Anais do Seminário Nacional de História da Historiografia: historiografia brasileira e modernidade

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Anais do Seminário Nacional de História da Historiografia: historiografia brasileira e modernidade"

Transcrição

1 Anais do Seminário Nacional de História da Historiografia: historiografia brasileira e modernidade Paulo Prado e o uso político do passado paulista Danilo J. Zioni Ferretti (UFSJ) Para compreender a crítica de caráter historiográfico de Paulo Prado, procurarei seguir um caminho até hoje pouco enfatizado pelas análises de sua obra, que normalmente colocam em primeiro plano sua atuação como mecenas modernista, deixando em posição secundária a natureza de seu posicionamento diante do embate político de seu tempo 1. Esta despreocupação em relação aos aspectos políticos da obra de Paulo Prado é tanto mais incompreensível na medida em que o próprio autor, em diversas passagens, ressaltava a centralidade da questão política no conjunto de suas preocupações intelectuais. Em 1923, pelas páginas da Revista do Brasil, antes de publicar sua primeira obra (Paulística), reclamava: Todos esquecem que nesta terra só existe realmente, empolgante e irredutível, uma única questão a questão política. Dela decorrem todas as outras, como as criaram o romantismo da monarquia e o arrivismo da república. 2 Assim, visando compreender o lugar social a partir do qual Paulo Prado realizou sua representação historiográfica do passado colonial paulista, e o uso político que fez desta mesma reconstrução do passado regional, procura-se retraçar a sua trajetória, atentando para a sua atuação nos universos cultural e político dos anos 20. O que se segue é versão 1 Em LEVI, Darrel. A Família Prado. São Paulo: Cultura 70; 1976, o autor estuda Paulo Prado e sua obra no quadro da dinâmica familiar, privilegiando a definição de paralelos entre sua obra e a de outros membros da família Prado, estudados ao longo do livro. O principal estudo acadêmico específico sobre Paulo Prado é o de BERRIEL, Carlos Eduardo. Tietê, Tejo, Sena: A obra de Paulo Prado. Campinas: tese de doutorado, dep. Teoria Literária, IEL, Unicamp; A obra se destaca pela definição das relações entre a produção da geração portuguesa de 1870 e a obra de Paulo Prado. Da mesma maneira que as eruditas notas e estudos introdutórios de Carlos Augusto Calil, o trabalho de Berriel procura analisar a obra historiográfica de Paulo Prado sob o prisma do movimento modernista, sem preocupações maiores com sua inserção no debate historiográfico de seu tempo e deixando em segundo plano a aspecto político. 2 O Momento, Revista do Brasil, São Paulo, n º 99, março de

2 reduzida de capítulo de minha tese de doutorado, defendida no Departamento de História da USP, em Paulo da Silva Prado não somente era paulistano de nascimento (1869) como pertencia à mais importante família da elite paulista: o arqui-poderoso clã dos Prado 3. Detentores de um império econômico que incluía desde latifúndios produtores de café até uma das maiores casas exportadoras deste produto (a casa Prado, Chaves & Cia.), passando por estradas de ferro e bancos, os Prado eram os maiores representantes do grande capital cafeeiro paulista. Apesar do inegável poder econômico de sua família, durante a maior parte de sua vida, até os anos 1920, Paulo Prado não parece ter se envolvido em questões de política partidária, mantendo um comportamento de adesão ao regime republicano, sem atuação direta no grupo perrepista. Em termos culturais, porém, Paulo Prado muito se aproximava de seu tio Eduardo Prado. Com ele manteve estreito contato durante os anos de 1890 e 1897, em que viajou pela Europa e se fixou em Paris, participando do cenáculo parisiense de Eduardo Prado, círculo cultural que congregava figuras de excelência da intelectualidade luso-brasileira de finais do séc. XIX 4. Em 1897, Paulo Prado foi chamado de volta ao Brasil por seu pai, o conselheiro Antônio Prado, que lhe entregou a gerência da casa Prado, Chaves & Cia. Paulo Prado afirmou-se como importante homem de negócios e grande produtor cafeeiro, não se envolvendo em qualquer iniciativa cultural ou política de vulto. Mas a Primeira Guerra Mundial e o subseqüente fortalecimento da vaga nacionalista coincidiram com uma mudança de atitude em sua vida: ao mesmo tempo em que se voltou para o incentivo da cultura, passou a se manifestar politicamente. No terreno das artes, em 1919, Paulo Prado organizou a Exposição de pintura e escultura francesas, no hall do Teatro Municipal, evidenciando, segundo Berriel, a busca de atualização cultural que o levaria a ser um dos principais financiadores da semana de arte moderna de No terreno historiográfico, que aqui mais nos interessa, estreitou laços com Capistrano de Abreu e, juntos, organizaram a publicação de documentos sobre a 3 Para um estudo da família Prado ver LEVI, Darrell. Op. Cit. Para a bibliografia de Paulo Prado, baseio-me na Introdução e cronologia elaboradas por Carlos Augusto Calil In PRADO, Paulo. Retratos do Brasil. São Paulo: Cia. das Letras, BERRIEL, Carlos E. O. Op. Cit. 5 Idem,Ibidem, p

3 Inquisição e o período colonial, através da Série Eduardo Prado: Para melhor conhecer o Brasil 6. Na conjuntura de renovado interesse pelo Brasil e seu passado, fruto da vaga nacionalista do primeiro pós-guerra, Paulo Prado encontrava na obra de Capistrano o seu caminho de Damasco. A partir de 1920, seu interesse pela história, até então restrito à organização e publicação de fontes, se expande e, conforme sua correspondência indica, empenhou-se em estudar a história do Caminho do Mar. A este respeito, o principal incentivador de Paulo Prado parece ter sido ninguém menos que o presidente do estado de São Paulo, Washington Luís Pereira de Souza. Em plena implantação de sua política rodoviária, o presidente projetava a abertura de um novo Caminho do Mar: uma moderna estrada de rodagem que ligasse São Paulo a Santos. Procurando legitimar seu plano rodoviário, Washington Luís passou a se dedicar ao estudo pormenorizado de sua história. Para tanto, desde finais de 1919 procurou contatar o maior conhecedor da história dos caminhos coloniais: Capistrano de Abreu. Como intermediário, Washington Luís apelou para Paulo Prado, que acabou, a partir de então, se envolvendo com o tema do caminho do mar, núcleo de seu primeiro ensaio historiográfico publicado pelas páginas do jornal O Estado de São Paulo (OESP) em Paulo Prado traçava seu primeiro esboço de estudo do passado regional em perfeita comunhão com a visão do chefe do governo e maior representante da historiografia republicana paulista. O que vale ressaltar é a proximidade e a importância do diálogo entre Paulo Prado e o Presidente Washington Luís no início dos anos 20. Contudo, a partir de 1921 parece ter ocorrido uma mudança na posição de Paulo Prado frente ao governo estadual perrepista, marcada por uma crescente indisposição que o fez intervir no universo da política, aproximando-se da dissidência liberal paulista então em processo de reconstituição. Como apontou Carlos Augusto Calil, o motivo mais plausível para o descontentamento inicial de Paulo Prado parece ter sido o conflito entre o Presidente paulista Washington Luis e seu pai, o conselheiro Antônio Prado, por este ter assinado, em finais de 1921, a Convenção de Ouchy com o governo italiano 7. 6 Idem, Ibidem, p. 127, A sugestão foi dada por Calil em uma de suas eruditas notas à edição de PRADO, P. Retrato do Brasil, São Paulo; Cia. das letras; 1997,nota 10, p

