O atual rei da França é calvo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O atual rei da França é calvo"

Transcrição

1 FILOSOFIA ANALÍTICA E FILOSOFIA CLÍNICA: ONDE ELAS SE ENCONTRAM? 1 Mariluze Ferreira de Andrade e Silva Departamento de Filosofia e Métodos UFSJ Laboratório de Lógica e Epistemologia UFSJ A Linguagem como Objeto de estudo da Filosofia Os filósofos analíticos pensam, em comum acordo, que o objeto da filosofia é a linguagem e não a realidade não lingüística. Entretanto, eles divergem quanto ao uso da linguagem. Para os Positivistas lógicos, o objeto da filosofia é a linguagem formalizada e axiomatizada para uso da ciência. Para os filósofos lingüísticos, a filosofia deve se preocupar com toda e qualquer linguagem, seja qual for a atividade intelectual. Nesse caso, é objeto de estudo dos filósofos lingüísticos o estudo da linguagem política, artística, religiosa, matemática, econômica, poética, do senso comum e as demais, não deixando nenhuma forma de expressão lingüística excluída do seu objeto de estudo. É, portanto, pela via do objeto de estudo que se estabelece uma diferença fundamental entre os filósofos analíticos que se inclinam para o Positivismo lógico e os que se inclinam para a Filosofia lingüística. O Método estabelece uma diferença, para os filósofos analíticos, entre a lingüística, que estuda a linguagem como um fato natural e a Filosofia analítica, que a estuda a partir da sua estrutura lógica. Há uma proposição analisada por Bertrand Russell, usada pelos filósofos analíticos que ilustra a compreensão da diferença entre lingüística e filosofia lingüística ou analítica. Seja a proposição 2 O atual rei da França é calvo Para o lingüista, trata-se apenas de uma afirmação trivial. Do ponto de vista da análise sintática a proposição está correta. Do ponto de vista da gramática, não há 1 Artigo publicado na Revista Filosofia, Ciência & Vida, Caderno Especial Filosofia Analítica. 2 O termo proposição, aqui nesse contexto, será usado como sinônimo de sentença, pensamento e enunciado, entretanto esclarecemos que, para alguns lógicos, há uma diferença estabelecida entre esses quatro termos. Sentença seria a expressão gráfica ou audível do pensamento. Se eu penso mas não expresso o meu pensamento, não tenho uma sentença. Desse modo, uma sentença carreia sempre um pensamento. A proposição é entendida como pensamento. Se eu tenho um pensamento expresso em uma sentença, logo tenho uma proposição. O enunciado é o que o pensamento (proposição) expressa na sentença. Há vários tipos de enunciados, mas não é o caso falarmos sobre eles aqui nesse contexto.

2 2 erros ortográficos. Essa proposição, portanto, para um gramático e para um lingüista não se constitui como um problema. Ela possui gramaticalidade e é uma proposição inteligível. Para o filósofo analítico, entretanto, ela apresenta um problema. A primeira pergunta que um filósofo analítico fará, a partir do próprio enunciado da proposição, é se ela é verdadeira ou falsa. Essa pergunta já introduz um critério de analiticidade. Aí está um problema colocado. Primeiro, descarto o valor Verdadeiro partindo do pressuposto que a França atualmente não tem rei. Segundo, se eu respondo, sem mais explicações, que a proposição é falsa, induzo ao erro de que a França tem atualmente um rei, mas ele não é calvo. Pelo princípio do terceiro valor excluído da lógica, uma proposição ou é verdadeira ou é falsa, por exclusão. Ela não pode ser verdadeira e falsa ao mesmo tempo. Nesse caso diríamos que o enunciado não é nem verdadeiro nem falso. Desse modo, a análise apenas lingüística não é suficiente para me dizer algo mais profundo sobre esse enunciado. Só através da análise lógica poderei resolver esse problema gerado pela linguagem. O problema está em pensarmos que a proposição é simples, quando na verdade ela é composta. Para o gramático ou para o lingüista trata-se de um enunciado simples porque ele só analisa a relação sujeito predicado (S é P) evidente na estrutura superficial da proposição, mas para o filósofo analítico trata-se de uma proposição composta porque ele vai além da estrutura superficial. Para o filósofo analítico há, nessa proposição, um primeiro enunciado que é o existencial sinalizando para o fato de a França ter atualmente um rei. Alguém atualmente é o rei de França Duas categorias estão evidentes nesse enunciado existencial: a categoria tempo (atualmente) e a categoria lugar (França). Há um segundo enunciado O rei de França é calvo Esse enunciado está condicionado ao primeiro: O resultado da análise dos enunciados simples gera o enunciado composto seguinte: Se alguém é atualmente rei de França, então esse alguém é calvo.

3 3 Esse segundo enunciado apóia-se na categoria circunstância. Uma vez submetido o enunciado ao rigor da análise, podemos dizer que o primeiro enunciado -- Se alguém é atualmente rei da França -- é falso porque a França não tem atualmente um rei, mas o segundo então esse alguém é calvo -- é verdadeiro porque está condicionado ao primeiro. Trata-se de uma categoria circunstancial. Pelas regras da Lógica de procedimentos de decisão para enunciados Verdadeiros e Falsos, vale dizer, pelas regras do cálculo sentencial/proposicional, um enunciado é falso quando o seu antecedente for verdadeiro e seu conseqüente falso. No caso da proposição em questão, o antecedente é falso e o conseqüente é verdadeiro, logo a proposição é verdadeira. Demonstrando: Se [alguém é atualmente rei de França], então [esse alguém é calvo.] P Q F V V A resposta (V/F) depende do conhecimento sobre a atual situação política da França e do conhecimento sobre a atual aparência física do rei da França. O que se tem conhecimento é que, até o início de 1950, a Filosofia analítica tinha como movimento principal o Positivismo lógico. Em 1951, Quine publicou o livro Dois dogmas do Empirismo e a partir daí o movimento do Positivismo lógico enfraqueceu dando origem a outros movimentos em direção à Filosofia analítica. A tarefa da filosofia analítica é a de transcrever com mais clareza os enunciados que se encontram embaraçantes. Traduzir frases por outras sinônimas para explicitar a complexidade real dos conceitos empregados, reconstruir formas verbais que manifestem a lógica do pensamento. A análise filosófica possibilita evidenciar a estrutura verdadeira dos fatos ou dos pensamentos expressos. Cabe aqui uma palavra sobre a Filosofia da Linguagem entendida como um setor da filosofia analítica. À medida que as teorias de Austin e Searle ganharam força na Filosofia analítica, contaminaram os trabalhos dos lingüistas, tornando difícil fazer

