PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA"

Transcrição

1 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA PALESTRA SOBRE ÉTICA PÚBLICA João Batista Santos Ferreira Comissão de Ética Pública Brasília, 07 de outubro de 2008

2 ÉTICA PÚBLICA OBJETIVO: Relacionar informações sobre a ética da alta administração e do servidor público

3 TÓPICOS PRINCIPAIS CONCEITO, HISTÓRICO E PROMOÇÃO DA ÉTICA NORMAS PARA A ALTA ADMINISTRAÇÃO FEDERAL E A COMISSÃO DE ÉTICA PÚBLICA NORMAS DE CONDUTA DO SERVIDOR PÚBLICO CIVIL

4 ÉTICA PÚBLICA ÉTICA: Sistema de Princípios/ Valores e Regras de Conduta Princípios Constituição Federal: LEGALIDADE, IMPESSOALIDADE, MORALIDADE, PUBLICIDADE E EFICIÊNCIA (Art. 37) CONFLITO DE INTERESSES PÚBLICO E PRIVADO CONFIANÇA NO SETOR PÚBLICO - Eficiência, Eficácia, Transparência, Padrão Ético

5 PROMOÇÃO DA ÉTICA Normas de Conduta Educação, Treinamento, Orientação Divulgação e Transparência Monitoramento Investigação e Conseqüências Estrutura Administrativa, Procedimentos e Planejamento

6 HISTÓRICO NO BRASIL 40: Código Penal (título XI) - condutas ilícitas de servidores (Corrupção, Concussão, Advocacia Administrativa, Prevaricação, Violação do Sigilo Funcional) 50: leis 3164 e 3502: registro público de bens privados; seqüestro de bens de servidor, adquiridos por influência do cargo 80: CF art. 37, estabelece princípios legalidade, impessoalidade, publicidade, moralidade e eficiência 90: lei 8429 (improbidade administrativa); leis 8027 e 8112 (Estatuto do Servidor); Dec 1171/94 (Código de Ética do Servidor), Convenções contra a Corrupção OEA (1996) e OCDE (subornos em transações comerciais ) 2000: Código de Conduta da Alta Administração Federal, Convenção contra a Corrupção ONU 2003, Decreto 6.029/07 (Rede de Ética), Na PR e Vice-PR Dec /2002 (CE/PR)

7 CEP - Histórico Dez/1997: Encontro para a Promoção da Ética com Nações Unidas Mai/1999: Criação da Comissão de Ética Pública na Presidência Ago/2000: Aprovação do CCAAF - Código de Conduta da Alta Administração Federal e criação da Secretaria Executiva Abr a Ago/2001: Estudos de Diagnóstico da Ética no Executivo Federal e Levantamento Internacional sobre Ética Mai/2001: Representantes de ética nas organizações do Executivo Federal - Decreto de 18/05/ Seminários Ética na Gestão - Set/2001(objetivos estratégicos), Mar/2002 (reconhecimento de órgãos e entidades), Set/2002 (eleições e transição de governo), Dez/2003 (ética nos municípios), Mai/2004 (Conflito de Interesses - OCDE, OEA e BID), Nov/2004 (Comissões de Ética), Nov/2005 (Conflito de Interesses), Nov 2006 (Processos nas Comissões de Ética), 2007 (Encontro de Rep. Setoriais) Cursos: Gestão da Ética (anual desde 2001), Multiplicadores da ética (2002 e 2005), Avaliadores da Gestão da Ética (2005 e 2006) Fev/2007: Decreto Rede de Ética, Nov/2008: Curso de Rito Processual Ético (a ser realizado)

8 C O M I S S Ã O D E É T I C A P Ú B L I C A Art. 3 o A CEP será integrada por sete brasileiros que preencham os requisitos de idoneidade moral, reputação ilibada e notória experiência em administração pública, designados pelo Presidente da República, para mandatos de três anos, não coincidentes, permitida uma única recondução. 1 o A atuação no âmbito da CEP não enseja qualquer remuneração para seus membros e os trabalhos nela desenvolvidos são considerados prestação de relevante serviço público. 2 o O Presidente terá o voto de qualidade nas deliberações da Comissão. 3 o Os mandatos dos primeiros membros serão de um, dois e três anos, estabelecidos no decreto de designação.

9 C O M I S S Ã O D E É T I C A P Ú B L I C A Membros da CEP Decreto de 26 de maio de 1999 José Paulo Sepúlveda Pertence(Presidente), Roberto de Figueiredo Caldas, José Ernanne Pinheiro,Hermann Assis Baeta

10 C O M I S S Ã O D E É T I C A P Ú B L I C A SECRETARIA-EXECUTIVA Estrutura: Secretaria-Executiva 02 Secretárias Planejamento, Orçamento e Área Internacional: 01 Assessor Monitoramento do Código de Conduta da Alta Administração Federal: 01 Secretária-Executiva Substituta 02 Assessoras, 02 Supervisores Programa de Promoção da Ética: 02 Supervisoras Estagiários: 03 Estudantes (Direito, Jornalismo, Informática)

11 COMISSÃO DE ÉTICA PÚBLICA AUTORIDADES VINCULADAS AO CCAAF - MINISTROS - SECRETÁRIOS - PRESIDENTES - DIRETORES - AGÊNCIAS - FUNDAÇÕES - AUTARQUIAS - EMPRESAS PÚBLICAS - SOCIEDADES DE ECONOMIA MISTA

12 COMISSÃO DE ÉTICA PÚBLICA Atribuições iniciais da CEP (1999): Revisar normas sobre conduta ética Elaborar o Código de Conduta da Alta Administração Federal - CCAAF Subsidiar o Presidente na tomada de decisão sobre atos de autoridades Receber denúncias sobre atos de autoridades e proceder a apuração Dirimir dúvidas a respeito do Código de Conduta Dar ampla divulgação do Código de Conduta Decreto 6.029/07 - Criação da Rede de Ética, compreendendo a CEP e as Comissões de Ética do Decreto 1.171/94, nos órgãos e entidades do Poder Executivo Federal.

