1 A PRODUÇÃO DA SURDEZ NOS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DOCENTE DAS POLÍTICAS INCLUSIVISTAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1 A PRODUÇÃO DA SURDEZ NOS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DOCENTE DAS POLÍTICAS INCLUSIVISTAS"

Transcrição

1 1 A PRODUÇÃO DA SURDEZ NOS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DOCENTE DAS POLÍTICAS INCLUSIVISTAS Fernanda de Camargo Machado, Universidade Federal de Santa Maria, RESUMO: A investigação analisa os efeitos de verdade produzidos pelas políticas inclusivistas de formação docente em educação de surdos. Assim, objetiva examinar os discursos que se articulam para produzir o aluno surdo no material de formação docente do Projeto Educar na Diversidade, do governo federal, tomados como exemplos de procedimentos que operacionalizam a produção de significados sobre a surdez. Para tanto, utiliza como ferramentas analíticas conceitos foucaultianos, como discurso e dispositivo, no sentido de mapear os sentidos circulados neste texto e explicar como a engrenagem da inclusão e da globalização se movimenta. Assim, os enunciados pesquisados formam um circuito interconectado que posiciona o sujeito surdo no terreno da educação especial. Terreno este que, articulado ao enredo discursivo da inclusão educacional, inscreve tal sujeito no campo da diversidade. Nesta rede, a tolerância é posicionada como instrumento suficiente para o trabalho pedagógico com a diferença e a língua de sinais ocupa um lugar de recurso metodológico e variedade lingüística, produzindo assim uma exotização da surdez. Dessa forma, problematiza se a formação docente na esteira das políticas neoliberais como um dispositivo pedagógico contemporâneo de regulação dos sujeitos surdos. PALAVRAS CHAVE: Políticas de inclusão Surdez Formação Docente. PRODUCTION OF DEAFNESS AT PROCESSSES OF TEACHERS TRAINNING BY POLITICS OF INCLUSION The investigation analyses the effects of true producted by inclusion politics for teachers trainning in deaf education. Then it intends to examine what discourses articulate itselves for producting the deaf student at material for docent trainning s Projet Educar na Diversidade, from federal government, analised as samples of proceedings which operacionalize the production of meanings about deafness. So that

2 2 this study uses as analitical tools notions by Foucault s thought, such as discourse and dispositive, to find senses circulated in this text and explicate how the gear of inclusion, globalization motions. So enunciateds researched are an interconected circuit that posiciones deaf subject at especial education ground. Ground that is articulted to the discourse of educational inclusion and localizes deaf ones at diversity field. In this network, tolerance is a sufficient instrument to work with difference and sign language is a metodological resource, a linguistic variety, producting the deafness as a exotic aspect. Thus it problematizes teachers trainning by neoliberal politics as a contemporary pedagogical dispositive to regulate deaf subjects. KEY WORDS: Politics of inclusion Deafness Taechers Trainning. DEMARCAÇÕES INICIAIS Toda prática pedagógica é interpelada por discursos produzidos e produtores de significados. Muito mais do que saber quem é o sujeito pedagógico, torna se imprescindível discutir qual a correlação de forças que o constrói. Nesse sentido, as representações culturais acerca de quem é o educando está intrinsecamente imbricada com a prática de ensino. Tal premissa é uma das vigas mestras que configura o terreno da educação de surdos, o qual me inscrevo como docente. Levando em conta a noção de que as representações tramadas na cultura constituem identidades, penso ser necessário discutir acerca do que se fala, do que se espera e, conseqüentemente, de como se educa um aluno surdo no contexto atual em que a inclusão educacional é posicionada como paradigma hegemônico nos planos governamentais. Nesse contexto, penso ser pertinente discutir também os processos de formação docente que tentam dar conta de tais objetivos, bem como os significados tramados em meio a esse enredo discursivo da diversidade. Diante destas reflexões, pareceu me interessante problematizar as formações discursivas que atravessam o Projeto Educar na Diversidade, do governo federal, tendo em vista a discussão acerca das representações sobre a surdez e os surdos. Ademais, é preciso que se discuta a própria noção de diversidade que permeia o referido projeto, debatendo a narração e a localização da cultura surda neste espaço discursivo.

3 3 Assim, acredito que o debate sobre as representações a respeito da surdez e dos surdos como sujeitos pedagógicos constituem se num excelente insumo para que se possam problematizar os processos de formação docente, principalmente neste contexto em que a diversidade se cristaliza como discurso recorrente das ditas práticas pedagógicas inclusivas. Desta forma, pode se vislumbrar o papel central das forças discursivas que cruzam a formação docente, visto que moldam práticas de ensino imbricadas nas possibilidades de significação da cultura. Nessa direção, por meio desta pesquisa busco debater: Quais representações sobre a surdez e os surdos circulam no Projeto Educar na Diversidade, do Governo Federal? De que forma este documento se configura como espaço privilegiado de construção de significados sobre a educação de surdos nos processos de formação docente?como se negociam as noções de diversidade e diferença nessa produção discursiva? Sendo assim, este trabalho se propôs a problematizar as reincidências discursivas que constituem o surdo enquanto sujeito pedagógico nos processos de formação docente a partir da análise do projeto Educar na Diversidade, entendido como um documento constituído e constituidor de representações culturais. Tendo em vista a necessidade de situar o estudo, discorrerei brevemente sobre as condições de emergência do documento foco desta pesquisa: o Material de Formação Docente do Projeto Educar na Diversidade. O cenário político no qual se localiza o texto em questão é marcado por dispersões e continuidades, mas especialmente pela recorrência do discurso da inclusão escolar. Tal enredo discursivo trafega com muita força no contexto mundial. Trata se de um conjunto de enunciados que constituem narrativas acerca da necessidade de oferecer possibilidades de inserção educacional a todos os alunos na rede regular de ensino. Esse discurso emerge a partir de uma rede de saberes e poderes que constituem verdades sobre direitos humanos, democracia, igualdade de oportunidades, em especial com a Declaração Mundial dos Direitos Humanos, em Contudo, é nos anos 90 do século XX que estas produções discursivas assumem caráter hegemônico. Com as exigências internacionais tecidas pelo discurso inclusivista, vários países cuja situação educacional é narrada como preocupante, comprometem se a estabelecer formas de combate à exclusão neste campo, em especial no que se refere à escolarização de pessoas com necessidades especiais.

4 4 Para dar conta desta reconfiguração educacional, as instâncias governamentais, representadas principalmente pelo Ministério da Educação (MEC) e pela Secretaria de Educação Especial (SEESP) entre idas e vindas administrativas tomam uma série de outras medidas para trilhar o caminho da inclusão. Nessa direção, criou materiais de informação e reorientou o processo de formação de professores. Entre as medidas para reorientação, foi elaborado do Projeto Educar na Diversidade, baseado numa experiência compartilhada entre os países do Mercosul. No Brasil, trata se de um projeto piloto que teve início em julho de 2005, estendendo se até dezembro do ano seguinte. Ele integra um plano mais amplo da Secretaria de Educação Especial (SEESP), do Ministério da Educação (MEC), o Projeto Educação inclusiva: direito à diversidade, que tenciona expandir a política de inclusão, formando gestores, multiplicadores e docentes comprometidos com esta premissa em todo território brasileiro. É a partir desta materialidade que busco delinear este estudo, sem a pretensão de criticar, julgar ou acusar supostas falsas verdades em nome de outras narrativas pretensamente mais verdadeiras. Ao fazer isto, estaria rompendo com a matriz teórica que utilizarei, a qual não pretende separar o certo do errado, mas problematizar a produção de significados e seus efeitos de verdade. Diante disso, esta investigação pretende examinar quais os discursos que se conjugam no projeto Educar na Diversidade e como constituem o sujeito escolar surdo neste cenário político em que a diversidade permeia os processos de formação docente. Em outras palavras, de que forma estas narrativas criam representações, moldando subjetividades e produzindo as ações pedagógicas dirigidas a estes sujeitos. Considerando os propósitos da investigação, torna se importante localizar a escolha teórico metodológica na qual se embasa. Tendo em vista o debate de noções como subjetivação, cultura, alteridade, diferença, diversidade e surdez, elejo a perspectiva dos Estudos Culturais e dos Estudos Surdos em Educação como importantes alicerces no enredamento conceitual desta pesquisa. O terreno investigativo dos Estudos Culturais de vertente pós estruturalista trabalha num viés marcado pela constante inquietude, tendo como base o movimento intelectual pós moderno. Este espaço de discussões não é passível de uma definição essencial, em função do seu caráter cambiante e controverso. Por conta disso, trata se de uma vertente metodológica extremamente flexível, pautada na análise contextual com orientação

