ORGANIZAÇÃO MORFOFUNCIONAL DO SISTEMA CARDIOVASCULAR

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ORGANIZAÇÃO MORFOFUNCIONAL DO SISTEMA CARDIOVASCULAR"

Transcrição

1 ORGANIZAÇÃO MORFOFUNCIONAL DO SISTEMA CARDIOVASCULAR Introdução Cada seguimento do sistema circulatório tem uma estrutura histológica própria, e seu papel no processo geral da circulação é diferente. Termos tais como meio interno, dinâmica e gradiente são fundamentais em Fisiologia. Se existe gradiente existe fluxo, ou seja, comunicação entre dois ambientes. Existem fluxos macroscópicos e microscópicos. Os fluxos macroscópicos estão relacionados ao conceito de volume. Ao se tratar de fluxos tais como o fluxo do ar, a grandeza relacionada é o gradiente de pressão entre dois meios. Como exemplo, só poderá ocorrer a inspiração quando houver gradiente, ou seja, quando a pressão interna dos pulmões for menor que a pressão externa do ambiente. Microscopicamente, não se tem fluxo de massas, mas fluxo de moléculas. O fluxo de moléculas pode ser promovido pelos gradientes químico e elétrico. Uma molécula no estado gasoso tem como gradiente associado a pressão parcial, que mede o grau de atividade de um determinado gás. Num organismo unicelular, para que haja fluxo de oxigênio para dentro da célula é necessário que este seja consumido. Com o consumo, há a diminuição da pressão parcial do oxigênio no interior da célula, fato que irá promover um fluxo de entrada, caso a pressão parcial deste gás no meio externo, seja maior. Para eliminar gás carbônico, o processo é o mesmo, ou seja, com a queima do oxigênio, tem-se como resultado a produção de gás carbônico, que passa então a ter uma pressão parcial maior no interior da célula, fato que gera um fluxo de saída do gás, caso, no ambiente externo, a pressão seja menor que no meio interno. O papel do sistema respiratório Um dos papéis fundamentais do sistema respiratório é colocar o sangue em amplo contato com o meio externo. A área de contato no meio interno com o meio externo se dá a partir da superfície alvéolo capilar. Um homem de 70 kg tem cerca de 70 m² de área de contato pulmonar, fato, por exemplo, explorado pelos procedimentos de anestesia inalatória, 1

2 pois há uma vasta área de contato entre o anestésico e o sangue, o que proporciona uma anestesia rápida e eficiente. Da mesma forma, para se retirar o paciente deste estado de anestesia respiratória, basta interromper a inalação, que este volta rapidamente ao estado normal. O sistema circulatório promovendo a integração de sistemas O sistema circulatório tem um importante papel na integração dos demais sistemas e na comunicação das células com o meio externo. O sistema respiratório capta oxigênio para a respiração celular, em associação com o sistema digestivo, que atua na captação de nutrientes que são conduzidos às células. Ele serve ao sistema excretor como via de condução dos resíduos metabólicos, dentre uma série de outras funções, evidenciando a sua capacidade de comunicação e integração dos demais sistemas no organismo. Antes de se discutir os detalhes do funcionamento do sistema circulatório, é importante compreender a função de cada uma de suas partes. As artérias têm como função transportar o sangue para os tecidos, sob alta pressão. É por esta razão que as paredes das artérias apresentam grande resistência e elasticidade. As arteríolas atuam como válvulas controladoras, através das quais o sangue é liberado para os capilares sanguíneos. Elas apresentam uma parede muscular que permite fechar completamente o seu diâmetro ou dilatá-lo várias vezes, tendo por isso a possibilidade de regular o fluxo sanguíneo para as áreas por elas irrigadas. A função dos capilares é a realização das trocas de líquidos, gases, nutrientes, excretas, eletrólitos, e todas as demais substâncias presentes no plasma e no líquido intersticial. As paredes dos capilares são extremamente delgadas e providas de poros permeáveis à água e outras pequenas substâncias moleculares. As vênulas coletam o sangue dos capilares, encaminhando-o para veias de calibres maiores. As veias atuam como conduto para o transporte de sangue de volta ao coração, atuando também como um importante reservatório de sangue. Volume de sangue nas diferentes partes da circulação Veias 64% 2

3 Artérias 13% Arteríolas e capilares sistêmicos 7% Coração 7% Vasos pulmonares 9% Um sistema fisiologicamente fechado O sistema circulatório é um sistema fechado, do ponto de vista fisiológico, ou seja, o seu conteúdo não aumenta ou diminui de forma livre. Num sistema fechado, quando ocorre alguma perturbação em algum ponto deste sistema, esta perturbação repercute por toda a sua extensão. Sendo assim, caso ocorra um aumento de pressão dentro deste sistema, este aumento será sentido em todos os pontos do mesmo. A organização serial e paralela do sistema circulatório O sistema circulatório conta com sistemas em série e sistemas em paralelo. A característica básica dos sistemas em série é a continuidade dos processos, fato evidenciado, por exemplo, na relação entre a circulação sistêmica e a circulação pulmonar. Caso um indivíduo desenvolva um trombo em uma veia do membro inferior, por exemplo, e este trombo venha a se desprender formando um êmbolo, ele jamais poderá afetar o cérebro, pois ele, obrigatoriamente, terá que passar antes pela circulação pulmonar, onde será retido pela capilarização deste órgão, podendo causar uma embolia pulmonar. Numa embolia, pode ocorrer a necrose ou infarto do órgão afetado, uma vez que pode ocorrer uma interrupção do fluxo sanguíneo. Quando um indivíduo apresenta uma fibrilação no átrio esquerdo, que se caracteriza por uma desorganização elétrica e mecânica da musculatura dos átrios, os átrios não realizam suas funções de contração rítmica. Com a fibrilação, pode ocorrer uma relativa parada da circulação em determinadas áreas deste átrio, permitindo a formação de trombos. Caso este trombo se desprenda, formando então, um êmbolo, o indivíduo corre o risco de desenvolver uma embolia em algum órgão da circulação sistêmica, porém, neste caso, nunca no pulmão, devido às circulações sistêmica e pulmonar estarem em série. O sistema porta tem como característica ser uma circulação que irriga um órgão, após uma capilarização. É o que ocorre na capilarização da circulação entérica, onde tudo o que é recolhido pelo trato gastrintestinal é antes processado pelo fígado, numa circulação em série. 3

4 O débito cardíaco O conceito de débito cardíaco O conceito de velocidade do fluxo O controle do fluxo sanguíneo O conceito de débito cardíaco O conceito de débito refere-se à quantidade de sangue ejetado pelos ventrículos por unidade de tempo. O conceito de débito cardíaco não é o mesmo que volemia. Entendese por volemia o volume de sangue circulante. O débito cardíaco não é uma medida de volume, mas sim uma medida de fluxo em relação ao tempo medido em minutos. Considerando que o sistema circulatório é um sistema fechado, o débito cardíaco do lado esquerdo do coração não pode ser diferente do lado direito. O conceito de velocidade do fluxo Quando há um estreitamento da aorta, e o ventrículo esquerdo está bombeando o sangue num débito de 5 litros por minuto, teremos também, no ponto de estreitamento, um débito de 5 litros por minuto. Neste caso, a velocidade do fluxo será muito maior no estreitamento, do que numa porção da aorta onde o diâmetro for maior. Sendo assim, a 4

