Graduação em Odontologia LESÕES FUNDAMENTAIS. Disciplina: Estomatologia 3º Período.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Graduação em Odontologia LESÕES FUNDAMENTAIS. Disciplina: Estomatologia 3º Período."

Transcrição

1 Graduação em Odontologia LESÕES FUNDAMENTAIS Disciplina: Estomatologia 3º Período Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012

2 LESÕES FUNDAMENTAIS São como as letras de um alfabeto que unidas formam palavras e, destas, as frases, e por fim, um idioma. Da combinação das lesões fundamentais surgem os sinais morfológicos que caracterizam as doenças

3 LESÕES FUNDAMENTAIS Definição - São alterações morfológicas que ocorrem na mucosa bucal e assumem características próprias, individualizadas e padronizadas. - Juntamente com outros dados clínicos, pode- se identificar as patologias maxilofaciais.?

4 LESÕES FUNDAMENTAIS Não basta a anotação da lesão, esta deve ser descrita com riqueza de detalhes de modo que outro profissional ao ler a ficha clínica possa visualizá- la claramente.

5 LESÕES FUNDAMENTAIS O profissional deve ter em mente os fatores que podem produzir alterações nas lesões primárias. Uma história adequada das lesões é fundamental para o raciocínio diagnóstico.

6 LESÕES FUNDAMENTAIS Essas lesões são resultantes de processos patológicos básicos Inflamatórios Degenerativos Circulatórios Tumorais Metabólicos Defeitos de formação

7 LESÕES FUNDAMENTAIS Aparecem na mucosa bucal e na pele, sendo divididas em cinco tipos mais comuns Lesões enegrecidas Lesões brancas Manchas, mácula Placas Perdas teciduais Lesões vesicolobolhosas Erosão, úlcera Vesícula, bolha Lesões elevadas Pápulas, nódulos

8 LESÕES FUNDAMENTAIS

9 LESÕES FUNDAMENTAIS - São frequentemente divididas em dois grupos: Primárias: são caracterizadas por terem a forma inicial Secundárias: são caracterizadas pela evolução das primárias

10 LESÕES FUNDAMENTAIS Localização É a determinação da posição e da região anatômica onde se localiza a lesão. Limites São demarcadas as estruturas anatômicas adjacentes à lesão.

11 LESÕES FUNDAMENTAIS Formas Representa a forma geométrica com a qual a lesão assemelha-se: Lentiforme Cordoniforme Circular Oval Linear Globosa Discóide

12 Cor É descrita a cor predominante da lesão amarelada, enegrecida, esbranquiçada, acastanhada, azulada etc... Tamanho É descrito em milímetros, medindo o eixo de maior diâmetro ou extensão aproximada da lesão.

13 Base Séssil Quando a base da lesão é maior que o equador (lembra a forma de uma montanha) Pediculada Quando a base da lesão é menor que o equador (lembra a forma de um cogumelo)

14 Consistência É descrita a resistência da lesão frente à pressão, podendo ser: Fibrosa Borrachóide Esponjosa Branda Pétrea Elástica etc...

15 Textura Pode ser: Brilhante Opaca Globosa Verruciforme ou verrugosa Lisa Rugosa Áspera etc...

16 LESÕES FUNDAMENTAIS Número Refere-se à quantidade de lesões semelhantes presentes; Quando múltiplos anotamos a quantidade, se são simétricas, umas próximas às outras, etc.

17 Manchas ou Máculas São alterações da coloração normal da mucosa bucal, sem que ocorra elevação ou depressão tecidual. Podem variar em tamanho (desde puntiformes até centímetros), cor (vermelho, preto e branco, etc.) forma, número, distribuição, tamanho e contorno.

18 Manchas ou máculas Deve- se lembrar que, a coloração normal da mucosa é consequência de vários fatores entre, eles a coloração do sangue circulante e dos pigmentos melânicos presentes no conjuntivo e no epitélio, que por transparência e reflexão interferem na coloração final da mucosa.

19 EPITÉLIO NORMAL EPITÉLIO NORMAL

20 EPITÉLIO NORMAL NÃO QUERATINIZADO QUERATINIZADO

21 Epiderme Melanócitos Estão localizados na camada basal da epiderme, sintetizam pigmento (melanina) Grãos de melanina circundam o núcleo dos queratinócitos protegem da radiação ultravioleta

22 MANCHAS OU MÁCULAS Origem vascular ou sanguínea Hipercrômica Hipocrômica Origem pigmentar Hipercrômica Endógena Exógena Hipocrômica Endógena

23 Manchas ou máculas Origem sanguínea Quando se depara com uma mancha, o clínico deve realizar a VITROPRESSÃO de modo a avaliar origem da lesão. Quando desaparece, tem origem vascular, quando não, a origem é pigmentar que pode ser endógena ou exógena.

24 HEMANGIOMAS DENTRO DO VASO

25 PÚRPURAS FORA DO VASO - Extravasamento sanguíneo por trauma, discrasias sanguíneas (plaquetopenia inferior a ) ou fragilidade capilar. - Não desaparecem sob pressão e evoluem com mudanças de cores (azul, verde, amarelo), que, segundo critérios de dimensão, forma e cor são classificadas em: Petéquias Equimoses Víbices Icterícia

26 PÚRPURA PETÉQUIA Extravasamento puntiforme e homogêneo, pequenas e múltiplas, de coloração vermelha subepitelial com menos que 1cm de diâmetro.

