Mapa de Pessoal do Turismo de Portugal, I.P. - Serviços Centrais

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mapa de Pessoal do Turismo de Portugal, I.P. - Serviços Centrais"

Transcrição

1 Mapa de Pessoal do Turismo de Portugal, I.P. - Serviços Centrais Cargo/Carreira/categoria Atribuições / Competências/Actividades Nº de postos Planeados Nº de postos de trabalho providos Observações (Universo de Planeados) Presidente (a) Vice-Presidente (a) Vogal (a) Secretário-Geral (a) Director Coordenador (b) Director (b) Prestação de assessoria técnica especializada ao Conselho Directivo Monitorização e avaliação da actividade turística nacional e seus factores de desenvolvimento; Planeamento estratégico de desenvolvimento do sector do Turismo Mobilidade 2 - Comissão Serviço Recolha, análise e preparação de informação estatística relativa ao sector do Turismo Representação do organismos nas estruturas internacionais do sector do Turismo;Participação na execução da política do turismo com países terceiros Técnico Superior /Técnico Superior Constituição, tratamento, conservação e disponibilização do património documental Promoção de uma política de valorização a oferta turística, incluindo acções de apoio e intervenção no ordenamento do território Comissão Serviço 5 - Mobilidade Licenciamento ou autorização,classificação e registo de empreendimentos e actividades turísticas e reconhecimento de interesse para o turismo Comissão Serviço Apoio na concepção dos instrumentos de apoio aodesenvovimento da oferta turísitica, análise de candidaturas que tenham por objecto a concretização de projectos turísticos e outras infra-estruturas de interesse para o turismo e a contratação e acompanhamento dos mesmos, nas suas vertentes material, financeira e contratual, prestando ainda o apoio técnico que se afigure necessário Comissão Serviço Estrutura de Projecto Turismo Mobilidade Pág. 1 de 8

2 Mapa de Pessoal do Turismo de Portugal, I.P. - Serviços Centrais Cargo/Carreira/categoria Atribuições / Competências/Actividades Nº de postos Planeados Nº de postos de trabalho providos Observações (Universo de Planeados) Apresentação de propostas para a definição da estratégia promocional de Portugal e dos destinos regionais e produtos turísticos, para a captação de eventos internacionais e para a concepção do respectivo plano nacional de promoção turística Comissão Serviço Coordenação, execução e/ou acompanhamento, em colaboração com agentes públicose privados, da actividade promocional, informativa e de imagem do Destino Portugal, tanto no país como no estrangeiro Definição das prioridades de qualificação dos recursos humanos do sector do turismo, reconhecimento dos cursos de formação profisisonal, certificação da aptidão profissional para o exercício das profissões dosector e gestão da rede escolar Comissão Serviço 3 - Cedência Técnico Superior /Técnico Superior Criação de condições para o desenvolvimento estruturado de produtos e destinos turísticos, através do conhecimento aprofundado da sua realidade e dad definição de acçõesdeterminantes da sua qualificação, em ligação com agentes públicos e privados relevantes e em conjugação com as restantes áreas do organismo Gestão de Recursos Humanos Comissão Serviço Assegurar o apoio jurídico e asistência jurídica ao nível do contencioso ao Conselho Directivo e demais órgãos do instituto Mobilidade Planeamento e Controlo de Gestão Gestão Financeira Gestão Geral Tecnologias Comunicação Área de Inspecção de Jogos Mobilidade 1 - Mobilidade 2 - Comissão Serviço Chefia técnica e administrativa de funções de natureza executiva de grau médio de complexidade na área de gestão geral Assistente Técnico/Coordenador Técnico Chefia técnica e administrativa de funções de natureza executiva de grau médio de complexidade na área de gestão de recursos humanos Chefia técnica e administrativa de funções de natureza executiva de grau médio de complexidade na área de Inspecção de Jogos Pág. 2 de 8

3 Mapa de Pessoal do Turismo de Portugal, I.P. - Serviços Centrais Cargo/Carreira/categoria Atribuições / Competências/Actividades Nº de postos Planeados Nº de postos de trabalho providos Observações (Universo de Planeados) Funções de natureza executiva de grau médio de complexidade em apoio ao Conselho Directivo Funções de natureza executiva de grau médio de complexidade nas áreas monitorização e avaliação da actividade turística nacional e seus factores de desenvolvimento; e planeamento estratégico de desenvolvimento do sector do Turismo Funções de natureza executiva de grau médio de complexidade na área da informação estatística relativa ao sector do Turismo Funções de natureza executiva de grau médio de complexidade nas áreas da representação do organismos nas estruturas internacionais do sector do Turismo; e participação na execução da política do turismo com países terceiros Funções de natureza executiva de grau médio de complexidade nas áreas de promoção de uma política de valorização a oferta turística, incluindo acções de apoio e intervenção no ordenamento do território Assistente Técnico/Assistente Técnico Funções de natureza executiva de grau médio de complexidade nas áreas do licenciamento ou autorização, classificação e registo de empreendimentos e actividades turísticas e reconhecimento de interesse para o turismo Funções de natureza executiva de grau médio de complexidade nas áreas do desenvovimento da oferta turísitica, análise de candidaturas que tenham por objecto a concretização de projectos turísticos e outras infra-estruturas de interesse para o turismo e a contratação e acompanhamento dos mesmos, nas suas vertentes material, financeira e contratual Funções de natureza executiva de grau médio de complexidade nas áreas da definição da estratégia promocional de Portugal e dos destinos regionais e produtos turísticos, para a captação de eventos internacionais e para a concepção do respectivo plano nacional de promoção turística Funções de natureza executiva de grau médio de complexidade nas áreas da actividade promocional, informativa e de imagem do Destino Portugal, tanto no país como no estrangeiro Funções de natureza executiva de grau médio de complexidade nas áreas da definição das prioridades de qualificação dos recursos humanos do sector do turismo, reconhecimento dos cursos de formação profisisonal, certificação da aptidão profissional para o exercício das profissões dosector e gestão da rede escolar Funções de natureza executiva de grau médio de complexidade nas áreas do desenvolvimento estruturado de produtos e destinos turísticos, através do conhecimento aprofundado da sua realidade e da definição de acções determinantes da sua qualificação, em ligação com agentes públicos e privados relevantes e em conjugação com as restantes áreas do organismo Funções de natureza executiva de grau médio de complexidade na área da gestão dos recursos humanos Pág. 3 de 8

