CURSO DE BACHARELADO EM EXPRESSÃO GRÁFICA DISCIPLINA: CEG201-INTRODUÇÃO À EXPRESSÃO GRÁFICA. Professora Vaz. 1º semestre 2015

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CURSO DE BACHARELADO EM EXPRESSÃO GRÁFICA DISCIPLINA: CEG201-INTRODUÇÃO À EXPRESSÃO GRÁFICA. Professora Vaz. 1º semestre 2015"

Transcrição

1 CURSO DE BACHARELADO EM EXPRESSÃO GRÁFICA DISCIPLINA: CEG201-INTRODUÇÃO À EXPRESSÃO GRÁFICA Professora Vaz 1º semestre

2 AULA 01 (03 DE MARÇO) Professora Vaz 1º semestre

3 EMENTA Definição e conceitos fundamentais da Expressão Gráfica Elementos da linguagem gráfica História do desenho e da representação gráfica Interdisciplinaridade e expressão gráfica 3

4 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Estrutura do curso de Bacharelado em Expressão gráfica da UFPR e áreas de atuação Definições e conceitos fundamentais da expressão gráfica Noções básicas sobre a história social da expressão gráfica Interdisciplinaridade e expressão gráfica: campo profissional 4

5 OBJETIVOS Identificar as áreas de atuação do profissional formado em expressão gráfica Compreender a importância da expressão gráfica para o mercado de trabalho na atualidade Desenvolver o posicionamento crítico do discente, no entendimento da expressão gráfica como linguagem técnica do desenho associada à concepção e manufatura de projetos 5

6 Questões (Aula 01): 1.O curso de Expressão Gráfica forma que tipo de profissional? 2. Qual a diferença entre desenhista e projetista? 6

7 O que é expressão gráfica? Expressão gráfica é desenho, ou seja, desenho é uma maneira de se expressar graficamente. 7

8 Expressão Gráfica é o mesmo que Engenharia Gráfica? O sucesso profissional no mundo digital requer dos alunos de engenharia: habilidade visual como ponto central, habilidade em identificar e resolver problemas, habilidade em utilizar ferramentas computacionais modernas, habilidade em expressar suas ideias, conhecimento das normas técnicas relacionadas à representação (MORAES, 2001, p.34). 8

9 A computação gráfica (C.G.)e sua implantação? Segundo Moraes (2001) a implantação da C.G. nas Universidades brasileiras, envolveu: 1. compra de equipamentos; 2. treinamento dos professores; 3. contratação de técnicos de laboratórios; 4. adequação atitudinal do corpo docente; 5. além da estruturação dos conteúdos programáticos em função da adesão do computador nas disciplinas de teoria da expressão gráfica. 9

10 Qual a gramática do curso de expressão gráfica? De acordo com Moraes (2001, p.7-8): desenho é uma maneira de expressar o pensamento, a materialização de uma ideia, uma linguagem gráfica que se constitui como o principal instrumento de comunicação em muitas áreas de conhecimento. Tal como em qualquer língua, onde para que alguém compreenda o que ali está dito, é necessário que exista uma gramática. O desenho técnico é a gramática do projetista, e o meio digital é o tipo de tecnologia utilizada. 10

11 Fases do processo de projeto: Uma das fases do processo de projeto é a construção de um modelo geométrico que representa a forma, esses modelos são chamados de icônicos descritivos, devido à semelhança física com o produto final, com a forma final. 11

12 Técnicas para representar os modelos geométricos: - modelos numéricos - modelos computacionais - modelos reduzidos (maquetes) - modelos gráficos (desenhos) 12

13 O domínio de todos esses modelos exemplifica o PERFIL DO PROFISSIONAL formado em Expressão Gráfica pela UFPR. 13

14 Outra fase do processo de projeto, que também compete ao profissional formado em expressão gráfica, é por meio de softwares adequados: simular sua manufatura (fabricação), testar e operar o equipamento, evitar a fabricação de um protótipo (físico). 14

15 Teoria e técnicas de representação gráfica: Esses conteúdos (disciplinas) estão interligados, pois ambos são IMPORTANTES para a concepção e manufatura de produtos que serão fabricados digitalmente. 15

16 As ferramentas de manufatura (CAE-CAD-CAM), além de possibilitarem a simulação da fabricação de uma peça mecânica em 3D, permite a detecção rápida e fácil de possíveis falhas num projeto; correção imediata com baixo custo; facilidade na apresentação do projeto a outros grupos de especialistas externos e internos e tornam mais fácil a manutenção das partes que compõem produtos mais complexos. (MORAES, 2001, p.11) 16

17 Estas ferramentas permitem que o projetista desenvolva todas as etapas dos projetos: concepção, representação e execução de produtos, cuja eficiência e qualidade são testadas por meio de protótipos digitais. 17

18 Questões em aberto (Aula 01): O que é robótica? Definição das ferramentas CAE-CAD-CAM Termo expressionista gráfico, não utilizar. Disciplinas de teoria da representação gráfica: Geometria descritiva, desenho geométrico, projeções cotadas. Disciplinas de técnicas de representação gráfica: desenho técnico e suas aplicações. 18

19 Tópicos (Aula 01): 1.O curso de Expressão Gráfica forma que tipo de profissional? 2. Qual a diferença entre desenhista e projetista? 19

20 AULA 02 (05 MARÇO) Professora Vaz 1º semestre

21 Tópicos (Aula 02): 1.Revolução Industrial X Revolução Pós-Industrial. 2. Desenho industrial x design. 3. Relação homem x máquina. 21

22 ACTION PAINTING 22

23 Jackson Pollack 23

24 24

25 25

26 26

27 Revolução Industrial Se a Revolução Industrial havia dividido as tarefas de concepção e manufatura do produto. 27

28 Revolução pós-industrial Por comparação, podemos afirmar que a Revolução pós- industrial com o advento da computação gráfica integra essas duas funções (concepção e manufatura)? Em caso afirmativo, justifica-se a criação do Curso de Bacharelado em Expressão Gráfica que forma o projetista gráfico tridimensional. O nosso profissional tem a formação técnica e estética do antigo desenhista industrial. 28