27 PETÉQUIAS

28 Púrpura Equimose Mancha hemorrágica idêntica, porém o tamanho é maior (> 1cm).

29 EQUIMOSE

30

31 Púrpura Víbice Icterícia Quando são lineares Quando amareladas, derivadas da decomposição da hemoglobina.

32 Manchas HIPOCRÔMICAS de origem vascular ou sanguínea Lividez Localizada Devido à isquemia provocada pela infiltração de anestésicos com vasoconstrictor ou agenesia vascular. Generalizada Provocada por quadros de anemia ou leucemia

33 Manchas HIPERCRÔMICAS de origem PIGMENTAR

34 MÁCULA MELANÓTICA

35 MÁCULA MELANÓTICA

36 MÁCULA MELANÓTICA

37 Manchas hipercrômicas de origem PIGMENTAR Origem endógena Hereditária Ligada ao fator racial (pigmentação racial melânica) ou às inúmeras síndromes como doença de Addison e Síndrome de Peutz-jeghers, entre outras.

38 SINDROME DE PEUTZ- JEGHERS polipose gastrointestinal (hamartomas) pigmentação mucocutânea risco aumentado de neoplasias em múltiplos órgãos.

39 DOENÇA DE ADDISON insuficiência adrenal crônica ou hipocortisolismo

40 Manchas HIPERCRÔMICAS de origem pigmentar Origem endógena Não hereditários Ex.: efélides, mácula melanótica bucal, nevo e melanoma

41 Manchas HIPERCRÔMICAS de origem pigmentar EXÓGENAS Tatuagem por amálgama

42 Manchas HIPOCRÔMICAS de origem vascular ou sanguínea Lividez Localizada Devido à isquemia provocada pela infiltração de anestésicos com vasoconstrictor ou agenesia vascular. Generalizada Provocada por quadros de anemia ou leucemia

43 Manchas HIPOCRÔMICAS de origem pigmentar São causadas pela diminuição ou ausência de pigmentos. Ex.: Vitiligo (perda parcial ou total da pigmentação melânica) Hanseníase Pitiríase Podendo também ocorrer no albinismo

44 V I T I L I G O 1 % da população % dos casos com ocorrência familiar Perda do melanócitos produtores de melanina no interior da epiderme afetada Lesões podem ser inaparentes em pessoas de pele clara

45 V I T I L I G O

46 PLACA Ligeira elevação Mais extensa do que alta (espessa) Bem delimitada Consistente à palpação

47 Placa Pode apresentar superfície lisa, rugosa, papulosa, ondulada, ou uma combinação de todas principalmente quando secada com gaze ou jato de ar.

48 Placa Espessamento consiste em acúmulo de queratina que produz uma aparência de opacidade geralmente impedindo a visualização do conjuntivo.

49 Placa Etiologia Traumática Mecânica próteses mal adaptadas, arestas cortantes de dentes, hábitos, etc.; Química produtos químicos, tabagismo, etc.; Física radiação solar

50 Placa Etiologia Infecciosa Hereditária É provocada por Candida albicans, HPV, etc. Leucoedema, Nevo branco Esponjoso, etc. Outras Leucoplasia, líquen plano, etc.

51 Placa A manobra de semiotécnica indicada é a raspagem. Quando cede, estamos frente a uma pseudomembrana cujo diagnóstico mais frequente é a candidose pseudomembranosa aguda.

52 PLACA Seu diagnóstico deve ser cuidadoso, pois em forma de placa podem apresentar- se patologias inócuas (hiperqueratose, candidíase hiperplásica, etc.) e lesões cancerizáveis (leucoplasia e líquen plano).

53 PLACA

54 PLACA VERRUCOSA

55 PLACA

56 PLACA IRREGULAR

Lesões e Condições Pré-neoplásicas da Cavidade Oral

Lesões e Condições Pré-neoplásicas da Cavidade Oral Disciplina: Semiologia Lesões e Condições Pré-neoplásicas da Cavidade Oral PARTE Parte 12 http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 2012 LESÕES E CONDIÇÕES CANCERIZÁVEIS DA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO LESÕES CANCERIZÁVEIS DA BOCA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO LESÕES CANCERIZÁVEIS DA BOCA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO LESÕES CANCERIZÁVEIS DA BOCA Ubiranei Oliveira Silva INTRODUÇÃO Conceitos de Lesão e Condição Cancerizável Lesão cancerizável (pré-câncer, prémalignidade)

Leia mais

TUMORES DE PELE E TECIDO SUBCUTÂNEO EM CÃES E GATOS

TUMORES DE PELE E TECIDO SUBCUTÂNEO EM CÃES E GATOS TUMORES DE PELE E TECIDO SUBCUTÂNEO EM CÃES E GATOS Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria INTRODUÇÃO AOS TUMORES DE

Leia mais

LÍNGUA 243 Língua superposta (dupla) ASPECTO LINGUAL Língua - Vermelho-viva.

LÍNGUA 243 Língua superposta (dupla) ASPECTO LINGUAL Língua - Vermelho-viva. LÍNGUA 243 Língua superposta (dupla) ASPECTO LINGUAL Língua - Vermelho-viva. Saburra - Branca e suja. A parte central é amarelo-clara; a parte inferior da língua apresenta-se edemaciada e levantada como

Leia mais

Protocolo de encaminhamento para estomatologia adulto

Protocolo de encaminhamento para estomatologia adulto Protocolo de encaminhamento para estomatologia adulto O protocolo de Estomatologia será publicado em breve, conforme resolução CIB/RS 764/2014. As informações solicitadas no protocolo são de presença obrigatória.

Leia mais

DESORDENS POTENCIALMENTE MALIGNAS

DESORDENS POTENCIALMENTE MALIGNAS GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA! Disciplina: Patologia Bucal 4º e 5º períodos DESORDENS POTENCIALMENTE MALIGNAS http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2013 DESORDENS POTENCIALMENTE

Leia mais

PELE. Informe-se. Previna-se.

