Efeito do Processo de Calcinação na Atividade Pozolânica da Argila Calcinada

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Efeito do Processo de Calcinação na Atividade Pozolânica da Argila Calcinada"

Transcrição

1 Realização 20 a 22 de Junho de São Paulo/SP Efeito do Processo de Calcinação na Atividade Pozolânica da Argila Calcinada Gabriel Alves Vasconcelos Engenheiro Civil João Henrique da Silva Rêgo Professor Doutor Departamento de Engenharia Civil e Ambiental. Universidade de Brasília.

2 Introdução O cimento Portland utiliza diversos tipos de adições em sua constituição; Distrito Federal/Brasil possui jazidas de argila de natureza caulinítica, sendo estas as principais matérias-primas utilizadas na fabricação de pozolanas; Argilas caulinitas desenvolvem uma boa atividade pozolânica quando produzidas por processos de calcinação adequados; Importância de estudar o efeito que o processo de calcinação terá sobre a atividade pozolânica da argila calcinada.

3 Desenvolvimento Coleta Argila in natura, na entrada do forno rotativo; Argila calcinada industrial na saída do forno; Calcinação da argila in natura em mufla na temperatura de 800ºC por duas horas; Argila calcinada Forno e Argila calcinada a 800ºC moídas por um moinho do tipo panela (dois minutos).

4 Desenvolvimento Coleta/preparação das amostras Argila calcinada FORNO Argila calcinada 800ºC

5 Desenvolvimento Métodos de caracterização Análises Térmicas (TG/DTG/DTA/DSC) Argila in natura; Difração de Raios-X (DRX) Argila in natura, argilas calcinadas a 700ºC, 800ºC e 900ºC e argila calcinada FORNO Análise Química por Fluorescência de Raios-X (FRX/EDX), Granulometria por sedimentação (ABNT NBR 7181/1988), Determinação da finura por meio da peneira 45 µm (ABNT NBR /2010) Argila in natura, argila calcinada 800ºC e argila calcinada FORNO

6 Desenvolvimento Avaliação da atividade pozolânica Requisitos Físicos de Materiais Pozolânicos Classe N Método de Ensaio Material retido na peneira 45 micra (% máximo) Índice de desempenho com cimento Portland aos 28 dias, em relação ao controle (% mínimo) Atividade pozolânica com a cal aos sete dias (MPa mínimo) ABNT NBR ABNT NBR 5752 ABNT 5751

7 Resultados Argila in natura (DSC) 628ºC Inicia reação de desidroxilação; Pico endotérmico (741,80ºC); 980ºC Formação de mulita.

8 Resultados Argila in natura (TG/DTG/DTA) 90,84% de resíduo do material; Três picos de grandes variações de massa : Perda de umidade; Desidroxilação; Mudanças de fases dos minerais.

9 Resultados - Difração de Raios-X (XRD) Argila in natura, Argilas calcinadas a 700ºC, 800 ºC e 900ºC e Argila calcinada Forno Argila in natura - caulinita; Reações de desidroxilação iniciadas abaixo de 700ºC Picos Caulinita e a Gibbsita, desaparecem entre a argila in natura e a calcinada na temperatura de 700ºC. Argila calcinada FORNO Aparecimento do pico principal de mulita próximo do ângulo 16,4º

10 Resultados Detalhe - Difração de Raios-X (XRD)

11 Resultados Análises Químicas por meio de Fluorescência de Raios-X (FRX/EDX) Todas as amostras ensaiadas se encontram dentro dos limites dos três parâmetros apresentados na Tabela 3. Conformidade com os requisitos químicos estabelecidos na Classe N. Argila calcinada 800ºC possui a maior porcentagem do fator (Si+Al+Fe); Argila calcinada FORNO possui a maior porcentagem do teor de óxido de Enxofre, devido ao combustível fóssil utilizado no forno rotativo. Componentes ARGILA IN NATURA (%) ARGILA CALCINADA 800ºC (%) ARGILA CALCINADA FORNO (%) MgO 0,197 0,186 0,223 52,396 58,438 56,139 S O CaO Ti Zr W HgO 0,041 0,039 0,035 0,066 0,053 0,103 0,736 0,118 0,403 0,971 0,565 2,304 2,832 3,050 3,309 3,730 4,075 4,079 0,205 0,219 0,185 0,010 0,011 0,012 0,150 0,250 0,225 0,011 0,012 0,110 30,496 32,044 31,333 Perda ao fogo 8,170 0,940 1,540 Total

12 Resultados Análises Químicas por meio de Fluorescência de Raios-X (FRX/EDX) Amostra Propriedades Porcentagem (%) NBR Classe N (%) , ARGILA IN 0,066 4 NATURA Perda ao Fogo 8, ARGILA CALCINADA 800ºC ARGILA CALCINADA FORNO , ,053 4 Perda ao Fogo 0, , ,103 4 Perda ao Fogo 1,540 10

13 Resultados Ensaios de granulometria Diferença entre as finuras das argilas calcinadas após passarem pelo tempo fixado de moagem de dois minutos; Argila calcinada 800ºC possui uma facilidade de moagem maior do que a argila calcinada FORNO, Grãos menores em ambos os ensaios. Amostra ARGILA CALCINADA 800ºC ARGILA CALCINADA FORNO Método de ensaio ABNT NBR 7181 D50 (μm) ABNT NBR Finura (%) 50,241 7,0 87,979 13,1

14 Resultados Atividade pozolânica com a cal e Índice de desempenho Ambas Argilas calcinadas Acima do limite mínimo de 6 MPa e 90%, respectivamente; Argila calcinada a 800ºC apresentou resultados superiores; Temperatura próxima da temperatura de máxima desidroxilação do material, a soma (Si+Al+Fe) ser superior e grãos serem mais refinados do que a granulometria da argila calcinada FORNO. Amostra ARGILA CALCINADA 800ºC ARGILA CALCINADA FORNO Método de ensaio Ativ. Pozolânica com a cal ABNT NBR 5751 (MPa) Índice de Desempenho ABNT NBR 5752 (%) 11,30 120,795 7,10 92,725

15 Conclusões Nas argilas calcinadas FORNO Vestígios de Mercúrio, uma maior concentração de óxidos de enxofre e o fator (Si+Al+Fe) se encontra inferior. Além disso, observa-se o aparecimento da estrutura cristalina da mulita; A argila calcinada no FORNO é menos friável do que a argila calcinada 800ºC; Argila calcinada FORNO apresentou propriedades que a classifica como pozolana; A argila calcinada a 800ºC apresentou alta reatividade. Temperatura de calcinação estar próxima da temperatura ideal identificada no ensaio de análise térmica e a soma do fator (Si+Al+Fe) ser alta. A sua maior facilidade de moagem justifica em parte o aumento de sua reatividade.

