~ ~ ,,..,." das unidades efetuadanaquelemes, para que sejam calcu-

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "~ ~ ,,..,." das unidades efetuadanaquelemes, para que sejam calcu-"

Transcrição

1 ..~ Ed9~fcl r'kju~:b5cs Tlbc;jjo r'l'1:.rn C. T:V:lfCS.: Tu})U:\o ).ub$1luto. ~ f..;.l...1 ; '.' :. ~...llh.\ol... (;lvl.lll1. 1.\.' ltlh..: 7.O 3G<'J '4110 (.4 19 '40 (7G~ Sucu.. ~: TLdJo rub~llruo: Jo.:6 MOnlOrtlono ho \.dlhco U 11.. lcl;)').l:... l) 1 1 'J~tlJU.'l' t'j.oo... et...: 6 ~\~' ~ ~ aprecar recurso de cohdomno'serao paga~ por este S9 0 recurso for desprovdo;~ GAPlTULO' V DA ~DMNSTRAQAO Art. 16 Uma vez fornecdo 0 habtese a~ despesas con J _ domnas de cada apartamento passarao a correr por conta dos respectvos cond~mnos adqurentes das u.'1dade~j dentro do fator de proporconaldade) cuja fragao ter~ como numerador 0 masmo dafragao correspondente a unlda~ de e como denoronador a.~ soma dos numeradores das fra~oes das. undaaes a epoca ja alenadas pela ncorporadora;.. '10 Mensalmente e ate a venda da ultma undade pela ncorporador~... es~acomuncara ao Condomno a alenagao das undades efetuadanaquelemes para que sejam calcu lados os novos fatores ~.~ proporconaldade para 0 rateo das despesas condomna's; 2 Q A admnstra~ao 'do ed1 fco cabera a ncorpor~~ora ate a nstalaqao do refer do condomno fcando a ncorporadora com poderes p~ra:. a efetuar despesas necessaras' a canservaq~ do predo ' '.. para sso podendo eontrata~ funconaros e demas ques. :1. tos necessaros tas como fornecmento de energa. conserva~ao de elevador~s \aquslg~o de materal de lm~eza etc.;. b efetuar os pagamantos das despesas prevstaw no tem anteror em nom\~ do condomno promovend9 msns~lm6nte a rateo QM de~p6sas) dgo.das despesas r'eal..... zadas entre os apartamentos e cobranqo de cada condomno t sua cota t de acordo com 0 cap~t deste artgo; c repre r. 'sentar 0 condomno legalmente perante qualqu~r repart. :... ~ao publca ou nsttugao em juzo ou fora dests; Art~. 17 A admnstragao do edfco) apos 0 prazo acma de ~ tsrmnado cabera a urn Sndeo condomno au naa elata e~ assemblea' geral ordharla' 'pelo prazo de um ano po dendo ser reeleto; UNCO ' Ao sndco compete: a r~.:. :.!.j ';'1 ; : ~ :~. ~ ~L ~! ; fl :1. }: :1[1.: +ll ':1'\;!: ~;. '.;' :1'. ':! ;.; ~; :. ;;.1) ;!... :'. :: ~ (; ;; ~:.! ~ : : '! ~.. ': jl ~. : ') ;1' 11\ 1:1 \

2 ~ ~ representar os condomlnos em ju00 ou fora dele atva ou passvamente em tudo que S6 referr aos assqntos de nteresse dacomwlhao; b superntender a admnstra~ao do. edfco c cumprr a fazer cumprr a le a presents convenc;ao e as delberagoes daa asslhnbleas;. d Admtr e pemtr empregados bern como fxar a respectva remuq& ra~ao; e Ordenar reparos 'urgentes ou adqurr 0 que s~ ja necessara a seguranqa au conserva'tao do edfco ate a lmte mensal de 5 salaros mnmos) ou ate 10 salaros '... #\ mnmos com a anuenca do Conselho. Consultvo e com pre... va aprova~ao de assemblea especalmente ronvocadase.. exceder destas mportancas; f EX6cutar felmenteas... dspasqoes or~amentaras aprovadas pelas assembleas; g Convocar.as assembleas geras ordnaras nasepocas propr'as' e as extraordnl1ras quando julga' convenente ou he for r~querdo fundamentalmente por um grupo de no A mnmo 1/4 dos.condornnos; h). Prestar a qualquer tempo nformaqoes sabre as atos d~admnlstra~ao; ) Prestar a \.. lassemblea contas de s~a gestao acompanhada da documenta~ao respectva e oferecer praposta de or~amento para' 0....'. exercco segunte; j) Manter em da a escrtura~ao da.'. despesa e da receta do condomno;; 1) cobrar nclusve ~ em juzo as cotas que couberem em rateo aos cond mnos... () nas despesas normas ou extraordnaras do edfco aprq vadas pelas essemblea bem como as Dultas mpostas por n.fra~.ao de dsposqoes legas au desta Conven~aa;. m) ~omuncar a assemblea as ctagoes que receber;. n) P.roc '\ rar par meos suass;ros d1rmrdverg~ncas entre as condomnos;. 0) Entrcgar ao seu sucessor todos os lvros docume~tos a pertences em seu poderj p) Elaborar 0 regu.... lamento' nterno do edfc.o e submetelo a aprovagao da '\' : l::;. ~ 't 'l ';:'\ l' ' 1. ;;: '}: ~l:.j' '. :: 1:1' '[' :; '.1 ~ :.. t!. :1. 1.r.1 ';: ~.' ;~ t 'J; :; f! ~

3 r <.' t:..l:~j:l; l; '''' :''(~.. ~... Tab<;;juo r..4!'lo C T ~~.::. 1.1~... :llc~ r.\lh:'luno. ':.f.... 1\... ' ' J.' ~~.. ~h ~.: H.'.:.. v '1 n; 2';0 JC;C~ :.'(0 (4 1!J :'4( C.7C!' Sc\Jr'~. 'l.lt~l:('l ::ut#lrr.t1\;~o Jos.~ MonlurfDno l J 1'( (J' ol.l!uc.. of...1' \ : 1~.: :J:t (Jt.l'. (.N''':'.''' '' ;'.\ \~'J 1 7 qa assedlb1~a geral em sessao extraordn~ra; l\rt Sndco podera delogar suas fun~oes admnstratvas:a terceros de sua confan~a) mas sob exclus~va respons~b1. ~ ldade sua; Art sndco dura~te'o exerclco do. cargo tera dreto a remunera~ao que he for ~xada pel~ Assemblea que 0 e1eger~ Art. 20 Nos seus mpedfuentos.. event~as 0 sndeo sera substtudo pelo subsndco.~..... Em caso de vaga) a assemblea elegera outro que exereera.. seu mandato. pelo tempo restante. Em caso de dest tu~ao ~ o sndco prestara medatamente contas de sua gestao;. Art sndco nao 6 responsaval pessoalmente pelas obrgaqoes contradas em nome do condomna desde que tenha agdo no 'exercco regular. de suas atrbu~oes.~ / ' Respondera porem pslo excesso de representaqao e pelos prejuzos a que der causa por dolo ou culpa; Art. 22 Ao portero ou zelad~r)'nomeado pelo sndco do ed1fco e eonsdarado empreg~do do condomno) compete: a man... ter serv~o permanen~e de portara a exercer vglanca contnua do edfco;; b manter em per'reta condqoes /... de. conserva~ao e ass'~10 as partes comwls do edfcoj. c.:..... abrr a porta prncpal do edfco as 7:00 hs e fecha... la as 22: 00 hs dar:~ente; d acender e apagar as.!! zes das partes comuns do edfco e guarda~ as' chaves.... de entrada e das.dep~ndencas comuns do edfco; f r~... ceber eorrespondenc~e encomendas destnadas ao edfco... ou aos condomnos c?locandoas nos escannhos respect vos ou encamnhandoas aos destnataros; g _. determnar as tarefas e atrbugoes dos dewas empregados do edflco e fsealzar 0 seu comparecmento ao ar dgo ao se~ ~. vgo;. h _. comuncar ao sndco m~dlatamente quasquer rregula.rdades havldas 'no edtco ou na sua: utlzaqao 'd;: '. ~ ;. ; ; j :1 ' ' :'j. 1: '::.. :.. ;.j ~..: ;;.. :1 'E 1