PELE. Informe-se. Previna-se. PELE Informe-se. Previna-se. Sobre o câncer de pele Tumores de pele são os mais frequentes na população brasileira e, segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA), são estimados no Brasil mais de 180

Leia mais

Revisão da Estrutura da Pele Divisão Anatômica e Fisiologia

Revisão da Estrutura da Pele Divisão Anatômica e Fisiologia Semiologia e Semiotécnia em Enfermagem I Aula 7 Semiologia Dermatológica Prof. Ricardo Mattos Bibliografia de referência: ANDRIS, DA, Cap. 13 POSSO, MBS, Cap. 3. UNIG, 2009.1 Revisão da Estrutura da Pele

Leia mais

Neoplasias de células melanocíticas

Neoplasias de células melanocíticas Neoplasias de células melanocíticas PATOLOGIA II Aula Prática nº10 O termo NEVO é normalmente usado na linguagem médica com dois significados: I - O mais comum refere-se à lesão cutânea resultante da hiperplasia

Leia mais

Métodos e Técnicas Aplicadas à Estética Facial Prof a. Bianca. Lesões elementares

Métodos e Técnicas Aplicadas à Estética Facial Prof a. Bianca. Lesões elementares Lesões elementares Modificações da pele determinadas por processos inflamatórios, circulatórios, metabólicos, degenerativos, tumorais, defeitos de formação. Lesões Elementares Lesões Primárias Alteração

Leia mais

Considerações sobre Lesões Teciduais Buco Maxilo Faciais

Considerações sobre Lesões Teciduais Buco Maxilo Faciais Considerações sobre Lesões Teciduais Buco Maxilo Faciais Autor: Cassiano Augusto Fraiha Amaral Orientador: Prof. Almir Alves Feitosa Novembro 2012 Lesões Fundamentais Os processos patológicos básicos manifestam-se

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E EPIDEMIOLOGIA DAS DOENÇAS PERIODONTAIS

CLASSIFICAÇÃO E EPIDEMIOLOGIA DAS DOENÇAS PERIODONTAIS INAPÓS - Faculdade de Odontologia e Pós Graduação DISCIPLINA DE PERIODONTIA CLASSIFICAÇÃO E EPIDEMIOLOGIA DAS DOENÇAS PERIODONTAIS Parte II Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira http://lucinei.wikispaces.com

Leia mais

página: 204 Capítulo 10: Psoríase causas lesiones básicas procura índice imprimir última página vista anterior seguinte

página: 204 Capítulo 10: Psoríase causas lesiones básicas procura índice imprimir última página vista anterior seguinte Capítulo 10: Psoríase página: 204 Psoríase Aspectos clínicos página: 205 10.1 Aspectos clínicos Psoríase vulgar Forma eritematosa Psoríase muito extensa. Grandes placas confluentes, essencialmente eritematosas,

Leia mais

Anatomia do Sistema Tegumentar

Anatomia do Sistema Tegumentar Anatomia do Sistema Tegumentar Introdução Embriologia Muda ou Ecdise Coloração Introdução Funções da Pele Proteção mecânica contra atritos e injúrias (queratina como linha de defesa) Proteção fisiológica:

Leia mais

Capítulo 2 Aspectos Histológicos

Capítulo 2 Aspectos Histológicos 5 Capítulo 2 Aspectos Histológicos Alguns conceitos básicos sobre histologia humana, a caracterização dos tecidos, a regeneração e reparação dos mesmos em lesões e a cicatrização de feridas são aspectos

Leia mais

PATOLOGIA E CLÍNICA CIRÚRGICA

PATOLOGIA E CLÍNICA CIRÚRGICA PATOLOGIA E CLÍNICA CIRÚRGICA HÉRNIAS RENATO LINHARES SAMPAIO INTRODUÇÃO CONCEITO É A PROTRUSÃO, INSINUAÇÃO OU PASSAGEM DE UM ÓRGÃO OU PARTE DELE, DE SUA CAVIDADE ORIGINAL PARA OUTRA VIZINHA, ATRAVÉS DE

Leia mais

PULPOPATIAS 30/08/2011

PULPOPATIAS 30/08/2011 Funções da polpa PULPOPATIAS Produtora Nutrição Sensorial Protetora Biologicamente, é a dentina que forma a maior parte do dente e mantém íntima relação com a polpa dental, da qual depende para sua formação

Leia mais

DESCRIÇÃO E INTERPRETAÇÃO DAS LESÕES MACROSCÓPICAS. Claudio Barros 1, Daniel Rissi 1 e Raquel Rech 2

DESCRIÇÃO E INTERPRETAÇÃO DAS LESÕES MACROSCÓPICAS. Claudio Barros 1, Daniel Rissi 1 e Raquel Rech 2 Mini-curso 1 DESCRIÇÃO E INTERPRETAÇÃO DAS LESÕES MACROSCÓPICAS EM MAMÍFEROS DOMÉSTICOS Claudio Barros 1, Daniel Rissi 1 e Raquel Rech 2 1 Universidade Federal de Santa Maria & 2 The University of Georgia

Leia mais

DISFUNÇÕES HEMODINÂMICAS

DISFUNÇÕES HEMODINÂMICAS Cursos de Graduação em Farmácia e Enfermagem DISFUNÇÕES HEMODINÂMICAS PARTE 2 Disciplina: Patologia Geral http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 DISFUNÇÕES HEMODINÂMICAS

Leia mais

- TC Tórax - - Terminologia descritiva - - Lesões elementares / padrões fundamentais - Dr. Mauro Edelstein R3 Gustavo Jardim Dalle Grave

- TC Tórax - - Terminologia descritiva - - Lesões elementares / padrões fundamentais - Dr. Mauro Edelstein R3 Gustavo Jardim Dalle Grave - TC Tórax - - Lesões elementares / padrões fundamentais - - Terminologia descritiva - Dr. Mauro Edelstein R3 Gustavo Jardim Dalle Grave Abril 2012 Bolha Área focal hipodensa com paredes bem definidas

Leia mais

15/10/2010. Pele: um dos maiores órgãos do corpo humano = 16% do peso corporal.

