Capacitação sobre as LG de HAS, DM e DRC. Capacitação sobre as Linhas Guia de HAS e DM -DRC-

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Capacitação sobre as LG de HAS, DM e DRC. Capacitação sobre as Linhas Guia de HAS e DM -DRC-"

Transcrição

1 Capacitação sobre as LG de HAS, DM e DRC Capacitação sobre as Linhas Guia de HAS e DM -DRC-

2 Modelo conceitual para DRC Antecedentes potenciais da DRC Estágios da DRC Consequências da DRC Complicações Normal Risco aumentado Lesão TFG FFR Óbito Rastreio para os fatores de risco de DRC Redução de risco para DRC; rastreio para DRC Dx e Rx; Rx das comorbidades; diminuir progressão Estimar a progressão; Rx complicações; preparar para TRS TRS: diálise e TxR Levey AS, Coresh J. Lancet, 2012

3 As principais causas de DRC são: a. Diabetes mellitus e hipertensão arterial b. Hipotiroidismo e aterosclerose c. Glomerulonefrite crônica e insuficiência cardíaca d. Hepatite B e Diabetes insipidus

4 O diagnóstico da DRC baseia-se nos seguintes parâmetros: a. Taxa de filtração glomerular e documentação de lesão do parênquima renal b. Taxa de filtração glomerular e diagnóstico de anemia c. Taxa de filtração glomerular e defeito de concentração urinária d. Taxa de filtração glomerular e defeito de acidificação urinária

5 Atualmente, a DRC é dividida em: a. 2 estágios b. 3 estágios c. 4 estágios d. 5 estágios

6 Com relação a avaliação da TFG, a recomendação atual é: a. Avaliá-la com a uréia plasmática b. Avaliá-la través da dosagem da creatinina plasmática c. Avaliá-la através da taxa de filtração estimada a partir da creatinina d. Avaliá-la através da depuração da inulina

7 A determinação da albuminúria é importante no curso da DRC pois: a. Permite avaliar se há lesão do parênquima renal b. É marcador de evolução adversa c. É marcador de desfecho cardiovascular d. Todas as respostas anteriores

8 São indicações para encaminhamento compartilhado com o nefrologista os usuários hipertensos e diabéticos que: a. Apresentam TFG <45 ml/min/1,73m 2 b. Proteinúria >1,0g ao dia c. Queda da TFG >5 ml/min/ano d. Todas as respostas anteriores

9 Caso clínico SMR, 59 a, masculino, mulato, aposentado, procurou o seu médico da APS por apresentar cefaléia occipital, acompanhada de escotomas cintilantes, iniciados há cerca de dois dias. Ao exame clínico foi observado PA= 190 / 110 mmhg (sentado e de pé), RCR, 2T, bulhas normofonéticas, FR normal, corado e hidratado. Sem edemas de MMII. SMR apresenta HPP de HAS há cerca de 15 anos e DM2 há aproximadamente 5 anos. Faz uso, admitidamente irregular, de hidroclorotiazida, captopril, metformina e sinvastatina. A avaliação laboratorial de março de 2012 evidenciou: Glicemia= 129 mg/dl, hemoglobina glicada= 7,3% Creatinina= 1,8 mg/dl Colesterol total= 201 mg/dl Exame de urina (EAS)= Proteína= 3+ Objetivando um melhor controle da PA, o médico de SMR decidiu aumentar a dose do captopril em uso e acrescentar a Anlodipina. Também solicitou uma atualização dos exames do usário, os quais evidenciaram: Glicemia= 119 mg/dl; hemoglobina glicada= 7,2% Creatinina= 2,3 mg/dl Colesterol total= 198 mg/dl Urina (EAS) --> Proteinúria= 4+; Proteinúria de 24 hs= 4,0 g/d

10 Quais são os achados do caso apresentado que poderiam sugerir a possibilidade de comprometimento renal neste paciente?

11 Caso clínico SMR, 59 a, masculino, mulato, aposentado, procurou o seu médico da APS por apresentar cefaléia occipital, acompanhada de escotomas cintilantes, iniciados há cerca de dois dias. Ao exame clínico foi observado PA= 190 / 110 mmhg (sentado e de pé), RCR, 2T, bulhas normofonéticas, FR normal, corado e hidratado. Sem edemas de MMII. SMR apresenta HPP de HAS há cerca de 15 anos e DM2 há aproximadamente 5 anos. Faz uso, admitidamente irregular, de hidroclorotiazida, captopril, metformina e sinvastatina. A avaliação laboratorial de março de 2012 evidenciou: Glicemia= 129 mg/dl, hemoglobina glicada= 7,3% Creatinina= 1,8 mg/dl Colesterol total= 201 mg/dl Exame de urina (EAS)= Proteína= 3+ Objetivando um melhor controle da PA, o médico de SMR decidiu aumentar a dose do captopril em uso e acrescentar a Anlodipina. Também solicitou uma atualização dos exames do usário, os quais evidenciaram: Glicemia= 119 mg/dl; hemoglobina glicada= 7,2% Creatinina= 2,3 mg/dl Colesterol total= 198 mg/dl Urina (EAS) --> Proteinúria= 4+; Proteinúria de 24 hs= 4,0 g/d

12 Caso clínico SMR, 59 a, masculino, mulato, aposentado, procurou o seu médico da APS por apresentar cefaléia occipital, acompanhada de escotomas cintilantes, iniciados há cerca de dois dias. Ao exame clínico foi observado PA= 190 / 110 mmhg (sentado e de pé), RCR, 2T, bulhas normofonéticas, FR normal, corado e hidratado. Sem edemas de MMII. SMR apresenta HPP de HAS há cerca de 15 anos e DM2 há aproximadamente 5 anos. Faz uso, admitidamente irregular, de hidroclorotiazida, captopril, metformina e sinvastatina. A avaliação laboratorial de março de 2012 evidenciou: Glicemia= 129 mg/dl, hemoglobina glicada= 7,6% Creatinina= 1,8 mg/dl Colesterol total= 201 mg/dl Exame de urina (EAS)= Proteína= 3+ Objetivando um melhor controle da PA, o médico de SMR decidiu aumentar a dose do captopril em uso e acrescentar a Anlodipina. Também solicitou uma atualização dos exames do usário, os quais evidenciaram: Glicemia= 119 mg/dl; hemoglobina glicada= 7,4% Creatinina= 2,3 mg/dl Colesterol total= 198 mg/dl Urina (EAS) --> Proteinúria= 4+; Proteinúria de 24 hs= 4,0 g/d

13 DEFINIÇÃO DA DOENÇA RENAL CRÔNICA

14 Lesão do parênquima renal TFG Cronocidade (>3 meses) Capacitação sobre LG de HAS e DM Pilares da definição da DRC DRC <60 ml/min/1,73 m 2 Bastos MG, 2013

15 O Sr. SMR apresenta DRC Lesão no parênquima (estrutura) renal Taxa Filtração Glomerular estimada Creatinina Albuminúria (proteinúria) Creatinina

16 Como caracterizar a lesão do parênquima renal

17 A perda de albumina na urina é o principal marcador de lesão renal no paciente diabético e hipertenso.

18 Lesão no parênquima (estrutura) renal O Sr. SMR apresenta DRC Resultado em cruzes Albuminúria (proteinúria) Amostra isolada Dosagem na urina (resultado: mg ou g) Amostra de 24 h

19 MICROALBUMINURIA 24 Hours OvernightSPOT (alb/creat mg/g creat) (mg/24 h µg/min) male female Normal High Normal Microalbuminuria Macroalbuminuria > 300 >200 >200 >300 Fever, infections, exercising, heart failure, NSAIDs, ACEi,ARBs hyperglicemia...