29 Em caso afirmativo, justifica-se a criação do Curso de Bacharelado em Expressão Gráfica que forma o projetista gráfico tridimensional. O nosso profissional tem a formação técnica e estética do antigo desenhista industrial. O desenho industrial é o mesmo que design? 29

30 A necessidade de uma padronização para os projetos de produto e processos de projeto, surgiu com a Revolução industrial e suas máquinas que permitiram a repetibilidade de peças. Isto resultou numa separação mais nítida entre a concepção e a execução, gerando com isso, a demanda por um sistema de representação que permitisse a comunicação entre as duas fases MORAES (2001, p.26). 30

31 Na atualidade, essas duas fases são operacionalizadas em ambiente digital. Com a cultura computacional os desenhos de fabricação tradicional em suporte de papel estão sendo substituídos pelos recursos de modelagem tridimensional. 31

32 A concepção e manufatura = produto final Desenho de Fabricação (papel/computador): CRIAÇÃO Modelagem Tridimensional (CAD) + Sistemas de Manufatura (CNC): REPRESENTAÇÃO GRÁFICA Instrução de Usinagem em linguagem de máquina com um software específico: FABRICAÇÃO DIGITAL 32

33 Segundo AMORIM (1999), o Desenho de fabricação tradicional composto de plantas, vistas, cortes, seções e projeções axonométricas em suporte papel está gradualmente sendo substituído pelos recursos da modelagem tridimensional disponíveis nos programas CAD e manufatura auxiliada por computador através de máquinas de comando numérico. A peça é modelada tridimensionalmente no ambiente computacional e visualizada com muito mais facilidades e recursos que do modelo convencional. Em seguida é gerada uma instrução de usinagem em linguagem de máquina para uma máquina operatriz de comando numérico, a partir de um software específico para este fim (MORAES, 2001, p.36). 33

34 Bessant (1988), citado por Moraes (2001, p.36), menciona que: o desenvolvimento dos projetos torna-se um processo interativo e preciso, aliado a uma grande velocidade de processamento dos dados pela máquina. Estas possibilidades trazem consequentemente um ritmo de trabalho mais severo onde o projetista precisa cada vez mais de velocidade de raciocínio e robustez técnica. Neste processo interativo, onde homem e máquina reúnem as suas melhores características na solução de um dado problema, é cada vez mais importante a visão global, a formulação conceitual, a fundamentação teórica e a integração interdisciplinar. (grifos meus). 34

35 Representação Gráfica: TEORIA + DESENHO TÉCNICO = PROJETOS Em relação aos cursos de engenharia identificados por Moraes constata-se que as disciplinas de teoria de representação gráfica são entendidas como disciplinas básicas e estão desconectas das disciplinas de projetos compreensão inadequada considerando toda a tecnologia que dá subsídios à expressão gráfica como linguagem técnica. 35

36 Homem X Máquina Na relação homem versus máquina, o componente humano não tem acompanhado os avanços tecnológicos na área de fabricação digital. 36

37 (...), tem-se percebido que o desenvolvimento das ferramentas de projeto e construção não tem correspondido à uma efetiva melhoria da qualidade dos projetos e das construções, levando-nos a CONJETURAR que a falha está na componente humana (grifos meus)(moraes, 2001, p.37). Será que está hipótese da autora ainda é válida? A falha humana no desenvolvimento de projetos é decorrente de quais fatores? 37

38 Referência MORAES, Andréa Benício de. A expressão gráfica em cursos de engenharia: estado da arte e principais tendências. Dissertação. (Departamento de Engenharia de Construção Civil e Urbana). Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. São Paulo, f. 38

Curso de Bacharelado em Ciência da Computação

Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Há um século, riqueza e sucesso vinham para aqueles que produziam e distribuíam mercadorias manufaturadas. Hoje, riqueza e sucesso vêm para aqueles que utilizam

Leia mais

Circuitos Elétricos 40 Módulo 1 Eletrônica Geral 80 Módulo 1. Hidráulica e Pneumática II 40 Módulo 1. Tecnologia dos Materiais 40 Módulo 1

Circuitos Elétricos 40 Módulo 1 Eletrônica Geral 80 Módulo 1. Hidráulica e Pneumática II 40 Módulo 1. Tecnologia dos Materiais 40 Módulo 1 Curso Técnico Concomitante em Mecatrônica CÂMPUS LAGES MATRIZ CURRICULAR Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 320h Unidade Curricular C/H Semestral Pré-Requisito Instalações e Comandos Elétricos 60 Não

Leia mais

Sistemas CAE/CAD/CAM I

Sistemas CAE/CAD/CAM I ao sistemas CAE/CAD/CAM a Sistemas CAE/CAD/CAM Altamir Dias 1 DEPTO. DE ENGENHARIA MECÂNICA Universidade Federal de Santa Catarina POSMEC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA ao sistemas CAE/CAD/CAM

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR

ESTRUTURA CURRICULAR Lei Federal n o 9394/96 Decreto Federal n o 5154/04 Resolução CNE n o 3/2002. LEGISLAÇÃO FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI SUÍÇO-BRASILEIRA PAULO ERNESTO TOLLE ESTRUTURA CURRICULAR A estrutura do Curso Superior

Leia mais

Introdução à Ciência da Computação

Introdução à Ciência da Computação 1 Universidade Federal Fluminense Campus de Rio das Ostras Curso de Ciência da Computação Introdução à Ciência da Computação Professor: Leandro Soares de Sousa e-mail: leandro.uff.puro@gmail.com site:

Leia mais

CURSO: ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO EMENTAS º PERÍODO

CURSO: ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO EMENTAS º PERÍODO CURSO: ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO EMENTAS - 2016.2 2º PERÍODO DISCIPLINA: CÁLCULO I DISCIPLINA: FÍSICA I Estudo do centro de Massa e Momento Linear. Estudo da Rotação. Estudo de Rolamento, Torque