15/10/2010. Pele: um dos maiores órgãos do corpo humano = 16% do peso corporal. Recobre cerca de 75000 cm²; Peso de 3/4.5 kg; Recebe 1/3 do sangue; Mede de 1 a 2 mm de espessura; É impermeável, elástica, áspera e regenerativa. EPIDERME DERME TECIDO SUBCUTÂNEO ANEXOS: Glândulas sebáceas

Leia mais

10/6/2011. Histologia da Pele. Diagrama da Estrutura da Pele. Considerações Gerais. epiderme. derme

10/6/2011. Histologia da Pele. Diagrama da Estrutura da Pele. Considerações Gerais. epiderme. derme epiderme derme 10/6/2011 Histologia da Pele Considerações Gerais Maior órgão do corpo: 16% do peso total e 1,2 a 2,3 m 2 de superfície Composto por duas regiões: epiderme e derme Funções proteção: atrito,

Leia mais

HISTOLOGIA ESTUDO DOS TECIDOS

HISTOLOGIA ESTUDO DOS TECIDOS HISTOLOGIA ESTUDO DOS TECIDOS TIPOS DE TECIDOS DO CORPO HUMANO O organismo humano é formado por quatro tipos básicos de tecidos: o epitelial, o conjuntivo, o muscular e o nervoso. Estes tecidos são formados

Leia mais

ZANTEDESCHIA (CALLA) DE VASO

ZANTEDESCHIA (CALLA) DE VASO ZANTEDESCHIA (CALLA) DE VASO Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que unifica a

Leia mais

geração para outra, sendo considerado o pai da genética até os dias de hoje. Fonte: Ciências da natureza e suas tecnologias Biologia 1. Adaptado.

geração para outra, sendo considerado o pai da genética até os dias de hoje. Fonte: Ciências da natureza e suas tecnologias Biologia 1. Adaptado. Atividade extra Questão 1 Um monge britânico dedicou grande parte de sua vida ao estudo da transmissão de características de uma geração para outra, sendo considerado o pai da genética até os dias de hoje.

Leia mais

Especificidade das lesões dos membros inferiores

Especificidade das lesões dos membros inferiores Curso Avançado de Feridas Crónicas Especificidade das lesões dos membros LURDES FERREIRA DERMATOLOGISTA Unidade de Dermatologia Médico-Cirúrgica de Lisboa Ulcus - Centro de Estudos e Investigação em Feridas

Leia mais

Tecido conjuntivo de preenchimento. Pele

Tecido conjuntivo de preenchimento. Pele Tecido conjuntivo de preenchimento Pele derme epiderme Pele papila dérmica crista epidérmica corte histológico da pele observado em microscopia de luz Camadas da Epiderme proliferação e diferenciação dos

Leia mais

PIMENTA ORNAMENTAL DE VASO

PIMENTA ORNAMENTAL DE VASO PIMENTA ORNAMENTAL DE VASO Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que unifica a comunicação

Leia mais

Limpeza de Pele Tissue

Limpeza de Pele Tissue Limpeza de Pele Tissue Introdução à Pele - REVISÃO Pele A pele é o maior órgão do corpo humano (representa quase 15% do peso de nosso corpo) e desempenha funções muito importantes, confira. Regula a perda

Leia mais

Critério de Classificação Crisântemo Bola Belga.

Critério de Classificação Crisântemo Bola Belga. Critério de Classificação Crisântemo Bola Belga. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento

Leia mais

Processo Inflamatório e Lesão Celular. Professor: Vinicius Coca

Processo Inflamatório e Lesão Celular. Professor: Vinicius Coca Processo Inflamatório e Lesão Celular Professor: Vinicius Coca www.facebook.com/profviniciuscoca www.viniciuscoca.com O que é inflamação? INFLAMAÇÃO - Inflamare (latim) ação de acender, chama FLOGOSE phlogos

Leia mais

Fig. 18. Leptodactylus lineatus. Ultraestrutura das glândulas granulosas do tipo G1.

Fig. 18. Leptodactylus lineatus. Ultraestrutura das glândulas granulosas do tipo G1. Fig. 18. Leptodactylus lineatus. Ultraestrutura das glândulas granulosas do tipo G1. G grânulos de secreção maduros; m mitocôndria; mio - camada mioepitelial; N núcleo; RER - retículo endoplasmático rugoso.

Leia mais

Doença de Addison DOENÇA DE ADDISON

Doença de Addison DOENÇA DE ADDISON Enfermagem em Clínica Médica Doença de Addison Enfermeiro: Elton Chaves email: eltonchaves76@hotmail.com DOENÇA DE ADDISON A insuficiência adrenal (IA) primária, também denominada doença de Addison, geralmente

Leia mais

Critério de Classificação Begônia Vaso.