4 4 uma distinção entre Filosofia analítica e Filosofia da linguagem. O que se faz hoje em Filosofia da linguagem continua ligado à teoria de Austin sobre a performatividade de alguns verbos quando se trata de atos ilocucionários. Onde a Filosofia analítica e a Filosofia clínica se encontram Lucio Packter reuniu vários métodos filosóficos e os adaptou à clínica filosófica. A vertente da Filosofia analítica que foi acolhida por Packter foi a lingüística. Esses métodos estão relacionados a uma lista de tópicos e submodos 3 elencados por ele para aplicação à historicidade do Partilhante 4, conforme a Estrutura de Pensamento de cada um. Entre esses métodos, encontram-se aqueles voltados para a análise da linguagem: Filosofia analítica, Filosofia da Linguagem, Fenomenologia da linguagem. Dentre esses, destacamos aqui, o Método da Filosofia analítica e a sua importância para a Filosofia clínica. Da mesma maneira que a Filosofia analítica, o objeto de investigação da Filosofia clínica é fundamentalmente a linguagem 5. Essa investigação se faz através da historicidade do Partilhante. Mas há muitos métodos que tratam a linguagem, cada um voltado para obter resultados específicos aos seus objetivos. A Fenomenologia da linguagem, por exemplo, está preocupada em mostrar a linguagem como objeto descritível, vale dizer, como fenômeno. Enquanto fenômeno ela revela o subsistente da historicidade, por si e a partir de si mesmo. Pela linguagem, o relato da história de vida transforma os dados subsistentes (as essências) em existentes (em existência). O subsistente é o repositório privado da existência. É nele que estão as formas de vida do Partilhante. A linguagem torna pública a subsistência, na forma de existência, isto é, o que era essência passa a ser existência. A forma da existência é idêntica à forma da subsistência porque o ser aparece conforme a sua subsistência. Uma coisa não pode aparecer, isto é, existir com a forma de homem se a sua essência ou subsistência é de uma árvore. O que aparece na linguagem tem a forma do que subsiste nessa linguagem. O que se conclui disso é que a essência do trabalho da Filosofia clínica se concretiza a partir da análise da linguagem porque na linguagem, 3 Procedimentos clínicos subordinados à Estrutura de Pensamento, à forma de ser do partilhante. 4 Pessoa que procura o atendimento em um consultório de filosofia clínica. 5 Cf. SILVA. Mariluze Ferreira de Andrade e Silva. Filosofia para Filósofos clínicos/ Métodos Fenomenologia da Linguagem/ Analítica da Linguagem. São João del-rei/mg 2007.

5 5 enquanto fenômeno, aparece a estrutura subsistente do Partilhante em todos os segmentos da sua existência ou em todas as suas formas de vida pública e privada (política, religiosa, econômico-social, crenças etc.). É a linguagem que possibilita caminhar da existência para a essência ou subsistência. A Filosofia da linguagem que caminha junto com a filosofia analítica, está preocupada em investigar problemas que emergem da linguagem. Por exemplo, Austin se preocupou com os atos da fala. Para ele, as palavras descrevem ou informam estados mentais, porém não apenas isso. Elas também realizam outras funções cujos significados lhe recaem conforme as circunstâncias. Se uma pessoa profere a palavra quero em circunstâncias de pedido de casamento, ela não está descrevendo suas atitudes ou sentimentos ou emoções, porém utilizando uma linguagem que faz parte do processo de casar-se com alguém. A resposta quero é, portanto, uma forma de casar-se. Wittgenstein 6 enxergou que o problema filosófico da linguagem estava no seu uso e tentou solucionar esse problema criando a teoria dos jogos de linguagem. Avrum Stroll 7 comenta que o aforismo de Wittgenstgein As palavras só têm sentido dentro do fluxo da vida nos põe a caminho da compreensão de que esse fluxo da vida é de onde os elementos do discurso adquirem seus significados e suas razões ou propósitos. De forma alternativa também denomina essas atividades comuns como jogos de linguagem. Frege enxergou um problema filosófico nas sentenças subordinadas. Ele analisou as sentenças da linguagem natural e chegou à conclusão que nem todas as sentenças introduzidas por conectivos de subordinação são, de fato, subordinadas. Elas são, em sua maioria, logicamente coordenadas. Considerando, como exemplo, a sentença Embora chova, vou ao cinema, analisando sua estrutura superficial, como nos ensina a gramática, Embora chova trata-se de uma sentença subordinada concessiva; entretanto, levando em consideração a análise lógica proposta por Frege, trata-se de uma sentença coordenada e não subordinada. O que está na raiz da sentença, que é o seu pensamento são duas sentenças simples: Chove e vou ao cinema. Esses problemas e outros, enxergados pelos filósofos da linguagem que, na sua maioria também são lógicos, exigem uma análise mais profunda, daí o emprego do método analítico da linguagem para clarificar essas 6 Cf. SILVA, Mariluze ferreira de Andrade e Silva. As contribuições de Wittgenstein à Filosofia clínica. São João del-rei/mg, STROLL, Avrum. La filosofia Analítica del siglo XX. Madri, p.133.

6 6 questões que são questões filosóficas. Nessa análise o que conta é a realidade lingüística. O Filósofo clínico é, antes de tudo, um filósofo analítico da realidade lingüística do Partilhante. É através da análise da linguagem expressa na sua historicidade que o Filósofo clínico chega à compreensão das suas questões existenciais. O Filósofo clínico usa o mesmo procedimento do Filósofo analítico: detecta o problema através da linguagem e submete a linguagem a uma análise rigorosa para clarificar os conceitos. É nesse ponto que a Filosofia analítica se encontra com a Filosofia clínica divergindo, apenas na apresentação e/ou aplicação dos seus resultados: aquela detecta o problema da linguagem, submete-o a uma análise filosófica rigorosa e apresenta os resultados à comunidade científicofilosófica. O Filósofo clínico detecta o problema existencial do Partilhante através da sua linguagem, submete-a a uma análise com a colaboração do próprio Partilhante, aplicando procedimentos criados pela Filosofia clínica, e caminha na direção de obter resultados terapêuticos. No elenco dos tópicos e submodos apresentados por Packter para uso da Filosofia clínica, encontramos alguns que tratam especificamente de problemas da linguagem: Termos universal; particular e singular; Termos unívocos e equívocos; Discurso completo e incompleto; Estrutura de raciocínio; Significado; Expressividade; Tradução. Mas o tratamento dado à linguagem de um Partilhante não se resume, apenas, à presença desses na historicidade. A linguagem enquanto fenômeno (fenomenologia da linguagem) também é submetida a uma análise. É importante que o Partilhante clarifique e torne mais compreensível para o Filósofo clínico o uso dos seus termos. Para isso a Filosofia clínica dispõe do enraizamento que, além de funcionar como um procedimento epistemológico, funciona também como um procedimento analítico da linguagem. Desse modo, tanto a Fenomenologia da linguagem, a que revela o objeto lingüístico, como a Filosofia da linguagem, a que revela o problema da linguagem, são, na prática filosófica, vale dizer, na Filosofia clínica, submetidas ao crivo da Filosofia analítica. É importante lembrar que a parte da Filosofia analítica inserida no Método da Filosofia clínica não foi, portanto, a do Positivismo lógico, porque, como vimos acima, ele se restringe a analisar com rigor apenas a linguagem da ciência. Da Filosofia analítica, foi a Filosofia lingüística que Packter achou conveniente ao Método da Filosofia clínica porque ela analise toda e qualquer linguagem expressa