4 Por comentários publicados após o evento, percebe-se que Paulo Prado compartilhou com seu pai das críticas ao governo perrepista de Washington Luís, servindo o episódio para iniciar um processo de dissensão política frente ao status quo republicano que somente se agravou ao longo dos anos 20. A indisposição de Paulo Prado com a situação seria externada a partir de 1923, quando se tornou co-proprietário, juntamente com Monteiro Lobato, da prestigiosa Revista do Brasil. Esta, ao mesmo tempo em que era uma privilegiada arena de debates culturais de notória tendência nacionalista, também se tornaria foco de difusão do discurso político da dissidência liberal paulista, tendências acentuadas após a compra pro Paulo Prado 8. Do ponto de vista político, destacaram-se os próprios editoriais escritos por Paulo Prado. Sob o título de O Momento, e publicados de fevereiro de 1923 a maio de 24, eles constituem os melhores documentos para se compreender o posicionamento do autor no debate político de sua época e, assim, definir o lugar político a partir de onde Paulo Prado elaborou sua representação do passado paulista. Eles são a chave para a compreensão da historiografia regionalista de Paulo Prado. Em oito breves artigos escritos como editoriais para a revista, Paulo Prado concentrava suas críticas ao status quo republicano. As críticas iam tanto contra o crescente autoritarismo do governo republicano, preocupado em conter as oposições que se afirmavam nos anos 20, quanto contra a adesão ao governo e apatia política dos cidadãos diante do cerceamento das liberdades públicas. Quanto ao primeiro elemento, seu ataque se concentrou na longa vigência, na capital federal, do estado de sítio, proclamado pelo presidente Artur Bernardes. Paulo Prado passava então à crítica geral do sistema republicano vigente. Considerava-o como uma república da Camaradagem onde prevalecia a férrea organização das oligarquias 9. Em outras palavras, Paulo Prado criticava o falseamento do sistema representativo republicano pela vigência da política dos governadores. Na sua crítica ao autoritarismo efetivo da República, podemos vislumbrar ecos do anti-republicanismo de seu tio Eduardo Prado. Mas, ao contrário desse, a solução que Paulo Prado propunha para a questão não era a volta ao parlamentarismo monárquico, 8 LUCA, Tânia. A Revista do Brasil: um diagnóstico para a (N)ação. São Paulo: ed. Unesp; ADUCCI, Cássia Chrispiniano. Uma nação à paulista. Nacionalismo e regionalismo em São Paulo ( ). São Paulo: tese doutorado, Dept. Ciências Sociais, PUC-SP; O Momento, Revista do Brasil, São Paulo, n º 99, março de

5 nem ainda a revolução, mas sim o aperfeiçoamento do sistema representativo vigente pela verdade do voto : Só a restauração estrepitosa da verdade do voto poderá restituir à imensa maioria dos que pagam e sofrem os direitos perdidos pela indiferença e pelo absenteísmo. A solução apontada aproximava Paulo Prado dos grupos liberais dissidentes que em 1926 formariam o PD, agremiação fundada por seu pai o conselheiro Antônio Prado e à qual não se tem notícia de que o autor fosse oficialmente filiado, o que não invalida seu alinhamento ao grupo. Para Paulo Prado a questão não era de reinventar a República, mas de voltar às bases legítimas do regime. Desta forma, pelas posturas apresentadas, se alinhava ao setor dissidente do liberalismo paulista que, conforme o estudo de Maria Lígia Prado, tinham como mote político Republicanizar a República e como bandeiras principais exatamente o voto secreto e a alfabetização em massa 10. Mas é importante ressaltar que seu diagnóstico político vinha indissociado de uma discussão sobre o caráter paulista. Pela (auto)crítica do paulista moderno, Paulo Prado veiculava seu descontentamento com a situação política de sua época. A seu ver, a população de São Paulo. em questões públicas, divide-se em três grandes grupos: os políticos, os fazendeiros, os indiferentes 11. Definindo os políticos, Paulo Prado usava toda sua ironia para desferir um ataque direto à unidade férrea imposta pela Comissão Executiva do PRP ao universo partidário estadual. Já entre os fazendeiros era o sucesso da política de valorização do café que impedia qualquer indisposição com o governo: O café está caro, e quem o sustenta é o governo paternal e onipotente. Votemos no governo. Por fim, havia a massa dos indiferentes: os recém chegados, os cosmopolitas, os enriquecidos depressa, a gente rica brasileira e estrangeira, que tudo aceitam, tudo toleram, tudo aplaudem e só se agitam para correr atrás dos poderosos do dia. Paulo Prado acabou traçando uma imagem do paulista moderno como um indivíduo protegido pelo mais feroz individualismo, exclusivamente preocupado em enriquecer, e completamente desprovido de qualquer espírito público, de qualquer preocupação com o 10 PRADO, Maria Lígia Coelho. A democracia ilustrada. São Paulo: Brasiliense, 1987 e CAPELATO, Maria Helena R. Os arautos do liberalismo: Imprensa Paulista ( ). São Paulo: Brasiliense, O momento Revista do Brasil, São Paulo, n º 89, maio de Todas as citações do parágrafo seguinte se remetem a este texto. 5

6 universo da política. Desta constatação Paulo Prado retirou o problema maior de sua reflexão historiográfica: explicar o adesismo do paulista do presente, o que implicava explicar a supressão da liberdade primitiva do paulista. Ele o fez através da elaboração de uma nova interpretação do tema da decadência de São Paulo no início do séc. XVIII. O desenvolvimento desta questão foi o objetivo central do livro Paulística, publicado em Paulo Prado estruturou sua obra Paulística seguindo um esquema apresentado em carta por seu mestre Capistrano de Abreu. Para ele, a história de São Paulo havia passado por quatro fases claramente discerníveis: a ascensão (séc.xvi), o clímax (séc. XVII), o declínio (séc.xviii) e a regeneração (fins do Séc.XIX). Fases representadas, a grosso modo, pelos quatro primeiros artigos do livro 12. No que se refere à sua escrita da história, Paulo Prado evidenciava sua proximidade com o universo das artes e definia seu método como impressionista : pinceladas fortes retratando as principais características do período representado, sem a pretensão a minúcias factuais decorrentes do apego documental típico da historiografia metódica 13. Bastante original também era o declarado apelo à imaginação e à poetização como recursos legítimos do historiador 14. Paulo Prado ousava metodologicamente em uma época em que predominava o mais ortodoxo objetivismo cientificista (pelo menos nas intenções), fosse originário da escola metódica, fosse dos diversos determinismos sociológicos. Mas para Paulo Prado a história também era mestra da política. Longe de ser luxo intelectual e patriotada, a historiografia era dotada de critério de utilidade, sendo importante fonte de ensinamentos à atuação política. A partir destas posturas, Paulo Prado abordava o passado colonial paulista. O primeiro capítulo O Caminho do Mar, publicado originalmente no OESP em 1922, era o resultado final do empenho iniciado pelo diálogo com Washington Luís e constituía o núcleo de todo o livro. Nele Paulo Prado definia sua interpretação da exceção paulista, pois o autor continuava tributário da visão republicana que atribuía a São Paulo um passado 12 A ascensão foi tratada em O Caminho do Mar ; o clímax, além deste citado, nos dois artigos sobre As bandeiras ; o declínio no A Decadência e a regeneração na Introdução da obra. A carta em que Capistrano apresenta o esquema é de 23 de dezembro de A referência a um método impressionista está na introdução a Retrato do Brasil (1928), mas é também esclarecedor do método empregado no Paulística. 14 PRADO, Paulo. Paulística: história de São Paulo. São Paulo: Editora Monteiro Lobato, 1925, p. IX, X. 6

7 original e uma formação diferente da dos demais brasileiros, advindo daí o seu progresso e o destaque no conjunto da federação. Em Paulística, pelo estudo dos caminhos, e principalmente no capítulo sobre O Caminho do Mar, o autor procurava definir a origem da liberdade do paulista. Ao modo da historiografia territorialista de Capistrano, Paulo Prado procurava definir os caminhos que, no séc. XVI, uniam o planalto paulista à costa. Na visão de Paulo Prado as péssimas condições do Caminho do Mar acabaram por isolar completamente Piratininga da costa e do resto do mundo, criando as condições únicas para a futura grandeza de São Paulo, representadas pela formação de uma raça específica paulista, dotada de um conjunto de hábitos políticos peculiares. Assim, o Caminho do Mar ao invés de ligar, acabou separando, servindo como chave explicativa para a versão de Paulo Prado da exceção paulista. Este autor também retomava a tese, já desenvolvida anteriormente por Capistrano de Abreu e Alberto Salles, do efeito positivo da Serra do Mar, considerando que atuou como fator de seleção étnica 15.Assim, no seu discurso historiográfico, ao contrário do que ocorria no norte do Brasil, o planalto paulista, livre do absolutismo colonial de Portugal, transformou-se no lugar de elaboração de uma raça nova e superior: a raça paulista. Para Paulo Prado, ela era composta pelos melhores elementos. Primeiramente, havia o elemento português anterior à decadência, todos fisicamente duros e agrestes, mas de caráter independente e rude, não constrangido pela disciplina ou contrafeito pela convenção. Neste grupo, Prado ainda incluiu a presença de um contingente de judeus, cuja contribuição à formação do caráter paulista é positivamente analisada pelo autor. Eles teriam marcado o paulista com as virtudes fundamentais de tenacidade e maleabilidade, aliadas à preocupação constante do enriquecimento e do arrivismo além de uma extraordinária vitalidade, notável e fecunda 16. Com o destaque ao elemento judaico na formação paulista, Paulo Prado pretendia conferir ao segundo os valores típicos da modernidade capitalista que então atribuía aos primeiros: não somente o espírito 15 Idem, Ibidem; p Idem, Ibidem, p

