Projeto Mulheres Mil ACCC/ SETEC-MEC 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projeto Mulheres Mil ACCC/ SETEC-MEC 1"

Transcrição

1 ACCC/ SETEC-MEC 1

2 Sumário 1.RESUMO EXECUTIVO Objetivo, Propósito e Resultados Parceiros Duração do Projeto Solicitação de financiamento à CIDA HISTÓRICO Contexto Brasileiro Caracterização da população brasileira: Contexto Educacional: Participação na Economia: Como o projeto responde aos desafios das mulheres desfavorecidas Como o projeto responde aos programas do governo ou financiadores Como os parceiros vieram à trabalhar juntos EQÜIDADE Como o projeto contribui para a eqüidade no Brasil Como o Projeto Incorpora Princípios de Eqüidade COMPARTILHAMENTO DO CONHECIMENTO Conhecimento a ser Compartilhado Metodologia, Modelos e Expertise Organizacional Canadense Metodologia de Compartilhamento do Conhecimento Relevância para o contexto desenvolvimentista brasileiro DESENVOLVIMENTO DA COMPETÊNCIA Contexto Institucional: Educação Profissional e Tecnológica no Brasil Prioridades e Ações Redes Existentes: Rede Federal Programas Desenvolvidos pela SETEC/MEC Referentes à Educação Profissional e Tecnológica: Desenvolvimento da Competência de 1000 Mulheres Aumento da Competência dos CEFETs Mudanças Previstas Metodologia e Estratégia para Aprendizagem Coletiva Índices de Desenvolvimento da Competência DESCRIÇÃO DO PROJETO...25 ACCC/ SETEC-MEC 2

3 6.1 Objetivo ROPÓSITO TIVIDADES rincipais Atividades lano de Trabalho Diagrama do Projeto RECURSOS RESULTADOS ESPERADOS Resultados/Impactos à longo prazo Resultados à médio prazo Resultados à curto prazo DADOS DE BASE RISCOS E PRESSUPOSTOS SUSTENTABILIDADE BENEFÍCIOS PARA O CANADÁ IGUALDADE DE GÊNERO Necessidades das Mulheres Desfavorecidas no Nordeste e Norte do Brasil Redução da Desigualdade de Gênero Competência do Parceiro em Apoiar a Igualdade de Gênero Participação das Mulheres nas Tomadas de Decisão do Projeto Restrições IGUALDADE ÉTNICA Práticas Atuais dos Parceiros Referentes à Eqüidade Atividades do Projeto que causam impacto na Igualdade Étnica Dados de Base a serem Estabelecidos Prioridades Estratégicas para Igualdade Étnica GESTÃO AMBIENTAL Impactos Ambientais do Projeto Proposto ESTRUTURA GERENCIAL Comitê Brasileiro de Planejamento e Coordenação Comitê Canadense de Planejamento e Coordenação Comitê Diretor Integrado Comitê Executivo Brasileiro Comitê Executivo Canadense Comitê Executivo Integrado Brasileiro e Canadense Comitê Consultivo Brasileiro Comitê Consultivo Canadense Equipes dos Projetos dos CEFETs...49 ACCC/ SETEC-MEC 3

4 10.10 Equipes dos Projetos Técnicos das Faculdades Canadenses PARCEIROS Origens da Proposta Parceiros Canadenses Parceiros Brasileiros ORÇAMENTO Resumo e Explicação do Orçamento Orçamentos ano a ano MATRIZ LÓGICA...60 Índice de Tabelas Tabela 1 População residente por sexo Brasil 1996 e Tabela 2 População Residente Brasileira por sexo, segundo região geográfica - Brasil Tabela 3 População Residente, segundo sexo e grupos de idade Brasil Tabela 4 Número de Matrículas, por Grandes Regiões, segundo o sexo e nível/ modalidade de ensino Brasil Tabela 5 Taxa de Analfabetismo por sexo Brasil 1996 e Tabela 6 Taxa de Analfabetismo por sexo, segundo a região geográfica Brasil Tabela 7 Rendimento Mensal da população sem instrução e com menos de 1 ano de estudo por sexo Brasil 1996 e Tabela 8 Pessoas de referência em famílias residentes em domicílios particulares por sexo Brasil 1996 e Tabela 9 Pessoas de Sexo Feminino que são referência em famílias por regiões Brasil 1996 e Índice de Apêndice ACCC/ SETEC-MEC 4

5 1. RESUMO EXECUTIVO 1.1 Objetivo, Propósito e Resultados O objetivo principal do é promover a inclusão social e econômica de mulheres desfavorecidas no nordeste e norte de Brasil, permitindo-lhes melhorar o seu potencial de mão-de-obra, suas vidas e as vidas de suas famílias e comunidades. O propósito do projeto é contribuir com o desenvolvimento da competência da rede CEFET no nordeste e norte de Brasil visando desenvolver as ferramentas, técnicas e currículo para oferecer, em um período de quatro anos, à um mínimo de 1000 mulheres desfavorecidas os serviços de acesso, capacitação e relações com empregadores que lhes permitam entrar ou progredir no mercado de trabalho. Para realizar este propósito, várias atividades serão conduzidas através de uma parceria cooperativa entre o sistema de faculdades e institutos canadenses, representadas pela Associação das Faculdades Comunitárias Canadenses (ACCC) e pela contraparte brasileira a Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica do Ministério da Educação (SETEC/MEC). As atividades incluem: o desenvolvimento dos sistemas, infra-estruturas, políticas e procedimentos a fim de ofertar serviços de acesso (processos de busca e ingresso, aconselhamento, avaliações) para a população alvo de mulheres desfavorecidas; a personalização e implementação das ferramentas e técnicas ARAP (avaliação e reconhecimento de aprendizagem prévia); o desenvolvimento ou personalização de ferramentas de avaliação vocacionais/profissionais apropriadas para identificar conhecimento, habilidades e hiatos de habilidades para o grupo alvo; o desenvolvimento e oferta de um programa de acesso genérico e de uma variedade de programas de capacitação personalizados para o setor específico; e o desenvolvimento dos sistemas e ferramentas para os CEFETs se relacionarem com a comunidade de empregadores e proporcionar às mulheres desfavorecidas estágios e colocação no mercado de trabalho. Estas atividades desenvolverão um sistema que será sustentável com o passar do tempo. O desenvolverá uma estrutura, modelos, práticas, ferramentas e técnicas que desenvolverão um sistema de acesso e capacitação sustentável e efetivo para adultos. Os CEFETs se comprometem com a implementação e continuidade deste sistema para populações marginalizadas, embora o sistema e as ferramentas também beneficiem outros. A experiência canadense durante os últimos 20 anos nas faculdades e institutos tem mostrado que um sistema efetivo de acesso e capacitação para grupos marginalizados ou não-tradicionais beneficia uma comunidade mais ampla. O projeto proposto atenderá os objetivos do Knowledge Exchange for Equity Promotion (KEEP) / Intercâmbio de Conhecimento para Promoção da Eqüidade e promoverá resultados positivos a todos os três níveis de concentração do programa (setorial, regional e institucional). O programa proposto enfoca claramente a eqüidade de gênero para o acesso à educação e mãode-obra e o resultado maior de tal acesso em melhorias para vida familiar e o desenvolvimento econômico regional e nacional e maior participação de mulheres desfavorecidas no processo político. O alcançará uma concentração setorial através da melhoria do acesso de mulheres ao mundo de trabalho, com um crescimento resultando na saúde da vida familiar e potencialmente na habilidade de mulheres marginalizadas em contribuir com a governança de suas comunidades conforme as mulheres se tornam mais economicamente emancipadas. O projeto tem uma concentração regional em seu foco no nordeste e norte do ACCC/ SETEC-MEC 1

6 Brasil. O nordeste é muito reconhecido por uma distribuição de renda altamente desigual, alto desemprego ou índice de emprego informal e os mais baixos níveis de participação feminina na força de trabalho. O norte tem uma alta concentração de comunidades indígenas e de famílias lideradas por mulheres. O projeto atenderá o objetivo global da inclusão social e econômica de mulheres desfavorecidas através do desenvolvimento de competência no nível institucional da rede CEFET. Os CEFETs, semelhantes às faculdades canadenses, são instituições apropriadas e sustentáveis para desenvolver e implementar programas de suporte e capacitação para preparar e auxiliar as mulheres desfavorecidas à fazer parte da mão-de-obra formal. Ao longo do programa proposto, as equipes canadenses e brasileiras co-desenvolverão os sistemas apropriados para os CEFETs, desenvolvendo ou personalizando modelos canadenses apropriados e as melhores práticas em serviços de acesso, avaliação e reconhecimento de aprendizagem prévia e programas personalizados de capacitação à curto prazo. O trabalho cooperativo resultará no compartilhamento de conhecimento e habilidades e finalmente aprimorará a relação entre o Canadá e o Brasil. As atividades cooperativas deste projeto também contribuirão com o desenvolvimento da competência nas faculdades canadenses parceiras. Além dos benefícios do trabalho internacional e desenvolvimento da parceria, o projeto testará uma variedade de modelos educacionais no Brasil (ARAP, por exemplo) com um desafiante grupo alvo de mulheres desfavorecidas, uma área onde está faltando pesquisa. As faculdades canadenses poderão usar as lições aprendidas para melhorar os seus próprios sistemas e práticas em atender este grupo alvo. Na conclusão do projeto, espera-se que mais de 1000 mulheres desfavorecidas alcancem um objetivo de emprego; de 10 a 15 CEFETs no nordeste e norte do Brasil terão sistemas sustentáveis para ofertar serviços de acesso, capacitação genérica e personalizada (por exemplo, hospitalidade, processamento de alimentos) às mulheres desfavorecidas; e a relação fortalecida entre as faculdades canadenses e as instituições brasileiras aumentará as relações globais entre os dois países. 1.2 Parceiros A tabela a seguir lista os principais parceiros no programa proposto, com a coordenação geral a nível nacional em ambos os países. Nível Brasil Canadá Nacional Secretaria de Educação Profissional e Association of Canadian Community Tecnológica do Ministério da Educação Colleges/ Associação das (SETEC/MEC) Faculdades Comunitárias Canadenses (ACCC) Regional Rede Norte e Nordeste de educação ACCC Tecnológica (REDENET) Institucional Centros Federais de Educação Niagara College (faculdade parceira Tecnológica (CEFETs) no Nordeste e líder) Norte: Alagoas Bahia Maranhão Paraíba Piauí Roraima Tocantins Amazonas Ceará Pará Pernambuco Rio Grande do Norte Sergipe Canadian Colleges (selecionados com base na expertise individual) ACCC/ SETEC-MEC 2