5 velocidade do fluxo é diretamente proporcional à magnitude do fluxo, dividido pela área da seção transversa do vaso, ou seja, para que, numa mesma área de seção transversa, passe mais sangue por minuto, é necessário aumentar a sua velocidade. Sabendo-se que a aorta tem um diâmetro macroscópico e um capilar sanguíneo, um diâmetro microscópico, pela relação anteriormente apresentada, a velocidade deveria ser muito maior no capilar; no entanto, deve-se considerar que a capilarização consiste em um sistema paralelo, e não serial. Sendo assim, o diâmetro da aorta deve ser comparado, não com o diâmetro de um único capilar, mas com o somatório de mais de 20 gerações de subdivisões de vasos, fazendo com se exceda, bastante, o diâmetro da aorta, justificando, portanto, a diminuição da velocidade do fluxo, no nível dos capilares sanguíneos. O controle do fluxo sanguíneo Quando os tecidos encontram-se em atividade, eles necessitam de um fluxo sangüíneo muito maior do que suas necessidades no estado de repouso. Porém, ocasionalmente, esta demanda pode chegar a valores até 30 vezes maiores que os níveis basais. A questão é que o coração não é capaz de atender sozinho a esta demanda, pois ele consegue aumentar o débito cardíaco em cerca de 4 a 7 vezes apenas. Desta forma, é necessário um controle sistêmico, para que demandas teciduais específicas sejam atendidas, pois o coração não é capaz de aumentar o fluxo sanguíneo genericamente, a ponto de suprir demandas particulares. Desta maneira, microvasos monitoram as necessidades de oxigênio, nutrientes, o acúmulo de dióxido de carbono, dentre uma série de outros parâmetros, controlando o diâmetro dos vasos que irrigam os tecidos, condicionando, assim, o fluxo sanguíneo local, de acordo com as necessidades específicas de cada tecido. O conceito de resistência ao fluxo A resistência é definida como sendo inversamente proporcional à quarta potência do raio da circunferência do vaso. Desta forma, o principal determinante à resistência ao fluxo é o espaço disponível para a passagem do sangue. Este conceito é fundamental, pois se o raio é diminuído pela metade, a resistência é aumentada 16 vezes. Sendo assim, pequenas variações nos diâmetros dos vasos se configuram em alterações importantes na resistência ao fluxo sanguíneo. Durante o exercício, há uma grande dilatação dos vasos sanguíneos que irrigam a musculatura esquelética e, em contrapartida, uma vasoconstrição nos vasos que 5

6 irrigam as vísceras abdominais, aumentando a resistência nestes últimos vasos. Quando a pressão é a mesma, porém, há uma variação na resistência em virtude de diferenças no diâmetro dos vasos: o fluxo será muito maior naquele vaso onde a resistência é pequena. Ao se comparar leitos vasculares em paralelo, todos os vasos encontram-se submetidos à mesma pressão; logo, aquele que apresentar maior resistência terá um fluxo menor. Desta forma, o controle do diâmetro vascular é o principal mecanismo de controle do fluxo sanguíneo corporal, pois, modificando-se o calibre dos vasos, é possível modular o fluxo do sangue para qualquer parte do corpo. Se todos os vasos sistêmicos fossem colocados lado a lado, agrupados pelos seus tipos, suas áreas de secção transversa seriam: Áreas da secção transversa e velocidades do fluxo sanguíneo Vaso Área de secção transversa cm² Aorta 2,5 Pequenas artérias 20 Arteríolas 40 Capilares Vênulas 250 Pequenas veias 80 Veias cavas 8 Como mostra a tabela acima, as áreas de secção transversa das veias são muito maiores que as das artérias, explicando o comportamento do sistema venoso de atuar como um reservatório de sangue. Como o mesmo volume de sangue deve fluir através de cada segmento da circulação, a cada unidade de tempo, a velocidade do fluxo sanguíneo é inversamente proporcional à área da secção transversa vascular. A área total de secção transversa do leito capilar é muito grande, a despeito do fato de a área de seção transversa de cada capilar ser menor do que a de cada arteríola. Como resultado, a velocidade do fluxo sangüíneo torna-se muito lenta nos capilares, de forma análoga ao decréscimo na velocidade do fluxo nas regiões mais largas de um rio. 6

7 O conceito de pressão arterial A relação que define o conceito de pressão arterial A pressão arterial e os demais parâmetros do sistema As pressões nas várias porções do sistema circulatório A relação que define o conceito de pressão arterial A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total. Quando se compara a pressão arterial global do organismo, a um modelo representado por uma mangueira de jardim, a pressão é determinada pela proporção de água que entra e aquela que sai da mangueira. Para se aumentar a pressão dentro deste sistema, de forma aguda, diminui-se o diâmetro de abertura da mangueira, aumentando-se, conseqüentemente, a resistência. Outra manobra consiste em se aumentar o fluxo total de água dentro da mangueira, que, no paralelo com o sistema circulatório, equivale a aumentar o débito cardíaco. Mesmo sem aumentar a resistência vascular periférica, é possível aumentar a pressão, com o aumento do débito cardíaco. Este é o mecanismo evidenciado num quadro de 7

8 hipertensão arterial em jovens, quando se tem uma hipertensão hipercinética. A hipertensão pode ser causada, não apenas pelo aumento da resistência vascular periférica, mas também pela possibilidade de um aumento do débito cardíaco. A pressão arterial e os demais parâmetros do sistema Considerando-se um sistema em paralelo, como ocorre durante o exercício físico, há uma vasodilatação ao nível da musculatura em atividade, e uma vasoconstrição renal. Como se sabe, a pressão é a mesma em todo o sistema, e, como no sistema muscular o diâmetro dos vasos é muito maior e a resistência menor, o fluxo sanguíneo nos vasos que irrigam a musculatura será maior. Quando há uma elevação do débito cardíaco, como ocorre durante o exercício, a resistência vascular periférica total diminui muito, pois, no tecido muscular, há uma vasodilatação considerável. A pressão arterial, durante o exercício aumenta, pois há um aumento proporcionalmente maior do débito cardíaco, em relação à diminuição experimentada pela resistência vascular periférica total. Desta forma, não se pode afirmar que a pressão arterial de um indivíduo estará elevada, apenas levando-se em consideração uma elevação da resistência vascular periférica, como também não se pode afirmar que a pressão arterial vai estar elevada, apenas levando-se em consideração o débito cardíaco. As pressões nas várias porções do sistema circulatório Como o coração bombeia o sangue continuamente para a aorta, sua pressão média é elevada, com média de 100 mmhg. Além deste fato, o bombeamento do coração é pulsátil, fazendo com que a pressão na aorta varie entre 120 mmhg (pressão sistólica) e 80 mmhg (pressão diastólica). À medida que o sangue flui através da circulação sistêmica, a pressão cai gradativamente até chegar a 0 mmhg, no nível das veias cavas. Os capilares sistêmicos apresentam uma variação na pressão entre 35 mmhg (próximo das terminações arteriolares) e 10 mmhg (próximo das terminações venosas), com uma média de cerca de 17 mmhg. As artérias pulmonares, apesar de receberem pressão pulsátil tal qual a aorta, apresentam uma pressão sistólica de cerca de 25 mmhg e uma pressão diastólica de 8 mmhg, com uma média de pressão arterial e capilar de apenas 7 mmhg. As baixas pressões do 8