13 PRINCIPAIS OBRIGAÇÕES DAS AUTORIDADES Apresentar informações sobre renda, patrimônio e interesse privados Evitar situações que possam configurar conflito de interesses Observar quarentena para atividade incompatível com o cargo exercido Informar propostas do setor privado ou de negócio futuro no setor privado Resolver divergências com autoridades internamente

14 ALGUMAS RESTRIÇÕES Não receber presentes Não receber salário/ remuneração de fonte privada em desacordo com a lei Não receber transporte ou hospedagem Não usar o cargo, suas condições ou informações em favor de interesses privados

15 Balanço das Atividades Autoridades vinculadas Orientações gerais e específicas Consultas e denúncias Notificações e complementações de informação 127 Comissões de Ética e 35 Representantes da CEP no Poder Executivo Federal Pessoas capacitadas como gestores, multiplicadores e avaliadores da gestão da ética, participantes em cursos e seminários

16 CONDUTAS QUE VIOLAM VALORES ÉTICOS Uso privilegiado de informação Abuso de autoridade Enriquecimento ilícito Recebimento de vantagem em função do cargo Causar dano ao erário Valer-se do cargo em proveito próprio

17 SITE DA CEP Como pesquisar?

18 COMISSÃO DE ÉTICA PÚBLICA Palácio do Planalto, anexo 2 B, Sala 202 Cep Tel: , Fax:

19 O b r i g a d o! João Batista Santos Ferreira Telefones: (61) e

Código de Conduta da Alta Administração Pública. Código de Conduta da Alta Administração Pública. Código de Conduta da Alta Administração Pública

Código de Conduta da Alta Administração Pública. Código de Conduta da Alta Administração Pública. Código de Conduta da Alta Administração Pública CÓDIGO DE CONDUTA DA ALTA ADMINISTRAÇÃO FEDERAL Josiane Hilbert FINALIDADE I - Tornar claras as regras éticas de conduta das autoridades da alta Federal, para que a sociedade possa aferir a integridade

Leia mais

ética ética ética ética ética ética ética ética ética ética ética ética EDUCATIVA ética CONSULTIVA ética CONCILIADORA RESPONSABILIZADORAética ética

ética ética ética ética ética ética ética ética ética ética ética ética EDUCATIVA ética CONSULTIVA ética CONCILIADORA RESPONSABILIZADORAética ética ÉTICA EDUCATIVA CONCILIADORA PREVENTIVA RESPONSABILIZADORA COMISSÃO DE CONSULTIVA DO IFBA COMISSÃO DE ÉTICA DO IFBA 3 Apresentação Esta guia tem como objetivo esclarecer, orientar e estimular a compreensão

Leia mais

CONTROLE INTERNO LEI MUNICIPAL MÍNIMA

CONTROLE INTERNO LEI MUNICIPAL MÍNIMA CONTROLE INTERNO LEI MUNICIPAL MÍNIMA Constituição Federal Art. 31. A fiscalização do Município será exercida pelo Poder Legislativo Municipal, mediante controle externo, e pelos sistemas de controle interno

Leia mais

Sistemas de Controle das empresas estatais

Sistemas de Controle das empresas estatais Sistemas de Controle das empresas estatais Alexandre Luis Bragança Penteado Gerente Setorial do Jurídico Corporativo de Órgãos Externos da Petróleo Brasileiro S.A. - PETROBRAS Sistemas de controle do Estado

Leia mais

RESOLUÇÃO ATRICON Nº 01/2013

RESOLUÇÃO ATRICON Nº 01/2013 RESOLUÇÃO ATRICON Nº 01/2013 Estabelece RECOMENDAÇÕES aos Tribunais de Contas sobre procedimentos e ações de orientação, fiscalização e julgamento da transparência dos órgãos jurisdicionados, especialmente

Leia mais

Encontro com Fornecedores Gestão da Ética nos Correios

Encontro com Fornecedores Gestão da Ética nos Correios Comissão de Ética Encontro com Fornecedores Gestão da Brasília, 29/06/2016 Conceitos Conceitos Fundamentos para o Código de Ética dos Correios Ética é a atribuição de valor ou importância a pessoas, condições

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Reorganiza as atribuições gerais e as classes dos cargos da Carreira Policial Federal, fixa a remuneração e dá outras providências.

Leia mais

Tropa de Elite - Polícia Civil Direito Administrativo Improbidade Administrativa - Parte 02 Clóvis Feitosa

Tropa de Elite - Polícia Civil Direito Administrativo Improbidade Administrativa - Parte 02 Clóvis Feitosa Tropa de Elite - Polícia Civil Direito Administrativo Improbidade Administrativa - Parte 02 Clóvis Feitosa 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 6) DAS PENALIDADES:

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa DECRETO Nº 45.746, DE 14 DE JULHO DE 2008. (publicado no DOE nº 134, de 15 de julho de 2008) Institui, no âmbito da

Leia mais

Controladoria-Geral da União: Zelando pela boa aplicação dos recursos públicos. VALDIR AGAPITO TEIXEIRA Secretário Federal de Controle Interno

Controladoria-Geral da União: Zelando pela boa aplicação dos recursos públicos. VALDIR AGAPITO TEIXEIRA Secretário Federal de Controle Interno Controladoria-Geral da União: Zelando pela boa aplicação dos recursos públicos VALDIR AGAPITO TEIXEIRA Secretário Federal de Controle Interno Maio de 2013 O desafio do Controle é do tamanho do Brasil!