7 7 na historicidade do Partilhante. A realidade lingüística de um Partilhante alcança várias formas de vida: forma de vida política, religiosa, econômica, social e outras. Tendo isso em vista, o instrumento mais eficaz para análise da linguagem, clarificador dos conceitos e significados presentes na linguagem do Partilhante é a Filosofia analítica lingüística. A Historicidade, de modo geral, apresenta-se carregada de várias formas de vida, portanto de várias linguagens que revelam o mundo existencial do Partilhante e a análise dessas linguagens é importante para que o Filósofo clínico compreenda esses mundos. A análise da linguagem, no domínio da Filosofia clínica, desempenha a mesma atividade da análise no domínio da Filosofia lingüística, vale dizer, ela clarifica os conceitos e problemas filosóficos evidenciados na Historicidade do partilhante, liberta o pensamento das armadilhas da linguagem para que ele possa se desenvolver de forma mais clara; traduz frases por outras sinônimas para explicitar a complexidade real dos conceitos empregados, reconstrói formas verbais que manifestam a lógica do pensamento e possibilita evidenciar a estrutura verdadeira dos eventos ou dos pensamentos expressos. Para o Filósofo clínico é importante O que (o Partilhante) quer dizer? e Como (o Partilhante) conhece?. A partir dessas duas questões, abrem-se novas investigações conceituais em direção aos fundamentos. Quanto à Filosofia da linguagem entendida como um setor da filosofia analítica, ela é importante para a Filosofia clínica à medida que trata dos aspectos semânticos e sintáticos da linguagem, de forma pragmática. Além disso, a Filosofia da Linguagem possibilita ao Filósofo clínico perceber os elementos sócio-culturais que se relacionam com o Partilhante, a partir do uso que ele faz da linguagem no ato da comunicação. É nosso entendimento que, entre os problemas da linguagem levantados e discutidos pelos filósofos da linguagem, tanto a performatividade como a referência encontradas na teoria dos atos ilocucionários do Austin, autor tratado acima, colaboram para a compreensão da linguagem expressa na Historicidade do partilhante. A performatividade porque trata da forma como o Partilhante usa os verbos e a referência porque mostra como o Partilhante designa ou se refere a algum objeto do mundo exterior. Os resultados das discussões desses problemas lingüísticos transformam-se em ferramentas que auxiliam o Filósofo clinico compreender analiticamente o mundo existencial do Patilhante, através de suas linguagens.

8 8 Referência Bibliográfica básica MORA, José Ferrater. A Filosofia analítica: mudança de sentido em Filosofia. Porto: RÉS Editora, s/d. PACKTER, Lucio. Cadernos de Filosofia clínica. Porto Alegre. Instituto Packter. Leituras recomendadas HANNA, Robert. Kant e os Fundamentos da Filosofia Analítica. São Leopoldo. RS. Editora Unisinos SILVA. Mariluze Ferreira de Andrade e Silva. Filosofia para Filósofos clínicos/ Métodos Fenomenologia da Linguagem/ Analítica da Linguagem. São João del-rei/mg As contribuições de Wittgenstein à Filosofia clínica. São João del- Rei/MG, STROLL, Avrum. La filosofia Analítica del siglo XX. Madri, WITTGENSTEIN, L. Investigações Filosóficas. Vozes: Petrópolis, 1996.

Vocabulário Filosófico Dr. Greg L. Bahnsen

Vocabulário Filosófico Dr. Greg L. Bahnsen 1 Vocabulário Filosófico Dr. Greg L. Bahnsen Tradução: Felipe Sabino de Araújo Neto / felipe@monergismo.com GERAL Razão: capacidade intelectual ou mental do homem. Pressuposição: uma suposição elementar,

Leia mais

Husserl, Heidegger e a

Husserl, Heidegger e a Husserl, Heidegger e a fenomenologia Mariângela Areal Guimarães, professora de Filosofia do Instituto Federal do Rio de Janeiro - IFRJ, Doutora em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro

Leia mais

FILOSOFIA 11º ano O CONHECIMENTO E A RACIONALIDADE CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA

FILOSOFIA 11º ano O CONHECIMENTO E A RACIONALIDADE CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA FILOSOFIA 11º ano O CONHECIMENTO E A RACIONALIDADE CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA Governo da República Portuguesa Descrição e interpretação da atividade cognoscitiva 1.1 Estrutura do ato de conhecer 1.2 Análise

Leia mais

Algumas considerações sobre a primeira pessoa segundo a filosofia intermediária de Wittgenstein

Algumas considerações sobre a primeira pessoa segundo a filosofia intermediária de Wittgenstein Algumas considerações sobre a primeira pessoa segundo a filosofia intermediária de Wittgenstein NOME DO AUTOR: Priscilla da Veiga BORGES; André da Silva PORTO. UNIDADE ACADÊMICA: Universidade Federal de

Leia mais

Quine e Davidson. Tradução radical, indeterminação, caridade, esquemas conceituais e os dogmas do empirismo

Quine e Davidson. Tradução radical, indeterminação, caridade, esquemas conceituais e os dogmas do empirismo Quine e Davidson Tradução radical, indeterminação, caridade, esquemas conceituais e os dogmas do empirismo Historiografia e Filosofia das Ciências e Matemática ENS003 Prof. Valter A. Bezerra PEHFCM UFABC

Leia mais

O que é o conhecimento?

O que é o conhecimento? Disciplina: Filosofia Ano: 11º Ano letivo: 2012/2013 O que é o conhecimento? Texto de Apoio 1. Tipos de Conhecimento No quotidiano falamos de conhecimento, de crenças que estão fortemente apoiadas por

Leia mais

Nº da aula 02. Estudo da Sintaxe

Nº da aula 02. Estudo da Sintaxe Página1 Curso/Disciplina: Português para Concurso. Aula: Estudo da Sintaxe: Sujeito. Conceito; Classificações: sujeito determinado e indeterminado - 02 Professor (a): Rafael Cunha Monitor (a): Amanda Ibiapina

Leia mais

Alex Lira. Olá, pessoal!!!

Alex Lira. Olá, pessoal!!! Olá, pessoal!!! Seguem abaixo os meus comentários das questões de Lógica que foram cobradas na prova para o cargo de Agente da Polícia Federal, elaborada pelo Cespe, realizada no último final de semana.

Leia mais

CONHECIMENTO PRÁTICO FILOSOFIA: Como se deu sua formação?

CONHECIMENTO PRÁTICO FILOSOFIA: Como se deu sua formação? A Filosofia Clínica surgiu na década de 1980 a partir de pesquisas feitas por Lúcio Packter. Natural de Porto Alegre, Packter é psicólogo e psicanalista com formação voltada ao humanismo. A ideia da Filosofia

Leia mais

A PROPRIEDADE DE SUPOSIÇÃO NA LÓGICA DE OCKHAM

A PROPRIEDADE DE SUPOSIÇÃO NA LÓGICA DE OCKHAM A PROPRIEDADE DE SUPOSIÇÃO NA LÓGICA DE OCKHAM THE PROPERTY OF SUPPOSITION IN THE LOGIC OF OCKHAM Magno de Souza Simões (LABLE/FAPEMIG UFSJ) Mariluze Ferreira de Andrade e Silva - Orientadora (LABLE/DFIME-UFSJ)

Leia mais

NOTAS DE AULA CONSTRUÇÃO DO MARCO TEÓRICO CONCEITUAL 1

NOTAS DE AULA CONSTRUÇÃO DO MARCO TEÓRICO CONCEITUAL 1 NOTAS DE AULA CONSTRUÇÃO DO MARCO TEÓRICO CONCEITUAL 1 Profa. Gláucia Russo Um projeto de pesquisa pode se organizar de diversas formas, naquela que estamos trabalhando aqui, a problematização estaria

Leia mais

Monica Aiub é filósofa clínica e dirige o Interseção (Instituto de Filosofia Clínica de São Paulo).

Monica Aiub é filósofa clínica e dirige o Interseção (Instituto de Filosofia Clínica de São Paulo). Interfaces da clínica filosófica 1 A clínica filosófica se estabelece a partir do diálogo investigativo, provocando o partilhante a refletir sobre suas questões, a avaliar a construção e o fundamento de

Leia mais

22/08/2014. Tema 6: Ciência e Filosofia. Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes. Ciência e Filosofia

22/08/2014. Tema 6: Ciência e Filosofia. Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes. Ciência e Filosofia Tema 6: Ciência e Filosofia Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes Ciência e Filosofia Ciência: vem do latim scientia. Significa sabedoria, conhecimento. Objetivos: Conhecimento sistemático. Tornar o mundo compreensível.

Leia mais

A REVOLUÇÃO CARTESIANA. Apresentação baseada principalmente em Friedrick Copleston: History of Philosophy, vol. IV.