7 Além do mais, as seguintes instituições foram contatadas, apóiam os objetivos e demonstraram interesse em auxiliar caso o projeto venha a ser aprovado; Ministério do Trabalho e Emprego (MTE); Secretaria Especial de Política para as Mulheres (SPM-PR); Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE); Assessoria Especial da Presidência da República (AE-PR); Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR-PR) Ministério do Desenvolvimento e Reforma Agrária MDRA/Incra (Programa Promare); Ministério do Desenvolvimento Social e Combate a Fome (MDS); Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT). 1.3 Duração do Projeto O projeto está planejado para um período de quatro anos, o qual desenvolverá os sistemas e práticas para os serviços e capacitação de mulheres desfavorecidas nos CEFETs participantes. Os CEFETs assumirão um crescente controle e responsabilidade pelos resultados durante os quatro anos do projeto. Um plano de sustentabilidade será preparado durante o ano final. O período planejado do projeto é de setembro de 2006 à agosto de 2010 ou por um período de quatro anos após a aprovação do projeto. 1.4 Solicitação de financiamento à CIDA O suporte de investimento global solicitado à CIDA é de $2,145,707. As contribuições dos parceiros incluem: Brasil: $4,057,390 Canadá: $450,632 ACCC/ SETEC-MEC 3

8 2. HISTÓRICO 2.1 Contexto Brasileiro O propõe desenvolver competência na rede CEFET, a qual responde aos desafios bem-documentados no Brasil para os quais uma resposta em educação e capacitação seja apropriada. As tabelas e descrições a seguir, apresentam estatísticas fornecidas pela SETEC/MEC sobre o perfil das mulheres na sociedade brasileira, suas realizações educacionais e participação na economia Caracterização da população brasileira: Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE) a população brasileira cresce 12,7% no período de 1996 a 2003, ou seja, uma média de 1,5% anual. Do total da população brasileira, cerca de 174 milhões, as mulheres correspondem a um total de 89 milhões (51,2%), conforme pode ser observado na Tabela 01. Tabela 1 População residente por sexo Brasil 1996 e 2003 Ano Total Mulheres % Homens % , , , ,8 Fonte: IBGE. MEC/Inep, Trajetória da Mulher na Educação Brasileira A proporcionalidade entre os sexos permanece estável nas regiões brasileiras (Tabela 2), mas em termos numéricos por grupos de idade observa-se a superioridade crescente do sexo feminino a partir de 19 anos, chegando a cerca de 60% a faixa de mulheres acima de anos (Tabela 3). Tabela 2 População Residente Brasileira por sexo, segundo região geográfica - Brasil 2003 Região Total Mulheres % Homens % Brasil , ,8 Norte , ,5 Nordeste , ,0 Sudeste , ,5 Sul , ,9 Centro-Oeste , ,4 Fonte: IBGE MEC/Inep, Trajetória da Mulher na Educação Brasileira Tabela 3 População Residente, segundo sexo e grupos de idade Brasil 2003 Grupos de Idade Brasil População Residente, por Sexo Mulheres % Homens % Total , ,8 0 a 4 anos , ,0 5 a 9 anos , ,9 10 a 14 anos , ,0 15 a 19 anos , ,8 20 a 24 anos , ,9 25 a 39 anos , ,3 40 a 59 anos , ,2 60 anos ou mais , ,1 Fonte: MEC/Inep, Trajetória da Mulher na Educação Brasileira Tabelas construídas pela Setec/Mec ACCC/ SETEC-MEC 4

9 Contexto Educacional: Quando se analisa o nível de escolaridade em que as mulheres brasileiras estão inseridas, constata-se que já houve grande incremento na participação do ensino médio e na educação superior, principalmente das regiões Nordeste e Norte (Tabela 4). Pode-se afirmar que cultura dos tempos coloniais está sendo rompida, isto é, de educação da mulher é no lar e para o lar? Certamente que não. Há muitos fatores que contribuíram para esse cenário favorável em 2003, com a implantação de políticas e programas públicos visando a universalização do acesso à educação (ex. Fundef). Além disso, as dificuldades de acesso ao trabalho, em função da falta de formação, permite inferir serem estas uma das causas principais para se buscar níveis mais elevados qualificação. Segundo análise apresentadas no documento Trajetória da Mulher, o número médio de anos de estudo da população de 15 anos ou mais de idade é de 6,7, com as mulheres acima e os homens abaixo da média. No grupo acima dos 50, os homens assumem a liderança: 4,6 para homens e 4,4 para as mulheres. Se trata de uma questão de nova geração, pois enquanto as mulheres mais novas apresentam maior número de anos de estudo do que os homens, já as mais velhas permanece menos tempo na escola do que os homens (pág. 53) Tabela 4 Número de Matrículas, por Grandes Regiões, segundo o sexo e nível/ modalidade de ensino Brasil 2003 Sexo e Nível/modalid Matrícula Inicial-Total Grandes Regiões ade de ensino Brasil Norte Nordeste Sudeste Sul Centro- Oeste Total Educação Infantil Ensino Fundamental 1ª a 4ª série a a 8 a série Ensino médio Ensino Superior Graduação Mulheres Educação Infantil Ensino Fundamental 1ª a 4ª série a a 8 a série Ensino médio Ensino Superior Graduação Fonte: MEC/Inep A despeito superioridade numérica da participação feminina na escola e a redução das taxas de analfabetismo no Brasil (de 14,7% em 1996 para 11,6% em 2003), as mulheres ainda representam os índices mais elevados (Tabela 5). ACCC/ SETEC-MEC 5

10 Ao se observar os índices de analfabetismo entre as regiões geográficas, o nordeste e o norte apresentam níveis elevadíssimos, ou seja, 25,1% e 10,8%, respectivamente (Tabela 6). Tabela 5 Taxa de Analfabetismo por sexo Brasil 1996 e 2003 Ano Total Mulheres Homens ,7 14,8 14, ,6 11,4 11,7 Variação (%) -21, ,3 Fonte: IBGE Tabela 6 Taxa de Analfabetismo por sexo, segundo a região geográfica Brasil Participação na Economia: Região Mulheres (%) Homens (%) Brasil 11,4 11,7 Norte 10,3 10,8 Nordeste 21,3 25,1 Sudeste 7,6 5,9 Sul 6,9 5,8 Centro-Oeste 9,2 9,7 Fonte: IBGE Com relação ao rendimento, dados do IBGE apontam que a renda das mulheres com 11 anos de estudo ou mais, em 2003, é de R$ 695. Os homens contam com uma renda de R$ 1.362,00. Pode-se inferir que, mesmo com a elevação da escolaridade das mulheres há distorções e barreiras culturais na sociedade brasileira impedindo uma igualdade de rendimentos. Esse desequilíbrio nos salários entre homens e mulheres se apresenta de forma mais acentuada quando não há escolaridade, situação em que são oferecidos rendimentos abaixo do teto do salário mínimo. Os homens mantêm a superioridade salarial, mas a diferença está diminuindo (Tabela 7). Tabela 7 Rendimento Mensal da população sem instrução e com menos de 1 ano de estudo por sexo Brasil 1996 e 2003 Ano Mulheres Homens ,00 266, ,00 265,00 Variação (%) 34,1 % -0,4 % Fonte: MEC/Inep Chefe de domicilio terminologia utilizada e outros Censo - hoje é chamado de pessoa de referência, que significa a pessoa responsável pela família ou assim considerada pelos seus membros. Constatou-se que entre os anos de 1996 e 2003 há um crescimento 45,7% de mulheres no comando das famílias, chegando a representar 28,8% do total de domicílios (Tabela 8). Esse fato é observado desde as ultimas décadas e a incidência tem recaído às famílias pobres urbanas e a Tabela 8 nos permite constatar que a região Norte apresentou a maior taxa de crescimento (84,1%). ACCC/ SETEC-MEC 6