Leia mais

Cálculo Numérico Computacional

Cálculo Numérico Computacional Cálculo Numérico Computacional Apresentação Prof. Márcio Bueno cnctarde@marciobueno.com Ementa } Oferecer fundamentos e instrumentos da matemática aplicada e computacional, com a finalidade de permitir

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Técnico em Mecatrônica

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO SEMESTRALIZADO 10 SEMESTRES

CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO SEMESTRALIZADO 10 SEMESTRES CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO SEMESTRALIZADO 10 SEMESTRES Situação Legal: Reconhecido Integralização: Mínimo 5 anos / Máximo 8 anos Carga Horária: 2.820h (188 créditos)

Leia mais

1ª ETAPA - TURMA D e K

1ª ETAPA - TURMA D e K CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I PF 3 CIÊNCIAS DO AMBIENTE PF 3 ÉTICA E CIDADANIA I PF 3 FÍSICA GERAL I PF 3 GEOMETRIA ANALÍTICA E VETORES PF 3 FÍSICA EXPERIMENTAL I COMPUTAÇÃO, ALGORITMOS E PROGRAMAÇÃO

Leia mais

IV Simpósio de Pesquisa e Práticas Pedagógicas dos Docentes do UGB ANAIS

IV Simpósio de Pesquisa e Práticas Pedagógicas dos Docentes do UGB ANAIS A CONTRIBUIÇÃO DA GRÁFICA DIGITAL NO DESENVOLVIMENTO DA VISÃO ESPACIAL NO ENSINO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA(S) Edson Agostinho Maciel Mestre em Planejamento Urbano e Regional pelo Instituto de Pesquisa

Leia mais

1ª ETAPA - TURMA D e K

1ª ETAPA - TURMA D e K CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I PAIE 3 CIÊNCIAS DO AMBIENTE PAIE 3 ÉTICA E CIDADANIA I PAIE 3 FÍSICA GERAL I PAIE 3 GEOMETRIA ANALÍTICA E VETORES PAIE 3 FÍSICA EXPERIMENTAL I PAIE 3 COMPUTAÇÃO, ALGORITMOS

Leia mais

PLANO DE ENSINO. 60h CH Teórica Formação Básica. CH Prática. 10h. Trabalho Efetivo Discente

PLANO DE ENSINO. 60h CH Teórica Formação Básica. CH Prática. 10h. Trabalho Efetivo Discente PLANO DE ENSINO Escola ENGENHARIA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (EETI) Engenharias: Ambiental; Civil; de Computação; de Petróleo; de Produção; Elétrica; Curso(s) Mecânica; Mecatrônica e Química Disciplina

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR BACHARELADO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. 1º Período

MATRIZ CURRICULAR BACHARELADO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. 1º Período MATRIZ CURRICULAR BACHARELADO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO 1º Período Código Disciplina CHT 1 CHP 2 CH Total Pré-requisitos Dados I 40 40 80 - Cálculo I 80-80 - Fundamentos da Computação 40-40 - Fundamentos

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS Habilitação Profissional: TÉCNICO EM MECATRÔNICA

Leia mais

Metrologia 30 Não há Eletricidade 60 Não há Tecnologia dos Materiais I 30 Não há

Metrologia 30 Não há Eletricidade 60 Não há Tecnologia dos Materiais I 30 Não há Curso Técnico Subsequente em Eletromecânica Técnico em Eletromecânica CÂMPUS LAGES MATRIZ CURRICULAR Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 285h Introdução à Eletromecânica 15 Não há Qualidade, meio ambiente,

Leia mais

Introdução à Engenharia Mecânica

Introdução à Engenharia Mecânica Introdução à Engenharia Mecânica P R O F. E D U A R D O L O U R E I R O, D S C. W W W. E D U L O U R E I R O. C O M. B R E D U A R D O L O U R E I R O @ P O L I. B R Sejam bem vindos!! Sejam bem vindos!!

Leia mais

Plano de Ensino de Disciplina Ciência da Computação 2º / 2016

Plano de Ensino de Disciplina Ciência da Computação 2º / 2016 Plano de Ensino de Disciplina Ciência da Computação 2º / 2016 Disciplina: Computação Gráfica e Processamento de Imagens Código: 016031 Série: 8 0 Semestre Carga Horária Semanal: 04 aulas Carga Horária

Leia mais

1ª ETAPA - TURMA D e K

1ª ETAPA - TURMA D e K CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I CIÊNCIAS DO AMBIENTE ÉTICA E CIDADANIA I FÍSICA GERAL I GEOMETRINALÍTICA E VETORES FÍSICA EXPERIMENTAL I COMPUTAÇÃO, ALGORITMOS E PROGRAMAÇÃO I DESENHO TÉCNICO I GEOMETRIA

Leia mais

Introdução a Programação

Introdução a Programação Introdução a Programação Prof. André Gustavo Duarte de Almeida andre.almeida@ifrn.edu.br docente.ifrn.edu.br/andrealmeida Aula 01 Informática e a Programação Roteiro Informática Pensar e Programar Atividades

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR TÉCNICO NA ÁREA DE INFORMÁTICA: HABILITAÇÃO TÉCNICO EM INFORMÁTICA NA MODALIDADE A DISTÂNCIA /1

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR TÉCNICO NA ÁREA DE INFORMÁTICA: HABILITAÇÃO TÉCNICO EM INFORMÁTICA NA MODALIDADE A DISTÂNCIA /1 ORGANIZAÇÃO CURRICULAR TÉCNICO NA ÁREA DE INFORMÁTICA: HABILITAÇÃO TÉCNICO EM INFORMÁTICA NA MODALIDADE A DISTÂNCIA - 2008/1 DC 9481 03/10/07 Rev. 00 1. Dados Legais Autorizado pelo Parecer 278 do Conselho

