PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CACAU EM GANDU-BA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CACAU EM GANDU-BA"

Transcrição

1 PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CACAU EM GANDU-BA Os produtores de Gandu se reuniram, em 13/05, para participarem do levantamento de custos de produção de cacau para o projeto Campo Futuro, uma iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR) e Centro de Inteligência em Mercados (CIM) da Universidade Federal de Lavras (UFLA). O projeto tem como objetivo o levantamento do custo de produção de diversas culturas nas principais regiões produtoras do Brasil. 1. SISTEMA DE PRODUÇÃO O painel de Gandu considerou a propriedade típica da região como sistema de cultivo não irrigado e manejo manual (40% de sombreamento). Nesta localidade a produção de cacau é dividida entre cinco cultivares mais comuns, sendo Cacau comum, PH 16, CCN 51, PS e CEPEC Tabela 1 Características da produção de cacau em Gandu-BA CARACTERÍSTICAS DA PROPRIEDADE TÍPICA (MODA) Área Produtiva (hectares) 10 Produtividade (arrobas) 40 Nesta região, os recursos de terceiros fornecem aproximadamente 53% do capital necessário para cobrir o COE na propriedade típica, sendo 34% provenientes do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), 12% de Revenda de insumos e 7% de Armazéns. Verificou-se que a comercialização é realizada principalmente por meio de intermediários. 2. ANÁLISE ECONÔMICA O Custo Operacional Efetivo (COE) da produção de cacau no município é de R$84,26 por arroba. O COE corresponde a todos os componentes de custos gerados pela relação entre os coeficientes técnicos (quantidade utilizada) e os seus preços. Também se enquadram os gastos administrativos e os custos financeiros do capital de giro. Os componentes do COE são renovados em todo ciclo produtivo. Os custos com Pessoas na condução da lavoura são responsáveis por aproximadamente 43% do COE, sendo que 11% são encargos trabalhistas.

2 Os Insumos participam em 11% do COE, sendo que 7% correspondem a fertilizantes. A colheita é realizada manualmente em 100% da área colhida. Pessoas na colheita participam em 27% do COE, sendo 7% relativos a encargos trabalhistas. Gastos Gerais representam 15% do COE. Manutenções de máquinas, implementos e benfeitorias estão contidas nesse item, e correspondem a 7,4% do COE. Os Juros de Custeio, gerados com a captação de recursos de terceiros necessários para o financiamento da produção, representam aproximadamente 2% do COE. O Custo Operacional Total (COT), resultante da soma entre o COE, Depreciações e Prólabore, indica a possibilidade de reposição da capacidade produtiva do negócio além da remuneração do responsável pelo gerenciamento da atividade, que pode ser o próprio produtor. O COT em Gandu é de R$106,96 por arroba, dos quais as depreciações de maquinários, implementos, benfeitorias e lavouras, representam 21% (do total de depreciações, Lavouras correspondem a 58,74%). Não há participação do pró-labore no COT, pois de acordo com os participantes do painel, na propriedade típica de Gandu um dos funcionários é o próprio produtor, que também é responsável pelo gerenciamento da atividade. Gráfico 1 Composição do COT Composição do Custo Operacional Total (COT) Pró-labore, 0% Condução da Lavoura, 42% Depreciação, 21% COE, 79% Colheita e Pós Colheita, 23% Gastos Gerais, 12% Juros de Custeio, 2% Já o Custo Total (CT), resultante da soma entre COT e custo de oportunidade da terra e dos bens de capital, indica a situação econômica do empreendimento considerando todos os custos implícitos, que neste caso se referem aos valores que estes fatores poderiam gerar em investimentos alternativos.

3 O CT da produção de cacau em Gandu é de R$140,21 por arroba, onde o custo de oportunidade dos bens de capital corresponde à aplicação de uma taxa de juros de 6% sobre o capital médio empatado em máquinas, implementos, benfeitorias e lavouras. O custo de oportunidade da terra corresponde ao seu valor de arrendamento. Gráfico 2 Relação de troca do CT em maio 30,00 28,09 Relação de troca por hectare - Custo Total 25,00 20,00 15,00 10,00 7,57 6,92 5,00 0,00 4,17 0,00 Arrobas / hectare COE Depreciações Pró-labore Remuneração Terra Remuneração Bens de Capital O gráfico acima demonstra o mecanismo da Relação de Troca (RT), que representa a quantidade em arrobas de cacau necessária para pagar os custos de produção em um hectare. Com os preços de venda do cacau observados no mês de maio, são necessárias 46,75 arrobas por hectare para cobrir o CT em Gandu, quantidade aproximadamente 17% superior à produtividade (apenas para cobrir o COE, seriam necessárias 28,09 arrobas por hectare). É importante ressaltar que o preço do cacau tem grande influência nesta análise.

4 Tabela 2 Discriminação dos custos de produção da propriedade típica na safra 2014/2015 CONTA SUB CONTA R$/ha R$/arroba PARTICIPAÇÃO (%) COE COT CT PESSOAS (Condução da Salários 1.049,06 26,23 31,12 24,52 18,70 lavoura) Encargos 385,26 9,63 11,43 9,00 6,87 MECANIZAÇÃO 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 Corretivos 44,00 1,10 1,31 1,03 0,78 INSUMOS Fertilizantes 236,96 5,92 7,03 5,54 4,23 Defensivos 93,44 2,34 2,77 2,18 1,67 Salários 660,00 16,50 19,58 15,43 11,77 COLHEITA E PÓS COLHEITA GASTOS GERAIS Pessoas Mecanização Outros Administrativos Materiais Encargos 242,38 6,06 7,19 5,67 4,32 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 100,00 2,50 2,97 2,34 1,78 112,73 2,82 3,34 2,63 2,01 383,48 9,59 11,38 8,96 6,84 JUROS DE CUSTEIO 63,17 1,58 1,87 1,48 1,13 COE - (A) 3.370,48 84,26 100,00 78,78 60,10 Depreciações - (B) 907,88 22,70-21,22 16,19 Pró-labore - (C) 0,00 0,00-0,00 0,00 COT - (D) = (A + B + C) 4.278,36 106,96-100,00 76,28 Remuneração Terra - (E) 500,00 12, ,92 Remuneração Bens de Capital - (F) 830,16 20, ,80 CT - (G) = (D + E + F) 5.608,52 140, ,00 No mês de maio, com a média das cotações do cacau em R$120,00 por arroba no mercado físico da região, a Margem Bruta, obtida por meio da subtração entre o preço de venda (PV) e o COE, é positiva em R$35,74. A Margem Líquida (PV COT) é positiva em R$13,04. Já o resultado de exercício (Lucro/Prejuízo) (PV CT) indica um prejuízo de R$20,21 por arroba. Tabela 3 Análise da situação econômico-financeira da produção de cacau RECEITA E INDICADORES DE RENTABILIDADE RS/ha R$/arroba R$ (TOTAL) Receita 4.800,00 120, ,00 Margem Bruta 1.429,52 35, ,17 Margem Líquida 521,64 13, ,41 Lucro/Prejuízo -808,52-20, ,19 Estoque de capital 7.836,00 195,90 Rentabilidade 'com terra' 6,66 % Relação de Troca 46,75 arrobas A fim de melhorar as margens de lucro da produção de cacau, as boas práticas produtivas que objetivam um produto final diferenciado são fundamentais. Os cuidados no manejo, e especialmente na colheita e pós-colheita, merecem atenção especial. O aumento na eficiência produtiva é outro aspecto importante que impacta nas Margens. Na medida em que há um maior aproveitamento da mão de obra, dos insumos agrícolas e da mecanização, enfim, dos recursos necessários à produção, menores são os custos gerados.

