A ARTICULAÇÃO E FUNCIONAMENTO DA LINGUAGEM NO SEGUNDO WITTGENSTEIN.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A ARTICULAÇÃO E FUNCIONAMENTO DA LINGUAGEM NO SEGUNDO WITTGENSTEIN."

Transcrição

1 A ARTICULAÇÃO E FUNCIONAMENTO DA LINGUAGEM NO SEGUNDO WITTGENSTEIN. Fabrício Ferreira Cunha Prof. Drª Mirian Donat (Orientadora) RESUMO O presente trabalho busca mostrar de que maneira a linguagem se apresenta ao indivíduo no segundo Wittgenstein, tendo por base a esta pesquisa os primeiros aforismos do autor, em sua obra Investigações Filosóficas onde Wittgenstein demonstra como insuficientes os argumentos do autor do Tractatus Logico-Philosophicus para responderem à questão da linguagem. Diz Wittgenstein que o problema maior não é saber o que a linguagem é, mas sim como ela funciona. Este concepção da linguagem no segundo Wittgenstein tem por base alguns conceitos que se relacionam, dando significado à linguagem, a saber, o uso, regras e os jogos de linguagem, o que caracteriza a linguagem como relação entre indivíduos que fazem uso dos mesmos jogos de linguagem, ou seja, indivíduos que compartilhem das mesmas formas de vida, onde a linguagem flui naturalmente, onde o significado das palavras não é dado ostensivamente, em uma relação direta com os objetos ao qual se refere como assim queria no Tractatus, mas encontra-se no acento a qual o significado se torna evidente dentro dos infindos modos de vida. Palavras-Chave: uso, significado, jogos de linguagem. 681

2 O primeiro objetivo de Wittgenstein em uma de suas mais importantes obras, intitulado Investigações Filosóficas é colocar em cheque e demonstrar como insuficiente a teoria sobre a linguagem de sua não menos importante obra, o Tractatus Lógico-Philosophicus. No tractatus, Wittgenstein defende a linguagem como se tivesse o papel de um espelho que reflete a todo e qualquer objeto que se possa falar, como se só pudéssemos falar de um objeto ostensivamente, diretamente a aquele objeto para conhecermos seu significado. Assim a linguagem teria como papel denominar cada objeto ostensivamente, como se cada objeto no mundo tivesse sua representação única na linguagem, buscando assim erradicar, por assim dizer, toda e qualquer contradição na linguagem, pois se cada sentença tivesse seu sentido único e irrevogável (assim como as palavras) teríamos, como queria o autor do tractatus, uma linguagem formal perfeita. Já no inicio das Investigações Filosóficas, Wittgenstein cita Santo Agostinho, que parte do mesmo pressuposto do autor do Tractatus sobre a linguagem, tomando a compreensão acerca dos objetos e sentenças se dão pela intenção de se indicar algo, ostensivamente, pelos signos da pronuncia ou gestos, partindo Wittgenstein deste ponto para iniciar sua teoria, usando a descrição de Agostinho como plano de fundo para pintar um novo cenário, mostrando que a linguagem não deve ser entendida como ela é, como queriam os lógicos, mas deve ser compreendido em seu funcionamento, e já no 2 nos dá um exemplo desta funcionalidade, onde um construtor A se comunica com seu ajudante B, quando antes da representação direta com os objetos (vigas, lajotas...) está a intenção do construtor para com aqueles objetos, não simplesmente denominando-os. De acordo com Wittgenstein, Podemos nos representar que a linguagem no 2 é toda a linguagem de A e B; na verdade toda linguagem de um povo... (I.F. 6); - Mas quando grito lajota, o que quero realmente é que ele deve me trazer uma lajota! (I.F. 19) 682

3 Vemos aqui claramente como a intenção sobrepõe se ao significado direto, quando Wittgenstein diz o que quero realmente... é toda a intenção para com o objeto e não simplesmente seu apontamento. O autor se serve de alguns termos que lhe auxiliaram e servirão de base a toda teoria das Investigações, que lhe dará suporte para avançar em seu pensamento e no desenvolvimento de todo âmbito da linguagem que ele se propõe tratar. Wittgenstein coloca o desenvolvimento da linguagem através do uso da linguagem entre os indivíduos, ou como nas palavras do autor (I.F. 53)...o uso dos signos desta ou daquela maneira foi ensinado aos homens que usam esta linguagem. Este uso da linguagem define seu significado e a compreensão mútua entre indivíduos que fazem uso desta mesma linguagem, a partir do que o autor define como jogos de linguagem. Posso dizer então que indivíduos que compartilham dos mesmos jogos de linguagem, fazem uso dos mesmos jogos de linguagem, se entendem, se compreendem e encontram a significação do que se refere. Mas para se entrar em um jogo é preciso conhecer suas regras, sendo este mais um termo que Wittgenstein usa para a elucidação de seu pensamento. O autor entende por regras o ordenamento da linguagem necessária à compreensão entre os indivíduos que fazem uso dos mesmos jogos de linguagem. Temos ao que parece, uma rede que entrelaça todos estes termos, a saber, uso, regras e jogos de linguagem, fazendo da linguagem significativa e compreensiva, não simples sons ou movimentos sem sentido. E é na relação entre os indivíduos que estes termos se completam, que encontram seu significado e seu sentido dentro do uso desta palavra nas mais variadas formas de vida, descartando, por assim dizer mas não completamente, seu significado ostensivo, mas compreendendo toda uma intenção com apenas uma única palavra. Vejamos agora como estes termos se relacionam. 683

4 Quando um pai ordena ao seu filho Leve este pacote, pois está mais leve, que significados temos por leve? Se, para o autor do Tractatus este sentença seria, no mínimo, dita de forma errada, ou sem nenhum significado, para o autor das Investigações Filosóficas, a palavra leve pode ser compreendida em seus diversos usos, ora de uma maneira, ora de outra. Leve este pacote... então tem como significado, primeiramente como uma ordem, a de levar o pacote, por alguma necessidade daquele momento pelo pai e pelo filho,... pois está mais leve temos uma obstruidade que o pai vê no filho que o impossibilite de levar outro pacote por ser mais pesado, por exemplo. Neste exemplo podemos analisar, dentro de um mesmo uso de palavras, significações diferentes que, só podem ser identificadas como diferentes pelo uso que se fez, pelo querer dizer em que cada palavra teve dentro das regras que pai e filho fizeram em comum. Ora, se pai ou filho compreendessem apenas uma aplicação da palavra leve, teriam se entendido? Em outro caso, o pai simplesmente apontaria ao pacote a ser carregado e dizer Leve!, o que poderia ter entendido o filho? Ou que simplesmente o pacote é leve ou que fosse uma ordem de carregar o pacote a outro lugar. O que vai definir sua aplicação é seu uso naquele dado momento, e de como as regras da linguagem se aplicam entre pai e filho nesta situação. Podemos voltar ao primeiro exemplo que Wittgenstein nos expõe, que a palavra lajota traz entre trabalhadores que estão construindo uma casa. Entre eles, basta-se dizer lajota para compreenderem traga-me uma lajota, pois estão inseridos em um mesmo jogo de linguagem, fazendo uso das mesmas regras, pertencentes a mesma forma de vida. É circulando dentro das formas de vida que a linguagem se articula entre os indivíduos, que a linguagem evidencia o significado do que se pretende dizer, distanciando-se do significado ostensivo que o autor do Tractatus defende. O querer dizer pelos indivíduos depende da interação entre os indivíduos para ganhar certa significação, ou seja, que pode ser entendido por aqueles que 684