Leia mais

CONTEÚDOS CURRICULARES

CONTEÚDOS CURRICULARES CONTEÚDOS CURRICULARES UNIDADES CURRICULARES PROCESSOS DE FABRICAÇÃO RESUMO DE CONTEÚDOS Processos de Usinagem em Máquinas Operatrizes, Usinagem a CNC, Ferramentas e Técnicas para Usinagem com Precisão,

Leia mais

Capítulo 1 Informática Biomédica: Ciência e Prática. Edward H. Shortliffe e Marsden S. Blois. Apresentado por: Carmem Hara

Capítulo 1 Informática Biomédica: Ciência e Prática. Edward H. Shortliffe e Marsden S. Blois. Apresentado por: Carmem Hara Capítulo 1 Informática Biomédica: Ciência e Prática Edward H. Shortliffe e Marsden S. Blois Apresentado por: Carmem Hara Sumário 1) Registro eletrônico de pacientes 2) Impacto da Internet nos tratamentos

Leia mais

CURSO: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EMENTAS º PERÍODO

CURSO: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EMENTAS º PERÍODO CURSO: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE FÍSICA DISCIPLINA: REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DISCIPLINA:

Leia mais

Desenho Auxiliado por Computador

Desenho Auxiliado por Computador UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA ENE073 Seminários em Eletrotécnica Desenho Auxiliado por Computador (CAD - Computer Aided Design) Prof. Flávio Vanderson Gomes E-mail: flavio.gomes@ufjf.edu.br Aula

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Universidade Federal de Campina Grande Centro de Engenharia Elétrica e Informática Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Organização e Arquitetura de

Leia mais

ANEXO B INFORMAÇÕES PESSOAIS

ANEXO B INFORMAÇÕES PESSOAIS ANEXO B INFORMAÇÕES PESSOAIS Nome: Telefone: e-mail: 1. Sexo: a.( ) Masculino b. ( ) Feminino 2. Idade: a. ( ) 21 30 anos b. ( ) 31 40 anos c. ( ) 41 50 anos d. ( ) Mais de 50 anos FORMAÇÃO. Obs.: Caso

Leia mais

A Matemática como Serviço a Ciência da Computação. Prof. Dr. Carlos Eduardo de Barros Paes Coordenador do Curso de Ciência da Computação

A Matemática como Serviço a Ciência da Computação. Prof. Dr. Carlos Eduardo de Barros Paes Coordenador do Curso de Ciência da Computação A Matemática como Serviço a Ciência da Computação Prof. Dr. Carlos Eduardo de Barros Paes Coordenador do Curso de Ciência da Computação A Matemática e Ciência da Computação A Matemática faz parte do DNA

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº 238 aprovado pela portaria Cetec nº 172 de 13/09/2013 Etec Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Controle de

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Universidade São Judas Tadeu Prof. André Luiz Ribeiro Prof. Jorge Luis Pirolla Introdução à Computação Engenharia de Software Tópicos O que é Engenharia de Software? Engenharia de Software em camadas Processo

Leia mais

Introdução Geral a Computação Gráfica. Universidade Católica de Pelotas Curso de Engenharia da Computação Disciplina de Computação Gráfica

Introdução Geral a Computação Gráfica. Universidade Católica de Pelotas Curso de Engenharia da Computação Disciplina de Computação Gráfica Introdução Geral a Computação Gráfica Universidade Católica de Pelotas Curso de Engenharia da Computação Disciplina de 2 Introdução Geral a O que é CG? Áreas de Atuação Definição, Arte e Matemática Mercado

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Programa de TIDD

Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Programa de TIDD Disciplina: 2854 - Sistemas Inteligentes e Ambientes Virtuais Turma A Área de Concentração: Processos Cognitivos e Ambientes Digitais Linha de Pesquisa: Inteligência Coletiva e Ambientes Interativos Professor:

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DESIGN

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DESIGN MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DESIGN (Vigência a partir do segundo semestre de 2007) Fase Cód. Disciplinas Pré- Requisito Créditos Carga Horária 01 Integração ao Ensino Superior 1 18 02 Oficinas de Integração

Leia mais

Curso: Engenharias Civil e Elétrica Disciplina: Desenho Técnico Profª.: Arq. Thaís R. Ibiapina

Curso: Engenharias Civil e Elétrica Disciplina: Desenho Técnico Profª.: Arq. Thaís R. Ibiapina Curso: Engenharias Civil e Elétrica Disciplina: Desenho Técnico Profª.: Arq. Thaís R. Ibiapina INTRODUÇÃO AO DESENHO TÉCNICO INTRODUÇÃO O desenho técnico é uma forma de expressão gráfica que tem por finalidade

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE 46/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO, DO CÂMPUS DE ITATIBA.

RESOLUÇÃO CONSEPE 46/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO, DO CÂMPUS DE ITATIBA. RESOLUÇÃO CONSEPE 46/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO, DO CÂMPUS DE ITATIBA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso da atribuição

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA MECÃNICA / ENGENHARIA MECATRÔNICA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA MECÃNICA / ENGENHARIA MECATRÔNICA 1 UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA MECÃNICA / ENGENHARIA MECATRÔNICA ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS (Orientações para a realização das APS dos

Leia mais

CONTROLE. Área de Ciências Exatas e Tecnologia Sub área de Computação. Programa da disciplina 2 o Semestre de Prof.