5 O uso de cultivares mais produtivas e resistentes, o manejo correto do solo e da água, a inserção do manejo integrado de pragas e doenças, a capacitação da mão de obra e a adoção de boas práticas de gestão, contribuem para a consecução destes objetivos, conferindo mudanças nas situações econômica, social e ambiental da produção de cacau. 3. AGRADECIMENTOS A CNA e o CIM/UFLA agradecem o apoio da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado da Bahia (FAEB) e do Sindicato Rural de Gandu na realização do painel, bem como a colaboração dos produtores rurais e técnicos da região no levantamento das informações. Figura 1 Participantes do painel de custo de produção de cacau na região de Gandu-BA

PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CACAU EM EUNÁPOLIS-BA

PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CACAU EM EUNÁPOLIS-BA PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CACAU EM EUNÁPOLIS-BA Os produtores de Eunápolis se reuniram, em 11/05, para participarem do levantamento de custos de produção de cacau para o projeto Campo Futuro,

Leia mais

PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA

PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA Os produtores de Luís Eduardo Magalhães se reuniram, em 08/04, para participarem do levantamento de custos de produção de café

Leia mais

PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA

PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA Os produtores de Luís Eduardo Magalhães se reuniram, em 09/04, para participarem do levantamento de custos de produção de café

Leia mais

Produtores rurais discutem o custo de produção do eucalipto na região de Eunápolis-BA

Produtores rurais discutem o custo de produção do eucalipto na região de Eunápolis-BA Produtores rurais discutem o custo de produção do eucalipto na região de Eunápolis-BA Produtores de Eunápolis e região se reuniram no dia 08/04, para realizar o levantamento de custos de produção do eucalipto

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM CASTRO-PR

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM CASTRO-PR CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM CASTRO-PR Foi realizado no dia 09 de julho de 2012 em Castro (PR), o painel de custos de produção de grãos. A pesquisa faz parte do Projeto Campo Futuro da Confederação da

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM GUARAPUAVA-PR

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM GUARAPUAVA-PR CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM GUARAPUAVA-PR Foi realizado no dia 10 de julho de 2012 em Guarapuava (PR), o painel de custos de produção de grãos. A pesquisa faz parte do Projeto Campo Futuro da Confederação

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM CASCAVEL-PR

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM CASCAVEL-PR CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM CASCAVEL-PR Foi realizado no dia 11 de julho de 2012 em Cascavel (PR), o painel de custos de produção de grãos. A pesquisa faz parte do Projeto Campo Futuro da Confederação

Leia mais

Levantamento de Custos de Produção de Cascavel PR

Levantamento de Custos de Produção de Cascavel PR Levantamento de Custos de Produção de Cascavel PR Os produtores de Cascavel se reuniram no dia 29/06, para realizar o levantamento de custos de produção de grãos para o projeto Campo Futuro, uma iniciativa

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM CASCAVEL/PR

CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM CASCAVEL/PR CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM CASCAVEL/PR Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

Levantamento de Custos de Produção de Castro PR

Levantamento de Custos de Produção de Castro PR Levantamento de Custos de Produção de Castro PR Os produtores de Castro se reuniram no dia 27/06, para realizar o levantamento de custos de produção de grãos para o projeto Campo Futuro, uma iniciativa

Leia mais

Custos de Produção de Soja e Milho Safrinha em Chapadão do Sul, MS, da Safra 2016/2017

Custos de Produção de Soja e Milho Safrinha em Chapadão do Sul, MS, da Safra 2016/2017 224 ISSN 1679-0472 Maio, 2017 Dourados, MS Foto: Luiz Alberto Staut Custos de Produção de Soja e Safrinha em Chapadão do Sul, MS, da Safra 2016/2017 1 Alceu Richetti Luiz Eliezer Alves da Gama Ferreira

Leia mais

Preços Baixos X Condução da Lavoura Cafeeira

Preços Baixos X Condução da Lavoura Cafeeira Preços Baixos X Condução da Lavoura Cafeeira DISCUSSÃO E AVALIAÇÃO DE SITUAÇÕES DE SUCESSO Rodrigo Ticle Ferreira Eng. Agrônomo INDICADORES TÉCNICOS E ECONÔMICOS QUE IMPACTAM NA RENTABILIDADE INDICADORES

Leia mais

Piscicultores e demais agentes da cadeia produtiva discutem os custos de produção da tilápia em Riolândia - SP

Piscicultores e demais agentes da cadeia produtiva discutem os custos de produção da tilápia em Riolândia - SP Edição 25 2016 Piscicultores e demais agentes da cadeia produtiva discutem os custos de produção da tilápia em Riolândia - SP No dia 26 de julho de 2016, em Riolândia, região noroeste do estado de São

Leia mais

Custos de Produção de Soja e Milho Safrinha em Costa Rica, MS, para a Safra 2016/ 2017

Custos de Produção de Soja e Milho Safrinha em Costa Rica, MS, para a Safra 2016/ 2017 219 ISSN 16790472 Janeiro, 2017 Dourados, MS Foto: Júlio Cesar Salton Custos de Produção de Soja e Safrinha em Costa Rica, MS, para a Safra 2016/ 2017 1 Alceu Richetti 2 Rodrigo Arroyo Garcia Luiz Eliezer