5 5 qualitativa. Sendo assim, permite a alquimia de diferentes métodos de pesquisa, dada a possibilidade de combinação entre variadas articulações metodológicas que vão se apresentando face às necessidades de uma pesquisa. Desta forma, não há a preocupação com uma metodologia unificada. Para fundamentar seus debates, tal paradigma dos Estudos Culturais toma emprestado o conceito que introduz a noção de práticas que dão caráter de existência às coisas, atribuindo a elas significados. Trata se da noção foucaultiana de discurso, a qual me valerei nesta investigação. Nas palavras de Veiga Neto (2005, p. 122), os discursos definem regimes de verdade que balizam e separam o verdadeiro de seu contrário. Desse modo, os discursos não descobrem verdades, senão as inventam. Nessa direção, as tramas de enunciados que formam o discurso apontam o que é estabelecido como verdade num dado tempo e lugar, excluindo o certo do errado, o que assinala uma vontade de verdade e, conseqüentemente, uma vontade de poder. Em suma, o discurso tem o poder de atribuir representação, posição, identidade, alteridade, sendo mediado por atos lingüísticos. Dito de outra forma, a linguagem é uma ponte entre o discurso e a representação que produz. E assim se entrelaça o circuito Discurso Linguagem Representação Discurso. Processo este que envolve as práticas de significação engendradas na cultura, pois as coisas e pessoas bem como o local que ocupam não são algo natural, mas socialmente determinados. É nesse sentido que passo a buscar subsídios que falem, não da surdez, mas da invenção da surdez e dos sujeitos surdos a partir das representações culturais. Para tanto, faço uso da perspectiva dos Estudos Surdos em Educação. De acordo com Skliar (1998, p. 29), Os Estudos Surdos abarcam pesquisas sobre as identidades, as línguas, os projetos educacionais, as histórias, as artes, as comunidades e culturas surdas, focalizados e entendidos a partir de um posicionamento político que luta por uma nova territorialidade : um espaço constituído pelas problematizações sobre a normalidade, pelos embates com as assimetrias de poder e de saber, pelas diferenças construídas histórica e socialmente. Portanto, é a partir destas balizas teóricas que este trabalho se vale para problematizar as representações sobre educação de surdos formadas nos e pelos discursos que cruzam o projeto Educar na Diversidade do governo Federal. Tal documento é entendido muito mais do que parte de um processo de formação docente,

6 6 mas como um espaço privilegiado de produção de representações, as quais não podem ser compreendidas fora dos sistemas discursivos que forjam e de que são forjadas. Para tanto, intento mapear as recorrências discursivas que engendram a constituição do escolar surdo no projeto em questão. Então, busco discutir a teia de sentidos que inscreve o surdo como sujeito pedagógico, bem como as possíveis implicações educacionais produzidas por estas representações e sua relação com os processos de formação docente, a partir da análise dos discursos que atravessam o Projeto Educar na Diversidade, do governo federal. Novamente reitero que meu objetivo não é julgar o mérito deste projeto ou simplesmente averiguar o que é dito sobre o educando surdo, mas produzir uma análise descritiva, histórica e contextualmente específica das condições de possibilidades que fazem estes discursos funcionarem. POLÍTICAS DE INCLUSÃO E DIVERSIDADE: O SUJ EITO PEDAGÓGICO SURDO NESSA RACIONALIDADE Discutir a formação profissional, em qualquer nível, implica discutir significados, discursos, representações culturais. Em especial, os processos de formação de educadores não podem ser entendidos fora da negociação cotidiana que se estabelece no terreno cultural. O fato desses significados serem negociados na cultura dá ao poder um caráter flutuante, visto que diferentes discursos disputam lugares para seus significados no cenário cultural. Daí o entendimento de que a formação docente, ao privilegiar saberes, não pode ser compreendida fora dos sistemas de poder. Como em toda parte, na formação de professores, há discursos implicados e, por conseqüência, fabricação de subjetividades. A partir desta exposição inicial, trago alguns recortes do Material de Formação Docente do Projeto Educar na Diversidade, os quais considero importantes para esta problematização. Entre eles, salta aos olhos a recorrência do enredo discursivo da inclusão educacional. Conforme o material analisado, o movimento mundial em direção à sistemas educacionais inclusivos indicam uma nova visão de educação, que recupera seu caráter democrático através da adoção do compromisso legal com a oferta de Educação para Todos, na qual a diversidade deve ser entendida e promovida como elemento enriquecedor da aprendizagem e catalizador do desenvolvimento pessoal e social. (BRASIL, 2005, p. 58)

7 7 Sendo assim, o texto acima tece narrativas acerca do processo educacional inclusivo como um paradigma atrelado à democracia, à igualdade de oportunidades e aos direitos humanos, constituindo assim a grande bandeira sobre a qual se alicerça o projeto Educar na Diversidade. Nesse sentido, Skliar traz o entendimento de Foucault sobre o tema. Foucault afirma que a inclusão não é o contrário da exclusão, e sim um mecanismo de poder disciplinar que a substitui, que ocupa sua espacialidade, sendo ambas as figuras igualmente mecanismos de controle. (SKLIAR, 2003, p. 96). Isto porque a exclusão é uma estratégia que opera o distanciamento do indivíduo e a inclusão, por sua vez, tratase de um exercício de poder a partir do cuidado. Uma marginaliza; a outra torna visível. Ambas narram, representam e, portanto, governam a alteridade, enunciando seu espaço na dinâmica cultural, o que supõe poder. Sendo assim, embora aparentemente diferentes, Inclusão/Exclusão compartilham a mesma função, ou seja, são medidas para capturar, conhecer e administrar aqueles posicionados à margem da norma. Além disso, a palavra diversidade também é recorrente no contexto políticoeducacional brasileiro, nominando não só este projeto, mas inúmeras ações políticoeducacionais com o intuito de promover a inclusão. Significados como enriquecimento, aceitação, respeito, colaboração, atenção, apoio, flexibilidade, valorização, acolhimento, ajuda, conscientização, contemplação são ícones desta política da diversidade (Brasil, 2005). No documento em análise, a construção do conceito de diversidade como natural e enriquecedora da cena educacional se processa em vários trechos, os quais disseminam significados de que seríamos naturalmente diferentes, a diversidade enriqueceria as relações humanas que, havendo tolerância, se tornariam harmônicas. Tal ordem discursiva assume caráter de verdade com e a partir da conjuntura internacional, em que a diversidade e a inclusão se configuram como balizas da globalização. Estar na arena global é um direito e quase um dever, ninguém pode estar à margem deste local. O próprio projeto Educar na Diversidade posiciona o conhecimento dos avanços produzidos pela globalização como uma das aptidões de um bom docente, juntamente com a reflexão, o trabalho em equipe e a atenção à diversidade (BRASIL, 2005, p. 23). Sob o rótulo da inclusão como atitude politicamente correta, o discurso da globalização encontra na noção de diversidade uma estratégia neoliberal que cria um

8 8 inventivo acordo de igualdade, o que pode acabar encobrindo as diferenças. Isto porque se trata de uma tentativa de aproximar do pólo normal todos aqueles que estão à margem, desconsiderando se as correlações entre poder/saber imbricadas nesta relação binária de estar dentro/fora. Dito de outra forma, penso que, antes de aproximar a todo custo a outridade da curva da mesmidade, seria necessário problematizar seu posicionamento na tangente como algo construído, não como algo neutro e natural. Bhabha (1998) aponta uma distinção interessante entre os termos diversidade e diferença, ressaltando que o primeiro não ocupa o mesmo lócus representacional do segundo. Destaca que a diversidade, entendida como variedade e aspecto de igualdade, mascara as diferenças culturais, pois o olhar dedicado às diferenças pelo véu da diversidade as vê como falhas por trabalharem com o intuito de selar as lacunas da diferença (LUNARDI, 2005, p. 39). Assim, esta estratégia de abarcar as diferenças, localizando as junto ou, ao menos, próximas, da norma, faz me provocar o leitor: estar dentro significa estar sempre incluído? Aproximar e tolerar exclui a exclusão? O fato de ser ou estar excluído é culpa dos diferentes ou das narrativas que os posicionam como diferentes? Será que estas indagações não seriam importantes para os processos de formação docente? Nesse contexto, é visível o quanto os processos culturais tramam significados que inventam os indivíduos e os objetos no campo social, atribuindo lhes sentidos de acordo com a posição que lhes é dada no e pelo discurso. Sendo assim, a forma como representamos as coisas e as pessoas não é natural, mas cultural. Esta noção é trazida dos Estudos Culturais pelos Estudos Surdos para debater o campo da surdez. Antes de saber o que é, deve se problematizar como esta condição é narrada. Por isso trata se de uma questão cultural. Tal problematização é essencial para entendimento do cenário político e cultural que permeia os indivíduos surdos, pois o sujeito surdo é produzido em meio aos discursos que se conjugam, tecendo sua constituição. Desta forma, é possível entender o quanto a alteridade surda é constituída em meio a relações hierárquicas e assimétricas de poder, visto que os significados sobre os surdos são produzidos e administrados pelos dizeres de quem exerce o poder de definir. Nesse sentido, Skliar (1999) escreve que a deficiência foi inventada tendo como parâmetro os valores da normalidade. Nesse contexto, a surdez é posicionada no espaço da deficiência, sendo entendida como uma lacuna sensorial, já que o normal, para o