20 Alterações Estruturais - US

21

22

23 Como documentar a diminuição da capacidade de filtração renal

24 O Sr. SMR apresenta DRC Taxa Filtração Glomerular estimada Creatinina Creatinina

25 Como avaliar funcionalmente os rins Filtração Creatinina Urina (creatinina)

26 É prudente avaliar o funcionamento renal utilizando SOMENTE a dosagem da creatinina no sangue

27 Quem produz mais creatinina Cr= 1,5 mg/dl Cr= 0,5 mg/dl Creatinina

28 Quem apresenta melhor função renal 92 a, Cr= 1,1 mg/dl 21 a, Cr= 1,1 mg/dl TFGe= 44 ml/min/1,73 m 2 TFGe= 72 ml/min/1,73 m 2

29 Creatinina sérica (mg/dl) Capacitação sobre LG de HAS e DM Avaliação do componente funcional (TFG) 10 Idoso Jovem 1 Normal Filtração glomerular (ml/min/1,73 m 2 ) Cur Opinion Nephrol Hypertens 2008;17:

30 Como avaliar a capacidade de filtração renal

31 AVALIAÇÃO DA FILTRAÇÃO GLOMERULAR DEPURAÇÃO DA CREATININA (N= ml/min) 1.URINA DE 24 horas C urina x volume / C plasma 2. DEPURAÇÃO APROXIMADA (140 - Idade) x Peso / 72 x C plasma (Cockroft-Gault) * 0,85 sexo fem. 3. FÓRMULA DO MDRD Equation is GFR = 186 x Scr x age x if black x if female 4. OUTRAS Saracino Schwartz Levey.. CKD-EPI

32 3. FÓRMULA DO MDRD

33 AVALIAÇÃO IMEDIATA DA TFG Rita M.R. Bastos e Marcus G. Bastos (JBN, 2005)

34 CKD-EPI: A New GFR calculator

35 Taxa de filtração glomerular estimada (CKD-EPI) Idade Capacitação sobre LG de HAS e DM Homens O Sr. SMR apresenta DRC Creatinina (mg/dl) TFGe <60 ml/min/1,73 m 2 = DRC

36 O Sr. SMR apresenta DRC Caracterizar a cronicidade das alterações encontradas ( 90 dias)

37 Se o senhor SMR apresenta DRC, em que estágio da doença ele se encontra

38 Estagiamento (classificação) da DRC Estágio TFGe Comentários 1 90 Função renal normal Função levemente diminuída 3A Função renal moderadamente diminuída 3B Função renal moderadamente diminuída Função renal gravemente diminuída 5 <15 Falência funcional renal TFGe= Taxa de filtração glomerular (ml/min/1,73 m 2 ) DRC= Doença renal crônica

39 Estagiamento (classificação) da DRC Estágio TFGe Albuminúria (proteinúria) 1 90 SIM SIM 3A SIM ou NÃO 3B SIM ou NÃO SIM ou NÃO 5 <15 SIM ou NÃO TFGe= Taxa de filtração glomerular (ml/min/1,73 m 2 ) DRC= Doença renal crônica

40 O Sr. SMR tem indicação para acompanhamento conjunto no CHDM Estágio da DRC Quantidade de proteinúria Velocidade de queda da TFGe

41 O Sr. SMR tem indicação para acompanhamento conjunto no CHDM Estágio da DRC Quantidade de proteinúria Velocidade de queda da TFGe

42 60 anos Masculino Creatinina= 2,3 mg/dl 30 ml/min/1,73 m 2 Estágio 3B

43 Critérios de encaminhamento ao Centro Hiperdia Minas Estágio TFGe* <30 Albuminúria (mg/g) > Não Não** Não** Sim Não Não** Não** Sim 3A Não Não** Não** Sim 3B Sim Sim Sim Sim Sim Sim Sim Sim 5 <15 Sim Sim Sim Sim *TFGe= Taxa de filtração glomerular estimada em ml/min/1,73 m 2 ; **Exceto se ocorrer albuminúria concomitantemente a hematúria glomerular.

44 O Sr. SMR tem indicação para acompanhamento conjunto no CHDM Estágio da DRC Quantidade de proteinúria Velocidade de queda da TFGe

45 Urina (EAS) Proteinúria= 4+ Proteinúria de 24 hs= 4,0 g/d

46 Critérios de encaminhamento ao Centro Hiperdia Minas Estágio TFGe* <30 Albuminúria (mg/g) > Não Não** Não** Sim Não Não** Não** Sim 3A Não Não** Não** Sim 3B Sim Sim Sim Sim Sim Sim Sim Sim 5 <15 Sim Sim Sim Sim *TFGe= Taxa de filtração glomerular estimada em ml/min/1,73 m 2 ; **Exceto se ocorrer albuminúria concomitantemente a hematúria glomerular.

47 Estágio da DRC Quantidade de proteinúria Velocidade de queda da TFGe

48 O senhor SMR está apresentando perda rápida da função renal

49 Março Cr= 1,8 mg/dl TFGe= 40 ml/min/1,73 m 2 Abril Cr= 2,3 mg/dl TFGe= 30 ml/min/1,73 m 2 Cálculo da velocidade de queda da TFG TFG inicial - TFG final Período de obserservação (meses) X X 12= 9 ml/ano

50 As principais causas de DRC são: a. Diabetes mellitus e hipertensão arterial b. Hipotiroidismo e aterosclerose c. Glomerulonefrite crônica e insuficiência cardíaca d. Hepatite B e Diabetes insipidus

51 O diagnóstico da DRC baseia-se nos seguintes parâmetros: a. Taxa de filtração glomerular e documentação de lesão do parênquima renal b. Taxa de filtração glomerular e diagnóstico de anemia c. Taxa de filtração glomerular e defeito de concentração urinária d. Taxa de filtração glomerular e defeito de acidificação urinária

52 Atualmente, a DRC é dividida em: a. 2 estágios b. 3 estágios c. 4 estágios d. 5 estágios

53 Com relação a avaliação da TFG, a recomendação atual é: a. Avaliá-la com a uréia plasmática b. Avaliá-la través da dosagem da creatinina plasmática c. Avaliá-la através da taxa de filtração estimada a partir da creatinina d. Avaliá-la através da depuração da inulina

54 A determinação da albuminúria é importante no curso da DRC pois: a. Permite avaliar se há lesão do parênquima renal b. É marcador de evolução adversa c. É marcador de desfecho cardiovascular d. Todas as respostas anteriores