11 Tabela 8 Pessoas de referência em famílias residentes em domicílios particulares por sexo Brasil 1996 e 2003 Ano Total Mulheres Homens (24,4%) (75,6%) (28,8%) (71,2%) Variação (%) 23,5 45,7 16,3 Fonte: IBGE Tabela 9 Pessoas de Sexo Feminino que são referência em famílias por regiões Brasil 1996 e 2003 Região Variação (%) Brasil ,7 Norte ,1 Nordeste ,0 Sudeste ,3 Sul ,7 Centro-Oeste ,1 Fonte: IBGE 2.2 Como o projeto responde aos desafios das mulheres desfavorecidas Em um país que é a principal fonte de influência econômica da América do Sul e amplamente elogiado como uma força economicamente emergente, como apresentado nos dados acima, milhões de mulheres brasileiras são privadas dos benefícios de tal crescimento econômico e prosperidade. A maioria destas mulheres vive nas regiões nordeste e norte do país. Pobreza, saúde, e as condições nas quais estas pessoas vivem e trabalham estão fundamentalmente relacionadas com a distribuição injusta de renda. A distribuição injusta de renda está fundamentalmente relacionada com educação e oportunidades de capacitação injustas. As mulheres são particularmente afetadas através das desigualdades na sociedade e só ganham aproximadamente em média 63% dos salários dos homens. Muitas mulheres trabalham na economia informal (se trabalham) e falta-lhes proteção, capacitação e oportunidades de avanço disponíveis para os trabalhadores na economia formal. A CIDA, seguindo as prioridades declaradas do governo do Brasil, respondeu aos desafios de tal divisão desigual de riqueza em sua Estratégia de Cooperação para , com um foco significativo na igualdade de gênero. A emancipação social e econômica das mulheres (de qualquer origem étnica, idade, ou outro dado demográfico) conduz a melhorias na vida e saúde da família, o que conduz a mais vida e saúde da comunidade incluindo um maior respeito pelo meio-ambiente. A emancipação educacional das mulheres (quer através de programas de capacitação educacionais regulares ou personalizados) conduz a uma maior inclusão das mulheres nos domínios sociais e políticos. Uma mulher que receba apoio de um CEFET visando identificar suas habilidades e interesses e desenvolver habilidades de empreendedorismo que lhe permita associar-se à uma cooperativa para vender artesanato, poderá vir a gerenciar algumas das atividades da cooperativa. Ela poderá associar-se à um grupo de mulheres com a mesma intenção e habilidades e criar um outro negócio. Ela poderá envolver-se com organizações empresariais em sua comunidade e desenvolver interesses e consciência política. ACCC/ SETEC-MEC 7

12 As oportunidades educacionais são fundamentais no mundo da emancipação e inclusão social, econômica e política. Mulheres com questões de analfabetismo, educação deficiente, histórias de emprego de baixo nível ou informais e a constante realidade da pobreza provavelmente não encontrarão na educação uma rota fácil para um futuro melhor para elas ou suas famílias. Estas mulheres precisam de apoio considerável do sistema educacional, apoio que um CEFET pode proporcionar e que o sistema de faculdades e institutos canadenses está bem posicionado para co-desenvolver com os parceiros brasileiros. As faculdades e institutos canadenses são os principais instrumentos do governo canadense para o desenvolvimento econômico baseado no setor através da educação. As faculdades canadenses têm 40 anos de história proporcionando educação e serviços de acesso ao emprego para as pessoas nãotradicionais e sob risco, e desenvolvendo e ofertando programas de capacitação de curto prazo para o setor específico. Elas têm 20 anos de história desenvolvendo e ofertando processos de avaliação e reconhecimento de aprendizagem prévia. As mesmas têm uma longa história de defesa dos direitos da mulher para inclusão social e econômica, desenvolvendo muitas ferramentas e técnicas e implementando as melhores práticas que podem proporcionar modelos para os CEFETs personalizarem. Uma realização importante foi o desenvolvimento de programação específica de acesso que atualiza habilidades genéricas e desenvolve aptidão para futura capacitação. Mais de 1000 mulheres serão atendidas ao longo dos quatro anos deste projeto. Os CEFETs testarão, avaliarão e desenvolverão operações permanentes para busca, ingresso, avaliação, análise de hiato de habilidades e dos serviços ARAP e desenvolverão, testarão e implementarão de forma contínua uma variedade de programas de capacitação voltados para estágios de trabalho e outras oportunidades de emprego. Modelos e currículos individuais serão compartilhados com outros CEFETs e as faculdade canadenses parceiras. 2.3 Como o projeto responde aos programas do governo ou financiadores O governo brasileiro reconheceu as questões de interesse das mulheres desfavorecidas e fez significativos esforços a fim de melhorar a educação pós-secundária e elementar. O Plano Plurianual de estabelece os objetivos nacionais para apoiar o crescimento econômico através da inclusão social e econômica de populações marginalizadas, especificamente no nordeste e norte e na circunvizinhança das grandes cidades. O governo vê claramente a eqüidade e a promoção da cidadania como o alicerce de uma democracia brasileira mais forte. O projeto também está inserido nas prioridades das políticas públicas do Governo Brasileiro, articulando as temáticas de promoção de gênero, equidade e diversidade étnica. Para reafirmar o compromisso brasileiro com a igualdade de gênero, foi criada a Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres (SPM) através da Medida Provisória no primeiro dia do Governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva -,que tem por atribuição estabelecer políticas públicas que contribuem para a melhoria da vida de todas as brasileiras. A SPM desenvolve ações conjuntas com todos os Ministérios e Secretarias Especiais, tendo como desafio a incorporação das especificidades das mulheres nas políticas públicas e o estabelecimento das condições necessárias para a sua plena cidadania. Compete a SPM, ainda, o acompanhamento da implementação de legislação de ação afirmativa e definição de ações públicas que visem ao cumprimento dos acordos, convenções e planos de ação assinados pelo Brasil, nos aspectos relativos à igualdade entre mulheres e homens e de ACCC/ SETEC-MEC 8

13 combate à discriminação, tendo como estrutura básica o Conselho Nacional dos Direitos da Mulher. Dentre as ações empreendidas pela SPM destaca-se o Programa Pró-Eqüidade de Gênero, que consiste em desenvolver novas concepções na gestão de pessoas e cultura organizacional para alcançar a eqüidade de gênero no mundo do trabalho. O Selo Pró-Eqüidade que tem por finalidade à promoção da cidadania e à difusão de práticas exemplares entre as empresas. Segundo a SPM, é também um instrumento de progresso que evidenciará o compromisso da empresa com a eqüidade de gênero. Destaca-se, ainda, a parceira da SPM com o Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT) com o objetivo de promoverem incentivos voltados para a produção de pesquisas e estudos sobre a desigualdade entre homens e mulheres, no Brasil. O objetivo é estimular a produção científica acerca das relações de gênero no país, além de promover e incentivar a participação das mulheres no campo das ciências e carreiras acadêmicas, nas quais há forte hegemonia masculina O Governo Federal criou, ainda, em 21 de março de 2003, a Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR), como reconhecimento das lutas históricas do Movimento Negro Brasileiro, e tem como missão estabelecer iniciativas contra as desigualdades raciais no País. A SEPPIR elaborou a Política Nacional de Promoção da Igualdade Racial, com a participação da sociedade civil, articulada com diferentes Ministérios e órgãos dos Governos Federal, Estaduais e Municipais, com apoio de organismos internacionais e será implementada entre 2004 e Dentre as principais linhas de ação destaca-se a implementação de um modelo de gestão da política de promoção da igualdade racial, compreendendo um conjunto de ações relativas à qualificação de servidores e gestores públicos, representantes de órgãos estaduais e municipais e de lideranças da sociedade civil. Compreende também a criação de uma rede de promoção da igualdade racial envolvendo diferentes entes federativos e organizações de defesa de direitos. As Ações Afirmativas, ou seja, o conjunto de ações que, em articulação com outros órgãos governamentais, tem por finalidade formular projetos específicos de empoderamento de grupos discriminados, com especial atenção para as mulheres e a juventude negras, garantindo o acesso e a permanência desses públicos nas mais diversas áreas (educação, saúde, mercado de trabalho, geração de renda, direitos humanos e outros). No que diz respeito ao Desenvolvimento e inclusão social, a SEPPIR prevê o desenvolvimento de ações que produzam impacto na qualidade de vida da população negra que sobrevive abaixo ou na linha da pobreza, tais como: projetos de saúde da população negra; capacitação de professores para atuarem na promoção da igualdade racial; introdução da cota racial nos programas de governo; dar ênfase à população negra nos programas de desenvolvimento regional; dar ênfase à população negra nos programas de urbanização e moradia; incentivo à capacitação e créditos especiais para apoio ao empreendedor. ACCC/ SETEC-MEC 9