16 Agradecimentos CIPLAN Cimentos Planalto, com seu material, equipamentos e colaboradores. Departamento de Engenharia Civil e Ambiental - UnB

17 Referências Bibliográficas ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Materiais pozolânicos Determinação da atividade pozolânica com a cal aos sete dias. ABNT NBR 5751, Rio de Janeiro, ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Materiais pozolânicos Determinação do índice de desempenho com cimento Portland aos 28 dias. ABNT NBR 5752, Rio de Janeiro, ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Materiais pozolânicos Requisitos. ABNT NBR 12653, Rio de Janeiro, ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Metacaulim para uso com cimento Portland em concreto, argamassa e pasta Parte 3: Determinação da finura por meio da peneira 45 μm. ABNT NBR , Rio de Janeiro, ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Solo - Análise granulométrica. ABNT NBR 7181, Rio de Janeiro, Santis, B. C. Agregado leve de argila calcinada para uso em concreto estrutural: viabilidade de cerâmica vermelha do Estado de São Paulo. Dissertação (Mestrado) Universidade de São Paulo, São Paulo, Fernandez, R, Martirena, F, Scrivener, K. L. The origin of pozzolanic activity of calcined clay minerals: A comparison between kaolinite, illite and montmorillonite. Cement and Concrete Research 41, pp Gobbo, L.A. Aplicação da difração de raios-x e método de Rietveld no estudo de cimento Portland. Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo, Oliveira, M. P, Barbosa, N. P. Potencialidades de um caulim calcinado como material de substituição parcial do cimento Portland em argamassas. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v.10, n. 2, pp Paraíba Lacerda, M. L. Estudo da Argila Pozolânica Utilizada na Produção de Cimento: Área Bonsucesso, Região Planaltina, DF. Dissertação de Mestrado. Instituto de Geociências, Universidade de Brasília. Distrito Federal

DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland

DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland MATERIAIS DE CONSTRUÇAO DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland Cimento Portland Cimento Portland 3 Cimento Portland Aglomerante hidráulico produzido a partir da moagem do clínquer constituído por

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PARÂMETROS FÍSICOS E QUÍMICOS PARA A PRODUÇÃO DE ARGAMASSAS UTILIZANDO CINZA VOLANTE E RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO CIVIL

AVALIAÇÃO DE PARÂMETROS FÍSICOS E QUÍMICOS PARA A PRODUÇÃO DE ARGAMASSAS UTILIZANDO CINZA VOLANTE E RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO CIVIL AVALIAÇÃO DE PARÂMETROS FÍSICOS E QUÍMICOS PARA A PRODUÇÃO DE ARGAMASSAS UTILIZANDO CINZA VOLANTE E RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO CIVIL K. C. FERREIRA 1, S. G. e GONÇALVES 1, D.N.P CARDOSO 1, J. A. da S. SOUZA

Leia mais

Cimento Portland CIMENTO CLÍNQUER. Sumário CIMENTO PORTLAND

Cimento Portland CIMENTO CLÍNQUER. Sumário CIMENTO PORTLAND Universidade Paulista Instituto de Ciências Exatas e Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil Professora Moema Castro, MSc. TECNOLOGIA DO CONCRETO AULA 02 CAPITULO 2 NEVILLE,

Leia mais

SUBSTITUIÇÃO PARCIAL DO CIMENTO PORTLAND POR RESÍDIO DE CERÂMICA VERMELHA EM ARGAMASSAS: ESTUDO DA ATIVIDADE POZOLÂNICA

SUBSTITUIÇÃO PARCIAL DO CIMENTO PORTLAND POR RESÍDIO DE CERÂMICA VERMELHA EM ARGAMASSAS: ESTUDO DA ATIVIDADE POZOLÂNICA SUBSTITUIÇÃO PARCIAL DO CIMENTO PORTLAND POR RESÍDIO DE CERÂMICA VERMELHA EM ARGAMASSAS: ESTUDO DA ATIVIDADE POZOLÂNICA A. R. da Silva, K. C. Cabral, E. N. de M. G.l Pinto Universidade Federal Rural do

Leia mais

Estimativa do Teor de Cimento Portland Pozolânico em Concreto

Estimativa do Teor de Cimento Portland Pozolânico em Concreto Estimativa do Teor de Cimento Portland Pozolânico em Concreto André. T. C. Guimarães & Júlio C. P. Oliveira Departamento de Materiais e Construção FURG, Rio Grande, RS atcg@mikrus.com.br RESUMO: Este trabalho

Leia mais

AVALIAÇÃO DE ARGAMASSAS COMPOSTAS PELO CIMENTO PORTLAND CP IV-32 E PELA ADIÇÃO MINERAL DE METACAULIM PARA ELABORAÇÃO DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL

AVALIAÇÃO DE ARGAMASSAS COMPOSTAS PELO CIMENTO PORTLAND CP IV-32 E PELA ADIÇÃO MINERAL DE METACAULIM PARA ELABORAÇÃO DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL AVALIAÇÃO DE ARGAMASSAS COMPOSTAS PELO CIMENTO PORTLAND CP IV-32 E PELA ADIÇÃO MINERAL DE METACAULIM PARA ELABORAÇÃO DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL Autores: ANDERSON RENATO VOBORNIK WOLENSKI - Universidade

Leia mais

Cimento Portland composto

Cimento Portland composto JUL 1991 Cimento Portland composto NBR 11578 ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º andar CEP 20003 - Caixa Postal 1680 Rio de Janeiro - RJ Tel.: PABX

Leia mais

Cimento Portland pozolânico

Cimento Portland pozolânico JUL 1991 NBR 5736 Cimento Portland pozolânico ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28! andar CEP 20003-900 - Caixa Postal 1680 Rio de Janeiro - RJ

Leia mais

Sumário. Conceitos. Conceitos Produção e consumo Tipos e aplicações Composição química Características dos compostos Leitura obrigatória

Sumário. Conceitos. Conceitos Produção e consumo Tipos e aplicações Composição química Características dos compostos Leitura obrigatória PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL TR Tecnologia dos Revestimentos Aula 3 Argamassas de revestimento: cimento Sumário Conceitos Produção e consumo Tipos e aplicações Composição química Características

Leia mais

MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DA REACTIVIDADE DE UMA POZOLANA

MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DA REACTIVIDADE DE UMA POZOLANA MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DA REACTIVIDADE DE UMA POZOLANA Métodos baseados Na determinação da tensão de rotura de pastas ou argamassas Na determinação do grau de combinação do Ca(OH) 2 com a pozolana Ex:

Leia mais

A EMPREGABILIDADE DE REJEITO CERÂMICO NA INDUSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL

A EMPREGABILIDADE DE REJEITO CERÂMICO NA INDUSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL 28 de junho a 1º de julho de 2004 Curitiba-PR 1 A EMPREGABILIDADE DE REJEITO CERÂMICO NA INDUSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL Alexandre Celles Cordeio 1, Lícia da Silva Alves 2, Raquel dos Anjos, Rodrigues 2,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE NOVOS MATERIAIS CERÂMICOS A PARTIR DE RESÍDUOS DE LAPIDÁRIOS

DESENVOLVIMENTO DE NOVOS MATERIAIS CERÂMICOS A PARTIR DE RESÍDUOS DE LAPIDÁRIOS DESENVOLVIMENTO DE NOVOS MATERIAIS CERÂMICOS A PARTIR DE RESÍDUOS DE LAPIDÁRIOS GUERRA, R.F. 1 REIS, A.B.dos 2, VIEIRA. F. T. 3 1 Universidade Federal dos Vales Jequitinhonha e Mucuri, Departamento de

Leia mais

Potencial de argila caulinítica de Campos dos Goytacazes, RJ, na produção de pozolana para concreto de alta resistência

Potencial de argila caulinítica de Campos dos Goytacazes, RJ, na produção de pozolana para concreto de alta resistência 71 Cerâmica 56 (21) 71-76 Potencial de argila caulinítica de Campos dos Goytacazes, RJ, na produção de pozolana para concreto de alta resistência (Potential of kaolinitic clay from Campos dos Goytacazes,

Leia mais

Cimento Portland comum

Cimento Portland comum CDU: 666.942.2 JUL 1991 NBR 5732 Cimento Portland comum ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º andar CEP 20003-900 - Caixa Postal 1680 Rio de Janeiro