4 .. utlzaqao peos condomlnos't bem como ~ualquer crcun~ tanca:que the pare~a anormal; ) executar as nstru~o s do snaco; j exercer 0 polcamento nterno do 'edf. co; Art. 23 Juntamente com 0 sndeo sera elata pela asseroblea um subsndco que alem de substtur 0 s1n deo em suas faltas e mpedmentos com ele cooperare na.. '... admnstra<;;ao do edfeo;: CAPTOLO V. DO' CONSELHO CON. SULTVO Art. 24 ~ Anualmente a assemblea geral ordn~. n ra elegera 0 Conselho.Consultvo composto de tres memb~os efetvos e tres suplentes;'entr~ os condomnos OS quas exercerao gratutamente as suas fungoes' cabendo ~ aos suplentes~ exercer automat1camente a subst1tugao dos membros efetvos; Art. 25 Compete ao Conselho Consult1 vo: a ~ fscalzar as atvdades:do sndca OU seus pr~ ; pastas e examnar as suascontas relatoro e comprovao. tes;: b n comuncar aos eondomnos por carta'reglstrad~ ou protocolada t as'rregulardades havdas na gestao do condomno;. c' dar parecer sebre as contas do sndeo e '.' do admnstraaor) bem como sobre a proposta de orr;amento para 0 subsequente exereco nformando a assembl~a. geral;: d assessorar' 0 sndco' na solu~ao dos problemas ' do condomna;: e opn \r nos asswltos' pessoals entre a..r.. sndco e os condomnos;: f '. dar parecer em materel'? re ; tva a despesas Extraordnaras; g autor1zar 0 sndco ' a realzar' despesas urgentes ate' 10 salarms mnmos; CA PlTULO V DO ORQAMENTO DO CONDOMNO. 'Art. 26 Cons. ttuem despesas comuns do edfeo: a as relatlvas.a... consarva~ao lmpeza reparar;oes e reconstrur;oes das pa~ ~ tas e cosas comuns e dependenclas do edflco;. b as': / A. relatvas a resdenca do zelador; c as relatvas'a m /' :' 1 '..' ( ;: ' ' n~teng&o das partes e cosas comuns; d premo do'se ': ' ; 1 : : ~! ::' ;1;' :'11:

5 L:...J'~~ '::~.:.~.j T<Jbefo t\.~tuo C. TuVhtOS: Thbnlfo ~utj:tuto.!.. ' t. '..'.. l' J.; J..:.\ ~... ~.tt\... ) ) \ Ch:' b.~~.lh.'\ll Ttl.: '240 3:.~r.. :~O ~;4o '4CH~'G'J Sueut~Q: TuLtlr.o bsthuto: Jot6 MonlorfltrlO (.1 n:l''''''''~l ;.r.. tttl. \1 t~ t' \: () 1d ;;1~ v.:..h..... v.1. 1.; ~~\ 8 ~ seguro do efco.e dos empregados; e os mpostos e t~ xas que ncdam sobre as p~rtes.e ~osas comuns do 6df~. A co bem como as relatvas aos e~cargos de ~revdenca socal; f os ordenados:dos porterros serverttes vg as e demas empregados do edfco; Art. 27 Compete~a L. assemblea fxar a orgamento das despesas comuns e cabe... aas condamnos concorrer para a custeo das referdas despesas na forma estabelecda: pela assemblea.geral r.e..alzandase 0 rateo na propor9ao das fragoe~ ~d~a~s de cada und.ade; Art. 28 Serao gualmente:' rateadas. entre os cond;mnos na propo:.~ao d.~s r.espectvas ; fra~o.e~ ~deas a~ despesas extraord~a.ra.s den tro de.15 (qunze) das a conta~ da data da assemb1ea que a~ autorear salvo se nesta oportlnda~e f.c?r. estabelecdo pra.~o dfe...r~ fe nte ;(.'A:'t. 29 Fcarao a cargo excl~svo de cada condq mne as despesas decorrentes. de atos par ele pratcados '~ bem como 0 aumento de despesas a que dar causa; UNCO dsposto neste a~tgo e~extensvo nos prejuzos causa.. dos as partes C?DunS d? egf1co pela ~mssao do condom~ no na execugao dos trabal~os ou repara~oas na sua. un~da... de autonoma;!art. 30 saldo remanescente no orgamento de urn exercco sera ncorporado ao ~xercco segunte' se outro destno nao he for dado ~el~ Assemblea Ordna ~ ra. defct verf!cado:~ara!ateado entre oscondoml.nos.e ~rrecadado no prazo d~ te com a cota mensal de despe~as 15 das; Art. 31 Juntamen sera cobrada uma contr1 bu<;~o gua~.. a 10% da referda cota. ' destn~da a COl1st. tu~ao de um!undo de. Reserva que devera ser depostado em urn b~nco do condomno. Essa contn bancara so pod~ra sar movmentada com a a.~s.natura. do sndco conjunta _..'.1 : l : : :1 t : ' :! : ' \'< ; 1 :; '! '.. ': mente com urn membro do C6nselho Consultvo e com a apr~

6 aprovagao expressa de assembl~a geral; 19 0 valor do Fundo de Reserva enquanto nao utlzado~ podera ser aplcado pelo Sndco na compra de Obrga~oesReaj~sta ves do Tesouro' Naconal ou o~tras de comprovada ' done~ dade medante parecer do Conselho Consultvo; 20 0 Fundo de Reserva nao sera resttuldo e benefcara os aaqurentes da Unldade alenada; 30. Todas as despesas.. ' referentes as unoades autonomas e partes comuns do edfl co eorrerao 'por conta do propretaro a partr da dat~ em.~que receber as chaves de ~sua undade; Art EcU.. feo sera segurado contra neendo ou qualquer outro rsco que 0 possa destrur em todo ou em parte em Compa ' ~ n~a donea com aprovagao da Assemblea pelo respect vo valor 1 dscrmnandose na apolee 0 de cada ~partg ' mento; UNCO E 11cto'a cada condomnoj ndvdua~ menta e a expensas propras aumentar 0 seguro de sua un! ~ '.. dade autonoma ou segurar as benfetor1as e melhoramentos por le ntroduzdos na mesma; Art. 33 Ocorrdo \ n~tro total ou que de5trua mas de dos tergos do edf1 ~. eo a assemblea geral S6 reunra dentro de 15 das e ~ elegera uma comssao de tres c~ndom1nos nvestdos de poderes para: a receber a ndenza~ao e depostalaero nome do Condomno no estabelecmento bancaro desgna do pela assemblea; b ~ abrr concorrenca para:a'recons... ; tru~ao do predo ou de suas partes destrudas comuncan do 0 resultado a assemblea geral para a 'devda delbe ra~ao; e acompanhar os trabalhos de reconstruqao ate fnal representnndo os' cond~mnos juntoaos construtores' fornecedores e~prelteros ~.. e'repartqoes publcasj UNl 'co Sa a' ndenlzaqao paga pela companha seg'uradora nao fo~ 5ufclente para atender as despesas concorrerao os.[ : j. j : ;: ::;.! '! f'. '! ~ : 1:'; J:: ';'.' ~:~. ': ;