A REVOLUÇÃO CARTESIANA. Apresentação baseada principalmente em Friedrick Copleston: History of Philosophy, vol. IV. A REVOLUÇÃO CARTESIANA Apresentação baseada principalmente em Friedrick Copleston: History of Philosophy, vol. IV. Descartes (1596-1650) foi educado por jesuítas. Ele iniciou a filosofia moderna com um

Leia mais

CRÍTICA DE HEIDEGGER A DESCARTES

CRÍTICA DE HEIDEGGER A DESCARTES CRÍTICA DE HEIDEGGER A DESCARTES Guilherme Devequi Quintilhano Orientador: Prof. Dr. Eder Soares Santos RESUMO Nesta comunicação será apresentada uma crítica de Martin Heidegger, filósofo contemporâneo,

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos É EQUÍVOCO CLASSIFICAR A ORAÇÃO SUBJETIVA COMO SUBORDINADA Francisco Dequi RESUMO O autor, por meio de exemplificação clara, mostrará que a oração tradicionalmente classificada como oração subordinada

Leia mais

Expressões e enunciados

Expressões e enunciados Lógica para Ciência da Computação I Lógica Matemática Texto 2 Expressões e enunciados Sumário 1 Expressões e enunciados 2 1.1 Observações................................ 2 1.2 Exercício resolvido............................

Leia mais

Competências globais a serem adquiridas na série

Competências globais a serem adquiridas na série PLANO DE ENSINO - 2016 Disciplina: Língua Portuguesa 9º ANO Professor: Ricardo Andrade Competências globais a serem adquiridas na série.fundamentar uma aprendizagem significativa, desenvolvendo múltiplas

Leia mais

LÓGICA I. André Pontes

LÓGICA I. André Pontes LÓGICA I André Pontes 1. Conceitos fundamentais O que é a Lógica? A LÓGICA ENQUANTO DISCIPLINA Estudo das leis de preservação da verdade. [Frege; O Pensamento] Estudo das formas válidas de argumentos.

Leia mais

Resumo: A grande maioria dos dilemas filosóficos, só

Resumo: A grande maioria dos dilemas filosóficos, só Filosofia Clínica e Exames Categoriais Contribuições de Ryle para a Filosofia Clínica, em especial para os exames Categoriais. Vera Lucia Laporta Analista junguiana e Especialista em Formação em Filosofia

Leia mais

Universidade Federal de Roraima Departamento de matemática

Universidade Federal de Roraima Departamento de matemática Universidade Federal de Roraima Departamento de matemática Metodologia do Trabalho Científico O Método Cientifico: o positivismo, a fenomenologia, o estruturalismo e o materialismo dialético. Héctor José

Leia mais

Acompanhamento Fonoaudiológico Para Crianças Com Dificuldades. de Aprendizagem

Acompanhamento Fonoaudiológico Para Crianças Com Dificuldades. de Aprendizagem Acompanhamento Fonoaudiológico Para Crianças Com Dificuldades de Aprendizagem CORDEIRO, Ingrydh FIGUEIREDO, Luciana Centro de Ciências da Saúde/ Departamento de Fonoaudiologia PROBEX Resumo Levando em

Leia mais

CURSO DE DIREITO. Professor: Ana Paula dos Santos Lima Titulação: Doutora em Ensino, Filosofia e História das Ciências pela UFBA/ UEFS PLANO DE CURSO

CURSO DE DIREITO. Professor: Ana Paula dos Santos Lima Titulação: Doutora em Ensino, Filosofia e História das Ciências pela UFBA/ UEFS PLANO DE CURSO CURSO DE DIREITO Componente Curricular: Filosofia Código: DIR-112 CH Total: 60 h Pré-requisito: - Período Letivo: 2016.1 Turma: 2º semestre Professor: Ana Paula dos Santos Lima Titulação: Doutora em Ensino,

Leia mais

INTRODUÇÃO À NATUREZA DA CIÊNCIA. O conhecimento científico é uma forma específica de conhecer e perceber o mundo!!! 2. A PRINCIPAL QUESTÃO: Modelos

INTRODUÇÃO À NATUREZA DA CIÊNCIA. O conhecimento científico é uma forma específica de conhecer e perceber o mundo!!! 2. A PRINCIPAL QUESTÃO: Modelos INTRODUÇÃO À NATUREZA DA CIÊNCIA 2. A PRINCIPAL QUESTÃO: 1. INTRODUZINDO A QUESTÃO: O QUE É CIÊNCIA, AFINAL????? Modelos Leis Por que estudar natureza da ciência???? Qual a importância desses conhecimentos

Leia mais

Prof. Jorge Cavalcanti

Prof. Jorge Cavalcanti Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia da Computação Matemática Discreta - 01 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti www.twitter.com/jorgecav

Leia mais

Campos Sales (CE),

Campos Sales (CE), UNIERSIDADE REGIONAL DO CARIRI URCA PRÓ-REITORIA DE ENSINO E GRADUAÇÃO PROGRAD UNIDADE DESCENTRALIZADA DE CAMPOS SALES CAMPI CARIRI OESTE DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA DISCIPLINA: Tópicos de Matemática SEMESTRE:

Leia mais

Metodologia Científica CONCEITOS BÁSICOSB

Metodologia Científica CONCEITOS BÁSICOSB Metodologia Científica CONCEITOS BÁSICOSB CURSO DE TECNOLOGIA Metodologia Científica A Atitude Científica As Concepções de Ciência A Ciência na História Classificações de Ciência Tipos de Conhecimentos

Leia mais

MÉTODOS EM PESQUISA 01/07/ INTRODUÇÃO TÓPICOS A SEREM ABORDADOS 1.1 CONCEITO DE MÉTODO. 1. Introdução. 2. Método Indutivo

MÉTODOS EM PESQUISA 01/07/ INTRODUÇÃO TÓPICOS A SEREM ABORDADOS 1.1 CONCEITO DE MÉTODO. 1. Introdução. 2. Método Indutivo DISCIPLINA: METODOLOGIA CIENTÍFICA CURSO: ENGENHARIA AMBIENTAL PROF. ALEXANDRE PAIVA DA SILVA MÉTODOS EM PESQUISA TÓPICOS A SEREM ABORDADOS 1. Introdução 2. Método Indutivo 3. Leis, regras e fases do método

Leia mais

PLANO DE ENSINO ( X ) OBRIGATÓRIA ( ) OPTATIVA. DEPARTAMENTO: Departamento de Filosofia e Métodos. Semestre Letivo: ( X ) Primeiro ( ) Segundo

PLANO DE ENSINO ( X ) OBRIGATÓRIA ( ) OPTATIVA. DEPARTAMENTO: Departamento de Filosofia e Métodos. Semestre Letivo: ( X ) Primeiro ( ) Segundo PLANO DE ENSINO I IDENTIFICAÇÃO CURSO: Teatro MODALIDADE: Graduação DISCIPLINA: Estética ( X ) OBRIGATÓRIA ( ) OPTATIVA DEPARTAMENTO: Departamento de Filosofia e Métodos DOCENTE RESPONSÁVEL: Semestre Letivo:

Leia mais

CONCURSO DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE/2014 FORMULÁRIO DE RESPOSTA AOS RECURSOS - DA LETRA PARA A LETRA

CONCURSO DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE/2014 FORMULÁRIO DE RESPOSTA AOS RECURSOS - DA LETRA PARA A LETRA QUESTÃO: 01 Na argumentação, a autora recorre a todas as estratégias arroladas na questão, exceto a indicada pelo Gabarito. Assim, por exemplo, a dados estatísticos: aqui, dois terços dos usuários ainda

Leia mais

Metafísica: Noções Gerais (por Abraão Carvalho in:

Metafísica: Noções Gerais (por Abraão Carvalho in: : Noções Gerais (por Abraão Carvalho in: www.criticaecriacaoembits.blogspot.com) é uma palavra de origem grega. É o resultado da reunião de duas expressões, a saber, "meta" e "physis". Meta significa além

Leia mais

A Estética é uma especialidade filosófica que visa investigar a essência da beleza e as bases da arte. Ela procura compreender as emoções, idéias e

A Estética é uma especialidade filosófica que visa investigar a essência da beleza e as bases da arte. Ela procura compreender as emoções, idéias e A Estética A Estética é uma especialidade filosófica que visa investigar a essência da beleza e as bases da arte. Ela procura compreender as emoções, idéias e juízos que são despertados ao observar uma

Leia mais

Epistemologia deriva de episteme, que significa "ciência", e Logia que significa "estudo", etimologia como "o estudo da ciência".