Leia mais

ESTUDO DO CAULIM CALCINADO COMO MATERIAL DE SUBSTITUIÇÃO PARCIAL DO CIMENTO PORTLAND

ESTUDO DO CAULIM CALCINADO COMO MATERIAL DE SUBSTITUIÇÃO PARCIAL DO CIMENTO PORTLAND Conferência Brasileira de Materiais e Tecnologias Não- Convencionais: Habitações e Infra-Estrutura de Interesse Social Brasil-NOCMAT 200 Pirassununga, SP, Brasil, 29 de outubro 3 de novembro, 200 ESTUDO

Leia mais

RELATÓRIO DE ENSAIO N SOL /10 ENSAIOS EM AGREGADOS

RELATÓRIO DE ENSAIO N SOL /10 ENSAIOS EM AGREGADOS Ensaios NBR ISO/IEC 17025 Falcão Bauer Falcão Bauer Página: 1/5 CRL 0003 Laboratório de Ensaio Acreditado pela Cgcre/lnmetro de acordo com a NBR ISO/IEC 17025 sob o n CRL003. RELATÓRIO DE ENSAIO N SOL

Leia mais

ESTUDO DA APLICABILIDADE DA ARGAMASSA PRODUZIDA A PARTIR DA RECICLAGEM DE RESÍDUO SÓLIDO DE SIDERURGIA EM OBRAS DE ENGENHARIA

ESTUDO DA APLICABILIDADE DA ARGAMASSA PRODUZIDA A PARTIR DA RECICLAGEM DE RESÍDUO SÓLIDO DE SIDERURGIA EM OBRAS DE ENGENHARIA ESTUDO DA APLICABILIDADE DA ARGAMASSA PRODUZIDA A PARTIR DA RECICLAGEM DE RESÍDUO SÓLIDO DE SIDERURGIA EM OBRAS DE ENGENHARIA 1. Introdução O impacto ambiental gerado pela exploração dos recursos minerais

Leia mais

Cimento Portland Fabricação Composição química Propriedades

Cimento Portland Fabricação Composição química Propriedades Cimento Portland Fabricação Composição química Propriedades É um aglomerante hidráulico obtido pela moagem do clínquer Portland com adições de gesso e, eventualmente, escória básica de alto-forno, pozolana

Leia mais

Étore Funchal de Faria. Engenheiro Civil, D.Sc.

Étore Funchal de Faria. Engenheiro Civil, D.Sc. EFEITOS DA SUBSTITUIÇÃO PARCIAL DE CIMENTO PORTLAND POR CATALISADOR GASTO DE REFINARIAS DE PETRÓLEO NA RETRAÇÃO POR SECAGEM DE CONCRETOS AUTOADENSÁVEIS DE ALTO DESEMPENHO Étore Funchal de Faria Engenheiro

Leia mais

Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II

Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II Professora: Mayara Moraes Adições Minerais ASTM C125 Aditivos/adições (Admixtures): Qualquer

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE PARA A PRODUÇÃO DE CONCRETOS COM ADIÇÃO DE RESÍDUOS DE VIDRO EM SUBSTITUIÇÃO AO AGREGADO MIÚDO NA CIDADE DE PALMAS-TO

ESTUDO DA VIABILIDADE PARA A PRODUÇÃO DE CONCRETOS COM ADIÇÃO DE RESÍDUOS DE VIDRO EM SUBSTITUIÇÃO AO AGREGADO MIÚDO NA CIDADE DE PALMAS-TO ESTUDO DA VIABILIDADE PARA A PRODUÇÃO DE CONCRETOS COM ADIÇÃO DE RESÍDUOS DE VIDRO EM SUBSTITUIÇÃO AO AGREGADO MIÚDO NA CIDADE DE PALMAS-TO Nome dos autores: Rafael dos Santos Cordeiro 1 ; Adão Lincon

Leia mais

APLICAÇÃO DE RESÍDUO DE CINZAS DE CARVÃO MINERAL APLICADOS NA PRODUÇÃO DE CONCRETOS E ARGAMASSAS

APLICAÇÃO DE RESÍDUO DE CINZAS DE CARVÃO MINERAL APLICADOS NA PRODUÇÃO DE CONCRETOS E ARGAMASSAS APLICAÇÃO DE RESÍDUO DE CINZAS DE CARVÃO MINERAL APLICADOS NA PRODUÇÃO DE CONCRETOS E ARGAMASSAS Rodney Cascaes Júnior 1 ; Msc. Lucimara Aparecida Schambeck Andrade 2 (orientadora) RESUMO: O uso de novos

Leia mais

Palavras chave: concreto de alto desempenho, durabilidade, resíduo, resistência

Palavras chave: concreto de alto desempenho, durabilidade, resíduo, resistência Utilização dos Resíduos de Empresas de Beneficiamento de Granito e Mármore como Adição na Produção de Concreto de Alto Desempenho na Região do Agreste Alagoano. Júlia Karolline V. Duarte 1, Lucas R. Silva

Leia mais

ELEMENTOS CONSTITUINTES DO CONCRETO

ELEMENTOS CONSTITUINTES DO CONCRETO ELEMENTOS CONSTITUINTES DO CONCRETO O concreto, de emprego usual nas estruturas, são constituídos de quatro materiais: 1. Cimento Portland 2. Água 3. Agregado fino 4. Agregado graúdo O cimento e a água

Leia mais

Revestimentos de Argamassa Conceitos P R O M O Ç Ã O

Revestimentos de Argamassa Conceitos P R O M O Ç Ã O Revestimentos de Argamassa Conceitos P R O M O Ç Ã O TECNOLOGIA DA ARGAMASSA Conceitos Sistema de Revestimento de Argamassa Desempenho do sistema Materiais Constituintes Dosagem Escolha do Sistema de Revestimento

Leia mais

POZOLANA DE ESTERIL ARGILOSO DA MINERAÇÃO DE FOSFATADOS

POZOLANA DE ESTERIL ARGILOSO DA MINERAÇÃO DE FOSFATADOS POZOLANA DE ESTERIL ARGILOSO DA MINERAÇÃO DE FOSFATADOS José Afonso de Matos Neto 1, Domingos Sávio de Resende 1, João Trajano da Silva Neto 2, Antônio Maria Claret de Gouveia 3, Maria Teresa Paulino de

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO RESÍDUO CERÂMICO DO MUNICÍPIO DE CAMPOS DOS GOYTACAZES COMO MATERIAL POZOLÂNICO EM MATRIZES CIMENTÍCIAS.

CARACTERIZAÇÃO DO RESÍDUO CERÂMICO DO MUNICÍPIO DE CAMPOS DOS GOYTACAZES COMO MATERIAL POZOLÂNICO EM MATRIZES CIMENTÍCIAS. 1 CARACTERIZAÇÃO DO RESÍDUO CERÂMICO DO MUNICÍPIO DE CAMPOS DOS GOYTACAZES COMO MATERIAL POZOLÂNICO EM MATRIZES CIMENTÍCIAS. COSTA, Bruno Cordeiro (1); ALEXANDRE, Jonas (2); FREITAS, Elaine de Souza (3);

Leia mais

Sílica Ativa e Cinza Volante. Matheus Hornung de Souza Pedro Mozzer

Sílica Ativa e Cinza Volante. Matheus Hornung de Souza Pedro Mozzer Sílica Ativa e Cinza Volante Matheus Hornung de Souza Pedro Mozzer Materiais Pozolânicos Material Pozolânico: São materiais silicosos ou silico-aluminosos, finamente divididos que, na presença de água,

Leia mais

8/2/2011 AGLOMERANTES. Definição: Exemplos: Aglomerantes. Nomenclatura. Relação Pega x Endurecimento. Propriedades. Argila Gesso Cal Cimento Betume