4 Mapa de Pessoal do Turismo de Portugal, I.P. - Serviços Centrais Cargo/Carreira/categoria Atribuições / Competências/Actividades Nº de postos Planeados Nº de postos de trabalho providos Observações (Universo de Planeados) Assistente Técnico/Assistente Técnico Assistente Operacional/Assistente Operacional Funções de natureza executiva de grau médio de complexidade na área do planeamento e controlo de gestão Funções de natureza executiva de grau médio de complexidade na área de gestão geral Funções de natureza executiva de grau médio de complexidade na área da comunicação Funções de natureza executiva de grau médio de complexidade na área de inspecção de jogos Funções executivas de carácter manual ou mecânico e de apoio elementares nas áreas comuns e instrumentais e nos diversos domínios de actuação do organismo Cargo/carreira/categoria Mapa Resumo dos postos de trabalho por cargo/carreira/categoria Nº de postos de trabalho planeados trabalho providos Presidente Vice-Presidente Vogais Secretário-Geral Cargos Directivos Técnico Superior Coordenador técnico Assistente Técnico Assistente Operacional Carreiras não revistas Nº de postos de trabalho planeados trabalho providos Inspectores Informáticos (a) Cargos directivos criados pelo Decreto-Lei nº 141/2007, dde 27 de Abril (b) Cargos directivos criados pela Portaria nº 539/2007, de 30 de Abril Pág. 4 de 8

5 Mapa de Pessoal do pessoal da carreira de inspecção do Turismo de Portugal, I.P. Atribuições / Competências/Actividades Carreira Categoria trabalho planeados trabalho providos Inspector Superior Principal de Jogos Inspector Superior de Jogos Inspecção de Jogos Inspector Superior de Jogos Inspector Principal de Jogos Inspector de Jogos Mapa Resumo dos postos de trabalho por cargo/carreira/categoria Cargo/carreira/categoria nº postos de trabalho planeados n.º de postos de trabalho providos n.º de postos de Inspector Superior de Jogos

6 Mapa de Pessoal do Turismo de Portugal, I.P. Atribuições / Competências/Actividades Cargo/carreira/categoria Área de formação académica e/ou profissional trabalho planeados trabalho providos Gestão operacional de Postos de Turismo, Desenvolvimento de parcerias, prestação de informação turística de carácter nacional e apoio personalizado ao turista Assistente Técnico Mapa Resumo dos postos de trabalho por cargo/carreira/categoria Cargo/carreira/categoria nº postos de trabalho planeados n.º de postos de trabalho providos n.º de postos de Assistente Técnico NOTA Tratam-se de actividades e procedimentos não incluídos nas atribuições transferidas para o Turismo de Portugal, I.P. São atribuições a transferir para as Regiões deturismo ao abrigo do seu novo regime jurídico mantendo transitoriamente os efectivos a elas afectos a mesma situação profissional e jurídica no Turismode Portugal, I.P., conforme listas de actividades e procedimentos e postos de trabalho aprovadas pro despacho de 28 de Agosto de 2007 do Senhor Ministro de Estado e das Finanças

7 Mapa de Pessoal do pessoal da carreira de inspecção do Turismo de Portugal, I.P. Atribuições / Competências/Actividades Carreira Categoria trabalho planeados Técnico de Informática G2-N1 Apoio no âmbito informático na área das tecnologias e da inspecção de jogos Técnico de Informática Técnico de Informática G1-N2 3 Técnico de Informática - Adjunto (nivel 1) Mapa Resumo dos postos de trabalho por cargo/carreira/categoria Cargo/carreira/categoria nº postos de trabalho planeados n.º de postos de trabalho providos n.º de postos d e Técnico de Informática 3 3 0

8 Mapa de Pessoal do pessoal da carreira de inspecção do Turismo de Portugal, I.P. trabalho providos OBS (a) 3 0

Mapa de Pessoal do Turismo de Portugal, I.P. - Serviços Centrais

Mapa de Pessoal do Turismo de Portugal, I.P. - Serviços Centrais Presidente Vice-Presidente Vogal Secretário-Geral Director Coordenador a) 9 8 1 Director a) 24 23 1 Prestação de assessoria técnica especializada ao Conselho Directivo 2 2 0 Monitorização e avaliação da

Leia mais

Área de formação académica e/ou profissional. Actividade /Atribuições / Projectos / Competências ou Perfil. Lic. Adm. Pública e Autárquica

Área de formação académica e/ou profissional. Actividade /Atribuições / Projectos / Competências ou Perfil. Lic. Adm. Pública e Autárquica MAPA DE PESSOAL 2017 Mapa de Pessoal 2017 ESTRUTURA ORGÂNICA POSTOS DE TRABALHO OCUPADOS POSTOS DE TRABALHO CATIVOS * POSTOS TRABALHO A OCUPAR Unidade Orgânica Serviço ou Função Director de Serviços Director

Leia mais

M U N I C Í P I O D E C A R R E G A L D O S A L

M U N I C Í P I O D E C A R R E G A L D O S A L M U N I C Í P I O D E C A R R E G A L D O S A L Mapa de Pessoal para o Ano de 0 - artigos 4.º e 5.º da Lei n.º -A/008 Unidades s/subunidades s Cargo/carreira /categoria Chefe de divisão - Dirigente intermédio

Leia mais

MAPA DE PESSOAL 2015 FUNDAÇÃO PARA A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA, I.P. REGIME DE CONTRATO DE TRABALHO EM FUNÇÕES PÚBLICAS. Cargos/carreiras/categorias

MAPA DE PESSOAL 2015 FUNDAÇÃO PARA A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA, I.P. REGIME DE CONTRATO DE TRABALHO EM FUNÇÕES PÚBLICAS. Cargos/carreiras/categorias MAPA DE PESSOAL 2015 Atribuições/competênci as/actividades As previstas no artº 5º do As previstas no nº 4 do Despacho nº 9511/2012, de 13 de julho As previstas no artº 3º do As previstas no artº 3º do

Leia mais

Regulamento específico Assistência Técnica FEDER

Regulamento específico Assistência Técnica FEDER Regulamento específico Assistência Técnica FEDER Capítulo I Âmbito Artigo 1.º Objecto O presente regulamento define o regime de acesso aos apoios concedidos pelo Programa Operacional de Assistência Técnica

Leia mais

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE VISEU

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE VISEU Mapa Resumo dos postos de trabalho por cargo/carreira/categoria - Para 03 Cargo / Carreira / Categoria Certo Incerto Incerto Certo Director Delegado 0 0 0 0 0 Com. Serv. Chefe de Divisão 3 0 0 0 0 3 5