5 compreendem a articulação da linguagem, aqueles pertencentes às mesmas formas de vida. Como poderia o trabalhador fazer-se entender, ao dizer lajota ao seu ajudante, se este não compreendesse os mesmos jogos de linguagem do primeiro, se não estivesse inserido em seu modo de vida. Não poderia. Nas palavras de Wittgenstein, Pode-se, para uma grande classe de casos de utilização da palavra significação explica-la assim: A significação de uma palavra é seu uso na linguagem. E a significação de um nome elucida-se muitas vezes apontando ao seu portador. (I.F. 43) O significado gira em torno das formas de vida a qual se apresenta ao indivíduo, faz-se significar a partir do uso das palavras num determinado jogo de linguagem estabelecida por regras que a própria forma de vida define ao que se quer fazer entender e ao que entende, formando assim uma espécie de circulo lingüístico que se articula entre os indivíduos. Segundo Arley Moreno, Não é necessário, segundo Wittgenstein, empreender a análise da proposição para desvendarmos a plenitude de seu significado, ainda que uma só palavra possa se prestar a múltiplas interpretações. O Significado só nos aparecerá sendo indeterminado, ao nível da linguagem natural, quando assumirmos um ponto de vista privilegiado, justamente aquele do tractatus, o do olhar omnisciente, que é unificador e que não está engajado em nenhuma forma de vida particular. (1985, p67) 685

6 Temos neste ponto talvez a maior das contraposições de Wittgenstein ao autor do tractatus, sendo este significado proposto no Tractatus, um significado tão direto ao objeto quanto seu significado em uma sentença, imutável, o que não acontece nas investigações, onde a significação se encontra sempre em contato com o uso que se faz da palavra que está sendo dita, sempre se compreendendo dentro de uma forma de vida, e sobre determinadas regras que se articulam nas formas de vida. Voltemos ao exemplo de Wittgenstein. Quando os trabalhadores se comunicavam, um solicitando ao outro as ferramentas e materiais necessários ao trabalho, estavam preocupados com o emprego das palavras, do uso correto, das regras do jogo de linguagem a qual estavam inseridos? Não. O que determina então que se fez o uso correto dos jogos de linguagem pertencentes aquelas formas de vida? Aqui se vê a aplicação da linguagem no dia a dia dos indivíduos, que usam a linguagem a fim de dar maior dinâmica ao andamento do projeto no querer dizer traga-me uma lajota gritando apenas lajota. Simplesmente porque a linguagem se articula entre os indivíduos através do uso desta regra, não lhes foi imposto antecipadamente que, ao dizer lajota o ajudante deva lançar uma lajota ao outro, ele simplesmente tinha em mente que o desejo dele era que lhe fosse entregue uma lajota, pois já havia feito uso desta regra, talvez em outros casos, com outras ferramentas ou objetos. Assim também em toda e qualquer forma de vida seguirá suas regras em seus jogos de linguagem, tendo aqui o que há em comum em todas as formas de vida, suas próprias regras de linguagem que lhes caracterizam e lhes dão sentido necessário á compreensão daqueles inseridos em seu modo de vida., entrando aqui o ultimo termo de Wittgenstein, apontando certo parentesco lingüístico neste ou naquele modo de vida, define como aparentados os jogos de linguagem e suas regras. Cito Wittgenstein: 686

7 Em vez de indicar algo que é comum a tudo aquilo que chamamos de linguagem, digo que nao há coisa em comum com estes fenômenos, em virtude da qual empregamos para todos a mesma palavra, - mas sim que estão aparentados uns com os outros de muitos modos diferentes e por causa desse parentesco ou desses parentescos chamamolos todos de linguagens. (I.F. 65) É assim cada classe de trabalhadores, cada lar, cada ambiente possui suas regras e cada indivíduo se depara com estas formas de vida a cada instante. O ajudante observa que sempre que uma ferramenta é solicitada lhe é dita apenas o seu nome, lhe entrega o objeto a qual o nome faz referência. Dentro daquela forma de vida se torna uma regra a ele. Sempre que me é dito uma palavra devo entregar-lhe o solicitado. Se, em um caso remoto, um construtor estivesse sozinho em sua obra, e só lhe tivesse o contratante a lhe ajudar, e este contratante fosse um médico que está reformando sua casa, o construtor grita ao médico Lajota!, este iria apontar para a pilha de lajotas e repetir sim, eis as lajotas!, logo em seguida o construtor lhe diria, sim, me traga as lajotas, automaticamente o médico assimilaria o ato de dizer a palavra lajota a necessidade de lhe entregar uma lajota, e desta forma não mais o construtor precisará usar de toda formalidade gramatical para pedir ao seu ajudante os materiais que necessita. O médico automaticamente se insere neste jogo de linguagem, a qual fez uso de uma determinada regra que lhe é próprio para a sua compreensão, neste caso, ouvir a palavra solicitada lhe significará trazer-lhe o objeto ao construtor. Concluindo, podemos perceber como a linguagem se articula dentro da própria linguagem, através dos jogos de linguagem a qual participa os indivíduos, definido suas regras com um único objetivo, fazerse entender por esta articulação entre jogos de linguagem, regras e o uso destas regras na relação indivíduo-indivíduo, que fazem o uso destes jogos, das mesmas formas de vida. E se deparado a qualquer forma de 687

8 vida, o homem se adapta a aquela linguagem, a aquelas regras pois necessariamente fará uso da mesma linguagem que lhe é, em primeiro momento estranho, mas que se tornará tão natural quanto aos modos de vida a qual ele pertence e toda a articulação da linguagem que esta compreende. Não há palavra alguma que tenha sido usada uma única vez por um único indivíduo, ou seja, necessariamente a linguagem se faz entre indivíduos, não é algo isolado, característico do homem, mas essencial do homem, que estão a todo momento compartilhando e apreendendo novas formas de vida, se inserindo em novos jogos de linguagem, fazendo uso de novas regras da linguagem. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS WITTGENSTEIN, Ludwig. Investigações filosóficas. São Paulo, Editora Nova Cultural, MORENO, Arley R. Wittgenstein: ensaio introdutório. Rio de Janeiro, Taurus, SPANIOL, Werner, Filosofia e método no segundo Wittgenstein. São Paulo, Loyola, PERLOFF, Marjorie. A escada de Wittgenstein, São Paulo, EDUSP, HACKER, P. M. S. Wittgenstein: sobra e natureza humana, São Paulo, Editora Unesp,

constituímos o mundo, mais especificamente, é a relação de referência, entendida como remissão das palavras às coisas que estabelece uma íntima

constituímos o mundo, mais especificamente, é a relação de referência, entendida como remissão das palavras às coisas que estabelece uma íntima 1 Introdução Esta tese aborda o tema da relação entre mundo e linguagem na filosofia de Nelson Goodman ou, para usar o seu vocabulário, entre mundo e versões de mundo. Mais especificamente pretendemos

Leia mais

Algumas considerações sobre a primeira pessoa segundo a filosofia intermediária de Wittgenstein

Algumas considerações sobre a primeira pessoa segundo a filosofia intermediária de Wittgenstein Algumas considerações sobre a primeira pessoa segundo a filosofia intermediária de Wittgenstein NOME DO AUTOR: Priscilla da Veiga BORGES; André da Silva PORTO. UNIDADE ACADÊMICA: Universidade Federal de

Leia mais

JOGOS DE LINGUAGEM E SEMÂNTICA ABORDADOS NAS INVESTIGAÇÕES FILOSÓFICAS E SUAS APLICAÇÕES NA LINGUAGEM COTIDIANA

JOGOS DE LINGUAGEM E SEMÂNTICA ABORDADOS NAS INVESTIGAÇÕES FILOSÓFICAS E SUAS APLICAÇÕES NA LINGUAGEM COTIDIANA 1 JOGOS DE LINGUAGEM E SEMÂNTICA ABORDADOS NAS INVESTIGAÇÕES FILOSÓFICAS E SUAS APLICAÇÕES NA LINGUAGEM COTIDIANA Vanderlei de OLIVEIRA Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro prof.vanderleicap@hotmail.com

Leia mais

Filosofia e Princípios da Ciência. O que se entende por 'verdadeira Ciência'?