Leia mais

UNIDADE 1 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO CONTROLE

UNIDADE 1 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO CONTROLE UNIDADE 1 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO CONTROLE ESTATAL Conceito de controle: O controle consiste em verificar se tudo ocorre de acordo com o programa adotado, as ordens dadas e os princípios admitidos. Tem

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DA COMISSÃO DE ÉTICA DO IFG 2016

PLANO DE TRABALHO DA COMISSÃO DE ÉTICA DO IFG 2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS COMISSÃO DE ÉTICA PLANO DE TRABALHO DA COMISSÃO DE ÉTICA DO IFG 2016

Leia mais

É sujeito passivo da improbidade a pessoa física ou jurídica lesada pelo ato (Lei nº 8429/92, art. 1º):

É sujeito passivo da improbidade a pessoa física ou jurídica lesada pelo ato (Lei nº 8429/92, art. 1º): IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA A Constituição Federal ordena os princípios básicos da Administração (art.37) e expressamente determina a imposição de sanções para os atos de improbidade administrativa. Da

Leia mais

CONTROLE DE CONTEÚDO CONCURSOS LEGISLATIVOS ÁREA ADMINISTRATIVA

CONTROLE DE CONTEÚDO CONCURSOS LEGISLATIVOS ÁREA ADMINISTRATIVA 1 Domínio da Ortografia Oficial. Emprego das Letras. Emprego da Acentuação Gráfica. 2 Estrutura, Formação e Representação das Palavras. 3 Emprego das Classes de Palavras. 4 Relações de coordenação e de

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO IV DA ORGANIZAÇÃO DOS PODERES CAPÍTULO IV DAS FUNÇÕES ESSENCIAIS À JUSTIÇA Seção I Do Ministério Público Art. 127. O Ministério Público é instituição

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ÉTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ÉTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ÉTICA Prof. Vitor Maciel ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA CONCEITO Todo aparelhamento do estado preordenado à realização de seus serviços, visando à satisfação das necessidades coletivas.

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA CÂMARA DE CONCILIAÇÃO, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM CIESP/FIESP

REGIMENTO INTERNO DA CÂMARA DE CONCILIAÇÃO, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM CIESP/FIESP REGIMENTO INTERNO DA CÂMARA DE CONCILIAÇÃO, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM CIESP/FIESP DENOMINAÇÃO E LOCALIZAÇÃO 1. A Câmara de Conciliação, Mediação e Arbitragem de São Paulo CIESP/FIESP denominar-se-á Câmara

Leia mais

E D U C A T I V A CONSULTIVA

E D U C A T I V A CONSULTIVA Guia Informativo COMISSÃO DE ÉTICA DA UFMG E D U C A T I V A CONSULTIVA PREVENTIVA CONCILIADORA REPRESSIVA Outubro de 2013 2 Apresentação Este guia tem como objetivo esclarecer, orientar e estimular a

Leia mais

Dispõe sobre a criação do Comitê Gestor da Internet no Brasil - CGI.br, sobre o modelo de governança da Internet no Brasil, e dá outras providências.

Dispõe sobre a criação do Comitê Gestor da Internet no Brasil - CGI.br, sobre o modelo de governança da Internet no Brasil, e dá outras providências. Decreto Nº 4.829, de 3 de setembro de 2003 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Dispõe sobre a criação do Comitê Gestor da Internet no Brasil - CGI.br, sobre o modelo de

Leia mais

Polícia Civil Direito Administrativo Improbidade Administrativa Clóvis Feitosa

Polícia Civil Direito Administrativo Improbidade Administrativa Clóvis Feitosa Polícia Civil Direito Administrativo Improbidade Administrativa Clóvis Feitosa 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Improbidade Administrativa Clovis Feitosa IMPROBIDADE

Leia mais

AFASTAMENTO PARA SERVIR A OUTRO ÓRGÃO/ENTIDADE (CESSÃO)

AFASTAMENTO PARA SERVIR A OUTRO ÓRGÃO/ENTIDADE (CESSÃO) Página 1 de 6 AFASTAMENTO PARA SERVIR A OUTRO ÓRGÃO/ENTIDADE (CESSÃO) Definição Cessão é o ato autorizativo para o exercício de cargo em comissão ou função de confiança ou para atender situações previstas

Leia mais

Novo estatuto do gestor público

Novo estatuto do gestor público Decreto Lei n.º 71/2007, de 27 de março Novo estatuto do gestor público CAPÍTULO I Âmbito Artigo 1.º Gestor público 1 Para os efeitos do presente decreto lei, considera se gestor público quem seja designado

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 696, DE 4 DE JUNHO DE 2012.

LEI COMPLEMENTAR Nº 696, DE 4 DE JUNHO DE 2012. LEI COMPLEMENTAR Nº 696, DE 4 DE JUNHO DE 2012. Cria o Fundo Municipal dos Direitos A- nimais (FMDA) e institui seu Conselho Gestor. O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE Faço saber que a Câmara Municipal

Leia mais

CENTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA ELETRÔNICA AVANÇADA CEITEC S/A REGIMENTO INTERNO ÍNDICE

CENTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA ELETRÔNICA AVANÇADA CEITEC S/A REGIMENTO INTERNO ÍNDICE CENTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA ELETRÔNICA AVANÇADA CEITEC S/A REGIMENTO INTERNO ÍNDICE TÍTULO I - DA NATUREZA JURÍDICA DA COMPANHIA TÍTULO II - DA FINALIDADE DO REGIMENTO INTERNO DA COMPANHIA TÍTULO III

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ COMISSÃO DE ÉTICA Portaria n 1.120, de 20 de novembro de 2009 RELATÓRIO

Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ COMISSÃO DE ÉTICA Portaria n 1.120, de 20 de novembro de 2009 RELATÓRIO RELATÓRIO - 2012 REUNIÕES Ordinárias: 11 Extraordinárias: 4 DEMANDAS Demanda 007/2011 Denúncia Divulgação de documento comum sem autorização dos demais signatários. Data: 13 de dezembro de 2011 Atendimento:

Leia mais

REDE DE CONTROLE DA GESTÃO PÚBLICA PARANÁ. Regimento Interno TÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E DOS OBJETIVOS

REDE DE CONTROLE DA GESTÃO PÚBLICA PARANÁ. Regimento Interno TÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E DOS OBJETIVOS TÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E DOS OBJETIVOS Art. 1º. A Rede de Controle da Gestão Pública, constituída como espaço colegiado e permanente no âmbito do Estado do Paraná, formada por órgãos/instituições integrantes

Leia mais

PLANEJAMENTO DE ESTUDOS Você merece se preparar com os melhores! Simulado 001 Lei 8429/92 Improbidade Administrativa PROFESSOR: LEANDRO PEREIRA Questões Comentadas 1. Dentre as possíveis sanções pela prática

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA

DIREITO ADMINISTRATIVO IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA DIREITO ADMINISTRATIVO IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA Atualizado em 04/11/2015 IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA A exigência de uma atuação moral se relaciona com o dever de probidade, ética e honestidade da Administração