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA Título da Posição: TECNICO DE PROMOÇÃO TURÍSTICA Duração: Local: Instituição: RENOVAÇÃO DEPENDENDO

Leia mais

Comunidade Intermunicipal do Baixo Alentejo - MAPA DE PESSOAL

Comunidade Intermunicipal do Baixo Alentejo - MAPA DE PESSOAL Comunidade Intermunicipal do Baixo Alentejo - MAPA DE PESSOAL Postos de trabalho Atribuições / Competências/ Atividades Cargo/carreira/ Categoria Atribuições/Atividades Área de formação académica e/ou

Leia mais

ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA

ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA Este documento visa dar corpo á orgânica dos serviços da Santa Casa, ou seja, definir competências, hierarquias e formas de actuação. Como a Santa Casa da Póvoa de Santo

Leia mais

DIREÇÃO DE APOIO AO INVESTIMENTO

DIREÇÃO DE APOIO AO INVESTIMENTO DIREÇÃO DE APOIO AO INVESTIMENTO Turismo em Portugal Importância na economia portuguesa. Um setor competitivo e com relevância crescente na economia de Portugal. 11,4Mm Receitas Turísticas (2015, BdP)

Leia mais

REGULAMENTO DO GABINETE DE ESTUDOS E PLANEAMENTO. Artigo 1.º. Definição e Finalidade

REGULAMENTO DO GABINETE DE ESTUDOS E PLANEAMENTO. Artigo 1.º. Definição e Finalidade REGULAMENTO DO GABINETE DE ESTUDOS E PLANEAMENTO O presente regulamento explicita as competências, responsabilidades e funcionamento do Gabinete de Estudos e Planeamento. Artigo 1.º Definição e Finalidade

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO, DO ANO DE 2005

PLANO DE ACÇÃO, DO ANO DE 2005 PLANO DE ACÇÃO, DO ANO DE 2005 O ano de 2005 é o último ano de vigência do I Plano Estratégico para o Desenvolvimento da. Assim sendo, este Plano de Acção constitui, de certa forma, o encerrar de um ciclo

Leia mais

Grau I. Perfil Profissional. Grau I

Grau I. Perfil Profissional. Grau I Perfil Profissional O corresponde à base hierárquica de qualificação profissional do treinador de desporto. No âmbito das suas atribuições profissionais, compete ao Treinador de a orientação, sob supervisão,

Leia mais

MAPA DE PESSOAL DA CÂMARA MUNICIPAL DE PALMELA - Ano 2016 Nos termos da Lei n.º 35/2014, de 20 de junho

MAPA DE PESSOAL DA CÂMARA MUNICIPAL DE PALMELA - Ano 2016 Nos termos da Lei n.º 35/2014, de 20 de junho MAPA DE PESSOAL DA CÂMARA MUNICIPAL DE PALMELA - Ano 206 Nos termos da Lei n.º 35/204, de 20 de junho CÂMARA MUNICIPAL Assistente Técnico 4 4 4 [a3] 4 4 0 0 0 4 GABINETE DE APOIO À PRESIDÊNCIA 4 Planeamento

Leia mais

Decreto executivo n.º 66/99 de 7 de Maio

Decreto executivo n.º 66/99 de 7 de Maio Decreto executivo n.º 66/99 de 7 de Maio Havendo a necessidade de dar cumprimento ao estatuído no ponto único, artigo 5º do Capítulo V e no nº, artigo.º do Capítulo IV do Decreto- Lei nº 7/97, de 1 de

Leia mais

Pág. 1 de 48 MAPA DE PESSOAL 2015 - TURISMO DE PORTUGAL - 1ª ALTERAÇÃO LISTA DE ATIVIDADES/PROCEDIMENTOS E POSTOS DE TRABALHO NECESSÁRIOS*

Pág. 1 de 48 MAPA DE PESSOAL 2015 - TURISMO DE PORTUGAL - 1ª ALTERAÇÃO LISTA DE ATIVIDADES/PROCEDIMENTOS E POSTOS DE TRABALHO NECESSÁRIOS* MAPA DE PESSOAL 2015 - TURISMO DE PORTUGAL - 1ª ALTERAÇÃO LISTA DE ATIVIDADES/PROCEDIMENTOS E POSTOS DE TRABALHO NECESSÁRIOS* existentes 1ª Alteração Funções Dirigente superiores 1 1 Presidente Conselho

Leia mais

Lisboa, 25 de novembro de 2011

Lisboa, 25 de novembro de 2011 Lisboa, 25 de novembro de 2011 A reabilitação urbana constitui um fator essencial no desenvolvimento do setor do turismo, enquanto elemento integrante da nossa oferta turística A regeneração urbana estabelece

Leia mais

CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS

CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS CURSO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS Língua Estrangeira (I/II/III) Matemática A Física e Química A Biologia e Geologia Biologia/ Física/ Química/ Geologia a) Psicologia B/ Língua Estrangeira (I/II/III)* b)

Leia mais

Avaliação do Desempenho de Docentes

Avaliação do Desempenho de Docentes Agrupamento de Escolas de Ponte da Barca Avaliação do Desempenho de Docentes Decreto Regulamentar 2/2010 de 23 de Junho Julho/2010 Em Destaque: 1. Objectivos da avaliação do desempenho. 2. Relevância da

Leia mais

REGULAMENTOS ESPECÍFICOS

REGULAMENTOS ESPECÍFICOS Programa Operacional Factores de Competitividade Deliberações CMC POFC: 16/07/2008 Assistência Técnica do POFC Entrada em vigor DA ÚLTIMA ALTERAÇÃO em 17/07/2008 Artigo 1.º Objecto O presente regulamento

Leia mais

Capítulo I Disposições Gerais. Preâmbulo. Artigo 1º - Objeto. Artigo 2º - Competências Gerais do Serviço de Relações Externas

Capítulo I Disposições Gerais. Preâmbulo. Artigo 1º - Objeto. Artigo 2º - Competências Gerais do Serviço de Relações Externas Capítulo I Disposições Gerais Preâmbulo De acordo com os estatutos do Instituto Politécnico de Viseu (IPV), e tal como referenciado no nº5 do Artigo 82º, os Serviços de Relações Externas, doravante designados

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GUALDIM PAIS AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL NÃO DOCENTE REGULAMENTAÇÃO DOS CRITÉRIOS DE PONDERAÇÃO CURRICULAR