Filosofia e Princípios da Ciência. O que se entende por 'verdadeira Ciência'? Filosofia e Princípios da Ciência O que se entende por 'verdadeira Ciência'? O Problema Conceitos inconsistentes de ciência inviabilizam o tratamento adequado de diversas questões envolvendo ciência, sociedade,

Leia mais

A FILOSOFIA DA LINGUAGEM DE WITTGENSTEIN E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A FILOSOFIA DA LINGUAGEM DE WITTGENSTEIN E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A FILOSOFIA DA LINGUAGEM DE WITTGENSTEIN E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA EDUCAÇÃO INFANTIL Carlos André de Lemos Faculdade dos Guararapes Carlosdelemos1@hotmail.com Maiara Araújo de Santana Faculdade dos Guararapes

Leia mais

UMA ABORDAGEM SOBRE COMO TRABALHAR COM IMAGENS DOS LIVROS DIDÁTICOS, ENQUANTO RECURSO PEDAGÓGICO NO ENSINO DE HISTÓRIA

UMA ABORDAGEM SOBRE COMO TRABALHAR COM IMAGENS DOS LIVROS DIDÁTICOS, ENQUANTO RECURSO PEDAGÓGICO NO ENSINO DE HISTÓRIA UMA ABORDAGEM SOBRE COMO TRABALHAR COM IMAGENS DOS LIVROS DIDÁTICOS, ENQUANTO RECURSO PEDAGÓGICO NO ENSINO DE HISTÓRIA 1 Danielle Thais Vital Gonçalves (UEM-CRV) RESUMO: O presente artigo apresenta resultados

Leia mais

A RECUSA DE UMA RELAÇÃO DE DETERMINAÇÃO NAS INVESTIGAÇÕES FILOSÓFICAS

A RECUSA DE UMA RELAÇÃO DE DETERMINAÇÃO NAS INVESTIGAÇÕES FILOSÓFICAS A RECUSA DE UMA RELAÇÃO DE DETERMINAÇÃO NAS INVESTIGAÇÕES FILOSÓFICAS Raphaela Silva de Oliveira Universidade Ferderal de São Paulo Mestranda Resumo: Pretendo expor panoramicamente, a partir da apresentação

Leia mais

ANAIS 2010 ISSN LIVRO DIDÁTICO E O ENSINO DE GRAMÁTICA

ANAIS 2010 ISSN LIVRO DIDÁTICO E O ENSINO DE GRAMÁTICA LIVRO DIDÁTICO E O ENSINO DE GRMÁTIC rnaldo Nogari Júnior G-CLC-UENP/ CJ) arnaldo_nogarijr@hotmail.com Layane Suellen Miguel G-CLC-UENP/ CJ) lala.wordshipper@hotmail.com Michelle ndressa Vieira G-CLC-UENP/

Leia mais

1ª edição Projeto Timóteo Como Pregar Mensagens Bíblicas Apostila do Orientador

1ª edição Projeto Timóteo Como Pregar Mensagens Bíblicas Apostila do Orientador Como Pregar Mensagens Bíblicas Projeto Timóteo Apostila do Orientador Como Pregar Mensagens Bíblicas Projeto Timóteo Coordenador do Projeto Dr. John Barry Dyer Equipe Pedagógica Marivete Zanoni Kunz Tereza

Leia mais

A Filosofia De Wittgenstein Na Educação Infantil: Os Jogos de linguagem Aplicada Às Crianças Como método possível de Aprendizagem.

A Filosofia De Wittgenstein Na Educação Infantil: Os Jogos de linguagem Aplicada Às Crianças Como método possível de Aprendizagem. A Filosofia De Wittgenstein Na Educação Infantil: Os Jogos de linguagem Aplicada Às Crianças Como método possível de Aprendizagem. Autora: JANYCE SOARES DE OLIVEIRA 1 UECE- Universidade Estadual Do Ceará

Leia mais

REVISTA REFLEXÕES, FORTALEZA-CE - Ano 5, Nº 9 - Julho a Dezembro de 2016 ISSN A CRÍTICA DE WITTGENSTEIN AO IDEAL DE LINGUAGEM AGOSTINIANO

REVISTA REFLEXÕES, FORTALEZA-CE - Ano 5, Nº 9 - Julho a Dezembro de 2016 ISSN A CRÍTICA DE WITTGENSTEIN AO IDEAL DE LINGUAGEM AGOSTINIANO A CRÍTICA DE WITTGENSTEIN AO IDEAL DE LINGUAGEM AGOSTINIANO Filicio Mulinari 1 Resumo: A influência do pensamento de Santo Agostinho (354-430) sobre temas da filosofia contemporânea é de fato grandiosa.

Leia mais

ANÁLISE DE DISCURSO de origem francesa. Circulação e textualização do conhecimento científico PPGECT maio 2015 Henrique César da Silva

ANÁLISE DE DISCURSO de origem francesa. Circulação e textualização do conhecimento científico PPGECT maio 2015 Henrique César da Silva ANÁLISE DE DISCURSO de origem francesa Circulação e textualização do conhecimento científico PPGECT maio 2015 Henrique César da Silva Por que análise de discurso no campo da educação científica? Análise

Leia mais

Palavras-chave: Signos lingüísticos Significado Virada lingüística Linguagem Agostinho Wittgenstein.

Palavras-chave: Signos lingüísticos Significado Virada lingüística Linguagem Agostinho Wittgenstein. Agostinho e Wittgenstein em torno da linguagem: o problema da significação Agustín y Wittgenstein en torno al lenguaje: el problema del significado Augustine and Wittgenstein on language: the meaning problem

Leia mais

Todos os direitos reservados. E necessária à autorização previa antes de reproduzir ou publicar parte ou esta obra na íntegra.

Todos os direitos reservados. E necessária à autorização previa antes de reproduzir ou publicar parte ou esta obra na íntegra. Todos os direitos reservados E necessária à autorização previa antes de reproduzir ou publicar parte ou esta obra na íntegra. Enquanto os autores fizeram os melhores esforços para preparar este livro,

Leia mais

Título do projeto: subtítulo

Título do projeto: subtítulo ANEXO 05 ao Edital nº 001/2016 PPGDH MODELO DO PROJETO DE PESQUISA Número de páginas: mínimo de 10 e máximo de 15 Título do projeto: subtítulo Nome completo do(a) Mestrando(a) João Pessoa-PB Mês / ano

Leia mais

Teorema de Pitágoras: Encaixando e aprendendo

Teorema de Pitágoras: Encaixando e aprendendo Reforço escolar M ate mática Teorema de Pitágoras: Encaixando e aprendendo Dinâmica 7 9º ano 2º Bimestre Aluno DISCIPLINA Ano CAMPO CONCEITO Matemática Ensino Fundamental 9ª Geométrico Teorema de Pitágoras

Leia mais

WITTGENSTEIN E OS PROCESSOS DE SIGNIFICAÇÃO NO ENSINO DE CIÊNCIAS WITTGENSTEIN AND MEANING PROCESSES IN SCIENCE TEACHING.