14 Com relação aos aspectos educacionais, o Ministério da Educação criou a Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade (Secad), em julho de 2004, coordenando temas transversais de educação do campo, educação ambiental, alfabetização de jovens e adultos, educação escolar indígena, diversidade étnico-racial, dentre outros. A criação da Secad marca uma nova fase no enfrentamento das injustiças existentes nos sistemas de educação do País, valorizando a diversidade da população brasileira, trabalhando para garantir a formulação de políticas públicas e sociais como instrumento de cidadania. Trata-se de um trabalho totalmente articulado com as demais Secretarias do Ministério, notadamente a Educação Básica e a Educação Profissional e Tecnológica, com vistas à objetivo contribuir para a redução das desigualdades educacionais, em especial de jovens e adultos.. Organizações não-governamentais (ONGs) são ativas no trabalho de inclusão social para os desfavorecidos, particularmente as mulheres, mundo afora. Seu enfoque é freqüentemente sobre questões com respostas críticas, soluções de curto prazo para problemas imediatos e períodos mais longos de defesa política. As ONGs não podem ofertar soluções de acesso e capacitação educacional a longo prazo as quais proporcionam grandes melhorias nas vidas das mulheres. Soluções educacionais, quer sejam atividades de desenvolvimento da confiança ou estabelecimento de metas, iniciativas de aprimoramento educacional ou cursos especializados de capacitação são competência do sistema de ensino formal e dos CEFETs em particular. Os CEFETs, com o apoio das faculdades canadenses parceiras, são os instrumentos de mudança educacional e social para estas mulheres. 2.4 Como os parceiros vieram à trabalhar juntos Os parceiros nesta proposta, a Associação das Faculdades Comunitárias Canadenses (ACCC) e a SETEC/MEC, trabalharam juntas durante os últimos 5 anos. A ACCC coordenou o desenvolvimento e implementação de uma variedade de programas de capacitação em vários CEFETs através do apoio das faculdades canadenses parceiras. Há três anos, A ACCC começou a trabalhar com o CONCEFET e organizou dois workshops nacionais com a SETEC/MEC and CONCEFET. Os parceiros canadenses tem proporcionado expertise e outros workshops nacionais. A ACCC construiu uma forte relação de confiança com a SETEC/MEC, CONCEFET e a emergente REDENET no nordeste e norte. Uma forte relação foi desenvolvida entre uma das faculdades, Niagara College e o CEFETRN em Natal no desenvolvimento do currículo personalizado de turismo e hospitalidade. A faculdade e os parceiros do CEFET trabalharam muito bem conjuntamente e quando o projeto terminou em março de 2005, a CIDA aprovou uma extensão do projeto original que estava alinhada com as novas prioridades do governo brasileiro e da CIDA aquele de mulheres desfavorecidas e a utilização do processo ARAP. O relatório final do projeto de extensão está incluído nos Apêndices. O sucesso do Projeto Piloto ARAP demonstrou aos parceiros canadenses e brasileiros que os serviços de acesso e ARAP iniciaram um processo de autoconsciência estabelecendo objetivos e a inclusão das mulheres na educação e capacitação. Cinco CEFETs do nordeste e norte conduziram serviços ARAP e apresentaram seus resultados na reunião da REDENET em fevereiro de Estes cinco CEFETs em mais outros sete, assim como a SETEC e REDENET preparam um esboço de uma proposta maior e apresentaram-na a ACCC e Niagara College em março de Esta apresentação foi o estímulo para a proposta atual. Os parceiros brasileiros acreditam fortemente que em um período de quatro anos possam desenvolver uma infra-estrutura e sistema de acesso e capacitação sustentável para atender as ACCC/ SETEC-MEC 10

15 mulheres marginalizadas e auxiliá-las a conseguir empregos significativos ou avançar nos estudos. ACCC/ SETEC-MEC 11

16 3. EQÜIDADE 3.1 Como o projeto contribui para a eqüidade no Brasil Desenvolver a competência da rede CEFET no nordeste e norte do Brasil visando proporcionar acesso, avaliação, ARAP e programas de capacitação para mulheres desfavorecidas atende às questões de eqüidade no Brasil de várias formas. Acesso aos serviços educacionais Informações do governo previamente citadas revelam que a educação em um muitas partes do país é caracterizada por grandes desigualdades, com um sistema universitário altamente desenvolvido de um lado e desempenho educacional insatisfatório do outro. O nordeste é particularmente desfavorecido e suas mulheres bem mais ainda. Este projeto pretende especificamente ofertar recursos e serviços educacionais encorajadores à população alvo de mulheres marginalizadas no nordeste e norte do Brasil almejando desenvolver sua autoconsciência, auto-estima e aprimorar suas oportunidades de emprego. Sendo assim, os CEFETs aumentarão sua competência, sua reputação em suas comunidades e o seu papel nas metas de desenvolvimento econômico do Brasil. Cidadania A realização educacional e o ingresso ou progressão no mercado de trabalho proporciona às mulheres marginalizadas um senso de cidadania mais forte e o seu papel em tornar o seu país mais sólido. Um crescente sentimento de poder dentro da sociedade conduz a um maior envolvimento com o processo político no nível da comunidade em particular. Inclusão econômica Os índices de participação das mulheres no mercado de trabalho, particularmente na mão-de-obra formal, aumenta com a realização educacional. Para algumas mulheres desfavorecidas no nordeste e norte, o acesso aos programas regulares dos CEFETs ou à outra forma de educação pós-secundária não é irreal. No Projeto Piloto ARAP, algumas mulheres que participaram do desenvolvimento de portfólios e objetivos pessoais já tinham nível secundário e algumas até mesmo o nível pós-secundário. Os CEFETs puderam utilizar as ferramentas ARAP a fim de auxiliar estas mulheres a identificar seus objetivos educacionais e o seu conhecimento e habilidades relacionadas a estes objetivos. Estas mulheres poderiam ser estudantes póssecundárias em potencial dos CEFETs, uma vez que as barreiras financeiras sejam minoradas. Entretanto, é improvável que a maioria das mulheres marginalizadas sejam candidatas aos programas regulares. A habilidade dos CEFETs em atender esta população através de avaliações apropriadas de habilidade, programas de capacitação direcionados e relações com o mercado de trabalho, auxiliará estas pessoas à acessar setores formais de trabalho significativos. Satisfação com as Instituições Durante o Projeto Piloto ARAP as mulheres participantes apreciaram e desfrutaram enormemente de sua relação com um CEFET algo que elas não acreditavam ser possível. Os CEFETs participantes incrementaram sua imagem com estas mulheres e com os membros da comunidade que apoiaram as mesmas. Quando o projeto piloto findou em março de 2006, o líder comunitário que acompanhou o programa de capacitação de 29 mulheres da favela, as quais concluíram um programa de capacitação e estágios, ficou extremamente emocionado. A representante da associação de hoteleiros que havia conseguido os estágios também ficou ACCC/ SETEC-MEC 12

17 emocionada. Ambos elogiaram o CEFET por dar uma oportunidade às mulheres participantes de melhorar suas vidas. 3.2 Como o Projeto Incorpora Princípios de Eqüidade Além de avançar na eqüidade para mulheres marginalizadas, o Projeto Mulheres 1000 proposto incorporará os princípios de eqüidade em seu desenvolvimento e oferta. As mulheres serão igualmente representadas na liderança e coordenação do projeto. Recursos e investimentos serão igualmente compartilhados entre os parceiros canadenses e brasileiros e ambos serão responsáveis pelos prósperos resultados do projeto. Os programas de acesso devem ser inclusivos se forem respeitados e sustentáveis. Conseqüentemente, mulheres candidatas ao projeto serão convidadas a participar através de uma estratégia de alcance eqüitativo de um CEFET, independente da idade, classificação étnica, e conhecimento educacional prévio. Com a evolução do projeto, as mulheres participantes também serão representadas nas equipes dos projetos dos CEFETs. ACCC/ SETEC-MEC 13

18 4. COMPARTILHAMENTO DO CONHECIMENTO Há dois componentes principais para o compartilhamento do conhecimento o conhecimento a ser compartilhado e a metodologia selecionada para conduzir as atividades de compartilhamento. 4.1 Conhecimento a ser Compartilhado Metodologia, Modelos e Expertise Organizacional Canadense Metodologia Sistêmica A habilidade dos CEFETs, semelhante à das faculdades e institutos parceiros canadenses, em atender as mulheres desfavorecidas visando melhorar o seu potencial de mãode-obra depende de uma metodologia sistêmica. As instituições precisam desenvolver sistemas, infra-estrutura, políticas e procedimentos. Elas necessitam personalizar ou desenvolver e implementar ferramentas e técnicas para atender estas mulheres, como também proporcionar capacitação personalizada para atualização acadêmica e desenvolvimento de habilidades técnicas. As instituições precisam de relações formais com a comunidade empregadora, metodologias para desenvolver programação voltada para as necessidades do empregador e métodos de ofertar programas ao grupo alvo. A metodologia a ser escolhida pelos parceiros nesta proposta é fundamentalmente sistêmica. O projeto contribuirá com o desenvolvimento individual destes sistemas e infraestruturas dos CEFETs. O projeto também permitirá aos CEFETs desenvolver e ofertar capacitação personalizados às mulheres da população alvo e as permitirá acessar estágios ou outras oportunidades de emprego. Um método sustentável de relacionar-se com os empregadores será um dos resultados do projeto. Modelos para o Desenvolvimento de Sistemas Os parceiros utilizarão vários modelos visando desenvolver o sistema que melhor funcione para o Brasil e a população alvo de mulheres marginalizadas. Modelo de Acesso Fundamental para ajudar este grupo de mulheres a atingir objetivos educacionais ou de emprego é utilizar a estrutura de acesso. As faculdades canadenses têm uma longa e próspera história de serviços e programas de acesso. O acesso é desenvolvido em princípios de educação de adultos, mas também no reconhecimento que os aprendizes desfavorecidos e nãotradicionais exigem serviços educacionais especializados para encorajá-los a ingressar em estabelecimentos de ensino, permanecer em um programa de capacitação e prepará-los efetivamente para um emprego que seja significativo em suas vidas. O modelo do serviço de acesso inclui: Serviços e técnicas de busca que atinjam o grupo alvo onde as mulheres vivem ou trabalham e que as encoraje à ingressar no sistema ; Serviços de ingresso que sejam confortáveis para estas mulheres, respeitando suas origens e circunstâncias e não-ameaçadores; Serviços de consulta e aconselhamento que permitam as mulheres analisar seus objetivos e barreiras de um modo realista; ACCC/ SETEC-MEC 14

