Área de Prática de Contencioso 2 de Setembro 2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Área de Prática de Contencioso 2 de Setembro 2013"

Transcrição

1 REFORMA RADICAL? Foi publicado em anexo à Lei nº 41/2013, de 26 de Junho, o novo Código de Processo Civil (NCPC), o qual entrou em vigor ontem, dia 1 de Setembro de 2013, aplicando-se a todos os processos pendentes. Significa isto que o conjunto normativo que agora entra em vigor se aplica a todos os processos que se encontravam pendentes nos tribunais no dia 1 de Setembro de 2013, com excepção das normas relativas à determinação da forma do processo declarativo e das normas reguladoras dos actos processuais da fase dos articulados, normas estas que não são aplicáveis aos processos pendentes à data de entrada em vigor do NCPC; o NCPC também não é aplicável aos procedimentos cautelares instaurados antes da sua entrada em vigor. Nos processos pendentes à data de 1 de Setembro que se encontrem na fase dos articulados, devem as partes, terminada esta fase, ser notificadas para, em 15 dias, apresentarem os requerimentos probatórios ou alterarem os que já tenham sido apresentados, seguindo o processo, a partir de então, os termos previstos no NCPC. Esta era uma reforma anunciada que visou quebrar com regras e hábitos processuais há muito enraizados, através da redução das formas de processo e a simplificação do regime, assegurando eficácia e celeridade, da desformalização de procedimentos, da oralidade processual e limitação às questões processuais relevantes, com vista a tornar o processo mais eficaz e compreensível pelas partes. Pretendeu-se tornar o processo civil mais célere, mais simples e mais flexível (sancionando-se a prolixidade) e, ao mesmo tempo, conferir conteúdo útil aos princípios da verdade material, da cooperação funcional e ao primado da substância sobre a forma. A presente reforma do processo civil parece, pois, complementar e completar aquela que o legislador efectuou em 1995/96, reforçando os princípios que a orientaram. Identificamos algumas das alterações mais importantes agora introduzidas: reforço do poder de direcção pelo juiz e do princípio do inquisitório; ampliação do princípio da adequação formal; importação do princípio da gestão processual para o processo comum; obrigatoriedade de dedução em sede de reconvenção do pedido de reconhecimento de um crédito, a título de compensação ou para obter o pagamento do valor em que o crédito invocado excede o do autor; regime de inversão do contencioso nos procedimentos cautelares; 1/17

2 possibilidade de decretamento de arresto sem demonstração do justo receio de perda da garantia patrimonial (em determinadas situações); restrições aos incidentes de intervenção de terceiros; forma única de processo declarativo; novo figurino da audiência prévia princípios da cooperação, do contraditório da oralidade; enunciação dos temas da prova com abolição da base instrutória; novas regras na instrução; regra da inadiabilidade e programação da audiência final; eliminação do tribunal colectivo passando a audiência final a ser sempre gravada; reforço dos poderes da 2ª instância em sede de reapreciação da matéria de facto impugnada; novas regras na acção executiva. Muito há e haverá a escrever sobre tão profunda reforma que implicou (também) uma grande alteração sistemática do Código mas, nesta sede, pretendemos apenas salientar algumas das matérias alteradas que nos parecem mais relevantes e poderão ter maior impacto na prática processual. I. O princípio da adequação formal; a forma única do processo declarativo e o princípio da gestão processual; a audiência prévia. Sendo a intervenção do tribunal colectivo, hoje em dia, praticamente inexistente nas acções cíveis, o legislador em obediência ao princípio da concentração processual a que esta reforma aderiu, decidiu eliminar definitivamente a intervenção deste tribunal, excepcionando as acções pendentes a 1 de Setembro em que tivesse sido já admitida a intervenção do colectivo. À unicidade da intervenção do juiz único em fase de julgamento, juntam-se outras medidas tendentes a concentrar todo o processo, seja na sua vertente fáctica seja no seu aspecto jurídico, no mesmo juiz. Assim, o juiz da causa será aquele que, após lhe ser distribuído o processo, acompanhará a fase dos articulados, dirigirá as audiências prévia e final e será o mesmo que valorará a prova produzida e proferirá a sentença final, independentemente de vir a ser transferido ou promovido para outro tribunal. O princípio da adequação formal passa a ter assento no artigo 547º o qual prevê que, no processo declarativo, o juiz deve adoptar a tramitação processual adequada às especificidades da causa e adaptar o conteúdo e a forma dos actos processuais ao fim que visam atingir, assegurando um processo equitativo. Sublinhe-se que este princípio já se encontrava consagrado no Código de Processo Civil português (cfr. art. 265º-A) a novidade parece estar na coexistência deste princípio com a forma única de processo. 2/17