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GUALDIM PAIS AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL NÃO DOCENTE REGULAMENTAÇÃO DOS CRITÉRIOS DE PONDERAÇÃO CURRICULAR AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL NÃO DOCENTE REGULAMENTAÇÃO DOS CRITÉRIOS DE PONDERAÇÃO CURRICULAR (Aprovados na reunião do Conselho de Coordenação de Avaliação de 11 de Outubro de 2010) PREÂMBULO A

Leia mais

MAPA DE PESSOAL DA CÂMARA MUNICIPAL DE PALMELA - Ano 2017 Nos termos da Lei n.º 35/2014, de 20 de junho

MAPA DE PESSOAL DA CÂMARA MUNICIPAL DE PALMELA - Ano 2017 Nos termos da Lei n.º 35/2014, de 20 de junho MAPA DE PESSOAL DA CÂMARA MUNICIPAL DE PALMELA - Ano 207 Nos termos da Lei n.º 35/204, de 20 de junho CÂMARA MUNICIPAL Assistente Técnico 4 4 4 [a3] 4 4 0 0 0 4 GABINETE DE APOIO À PRESIDÊNCIA 2 Direito

Leia mais

MAPA DE PESSOAL Artigo 29.º da LGTFP, aprovada em anexo à Lei n.º 35/2014, de 20 de junho

MAPA DE PESSOAL Artigo 29.º da LGTFP, aprovada em anexo à Lei n.º 35/2014, de 20 de junho Preenchidos A preencher Preenchidos Gabinete de Apoio ao Presidente Coordenar e executar todas as atividades inerentes à assessoria, secretariados, protocolos da Presidência e assegurar a interligação

Leia mais

Paula Cristina Pereira de Azevedo Pamplona Ramos, casada, nascida a , na freguesia de Nossa Senhora da Conceição, Angra do Heroísmo.

Paula Cristina Pereira de Azevedo Pamplona Ramos, casada, nascida a , na freguesia de Nossa Senhora da Conceição, Angra do Heroísmo. NOTA BIOGRÁFICA. 1 - Dados Pessoais Paula Cristina Pereira de Azevedo Pamplona Ramos, casada, nascida a 23-08- 1967, na freguesia de Nossa Senhora da Conceição, Angra do 2 - Habilitações Literárias Ensino

Leia mais

SERVIÇOS CENTRAIS DO INEM. INEM - Serviços Centrais - Mapa de Pessoal Lugares previstos

SERVIÇOS CENTRAIS DO INEM. INEM - Serviços Centrais - Mapa de Pessoal Lugares previstos Conselho Diretivo Proceder à gestão, disponibilização e controlo dos recursos do INEM 1 Presidente Gestão Conselho Diretivo Coadjuvar o Presidente na gestão, disponibilização e controlo dos recursos do

Leia mais

Diploma. Aprova a orgânica da Secretaria-Geral do Ministério do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia

Diploma. Aprova a orgânica da Secretaria-Geral do Ministério do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia Diploma Aprova a orgânica da Secretaria-Geral do Ministério do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia Decreto-Lei n.º 54/2014 de 9 de abril O Decreto-Lei n.º 119/2013, de 21 de agosto, alterou a

Leia mais

Delegações de competências e pelouros na Câmara Municipal

Delegações de competências e pelouros na Câmara Municipal Delegações de competências e pelouros na Câmara Municipal Competências delegadas pela Câmara no Presidente Por deliberação da Câmara Municipal são fixadas as competências delegadas no seu Presidente e

Leia mais

Nº de postos de trabalho Presidente 1 Vice-Presidente 1 Vogal 1 Secretário do Conselho Diretivo 1. Área de formação académica e/ou profissional

Nº de postos de trabalho Presidente 1 Vice-Presidente 1 Vogal 1 Secretário do Conselho Diretivo 1. Área de formação académica e/ou profissional Atribuições / Competências/Atividades Cargo/Carreira/ Categoria Conselho Diretivo Área de formação académica e/ou profissional Nº de postos de trabalho Presidente 1 Vice-Presidente 1 Vogal 1 Secretário

Leia mais

CARTA de MISSÃO 1. MISSÃO

CARTA de MISSÃO 1. MISSÃO CARTA de MISSÃO 1. MISSÃO Através da Resolução do Conselho de Ministros n.º 52-A/2015, de 23 de julho, o Governo criou a estrutura de missão designada por Estrutura de Gestão do Instrumento Financeiro

Leia mais

Obras e loteamentos Particulares. Geografia e 1 Planeamento 1 Regional 1d) d) Planeamento. Topografia. Desenho e Reprografia

Obras e loteamentos Particulares. Geografia e 1 Planeamento 1 Regional 1d) d) Planeamento. Topografia. Desenho e Reprografia CÂMARA MUNICIPAL DE CHAMUSCA Mapa de Pessoal (artigo 5º LVCR) Atribuições/Competências/ Técnico Fiscal Encarregado Àrea Formação Nº de OBS Unidades Técnico Informá- Leituras Coordenador Assistente Geral

Leia mais

ENCONTRO NACIONAL DE QUADROS DA SEGURANÇA SOCIAL

ENCONTRO NACIONAL DE QUADROS DA SEGURANÇA SOCIAL ENCONTRO NACIONAL DE QUADROS DA SEGURANÇA SOCIAL PLANO DE IMPLEMENTAÇÃO DO ESTATUTO ORGÂNICO JESUS MAIATO Director Nacional de Segurança Social do MAPTSS Benguela. 22. Maio 2014 INSTALAÇÃO DOS NOVOS DEPARTAMENTOS

Leia mais

Conteúdos sobre segurança e saúde no trabalho Organismos e instituições

Conteúdos sobre segurança e saúde no trabalho Organismos e instituições ISHST - Instituto para a Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Criado em 2004, pelo Decreto-lei n.º 171, de 17 de Julho, o Instituto para a Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho (ISHST), I. P., é o organismo

Leia mais

Gabinete de Apoio à Criação de Emprego e Captação de Investimentos

Gabinete de Apoio à Criação de Emprego e Captação de Investimentos Estudo de Caracterização do Tecido Empresarial do Concelho de Almada Observatório sobre Emprego, Empresas e Formação Gabinete de Apoio à Criação de Emprego e Captação de Investimentos 1 O Objecto da presente

Leia mais

II Conferência do Turismo e Hotelaria O Turismo em Portugal após 2009 [Oportunidades e Desafios]