9 sistema pulmonar evidenciam a função deste órgão, que é a de expor o sangue para que se possa processar as trocas gasosas. A organização histológica vascular Um vaso sangüíneo apresenta três camadas: a camada adventícia, a túnica média, composta de músculo liso e tecido conjuntivo, e a camada íntima que é basicamente um endotélio com uma membrana basal. O que vai diferenciar um segmento do outro, é a proporção de cada uma destas camadas histológicas da parede de cada tipo de vaso. As grandes artérias possuem uma camada elástica muito bem desenvolvida, principalmente no que se refere ao tecido elástico. As arteríolas têm grande desenvolvimento da túnica média, no que se refere à musculatura lisa. Os capilares são, basicamente, vasos desprovidos de camada média e adventícia. Nas veias, vamos ter uma proporção quase que idêntica entre a camada de músculo liso e de fibras elásticas. Desta forma, as grandes artérias são, basicamente, vasos elásticos, as arteríolas são, basicamente, vasos musculares, os capilares são vasos endoteliais, enquanto as veias apresentam um equilíbrio entre a quantidade de músculo liso e fibras elásticas. O padrão de arranjo histológico dos vasos do sistema circulatório faz com que as grandes artérias funcionem como elementos complementares a ação contrátil do coração, pois este é um órgão intermitente, ou seja, ele apresenta uma fase de contração e uma fase de relaxamento. As artérias apresentam uma grande capacidade de armazenamento de energia potencial elástica, devido à grande proporção de fibras elásticas em suas paredes. O fluxo de sangue dentro dos ventrículos é um fluxo intermitente, onde a pressão no momento da sístole é elevada (150 mmhg) e logo no momento seguinte, ou seja, na diástole, a pressão cai a zero. Dependendo do volume ejetado a cada sístole, cerca de um terço deste 9

10 volume é armazenado sob a forma de energia potencial elástica nas paredes das grandes artérias, enquanto os dois terços restantes seguem para a circulação periférica. A energia potencial armazenada nas fibras elásticas das paredes das grandes artérias vai se transformar em energia cinética, mantendo o fluxo periférico, mesmo durante a diástole ventricular, ou seja, é mantida a pressão dentro das artérias mesmo durante o relaxamento dos ventrículos. Desta forma, as artérias funcionam como um coração acessório, mantendo pressão diastólica diferente de zero, mesmo quando o ventrículo está relaxado. A complacência vascular Enquanto as artérias encontrarem-se elásticas e sadias, o trabalho do coração é extremamente facilitado. Contudo, com o avançar da idade, as grandes artérias vão perdendo complacência arterial. A complacência é uma grandeza empregada para expressar a razão entre a variação do volume e a variação de pressão. A complacência mede a facilidade de expansão de um sistema tridimensional quando submetido à pressão. Desta forma, ao se submeter dois sistemas tridimensionais à mesma variação de pressão, aquele que apresentar o maior aumento de volume, será aquele dito mais complacente. Na medida em que um indivíduo envelhece, a sua complacência arterial diminui, ou seja, quando submetidas à pressão sistólica, as artérias de grande calibre dilatam-se menos, oferecendo uma maior resistência ao trabalho do ventrículo. Sendo assim, nestas condições, durante a sístole, o coração deve gerar uma pressão maior, fazendo com que a pressão arterial deste indivíduo, com uma baixa complacência arterial, seja divergente, ou seja, ele vai apresentar uma pressão sistólica alta e uma pressão diastólica baixa. Isto porque há uma menor acomodação arterial, devido ao enrijecimento de suas paredes. 10

11 Relações entre fluxo, pressão e resistência vascular A Lei de Ohm definindo a hemodinâmica da circulação A relação entre fluxo sanguíneo e débito cardíaco A pressão sanguínea O conceito de resistência vascular A Lei de Ohm definindo a hemodinâmica da circulação O fluxo ao longo de um vaso é definido por dois fatores: o gradiente de pressão entre as extremidades deste vaso, e a resistência ao fluxo. A lei de Ohm é a relação física que traduz o conceito de fluxo, pois a intensidade de corrente ("i") é a razão entre a diferença de potencial ("U") e a resistência elétrica ("R"). Lei de Ohm Q fluxo ΔP diferença de pressão ente duas extremidades de um vaso R Fórmulas resistência Relação fisiológica Relação física - Eletricidade Q = ΔP/R i = U/R Sendo assim, o fluxo é diretamente proporcional à diferença de pressão entre as duas extremidades de um vaso, porém, inversamente proporcional à resistência. A diferença de pressão entre as duas extremidades não é a pressão absoluta no vaso, pois se a pressão nas extremidades fossem iguais, não haveria fluxo. A relação entre fluxo sanguíneo e débito cardíaco Fluxo sanguíneo significa, simplesmente, a quantidade de sangue que passa por uma secção transversal de um vaso, por unidade de tempo. Normalmente, o fluxo sanguíneo é medido em milímetros por minuto ou litros por minuto. Em um adulto, em condições normais e no estado de repouso, o fluxo é de cerca de ml/min. Como esta é a quantidade de sangue bombeada pelo coração a cada minuto, este valor traduz também o 11

12 débito cardíaco. A pressão sanguínea A física clássica define a pressão de um líquido como sendo a força exercida pelo líquido, sobre qualquer unidade de área da parede do recipiente que o contém. No caso do sangue, a parede do recipiente nada mais é que a parede do vaso sanguíneo. Como o manômetro de mercúrio tem sido utilizado como padrão para medidas desta natureza, a pressão sanguínea também é medida em milímetros de mercúrio. O conceito de resistência vascular Resistência vascular é qualquer impedimento proporcionado por um vaso ao fluxo nele contido. A medida da resistência somente pode ser aferida levando-se em consideração a intensidade do fluxo, e a diferença de pressão ente as extremidades de um vaso, ou seja, a resistência não admite um valor direto, apenas relativo. O fluxo sanguíneo através de todo o sistema circulatório é equivalente ao débito cardíaco, ou seja, é igual ao bombeamento do sangue pelo coração, que no homem adulto equivale a 100 ml/s. Como a diferença de pressão entre as artérias sistêmicas e as veias sistêmicas é de aproximadamente de 100 mmhg, pode-se chegar à conclusão que a resistência periférica total de um indivíduo adulto é de 1 URP (unidade de resistência periférica). Como exemplo, no sistema pulmonar, a pressão arterial média é de cerca de 16 mmhg, enquanto a pressão atrial esquerda é de cerca de 2 mmhg. Sendo assim, a diferença de pressão neste sistema é de aproximadamente 14 mmhg. Considerando que o débito cardíaco normal de um indivíduo encontra-se na faixa de 100 ml/s, pode-se concluir que a resistência vascular pulmonar é de aproximadamente 0,14 URP, ou seja, quase sete vezes menor que a resistência da circulação sistêmica. 12

Sistema Cardiovascular. Prof. Dr. Leonardo Crema

Sistema Cardiovascular. Prof. Dr. Leonardo Crema Sistema Cardiovascular Prof. Dr. Leonardo Crema Visão Geral do Sistema Circulatório: A função da circulação é atender as necessidades dos tecidos. Sistema Circulartório= Sistema Cardiovascular É uma série

Leia mais

Fisiologia do Sistema Cardiovascular. Profa. Deise Maria Furtado de Mendonça

Fisiologia do Sistema Cardiovascular. Profa. Deise Maria Furtado de Mendonça Fisiologia do Sistema Cardiovascular Profa. Deise Maria Furtado de Mendonça Introdução ao Sistema Cardiovascular Coração e sistema fechado de vasos. Sangue move-se continuamente por gradiente de pressão.