19 Serviços de avaliação que podem identificar e avaliar de forma genérica o conhecimento e as habilidades aprendidas, como também avaliar o conhecimento e habilidades técnicas necessárias a um determinado setor de trabalho ou emprego; Serviços de encaminhamento e acompanhamento durante e após a capacitação das mulheres desfavorecidas, assegurando que elas alcancem seus objetivos o quanto possível. Muitas faculdades e institutos canadenses possuem departamentos ou divisões de acesso que centralizam a infra-estrutura e os serviços de acesso e este é o modelo departamental que será personalizado e implementado neste projeto. O Niagara College, Bow Valley College e Nova Scotia Community College serão as principais faculdades utilizadas como modelos para os sistemas de acesso. Modelo de Avaliação e Reconhecimento de Aprendizagem Prévia (ARAP) Os princípios e práticas ARAP apóiam o modelo do serviço de acesso. A ferramenta de avaliação e reconhecimento de aprendizagem prévia está bem estabelecida no Canadá e em vários outros países e é do interesse das autoridades educacionais brasileiras. No Canadá, mais de 80% das faculdades e institutos possuem políticas ARAP e infra-estrutura de apoio estabelecida. ARAP pode ser definida como um processo que usa uma variedade de ferramentas para auxiliar as pessoas a identificar, articular, documentar e demonstrar aprendizagem com a finalidade de ganhar reconhecimento das instituições educacionais, empregadores ou organizações de credenciamento. Através do processo ARAP, as mulheres desfavorecidas deste projeto articularão um objetivo de emprego, identificarão e documentarão aprendizagem relevante para aquele objetivo e terão essa aprendizagem avaliada e reconhecida por educadores ou empregadores. Um esboço mais detalhado do processo ARAP é fornecido na Seção 6, Descrição do Projeto. O Niagara College, a faculdade canadense líder do projeto, estabeleceu um escritório ARAP e desenvolveu as políticas, práticas, ferramentas e métodos em A maioria das faculdades e institutos canadenses incorporou os sistemas ARAP em suas operações e a maior parte dos governos das províncias determinam ARAP como parte da provisão dos serviços educacionais. Porém, o sistema de faculdades no Canadá utiliza ferramentas e processos ARAP em grande parte para entrada no ensino pós-secundário e permanente progressão. Neste projeto, tanto os canadenses como os brasileiros aprenderão como efetivamente adaptar o sistema ARAP ao grupo alvo desfavorecido não-tradicional (ou seja, o grupo alvo de acesso). Enquanto é reconhecido que o ARAP possui o potencial de ser uma inovação verdadeiramente transformadora na educação e que pode ter efeitos significativos ao reduzir barreiras na educação e capacitação, ainda é um fenômeno bastante recente. Há relativamente pouca pesquisa realizada quanto aos resultados da ARAP e quase nenhuma sobre o impacto da ARAP em populações desfavorecidas. O projeto proposto pode prover dados muito úteis quanto ao impacto dos processos ARAP sobre o alcance do objetivo educacional ou de trabalho das mulheres desfavorecidas. O Niagara College e cinco CEFETs no nordeste e norte do Brasil completaram com êxito um projeto piloto ARAP entre agosto de 2005 e março de Os CEFETs participantes tornaram-se os primeiros à adotar o sistema proposto no Brasil. Ao término dos sete meses, estes CEFETs haviam proporcionado serviços de busca para 81 mulheres marginalizadas; 70 mulheres completaram seus portfólios pessoais; 38 concluíram programas de capacitação de curto prazo em hospitalidade; e 29 conseguiram estágios com uma associação de hoteleiros em Natal. A SETEC/MEC compromete-se a implantar o processo ARAP. ACCC/ SETEC-MEC 15

20 Estes resultados obtiveram muito sucesso no teste do processo ARAP no Brasil. As vidas das mulheres que participaram foram claramente modificadas, assim como foram os seus prospectos de emprego. Durante todo o projeto piloto, a SETEC/MEC foi uma forte defensora e tornou-se firmemente comprometida com os benefícios do processo ARAP. Avaliações das Habilidades de Mão-de-obra e Modelos de Relações com os Empregadores É essencial que o conhecimento e habilidades das mulheres para um emprego sejam avaliados em relação ao conhecimento e habilidades necessários a fim de realizar o trabalho. Uma vez que as avaliações sejam completadas, uma análise de hiato poderá ser administrada para a mulher individualmente, a qual identifica a diferença entre sua aprendizagem prévia e as habilidades necessárias ao objetivo do emprego. O conhecimento e as habilidades precisam ser avaliados em relação aos padrões dos empregos na indústria selecionada utilizando ferramentas padronizadas. Existem ferramentas de avaliações padronizadas muito utilizadas efetivamente no Canadá visando avaliar habilidades de emprego genéricas, em particular o Test of Workforce Employability Skills (TOWES) / Teste das Habilidades de Empregabilidade da Mão-de-obra, que foi desenvolvido e implementado em vários países pelo Bow Valley College, membro da ACCC. Padrões nacionais da indústria de hospitalidade foram desenvolvidos no Brasil pelo Instituto de Hospitalidade e ferramentas e relatórios de avaliação usados por esta instituição podem ser úteis ao avaliar as habilidades das mulheres para a indústria hoteleira. Dependendo da escolha final do programa de capacitação personalizado para uma indústria específica a ser ofertado individualmente pelos CEFETs neste projeto, o expertise em avaliações das faculdades canadenses será utilizado para aquela indústria. Até este momento, a ACCC já identificou dez faculdades e institutos canadenses (por exemplo, o Marine Institute em Newfoundland, Cegep Marie Victorin em Montreal, New Brunswick College em St. Andrews e o College of the Rockies na Bristish Columbia), os quais podem ser parceiros no projeto. As relações com os empregadores são críticas para o sucesso deste projeto e para um sistema sustentável nos CEFETs que apoiarão as mulheres desfavorecidas. Os parceiros canadenses proporcionarão as melhores práticas ao desenvolver e apoiar relações com os empregadores, incluindo estruturas e práticas do comitê consultivo do programa, busca de empregadores, estratégias do empregador no campus, feiras de emprego no campus, colocações no mercado de trabalho de forma cooperativa, e várias outras estratégias. Os parceiros brasileiros necessitam perceber o que melhor funciona com as suas próprias estruturas e necessidades. É possível que os CEFETs possam firmar parcerias com os SENACs visando coordenar conjuntamente as relações com os empregadores. 4.2 Metodologia de Compartilhamento do Conhecimento A metodologia a ser utilizada é aquela de uma parceria onde todos os parceiros compartilham igualmente o sucesso do projeto. Esta metodologia é colaborativa e baseada na aprendizagem mútua. A literatura sobre a transferência de tecnologia (ou conhecimento) fornece vários modelos para a transferência de know-how de uma organização para outra. A estrutura conceitual selecionada para este projeto está baseada no recente trabalho de Gregory Stock e Mohan Tatikonda ( Uma tipologia dos processos de transferência de tecnologia, The Journal of Operations Management 18, 2000). A tipologia sugere uma seleção apropriada de um tipo de transferência baseado na incerteza da tecnologia (ou seja, a diferença entre a competência ACCC/ SETEC-MEC 16

Projeto de Desenvolvimento de Capacidade de Governança no Brasil 2008-2011

Projeto de Desenvolvimento de Capacidade de Governança no Brasil 2008-2011 Projeto de Desenvolvimento de Capacidade de Governança no Brasil 2008-2011 Plano de Implementação do Projeto Maio de 2008 Março de 2011 Índice Plano de Implementação do Projeto (PIP): i. Sumário Executivo

Leia mais

Dimensão social. Educação

Dimensão social. Educação Dimensão social Educação 218 Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 36 Taxa de escolarização Representa a proporção da população infanto-juvenil que freqüenta a escola. Descrição As variáveis

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012

Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012 Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012 Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Educação Quadro Resumo- Estatísticas Gerais da Educação Superior por Categoria Administrativa - - 2012 Categoria

Leia mais

CURSOS TECNOLÓGICOS EM NÍVEL SUPERIOR: BREVES APONTAMENTOS

CURSOS TECNOLÓGICOS EM NÍVEL SUPERIOR: BREVES APONTAMENTOS CURSOS TECNOLÓGICOS EM NÍVEL SUPERIOR: BREVES APONTAMENTOS Alan do Nascimento RIBEIRO, Faculdade de Políticas Públicas Tancredo Neves Universidade do Estado de Minas Gerais Maria Amarante Pastor BARACHO,