WITTGENSTEIN E OS PROCESSOS DE SIGNIFICAÇÃO NO ENSINO DE CIÊNCIAS WITTGENSTEIN AND MEANING PROCESSES IN SCIENCE TEACHING. WITTGENSTEIN E OS PROCESSOS DE SIGNIFICAÇÃO NO ENSINO DE CIÊNCIAS WITTGENSTEIN AND MEANING PROCESSES IN SCIENCE TEACHING Jackson Góis 1 Marcelo Giordan 2 1 Universidade Federal do Paraná Setor Litoral,

Leia mais

UMA ANÁLISE DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PEDAGOGIA NA PERSPECTIVA DO TRABALHO DOS PEDAGOGOS (2010) 1

UMA ANÁLISE DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PEDAGOGIA NA PERSPECTIVA DO TRABALHO DOS PEDAGOGOS (2010) 1 UMA ANÁLISE DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PEDAGOGIA NA PERSPECTIVA DO TRABALHO DOS PEDAGOGOS (2010) 1 RIBEIRO, Eliziane. Tainá. Lunardi. 2 ; ALVES, Bruna. Pereira.³; SIQUEIRA, Gabryely. Muniz. 4 ;

Leia mais

Para despertar o interesse dos alunos para o tema abordado, será proposto o seguinte exercício:

Para despertar o interesse dos alunos para o tema abordado, será proposto o seguinte exercício: Plano de Aula de Filosofia para o Ensino Médio Tema: Empirismo e Criticismo Nesta aula espera-se que através das atividades reflexivas e investigações textuais, os alunos possam desenvolver, além dos conceitos

Leia mais

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 4

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 4 COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 4 Índice 1. Significado...3 1.1. Contexto... 3 1.2. Intertextualidade... 3 1.2.1. Tipos de intertextualidade... 3 1.3. Sentido... 4 1.4. Tipos de Significado... 4 1.4.1. Significado

Leia mais

Psicologia Aplicada à Nutrição

Psicologia Aplicada à Nutrição Psicologia Aplicada à Nutrição Objetivos Abordar alguns conceitos da psicologia existentes no contexto social e da saúde. De psicólogo e louco todo mundo tem um pouco Psicologia e o conhecimento do Senso

Leia mais

OSTENSIVA DAS PALAVRAS COMO FUNDAMENTO DA LINGUAGEM

OSTENSIVA DAS PALAVRAS COMO FUNDAMENTO DA LINGUAGEM A DEFINIÇÃO OSTENSIVA DAS PALAVRAS COMO FUNDAMENTO DA LINGUAGEM Tatiane Boechat Doutorado Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) Bolsista CAPES tatiboechat@hotmail.com Na obra Investigações Filosóficas

Leia mais

ENSINO DE GRAMÁTICA: A PRÁXIS DO PROFESSOR DE LÍNGUA PORTUGUESA NA EDUCAÇÃO BÁSICA

ENSINO DE GRAMÁTICA: A PRÁXIS DO PROFESSOR DE LÍNGUA PORTUGUESA NA EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO DE GRAMÁTICA: A PRÁXIS DO PROFESSOR DE LÍNGUA PORTUGUESA NA EDUCAÇÃO BÁSICA Sueilton Junior Braz de Lima Graduando da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN) Josefa Lidianne de Paiva

Leia mais

I F1 F 403 In I t n rod o u d ç u ão o a I n I t n eração Hum u ano n -Com o pu p t u ado d r o ( IH I C) Turm r a m 3W 3 B

I F1 F 403 In I t n rod o u d ç u ão o a I n I t n eração Hum u ano n -Com o pu p t u ado d r o ( IH I C) Turm r a m 3W 3 B 1 INF1403 Introdução a Interação Humano-Computador (IHC) Turma 3WB Professor: Alberto Barbosa Raposo Engenharia Semiótica Há mais H em IHC do que o H dos usuários Duas teorias de IHC Engenharia Cognitiva

Leia mais

O BINGO DAS FRAÇÕES COMO AUXÍLIO PARA O APRENDIZADO

O BINGO DAS FRAÇÕES COMO AUXÍLIO PARA O APRENDIZADO O BINGO DAS FRAÇÕES COMO AUXÍLIO PARA O APRENDIZADO Bárbara M. Fabris; Gilvan S. de Oliveira, Jusiara de Lima, Leonara S. Jantsch, Rafael M. dos Santos, Analice Marchezan Instituto Federal de Ciência e

Leia mais

BREVE HISTÓRIA DA SEMIOLOGIA: Abordagens de Saussure, Peirce, Morris e Barthes.

BREVE HISTÓRIA DA SEMIOLOGIA: Abordagens de Saussure, Peirce, Morris e Barthes. 1 BREVE HISTÓRIA DA SEMIOLOGIA: Abordagens de Saussure, Peirce, Morris e Barthes. BREVE HISTÓRIA DA SEMIOLOGIA (1) Período Clássico; (2) Período Medieval; (3) Racionalismo; (4) Empirismo Britânico; (5)

Leia mais

Anais Semana de Geografia. Volume 1, Número 1. Ponta Grossa: UEPG, ISSN PAISAGEM E IDENTIDADE: ALGUMAS ABORDAGENS

Anais Semana de Geografia. Volume 1, Número 1. Ponta Grossa: UEPG, ISSN PAISAGEM E IDENTIDADE: ALGUMAS ABORDAGENS PAISAGEM E IDENTIDADE: ALGUMAS ABORDAGENS 111 MIRANDA, Everton NABOZNY, Almir Introdução A relação entre paisagem-identidade constrói-se um jogo sem fim, onde as identidades são construídas ao longo do

Leia mais

WITTGENSTEIN E A NOÇÃO MINIMALISTA DA VERDADE 1. INTRODUÇÃO

WITTGENSTEIN E A NOÇÃO MINIMALISTA DA VERDADE 1. INTRODUÇÃO WITTGENSTEIN E A NOÇÃO MINIMALISTA DA VERDADE PEREIRA, Julio Henrique Carvalho ; DO CARMO, Juliano Santos Universidade Federal de Pelotas juliohenrique-pereira@hotmail.com Universidade Federal de Pelotas

Leia mais

SEGUIR UMA REGRA NAS INVESTIGAÇÕES FILOSÓFICAS DE LUDWIG WITTGENSTEIN

SEGUIR UMA REGRA NAS INVESTIGAÇÕES FILOSÓFICAS DE LUDWIG WITTGENSTEIN SEGUIR UMA REGRA NAS INVESTIGAÇÕES FILOSÓFICAS DE LUDWIG WITTGENSTEIN Alessandro Pereira Orientadora: Profª. Dra. Mirian Donat RESUMO Nas Investigações Filosóficas, Wittgenstein analisa a linguagem humana

Leia mais

COLÉGIO CENECISTA DR. JOSÉ FERREIRA LUZ, CÂMERA, REFLEXÃO

COLÉGIO CENECISTA DR. JOSÉ FERREIRA LUZ, CÂMERA, REFLEXÃO COLÉGIO CENECISTA DR. JOSÉ FERREIRA LUZ, CÂMERA, REFLEXÃO UBERABA - 2015 PROJETO DE FILOSOFIA Professor coordenador: Danilo Borges Medeiros Tema: Luz, câmera, reflexão! Público alvo: Alunos do 9º ano do

Leia mais

Por que IHC é importante?

Por que IHC é importante? Introdução à Interação Humano- Computador fundamentada na Teoria da Engenharia Semiótica Raquel Oliveira Prates Seminário Tamanduá Por que IHC é importante? 1 Diferentes Designs O que é IHC? Interação

Leia mais

A PRÉ-HISTÓRIA DA LINGUAGEM ESCRITA

A PRÉ-HISTÓRIA DA LINGUAGEM ESCRITA A PRÉ-HISTÓRIA DA LINGUAGEM ESCRITA Disciplina: Desenvolvimento Psicológico III Profª Ms. Luciene Blumer Pois nisto de criação literária cumpre não esquecer guardada a infinita distância que o mundo também

Leia mais

Artigo de opinião. Este material foi compilado e adaptado de material didático criado pela Secretaria de Educação do Estado de Pernambuco

Artigo de opinião. Este material foi compilado e adaptado de material didático criado pela Secretaria de Educação do Estado de Pernambuco Artigo de opinião Este material foi compilado e adaptado de material didático criado pela Secretaria de Educação do Estado de Pernambuco O TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO É UMA TIPOLOGIA TEXTUAL QUE VISA

Leia mais

WITTGENSTEIN PSICÓLOGO?