8/2/2011 AGLOMERANTES. Definição: Exemplos: Aglomerantes. Nomenclatura. Relação Pega x Endurecimento. Propriedades. Argila Gesso Cal Cimento Betume Definição: AGLOMERANTES Aglomerantes são materiais ativos, geralmente pulverulentos, que entram na composição das pastas, argamassas e concretos. Nomenclatura Exemplos: Aglomerantes Aglomerantes = materiais

Leia mais

Laboratório de Materiais de Construção Civil. Profa. Dra. Geilma Vieira AGREGADOS AGREGADOS AGREGADOS

Laboratório de Materiais de Construção Civil. Profa. Dra. Geilma Vieira AGREGADOS AGREGADOS AGREGADOS Campo da Matéria Especificações técnicas: Elementos escritos de um projeto de engenharia: um projeto de engenharia não consiste apenas em plantas, desenhos e cálculos. Inclui também uma de redação sob

Leia mais

APROVEITAMENTO DA AREIA DE FUNDIÇÃO NA PRODUÇÃO DE TIJOLOS

APROVEITAMENTO DA AREIA DE FUNDIÇÃO NA PRODUÇÃO DE TIJOLOS APROVEITAMENTO DA AREIA DE FUNDIÇÃO NA PRODUÇÃO DE TIJOLOS Marcelo Angst Acadêmico do Curso de Engenharia Civil, Bolsista de Iniciação Científica, mangciv@urisan.tche.br Universidade Regional Integrada

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA MCC1001

APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA MCC1001 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA MCC1001 Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dr. a Carmeane Effting 2 o semestre 2013 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil PROFESSORA

Leia mais

ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DA CINZA GERADA A PARTIR DO PROCESSO DE QUEIMA DO BAGAÇO DA CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE CONCRETO

ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DA CINZA GERADA A PARTIR DO PROCESSO DE QUEIMA DO BAGAÇO DA CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE CONCRETO ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DA CINZA GERADA A PARTIR DO PROCESSO DE QUEIMA DO BAGAÇO DA CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE CONCRETO André Fontebassi Amorim Silva (1), Jéssica da Silva Coelho (2), Jéssica Laila Rodrigues

Leia mais

Materiais de Construção Civil. Aula 06. Aglomerantes e Cal

Materiais de Construção Civil. Aula 06. Aglomerantes e Cal Materiais de Construção Civil Aula 06 Aglomerantes e Cal Taciana Nunes Arquiteta e Urbanista Definição Aglomerante é o material ativo, ligante, cuja principal função é formar uma pasta que promove a união

Leia mais

Caracterização da Matriz de Argamassas para Alvenaria Utilizando Rejeitos das Indústrias de Cerâmica Vermelha e de Sanitários

Caracterização da Matriz de Argamassas para Alvenaria Utilizando Rejeitos das Indústrias de Cerâmica Vermelha e de Sanitários Caracterização da Matriz de Argamassas para Alvenaria Utilizando Rejeitos das Indústrias de Cerâmica Vermelha e de Sanitários Juzélia Santos da Costa a,b, Celso Aparecido Martins b, João Baptista Baldo

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA CINZA LEVE DO BAGAÇO DA CANA DE AÇÚCAR E O ÍNDICE DE ATIVIDADE POZOLÂNICA. Liri Yoko Cruz Prieto Hojo 1.

CARACTERIZAÇÃO DA CINZA LEVE DO BAGAÇO DA CANA DE AÇÚCAR E O ÍNDICE DE ATIVIDADE POZOLÂNICA. Liri Yoko Cruz Prieto Hojo 1. ENTECA 2013 IX Encontro Tecnológico da Engenharia Civil e Arquitetura 1 a 3 de outubro de 2013 CARACTERIZAÇÃO DA CINZA LEVE DO BAGAÇO DA CANA DE AÇÚCAR E O ÍNDICE DE ATIVIDADE POZOLÂNICA Liri Yoko Cruz

Leia mais

PRODUÇÃO DE ARGAMASSA DE ASSENTAMENTO COM A UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS

PRODUÇÃO DE ARGAMASSA DE ASSENTAMENTO COM A UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS PRODUÇÃO DE ARGAMASSA DE ASSENTAMENTO COM A UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS Gabriela Ferreira de FRANÇA UFPA, gabidepp@hotmail.com Robson Cardoso de SOUSA - UFPA Paulo André Amaral COUTINHO - UFPA Samira

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DE ARGAMASSAS DE ASSENTAMENTO E REVESTIMENTO PRODUZIDAS COM RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO GERADOS EM CANTEIRO DE OBRAS

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DE ARGAMASSAS DE ASSENTAMENTO E REVESTIMENTO PRODUZIDAS COM RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO GERADOS EM CANTEIRO DE OBRAS 1 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DE ARGAMASSAS DE ASSENTAMENTO E REVESTIMENTO PRODUZIDAS COM RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO GERADOS EM CANTEIRO DE OBRAS G.D.A. Bastos (1), J.A. Cerri (2) Alameda Prudente

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO PROVENIENTE DO ACABAMENTO DE MÁRMORES E GRANITOS COMO MATÉRIA PRIMA EM CERÂMICA VERMELHA.

UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO PROVENIENTE DO ACABAMENTO DE MÁRMORES E GRANITOS COMO MATÉRIA PRIMA EM CERÂMICA VERMELHA. 28 de junho a 1º de julho de 24 Curitiba-PR 1 UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO PROVENIENTE DO ACABAMENTO DE MÁRMORES E GRANITOS COMO MATÉRIA PRIMA EM CERÂMICA VERMELHA. Mello, Roberta Monteiro de; Santos, Thiago

Leia mais

Avaliação dos resíduos da indústria de cerâmica vermelha como insumo para a produção de cimento Portland

Avaliação dos resíduos da indústria de cerâmica vermelha como insumo para a produção de cimento Portland Revista Ambiental V.2, n. 1, p. 80-87, Out./15 a Jun./2016. Avaliação dos resíduos da indústria de cerâmica vermelha como insumo para a produção de cimento Portland 1 Faculdade Internacional da Paraíba.

Leia mais

REJEITO DE CAULIM DE APL DE PEGMATITO DO RN/PB UMA FONTE PROMISSORA PARA CERÂMICA BRANCA. Lídia D. A. de Sousa

REJEITO DE CAULIM DE APL DE PEGMATITO DO RN/PB UMA FONTE PROMISSORA PARA CERÂMICA BRANCA. Lídia D. A. de Sousa REJEITO DE CAULIM DE APL DE PEGMATITO DO RN/PB UMA FONTE PROMISSORA PARA CERÂMICA BRANCA Lídia D. A. de Sousa lidiadely@yahoo.com.br Eiji Harima Professor do Departamento de Formação de Professores do

Leia mais

ESTUDO PARA A APLICAÇÃO DE RESIDUOS DE CERAMICA VERMELHA NA PRODUÇÃO DE ARGAMASSAS CIMENTICIAS

ESTUDO PARA A APLICAÇÃO DE RESIDUOS DE CERAMICA VERMELHA NA PRODUÇÃO DE ARGAMASSAS CIMENTICIAS ESTUDO PARA A APLICAÇÃO DE RESIDUOS DE CERAMICA VERMELHA NA PRODUÇÃO DE ARGAMASSAS CIMENTICIAS Julia Thais de Oliveira Cardoso Faculdade de Engenharia Civil CEATEC julia.toc@puccamp.edu.br Nádia Cazarim

Leia mais

Seminário A reação álcali-agregado: causas, diagnóstico e soluções IBRACON. Arnaldo Forti Battagin