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Licitação João Batista Rios Júnior* 1. O QUE É. Quando a administração pública no uso e gozo de suas atribuições convoca, mediante edital ou convite, empresas empenhadas em apresentar

Leia mais

CONTROLE E TRANSPARÊNCI NA GESTÃO PÚBLICA

CONTROLE E TRANSPARÊNCI NA GESTÃO PÚBLICA Slide 1 CONTROLE E TRANSPARÊNCI NA GESTÃO PÚBLICA Maria Clara Bugarim Slide 2 Corrupção (34%) Saúde (16%) Desemprego (10%) Educação (8%) Violência (8%) Economia (5%) CORRUPÇÃO O MAIOR PROBLEMA DO PAÍS

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL NO COMBATE À CORRUPÇÃO. Brasília, 21/03/2012

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL NO COMBATE À CORRUPÇÃO. Brasília, 21/03/2012 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2011-2020 O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL NO COMBATE À CORRUPÇÃO Brasília, 21/03/2012 Organização do MPF Início da mudança: Lançamento do Projeto em 2010 Objetivos e Desafios: Aproximar-se

Leia mais

Seminário Nacional NTU Lei Anticorrupção e Programa de Compliance. Lélis Marcos Teixeira

Seminário Nacional NTU Lei Anticorrupção e Programa de Compliance. Lélis Marcos Teixeira Seminário Nacional NTU - 2014 Lei Anticorrupção e Programa de Compliance Lélis Marcos Teixeira 28/agosto/2014 Iniciativas FETRANSPOR Lei 12.846/2013 Agenda Abertura Histórico Iniciativas Dúvidas Encerramento

Leia mais

DECRETO Nº , DE 18 DE JULHO DE 2001.

DECRETO Nº , DE 18 DE JULHO DE 2001. DECRETO Nº. 3.872, DE 18 DE JULHO DE 2001. Dispõe sobre o Comitê Gestor da Infra-Estrutura de Chaves Públicas Brasileira - CG ICP-Brasil, sua Secretaria-Executiva, sua Comissão Técnica Executiva e dá outras

Leia mais

Atividades Introdutórias. Coordenação, articulação e monitoramento de políticas públicas. Beto Ferreira Martins Vasconcelos

Atividades Introdutórias. Coordenação, articulação e monitoramento de políticas públicas. Beto Ferreira Martins Vasconcelos Atividades Introdutórias Coordenação, articulação e monitoramento de políticas públicas Beto Ferreira Martins Vasconcelos Casa Civil da Presidência da República: coordenação, articulação e monitoramento

Leia mais

Governança aplicada à Gestão de Pessoas

Governança aplicada à Gestão de Pessoas Governança de pessoal: aperfeiçoando o desempenho da administração pública Governança aplicada à Gestão de Pessoas Ministro substituto Marcos Bemquerer Brasília DF, 15 de maio de 2013 TCU Diálogo Público

Leia mais

PARECER Nº, DE SENADO FEDERAL Gabinete do Senador ALOYSIO NUNES FERREIRA. RELATOR: Senador ALOYSIO NUNES FERREIRA I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE SENADO FEDERAL Gabinete do Senador ALOYSIO NUNES FERREIRA. RELATOR: Senador ALOYSIO NUNES FERREIRA I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2015 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 244, de 2014, que acrescenta incisos ao art. 11 da Lei nº 8.429, de 2 de junho de 1992, para incluir

Leia mais

Código de Ética Elaborado em Janeiro de 2016 Atualizado em Junho de 2016 1. INTRODUÇÃO Este Código de Ética estabelece as regras e princípios que nortearão os padrões éticos e de conduta profissional,

Leia mais

Prof. Me. Edson Guedes. Unidade II INSTITUIÇÕES DE DIREITO

Prof. Me. Edson Guedes. Unidade II INSTITUIÇÕES DE DIREITO Prof. Me. Edson Guedes Unidade II INSTITUIÇÕES DE DIREITO 5. Direito Civil Unidade II 5.1 Da validade dos negócios jurídicos; 5.2 Responsabilidade civil e ato ilícito; 5. Direito Civil 5.1 Da validade

Leia mais

ORDEM DO DIA: Eleição de membro efetivo do Conselho de Administração, por indicação do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão.

ORDEM DO DIA: Eleição de membro efetivo do Conselho de Administração, por indicação do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO AGE Em, 06 de agosto de 2015. ORDEM DO DIA: Eleição de membro efetivo do Conselho de Administração, por indicação do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. - INFORMAÇÕES

Leia mais

DECRETO Nº 4.751, DE 17 DE JUNHO DE 2003.

DECRETO Nº 4.751, DE 17 DE JUNHO DE 2003. DECRETO Nº 4.751, DE 17 DE JUNHO DE 2003. Dispõe sobre o Fundo PIS-PASEP, criado pela Lei Complementar nº 26, de 11 de setembro de 1975, sob a denominação de PIS-PASEP, e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

PROPOSTAS DE ALTERAÇÕES ESTATUTÁRIAS

PROPOSTAS DE ALTERAÇÕES ESTATUTÁRIAS PROPOSTAS DE ALTERAÇÕES ESTATUTÁRIAS Obs : as diferenças entre o Estatuto atual e as alterações propostas estão destacadas em negrito e grifadas Esta primeira parte das alterações têm como justificativa

Leia mais

Responsabilização Administrativa de Pessoas Jurídicas A Lei nº /2013

Responsabilização Administrativa de Pessoas Jurídicas A Lei nº /2013 Belo Horizonte 16 de março de 2017 Responsabilização Administrativa de Pessoas Jurídicas A Lei nº 12.846/2013 Seminário de Procuradores, Controladores e Ouvidores Municipais Roteiro A Lei nº 12.846/2013

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 20, DE 04 DE ABRIL DE

LEI COMPLEMENTAR Nº 20, DE 04 DE ABRIL DE LEI COMPLEMENTAR Nº 20, DE 04 DE ABRIL DE 2002-06-07 DISPÕE SOBRE A REESTRUTURAÇÃO DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA DO ESTADO DE ALAGOAS FAPEAL, INSTITUÍDA PELA LEI COMPLEMENTAR Nº 05, DE 27 DE SETEMBRO