Critério de Classificação Begônia Vaso. Critério de Classificação Begônia Vaso. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que

Leia mais

Fundamentos de Saúde SISTEMAS DO CORPO HUMANO

Fundamentos de Saúde SISTEMAS DO CORPO HUMANO Fundamentos de Saúde 1º bimestre/2012 SISTEMAS DO CORPO HUMANO Escola Técnica - MÚLTIPLA Estrutura do tegumento (pele). O tegumento humano, mais conhecido como pele, é formado por duas camadas distintas,

Leia mais

Critérios de Classificação Peperômia.

Critérios de Classificação Peperômia. Critérios de Classificação Peperômia. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que unifica

Leia mais

Responda às perguntas seguintes usando exclusivamente o glossário.

Responda às perguntas seguintes usando exclusivamente o glossário. Responda às perguntas seguintes usando exclusivamente o glossário. 1 - Um homem de 50 anos com queixas de fadiga muito acentuada fez um exame médico completo que incluiu RX do tórax. Identificaram-se lesões

Leia mais

SISTEMA TEGUMENTAR. Pele e anexos. Pele e anexos Funções. Pele e anexos 5/5/2012

SISTEMA TEGUMENTAR. Pele e anexos. Pele e anexos Funções. Pele e anexos 5/5/2012 SISTEMA TEGUMENTAR SISTEMA TEGUMENTAR Origem: Ectodérmica Epiderme Mesodérmica Derme Hipoderme Pele: epiderme, derme e hipoderme Anexos: pêlos; unhas, cascos e garras; glândulas sudoríparas e sebáceas.

Leia mais

08/03/2012. Tatuagem. Adipoxantose ICTERÍCIA

08/03/2012. Tatuagem. Adipoxantose ICTERÍCIA Universidade Federal de Goiás Escola de Veterinária Departamento de Medicina Veterinária Setor de Patologia Animal Pigmentos Substâncias de cor própria PIGMENTOS E PIGMENTAÇÕES PATOLÓGICAS Profª Drª. Moema

Leia mais

Critérios de Classificação Pimenta Ornamental.

Critérios de Classificação Pimenta Ornamental. Critérios de Classificação Pimenta Ornamental. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento

Leia mais

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA GERAL

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA GERAL Cursos de Graduação em Farmácia e Enfermagem 3 o Período Disciplina: Patologia Geral INTRODUÇÃO À PATOLOGIA GERAL Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira http://lucinei.wikispaces.com 2014 DISCIPLINA DE

Leia mais

PIGMENTAÇÃO EXÓGENA FACULDADE GUARAÍ / INSTITUTO EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA BHRUNA KAMILLA DOS SANTOS

PIGMENTAÇÃO EXÓGENA FACULDADE GUARAÍ / INSTITUTO EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA BHRUNA KAMILLA DOS SANTOS 0 FACULDADE GUARAÍ / INSTITUTO EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA BHRUNA KAMILLA DOS SANTOS PIGMENTAÇÃO EXÓGENA Trabalho requisitado pela professora Esp. Mara Soares De Almeida Mota para obtenção de nota na

Leia mais

Critério de Classificação Spathiphyllum.

Critério de Classificação Spathiphyllum. Critério de Classificação Spathiphyllum. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que

Leia mais

KALANCHOE E KALANCHOE DOBRADO DE VASO

KALANCHOE E KALANCHOE DOBRADO DE VASO KALANCHOE E KALANCHOE DOBRADO DE VASO Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que unifica

Leia mais

AULA PRÁTICA 13. SISTEMA CIRCULATÓRIO e MÚSCULO CARDÍACO

AULA PRÁTICA 13. SISTEMA CIRCULATÓRIO e MÚSCULO CARDÍACO AULA PRÁTICA 13 SISTEMA CIRCULATÓRIO e MÚSCULO CARDÍACO O sistema circulatório é constituído por dois componentes funcionais: o sistema vascular sanguíneo e o sistema vascular linfático. O sistema vascular

Leia mais

Critério de Classificação Cymbidium Vaso.

Critério de Classificação Cymbidium Vaso. Critério de Classificação Cymbidium Vaso. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que

Leia mais

CONCEITOS GERAIS 01. LUZ. c = km/s. c = velocidade da luz no vácuo. Onda eletromagnética. Energia radiante

CONCEITOS GERAIS 01. LUZ. c = km/s. c = velocidade da luz no vácuo. Onda eletromagnética. Energia radiante CONCEITOS GERAIS 01. LUZ Onda eletromagnética Energia radiante c = 300.000 km/s c = velocidade da luz no vácuo (01) Um raio laser e um raio de luz possuem, no vácuo, a mesma velocidade OBSERVAÇÕES Todas

Leia mais

SCINDAPSUS, PHILODENDRO, SYNGÔNIO E JIBÓIA DE VASO

SCINDAPSUS, PHILODENDRO, SYNGÔNIO E JIBÓIA DE VASO SCINDAPSUS, PHILODENDRO, SYNGÔNIO E JIBÓIA DE VASO Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento

Leia mais

LESÕES DE TECIDOS MOLES ALTERAÇÕES DE COR DA MUCOSA BUCAL (Placas, manchas)

LESÕES DE TECIDOS MOLES ALTERAÇÕES DE COR DA MUCOSA BUCAL (Placas, manchas) ALTERAÇÕES DE COR DA MUCOSA BUCAL (Placas, manchas) BRANCA Sai a raspagem? Descartar hipóteses: leucoedema, estomatite nicotínica, língua geográfica, língua saburrosa / - Candidíase pseudomembranosa -Antifúngicos

Leia mais

TECIDO CONJUNTIVO São responsáveis pelo estabelecimento e

TECIDO CONJUNTIVO São responsáveis pelo estabelecimento e Prof. Bruno Pires TECIDO CONJUNTIVO São responsáveis pelo estabelecimento e do corpo. Isso ocorre pela presença de um conjunto de moléculas que conectam esse tecido aos outros, por meio da sua. Estruturalmente