9 9 projeto moderno, é ouvir. Neste campo representacional, o surdo é considerado um indivíduo em falta, passível de correção e, portanto, sujeito da Educação Especial. Diante disso, o foco da discussão não está na deficiência, mas na produção social desta. No caso da surdez, é justamente neste ponto que pode ser compreendida como diferença política e experiência visual. De acordo com esta ótica, o campo da educação de surdos adquire outros contornos. As práticas de significação da surdez e dos surdos se deslocam da alteridade deficiente para se reconfigurar em alteridade surda. Isto porque outros dizeres sobre estes sujeitos constituem narrativas que falam de uma cultura singular, de sua comunicação por meio de outra língua (a língua de sinais), a partir de um outro canal (espaço manual). Enfim, discursos que emergem de outros lugares, como os movimentos surdos, os quais se narram não como melhores ou piores do que os ouvintes, mas como diferentes. É a partir deste embate discursivo que os surdos lutam pela circulação de suas narrativas na cena cultural, significando a si mesmos como sujeitos que criam e compartilham cotidianamente uma cultura visual (Wrigley, 1996). Narrativa esta que forja as múltiplas identidades surdas e instituem a esfera política de sua diferença. Ao compartilhar deste entendimento, penso que é mister debater como o documento em análise produz o surdo como sujeito pedagógico diverso, ou seja, que ferramentas utiliza para demarcar seu local no ensino comum. O texto do material de formação docente do Projeto Educar na Diversidade é atravessado por conjuntos de enunciados que significa os processos de formação docente, especialmente os jogos de ensinar e aprender. Para tanto, diferentes procedimentos são utilizados para instituir narrativas que são legitimadas como verdades. No projeto Educar na Diversidade, vários instrumentos metodológicos são eleitos para constituir a formação docente. Tais aparatos são enunciados que se costuram, assinalando representações sobre os sujeitos da educação. No projeto em foco, as histórias, embora fictícias, constituem se como importantes balizas metodológicos, visto que narram exemplos de experiências educacionais inclusivas bem sucedidas. Nesse sentido, elegi este artefato para debater as forças discursivas que se tramam para inscrever o escolar surdo no terreno da diversidade. O material de formação docente do projeto Educar na Diversidade recomenda a leitura de três histórias para discutir a questão da pertinência cultural: a primeira trata

10 10 de um menino com dificuldades de aprendizagem, a segunda fala sobre um aluno surdo e a terceira narra uma situação de estudantes que vivem longe da escola. A narrativa representa o escolar surdo como um garoto que saiu de uma escola especial para crianças com deficiência auditiva (BRASIL, 2005, p. 72) e foi acolhido pela escola regular. Os professores, diante desta situação, ficaram inseguros, mas aceitaram a missão. No início, o aluno chorava e os docentes tinham dúvida quanto à melhor forma de comunicação com ele. Para tentar dar conta desta questão, foi criada uma sala de apoio e, aos poucos, a comunidade local também passou a se interessar pela língua de sinais. Com isso, mais surdos foram matriculados na escola. Segundo o documento, a ajuda dos professores, de seus colegas de classe, aliada ao apoio das famílias e à presença de intérpretes, resultou no êxito desta experiência (BRASIL, 2005, p. 72). Nessa história, a surdez é representada como mais uma categoria entre as necessidades educacionais especiais e, portanto, localizada no contexto da inclusão. Um exemplo deste enunciado é o posicionamento da surdez juntamente com outros alunos que são localizados no terreno da educação especial. Assim, o Projeto Educar na Diversidade narra o estudante surdo como um indivíduo cultural, passível de ser incluído, já que as múltiplas culturas deveriam conviver no mesmo espaço. Nesse contexto, o discurso da diversidade privilegia elementos como a importância da língua de sinais, sua função como meio de acesso ao currículo da escola regular, através de intérpretes (Brasil, 2005), produzindo uma certa folclorização da língua e da cultura surda. Esses elementos são objeto de interesse e, porque não dizer, de curiosidade, constituindo a surdez como algo exótico. Além disso, nesse documento, a questão lingüística ganha dimensão central, reduzindo a surdez a este aspecto. E mais do que isso, a língua ou melhor, as línguas são concebidas como estratégias de metodologização, sugestões ao trabalho docente. Em outras palavras, o uso da língua de sinais em sala de aula, assegurado pelo intérprete, associado à aprendizagem da língua portuguesa como segunda língua na sala de recursos, modalidade de atendimento da educação especial, são táticas que instrumentalizam a prática pedagógica, sinalizando para a tão esperada solução do impasse lingüístico da surdez e possibilitando a tão necessária inclusão do aluno surdo. Enfim, há a conformação de um campo de saber, que implica efeitos de poder. Um poder extremamente sedutor, pois oferece uma pretensa solução para o problema

11 11 da exclusão dos surdos e sutil, já que atua na esfera da recomendação e não da repressão. No contexto específico examinado, a rede de significados tramada entre o discurso dos especialistas em educação, o discurso político e o discurso da globalização constituem saberes que elegem a diversidade como a grande bandeira da inclusão e esta, por sua vez, como o melhor caminho para a igualdade. Estes dizeres alertam para um possível risco que a exclusão, em especial, a educacional, implicaria. Com isso, produzem verdades que falam da necessidade de aproximar grupos, como os surdos, para o espaço da norma, que é legitimado como o mais adequado. Convém lembrar que, ao debater estas questões, não estou tecendo uma crítica, mas analisando como estas narrativas se produzem, bem como as representações passíveis de serem construídas a partir deste material de formação. Foucault (2006, p. 7) salienta que não se trata de fazer uma partilha entre o que num discurso revela da cientificidade e da verdade e o que revelaria de outra coisa; mas de ver historicamente como se produzem efeitos de verdade no interior de discursos que não são em si nem verdadeiros nem falsos. Assim, também acredito, possuo e construo (a mim e aos outros) por meio de verdades, mas sem a pretensão de que a(s) minha(s) sejam as únicas, tampouco as melhores. Desta forma, não pretendo me opor ao discursos verificados, mas analisar sob outra perspectiva a questão da educação de surdos. Do lugar por onde olho, problematizo as narrativas que estabelecem que a diferença surda precisa compartilhar o mesmo lócus educacional da comunidade ouvinte. Diante disso, valo me dos Estudos Surdos, que questionam se a diversidade e a inclusão educacional não seriam formas de pautar a mesmidade ouvinte como o parâmetro sobre o qual os surdos deveriam se orientar, bem como as assimetrias de poder e saber que não autorizam a escola de surdos como o local mais apropriado. Desse lugar, a inclusão de alunos surdos em classes comuns se configuraria numa experiência de exclusão, já que as significações ouvintes ocupam a centralidade das relações sócio culturais (SKLIAR, 1999). Isto não significa negar os benefícios da inclusão nem dizer que os surdos não devem ter acesso às mesmas oportunidades que os ouvintes. Significa entender as