8 econômico, mas principalmente a idéia de dinamismo e mobilidade 17. Como os judeus (e pela presença de seu sangue), os paulistas também teriam uma índole afinada aos valores dinâmicos e utilitários da modernidade. Assim, o elemento branco formador da raça paulista aliava o espírito aventureiro e independente do português anterior à decadência ao dinamismo e espírito econômico do hebreu. Este colonizador iria se caldear com o indígena, dominado por uma fatalidade nômade e vagabunda. E assim, do cruzamento desse índio nômade, habituado ao sertão como um animal à sua mata, e do branco aventureiro, audacioso e forte, surgiu uma raça nova 18, a raça mameluca, a raça paulista. Ela estaria definida a partir de finais do séc. XVI, completando o período de ascensão da história paulista. Após definir os aspectos raciais, Paulo Prado considerava como traço mais importante do espírito paulista o fato deste ser independente e insubmisso às leis da metrópole e às ordens dos seus representantes. Paulo Prado retomava o clássico tema da liberdade primitiva do paulista que havia sido transformado, pelos autores republicanos Washington Luís e Antônio de Toledo Piza, em mito de origem do republicanismo paulista. Na sua opinião, diversas foram as manifestações desta liberdade do paulista antigo, desde João Ramalho até a expulsão dos jesuítas e a revolta contra os representantes do governador Salvador Correia de Sá durante o séc. XVII, passando, é claro, pela epopéia das bandeiras, que devassavam sertões contra as ordens da coroa. Se a formação da raça livre mameluca no final do séc. XVI consolidava o período de ascensão da história de São Paulo, o clímax seria representado pelo episódio das bandeiras, tratado nos dois capítulos homônimos. Mas, para Paulo Prado, o traço marcante da história paulista foi a sua decadência, a partir do início do séc. XVIII. Como explicação para esse fenômeno, o autor apresentou várias causas; desde a perda da parte mais dinâmica da população paulista, até a abertura do Caminho Novo para Minas em 1698, além da guerra dos emboabas em que São Paulo perdeu Minas para os reinóis. Todos os elementos levaram ao despovoamento da vila de São Paulo e à perda das virtudes originais, perda essa ocasionada pela busca de riquezas. O 17 Quanto à identificação do judeu com o espírito da modernidade capitalista, Ver HERF, Jeffrey. O Modernismo Reacionário. Tecnologia, Cultura e Política na República de Weimar e no 3 º Reich. São Paulo, Campinas; Ensaio, ed. Unicamp; 1993, Cap. 6, principalmente p. 156, PRADO, P. Op. Cit.1925, p

9 resultado foi marcado não somente pelo desmembramento territorial e administrativo da capitania de São Paulo, mas principalmente pela perda da liberdade primitiva do paulista. Se no auge de seu desenvolvimento histórico o paulista se caracterizara como ambicioso, dinâmico, livre e independente, a partir do séc. XVIII ele teria seu caráter modificado pela perda da energia e liberdade primitivas. O paulista degenerado retirou-se para os matos e sedentarizou-se, transformando-se no Jeca Tatu 19. O cabo de tropa bandeirante, de livre e independente, transformou-se em entusiasta do governo, antepassado direto daquele que será hoje o chefe político 20. Recuperando a tradição historiográfica de republicanos paulistas como Martim Francisco III, Antônio de Toledo Piza (diversas vezes citado), e Washington Luís; Paulo Prado identificava a decadência paulista como resultado também da imposição do despotismo colonial português. Mesmo carregando um pouco mais nas cores, até este ponto a representação do passado paulista de Paulo Prado não apresentava diferenças de monta com a tradição historiográfica republicana regional. Mas a diferença entre a representação de Paulo Prado e a da tradicional versão republicana, estaria no tratamento do período da regeneração do paulista. É na abordagem deste tema que podemos, com precisão, definir o sentido político de sua historiografia. Para Paulo Prado, como vimos, durante todo o séc. XVIII e XIX a decadência predominou na história paulista. Prado sugere que a regeneração iniciou-se com o decreto de 1856 que oficializava a construção da estrada de ferro Santos-Jundiaí. Mas para Paulo Prado nem todos os valores tradicionais da raça seriam retomados a partir do séc.xix. A regeneração não era vista como uma pura e simples restauração da época de ouro. Para ele: No traçado gráfico que imaginamos para indicar a evolução histórica e social de São Paulo, a linha de regeneração, a seguir, se bifurca em direções opostas uma ascende à culminância do progresso material e econômico dos dias presentes, outra conserva-se na horizontalidade em que a abandonou a tirania colonial: é esta a linha dos sentimentos cívicos e políticos do habitante desta província Idem, Ibidem, p Idem, Ibidem, p Idem, Ibidem, p. XV. 9

10 Para Paulo Prado, com a regeneração somente se recuperara o aspecto econômico e material do caráter paulista, não tendo ocorrido a recuperação daquilo que para ele constituía a principal virtude regional: o espírito de liberdade e independência. Apresentando a bifurcação da linha de regeneração, Paulo Prado fechava o círculo de sua interpretação historiográfica, retomando e respondendo à questão lançada nos editorias O Momento. Paulo Prado procurava, desta maneira, explicar o fosso entre o paulista antigo, livre e independente, e o paulista moderno, adesista e exclusivamente preocupado em ganhar dinheiro, apelando primeiramente para a decadência do caráter primordial livre do paulista e complementando sua interpretação com a idéia da não retomada desde mesmo caráter no momento da regeneração. O paulista moderno não era o digno herdeiro do bandeirante independente. Em termos políticos ele se mantinha decadente, e essa decadência era identificada com o adesismo, com a falta de participação independente no universo da política, com o predomínio inconteste do governo perrepista. A compreensão do sentido político de sua representação da decadência do caráter paulista fica mais clara se a considerarmos no quadro do debate historiográfico regional. Neste quadro, o seu principal interlocutor implícito foi Washington Luís que anteriormente havia estabelecido a versão republicana do tema da decadência paulista. O tratamento da decadência paulista em Paulística pode ser visto como uma contestação àquele definido pelo presidente historiador no texto Na Capitania de São Paulo, o governo de Dom Rodrigo César de Meneses, publicado em livro em Nele Washington Luís acabava consolidando um mito de origem perrepista, através da sugestão do renascimento, ( como a fênix das cinzas ) da primitiva liberdade paulista no presente republicano. A originalidade do livro Paulística estava justamente em negar esta recuperação da primitiva liberdade, contestando a identificação que a elite política regional procurava estabelecer do perrepismo como sendo o herdeiro da independência política bandeirante. O intuito central da historiografia regional de Paulo Prado era exatamente de solapar este mito de origem do republicanismo paulista, mediante a afirmação do divórcio entre o paulista moderno adesista e dependente do governo e o paulista antigo livre e independente frente ao governo. Para Paulo Prado o paulista moderno, fiel ao PRP, antes de ser o herdeiro do bandeirante independente era o representante maior da raça decadente e a 10

11 própria adesão ao partido dominante PRP era o principal sintoma da perda das virtudes ancestrais de liberdade e independência. Ao mesmo tempo, a historiografia de Paulo Prado servia como uma convocação à restauração destas virtudes ancestrais paulista, o que implicaria na legitimação da postura contestatória e independente adotada pelo autor, seja em termos políticos (oposicionismo), seja em termos artísticos culturais ( modernismo). Em Paulística, Paulo Prado apontava para um pessimismo que seria aprofundado à medida que aumentava seu descontentamento com o quadro conjuntural dos anos 20, atingindo seu ápice na publicação de seu ensaio de interpretação nacional Retrato do Brasil, de

Planejamento das Aulas de História º ano (Prof. Leandro)

Planejamento das Aulas de História º ano (Prof. Leandro) Planejamento das Aulas de História 2016 8º ano (Prof. Leandro) Fevereiro Aula Programada (As tensões na Colônia) Páginas Tarefa 1 As tensões na Colônia 10 e 11 Mapa Mental 2 A viradeira 12 Exerc. 1 a 5