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO EM PECUÁRIA DE LEITE EM 2011, REGIÃO DE ITAPETINGA (BA)

CUSTO DE PRODUÇÃO EM PECUÁRIA DE LEITE EM 2011, REGIÃO DE ITAPETINGA (BA) RELATÓRIO DE PESQUISA CUSTO DE PRODUÇÃO EM PECUÁRIA DE LEITE EM 2011, REGIÃO DE ITAPETINGA (BA) Execução: Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada CEPEA/ESALQ/USP Coordenação: Geraldo Sant Ana

Leia mais

Piscicultores e demais agentes da cadeia produtiva discutem os custos de produção da tilápia em Felixlândia

Piscicultores e demais agentes da cadeia produtiva discutem os custos de produção da tilápia em Felixlândia Edição 20 2016 Piscicultores e demais agentes da cadeia produtiva discutem os custos de produção da tilápia em Felixlândia No dia 31 de março de 2016, em Felixlândia, região central do estado de Minas

Leia mais

Piscicultores e demais agentes da cadeia produtiva discutem os custos de produção da tilápia em Morada Nova de Minas

Piscicultores e demais agentes da cadeia produtiva discutem os custos de produção da tilápia em Morada Nova de Minas Edição 21 2016 Piscicultores e demais agentes da cadeia produtiva discutem os custos de produção da tilápia em Morada Nova de Minas No dia 01 de abril de 2016, em Morada Nova de Minas, região central de

Leia mais

Custos de Produção de Soja e Milho Safrinha em Ponta Porã, MS, para a Safra 2016/2017

Custos de Produção de Soja e Milho Safrinha em Ponta Porã, MS, para a Safra 2016/2017 222 ISSN 16790472 Janeiro, 2017 Dourados, MS Foto: Júlio Cesar Salton Custos de Produção de Soja e Milho Safrinha em Ponta Porã, MS, para a Safra 2016/2017 1 Alceu Richetti 2 Rodrigo Arroyo Garcia Luiz

Leia mais

Piscicultores e técnicos discutem os custos de produção da Carcinicultura em Natal RN

Piscicultores e técnicos discutem os custos de produção da Carcinicultura em Natal RN Edição15 2015 Piscicultores e técnicos discutem os custos de produção da Carcinicultura em Natal RN No dia 7 de agosto de 2015, no auditório da Federação da Agricultura e Pecuária do Rio Grande do Norte

Leia mais

VIABILIDADE ECONÔMICA DO SISTEMA DE PRODUÇÃO SOJA- MILHO SAFRINHA 1.INTRODUÇÃO

VIABILIDADE ECONÔMICA DO SISTEMA DE PRODUÇÃO SOJA- MILHO SAFRINHA 1.INTRODUÇÃO VIABILIDADE ECONÔMICA DO SISTEMA DE PRODUÇÃO SOJA- MILHO SAFRINHA Alceu Richetti 1 1.INTRODUÇÃO No cenário nacional, o Estado de Mato Grosso do Sul é o terceiro maior produtor de milho safrinha e o quinto

Leia mais

CONCEITOS. Custos de produção

CONCEITOS. Custos de produção CONCEITOS Na agricultura, a administração do empreendimento rural exige tecnologia e conhecimentos para lidar com os riscos e incertezas próprias do setor (clima, política, economia, legislação, etc),

Leia mais

Piscicultores e técnicos discutem os custos de produção da Carcinicultura em Acaraú CE

Piscicultores e técnicos discutem os custos de produção da Carcinicultura em Acaraú CE Edição12 2015 Piscicultores e técnicos discutem os custos de produção da Carcinicultura em Acaraú CE Nodia3deagostode2015,nasededaAssociaçãodosCarcinicultores da Costa Negra (ACCN), em Acaraú, no litoral

Leia mais

Ostreicultores e técnicos discutem os custos de produção de ostras em Florianópolis SC

Ostreicultores e técnicos discutem os custos de produção de ostras em Florianópolis SC Edição 27 2016 Ostreicultores e técnicos discutem os custos de produção de ostras em Florianópolis SC No dia 31 de agosto de 2016, no auditório do Centro de Socioeconomia e Planejamento Agrícola da Empresa

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE MILHO - SAFRA 2015/2016 MATO GROSSO - Janeiro/2015

CUSTO DE PRODUÇÃO DE MILHO - SAFRA 2015/2016 MATO GROSSO - Janeiro/2015 MATO GROSSO - Janeiro/2015 R$ 0,00 R$ 0,00 Nordeste Médio-Norte Oeste Centro-Sul Sudeste Mato Grosso 333.627 1.548.845 530.231 201.169 664.932 3.278.803 DESPESAS COM INSUMOS R$ 1.241,80 R$ 1.148,62 R$

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE MILHO - SAFRA 2016/2017 MATO GROSSO - Março/2016

CUSTO DE PRODUÇÃO DE MILHO - SAFRA 2016/2017 MATO GROSSO - Março/2016 MATO GROSSO - Março/2016 R$ 0,00 R$ 0,00 Nordeste Médio-Norte Oeste Centro-Sul Sudeste Mato Grosso 357.536 1.585.024 583.054 209.446 750.982 3.486.042 DESPESAS COM INSUMOS R$ 1.397,93 R$ 1.282,86 R$ 1.292,30

Leia mais

Piscicultores e demais agentes da cadeia produtiva discutem os custos de produção de peixes redondos em viveiro escavado em Ariquemes, Rondônia

Piscicultores e demais agentes da cadeia produtiva discutem os custos de produção de peixes redondos em viveiro escavado em Ariquemes, Rondônia Edição 17 2015 Piscicultores e demais agentes da cadeia produtiva discutem os custos de produção de peixes redondos em viveiro escavado em Ariquemes, Rondônia Nodia18deagostode2015,emAriquemes,regiãodovaledoJamari,

Leia mais

GESTÃO DE FLUXO DE CAIXA E AVALIAÇÃO DE RESULTADOS E INDICADORES FINANCEIROS

GESTÃO DE FLUXO DE CAIXA E AVALIAÇÃO DE RESULTADOS E INDICADORES FINANCEIROS GESTÃO DE FLUXO DE CAIXA E AVALIAÇÃO DE RESULTADOS E INDICADORES FINANCEIROS Wagner Viana SL 01 SL 02 SL 03 Oficina Objetivos Distinguir gestão do Fluxo de Caixa da apuração e análise de resultados; Apresentar