55 São indicações para encaminhamento compartilhado com o nefrologista os usuários hipertensos e diabéticos que: a. Apresentam TFG <45 ml/min/1,73m 2 b. Proteinúria >1,0g ao dia c. Queda da TFG >5 ml/min/ano d. Todas as respostas anteriores

56 Taxa de filtração glomerular estimada (CKD-EPI) Idade O Sr. NRF apresenta DRC Homens Creatinina (mg/dl)

ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO

ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE REDES DE ATENÇÃO A SAÚDE DIRETORIA DE REDES ASSISTÊNCIAIS COORDENADORIA DA REDE DE HIPERTENSÃO E DIABETES ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO

Leia mais

A ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO PARA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA, DIABETES MELLITUS E DOENCA RENAL CRÔNICA

A ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO PARA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA, DIABETES MELLITUS E DOENCA RENAL CRÔNICA A ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO PARA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA, DIABETES MELLITUS E DOENCA RENAL CRÔNICA CONTEÚDO EXTRAÍDO DA LINHA-GUIA DE HIPERTENSÃO ARTERIAL, DIABETES MELLITUS E DOENÇA RENAL CRÔNICA

Leia mais

Epidemiologia DIABETES MELLITUS

Epidemiologia DIABETES MELLITUS Epidemiologia DIABETES MELLITUS 300 milhões / mundo ( 5,9% população adulta) / Brasil : > 10 milhões Aumento progressivo : Longevidade, Síndrome metabólica Mortalidade anual : 3,8 milhões AVC, IAM... Amputação

Leia mais

Diretrizes de Prática Clínica para Doença Renal Crônica: Avaliação, Classificação e Estratificação RESUMO EXECUTIVO

Diretrizes de Prática Clínica para Doença Renal Crônica: Avaliação, Classificação e Estratificação RESUMO EXECUTIVO Diretrizes de Prática Clínica para Doença Renal Crônica: Avaliação, Classificação e Estratificação RESUMO EXECUTIVO 1 ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE K/DOQI Estas diretrizes estão baseadas nas melhores informações

Leia mais

1. PREVENÇÃO DA NEFROPATIA DIABÉTICA

1. PREVENÇÃO DA NEFROPATIA DIABÉTICA ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: NÚMERO: 005/2011 DATA: 31/01/2011 Prevenção e Avaliação da Nefropatia Diabética Nefropatia; Diabetes Conselhos Directivos das Administrações Regionais de Saúde,

Leia mais

Por quê abordar a Doença Renal Crônica?

Por quê abordar a Doença Renal Crônica? Por quê abordar a Doença Renal Crônica? Patrícia Ferreira Abreu Secretaria Geral da Sociedade Brasileira de Nefrologia Patrícia Ferreira Abreu Sociedade Brasileira de Nefrologia Critérios para uma doença

Leia mais

1. Estratificação de risco clínico (cardiovascular global) para Hipertensão Arterial Sistêmica

1. Estratificação de risco clínico (cardiovascular global) para Hipertensão Arterial Sistêmica 1. Estratificação de risco clínico (cardiovascular global) para Hipertensão Arterial Sistêmica A VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão (2010) valorizou a estratificação de risco, baseada nos seguintes

Leia mais

Novas diretrizes para pacientes ambulatoriais HAS e Dislipidemia

Novas diretrizes para pacientes ambulatoriais HAS e Dislipidemia Novas diretrizes para pacientes ambulatoriais HAS e Dislipidemia Dra. Carla Romagnolli JNC 8 Revisão das evidências Ensaios clínicos randomizados controlados; Pacientes hipertensos com > 18 anos de idade;

Leia mais

CREATININA CREATININIUM

CREATININA CREATININIUM CREATININA CREATININIUM CBHPM 4.03.01.63-0 AMB 28.01.054-0 Sinonímia: Creatininium. Glicolmetilguanidina. Creatinina endógena. 2-imino-1-metilimidazolidin-4-ona. 1-metilhidantoin-2-imida. Fisiologia: Fórmula

Leia mais

Tratamento multidisciplinar na doença renal crônica prédialítica: uma análise de custo-efetividade T Í T U LO DA APRESENTAÇÃO:

Tratamento multidisciplinar na doença renal crônica prédialítica: uma análise de custo-efetividade T Í T U LO DA APRESENTAÇÃO: Universidade Federal de Juiz de Fora Programa de Pós-Graduação em Saúde Área de Concentração Saúde Brasileira Niepen Núcleo Interdisciplinar de Estudos, Pesquisas e Tratamento em Nefrologia Disciplinas:

Leia mais

ALTERAÇÕES RENAIS. Texto extraído do Editorial do Endocrinologia&Diabetes clínica e experimental vol. 7 número 3, julho/2007.

ALTERAÇÕES RENAIS. Texto extraído do Editorial do Endocrinologia&Diabetes clínica e experimental vol. 7 número 3, julho/2007. ALTERAÇÕES RENAIS E.D. teve seu diabetes diagnosticado em 1985, nessa época tinha 45 anos e não deu muita importância para os cuidados que seu médico lhe havia recomendado, sua pressão nesta época era

Leia mais

AVALIAÇÃO DA FUNÇÃO RENAL DE IDOSOS ATENDIDOS NO CENTRO DE HEMATOLOOGIA E LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS-LTDA

AVALIAÇÃO DA FUNÇÃO RENAL DE IDOSOS ATENDIDOS NO CENTRO DE HEMATOLOOGIA E LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS-LTDA AVALIAÇÃO DA FUNÇÃO RENAL DE IDOSOS ATENDIDOS NO CENTRO DE HEMATOLOOGIA E LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS-LTDA Lucas Linhares de Lócio 1 ; Heronides dos Santos Pereira 2 ; Sarah Pereira Lins 3 ; Sabrina

Leia mais

Critérios para Definir a Doença Renal Crônica

Critérios para Definir a Doença Renal Crônica Critérios para Definir a Doença Renal Crônica Dra. Laura Cortés Sanabria Médica Internista, Pesquisadora Clínica Unidade de Pesquisa Médica em Doenças Renais IMSS, Guadalajara. México Objetivo Compreender

Leia mais

Workshop sobre as Linhas

Workshop sobre as Linhas Workshop Capacitação sobre Linha Guia LG HAS/ de HAS DM/ DRC e DM Capacitação Linha Guia de hipertensão arterial, diabetes mellitus Guias e doença de renal HAS crônica e DM Região Ampliada -DRC-de Saúde

Leia mais

USO DO HIPERDIA NA ATENÇÃO BÁSICA. Dr. EDSON AGUILAR PEREZ

USO DO HIPERDIA NA ATENÇÃO BÁSICA. Dr. EDSON AGUILAR PEREZ Dr. EDSON AGUILAR PEREZ QUADRO ATUAL HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES MELLITUS DOENÇAS CRÔNICAS NÃO-TRANSMISSÍVEIS APRESENTANDO A MAIOR MAGNITUDE ELEVADO NÚMERO DE CONSULTAS DE ROTINA, DE EMERGÊNCIA E URGÊNCIA