II Conferência do Turismo e Hotelaria O Turismo em Portugal após 2009 [Oportunidades e Desafios] II Conferência do Turismo e Hotelaria O Turismo em Portugal após 2009 [Oportunidades e Desafios] Painel: Como é que os destinos turísticos se estão a preparar? O caso do Destino Douro Porto, 18 de Junho

Leia mais

GUIÃO DE ENTREVISTA AO DIRECTOR DE DIRECÇÃO

GUIÃO DE ENTREVISTA AO DIRECTOR DE DIRECÇÃO 1001 GUIÃO DE ENTREVISTA AO DIRECTOR DE DIRECÇÃO PROTOCOLO DA ENTREVISTA - Apresentação institucional. - Apresentação do objecto de estudo. - Solicitar autorização para gravar a entrevista. - Garantir

Leia mais

NORMAS DE APLICAÇÃO DO SIADAP 2 E 3 NO IPL

NORMAS DE APLICAÇÃO DO SIADAP 2 E 3 NO IPL NORMAS DE APLICAÇÃO DO SIADAP 2 E 3 NO IPL Cada Unidade Orgânica deve constituir uma bateria de objectivos directamente relacionados com o QUAR / Plano de Actividades por carreiras de onde serão seleccionados

Leia mais

Regulamento orgânico dos Serviços Centrais do Instituto Politécnico de Portalegre

Regulamento orgânico dos Serviços Centrais do Instituto Politécnico de Portalegre Regulamento orgânico dos Serviços Centrais do Instituto Politécnico de Portalegre Artigo 1.º Definição 1 O IPP dispõe de serviços identificados pelas funções que desempenham, conforme dispõe o n.º 1 do

Leia mais

LUXURY NOV ... SALES MANAGEMENT COURSE 2017 EDIÇÃO X REAL ESTATE

LUXURY NOV ... SALES MANAGEMENT COURSE 2017 EDIÇÃO X REAL ESTATE LUXURY X REAL ESTATE... SALES MANAGEMENT COURSE 2017 15 17 NOV 04 EDIÇÃO DESCRIÇÃO DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS COMERCIAIS FOCADAS NO SETOR IMOBILIÁRIO, COM DESTAQUE PARA O SEGMENTO DE LUXO E CLIENTES

Leia mais

Instituto Superior de Ciências Empresariais e do Turismo

Instituto Superior de Ciências Empresariais e do Turismo Instituto Superior de Ciências Empresariais e do Turismo DESDE 1990 O ISCET Instituto Superior de Ciências Empresariais e do Turismo é um estabelecimento de ensino superior politécnico, criado em 25 de

Leia mais

Relatório de Atividades 2016

Relatório de Atividades 2016 Relatório de Atividades 2016 Comissão de Coordenação das Políticas de Prevenção e Combate ao Branqueamento de Capitais e ao Financiamento do Terrorismo 1 Índice I - INTRODUÇÃO... 2 II - ATIVIDADES DESENVOLVIDAS...

Leia mais

Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa

Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa I. INTRODUÇÃO A orientação para a qualidade deve constituir um pressuposto fundamental na actividade das entidades formadoras, traduzida na

Leia mais

DIREÇÃO REGIONAL DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL DIVISÃO DE ENCAMINHAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS

DIREÇÃO REGIONAL DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL DIVISÃO DE ENCAMINHAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS DIREÇÃO REGIONAL DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL DIVISÃO DE ENCAMINHAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS O que são? Centros para a Qualificação e o Ensino Profissional Os CQEP são estruturas do Sistema Nacional

Leia mais

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM COMUNITÁRIA E DE SAÚDE PÚBLICA

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM COMUNITÁRIA E DE SAÚDE PÚBLICA REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM COMUNITÁRIA E DE SAÚDE PÚBLICA APROVADO POR UNANIMIDADE EM ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DE 20 DE NOVEMBRO DE 2010 Proposta

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO MAR, DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO MAR, DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO 12629 Despacho (extrato) n.º 5181/2013 Em conformidade com o estipulado na alínea b) do n.º 1 do artigo 37.º da Lei n.º 12 -A/2008, de 27 de fevereiro, torna -se público para os devidos efeitos que por

Leia mais

Ministério da Defesa Nacional. Secretaria-Geral do Ministério da Defesa Nacional. Cargo e Titular: Secretário-geral do Ministério da Defesa Nacional

Ministério da Defesa Nacional. Secretaria-Geral do Ministério da Defesa Nacional. Cargo e Titular: Secretário-geral do Ministério da Defesa Nacional CARTA DE MISSÃO Ministério da Defesa Nacional Secretaria-Geral do Ministério da Defesa Nacional Cargo e Titular: Secretário-geral do Ministério da Defesa Nacional 1. Missão do organismo As atribuições

Leia mais

MISSÃO VISÃO VALORES 1/5

MISSÃO VISÃO VALORES 1/5 A Administração Central do Sistema de Saúde, I.P. (ACSS, IP) é um Instituto Público, criado em 2007, integrado na administração indireta do Estado, dotado de autonomia administrativa, financeira e patrimonial

Leia mais

Dia do INSA 29 de Setembro 2009 A Referência: função essencial do INSA Atribuições, actividades e perspectivas futuras

Dia do INSA 29 de Setembro 2009 A Referência: função essencial do INSA Atribuições, actividades e perspectivas futuras Dia do INSA 29 de Setembro 2009 A Referência: função essencial do INSA Atribuições, actividades e perspectivas futuras 1 12:00 Referência em Epidemiologia Moderadora: Teresa Contreiras Visão geral da função

Leia mais

Transportes & Negócios Seminário de Transporte Rodoviário

Transportes & Negócios Seminário de Transporte Rodoviário Transportes & Negócios Seminário de Transporte Rodoviário PRACE Res.Cons.Min. 39/2006 DL 210/2006, 27Out DL 147/2007, 27Abr P 545/2007, 30 Abr. DGTTF INTF DGV (MAI) - Veículos e condutores DGV (MAI) -

Leia mais

Regulamento da Prova de Aptidão Profissional

Regulamento da Prova de Aptidão Profissional REGULAMENTO DA PROVA DE APTIDÃO PROFISSIONAL Cursos Profissionais (para os cursos criados ao abrigo do Dec-Lei 74/2004, de 26 de Março, e de acordo com a portaria 550-C/2004, de 21 de Maio e Despacho nº

Leia mais

Mark Kirkby (+351) PERFIL EXPERIÊNCIA RELEVANTE. Sócio. Assistente Pessoal: Maria Tereza Soares