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE SOJA - SAFRA 2015/2016 MATO GROSSO - Janeiro/2015

CUSTO DE PRODUÇÃO DE SOJA - SAFRA 2015/2016 MATO GROSSO - Janeiro/2015 MATO GROSSO - Janeiro/2015 R$ 0,00 R$ 0,00 Nordeste Médio-Norte Oeste Centro-Sul Sudeste Mato Grosso 1.448.440 3.365.849 1.710.450 668.615 1.914.651 9.108.005 DESPESAS COM INSUMOS R$ 1.513,57 R$ 1.611,79

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE SOJA - SAFRA 2015/2016 MATO GROSSO - Novembro/2014

CUSTO DE PRODUÇÃO DE SOJA - SAFRA 2015/2016 MATO GROSSO - Novembro/2014 MATO GROSSO - Novembro/2014 R$ 0,00 R$ 0,00 Nordeste Médio-Norte Oeste Centro-Sul Sudeste Mato Grosso 1.448.440 3.365.849 1.710.450 668.615 1.914.651 9.108.005 DESPESAS COM INSUMOS R$ 1.437,49 R$ 1.612,95

Leia mais

Viabilidade econômica da soja irrigada na safra 2015/ 2016, na região sul de Mato Grosso do Sul

Viabilidade econômica da soja irrigada na safra 2015/ 2016, na região sul de Mato Grosso do Sul 203 ISSN 1679-0472 Setembro, 2015 Dourados, MS Fotos - lavoura: Nilton P. de Araújo; percevejo: Narciso Foto: Alceu da S. Richetti Câmara Introdução A busca por maior produtividade das culturas tem aumentado

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DA CULTURA DA SERINGUEIRA NO MUNICÍPIO DE POLONI/SP

ANÁLISE ECONÔMICA DA CULTURA DA SERINGUEIRA NO MUNICÍPIO DE POLONI/SP ANÁLISE ECONÔMICA DA CULTURA DA SERINGUEIRA NO MUNICÍPIO DE POLONI/SP Fischer Filho, J. A. 1* ; Rapassi, R. M. A. 1 ; Poloni, N. M. 1 ; Candil, T. F. P. 1 ; Gomes, G. G. C. 1 1 Universidade Estadual Paulista

Leia mais

ANÁLISE DA RENTABILIDADE E DOS CUSTOS DE PRODUÇÃO DE MILHO DE SEGUNDA SAFRA EM RIO VERDE GO, SAFRINHA 2009

ANÁLISE DA RENTABILIDADE E DOS CUSTOS DE PRODUÇÃO DE MILHO DE SEGUNDA SAFRA EM RIO VERDE GO, SAFRINHA 2009 ANÁLISE DA RENTABILIDADE E DOS CUSTOS DE PRODUÇÃO DE MILHO DE SEGUNDA SAFRA EM RIO VERDE GO, SAFRINHA 2009 Ricardo Francischini 1, Alessandro Guerra da Silva 1, Guilherme Braga Pereira Braz 2, Lucas Braga

Leia mais

Problemas operacionais e custos dos cafezais de montanha.

Problemas operacionais e custos dos cafezais de montanha. Problemas operacionais e custos dos cafezais de montanha. M.L. Carvalho, Eng Agr. Fdas Reunidas L & S J.B. Matiello, Eng Agr. MAPA/Procafé G.M. Souza,Gerente Recursos Humanos Fdas Reunidas L & S M.L.L.

Leia mais

PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL HERTER CEREAIS LTDA. CNPJ: / PROCESSO: 076/

PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL HERTER CEREAIS LTDA. CNPJ: / PROCESSO: 076/ PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL HERTER CEREAIS LTDA. CNPJ: 04830828/0001-28 PROCESSO: 076/1.15.0000347-7 Cálculo da Capacidade de Pagamento e Fluxo de Caixa 1. Premissas Utilizadas Para fins de cálculos,

Leia mais

.:.J. Estimativa de custos de produção de milho safrinha, em plantio direto na palha, para a região do cerrado de Rondônia, safra 1998

.:.J. Estimativa de custos de produção de milho safrinha, em plantio direto na palha, para a região do cerrado de Rondônia, safra 1998 7045,.:.J Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuiria Centro de Pesquisa Agroflorestal de Rond6nia Ministério da Agricultura e do Abastecimento NQ150, nov./98, p.1-4 Estimativa de custos de produção de

Leia mais

VIABILIDADE ECONÔMICA DA CRIAÇÃO DE OVINOS DE CORTE

VIABILIDADE ECONÔMICA DA CRIAÇÃO DE OVINOS DE CORTE TECNOLOGIA FÁCIL - 16 ISSN 1809-6735 ISBN 85-87890-38-7 VIABILIDADE ECONÔMICA DA CRIAÇÃO DE OVINOS DE CORTE NAS REGIÕES CENTRO-OESTE E SUDESTE ELABORADORES Aurora Maria Guimarães Gouveia MÉDICA VETERINÁRIA

Leia mais

Dersa Desenvolvimento Rodoviário S.A. Balanços patrimoniais

Dersa Desenvolvimento Rodoviário S.A. Balanços patrimoniais Balanços patrimoniais em 31 de dezembro de 2014 e 2013 Ativo Nota 2014 2013 Passivo Nota 2014 2013 (Ajustado) (Ajustado) Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 5 48.650 835 Fornecedores 10

Leia mais

Serviços Técnicos e Gestão Ambiental no Agronegócio Diretoria de Agronegócios

Serviços Técnicos e Gestão Ambiental no Agronegócio Diretoria de Agronegócios 47º Café com Sustentabilidade - Febraban Pecuária Sustentável: Agentes financeiros como indutores de boas práticas Modelos de financiamento e investimento: incentivos à adoção de boas práticas socioambientais

Leia mais

Avaliação do desempenho econômicofinanceiro da produção de soja nos estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina, para a safra 2010/11

Avaliação do desempenho econômicofinanceiro da produção de soja nos estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina, para a safra 2010/11 ISSN 2176-2864 83 Avaliação do desempenho econômicofinanceiro da produção de soja nos estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina, para a safra 2010/11 As estimativas dos custos e lucros de produção