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PADRE BARTOLOMEU DE GUSMÃO ESCOLA JOSEFA DE ÓBIDOS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PADRE BARTOLOMEU DE GUSMÃO ESCOLA JOSEFA DE ÓBIDOS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PADRE BARTOLOMEU DE GUSMÃO ESCOLA JOSEFA DE ÓBIDOS ANO LETIVO 2015/2016 INFORMAÇÃO EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO 3.º CICLO DO ENSINO BÁSICO DISCILINA DE HISTÓRIA 1. OBJETO

Leia mais

O CONTEXTO HISTÓRICO DO SURGIMENTO DA SOCIOLOGIA

O CONTEXTO HISTÓRICO DO SURGIMENTO DA SOCIOLOGIA O CONTEXTO HISTÓRICO DO SURGIMENTO DA SOCIOLOGIA CENÁRIO HISTÓRICO A Sociologia surge como conseqüência das mudanças trazidas por duas grandes revoluções do século XVIII. As mudanças trazidas pelas duas

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA Nome: Nº 8º ano Data: / /2016 Professor: Piero/Thales 3º bimestre Nota: (valor: 1,0) a) Introdução Neste bimestre, sua média foi inferior a 6,0 e você não assimilou os

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Terras de Bouro

Agrupamento de Escolas de Terras de Bouro Perfil de aprendizagem de História 3.º CICLO DO ENSINO BÁSICO Das sociedades recolectoras às primeiras civilizações Das sociedades recolectoras às primeiras sociedades produtoras 1. Conhecer o processo

Leia mais

II- Pág. 1. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO - COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - PROGRAD CONCURSO VESTIBULAR ª Fase PROVA DE HISTÓRIA

II- Pág. 1. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO - COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - PROGRAD CONCURSO VESTIBULAR ª Fase PROVA DE HISTÓRIA 1) Leia a afirmativa abaixo que relaciona as conquistas territoriais às profundas alterações políticas, sociais e econômicas ocorridas entre os séculos II e I a.c. A República conquistara para Roma o seu

Leia mais

A Economia Mineradora (Século XVIII) O Processo de Independência. 1 A Economia Mineradora do Século XVIII. 2 As Reformas Pombalinas

A Economia Mineradora (Século XVIII) O Processo de Independência. 1 A Economia Mineradora do Século XVIII. 2 As Reformas Pombalinas Aula 13 e 14 A Economia Mineradora (Século XVIII) 1 A Economia Mineradora do Século XVIII Setor 1601 2 As Reformas Pombalinas 3 ealvespr@gmail.com Objetivo da aula Analisar a crise do Antigo Sistema Colonial

Leia mais

Aula 08 Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real.

Aula 08 Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. Aula 08 Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. O que foram os movimentos de pré-independência? Séculos XVIII e XIX grandes mudanças afetaram o Brasil... MUNDO... Hegemonia das ideias

Leia mais

CP/ECEME/2007 2ª AVALIAÇÃO FORMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA. 1ª QUESTÃO (Valor 6,0)

CP/ECEME/2007 2ª AVALIAÇÃO FORMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA. 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) CP/ECEME/07 2ª AVALIAÇÃO FORMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) Analisar os fatos históricos, ocorridos durante as crises política, econômica e militar portuguesa/européia

Leia mais

FRONTEIRAS POLÍTICAS: A CONSTRUÇÃO DE UMA IDENTIDADE POLÍTICA NA AMÉRICA DO SUL

FRONTEIRAS POLÍTICAS: A CONSTRUÇÃO DE UMA IDENTIDADE POLÍTICA NA AMÉRICA DO SUL FRONTEIRAS POLÍTICAS: A CONSTRUÇÃO DE UMA IDENTIDADE POLÍTICA NA AMÉRICA DO SUL Jacqueline Cristina da Silva 1 RESUMO: As mudanças políticas observadas no mundo hoje remetem a questionamentos sobre o acesso

Leia mais

Filosofia política na Antiguidade romana: Cícero

Filosofia política na Antiguidade romana: Cícero Filosofia política na Antiguidade romana: Cícero As influências de Platão e Aristóteles no terreno da reflexão política foram marcantes tanto na Antiguidade como na Idade Média. A ideia de que a política

Leia mais

O DESPERTAR DE UM NOVO TEMPO

O DESPERTAR DE UM NOVO TEMPO O DESPERTAR DE UM NOVO TEMPO INTRODUÇÃO: Compreendendo as causas da Revolução Francesa DEFINIÇÃO Revolução burguesa; Marca a transição da Idade Moderna para a Idade Contemporânea; Destruiu o chamado Antigo

Leia mais

Informação Prova de equivalência à frequência

Informação Prova de equivalência à frequência Informação Prova de equivalência à frequência 3.º Ciclo do Ensino Básico 1ª e 2ª fases Ano Letivo 2013/2014 Disciplina: História Duração: 90 minutos Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho 1.INTRODUÇÃO

Leia mais

HISTÓRIA 2 ANO PROF. AMAURY PIO PROF. EDUARDO GOMES ENSINO MÉDIO

HISTÓRIA 2 ANO PROF. AMAURY PIO PROF. EDUARDO GOMES ENSINO MÉDIO HISTÓRIA 2 ANO PROF. AMAURY PIO PROF. EDUARDO GOMES ENSINO MÉDIO CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade IV Poder, Cultura e Tecnologia 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 15.1 Conteúdos Segundo Reinado no Brasil -

Leia mais

Informação - de Exame de Equivalência à Frequência de História e Geografia de Portugal

Informação - de Exame de Equivalência à Frequência de História e Geografia de Portugal Informação - de Exame de Equivalência à Frequência de História e Geografia de Portugal 2.º Ciclo do Ensino Básico 2015 Prova 05 5 Páginas 1. INTRODUÇÃO O presente documento visa divulgar as caraterísticas

Leia mais

EDITAL 01/2009 CHAMADA PARA ARTIGOS REVISTA GÊNERO E DIREITO DISCIPLINA A CHAMADA DE ARTIGOS PARA

EDITAL 01/2009 CHAMADA PARA ARTIGOS REVISTA GÊNERO E DIREITO DISCIPLINA A CHAMADA DE ARTIGOS PARA EDITAL 01/2009 CHAMADA PARA ARTIGOS REVISTA GÊNERO E DIREITO DISCIPLINA A CHAMADA DE ARTIGOS PARA PUBLICAÇÃO NA REVISTA GÊNERO E DIREITO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM GÊNERO E DIREITO - UNIVERSIDADE

Leia mais

RECUPERAÇÃO PARALELA PREVENTIVA DE HISTÓRIA 8º ANO

RECUPERAÇÃO PARALELA PREVENTIVA DE HISTÓRIA 8º ANO RECUPERAÇÃO PARALELA PREVENTIVA DE HISTÓRIA 8º ANO QUESTÃO 1. A sociedade do Antigo Regime As características sociais de cada período da história da Humanidade estão muito ligadas ao modo produção de cada

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora, Matosinhos Prova de Equivalência à Frequência do Ensino Básico

Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora, Matosinhos Prova de Equivalência à Frequência do Ensino Básico Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora, Matosinhos Prova de Equivalência à Frequência do Ensino Básico INFORMAÇÃO PROVA DE HISTÓRIA 2016 9º ANO DE ESCOLARIDADE (DECRETO-LEI N.º 139 / 2012, DE 5 DE JULHO)

Leia mais

Por um lugar na política: a ampliação da esfera pública no estado de São Paulo. Lucia Grinberg Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Por um lugar na política: a ampliação da esfera pública no estado de São Paulo. Lucia Grinberg Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro Vol. 8, No. 1, Fall 2010, 487-492 www.ncsu.edu/project/acontracorriente Review/Resenha James P. Woodard, A Place in Politics: São Paulo, Brazil, from Seigneurial Republicanism to Regionalist Revolt. Durham,

Leia mais

1B Aula 01. O Iluminismo

1B Aula 01. O Iluminismo 1B Aula 01 O Iluminismo O contexto histórico em que surgiu o Iluminismo O Iluminismo foi acima de tudo uma revolução cultural porque propôs uma nova forma de entender a sociedade e significou uma transformação