Leia mais

Em 2015, o subsídio do governador aumentou para R$ ,05

Em 2015, o subsídio do governador aumentou para R$ ,05 Em 2015, o subsídio do governador aumentou para R$ 21.613,05 O governador Geraldo Alckmin assinou decreto que proíbe aumento para servidores do estado no ano de 2015. O Decreto 61.132/15, publicado na

Leia mais

ATOS ADMINISTRATIVOS E RESPONSABILIDADE DOS AGENTES PÚBLICOS MAURINO BURINI ASSESSOR JURÍDICO E ADVOGADO

ATOS ADMINISTRATIVOS E RESPONSABILIDADE DOS AGENTES PÚBLICOS MAURINO BURINI ASSESSOR JURÍDICO E ADVOGADO ATOS ADMINISTRATIVOS E RESPONSABILIDADE DOS AGENTES PÚBLICOS MAURINO BURINI ASSESSOR JURÍDICO E ADVOGADO Conceito de Ato Administrativo Ato administrativo é todo ato praticado no exercício da função administrativa.

Leia mais

Fonte: Correio Braziliense 28/06/2016

Fonte: Correio Braziliense 28/06/2016 CORRUPÇÃO: VISÃO MINISTÉRIO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS Fonte: Correio Braziliense 28/06/2016 O que é corrupção? É um fenômeno complexo e global, de natureza multidisciplinar. Corrupção é

Leia mais

Regimento Interno do Conselho Consultivo

Regimento Interno do Conselho Consultivo Regimento Interno do Conselho Consultivo 2 3 Regimento Interno do Conselho Consultivo REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO CONSULTIVO CAPÍTULO I DO OBJETIVO Art. 1º - Este Regimento Interno tem por objetivo estabelecer

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO E ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

DIREITO ADMINISTRATIVO E ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DIREITO ADMINISTRATIVO E ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Autonomia e controle no setor público Controlar é qualquer ação tomada pela administração pública com o objetivo de atingir metas preestabelecidas. A administração

Leia mais

COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS REGIMENTO INTERNO

COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS REGIMENTO INTERNO COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS REGIMENTO INTERNO Aprovado na Reunião do Conselho de Administração realizada em 8 de maio de 2015 COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS REGIMENTO INTERNO 1. Regimento. O presente Regimento

Leia mais

Lei Nº12.527/2011 Acesso à Informação Pública Principais pontos da lei brasileira e desafios para sua implementação. Controladoria-Geral da União

Lei Nº12.527/2011 Acesso à Informação Pública Principais pontos da lei brasileira e desafios para sua implementação. Controladoria-Geral da União Lei Nº12.527/2011 Acesso à Informação Pública Principais pontos da lei brasileira e desafios para sua implementação Controladoria-Geral da União Acesso a informação: Conceito Transparência Ativa ACESSO

Leia mais

Lei de Conflito de Interesses /2013

Lei de Conflito de Interesses /2013 Lei de Conflito de Interesses 12.813/2013 Universidade Tecnológica Federal do Paraná Diretoria de Gestão de Pessoas Novembro de 2014 De que trata a Lei? Situações que configuram conflito de interesses

Leia mais

Capítulo 1 Organização e o Processo Organizacional...1

Capítulo 1 Organização e o Processo Organizacional...1 Sumário Capítulo 1 Organização e o Processo Organizacional...1 1. O Conceito de Organização...1 2. O Conceito de Processo...2 3. O Conceito de Administração...3 4. O Processo Organizacional...3 4.1. Conceito

Leia mais

Ofício P.358/2014. Santos, 21 de outubro de

Ofício P.358/2014. Santos, 21 de outubro de Ofício P.358/2014 Santos, 21 de outubro de 2.014. Exmo. Sr. AUGUSTO NARDES MD Ministro Presidente do Tribunal de Contas da União TCU SAFS Qd 4 Lote 1 Ed. Sede Sala 151/159 BRASÍLIA/DF CEP: 70.042-900 Fones:

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Nesse ano, estamos disponibilizando o nosso Código Ética nas versões impressa e eletrônica.

CÓDIGO DE ÉTICA. Nesse ano, estamos disponibilizando o nosso Código Ética nas versões impressa e eletrônica. CÓDIGO DE ÉTICA Nestes três anos de muitas realizações, as relações da Agência de Desenvolvimento Paulista com seus parceiros, clientes, fornecedores, acionistas, entre outros, foram pautadas por valores

Leia mais

NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL E DE DIREITO ADMINISTRATIVO

NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL E DE DIREITO ADMINISTRATIVO NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL E DE DIREITO ADMINISTRATIVO 31. Determinado Tribunal de Justiça estadual possui Órgão Especial composto por seu Presidente e mais 24 membros, provendo-se (A) metade das

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Institucional

Plano de Desenvolvimento Institucional Plano de Desenvolvimento Institucional Âmbito de atuação Missão Visão Elementos Duráveis Princípios Elementos Mutáveis (periodicamente) Análise Ambiental Objetivos Estratégicos Metas Planos de Ação PDI

Leia mais

- REGIMENTO INTERNO. Secretaria de Comunicação. Leis Nº 6.529/05 e Nº 6.551/06, Decretos Nº /06 e Nº

- REGIMENTO INTERNO. Secretaria de Comunicação. Leis Nº 6.529/05 e Nº 6.551/06, Decretos Nº /06 e Nº - REGIMENTO INTERNO Secretaria de Comunicação Leis Nº 6.529/05 e Nº 6.551/06, Decretos Nº 12.659/06 e Nº 15.052 I - Secretaria Executiva: - assessorar o Secretário Municipal no exercício de suas atribuições;

Leia mais

DECRETO - Nº , DE 07 DE MAIO DE 2014.