7 ~ _. r. 1 >::1.:.t:!.J. :~1 (.'t ~. ~ ;'''<'' G1G~ ~:\t:.~)1 1. h.:.:: ;th:lhuq Jf;~4: M: ll1u tolno. o'.; '... :.... \...'.l 'j~ _.. ~... _ ~ os condomnos para 0 p~garnento do excesso? na pro~~r9ao de suas fcaqoes.deas~ salvo w. ~ mnora.. recusarse a faz~.. 10 cabendo a ~nor~ os s~us dretos.na forma da le1;. Art. 34 Pela malora que represente no mnmo 2/3 das fraqoes deals do terreno pooera a asssmblela?el~be~ar. que 0 edfco nao.ffja reconstrudo caso em que se autorl zar~ a venda do terreno partlhandose 0 seu prego e 0 ~ ~ valor do segura entre os condomnos na propor~ao das res pectvas fraq~es 1deas; Art.. 3~ Em caso de 1nc;nd10 parcal recolhdo osegqro pr?cedersea a reparaqa~ reconstruqao das partes: destr~{~a~;.captqlov DAS. ou PENALDADES Art. 36 ~O.~traso no pagamento de qu~~~quer cotas de despesas prevlstas ne~talconvenqa~ suje1tar~ 0 cqndomno faltoso ~dependentemente de nterpal~~ao a multa de 20%. { vnte po~cento ) sobre 0 valor do.. d~bto que sera 90rrtg1~o ~onetaramente se~undo ~s ndces of1.. cas'levantados pelo Hnlstero do Planejamento e Coord~..... na<;ao G!3~al;: lq Nao: ha~era corregao moneta~a se 0. atrasc f9r nfer.or a 611.( sels ) ~.eses;\ ZQ Alem da A multa mo;ratora 0 cond.omno em atraso ree!lbolsara 0 con domno nas custas e. despesas judca1s ' f.nclusve; honor~!. ' :.~. ~l.. ~. rcs de advogados sempre que a cobranqa se fzer jupc~.. '._... '~. '. ~d almente; llrt. 37 Alem das penas comnadas em le fca:. anda condomno que transtora OU Eventualrnente n. f'. f~ngr.c!sl?os tvo desta convengao.ou do regularn~n~c? n.' tarno que ver.aser aprovado~ suje~o a Dulta'. correspon ' dente ate 10 ( dez ) ORTNs por cada nfra~ao sem preju zo da~. demas consequencas cves e crdunas do seu ato; UNCO No caso de 1nfra~ao contnuaoa a multa s6r~ de j' _.._. ~~ '7ate 20 ( vnte ) ORTNs. PQl;' m~s o.u.. ~rag.~~; \ CAPTULO V '_1 DSPOS.c;qES GER..US E TRANST6RAS Art. 38 A presente:' convenqo que sujet~:~odo Ocup~lte anda que eventual._. _....._ _._. ':; '.' :) ' :' : ~ ~ 1 '

8 . 'F' Q... /... ~ :.. '.' eventualmente do edfco ou de qualquer de suns partes obrga a todos os cond;mnos seus sub::rogados e'sucesso res a ttulo unversal ou sngular; Art. 39 Fca 'ele ' to 0 foro desta Cdade do Ro de Janero para qualquer medda:judcal ou extrajudcal decorrente da aplcagao de qualquer dspostvo dasta conven~ao. Certfco que as custas referentes'ao presente ate foram dspensadas pelo Tabellao. Pelos comparecent~s me fo dto que acetam a presente comoesta feta. Assm 0 dsseram do que dou fe e ms_ pedram estn escrtura que hes' sendo lda em voz ' alta e clara acetaram e assnam com as testemunhas LE DR VEGAS BfllRETO e JOSE ~~NANDO JESUS DE OLVERA brasleros do cornerc.o prmero soltero maor e 0 outro casado res~dentes e domclados nesta cdade. Eu DAVD COELHO TROHPO(:SKY 'faulos FLHO T~cnco Judlc~ro Juramentado matrcula do PASE numero autor~ 'zado pela POl'tGr~ numero 3.847/79' da Corregedora Geral da Just~a do Estado' do Ro de Ja~elro lavre~ 11 e ence~ro presente ato colhendo as assnaturas. \(ASSNADOS) EuRCO JUtO AREAS DE p~aujo. l1arcos' HALFM.~ LEDR V EGAS;BARRETO. JOSE FERNANDO JESUS DE OLVERA. N_A_D_A.J'LA S se contnha em a escrtura aqu bern e felmente transcr~a aos vnte e1n1ve das d~ mes de setembro do ana de Eu _ J f (JORGE NUNES RBERO) A'u xlar Judcara a datlografe. E eu _'_~_~ ' ~ subscrevo e assno em p'ublco erazo... ;!: Em H'...~....J' ' j 1 :?'. ~. <_._. _. r \ ~... ~ ). ';t

TERMO DE CONTRATO N 001/2014 - CMM

TERMO DE CONTRATO N 001/2014 - CMM \1erra do guaraná" TERMO DE CONTRATO N 001/2014 - CMM CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE ACESSO A INTERNET VIA SATÉLITE ATRAVÉS DE LINK DEDICADO, QUE ENTRE SI FAZEM A CÂMRA MUNICIPAL DE MAUÉS E A EMPRESA C H M

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3259 RESOLVEU:

RESOLUÇÃO Nº 3259 RESOLVEU: Resolução nº 3259, de 28 de janero de 2005. RESOLUÇÃO Nº 3259 Altera o dreconamento de recursos captados em depóstos de poupança pelas entdades ntegrantes do Sstema Braslero de Poupança e Empréstmo (SBPE).