Leia mais

O Paciente Difícil de Tratar com Diabetes e Várias Comorbidades, Parte 3: Controle Glicêmico na Doença Renal Crônica Amena a Moderada

O Paciente Difícil de Tratar com Diabetes e Várias Comorbidades, Parte 3: Controle Glicêmico na Doença Renal Crônica Amena a Moderada Apoiado por um subsídio educacional independente de Boehringer Ingelheim e Lilly Dr. PhD André Scheen: Olá e bem-vindos a este programa educativo da Medscape, O Complexo Paciente com Diabetes e Comorbidades,

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE DIRETRIZES CLÍNICAS PARA O CUIDADO AO PACIENTE COM DOENÇA RENAL CRÔNICA DRC NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE

MINISTÉRIO DA SAÚDE DIRETRIZES CLÍNICAS PARA O CUIDADO AO PACIENTE COM DOENÇA RENAL CRÔNICA DRC NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE MINISTÉRIO DA SAÚDE DIRETRIZES CLÍNICAS PARA O CUIDADO AO PACIENTE COM DOENÇA RENAL CRÔNICA DRC NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE Brasília- DF 2014 1 MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento

Leia mais

Centro HIPERDIA Juiz de Fora

Centro HIPERDIA Juiz de Fora Centro HIPERDIA Juiz de Fora Capacitação Estratégica: O quê é e como cuidar de hipertensos, diabéticos e renais crônicos nas APS? Recomendações das diretrizes e normas da SES- MG Profa Dra Carla M Lanna

Leia mais

1- hipertensão arterial. 2- hiperglicemia. 3- presença de proteinúria. 4- ingesta proteica elevada. 5- obesidade

1- hipertensão arterial. 2- hiperglicemia. 3- presença de proteinúria. 4- ingesta proteica elevada. 5- obesidade COMO PREVENIR A DOENÇA RENAL CRÔNICA NA ATENÇÃO BÁSICA Fatores de risco para perda de função renal 1- hipertensão arterial 2- hiperglicemia 3- presença de proteinúria 4- ingesta proteica elevada 5- obesidade

Leia mais

Modelo de Atenção às Condições Crônicas. Seminário II. Laboratório de Atenção às Condições Crônicas

Modelo de Atenção às Condições Crônicas. Seminário II. Laboratório de Atenção às Condições Crônicas Modelo de Atenção às Condições Crônicas Seminário II Laboratório de Atenção às Condições Crônicas A Estratificação de Risco na SMS de Curitiba HAS Diabete melito + Laboratório de Inovações na Atenção às

Leia mais

COST OF TREATMENT OF PATIENTS WITH CHRONIC RENAL FAILURE END STAGE IN SÃO PAULO IN THE PERIOD FROM 2008 TO 2012

COST OF TREATMENT OF PATIENTS WITH CHRONIC RENAL FAILURE END STAGE IN SÃO PAULO IN THE PERIOD FROM 2008 TO 2012 Science in Health jan-abr 2014; 5(1): 6-11 CUSTO DO TRATAMENTO DOS PACIENTES COM INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA EM ESTÁGIO TERMINAL NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO, NO PERÍODO DE 2008 A 2012. COST OF TREATMENT

Leia mais

O Diabetes Tipo 2 em Pacientes com Doença Renal Crônica: Estratégias e Opções de Tratamento

O Diabetes Tipo 2 em Pacientes com Doença Renal Crônica: Estratégias e Opções de Tratamento Apoiado por um subsídio educacional independente de Boehringer Ingelheim e Lilly Caso 1 Uma mulher de 55 anos de idade recentemente foi diagnosticada com diabetes mellitus tipo 2 (DMT2). Seu clínico geral

Leia mais

RASTREAMENTO DA DOENÇA RENAL CRÔNICA (DRC) NA POPULAÇÃO DO MUNICÍPIO DE DOURADOS, MS. RESUMO

RASTREAMENTO DA DOENÇA RENAL CRÔNICA (DRC) NA POPULAÇÃO DO MUNICÍPIO DE DOURADOS, MS. RESUMO RASTREAMENTO DA DOENÇA RENAL CRÔNICA (DRC) NA POPULAÇÃO DO MUNICÍPIO DE DOURADOS, MS. Jaqueline Lima de Menezes 1,2 ;Bianca Diana Alves,2 ;Bruna Luiza Guerrer,2 ;Adolfo Henrique Costa dos Santos 2 ; Márcio

Leia mais

Administração dos riscos cardiovasculares Resumo de diretriz NHG M84 (segunda revisão, janeiro 2012)

Administração dos riscos cardiovasculares Resumo de diretriz NHG M84 (segunda revisão, janeiro 2012) Administração dos riscos cardiovasculares Resumo de diretriz NHG M84 (segunda revisão, janeiro 2012) traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização para uso e divulgação sem

Leia mais

Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica. Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira

Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica. Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira O QUE É HIPERTENSÃO ARTERIAL? Condição clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE DIRETRIZES CLÍNICAS PARA O CUIDADO AO PACIENTE COM DOENÇA RENAL CRÔNICA DRC NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE

MINISTÉRIO DA SAÚDE DIRETRIZES CLÍNICAS PARA O CUIDADO AO PACIENTE COM DOENÇA RENAL CRÔNICA DRC NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE MINISTÉRIO DA SAÚDE DIRETRIZES CLÍNICAS PARA O CUIDADO AO PACIENTE COM DOENÇA RENAL CRÔNICA DRC NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE Brasília- DF 2014 1 MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento

Leia mais

Identificar como funciona o sistema de gestão da rede (espaços de pactuação colegiado de gestão, PPI, CIR, CIB, entre outros);

Identificar como funciona o sistema de gestão da rede (espaços de pactuação colegiado de gestão, PPI, CIR, CIB, entre outros); ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PLANO DE AÇÃO REGIONAL DAS LINHAS DE CUIDADO DAS PESSOAS COM HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA, COM DIABETES MELLITUS E/OU EXCESSO DE PESO NO CONTEXTO DA REDE DE ATENÇÃO

Leia mais

EXPERIÊNCIA INTERDISCIPLINAR: DIA MUNDIAL DO RIM

EXPERIÊNCIA INTERDISCIPLINAR: DIA MUNDIAL DO RIM 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE EXPERIÊNCIA INTERDISCIPLINAR: DIA MUNDIAL DO RIM XAVIER,K.A 1 ALMEIDA,A.E 2 ZIMMERMANN,M.H 3 GONÇALVES, C. S 4 GRDEN,C.R.B 5 RESUMO -

Leia mais

Título do Projeto: CAMPANHA DE RASTREAMENTO, EDUCAÇÃO E SÔNIA MARIA HOLANDA ALMEIDA ARAÚJO

Título do Projeto: CAMPANHA DE RASTREAMENTO, EDUCAÇÃO E SÔNIA MARIA HOLANDA ALMEIDA ARAÚJO Título do Projeto: CAMPANHA DE RASTREAMENTO, EDUCAÇÃO E CONSCIENTIZAÇÃO SOBRE DOENÇA RENAL CRÔNICA Nome da Liga: LIGA DE PREVENÇÃO DA DOENÇA RENAL Tutores: ELIZABETH DE FRANCESCO DAHER SÔNIA MARIA HOLANDA