Leia mais

FISIOLOGIA CARDIOVASCULAR

FISIOLOGIA CARDIOVASCULAR UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Programa de Pós-Graduação em Ciências Fisiológicas Lab. Regulação Central do Sistema Cardiovascular Prof. Hélder Mauad FISIOLOGIA CARDIOVASCULAR Aula 6 DÉBITO CARDÍACO

Leia mais

Aula 5: Sistema circulatório

Aula 5: Sistema circulatório Aula 5: Sistema circulatório Sistema circulatório Sistema responsável pela circulação de sangue através de todo o organismo; Transporta oxigênio e todos os nutrientes necessários para a manutenção das

Leia mais

FISIOLOGIA DA CONTRAÇÃO MUSCULAR DISCIPLINA: FISIOLOGIA I

FISIOLOGIA DA CONTRAÇÃO MUSCULAR DISCIPLINA: FISIOLOGIA I FISIOLOGIA DA CONTRAÇÃO MUSCULAR DISCIPLINA: FISIOLOGIA I PROFESSOR RESPONSÁVEL: FLÁVIA SANTOS Musculatura corporal Músculo Cardíaco Músculo atrial Contração = esquelética Músculo ventricular Maior duração

Leia mais

Funções: Constituição: Distribuição nutrientes e oxigénio; Eliminação dióxido de carbono; Transporte hormonas; Manutenção temperatura corporal e ph;

Funções: Constituição: Distribuição nutrientes e oxigénio; Eliminação dióxido de carbono; Transporte hormonas; Manutenção temperatura corporal e ph; Funções: Distribuição nutrientes e oxigénio; Eliminação dióxido de carbono; Transporte hormonas; Manutenção temperatura corporal e ph; Prevenção desidratação e infeções; Constituição: Coração + vasos sanguíneos

Leia mais

Sistema cardiovascular

Sistema cardiovascular Sistema cardiovascular Sistema cardiovascular SISTEMA CARDIOVASCULAR ÓRGÃO PROPULSOR CORAÇÃO SISTEMA DE VASOS ARTÉRIAS, ARTERÍOLAS, CAPILARES, VÉNULAS E VEIAS onde circula SANGUE Coração Órgão situado

Leia mais

AULA-10 FISIOLOGIA DO SISTEMA CARDIOVASCULAR

AULA-10 FISIOLOGIA DO SISTEMA CARDIOVASCULAR AULA-10 FISIOLOGIA DO SISTEMA CARDIOVASCULAR Profª Tatiani UNISALESIANO Fornecer e manter suficiente, contínuo e variável o fluxo sanguíneo aos diversos tecidos do organismo, segundo suas necessidades

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR. Prof. Jair

SISTEMA CARDIOVASCULAR. Prof. Jair SISTEMA CARDIOVASCULAR Prof. Jair FUNÇÕES Transporte de gases dos pulmões aos tecidos e dos tecidos aos pulmões Transporte dos nutrientes das vias digestivas aos tecidos Transporte de toxinas Distribuição

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana

Anatomia e Fisiologia Humana Componentes A) Coração B) Vasos Sanguíneos Coração É um órgão muscular tetracavitário (4 cavidades); Situado no centro do tórax, entre os pulmões; Tamanho de um mão fechada e pesa cerca de 300 gramas;

Leia mais

Sistema Cardiovascular. Prof. Dr. Leonardo Crema

Sistema Cardiovascular. Prof. Dr. Leonardo Crema Sistema Cardiovascular Prof. Dr. Leonardo Crema Visão Geral do Sistema Circulatório: A função da circulação é atender as necessidades dos tecidos. Sistema Circulartório= Sistema Cardiovascular É uma série

Leia mais

SISTEMA CIRCULATÓRIO. Prof a Cristiane Oliveira

SISTEMA CIRCULATÓRIO. Prof a Cristiane Oliveira SISTEMA CIRCULATÓRIO Prof a Cristiane Oliveira SISTEMA CIRCULATÓRIO QUAIS SUAS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS? Rede de tubos pelos quais circulam o sangue e a linfa (vasos sanguíneos e linfáticos, respectivamente).

Leia mais

Gabarito da lista de revisão sobre Sistema Circulatório Prof: Marcus Ferrassoli

Gabarito da lista de revisão sobre Sistema Circulatório Prof: Marcus Ferrassoli Gabarito da lista de revisão sobre Sistema Circulatório Prof: Marcus Ferrassoli Resposta da questão 1: No coração humano a saída do sangue rico em oxigênio (arterial) se dá pela artéria aorta. Resposta

Leia mais

BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA FUNÇÃO CARDIO-VASCULAR E EXERCÍCIO

BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA FUNÇÃO CARDIO-VASCULAR E EXERCÍCIO BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA FUNÇÃO CARDIO-VASCULAR E EXERCÍCIO Prof. Sergio Gregorio da Silva, PhD 1 Qual é o objetivo funcional do sistema CV? Que indicador fisiológico pode ser utilizado para demonstrar

Leia mais

Sistema cardiovascular. Profº Fernando Belan - BIOLOGIA MAIS

Sistema cardiovascular. Profº Fernando Belan - BIOLOGIA MAIS Sistema cardiovascular Profº Fernando Belan - BIOLOGIA MAIS Sistema sanguíneo Tem como função transportar nutrientes até às células e retirar as excretas. Constituído por coração, artérias, veias e capilares.

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR. Prof. Victor Uchôa

SISTEMA CARDIOVASCULAR. Prof. Victor Uchôa SISTEMA CARDIOVASCULAR Prof. Victor Uchôa Introdução O sistema cardiovascular ou circulatório é formado por uma vasta rede de vasos de vários tipos e calibres, que põe em comunicação todas as partes do

Leia mais

Unidade 6. Sistema circulatório. Planeta Terra 9.º ano. Adaptado por Ana Mafalda Torres

Unidade 6. Sistema circulatório. Planeta Terra 9.º ano. Adaptado por Ana Mafalda Torres Unidade 6 Sistema circulatório Adaptado por Ana Mafalda Torres O que é o sistema cardiorrespiratório? + Sistema circulatório Sistema respiratório O que é o sistema circulatório? O sistema circulatório

Leia mais

- CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CIRCULATÓRIO

- CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CIRCULATÓRIO - CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CIRCULATÓRIO 01. Quais são as três estruturas básicas que compõem nosso sistema circulatório ou cardiovascular? 02. Que funções o sistema circulatório desempenha em nosso organismo?

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR. Elab.: Prof. Gilmar

SISTEMA CARDIOVASCULAR. Elab.: Prof. Gilmar 1 SISTEMA CARDIOVASCULAR 2 Funções Gerais: Transporte de gases respiratórios:o sangue carrega oxigênio dos pulmões para as células do corpo e dióxido de carbono das células para aos pulmões. Transporte

Leia mais

Circulação coronariana, hipertensão e isquemia

Circulação coronariana, hipertensão e isquemia O conceito de pressão de pulso A chamada pressão de pulso é a amplitude da variação entre a pressão sistólica e a pressão diastólica num determinado momento. A complacência arterial é um dos parâmetros

Leia mais

Exercícios de Circulação Comparada

Exercícios de Circulação Comparada Exercícios de Circulação Comparada 1. (PUC) Relacione as descrições dos Sistemas Circulatórios com seus respectivos Filos animais: I - Ausente. O alimento é distribuído diretamente da cavidade gastrovascular.