Leia mais

.- >. , '. expedidos por estabelecimentos estrangeiros de ensino superior no âmbito I desta Universidade e;

.- >. , '. expedidos por estabelecimentos estrangeiros de ensino superior no âmbito I desta Universidade e; , UNVERS Fundaçso nsttu(da RESOLUÇÃO NO.^&. >., '. nsttu normas para revaldação a) 7. c),) de dplomas de graduação t

Leia mais

ESTADO DA PARAIBA PODER JUDICIARIO GABINETE DO DÊS SAULO HENRIQUES DE SA E BENEVIDES

ESTADO DA PARAIBA PODER JUDICIARIO GABINETE DO DÊS SAULO HENRIQUES DE SA E BENEVIDES I I... 4.4W. npub (,. ~Ne 10 ESTADO DA PARAIBA PODER JUDICIARIO GABINETE DO DÊS SAULO HENRIQUES DE SA E BENEVIDES ACORDÃO AGRAVO DE INSTRUMENTO N 001 2007 034803-0/001 RELATOR Des Saulo Henrques de Sá

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE PERNAMBUCO DIRETORIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE PERNAMBUCO DIRETORIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA ANEXO l TERMO DE REFERÊNCIA (Ofíco n. 077/2013-GDJAFS) PISO LAMINADO - CARPETE DE MADEIRA 1. DOOBJETO O presente Termo tem por objetvo a aqusção e nstalação de pso lamnado do tpo carpete de madera numa

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 32/2014/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da Universidade Federal de Sergipe, no uso de suas atribuições legais,

RESOLUÇÃO Nº 32/2014/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da Universidade Federal de Sergipe, no uso de suas atribuições legais, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 32/2014/CONEPE Aprova as Normas Geras do Processo Seletvo para

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA E SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES DO ISEG Nº 1 - VIGILÂNCIA/SEGURANÇA/ISEG/2009

CONCURSO PÚBLICO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA E SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES DO ISEG Nº 1 - VIGILÂNCIA/SEGURANÇA/ISEG/2009 CONCURSO ÚBLICO ARA RESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA E SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES DO ISEG Nº 1 - VIGILÂNCIA/SEGURANÇA/ISEG/2009 CONCURSO ÚBLICO ARA RESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA E SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES

Leia mais

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca nº 256/2009-SRE/ANEEL Brasíla, 29 de julho de 2009 METODOLOGIA E ÁLULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca n o 256/2009 SRE/ANEEL Em 29 de julho de 2009. Processo nº 48500.004295/2006-48

Leia mais

Otimização de Custos de Transporte e Tributários em um Problema de Distribuição Nacional de Gás

Otimização de Custos de Transporte e Tributários em um Problema de Distribuição Nacional de Gás A pesqusa Operaconal e os Recursos Renováves 4 a 7 de novembro de 2003, Natal-RN Otmzação de ustos de Transporte e Trbutáros em um Problema de Dstrbução Naconal de Gás Fernanda Hamacher 1, Fernanda Menezes

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002 Regulamenta o estabelecdo na Resolução CNPE n 7, de 21 de agosto de 2002, aprovada pela Presdênca da Repúblca em 22

Leia mais

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para Objetvos da aula Essa aula objetva fornecer algumas ferramentas descrtvas útes para escolha de uma forma funconal adequada. Por exemplo, qual sera a forma funconal adequada para estudar a relação entre

Leia mais

Regulamento de Funcionamento e Avaliação do Mestrado em Gestão das Organizações

Regulamento de Funcionamento e Avaliação do Mestrado em Gestão das Organizações ASSOCIAÇÃO DE POLITÉCNICOS DO NORTE (APNOR) Insttuto Poltécnco de Bragança Insttuto Poltécnco do Cávado e do Ave Insttuto Poltécnco do Porto Insttuto Poltécnco de Vana do Castelo Regulamento de Funconamento

Leia mais

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que DESEMPREGO DE JOVENS NO BRASIL I. Introdução O desemprego é vsto por mutos como um grave problema socal que vem afetando tanto economas desenvolvdas como em desenvolvmento. Podemos dzer que os índces de

Leia mais

Hoje não tem vitamina, o liquidificador quebrou!

Hoje não tem vitamina, o liquidificador quebrou! A U A UL LA Hoje não tem vtamna, o lqudfcador quebrou! Essa fo a notíca dramátca dada por Crstana no café da manhã, lgeramente amenzada pela promessa de uma breve solução. - Seu pa dsse que arruma à note!

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA ACÓRDÃO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA ACÓRDÃO / gtv. ESTADO DA PARAÍBA # PODER JUDCÁRO 5 8 Agravo de nstrumento n" 2004.008919-2 Relator: Des. Luz Slvo Ramalho Júnor Agravante: Antôno D'Avla Lns Flho e Espólo de Luz Antôno da Slvera D'Avla Lns. Advogado:

Leia mais

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA Metodologa IHFA - Índce de Hedge Funds ANBIMA Versão Abrl 2011 Metodologa IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA 1. O Que é o IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA? O IHFA é um índce representatvo da ndústra de hedge

Leia mais

Câmara Municipal d.~rio Claro

Câmara Municipal d.~rio Claro Câmara Muncpal d.~ro Claro Estado d e 5ão Pau o ~ ORDEM DO DA N 45/2014 Sessão Ordnára - 24J11/2014 1-2 8 Dscussão da PROPOSTA DE EMENDA À LE ORGÂNCA N 04/2014 - PREFETO MUNCPAL - Altera o artgo 139 da

Leia mais

O migrante de retorno na Região Norte do Brasil: Uma aplicação de Regressão Logística Multinomial

O migrante de retorno na Região Norte do Brasil: Uma aplicação de Regressão Logística Multinomial O mgrante de retorno na Regão Norte do Brasl: Uma aplcação de Regressão Logístca Multnomal 1. Introdução Olavo da Gama Santos 1 Marnalva Cardoso Macel 2 Obede Rodrgues Cardoso 3 Por mgrante de retorno,

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS CICLOS DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE DA FCT- UNL. Normas Regulamentares PREÂMBULO

REGULAMENTO GERAL DOS CICLOS DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE DA FCT- UNL. Normas Regulamentares PREÂMBULO REGULAMENTO GERAL DOS CICLOS DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE DA FCT- UNL Normas Regulamentares PREÂMBULO O regulamento geral dos cclos de estudos conducentes ao grau de Mestre da FCT-UNL organza,

Leia mais

ANEXO V REMUNERAÇÃO DE INSTALAÇÕES AUTORIZADAS NA REDE BÁSICA E DEMAIS INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO ANEXO DA NOTA TÉCNICA Nº 068/2006-SRT/ANEEL

ANEXO V REMUNERAÇÃO DE INSTALAÇÕES AUTORIZADAS NA REDE BÁSICA E DEMAIS INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO ANEXO DA NOTA TÉCNICA Nº 068/2006-SRT/ANEEL ANEXO V Nota Técnca nº 065/2006-SRT/ANEEL Brasíla, 18 de Abrl de 2006 REMUNERAÇÃO DE INSTALAÇÕES AUTORIZADAS NA REDE BÁSICA E DEMAIS INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO ANEXO DA NOTA TÉCNICA Nº 068/2006-SRT/ANEEL

Leia mais

Elaboração: Novembro/2005

Elaboração: Novembro/2005 Elaboração: Novembro/2005 Últma atualzação: 18/07/2011 Apresentação E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo nformar aos usuáros a metodologa e os crtéros de precsão dos cálculos referentes às Cédulas

Leia mais

Equipas Educativas Para uma nova organização da escola. João Formosinho Joaquim Machado

Equipas Educativas Para uma nova organização da escola. João Formosinho Joaquim Machado Equpas Educatvas Para uma nova organzação da escola João Formosnho Joaqum Machado TRANSFORMAÇÕES NA ESCOLA BÁSICA TRANSFORMAÇÕES NA ESCOLA BÁSICA A expansão escolar e a mplementação das polítcas de nclusão