Leia mais

APRENDIZAGEM PROFISSIONAL

APRENDIZAGEM PROFISSIONAL APRENDIZAGEM PROFISSIONAL a LEI promove o Trabalho Decente para a Juventude e desenvolvimento social e econômico para o Brasil Departamento de Políticas Públicas de Trabalho, Emprego e Renda para Juventude

Leia mais

PROJOVEM CAMPO SABERES DA TERRA 1

PROJOVEM CAMPO SABERES DA TERRA 1 PROJOVEM CAMPO SABERES DA TERRA 1 a) Um pouco da sua história político-pedagógica O ProJovem Campo Saberes da Terra é um programa de escolarização de jovens agricultores/as familiares 2 em nível fundamental

Leia mais

Tema 2 CONAE 2014 Diretrizes gerais para intervenção do PROIFES-Federação na CONAE 2014

Tema 2 CONAE 2014 Diretrizes gerais para intervenção do PROIFES-Federação na CONAE 2014 Tema 2 CONAE 2014 Diretrizes gerais para intervenção do PROIFES-Federação na CONAE 2014 Eixo I O plano Nacional de Educação e o Sistema Nacional de Educação: organização e regulação. Instituir, em cooperação

Leia mais

Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas

Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) Organização Internacional

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais RESULTADO DO CENSO DA EDUCAÇÃO BÁSICA 2009 O Censo Escolar, realizado anualmente pelo

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

Palavras- chave: Política Educacional; Programa Mulheres Mil; Inclusão social.

Palavras- chave: Política Educacional; Programa Mulheres Mil; Inclusão social. O PROGRAMA MULHERES MIL: UM ESTUDO DOS IMPACTOS SOCIAIS NA TRAJETÓRIA DE VIDA DAS EGRESSAS DO CURSO DE ASSENTAMENTO DE CERÂMICA E PORCELANATO DO IFAP, CÂMPUS MACAPÁ/AP. Arlene da Silva Gomes 1 Nedda Garcia

Leia mais

CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável Missão:

CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável Missão: O CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável, é uma Instituição Social Sem Fins Lucrativos, de Utilidade Pública Federal, fundada em 1998, com sede na cidade do Rio de

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DO TRABALHO, EMPREGO, RENDA E ESPORTE SETRE ANEXO III-B

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DO TRABALHO, EMPREGO, RENDA E ESPORTE SETRE ANEXO III-B GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DO TRABALHO, EMPREGO, RENDA E ESPORTE SETRE ANEXO III-B TERMO DE REFERÊNCIA DO PROCESSO CREDENCIAMENTO DE INSTITUIÇÕES EXECUTORAS DE AÇÕES DE QUALIFICAÇÃO SOCIAL E

Leia mais

Esta síntese apresenta a linha de base dos indicadores referentes às metas do PNE. O documento consiste em análises descritivas das séries históricas

Esta síntese apresenta a linha de base dos indicadores referentes às metas do PNE. O documento consiste em análises descritivas das séries históricas Esta síntese apresenta a linha de base dos indicadores referentes às metas do PNE. O documento consiste em análises descritivas das séries históricas dos indicadores selecionados pelo Ministério da Educação

Leia mais

Relatório de Monitoramento Global de Educação para Todos de 2013. Ensinar e Aprender para o Desenvolvimento

Relatório de Monitoramento Global de Educação para Todos de 2013. Ensinar e Aprender para o Desenvolvimento Relatório de Monitoramento Global de Educação para Todos de 2013 Panorama Ensinar e Aprender para o Desenvolvimento O Relatório de Monitoramento Global de Educação para Todos de 2013 demonstrará porque

Leia mais

Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão SECADI/MEC Objetivo

Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão SECADI/MEC Objetivo Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão SECADI/MEC Objetivo Contribuir para o desenvolvimento inclusivo dos sistemas de ensino, voltado à valorização das diferenças e da

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO

DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO POR UM CEARÁ MELHOR PRA TODOS A COLIGAÇÃO POR UM CEARA MELHOR PRA TODOS, com o objetivo de atender à Legislação Eleitoral e de expressar os compromissos

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REDAÇÃO DO PROJETO DE LEI Aprova o Plano Municipal de Educação - PME e dá outras providências. O Prefeito do Município de vereadores decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Faço

Leia mais

DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE

DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE A IBIS visa contribuir para o empoderamento dos jovens como cidadãos activos da sociedade, com igual usufruto de direitos, responsabilidades e participação

Leia mais

Programa Nacional. Preâmbulo

Programa Nacional. Preâmbulo Programa Nacional Preâmbulo Instituído pela Portaria N o 1.015, DE 21 DE JULHO DE 2011, o Programa Nacional Mulheres Mil - Educação, Cidadania e Desenvolvimento Sustentável está inserido no Plano Brasil

Leia mais

INFORMAÇÃO Nº 0086/2015-GTE 1

INFORMAÇÃO Nº 0086/2015-GTE 1 PROCESSO : CF-2297/2014 INTERESSADO : Confea ASSUNTO : Estudos sobre o PRONATEC ORIGEM : Comissão de Educação e Atribuição Profissional CEAP (Deliberação n 766/2014-CEAP) INFORMAÇÃO Nº 0086/2015-GTE 1

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. II Encontro Brasil-Canadá de Educação Profissional e Tecnológica

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. II Encontro Brasil-Canadá de Educação Profissional e Tecnológica MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO II Encontro Brasil-Canadá de Educação Profissional e Tecnológica Novembro de 2011 2 Descrição 2 Ação anual realizada para promoção do intercâmbio de instituições de educação profissional

Leia mais

O Programa Bolsa Família

O Programa Bolsa Família Painel sobre Programas de Garantia de Renda O Programa Bolsa Família Patrus Ananias de Sousa Ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome República Federativa do Brasil Comissão de Emprego e Política

Leia mais

LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento

LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento PNE PME LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento locais e nacionais (prova Brasil e IDEB) 10% do

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Especial Prova ABC. Olho nas Metas 2012Resultados e. análise dos itens da Prova ABC 2012

Especial Prova ABC. Olho nas Metas 2012Resultados e. análise dos itens da Prova ABC 2012 De Especial Prova ABC 2012 Olho nas Metas 2012Resultados e análise dos itens da Prova ABC 2012 De Especial Prova ABC 2012 Olho nas Metas Resultados e análise dos itens da Prova ABC 2012 Sumário Prova ABC

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO PROPOSIÇÕES ESTRATÉGIAS E RESPONSABILIDADE* UNIÃO DF ESTADOS MUNICÍPIOS 1. Profissionais da educação:

Leia mais

A Mobilização Empresarial pela Inovação: Recursos Humanos. Horácio Piva São Paulo - 17/6/2011

A Mobilização Empresarial pela Inovação: Recursos Humanos. Horácio Piva São Paulo - 17/6/2011 A Mobilização Empresarial pela Inovação: Recursos Humanos Horácio Piva São Paulo - 17/6/2011 OBJETIVOS Consolidar a percepção de que a formação de recursos humanos qualificados é essencial para fortalecer

Leia mais

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades 1 Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades A Comissão Nacional da Questão da Mulher Trabalhadora da CUT existe desde 1986. Neste período houve muitos avanços na organização das

Leia mais

Plano de Ação Regional Algarve 2014-2020 Desafios Regionais no contexto da Europa 2020. Recursos Humanos: Desafios para uma Região Inclusiva

Plano de Ação Regional Algarve 2014-2020 Desafios Regionais no contexto da Europa 2020. Recursos Humanos: Desafios para uma Região Inclusiva CONFERÊNCIA Plano de Ação Regional Algarve 2014-2020 Desafios Regionais no contexto da Europa 2020 Estrutura de Apresentação 3. Perspetivas para o Crescimento Inclusivo no contexto da Estratégia Europa

Leia mais

Programa Mulheres Mil- Mulher Joia da Vida: a qualificação para o exercício da cidadania desenvolvida no Instituto Federal do Maranhão RESUMO

Programa Mulheres Mil- Mulher Joia da Vida: a qualificação para o exercício da cidadania desenvolvida no Instituto Federal do Maranhão RESUMO Programa Mulheres Mil- Mulher Joia da Vida: a qualificação para o exercício da cidadania desenvolvida no Instituto Federal do Maranhão RESUMO O Programa Mulheres Mil: Educação, Cidadania e Desenvolvimento

Leia mais

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude Organização das Nações Unidas A/RES/66/121 Assembleia Geral Distribuição: geral 2 de fevereiro de 2012 65 a sessão Item 27 (b) da pauta Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011

Leia mais

Uma Nova Agenda para a Reforma do

Uma Nova Agenda para a Reforma do Uma Nova Agenda para a Reforma do Setor Saúde: Fortalecimento das Funções Essenciais da Saúde Pública e dos Sistemas de Saúde FORO REGIONAL ANTIGUA/GUATEMALA 19-22 DE JULHO DE 2004 PERSPECTIVAS NACIONAIS

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...3 CONSIDERAÇÕES DA SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES SPM...5

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...3 CONSIDERAÇÕES DA SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES SPM...5 PLANO MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES ICATÚ 2013-2015 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...3 CONSIDERAÇÕES DA SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES SPM...5 1. PRINCÍPIOS DA POLÍTICA NACIONAL PARA AS

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI 2014-2018 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011 2020 METAS E ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI 2014-2018 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011 2020 METAS E ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI 2014-2018 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011 2020 METAS E ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO Marcos Neves Comissão Central PDI do IFSC PNE EXIGÊNCIA CONSTITUCIONAL O art.