Leia mais

VIABILIDADE ECONÔMICA DO MILHO SAFRINHA E DA BRAQUIÁRIA EM SISTEMAS INTEGRADOS. Alceu Richetti (1), Gessí Ceccon (2)

VIABILIDADE ECONÔMICA DO MILHO SAFRINHA E DA BRAQUIÁRIA EM SISTEMAS INTEGRADOS. Alceu Richetti (1), Gessí Ceccon (2) VIABILIDADE ECONÔMICA DO MILHO SAFRINHA E DA BRAQUIÁRIA EM SISTEMAS INTEGRADOS Alceu Richetti (1), Gessí Ceccon (2) Introdução O estudo de sistemas de produção alternativos e diversificados é de fundamental

Leia mais

III SEMINÁRIO CRUZAMENTO ANGUS

III SEMINÁRIO CRUZAMENTO ANGUS III SEMINÁRIO CRUZAMENTO ANGUS Fazenda Ponte Queimada Proprietário: Eduardo Musa de Freitas Guimarães 08 DE AGOSTO DE 2014 Dados da Propriedade: Localização: Barra do Garças MT; Área total: 2379 hectares;

Leia mais

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 38,34%

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 38,34% CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM PARANAVAÍ/PR. Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

MUDANÇAS NO PRONAF. 1. Enquadramento no Pronaf. - assentados da Reforma Agrária e beneficiários do Crédito Fundiário que

MUDANÇAS NO PRONAF. 1. Enquadramento no Pronaf. - assentados da Reforma Agrária e beneficiários do Crédito Fundiário que MUDANÇAS NO PRONAF O Banco Central publicou, em 28 de março de 2008, a Resolução No. 3.559 promovendo alterações no Capítulo 10 do MCR Manual de Crédito Rural, que trata do PRONAF Programa Nacional de

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO: UMA FERRAMENTA DE SUPORTE AO PECUARISTA. Prof. Dr. Marcos Aurélio Lopes (DMV)

CUSTO DE PRODUÇÃO: UMA FERRAMENTA DE SUPORTE AO PECUARISTA. Prof. Dr. Marcos Aurélio Lopes (DMV) CUSTO DE PRODUÇÃO: UMA FERRAMENTA DE SUPORTE AO PECUARISTA Prof. Dr. Marcos Aurélio Lopes (DMV) malopes@ufla.br Produzir carne é bom negócio? Dá dinheiro? Vale a pena investir na pecuária de corte? Vocês

Leia mais

II ENCONTRO DE IRRIGANTES POR ASPERSÃO DO RS

II ENCONTRO DE IRRIGANTES POR ASPERSÃO DO RS II ENCONTRO DE IRRIGANTES POR ASPERSÃO DO RS 02 de OUTUBRO DE 2014 CRUZ ALTA RIO GRANDE DO SUL O INÍCIO DA IRRIGAÇÃO 5.000 anos atrás, Egito Antigo; Construção de diques, represas e canais para melhor

Leia mais

Curso Técnico em Agronegócio. Análise econômica da propriedade rural

Curso Técnico em Agronegócio. Análise econômica da propriedade rural Curso Técnico em Agronegócio Análise econômica da propriedade rural Introdução Neste material, você terá acesso às informações complementares referentes à Unidade Curricular Administração Rural. Os principais

Leia mais

CONSECITRUS. Margarete Boteon Cepea/Esalq-USP

CONSECITRUS. Margarete Boteon Cepea/Esalq-USP CONSECITRUS Margarete Boteon Cepea/Esalq-USP CONCEPÇÃO & SUGESTÕES Setor Citrícola Desafios: Equilibrio entre as partes remuneração mais equilibrada da distribuição de renda da cadeia (CONSECITRUS) Melhoria

Leia mais

MANUAL PRÁTICO DA CONJUNTURA ECONÔMICA Parte 2 11/11/2015

MANUAL PRÁTICO DA CONJUNTURA ECONÔMICA Parte 2 11/11/2015 MANUAL PRÁTICO DA CONJUNTURA ECONÔMICA Parte 2 11/11/2015 Índice 4 Agronegócio 7 Agricultura e seus efeitos regionais 5 6 4.1. O que é Agronegócio? 4.2. Por que analisar o Agronegócio? Conjuntura econômica

Leia mais

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 45,81%

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 45,81% CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM UMUARAMA/PR. Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ ARÁBICA NAS MONTANHAS. Engº Agrº MSc. Cesar Abel Krohling INCAPER Marechal Floriano-ES

CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ ARÁBICA NAS MONTANHAS. Engº Agrº MSc. Cesar Abel Krohling INCAPER Marechal Floriano-ES CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ ARÁBICA NAS MONTANHAS Engº Agrº MSc. Cesar Abel Krohling INCAPER Marechal Floriano-ES 1.Estrutura da cafeicultura do ES - ES: 2º lugar na produção de café do Brasil (25%); - Tem

Leia mais

Plano Agrícola e Pecuário 2009/2010

Plano Agrícola e Pecuário 2009/2010 Plano Agrícola e Pecuário 2009/2010 EDILSON GUIMARÃES Secretário de Política Agrícola Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 26 de junho de 2009 Principais Objetivos do PAP 2009-2010 Aumentar

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM LONDRINA/PR

CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM LONDRINA/PR CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM LONDRINA/PR Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

de inverno que viraram opção para o pecuarista da região para conseguir ter pasto na época da seca.

de inverno que viraram opção para o pecuarista da região para conseguir ter pasto na época da seca. CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM GUARAPUAVA/PR Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

ISSN X Outubro, Soja: Viabilidade Econômica para a Safra 2016/2017, em Mato Grosso do Sul

ISSN X Outubro, Soja: Viabilidade Econômica para a Safra 2016/2017, em Mato Grosso do Sul ISSN 1679-043X Outubro, 2016 134 Soja: Viabilidade Econômica para a Safra 2016/2017, em Mato Grosso do Sul Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Agropecuária Oeste Ministério da Agricultura,

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR Foi realizado no dia 12 de julho de 2012 em Londrina (PR), o painel de custos de produção de grãos. A pesquisa faz parte do Projeto Campo Futuro da Confederação

Leia mais

Palma de Óleo. Pronaf Eco Dendê

Palma de Óleo. Pronaf Eco Dendê Palma de Óleo Pronaf Eco Dendê 1 A Archer Daniels Midland Company (ADM) O que fazemos: Líder no processamento e transformação de produtos agrícolas; Uma das empresas mais admiradas no ramo de produção