DECRETO - Nº , DE 07 DE MAIO DE 2014. DECRETO - Nº. 2.901, DE 07 DE MAIO DE 2014. Institui a Comissão Municipal de Emprego, no âmbito do Sistema Público de Emprego, e dá providências correlatas. PE. OSWALDO ALFREDO PINTO, Prefeito Municipal

Leia mais

QUESTÕES TRF 5ª REGIAO CESPE

QUESTÕES TRF 5ª REGIAO CESPE QUESTÕES TRF 5ª REGIAO CESPE - 2011 1 - ( CESPE - 2011 - TRF - 5ª REGIÃO - Juiz) Entre os setores do Estado, destaca-se o denominado terceiro setor conceito surgido com a reforma do Estado brasileiro,

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA Dos Servidores do Poder Judiciário do Estado de Sergipe

CÓDIGO DE ÉTICA Dos Servidores do Poder Judiciário do Estado de Sergipe 1 Resolução nº /2012 do Tribunal de Justiça de Sergipe, regulamenta o Estatuto do Servidores Públicos do Estado de Sergipe no que tange a conduta ética dos servidores do Judiciário Estadual. CÓDIGO DE

Leia mais

ASSOCIAÇÃO UNIFICADA PAULISTA DE ENSINO RENOVADO OBJETIVO ASSUPERO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO RIO GRANDE DO NORTE - IESRN

ASSOCIAÇÃO UNIFICADA PAULISTA DE ENSINO RENOVADO OBJETIVO ASSUPERO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO RIO GRANDE DO NORTE - IESRN ASSOCIAÇÃO UNIFICADA PAULISTA DE ENSINO RENOVADO OBJETIVO ASSUPERO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO RIO GRANDE DO NORTE - IESRN COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INTERNA CPA REGULAMENTO INTERNO CPA/IESRN A

Leia mais

EDITAL N O. REGULAMENTO PARA A ESCOLHA DOS MEMBROS DA COMISSÃO DE ÉTICA PROFISSIONAL DO SERVIDOR PÚBLICO DO IFAM

EDITAL N O. REGULAMENTO PARA A ESCOLHA DOS MEMBROS DA COMISSÃO DE ÉTICA PROFISSIONAL DO SERVIDOR PÚBLICO DO IFAM EDITAL N O. REGULAMENTO PARA A ESCOLHA DOS MEMBROS DA COMISSÃO DE ÉTICA PROFISSIONAL DO SERVIDOR PÚBLICO DO IFAM A Comissão de Ética Profissional do Servidor Público do Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

1ª CCA RV 1ª CÂMARA DE CONCILIAÇÃO E ARBITRAGEM DE RIO VERDE - GO

1ª CCA RV 1ª CÂMARA DE CONCILIAÇÃO E ARBITRAGEM DE RIO VERDE - GO 1ª CCA RV 1ª CÂMARA DE CONCILIAÇÃO E ARBITRAGEM DE RIO VERDE - GO Com fundamento no artigo 65 do Regimento Interno, procede-se à quinta alteração do Regimento Interno, tomando-se as seguintes deliberações:

Leia mais

BRASIL - BTG Pactual Serviços Financeiros S.A. DTVM - Exercício de Direito de Voto

BRASIL - BTG Pactual Serviços Financeiros S.A. DTVM - Exercício de Direito de Voto BRASIL - BTG - Exercício de Direito de Voto Classificação: Legal, Compliance, Governance & Ethics Objetivo da Política: O objetivo desta política é estabelecer princípios que deverão ser observados pela

Leia mais

Prof. Cristiano Lopes

Prof. Cristiano Lopes Prof. Cristiano Lopes Poder Legislativo Federal ü No Brasil vigora o bicameralismo federativo, no âmbito federal. Ou seja, o Poder Legislativo no Brasil, em âmbito federal, é bicameral, isto é, composto

Leia mais

NORMAS PARA PAGAMENTO DE DIÁRIAS, PASSAGENS E COFFEE BREAK

NORMAS PARA PAGAMENTO DE DIÁRIAS, PASSAGENS E COFFEE BREAK NORMAS PARA PAGAMENTO DE DIÁRIAS, PASSAGENS E COFFEE BREAK O Governo Federal implantou o Sistema de Concessão de Diárias e Passagens - SCDP, vinculado e integrado com os sistemas estruturadores SIAPE,

Leia mais

Direito Constitucional TJ/RJ Prof. Carlos Andrade

Direito Constitucional TJ/RJ Prof. Carlos Andrade Direito Constitucional TJ/RJ Prof. Carlos Andrade 19. Segundo a Constituição Federal, os tratados e convenções internacionais sobre direitos humanos que forem aprovados, em cada Casa do Congresso Nacional,

Leia mais

RESPONSABILIDADE DOS AGENTES PÚBLICOS NAS LICITAÇÕES E NOS CONTRATOS ADMINISTRATIVOS

RESPONSABILIDADE DOS AGENTES PÚBLICOS NAS LICITAÇÕES E NOS CONTRATOS ADMINISTRATIVOS SEMINÁRIO NACIONAL RESPONSABILIDADE DOS AGENTES PÚBLICOS NAS LICITAÇÕES E NOS CONTRATOS ADMINISTRATIVOS Atribuições dos agentes públicos Responsabilidades administrativa, civil e penal Sanções disciplinares

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.415, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1568 *Revogada pela Lei nº 2.735, de 4/07/2013. Dispõe sobre o Sistema de Controle Interno do Poder Executivo Estadual, e adota outras

Leia mais

CONHECENDO A UFRRJ: um olhar mais próximo da estrutura física, organizacional, funcional e cultural da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

CONHECENDO A UFRRJ: um olhar mais próximo da estrutura física, organizacional, funcional e cultural da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. CONHECENDO A UFRRJ: um olhar mais próximo da estrutura física, organizacional, funcional e cultural da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. A ÉTICA NO SERVIÇO PÚBLICO CONCEITO Ética é palavra

Leia mais

POLÍTICA DE PREVENÇÃO E COMBATE À CORRUPÇÃO E À FRAUDE

POLÍTICA DE PREVENÇÃO E COMBATE À CORRUPÇÃO E À FRAUDE POLÍTICA DE PREVENÇÃO E COMBATE À CORRUPÇÃO E À FRAUDE 11/08/2017 INFORMAÇÃO PÚBLICA SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 REFERÊNCIAS... 3 4 CONCEITOS... 4 5 DIRETRIZES... 5 6 ORIENTAÇÕES GERAIS...