Epistemologia deriva de episteme, que significa ciência, e Logia que significa estudo, etimologia como o estudo da ciência. Epistemologia deriva de episteme, que significa "ciência", e Logia que significa "estudo", etimologia como "o estudo da ciência". Epistemologia é a teoria do conhecimento, é a crítica, estudo ou tratado

Leia mais

RELAÇÕES%DE%PRESSUPOSIÇÃO%E%ACARRETAMENTO%NA%COMPREENSÃO% DE%TEXTOS% PRESUPPOSITION%AND%ENTAILMENT%RELATIONS%IN%TEXT% COMPREHENSION%

RELAÇÕES%DE%PRESSUPOSIÇÃO%E%ACARRETAMENTO%NA%COMPREENSÃO% DE%TEXTOS% PRESUPPOSITION%AND%ENTAILMENT%RELATIONS%IN%TEXT% COMPREHENSION% RELAÇÕESDEPRESSUPOSIÇÃOEACARRETAMENTONACOMPREENSÃO DETEXTOS PRESUPPOSITIONANDENTAILMENTRELATIONSINTEXT COMPREHENSION KarinaHufdosReis 1 RESUMO: Partindo das definições de pressuposição e acarretamento,

Leia mais

A LINGUAGEM DO DISCURSO MATEMÁTICO E SUA LÓGICA

A LINGUAGEM DO DISCURSO MATEMÁTICO E SUA LÓGICA MAT1513 - Laboratório de Matemática - Diurno Professor David Pires Dias - 2017 Texto sobre Lógica (de autoria da Professora Iole de Freitas Druck) A LINGUAGEM DO DISCURSO MATEMÁTICO E SUA LÓGICA Iniciemos

Leia mais

PROGRAMA ANUAL DE CONTEÚDOS ENSINO FUNDAMENTAL II - 7ª SÉRIE PROFESSOR EDUARDO EMMERICK FILOSOFIA

PROGRAMA ANUAL DE CONTEÚDOS ENSINO FUNDAMENTAL II - 7ª SÉRIE PROFESSOR EDUARDO EMMERICK FILOSOFIA FILOSOFIA 1º VOLUME (separata) FILOSOFIA E A PERCEPÇÃO DO MUNDO Unidade 01 Apresentação O Começo do Pensamento - A coruja é o símbolo da filosofia. - A história do pensamento. O que é Filosofia - Etimologia

Leia mais

III. RACIONALIDADE ARGUMEN NTATIVA E FILOSOFIA

III. RACIONALIDADE ARGUMEN NTATIVA E FILOSOFIA III. RACIONALIDADE ARGUMEN NTATIVA E FILOSOFIA 1. Argumentação e Lóg gica Formal 1.1. Distinção validade - verdade 1.2. Formas de Inferên ncia Válida. 1.3. Principais Falácias A Lógica: objecto de estudo

Leia mais

Palavras-Chave: Filosofia da Linguagem. Significado. Uso. Wittgenstein.

Palavras-Chave: Filosofia da Linguagem. Significado. Uso. Wittgenstein. SIGNIFICADO E USO NO TRACTATUS Igor Gonçalves de Jesus 1 Resumo: Este trabalho tem por objetivo apresentar o que Wittgenstein, em sua primeira fase de pensamento, mais especificamente em seu Tractatus

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURSO DE FILOSOFIA FAM

EMENTÁRIO DO CURSO DE FILOSOFIA FAM 1 FACULDADE ARQUIDIOCESANA DE MARIANA Rodovia dos Inconfidentes, km 108-35420-000 Mariana MG - Fone: 31 3558 1439 / 3557 1220 Credenciada pelo MEC pela Portaria nº 2.486, de 12 de setembro de 2003 EMENTÁRIO

Leia mais

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PROCESSO SELETIVO PARA ADMISSÂO DE PROFESSORES EM CARÁTER TEMPORÁRIO 2017 PARECER RECURSOS PROVA 2 ENSINO RELIGIOSO 12) Conforme o disposto no DECRETO

Leia mais

Lógica Computacional

Lógica Computacional Aula Teórica 2: Sintaxe da Lógica Proposicional António Ravara Simão Melo de Sousa Departamento de Informática, Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Nova de Lisboa Departamento de Informática,

Leia mais

constituímos o mundo, mais especificamente, é a relação de referência, entendida como remissão das palavras às coisas que estabelece uma íntima

constituímos o mundo, mais especificamente, é a relação de referência, entendida como remissão das palavras às coisas que estabelece uma íntima 1 Introdução Esta tese aborda o tema da relação entre mundo e linguagem na filosofia de Nelson Goodman ou, para usar o seu vocabulário, entre mundo e versões de mundo. Mais especificamente pretendemos

Leia mais

PLATÃO E O MUNDO IDEAL

PLATÃO E O MUNDO IDEAL Introdução: PLATÃO E O MUNDO IDEAL - A importância do pensamento de Platão se deve justamente por conseguir conciliar os mundos: dos Pré-Socráticos, com suas indagações sobre o surgimento do Cosmo (lê-se:

Leia mais

Pensamento e linguagem

Pensamento e linguagem Pensamento e linguagem Função da linguagem Comunicar o pensamento É universal (há situações que nem todos sabem fazer), mas todos se comunicam Comunicação verbal Transmissão da informação Características

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS Disciplina: Língua Portuguesa IV UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS Plano de Curso 2011 Ano / Período: 4 ano 1. EMENTA Introdução aos estudos semânticos e do léxico da língua portuguesa. Abordagem sobre a

Leia mais

Lista 6 - Língua Portuguesa 1

Lista 6 - Língua Portuguesa 1 Lista 6 - Língua Portuguesa 1 Períodos compostos LISTA 6 - LP 1 - PERÍODOS COMPOSTOS Períodos compostos Em listas anteriores, vimos alguns conceitos sintáticos importantes para o domínio da norma culta

Leia mais

Linguagem, Língua, Linguística. Apoio Pedagógico: Estudos Linguísticos I Tutor: Frederico Cavalcante (POSLIN)

Linguagem, Língua, Linguística. Apoio Pedagógico: Estudos Linguísticos I Tutor: Frederico Cavalcante (POSLIN) Linguagem, Língua, Linguística Apoio Pedagógico: Estudos Linguísticos I Tutor: Frederico Cavalcante (POSLIN) e-mail: fredericoa4@gmail.com Encontro 1 Linguagem Linguagem: a capacidade humana de utilizar

Leia mais

Aula 00. Raciocínio Lógico para PCDF. Matemática e Raciocínio Lógico Professor: Guilherme Neves. Prof.