3 O Código de Processo Civil agora revogado previa, no seu artigo 462º, três formas de processo: ordinário, sumário e sumaríssimo, consoante o valor da causa (e, quanto à forma sumaríssima, também o objecto do litígio). Assim, em função do valor da causa a forma processual seria ordinária ou sumária inexistindo, contudo, entre estas formas de processo qualquer diferenciação estrutural que a justificasse. Entendeu, então, o legislador abolir a forma sumária, não sem estipular algumas normas de tramitação específicas para as acções de valor inferior a ,00 (cfr. art. 597º do NCPC). A forma de processo sumaríssimo seria aplicável, sobretudo, às acções de valor inferior à alçada da Comarca em que estivesse em causa a indemnização por dano e a entrega de coisas móveis. Isto porque, na prática, as acções destinadas ao cumprimento de obrigações pecuniárias emergentes de contrato seguiam, desde 1998, a forma especial prevista no Decreto Lei nº 269/98, de 1 de Setembro, diploma este que se mantém em vigor. É, pois, a norma contida no novo art. 548º do NCPC que dispõe que o processo comum de declaração segue uma forma única, independentemente do valor da causa ou da matéria a que diga respeito o processo. Novidade da reforma do Código do Processo Civil é a adopção do princípio da gestão processual à tramitação comum. O dever de gestão processual reúne num único normativo o princípio da direcção do processo e o princípio da adequação formal, implicando para o juiz a obrigação de fazer uma aplicação das regras processuais de acordo com determinados critérios, tendo em conta o fim do processo, a decisão de mérito célere e justa, assegurando-se sempre a igualdade das partes e o contraditório. O NCPC confere, então, ao juiz um poder autónomo de gestão activa e efectiva do processo. A nova tramitação processual impõe, pois, ao juiz um novo poder-dever. Este passa a ter o dever de direcção, de impulso, de simplificação e agilização processual, bem como o dever de sanação de actos meramente dilatórios e da falta de pressupostos processuais, devendo determinar a realização de todos os actos necessários a regularizar a instância. Também, aqui, com a consagração deste principio da gestão processual há uma clara adesão do direito processual civil português à regra anglo-saxónica do active case management. A gestão inicial do processo encontra assento no artigo 590º do NCPC, e implica a possibilidade do juiz, logo após a recepção da petição inicial, indeferir a mesma quando o pedido seja manifestamente improcedente ou ocorram, de forma evidente, excepções dilatórias insupríveis e de que o juiz deva conhecer oficiosamente (nomeadamente a incompetência absoluta ou relativa do tribunal, a nulidade do processo, a falta de personalidade ou capacidade judiciárias). 3/17

4 No final dos articulados, o juiz profere despacho pré-saneador para: suprimento de excepções dilatórias; aperfeiçoamento de articulados; junção de documentos. Com a presente reforma o legislador optou claramente por concentrar, em termos de lide processual, e após a conclusão da fase dos articulados, todos os actos processuais das partes em torno da audiência prévia e da audiência final. A audiência prévia é a sucessora da audiência preliminar introduzida no Código de Processo Civil com a reforma de 1995/96, e passa a ser, em regra, convocada pelo juiz, nos 30 dias subsequentes à conclusão da fase dos articulados, destinando-se a: realizar uma tentativa de conciliação entre as partes; facultar às partes a discussão oral de facto e de direito, nos casos em que ao juiz cumpra apreciar excepções dilatórias ou quando tencione conhecer imediatamente, no todo ou em parte, do mérito da causa; debater e discutir as posições das partes, com vista à delimitação dos termos do litígio, e suprir as insuficiências ou imprecisões na exposição da matéria de facto que ainda subsistam ou se tornem patentes na sequência do debate; proferir despacho saneador, que conheça do mérito da causa ou da procedência de excepções dilatórias ou despacho que identifique o objecto do litígio e enuncie os grandes temas da prova (cfr. art. 596º, nº 1). Será também em sede de audiência prévia que será determinada, após debate oral entre as partes, a adequação formal, a simplificação e a agilização processual. É nesta audiência prévia que deverão as partes, em conjunto com o tribunal e de acordo com princípio da cooperação, programar os actos a realizar na audiência final, estabelecendo-se o número de sessões a realizar e a sua provável duração, designando-se, desde logo, as datas em que tal audiência se deverá realizar, deixando de ser possível adiar o julgamento em momento imediatamente anterior ao seu início. Em regra, a audiência prévia apenas não se realizará: nos processos em que o réu não tenha oferecido contestação e que tenham prosseguido em regime de revelia inoperante e nas acções que devam findar com a prolação de despacho saneador sendo procedente uma excepção dilatória que tenha sido debatida pelas partes nos articulados. 4/17