Leia mais

O Século das Luzes HISTÓRIA 01 AULA 25 PROF. THIAGO

O Século das Luzes HISTÓRIA 01 AULA 25 PROF. THIAGO O Século das Luzes HISTÓRIA 01 AULA 25 PROF. THIAGO Contexto Revolução Científica do século XVII Galileu Galilei, René Descartes e Isaac Newton Concepção racionalista do mundo Leis Naturais Crise do Antigo

Leia mais

1840 ATÉ 1889 POLÍTICA E MOVIMENTOS SOCIAIS PROF. FELIPE KLOVAN

1840 ATÉ 1889 POLÍTICA E MOVIMENTOS SOCIAIS PROF. FELIPE KLOVAN SEGUNDO REINADO 1840 ATÉ 1889 POLÍTICA E MOVIMENTOS SOCIAIS SEGUNDO REINADO Golpe da maioridade 1840 Novo gabinete do governo Liberal de curta existência. Conservadores retornam ainda no mesmo ano ao governo.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO PROGRAMA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA NOME COLEGIADO CÓDIGO SEMESTRE HISTÓRIA DAS CIÊNCIAS I CCINAT/SBF CIEN0017 2016.1 CARGA HORÁRIA TEÓRICA: 60 h/a = 72 encontros PRÁT: 0 HORÁRIOS: Quinta-Feira: de 18:00 às 19:40 horas

Leia mais

SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E CULTURA DIREÇÃO REGIONAL DA EDUCAÇÃO INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE HISTÓRIA.

SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E CULTURA DIREÇÃO REGIONAL DA EDUCAÇÃO INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE HISTÓRIA. SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E CULTURA DIREÇÃO REGIONAL DA EDUCAÇÃO INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE HISTÓRIA Código 19 3.º Ciclo do Ensino Básico Ano Letivo 2015 / 2016 O presente documento

Leia mais

17º CONCURSO NACIONAL MUSEU DA IMPRENSA

17º CONCURSO NACIONAL MUSEU DA IMPRENSA Ficha de inscrição 17º CONCURSO NACIONAL MUSEU DA IMPRENSA 2014/2015 Categoria Artigo Jornalístico Nível superior Tema: A importância dos museus na formação cultural do país Aluna: Janaina Bárbara Bolonezi

Leia mais

O Trabalho e as Formações Sociais nos/na: Povos Primitivos. Idade Antiga. Idade Média. Idade Moderna. Tema da aula de hoje! Idade Contemporânea.

O Trabalho e as Formações Sociais nos/na: Povos Primitivos. Idade Antiga. Idade Média. Idade Moderna. Tema da aula de hoje! Idade Contemporânea. O Trabalho e as Formações Sociais nos/na: Povos Primitivos. Idade Antiga. Idade Média. Idade Moderna. Tema da aula de hoje! Idade Contemporânea. Professor: Danilo Borges A Idade Média não alterou substancialmente

Leia mais

Para Rauen ( 2002) esquema é um tipo de produção textual que explicita a linha diretriz do autor de um documento de base.

Para Rauen ( 2002) esquema é um tipo de produção textual que explicita a linha diretriz do autor de um documento de base. Esquema Textual Para Rauen ( 2002) esquema é um tipo de produção textual que explicita a linha diretriz do autor de um documento de base. Assim esquema é a apresentação do texto, colocando em destaque

Leia mais

ROF.º OTTO TERRA BRASIL: 1º REINADO ( )

ROF.º OTTO TERRA BRASIL: 1º REINADO ( ) ROF.º OTTO TERRA BRASIL: 1º REINADO (1822-1831) Jean Baptiste Debret O RECONHECIMENTO INTERNACIONAL DO BRASIL INDEPENDENTE Estados Unidos da América A Doutrina Monroe (A América para os americanos )

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Coordenadoria de Concursos - CCV 2ª ETAPA PROVA ESPECÍFICA DE HISTÓRIA PROVA ESPECÍFICA DE HISTÓRIA

Universidade Federal do Ceará Coordenadoria de Concursos - CCV 2ª ETAPA PROVA ESPECÍFICA DE HISTÓRIA PROVA ESPECÍFICA DE HISTÓRIA 1ª AVALIAÇÃO CORRETOR 1 01 02 03 04 05 06 07 08 Reservado à CCV AVALIAÇÃO FINAL Universidade Federal do Ceará Coordenadoria de Concursos - CCV Comissão do Vestibular Reservado à CCV 2ª ETAPA PROVA ESPECÍFICA

Leia mais

Profa. Dra. Maria da Conceição Lima de Andrade

Profa. Dra. Maria da Conceição Lima de Andrade Profa. Dra. Maria da Conceição Lima de Andrade Conceitos de pesquisa A Pesquisa é: procedimento reflexivo sistemático, controlado e crítico, que permite descobrir novos fatos ou dados, relações ou leis,

Leia mais

Os Sociólogos Clássicos Pt.2

Os Sociólogos Clássicos Pt.2 Os Sociólogos Clássicos Pt.2 Max Weber O conceito de ação social em Weber Karl Marx O materialismo histórico de Marx Teoria Exercícios Max Weber Maximilian Carl Emil Weber (1864 1920) foi um intelectual

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI Pró-Reitoria de Graduação PROGRAD - Coordenação de Processos Seletivos COPESE www.ufvjm.edu.br - copese@ufvjm.edu.br UNIVERSIDADE

Leia mais

Ano Lectivo 2012/ ºCiclo 8 ºAno. 8.º Ano 1º Período. Unidade Didáctica Conteúdos Competências Específicas Avaliação.

Ano Lectivo 2012/ ºCiclo 8 ºAno. 8.º Ano 1º Período. Unidade Didáctica Conteúdos Competências Específicas Avaliação. AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Planificação HISTÓRIA Ano Lectivo 2012/2013 3 ºCiclo 8 ºAno 8.º Ano 1º Período Panorâmica geral dos séculos XII e XIII. Observação directa Diálogo

Leia mais

Agrupamento de Escolas Dr. Vieira de Carvalho. INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL MARÇO de 2014

Agrupamento de Escolas Dr. Vieira de Carvalho. INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL MARÇO de 2014 Agrupamento de Escolas Dr. Vieira de Carvalho INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL MARÇO de 2014 Prova 05 2014 --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Segundo Reinado Guerra do Paraguai

Segundo Reinado Guerra do Paraguai Segundo Reinado Segundo Reinado Guerra do Paraguai A Guerra do Paraguai foi o maior conflito armado internacional ocorrido na América do Sul no século 19. Rivalidades platinas e a formação de Estados nacionais

Leia mais

Esquemas de organização do texto dissertativo-argumentativo

Esquemas de organização do texto dissertativo-argumentativo Esquemas de organização do texto dissertativo-argumentativo Esquema básico de uma redação Título 1º Parágrafo 2º parágrafo 3º parágrafo 4º parágrafo 5º parágrafo TESE + argumento 1 + argumento 2 + argumento

Leia mais

História da Administração Pública Brasileira. Frederico Lustosa da Costa

História da Administração Pública Brasileira. Frederico Lustosa da Costa História da Administração Pública Brasileira Frederico Lustosa da Costa Rio de Janeiro, 04 de dezembro de 2008 Quem não recorda o passado está condenado a repeti-lo. Jorge Santayana Conteúdo Desconhecimento

Leia mais

A República Oligárquica ( ) O Domínio das Oligarquias ( )

A República Oligárquica ( ) O Domínio das Oligarquias ( ) Aula 31 e 32 A República Oligárquica (1889-1930) Setor 1601 1 Presidência de Prudente de Morais (1894-1898) 2 A Presidência de Campos Sales (1898-1902) Aula 31 e 32 A República Oligárquica (1889-1930)

Leia mais

Normas da ABNT para trabalhos escolares.