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia CCSA - Centro de Cêncas Socas e Aplcadas Curso de Economa ECONOMIA REGIONAL E URBANA Prof. ladmr Fernandes Macel LISTA DE ESTUDO. Explque a lógca da teora da base econômca. A déa que sustenta a teora da

Leia mais

REGULAMENTO. Private Solutions VGBL TOP

REGULAMENTO. Private Solutions VGBL TOP REGULAMENTO Private Solutions VGBL TOP ÍNDCE TÍTULO - DAS CARACTERÍSTCAS 4 TÍTULO - DAS DEFNÇÕES 5 TÍTULO - DA CONTRATAÇÃO DO PLANO 6 TÍTULO V - DA DVULGAÇÃO DE NFORMAÇÕES 7 CAPÍTULO - AOS SEGURADOS 7

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS EDITAL PROCESSO SELETIVO DE INGRESSO VESTIBULAR 2014.2 ENGENHARIAS CTG (RECIFE) E ENGENHARIA CIVIL (AGRESTE)

Leia mais

Controle de Ponto Eletrônico. Belo Horizonte

Controle de Ponto Eletrônico. Belo Horizonte Controle de Ponto Eletrônco da Câmara Muncpal de Belo Horzonte Instrutor: André Mafa Latn DIVPES agosto de 2010 Objetvo Informar sobre o preenchmento da folha de frequênca; Facltar o trabalho das chefas;

Leia mais

Portaria Inmetro nº 248 de 17 de julho de 2008

Portaria Inmetro nº 248 de 17 de julho de 2008 INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - Portara Inmetro nº 248 de 17 de julho de 2008 O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL,

Leia mais

Capítulo 1. O plano complexo. 1.1. Introdução. Os números complexos começaram por ser introduzidos para dar sentido à 2

Capítulo 1. O plano complexo. 1.1. Introdução. Os números complexos começaram por ser introduzidos para dar sentido à 2 Capítulo O plano compleo Introdução Os números compleos começaram por ser ntrodudos para dar sentdo à resolução de equações polnomas do tpo Como os quadrados de números reas são sempre maores ou guas a

Leia mais

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar?

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Sumáro Sstemas Robótcos Navegação Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Carlos Carreto Curso de Engenhara Informátca Ano lectvo 2003/2004 Escola Superor de Tecnologa e Gestão da Guarda

Leia mais

a) BLOCO A : MINUTA DE CONVENÇÃO DE CONDOMÍNIO Os apartamentos do Bloco A conterão: 2 dormitórios cada, sendo um suíte, W.C.

a) BLOCO A : MINUTA DE CONVENÇÃO DE CONDOMÍNIO Os apartamentos do Bloco A conterão: 2 dormitórios cada, sendo um suíte, W.C. a) BLOCO A : MINUTA DE CONVENÇÃO DE CONDOMÍNIO Os apartamentos do Bloco A conterão: 2 dormitórios cada, sendo um suíte, W.C. social, área de serviço, cozinha, sala de estar e varanda. CAPÍTULO I DO EMPREENDIMENTO

Leia mais

Cálculo do Conceito ENADE

Cálculo do Conceito ENADE Insttuto aconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera IEP Mnstéro da Educação ME álculo do onceto EADE Para descrever o cálculo do onceto Enade, prmeramente é mportante defnr a undade de observação

Leia mais

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias 7. Resolução Numérca de Equações Dferencas Ordnáras Fenômenos físcos em dversas áreas, tas como: mecânca dos fludos, fluo de calor, vbrações, crcutos elétrcos, reações químcas, dentre váras outras, podem

Leia mais

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS.

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS. Snas Lumnosos 1-Os prmeros snas lumnosos Os snas lumnosos em cruzamentos surgem pela prmera vez em Londres (Westmnster), no ano de 1868, com um comando manual e com os semáforos a funconarem a gás. Só

Leia mais

l. k. ESTADO DA PARAIBA GAB. DES. MANOEL SOARES MONTEIRO

l. k. ESTADO DA PARAIBA GAB. DES. MANOEL SOARES MONTEIRO -- --- r "' f344 l k = 2= r ; : / " IF9 AI!q : * ' "8 JIMMAI "'I 4 S rt t'' : ESTADO DA PARAIBA _ - : n'" PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA f' GAB DES MANOEL SOARES MONTEIRO ft!: :! ACÓRDÃO "I!':: ::

Leia mais

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético 1) A fgura mostra um prego de ferro envolto por um fo fno de cobre esmaltado, enrolado mutas vezes ao seu redor. O conjunto pode ser consderado um eletroímã quando as extremdades do fo são conectadas aos

Leia mais

Das ideias ao sucesso

Das ideias ao sucesso www.pwc.pt Das deas ao sucesso PwC Startup Portugal 1 mllon fund project Busness Plan FY 2014/2015 Crou recentemente uma empresa com forte capacdade de crescmento? Tem espírto empreendedor com deas novadoras?

Leia mais

TEXTO PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE MUDANÇA NO RATEIO DA COTA PARTE DO ICMS ENTRE OS MUNICÍPIOS CEARENSES

TEXTO PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE MUDANÇA NO RATEIO DA COTA PARTE DO ICMS ENTRE OS MUNICÍPIOS CEARENSES GOVERO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DE PLAEJAMETO E GESTÃO (SEPLAG) Insttuto de Pesqusa e Estratéga Econômca do Ceará (IPECE) TEXTO PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE MUDAÇA O RATEIO DA COTA PARTE DO ICMS ETRE

Leia mais

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola Nota Técnca Médas do ENEM 2009 por Escola Crado em 1998, o Exame Naconal do Ensno Médo (ENEM) tem o objetvo de avalar o desempenho do estudante ao fm da escolardade básca. O Exame destna-se aos alunos

Leia mais

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino IV - Descrção e Apresentação dos Dados Prof. Herondno Dados A palavra "dados" é um termo relatvo, tratamento de dados comumente ocorre por etapas, e os "dados processados" a partr de uma etapa podem ser

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 00 ODELOS ATEÁTICOS E CONSUO DE ENERGIA ELÉTRICA Clece de Cássa Franco Cdade Centro Unverstáro Francscano klleyce@hotmal.com Leandra Anversa Foreze Centro Unverstáro Francscano

Leia mais

RESOLUÇÃO DE ESTRUTURAS SUBSAL ATRAVÉS DE MIGRAÇÃO RTM

RESOLUÇÃO DE ESTRUTURAS SUBSAL ATRAVÉS DE MIGRAÇÃO RTM Copyrght 004, Insttuto Braslero de Petróleo e Gás - IBP Este Trabalho Técnco Centífco fo preparado para apresentação no 3 Congresso Braslero de P&D em Petróleo e Gás, a ser realzado no período de a 5 de

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

CAPÍTULO 1 Exercícios Propostos

CAPÍTULO 1 Exercícios Propostos CAPÍTULO 1 Exercícos Propostos Atenção: Na resolução dos exercícos consderar, salvo menção em contráro, ano comercal de das. 1. Qual é a taxa anual de juros smples obtda em uma aplcação de $1.0 que produz,

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA. Almeida Macedo.