CONTROLE. Área de Ciências Exatas e Tecnologia Sub área de Computação. Programa da disciplina 2 o Semestre de Prof. Objetivos: CONTROLE Área de Ciências Exatas e Tecnologia Sub área de Computação Engenharia da Computação T7013A Programa da disciplina 2 o Semestre de 2008 Prof. Valdemir Carrara Conteúdo da disciplina

Leia mais

CURRICULUM SIMPLIFICADO

CURRICULUM SIMPLIFICADO Curso Desenho Industrial - Reconhecido pelo Decreto nº 70.956 de 09/08/ Turno: NOT_ART - Artes Noite Padrão Regime: Semestral Prazo Máximo: 14 Série: 1-1º Semestre 5DB127 DESENHO DE OBSERVAÇÃO I 2.0 5DB123

Leia mais

DISCIPLINA CRÉD CH PRÉ-REQUISITO 1ª FASE Desenho Geométrico

DISCIPLINA CRÉD CH PRÉ-REQUISITO 1ª FASE Desenho Geométrico CURSO DE BACHARELADO EM DESIGN HABILITAÇÃO EM DESIGN GRÁFICO AUTORIZAÇÃO: Resolução nº 75/2000 CONSUNI RECONHECIMENTO: Decreto Estadual nº 5495/2002 renovado pelo Decreto Estadual nº 2285/2014 PERÍODO

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº 233 aprovado pela portaria Cetec nº 172 de 13/09/2013 Etec Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e

Leia mais

MODELAGEM E SIMULAÇÃO

MODELAGEM E SIMULAÇÃO MODELAGEM E SIMULAÇÃO Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Análise da Decisão Pela própria natureza da vida, todos nós devemos continuamente

Leia mais

Introdução ao Projeto.

Introdução ao Projeto. 1 Notas de Aula: Prof. Gilfran Milfont As anotações, ábacos, tabelas, fotos e gráficos contidas neste texto, foram retiradas dos seguintes livros: -PROJETOS de MÁQUINAS-Robert L. Norton- Ed. BOOKMAN-2ª

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO CURRÍCULO PLENO BACHARELADO 1 CICLO/MÓDULO A Ciências Exatas I Álgebra Linear 02 0 02 40 Cálculo Diferencial e Integral I 04 0 04 80 Cálculo Vetorial e Geometria

Leia mais

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA Avaliação da Conformidade de Produtos com especificação GD&T Tolerância Geométrica e Dimensionamento Joel Alves da Silva JAS-METRO Soluções

Leia mais

artesanal digital 02/11/2015 artesanal digital UFJF C.A.U Expressão e Representação Gráfica Digital GRADE DE REPRESENTAÇÃO GRADE DE REPRESENTAÇÃO

artesanal digital 02/11/2015 artesanal digital UFJF C.A.U Expressão e Representação Gráfica Digital GRADE DE REPRESENTAÇÃO GRADE DE REPRESENTAÇÃO 2º 3º 1º 2º 3º 1º /11/2015 artesanal digital Matriz curricular do CAU http://www.ufjf.br/arquitetura/ Profª. Juliane Figueiredo Prof. Frederico Braida 01 Profª. Juliane Figueiredo 01 GRADE DE REPRESENTAÇÃO

Leia mais

Limites Cálculo diferencial Cálculo integral Aplicações

Limites Cálculo diferencial Cálculo integral Aplicações PLANO DE ENSINO Disciplina Cálculo Diferencial e Integral Código Docente Daniela Macêdo Damaceno Pinheiro Semestre 2015.1 Carga horária 80h Limites Cálculo diferencial Cálculo integral Aplicações 1 EMENTA

Leia mais

SSC546 Avaliação de Sistemas Computacionais Parte 1 -Aula 3 Sarita Mazzini Bruschi

SSC546 Avaliação de Sistemas Computacionais Parte 1 -Aula 3 Sarita Mazzini Bruschi Universidade de São Paulo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Sistemas de Computação SSC546 Avaliação de Sistemas Computacionais Parte 1 -Aula 3 Sarita Mazzini Bruschi Material

Leia mais

Currículos dos Cursos UFV CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. COORDENADOR Alcione de Paiva Oliveira

Currículos dos Cursos UFV CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. COORDENADOR Alcione de Paiva Oliveira 82 Currículos dos Cursos UFV CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO COORDENADOR Alcione de Paiva Oliveira alcione@dpi.ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2013 83 Bacharelado ATUAÇÃO A Ciência da Computação caracteriza-se

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio. Habilitação Profissional: Técnico em informática para Internet Integrado ao Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio. Habilitação Profissional: Técnico em informática para Internet Integrado ao Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2015 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Matemática Componente Curricular: Matemática Série: 1ª Eixo Tecnológico:

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM FABRICAÇÃO MECÂNICA. Faculdade SENAI Antônio Adolpho Lobbe São Carlos

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM FABRICAÇÃO MECÂNICA. Faculdade SENAI Antônio Adolpho Lobbe São Carlos CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM FABRICAÇÃO MECÂNICA Faculdade SENAI Antônio Adolpho Lobbe São Carlos SITE MEC CATÁLOGO NACIONAL O QUE É UM CURSO DE TECNOLOGIA? Proposta do CST Formação específica (especializada)

Leia mais

Conceitos Básicos INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO E SUAS APLICAÇÕES

Conceitos Básicos INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO E SUAS APLICAÇÕES FACULDADE DOS GUARARAPES INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO E SUAS APLICAÇÕES Conceitos Básicos Prof. Rômulo César romulodandrade@gmail.com romulocesar@faculdadeguararapes.edu.br www.romulocesar.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

MECÂNICA. Curso Técnico Subsequente em MATRIZ CURRICULAR. Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 300h. Módulo/Semestre 2 Carga horária total: 300h

MECÂNICA. Curso Técnico Subsequente em MATRIZ CURRICULAR. Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 300h. Módulo/Semestre 2 Carga horária total: 300h Curso Técnico Subsequente em MECÂNICA CÂMPUS JARAGUÁ DO SUL RAU (GW) MATRIZ CURRICULAR Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 300h MECÂNICA TÉCNICA - (MTE) 75 Ensino médio completo DESENHO TÉCNICO - (DTE)

Leia mais

EXAME DE APROVEITAMENTO DE ESTUDOS

EXAME DE APROVEITAMENTO DE ESTUDOS EXAME DE APROVEITAMENTO DE ESTUDOS DIA 24/07 quarta feira - 19:00 CURSOS/ DISCIPLINAS Disciplinas SALAS DE AULA TODOS OS CURSOS Física I, II, III Q302 Metodologia Cientifica Mecânica Geral Álgebra Linear