Aula 00. Raciocínio Lógico para PCDF. Matemática e Raciocínio Lógico Professor: Guilherme Neves.  Prof. Aula 00 Matemática e Raciocínio Lógico Professor: Guilherme Neves www.pontodosconcursos.com.br 1 Apresentação Olá, pessoal! Em breve teremos o concurso para Polícia Civil do Distrito Federal. A banca organizadora

Leia mais

ARTIGO. As concepções de desenvolvimento e aprendizagem na teoria psicogenética de Jean Piaget.

ARTIGO. As concepções de desenvolvimento e aprendizagem na teoria psicogenética de Jean Piaget. ARTIGO 13 As concepções de desenvolvimento e aprendizagem na teoria psicogenética de Jean Piaget. Ana Lúcia Jankovic Barduchi Mestre em Psicologia pela USP, Doutoranda em Educação pela Unicamp. Professora

Leia mais

GRATUITO RACIOCÍNIO LÓGICO - EBSERH. Professor Paulo Henrique PH Aula /

GRATUITO RACIOCÍNIO LÓGICO - EBSERH. Professor Paulo Henrique PH Aula / 1 www.romulopassos.com.br / www.questoesnasaude.com.br GRATUITO RACIOCÍNIO LÓGICO - EBSERH Professor Paulo Henrique PH Aula 03 R A C I O C Í N I O L Ó G I C O E B S E R H a u l a 0 2 Página 1 2 www.romulopassos.com.br

Leia mais

Matemática. 1 Semestre. Matemática I 75h. Ementa: Estuda as noções de conjuntos e de funções polinomial, modular, racional, exponencial e logarítmica.

Matemática. 1 Semestre. Matemática I 75h. Ementa: Estuda as noções de conjuntos e de funções polinomial, modular, racional, exponencial e logarítmica. Matemática 1 Semestre Matemática I 75h Ementa: Estuda as noções de conjuntos e de funções polinomial, modular, racional, exponencial e logarítmica. Lógica 60h Ementa: Estuda proposições, análise e discussões

Leia mais

Koch, I. V. O texto e a construção dos sentidos. São Paulo: Contexto, 1997, 124 p.

Koch, I. V. O texto e a construção dos sentidos. São Paulo: Contexto, 1997, 124 p. Koch, I. V. O texto e a construção dos sentidos. São Paulo: Contexto, 1997, 124 p. Resenhado por: Adriana Sidralle Rolim O texto e a construção dos sentidos é um livro que aborda questões referentes ao

Leia mais

4 AULA. Regras de Inferência e Regras de Equivalência LIVRO. META: Introduzir algumas regras de inferência e algumas regras de equivalência.

4 AULA. Regras de Inferência e Regras de Equivalência LIVRO. META: Introduzir algumas regras de inferência e algumas regras de equivalência. 1 LIVRO Regras de Inferência e Regras de Equivalência 4 AULA META: Introduzir algumas regras de inferência e algumas regras de equivalência. OBJETIVOS: Ao fim da aula os alunos deverão ser capazes de:

Leia mais

Caro aluno e cara aluna,

Caro aluno e cara aluna, Caro aluno e cara aluna, Você deverá fazer a leitura do artigo a seguir, que tem relação direta com os aspectos abordados neste primeiro bloco. É importante destacar que foi feita uma adaptação do artigo

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E.S.A.B. ESCOLA SECUNDÁRIA DE AVELAR BROTERO Filosofia 11º Ano Duração: 135m Ano letivo: 2015/2016 Matriz da Prova de Avaliação Sumativa Interna na Modalidade de Frequência não Presencial

Leia mais

Aula6 CONSTRUÇÕES NEGATIVAS. Lêda Corrêa

Aula6 CONSTRUÇÕES NEGATIVAS. Lêda Corrêa Aula6 CONSTRUÇÕES NEGATIVAS META Apresentar construções oracionais negativas da língua portuguesa; discriminar os modos de construções negativas. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: Relacionar

Leia mais

UM CONJUNTO DE TAREFAS SOBRE PORCENTAGEM PARA O 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

UM CONJUNTO DE TAREFAS SOBRE PORCENTAGEM PARA O 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL UM CONJUNTO DE TAREFAS SOBRE PORCENTAGEM PARA O 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Keller Tadeu Lopes Amarildo Melchíades da Silva 1 IEscola Municipal Juscelino Kubitscheck, kellerlopes@ig.com.br 2 Universidade

Leia mais

Curso de extensão em Teoria do Conhecimento Moderna

Curso de extensão em Teoria do Conhecimento Moderna MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO Curso de extensão em Teoria do Conhecimento Moderna (Curso de extensão)

Leia mais

A teoria do conhecimento

A teoria do conhecimento conhecimento 1 A filosofia se divide em três grandes campos de investigação. A teoria da ciência, a teoria dos valores e a concepção de universo. Esta última é na verdade a metafísica; a teoria dos valores

Leia mais

Língua Portuguesa. Professoras: Fernanda e Danúzia

Língua Portuguesa. Professoras: Fernanda e Danúzia Língua Portuguesa Professoras: Fernanda e Danúzia Nesta bimestral você aprendeu sobre diversos conceitos como Morfologia, Sintaxe e Morfossintaxe, e partir desses conceitos vamos revisar os principais

Leia mais

Linguagem e Ideologia

Linguagem e Ideologia Linguagem e Ideologia Isabela Cristina dos Santos Basaia Graduanda Normal Superior FUPAC E-mail: isabelabasaia@hotmail.com Fone: (32)3372-4059 Data da recepção: 19/08/2009 Data da aprovação: 31/08/2011

Leia mais

Ferramenta de apoio a identificação de eventos utilizando Linguagem Natural. Aluno: Ricardo Tomelin Orientador: Everaldo Artur Grahl

Ferramenta de apoio a identificação de eventos utilizando Linguagem Natural. Aluno: Ricardo Tomelin Orientador: Everaldo Artur Grahl Ferramenta de apoio a identificação de eventos utilizando Linguagem Natural Aluno: Ricardo Tomelin Orientador: Everaldo Artur Grahl Roteiro 1. Introdução 2. Objetivos 3. Análise Essencial de Sistemas 4.

Leia mais

O MOVIMENTO DO PENSAMENTO PARA APROPRIAÇÃO CONCEITUAL EM DAVÝDOV

O MOVIMENTO DO PENSAMENTO PARA APROPRIAÇÃO CONCEITUAL EM DAVÝDOV 1 O MOVIMENTO DO PENSAMENTO PARA APROPRIAÇÃO CONCEITUAL EM DAVÝDOV Educação e Produção do Conhecimento nos Processos Pedagógicos Daiane de Freitas 1 Ademir Damazio 2 Introdução O presente trabalho tem

Leia mais

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA OBJETIVOS: 6º ano Usar a Língua Portuguesa como língua materna, para integrar e organizar o mundo e a própria identidade com visão empreendedora e como pensador capaz de

Leia mais

Departamento de Análise Instituto de Matemática, UFF Outubro de 2014

Departamento de Análise Instituto de Matemática, UFF Outubro de 2014 O Paradoxo Departamento de Análise Instituto de Matemática, UFF Outubro de 2014 da mentira Nossa conversa tratará dos seguinte itens: Sumário..... Vou mostrar para vocês como eu entrei no mundo da Lógica

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DAS CONJUNÇÕES SUBORDINATIVAS

CLASSIFICAÇÃO DAS CONJUNÇÕES SUBORDINATIVAS CLASSIFICAÇÃO DAS CONJUNÇÕES SUBORDINATIVAS CAUSAIS Principais conjunções causais: porque, visto que, já que, uma vez que, como (= porque). Exemplos: - Não pude comprar o CD porque estava em falta. - Ele