12 12 correlações de forças que tecem estas asserções de verdades e suas implicações na produção de representações sobre a alteridade surda e sobre a vida dos alunos surdos. Assim, na tentativa de equiparar todos os estudantes, a racionalidade que atravessa o projeto Educar na Diversidade postula a alteridade surda em relação ao ouvinte, produzindo a representação do escolar surdo como um sujeito que deve ser incluído na escola regular, desde que haja colaboração e uso da língua de sinais. Estes procedimentos são concebidos como satisfatórios para a singularidade surda, sem uma discussão mais específica sobre a educação de surdos, tais como: a língua de sinais como elemento de subjetivação, o papel da comunidade surda na aquisição dessa língua, na construção identitária e na produção de uma cultura visual. Dito de outra forma, estas questões estão fora da ordem discursiva verificada na analítica. Nas noções de inclusão e diversidade, os sujeitos são nivelados sob a égide de uma pretensa igualdade, o que reduz a discussão sobre a diferença política surda e a implicação desta diferença na educação dos surdos. Nesse sentido, ouso dizer que o documento tece três blocos de representações sobre a surdez e os educandos surdos, os quais não se separam, pelo contrário, constituem um circuito interconectado. Há uma rede de significados que posicionam o surdo na esteira da educação especial. Tais narrativas se enlaçam com o discurso da inclusão, já que os sujeitos da educação especial são passíveis de serem incluídos na escola comum. Este discurso, por sua vez, trama se à noção de diversidade, a qual inscreve a surdez como uma variedade lingüística que se manifesta na escola, reduzindo a educação de surdos à questão da língua. Tais enunciados são postos em movimento no material de formação docente do projeto Educar na Diversidade a partir de diferentes práticas discursivas. Destas, citei as histórias como exemplos de procedimentos metodológicos que operacionalizam a produção destas representações. NOTAS PARA (NÃO) FINALIZAR O Projeto Educar na Diversidade enquanto subsidío teórico prático para a formação inicial, contínua e auto formação de professores para a inclusão produz sentidos sobre o estudante surdo, constituindo sua identidade. É por isso que, muito mais do que subsidiar professores na identificação dos alunos e no planejamento

13 13 didático que respondam às suas necessidades, os processos de formação docente produzem estes alunos. A partir do mapeamento discursivo realizado neste trabalho, analisei a regularidade dos enunciados da inclusão escolar e da diversidade, que constroem a escola comum como o local adequado para a educação dos surdos. Desta forma, tramam se significados que representam o surdo como sujeito educacional diverso, usuário da língua de sinais como suporte para acessar o currículo da escola regular e passível de atendimento educacional especializado para aprendizagem da língua portuguesa como segunda língua. Com isso, o educando surdo é inscrito no terreno da educação especial e submergido pelos discursos da inclusão e da diversidade. Estes enunciados que atravessam o material de formação docente analisado são produzidos por forças de poder/saber que atribuem à diversidade e à inclusão educacional o estatuto de verdade, constituindo narrativas que servem de baliza, de direção da prática pedagógica dos professores alvo. Por conta disso, não se intenta tecer um juízo de valor sobre este projeto, mas entender a questão dos jogos de poder, das políticas de verdades implicadas na constituição da diferença e sua incidência nas práticas pedagógicas dos educadores em formação. Nesse sentido, reitero que os discursos da inclusão e da diversidade, embora centrais na analítica efetuada, não são os únicos possíveis. Significados sobre a surdez e os surdos emergem de outros lugares. Em razão de tal virada epistemológica, produzem se deslocamentos representacionais. Com isso, abrem se múltiplas possibilidades de problematização e produção de uma política da diferença, que busca outras maneiras de narrar a alteridade surda e sua educação. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BHABHA, Homi K. O local da cultura. Trad. Myriam Ávila, Eliana Lourenço de Lima Reis, Gláucia Renate Gonçalves. Belo Horizonte: Ed. UFMG, BRASIL. Educar na diversidade: material de formação docente / organização: Cynthia Duk. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial, p. FOUCAULT, M. Micr ofísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 2006.

14 14 LUNARDI, M. L. Diferentes Representações da Língua: 3º semestre. 1. ed. Santa Maria, Universidade Federal de Santa Maria, Pró reitoria de Graduação, Centro de Educação, Curso de Graduação a Distância de Educação Especial, SKLIAR, C. A surdez: um olhar sobre as diferenças. Porto alegre: Mediação, A invenção e a exclusão da alteridade deficiente a partir dos significados da normalidade. Tradução: Márcia Lise Lunardi. In: Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 24, nº 2, jul/dez, 1999, p Pedagogia (improvável) da diferença: e se o outro não estivesse aí? Trad. Giane Lessa. Rio de Janeiro: DP&A, VEIGA NETO, A. Foucault & Educação. 2.ed. Belo Horizonte: Autêntica WRIGLEY, O. The Politics of Deafness. Washington, D.C.: Gallaudet University Press, 1996.

Inscrevendo o estudo. 1 Graduada em Educação Especial Habilitação Deficientes da Audiocomunicação UFSM. Este

Inscrevendo o estudo. 1 Graduada em Educação Especial Habilitação Deficientes da Audiocomunicação UFSM. Este FORMAÇÃO DOCENTE E EDUCAÇÃO DE SURDOS: UMA ANÁLISE DOS DISCURSOS DA DIVERSIDADE MACHADO 1, Fernanda de Camargo UFSM nandadecm@yahoo.com.br GT: Educação Especial / n.15 Agência Financiadora: Sem Financiamento

Leia mais

A produção de sujeitos surdos pela escola inclusiva: cultura, identidade e diferença 1

A produção de sujeitos surdos pela escola inclusiva: cultura, identidade e diferença 1 A produção de sujeitos surdos pela escola inclusiva: cultura, identidade e diferença 1 PINHEIRO, Daiane 2, LUNARDI-LAZZARIN, Márcia Lise 3 1 Trabalho de Pesquisa _UFSM 2 Programa de Pós-Graduação em Educação

Leia mais

PROBLEMATIZANDO AS NORMALIDADES NOS DISCURSOS SOBRE A SURDEZ

PROBLEMATIZANDO AS NORMALIDADES NOS DISCURSOS SOBRE A SURDEZ PROBLEMATIZANDO AS NORMALIDADES NOS DISCURSOS SOBRE A SURDEZ Resumo: Márcia Lise Lunardi 1 Fernanda de Camargo Machado 2 A presente pesquisa debate a relevância das representações culturais na instituição

Leia mais

A LEI E A REALIDADE: A REPRESENTAÇÃO DA IMAGEM DO SURDO NOS DOCUMENTOS SOBRE A PROPOSTA DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A LEI E A REALIDADE: A REPRESENTAÇÃO DA IMAGEM DO SURDO NOS DOCUMENTOS SOBRE A PROPOSTA DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA A LEI E A REALIDADE: A REPRESENTAÇÃO DA IMAGEM DO SURDO NOS DOCUMENTOS SOBRE A PROPOSTA DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA Vanessa Gomes Teixeira (UERJ) vanessa_gomesteixeira@hotmail.com RESUMO No início do século

Leia mais

Educação Bilíngüe: avanços e desafios na inclusão escolar dos alunos (as) com surdez

Educação Bilíngüe: avanços e desafios na inclusão escolar dos alunos (as) com surdez Educação Bilíngüe: avanços e desafios na inclusão escolar dos alunos (as) com surdez Profª Drª Profª Drª Mirlene Ferreira Macedo Damázio psmirlenefm@gmail.com DESAFIOS DA POLÍTICA DA EDUCAÇÃO ESCOLAR INCLUSIVA

Leia mais

EDUCAÇÃO BILÍNGUE PARA SURDOS: perspectivas e construções

EDUCAÇÃO BILÍNGUE PARA SURDOS: perspectivas e construções EDUCAÇÃO BILÍNGUE PARA SURDOS: perspectivas e construções Ana Carolina da Silva Souza Esse trabalho tem como tema a educação bilíngue para surdos, o desafio é levantar uma discussão bastante delicada,

Leia mais

REPRESENTAÇÕES CULTURAIS DA SURDEZ NA POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL- NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

REPRESENTAÇÕES CULTURAIS DA SURDEZ NA POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL- NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA REPRESENTAÇÕES CULTURAIS DA SURDEZ NA POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL- NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA PEIXOTO, Luísa Fernanda Marchi da Silva¹; MORGENSTERN, Juliane Marschall² Financiamento:

Leia mais

LIBRAS: UM MOVIMENTO PARA A INCLUSÃO

LIBRAS: UM MOVIMENTO PARA A INCLUSÃO LIBRAS: UM MOVIMENTO PARA A INCLUSÃO DORNELES, Marciele Vieira 1 JOST, Sabine 2 RAMPELOTTO, Elisane Maria 3 RESUMO O presente trabalho tem origem no Projeto Aprendendo Libras no Campus, com objetivo de

Leia mais

PROJETOS DE ENSINO I DA JUSTIFICATIVA

PROJETOS DE ENSINO I DA JUSTIFICATIVA I DA JUSTIFICATIVA PROJETOS DE ENSINO O cenário educacional atual tem colocado aos professores, de modo geral, uma série de desafios que, a cada ano, se expandem em termos de quantidade e de complexidade.