Leia mais

DECISÃO Nº 265/2009 D E C I D E. aprovar o Regimento Interno do Instituto de Informática, como segue:

DECISÃO Nº 265/2009 D E C I D E. aprovar o Regimento Interno do Instituto de Informática, como segue: CONSUN Conselho Universitário DECISÃO Nº 265/2009 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO, em sessão de 17/7/2009, tendo em vista o constante no processo nº 23078.004276/99-63, de acordo com o Parecer nº 213/2009 da

Leia mais

Texto compilado Institui o Comitê Gestor e o Grupo Executivo do Programa Mais Médicos e dá outras providências.

Texto compilado Institui o Comitê Gestor e o Grupo Executivo do Programa Mais Médicos e dá outras providências. Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 8.040, DE 8 DE JULHO DE 2013 Texto compilado Institui o Comitê Gestor e o Grupo Executivo do Programa Mais Médicos e dá

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 625, DE 3 DE JULHO DE 2009.

LEI COMPLEMENTAR Nº 625, DE 3 DE JULHO DE 2009. LEI COMPLEMENTAR Nº 625, DE 3 DE JULHO DE 2009. Institui o Sistema de Controle Interno do Poder Executivo Municipal, nos termos do art. 31 da Constituição Federal e dos arts. 61 a 64 da Lei Orgânica do

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO PROJETO DE LEI Nº 1.277, DE 2015

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO PROJETO DE LEI Nº 1.277, DE 2015 COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO. PROJETO DE LEI Nº 1.277, DE 2015 (Apenso: PL 2117/2015) Altera o art. 11 da Lei nº 8.429, de 2 de junho de 1992, para caracterizar como atos

Leia mais

Princípios da Administração Pública

Princípios da Administração Pública Princípios da Administração Pública PRINCÍPIO DA LEGALIDADE Conceito: Ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei (art. 5º, II da CF). O Princípio da legalidade

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS DELEGADOS E DELEGADAS SINDICAIS DE BASE DO SITRAEMFA - RIDSBS Norma interna nº. 004/2011.

REGIMENTO INTERNO DOS DELEGADOS E DELEGADAS SINDICAIS DE BASE DO SITRAEMFA - RIDSBS Norma interna nº. 004/2011. REGIMENTO INTERNO DOS DELEGADOS E DELEGADAS SINDICAIS DE BASE DO SITRAEMFA - RIDSBS Norma interna nº. 004/2011. PREAMBULO O Presidente do SITRAEMFA, no uso das atribuições que lhes conferem o art. 28 do

Leia mais

Professor Jaime Arturo Ramírez Presidente do Conselho Universitário

Professor Jaime Arturo Ramírez Presidente do Conselho Universitário RESOLUÇÃO N o 02/2015, DE 31 DE MARÇO DE 2015 Estabelece o Regimento do Centro Esportivo Universitário, reeditando, com alterações, a Resolução n o 13/1993, de 02 de setembro de 1993. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

Lei Nº12.527/2011 Acesso à Informação Pública Principais pontos da lei brasileira e desafios para sua implementação

Lei Nº12.527/2011 Acesso à Informação Pública Principais pontos da lei brasileira e desafios para sua implementação Lei Nº12.527/2011 Acesso à Informação Pública Principais pontos da lei brasileira e desafios para sua implementação Diretoria de Prevenção da Corrupção Controladoria-Geral da União Lei 12.527/2011 Abrangência:

Leia mais

Modelo de transição no âmbito federal

Modelo de transição no âmbito federal Seminário sobre Encerramento de Mandato AEMERJ Modelo de transição no âmbito federal Marcelo Paluma Ambrózio Coordenador do NAOP CGU/Regional-RJ Rio de Janeiro, 07 de abril de 2016. A CGU A CGU é o órgão

Leia mais

No que concerne à licitação, ao controle da administração pública e ao regime jurídico administrativo, julgue os itens de 57 a 60.

No que concerne à licitação, ao controle da administração pública e ao regime jurídico administrativo, julgue os itens de 57 a 60. 01 Q360917 Direito Administrativo Regime jurídico administrativo Ano: 2014 Banca: CESPE Órgão: MDICProva: Agente Administrativo BETA No que concerne à licitação, ao controle da administração pública e

Leia mais

NÃO. Art.41, 1º,III(avaliação desempenho) Art.169, 4º(excesso despesa pessoal) NÃO Idem anterior NÃO. NÃO Idem anterior SIM SIM.

NÃO. Art.41, 1º,III(avaliação desempenho) Art.169, 4º(excesso despesa pessoal) NÃO Idem anterior NÃO. NÃO Idem anterior SIM SIM. João Dado Deputado Federal PDT/SP Até Junho/98 Reforma Administrativa EC-19/98 - Jun Reforma Previdenciária EC-20/98 - Dez Reforma Previdenciária EC-41/03 Reforma Previdenciária EC-47/05 NÃO Estabilidade

Leia mais

VALOR TOTAL RECEBIDO 347, ,74 PORTO ALEGRE

VALOR TOTAL RECEBIDO 347, ,74 PORTO ALEGRE VER. VALDIR LIMA DA SILVA RELATORIO DO CURSO XII Seminário de Mesas Diretoras e Comissões Encontro Preparativo de Instruções para a Mesa, vereadores, assessores e diretores com enfoque nas restrições eleitorais,

Leia mais

Conselho da Justiça Federal

Conselho da Justiça Federal RESOLUÇÃO N. 147, DE 15 DE ABRIL DE 2011. Institui o Código de Conduta do Conselho e da Justiça Federal de primeiro e segundo graus. O PRESIDENTE DO CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL, usando de suas atribuições

Leia mais

2.2. Os escritórios associados e correspondentes serão informados do teor deste Código e solicitados a aderir às suas normas.

2.2. Os escritórios associados e correspondentes serão informados do teor deste Código e solicitados a aderir às suas normas. Código de Conduta Dezembro/2015 1. Apresentação O Código de Conduta de Veirano Advogados (o Escritório ) funda-se nos valores e compromissos éticos que devem orientar o exercício da advocacia e a atuação

Leia mais

ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO

ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do Projeto: Excelência no Atendimento Público: Do primeiro contato com o cidadão

Leia mais

2º É vedada a constituição de cooperativa mista com seção de crédito.