Leia mais

DIVERSIDADE DOS MEIOS DE CONTRASTE : COMO SELECIONAR ENTRE OS DIFERENTES TIPOS E OS CUIDADOS PARA A NEFROPOTEÇÃO

DIVERSIDADE DOS MEIOS DE CONTRASTE : COMO SELECIONAR ENTRE OS DIFERENTES TIPOS E OS CUIDADOS PARA A NEFROPOTEÇÃO DIVERSIDADE DOS MEIOS DE CONTRASTE : COMO SELECIONAR ENTRE OS DIFERENTES TIPOS E OS CUIDADOS PARA A NEFROPOTEÇÃO MARINELLA PATRIZIA CENTEMERO SERVIÇO DE CARDIOLOGIA INVASIVA INSTITUTO DANTE PAZZANESE DE

Leia mais

Diagnosis and prevention of chronic kidney allograft loss

Diagnosis and prevention of chronic kidney allograft loss Diagnosis and prevention of chronic kidney allograft loss Brian J Nankivell, Dirk RJ Kuypers Lancet 2011; 378: 1428-37 Moisés Carminatti Últimas décadas: avanços no conhecimento acerca da imunologia do

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Educação em Saúde. Prevenção. Doença Renal Crônica.

PALAVRAS-CHAVE Educação em Saúde. Prevenção. Doença Renal Crônica. 12. CONEX Pôster / Produto/ Resumo 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EVENTO EXPO&FLOR: ATUAÇÃO

Leia mais

Persistent Asymptomatic Isolated Microscopic Hematuria in Israeli Adolescents and Young Adults and Risk for End-Stage Renal Disease

Persistent Asymptomatic Isolated Microscopic Hematuria in Israeli Adolescents and Young Adults and Risk for End-Stage Renal Disease Universidade Federal de Juiz de Fora Núcleo de Estudos e Pesquisas em Nefrologia - Niepen Programa de Educação Continuada Persistent Asymptomatic Isolated Microscopic Hematuria in Israeli Adolescents and

Leia mais

Diabetes mellitus tipo 2 Resumo de diretriz NHG M01 (terceira revisão, outubro 2013)

Diabetes mellitus tipo 2 Resumo de diretriz NHG M01 (terceira revisão, outubro 2013) Diabetes mellitus tipo 2 Resumo de diretriz NHG M01 (terceira revisão, outubro 2013) Rutten GEHM De Grauw WJC Nijpels G Houweling ST Van de Laar FA Bilo HJ Holleman F Burgers JS Wiersma Tj Janssen PGH

Leia mais

Doença com grande impacto no sistema de saúde

Doença com grande impacto no sistema de saúde Por quê abordar a Doença Renal Crônica Cô? PROBLEMA DE SAÚDE PÚBLICA Doença com grande impacto no sistema de saúde Acomete muitas pessoas Vem aumentando nos últimos anos Provavelmente continuará a aumentar

Leia mais

FARMACOLOGIA APLICADA À ODONTOLOGIA EM ATENÇÃO PRIMÁRIA

FARMACOLOGIA APLICADA À ODONTOLOGIA EM ATENÇÃO PRIMÁRIA FARMACOLOGIA APLICADA À ODONTOLOGIA EM ATENÇÃO PRIMÁRIA Maria Beatriz Cardoso Ferreira Departamento de Farmacologia Instituto de Ciências Básicas da Saúde - UFRGS Paciente de 68 anos procura atendimento

Leia mais

Diabetes e Insuficiência Renal Crônica

Diabetes e Insuficiência Renal Crônica Diabetes e Insuficiência Renal Crônica O que é a diabetes? A diabetes mellitus, normalmente conhecida por diabetes (e em alguns países por sugar açúcar) é uma condição que ocorre quando o corpo não fabrica

Leia mais

Avaliação do Risco Cardiovascular SCORE (Systematic Coronary Risk Evaluation) Departamento da Qualidade na Saúde (dqs@dgs.pt)

Avaliação do Risco Cardiovascular SCORE (Systematic Coronary Risk Evaluation) Departamento da Qualidade na Saúde (dqs@dgs.pt) Digitally signed by Francisco Henrique Moura George Francisco DN: c=pt, o=ministério da Saúde, ou=direcção-geral da Henrique Saúde, cn=francisco Henrique George Moura George Moura Date: 2015.01.21 12:20:20

Leia mais

VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS

VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS Leia o código e assista a história de seu Fabrício Agenor. Este é o seu Fabrício Agenor. Ele sempre gostou de comidas pesadas e com muito tempero

Leia mais

VI CONGRESSO DE HIPERTENSÃO DA. HiperDia, desafios futuros e o que esperar?

VI CONGRESSO DE HIPERTENSÃO DA. HiperDia, desafios futuros e o que esperar? VI CONGRESSO DE HIPERTENSÃO DA SBC/DHA HiperDia, desafios futuros e o que esperar? MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção a Saúde - SAS Departamento de Atenção Básica - DAB Coordenação Nacional de Hipertensão

Leia mais

Diabetes Mellitus. Introdução. Sinais e sintomas. Diagnóstico

Diabetes Mellitus. Introdução. Sinais e sintomas. Diagnóstico Diabetes Mellitus Introdução Distúrbio metabólico caracterizado por hiperglicemia crônica e alterações do metabolismo de carboidratos, proteínas e gorduras, decorrentes de defeitos da secreção e/ou ação

Leia mais

CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora

CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora Estudo do Controle da HA Hipertensão Arterial e Perfil Farmacológico pacientes cadastrados no PRC Programa Remédio em Casa UBS Jd. Aurora Subprefeitura de Guaianases

Leia mais

Particularidades no reconhecimento da IRA, padronização da definição e classificação.

Particularidades no reconhecimento da IRA, padronização da definição e classificação. Particularidades no reconhecimento da IRA, padronização da definição e classificação. Camila Eleuterio Rodrigues Médica assistente do grupo de Injúria Renal Aguda do HCFMUSP Doutora em nefrologia pela

Leia mais

DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS 18/9/2014

DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS 18/9/2014 UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª.: FLÁVIA NUNES O Diabetes Mellitus configura-se hoje como uma epidemia mundial, traduzindo-se em grande desafio para os sistemas de saúde de todo o mundo. O envelhecimento

Leia mais

Seminário de Doenças Crônicas

Seminário de Doenças Crônicas Seminário de Doenças Crônicas LINHA DE CUIDADO DE HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES EXPERIÊNCIA DE DIADEMA SP Dra Lidia Tobias Silveira Assistente Gabinete SMS Diadema Linha de cuidado de HAS e DM Experiência

Leia mais

REGULAÇÃO HIDROELETROLÍTICA FUNÇÃO RENAL

REGULAÇÃO HIDROELETROLÍTICA FUNÇÃO RENAL REGULAÇÃO HIDROELETROLÍTICA FUNÇÃO RENAL Bioquímica Profa. Dra. Celene Fernandes Bernardes Referências Bioquímica Clínica M A T Garcia e S Kanaan Bioquímica Mèdica J W Baynes e M H Dominiczack Fundamentos

Leia mais

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso.