Mark Kirkby (+351) PERFIL EXPERIÊNCIA RELEVANTE. Sócio. Assistente Pessoal: Maria Tereza Soares Mark Kirkby Sócio mak@servulo.com Assistente Pessoal: Maria Tereza Soares (+351) 210 933 000 mts@servulo.com http://www.servulo.com PERFIL Na SÉRVULO desde 2004, é sócio no departamento de Público desde

Leia mais

RESUMO PARA OS CIDADÃOS

RESUMO PARA OS CIDADÃOS RESUMO PARA OS CIDADÃOS Relatório Anual de Execução 2015 INTRODUÇÃO E ENQUADRAMENTO DO PROGRAMA Para o Programa Operacional de Assistência Técnica 2014-2020 (POAT2020) foi determinante a aprovação do Acordo

Leia mais

Gastronomia & Vinhos no contexto do Plano Estratégico Nacional do Turismo. Santarém, 16 de Outubro

Gastronomia & Vinhos no contexto do Plano Estratégico Nacional do Turismo. Santarém, 16 de Outubro Gastronomia & Vinhos no contexto do Plano Estratégico Nacional do Turismo Santarém, 16 de Outubro - 2008 PENT- Plano Estratégico Nacional do Turismo Uma estratégia para o desenvolvimento do Turismo em

Leia mais

Auto-Regulação e Melhoria das Escolas. Auto-avaliação - uma PRIORIDADE. Auto-avaliação do Agrupamento de Escolas de Gil Vicente

Auto-Regulação e Melhoria das Escolas. Auto-avaliação - uma PRIORIDADE. Auto-avaliação do Agrupamento de Escolas de Gil Vicente Agrupamento de Escolas de Auto-Regulação e Melhoria das Escolas Auto-avaliação - uma PRIORIDADE Equipa de Avaliação Interna 2009/2010 1 Agrupamento de Escolas de Enquadramento legal Justificação Novo Paradigma

Leia mais

Decreto-Lei n.º 554/77, de 31 de Dezembro. Competências das Direcções-Gerais dos Ensinos Básico e Secundário

Decreto-Lei n.º 554/77, de 31 de Dezembro. Competências das Direcções-Gerais dos Ensinos Básico e Secundário Decreto-Lei n.º 554/77, de 31 de Dezembro Competências das Direcções-Gerais dos Ensinos Básico e Secundário Cria os Serviços de Coordenação de Educação Física e Desporto Escolar Decreto-Lei n.º 554/77

Leia mais

PRESIDENTE DA REPÚBLICA

PRESIDENTE DA REPÚBLICA 6106 DIÁRIO DA REPÚBLICA Decreto Presidencial n.º 247/12: Aprova o Estatuto Orgânico do Ministério da Administração do Território. Revoga toda a legislação que contrarie o disposto no presente Diploma,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO 27150 Diário da República, 2.ª série N.º 119 23 de Junho de 2008 Da homologação cabe recurso, a interpor no prazo de 10 dias úteis a contar da publicação da presente lista. 12 de Junho de 2008. A Vogal

Leia mais

JORNAL OFICIAL. 2.º Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quinta-feira, 23 de fevereiro de Série. Número 37

JORNAL OFICIAL. 2.º Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quinta-feira, 23 de fevereiro de Série. Número 37 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017 Série 2.º Suplemento Sumário SECRETARIAS REGIONAIS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, DA INCLUSÃO E ASSUNTOS SOCIAIS,

Leia mais

CEUDISEG. Direção de Segurança. Regulamento

CEUDISEG. Direção de Segurança. Regulamento CEUDISEG Direção de Segurança Curso de Extensão Universitária Regulamento Artigo 1.º Criação 1. É criado, na Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa (FDUNL), através do CEDIS Centro de Investigação

Leia mais

Matriz Portugal 2020 Candidaturas diretas a efetuar pelas IPSS

Matriz Portugal 2020 Candidaturas diretas a efetuar pelas IPSS Revisão 1 : 31/08/2016 PO PO Concurso para apresentação de candidaturas - Melhorar o acesso aos serviços sociais (Açores) Melhorar o acesso aos serviços sociais Melhoria das infraestruturas de saúde Adaptação

Leia mais

Município de Fronteira Mapa de Pessoal Divisão Administrativa e Financeira

Município de Fronteira Mapa de Pessoal Divisão Administrativa e Financeira Atribuição Dirigente Administração Geral e Finanças Contabilidade e Finanças públicas Gestão autárquica e património Contabilidade e gestão de stocks Gestão de recursos humanos e recrutamento Planeamento

Leia mais

Medida de apoio à inovação

Medida de apoio à inovação Medida de apoio à inovação Programa de Desenvolvimento Rural 2014-2020 Maria Pedro Silva Organização: Apoio Institucional: Grupos Crescimento Valor Acrescentado Rentabilidade Económica Inovação Capacitação

Leia mais

Experiência da Gaiurb em Angola

Experiência da Gaiurb em Angola Governação Integrada: um desafio para a Administração Pública Reconversão Urbana e Social 14 Julho 2015 Daniel Couto, arquiteto Presidente Conselho de Administração Pode o trabalho da Gaiurb em Luanda

Leia mais

MAPA DE PESSOAL DO MUNICIPIO DE BRAGA

MAPA DE PESSOAL DO MUNICIPIO DE BRAGA Municipal Superior Administ.Escolar da Câmara Municipal de Braga) Gerais Não Revistas PRESIDENTE DA CÂMARA Divisão de Apoio às Atividades Económicas Gabinete de Apoio à Presidência Gabinete de Comunicação,

Leia mais

Ministério das Pescas

Ministério das Pescas Ministério das Pescas ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTERIO DAS PESCAS CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º (Definição) O Ministério das Pescas é o órgão do Governo responsável pela elaboração, execução,

Leia mais

Ministério da Comunicação Social;

Ministério da Comunicação Social; Ministério da Comunicação Social Decreto Executivo N. 75 / 2007 de 2 de Julho Convindo regulamentar o funcionamento do Gabinete de Inspecção do Ministério da Comunicação Social; Nestes termos, ao abrigo

Leia mais

Controlo das Administrações Públicas Novo Paradigma

Controlo das Administrações Públicas Novo Paradigma das Administrações Públicas Novo Paradigma Pressupostos: Reforço da base de acréscimo na nova Lei de Enquadramento Orçamental (LEO) Introdução da adaptação das normas internacionais de contabilidade para