Normas da ABNT para trabalhos escolares. Normas da ABNT para trabalhos escolares. Tamanho: 12 3cm COLEGIO SINGULAR S.B.C Aluno nº 22 3ºano A Fonte da capa: Arial Tamanho: 16 Negrito Margens: Superior:3cm Inferior: 2cm esquerda:3cm Direita: 2cm

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA BASE DE PESQUISA ESTUDOS DO HABITAT - GRUPO DE ESTUDOS EM HABITAÇÃO ARQUITETURA E URBANISMO GEHAU

DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA BASE DE PESQUISA ESTUDOS DO HABITAT - GRUPO DE ESTUDOS EM HABITAÇÃO ARQUITETURA E URBANISMO GEHAU UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA BASE DE PESQUISA ESTUDOS DO HABITAT - GRUPO DE ESTUDOS EM HABITAÇÃO ARQUITETURA E URBANISMO GEHAU OBSERVATÓRIO

Leia mais

A Redução de São Miguel Arcanjo

A Redução de São Miguel Arcanjo 1 Leia o texto a seguir, observe a imagem e responda às questões. A Redução de São Miguel Arcanjo A Redução de São Miguel Arcanjo foi fundada em 1632 na região do Tape. Porém, devido aos ataques de paulistas

Leia mais

PLANO DE ENSINO OBJETIVOS

PLANO DE ENSINO OBJETIVOS PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome do COMPONENTE CURRICULAR: História II Curso: Técnico do Nível Médio Integrado em Mineração Série/Período: 2ª série Carga Horária: 2 a/s - 80h/a 67h/r

Leia mais

Sugestão de Atividades História 6º ano Unidade 7

Sugestão de Atividades História 6º ano Unidade 7 1. (Ueggo/SAS) A cultura greco-romana influenciou decisivamente a formação cultural do mundo ocidental. Os romanos herdaram dos gregos a visão humanista, imprimindo, porém, um caráter mais prático à cultura

Leia mais

Manual para elaboração de artigos

Manual para elaboração de artigos 1 Manual para elaboração de artigos ESTRELA 2016 2 APRESENTAÇÃO Este documento visa auxiliar os estudantes da Faculdade La Salle Estrela na elaboração de artigos, apresentando as regras dispostas nas normas

Leia mais

Diretrizes para formação inicial e licenciaturas na UTFPR

Diretrizes para formação inicial e licenciaturas na UTFPR Diretrizes para formação inicial e licenciaturas na UTFPR Profa. Dra. Flávia Dias de Souza Docente do Departamento de Educação DEPED Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Docente do Programa

Leia mais

2- POR QUE a família real portuguesa se mudou, em 1808, para sua colônia na

2- POR QUE a família real portuguesa se mudou, em 1808, para sua colônia na Atividade de Estudo Geo/História 5º ano Nome: 1- LIGUE os itens abaixo corretamente. 2- POR QUE a família real portuguesa se mudou, em 1808, para sua colônia na América? 3- ASSINALE as afirmativas erradas

Leia mais

A República Oligárquica ( ) O Domínio das Oligarquias ( )

A República Oligárquica ( ) O Domínio das Oligarquias ( ) Aula 33 e 34 A República Oligárquica (1889-1930) Setor 1601 1 A Presidência de Campos Sales (1898-1902) 2 A Presidência de Rodrigues Alves (1902-1906) Aula 33 e 34 A República Oligárquica (1889-1930) ealvespr@gmail.com

Leia mais

ARTES 7 ANO PROF.ª ARLENE AZULAY PROF. LÚCIA REGINA ENSINO FUNDAMENTAL

ARTES 7 ANO PROF.ª ARLENE AZULAY PROF. LÚCIA REGINA ENSINO FUNDAMENTAL ARTES 7 ANO PROF. LÚCIA REGINA ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª ARLENE AZULAY CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade I Tecnologia: Corpo, movimento e linguagem na era da informação 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 1.2

Leia mais

PROVINHA BRASIL Orientações para Secretarias de Educação Primeiro Semestre

PROVINHA BRASIL Orientações para Secretarias de Educação Primeiro Semestre PROVINHA BRASIL Orientações para Secretarias de Educação Primeiro Semestre - 2010 INFORME GESTOR teste capa verde.indd 1 13/1/2010 08:40:47 Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação

Leia mais

notas e informações 161

notas e informações 161 notas e informações 161 162 Administração, n.º 7, vol. III, 1990-1.º, 163-166 OS CENSOS, SUA INTEGRAÇÃO NO SISTEMA DE INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA João Carlos Neves* O objectivo deste texto é enquadrar os Censos

Leia mais

ESTADO DO ESPIRITO SANTO PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACRUZ PROJETO DE LEI Nº. XXXX

ESTADO DO ESPIRITO SANTO PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACRUZ PROJETO DE LEI Nº. XXXX ESTADO DO ESPIRITO SANTO PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACRUZ PROJETO DE LEI Nº. XXXX DISPÕE SOBRE O PLANO MUNICIPAL DE APOIO E INCENTIVO À CIÊNCIA E TECNOLOGIA NO MUNICÍPIO DE ARACRUZ E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

Livro Os Ciganos: História e Cultura - crianças e jovens - 12/15 anos

Livro Os Ciganos: História e Cultura - crianças e jovens - 12/15 anos Sugestões pedagógicas para orientar a leitura dos livros da Biblioteca Digital Livro Os Ciganos: História e Cultura - crianças e jovens - 12/15 anos Atividades para trabalhar os temas: Tolerância intercultural

Leia mais

COP Comissão de Obras Públicas da CBIC

COP Comissão de Obras Públicas da CBIC INSTITUIÇÃO DO REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÕES PÚBLICAS RDC Analise e posicionamento da Comissão de Obras Públicas COP da Câmara Brasileira da Indústria da Construção Com ampla participação das entidades

Leia mais

ILUMINISMO LUZ DA RAZÃO CONTRA AS TREVAS DA IGNORÂNCIA

ILUMINISMO LUZ DA RAZÃO CONTRA AS TREVAS DA IGNORÂNCIA ILUMINISMO LUZ DA RAZÃO CONTRA AS TREVAS DA IGNORÂNCIA Conceito: O Iluminismo foi um movimento ideológico do século XVIII, que defendeu a liberdade de expressão e o fim de todo regime opressor. O Iluminismo

Leia mais

OBJETIVOS. Dar a conhecer a estrutura do Modelo de Excelência de Gestão MEG. Refletir sobre o ciclo PDCL. Planejamento. Verificação Aprendizagem

OBJETIVOS. Dar a conhecer a estrutura do Modelo de Excelência de Gestão MEG. Refletir sobre o ciclo PDCL. Planejamento. Verificação Aprendizagem 1 OBJETIVOS Dar a conhecer a estrutura do Modelo de Excelência de Gestão MEG. Refletir sobre o ciclo PDCL Planejamento Execução Verificação Aprendizagem 2 INTRODUÇÃO Na aula passada, conhecemos os 11 Fundamentos

Leia mais

Agrupamento de Escolas Fragata do Tejo, Moita Escola Básica dos 2º e 3º ciclos Fragata do Tejo

Agrupamento de Escolas Fragata do Tejo, Moita Escola Básica dos 2º e 3º ciclos Fragata do Tejo Agrupamento de Escolas Fragata do Tejo, Moita Escola Básica dos 2º e 3º ciclos Fragata do Tejo MELHORAR RESULTADOS EDUCATIVOS E ESCOLARES EM HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL PLANO DE AÇÃO Julho de 2014

Leia mais

HISTÓRIA 1 ANO PROF. AMAURY PIO PROF. EDUARDO GOMES ENSINO MÉDIO

HISTÓRIA 1 ANO PROF. AMAURY PIO PROF. EDUARDO GOMES ENSINO MÉDIO HISTÓRIA 1 ANO PROF. AMAURY PIO PROF. EDUARDO GOMES ENSINO MÉDIO CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade II Civilização Greco- Romana e seu legado 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 7.1 Conteúdo Feudalismo e Sociedade

Leia mais

A Filosofia e a Sociologia: contribuições para a Educação

A Filosofia e a Sociologia: contribuições para a Educação A Filosofia e a Sociologia: contribuições para a Educação Fundamentos Filosóficos e Sociológicos da Educação Semana I Prof. Ms. Joel Sossai Coleti O que é? O que é? Filosofia: disciplina que tem como objeto

Leia mais

Arquivos, Bibliotecas, Centros de Documentação, Museus: Por uma Política Pública Regional de Memória e Patrimônio

Arquivos, Bibliotecas, Centros de Documentação, Museus: Por uma Política Pública Regional de Memória e Patrimônio Arquivos, Bibliotecas, Centros de Documentação, Museus: Por uma Política Pública Regional de Memória e Patrimônio Maria de Lourdes Ferreira Centro de Memória de Diadema Secretaria de Cultura do Município

Leia mais

3. É correto afirmar que Guilhermina diz que sabe sambar muito bem graças a sua mãe? Se não, corrija essa informação, reescrevendo a frase:

3. É correto afirmar que Guilhermina diz que sabe sambar muito bem graças a sua mãe? Se não, corrija essa informação, reescrevendo a frase: UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL PROGRAMA DE PORTUGUÊS PARA ESTRANGEIROS ATIVIDADES DE COMPREENSÃO LEITORA, COMPREENSÃO ORAL E PRODUÇÃO ESCRITA NÍVEL MÉDIO 1 RIO DE JANEIRO Você conhece o Rio de Janeiro?