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. INSTRUÇÕES 1 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. 2 3 4 Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno,

Leia mais

Centro Hiperdia Minas Juiz de Fora

Centro Hiperdia Minas Juiz de Fora Centro Hiperdia Minas Juiz de Fora Capacitação em Serviço: Como cuidar de hipertensos, diabéticos e renais crônicos nas APS? Recomendações das diretrizes e normas da SES-MG Dra Carla Lanna Dra. Arise Garcia

Leia mais

CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE

CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE Janaína Esmeraldo Rocha, Faculdade Leão Sampaio, janainaesmeraldo@gmail.com

Leia mais

Referência - Revista de Enfermagem ISSN: 0874-0283 referencia@esenfc.pt. Escola Superior de Enfermagem de Coimbra. Portugal

Referência - Revista de Enfermagem ISSN: 0874-0283 referencia@esenfc.pt. Escola Superior de Enfermagem de Coimbra. Portugal Referência - Revista de Enfermagem ISSN: 0874-0283 referencia@esenfc.pt Escola Superior de Enfermagem de Coimbra Portugal Rezende Neta, Dinah Sá; Barros Brandão, Douglas; De Oliveira Silva, Kamila Cristiane;

Leia mais

Doença Renal Crônica (Pré-terapia Renal Substitutiva): Tratamento

Doença Renal Crônica (Pré-terapia Renal Substitutiva): Tratamento Doença Renal Crônica (Pré-terapia Renal Substitutiva): Tratamento Autoria: Sociedade Brasileira de Nefrologia Associação Brasileira de Nutrologia Elaboração Final: 31 de outubro de 2011 Participantes:

Leia mais

REMÉDIO EM CASA MEDICAMENTO DIRETO EM CASA

REMÉDIO EM CASA MEDICAMENTO DIRETO EM CASA Supervisão Técnica de Saúde de Parelheiros REMÉDIO EM CASA MEDICAMENTO DIRETO EM CASA Álbum Seriado REMÉDIO EM CASA O que é o Programa Remédio em Casa? O Programa Remédio em Casa consiste na entrega, via

Leia mais

4.3.2 Doença microvascular e neuropática

4.3.2 Doença microvascular e neuropática Estratégias para o Cuidado da Pessoa com Doença Crônica Diabete Mellitus podendo beneficiarem-se da administração de medicação anti-hipertensiva antes de deitar. Para recomendações de tratamento anti-hipertensivos,

Leia mais

Assistência de Enfermagem em Nefrologia

Assistência de Enfermagem em Nefrologia Assistência de Enfermagem em Nefrologia Waldimir Coelho V Capítulo 1 - SINDROME NEFRÍTICA AGUDA A síndrome nefrítica aguda é a manifestação clínica da inflamação glomerular. A glomerulonefrite referese

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA /2014

RESPOSTA RÁPIDA /2014 RESPOSTA RÁPIDA /2014 SOLICITANTE Curvelo - Juizado Especial NÚMERO DO PROCESSO DATA 3/3/2014 SOLICITAÇÃO 0209 14001499-1 Solicito de Vossa Senhoria que, no prazo de 48 horas, informe a este juízo,acerca

Leia mais

Avaliação da Função Renal. Dr. Alexandre S. Fortini Divisão de Laboratório Central HC-FMUSP

Avaliação da Função Renal. Dr. Alexandre S. Fortini Divisão de Laboratório Central HC-FMUSP Avaliação da Função Renal Dr. Alexandre S. Fortini Divisão de Laboratório Central HC-FMUSP Funções do Rim Balanço hídrico e salino Excreção de compostos nitrogenados Regulação ácido-base Metabolismo ósseo

Leia mais

ANEMIA EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 1

ANEMIA EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 1 ANEMIA EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 1 Matias Nunes Frizzo 2, Paula Caitano Fontela 3, Eliane Roseli Winkelmann 4. 1 Pesquisa realizada no Departamento de Ciências da Vida - Curso de Farmácia

Leia mais

Protocolo para controle glicêmico em paciente não crítico HCFMUSP

Protocolo para controle glicêmico em paciente não crítico HCFMUSP Protocolo para controle glicêmico em paciente não crítico HCFMUSP OBJETIVOS DE TRATAMENTO: Alvos glicêmicos: -Pré prandial: entre 100 e 140mg/dL -Pós prandial: < 180mg/dL -Evitar hipoglicemia Este protocolo

Leia mais

CLÍNICA MÉDICA LIGA DE CLÍNICA MÉDICA UNICID DOENÇA RENAL CRÔNICA DOENÇA RENAL CRÔNICA DOENÇA RENAL CRÔNICA

CLÍNICA MÉDICA LIGA DE CLÍNICA MÉDICA UNICID DOENÇA RENAL CRÔNICA DOENÇA RENAL CRÔNICA DOENÇA RENAL CRÔNICA Volume 1 - Fevereiro 2009 CLÍNICA MÉDICA LIGA DE CLÍNICA MÉDICA UNICID Dr. Egidio Lima Dórea DIFERENÇAS ÉTNICAS NA RESPOSTA RENAL À FUROSEMIDA Tae-Yon Chun, Lise Bankir, George J. Eckert, et al. Hypertension

Leia mais

Abordagem do Paciente Renal F J Werneck

Abordagem do Paciente Renal F J Werneck Síndromes Nefrológicas Síndrome infecciosa: Infecciosa Nefrítica Nefrótica Urêmica Hipertensiva Calculosa - infecção do trato urinário alta: pielonefrite - Infecção do trato urinário baixa: cistite, uretrite

Leia mais

PREVALÊNCIA DE INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA EM PACIENTES DIABETICOS EM UM LABORATORIO CLÍNICO EM CAMPINA GRANDE

PREVALÊNCIA DE INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA EM PACIENTES DIABETICOS EM UM LABORATORIO CLÍNICO EM CAMPINA GRANDE PREVALÊNCIA DE INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA EM PACIENTES DIABETICOS EM UM LABORATORIO CLÍNICO EM CAMPINA GRANDE Lucas Linhares de Lócio (Universidade Estadual da Paraíba lucas_linhares10@hotmail.com) Raiff

Leia mais

Uso de drogas na Doença Renal Crônica: o que é de interesse do urologista

Uso de drogas na Doença Renal Crônica: o que é de interesse do urologista Uso de drogas na Doença Renal Crônica: o que é de interesse do urologista Egivaldo Fontes Ribamar Serviço de Nefrologia Hospital Universitário Clementino Fraga Filho UFRJ >> Serviço de Nefrologia Hospital

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ JANAINA FIGUEIRA FERREIRA. Doença renal crônica: rastreamento em população de risco adscrita no PSF

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ JANAINA FIGUEIRA FERREIRA. Doença renal crônica: rastreamento em população de risco adscrita no PSF 1 UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ JANAINA FIGUEIRA FERREIRA Doença renal crônica: rastreamento em população de risco adscrita no PSF Rio de Janeiro 2011 2 JANAINA FIGUEIRA FERREIRA Doença renal crônica: rastreamento