5 Não obstante, o novo Código prevê situações em que é possível ao juiz da causa dispensar a realização da audiência prévia, a saber: acções em que o juiz possa conhecer logo no despacho saneador da procedência de excepções dilatórias e nulidades processuais; acções em que seja possível conhecer do mérito da causa também em sede de saneador e sem necessidade de mais produção de prova; situações em que a realização da mesma se destinasse apenas para proferir o despacho de adequação formal, simplificação ou agilização processual e o despacho de identificação do objecto do litígio e dos grandes temas da prova. Assegura-se, contudo, às partes a possibilidade de, logo que notificadas do despacho saneador e do despacho que identifique o objecto do litígio e os grandes temas da prova e no qual o juiz programe a realização dos actos a praticar em sede de audiência final, estabelecendo o número de sessões e a sua provável duração, caso não concordem com o conteúdo do mesmo, impugnar o teor do despacho saneador por meio de recurso, ou reclamar requerendo que se realize a audiência prévia que se destine a tratar dos pontos objecto da reclamação. II. Incidentes da Instância Intervenção de Terceiros (i) Intervenção Principal Espontânea Ao nível da intervenção principal espontânea litisconsorcial, passa a admitir-se a possibilidade de intervenção principal espontânea (situações de litisconsórcio necessário activo ou passivo) nas acções que têm de ser propostas por ambos ou contra ambos os cônjuges. Elimina-se a possibilidade de um terceiro intervir espontaneamente a título principal numa situação de coligação com o autor do processo. O NCPC deixou de contemplar a chamada intervenção principal espontânea em coligação do lado activo prevista na alínea b) do artigo 320º do CPC, a qual admitia a possibilidade de um terceiro espontaneamente pudesse coligar-se com o autor em situações em que a causa de pedir e o pedido fossem essencialmente diversos dos formulados pelo autor originário, mas conexos com os que são objecto da causa principal. 5/17

6 Por outras palavras, elimina-se a intervenção coligatória activa, ou seja, a possibilidade de titulares de direitos paralelos e meramente conexos com o do autor deduzirem supervenientemente as suas pretensões, autónomas relativamente ao pedido do autor na acção pendente, perturbando o andamento desta, ao obrigarem a reformular toda a fase dos articulados, já processada ou em curso, restando-lhes, neste caso, a possibilidade de, intentando a sua própria acção, requererem subsequentemente a apensação de acções, de modo a propiciar um julgamento conjunto. (ii) Intervenção Principal Provocada No que à intervenção principal provocada respeita, esta apenas é admissível em casos de litisconsórcio voluntário ou necessário, bem como nas situações específicas contempladas no art. 316º do NCPC. O mencionado art. 316º do NCPC veio estabelecer que ocorrendo casos de litisconsórcio necessário, qualquer parte pode chamar a juízo o interessado com legitimidade para intervir na causa, seja como seu associado, seja como associado da parte contrária. Em situações de litisconsórcio voluntário, pode o autor provocar a intervenção de algum litisconsorte do réu que não haja demandado inicialmente ou de terceiro contra quem pretenda dirigir o pedido nos termos do artigo 39º (esta última hipótese já era expressamente prevista no art. 325º, n.º 2 do CPC, por remissão para o art. 31º-B do CPC). Prevê ainda o n.º 3 do artigo 316º do NCPC que o chamamento pode ser deduzido por iniciativa do réu quando: mostre interesse atendível em chamar outros litisconsortes voluntários (sujeitos passivos da mesma relação material controvertida); pretende provocar a intervenção de possíveis contitulares do direito invocado pelo autor. O NCPC veio prever que a sentença que vier a ser proferida sobre o mérito da causa constitui caso julgado quanto ao chamado, independentemente de este ter, ou não, intervindo na causa. (iii) Intervenção Acessória Provocada A única alteração relevante na intervenção acessória provocada é a que vem estipular a irrecorribilidade da decisão que aprecia a relevância do interesse que está na base do chamamento, devendo a intervenção ser admitida quando não perturbe o normal andamento do processo e face às razões invocadas pelo requerente do chamamento o juiz se convença da viabilidade da acção de regresso e da sua efectiva dependência das questões a decidir na causa principal. 6/17