2º É vedada a constituição de cooperativa mista com seção de crédito. Dispõe sobre o Sistema Nacional de Crédito Cooperativo e revoga dispositivos das Leis 4.595/64 de 31 de dezembro de 1964 e 5.764/71 de 16 de dezembro de 1971. Art. 1º As instituições financeiras constituídas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 001/2011. A CONFEDERAÇÃO NACIONAL DE TURISMO CNTur, no âmbito das atribuições que lhe conferem os estatutos sociais,

RESOLUÇÃO Nº 001/2011. A CONFEDERAÇÃO NACIONAL DE TURISMO CNTur, no âmbito das atribuições que lhe conferem os estatutos sociais, RESOLUÇÃO Nº 001/2011 A CONFEDERAÇÃO NACIONAL DE TURISMO CNTur, no âmbito das atribuições que lhe conferem os estatutos sociais, CONSIDERANDO o interesse em divulgar nos estados brasileiros os seus ideais

Leia mais

Ouvidoria - Geral da União. Objetivo 6. Produzir informações estratégicas para subsidiar as tomadas de decisões do Presidente da República.

Ouvidoria - Geral da União. Objetivo 6. Produzir informações estratégicas para subsidiar as tomadas de decisões do Presidente da República. Ouvidoria - Geral da União Objetivo 6. Produzir informações estratégicas para subsidiar as tomadas de decisões do Presidente da República. Produzir dados quantitativos e qualitativos acerca da satisfação

Leia mais

ESTATUTO DO GRUPO DO LEITE UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS

ESTATUTO DO GRUPO DO LEITE UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS ESTATUTO DO GRUPO DO LEITE UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS Art.1 - O GRUPO DO LEITE, da Universidade Federal de Lavras (UFLA), entidade civil, apartidária, sem fins lucrativos,

Leia mais

DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA PETROBRAS

DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA PETROBRAS DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA PETROBRAS O objetivo deste documento é estabelecer diretrizes para o modelo de governança corporativa da Petrobras, visando à atuação ativa do Conselho de Administração

Leia mais

Administração Pública. Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior

Administração Pública. Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior Administração Pública Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior 1 O Estado É uma comunidade de homens fixada sobre um território com poder de mando, ação e coerção (ato de pressionar, induzir) constituída

Leia mais

REGIMENTO INTERNO. CAPÍTULO I Finalidade

REGIMENTO INTERNO. CAPÍTULO I Finalidade REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I Finalidade Art. 1º - Este regimento tem como finalidade regulamentar as disposições relativas à Comissão de Ética no âmbito da Universidade Federal do Acre, de acordo com o

Leia mais

A PETROBRAS E A GOVERNANÇA CORPORATIVA. Desenvolvimento de Sistemas de Gestão. Comunicação Institucional

A PETROBRAS E A GOVERNANÇA CORPORATIVA. Desenvolvimento de Sistemas de Gestão. Comunicação Institucional A PETROBRAS E A GOVERNANÇA CORPORATIVA Desenvolvimento de Sistemas de Gestão Comunicação Institucional A Petrobras já integra o grupo das grandes companhias que adotam as melhores práticas de governança

Leia mais

INSTITUTO PACTO NACIONAL PELA ERRADICAÇÃO DO TRABALHO ESCRAVO INPACTO. Código de Conduta

INSTITUTO PACTO NACIONAL PELA ERRADICAÇÃO DO TRABALHO ESCRAVO INPACTO. Código de Conduta INSTITUTO PACTO NACIONAL PELA ERRADICAÇÃO DO TRABALHO ESCRAVO INPACTO Código de Conduta Nos termos do parágrafo quarto, do artigo quarto do Estatuto Social do INSTITUTO PACTO NACIONAL PELA ERRADICAÇÃO

Leia mais

MASCARENHAS BARBOSA ROSCOE S/A CONSTRUÇÕES POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS

MASCARENHAS BARBOSA ROSCOE S/A CONSTRUÇÕES POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS MASCARENHAS BARBOSA ROSCOE S/A CONSTRUÇÕES POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS Objetivo Estabelecer regras gerais para os processos de contratação de terceiros e obrigações básicas que devem ser adotadas

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE BANCAS DA ESCOLA PAULISTA DE POLÍTICA, ECONOMIA E NEGÓCIOS (EPPEN)/UNIFESP

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE BANCAS DA ESCOLA PAULISTA DE POLÍTICA, ECONOMIA E NEGÓCIOS (EPPEN)/UNIFESP REGULAMENTO DA COMISSÃO DE BANCAS DA ESCOLA PAULISTA DE POLÍTICA, ECONOMIA E NEGÓCIOS (EPPEN)/UNIFESP Dispõe sobre as atribuições Comissão de Bancas Examinadoras da EPPEN/UNIFESP, sua composição e condução

Leia mais

03/05/2017 MARIANO BORGES DIREITO ADMINISTRATIVO

03/05/2017 MARIANO BORGES DIREITO ADMINISTRATIVO MARIANO BORGES DIREITO ADMINISTRATIVO 1. O regime jurídico administrativo é composto por inúmeras normativas que conferem unidade ao Direito Administrativo brasileiro. Majoritariamente, a doutrina apresenta

Leia mais

CENÁRIO ATUAL e PERSPECTIVAS FUTURAS da AÇÃO SOCIAL. Jôer Corrêa Batista

CENÁRIO ATUAL e PERSPECTIVAS FUTURAS da AÇÃO SOCIAL. Jôer Corrêa Batista CENÁRIO ATUAL e PERSPECTIVAS FUTURAS da AÇÃO SOCIAL Jôer Corrêa Batista Considerações Preliminares. Filantropia Assistência Ação Social Transformação Social Tendências O amadorismo no Terceiro Setor vem

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos 1 de 5 01/09/2016 09:30 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO N o 3.017, DE 6 DE ABRIL DE 1999. Aprova o Regimento do Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo

Leia mais