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA. Almeida Macedo. _ * loar ns J 7r ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA ACÓRDÃO AGRAVO DE INsTRum ENTO N" 200400753- REATOR Des João Machado de Souza AGRAVANTE : Telemar Norte Leste S/A - Adv Carla Adrana

Leia mais

CONDOMINIO QUINTAS DO SOL - CNPJ: 37.100.658/0001-85 DEMONSTRATIVO MENSAL REF. OUTUBRO/2008 CONTAS DE RESULTADO 10/2008

CONDOMINIO QUINTAS DO SOL - CNPJ: 37.100.658/0001-85 DEMONSTRATIVO MENSAL REF. OUTUBRO/2008 CONTAS DE RESULTADO 10/2008 CONDOMNO QUNTAS DO SOL - CNPJ: 37.100.658/0001-85 DEMONSTRATVO MENSAL REF. OUTUBRO/2008 -- CONTAS DE RESULTADO 10/2008 -- DSPONBLDADE NCAL CAXA C/M C/M - BRB - BB 297,41 CONTAS A RECEBER 56.256,45 :POUPANÇA

Leia mais

Modelos estatísticos para previsão de partidas de futebol

Modelos estatísticos para previsão de partidas de futebol Modelos estatístcos para prevsão de partdas de futebol Dan Gamerman Insttuto de Matemátca, UFRJ dan@m.ufrj.br X Semana da Matemátca e II Semana da Estatístca da UFOP Ouro Preto, MG 03/11/2010 Algumas perguntas

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

Audiência Pública Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática Câmara dos Deputados

Audiência Pública Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática Câmara dos Deputados Audênca Públca Comssão de Cênca e Tecnologa, Comuncação e Informátca Câmara dos Deputados Superntendente de Servços Prvados Brasíla, 11 de julho de 2007 AGENDA 1 2 3 4 DEFINIÇÕES DA LGT REGULAMENTAÇÃO

Leia mais

www.obconcursos.com.br/portal/v1/carreirafiscal

www.obconcursos.com.br/portal/v1/carreirafiscal www.obconcursos.com.br/portal/v1/carrerafscal Moda Exercíco: Determne o valor modal em cada um dos conjuntos de dados a segur: X: { 3, 4,, 8, 8, 8, 9, 10, 11, 1, 13 } Mo 8 Y: { 10, 11, 11, 13, 13, 13,

Leia mais

Elaboração: Fevereiro/2008

Elaboração: Fevereiro/2008 Elaboração: Feverero/2008 Últma atualzação: 19/02/2008 E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo esclarecer aos usuáros a metodologa de cálculo e os crtéros de precsão utlzados na atualzação das Letras

Leia mais

,N,-, i.r,n 1L-~jih '. t'.. -:,

,N,-, i.r,n 1L-~jih '. t'.. -:, N- RN 1L-~jh ' t' -: t I j- :: -'; : t flt;' 1 _ 'A- tl : ESTADO DA PARAÍBA r 4 PODER JUDICIÁRIO 1 TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB DES MARCOS A SOUTO MAIOR ACÓRDÃO :I 1 RECURSO OFICIAL E APELAÇÃO CÍVEL N 0172004001370-2/001-1

Leia mais

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 23 (pág. 86) AD TM TC. Aula 24 (pág. 87) AD TM TC. Aula 25 (pág.

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 23 (pág. 86) AD TM TC. Aula 24 (pág. 87) AD TM TC. Aula 25 (pág. Físca Setor Prof.: Índce-controle de studo ula 23 (pág. 86) D TM TC ula 24 (pág. 87) D TM TC ula 25 (pág. 88) D TM TC ula 26 (pág. 89) D TM TC ula 27 (pág. 91) D TM TC ula 28 (pág. 91) D TM TC evsanglo

Leia mais

Missa Nossa Senhora do Brasil

Missa Nossa Senhora do Brasil é%0'.m> }JÍU Pe. José Alves Mssa Nossa Senhoa do Basl PARTTURA Paa 3 vozes guas e Assebléa (*) (*) A pate paa Assebléa é edtada sepaadaente " en cha A 10. Publcado pela: Cossão Aqudocesana de Músca Saca

Leia mais

Ainda há Tempo, Volta

Ainda há Tempo, Volta Ainda há empo, Volta Letra e Música: Diogo Marques oprano ontralto Intro Envolvente (q = 60) enor aixo Piano Ó Œ. R.. F m7 2 A b 2 E b.. 2 Ó Œ É 2 Ó Œ F m7 2.. 2 2 A b 2 2 Ainda há empo, Volta Estrofe

Leia mais

CÁLCULO DO ALUNO EQUIVALENTE PARA FINS DE ANÁLISE DE CUSTOS DE MANUTENÇÃO DAS IFES

CÁLCULO DO ALUNO EQUIVALENTE PARA FINS DE ANÁLISE DE CUSTOS DE MANUTENÇÃO DAS IFES MIISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DEPARTAMETO DE DESEVOLVIMETO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR TECOLOGIA DA IFORMAÇÃO CÁLCULO DO ALUO EQUIVALETE PARA FIS DE AÁLISE DE CUSTOS DE MAUTEÇÃO DAS IFES

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO Professor Maurco Lutz 1 CORRELAÇÃO Em mutas stuações, torna-se nteressante e útl estabelecer uma relação entre duas ou mas varáves. A matemátca estabelece város tpos de relações entre varáves, por eemplo,

Leia mais

Visando dar continuidade ao trabalho de simulação, encaminho o MODELO DE ALOCAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO PESSOAL DOCENTE DE TERCEIRO GRAU

Visando dar continuidade ao trabalho de simulação, encaminho o MODELO DE ALOCAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO PESSOAL DOCENTE DE TERCEIRO GRAU Ofíco Brasíla, 24 de anero de 2005. Senhora Presdente ANDIFES, Vsando dar contnudade ao trabalho de smulação, encamnho o MODELO DE ALOCAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO PESSOAL DOCENTE DE TERCEIRO GRAU revsado

Leia mais

Expressão da Incerteza de Medição para a Grandeza Energia Elétrica

Expressão da Incerteza de Medição para a Grandeza Energia Elétrica 1 a 5 de Agosto de 006 Belo Horzonte - MG Expressão da ncerteza de Medção para a Grandeza Energa Elétrca Eng. Carlos Alberto Montero Letão CEMG Dstrbução S.A caletao@cemg.com.br Eng. Sérgo Antôno dos Santos

Leia mais

PRESTAÇAO DE CONTAS ANUAL

PRESTAÇAO DE CONTAS ANUAL , ESTADO DA PARABA PODER EXECUTVO PREFETURA MUNCPAL DE SÃO FRANCSCO PRESTAÇAO DE CONTAS ANUAL EXERCÍCO 2013 Administração: JOA-0 BOSCO G. DE OLVERA FLHO .. Município: SÃO FRANCSCO Poder: Executivo Administração:

Leia mais

2 Máquinas de Vetor Suporte 2.1. Introdução

2 Máquinas de Vetor Suporte 2.1. Introdução Máqunas de Vetor Suporte.. Introdução Os fundamentos das Máqunas de Vetor Suporte (SVM) foram desenvolvdos por Vapnk e colaboradores [], [3], [4]. A formulação por ele apresentada se basea no prncípo de

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

Situação Ocupacional dos Jovens das Comunidades de Baixa Renda da Cidade do Rio de Janeiro *

