciente é preciso observar principalmente: histórico familiar de doenças e hábitos diários como o nível de estresse a que a pessoa é submetida, a alimentação, prática de exercícios físicos, tabagismo e alcoolismo. O ideal é evitar desde jovem os hábitos que não sejam saudáveis, porque os efeitos são acumulativos e quando jovem o organismo é mais flexível e nem sempre as alterações são percebidas nessa fase. Esta prevenção começa desde o nascimento. O exame do pézinho é um importante teste que indica se a criança terá problemas de saúde no futuro. Ao longo da vida o indivíduo vai mudando seu perfil e consequentemente os exames necessários. A ação preventiva é também uma atribuição do médico. Não é preciso ir a um hospital ou clínica especializada para verificar seu estado de saúde, isso pode ser feito pelo seu médico no próprio consultório. No entanto, vai uma crítica. Falta tempo nas consultas, muitos profissionais mal tratam a reclamação do paciente, quanto mais a prevenção. Somente para servir de referência básica no assunto, já que muito depende do perfil de cada um, e também não considerando o histórico familiar alguns exames devem ser feitos a partir de determinadas faixas etárias como: A partir dos 19 anos devem ser feitos exames para medir o colesterol e a glicose no sangue já que a deposição de placas nas artérias é acumulativa e a dieta sem gordura é importante para evitá-la, e o excesso do uso do açúcar é o principal fator que causa o diabetes. As mulheres devem fazer anualmente a Mamografia, exame que diagnostica presença de tumores na mama, já a prevenção do câncer do colo do útero deve ser feita todos os anos a partir da primeira relação sexual. Quanto aos homens a partir dos 45 anos é aconselhável fazer anualmente o exame da próstata, a coleta e análise sanguínea (PSA), a ultrassonografia prostática e o toque retal. Homens e mulheres depois de atingir os 50 anos devem fazer a colonoscopia para diagnosticar a presença de tumores no intestino grosso, e quem fuma precisa ter uma outra preocupação, deve acompanhar com mais detalhe o pulmão, através de tomografias por exemplo. Como vemos, o acompanhamento preventivo envolve muitos fatores, e cada indivíduo deve estar atento às sua características.

Elevação dos custos do setor saúde

Elevação dos custos do setor saúde Elevação dos custos do setor saúde Envelhecimento da população: Diminuição da taxa de fecundidade Aumento da expectativa de vida Aumento da demanda por serviços de saúde. Transição epidemiológica: Aumento

Leia mais

Saadi. Depois de 17 anos, o Congresso Brasileiro de Cirurgia ENTREVISTA

Saadi. Depois de 17 anos, o Congresso Brasileiro de Cirurgia ENTREVISTA Por Aline de Melo Pires Felicidade Saadi é a receita de Natural de Porto Alegre, 49 anos, o cirurgião Eduardo Saadi, membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Cardiovascular (SBCC) fala das causas das

Leia mais

FISCO. Saúde. Programa de Atenção. Domiciliar GUIA DE PROCEDIMENTOS ANS 41.766-1

FISCO. Saúde. Programa de Atenção. Domiciliar GUIA DE PROCEDIMENTOS ANS 41.766-1 FISCO Saúde ANS 41.766-1 Programa de Atenção Domiciliar GUIA DE PROCEDIMENTOS Prezados Associados, Para facilitar a comunicação e dirimir as principais dúvidas sobre a utilização dos nossos serviços, o

Leia mais

PLANO INDIVIDUAL OU FAMILIAR UNIMED. Cuidamos de quem é importante para você

PLANO INDIVIDUAL OU FAMILIAR UNIMED. Cuidamos de quem é importante para você PLANO INDIVIDUAL OU FAMILIAR UNIMED Cuidamos de quem é importante para você plano individual ou familiar Unimed Atenção, respeito e e ciência são pré-requisitos indispensáveis quando se pensa em uma operadora

Leia mais

SENADO FEDERAL PRESSÃO CONTROLADA SENADOR CLÉSIO ANDRADE

SENADO FEDERAL PRESSÃO CONTROLADA SENADOR CLÉSIO ANDRADE SENADO FEDERAL PRESSÃO CONTROLADA SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Pressão controlada apresentação Chamada popularmente de pressão alta, a hipertensão é grave por dois motivos: não apresenta sintomas, ou seja,

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR Prof. Dr. Jones Alberto de Almeida Divisão de saúde ocupacional Barcas SA/ CCR ponte A necessidade de prover soluções para demandas de desenvolvimento, treinamento

Leia mais

GESTÃO EM SAÚDE. cuidando de você, onde quer que você esteja!

GESTÃO EM SAÚDE. cuidando de você, onde quer que você esteja! GESTÃO EM SAÚDE cuidando de você, onde quer que você esteja! Editorial Royal Life É com muito orgulho que a Royal Life apresenta ao mercado de emergências médicas a sua frota. São ambulâncias montadas

Leia mais

Vamos falar sobre câncer?

Vamos falar sobre câncer? Vamos falar sobre câncer? O SIEMACO sempre está ao lado dos trabalhadores, seja na luta por melhores condições de trabalho, lazer e educação ou na manutenção da saúde, visando a promoção e ascensão social.