Leia mais

Respostas cardiovasculares ao esforço físico

Respostas cardiovasculares ao esforço físico Respostas cardiovasculares ao esforço físico Prof. Gabriel Dias Rodrigues Doutorando em Fisiologia UFF Laboratório de Fisiologia do Exercício Experimental e Aplicada Objetivos da aula 1. Fornecer uma visão

Leia mais

FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO

FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO 1 Ventilação e metabolismo energético Equivalente ventilatório de oxigênio: Relação entre volume de ar ventilado (VaV) e a quantidade de oxigênio consumida pelos tecidos (VO2) indica

Leia mais

Sistema circulatório

Sistema circulatório Texto de apoio ao professor T2 Sistema circulatório Constituintes Características Funções Introdução: O sistema circulatório é um circuito fechado e é responsável pelo transporte de substâncias no nosso

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR

SISTEMA CARDIOVASCULAR SISTEMA CARDIOVASCULAR O CORAÇÃO COMO BOMBA: ESTRUTURA E FUNÇÃO Anatomia Cardíaca Bomba Cardíaca: Função Ventricular e Ciclo Cardíaco Débito Cardíaco e seus Componentes FC: Regulação Intrínseca e Extrínseca

Leia mais

SISTEMA CARDIO-RESPIRATÓRIO. O Organismo Humano em Equilíbrio

SISTEMA CARDIO-RESPIRATÓRIO. O Organismo Humano em Equilíbrio SISTEMA CARDIO-RESPIRATÓRIO O Organismo Humano em Equilíbrio SISTEMA CARDIO-RESPIRATÓRIO As nossas células necessitam de: Oxigénio; Nutrientes; Eliminar Dióxido de Carbono; Entre outros. O nosso organismo

Leia mais

FISIOLOGIA HUMANA UNIDADE V: SISTEMA RESPIRATÓRIO

FISIOLOGIA HUMANA UNIDADE V: SISTEMA RESPIRATÓRIO FISIOLOGIA HUMANA UNIDADE V: SISTEMA RESPIRATÓRIO Funções Troca de gases com o ar atmosférico; Manutenção da concentração de oxigênio; Eliminação da concentração de dióxido de carbônico; Regulação da ventilação.

Leia mais

Transporte de nutrientes e oxigénio até às células

Transporte de nutrientes e oxigénio até às células Transporte de nutrientes e oxigénio até às células Sistema Circulatório Apresentação feita por Prof. Mónica Moreira Conceito e função do sistema circulatório O sistema circulatório é responsável pela circulação

Leia mais

inadequada ou muito lenta.

inadequada ou muito lenta. Fisiologia Comparativa da Circulação Circulação: proporciona transporte rápido de grande volume para distâncias onde a difusão é inadequada ou muito lenta. PRINCIPAIS FUNÇÕES DO SISTEMA CIRCULATÓRIO Transporte

Leia mais

PROVA DE BIOLOGIA 3 o TRIMESTRE DE 2015

PROVA DE BIOLOGIA 3 o TRIMESTRE DE 2015 PROVA DE BIOLOGIA 3 o TRIMESTRE DE 2015 PROFa. FLÁVIA CARLETE NOME Nº 8º ANO A prova deve ser feita com caneta azul ou preta. É terminantemente proibido o uso de corretor. Respostas com corretor serão

Leia mais

Sistema circulatório

Sistema circulatório Sistema circulatório O sangue Líquido vermelho e viscoso que circula no nosso organismo, sem parar, e que tem várias funções no organismo: Transporte de gases e nutrientes Regulação da temperatura Defesa

Leia mais

Sistemas Humanos. Prof. Leonardo F. Stahnke 13/07/2017

Sistemas Humanos. Prof. Leonardo F. Stahnke 13/07/2017 Sistemas Humanos Prof. Leonardo F. Stahnke É responsável pelo transporte (circulação) de gases respiratórios, nutrientes (subst. orgânicas e inorgânicas), excretas metabólicas, água e hormônios. Tipos

Leia mais

Sistema Circulatório. Diogo Magalhães Cavaco Instituto de Histologia e Embriologia Faculdade de Medicina de Lisboa 2006

Sistema Circulatório. Diogo Magalhães Cavaco Instituto de Histologia e Embriologia Faculdade de Medicina de Lisboa 2006 Sistema Circulatório Diogo Magalhães Cavaco Instituto de Histologia e Embriologia Faculdade de Medicina de Lisboa 2006 Aparelho cardiovascular Pulmão Artéria pulmonar Veias pulmonares Órgãos e tecidos

Leia mais

Cardiologia do Esporte Aula 1 Sistema circulatório. Prof a. Dr a Bruna Oneda

Cardiologia do Esporte Aula 1 Sistema circulatório. Prof a. Dr a Bruna Oneda Cardiologia do Esporte Aula 1 Sistema circulatório Prof a. Dr a Bruna Oneda Sistema Circulatório Composto pelo coração, vasos sanguíneos (artérias, veias e capilares) e sangue Responsável, pela condução,

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR

SISTEMA CARDIOVASCULAR SISTEMA CARDIOVASCULAR O coração consiste em duas bombas em série Circulação Pulmonar Circulação Sistêmica Pequena Circulação ou Circulação Pulmonar Circulação coração-pulmão-coração. Conduz o sangue venoso

Leia mais

Cardiologia. Prof. Claudia Witzel

Cardiologia. Prof. Claudia Witzel Cardiologia Introdução Disfunções circulatórias levam as pessoas a adoecerem. Origem congênita ( já nasce com a doença, como a deficiência na formação de válvulas cardíacas) Origem infecciosa ( bactérias

Leia mais

RESUMO APARELHO CARDIOVASCULAR

RESUMO APARELHO CARDIOVASCULAR Veia (vaso que volta ao coração) Artéria (vaso que sai do coração) No lado direito do coração só circula sangue venoso, e no lado esquerdo só circula sangue artrial. Refira funções do aparelho cardiovascular

Leia mais

02- Analise a imagem abaixo: Nomeie os órgãos numerados de 1 a 5.

02- Analise a imagem abaixo: Nomeie os órgãos numerados de 1 a 5. PROFESSOR: EQUIPE DE CIÊNCIAS BANCO DE QUESTÕES - CIÊNCIAS - 8º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= 01- Associe as colunas.

Leia mais

Cardiologia do Esporte Aula 1 Sistema. Prof a. Dr a Bruna Oneda 2013

Cardiologia do Esporte Aula 1 Sistema. Prof a. Dr a Bruna Oneda 2013 Cardiologia do Esporte Aula 1 Sistema circulatório Prof a. Dr a Bruna Oneda 2013 Sistema Circulatório Composto pelo coração, vasos sanguíneos (artérias, veias e capilares) e sangue Responsável, através

Leia mais

Funções: distribuição de substâncias (nutrientes, gases respiratórios, produtos do metabolismo, hormônios, etc) e calor.

Funções: distribuição de substâncias (nutrientes, gases respiratórios, produtos do metabolismo, hormônios, etc) e calor. Funções: distribuição de substâncias (nutrientes, gases respiratórios, produtos do metabolismo, hormônios, etc) e calor Componentes: Vasos sanguíneos, Coração, Sangue http://www.afh.bio.br/cardio/cardio3.asp

Leia mais

AULA PRÁTICA 13. SISTEMA CIRCULATÓRIO e MÚSCULO CARDÍACO

AULA PRÁTICA 13. SISTEMA CIRCULATÓRIO e MÚSCULO CARDÍACO AULA PRÁTICA 13 SISTEMA CIRCULATÓRIO e MÚSCULO CARDÍACO O sistema circulatório é constituído por dois componentes funcionais: o sistema vascular sanguíneo e o sistema vascular linfático. O sistema vascular

Leia mais

EDUCAÇÃO É ESSENCIAL!

EDUCAÇÃO É ESSENCIAL! 1. O termo hipóxia refere-se à condição na qual a disponibilidade ou a utilização de oxigênio está reduzida. Os indivíduos B, C, D e E, relacionados na tabela a seguir, estão submetidos a diferentes formas

Leia mais

ESTRUTURA FREQUÊNCIA CARDÍACA 09/06/2013. O número de batimentos cardíacos por unidade de tempo, geralmente expresso em batimentos por minuto (bpm).