Leia mais

DOS TECIDOS BUCAIS. Periodontopatias. Pulpopatias. Periapicopatias TIPOS: -INCIPIENTE -CRÔNICA -HIPERPLÁSICA. Causada pelo biofilme bacteriano

DOS TECIDOS BUCAIS. Periodontopatias. Pulpopatias. Periapicopatias TIPOS: -INCIPIENTE -CRÔNICA -HIPERPLÁSICA. Causada pelo biofilme bacteriano LESÕES INFLAMATÓRIAS DOS TECIDOS BUCAIS PERIODONTOPATIAS PERIODONTOPATIAS DOENÇAS DO PERIODONTO Periodontopatias Pulpopatias Periapicopatias Inflamação limitada aos tecidos moles que circundam os dentes(tec.peridentais).

Leia mais

DISCIPLINA DE PATOLOGIA GERAL

DISCIPLINA DE PATOLOGIA GERAL DISCIPLINA DE PATOLOGIA GERAL INFLAMAÇÃO CRÔNICA PARTE 4 http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2013 INFLAMAÇÃO CRÔNICA Inflamação de duração prolongada na qual a inflamação

Leia mais

Aula 2: Sistema esquelético Sistema tegumentar

Aula 2: Sistema esquelético Sistema tegumentar Aula 2: Sistema esquelético Sistema tegumentar Sistema esquelético Sistema ósseo Conceito de esqueleto: conjunto de ossos e cartilagens que se interligam para formar o arcabouço do corpo Funções do esqueleto

Leia mais

BEGÔNIA DE VASO. OBS: Nos pedidos de intermediação enviados com lotes mistos, será admitida uma maior variação de altura entre plantas.

BEGÔNIA DE VASO. OBS: Nos pedidos de intermediação enviados com lotes mistos, será admitida uma maior variação de altura entre plantas. BEGÔNIA DE VASO Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que unifica a comunicação entre

Leia mais

ROSA DE CORTE. É determinado pelo tamanho da haste desde a sua base até a ponta do botão, obedecendo à tabela abaixo.

ROSA DE CORTE. É determinado pelo tamanho da haste desde a sua base até a ponta do botão, obedecendo à tabela abaixo. ROSA DE CORTE Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que unifica a comunicação entre

Leia mais

HEMORRAGIAS. Não deve tentar retirar corpos estranhos dos ferimentos; Não deve aplicar substâncias como pó de café ou qualquer outro produto.

HEMORRAGIAS. Não deve tentar retirar corpos estranhos dos ferimentos; Não deve aplicar substâncias como pó de café ou qualquer outro produto. HEMORRAGIAS O controle de uma hemorragia deve ser feito imediatamente, pois uma hemorragia abundante e não controlada pode causar morte em 3 a 5 minutos. A hemorragia externa é a perda de sangue pelo rompimento

Leia mais

Critério de Classificação Gérbera - Pote 14.

Critério de Classificação Gérbera - Pote 14. Critério de Classificação Gérbera - Pote 14. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento

Leia mais

GÉRBERA DE VASO. Altura da Planta Mínima. Pote cm 30 cm

GÉRBERA DE VASO. Altura da Planta Mínima. Pote cm 30 cm GÉRBERA DE VASO Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que unifica a comunicação entre

Leia mais

EXAMES LABORATORIAIS PROF. DR. CARLOS CEZAR I. S. OVALLE

EXAMES LABORATORIAIS PROF. DR. CARLOS CEZAR I. S. OVALLE EXAMES LABORATORIAIS PROF. DR. CARLOS CEZAR I. S. OVALLE EXAMES LABORATORIAIS Coerências das solicitações; Associar a fisiopatologia; Correlacionar os diversos tipos de exames; A clínica é a observação

Leia mais

Critério de Classificação Poensettia Vaso.

Critério de Classificação Poensettia Vaso. Critério de Classificação Poensettia Vaso. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento

Leia mais

GABARITO PROVA TEÓRICA QUESTÕES DISSERTATIVAS

GABARITO PROVA TEÓRICA QUESTÕES DISSERTATIVAS CONCURSO PARA TÍTULO DE ESPECIALISTA EM PATOLOGIA Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo SÃO PAULO/SP Departamento de Patologia, 1º andar, sala 1154 20 e 21 de MAIO DE 2016 GABARITO PROVA TEÓRICA

Leia mais

Critério de Classificação Curcuma Vaso.

Critério de Classificação Curcuma Vaso. Critério de Classificação Curcuma Vaso. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que

Leia mais

Introdução à Disciplina de Patologia Oral

Introdução à Disciplina de Patologia Oral Disciplina: Patologia Oral Introdução à Disciplina de Patologia Oral Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2º Semestre - 2012 Introdução à Disciplina de Patologia Bucal CONCEITOS Patologia - É o estudo

Leia mais

Cursos de Graduação em Farmácia e Enfermagem

Cursos de Graduação em Farmácia e Enfermagem Cursos de Graduação em Farmácia e Enfermagem INTRODUÇÃO À PATOLOGIA GERAL Disciplina: Patologia Geral Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 DISCIPLINA DE PATOLOGIA GERAL INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Conceito

Leia mais

Genes e Epilepsia: Epilepsia e Alterações Genéticas

Genes e Epilepsia: Epilepsia e Alterações Genéticas Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto Genes e Epilepsia: Epilepsia e Alterações Genéticas Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo Rodrigo Nunes Cal Introdução Epilepsia

Leia mais

FASES DA ANGIOGRAFIA FLUORESCEÍNICA:

FASES DA ANGIOGRAFIA FLUORESCEÍNICA: 6) TUMORS NVO OROI É o tipo de tumor intraocular benigno mais comum, com uma prevalência entre 11 a 20%. m 50% dos casos apresentam drusens na sua superfície. rterial: Hipofluorescência relativa da lesão.