WITTGENSTEIN PSICÓLOGO? WITTGENSTEIN PSICÓLOGO? JOSELÍ BASTOS DA COSTA Resumo: Wittgenstein critica a Psicologia de sua época, particularmente o mentalismo formulado numa perspectiva essencialista e o uso de uma linguagem fisicalista

Leia mais

Palavras-Chave: Filosofia da Linguagem. Significado. Uso. Wittgenstein.

Palavras-Chave: Filosofia da Linguagem. Significado. Uso. Wittgenstein. SIGNIFICADO E USO NO TRACTATUS Igor Gonçalves de Jesus 1 Resumo: Este trabalho tem por objetivo apresentar o que Wittgenstein, em sua primeira fase de pensamento, mais especificamente em seu Tractatus

Leia mais

Aulas 5 e 6 / 28 e 30 de março

Aulas 5 e 6 / 28 e 30 de março Aulas 5 e / 8 e 30 de março 1 Notação de soma e produto Como expressar a seguinte soma de uma maneira mais concisa? 1 + + 3 3 + + 10? Note que as parcelas são semelhantes, e que a única coisa que varia

Leia mais

Elementos de Cálculo I - Conjuntos de pontos no plano 1 Prof Carlos Alberto Santana Soares

Elementos de Cálculo I - Conjuntos de pontos no plano 1 Prof Carlos Alberto Santana Soares Elementos de Cálculo I - Conjuntos de pontos no plano Prof Carlos Alberto Santana Soares Você certamente está familiarizado com o plano cartesiano desde o término do seu ensino fundamental Neste início

Leia mais

Introdução ao estudo de O Capital de Marx

Introdução ao estudo de O Capital de Marx Introdução ao estudo de O Capital de Marx 1 O Capital - Crítica da Economia Política Estrutura: Vol. I - O processo de produção do Capital Vol. II - O processo de circulação do Capital Vol. III - O processo

Leia mais

Agenealogia dos Estudos Culturais é objeto de dissenso

Agenealogia dos Estudos Culturais é objeto de dissenso Cinqüentenário de um discurso cultural fundador WILLIAMS, R. Culture and society 1780-1950. [Londres, Longman, 1958]. Cultura e sociedade. São Paulo, Cia. Editora Nacional, 1969. Agenealogia dos Estudos

Leia mais

Descobrindo a Carreira Executiva Mary Kay. Fundamentos, Prática, Possíveis Desafios e Quebra de Objeções

Descobrindo a Carreira Executiva Mary Kay. Fundamentos, Prática, Possíveis Desafios e Quebra de Objeções Descobrindo a Carreira Executiva Mary Kay Fundamentos, Prática, Possíveis Desafios e Quebra de Objeções Princípios da Carreira Executiva Mary Kay A sra Mary Kay Ash criou a carreira com base na sua experiência

Leia mais

PÊCHEUX E A PLURIVOCIDADE DOS SENTIDOS 1

PÊCHEUX E A PLURIVOCIDADE DOS SENTIDOS 1 1 PÊCHEUX E A PLURIVOCIDADE DOS SENTIDOS 1 Silmara Cristina DELA-SILVA Universidade Estadual Paulista (Unesp)... as palavras, expressões, proposições etc., mudam de sentido segundo as posições sustentadas

Leia mais

UNIÃO DOS ESCOTEIROS DO BRASIL REGIÃO DE SÃO PAULO COMISSÃO REGIONAL DE CRESCIMENTO

UNIÃO DOS ESCOTEIROS DO BRASIL REGIÃO DE SÃO PAULO COMISSÃO REGIONAL DE CRESCIMENTO BANCO DE AÇÕES DESCRIÇÃO set/2007 AÇÃO Sumário CAPTAÇÃO DE ADULTOS PARA O GRUPO ESCOTEIRO Captação de adultos para grupos escoteiros, com orientações sobre acompanhamento destes adultos, posicionamentos

Leia mais

Como usar o preenchimento relâmpago

Como usar o preenchimento relâmpago Ao trabalhar no Excel, muitas vezes precisamos utilizar um mesmo dado variadas vezes na mesma planilha. No entanto, repetir, alterar e revisar esses dados consome um tempo muito grande do nosso dia. Para

Leia mais

Quem de vocês nunca teve dúvidas em relação ao desenvolvimento da fala e da linguagem de uma criança, atire a primeira pedra...

Quem de vocês nunca teve dúvidas em relação ao desenvolvimento da fala e da linguagem de uma criança, atire a primeira pedra... Quem de vocês nunca teve dúvidas em relação ao desenvolvimento da fala e da linguagem de uma criança, atire a primeira pedra... Saber se a criança está falando na idade certa, se está atrasada em relação

Leia mais

DIFICULDADES ENCONTRADAS PELOS ALUNOS EM RESOLVER QUESTÕES DE PROBABILIDADE

DIFICULDADES ENCONTRADAS PELOS ALUNOS EM RESOLVER QUESTÕES DE PROBABILIDADE ISSN 2177-9139 DIFICULDADES ENCONTRADAS PELOS ALUNOS EM RESOLVER QUESTÕES DE PROBABILIDADE Nitiele Medeiros Contessa nitielemc@gmail.com Laize Dariele de Lima Trindade trindadedariele@hotmail.com Géssica

Leia mais

Between the empirical and the transcendental: ostensive gestures wittgensteinian in the teaching of mathematics

Between the empirical and the transcendental: ostensive gestures wittgensteinian in the teaching of mathematics Entre o empírico e o transcendental 1 : gestos ostensivos wittgensteinianos no ensino da matemática Between the empirical and the transcendental: ostensive gestures wittgensteinian in the teaching of mathematics

Leia mais

FUNDAMENTOS DE UMA METODOLOGIA DE ENSINO DA TRADUÇÃO 1 2. Maria Candida Bordenave

FUNDAMENTOS DE UMA METODOLOGIA DE ENSINO DA TRADUÇÃO 1 2. Maria Candida Bordenave FUNDAMENTOS DE UMA METODOLOGIA DE ENSINO DA TRADUÇÃO 1 2 Maria Candida Bordenave Até há pouco tempo a tradução constituía ou era vista como uma prática improvisada por pessoas que falassem duas línguas.

Leia mais

Vamos aos Gritos. Quem são os números quânticos? Os números quânticos são as soluções da equação de Schrondinger que

Vamos aos Gritos. Quem são os números quânticos? Os números quânticos são as soluções da equação de Schrondinger que Disciplina de Física e Química A 10ºAno Ano lectivo 2014/2015 Vamos aos Gritos Números Quânticos!!! Quem são os números quânticos? Os números quânticos são as soluções da equação de Schrondinger que indicam

Leia mais

Motivação no trabalho

Motivação no trabalho Motivação no trabalho Um dos maiores desafios que todas as empresas enfrentam é manter a motivação de seus profissionais alta no dia a dia, afinal de contas, todos os resultados são obtidos com os esforços

Leia mais

Inteligência Artificial. Prof. Tiago A. E. Ferreira Aula 15 Agentes que Raciocinam Logicamente

Inteligência Artificial. Prof. Tiago A. E. Ferreira Aula 15 Agentes que Raciocinam Logicamente Inteligência Artificial Prof. Tiago A. E. Ferreira Aula 15 Agentes que Raciocinam Logicamente 1 Bem-vindos ao Mundo do Wumpus Wumpus Agente caçador de tesouros 2 Codificação do Mundo do Wumpus 4 3 fedor