ESTRUTURA FREQUÊNCIA CARDÍACA 09/06/2013. O número de batimentos cardíacos por unidade de tempo, geralmente expresso em batimentos por minuto (bpm). Revisar alguns conceitos da fisiologia cardiovascular; Revisar alguns conceitos da fisiologia do exercício do sistema cardiovascular; Estudar as adaptações do treinamento aeróbico e de força no sistema

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR

SISTEMA CARDIOVASCULAR SISTEMA CARDIOVASCULAR Sistema Cardiovascular Objetivos da aula os estudantes deverão ser capazes de... Descrever as funções gerais do sistema cardiovascular Relacionar os componentes vascular sanguíneo

Leia mais

Como funciona o sistema respiratório?

Como funciona o sistema respiratório? Como funciona o sistema respiratório? O sistema respiratório é responsável pela ventilação pulmonar. " O diafragma contrai-se e desloca-se para baixo. " Os músculos intercostais contraem-se, afastando

Leia mais

Prof. Ms. SANDRO de SOUZA

Prof. Ms. SANDRO de SOUZA Prof. Ms. SANDRO de SOUZA Sistema Cardiovascular Função: distribuição do O2 e dos nutrientes; remoção do CO2 e de outros resíduos metabólicos; transporte de hormônios; termorregulação; manutenção do equilíbrio

Leia mais

Biofísica da circulação. Hemodinâmica cardíaca. Forças e mecanismos físicos relacionados à circulação sanguínea

Biofísica da circulação. Hemodinâmica cardíaca. Forças e mecanismos físicos relacionados à circulação sanguínea Biofísica da circulação Hemodinâmica cardíaca Forças e mecanismos físicos relacionados à circulação sanguínea Sistema circulatório 1) Sistema cardiovascular coração, vasos sanguíneos, sangue, sistema de

Leia mais

O sistema circulatório. Autores: Inês Salvador e Tiago Cardoso Adaptação: Profa. Conceição Leal Fonte: Slide Share

O sistema circulatório. Autores: Inês Salvador e Tiago Cardoso Adaptação: Profa. Conceição Leal Fonte: Slide Share O sistema circulatório Autores: Inês Salvador e Tiago Cardoso Adaptação: Profa. Conceição Leal Fonte: Slide Share Evolução do sistema circulatório Reinos Monera, Protista e Fungi: ausência de um sistema

Leia mais

Sistema Circulatório. Ms. Roberpaulo Anacleto

Sistema Circulatório. Ms. Roberpaulo Anacleto Sistema Circulatório Ms. Roberpaulo Anacleto Sistema Circulatório É o sistema pelo qual são transportados nutrientes: Gases; Hormônios; Hemácias. Para as células do organismo e também a partir delas, a

Leia mais

Introdução ao Sistema Cardiovascular Propriedades da Fibra cardíaca Regulação da FC: Efeitos do Exercício. Lisete C. Michelini

Introdução ao Sistema Cardiovascular Propriedades da Fibra cardíaca Regulação da FC: Efeitos do Exercício. Lisete C. Michelini Introdução ao Sistema Cardiovascular Propriedades da Fibra cardíaca Regulação da FC: Efeitos do Exercício Lisete C. Michelini Para que serve o Sistema Cardiovascular? Organismos Unicelulares (não necessitam

Leia mais

Faculdade de Medicina da Universidade do Porto Ciclo Cardíaco. Esta aula é em parte um resumo do que o professor disse na aula mas não totalmente.

Faculdade de Medicina da Universidade do Porto Ciclo Cardíaco. Esta aula é em parte um resumo do que o professor disse na aula mas não totalmente. Faculdade de Medicina da Universidade do Porto Ciclo Cardíaco Aula teórica n.º 12 2.ºano/Fisiologia Leccionada pelo Prof. Doutor A. Leite Moreira 2004/2005 Esta aula é em parte um resumo do que o professor

Leia mais

Comparação entre dois métodos de retirada do suporte ventilatório em pacientes no pós-operatório de cirurgia cardíaca 1

Comparação entre dois métodos de retirada do suporte ventilatório em pacientes no pós-operatório de cirurgia cardíaca 1 Sistema cardiovascular Sistema condutor do sangue e seus nutrientes por todo o corpo ANATOMIA E FISIOLOGIA CARDÍACA Formação: Coração: órgão propulsor da corrente sangüínea Sistema vascular: composto por

Leia mais

REVISÃO DO SISTEMA CARDIOVASCULAR. Fisioterapia Aplicada às Disfunções Cardiovasculares/6º Período Profa. Ivana Arigoni Pinheiro

REVISÃO DO SISTEMA CARDIOVASCULAR. Fisioterapia Aplicada às Disfunções Cardiovasculares/6º Período Profa. Ivana Arigoni Pinheiro REVISÃO DO SISTEMA CARDIOVASCULAR Fisioterapia Aplicada às Disfunções Cardiovasculares/6º Período Profa. Ivana Arigoni Pinheiro Sistema fechado e unidirecional de circulação de sangue para transporte de

Leia mais

Adaptações cardiovasculares agudas e crônicas ao exercício

Adaptações cardiovasculares agudas e crônicas ao exercício UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Departamento de Fisiologia Laboratório de Farmacologia Cardiovascular - LAFAC Adaptações cardiovasculares agudas e crônicas ao exercício Prof. André Sales Barreto Desafio

Leia mais

Transportando substancias

Transportando substancias Transportando substancias Nosso corpo possui inúmeras células que sendo aglomeradas são formados tecidos que realizam funções que são indispensáveis para a sobrevivência. Para realizar o transporte as

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃOPAULO FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA

UNIVERSIDADE DE SÃOPAULO FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA UNIVERSIDADE DE SÃOPAULO FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA RFI-5776 Controle das Funções Neurovegetativas e Endócrinas PRÁTICA CIRCULAÇÃO E HEMODINÂMICA I. Pressões Cardíacas

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2ª PROVA PARCIAL DE CIÊNCIAS

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2ª PROVA PARCIAL DE CIÊNCIAS COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012 2ª PROVA PARCIAL DE CIÊNCIAS Aluno(a): Nº Ano: 8º Turma: Data: 11/08/2012 Nota: Professor(a): Karina Valor da Prova: 40 pontos Orientações gerais: 1) Número

Leia mais

21/9/2010. distribuição do O2 e dos nutrientes; remoção do CO2 e de outros resíduos metabólicos; transporte de hormônios; termorregulação;

21/9/2010. distribuição do O2 e dos nutrientes; remoção do CO2 e de outros resíduos metabólicos; transporte de hormônios; termorregulação; Email: consultoriass@gmail.com BLOG: sandrodesouza.wordpress.com Sistema Cardiovascular Função: distribuição do O2 e dos nutrientes; remoção do CO2 e de outros resíduos metabólicos; transporte de hormônios;

Leia mais

Fisiologia. Iniciando a conversa. O sistema circulatório

Fisiologia. Iniciando a conversa. O sistema circulatório Fisiologia 6 O sistema circulatório Iniciando a conversa O sistema circulatório é um sistema de distribuição e vigilância. O oxigênio e os nutrientes obtidos nos pulmões e no intestino são levados para

Leia mais

Anatomia(e(Fisiologia(para(a(Massagem(

Anatomia(e(Fisiologia(para(a(Massagem( Anatomia(e(Fisiologia(para(a(Massagem( A(PELE( A pele é o maior órgão do nosso corpo, correspondendo a 16% do peso corporal, extensãoaproximadade2m²emumadulto,e5mmdeespessuramédia. É constituída por duas

Leia mais

Sistema Circulatório

Sistema Circulatório Sistema Circulatório Luís Eugênio Vieira Oliveira Neste breve capítulo, discorreremos sobre as principais características histológicas do Sistema Circulatório, descrevendo, pois, algumas estruturas gerais

Leia mais

DISCIPLINA: SÉRIE: 2º. ALUNO(a):

DISCIPLINA: SÉRIE: 2º. ALUNO(a): GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: DISCIPLINA: SÉRIE: 2º ALUNO(a): NOTA: No Anhanguera você é + Enem 1) (UFSCar/2009) O sistema circulatório dos vertebrados mostra uma evolução ocorrida entre os grandes grupos.