Leia mais

Formulário de inscrição para Unidades Escolares:

Formulário de inscrição para Unidades Escolares: Presidência da República Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial Secretaria de Políticas de Ações Afirmativas 1. Contextualização: Formulário de inscrição para Unidades Escolares: a) Descreva

Leia mais

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil 1 A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO MUNDO GLOBALIZADO 1 Introdução Área de atuação. A Carta de Bangkok (CB) identifica ações, compromissos e garantias requeridos para atingir os determinantes

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

INVESTIMENTO SOCIAL. Agosto de 2014

INVESTIMENTO SOCIAL. Agosto de 2014 INVESTIMENTO SOCIAL Agosto de 2014 INVESTIMENTO SOCIAL Nós promovemos o desenvolvimento sustentável de diversas maneiras Uma delas é por meio do Investimento Social INVESTIMENTO INVESTIENTO SOCIAL - Estratégia

Leia mais

PACTO PELA VALORIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA POR UMA PROFISSIONALIZAÇÃO SUSTENTÁVEL

PACTO PELA VALORIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA POR UMA PROFISSIONALIZAÇÃO SUSTENTÁVEL PACTO PELA VALORIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA POR UMA PROFISSIONALIZAÇÃO SUSTENTÁVEL (PROPOSTA DE AGENDA MÍNIMA PACTUADA ENTRE MEC/SETEC CONCEFET - CONDAF CONDETUF SINASEFE) Contexto As

Leia mais

Analfabetismo no Brasil

Analfabetismo no Brasil Analfabetismo no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IETS) Samuel Franco (IETS) Parte 1: Magnitude e evolução do analfabetismo no Brasil Magnitude Segundo estimativas obtidas com base

Leia mais

O CONCEITO DE TRABALHO DECENTE E SUA AGENDA. Laís Abramo Diretora do Escritório da OIT no Brasil

O CONCEITO DE TRABALHO DECENTE E SUA AGENDA. Laís Abramo Diretora do Escritório da OIT no Brasil O CONCEITO DE TRABALHO DECENTE E SUA AGENDA Laís Abramo Diretora do Escritório da OIT no Brasil Brasília 3 novembro de 2014 O Conceito de Trabalho Decente O CONCEITO DE TRABALHO DECENTE Formalizado pela

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE LEI nº, de de (Projeto de Lei nº 00/04, do Executivo) Institui o Programa Oportunidade Solidária, estabelece princípios fundamentais e objetivos da Política de Fomento à Economia Popular Solidária do Município

Leia mais

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012 Programa 2016 - Política para as Mulheres: Promoção da Autonomia e Enfrentamento à Violência 20O0 - Políticas Culturais de Incentivo à Igualdade de Gênero Número de Ações 13 Esfera: 10 - Orçamento Fiscal

Leia mais

Qualificada como Organização da Sociedade Civil de Interesse Público OSCIP em 2009.

Qualificada como Organização da Sociedade Civil de Interesse Público OSCIP em 2009. MISSÃO O Instituto LOCUS é uma associação civil sem fins lucrativos, fundada em 2005 por um grupo de arquitetos, urbanistas, educadores e assistentes sociais. Qualificada como Organização da Sociedade

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Esperidião Amin Helou Filho

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Esperidião Amin Helou Filho PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Esperidião Amin Helou Filho 1 PROJETO DE LEI Nº 8.035, DE 2010. Ementa: Aprova o Plano Nacional de Educação para o decênio 2011-2020 e dá outras providências. 2 PROJETO DE LEI

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA SE-001/2011

TERMO DE REFERÊNCIA SE-001/2011 TERMO DE REFERÊNCIA SE-001/2011 Objeto da contratação Consultor sênior Título do Projeto Projeto BRA 07/010 Designação funcional Duração do contrato Consultoria por produto 04 meses Data limite para envio

Leia mais

Conteúdo. Community College Perguntas e Respostas Página 1

Conteúdo. Community College Perguntas e Respostas Página 1 Conteúdo A educação superior nos Estados Unidos... 2 O que é um Community College?... 2 O que é considerado uma instituição de educação superior?... 2 O que quer dizer ser credenciada regionalmente?...

Leia mais

POR UM PLANO ALÉM DAS INTENÇÕES COM AÇÕES QUE MUDEM RADICALMENTE A REALIDADE

POR UM PLANO ALÉM DAS INTENÇÕES COM AÇÕES QUE MUDEM RADICALMENTE A REALIDADE POR UM PLANO ALÉM DAS INTENÇÕES COM AÇÕES QUE MUDEM RADICALMENTE A REALIDADE O PNE para 2001-2011 consolidou-se como uma carta de intenções. - Universalização do ensino fundamental - Ampliação significativa

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Termo de Referência Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico No âmbito do Programa Pernambuco Trabalho e Empreendedorismo da Mulher conveniado

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil. Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial

Presidência da República Federativa do Brasil. Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial Presidência da República Federativa do Brasil Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial A SEPPIR CRIAÇÃO A Seppir (Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial)

Leia mais

CESA Comitê Advocacia Solidária ISO 26.000 e Manual do Advogado Sustentável

CESA Comitê Advocacia Solidária ISO 26.000 e Manual do Advogado Sustentável CESA Comitê Advocacia Solidária ISO 26.000 e Manual do Advogado Sustentável Julho 2010 O que é ISO 26000? A ISO 26000 é uma norma internacional de Responsabilidade Social, um guia de diretrizes que contribui

Leia mais

Qualificada como Organização da Sociedade Civil de Interesse Público OSCIP em 2009.

Qualificada como Organização da Sociedade Civil de Interesse Público OSCIP em 2009. MISSÃO O Instituto LOCUS é uma associação civil sem fins lucrativos, fundada em 2005 por um grupo de arquitetos, urbanistas, educadores e assistentes sociais. Qualificada como Organização da Sociedade

Leia mais

Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes e o PPA 2012-2015

Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes e o PPA 2012-2015 Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes e o PPA 2012-2015 Bogotá, junho de 2013 Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes e o Plano Mais Brasil PPA 2012-2015 Dimensão Estratégica do Desenvolvimento

Leia mais

Doutoranda: Nadir Blatt

Doutoranda: Nadir Blatt Territórios de Identidade no Estado da Bahia: uma análise crítica da regionalização implantada pela estrutura governamental para definição de políticas públicas, a partir da perspectiva do desenvolvimento

Leia mais

A CIÊNCIA AGRONÔMICA NA ESCOLA RURAL

A CIÊNCIA AGRONÔMICA NA ESCOLA RURAL A CIÊNCIA AGRONÔMICA NA ESCOLA RURAL CARLOS ALBERTO TAVARES Academia Pernambucana de Ciência Agronômica, Recife, Pernambuco. A história da educação agrícola no meio rural tem sido analisada por diversos

Leia mais

A Cooperação UE no Estado de São Paulo

A Cooperação UE no Estado de São Paulo A Cooperação UE no Estado de São Paulo Informações gerais: Superficië (km²): 248.209,426 População (IBGE 2012): 41.901.219 Produto Interno Bruto - PIB (2008) em R$ milhões: 1.003.016 Indice de Desenvolvimento

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Superior Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

IX CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURITIBA-PR

IX CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURITIBA-PR IX CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURITIBA-PR Rosiane Costa de Souza Assistente Social Msc Serviço Social/UFPA Diretora de Assistência Social Secretaria de Estado de Assistência Social do Pará

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher TERMO DE REFERENCIA Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Supervisão Geral No âmbito do Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE POLITICAS PARA AS MULHERES GESTÃO 2014/2017. RuaDr. Paulo Ramos nº 78- Centro Presidente Dutra-Maranhão

PLANO MUNICIPAL DE POLITICAS PARA AS MULHERES GESTÃO 2014/2017. RuaDr. Paulo Ramos nº 78- Centro Presidente Dutra-Maranhão PLANO MUNICIPAL DE POLITICAS PARA AS MULHERES GESTÃO 2014/2017 Juran Carvalho de Sousa Prefeito Orlando Pinto Gomes Vice-Prefeito Maria de Fátima Sodré Carvalho Secretária Municipal da Mulher Assessoramento

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA 1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PROJETO TÉCNICO: ACESSUAS TRABALHO / PRONATEC EQUIPE RESPONSÁVEL: Proteção Social Básica PERÍODO: Setembro

Leia mais

Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

No Brasil, existem cerca de 45 milhões de Pessoas com Deficiência, o que representa ¼ da população geral (Censo IBGE, 2010).