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR Regulamento do Programa de Assistência Domiciliar aprovado pelo Conselho REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMILICIAR CAPITULO I DEFINIÇÕES GERAIS

Leia mais

Promoção da Saúde e Prevenção de Risco e Doenças no Ambiente de Trabalho. ANS maio/2014

Promoção da Saúde e Prevenção de Risco e Doenças no Ambiente de Trabalho. ANS maio/2014 Promoção da Saúde e Prevenção de Risco e Doenças no Ambiente de Trabalho ANS maio/2014 Perfil da Cemig Maior empresa integrada deutilites do Brasil. Composta por 58 empresas e 15 consórcios. Lucro líquido

Leia mais

Junho 2013 1. O custo da saúde

Junho 2013 1. O custo da saúde Junho 2013 1 O custo da saúde Os custos cada vez mais crescentes no setor de saúde, decorrentes das inovações tecnológicas, do advento de novos procedimentos, do desenvolvimento de novos medicamentos,

Leia mais

Manual de Medicina Preventiva do Sistema Unimed

Manual de Medicina Preventiva do Sistema Unimed Manual de Medicina Preventiva do Sistema Unimed 1 Sumário Apresentação...2 Introdução... 4 Justificativa...5 Conceitos...8 Objetivo Geral...9 Objetivo Específico...10 Áreas de Atuação...11 Formas de Atuação...

Leia mais

Idade, ela pesa 07/07/ 2015. Minhavida.com.br

Idade, ela pesa 07/07/ 2015. Minhavida.com.br Todo mundo quer viver muitos anos, não é mesmo? Mas você já se questionou se está somando mais pontos contra do que a favor na busca pela longevidade? Por isso mesmo, um estudo da Universidade da Califórnia,

Leia mais

Programa de Estímulo à Promoção da Saúde e Prevenção de Doenças da ANS Experiências Bem Sucedidas. Ana Paula Cavalcante 13 de dezembro de 2006

Programa de Estímulo à Promoção da Saúde e Prevenção de Doenças da ANS Experiências Bem Sucedidas. Ana Paula Cavalcante 13 de dezembro de 2006 III Seminário de Promoção da Saúde e Prevenção de Riscos e Doenças na Saúde Suplementar Programa de Estímulo à Promoção da Saúde e Prevenção de Doenças da ANS Experiências Bem Sucedidas Ana Paula Cavalcante

Leia mais

azul NOVEMBRO azul Saúde também é coisa de homem. Doenças Cardiovasculares (DCV)

azul NOVEMBRO azul Saúde também é coisa de homem. Doenças Cardiovasculares (DCV) Doenças Cardiovasculares (DCV) O que são as Doenças Cardiovasculares? De um modo geral, são o conjunto de doenças que afetam o aparelho cardiovascular, designadamente o coração e os vasos sanguíneos. Quais

Leia mais

Ciclo de Debates GV Saúde: Quais as Perspectivas para as Operadoras de Planos de Saúde? Agosto 2014

Ciclo de Debates GV Saúde: Quais as Perspectivas para as Operadoras de Planos de Saúde? Agosto 2014 Ciclo de Debates GV Saúde: Quais as Perspectivas para as Operadoras de Planos de Saúde? Agosto 2014 1 Mercado de Planos de Saúde Impactado por 5 Tendências E o Mercado? Continuará a Crescer? 5 Usuário

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA HOME CARE

MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA HOME CARE MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA HOME CARE Elaborado por: Ana Paula de Menezes Assistente Social da CASSIND APRESENTAÇÃO A internação domiciliar ou home care é compreendida como a instalação de uma estrutura

Leia mais

APRESENTAÇÃO QUALIVIDA

APRESENTAÇÃO QUALIVIDA APRESENTAÇÃO QUALIVIDA (143.846 segurados ) (1.010.965 associados) (1.403.755 associados) (373.839 associados) 4.389 empresas 3.000.000 vidas * Dados jan 2013 2 MISSÃO NOSSA MISSÃO NOSSA MISSÃO Tornar

Leia mais

Núcleo de Atenção Integral à Saúde Unimed São José dos Campos

Núcleo de Atenção Integral à Saúde Unimed São José dos Campos Núcleo de Atenção Integral à Saúde Unimed São José dos Campos Núcleo de Atenção Integral à Saúde da Unimed SJC O Núcleo de Ação Integral à Saúde (NAIS) é o setor responsável pela promoção da saúde e prevenção

Leia mais

Os Desafios Assistenciais na Saúde Suplementar Martha Oliveira Gerente Geral de Regulação Assistencial- ANS

Os Desafios Assistenciais na Saúde Suplementar Martha Oliveira Gerente Geral de Regulação Assistencial- ANS Os Desafios Assistenciais na Saúde Suplementar Martha Oliveira Gerente Geral de Regulação Assistencial- ANS O Envelhecimento Populacional é um fenômeno Mundial Fonte: United Nations Department of Economic

Leia mais

Seminário Anual de Saúde 2010: Cultura de Saúde e Dividendos para o Negócio Uma Visão Estratégica. Setembro/2010

Seminário Anual de Saúde 2010: Cultura de Saúde e Dividendos para o Negócio Uma Visão Estratégica. Setembro/2010 Seminário Anual de Saúde 2010: Cultura de Saúde e Dividendos para o Negócio Uma Visão Estratégica Setembro/2010 Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein Instituição de Saúde composta