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA GEOGRAFIA E SURDEZ: DA ESCOLA REGULAR À ESCOLA BILÍNGUE

PROJETO DE PESQUISA GEOGRAFIA E SURDEZ: DA ESCOLA REGULAR À ESCOLA BILÍNGUE PROJETO DE PESQUISA GEOGRAFIA E SURDEZ: DA ESCOLA REGULAR À ESCOLA BILÍNGUE PENA, Fernanda Santos, UFU 1 SAMPAIO, Adriany de Ávila Melo, UFU 2 Resumo: O presente trabalho apresenta o projeto de pesquisa

Leia mais

RELAÇÕES ÉTNICO/RACIAIS: PERCEPÇÕES DOCENTES SOBRE SUA (NÃO)PRESENÇA NO CURRÍCULO ESCOLAR

RELAÇÕES ÉTNICO/RACIAIS: PERCEPÇÕES DOCENTES SOBRE SUA (NÃO)PRESENÇA NO CURRÍCULO ESCOLAR RELAÇÕES ÉTNICO/RACIAIS: PERCEPÇÕES DOCENTES SOBRE SUA (NÃO)PRESENÇA NO CURRÍCULO ESCOLAR Evelyn Santos Pereira Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Luterana do Brasil e Secretaria de Educação,

Leia mais

Como a educação integral vem sendo pensada nas escolas? Como ela está sendo feita? Por que é tão difícil consolidá-la no contexto da prática escolar?

Como a educação integral vem sendo pensada nas escolas? Como ela está sendo feita? Por que é tão difícil consolidá-la no contexto da prática escolar? ORGANIZAÇÃO CURRICULAR E AS DIFERENÇAS NA ESCOLA NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INTEGRAL Rosângela Machado Secretaria Municipal de Educação de Florianópolis A palestra intitulada Organização Curricular e as

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Nome da Instituição: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Responsável pelo preenchimento das informações: HELIANE

Leia mais

AS ATIVIDADES ESPORTIVAS E DE LAZER COMO CONTRIBUIÇÃO PARA A INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE IGARASSU.

AS ATIVIDADES ESPORTIVAS E DE LAZER COMO CONTRIBUIÇÃO PARA A INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE IGARASSU. AS ATIVIDADES ESPORTIVAS E DE LAZER COMO CONTRIBUIÇÃO PARA A INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE IGARASSU. Autora: MARIA JOSÉ CALADO Introdução Diante da necessidade e do direito

Leia mais

Contrário ao modo como muitos definem surdez isto é, como um impedimento auditivo pessoas surdas definem-se em termos culturais e lingüísticos.

Contrário ao modo como muitos definem surdez isto é, como um impedimento auditivo pessoas surdas definem-se em termos culturais e lingüísticos. Contrário ao modo como muitos definem surdez isto é, como um impedimento auditivo pessoas surdas definem-se em termos culturais e lingüísticos. (Wrigley 1996: 13) Desafios para a formação de profissionais

Leia mais

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 Rita Vieira de Figueiredo 2 Gosto de pensar na formação de professores (inspirada no poema de Guimarães) Rosa

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Metas

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Metas EDUCAÇÃO ESPECIAL Metas Meta 4 (compatível com a meta do Plano Nacional de Educação) Meta 4: universalizar, para a população com deficiência, Transtornos Globais do Desenvolvimento e altas habilidades

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 9. CAPÍTULO 1 Gláucio de Castro Júnior

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 9. CAPÍTULO 1 Gláucio de Castro Júnior SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 9 CAPÍTULO 1 Gláucio de Castro Júnior CULTURA SURDA E IDENTIDADE: estratégias de empoderamento na constituição do sujeito Surdo...11 A cultura surda contra o discurso médico: uma

Leia mais

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Paula Botelho Mestre em Educação pela Faculdade de Educação da UFMG. Coordenadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação de Surdos (GEPES),

Leia mais

ESCRITA E REESCRITA DE TEXTOS POR ESTUDANTES SURDOS Luiz Cláudio da Costa Carvalho (ISBE e INES). lclaudiocc@terra.com.br

ESCRITA E REESCRITA DE TEXTOS POR ESTUDANTES SURDOS Luiz Cláudio da Costa Carvalho (ISBE e INES). lclaudiocc@terra.com.br ESCRITA E REESCRITA DE TEXTOS POR ESTUDANTES SURDOS Luiz Cláudio da Costa Carvalho (ISBE e INES). lclaudiocc@terra.com.br RESUMO Reflexões sobre o papel do texto literário (prosa, poema e drama), de outras

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA - LICENCIATURA. Lia Gonçalves Gurgel. Projeto de pesquisa

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA - LICENCIATURA. Lia Gonçalves Gurgel. Projeto de pesquisa 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA - LICENCIATURA Lia Gonçalves Gurgel Projeto de pesquisa AQUISIÇÃO DA LÍNGUA DE SINAIS A PARTIR DE UMA PERSPECTIVA BILÍNGÜE

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Resolução 048/Reitoria/Univates Lajeado, 02 de maio de 2012

Resolução 048/Reitoria/Univates Lajeado, 02 de maio de 2012 Resolução 048/Reitoria/Univates Lajeado, 02 de maio de 2012 Aprova a Política de Inclusão de Discentes com Necessidades Educacionais Especiais do Centro Universitário UNIVATES O Reitor do Centro Universitário

Leia mais

O PENSAMENTO DE FOUCAULT E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A EDUCAÇÃO *

O PENSAMENTO DE FOUCAULT E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A EDUCAÇÃO * O PENSAMENTO DE FOUCAULT E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A EDUCAÇÃO * ANTONIO FLAVIO BARBOSA MOREIRA ** ão é tarefa fácil resumir, de modo simples, claro, preciso e rigoroso, o pensamento de um autor de textos

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A PESQUISA: O CURRÍCULO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO DA BAIXADA FLUMINENSE (FEBF): QUAL O LUGAR DA DIFERENÇA?

REFLEXÕES SOBRE A PESQUISA: O CURRÍCULO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO DA BAIXADA FLUMINENSE (FEBF): QUAL O LUGAR DA DIFERENÇA? REFLEXÕES SOBRE A PESQUISA: O CURRÍCULO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO DA BAIXADA FLUMINENSE (FEBF): QUAL O LUGAR DA DIFERENÇA? Renata Leite de Oliveira. Orientadora: Prof. Dr. Talita Vidal

Leia mais

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Eixo temático 2: Formação de Professores e Cultura Digital Vicentina Oliveira Santos Lima 1 A grande importância do pensamento de Rousseau na

Leia mais

LIBRAS ON-LINE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: A EXPERIÊNCIA DA PEDAGOGIA A DISTANCIA DA UFJF

LIBRAS ON-LINE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: A EXPERIÊNCIA DA PEDAGOGIA A DISTANCIA DA UFJF LIBRAS ON-LINE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: A EXPERIÊNCIA DA PEDAGOGIA A DISTANCIA DA UFJF Introdução Davi Vieira Medeiros; Perola Fátima Valente Simpson Viamonte Com base nas perspectivas atuais propostas

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Estratégias

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Estratégias EDUCAÇÃO ESPECIAL Metas Meta 4 (compatível com a meta do Plano Nacional de Educação) Meta 4: universalizar, para a população com deficiência, Transtornos Globais do Desenvolvimento e altas habilidades

Leia mais

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo)

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Os ideais e a ética que nortearam o campo da educação Comenius: A educação na escola deve

Leia mais

CONCEPÇÃO DE CURRÍCULO EM CURSOS DE LICENCIATURA EM QUÍMICA: UM ESTUDO DE CASO

CONCEPÇÃO DE CURRÍCULO EM CURSOS DE LICENCIATURA EM QUÍMICA: UM ESTUDO DE CASO CONCEPÇÃO DE CURRÍCULO EM CURSOS DE LICENCIATURA EM QUÍMICA: UM ESTUDO DE CASO VAITEKA, SANDRA; FERNANDEZ, CARMEN Instituto de Química da Universidade de São Paulo, Brasil; Programa de Pós Graduação Interunidades

Leia mais

REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE PEDAGOGIA ISSN: 1678-300X. Ano XII Número 24 Julho de 2014 Periódicos Semestral

REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE PEDAGOGIA ISSN: 1678-300X. Ano XII Número 24 Julho de 2014 Periódicos Semestral CURRÍCULO E CONHECIMENTO ESCOLAR: O USO DA TECNOLOGIA NA EDUCAÇAO INFANTIL Amanda Aparecida ALVES 1 Marta Fresneda TOMÉ 2 RESUMO Esta pesquisa investiga questões relacionadas ao currículo suas teorizações

Leia mais

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/ MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: HISTÓRIA LICENCIATURA PLENA SERIADO ANUAL 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 03 (TRÊS) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 05 (CINCO)

Leia mais

PSICÓLOGO NA ESCOLA PÚBLICA DO RIO DE JANEIRO: DESAFIOS NA CONSTRUÇÃO DE OUTROS POSSÍVEIS

PSICÓLOGO NA ESCOLA PÚBLICA DO RIO DE JANEIRO: DESAFIOS NA CONSTRUÇÃO DE OUTROS POSSÍVEIS PSICÓLOGO NA ESCOLA PÚBLICA DO RIO DE JANEIRO: DESAFIOS NA CONSTRUÇÃO DE OUTROS POSSÍVEIS 1.INTRODUÇÃO Ana Cristina C.M. Guedes Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro (SME) anamenegue@gmail.com Kátia F.