Leia mais

Curso Técnico em Eletromecânica

Curso Técnico em Eletromecânica Curso Técnico em Eletromecânica Edição 2009-2 2 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS DE ARARANGUÁ

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Engenharia Mecânica 8ª Série Engenharia Integrada por Computador A atividade prática supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem desenvolvido

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Processos de Usinagem Código da Disciplina: NDC 177 Curso: Engenharia Mecânica e Produção Semestre de oferta da disciplina: 8º Faculdade responsável: NDC Programa em

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CURRÍCULO PLENO BACHARELADO 1 CICLO/MÓDULO A Ciências Exatas I Álgebra Linear 02 0 02 40 Cálculo Diferencial e Integral I 04 0 04 80 Cálculo Vetorial e Geometria Analítica

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec: Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Comunicação e Informação Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de

Leia mais

DISCIPLINAS DOS CERTIFICADOS DE ESTUDOS ESPECIAIS

DISCIPLINAS DOS CERTIFICADOS DE ESTUDOS ESPECIAIS Relação das disciplinas necessárias para obtenção de certificado de estudos especiais em: Controle e automação; Engenharia automobilística; Engenharia biomédica; Engenharia de estruturas; Engenharia de

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Controle de Processos Industriais Habilitação Profissional: Técnico em Mecânica

Leia mais

Unidade 4 Projeto de Banco de Dados

Unidade 4 Projeto de Banco de Dados Unidade 4 Projeto de Banco de Dados Engenharia de Computação / Engenharia de Produção Banco de Dados Prof. Maria das Graças da Silva Teixeira Material base: Banco de Dados, 2009.2, prof. Otacílio José

Leia mais

Processos de Desenvolvimento de Software. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 2

Processos de Desenvolvimento de Software. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 2 Processos de Desenvolvimento de Software Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 2 A Engenharia de Software Uma Tecnologia em Camadas Gerenciamento da Qualidade Total e filosofias

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular

Ficha de Unidade Curricular Ficha de Unidade Curricular Unidade Curricular Designação Forma e Design (prática laboratorial) Área Científica: Design de Produto Ciclo de Estudos: Licenciatura Carácter: Obrigatória Semestre: 1º ECTS:

Leia mais

Normas de Estágio Curricular Não Obrigatório Remunerado. Instituto de Ciências Exatas e Tecnológicas - ICET. - Curso de Engenharia Mecânica

Normas de Estágio Curricular Não Obrigatório Remunerado. Instituto de Ciências Exatas e Tecnológicas - ICET. - Curso de Engenharia Mecânica Normas de Estágio Curricular Não Obrigatório Remunerado Instituto de Ciências Exatas e Tecnológicas - ICET - Curso de Engenharia Mecânica Currículo 2013/01 Descrição do Curso: O Curso de graduação em Engenharia

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 1ª Série Desenho Técnico Engenharia da Computação A atividade prática supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem desenvolvido por meio

Leia mais

CONHEÇA AGORA UM DOS MAIORES PROGRAMAS DE FORMAÇÃO CONTINUADA EM METROLOGIA TRIDIMENSIONAL DO MUNDO. DESENVOLVIDO E REALIZADO NO BRASIL.

CONHEÇA AGORA UM DOS MAIORES PROGRAMAS DE FORMAÇÃO CONTINUADA EM METROLOGIA TRIDIMENSIONAL DO MUNDO. DESENVOLVIDO E REALIZADO NO BRASIL. CONHEÇA AGORA UM DOS MAIORES PROGRAMAS DE FORMAÇÃO CONTINUADA EM METROLOGIA TRIDIMENSIONAL DO MUNDO. DESENVOLVIDO E REALIZADO NO BRASIL. Formação Avançada em Metrologia 3D TECNOLOGIAS DE MEDIÇÃO AVANÇADAS

Leia mais

Curso de Graduação em Engenharia, Habilitação em Engenharia Elétrica... Estrutura Curricular:

Curso de Graduação em Engenharia, Habilitação em Engenharia Elétrica... Estrutura Curricular: Curso de Graduação em Engenharia, Habilitação em Engenharia... Estrutura Curricular: Curso: 3 ENGENHARIA ELÉTRICA Currículo: 4 Ênfase: Eletrotécnica Resolução UNESP 33, de 24/6/1988 (ingressantes a partir

Leia mais

TITULAÇÕES LEGENDAS: LP (LICENCIATURA PLENA) EII (ESQUEMA II)

TITULAÇÕES LEGENDAS: LP (LICENCIATURA PLENA) EII (ESQUEMA II) TITULAÇÕES LEGENDAS: LP (LICENCIATURA PLENA) EII (ESQUEMA II) 01 - Eletricidade (Manutenção e Suporte em Informática) Eletroeletrônica (EII) Eletromecânica (EII) Eletrônica (EII) Eletrotécnica (EII) Engenharia

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA CAMPUS SANTA ROSA Rua Uruguai, 1675Bairro Central CEP: 98900.000

Leia mais

Grade Curricular do Curso de Graduação em Engenharia de Computação

Grade Curricular do Curso de Graduação em Engenharia de Computação Grade Curricular do Curso de Graduação em Engenharia de Computação Currículo 6 Aprovado pelo CDI em 30/05/16 - Carga Horária - Carga Horária Núcleo Básico 1.280h Carga Horária Núcleo Profissionalizante

Leia mais

Disciplinas Fundamentais Curso de Especialização em Administração Industrial (CEAI)

Disciplinas Fundamentais Curso de Especialização em Administração Industrial (CEAI) Disciplinas Fundamentais - 2007 Curso de Especialização em Administração Industrial (CEAI) Administração da Produtividade Produção X Produtividade Indicadores de produtividade: globais e parciais Balanced

Leia mais

FIGURA 40 Geometria 7 utilizada para teste do sistema. TABELA 21 Programas CNC que foram utilizados para produzir a geometria da figura 40