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

Programas de Atenção à Saúde Unimed-BH. Flávia Roza

Programas de Atenção à Saúde Unimed-BH. Flávia Roza Programas de Atenção à Saúde Unimed-BH Flávia Roza Condições de saúde Risco 0 Risco 1 Linha de vida do indivíduo Risco 2 Ó B I T Paciente Normal Fatores de Pré Disposição Manifestações Pré Patológicas

Leia mais

Clipping Eletrônico Quarta-feira dia 08/09/2015

Clipping Eletrônico Quarta-feira dia 08/09/2015 Clipping Eletrônico Quarta-feira dia 08/09/2015 Jornal A Crítica - Cidades pág. C3 08 de Setembro de 2015. Jornal A Crítica - Cidades pág. C4 08 de Setembro de 2015 Av. Mário Ypiranga, 1695 Adrianópolis

Leia mais

Esse assunto sempre merece atenção

Esse assunto sempre merece atenção Sua saúde sempre ) Esse assunto sempre merece atenção Quais são os seus motivos para viver com saúde? Reunir a família em um almoço de domingo? Curtir o cinema ao lado da pessoa amada? Sentir orgulho dos

Leia mais

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA.

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. 1 EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. Tales de Carvalho, MD, PhD. tales@cardiol.br Médico Especialista em Cardiologia e Medicina do Esporte; Doutor em

Leia mais

DR. PEDRO JORGE GAYOSO DIRETORIA DE RECURSOS E SERVIÇOS PRÓPRIOS I I

DR. PEDRO JORGE GAYOSO DIRETORIA DE RECURSOS E SERVIÇOS PRÓPRIOS I I DR. PEDRO JORGE GAYOSO DIRETORIA DE RECURSOS E SERVIÇOS PRÓPRIOS I I Recursos e Serviços Próprios II Recursos e Serviços Próprios SAU II DIRETOR: DR. PEDRO JORGE LEITE GAYOSO DE SOUSA. COORDENADOR GERAL

Leia mais

Você sabe os fatores que interferem na sua saúde?

Você sabe os fatores que interferem na sua saúde? DICAS DE SAÚDE 2 Promova a sua saúde. Você sabe os fatores que interferem na sua saúde? Veja o gráfico : 53% ao estilo de vida 17% a fatores hereditários 20% a condições ambientais 10% à assistência médica

Leia mais

Seminário Anual de Saúde 2013

Seminário Anual de Saúde 2013 Seminário Anual de Saúde 2013 Sustentabilidade dos programas de saúde: desafios e oportunidades Renato Barreiros Philips do Brasil 16 de maio de 2013 2013 Towers Watson. Todos os direitos reservados. Historicamente,

Leia mais

Auditoria na Gestão do Paciente Crônico

Auditoria na Gestão do Paciente Crônico Auditoria na Gestão do Paciente Crônico Unimed Paulistana 6º Congresso Nacional Unimed de Auditoria em Saúde Búzios RJ 17/06/2011 Dr. Luis Gerk de Azevedo Quadros Médico Cooperado Coordenador - Atenção

Leia mais

Envelhecimento com qualidade: Como as operadoras de planos de saúde estão se organizando. 10ª Jornada PRONEP Rio de Janeiro, setembro 2010

Envelhecimento com qualidade: Como as operadoras de planos de saúde estão se organizando. 10ª Jornada PRONEP Rio de Janeiro, setembro 2010 Envelhecimento com qualidade: Como as operadoras de planos de saúde estão se organizando 10ª Jornada PRONEP Rio de Janeiro, setembro 2010 CONTEXTUALIZANDO: A variação de despesas nos últimos 8 anos superou

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE CONDIÇÕES CRÔNICAS

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE CONDIÇÕES CRÔNICAS REGULAMENTO DO PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE CONDIÇÕES CRÔNICAS Versão aprovada na 2ª reunião do Conselho Deliberativo da Cemig Saúde em 22.10.2010. Em vigor a partir de 01.10.2010. Alterado na 15ª reunião

Leia mais

ANS 3º Workshop Regional de Promoção de Saúde e Prevenção de Riscos e Doenças Brasília/DF 09/10/2014

ANS 3º Workshop Regional de Promoção de Saúde e Prevenção de Riscos e Doenças Brasília/DF 09/10/2014 ANS 3º Workshop Regional de Promoção de Saúde e Prevenção de Riscos e Doenças Brasília/DF 09/10/2014 ANS Panorama dos Programas para Promoção de Saúde e Prevenção de Riscos e Doenças na Saúde Suplementar

Leia mais

MANUAL DO ASSOCIADO CONTRATANTE: SENGE - PR CÓDIGO CONTRATANTE: 54780-0

MANUAL DO ASSOCIADO CONTRATANTE: SENGE - PR CÓDIGO CONTRATANTE: 54780-0 MANUAL DO ASSOCIADO CONTRATANTE: SENGE - PR CÓDIGO CONTRATANTE: 54780-0 Este manual tem o objetivo de levar ao Associado informações sobre o plano de saúde ao qual está propondo sua adesão. Colocamos as

Leia mais

QUALIDADE E SEGURANÇA EM ASSISTÊNCIA DOMICILIAR E HOSPITALAR

QUALIDADE E SEGURANÇA EM ASSISTÊNCIA DOMICILIAR E HOSPITALAR QUALIDADE E SEGURANÇA EM ASSISTÊNCIA DOMICILIAR E HOSPITALAR HOME CARE Ajudar o paciente a resgatar a qualidade de vida em sua própria residência, é o compromisso do NADH. O atendimento personalizado é

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DOS PLANOS DE SAÚDE DA CEB, ADMINISTRADOS PELA FACEB

RELATÓRIO DE GESTÃO DOS PLANOS DE SAÚDE DA CEB, ADMINISTRADOS PELA FACEB BRASÍLIA, OUTUBRO DE 2015 RELATÓRIO DE GESTÃO DOS PLANOS DE SAÚDE DA CEB, ADMINISTRADOS PELA FACEB 1 º S E M E S T R E / 2 0 1 5 Plano de Saúde da CEB e Plano CEB-Saúde 1. APRESENTAÇÃO O presente relatório

Leia mais

Colaboradores da Oceanair e Avianca. Prezado Cliente, Parabéns!