Leia mais

PRONAF - AGRICULTURA FAMILIAR ANO AGRÍCOLA 2015/2016

PRONAF - AGRICULTURA FAMILIAR ANO AGRÍCOLA 2015/2016 PRONAF - AGRICULTURA FAMILIAR ANO AGRÍCOLA 2015/2016 Linha Risco Beneficiários (1) Finalidade Limites (R$) Juros Prazo/Carência CUSTEIO Pronaf Custeio Grupo "A/C" (2) /FCO Assentados da Reforma Agrária

Leia mais

Balanço 2016 Perspectivas Café

Balanço 2016 Perspectivas Café Café 77 78 Balanço 2016 Perspectivas 2017 Perspectivas 2017 OFERTA RESTRITA PODE MANTER PREÇO DO CAFÉ FIRME PARA 2017 A demanda crescente no mercado mundial, a queda nos estoques e as incertezas climáticas

Leia mais

Lucratividade: Crescer, Sobreviver ou Morrer

Lucratividade: Crescer, Sobreviver ou Morrer Lucratividade: Crescer, Sobreviver ou Morrer Foco da Palestra Orientar e esclarecer os conceitos de Lucratividade e a importância para existência e sucesso das empresas. Proporcionar aos participantes

Leia mais

CUSTOS DO ALGODÃO BRASILEIRO

CUSTOS DO ALGODÃO BRASILEIRO Uberlândia 13 a 16 de agosto de 2007 CUSTOS MR2: COMPETITIVIDADE : MERCADOS ANÁLISE DE CUSTO Lucilio Rogerio Aparecido Alves Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada Cepea/Esalq/Usp Email: lualves@esalq.usp.br

Leia mais

Ferramentas auxiliares em custos de produção de frango de corte. Marcelo Miele

Ferramentas auxiliares em custos de produção de frango de corte. Marcelo Miele Ferramentas auxiliares em custos de produção de frango de corte Marcelo Miele Roteiro da palestra 1. Porque calcular o custo de produção? 2. Principais indicadores 3. Dicas para medir e guardar informações

Leia mais

ESTRUTURA, ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

ESTRUTURA, ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS O me nance intere das em mons as ins gestor ALEXANDRE ALCANTARA DA SILVA sobre patrim se, e a jam, a conce ou mu Este l duz o ESTRUTURA, ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 4a EDIÇÃO AMPLIADA

Leia mais

TOTAL DO ATIVO TOTAL DO PASSIVO

TOTAL DO ATIVO TOTAL DO PASSIVO CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2016 CNPJ 47.902.648/0001-17 ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE Caixa e Equivalentes de Caixa 7.061 Fornecedores 33.947 Contas a Receber 41.832

Leia mais

Agenda. Contexto. O Nordeste Territorial. Fórum de Governança da Atividade Econômica. Formas de Financiamento

Agenda. Contexto. O Nordeste Territorial. Fórum de Governança da Atividade Econômica. Formas de Financiamento Agenda Contexto O Nordeste Territorial Fórum de Governança da Atividade Econômica Formas de Financiamento Área de atuação do BNB Nordeste: 1.554,4 mil Km 2 Semi-árido: 974,4 mil Km 2 (62,7% do território

Leia mais

O reflexo do crédito rural e suas implicações no custo de produção

O reflexo do crédito rural e suas implicações no custo de produção O reflexo do crédito rural e suas implicações no custo de produção SISTEMA SINDICAL SISTEMA SINDICAL RURAL PATRONAL BRASILEIRO CNA Federações da Agricultura Estaduais Sindicatos Rurais Produtores Rurais

Leia mais

Mais Crédito para a Produção de Alimentos Saudáveis. 30 Bilhões 2017/ Bilhões 2016/ ,9 Bilhões

Mais Crédito para a Produção de Alimentos Saudáveis. 30 Bilhões 2017/ Bilhões 2016/ ,9 Bilhões Mais Crédito para a Produção de Alimentos Saudáveis 30 Bilhões 2017/2018 30 Bilhões 2016/2017 28,9 Bilhões 2015/2016 FACILIDADES DO CRÉDITO RURAL DA CRESOL OS JUROS FORAM MANTIDOS Para diminuir o custo

Leia mais

Teleconferência de Resultados 2T16

Teleconferência de Resultados 2T16 Teleconferência de Resultados 2T16 1 2 Destaques Receita Líquida de R$100,0 milhões no 6M16. Lucro Líquido de R$45,8 milhões no 6M16. EBITDA Ajustado de R$18,3 milhões no 6M16. Fornecimento de 1,0 milhão

Leia mais

Indicadores Econômicos de Desempenho

Indicadores Econômicos de Desempenho Indicadores Econômicos de Desempenho Rentabilidade sobre Vendas - RV RV = LL acum VL acum LL = Lucro Líquido VL = Venda Líquida Lucro da Atividade sobre Vendas - LA LA = (LO - DA + RA) VL acum LO = Lucro

Leia mais

Teleconferência de Resultados 2T15

Teleconferência de Resultados 2T15 Teleconferência de Resultados 2T15 Destaques Encerramento do 5º ano de fornecimento de cana-de-açúcar, entregando 724 mil toneladas. Área total plantada de 78.044 hectares. Construção de um silo na Bahia,

Leia mais

CUSTOS DE PRODUÇÃO AGRÍCOLA

CUSTOS DE PRODUÇÃO AGRÍCOLA CUSTOS DE PRODUÇÃO AGRÍCOLA Os dados e análises deste relatório são de autoria de pesquisadores do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Esalq/USP, e fazem parte do projeto Ativos

Leia mais

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil O DESAFIO DO PAÍS NA ABORDAGEM DO BINÔMIO ÁGUA E ALIMENTO João Martins da Silva Junior Presidente da CNA Fatores que influenciam na produção de alimentos

Leia mais

O crédito como agente de desenvolvimento da política agrícola no Brasil

O crédito como agente de desenvolvimento da política agrícola no Brasil O crédito como agente de desenvolvimento da política agrícola no Brasil aperfeiçoamentos nos instrumentos e políticas inerentes ao setor rural redução da volatilidade da renda agrícola e pecuária, em decorrência

Leia mais

Prof. Clésio Farrapo

Prof. Clésio Farrapo Prof. Clésio Farrapo Podemos dividir a área agrícola em dois tipos de Iavoura: cultura permanente e cultura temporária. No primeiro caso, as culturas Ievam mais de um ano para produzir; podem ser retiradas