Leia mais

A TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA DO GÊNERO BILHETE: UM CAMINHO DE APRENDIZAGEM PARA O ALUNO SURDO

A TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA DO GÊNERO BILHETE: UM CAMINHO DE APRENDIZAGEM PARA O ALUNO SURDO A TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA DO GÊNERO BILHETE: UM CAMINHO DE APRENDIZAGEM PARA O ALUNO SURDO RESUMO Sonia Maria Deliberal Professora da rede estadual Mestranda de língua portuguesa PUC SP e-mail: Kamilio.deliberal@terra.com.br

Leia mais

VYGOTSKY Teoria sócio-cultural. Manuel Muñoz IMIH

VYGOTSKY Teoria sócio-cultural. Manuel Muñoz IMIH VYGOTSKY Teoria sócio-cultural Manuel Muñoz IMIH BIOGRAFIA Nome completo: Lev Semynovich Vygotsky Origem judaica, nasceu em 5.11.1896 em Orsha (Bielo- Rússia). Faleceu em 11.6.1934, aos 37 anos, devido

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES PARA PENSAR O ENSINO DE FILOSOFIA NUMA PERSPECTIVA WITTGENSTEINIANA

CONTRIBUIÇÕES PARA PENSAR O ENSINO DE FILOSOFIA NUMA PERSPECTIVA WITTGENSTEINIANA 1 CONTRIBUIÇÕES PARA PENSAR O ENSINO DE FILOSOFIA NUMA PERSPECTIVA WITTGENSTEINIANA José Carlos Mendonça Mestrando da UFSC jcmendonca2001@yahoo.com.br Resumo: Com a temática Contribuições para pensar o

Leia mais

Produção de Significados em um Ambiente Virtual de Aprendizagem

Produção de Significados em um Ambiente Virtual de Aprendizagem Produção de Significados em um Ambiente Virtual de Aprendizagem Luciane Mulazani dos Santos Prof. Dr. Carlos Roberto Vianna Prof. Msc. Emerson Rolkouski Programa de Pós-Graduação em Educação UFPR É cada

Leia mais

Curso de Gerente de Loja - Ações Práticas que Geram Lucro

Curso de Gerente de Loja - Ações Práticas que Geram Lucro Curso de Gerente de Loja - Ações Práticas que Geram Lucro Módulo 4 Gerenciamento de equipe de vendas Tema 18 - Contornando Objeções com Equipe de Vendas INTRODUÇÃO A todo momento estamos negociando, seja

Leia mais

Revista Ícone Revista de Divulgação Científica em Língua Portuguesa, Linguística e Literatura Volume 15 Janeiro de 2015 ISSN

Revista Ícone Revista de Divulgação Científica em Língua Portuguesa, Linguística e Literatura Volume 15 Janeiro de 2015 ISSN UM ESTUDO DE CASO ACERCA DA LINGUAGEM NA IDADE MODERNA E CONTEMPORÂNEA Thaízila Silva Santos 1 Romualdo S. Silva Jr. 2 Resumo: Este trabalho tem por finalidade apresentar a problematização da Linguagem

Leia mais

1. Entendendo os erros que aparecem no Excel:

1. Entendendo os erros que aparecem no Excel: Este conteúdo faz parte da série: Excel Fórmulas Avançadas Ver 10 posts dessa série Todo mundo que usa o Excel, desde o básicão até as funções mais avançadas pode ter tido a experiência de ver as mesmas

Leia mais

Plano de Recuperação Semestral 1º Semestre 2016

Plano de Recuperação Semestral 1º Semestre 2016 Disciplina: Filosofia e Sociologia Série/Ano: 1º ANO Professores: Adriane e Silvio Objetivo: Proporcionar ao aluno a oportunidade de resgatar os conteúdos trabalhados durante o 1º semestre nos quais apresentou

Leia mais

RELAÇÕES%DE%PRESSUPOSIÇÃO%E%ACARRETAMENTO%NA%COMPREENSÃO% DE%TEXTOS% PRESUPPOSITION%AND%ENTAILMENT%RELATIONS%IN%TEXT% COMPREHENSION%

RELAÇÕES%DE%PRESSUPOSIÇÃO%E%ACARRETAMENTO%NA%COMPREENSÃO% DE%TEXTOS% PRESUPPOSITION%AND%ENTAILMENT%RELATIONS%IN%TEXT% COMPREHENSION% RELAÇÕESDEPRESSUPOSIÇÃOEACARRETAMENTONACOMPREENSÃO DETEXTOS PRESUPPOSITIONANDENTAILMENTRELATIONSINTEXT COMPREHENSION KarinaHufdosReis 1 RESUMO: Partindo das definições de pressuposição e acarretamento,

Leia mais

Educação, articulação e complexidade por Edgar Morin. Elza Antonia Spagnol Vanin*

Educação, articulação e complexidade por Edgar Morin. Elza Antonia Spagnol Vanin* Educação, articulação e complexidade por Edgar Morin Elza Antonia Spagnol Vanin* Cadernos do CEOM - Ano 17, n. 20 - Imagens e Linguagens O francês Edgar Morin é um dos maiores pensadores multidisciplinares

Leia mais

Curso de extensão em Teoria do Conhecimento Moderna

Curso de extensão em Teoria do Conhecimento Moderna MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO Curso de extensão em Teoria do Conhecimento Moderna (Curso de extensão)

Leia mais

Linguagem, Língua, Linguística. Apoio Pedagógico: Estudos Linguísticos I Tutor: Frederico Cavalcante (POSLIN)

Linguagem, Língua, Linguística. Apoio Pedagógico: Estudos Linguísticos I Tutor: Frederico Cavalcante (POSLIN) Linguagem, Língua, Linguística Apoio Pedagógico: Estudos Linguísticos I Tutor: Frederico Cavalcante (POSLIN) e-mail: fredericoa4@gmail.com Encontro 1 Linguagem Linguagem: a capacidade humana de utilizar

Leia mais

Curso TURMA: 2101 e 2102 DATA: Teste: Prova: Trabalho: Formativo: Média:

Curso TURMA: 2101 e 2102 DATA: Teste: Prova: Trabalho: Formativo: Média: EXERCÍCIOS ON LINE 3º BIMESTRE DISCIPLINA: Filosofia PROFESSOR(A): Julio Guedes Curso TURMA: 2101 e 2102 DATA: Teste: Prova: Trabalho: Formativo: Média: NOME: Nº.: Exercício On Line (1) A filosofia atingiu

Leia mais

NOTAS DE AULA CONSTRUÇÃO DO MARCO TEÓRICO CONCEITUAL 1

NOTAS DE AULA CONSTRUÇÃO DO MARCO TEÓRICO CONCEITUAL 1 NOTAS DE AULA CONSTRUÇÃO DO MARCO TEÓRICO CONCEITUAL 1 Profa. Gláucia Russo Um projeto de pesquisa pode se organizar de diversas formas, naquela que estamos trabalhando aqui, a problematização estaria

Leia mais

IX SALÃO UFRGS JOVEM O R I E N TA Ç Õ E S PA R A A E L A B O R A Ç Ã O D E R E S U M O S

IX SALÃO UFRGS JOVEM O R I E N TA Ç Õ E S PA R A A E L A B O R A Ç Ã O D E R E S U M O S IX SALÃO UFRGS JOVEM O R I E N TA Ç Õ E S PA R A A E L A B O R A Ç Ã O D E R E S U M O S Caros professor orientador e aluno(s) apresentador(es), Oferecemos um pequeno tutorial sobre a elaboração de resumos

Leia mais

Dica 1 Planeje como você quer ser percebido

Dica 1 Planeje como você quer ser percebido Comunicar-se com o seu cliente é parte essencial do seu negócio mas muitas vezes é negligenciado pelos empresários e empreendedores. Um bom atendimento ao cliente ou uma comunicação bem definida podem