Colaboradores da Oceanair e Avianca. Prezado Cliente, Parabéns! Colaboradores da Oceanair e Avianca Prezado Cliente, Parabéns! A sua empresa tem contrato com a Unimed Paulistana e isso quer dizer que você é um cliente UNIMED. Significa também que seu plano de saúde

Leia mais

EIXO I - Política de saúde na seguridade social, segundo os princípios da integralidade, universalidade e equidade

EIXO I - Política de saúde na seguridade social, segundo os princípios da integralidade, universalidade e equidade 10ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE: OO"TODOS USAM O SUS! SUS NA SEGURIDADE SOCIAL - POLÍTICA PÚBLICA, PATRIMÔNIO DO POVO BRASILEIRO" EIXO I - Política de saúde na seguridade social, segundo os princípios

Leia mais

Estudo de caso: Hospital Albert Einstein. Mirian do Carmo Branco da Cunha Diretora de Recursos Humanos, SBIB Hospital Albert Einstein

Estudo de caso: Hospital Albert Einstein. Mirian do Carmo Branco da Cunha Diretora de Recursos Humanos, SBIB Hospital Albert Einstein Saúde e produtividade: o valor de uma força de trabalho saudável para o sucesso nos negócios Estudo de caso: Hospital Albert Einstein Mirian do Carmo Branco da Cunha Diretora de Recursos Humanos, SBIB

Leia mais

Conjunto de ações estabiliza o Plano

Conjunto de ações estabiliza o Plano AGO SET 2009 Editado pela Assessoria de Comunicação Institucional Conjunto de ações estabiliza o Plano Desde o final do ano passado, a Superintendência de Saúde da Fachesf (PSS) tem desenvolvido um Plano

Leia mais

informe 30 anos de história no RN COOPERATIVA ODONTOLÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE Outubro 2012 www.uniodontorn.com.

informe 30 anos de história no RN COOPERATIVA ODONTOLÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE Outubro 2012 www.uniodontorn.com. Outubro 2012 NATAL www.unirn.com.br (84) 4009-4664 Rua Açu, 665 - Tirol Natal/RN - CEP 59020-110 30 anos de história no RN www.unirn.com.br COOPERATIVA LÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE ANS - n.º 34531-8 Palavra

Leia mais

SÍNDROME DE BURNOUT: ATIVIDADES PREVENTIVAS COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE DA FAMÍLIA

SÍNDROME DE BURNOUT: ATIVIDADES PREVENTIVAS COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE DA FAMÍLIA SÍNDROME DE BURNOUT: ATIVIDADES PREVENTIVAS COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE DA FAMÍLIA ARAÚJO, Andréia 1 ; RODRIGUES, Hingridy Aparecida 2 ; FERRARI, Rogério 3 ; MAGALHÃES, Josiane 4 ; FRANÇA, Flávia Maria

Leia mais

Produtos Unimed Grande Florianópolis

Produtos Unimed Grande Florianópolis Produtos Unimed Grande Florianópolis A Unimed é o plano de saúde que oferece os melhores médicos do Brasil. Vamos além para que sua saúde seja plena e de qualidade. Para nós, o importante é ver você bem

Leia mais

FGV GV Saúde. Condições Crônicas Fatores de risco e prevenção. Centro de Medicina Preventiva Hospital Israelita Albert Einstein Março de 2013

FGV GV Saúde. Condições Crônicas Fatores de risco e prevenção. Centro de Medicina Preventiva Hospital Israelita Albert Einstein Março de 2013 FGV GV Saúde Condições Crônicas Fatores de risco e prevenção Centro de Medicina Preventiva Hospital Israelita Albert Einstein Março de 2013 A Revisão Continuada de Saúde Revisão Continuada de Saúde (RCS)

Leia mais

ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL

ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL 1. ENVELHECIMENTO ACTIVO A Organização Mundial da Saúde e a Comissão da União Europeia consideram de grande importância todas as medidas, políticas e práticas, que contribuam para

Leia mais

PREVENÇÃO DAS DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS PREVENIR É PRECISO MANUAL DE ORIENTAÇÕES AOS SERVIDORES VIGIAS DA PREFEITURA DE MONTES CLAROS

PREVENÇÃO DAS DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS PREVENIR É PRECISO MANUAL DE ORIENTAÇÕES AOS SERVIDORES VIGIAS DA PREFEITURA DE MONTES CLAROS PREVENÇÃO DAS DOENÇAS MANUAL DE ORIENTAÇÕES AOS SERVIDORES CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS VIGIAS DA PREFEITURA DE MONTES CLAROS design ASCOM-PMMC PREVENIR É PRECISO DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS No