Seminário A reação álcali-agregado: causas, diagnóstico e soluções IBRACON. Arnaldo Forti Battagin Seminário A reação álcali-agregado: causas, diagnóstico e soluções IBRACON Arnaldo Forti Battagin 15 de outubro de 2010 Desenvolvimento do Projeto: Outubro/2006 a Abril/2008 Reuniões plenárias: 15 Participantes:

Leia mais

ARGAMASSAS E CONCRETOS CIMENTOS

ARGAMASSAS E CONCRETOS CIMENTOS ARGAMASSAS E CONCRETOS CIMENTOS DEFINIÇÃO O cimento Portland é um pó fino com propriedades aglutinantes que endurece sob a ação da água, ou seja, é um aglomerante ativo hidráulico. HISTÓRICO O material,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E AVALIAÇÃO DAS PROPRIEDADES CERÂMICAS DE ARGILA UTILIZADA EM CERÂMICA ESTRUTURAL

CARACTERIZAÇÃO E AVALIAÇÃO DAS PROPRIEDADES CERÂMICAS DE ARGILA UTILIZADA EM CERÂMICA ESTRUTURAL CARACTERIZAÇÃO E AVALIAÇÃO DAS PROPRIEDADES CERÂMICAS DE ARGILA UTILIZADA EM CERÂMICA ESTRUTURAL A.S. Reis 1 ; J. N. Oliveira 2 ; V.P.Della-Sagrillo 2 ; F.R.Valenzuela-Diaz 3 Rua Raquel Madeli Vitalli,

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DE METODOLOGIAS PARA DETERMINAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO GRANULOMÉTRICA DE ARGILAS

ESTUDO COMPARATIVO DE METODOLOGIAS PARA DETERMINAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO GRANULOMÉTRICA DE ARGILAS ESTUDO COMPARATIVO DE METODOLOGIAS PARA DETERMINAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO GRANULOMÉTRICA DE ARGILAS B. M. A. de BRITO 1, J. M. CARTAXO 1, G. A. NEVES 1, H. C. FERREIRA 1 1 Unidade Acadêmica de Engenharia de

Leia mais

Solo-cimento UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. SNP38D53 Técnicas de Melhoramento de Solos

Solo-cimento UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. SNP38D53 Técnicas de Melhoramento de Solos UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL SNP38D53 Técnicas de Melhoramento de Solos Solo-cimento Prof.: Flavio A. Crispim (FACET/SNP-UNEMAT) SINOP - MT 2015 Técnicas de melhoramento

Leia mais

ESTUDO SOBRE A VIABILIDADE DE APROVEITAMENTO DE RESÍDUO DE CONSTRUÇÃO CIVIL RESÍDUO CERÂMICO

ESTUDO SOBRE A VIABILIDADE DE APROVEITAMENTO DE RESÍDUO DE CONSTRUÇÃO CIVIL RESÍDUO CERÂMICO ESTUDO SOBRE A VIABILIDADE DE APROVEITAMENTO DE RESÍDUO DE CONSTRUÇÃO CIVIL RESÍDUO CERÂMICO Francine Carneiro Mendes Faculdade de Engenharia Civil CEATEC francine.cm@puccampinas.edu.br Lia Lorena Pimentel

Leia mais

Disciplina: Materiais de Construção Civil I. Carga horária: 80 h/a Período: 2º

Disciplina: Materiais de Construção Civil I. Carga horária: 80 h/a Período: 2º Disciplina: Materiais de Construção Civil I Ano letivo: Carga horária: 80 h/a Período: 2º Pré-requisito: ------ EMENTA Origem dos materiais utilizados na construção civil, suas propriedades físico-químicas,

Leia mais

ESTUDO SOBRE A POSSIBILIDADE DA SUBSTITUIÇÃO DE AGREGADO NATURAL EM ARGAMASSA POR RESÍDUO DE EXTRAÇÃO DE PEDRAS SEMIPRECIOSAS 1

ESTUDO SOBRE A POSSIBILIDADE DA SUBSTITUIÇÃO DE AGREGADO NATURAL EM ARGAMASSA POR RESÍDUO DE EXTRAÇÃO DE PEDRAS SEMIPRECIOSAS 1 ESTUDO SOBRE A POSSIBILIDADE DA SUBSTITUIÇÃO DE AGREGADO NATURAL EM ARGAMASSA POR RESÍDUO DE EXTRAÇÃO DE PEDRAS SEMIPRECIOSAS 1 Guilherme Amaral De Moraes 2, Marcos Tres 3, Jessamine Pedroso De Oliveira

Leia mais

Influência do tratamento térmico nas características energéticas de resíduos lenhosos de eucalipto e pinus: poder calorífico e redução granulométrica

Influência do tratamento térmico nas características energéticas de resíduos lenhosos de eucalipto e pinus: poder calorífico e redução granulométrica Influência do tratamento térmico nas características energéticas de resíduos lenhosos de eucalipto e pinus: poder calorífico e redução granulométrica A. Lúcia P. S. M. Pincelli¹ R. Nunes¹ G. Almeida¹ J.

Leia mais

ADIÇÕES OU SUBSTITUTOS PARCIAIS DO CIMENTO PORTLAND

ADIÇÕES OU SUBSTITUTOS PARCIAIS DO CIMENTO PORTLAND Adição material inorgânico, com finura à do cimento, adicionado ao betão o na amassadura para melhorar certas propriedades ou para adquirir propriedades especiais Tipos de adições Podem substituir parcialmente

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DAS PROPRIEDADES DE CONCRETOS CONVENCIONAIS COM SUBSTITUIÇÃO PARCIAL DO CIMENTO PORTLAND POR CINZA DA CASCA DE ARROZ

ANÁLISE COMPARATIVA DAS PROPRIEDADES DE CONCRETOS CONVENCIONAIS COM SUBSTITUIÇÃO PARCIAL DO CIMENTO PORTLAND POR CINZA DA CASCA DE ARROZ ANÁLISE COMPARATIVA DAS PROPRIEDADES DE CONCRETOS CONVENCIONAIS COM SUBSTITUIÇÃO PARCIAL DO CIMENTO PORTLAND POR CINZA DA CASCA DE ARROZ Felipe Basquiroto de Souza 1 Alceu Lima Ramos Netto 2 Daiane dos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL SALÃO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA 2014 Análise da Resistência à Compressão Simples e Diametral de Misturas com Areia, Metacaulim e Cal Aluno: Ricardo José Wink de

Leia mais

Cerâmica 58 (2012) 36-42

Cerâmica 58 (2012) 36-42 Cerâmica 58 (2012) 36-42 36 Caracterização dos resíduos cauliníticos das indústrias de mineração de caulim da amazônia como matéria-prima para produção de pozolanas de alta reatividade (Characterization

Leia mais

TRANSPORTES E OBRAS DE TERRA

TRANSPORTES E OBRAS DE TERRA TRANSPORTES E OBRAS DE TERRA Movimento de Terra e Pavimentação NOTAS DE AULA MECÂNICA DOS SOLOS Prof. Edson de Moura Aula 04 Granulometria de Solos 2009 Granulometria de Solos A finalidade da realização

Leia mais

FORMULAÇÃO DE MASSA CERÂMICA PARA FABRICAÇÃO DE TELHAS

FORMULAÇÃO DE MASSA CERÂMICA PARA FABRICAÇÃO DE TELHAS 1 FORMULAÇÃO DE MASSA CERÂMICA PARA FABRICAÇÃO DE TELHAS R.M.P.R. Macêdo 1,2 ; R.P.S. Dutra 1 ; R.M. Nascimento 1,3 ; U.U. Gomes 1 ; M.A.F. Melo 1 Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN Campus

Leia mais

Desenvolvimento de Massa Cerâmica para Blocos Queimados e Prensados

Desenvolvimento de Massa Cerâmica para Blocos Queimados e Prensados Desenvolvimento de Massa Cerâmica para Blocos Queimados e Prensados Leonardo Gonçalves Pedroti b, Jonas Alexandre a *, Gustavo de Castro Xavier a, Sergio Neves Monteiro b, Carlos Mauricio Fontes Vieira

Leia mais

Resíduos reciclados como componentes de argamassas.