No Brasil, existem cerca de 45 milhões de Pessoas com Deficiência, o que representa ¼ da população geral (Censo IBGE, 2010). O Plano Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência PLANO VIVER SEM LIMITE 2011-2014 foi instituído por meio do Decreto da Presidência da República nº 7.612, de 17/11/2011 e tem como finalidade promover,

Leia mais

INSTITUTO LOJAS RENNER

INSTITUTO LOJAS RENNER 2011 RELATÓRIO DE ATIVIDADES INSTITUTO LOJAS RENNER Instituto Lojas Renner Inserção de mulheres no mercado de trabalho, formação de jovens e desenvolvimento da comunidade fazem parte da essência do Instituto.

Leia mais

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010 1 CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010 O Censo da Educação Superior, realizado anualmente pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), constitui se em importante instrumento

Leia mais

REALIDADES, POSSIBILIDADES E PERSPECTIVAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

REALIDADES, POSSIBILIDADES E PERSPECTIVAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS REALIDADES, POSSIBILIDADES E PERSPECTIVAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MEC/SECADI/DPAEJA Insira O Brasil tem uma população de 42,3 milhões de pessoas com 15 anos ou mais de idade que não frequentam

Leia mais

PROGRAMA. Brasil, Gênero e Raça. Orientações Gerais

PROGRAMA. Brasil, Gênero e Raça. Orientações Gerais PROGRAMA Brasil, Gênero e Raça Orientações Gerais Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Trabalho e Emprego Luiz Marinho Secretário-Executivo Marco Antonio de Oliveira Secretário

Leia mais

Políticas de Educação de Jovens e

Políticas de Educação de Jovens e Ministério da Educação Políticas de Educação de Jovens e Adultos Junho de 2011 Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão Documentos de Referência Legislação Constituição

Leia mais

Edital de Seleção. Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário. (Turma 2015)

Edital de Seleção. Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário. (Turma 2015) Edital de Seleção Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário (Turma 2015) Belém Pará Novembro de 2014 Realização Página 2 de 9 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 4 3.

Leia mais

As especificidades da desigualdade étnicoracial no cenário das desigualdades no Brasil

As especificidades da desigualdade étnicoracial no cenário das desigualdades no Brasil MÓDULO 4 - Relações Étnico-Raciais unidade 2 TEXTO 4 As especificidades da desigualdade étnicoracial no cenário das desigualdades no Brasil Você já pensou em como as desigualdades raciais muitas vezes

Leia mais

Nº 19 Novembro de 2011. A Evolução da Desigualdade de Renda entre os anos de 2000 e 2010 no Ceará e Estados Brasileiros Quais foram os avanços?

Nº 19 Novembro de 2011. A Evolução da Desigualdade de Renda entre os anos de 2000 e 2010 no Ceará e Estados Brasileiros Quais foram os avanços? Nº 19 Novembro de 2011 A Evolução da Desigualdade de Renda entre os anos de 2000 e 2010 no Ceará e Estados Brasileiros Quais foram os avanços? GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos

Leia mais

Projeto Futuro em Nossas Mãos. 6º Congresso GIFE sobre Investimento Social Privado Instituto Votorantim

Projeto Futuro em Nossas Mãos. 6º Congresso GIFE sobre Investimento Social Privado Instituto Votorantim Projeto Futuro em Nossas Mãos 6º Congresso GIFE sobre Investimento Social Privado Instituto Votorantim Instituto Votorantim Disseminar conceitos de Sustentabilidade e estimular a sua prática nas estratégias

Leia mais

Consultor/a Local Mulheres no mercado de trabalho e os impactos da crise econômica

Consultor/a Local Mulheres no mercado de trabalho e os impactos da crise econômica PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES CCBB SCES, Trecho 2, Lote 22 Edifício Tancredo Neves, 1º andar Cep 70200-002 Brasília / DF Telefone (61) 3313-7101 Central de Atendimento

Leia mais

Propostas de Políticas OS PEQUENOS NEGÓCIOS COMO FORÇA INDUTORA PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL

Propostas de Políticas OS PEQUENOS NEGÓCIOS COMO FORÇA INDUTORA PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL Propostas de Políticas OS PEQUENOS NEGÓCIOS COMO FORÇA INDUTORA PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL CANDIDATOS A PREFEITOS E PREFEITAS MUNICIPAIS Pleito Eleitoral 2012 PROPOSTAS DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA A PROMOÇÃO

Leia mais

Secretaria Especial de Política para as Mulheres

Secretaria Especial de Política para as Mulheres Secretaria Especial de Política para as Mulheres Gestão da Transversalidade de Gênero nas Políticas Públicas Incentivo à Autonomia Econômica das Mulheres no Mundo do Trabalho Prevenção e Combate à Violência

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS LEI Nº 1059, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Ensino do Município de Pinhais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE PINHAIS,, aprovou e eu, PREFEITO

Leia mais

Tendências do mercado brasileiro da graduação privada - EaD APE 63-08OUT14 - SALA 14 17:00/17:25

Tendências do mercado brasileiro da graduação privada - EaD APE 63-08OUT14 - SALA 14 17:00/17:25 Tendências do mercado brasileiro da graduação privada - EaD APE 63-08OUT14 - SALA 14 17:00/17:25 Tendências do Mercado Educacional - Sumário 1. Cenário prospectivo. 2. Apresentação do atual cenário mercadológico

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS no Estado do Rio de Janeiro JULHO DE 2014 BRASIL O mês de julho de 2014 fechou com um saldo líquido positivo de 11.796 novos empregos em todo país, segundo dados do Cadastro

Leia mais

PL 8035/2010 UMA POLÍTICA DE ESTADO. Plano Nacional de Educação 2011/2020. Maria de Fátima Bezerra. Deputada Federal PT/RN

PL 8035/2010 UMA POLÍTICA DE ESTADO. Plano Nacional de Educação 2011/2020. Maria de Fátima Bezerra. Deputada Federal PT/RN PL 8035/2010 Plano Nacional de Educação 2011/2020 UMA POLÍTICA DE ESTADO Maria de Fátima Bezerra Deputada Federal PT/RN Presidente da Comissão de Educação e Cultura da Câmara Federal O PNE foi construído

Leia mais

EDUCAÇÃO SUPERIOR NO CONTEXTO DO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2010

EDUCAÇÃO SUPERIOR NO CONTEXTO DO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2010 EDUCAÇÃO SUPERIOR NO CONTEXTO DO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2010 Contribuições para o Plano Municipal de Educação de Palmas Maio 22, 2012 DAS 20 METAS DO PNE, CINCO ESTÃO DIRETAMENTE LIGADAS ÀS INSTITUIÇÕES

Leia mais

Guias e Manuais. Exercendo o. Controle Social. do Programa Bolsa Família. Programa Bolsa Família

Guias e Manuais. Exercendo o. Controle Social. do Programa Bolsa Família. Programa Bolsa Família Guias e Manuais 2010 Exercendo o Controle Social do Programa Bolsa Família Programa Bolsa Família Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) Exercendo o Controle Social do Programa Bolsa

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

Capacitando, assessorando e financiando pequenos empreendimentos solidários a Obra Kolping experimenta um caminho entre empréstimos em condições

Capacitando, assessorando e financiando pequenos empreendimentos solidários a Obra Kolping experimenta um caminho entre empréstimos em condições Programa Fundo Solidário Construído para garantir inclusão socioeconômica Capacitando, assessorando e financiando pequenos empreendimentos solidários a Obra Kolping experimenta um caminho entre empréstimos

Leia mais

Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade?

Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade? Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade? Natália de Oliveira Fontoura * Roberto Gonzalez ** A taxa de participação mede a relação entre a população

Leia mais

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR 1 Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR A Definição e organização do sistema: 1 O Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

Ministério da Cultura

Ministério da Cultura SISTEMA NACIONAL DE CULTURA Processo de articulação, gestão, comunicação e de promoção conjunta de políticas públicas de cultura, mediante a pactuação federativa. Objetivo Geral do SNC Implementar políticas

Leia mais

I CURSO DE CAPACITAÇÃO DOS NOVOS GESTORES LOCAIS DO PROGRAMA MULHERES MIL IFC/IFSC. Lidiane Silva Braga 1 ; Ania Tamilis da Silva 2

I CURSO DE CAPACITAÇÃO DOS NOVOS GESTORES LOCAIS DO PROGRAMA MULHERES MIL IFC/IFSC. Lidiane Silva Braga 1 ; Ania Tamilis da Silva 2 I CURSO DE CAPACITAÇÃO DOS NOVOS GESTORES LOCAIS DO PROGRAMA MULHERES MIL IFC/IFSC Lidiane Silva Braga 1 ; Ania Tamilis da Silva 2 INTRODUÇÃO O Programa Nacional Mulheres Mil - Educação, Cidadania e Desenvolvimento

Leia mais

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Lei 17505-11 de Janeiro de 2013 Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Súmula: Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e o Sistema de Educação Ambiental e adota outras

Leia mais

11. EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

11. EDUCAÇÃO PROFISSIONAL 11. EDUCAÇÃO PROFISSIONAL A educação profissional no Brasil já assumiu diferentes funções no decorrer de toda a história educacional brasileira. Até a promulgação da atual LDBEN, a educação profissional

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1

AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1 AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1 Universalizar, até 2016, a educação infantil na pré-escola para as crianças de 4 (quatro) a 5 (cinco) anos de idade e ampliar a oferta

Leia mais