Leia mais

Longo caminho. Acontece no mundo inteiro. Os doentes crônicos

Longo caminho. Acontece no mundo inteiro. Os doentes crônicos Gestão Foto: dreamstime.com Longo caminho Medida da ANS inicia discussão sobre a oferta de medicamentos ambulatoriais para doentes crônicos pelas operadoras de saúde Por Danylo Martins Acontece no mundo

Leia mais

HISTÓRICO. Há 12 Anos Extinta Caixa Econômica Estadual. 1996 FUCAE PAS Medicina e Odonto Fundação dos Economiários da Caixa Econômica Estadual

HISTÓRICO. Há 12 Anos Extinta Caixa Econômica Estadual. 1996 FUCAE PAS Medicina e Odonto Fundação dos Economiários da Caixa Econômica Estadual HISTÓRICO Há 12 Anos Extinta Caixa Econômica Estadual 1996 FUCAE PAS Medicina e Odonto Fundação dos Economiários da Caixa Econômica Estadual Out/1999 SAÚDE PAS Medicina & Odonto Associação dos Gerentes

Leia mais

Modelo Domiciliar de. Assistência ao Doente. Crônico

Modelo Domiciliar de. Assistência ao Doente. Crônico Modelo Domiciliar de Modelos Assistenciais Assistência ao Doente Alternativos Crônico Panorama da Saúde no Brasil Aumento do poder aquisitivo Mudanças no Estilo de Vida Crescimento da População com Planos

Leia mais

FÁBRICA ABERTA. destaque pág.02. sumário PROGRAMA DE PREVENÇÃO E RECUPERAÇÃO DA DEPENDÊNCIA QUÍMICA

FÁBRICA ABERTA. destaque pág.02. sumário PROGRAMA DE PREVENÇÃO E RECUPERAÇÃO DA DEPENDÊNCIA QUÍMICA Criando caminhos. ed. 04 - fevereiro março 2012 destaque pág.02 PROGRAMA DE PREVENÇÃO E RECUPERAÇÃO DA DEPENDÊNCIA QUÍMICA sumário 02 03 03 04 05 07 07 07 08 Editorial Aniversariantes do Mês Dia Internacional

Leia mais

CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL

CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL Ocilma Barros de Quental. Faculdade de Medicina do ABC(ocilmaquental2011@hotmail.com) Sheylla Nadjane Batista Lacerda.

Leia mais

UNIMED FESP. Dra. Maria Manuela Almeida Nunes Mazzini. Gerente de Gestão em Saúde. manuela.mazzini@unimedfesp.coop.br 22/07/2013 1

UNIMED FESP. Dra. Maria Manuela Almeida Nunes Mazzini. Gerente de Gestão em Saúde. manuela.mazzini@unimedfesp.coop.br 22/07/2013 1 UNIMED FESP Dra. Maria Manuela Almeida Nunes Mazzini Gerente de Gestão em Saúde manuela.mazzini@unimedfesp.coop.br 1 PERFIL UNIMED UNIMED FESP Quantidade de usuários 565.582 Área de abrangência Quantidade

Leia mais

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição IDENTIFICANDO A DEPRESSÃO Querida Internauta, Lendo o que você nos escreveu, mesmo não sendo uma profissional da área de saúde, é possível identificar alguns sintomas de uma doença silenciosa - a Depressão.

Leia mais

Aqui, pela sua Saúde! Guia do Utente

Aqui, pela sua Saúde! Guia do Utente Aqui, pela sua Saúde! Guia do Utente Este guia tem como objetivo fornecer aos Utentes, desta unidade, informações sobre os serviços disponíveis, para que os possam utilizar de forma equilibrada e racional.

Leia mais

Boletim Informativo. O ano de 2013. Informe RH - Redução da Jornada de Trabalho. Próxima edição C O N J U N T O H O S P I T A L A R DO M A N D A Q U I

Boletim Informativo. O ano de 2013. Informe RH - Redução da Jornada de Trabalho. Próxima edição C O N J U N T O H O S P I T A L A R DO M A N D A Q U I C O N J U N T O H O S P I T A L A R DO M A N D A Q U I Boletim Informativo Nossa Missão: Promover assistência segura à saúde, com respeito e ética aos usuários, desenvolvendo o ensino e pesquisa na busca

Leia mais

PLANO DE SAÚDE. Tenha em mãos informações importantes. Guarde junto com o cartão do seu plano de saúde para consultar quando precisar

PLANO DE SAÚDE. Tenha em mãos informações importantes. Guarde junto com o cartão do seu plano de saúde para consultar quando precisar PLANO DE SAÚDE Tenha em mãos informações importantes Guarde junto com o cartão do seu plano de saúde para consultar quando precisar A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) é a agência reguladora

Leia mais

Programa de Atenção Integrada ao Idoso

Programa de Atenção Integrada ao Idoso Programa de Atenção Integrada ao Idoso Valéria Terra¹, Maria Carolina Carmignani¹, Tereza Barczinski² ¹ Metrus Instituto de Seguridade Social ² Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar

Leia mais

Perfil dos Beneficiários de Planos e SUS e o Acesso a Serviços de Saúde PNAD 2003 e 2008

Perfil dos Beneficiários de Planos e SUS e o Acesso a Serviços de Saúde PNAD 2003 e 2008 Perfil dos Beneficiários de Planos e SUS e o Acesso a Serviços de Saúde PNAD 2003 e 2008 Marcos Novais Carina Burri Martins José Cechin Superintendente Executivo APRESENTAÇÃO O objetivo deste trabalho