Leia mais

Sistemas de Incentivos do QREN

Sistemas de Incentivos do QREN Sistemas de Incentivos do QREN Sistemas de Incentivos do QREN 1. Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME 2. Sistema de Incentivos à Inovação 3. Sistema de Incentivos à Investigação

Leia mais

Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro

Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro Sessão de Esclarecimento e Debate sobre a Reforma da Administração Pública O SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO E AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO SIADAP * Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro 1 O SIADAP Portaria nº1633/2007

Leia mais

Qualificador Profissional Comum de Técnicos, Operários e Empregados

Qualificador Profissional Comum de Técnicos, Operários e Empregados Qualificador Profissional Comum de Técnicos, Operários e Empregados Junho de 2015 1 1. Introdução As qualificações profissionais reconhecidas aos trabalhadores são registadas em carteira profissional (artigo

Leia mais

ANO:2011 Ministério da Justiça. Instituto de Gestão Financeira e Infra Estruturas da Justiça, IP. Objectivos Estratégicos. Objectivos Operacionais

ANO:2011 Ministério da Justiça. Instituto de Gestão Financeira e Infra Estruturas da Justiça, IP. Objectivos Estratégicos. Objectivos Operacionais ANO:211 Ministério da Justiça Instituto de Gestão Financeira e Infra Estruturas da Justiça, IP MISSÃO: Assegurar a gestão orçamental, financeira e das instalações afectas ao Ministério da Justiça. Objectivos

Leia mais

Programa Operacional da Administração Pública (POAP),

Programa Operacional da Administração Pública (POAP), Programa Operacional da Administração Pública (POAP), 2004-2006 Ministério das Finanças e da Administração Pública CONTEÚDO DO DOCUMENTO da Eixo 3 Qualificar para modernizar a do Programa Operacional Emprego,

Leia mais

Plano de Intervenção Avaliadores

Plano de Intervenção Avaliadores Plano de Intervenção Avaliadores Apresentam-se algumas especificidades do processo SIADAP 2012 visando o esclarecimento da abordagem a prosseguir pelos Avaliadores. Para obter esclarecimentos adicionais

Leia mais

Politica da Qualidade, Contexto actual e Estratégia de Implementação

Politica da Qualidade, Contexto actual e Estratégia de Implementação Politica da Qualidade, Contexto actual e Estratégia de Implementação Apresentado por: Alfredo Sitoe Objectivo Geral da Politica da qualidade Contribuir para a melhoria contínua da qualidade de vida da

Leia mais

QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO 2008 FCT

QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO 2008 FCT QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO 2008 Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Visão: Objectivos Estratégicos (OE): OE 1. Fomentar o desenvolvimento da competência científica e tecnológica

Leia mais

Estatuto Orgânico da Administração de Infra-estruturas de Água e Saneamento 28 DE SETEMBRO DE (165) 31 DE DEZEMBRO DE (165)

Estatuto Orgânico da Administração de Infra-estruturas de Água e Saneamento 28 DE SETEMBRO DE (165) 31 DE DEZEMBRO DE (165) 28 DE SETEMBRO DE 2009 286 (165) 31 DE DEZEMBRO DE 2009 394 (165) Requisitos para ingresso: Possuir o nível médio técnico-profissional ou equivalente em área afim e ter sido aprovado em curso específico.

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO. CAPÍTULO I Disposições Comuns

REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO. CAPÍTULO I Disposições Comuns REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO CAPÍTULO I Disposições Comuns SECÇÃO I Disposições gerais Artigo 1º Objecto O presente regulamento procede

Leia mais

PROJECTOS DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO DA REGIÃO DO NORTE

PROJECTOS DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO DA REGIÃO DO NORTE PROJECTOS DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO O desenvolvimento turístico da Região Norte constitui uma aposta fundamental e distintiva do ON.2 O Novo Norte (Programa Operacional Regional do Norte). Essa aposta

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES PARA 2015 ALER PLANO DE ACTIVIDADES

PLANO DE ACTIVIDADES PARA 2015 ALER PLANO DE ACTIVIDADES PLANO DE ACTIVIDADES PARA 2015 ALER PLANO DE ACTIVIDADES 2015 1 OS EIXOS DE ACTUAÇÃO DA ALER CONHECER Relatórios nacionais com informação técnica, económica e regulatória Repositório de informação com

Leia mais

GESTÃO PELA QUALIDADE TOTAL. Experiência da Direcção Regional do Comércio, Indústria e Energia

GESTÃO PELA QUALIDADE TOTAL. Experiência da Direcção Regional do Comércio, Indústria e Energia GESTÃO PELA QUALIDADE TOTAL Experiência da Direcção Regional do Comércio, Indústria e Energia Isabel Catarina Abreu Rodrigues Conselho Regional para a Modernização Administrativa 19 de Outubro de 2005

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ANEXO II AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO. Identificação do avaliado

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ANEXO II AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO. Identificação do avaliado ANEXO II AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO Identificação do avaliado Nome Categoria profissional actual Anos de serviço no ensino superior Anos de serviço na Unidade

Leia mais

Autoriza o Governo a alterar o Estatuto do Notariado e o Estatuto da Ordem dos Notários

Autoriza o Governo a alterar o Estatuto do Notariado e o Estatuto da Ordem dos Notários DECRETO N.º 53/XI Autoriza o Governo a alterar o Estatuto do Notariado e o Estatuto da Ordem dos Notários A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea d) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte:

Leia mais

SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC)

SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC) ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 01/SIAC/2009 SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC) METODOLOGIA DE CÁLCULO DAS DESPESAS COM O PESSOAL TÉCNICO DO PROMOTOR E LIMITES À ELEGIBILIDADE DE DESPESAS Nos termos estabelecidos

Leia mais

ANO:2014 Ministério da Educação e Ciência ACADEMIA DAS CIÊNCIAS DE LISBOA

ANO:2014 Ministério da Educação e Ciência ACADEMIA DAS CIÊNCIAS DE LISBOA ANO:214 Ministério da Educação e Ciência ACADEMIA DAS CIÊNCIAS DE LISBOA Missão: Assegurar ao Governo português consultoria em matéria linguística. Coordenar a sua acção com a Academia Brasileira de Letras

Leia mais

Regulamento Interno do Programa de Estágios do Turismo de Portugal, I.P.