Leia mais

Objetivo: Estudar os mecanismos fisiológicos responsáveis pelas trocas gasosas e pelo controle do transporte de gases Roteiro:

Objetivo: Estudar os mecanismos fisiológicos responsáveis pelas trocas gasosas e pelo controle do transporte de gases Roteiro: TROCAS GASOSAS E CONTROLE DO TRANSPORTE DE GASES Objetivo: Estudar os mecanismos fisiológicos responsáveis pelas trocas gasosas e pelo controle do transporte de gases Roteiro: 1. Trocas gasosas 1.1. Locais

Leia mais

Aula 6: Sistema respiratório

Aula 6: Sistema respiratório Aula 6: Sistema respiratório Sistema respiratório Tem início no nariz e na boca e continua através das vias aéreas até os pulmões, onde ocorre a troca dos gases. Sistema respiratório - Funções Condução

Leia mais

Fisiologia: Digestão, Respiração e Circulação

Fisiologia: Digestão, Respiração e Circulação Fisiologia: Digestão, Respiração e Circulação Fisiologia: Digestão, Respiração e Circulação 1. Um laboratório analisou algumas reações ocorridas durante o processo de digestão do amido em seres humanos.

Leia mais

Sistema Circulatório. Prof. a Dr. a Tatiana Montanari Departamento de Ciências Morfológicas ICBS UFRGS

Sistema Circulatório. Prof. a Dr. a Tatiana Montanari Departamento de Ciências Morfológicas ICBS UFRGS Sistema Circulatório Prof. a Dr. a Tatiana Montanari Departamento de Ciências Morfológicas ICBS UFRGS SISTEMA VASCULAR SANGUÍNEO SISTEMA VASCULAR LINFÁTICO SISTEMA VASCULAR SANGUÍNEO Esse sistema transporta

Leia mais

Estrutura néfron e vascularização

Estrutura néfron e vascularização 1 Estrutura néfron e vascularização 1 = Cápsula de Bowman's, 2 = glomérulo, 3 = arteríola aferente, 4 = arteríola eferente, 5 = túbulo proximal convoluto, 6 = túbulo distal convoluto, 7 = ducto coletor,

Leia mais

Faculdade Maurício de Nassau Disciplina: Anatomia Humana. Natália Guimarães Barbosa

Faculdade Maurício de Nassau Disciplina: Anatomia Humana. Natália Guimarães Barbosa Faculdade Maurício de Nassau Disciplina: Anatomia Humana Natália Guimarães Barbosa Natal - RN 2016 Levar material nutritivo e oxigênio às células; Transportar produtos residuais do metabolismo celular;

Leia mais

EXERCÍCIO DE CIÊNCIAS COM GABARITO 8º ANO 1. (PUC-SP) O esquema abaixo é referente ao coração de um mamífero

EXERCÍCIO DE CIÊNCIAS COM GABARITO 8º ANO 1. (PUC-SP) O esquema abaixo é referente ao coração de um mamífero EXERCÍCIO DE CIÊNCIAS COM GABARITO 8º ANO 1. (PUC-SP) O esquema abaixo é referente ao coração de um mamífero a) Que números indicam artérias e veias? b) Que números indicam vasos por onde circulam sangue

Leia mais

OBS: o sangue (tecido sanguíneo) é o líquido impulsionado por este sistema.

OBS: o sangue (tecido sanguíneo) é o líquido impulsionado por este sistema. Coração ( bomba ); Vasos sanguíneos ( tubos ); OBS: o sangue (tecido sanguíneo) é o líquido impulsionado por este sistema. Transporte de substâncias (O 2, CO 2, nutrientes, hormônios, metabólitos, etc.);

Leia mais

Ano: 8 Turma: 81 e 82

Ano: 8 Turma: 81 e 82 COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Final 2ª Etapa 2013 Disciplina: Ciências Professor (a): Felipe Cesar Ano: 8 Turma: 81 e 82 Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

Volume e Velocidade. Mariane Matias Joyce Moraes João Pedro T. Dentelo Gustavo D. M. Madeira

Volume e Velocidade. Mariane Matias Joyce Moraes João Pedro T. Dentelo Gustavo D. M. Madeira Volume e Velocidade Mariane Matias Joyce Moraes João Pedro T. Dentelo Gustavo D. M. Madeira Apresentação da técnica Conceitos biológicos envolvidos Conceitos e métodos físicos envolvidos Construção do

Leia mais

5 Observe a figura abaixo e responda.

5 Observe a figura abaixo e responda. 5 Nome: Data: UniDaDE 7 1 As artérias e veias apresentam morfologias e funções distintas. As artérias transportam o sangue do coração para os tecidos. Já as veias transportam o sangue dos tecidos até o

Leia mais

Filtração Glomerular

Filtração Glomerular Filtração Glomerular Profa. Jennifer Lowe O que é a filtração glomerular? Passagem de líquido plasmático, através de uma membrana filtrante, para o espaço de Bowman. 1 O que é a filtração glomerular? Primeira

Leia mais

Urgência e Emergência

Urgência e Emergência Urgência e Emergência CHOQUE Choque Um estado de extrema gravidade que coloca em risco a vida do paciente. Dica: Em TODOS os tipos de choques ocorre a queda da pressão arterial e, consequentemente, um

Leia mais

Sistema Respiratório. Superior. Língua. Inferior

Sistema Respiratório. Superior. Língua. Inferior Sistema Respiratório Língua Superior Inferior Funções 1. Troca de gases entre a atmosfera e o sangue. 2. Regulação homeostática do ph corporal 3. Proteção contra substâncias irritantes e patógenos 4. Vocalização

Leia mais

Registro dos eventos elétricos. Base do ECG. O eletrocardiograma (ECG) é o registro dos sinais elétricos emitidos durante a atividade cardíaca.

Registro dos eventos elétricos. Base do ECG. O eletrocardiograma (ECG) é o registro dos sinais elétricos emitidos durante a atividade cardíaca. ECG Registro dos eventos elétricos Base do ECG O eletrocardiograma (ECG) é o registro dos sinais elétricos emitidos durante a atividade cardíaca. Reflete a atividade do coração e fornece informações sobre

Leia mais

BIOFÍSICA DO SISTEMA CARDIOVASCULAR

BIOFÍSICA DO SISTEMA CARDIOVASCULAR UNIÃO EDUCACIONAL DO PLANALTO CENTRAL FACULDADES INTEGRADAS DA UNIÃO EDUCACIONAL DO PLANALTO CENTRAL Curso de Medicina Veterinária Disciplina de Biofísica BIOFÍSICA DO SISTEMA CARDIOVASCULAR Prof. MSc.