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO CÂMPUS DE ARAÇATUBA - FACULDADE DE ODONTOLOGIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO CÂMPUS DE ARAÇATUBA - FACULDADE DE ODONTOLOGIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO CÂMPUS DE ARAÇATUBA - FACULDADE DE ODONTOLOGIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA X INTEGRAL NOTURNO PLANO DE ENSINO Disciplina: Departamento:

Leia mais

DIEFFENBACHIA DE VASO

DIEFFENBACHIA DE VASO DIEFFENBACHIA DE VASO Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que unifica a comunicação

Leia mais

DEGENERAÇÃO MACULAR RELACIONADA A IDADE. A degeneração macular relacionada à idade (DMRI) é a doença

DEGENERAÇÃO MACULAR RELACIONADA A IDADE. A degeneração macular relacionada à idade (DMRI) é a doença DEGENERAÇÃO MACULAR RELACIONADA A IDADE Paulo Augusto de Arruda Mello Filho INTRODUÇÃO A degeneração macular relacionada à idade (DMRI) é a doença ocular que acomete as regiões da retina e coróide responsáveis

Leia mais

EXAME CLÍNICO DE PELE E FÂNEROS. Monitores de Semiologia Médica I Rayanderson Nunes da Gama Thiago Santos Vieira

EXAME CLÍNICO DE PELE E FÂNEROS. Monitores de Semiologia Médica I Rayanderson Nunes da Gama Thiago Santos Vieira EXAME CLÍNICO DE PELE E FÂNEROS Monitores de Semiologia Médica I Rayanderson Nunes da Gama Thiago Santos Vieira ANATOMIA Representa 15% do peso corpóreo. Camadas Epiderme ou camada externa; Derme ou córion;

Leia mais

FRUTÍFERAS DE VASO. Tamanho do Vaso Altura da Planta Mínima Altura da Planta Máxima. Pote cm 70 cm Pote 24, 27 e C32 60 cm Sem limite

FRUTÍFERAS DE VASO. Tamanho do Vaso Altura da Planta Mínima Altura da Planta Máxima. Pote cm 70 cm Pote 24, 27 e C32 60 cm Sem limite FRUTÍFERAS DE VASO Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que unifica a comunicação

Leia mais

Escola e Salão de Cabeleireiros A P O S T I L A C O L O R I M E T R I A

Escola e Salão de Cabeleireiros A P O S T I L A C O L O R I M E T R I A Escola e Salão de Cabeleireiros A P O S T I L A C O L O R I M E T R I A EXITUS ESCOLA DE SALÃO DE CABELEREIROS Só na Exitus você encontra a quali cação necessária e exigida pelos melhores pro ssionais.

Leia mais

VIII - Doenças alérgicas

VIII - Doenças alérgicas VIII - Doenças alérgicas Douglas A. Rodrigues Jane Tomimori Marcos C. Floriano Sofia Mendonça SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros RODRIGUES, DA., et al. Atlas de dermatologia em povos indígenas

Leia mais

ROSA PALACE DE VASO. Altura medida para a planta

ROSA PALACE DE VASO. Altura medida para a planta ROSA PALACE DE VASO Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que unifica a comunicação

Leia mais

DISCIPLINA DE HEMATOLOGIA HEMATÓCRITO

DISCIPLINA DE HEMATOLOGIA HEMATÓCRITO DISCIPLINA DE HEMATOLOGIA HEMATÓCRITO Profª.: Aline Félix HEMATÓCRITO Indica a porcentagem do volume de glóbulos vermelhos presente em uma certa quantidade de sangue. Faz parte de um exame chamado de Hemograma

Leia mais

Critérios de Classificação Palmeira Chamaedorea.

Critérios de Classificação Palmeira Chamaedorea. Critérios de Classificação Palmeira Chamaedorea. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento

Leia mais

Doença dos Eritrócitos

Doença dos Eritrócitos Doença dos Eritrócitos Os Reticulócitos Introdução... 2 Avaliação de Anemia com Presença e Ausência de Reticulocitose... 5 1 OS RETICULÓCITOS Introdução As anemias podem ser resultantes de falhas na produção

Leia mais

Critérios de Classificação Flor de Maio.

Critérios de Classificação Flor de Maio. Critérios de Classificação Flor de Maio. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que

Leia mais

Critério de Classificação Poensettia Vaso.

Critério de Classificação Poensettia Vaso. Critério de Classificação Poensettia Vaso. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento

Leia mais

02/06/2010. Derrame Pleural. Sarcoidose

02/06/2010. Derrame Pleural. Sarcoidose Doenças Restritivas São aquelas nas quais a expansão do pulmão é restringida por causa de alterações no parênquima pulmonar ou por causa de doenças da pleura, da parede torácica ou do aparelho neuromuscular

Leia mais

CRAVO E CRAVÍNEA DE VASO

CRAVO E CRAVÍNEA DE VASO CRAVO E CRAVÍNEA DE VASO Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que unifica a comunicação

Leia mais

Traumatologia Infantil. O Esqueleto da Criança Não É O Esqueleto do Adulto em Miniatura

Traumatologia Infantil. O Esqueleto da Criança Não É O Esqueleto do Adulto em Miniatura O Esqueleto da Criança Não É O Esqueleto do Adulto em Miniatura Formação do Osso e Ossificação Esboço Cartilaginoso Pontos de Ossificação Primária Pontos de Ossificação Secundária Formação da Epífise

Leia mais

VIOLETA DE VASO. Mín. de 08 flores abertas e demais botões

VIOLETA DE VASO. Mín. de 08 flores abertas e demais botões VIOLETA DE VASO Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que unifica a comunicação entre

Leia mais

BEAUCARNEA DE VASO GÊNEROS / VARIEDADES.