FIGURA 40 Geometria 7 utilizada para teste do sistema. TABELA 21 Programas CNC que foram utilizados para produzir a geometria da figura 40 111 FIGURA 40 Geometria 7 utilizada para teste do sistema TABELA 21 Programas CNC que foram utilizados para produzir a geometria da figura 40 Programa CNC G90 x100 g3 x86.61 y49.98 r27 g90 x100.79 y37.01

Leia mais

SOFTWARE EDUCACIONAL PARA ELABORAÇÃO DE PROVAS E EXERCÍCIOS

SOFTWARE EDUCACIONAL PARA ELABORAÇÃO DE PROVAS E EXERCÍCIOS SUZETE KEINER SOFTWARE EDUCACIONAL PARA ELABORAÇÃO DE PROVAS E EXERCÍCIOS CIOS Orientador: Prof.. Carlos Eduardo Negrão Bizzotto ROTEIRO Introdução Objetivos Informática na Educação Etapas de Implantação

Leia mais

UFV Catálogo de Graduação ENGENHARIA MECÂNICA. COORDENADOR Charles Luís da Silva

UFV Catálogo de Graduação ENGENHARIA MECÂNICA. COORDENADOR Charles Luís da Silva UFV Catálogo de Graduação 2014 271 ENGENHARIA MECÂNICA COORDENADOR Charles Luís da Silva charles.silva@ufv.br 272 Currículos dos Cursos do CCE UFV Engenheiro Mecânico ATUAÇÃO O curso de Engenharia Mecânica

Leia mais

Michele David da Cruz. Desenho Técnico. 1ª Edição.

Michele David da Cruz. Desenho Técnico. 1ª Edição. Michele David da Cruz Desenho Técnico 1ª Edição www.editoraerica.com.br 1 Sumário Capítulo 1 - Aplicação e Classificação de Desenhos Técnicos... 11 1.1 Aplicação de desenhos técnicos... 11 1.2 Classificação...

Leia mais

CURRÍCULO DO CURSO. 1º Fase

CURRÍCULO DO CURSO. 1º Fase Objetivo: Titulação: Diplomado em: Engenheiro de Controle e Automação Engenharia, áreas Elétrica e Mecânica, habilitação Controle e Automação Período de Conclusão do Curso: Carga Horária Obrigatória: Mínimo:

Leia mais

Percepção Humana na Visualização de Grandes Volumes de Dados: Estudo, Aplicação e Avaliação

Percepção Humana na Visualização de Grandes Volumes de Dados: Estudo, Aplicação e Avaliação Universidade do Porto Faculdade de Engenharia Mestrado em Tecnologia Multimédia Introdução à Investigação Percepção Humana na Visualização de Grandes Volumes de Dados: Dulclerci Sternadt Alexandre (Licenciada

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 099/2016

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 099/2016 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 099/2016 Altera o Currículo do Curso de Engenharia de Controle e Automação, regime seriado semestral. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade do Processo nº MEC- 481/2012,

Leia mais

Paradigmas da Engenharia de Software AULA PROF. ABRAHAO LOPES

Paradigmas da Engenharia de Software AULA PROF. ABRAHAO LOPES Paradigmas da Engenharia de Software AULA 03-04 PROF. ABRAHAO LOPES Introdução O processo de software é visto por uma sequência de atividades que produzem uma variedade de documentos, resultando em um

Leia mais

1º Período (39 aulas)

1º Período (39 aulas) ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES SECUNDÁRIO DISCIPLINA: Geometria Descritiva A TURMAS: A e G ANO: 0º ANO LETIVO 20/202 COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ATIVIDADES ESTRATÉGIAS AULAS PREVISTAS

Leia mais

. Vistas ortográficas: desenhos resultantes das projeções ortogonais do objeto

. Vistas ortográficas: desenhos resultantes das projeções ortogonais do objeto 1 Curso: Engenharia Disciplina: Desenho Técnico Prof.ª Me. Aline Ribeiro PROJEÇÕES ORTOGONAIS 1. GEOMETRIA DESCRITIVA. Método desenvolvido por Gaspard Monge no século XVIII com o objetivo de representar

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº 95 aprovado pela portaria Cetec nº 38 de 30/10/2009 Etec Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e Processos

Leia mais

LIMITES E DERIVADAS COM O SOFTWARE MATHEMATICA 10.3

LIMITES E DERIVADAS COM O SOFTWARE MATHEMATICA 10.3 Sociedade Brasileira de Matemática Matemática na Contemporaneidade: desafios e possibilidades LIMITES E DERIVADAS COM O SOFTWARE MATHEMATICA 10.3 Cláudio Firmino Arcanjo Secretaria de Estado da de Alagoas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO Ano Semestre Letivo 2015 2º Semestre 1. Identificação Código 1.1 Disciplinas: ELEMENTOS DE MÁQUINAS 1.2

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO Ano Semestre Letivo 2016 1 1. Identificação Código 1.1 Disciplina: Processos de Fabricação Mecânica 1640059

Leia mais

ANEXO: ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DA UFCG

ANEXO: ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DA UFCG ANEXO: ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DA UFCG I. CONTEÚDOS BÁSICOS (Carga horária de 1740 horas) 1.1 - FORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA (Carga horária: 1425 horas) 1.1.1 - MATEMÁTICA

Leia mais

AULA 01: APRESENTAÇÃO

AULA 01: APRESENTAÇÃO ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES I AULA 01: APRESENTAÇÃO Prof. Max Santana Rolemberg Farias max.santana@univasf.edu.br Colegiado de Engenharia de Computação QUAIS OS OBJETIVOS DESSA DISCIPLINA?