Leia mais

informe COOPERATIVA ODONTOLÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE Abril 2012 www.uniodontorn.com.br (84) 4009-4664 Rua Açu, 665 - Tirol Natal/RN - CEP 59020-110

informe COOPERATIVA ODONTOLÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE Abril 2012 www.uniodontorn.com.br (84) 4009-4664 Rua Açu, 665 - Tirol Natal/RN - CEP 59020-110 Abril 2012 NATAL www.unirn.com.br COOPERATIVA LÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE DESTAQUES DESTA EDIÇÃO: Convenção da Uniodonto Nordeste... pág. 03 Assembleia dos cooperados reelege a atual Diretoria... pág.

Leia mais

Informativo FioSaúde

Informativo FioSaúde Informativo FioSaúde ANO VI / Nº 57 Março / Abril 2011 1 Informativo FioSaúde PUBLICAÇÃO DO FIOPREV ANO VI / NÚMERO 57 Março - Abril 2011 FioSaúde realiza reunião com usuários sobre nova tabela de preços

Leia mais

Estratégia Saúde Integrada

Estratégia Saúde Integrada Departamento de Saúde e Segurança Por trás de uma vida existem muitas outras. Estratégia Saúde Integrada Fernando Coelho Neto Gerente de Saúde Corporativa Evolução da estratégia em Saúde Corporativa Cultura

Leia mais

POSSIBILIDADES E LIMITES DO TRATAMENTO PSÍQUICO NO SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR UNIMED GV

POSSIBILIDADES E LIMITES DO TRATAMENTO PSÍQUICO NO SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR UNIMED GV POSSIBILIDADES E LIMITES DO TRATAMENTO PSÍQUICO NO SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR UNIMED GV Camila de Souza Andrade 1 Resumo: A Assistência Domiciliar, na qual o paciente recebe os cuidados necessários

Leia mais

Campanhas, Atividades Semanais, Comemorações, Avanços e Desafios. Para o ano de 2015

Campanhas, Atividades Semanais, Comemorações, Avanços e Desafios. Para o ano de 2015 Campanhas, Atividades Semanais, Comemorações, Avanços e Desafios Para o ano de 2015 O Plano Anual de Saúde de 2015 guarda uma característica própria: é o espelho da programação do PMS 2014/2017 aplicado

Leia mais

Maisa Kairalla e Valmari Aranha Presidentes da comissão científica do Gerp.13 PROGRAMAÇÃO PRELIMINAR

Maisa Kairalla e Valmari Aranha Presidentes da comissão científica do Gerp.13 PROGRAMAÇÃO PRELIMINAR Gerp.13: Educação, Ciência e Inovação Neste encontro, primaremos pelo conhecimento e atualização, assim, teremos exposições em formato de highlights, updates e a inovação de grandes temas em forma de cartas

Leia mais

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA FEFD/UFG 1 NA ÁREA DO ENVELHECIMENTO

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA FEFD/UFG 1 NA ÁREA DO ENVELHECIMENTO O ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA FEFD/UFG 1 NA ÁREA DO ENVELHECIMENTO Juliana Paula Balestra Soares Joelma Cristina Gomes Carmencita Márcia Balestra Faculdade

Leia mais

Estratégia Saúde Integrada

Estratégia Saúde Integrada Departamento de Saúde e Segurança Por trás de uma vida existem muitas outras. Estratégia Saúde Integrada Fernando Coelho Neto Gerente de Saúde Corporativa Evolução da estratégia em Saúde Corporativa Cumprimento

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

DIAS AULA TEMA CONTEÚDO

DIAS AULA TEMA CONTEÚDO MARÇO 04/03 Teórica Noções em Geriatria e Gerontologia - Histórico - Temas básicos: saúde, autonomia, independência, incapacidade e fragilidade - Epidemiologia do envelhecimento - Papel do cuidador - Qualidade

Leia mais

atitudeé prevenir-se Moradores da Mooca:

atitudeé prevenir-se Moradores da Mooca: atitudeé prevenir-se Moradores da Mooca: Nós temos atitude, e você? O Câncer do Intestino pode ser prevenido com um teste simples e indolor que pode ser realizado em sua casa. O teste é GRATUITO oferecido

Leia mais

PRA VIDA PROGRAMA DE APOIO A VIDA

PRA VIDA PROGRAMA DE APOIO A VIDA PRA VIDA PROGRAMA DE APOIO A VIDA Definições Doença crônica: Persiste por períodos superiores a seis meses e não se resolve em um curto espaço de tempo e apresentam efeitos de longo prazo, difíceis de

Leia mais

Resoluções, conquistas e desafios

Resoluções, conquistas e desafios Eventos pré-congresso Cuidados Paliativos Conselhos e Associações de Classe Demências - diagnóstico diferencial TNT Geriatria - Abbott GeriatRio2013 - Programação Preliminar Como responder às demandas

Leia mais

Pesquisa da relação entre. médicos, dentistas e fisioterapeutas. com planos de saúde

Pesquisa da relação entre. médicos, dentistas e fisioterapeutas. com planos de saúde Pesquisa da relação entre médicos, dentistas e fisioterapeutas Abril / 2013 Objetivo Conhecer a opinião dos médicos especialistas, cirurgiões-dentistas e fisioterapeutas sobre a relação com os planos ou