BEAUCARNEA DE VASO GÊNEROS / VARIEDADES. BEAUCARNEA DE VASO Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que unifica a comunicação

Leia mais

METODOLOGIA DO EXAME CLÍNICO

METODOLOGIA DO EXAME CLÍNICO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA 3 o e 4 o Períodos Disciplina: SEMIOLOGIA METODOLOGIA DO EXAME CLÍNICO Parte I Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira http://lucinei.wikispaces.com 2014 Levantamentos Epidemiológicos

Leia mais

Semiologia do aparelho osteoarticular. Professor Ivan da Costa Barros

Semiologia do aparelho osteoarticular. Professor Ivan da Costa Barros Semiologia do aparelho osteoarticular Professor Ivan da Costa Barros IMPORTÂNCIA CLÍNICA 10% das consultas médicas Mais de 100 doenças Complicações não articulares Geralmente auto limitado 1 em 5 americanos

Leia mais

DISFUNÇÕES HEMODINÂMICAS

DISFUNÇÕES HEMODINÂMICAS Cursos de Graduação em Farmácia e Enfermagem DISFUNÇÕES HEMODINÂMICAS Disciplina: Patologia Geral Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2014 DISFUNÇÕES HEMODINÂMICAS - São caracterizadas por alterações

Leia mais

PORFIRIA CUTÂNEA TARDA NO PACIENTE INFECTADO PELO VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA

PORFIRIA CUTÂNEA TARDA NO PACIENTE INFECTADO PELO VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA PORFIRIA CUTÂNEA TARDA NO PACIENTE INFECTADO PELO VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA FUNDAÇÃO TÉCNICO-EDUCACIONAL SOUZA MARQUES / FUNDAÇÃO PELE SAUDÁVEL na Carolina Conde Almeida, Daniella de Nascimento

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: PATOLOGIA GERAL Código da Disciplina: NDC112 Curso: Medicina Veterinária Semestre de oferta da disciplina: 5 período Faculdade responsável: Núcleo de Disciplinas Comuns

Leia mais

Aterosclerose. Aterosclerose

Aterosclerose. Aterosclerose ATEROSCLEROSE TROMBOSE EMBOLIA Disciplinas ERM 0207/0212 Patologia Aplicada à Enfermagem Profa. Dra. Milena Flória-Santos Aterosclerose Departamento de Enfermagem Materno-Infantil e Saúde Pública Escola

Leia mais

Teoria tricromática de Young-Helmholtz

Teoria tricromática de Young-Helmholtz ESPECIALIZAÇAO EM CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO Teoria tricromática de Young-Helmholtz Prof. Nelson Luiz Reyes Marques É um agente físico capaz de sensibilizar os nossos órgãos visuais. Dispersão

Leia mais

BIOLOGIA. Histologia. Professora: Brenda Braga

BIOLOGIA. Histologia. Professora: Brenda Braga BIOLOGIA Histologia Professora: Brenda Braga Histologia (Estudo dos Tecidos) Tecidos conjunto de células especializadas em realizar uma ou mais funções. Células-tronco São praticamente indiferenciadas

Leia mais

Critério de Classificação Crisântemo Corte.

Critério de Classificação Crisântemo Corte. Critério de Classificação Crisântemo Corte. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento

Leia mais

RELATO DE CASO Identificação: Motivo da consulta: História da Doença atual: História ocupacional: História patológica pregressa: História familiar:

RELATO DE CASO Identificação: Motivo da consulta: História da Doença atual: História ocupacional: História patológica pregressa: História familiar: RELATO DE CASO Identificação: V.L.G.E., 38 anos, branca, casada, natural e procedente de Canoas (RS). Motivo da consulta: diarréia e dor abdominal intensa. História da Doença atual: Paciente procurou o

Leia mais

ANTÚRIO DE VASO. Tamanho do Vaso Altura Mínima da Planta Altura Máxima da Planta

ANTÚRIO DE VASO. Tamanho do Vaso Altura Mínima da Planta Altura Máxima da Planta ANTÚRIO DE VASO Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que unifica a comunicação entre

Leia mais

BOCA DE LEÃO DE CORTE

BOCA DE LEÃO DE CORTE BOCA DE LEÃO DE CORTE Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que unifica a comunicação

Leia mais

ARRUDA DE VASO. Altura do vaso É determinado pelo tamanho da planta desde a borda do vaso até a média final das folhas, medido pelo centro do vaso.

ARRUDA DE VASO. Altura do vaso É determinado pelo tamanho da planta desde a borda do vaso até a média final das folhas, medido pelo centro do vaso. ARRUDA DE VASO Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que unifica a comunicação entre

Leia mais

10) (UFPA) Usando seus conhecimentos de probabilidade, Mendel chegou às seguintes conclusões, com exceção de uma delas. Indique-a:

10) (UFPA) Usando seus conhecimentos de probabilidade, Mendel chegou às seguintes conclusões, com exceção de uma delas. Indique-a: 1) Em urtigas o caráter denteado das folhas domina o caráter liso. Numa experiência de polinização cruzada, foi obtido o seguinte resultado: 89 denteadas e 29 lisas. A provável fórmula genética dos cruzantes

Leia mais