Resíduos reciclados como componentes de argamassas. Resíduos reciclados como componentes de argamassas. Luiz A. P. Pereira DECA - UBI Portugal luiz.oliveira@ubi.pt Pedro M. S. Santos DECA - UBI Portugal pmsantos@portugalmail.pt Resumo: Este trabalho caracteriza

Leia mais

A Cinza de casca de arroz (CCA) residual como adição mineral ao cimento

A Cinza de casca de arroz (CCA) residual como adição mineral ao cimento 1 A Cinza de casca de arroz (CCA) residual como adição mineral ao cimento J.H.S. Rêgo, UFG; A.A. Nepomuceno, UnB; F.L. Vieira, FURNAS; A.N. Lopez,FURNAS Resumo - Dentre os resíduos ambientais utilizados

Leia mais

Atividades EXERCÍCIOS. Materiais Naturais e Artificiais

Atividades EXERCÍCIOS. Materiais Naturais e Artificiais Atividades EXERCÍCIOS 1. Uma amostra de areia úmida foi levada a uma estufa onde permaneceu por 24h a 100ºC, a fim de se determinar o teor de umidade presente. Antes de ser colocada na estufa a amostra

Leia mais

ANÁLISE DAS PROPRIEDADES TECNOLÓGICAS DOS PRODUTOS DA CERÂMICA VERMELHA DA CIDADE DO APODI

ANÁLISE DAS PROPRIEDADES TECNOLÓGICAS DOS PRODUTOS DA CERÂMICA VERMELHA DA CIDADE DO APODI ANÁLISE DAS PROPRIEDADES TECNOLÓGICAS DOS PRODUTOS DA CERÂMICA VERMELHA DA CIDADE DO APODI Rafael Bezerra Cavalcanti Aluno Bolsista de Iniciação Científica IFRN Campus Mossoró E-mail: rafael_cavalcanti_5@hotmail.com

Leia mais

PROPRIEDADES ESPECTRAIS DOS SOLOS

PROPRIEDADES ESPECTRAIS DOS SOLOS PROPRIEDADES ESPECTRAIS DOS SOLOS Espectroscopia de Reflectância e Caracterização dos Solos; Reflectância e Mineralogia dos Solos; Reflectância e Matéria Orgânica; Reflectância e Óxidos de Ferro; Reflectância

Leia mais

6º CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM PETRÓLEO E GÁS

6º CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM PETRÓLEO E GÁS 6º CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM PETRÓLEO E GÁS TÍTULO DO TRABALHO: Utilização de Resíduo Cerâmico em Pastas de Cimento de Poços de Petróleo como Aditivo para Aprimorar a Resistência

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE TÉCNICA DO USO DE MISTURAS DE SOLO, CIMENTO E RCD PARA FINS DE PAVIMENTAÇÃO

ESTUDO DA VIABILIDADE TÉCNICA DO USO DE MISTURAS DE SOLO, CIMENTO E RCD PARA FINS DE PAVIMENTAÇÃO ESTUDO DA VIABILIDADE TÉCNICA DO USO DE MISTURAS DE SOLO, CIMENTO E RCD PARA FINS DE PAVIMENTAÇÃO RESUMO A geração de resíduos na construção civil causa danos ao meio ambiente, seja pela necessidade de

Leia mais

AULA 4 AGLOMERANTES. Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dra. Carmeane Effting. 1 o semestre 2014

AULA 4 AGLOMERANTES. Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dra. Carmeane Effting. 1 o semestre 2014 AULA 4 AGLOMERANTES Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dra. Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil AGLOMERANTES São materiais

Leia mais

Referências Bibliográficas

Referências Bibliográficas Referências Bibliográficas ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CIMENTO PORTLAND Guia básico de utilização do cimento portland. 7.ed. São Paulo, 2002. 28p. (BT-106) ABESC Associação Brasileira de Empresas de Serviços

Leia mais

APROVEITAMENTO DO LODO DE ESGOTO SANITÁRIO COMO MATÉRIA PRIMA PARA A PRODUÇÃO DE MATERIAL POZOLÂNICO

APROVEITAMENTO DO LODO DE ESGOTO SANITÁRIO COMO MATÉRIA PRIMA PARA A PRODUÇÃO DE MATERIAL POZOLÂNICO APROVEITAMENTO DO LODO DE ESGOTO SANITÁRIO COMO MATÉRIA PRIMA PARA A PRODUÇÃO DE MATERIAL POZOLÂNICO GILSON MORALES 1 MORALES, G. Aproveitamento do lodo de esgoto sanitário como matéria prima para a produção

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE CHAMOTE E CASCA DE OVO PARA PRODUÇÃO DE MATERIAL CERÂMICO

CARACTERIZAÇÃO DE CHAMOTE E CASCA DE OVO PARA PRODUÇÃO DE MATERIAL CERÂMICO CARACTERIZAÇÃO DE CHAMOTE E CASCA DE OVO PARA PRODUÇÃO DE MATERIAL CERÂMICO Flaviane H. G. Leite 1* (D), Thiago F. Almeida 1 (D) e José Nilson F. Holanda 1 1- Universidade Estadual do Norte Fluminense

Leia mais

ARGILA CAULINÍTICA CALCINADA DA MINERAÇÃO DE AREIAS PRIMÁRIAS E SUA APLICAÇÃO EM CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO(CAD) João Batista

ARGILA CAULINÍTICA CALCINADA DA MINERAÇÃO DE AREIAS PRIMÁRIAS E SUA APLICAÇÃO EM CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO(CAD) João Batista ARGILA CAULINÍTICA CALCINADA DA MINERAÇÃO DE AREIAS PRIMÁRIAS E SUA APLICAÇÃO EM CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO(CAD) Tayná Ribeiro Toledo 1, Daltro Garcia Pinatti 1, Rosa Ana Conte 1, Rodolfo C.M. Botti 1,

Leia mais

CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND PRODUZIDO COM RESÍDUO DO BENEFICIAMENTO DE CAULIM

CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND PRODUZIDO COM RESÍDUO DO BENEFICIAMENTO DE CAULIM CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND PRODUZIDO COM RESÍDUO DO BENEFICIAMENTO DE CAULIM A. A. BARBOSA 1,2, C. F. S. de SÁ 1, J.P. C. LEAL 1, J. V. BARROSO 1, L. G. da SILVEIRA 1 R. C. O. LIMA 1, 1 UNIFACISA- Centro

Leia mais

Resíduo de Cerâmica Vermelha (RCV): Uma Alternativa como Material Pozolânico

Resíduo de Cerâmica Vermelha (RCV): Uma Alternativa como Material Pozolânico Resíduo de Cerâmica Vermelha (RCV): Uma Alternativa como Material Pozolânico Eduardo Garcia a *, Marsis Cabral Junior a, Valdecir Ângelo Quarcioni b, Fabiano Ferreira Chotoli b http://dx.doi.org/10.4322/cerind.2014.083