Leia mais

NEFROPATIA DIABÉTICA. Cristianne da Silva Alexandre Disciplina de Nefrologia UFPB

NEFROPATIA DIABÉTICA. Cristianne da Silva Alexandre Disciplina de Nefrologia UFPB NEFROPATIA DIABÉTICA Cristianne da Silva Alexandre Disciplina de Nefrologia UFPB Nefropatia Diabética Causa mais comum de IRCT em adultos. Diabetes acomete 0,5% da população 25 a 35% devolvem ND com pico

Leia mais

ATENDIMENTO AMBULATORIAL AO PACIENTE HIPERTENSO

ATENDIMENTO AMBULATORIAL AO PACIENTE HIPERTENSO Universidade Federal do Maranhão - UFMA Hospital Universitário Presidente Dutra - HUPD Liga Acadêmica de Hipertensão Arterial Sistêmica - LAHAS ATENDIMENTO AMBULATORIAL AO PACIENTE HIPERTENSO São Luís

Leia mais

Fibrilação atrial Resumo de diretriz NHG M79 (segunda revisão parcial, agosto 2013)

Fibrilação atrial Resumo de diretriz NHG M79 (segunda revisão parcial, agosto 2013) Fibrilação atrial Resumo de diretriz NHG M79 (segunda revisão parcial, agosto 2013) grupo de estudos NHG-fibrilação atrial traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização para

Leia mais

Boehringer Ingelheim do Brasil Química e Farmacêutica Ltda. Comprimidos 40 mg e 80 mg

Boehringer Ingelheim do Brasil Química e Farmacêutica Ltda. Comprimidos 40 mg e 80 mg MICARDIS (telmisartana) Boehringer Ingelheim do Brasil Química e Farmacêutica Ltda. Comprimidos 40 mg e 80 mg Micardis telmisartana APRESENTAÇÕES Comprimidos de 40 mg e 80 mg: embalagens com 10 ou 30 comprimidos

Leia mais

DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador

DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador aminidicionário DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador Ao paciente e seus familiares, este pequeno dicionário tem a intenção de ajudar no entendimento da doença que passou a fazer parte das suas vidas.

Leia mais

Doença renal crônica é um problema de saúde pública no Brasil. Emmanuel A. Burdmann Presidente da SBN

Doença renal crônica é um problema de saúde pública no Brasil. Emmanuel A. Burdmann Presidente da SBN Doença renal crônica é um problema de saúde pública no Brasil Emmanuel A. Burdmann Presidente da SBN 11 março de 2010 Chronic Kidney Disease Course Levey et al, KI 2005 Chronic Kidney Disease Definition

Leia mais

CONSULTA DE CLÍNICA MÉDICA NO PROGRAMA DE HIPERTENSÃO

CONSULTA DE CLÍNICA MÉDICA NO PROGRAMA DE HIPERTENSÃO Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Sub-Secretaria de Promoção, Atenção Primária e Vigilância em Saúde Gerência do Programa de Hipertensão CONSULTA DE CLÍNICA MÉDICA NO PROGRAMA DE HIPERTENSÃO

Leia mais

ATACAND candesartana cilexetila

ATACAND candesartana cilexetila ATACAND candesartana cilexetila I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO ATACAND candesartana cilexetila APRESENTAÇÕES Comprimidos de 8 mg em embalagem com 30 comprimidos. Comprimidos de 16 mg em embalagens com

Leia mais

INTRODUÇÃO. Diabetes & você

INTRODUÇÃO. Diabetes & você INTRODUÇÃO Diabetes & você Uma das coisas mais importantes na vida de uma pessoa com diabetes é a educação sobre a doença. Conhecer e saber lidar diariamente com o diabetes é fundamental para levar uma

Leia mais

Fatores de Risco da Doença Renal Crônica

Fatores de Risco da Doença Renal Crônica Fatores de Risco da Doença Renal Crônica Dra. Laura Cortés Sanabria Médica Internista, Pesquisadora Clínica Unidade de Pesquisa Médica em Doenças Renais IMSS, Guadalajara. México Objetivos Conhecer os

Leia mais

Trombofilias. Dr Alexandre Apa

Trombofilias. Dr Alexandre Apa Trombofilias Dr Alexandre Apa TENDÊNCIA À TROMBOSE TRÍADE DE VIRCHOW Mudanças na parede do vaso Mudanças no fluxo sanguíneo Mudanças na coagulação do sangue ESTADOS DE HIPERCOAGULABILIDADE

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Medicina Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva. Charlene Dyane Macedo Ferreira

Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Medicina Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva. Charlene Dyane Macedo Ferreira Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Medicina Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva Charlene Dyane Macedo Ferreira ANÁLISE DE CUSTOS DA DOENÇA RENAL CRÔNICA NOS ESTÁGIOS 3 A 5 PRÉ-DIALÍTICO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GABINETE DO SECRETÁRIO PORTARIA 85/2014

PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GABINETE DO SECRETÁRIO PORTARIA 85/2014 PORTARIA 85/2014 O Secretário Municipal de Saúde, no uso das atribuições que lhe confere o art. 82, inciso I, da Lei Orgânica do Município, c/c o art. 7º, inciso III, da Lei Complementar nº 465/2013, e

Leia mais

EFEITOS DO EXERCÍCIO FÍSICO EM PACIENTES HIPERTENSOS COM DOENÇA RENAL CRÔNICA: ENSAIO CLINICO RANDOMIZADO

EFEITOS DO EXERCÍCIO FÍSICO EM PACIENTES HIPERTENSOS COM DOENÇA RENAL CRÔNICA: ENSAIO CLINICO RANDOMIZADO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MEDICINA SOCIAL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EPIDEMIOLOGIA EFEITOS DO EXERCÍCIO FÍSICO EM PACIENTES HIPERTENSOS COM DOENÇA RENAL CRÔNICA:

Leia mais

Anemia e Insuficiência Renal Crônica. Estágios 1 a 4

Anemia e Insuficiência Renal Crônica. Estágios 1 a 4 Anemia e Insuficiência Renal Crônica Estágios 1 a 4 National Kidney Foundation s Kidney Disease Outcomes Quality Initiative (Iniciativa de Qualidade em Resultados de Insuficiência Renal da Fundação Nacional

Leia mais

UNIVERSALIDADE. O Modelo de Atenção á Saúde ESF INTEGRALIDADE

UNIVERSALIDADE. O Modelo de Atenção á Saúde ESF INTEGRALIDADE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE ALAGOAS SUPERINTENDÊNCIA DE ATENÇÃO A SAÚDE DIRETORIA DE ATENÇÃO BÁSICA GERÊNCIA DE ATENÇÃO A SAÚDE DE GRUPOS ESPECÍFICOS HIPERTENSOS E DIABÉTICOS CAPACITAÇÃO EM ATENÇÃO

Leia mais

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso.