Regulamento Interno do Programa de Estágios do Turismo de Portugal, I.P. Regulamento Interno do Programa de Estágios do Turismo de Portugal, I.P. ARTIGO 1.º OBJECTO O presente Regulamento tem por objecto aprovar o Programa de Estágios do Turismo de Portugal, I.P., adiante designado

Leia mais

SESSÃO DE APRESENTAÇÃO Cursos Técnicos Superiores Profissionais TeSP

SESSÃO DE APRESENTAÇÃO Cursos Técnicos Superiores Profissionais TeSP Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 SESSÃO DE APRESENTAÇÃO Cursos Técnicos Superiores Profissionais TeSP Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo

Leia mais

O Instituto Nacional de Estatística, INE, IP, abre procedimento concursal para preenchimento do Cargo de Delegada/o do INE na Delegação de Coimbra

O Instituto Nacional de Estatística, INE, IP, abre procedimento concursal para preenchimento do Cargo de Delegada/o do INE na Delegação de Coimbra O Instituto Nacional de Estatística, INE, IP, abre procedimento concursal para preenchimento do Cargo de Delegada/o do INE na Delegação de Coimbra (Direção Intermédia de 2º Grau) Designação do Cargo: Áreas

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Terça-feira, 20 de outubro de Série. Número 161

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Terça-feira, 20 de outubro de Série. Número 161 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Terça-feira, 20 de outubro de 2015 Série Sumário SECRETARIAS REGIONAIS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DA ECONOMIA, TURISMO E CULTURA Portaria n.º 195/2015

Leia mais

Regulamento da Prova de Aptidão Profissional (PAP)

Regulamento da Prova de Aptidão Profissional (PAP) ESCOLA SECUNDÁRIA D. MANUEL I 7800-478 BEJA Regulamento da Prova de Aptidão Profissional (PAP) CURSOS PROFISSIONAIS Artigo 1.º Enquadramento Legal O Decreto-Lei nº 74/2004, de 26 de Março, rectificado

Leia mais

SEMINÁRIO CPC. A actividade do Conselho de Prevenção da Corrupção e a sua recomendação sobre os Planos de prevenção de Riscos

SEMINÁRIO CPC. A actividade do Conselho de Prevenção da Corrupção e a sua recomendação sobre os Planos de prevenção de Riscos SEMINÁRIO CPC A actividade do Conselho de Prevenção da Corrupção e a sua recomendação sobre os Planos de prevenção de Riscos O Conselho de Prevenção da Corrupção veio preencher uma lacuna em Portugal.

Leia mais

GUIÃO TÉCNICO PROJETO REVIVE

GUIÃO TÉCNICO PROJETO REVIVE GUIÃO TÉCNICO PROJETO REVIVE INDICE I OBJETIVOS II - PRESSUPOSTOS III - TRAMITAÇÃO DO PROCESSO 1. Procedimento concursal 1. Licenciamento da Obra IV - PROGRAMA DE CAPTAÇÃO DE INVESTIMENTO V - INSTRUMENTOS

Leia mais

REGIME DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE INDUSTRIAL REAI

REGIME DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE INDUSTRIAL REAI REGIME DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE INDUSTRIAL REAI 3 REGIME DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE INDUSTRIAL REAI DL nº 209/2008 de 29 de Outubro todas as adegas estão obrigadas ao licenciamento obras necessárias

Leia mais

Acordo entre o Governo da República Portuguesa e o Governo do Reino de Espanha sobre Cooperação no Sector do Turismo

Acordo entre o Governo da República Portuguesa e o Governo do Reino de Espanha sobre Cooperação no Sector do Turismo Decreto do Governo n.º 80/84 Acordo entre o Governo da República Portuguesa e o Governo do Reino de Espanha sobre Cooperação no Sector do Turismo, bem como o seu Protocolo Adicional O Governo decreta,

Leia mais

o presente diploma tem por objecto regulamentar a gestão dos recursos pesqueiros existentes nas águas juridicionais de Angola.

o presente diploma tem por objecto regulamentar a gestão dos recursos pesqueiros existentes nas águas juridicionais de Angola. MINISTÉRIO DAS PESCAS E AMBIENTE Decreto Executivo n." 48/98 de 28 de Agosto Havendo necessidade de estabelecer o ordenamento dos recursos pesqueiros nacionais; No uso da faculdade que me é conferida pela

Leia mais

PROGRAMA POLIS OUTUBRO

PROGRAMA POLIS OUTUBRO OUTUBRO 2008 1 PROGRAMA POLIS OUTUBRO 2008 2 O PROGRAMA POLIS Objectivos Desígnios Tipologias PLANO ESTRATÉGICO MODELO ORGANIZACIONAL GESTÃO DE PROJECTO OUTUBRO 2008 3 Objectivos Desenvolver grandes operações

Leia mais

Constituição da República de Angola: n.º 4 do artigo 42º

Constituição da República de Angola: n.º 4 do artigo 42º Constituição da República de Angola: n.º 4 do artigo 42º «A lei assegura aos autores de inventos industriais, patentes de invenções e processos tecnológicos o privilégio temporário para a sua utilização,

Leia mais

Decreto-Lei nº 36/96 de 23 de Setembro

Decreto-Lei nº 36/96 de 23 de Setembro Quadro Privativo do pessoal da Inspecção da Educação Decreto-Lei nº 36/96 de 23 de Setembro Decreto-Lei nº 36/96 de 23 de Setembro A dinâmica já imprimida ao processo de reforma educativa, as exigências

Leia mais

b)terem já constituída uma relação jurídica por tempo indeterminado; c)sejam detentores da escolaridade mínima obrigatória.

b)terem já constituída uma relação jurídica por tempo indeterminado; c)sejam detentores da escolaridade mínima obrigatória. Procedimento concursal comum com vista ao preenchimento a 6 postos de trabalho da carreira /categoria de assistente operacional, do mapa de pessoal do Hospital do Arcebispo João Crisóstomo Cantanhede 1

Leia mais

PIIP Programas de Investimentos em Infraestruturas

PIIP Programas de Investimentos em Infraestruturas PIIP Programas de Investimentos em Infraestruturas Prioritárias Apresentação do Documento de Orientação Estratégica CCB Centro Cultural de Belém 05 de Julho 2005 Mandato Identificar as propostas de investimentos

Leia mais

Balanço Social Índice

Balanço Social Índice Índice ENQUADRAMENTO LEGAL, MISSÃO E ATRIBUIÇÕES DO TURISMO DE PORTUGAL, I.P.... 2 ORGANOGRAMA DO TURISMO DE PORTUGAL, I.P.... 7 RELAÇÃO JURÍDICA DE EMPREGO E GRUPOS PROFISSIONAIS... 10 HABILITAÇÕES ACADÉMICAS...

Leia mais