Leia mais

AS TRÊS DIMENSÕES DA INCLUSÃO

AS TRÊS DIMENSÕES DA INCLUSÃO r 02.qxp 5/6/2008 16:15 Page 1 293 SANTOS, MÔNICA PEREIRA; PAULINO, MARCOS MOREIRA (ORGS.). INCLUSÃO EM EDUCAÇÃO: CULTURAS, POLÍTICAS E PRÁTICAS. SÃO PAULO: CORTEZ, 2006. 168 P. JANETE NETTO BASSALOBRE*

Leia mais

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO NA ESCOLA INCLUSIVA: ESTRATÉGIA E TÁTICAS NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO NA ESCOLA INCLUSIVA: ESTRATÉGIA E TÁTICAS NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO NA ESCOLA INCLUSIVA: ESTRATÉGIA E TÁTICAS NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES HERMES, Simoni Timm. Pesquisa concluída. Programa de Pós-Graduação em Educação Mestrado

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR INTRODUÇÃO Raquel de Oliveira Nascimento Susana Gakyia Caliatto Universidade do Vale do Sapucaí (UNIVÁS). E-mail: raquel.libras@hotmail.com

Leia mais

PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: Perspectivas da formação de professores no viés da Gestão de Conhecimento

PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: Perspectivas da formação de professores no viés da Gestão de Conhecimento PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: Perspectivas da formação de professores no viés da Gestão de Conhecimento Leonardo Rocha de Almeida Mestrando Profissional em Gestão Educacional Universidade

Leia mais

Surdez e o Atendimento Educacional Especializado: desafios e possibilidades

Surdez e o Atendimento Educacional Especializado: desafios e possibilidades Surdez e o Atendimento Educacional Especializado: desafios e possibilidades Aline de Menezes Bregonci 1 Resumo O presente trabalho é resultado da pesquisa desenvolvida pelo ONEESP realizado no estado do

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo Ementas das Disciplinas 1. Teorias Administrativas e a Gestão Escolar - 30 horas Ementa: Gestão Educacional conceitos, funções e princípios básicos. A função administrativa da unidade escolar e do gestor.

Leia mais

O CURSO DE ENGENHARIA E O ALUNO COM NECESSIDADES ESPECIAIS: UMA NOVA VISÃO EM EDUCAÇÃO PARA O SÉCULO XXI

O CURSO DE ENGENHARIA E O ALUNO COM NECESSIDADES ESPECIAIS: UMA NOVA VISÃO EM EDUCAÇÃO PARA O SÉCULO XXI O CURSO DE ENGENHARIA E O ALUNO COM NECESSIDADES ESPECIAIS: UMA NOVA VISÃO EM EDUCAÇÃO PARA O SÉCULO XXI Sandra L. Oliveira sandraluciarj@zipmail.com.br Universidade Estácio de Sá, Faculdade de Letras

Leia mais

Anais do VII Seminário Fazendo Gênero 28, 29 e 30 de 2006

Anais do VII Seminário Fazendo Gênero 28, 29 e 30 de 2006 Gênero e Sexualidade nas Práticas Escolares ST 07 Priscila Gomes Dornelles i PPGEdu/UFRGS Educação Física escolar - aulas separadas entre meninos e meninas - relações de gênero Distintos destinos : problematizando

Leia mais

EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS: UMA REFLEXÃO SOBRE A INCLUSÃO E EXCLUSÃO DOS EDUCANDOS NOS ESPAÇOS ESCOLARES

EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS: UMA REFLEXÃO SOBRE A INCLUSÃO E EXCLUSÃO DOS EDUCANDOS NOS ESPAÇOS ESCOLARES EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS: UMA REFLEXÃO SOBRE A INCLUSÃO E EXCLUSÃO DOS EDUCANDOS NOS ESPAÇOS ESCOLARES Polyana Danielle da Silva Medeiros NCDH UFPB: Universidade Federal da Paraíba E-mail: polyanadaniele@hotmail.com

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

Palavras-Chave: Educação Especial, Formação Continuada, Gestores Públicos, Plano de ação.

Palavras-Chave: Educação Especial, Formação Continuada, Gestores Públicos, Plano de ação. CURSO DE GESTORES PÚBLICOS DE EDUCAÇÃO ESPECIAL NA PERSPECTIVA DA INCLUSÃO ESCOLAR NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO: OS PLANOS DE AÇÃO COMO DISPARADORES DE MUDANÇA Carline Santos Borges Merislandia Paulo Da

Leia mais

A Educação Bilíngüe. » Objetivo do modelo bilíngüe, segundo Skliar:

A Educação Bilíngüe. » Objetivo do modelo bilíngüe, segundo Skliar: A Educação Bilíngüe Proposta de educação na qual o bilingüismo atua como possibilidade de integração do indivíduo ao meio sociocultural a que naturalmente pertence.(eulália Fernandes) 1 A Educação Bilíngüe»

Leia mais

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA 1.0 INTRODUÇÃO JUSCIARA LOURENÇO DA SILVA (UEPB) VIVIANA DE SOUZA RAMOS (UEPB) PROFESSOR ORIENTADOR: EDUARDO

Leia mais

cultural e identitária específica que tem sido atribuída à Comunidade Surda. Também é

cultural e identitária específica que tem sido atribuída à Comunidade Surda. Também é OS SURDOS : SUJEITOS DE UMA CULTURA PRÓPRIA NUM ESPAÇO MULTICULTURAL? Valéria Simplício 1 (Faculdade São Luís de França) RESUMO O presente trabalho procura fazer uma reflexão acerca da relação entre a

Leia mais

KARLA PATRÍCIA RAMOS DA COSTA; JULIANA FALCÃO; MARIA LÚCIA GURGEL DA COSTA; WANILDA MARIA ALVES CAVALCANTI.

KARLA PATRÍCIA RAMOS DA COSTA; JULIANA FALCÃO; MARIA LÚCIA GURGEL DA COSTA; WANILDA MARIA ALVES CAVALCANTI. RESUMO DEPOIMENTOS DE ALUNOS UNIVERSITÁRIOS SURDOS SOBRE SUA INCLUSÃO NA SOCIEDADE. KARLA PATRÍCIA RAMOS DA COSTA; JULIANA FALCÃO; MARIA LÚCIA GURGEL DA COSTA; WANILDA MARIA ALVES CAVALCANTI. Karla_fono@yahoo.com.br

Leia mais

O ENSINO DA MATEMÁTICA E O ALUNO SURDO: UM CIDADÃO BILINGUE

O ENSINO DA MATEMÁTICA E O ALUNO SURDO: UM CIDADÃO BILINGUE O ENSINO DA MATEMÁTICA E O ALUNO SURDO: UM CIDADÃO BILINGUE NEDEL¹, Vera SILVA²,Maria Elena Neves da Resumo O presente artigo relata a importância do uso das tecnologias. As lutas dos surdos pelo direito

Leia mais

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais)

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA EMENTAS DAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) 1º ANO

Leia mais

Orientações para avaliação

Orientações para avaliação AVALIAÇÃO A concepção de avaliação dos Parâmetros Curriculares Nacionais vai além da visão tradicional, que focaliza o controle externo do aluno mediante notas ou conceitos, para ser compreendida como

Leia mais

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos.

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Diogo Vieira do Nascimento 1 (UERJ/EDU) Fabiana da Silva 2 (UERJ/EDU)

Leia mais

O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco.