Situação Ocupacional dos Jovens das Comunidades de Baixa Renda da Cidade do Rio de Janeiro * Stuação Ocupaconal dos Jovens das Comundades de Baxa Renda da Cdade do Ro de Janero * Alessandra da Rocha Santos Cínta C. M. Damasceno Dense Brtz do Nascmento Slva ' Mara Beatrz A. M. da Cunha Palavras-chave:

Leia mais

14. Correntes Alternadas (baseado no Halliday, 4 a edição)

14. Correntes Alternadas (baseado no Halliday, 4 a edição) 14. orrentes Alternadas (baseado no Hallday, 4 a edção) Por que estudar orrentes Alternadas?.: a maora das casas, comérco, etc., são provdas de fação elétrca que conduz corrente alternada (A ou A em nglês):

Leia mais

Receptores elétricos. antes de estudar o capítulo PARTE I

Receptores elétricos. antes de estudar o capítulo PARTE I PARTE I Undade B capítulo 10 Receptores elétrcos seções: 101 Receptor Força contraeletromotrz 102 Crcutos gerador-receptor e gerador-receptor-resstor antes de estudar o capítulo Veja nesta tabela os temas

Leia mais

CAP RATES, YIELDS E AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS pelo método do rendimento

CAP RATES, YIELDS E AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS pelo método do rendimento CAP RATES, YIELDS E AALIAÇÃO DE IMÓEIS pelo étodo do rendento Publcado no Confdencal Iobláro, Março de 2007 AMARO NAES LAIA Drector da Pós-Graduação de Gestão e Avalação Ioblára do ISEG. Docente das caderas

Leia mais

Estatística stica Descritiva

Estatística stica Descritiva AULA1-AULA5 AULA5 Estatístca stca Descrtva Prof. Vctor Hugo Lachos Davla oo que é a estatístca? Para mutos, a estatístca não passa de conjuntos de tabelas de dados numércos. Os estatístcos são pessoas

Leia mais

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001 Sstemas de Flas: Aula 5 Amedeo R. Odon 22 de outubro de 2001 Teste 1: 29 de outubro Com consulta, 85 mnutos (níco 10:30) Tópcos abordados: capítulo 4, tens 4.1 a 4.7; tem 4.9 (uma olhada rápda no tem 4.9.4)

Leia mais

Software. Guia do professor. Como comprar sua moto. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação

Software. Guia do professor. Como comprar sua moto. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação números e funções Gua do professor Software Como comprar sua moto Objetvos da undade 1. Aplcar o conceto de juros compostos; 2. Introduzr o conceto de empréstmo sob juros; 3. Mostrar aplcações de progressão

Leia mais

ELETRICIDADE E MAGNETISMO

ELETRICIDADE E MAGNETISMO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍSICA Professor: Renato Mederos ELETRICIDADE E MAGNETISMO NOTA DE AULA III Goâna - 2014 CORRENTE ELÉTRICA Estudamos anterormente

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

REGRESSÃO LOGÍSTICA. Seja Y uma variável aleatória dummy definida como:

REGRESSÃO LOGÍSTICA. Seja Y uma variável aleatória dummy definida como: REGRESSÃO LOGÍSTCA. ntrodução Defnmos varáves categórcas como aquelas varáves que podem ser mensurados usando apenas um número lmtado de valores ou categoras. Esta defnção dstngue varáves categórcas de

Leia mais

Ciências Física e química

Ciências Física e química Dretos Exclusvos para o autor: rof. Gl Renato Rbero Gonçalves CMB- Colégo Mltar de Brasíla Reservados todos os dretos. É probda a duplcação ou reprodução desta aula, com ou sem modfcações (plágo) no todo

Leia mais

NOTIFICAÇÃO JUDICIAL. ÁLVARO V1LLAÇA. \ZE\T.DO advogados associados EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA VARA

NOTIFICAÇÃO JUDICIAL. ÁLVARO V1LLAÇA. \ZE\T.DO advogados associados EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA VARA ÁLVARO V1LLAÇA. \ZE\T.DO advogados assocados EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA VARA JUDICIAL DA COMARCA DE IBIUNA. TAYNÁ COMERCIAL LTDA.. com sede na Rua Padre José Garzott, n 296, CEP 04806-000,

Leia mais

Impactos dos encargos sociais na economia brasileira

Impactos dos encargos sociais na economia brasileira Impactos dos encargos socas na economa braslera Mayra Batsta Btencourt Professora da Unversdade Federal de Mato Grosso do Sul Erly Cardoso Texera Professor da Unversdade Federal de Vçosa Palavras-chave

Leia mais

Instruções de Utilização. Actuador de motor via rádio 1187 00

Instruções de Utilização. Actuador de motor via rádio 1187 00 Instruções de Utlzação Actuador de motor va rádo 1187 00 Índce Relatvamente a estas nstruções... 2 Esquema do aparelho... 3 Montagem... 3 Desmontagem... 3 Tensão de almentação... 4 Colocar as plhas...

Leia mais

Energia de deformação na flexão

Energia de deformação na flexão - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE VOLTA REDONDA PROFESSORA: SALETE SOUZA DE OLIVEIRA BUFFONI DISCIPLINA: RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS Energa de deformação na

Leia mais

Controlo Metrológico de Contadores de Gás

Controlo Metrológico de Contadores de Gás Controlo Metrológco de Contadores de Gás José Mendonça Das (jad@fct.unl.pt), Zulema Lopes Perera (zlp@fct.unl.pt) Departamento de Engenhara Mecânca e Industral, Faculdade de Cêncas e Tecnologa da Unversdade

Leia mais

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

Equilíbrio Colusivo no Mercado Brasileiro de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP)

Equilíbrio Colusivo no Mercado Brasileiro de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) Unversdade de Brasíla Departamento de Economa Mestrado em Economa do Setor Públco Equlíbro Colusvo no Mercado Braslero de Gás Lquefeto de Petróleo (GLP) Orentador: Prof. Rodrgo Andrés de Souza Peñaloza

Leia mais

Aplicando o método de mínimos quadrados ordinários, você encontrou o seguinte resultado: 1,2

Aplicando o método de mínimos quadrados ordinários, você encontrou o seguinte resultado: 1,2 Econometra - Lsta 3 - Regressão Lnear Múltpla Professores: Hedbert Lopes, Prscla Rbero e Sérgo Martns Montores: Gustavo Amarante e João Marcos Nusdeo QUESTÃO 1. Você trabalha na consultora Fazemos Qualquer

Leia mais

Eletricidade 3 Questões do ENEM. 8. Campo Elétrico 11 Questões do ENEM 13. Energia Potencial Elétrica 15 Questões do ENEM 20

Eletricidade 3 Questões do ENEM. 8. Campo Elétrico 11 Questões do ENEM 13. Energia Potencial Elétrica 15 Questões do ENEM 20 1 4º Undade Capítulo XIII Eletrcdade 3 Questões do ENEM. 8 Capítulo XIV Campo Elétrco 11 Questões do ENEM 13 Capítulo XV Energa Potencal Elétrca 15 Questões do ENEM 20 Capítulo XVI Elementos de Um Crcuto

Leia mais

EXPORTAÇÕES DE ETANOL BRASILEIRO, INTEGRAÇÃO REGIONAL E A QUESTÃO AMBIENTAL: UMA ANALISE EMPÍRICA.