Leia mais

Capítulo XII SECRETARIA DE SERVIÇOS INTEGRADOS DE SAÚDE

Capítulo XII SECRETARIA DE SERVIÇOS INTEGRADOS DE SAÚDE Capítulo XII SECRETARIA DE SERVIÇOS INTEGRADOS DE SAÚDE FINALIDADE A Secretaria de Serviços Integrados de Saúde, órgão de direção especializada, subordinada ao diretor-geral da Secretaria do Tribunal,

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA. José Camargo Santa Casa - Porto Alegre Brasil. jjcamargo@terra.com.br

QUALIDADE DE VIDA. José Camargo Santa Casa - Porto Alegre Brasil. jjcamargo@terra.com.br QUALIDADE DE VIDA José Camargo Santa Casa - Porto Alegre Brasil jjcamargo@terra.com.br QUALIDADE DE VIDA Depois que aprendemos a viver MAIS, descobrimos que viver BEM é tão ou mais importante. QUALIDADE

Leia mais

PROGRA M A DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE PAS/SERPRO MANUAL DO USUÁRIO IMPORTANTE

PROGRA M A DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE PAS/SERPRO MANUAL DO USUÁRIO IMPORTANTE PROGRA M A DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE PAS/SERPRO MANUAL DO USUÁRIO IMPORTANTE O PAS/SERPRO em Convênio de Reciprocidade com a CASSI foi criado de maneira a possibilitar o acesso de todos os empregados e seus

Leia mais

Gerenciamento de Casos Especiais

Gerenciamento de Casos Especiais Gerenciamento de Casos Especiais Cuidados especiais pra Quem É especial. QUEM ama cuida. 2 o programa Gerenciamento de casos especiais, oferecido pelo departamento de Qualidade de vida e saúde, da unimed

Leia mais

Com carga horária de 420 horas o curso Saúde do Idoso e Gerontologia é desenvolvido em sistema modular, com 01 encontro por bimestre (total de

Com carga horária de 420 horas o curso Saúde do Idoso e Gerontologia é desenvolvido em sistema modular, com 01 encontro por bimestre (total de Com carga horária de 420 horas o curso Saúde do Idoso e Gerontologia é desenvolvido em sistema modular, com 01 encontro por bimestre (total de encontros no curso: 04) para avaliação nos diversos pólos,

Leia mais

ANEXO II MANUAL DO CREDENCIADO

ANEXO II MANUAL DO CREDENCIADO ANEXO II MANUAL DO CREDENCIADO ESTE MANUAL TEM POR OBJETIVO FORNECER ORIENTAÇÃO GERAL AOS PROFISSIONAIS E INSTITUIÇÕES CREDENCIADAS DO SISTEMA DE ASSISTÊNCIA MÉDICA SUPLETIVA DA CESAN. O FIEL CUMPRIMENTO

Leia mais

PLANOS DE SAÚDE: CONHEÇA SEUS DIREITOS CONTRA ABUSOS E ARMADILHAS

PLANOS DE SAÚDE: CONHEÇA SEUS DIREITOS CONTRA ABUSOS E ARMADILHAS PLANOS DE SAÚDE: CONHEÇA SEUS DIREITOS CONTRA ABUSOS E ARMADILHAS PLANOS DE SAÚDE: CONHEÇA SEUS DIREITOS CONTRA ABUSOS E ARMADILHAS Direito de todos e dever do Estado! Como determina a Constituição Federal

Leia mais

PLANOS DE SAÚDE. O que é preciso saber?

PLANOS DE SAÚDE. O que é preciso saber? PLANOS DE SAÚDE O que é preciso saber? Queridos amigos, Estamos muito felizes por concluir a nossa segunda cartilha sobre direitos atrelados à saúde. Este trabalho nasceu com o propósito de levar informações

Leia mais

Clipping Eletrônico Sábado dia 15/11/2014

Clipping Eletrônico Sábado dia 15/11/2014 Clipping Eletrônico Sábado dia 15/11/2014 Jornal Em Tempo Dia a Dia Pág. A07 15 de novembro de 2014 Jornal Agora Cidade Pág. 3-15 de novembro de 2014 Jornal Agora Cidade Pág. 3-15 de novembro de 2014 Jornal

Leia mais

Oficinas de tratamento. Redes sociais. Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas

Oficinas de tratamento. Redes sociais. Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas Oficinas de tratamento Redes sociais Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas Irma Rossa Médica Residência em Medicina Interna- HNSC Médica Clínica- CAPS ad HNSC Mestre em Clínica Médica- UFRGS

Leia mais

A PESSOA COM DIABETES

A PESSOA COM DIABETES A PESSOA COM DIABETES A diabetes mellitus é uma doença crónica com elevados custos humanos, sociais e económicos, em rápida expansão por todo o mundo. Calcula-se que Portugal terá, na segunda década deste

Leia mais

PREVENÇÃO DE DOENÇAS

PREVENÇÃO DE DOENÇAS Page 1 of 7 PREVENÇÃO DE DOENÇAS (Adaptação baseada nas condutas propostas pela Academia Norte-Americana de Médicos de Família/Clínica Mayo, USA) O que a medicina atual preconiza em termos de prevenção