O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco. O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco. Autora: Maria José de Souza Marcelino. Orientador: Professor Dr. Washington Luiz Martins (UFPE). Instituto

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

(Re)pensando o Lugar da Educação em Direitos Humanos. na Educação de Surdos

(Re)pensando o Lugar da Educação em Direitos Humanos. na Educação de Surdos (Re)pensando o Lugar da Educação em Direitos Humanos na Educação de Surdos Por MARIA DE FÁTIMA DA SILVA CAVALCANTE Resumo: O presente artigo tem por objetivo discutir a Educação em Direitos Humanos como

Leia mais

PROFESSOR OU INTÉRPRETE? REFLEXÕES SOBRE A ATUAÇÃO DO TILS NA EDUCAÇÃO DE SURDOS DA ESCOLA REGULAR

PROFESSOR OU INTÉRPRETE? REFLEXÕES SOBRE A ATUAÇÃO DO TILS NA EDUCAÇÃO DE SURDOS DA ESCOLA REGULAR PROFESSOR OU INTÉRPRETE? REFLEXÕES SOBRE A ATUAÇÃO DO TILS NA EDUCAÇÃO DE SURDOS DA Universidade Federal do Rio grande do Sul elisama_libras@hotmail.com Introdução Este trabalho trata se de um ensaio que

Leia mais

Câmpus Alfenas SUMÁRIO. Cláudio Novaes... 2. Eliane Souza dos Santos... 3. Elizabeth Aparecida Santos de Oliveira... 4. Fernanda Alice de Santana...

Câmpus Alfenas SUMÁRIO. Cláudio Novaes... 2. Eliane Souza dos Santos... 3. Elizabeth Aparecida Santos de Oliveira... 4. Fernanda Alice de Santana... Câmpus Alfenas 14 de agosto de 2010 SUMÁRIO Cláudio Novaes... 2 Eliane Souza dos Santos... 3 Elizabeth Aparecida Santos de Oliveira... 4 Fernanda Alice de Santana...5 Mary Silva Faria... 6 Valéria de Oliveira

Leia mais

REPRESENTAÇÕES DE CULTURA SURDA DE ALUNOS DA DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE LIBRAS

REPRESENTAÇÕES DE CULTURA SURDA DE ALUNOS DA DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE LIBRAS Introdução REPRESENTAÇÕES DE CULTURA SURDA DE ALUNOS DA DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE LIBRAS Ana Rachel Carvalho Leão 1 Este trabalho tem por objetivo apresentar algumas representações sobre cultura surda

Leia mais

O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO NAS REDES DE ENSINO DA BAIXADA FLUMINENSE: UM DIÁLOGO EM CONSTRUÇÃO

O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO NAS REDES DE ENSINO DA BAIXADA FLUMINENSE: UM DIÁLOGO EM CONSTRUÇÃO O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO NAS REDES DE ENSINO DA BAIXADA FLUMINENSE: UM DIÁLOGO EM CONSTRUÇÃO MARIANA CORRÊA PITANGA DE OLIVEIRA pitanga.mariana@yahoo.com.br UFRRJ MÁRCIA DENISE PLETSCH marciadenisepletsch@gmail.com

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão.

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão. A MÚSICA NA SOCIALIZAÇÃO DAS MENINAS DE SINHÁ GIL, Thais Nogueira UFMG thaisgil@terra.com.br GT: Movimentos Sociais e Educação / n.03 Agência Financiadora: CAPES O que acontece quando os sujeitos excluídos

Leia mais

Libras: a inclusão de surdos na escola regular. Libras: the inclusion of deaf students in regular school

Libras: a inclusão de surdos na escola regular. Libras: the inclusion of deaf students in regular school Libras: the inclusion of deaf students in regular school Andréa Oliveira Almeida 1 andrea.libras@hotmail.com Maria da Conceição Vinciprova Fonseca 1 Resumo A presente pesquisa trata da inclusão de alunos

Leia mais

Eixo temático: Tradução/interpretação de língua de sinais: identidades em questão

Eixo temático: Tradução/interpretação de língua de sinais: identidades em questão Modalidade: Comunicação oral/sinais Eixo temático: Tradução/interpretação de língua de sinais: identidades em questão TÍTULO: QUEM É O INTÉRPRETE DE LIBRAS: A PERSPECTIVA DO ALUNO SURDO NO CONTEXTO DO

Leia mais

FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO DE SURDOS

FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO DE SURDOS FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO DE SURDOS LETRASLIBRAS 83 LETRASLIBRAS 84 FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO DE SURDOS Wanilda Maria Alves Cavalcanti APRESENTAÇÃO Cara(o)aluna(o) Iniciandoumnovociclodeestudos,aUniversidadeFederaldaParaíbaincorporaaoscursosquejá

Leia mais

A AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO ESPECIAL: INSTRUMENTO PARA PROMOÇÃO DE APRENDIZAGEM

A AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO ESPECIAL: INSTRUMENTO PARA PROMOÇÃO DE APRENDIZAGEM A AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO ESPECIAL: INSTRUMENTO PARA PROMOÇÃO DE APRENDIZAGEM Deusodete Rita da Silva Aimi 1 - UNIR - deusodetersa@gmail.com Maria Ivonete Barbosa Tamboril 2 - UNIR - ivonetetamboril@gmail.com

Leia mais

AS REPRESENTAÇÕES DISCURSIVAS DE ALUNOS DE LÍNGUA ESPANHOLA EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL

AS REPRESENTAÇÕES DISCURSIVAS DE ALUNOS DE LÍNGUA ESPANHOLA EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL AS REPRESENTAÇÕES DISCURSIVAS DE ALUNOS DE LÍNGUA ESPANHOLA EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Élida Cristina de Carvalho Castilho 1 INTRODUÇÃO Indubitavelmente, questões sociais e econômicas sempre

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 O PROFESSOR FORMADOR E SUA FORMAÇÃO EM UMA COMUNIDADE PROFISSIONAL José Ronaldo Melo 1 Universidade Federal do Acre UFAC ronaldmel@bol.com.br Resumo: Nessa comunicação apresento os resultados de uma pesquisa

Leia mais

SALA/AMBIENTE DE LEITURA: DISCURSOS SOBRE A ATUAÇÃO DO PROFESSOR NO NOVO ESPAÇO *

SALA/AMBIENTE DE LEITURA: DISCURSOS SOBRE A ATUAÇÃO DO PROFESSOR NO NOVO ESPAÇO * 1 SALA/AMBIENTE DE LEITURA: DISCURSOS SOBRE A ATUAÇÃO DO PROFESSOR NO NOVO ESPAÇO * Denise Franciane Manfré Cordeiro Garcia (UNESP/São José do Rio Preto) Fernanda Correa Silveira Galli (UNESP/São José

Leia mais

MIDIA E INCLUSÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIAS DE UMA PESSOA COM DEFICIÊNCIA VISUAL RESUMO. Fabiana Fator Gouvêa Bonilha Rede Anhanguera de Comunicação

MIDIA E INCLUSÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIAS DE UMA PESSOA COM DEFICIÊNCIA VISUAL RESUMO. Fabiana Fator Gouvêa Bonilha Rede Anhanguera de Comunicação MIDIA E INCLUSÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIAS DE UMA PESSOA COM DEFICIÊNCIA VISUAL Fabiana Fator Gouvêa Bonilha Rede Anhanguera de Comunicação fabiana.ebraille@gmail.com RESUMO No presente trabalho, tenciona-se

Leia mais

Gestão de tecnologias na escola

Gestão de tecnologias na escola Gestão de tecnologias na escola Maria Elizabeth Bianconcini de Almeida 1 As tecnologias de informação e comunicação foram inicialmente introduzidas na educação para informatizar as atividades administrativas,

Leia mais

GOVERNAMENTALIDADE NEOLIBERAL E A PRODUÇÃO DE SUJEITOS PARA A DINÂMICA INCLUSIVA

GOVERNAMENTALIDADE NEOLIBERAL E A PRODUÇÃO DE SUJEITOS PARA A DINÂMICA INCLUSIVA GOVERNAMENTALIDADE NEOLIBERAL E A PRODUÇÃO DE SUJEITOS PARA A DINÂMICA INCLUSIVA Juliane Marschall Morgenstern 1 - UNISINOS Agência Financiadora: Capes/Proex Resumo: O presente trabalho compõe uma proposta

Leia mais

O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos. Luciana Aleva Cressoni. PPGPE/UFSCar

O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos. Luciana Aleva Cressoni. PPGPE/UFSCar O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos Luciana Aleva Cressoni PPGPE/UFSCar Depois de uma palavra dita. Às vezes, no próprio coração da palavra se reconhece o Silêncio. Clarice Lispector

Leia mais

A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA

A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA Josenilson Felizardo dos Santos 1 INTRODUÇÃO É possível compreender o papel da escola diante de todo o processo de ensino aprendizagem. E

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Ações Inclusivas de Sucesso Belo Horizonte 24 a 28 de maio de 2004 Realização: Pró-reitoria de Extensão

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

AVANÇOS NAS CONCEPÇÕES E PRÁTICAS DA AVALIAÇÃO

AVANÇOS NAS CONCEPÇÕES E PRÁTICAS DA AVALIAÇÃO AVANÇOS NAS CONCEPÇÕES E PRÁTICAS DA AVALIAÇÃO 1 Jussara Hoffmann Sobre a avaliação Para se debater o sistema de avaliação das aprendizagens, primeiro é preciso compreender o termo avaliar com a amplitude