Leia mais

Ano IV - Edição 29 Julho 2013

Ano IV - Edição 29 Julho 2013 da pecuária de leite Ano IV - Edição 29 Julho ALTA DO PREÇO DO LEITE MELHORA RELAÇÃO DE TROCA POR INSUMOS A sucessiva alta no preço do leite pago ao produtor no primeiro semestre de melhorou a relação

Leia mais

PRODUÇÃO DE MILHO SAFRINHA IRRIGADO, NO MUNICÍPIO DE PEREIRA BARRETO SP: CUSTOS E LUCRATIVIDADE

PRODUÇÃO DE MILHO SAFRINHA IRRIGADO, NO MUNICÍPIO DE PEREIRA BARRETO SP: CUSTOS E LUCRATIVIDADE PRODUÇÃO DE MILHO SAFRINHA IRRIGADO, NO MUNICÍPIO DE PEREIRA BARRETO SP: CUSTOS E LUCRATIVIDADE Rosalina Maria Alves Rapassi (1), Rodrigo Anselmo Tarsitano (2), Ércio Roberto Proença (3) Introdução O milho

Leia mais

Geovane Camilo dos Santos

Geovane Camilo dos Santos Exercício de Fixação 1 Questão 1: (Auditor Fiscal da Receita Estadual SEFAZ-RJ, 2014): Determinada empresa comercial apresentava as seguintes informações referentes ao primeiro semestre de 2013: Sabe-se

Leia mais

PROGRESSO E DESENVOLVIMENTO DE GUARULHOS S.A. PROGUARU Balanços patrimoniais Em 31 de dezembro de 2012 e 2011 (Valores expressos em milhares de reais)

PROGRESSO E DESENVOLVIMENTO DE GUARULHOS S.A. PROGUARU Balanços patrimoniais Em 31 de dezembro de 2012 e 2011 (Valores expressos em milhares de reais) Balanços patrimoniais Ativo Circulante Nota explicativa Passivo e Passivo a descoberto Nota explicativa Circulante Caixas e bancos 181 61 Fornecedores 17.168 12.584 Contas a receber 4 26.941 12.904 Obrigações

Leia mais

Banco do Brasil. Divulgação do Resultado 1T09

Banco do Brasil. Divulgação do Resultado 1T09 Banco do Brasil Divulgação do Resultado 1 Aviso Importante Esta apresentação faz referências e declarações sobre expectativas, sinergias planejadas, estimativas de crescimento, projeções de resultados

Leia mais

Indicadores técnicos e custos de produção de cana-de-açúcar, açúcar e etanol no Brasil: Fechamento de safra 2013/14

Indicadores técnicos e custos de produção de cana-de-açúcar, açúcar e etanol no Brasil: Fechamento de safra 2013/14 Revista ipecege 1(1):103-107, 2015 DOI: 10.22167/r.ipecege.2015.1.103 Indicadores técnicos e custos de produção de cana-de-açúcar, açúcar e etanol no Brasil: Fechamento de safra 2013/14 Technical indicators

Leia mais

Pecuária Evolução e inserção tecnológica

Pecuária Evolução e inserção tecnológica Pecuária Evolução e inserção tecnológica Maurício Palma Nogueira, engenheiro agrônomo HISTÓRICO E TENDÊNCIA DA PECUÁRIA - Mercado de bezerros explica a história da pecuária - Queda gradual nas margens

Leia mais

CNPJ / CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 30 DE JUNHO DE 2017 (Em R$ Mil)

CNPJ / CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 30 DE JUNHO DE 2017 (Em R$ Mil) CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 30 DE JUNHO DE 2017 CNPJ 47.902.648/0001-17 ATIVO PASSIVO CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e Equivalentes de Caixa 23.605 Fornecedores 29.103 Contas a Receber 7.623 Provisão Férias

Leia mais

PALESTRA SUSTENTABILIDADE NA TOMATICULTURA 12 de junho de 2009

PALESTRA SUSTENTABILIDADE NA TOMATICULTURA 12 de junho de 2009 II SIMPÓSIO SIO ECONÔMICO HORTIFRUTI BRASIL DE FRUTAS & HORTALIÇAS AS PALESTRA SUSTENTABILIDADE NA TOMATICULTURA 12 de junho de 2009 João Paulo Bernardes Deleo custohfbrasil@esalq.usp.br PROGRAMAÇÃO GESTÃO

Leia mais

CUSTO E RENTABILIDADE DE SISTEMAS DE MÉDIA E ALTA TECNOLOGIA NA PRODUÇAO DE MILHO SAFRINHA, REGIÃO DO MÉDIO PARANAPANEMA, ESTADO DE SÃO PAULO, 2013

CUSTO E RENTABILIDADE DE SISTEMAS DE MÉDIA E ALTA TECNOLOGIA NA PRODUÇAO DE MILHO SAFRINHA, REGIÃO DO MÉDIO PARANAPANEMA, ESTADO DE SÃO PAULO, 2013 CUSTO E RENTABILIDADE DE SISTEMAS DE MÉDIA E ALTA TECNOLOGIA NA PRODUÇAO DE MILHO SAFRINHA, REGIÃO DO MÉDIO PARANAPANEMA, ESTADO DE SÃO PAULO, 2013 Alfredo Tsunechiro (1), Aildson Pereira Duarte (2), Marli

Leia mais

CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 28 DE FEVEREIRO DE 2011 (Em R$ Mil)

CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 28 DE FEVEREIRO DE 2011 (Em R$ Mil) CNPJ 47.902.648/0001-17 CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 28 DE FEVEREIRO DE 2011 ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE Caixa e Bancos 46 Fornecedores 41.785 Aplicações Financeiras 5.541 Provisão

Leia mais

ESTRUTURA DE CUSTOS DE PRODUÇÃO DE ALGODÃO NO BRASIL EM DIFERENTES REGIÕES

ESTRUTURA DE CUSTOS DE PRODUÇÃO DE ALGODÃO NO BRASIL EM DIFERENTES REGIÕES 1 ESTRUTURA DE CUSTOS DE PRODUÇÃO DE ALGODÃO NO BRASIL EM DIFERENTES REGIÕES Lucilio Rogerio Aparecido Alves 1 A informação sobre o custo de produção de uma cultura é uma das mais importantes para qualquer