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. INSTRUÇÕES 1 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. 2 3 4 Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno,

Leia mais

RESIDÊNCIA MÉDICA 2015

RESIDÊNCIA MÉDICA 2015 NOME INSCRIÇÃO SALA LUGAR DOCUMENTO DATA DE NASC ESPECIALIDADE PROVA DISSERTATIVA TRANSPLANTE DE RIM ASSINATURA DO CANDIDATO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS Faculdade de Ciências Médicas LOTE SEQ RESIDÊNCIA

Leia mais

Função pulmonar na diabetes mellitus

Função pulmonar na diabetes mellitus Função pulmonar na diabetes mellitus José R. Jardim Pneumologia Universidade Federal de São Paulo Elasticidade pulmonar anormal em DM Juvenil - 1976 11 diabéticos (24 anos) de início juvenil Dependentes

Leia mais

doença renal crônica: frequente e grave, mas também prevenível e tratável

doença renal crônica: frequente e grave, mas também prevenível e tratável Artigo de Revisão Bastos MG et al. doença renal crônica: frequente e grave, mas também prevenível e tratável Marcus Gomes Bastos 1*, Rachel Bregman 2, Gianna Mastroianni Kirsztajn 3 Trabalho realizado

Leia mais

Interpretação de Exames Laboratoriais para Doença Renal

Interpretação de Exames Laboratoriais para Doença Renal Interpretação de Exames Laboratoriais Aplicados à Nutrição Clínica Interpretação de Exames Laboratoriais para Doença Renal Prof. Marina Prigol Investigação da função renal Funções do rim: Regulação do

Leia mais

Artigo de Revisão Review Article

Artigo de Revisão Review Article Artigo de Revisão Review Article Doença renal crônica: importância do diagnóstico precoce, encaminhamento imediato e abordagem interdisciplinar estruturada para melhora do desfecho em pacientes ainda não

Leia mais

DOENÇA RENAL CRÔNICA: diagnóstico, estadiamento e condutas terapêuticas

DOENÇA RENAL CRÔNICA: diagnóstico, estadiamento e condutas terapêuticas DOENÇA RENAL CRÔNICA: diagnóstico, estadiamento e condutas terapêuticas 1 Sumário 1. Conceito...4 2. Epidemiologia...4 2.1- DRC versus Lesão Renal Aguda(LRA)...4 2.2- Marcadores da lesão crônica:...4 2.2.1-

Leia mais

Nefropatia Diabética. Caso clínico com estudo dirigido. Coordenadores: Márcio Dantas e Gustavo Frezza RESPOSTAS DAS QUESTÕES:

Nefropatia Diabética. Caso clínico com estudo dirigido. Coordenadores: Márcio Dantas e Gustavo Frezza RESPOSTAS DAS QUESTÕES: Nefropatia Diabética Caso clínico com estudo dirigido Coordenadores: Márcio Dantas e Gustavo Frezza RESPOSTAS DAS QUESTÕES: QUESTÃO 1 Qual é o motivo da glicosúria positiva? a) Resultado falso-positivo

Leia mais

DO PACIENTE RENAL Terapia de substituição renal

DO PACIENTE RENAL Terapia de substituição renal aminidicionário DO PACIENTE RENAL Terapia de substituição renal Ao paciente e seus familiares, este pequeno dicionário tem a intenção de ajudar no entendimento da doença que passou a fazer parte das suas

Leia mais

DIABETES MELLITUS NO BRASIL

DIABETES MELLITUS NO BRASIL DIABETES MELLITUS NO BRASIL 17º Congresso Brasileiro Multidisciplinar em Diabetes PATRÍCIA SAMPAIO CHUEIRI Coordenadora d Geral de Áreas Técnicas DAB/MS Julho, 2012 DIABETES MELITTUS Diabetes é considerado

Leia mais

DIABETES E SINAIS VITAIS

DIABETES E SINAIS VITAIS AGENTE DE FÉ E DO CORAÇÃO PASTORAL NACIONAL DA SAÚDE 04 de outubro de 2013 DIABETES E SINAIS VITAIS Marcia Nery Equipe Médica de Diabetes Hospital das Clínicas da FMUSP Definição Diabetes mellitus: Doença

Leia mais

Autor: Roberta Casanovas Tavares Bello

Autor: Roberta Casanovas Tavares Bello 1 Autor: Roberta Casanovas Tavares Bello DOADOR RENAL VIVO: Avaliação da função renal e identificação de fatores de risco cardiovascular em um período de doação superior a cinco anos Dissertação submetida

Leia mais

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS Apresentador 1 SILVA,Claudia Fagundes e Apresentador 2 PLOCHARSKI, Mayara

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES CADASTRADOS NO SISTEMA HIPERDIA DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA, RS

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES CADASTRADOS NO SISTEMA HIPERDIA DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA, RS PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES CADASTRADOS NO SISTEMA HIPERDIA DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA, RS Michele Muller 1 Gabriele Bester Hermes 2 Liziane Maahs Flores 3 1 Apresentadora, Acadêmica do Curso

Leia mais

Workshop sobre as Linhas. Guias de HAS e DM

Workshop sobre as Linhas. Guias de HAS e DM Workshop Capacitação sobre Linha Guia LG HAS/ de HAS DM/ DRC e DM Capacitação Linha Guia de hipertensão arterial, diabetes mellitus Guias de HAS e DM e doença renal crônica Região Ampliada -DRC- de Saúde

Leia mais

FORXIGA (dapagliflozina)

FORXIGA (dapagliflozina) FORXIGA (dapagliflozina) Comprimidos revestidos 5mg e 10mg FORXIGA dapagliflozina I. IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO FORXIGA dapagliflozina APRESENTAÇÕES FORXIGA (dapagliflozina) é apresentado na forma farmacêutica

Leia mais

Tudo Exige Preparo. Para a guerra. Para o sexo. Para o banho

Tudo Exige Preparo. Para a guerra. Para o sexo. Para o banho Dr. Gustavo Santos Tudo Exige Preparo Para a guerra Para o sexo Para o banho Falhar em se preparar é preparar-se para falhar Benjamin Franklin Preparo Pré-Operatório: Por Quê? Identificar problemas não-conhecidos

Leia mais

CONSULTA EM CLINICA MÉDICA CÓDIGO SIA/SUS 03.01.01.007-2

CONSULTA EM CLINICA MÉDICA CÓDIGO SIA/SUS 03.01.01.007-2 CONSULTA EM CLINICA MÉDICA CÓDIGO SIA/SUS 03.01.01.007-2 INDICAÇÃO 1. Diabetes Mellitus (CIDs E11 ao E14) 2. Tireoidopatias (CIDs E01 ao E02 e E04 ao E05) 2.1. Hipotireoidismo e 2.2. Hipertireoidismo 3.

Leia mais

Boehringer Ingelheim do Brasil Química e Farmacêutica Ltda. Comprimidos Revestidos 10 mg e 25 mg

Boehringer Ingelheim do Brasil Química e Farmacêutica Ltda. Comprimidos Revestidos 10 mg e 25 mg JARDIANCE (empagliflozina) Boehringer Ingelheim do Brasil Química e Farmacêutica Ltda. Comprimidos Revestidos 10 mg e 25 mg Jardiance empagliflozina APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos de 10 mg ou 25

Leia mais