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: CONCEPÇÕES DOS PARTICIPANTES DO CURSO DE ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO PARA ALUNOS SURDOS

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: CONCEPÇÕES DOS PARTICIPANTES DO CURSO DE ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO PARA ALUNOS SURDOS EDUCAÇÃO INCLUSIVA: CONCEPÇÕES DOS PARTICIPANTES DO CURSO DE ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO PARA ALUNOS SURDOS SILVA, Duarte Araújo Silva; DUARTE, Ana Beatriz da Silva. INTRODUÇÃO Esse trabalho

Leia mais

CONTOS DA MATA VISÕES DE VIDA: UM DESAFIO FRENTE À CULTURA INDÍGENA RESUMO

CONTOS DA MATA VISÕES DE VIDA: UM DESAFIO FRENTE À CULTURA INDÍGENA RESUMO CONTOS DA MATA VISÕES DE VIDA: UM DESAFIO FRENTE À CULTURA INDÍGENA RESUMO OLIVEIRA, Luiz Antonio Coordenador/Orientador ARAÚJO, Roberta Negrão de Orientadora O artigo tem como objetivo apresentar o Projeto

Leia mais

6 Conclusão. [...] cada um dos que ingressam na coletividade, adquire, como se se fundisse em um todo, novas qualidades e particularidades (VYGOTSKY).

6 Conclusão. [...] cada um dos que ingressam na coletividade, adquire, como se se fundisse em um todo, novas qualidades e particularidades (VYGOTSKY). 158 6 Conclusão [...] cada um dos que ingressam na coletividade, adquire, como se se fundisse em um todo, novas qualidades e particularidades (VYGOTSKY). Neste trabalho de pesquisa, procurei entender como

Leia mais

INCLUSÃO DE ALUNOS SURDOS: A GESTÃO DAS DIFERENÇAS LINGUÍSTICAS

INCLUSÃO DE ALUNOS SURDOS: A GESTÃO DAS DIFERENÇAS LINGUÍSTICAS INCLUSÃO DE ALUNOS SURDOS: A GESTÃO DAS DIFERENÇAS LINGUÍSTICAS Patrícia Graff (Universidade Federal de Santa Maria UFSM¹) (Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul UNIJUI²) Um

Leia mais

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA Ementas das Disciplinas de Educação Física Estão relacionadas abaixo, as ementas e a bibliografia dos diferentes eixos curriculares do Curso, identificadas conforme os ciclos de formação: Ciclo de Formação

Leia mais

INCLUSÃO E CIDADANIA: UMA QUESTÃO DE DIREITO

INCLUSÃO E CIDADANIA: UMA QUESTÃO DE DIREITO INCLUSÃO E CIDADANIA: UMA QUESTÃO DE DIREITO MARIA DA GLÓRIA DE SOUZA ALMEIDA mariadagloriaalmeida@ibc.gov.br INSTITUTO BENJAMIN CONSTANT RESUMO A educação inclusiva somente se efetivará, quando de fato,

Leia mais

INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL

INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL Jair Bevenute Gardas Isabel Corrêa da Mota Silva RESUMO A presente pesquisa objetiva um conhecimento amplo sobre a temática interdisciplinaridade, idealizando

Leia mais

A INCLUSÃO DOS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA EM ESCOLA DA REDE PÚBLICA EM TERESINA

A INCLUSÃO DOS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA EM ESCOLA DA REDE PÚBLICA EM TERESINA A INCLUSÃO DOS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA EM ESCOLA DA REDE PÚBLICA EM TERESINA Francisca Clelma da Costa Aluna do Curso de Pedagogia da UESPI Campus Clóvis Moura, PIBIC/UESPI Voluntária 2009/2010

Leia mais

Línguas e sujeitos de fronteira: um pouco mais, e ainda, sobre a educação de surdos Regina Maria de Souza

Línguas e sujeitos de fronteira: um pouco mais, e ainda, sobre a educação de surdos Regina Maria de Souza Sumário Apresentação Valéria Amorim Arantes... 9 PARTE I Educação de surdos.... 15 Regina Maria de Souza Núria Silvestre Línguas e sujeitos de fronteira: um pouco mais, e ainda, sobre a educação de surdos

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ (IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ Resumo O presente trabalho objetiva apresentar uma pesquisa em andamento que

Leia mais

A IMPLEMENTAÇÃO DA DISCIPLINA DE LIBRAS NO ENSINO SUPERIOR: QUESTÕES PARA REFLEXÃO

A IMPLEMENTAÇÃO DA DISCIPLINA DE LIBRAS NO ENSINO SUPERIOR: QUESTÕES PARA REFLEXÃO A IMPLEMENTAÇÃO DA DISCIPLINA DE LIBRAS NO ENSINO SUPERIOR: QUESTÕES PARA REFLEXÃO Resumo O presente trabalho tem como objetivo apresentar algumas reflexões sobre o processo de implementação da disciplina

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CULTURA E IDENTIDADE SURDA NA FORMAÇÃO BILÍNGUE NO ENSINO REGULAR

A IMPORTÂNCIA DA CULTURA E IDENTIDADE SURDA NA FORMAÇÃO BILÍNGUE NO ENSINO REGULAR A IMPORTÂNCIA DA CULTURA E IDENTIDADE SURDA NA FORMAÇÃO BILÍNGUE NO ENSINO REGULAR GT8 Espaços Educativos, Currículo e Formação Docente (Saberes e Práticas). Maria Patrícia Vieira Martins Lima¹ John Lima

Leia mais

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL CONSIDERAÇÕES SOBRE O TRABALHO REALIZADO PELO SERVIÇO SOCIAL NO CENTRO PONTAGROSSENSE DE REABILITAÇÃO AUDITIVA E DA FALA (CEPRAF) TRENTINI, Fabiana Vosgerau 1

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

CONCURSO DE EXPERIÊNCIAS INOVADORAS NA FORMAÇÃO DOCENTE SEGUNDA EDIÇÃO DO PRÊMIO PAULO FREIRE

CONCURSO DE EXPERIÊNCIAS INOVADORAS NA FORMAÇÃO DOCENTE SEGUNDA EDIÇÃO DO PRÊMIO PAULO FREIRE CONCURSO DE EXPERIÊNCIAS INOVADORAS NA FORMAÇÃO DOCENTE SEGUNDA EDIÇÃO DO PRÊMIO PAULO FREIRE Esta iniciativa objetiva conhecer e compartilhar práticas inovadoras na Formação e Desenvolvimento Profissional

Leia mais

Perguntas mais freqüentes sobre a deficiência auditiva e dúvidas mais comuns relacionadas à surdez

Perguntas mais freqüentes sobre a deficiência auditiva e dúvidas mais comuns relacionadas à surdez Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Perguntas mais freqüentes sobre a deficiência auditiva e dúvidas mais comuns relacionadas à surdez

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 13/2015 Campus São João del-rei

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 13/2015 Campus São João del-rei Tema 01: ASPECTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO DOS SURDOS NO BRASIL Imbricada em relações de poder, a educação dos surdos vem sendo pensada e definida, historicamente, por educadores ouvintes, embora possamos

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

6 Considerações finais e alguns encaminhamentos

6 Considerações finais e alguns encaminhamentos 6 Considerações finais e alguns encaminhamentos Não podemos inibir o horizonte utópico da educação para colocá-la numa lógica funcional ao mercado e puramente instrumental Sem horizonte utópico, indignação,

Leia mais

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012 COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Ensino PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO DE PUBLICAÇÃO DESTE DOCUMENTO:

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este?

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este? Universidade do Sul de Santa Catarina UNISUL maria.schlickmann@unisul.br Palavras iniciais... As reflexões que apresento neste texto são um recorte de estudo que venho realizando na minha tese de doutorado.

Leia mais

AVALIAÇÃO EDUCACIONAL E GESTÃO: INICIATIVAS NO ÂMBITO DO MUNICÍPIO E ESTADO DE SÃO PAULO

AVALIAÇÃO EDUCACIONAL E GESTÃO: INICIATIVAS NO ÂMBITO DO MUNICÍPIO E ESTADO DE SÃO PAULO AVALIAÇÃO EDUCACIONAL E GESTÃO: INICIATIVAS NO ÂMBITO DO MUNICÍPIO E ESTADO DE SÃO PAULO Sousa, S. M. Z. L.; Alavarse, O. M.; Arcas, P. H.; Machado, C. e Steinvascher, A. Faculdade de Educação - Universidade

Leia mais