Leia mais

PROGRAMA DE CONTEÚDOS 2014

PROGRAMA DE CONTEÚDOS 2014 C O L É G I O L A S A L L E Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Guarani, 000 - Fone (05) 5-6 - Fax (05) 79-58 http://www.lasalle.edu.br/toledo/ DISCIPLINA: PROFESSOR(A): E-MAIL: PROGRAMA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular PERÍODO: 1º FL211- HISTORIA DA FILOSOFIA ANTIGA 1 OBRIG 60 0 60 4.0 Fórmula: FL233 FL233- HISTORIA DA FILOSOFIA ANTIGA FL252- INICIACAO A PESQUISA FILOSOFICA OBRIG 60 0 60 4.0 A PESQUISA: SUA CARACTERIZAÇÃO;

Leia mais

Raciocínio Lógico Matemático

Raciocínio Lógico Matemático Raciocínio Lógico Matemático Cap. 4 - Implicação Lógica Implicação Lógica Antes de iniciar a leitura deste capítulo, verifique se de fato os capítulos anteriores ficaram claros e retome os tópicos abordados

Leia mais

Elementos de Lógica Matemática p. 1/2

Elementos de Lógica Matemática p. 1/2 Elementos de Lógica Matemática Uma Breve Iniciação Gláucio Terra glaucio@ime.usp.br Departamento de Matemática IME - USP Elementos de Lógica Matemática p. 1/2 Vamos aprender a falar aramaico? ǫ > 0 ( δ

Leia mais

RESENHA / REVIEW COMPUTADORES E LINGUAGENS NAS AULAS DE CIÊNCIAS

RESENHA / REVIEW COMPUTADORES E LINGUAGENS NAS AULAS DE CIÊNCIAS RESENHAS REVIEWS RESENHA / REVIEW COMPUTADORES E LINGUAGENS NAS AULAS DE CIÊNCIAS GIORDAN, Marcelo. Computadores e Linguagens nas aulas de Ciências: uma perspectiva sociocultural para compreender a construção

Leia mais

Sistemas especialistas Fuzzy

Sistemas especialistas Fuzzy Sistemas Fuzzy Sistemas especialistas Fuzzy Especialistas Senso comum para resolver problemas Impreciso, inconsistente, incompleto, vago Embora o transformador esteja um pouco carregado, pode-se usá-lo

Leia mais

TCC - Trabalho de Conclusão de Curso

TCC - Trabalho de Conclusão de Curso TCC - Trabalho de Conclusão de Curso Prof. Ms. Samuel Henrique Bucke Brito prof@shbbrito.net Discussão do Trabalho Científico 1 Objetivo do Trabalho de Conclusão Desenvolver um projeto de pesquisa na área

Leia mais

Algumas vantagens da Teoria das Descrições Definidas (Russel 1905)

Algumas vantagens da Teoria das Descrições Definidas (Russel 1905) Textos / Seminário de Orientação - 12 de Março de 2005 - Fernando Janeiro Algumas vantagens da Teoria das Descrições Definidas (Russel 1905) Assume-se que o objecto de uma teoria semântica é constituído

Leia mais

contextualização com a intenção de provocar um melhor entendimento acerca do assunto. HEGEL E O ESPÍRITO ABSOLUTO

contextualização com a intenção de provocar um melhor entendimento acerca do assunto. HEGEL E O ESPÍRITO ABSOLUTO AVISO: O conteúdo e o contexto das aulas referem-se aos pensamentos emitidos pelos próprios autores que foram interpretados por estudiosos dos temas expostos. Todo exemplo citado em aula é, meramente,

Leia mais

Introdução. Eduardo Ramos Coimbra de Souza

Introdução. Eduardo Ramos Coimbra de Souza Introdução Eduardo Ramos Coimbra de Souza SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros SOUZA, ERC. Introdução. In: Schopenhauer e os conhecimentos intuitivo e abstrato: uma teoria sobre as representações

Leia mais

DireçãoGeral de Estabelecimentos Escolares AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PÓVOA DE LANHOSO

DireçãoGeral de Estabelecimentos Escolares AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PÓVOA DE LANHOSO INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FRANCÊS 9ºano Prova 16-2017 3.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei nº 139/2012, de 05 de julho) 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características

Leia mais

COLÉGIO CENECISTA DR. JOSÉ FERREIRA LUZ, CÂMERA, REFLEXÃO

COLÉGIO CENECISTA DR. JOSÉ FERREIRA LUZ, CÂMERA, REFLEXÃO COLÉGIO CENECISTA DR. JOSÉ FERREIRA LUZ, CÂMERA, REFLEXÃO UBERABA - 2015 PROJETO DE FILOSOFIA Professor coordenador: Danilo Borges Medeiros Tema: Luz, câmera, reflexão! Público alvo: Alunos do 9º ano do

Leia mais

QUESTIONAR OU AFIRMAR? EM QUE DEVE SE PAUTAR O PROFESSOR? Elaine Prodócimo FEF-UNICAMP, NEPICC

QUESTIONAR OU AFIRMAR? EM QUE DEVE SE PAUTAR O PROFESSOR? Elaine Prodócimo FEF-UNICAMP, NEPICC QUESTIONAR OU AFIRMAR? EM QUE DEVE SE PAUTAR O PROFESSOR? Elaine Prodócimo FEF-UNICAMP, NEPICC Curiosidade é uma coceira nas idéias (Ruben Alves) As crianças são naturalmente curiosas, querem saber, perguntam,

Leia mais

26/08/2013. Gnosiologia e Epistemologia. Prof. Msc Ayala Liberato Braga GNOSIOLOGIA: TEORIA DO CONHECIMENTO GNOSIOLOGIA: TEORIA DO CONHECIMENTO

26/08/2013. Gnosiologia e Epistemologia. Prof. Msc Ayala Liberato Braga GNOSIOLOGIA: TEORIA DO CONHECIMENTO GNOSIOLOGIA: TEORIA DO CONHECIMENTO Gnosiologia e Epistemologia Prof. Msc Ayala Liberato Braga Conhecimento filosófico investigar a coerência lógica das ideias com o que o homem interpreta o mundo e constrói sua própria realidade. Para a

Leia mais

LISTA DE CONTEÚDOS PARA RECUPERAÇÃO FINAL Professor: Airton José Müller Componente Curricular: Filosofia

LISTA DE CONTEÚDOS PARA RECUPERAÇÃO FINAL Professor: Airton José Müller Componente Curricular: Filosofia LISTA DE CONTEÚDOS PARA RECUPERAÇÃO FINAL - 2015 Professor: Airton José Müller Componente Curricular: Filosofia 7º Ano Filósofos Clássicos. A filosofia clássica. Sócrates de Atenas: o poder das perguntas

Leia mais

Para uma análise do livro didático de química proposto pela SEED, por meio de processos cognitivistas, primeiro faremos um pequeno exercício.