Leia mais

A Área de Fabricação e suas Particularidades

A Área de Fabricação e suas Particularidades A Área de Fabricação e suas Particularidades Prof. Rolf Bertrand Schroeter 7/8/2014 Fabricação R. Schroeter 1/22 Tópicos da Apresentação Motivação Áreas de Concentração e seus Representantes A Área de

Leia mais

ANEXO III NORMAS COMPLEMENTARES

ANEXO III NORMAS COMPLEMENTARES ANEXO III NORMAS COMPLEMENTARES Normas Complementares, relativas aos perfis dos candidatos, temas e as especificações das Provas Teórico-Práticas dos concursos para Professores Efetivos da Escola de Belas

Leia mais

As técnicas de concepção

As técnicas de concepção As técnicas de concepção Acadêmicos: Bruno Amaral de Sousa Claudivan Gottardi Guilherme Assufi Dallanol Marlon Victor de Paula Objetivo Demonstrar técnicas destinadas a implementar as especificações para

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR TÉCNICO NA ÁREA DE TELECOMUNICAÇÕES: HABILITAÇÃO TÉCNICO EM TELECOMUNICAÇÕES NA MODALIDADE A DISTÂNCIA

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR TÉCNICO NA ÁREA DE TELECOMUNICAÇÕES: HABILITAÇÃO TÉCNICO EM TELECOMUNICAÇÕES NA MODALIDADE A DISTÂNCIA ORGANIZAÇÃO CURRICULAR TÉCNICO NA ÁREA DE TELECOMUNICAÇÕES: HABILITAÇÃO TÉCNICO EM TELECOMUNICAÇÕES NA MODALIDADE A DISTÂNCIA DC 4014 08/10/13 Rev. 02 1.Dados Legais Autorizado pelo Parecer 324 de 21/11/2006,

Leia mais

UFV Catálogo de Graduação ENGENHARIA MECÂNICA. COORDENADOR Charles Luis da Silva

UFV Catálogo de Graduação ENGENHARIA MECÂNICA. COORDENADOR Charles Luis da Silva UFV Catálogo de Graduação 2013 141 ENGENHARIA MECÂNICA COORDENADOR Charles Luis da Silva charles.silva@ufv.br 142 Currículos dos Cursos UFV Engenheiro Mecânico ATUAÇÃO O curso de Engenharia Mecânica da

Leia mais

Todos os Cursos. Nome do curso Tipo de curso Carga horária Descrição

Todos os Cursos. Nome do curso Tipo de curso Carga horária Descrição Confeccionador de esquadrias de 240 horas Profissional Confeccionador de Esquadrias de Madeira capacita você a realizar trabalhos de carpintaria. Com a qualificação você vai conhecer os materiais, ferramentas

Leia mais

CALENDÁRIO ESCOLAR PREVISTO... 3 INSTRUÇÕES... 4

CALENDÁRIO ESCOLAR PREVISTO... 3 INSTRUÇÕES... 4 Sumário CALENDÁRIO ESCOLAR PREVISTO... 3 INSTRUÇÕES... 4 Programador de Manufatura Assistida por Computador (CAM)... 5 SolidWorks... 6 Inventor... 7 Torneiro Mecânico... 8 Operações em Torneiro Mecânico...

Leia mais

OBJETIVOS. Geral CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. 1. O Desenho 1. Introdução 2. Desenho normatizado x desenho artístico

OBJETIVOS. Geral CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. 1. O Desenho 1. Introdução 2. Desenho normatizado x desenho artístico DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Disciplina: Desenho Técnico e CAD Curso: Técnico Integrado em Eletromecânica Série: 2ª Carga Horária: 100 h.r Docente Responsável: EMENTA Introdução ao desenho; aspectos

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DE 2014

ESTRUTURA CURRICULAR DE 2014 PRÓ-REITORIA GRADUAÇÃO ESCOLA POLITÉCNICA ANEXO F ESTRUTURA CURRICULAR 2014 1º semestre S OBRIGATÓRIAS D E AULA TRAB. TOTAL MAC2166 - Introdução à Computação 4 0 60 1 MAT2453 - Cálculo Diferencial e Integral

Leia mais

CONDIÇÕES DE OFERTA PARA CADASTRO DO CURSO PARA ACOMPANHAMENTO E CONTROLE ACADÊMICO Nome do curso Ciência da Computação Condições de Oferta do Curso

CONDIÇÕES DE OFERTA PARA CADASTRO DO CURSO PARA ACOMPANHAMENTO E CONTROLE ACADÊMICO Nome do curso Ciência da Computação Condições de Oferta do Curso CONEP UFSJ Parecer N o 066/2009 Aprovado em 02/12/2009 ANEXO A: ORIENTAÇÕES PARA OFERTA E CADASTRO DO CURSO CONDIÇÕES DE OFERTA PARA CADASTRO DO CURSO PARA ACOMPANHAMENTO E CONTROLE ACADÊMICO Nome do curso

Leia mais

Engenharia de Inovação. Matriz curricular

Engenharia de Inovação. Matriz curricular Engenharia Inovação Matriz curricular O que é o ISITEC? O Instituto Superior Inovação e Tecnologia ISITEC - é uma instituição ensino superior que implementou no ano 2015 a primeira graduação em Engenharia

Leia mais

Área Disciplinar de Educação Tecnológica. 1º Semestre 15/09/2014 a 24/01/2015 (17 semanas) Aulas Previstas (50 m) 32 a a 34.

Área Disciplinar de Educação Tecnológica. 1º Semestre 15/09/2014 a 24/01/2015 (17 semanas) Aulas Previstas (50 m) 32 a a 34. 1º Semestre 15/09/2014 a 24/01/2015 (17 semanas) 2º Semestre 2/01/2015 a 12/06/2015 (17 semanas) Aulas Previstas 32 a 34 32 a 34 Apresentação 2 2 Diagnose/Gestão de conteúdos 30 a 32 30 a 32 Plano Semestral

Leia mais

Professor.: João Carmo SISTEMAS CAD EM DESENHO TÉCNICO

Professor.: João Carmo SISTEMAS CAD EM DESENHO TÉCNICO Professor.: João Carmo SISTEMAS CAD EM DESENHO TÉCNICO INTRODUÇÃO O desenvolvimento da informática tem desempenhado um papel preponderante em todos os domínios da atividade humana, em especial na Engenharia,

Leia mais