Leia mais

A Orientação Educacional no novo milênio

A Orientação Educacional no novo milênio 15 1 A Orientação Educacional no novo milênio O presente estudo consiste na descrição e análise da experiência do Curso de Especialização em Orientação Educacional e Supervisão Escolar, realizado na Faculdade

Leia mais

AS METODOLOGIAS DE ENSINO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: A METODOLOGIA CRÍTICO SUPERADORA

AS METODOLOGIAS DE ENSINO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: A METODOLOGIA CRÍTICO SUPERADORA AS METODOLOGIAS DE ENSINO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: A METODOLOGIA CRÍTICO SUPERADORA Gabriel Pereira Paes Neto LEPEL-UFPA/SEDUC-PA gabrieledfisica@hotmail.com Ney Ferreira França LEPEL-UFPA/SEDUC-PA

Leia mais

Tratamento dos Erros de Sintaxe. Adriano Maranhão

Tratamento dos Erros de Sintaxe. Adriano Maranhão Tratamento dos Erros de Sintaxe Adriano Maranhão Introdução Se um compilador tivesse que processar somente programas corretos, seu projeto e sua implementação seriam grandemente simplificados. Mas os programadores

Leia mais

REPENSANDO O ENSINO DE FRAÇÕES UTILIZANDO O FRAC SOMA 235

REPENSANDO O ENSINO DE FRAÇÕES UTILIZANDO O FRAC SOMA 235 REPENSANDO O ENSINO DE FRAÇÕES UTILIZANDO O FRAC SOMA 235 GOMES, A. P. F. S. ¹, RODRIGUES, G. C. ², OLIVEIRA, C. P. ³ ¹ Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA) Bagé RS Brasil ² Universidade Federal do

Leia mais

A porta e o zíper. Meu desejo: AMOR VERDADEIRO

A porta e o zíper. Meu desejo: AMOR VERDADEIRO UNIDADE 6: A porta e o zíper. Meu desejo: AMOR VERDADEIRO 1ºESO 4º ESO O amor é um caminho. Cada etapa é importante. Não tem que queimar etapas. Estar noivos: conhecer-nos e conhecer juntos o amor verdadeiro

Leia mais

O caminho moral em Kant: da transição da metafísica dos costumes para a crítica da razão prática pura

O caminho moral em Kant: da transição da metafísica dos costumes para a crítica da razão prática pura O caminho moral em Kant: da transição da metafísica dos costumes para a crítica da razão prática pura Jean Carlos Demboski * A questão moral em Immanuel Kant é referência para compreender as mudanças ocorridas

Leia mais

O FENOMENO DO MUNDO NO PENSAMENTO DE MARTIN HEIDEGGER

O FENOMENO DO MUNDO NO PENSAMENTO DE MARTIN HEIDEGGER O FENOMENO DO MUNDO NO PENSAMENTO DE MARTIN HEIDEGGER Caroline Martins de Sousa Bolsista PET - Filosofia / UFSJ (MEC/SESu/DEPEM) Orientadora: Profa. Dra. Glória Maria Ferreira Ribeiro - DFIME / UFSJ (Tutora

Leia mais

O que você está dizendo?! Pelo jeito alguém fez uma denúncia contra você, porque não vou lhe imputar isto você ter denunciado outra pessoa!

O que você está dizendo?! Pelo jeito alguém fez uma denúncia contra você, porque não vou lhe imputar isto você ter denunciado outra pessoa! Sócrates encontra-se por acaso com o adivinho Êutifron, dias antes de seu julgamento 1 (2) Que novidade é essa, Sócrates, que você, deixando os passatempos no Liceu, 2 agora passa o tempo aqui, nos arredores

Leia mais

Rodas de Histórias como espaços de Interações e Brincadeira A experiência do Projeto Paralapracá em Olinda

Rodas de Histórias como espaços de Interações e Brincadeira A experiência do Projeto Paralapracá em Olinda Rodas de Histórias como espaços de Interações e Brincadeira A experiência do Projeto Paralapracá em Olinda A proposta pedagógica das instituições de Educação Infantil deve ter como objetivo garantir à

Leia mais

Análise de Discurso Roteiro sugerido para a elaboração de trabalho de análise

Análise de Discurso Roteiro sugerido para a elaboração de trabalho de análise Análise de Discurso Roteiro sugerido para a elaboração de trabalho de análise Sérgio Augusto Freire de Souza 1. Escolha do tema O tema em análise de discurso normalmente envolve alguma inquietação social

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA MULHER E O CONTROLE SOCIAL

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA MULHER E O CONTROLE SOCIAL ISSN 2359-1277 CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA MULHER E O CONTROLE SOCIAL Denise Santos Borges, dehtaa@hotmail.com; Prof.ª Dr.ª Maria Inez Barboza Marques (Orientadora), marques@sercomtel.com.br. UNESPAR/Campus

Leia mais

RESENHA: O Patrimônio como Categoria do Pensamento, de José Reginaldo Santos.

RESENHA: O Patrimônio como Categoria do Pensamento, de José Reginaldo Santos. RESENHA: O Patrimônio como Categoria do Pensamento, de José Reginaldo Santos. d.o.i. 10.13115/2236-1499.2013v1n10p287 Emanoel Magno Atanásio de Oliveira 1 GONÇALVES, José Reginaldo Santos. O patrimônio

Leia mais

Grice: querer dizer. Projecto de Grice: explicar a significação em termos de intenções.

Grice: querer dizer. Projecto de Grice: explicar a significação em termos de intenções. Grice: querer dizer Referências: Grice, Paul, Meaning, in Studies in the Way of Words, Cambridge (Mas.), Harvard University Press, 1989, pp 213-223. Schiffer, Stephen, Meaning, Oxford, Oxford University

Leia mais

PÔSTER/BANNER - ANÁLISE LINGUÍSTICA: UM NOVO OLHAR, UM OUTRO OBJETO. HÁ PRECONCEITO LINGUÍSTICO EM SEU ENTORNO SOCIAL?

PÔSTER/BANNER - ANÁLISE LINGUÍSTICA: UM NOVO OLHAR, UM OUTRO OBJETO. HÁ PRECONCEITO LINGUÍSTICO EM SEU ENTORNO SOCIAL? PÔSTER/BANNER - ANÁLISE LINGUÍSTICA: UM NOVO OLHAR, UM OUTRO OBJETO. HÁ PRECONCEITO LINGUÍSTICO EM SEU ENTORNO SOCIAL? ELAINE HELENA NASCIMENTO DOS SANTOS O objetivo deste trabalho é discutir sobre o preconceito

Leia mais

PRÉ-REQUISITOS Haver concluído a disciplina Introdução aos Estudos Linguísticos ou disciplina equivalente..

PRÉ-REQUISITOS Haver concluído a disciplina Introdução aos Estudos Linguísticos ou disciplina equivalente.. GÊNEROS TEXTUAIS PROJETO DIDÁTICO Aula 10 META Apresentar a criação de um produto fi nal, a partir de atividades de leitura e escrita, como possibilidade de ressignifi cação da aprendizagem dos gêneros

Leia mais

Semiótica. Prof. Dr. Sérsi Bardari

Semiótica. Prof. Dr. Sérsi Bardari Semiótica Prof. Dr. Sérsi Bardari Semiótica Ciência que tem por objeto de investigação todas as linguagens possíveis, ou seja, que tem por objetivo o exame dos modos de constituição de todo e qualquer

Leia mais

O processo de ensino e aprendizagem em Ciências no Ensino Fundamental. Aula 2

O processo de ensino e aprendizagem em Ciências no Ensino Fundamental. Aula 2 O processo de ensino e aprendizagem em Ciências no Ensino Fundamental Aula 2 Objetivos da aula Conhecer os a pluralidade de interpretações sobre os processos de ensino aprendizagem em Ciências; Discutir

Leia mais

O conceito de competência comunicativa revisitado

O conceito de competência comunicativa revisitado O conceito de competência comunicativa revisitado O construto da Competência Comunicativa (doravante CC) foi utilizado pela primeira vez por Dell Hymes, em uma palestra para pais de crianças especiais.