Para uma análise do livro didático de química proposto pela SEED, por meio de processos cognitivistas, primeiro faremos um pequeno exercício. Para uma análise do livro didático de química proposto pela SEED, por meio de processos cognitivistas, primeiro faremos um pequeno exercício. A CLASSIFICAÇÃO DOS OBJETIVOS EDUCACIONAIS Seu estudo é de

Leia mais

Revisão de Metodologia Científica

Revisão de Metodologia Científica Revisão de Metodologia Científica Luiz Eduardo S. Oliveira Universidade Federal do Paraná Departamento de Informática http://lesoliveira.net Luiz S. Oliveira (UFPR) Revisão de Metodologia Científica 1

Leia mais

Por Tatiane Taís Pereira da Silva *

Por Tatiane Taís Pereira da Silva * ISSN 0103-636X 337 CARDOSO, V. C. A cigarra e a formiga: uma reflexão sobre educação matemática brasileira na primeira década do século XXI. 2009. 212f. Tese (Doutorado em Educação) Faculdade de Educação,

Leia mais

RECURSO PROVA OBJETIVA EDITAL 02/2016- SOCIOLOGIA BARBACENA Dia: 07/09/2016 RECURSO DA QUESTÃO 08

RECURSO PROVA OBJETIVA EDITAL 02/2016- SOCIOLOGIA BARBACENA Dia: 07/09/2016 RECURSO DA QUESTÃO 08 1 RECURSO PROVA OBJETIVA EDITAL 02/2016- SOCIOLOGIA BARBACENA Dia: 07/09/2016 RECURSO DA QUESTÃO 08 Conforme será comprovado na literatura indicada para o concurso EDITAL 02/2016 SOCIOLOGIA, a questão

Leia mais

1. Princípio da não-contradição: Uma proposição não pode ser verdadeira e falsa

1. Princípio da não-contradição: Uma proposição não pode ser verdadeira e falsa Raciocínio Lógico Lógica estuda as formas ou estruturas do pensamento, isto é, seu propósito é estudar e estabelecer propriedades das relações formais entre as proposições. DEFINIÇÃO: Proposição: conjunto

Leia mais

METODOLGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA

METODOLGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação METODOLGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Prof. José Geraldo Mill Diretor de Pós-Graduação A origem do conhecimento Conhecer: É buscar explicações para os fatos que podem

Leia mais

DESCARTES E A FILOSOFIA DO. Programa de Pós-graduação em Educação UEPG Professora Gisele Masson

DESCARTES E A FILOSOFIA DO. Programa de Pós-graduação em Educação UEPG Professora Gisele Masson DESCARTES E A FILOSOFIA DO COGITO Programa de Pós-graduação em Educação UEPG Professora Gisele Masson René Descartes (1596 1650) 1650) Ponto de partida - Constatação da crise das ciências e do saber em

Leia mais

SUMÁRIO INTRODUÇÃO 3 1 EPISTEMOLOGIA CRÍTICA 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS 8 REFERÊNCIA 9

SUMÁRIO INTRODUÇÃO 3 1 EPISTEMOLOGIA CRÍTICA 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS 8 REFERÊNCIA 9 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 3 1 EPISTEMOLOGIA CRÍTICA 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS 8 REFERÊNCIA 9 3 INTRODUÇÃO Este trabalho enfoca o tema epistemologia crítica e foi elaborado segundo a técnica de resumo do texto com

Leia mais

HABILIDADES DO 1 o TRIMESTRE DE os ANOS

HABILIDADES DO 1 o TRIMESTRE DE os ANOS HABILIDADES DO 1 o TRIMESTRE DE 2015 6 os ANOS LÍNGUA PORTUGUESA 1 Analisar a norma padrão em funcionamento no texto. 2 Distinguir os diferentes recursos da linguagem, utilizados em variados sistemas de

Leia mais

SERGIO LEVI FERNANDES DE SOUZA. Principais mudanças da revolução copernicana e as antinomias da razão pura.

SERGIO LEVI FERNANDES DE SOUZA. Principais mudanças da revolução copernicana e as antinomias da razão pura. SERGIO LEVI FERNANDES DE SOUZA Principais mudanças da revolução copernicana e as antinomias da razão pura. Santo André 2014 INTRODUÇÃO Nunca um sistema de pensamento dominou tanto uma época como a filosofia

Leia mais

FUNDAMENTOS DE UMA METODOLOGIA DE ENSINO DA TRADUÇÃO 1 2. Maria Candida Bordenave

FUNDAMENTOS DE UMA METODOLOGIA DE ENSINO DA TRADUÇÃO 1 2. Maria Candida Bordenave FUNDAMENTOS DE UMA METODOLOGIA DE ENSINO DA TRADUÇÃO 1 2 Maria Candida Bordenave Até há pouco tempo a tradução constituía ou era vista como uma prática improvisada por pessoas que falassem duas línguas.

Leia mais

Morfologia, Sintaxe e Morfossintaxe substantivo, verbo, Morfologia. Morfologia classes gramaticais

Morfologia, Sintaxe e Morfossintaxe substantivo, verbo, Morfologia. Morfologia classes gramaticais Língua Portuguesa Nesta bimestral você aprendeu sobre diversos conceitos como Morfologia, Sintaxe e Morfossintaxe, e partir desses conceitos vamos revisar os principais assuntos estudados. Quando falamos

Leia mais

O ENSINO DAS CONJUNÇÕES NUMA PERSPECTIVA SINTÁTICO-SEMÂNTICA

O ENSINO DAS CONJUNÇÕES NUMA PERSPECTIVA SINTÁTICO-SEMÂNTICA O ENSINO DAS CONJUNÇÕES NUMA PERSPECTIVA SINTÁTICO-SEMÂNTICA Renato de ARAUJO renatoozem@gmail.com DLA UEPB Linduarte Pereira Rodrigues (UEPB) linduarte.rodrigues@bol.com.br DLA/PPGFP UEPB 1 INTRODUÇÃO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTANEIRA - CE DECISÃO DOS RECURSOS CONTRA GABARITO PRELIMINAR I DOS RECURSOS

PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTANEIRA - CE DECISÃO DOS RECURSOS CONTRA GABARITO PRELIMINAR I DOS RECURSOS PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTANEIRA - CE DECISÃO DOS RECURSOS CONTRA GABARITO PRELIMINAR I DOS RECURSOS Trata-se de recursos interpostos pelos candidatos infra relacionados, concorrentes ao cargo, ASSISTENTE

Leia mais

Proposta de Desenvolvimento de Modelos Computacionais e Estratégias para sua Integração em Disciplinas dos Cursos de Graduação em Física e Biologia

Proposta de Desenvolvimento de Modelos Computacionais e Estratégias para sua Integração em Disciplinas dos Cursos de Graduação em Física e Biologia Proposta de Desenvolvimento de Modelos Computacionais e Estratégias para sua Integração em Disciplinas dos Cursos de Graduação em Física e Biologia Mariana Rampinelli & Michelle Oliveira PIBIC/CNPq Laércio

Leia mais

TEORIA E CRÍTICA LITERÁRIA SÉCULO XX

TEORIA E CRÍTICA LITERÁRIA SÉCULO XX TEORIA E CRÍTICA LITERÁRIA SÉCULO XX Abordagens extrínsecas Literatura e Biografia Tese: a biografia do autor explica e ilumina a obra. Objeções: 1) O conhecimento biográfico pode ter valor exegético,

Leia mais

Exercícios de lógica -sensibilização

Exercícios de lógica -sensibilização Exercícios de lógica -sensibilização 1. Lógica matemática: Qual a lógica da seqüência dos números e quem é x? 2,4,4,6,5,4,4,4,4,x? 2. Charadas: lógica filosófica. Um homem olhava uma foto, e alguém lhe

Leia mais

PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO

PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO O período composto por coordenação é constituído por orações coordenadas. Chamamos oração coordenada por não exercer nenhuma função sintática em outra oração, daí ser chamada

Leia mais

REVISÃO DE ANÁLISE SINTÁTICA Período composto

REVISÃO DE ANÁLISE SINTÁTICA Período composto REVISÃO DE ANÁLISE SINTÁTICA Período composto Professora Melina 9º. Ano Relembrando... ORAÇÃO Enunciado organizado em torno de um verbo. Você abre a janela. PERÍODO SIMPLES frase formada por uma só oração.

Leia mais