EXPORTAÇÕES DE ETANOL BRASILEIRO, INTEGRAÇÃO REGIONAL E A QUESTÃO AMBIENTAL: UMA ANALISE EMPÍRICA. EXPORTAÇÕES DE ETANOL BRASILEIRO, INTEGRAÇÃO REGIONAL E A QUESTÃO AMBIENTAL: UMA ANALISE EMPÍRICA. MÁRCIA PAIXÃO 1 MÁRCIA FONSECA 2 Resumo: No níco do século XXI, notadamente os Estados Undos (EUA) e Unão

Leia mais

Prof. Antônio Carlos Fontes dos Santos. Aula 1: Divisores de tensão e Resistência interna de uma fonte de tensão

Prof. Antônio Carlos Fontes dos Santos. Aula 1: Divisores de tensão e Resistência interna de uma fonte de tensão IF-UFRJ Elementos de Eletrônca Analógca Prof. Antôno Carlos Fontes dos Santos FIW362 Mestrado Profssonal em Ensno de Físca Aula 1: Dvsores de tensão e Resstênca nterna de uma fonte de tensão Este materal

Leia mais

As tabelas resumem as informações obtidas da amostra ou da população. Essas tabelas podem ser construídas sem ou com perda de informações.

As tabelas resumem as informações obtidas da amostra ou da população. Essas tabelas podem ser construídas sem ou com perda de informações. 1. TABELA DE DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIA As tabelas resumem as normações obtdas da amostra ou da população. Essas tabelas podem ser construídas sem ou com perda de normações. As tabelas sem perda de normação

Leia mais

ENFRENTANDO OBSTÁCULOS EPISTEMOLÓGICOS COM O GEOGEBRA

ENFRENTANDO OBSTÁCULOS EPISTEMOLÓGICOS COM O GEOGEBRA ENFRENTANDO OBSTÁCULOS EPISTEMOLÓGICOS COM O GEOGEBRA André Luz Souza Slva IFRJ Andrelsslva@globo.com Vlmar Gomes da Fonseca IFRJ vlmar.onseca@rj.edu.br Wallace Vallory Nunes IFRJ wallace.nunes@rj.edu.br

Leia mais

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE NOTA TÉCNICA Nº 29 PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS

Leia mais

3. Take over: Termo do inglês que significa Adquirir. O termo indica a aquisição de uma companhia por outra mediante a assunção do controle acionário.

3. Take over: Termo do inglês que significa Adquirir. O termo indica a aquisição de uma companhia por outra mediante a assunção do controle acionário. 1. Tabela Prce: Tabela utlzada para a amortzação de dívda. As prestações calculadas dela têm um valor constante por todo o período de pagamento da dívda. 2. Tag along: Termo do nglês que sgnfca precfcar

Leia mais

Aula 7: Circuitos. Curso de Física Geral III F-328 1º semestre, 2014

Aula 7: Circuitos. Curso de Física Geral III F-328 1º semestre, 2014 Aula 7: Crcutos Curso de Físca Geral III F-38 º semestre, 04 Ponto essencal Para resolver um crcuto de corrente contínua, é precso entender se as cargas estão ganhando ou perdendo energa potencal elétrca

Leia mais

*** ANEXO SEM MOVIMENTO NESTE MÊS ***

*** ANEXO SEM MOVIMENTO NESTE MÊS *** ESTADO DO PAUÍ MUNCPO DE FRANCSCO MACEDO - CAMARA l-câmara MUNCPAL DE FRANCSCO MACÊDO C.N.P.J.: 03.05.987/000-6.28.0 pag: LE 4 320/64 ANEXO CONCLAÇÂO BANCÁRA Referência: Julho/203 -------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel Estmatva da Incerteza de Medção da Vscosdade Cnemátca pelo Método Manual em Bodesel Roberta Quntno Frnhan Chmn 1, Gesamanda Pedrn Brandão 2, Eustáquo Vncus Rbero de Castro 3 1 LabPetro-DQUI-UFES, Vtóra-ES,

Leia mais

ACÓRDÃO. Poder Judiciário Tribunal de Justiça da Paraíba Gabinete Des. JORGE RIBEIRO NÓBREGA

ACÓRDÃO. Poder Judiciário Tribunal de Justiça da Paraíba Gabinete Des. JORGE RIBEIRO NÓBREGA 1 Poder Judcáro Trbunal de Justça da Paraíba Gabnete Des. JORGE RIBEIRO NÓBREGA ACÓRDÃO EMBARGOS DE DECLARAÇÃO N. 888.200.2005.019.401-41001 Orundo da 7a Vara da Fazenda Públca da Comarca da Captal RELATOR

Leia mais

AT.'YJOAOES DA CNEN NA AREA DE INSTRUMENTAÇÃO c CONTROLE. Hilton A, de f-felld. 1. - Generalidades sobre o Projeto de Instrumentação e Controle

AT.'YJOAOES DA CNEN NA AREA DE INSTRUMENTAÇÃO c CONTROLE. Hilton A, de f-felld. 1. - Generalidades sobre o Projeto de Instrumentação e Controle AT.'YJOAOES DA CNEN NA AREA DE INSTRUMENTAÇÃO c CONTROLE Hlton A, de f-felld 1. - Generaldades sobre o Projeto de Instrumentação e Controle A area de Instrumentação é Controle ê de vtal mportânca para.

Leia mais

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009 FGV 010/1-13.1.009 VESTIBULAR FGV 010 DEZEMBRO 009 MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 1 (Prova: Tipo B Resposta E; Tipo C Resposta C; Tipo D Resposta A) O gráfico abaio fornece o

Leia mais

Apostila de Estatística Curso de Matemática. Volume II 2008. Probabilidades, Distribuição Binomial, Distribuição Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna

Apostila de Estatística Curso de Matemática. Volume II 2008. Probabilidades, Distribuição Binomial, Distribuição Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna Apostla de Estatístca Curso de Matemátca Volume II 008 Probabldades, Dstrbução Bnomal, Dstrbução Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna 1 Capítulo 8 - Probabldade 8.1 Conceto Intutvamente pode-se defnr probabldade

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO - VI GRUPO DE ESTUDO DE COMERCIALIZAÇÃO, ECONOMIA E REGULAÇÃO DE ENERGIA

Leia mais

CAMARÁ MUNICIPAL DE FORTALEZA

CAMARÁ MUNICIPAL DE FORTALEZA PROJETQ DE DECRETO LEGISLATIVO /2015. "Concede o título de cdadãl de Fortaleza ao artsta plástco Ramundo Pnhero Pedrosa, conhecdo como Bruno Pedrosa". A CAMARÁ MUNICIPAL DE FORTALEZA DECRETA: Art. 1 -

Leia mais

Sistemas de Seguro Depósito: Sugestões para a reformulação do Fundo Garantidor de Créditos *

Sistemas de Seguro Depósito: Sugestões para a reformulação do Fundo Garantidor de Créditos * Sstemas de Seguro Depósto: Sugestões para a reformulação do Fundo Garantdor de Crédtos * Ana Carla Abrão Costa Resumo Sstemas explíctos de seguro depósto vêm sendo adotados por países de todo o mundo,

Leia mais