Leia mais

CIMENTO PORTLAND F M C P R O F ª B Á R B A R A S I L V É R I A

CIMENTO PORTLAND F M C P R O F ª B Á R B A R A S I L V É R I A AGLOMERANTES CIMENTO PORTLAND F M C P R O F ª B Á R B A R A S I L V É R I A COMPOSIÇÃO Cimento Portland é a denominação técnica do material usualmente conhecido na construção civil como CIMENTO; Foi criado

Leia mais

AGREGADOS. FMC Profª Bárbara Silvéria

AGREGADOS. FMC Profª Bárbara Silvéria AGREGADOS FMC Profª Bárbara Silvéria Agregados Definição e produção Conceito Entende- se por agregado o material granular, sem forma e volume definidos, geralmente inertes, de dimensões e propriedades

Leia mais

AGLOMERANTES. FMC Profª Bárbara Silvéria

AGLOMERANTES. FMC Profª Bárbara Silvéria AGLOMERANTES FMC Profª Bárbara Silvéria Aglomerantes Definição Aglomerante é o material ativo, ligante, em geral pulverulento, cuja principal função é formar uma pasta que promove a união entre os grãos

Leia mais

1. Introdução. 2. Materiais e Método. Daniela L. Villanova a *, Carlos P. Bergmann a

1. Introdução. 2. Materiais e Método. Daniela L. Villanova a *, Carlos P. Bergmann a Influência da Variação Granulométrica das Matérias-Primas nas Propriedades Tecnológicas em Corpos Cerâmicos a Base de Cinza Pesada de Carvão Mineral e Vidro Sodo-Cálcico Daniela L. Villanova a *, Carlos

Leia mais

ESTUDOS PRELIMINARES DA APLICAÇÃO DE RESÍDUO DE MINÉRIO DE COBRE SULFETADO NA ELABORAÇÃO DE ARGAMASSAS DE ASSENTAMENTO E REVESTIMENTO

ESTUDOS PRELIMINARES DA APLICAÇÃO DE RESÍDUO DE MINÉRIO DE COBRE SULFETADO NA ELABORAÇÃO DE ARGAMASSAS DE ASSENTAMENTO E REVESTIMENTO ESTUDOS PRELIMINARES DA APLICAÇÃO DE RESÍDUO DE MINÉRIO DE COBRE SULFETADO NA ELABORAÇÃO DE ARGAMASSAS DE ASSENTAMENTO E REVESTIMENTO J. A. Rodrigues 1 D. N. P. Cardoso 1 A. J. R. Ferreira 2 A. L. M. F.

Leia mais

Moagem Fina à Seco e Granulação vs. Moagem à Umido e Atomização na Preparação de Massas de Base Vermelha para Monoqueima Rápida de Pisos Vidrados

Moagem Fina à Seco e Granulação vs. Moagem à Umido e Atomização na Preparação de Massas de Base Vermelha para Monoqueima Rápida de Pisos Vidrados Moagem Fina à Seco e Granulação vs. Moagem à Umido e Atomização na Preparação de Massas de Base Vermelha para Monoqueima Rápida de Pisos Vidrados G. Nassetti e C. Palmonari Centro Cerâmico Italiano, Bologna,

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO QUANTO À RESISTÊNCIA MECÂNICA DE PAVERS FABRICADOS COM CINZA DE BAGAÇO DE CANA DE AÇÚCAR COMO AGREGADO MIÚDO

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO QUANTO À RESISTÊNCIA MECÂNICA DE PAVERS FABRICADOS COM CINZA DE BAGAÇO DE CANA DE AÇÚCAR COMO AGREGADO MIÚDO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE DO COMPORTAMENTO QUANTO À RESISTÊNCIA MECÂNICA DE PAVERS FABRICADOS COM CINZA DE BAGAÇO DE CANA DE AÇÚCAR COMO AGREGADO MIÚDO Silvia Paula Sossai

Leia mais

AVALIAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO DA ATIVIDADE POZOLÂNICA DO RESÍDUO DE TIJOLO MOÍDO NA RESISTÊNCIA DE ARGAMASSAS

AVALIAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO DA ATIVIDADE POZOLÂNICA DO RESÍDUO DE TIJOLO MOÍDO NA RESISTÊNCIA DE ARGAMASSAS Conferência Interamericana sobre Materiais e Tecnologias não-convencionais na Construção Ecológica e Sustentável. IAC-NOCMAT 2005 Rio de Janeiro, Brasil, 11 a 15 de novembro de, 2005 AVALIAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO

Leia mais

Universidade Paulista Instituto de Ciências Exatas e Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Professora Moema Castro, MSc.

Universidade Paulista Instituto de Ciências Exatas e Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Professora Moema Castro, MSc. Universidade Paulista Instituto de Ciências Exatas e Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Professora Moema Castro, MSc. C O M P L E M E N T O S D E M E C Â N I C A D O S S O L O S E F U N D A Ç

Leia mais

OBTENÇÃO DE POZOLANAS A PARTIR DO PÓ-DE-PEDRA

OBTENÇÃO DE POZOLANAS A PARTIR DO PÓ-DE-PEDRA OBTENÇÃO DE POZOLANAS A PARTIR DO PÓ-DE-PEDRA L. R. Z. B. Silva (1); A.C. Albuquerque (2). (1). Curso de Tecnologia em Controle de Obras IFMT Campus Cuiabá. (2). Professora, DACC IFMT Campus Cuiabá. RESUMO

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO DO BENEFICIAMENTO DE ROCHAS ORNAMENTAIS (MÁRMORES E GRANITOS) NA CONSTRUÇÃO CIVIL

UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO DO BENEFICIAMENTO DE ROCHAS ORNAMENTAIS (MÁRMORES E GRANITOS) NA CONSTRUÇÃO CIVIL UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO DO BENEFICIAMENTO DE ROCHAS ORNAMENTAIS (MÁRMORES E GRANITOS) NA CONSTRUÇÃO CIVIL Moura, Washington A.(1); Gonçalves, Jardel P. (2); (1) Eng. Civil, Doutor em Engenharia Civil, professor

Leia mais

II Simpósio Gestão Empresarial e Sustentabilidade 16, 17 e 18 de outubro de 2012, Campo Grande MS

II Simpósio Gestão Empresarial e Sustentabilidade 16, 17 e 18 de outubro de 2012, Campo Grande MS AVALIAÇÃO DAS PROPRIEDADES FISICAS DE BLOCOS DE CONCRETO COM ADIÇÃO DE BORRACHA DE PNEU TRITURADA Sandra Regina Bertocini; Ludmila Soares Carneiro Inovação Sustentável INTRODUÇÃO A cada ano, dezenas de

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA GABRIELA CASSOL

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA GABRIELA CASSOL UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA GABRIELA CASSOL CARACTERIZAÇÃO E UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO DE CERÂMICA VERMELHA COMO MATERIAL POZOLÂNICO

Leia mais

Tecnologia de aditivos e adições para conreto

Tecnologia de aditivos e adições para conreto santos.geniclesio@br.sika.com Tecnologia de Aditivos e adições para concreto Parte 03 Eng Geniclesio Santos Coordenador Técnico Salvador, 15 de setembro de 2014 1.1. Programa Parte 1 1.1. Apresentação

Leia mais

ANÁLISE EXPERIMENTAL DO FOSFOGESSO COMO AGREGADO MIÚDO NA COMPOSIÇÃO DO CONCRETO

ANÁLISE EXPERIMENTAL DO FOSFOGESSO COMO AGREGADO MIÚDO NA COMPOSIÇÃO DO CONCRETO ANÁLISE EXPERIMENTAL DO FOSFOGESSO COMO AGREGADO MIÚDO NA COMPOSIÇÃO DO CONCRETO Tarcísio Pereira Lima Aluno de Engenharia Civil na Universidade de Ribeirão Preto UNAERP Universidade de Ribeirão Preto