Leia mais

Nossa História 2012 APRESENTAÇÃO Vale 70 anos: Nossa História 12 No dia 3 de junho de 1942, as páginas dos principais jornais oportunidades que começavam a aparecer na China; enfrentou brasileiros

Leia mais

Lado a Lado: a construção do consumo e da cidadania identidades e representações. Marcia Perencin Tondato PPGCom ESPM SP

Lado a Lado: a construção do consumo e da cidadania identidades e representações. Marcia Perencin Tondato PPGCom ESPM SP Lado a Lado: a construção do consumo e da cidadania identidades e representações Marcia Perencin Tondato PPGCom ESPM SP 1 Qual CONSUMO? Qual CIDADANIA? Mídia, consumo, cidadania conjunto integrado de mediações,

Leia mais

ミ Trabalho de Literatura 彡. Tema: Classicismo e Humanismo.

ミ Trabalho de Literatura 彡. Tema: Classicismo e Humanismo. ミ Trabalho de Literatura 彡 Tema: Classicismo e Humanismo. Movimento cultural que se desenvolveu na Europa ao longo dos séculos XV e XVI, com reflexos nas artes, nas ciências e em outros ramos da atividade

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2010 MULHER NO MERCADO DE TRABALHO: PERGUNTAS E RESPOSTAS A Pesquisa Mensal de Emprego PME, implantada em 1980, produz indicadores

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE NOVO REPARTIMENTO

CÂMARA MUNICIPAL DE NOVO REPARTIMENTO CÂMARA MUNICIPAL DE NOVO REPARTIMENTO A Câmara Municipal, Câmara de Vereadores, ou Câmara Legislativa é o órgão legislativo da administração dos municípios, configurando-se como a assembleia de representantes

Leia mais

Leituras Preliminares: um ponto de partida CONFERÊNCIA MUNDIAL CONTRA O RACISMO, A DISCRIMINAÇÃO RACIAL, A XENOFOBIA E A INTOLERÂNCIA CORRELATA

Leituras Preliminares: um ponto de partida CONFERÊNCIA MUNDIAL CONTRA O RACISMO, A DISCRIMINAÇÃO RACIAL, A XENOFOBIA E A INTOLERÂNCIA CORRELATA Leituras Preliminares: um ponto de partida CONFERÊNCIA MUNDIAL CONTRA O RACISMO, A DISCRIMINAÇÃO RACIAL, A XENOFOBIA E A INTOLERÂNCIA CORRELATA FUNDAÇÃO FORD IIDH Instituto Interamericano de Direitos Humanos

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DE OLIVAIS. Prémio Literário e de Ilustração Eça de Queiroz

JUNTA DE FREGUESIA DE OLIVAIS. Prémio Literário e de Ilustração Eça de Queiroz Prémio Literário e de Ilustração Eça de Queiroz Introdução Considerando a importância do papel das instituições públicas na promoção e apoio das artes e da cultura, nomeadamente da literatura e da ilustração

Leia mais

Conceitos Domínios a trabalhar Experiências de aprendizagem Sugestões de recursos Avaliação Aulas

Conceitos Domínios a trabalhar Experiências de aprendizagem Sugestões de recursos Avaliação Aulas 7º ANO - PCA 1º PERÍODO 2012-2013 TEMA A Das sociedades recoletoras às primeiras civilizações A1 As sociedades recoletoras e as primeiras sociedades produtoras As primeiras conquistas do Homem Os grandes

Leia mais

INFORMAÇÃO- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

INFORMAÇÃO- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA PROVA 344 INFORMAÇÃO- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 12º Ano de Escolaridade CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS SOCIOLOGIA ANO LECTIVO 2011/2012 Tipo de prova: Escrita Duração (em minutos): 90 TEMAS CONTEÚDOS

Leia mais

NOTÍCIAS ETENE 04 DE MAIO DE 2011 RESULTADOS DO CENSO 2010

NOTÍCIAS ETENE 04 DE MAIO DE 2011 RESULTADOS DO CENSO 2010 NOTÍCIAS ETENE 04 DE MAIO DE 2011 RESULTADOS DO CENSO 2010 População brasileira cresce quase 20 vezes desde 1872 A população do Brasil alcançou a marca de 190.755.799 habitantes na data de referência do

Leia mais

A República Oligárquica ( ): O Declínio das Oligarquias ( ) A Era Vargas ( ): O Processo de Industrialização

A República Oligárquica ( ): O Declínio das Oligarquias ( ) A Era Vargas ( ): O Processo de Industrialização Aula 39 e 40 A República Oligárquica (1889-1930): A Era Vargas (1930-1945): O Processo de Industrialização Setor 1601 1 A Presidência de Artur Bernardes (1922-1926) 2 A Presidência Washington Luís (1926-1930)

Leia mais

1º AULÃO ENEM Sociologia 1) SAS. 2 ENEM

1º AULÃO ENEM Sociologia 1) SAS.  2 ENEM 1º AULÃO 2016 1) SAS 2 1º AULÃO 2016 Na tirinha, Mafalda, após ler o conceito de democracia, não consegue mais parar de rir. Dentre várias interpretações sociológicas sobre as razões do riso contínuo da

Leia mais

INSTITUTO BRASILIENSE DE DIREITO PÚBLICO - IDP. Edital do IX Concurso Brasiliense de Monografias Jurídicas. Título I. Disposições Gerais

INSTITUTO BRASILIENSE DE DIREITO PÚBLICO - IDP. Edital do IX Concurso Brasiliense de Monografias Jurídicas. Título I. Disposições Gerais INSTITUTO BRASILIENSE DE DIREITO PÚBLICO - IDP Edital do IX Concurso Brasiliense de Monografias Jurídicas Título I Disposições Gerais Art. 1º O IX Concurso Brasiliense de Monografias Jurídicas, promovido

Leia mais

EMENTA ESCOLAR I Trimestre Ano 2016

EMENTA ESCOLAR I Trimestre Ano 2016 Disciplina: EMENTA ESCOLAR I Trimestre Ano 2016 História Professor: Rodrigo Bento Turma: 3º série Ensino Médio Data Conteúdo 11/fevereiro APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA CAPITULO I HG HISTORIOGRAFIA E PRE HISTORIA

Leia mais

1. Prova Teórica de Avaliação de História Contemporânea. 2. Prova Teórica de Avaliação de História das Artes Visuais

1. Prova Teórica de Avaliação de História Contemporânea. 2. Prova Teórica de Avaliação de História das Artes Visuais Índice 1. Prova Teórica de Avaliação de História Contemporânea 2. Prova Teórica de Avaliação de História das Artes Visuais 3. Prova Teórica de Avaliação de Língua Portuguesa 4. Prova Teórica de Avaliação

Leia mais

ola eu sou o Everton e vou falar do poder de vargas introdução vargas como era : o seu poder, como ele tomou posse e as tres fases politicas

ola eu sou o Everton e vou falar do poder de vargas introdução vargas como era : o seu poder, como ele tomou posse e as tres fases politicas ola eu sou o Everton e vou falar do poder de vargas introdução vargas como era : o seu poder, como ele tomou posse e as tres fases politicas O PODER DE VARGAS ERA : PROVISÓRIO, CONSTITUCIONAL e ESTADO

Leia mais

8.º Ano Expansão e mudança nos séculos XV e XVI O expansionismo europeu Renascimento, Reforma e Contrarreforma

8.º Ano Expansão e mudança nos séculos XV e XVI O expansionismo europeu Renascimento, Reforma e Contrarreforma Escola Secundária Dr. José Afonso Informação-Prova de Equivalência à Frequência História Prova 19 2016 3.º Ciclo do Ensino Básico O presente documento divulga informação relativa à prova de equivalência

Leia mais

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues Escola Cenecista Dr. José Ferreira

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues   Escola Cenecista Dr. José Ferreira Sociologia Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: matheus.bortoleto@cnec.edu.br Escola Cenecista Dr. José Ferreira Teoria do Estado II Objetivo principal: Problematizar as formas de governos existentes

Leia mais

7. o ANO FUNDAMENTAL. Prof. Walace Vinente

7. o ANO FUNDAMENTAL. Prof. Walace Vinente 7. o ANO FUNDAMENTAL Prof. Walace Vinente GEOGRAFIA CONTEÚDOS E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade I Tempo, espaço, fontes históricas e representações cartográficas 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES

Leia mais

Primeira Geração ( )

Primeira Geração ( ) LITERATURA Primeira Geração (1922-1930) Caracteriza-se por ser uma tentativa de definir e marcar posições. Período rico em manifestos e revistas de vida efêmera. Um mês depois da SAM, a política vive dois

Leia mais

REGULAMENTO.