Leia mais

História da Matemática: uma prática social de investigação em construção. (Antônio Miguel, Maria Ângela Miorim, Educação em revista, 2002).

História da Matemática: uma prática social de investigação em construção. (Antônio Miguel, Maria Ângela Miorim, Educação em revista, 2002). História da Matemática: uma prática social de investigação em construção. (Antônio Miguel, Maria Ângela Miorim, Educação em revista, 2002). O artigo foi produzido para mostrar como vinha se constituindo

Leia mais

FILOSOFIA E SOCIEDADE: O TRABALHO NA SOCIEDADE MODERNA

FILOSOFIA E SOCIEDADE: O TRABALHO NA SOCIEDADE MODERNA FILOSOFIA E SOCIEDADE: O TRABALHO NA SOCIEDADE MODERNA FILOSOFIA E SOCIEDADE: O TRABALHO NA SOCIEDADE MODERNA O ser humano ao longo de sua existência foi construindo um sistema de relação com os demais

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Universidade Federal do Rio Grande do Sul Experiências da adicção: saberes e práticas sobre o consumo de substâncias psicoativas a partir de narrativas no contexto de Narcóticos Anônimos Juliana Deprá

Leia mais

Semiótica: Detalhamento

Semiótica: Detalhamento 1 INF1403 Método de Inspeção Semiótica: Detalhamento Professora: Clarisse Sieckenius de Souza 27/04/2011 2 O Método M de Inspeção Semiótica 1. Preparação (igual a qualquer método m de inspeção) 2. Análise

Leia mais

Psicologia da Educação. A Teoria Sociocultural do desenvolvimento e da Aprendizagem

Psicologia da Educação. A Teoria Sociocultural do desenvolvimento e da Aprendizagem Psicologia da Educação A Teoria Sociocultural do desenvolvimento e da Aprendizagem Objetivos Definir a Teoria Psicologica da aprendizagem Sócio-cultural Conceituar a Teoria de Vigostki e descrever os conceitos

Leia mais

SIGNIFICAÇÃO (BEDEUTUNG): APRESENTAÇÃO E REPRESENTAÇÃO DA LINGUAGEM A PARTIR DE WITTGENSTEIN

SIGNIFICAÇÃO (BEDEUTUNG): APRESENTAÇÃO E REPRESENTAÇÃO DA LINGUAGEM A PARTIR DE WITTGENSTEIN 244 SIGNIFICAÇÃO (BEDEUTUNG): APRESENTAÇÃO E REPRESENTAÇÃO DA LINGUAGEM A PARTIR DE WITTGENSTEIN Karina da Silva Oliveira 1 Trataremos da investigação acerca da linguagem, na qual, compreender a dupla

Leia mais

ESCALA DE CONCEPÇÕES ACERCA DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA E EDUCAÇÃO ESPECIAL E SUA APLICAÇÃO EM PESQUISA

ESCALA DE CONCEPÇÕES ACERCA DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA E EDUCAÇÃO ESPECIAL E SUA APLICAÇÃO EM PESQUISA ESCALA DE CONCEPÇÕES ACERCA DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA E EDUCAÇÃO ESPECIAL E SUA APLICAÇÃO EM PESQUISA Carla Cristina Marinho Sadao Omote Faculdade de Filosofia e Ciências, UNESP, campus de Marília Eixo Temático:

Leia mais

TEORIA E CRÍTICA LITERÁRIA SÉCULO XX

TEORIA E CRÍTICA LITERÁRIA SÉCULO XX TEORIA E CRÍTICA LITERÁRIA SÉCULO XX Abordagens extrínsecas Literatura e Biografia Tese: a biografia do autor explica e ilumina a obra. Objeções: 1) O conhecimento biográfico pode ter valor exegético,

Leia mais

Ana Carolina França e Silva 8215 Cybele Hideko Marcante 8222 Daiana Boraschi 8223 Leandro Ernandes 8674

Ana Carolina França e Silva 8215 Cybele Hideko Marcante 8222 Daiana Boraschi 8223 Leandro Ernandes 8674 Intercom Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XIII Congresso de Ciências da Comunicação na Região Sudeste São Paulo 07 a 10 de maio de 2008. Ana Carolina França e Silva 8215

Leia mais

COMPUTAÇÃO ENADE 2005 PADRÃO DE RESPOSTAS - QUESTÕES DISCURSIVAS

COMPUTAÇÃO ENADE 2005 PADRÃO DE RESPOSTAS - QUESTÕES DISCURSIVAS COMPUTAÇÃO ENADE 2005 PADRÃO DE RESPOSTAS - QUESTÕES DISCURSIVAS QUESTÃO - 39 Item a: Serão aceitas respostas que considerem árvore ou grafo a estrutura do enunciado. No caso de o aluno ter considerado

Leia mais

PROCESSO DE COMUNICAÇÃO Conceitos básicos. Prof Dr Divane de Vargas Escola de Enfermagem Universidade de São Paulo

PROCESSO DE COMUNICAÇÃO Conceitos básicos. Prof Dr Divane de Vargas Escola de Enfermagem Universidade de São Paulo PROCESSO DE COMUNICAÇÃO Conceitos básicos Prof Dr Divane de Vargas Escola de Enfermagem Universidade de São Paulo PROCESSO DE COMUNICAÇÃO A comunicação permeia toda a ação do enfermeiro PROCESSO DE COMUNICAÇÃO

Leia mais

John Locke. Trabalho apresentado pela aluna Luciana Cidrim. Recife, 08 de Setembro de 2015

John Locke. Trabalho apresentado pela aluna Luciana Cidrim. Recife, 08 de Setembro de 2015 Universidade Católica de Pernambuco Programa de Pós- Graduação em Ciências da Linguagem Disciplina: Filosofia da Linguagem Prof. Dr. Karl Heinz EGen John Locke Trabalho apresentado pela aluna Luciana Cidrim

Leia mais

Cidadãos do mundo: para uma teoria da cidadania

Cidadãos do mundo: para uma teoria da cidadania RESENHA Cidadãos do mundo: para uma teoria da cidadania 13 Gisele Rizzon * O livro Cidadão do mundo: para uma teoria da cidadania é, basicamente, uma análise que considera, excepcionalmente, os aspectos:

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Lingüísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Lingüísticos A IMPORTÂNCIA DE WITTGENSTEIN NO ESTUDO DA PRAGMÁTICA Karina Corrêa Lelles kalelles@hotmail.com Poderíamos dizer que Wittgenstein foi um importante pensador que, dentre outros, com a sua teoria, tornou

Leia mais

Referência Bibliográfica: SOUSA, Charles Toniolo de. Disponível em <http://www.uepg.br/emancipacao>

Referência Bibliográfica: SOUSA, Charles Toniolo de. Disponível em <http://www.uepg.br/emancipacao> Referência Bibliográfica: SOUSA, Charles Toniolo de. Disponível em 1. À funcionalidade ao projeto reformista da burguesia; 2. À peculiaridade operatória (aspecto instrumental

Leia mais

Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio

Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio TEMA CADERNO 3 : O CURRÍCULO DO ENSINO MÉDIO, SEUS SUJEITOS E O DESAFIO DA FORMAÇÃO HUMANA INTEGRAL Moderadora: Monica Ribeiro da Silva Produção: Rodrigo

Leia mais