Leia mais

1. Introdução. Mendonça, A. M. G. D. a *, Santana, L. N. L. a, Neves, G. A. a, Chaves, A. C. a, Oliveira, D. N. S. a

1. Introdução. Mendonça, A. M. G. D. a *, Santana, L. N. L. a, Neves, G. A. a, Chaves, A. C. a, Oliveira, D. N. S. a Estudo da Expansão por Umidade Através de Indução pelo Método de Autoclavagem em Blocos Cerâmicos Obtidos a partir de Massas Incorporadas com Resíduos de Caulim e Granito Mendonça, A. M. G. D. a *, Santana,

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - A AGLOMERANTES. Profa Lia Lorena Pimentel

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - A AGLOMERANTES. Profa Lia Lorena Pimentel MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - A AGLOMERANTES Profa Lia Lorena Pimentel Aglomerantes: Terminologia (NBR 11172) Aglomerante de origem mineral Produto com constituintes minerais que, para sua aplicação,

Leia mais

ESTUDO DAS RESISTÊNCIAS DE CONCRETOS DOSADOS COM RESÍDUO OLEOSO DE PETRÓLEO

ESTUDO DAS RESISTÊNCIAS DE CONCRETOS DOSADOS COM RESÍDUO OLEOSO DE PETRÓLEO ESTUDO DAS RESISTÊNCIAS DE CONCRETOS DOSADOS COM RESÍDUO OLEOSO DE PETRÓLEO Ana Maria Gonçalves Duarte Mendonça 1, Milton Bezerra das Chagas Filho 2, Taíssa Guedes 3, Yane Coutinho Lira 4, Daniel Beserra

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO SOLO DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA MADALENA

CARACTERIZAÇÃO DO SOLO DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA MADALENA CARACTERIZAÇÃO DO SOLO DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA MADALENA R. A. Freitas¹, B. F. Borges¹, S. do Rosário¹, J. Alexandre¹*, W. V. Beiral¹*, R.B. Anderson¹, E. F. Pessanha¹, 1 Laboratório de Engenharia Civil

Leia mais

Cimento Portland branco

Cimento Portland branco JUL 1993 Cimento Portland branco NBR 12989 ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º andar CEP 20003-900 - Caixa Postal 1680 Rio de Janeiro - RJ Tel.:

Leia mais

Estudo Experimental de Misturas Areia-Cinza de Carvão Mineral com e sem Adição de Cal para Aplicação em Obras Geotécnicas

Estudo Experimental de Misturas Areia-Cinza de Carvão Mineral com e sem Adição de Cal para Aplicação em Obras Geotécnicas Estudo Experimental de Misturas Areia-Cinza de Carvão Mineral com e sem Adição de Cal para Aplicação em Obras Geotécnicas Amanda Maria Chrispim Meliande 1 Pontifícia Universidade Católica, Rio de Janeiro,

Leia mais

ENSAIOS TECNOLÓGICOS DE ARGILAS DA REGIÃO DE PRUDENTÓPOLIS-PR. Resumo: Introdução

ENSAIOS TECNOLÓGICOS DE ARGILAS DA REGIÃO DE PRUDENTÓPOLIS-PR. Resumo: Introdução ENSAIOS TECNOLÓGICOS DE ARGILAS DA REGIÃO DE PRUDENTÓPOLIS-PR Patrick Antonio Morelo (UNICENTRO), Luiz Fernando Cótica,Fabio Luiz Melquíades e Ricardo Yoshimitsu Miyahara (Orientador), e-mail: rmiyahara@unicentro.br.

Leia mais

COMPÓSITOS CIMENTÍCIOS PRODUZIDOS COM RESÍDUOS DA INDÚSTRIA MADEIREIRA DE PORTO VELHO

COMPÓSITOS CIMENTÍCIOS PRODUZIDOS COM RESÍDUOS DA INDÚSTRIA MADEIREIRA DE PORTO VELHO II ENCONTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA COMPÓSITOS CIMENTÍCIOS PRODUZIDOS COM RESÍDUOS DA INDÚSTRIA MADEIREIRA DE PORTO VELHO Umberto Gonçalves Ribeiro 1 Raimundo Pereira de Vasconcelos 2 1. INTRODUÇÃO No

Leia mais

DETERMINAÇÃO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS, QUÍMICAS E MINERALÓGICAS DA CAL HIDRATADA VISANDO USO NA CONSTRUÇÃO CIVIL

DETERMINAÇÃO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS, QUÍMICAS E MINERALÓGICAS DA CAL HIDRATADA VISANDO USO NA CONSTRUÇÃO CIVIL DETERMINAÇÃO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS, QUÍMICAS E MINERALÓGICAS DA CAL HIDRATADA VISANDO USO NA CONSTRUÇÃO CIVIL Walter Rubens Ribeiro Feitosa Batista 1 ; Letícia Maria Macêdo de Azevedo 2 ; Camila Gonçalves

Leia mais

20º CBECIMAT - Congresso Brasileiro de Engenharia e Ciência dos Materiais 04 a 08 de Novembro de 2012, Joinville, SC, Brasil

20º CBECIMAT - Congresso Brasileiro de Engenharia e Ciência dos Materiais 04 a 08 de Novembro de 2012, Joinville, SC, Brasil ESTUDO DAS PROPRIEDADES PRÉ E PÓS QUEIMA DA MISTURA DE ARGILAS DA REGIÃO DE BOA SAÚDE E DO MUNICIPIO DE ITAJÁ (RN) OBJETIVANDO A OBTENÇÃO DE TIJOLOS CERÂMICOS DE ENCAIXE R. F. Sousa 1 ; R. B. Assis 2 ;

Leia mais

ESTABILIZAÇÃO DE SOLOS COM UTILIZAÇÃO DE AGREGADOS DE ROCHAS CALCÁRIAS PARA USO EM CAMADAS DE PAVIMENTOS

ESTABILIZAÇÃO DE SOLOS COM UTILIZAÇÃO DE AGREGADOS DE ROCHAS CALCÁRIAS PARA USO EM CAMADAS DE PAVIMENTOS ESTABILIZAÇÃO DE SOLOS COM UTILIZAÇÃO DE AGREGADOS DE ROCHAS CALCÁRIAS PARA USO EM CAMADAS DE PAVIMENTOS Felipe Cordeiro de Lima Ricardo Almeida de Melo ESTABILIZAÇÃO DE SOLOS COM UTILIZAÇÃO DE AGREGADOS

Leia mais

O uso de resíduos como finos na fabricação do concreto auto adensável. Marco Antônio de Morais Alcântara Bruno Vendramini dos Santos

O uso de resíduos como finos na fabricação do concreto auto adensável. Marco Antônio de Morais Alcântara Bruno Vendramini dos Santos O uso de resíduos como finos na fabricação do Marco Antônio de Morais Alcântara Bruno Vendramini dos Santos 1 Concreto auto-adensável (C.A.A): Não necessita ser vibrado para ser lançado e adensado. Necessita

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE ENGENHARIA CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA METALÚRGICA E DE MINAS TESE DE DOUTORADO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE ENGENHARIA CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA METALÚRGICA E DE MINAS TESE DE DOUTORADO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE ENGENHARIA CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA METALÚRGICA E DE MINAS TESE DE DOUTORADO AVALIAÇÃO MICROESTRUTURAL E COMPORTAMENTO FÍSICO E MECÂNICO DE CONCRETOS

Leia mais