Leia mais

Filtração Glomerular. Prof. Ricardo Luzardo

Filtração Glomerular. Prof. Ricardo Luzardo Filtração Glomerular Prof. Ricardo Luzardo O que é a filtração glomerular? Passagem de líquido plasmático, através de uma membrana filtrante, para o espaço de Bowman. O que é a filtração glomerular? Primeira

Leia mais

Sistema Circulatório. Prof. Dr.Thiago Cabral

Sistema Circulatório. Prof. Dr.Thiago Cabral Circulação Pulmonar e Sistêmica Passagem do sangue através do coração e dos vasos. Ocorre através de duas correntes sanguíneas que partem ao mesmo tempo do coração: 1 Sai do ventrículo direito através

Leia mais

Prof: Clayton de Souza da Silva

Prof: Clayton de Souza da Silva Prof: Clayton de Souza da Silva Sangue O sangue é a massa líquida contida num compartimento fechado, o aparelho circulatório, que a mantém em movimento regular e unidirecional, devido essencialmente às

Leia mais

ACERVO DIGITAL FASE II. Histologia do Sistema Circulatório

ACERVO DIGITAL FASE II. Histologia do Sistema Circulatório ACERVO DIGITAL FASE II Histologia do Sistema Circulatório I Material: Aorta Técnica: Weigert Observação com aumento total de 40x: Nesse aumento e nesse campo microscópico é possível observar-se a luz da

Leia mais

Bio. Semana 17. Rubens Oda (Hélio Fresta)

Bio. Semana 17. Rubens Oda (Hélio Fresta) Semana 17 Rubens Oda (Hélio Fresta) Este conteúdo pertence ao Descomplica. Está vedada a cópia ou a reprodução não autorizada previamente e por escrito. Todos os direitos reservados. Circulação humana

Leia mais

AULA-9 PRESSÃO ARTERIAL SISTÊMICA. Profª Tatiani

AULA-9 PRESSÃO ARTERIAL SISTÊMICA. Profª Tatiani AULA-9 PRESSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Profª Tatiani Na circulação sistêmica, as artérias tem o papel de distribuir o sangue com oxigênio e demais nutrientes( glicose, aminoácidos, ácido graxo, vitaminas, sais

Leia mais

Circulação e Excreção

Circulação e Excreção Princípios gerais de fisiologia cardiovascular e hemodinâmica1 Hamilton Haddad Junior, Maria Aparecida Visconti Circulação e Excreção 1.1 Introdução 1.2 Anatomia do sistema cardiovascular humano 1.3 Hemodinâmica

Leia mais

Fisiologia do Trato Respiratório

Fisiologia do Trato Respiratório Universidade Federal de Ouro Preto Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Departamento de Ciências Biológicas DECBI Fisiologia II (CBI-198) Fisiologia do Trato Respiratório Profª: Franciny Paiva

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA DE BIOFÍSICA PARA O CONCURSO PÚBLICO DE TÍTULOS E PROVAS PARA PROFESSOR ASSISTENTE DA DISCIPLINA DE BIOFÍSICA

PROGRAMA DA DISCIPLINA DE BIOFÍSICA PARA O CONCURSO PÚBLICO DE TÍTULOS E PROVAS PARA PROFESSOR ASSISTENTE DA DISCIPLINA DE BIOFÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO (UNIRIO) CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE INSTITUTO BIOMÉDICO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FISIOLÓGICAS PROGRAMA DA DISCIPLINA DE BIOFÍSICA PARA O CONCURSO

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2ª PROVA PARCIAL DE CIÊNCIAS Aluno(a): Nº Ano: 8º Turma: Data: 11/06/2011 Nota: Professora: Karina Valor da Prova: 40 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

LEIS GERAIS DA CIRCULAÇÃO E PROPRIEDADES DO CORAÇÃO

LEIS GERAIS DA CIRCULAÇÃO E PROPRIEDADES DO CORAÇÃO LEIS GERAIS DA CIRCULAÇÃO E PROPRIEDADES DO CORAÇÃO Mário Gomes Marques Instituto de Fisiologia da F.M.L. Director: Prof. Luis Silva-Carvalho CIRCULAÇÃO - Funções Transporte de oxigénio, nutrientes, hormonas

Leia mais

Capítulo 3 página 254 a ª série Professora Priscila Binatto

Capítulo 3 página 254 a ª série Professora Priscila Binatto Capítulo 3 página 254 a 270 2ª série Professora Priscila Binatto Elementos Figurados Glóbulos Vermelhos Hemácias ou eritrócitos formato bicôncavo Presente em todos vertebrados mamíferos anucleadas Gerada

Leia mais

PRESSÃO ARTERIAL Fisiologia

PRESSÃO ARTERIAL Fisiologia PRESSÃO ARTERIAL Fisiologia PRESSÃO ARTERIAL Pressão arterial máxima ou sistólica (Ps) - pressão que corresponde a um volume máximo atingido no fim da fase de ejecção rápida. Pressão arterial mínima ou

Leia mais

Sistema Respiratório. Profª Talita Silva Pereira

Sistema Respiratório. Profª Talita Silva Pereira Sistema Respiratório Profª Talita Silva Pereira A respiração é fundamental para vida humana sendo responsável pela troca dos gases oxigênio(o2) e dióxido de carbono(co2) do organismo, com o meio ambiente.

Leia mais

Níveis de Organização do Corpo Humano

Níveis de Organização do Corpo Humano Níveis de Organização do Corpo Humano Ao estudar o corpo humano, podemos analisá-lo por meio de diferentes níveis de organização. Podemos estudá-lo analisando os sistemas do corpo ou então seus tecidos

Leia mais

Hemodinâmica. Cardiovascular. Fisiologia. Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg

Hemodinâmica. Cardiovascular. Fisiologia. Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg Fisiologia Cardiovascular Hemodinâmica Introdução O sistema circulatório apresenta várias funções integrativas e de coordenação: Função

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO PROF. JAIR

SISTEMA RESPIRATÓRIO PROF. JAIR SISTEMA RESPIRATÓRIO PROF. JAIR Fisiologia do Sistema Respiratório A respiração pode ser interpretada como um processo de trocas gasosas entre o organismo e o meio, ou como um conjunto de reações químicas

Leia mais

Ano: 8 Turma: 81 e 82

Ano: 8 Turma: 81 e 82 COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Final 2ª Etapa 2013 Disciplina: Ciências Professor (a): Felipe Cesar Ano: 8 Turma: 81 e 82 Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

Fisiologia Comparativa da. Circulação de Invertebrados

Fisiologia Comparativa da. Circulação de Invertebrados Fisiologia Comparativa da Circulação de Invertebrados Circulação em Invertebrados Muitos invertebrados têm CIRCULAÇÃO ABERTA = o sangue é bombeado pelo esvaziamento do coração até um espaço (ou seio) a

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR. Fisiologia Humana I

SISTEMA CARDIOVASCULAR. Fisiologia Humana I SISTEMA CARDIOVASCULAR Fisiologia Humana I Fornecer e manter suficiente, contínuo e variável o fluxo sanguíneo aos diversos tecidos do organismo, segundo suas necessidades metabólicas para desempenho das

Leia mais

QUESTÕES SISTEMA CARDIOVASCULAR

QUESTÕES SISTEMA CARDIOVASCULAR SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR SARGENTO NADER ALVES DOS SANTOS SÉRIE/ANO: 2ª TURMA(S):

Leia mais

Página 1 de 5 SYLLABUS Organização Morfo-Funcional do Aparelho Cardiovascular. Panorâmica Integrada da Função Cardiovascular. Propriedades Elementares do Coração. Eletrofisiologia cardíaca. Luiz F. Junqueira

Leia mais