Leia mais

Unidade IV AVALIAÇÃO DAS. Prof. Walter Dominas

Unidade IV AVALIAÇÃO DAS. Prof. Walter Dominas Unidade IV AVALIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Walter Dominas Conteúdo da unidade IV 1) Análise do capital de giro Ciclo operacional, Ciclo Econômico e Financeiro Importância do Capital Circulante

Leia mais

TOTAL DO ATIVO TOTAL DO PASSIVO

TOTAL DO ATIVO TOTAL DO PASSIVO CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE JANEIRO DE 2016 CNPJ 47.902.648/0001-17 ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE Caixa e Equivalentes de Caixa 2.956 Fornecedores 38.696 Contas a Receber 53.851

Leia mais

NOVOS CAMINHOS NA ANÁLISE DE RENTABILIDADE DA PECUÁRIA

NOVOS CAMINHOS NA ANÁLISE DE RENTABILIDADE DA PECUÁRIA Resumo da evolução dos custos em Abril/08 NOVOS CAMINHOS NA ANÁLISE DE RENTABILIDADE DA PECUÁRIA Quando o Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada Cepea/Esalq-USP) e a CNA (Confederação

Leia mais

PLANO AGRÍCOLA E PECUÁRIO PAP 2016/17 ANÁLISE DAS MEDIDAS ANUNCIADAS EM 04 DE MAIO DE 2016

PLANO AGRÍCOLA E PECUÁRIO PAP 2016/17 ANÁLISE DAS MEDIDAS ANUNCIADAS EM 04 DE MAIO DE 2016 PLANO AGRÍCOLA E PECUÁRIO PAP 2016/17 ANÁLISE DAS MEDIDAS ANUNCIADAS EM 04 DE MAIO DE 2016 I - Medidas Anunciadas 1. Montante de Recursos Aumento de 8% no total de recursos do crédito rural, passando para

Leia mais

Gestão de Custo x Faturamento e seus impactos na Distribuição de Insumos

Gestão de Custo x Faturamento e seus impactos na Distribuição de Insumos Gestão de Custo x Faturamento e seus impactos na Distribuição de Insumos Matheus Kfouri Marino matheus@unibusiness.org Uni.Business Estratégia Rua Girassol, 34, sala 32 05433-000, São Paulo-SP Tel.: (11)

Leia mais

ATER em Feijão e Milho desenvolvida no Estado do Paraná. Germano do R. F. Kusdra Eng. Agrônomo Emater

ATER em Feijão e Milho desenvolvida no Estado do Paraná. Germano do R. F. Kusdra Eng. Agrônomo Emater ATER em Feijão e Milho desenvolvida no Estado do Paraná Germano do R. F. Kusdra Eng. Agrônomo Emater germano@emater.pr.gov.br PROJETO CENTRO-SUL DE FEIJÃO E MILHO O Instituto EMATER, ao longo de sua existência,

Leia mais

Balanço 2016 Perspectivas Hortaliças

Balanço 2016 Perspectivas Hortaliças Hortaliças 99 100 Balanço 2016 Perspectivas 2017 Perspectivas 2017 DESTAQUE PARA MAIS INVESTIMENTOS EM SISTEMAS DE CULTIVO DAS HORTALIÇAS Com área cultivada de aproximadamente 837 mil hectares e volume

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 369

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 369 Página 369 ESTIMATIVA DO CUSTO DE PRODUÇÃO E RECEITA DA MAMONA NAS REGIÕES OESTE E CENTRO OCIDENTAL DO PARANÁ Gerson Henrique da Silva 1 ; Maura Seiko Tsutsui Esperancini 2 ; Cármem Ozana de Melo 3 ; Osmar

Leia mais

PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL I - Fluxo de Caixa

PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL I - Fluxo de Caixa I - Fluxo de Caixa Descrição 1 Ano 2 Ano 3 Ano 4 Ano 5 Ano 6 Ano 7 Ano TOTAL GERAL RECEITA BRUTA 2.764.557 7.429.547 4.096.640 4.758.681 6.845.260 3.696.573 3.225.966 32.817.224 RECEITA BRUTA DE VENDAS

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 (Valores expressos em reais)

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 (Valores expressos em reais) BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 ATIVO Explicativa n o 31/12/2011 31/12/2010 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO Explicativa n o 31/12/2011 31/12/2010 CIRCULANTE CIRCULANTE Disponibilidades

Leia mais

Avaliação do desempenho econômicofinanceiro da produção de soja nos estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina, para a safra 2011/12

Avaliação do desempenho econômicofinanceiro da produção de soja nos estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina, para a safra 2011/12 ISSN 2176-2864 89 Avaliação do desempenho econômicofinanceiro da produção de soja nos estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina, Embora a safra mundial 2010/11 tenha sido recorde (263,4 milhões

Leia mais

VIABILIDADE DA PRODUÇÃO DE LEITE EM SÃO PAULO

VIABILIDADE DA PRODUÇÃO DE LEITE EM SÃO PAULO VIABILIDADE DA PRODUÇÃO DE LEITE EM SÃO PAULO Sebastião Teixeira Gomes 1 1. INTRODUÇÃO Atendendo solicitação da Federação da Agricultura do Estado de São Paulo, através da Comissão de Pecuária de Leite,

Leia mais

Principais Objetivos PAP 2011/2012

Principais Objetivos PAP 2011/2012 Cenário Cenário Cenário Baixos estoques mundiais de alimentos Tendência de elevação gradual da Selic Relativa estabilidade da taxa de câmbio Preços agrícolas em níveis historicamente elevados Crescente

Leia mais

Gerenciamento da Ovinocultura

Gerenciamento da Ovinocultura Gerenciamento da Ovinocultura Base da apresentação... 6 anos de coleta de dados a campo sobre sistemas de produção no LAPOC; Produção de uma dissert. Mestrado sobre análise do resultado econômico dos sistemas;

Leia mais

BNDES - Apresentação Institucional. Oportunidades para Investimentos na Indústria Química Brasileira Sinproquim 23 de abril de 2014

BNDES - Apresentação Institucional. Oportunidades para Investimentos na Indústria Química Brasileira Sinproquim 23 de abril de 2014 BNDES - Apresentação Institucional Oportunidades para Investimentos na Indústria Química Brasileira Sinproquim 23 de abril de 2014 Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952 Empresa pública de propriedade

Leia mais