Leia mais

Manual de Orientação ao Cliente. Bem vindo à

Manual de Orientação ao Cliente. Bem vindo à Manual de Orientação ao Cliente Bem vindo à Prezado Associado: Nós da São Miguel Saúde sentimo-nos honrados em poder atender você e sua família disponibilizando serviços médicos com qualidade. Seu Plano

Leia mais

4º SEMINÁRIO AUTOGESTÃO COMO MODELO IDEAL PARA A SAÚDE CORPORATIVA A SUSTENTABILIDADE DA SAÚDE NAS -

4º SEMINÁRIO AUTOGESTÃO COMO MODELO IDEAL PARA A SAÚDE CORPORATIVA A SUSTENTABILIDADE DA SAÚDE NAS - 4º SEMINÁRIO AUTOGESTÃO COMO MODELO IDEAL PARA A SAÚDE CORPORATIVA A SUSTENTABILIDADE DA SAÚDE NAS - EMPRESAS - OS DESAFIOS PARA O SEGMENTO DE AUTOGESTÃO Vilma Dias GERENTE DA UNIDADE CASSI SP AGENDA 1.

Leia mais

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Uma vida normal com diabetes Obesidade, histórico familiar e sedentarismo são alguns dos principais fatores

Leia mais

sobre pressão alta Dr. Decio Mion

sobre pressão alta Dr. Decio Mion sobre pressão alta Dr. Decio Mion 1 2 Saiba tudo sobre pressão alta Dr. Decio Mion Chefe da Unidade de Hipertensão do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HC-FMUSP)

Leia mais

Gestão de Saúde Populacional Unimed-Rio. Superintendência de Atenção à Saúde

Gestão de Saúde Populacional Unimed-Rio. Superintendência de Atenção à Saúde Gestão de Saúde Populacional Unimed-Rio Superintendência de Atenção à Saúde 52,4% dos trabalhadores terão 45 anos ou mais em 2050 (Atualmente - 33,8%) Idade média da força de trabalho será 44,3 anos (Atualmente

Leia mais

II Congresso Multidisciplinar em Oncologia

II Congresso Multidisciplinar em Oncologia II Congresso Multidisciplinar em Oncologia SOBREVIVENTES DO CÂNCER: DE QUAL DEMANDA EMOCIONAL ESTAMOS FALANDO? Vicente A. de Carvalho II Congresso Multidisciplinar em Oncologia A revolução na Medicina

Leia mais

I Seminário Internacional de Atenção Primária em Saúde de São Paulo PARTE II

I Seminário Internacional de Atenção Primária em Saúde de São Paulo PARTE II I Seminário Internacional de Atenção Primária em Saúde de São Paulo PARTE II DESENVOLVIMENTO DO PROJETO EM 2009 Objetivos: REUNIÕES TÉCNICAS DE TRABALHO PactuaçãodoPlanodeTrabalhoedoPlanodeAções Desenvolvimento

Leia mais

RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO

RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO O transplante cardíaco é uma forma de tratamento para os pacientes com insuficiência cardíaca

Leia mais

Como estimular suas equipes a serem saudáveis, felizes e produtivas. Dr. Marco Cantero

Como estimular suas equipes a serem saudáveis, felizes e produtivas. Dr. Marco Cantero Como estimular suas equipes a serem saudáveis, felizes e produtivas Dr. Marco Cantero Como estimular suas equipes a serem saudáveis, felizes e produtivas Como estimular suas equipes a serem saudáveis,

Leia mais

Prevenção. Introdução. Passo 1. Tenha uma alimentação saudável. Passo 2. Não fique parado, movimente-se! Passo 3. Livre-se do cigarro

Prevenção. Introdução. Passo 1. Tenha uma alimentação saudável. Passo 2. Não fique parado, movimente-se! Passo 3. Livre-se do cigarro www.cardiol.br Introdução As doenças cardiovasculares (DCV) afetam anualmente, no Brasil, cerca de 17,1 milhões de vidas. Registramos no país mais de 300 mil mortes por ano decorrentes dessas doenças,

Leia mais

Proposta de Estudo Modalidade de Contrato de Assistência Médica. Pré-Pagamento

Proposta de Estudo Modalidade de Contrato de Assistência Médica. Pré-Pagamento Proposta de Estudo Modalidade de Contrato de Assistência Médica Pré-Pagamento SINDICATO DOS FISCAIS DA AGENCIA DEFESA AGROPECUARIO DO ESTADO DO MA PROPOSTA 513/2011 27 de abril/2011 1 PUSL 513/2011 São

Leia mais

UNIDAS. Angélica Villa Nova de Avellar Du Rocher Carvalho Gerente-Geral de Análise Técnica da Presidência Brasília, 28 de abril de 2014

UNIDAS. Angélica Villa Nova de Avellar Du Rocher Carvalho Gerente-Geral de Análise Técnica da Presidência Brasília, 28 de abril de 2014 UNIDAS Angélica Villa Nova de Avellar Du Rocher Carvalho Gerente-Geral de Análise Técnica da Presidência Brasília, 28 de abril de 2014 Saúde no Brasil Art. 196. A saúde é direito de todos e dever do Estado,

Leia mais

Asilo São Vicente de Paulo

Asilo São Vicente de Paulo Asilo São Vicente de Paulo O Asilo São Vicente de Paulo promove a qualidade de vida e o resgate à dignidade da pessoa idosa. Atualmente é responsável pela garantia dos direitos fundamentais de 150 idosas.

Leia mais