REGULAMENTO. www.firjan.com.br REGULAMENTO Regulamento Prêmio Melhores Práticas Sindicais - 2016 APRESENTAÇÃO Art. 1º A Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (FIRJAN), por meio da Diretoria Executiva

Leia mais

44º FESTIVAL INTERNACIONAL DE FOLCLORE DE NOVA PETRÓPOLIS - RS. 15 a 31 de julho de Praça da República

44º FESTIVAL INTERNACIONAL DE FOLCLORE DE NOVA PETRÓPOLIS - RS. 15 a 31 de julho de Praça da República 44º FESTIVAL INTERNACIONAL DE FOLCLORE DE NOVA PETRÓPOLIS - RS 15 a 31 de julho de 2016 - Praça da República Realização: Associação dos Grupos de Danças Folclóricas Alemãs de Nova Petrópolis e Prefeitura

Leia mais

EMENTA ESCOLAR I Trimestre Ano 2016

EMENTA ESCOLAR I Trimestre Ano 2016 Disciplina: EMENTA ESCOLAR I Trimestre Ano 2016 História Professor: Rodrigo Bento Turma: 1º série Ensino Médio Data Conteúdo 12/fevereiro APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA CAPITULO I O QUE É HISTÓRIA? 16/fevereiro

Leia mais

História. divulgação. Comparativos curriculares. Material de. A coleção Ser Protagonista História e o currículo do Estado do Paraná.

História. divulgação. Comparativos curriculares. Material de. A coleção Ser Protagonista História e o currículo do Estado do Paraná. Comparativos curriculares SM História Ensino médio Material de divulgação de Edições SM A coleção Ser Protagonista História e o currículo do Estado do Paraná Apresentação Professor, Devido à inexistência

Leia mais

REPÚBLICA OLIGÁRQUICA - termo de origem grega governo dos melhores ou governo dos poucos,os mais ricos

REPÚBLICA OLIGÁRQUICA - termo de origem grega governo dos melhores ou governo dos poucos,os mais ricos REPÚBLICA OLIGÁRQUICA - termo de origem grega governo dos melhores ou governo dos poucos,os mais ricos A República Velha teve 13 Presidentes nesse período o poder foi dominado pela oligarquia cafeeira

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIZELA VIZELA Escola sede: ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DE VIZELA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE SOCIOLOGIA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIZELA VIZELA Escola sede: ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DE VIZELA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE SOCIOLOGIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIZELA VIZELA Escola sede: ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DE VIZELA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE SOCIOLOGIA Prova: 344 / 2015 12.º Ano de Escolaridade Formação

Leia mais

HISTÓRIA DA MATEMÁTICA E ENSINO. Zaqueu Vieira Oliveira

HISTÓRIA DA MATEMÁTICA E ENSINO. Zaqueu Vieira Oliveira HISTÓRIA DA MATEMÁTICA E ENSINO Zaqueu Vieira Oliveira História da Matemática História da Ciência História e Filosofia da Ciência: Alguns Debates que Impactam no Ensino Discussões metodológicas O conhecimento

Leia mais

História 5 o ano Unidade 8

História 5 o ano Unidade 8 História 5 o ano Unidade 8 Nome: Unidade 8 Data: 1. Marque com um X as frases incorretas sobre a ditadura militar no Brasil. Em seguida, reescreva-as corretamente. ( ) durante a ditadura muitos partidos

Leia mais

Os direitos Humanos são direitos fundamentais da pessoa humana. Esses direitos são considerados fundamentais porque, sem eles, a pessoa não é capaz

Os direitos Humanos são direitos fundamentais da pessoa humana. Esses direitos são considerados fundamentais porque, sem eles, a pessoa não é capaz Os direitos Humanos são direitos fundamentais da pessoa humana. Esses direitos são considerados fundamentais porque, sem eles, a pessoa não é capaz de se desenvolver e de participar plenamente da vida.

Leia mais

A cultura durante a ditadura militar

A cultura durante a ditadura militar A cultura durante a ditadura militar Introdução da ditadura no Brasil De 1964 a 1985, o Brasil viveu a Ditadura Militar, uma época em que os militares passaram a governar o país. Esse regime de governo

Leia mais

DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA

DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E FILOSOFIA CÓDIGO: CHF217 DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA I CARGA HORÁRIA: 60H EMENTA:

Leia mais

NOTA TÉCNICA. O Brasil pelos brasileiros: qual é o maior problema do país? Março de Luiza Niemeyer. Economia Aplicada Ano xx

NOTA TÉCNICA. O Brasil pelos brasileiros: qual é o maior problema do país? Março de Luiza Niemeyer. Economia Aplicada Ano xx NOTA TÉCNICA O Brasil pelos brasileiros: qual é o maior problema do país? Luiza Niemeyer Março de 2014 1 Economia Aplicada Ano xx O que o brasileiro identifica como o principal problema do Brasil? No ano

Leia mais

Sinto-me honrada por estar na Escola Superior de. Agricultura Luiz de Queiroz nesse momento festivo, de posse

Sinto-me honrada por estar na Escola Superior de. Agricultura Luiz de Queiroz nesse momento festivo, de posse Discurso da Profa. Dra. Suely Vilela na Posse do Prof. Dr. Antonio Roque Dechen, na função de Diretor da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ) Sinto-me honrada por estar na Escola Superior

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 (Da Sra. Iara Bernardi) Institui o Dia Nacional do Tropeiro, a ser comemorado no último domingo do mês de maio. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Fica instituído o Dia Nacional

Leia mais

Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, Senhoras e Senhores que nos acompanham pela TV e Rádio Câmara,

Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, Senhoras e Senhores que nos acompanham pela TV e Rádio Câmara, Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, Senhoras e Senhores que nos acompanham pela TV e Rádio Câmara, Queremos hoje falar sobre a importância do período do Bandeirismo na História do Brasil,

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 2015

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 2015 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 2015, DE Dá nova redação aos arts. 45 e 46 da Constituição Federal para reduzir o número de membros da Câmara dos Deputados e do Senado Federal. As Mesas da Câmara

Leia mais

QUE FUTURO PARA A EDUCAÇÃO?

QUE FUTURO PARA A EDUCAÇÃO? QUE FUTURO PARA A EDUCAÇÃO? Nos dias 30 e 31 de Maio de 2011, realizou-se em Lisboa, no Palácio de São Bento, a Sessão Nacional do Parlamento dos Jovens 2011 do Ensino Secundário. O Parlamento dos Jovens

Leia mais

UDESC 2016/2 HISTÓRIA. Comentário

UDESC 2016/2 HISTÓRIA. Comentário HISTÓRIA Questão tratou sobre movimentos que emergiram nos EUA dos anos 1960 e suas consequências na Europa e até mesmo no Brasil. I. Verdadeira. 1 II. Falsa. Os movimentos LGBT ocorreram a partir dos

Leia mais

PROGRAMA DE CIÊNCIA POLÍTICA E DIREITO CONSTITUCIONAL

PROGRAMA DE CIÊNCIA POLÍTICA E DIREITO CONSTITUCIONAL João Albuquerque PROGRAMA DE CIÊNCIA POLÍTICA E DIREITO CONSTITUCIONAL (Ano Lectivo de 2010/2011) Faculdade de Direito da Universidade de Macau 2 CAPÍTULO I O POLÍTICO I A noção de Política em sentido

Leia mais

Relatório do Plano Anual de Atividades 1.º período

Relatório do Plano Anual de Atividades 1.º período Relatório do Plano Anual de Atividades 1.º período Escola Básica de 1.º ciclo com Pré-Escolar de Boaventura ÍNDICE 1. AVALIAÇÃO DAS ATIVIDADES PREVISTAS PARA O 1.º PERÍODO POR ÁREA DE INTERVENÇÃO 1.1 AÇÃO

Leia mais