7 (iv) Oposição Provocada Mantendo a génese do seu conceito, em que o réu aceita sem reserva o débito que lhe é exigido e invoca, apenas, dúvida fundada sobre a identidade da pessoa do credor a quem deve realizar o pagamento, chamando a intervir um terceiro que se arroga ou possa arrogar-se na qualidade de credor, o NCPC veio a inovar na oposição provocada, exigindo que o réu deva logo proceder à consignação em depósito da quantia ou coisa devida, só assim se exonerando do processo, prosseguindo então o litígio entre os dois possíveis credores. Se o réu não proceder ao mencionado depósito, continua na instância para, a final, ser porventura condenado a pagar a quem tenha ganho de causa, i.e., ao autor ou ao terceiro opoente. Habilitação do Adquirente ou Cessionário Quando requerida a habilitação de adquirente ou cessionário na pendência do processo, por termo lavrado no processo ou junto requerimento de habilitação, todas as notificações serão promovidas pelo tribunal, voltando-se às regras do regime anterior independentemente da forma como é feita a habilitação. III. Inversão do Contencioso nos Procedimentos Cautelares Uma das grandes inovações do NCPC foi a inversão do contencioso nas providências cautelares, figura através da qual o juiz pode, na decisão sobre a providência requerida, dispensar o requerente da propositura da acção principal mediante o preenchimento de determinados requisitos. No anterior regime, um dos princípios que norteava as providências cautelares era o de que as mesmas estavam dependentes da apresentação de uma acção principal, sem a qual caducavam os seus efeitos. Com a alteração introduzida no NCPC altera-se esta lógica, deixando de existir esta interdependência. Este regime da inversão do contencioso inicia-se com um pedido do requerente, o qual pode ser apresentado: no requerimento inicial ou até ao encerramento da audiência final. O requerido pode sempre opor-se a este pedido, dependendo o momento da apresentação dessa oposição de a providência ser decretada com ou sem audição prévia do requerido. 7/17

8 Se a providência for decretada sem audição prévia do requerido, este pode opor-se ao pedido do requerente: na sua oposição ou através de recurso. Quando o requerido é ouvido antes de a providência ser decretada (regra geral no nosso sistema processual civil), a sua oposição vai depender do momento em que o pedido é formulado pelo requerente: se for requerida no requerimento inicial, o requerido pode opor-se na sua oposição; quando requerida em requerimento autónomo apresentado até ao encerramento da audiência final, a oposição faz-se ao abrigo do artigo 3º, n.º 3 do NCPC, devendo o tribunal fixar o prazo em que a mesma deve ser apresentada (na falta de indicação de qualquer prazo, o mesmo será de 10 dias). Apresentado o pedido de inversão do contencioso, o mesmo interrompe os prazos de caducidade a que o direito acautelado estava sujeito, reiniciando-se a sua contagem a partir do trânsito em julgado da decisão que indefira esse pedido. Assim, a decisão sobre o momento em que o pedido de inversão do contencioso deve ser formulado deverá ter em conta os prazos de caducidade, devendo ser requerido antes de o mesmo se esgotar. O pedido de inversão do contencioso está sujeito à verificação dos seguintes requisitos: a matéria de facto constante dos autos deve ser suficiente para permitir ao tribunal formar convicção segura acerca do direito acautelado; a natureza da providência decretada deve ser adequada a realizar a composição definitiva do litígio, ou seja, a providência requerida deve ter carácter antecipatório (excluindo-se a possibilidade da inversão do contencioso no arresto, no arrolamento e no arbitramento de reparação provisória). Uma vez decretada a providência e invertido o contencioso, o requerido pode recorrer de ambas as decisões ou apenas da decisão que decretou a providência mas a decisão sobre a inversão do contencioso não é recorrível autonomamente. Se o recurso que impende sobre a inversão do contencioso for considerado procedente mesmo que o tribunal superior mantenha a decisão referente à providência decretada cabe ao requerente intentar a acção principal, sob pena de caducidade da providência decretada, contando-se o prazo para a interposição desta acção a partir da notificação do trânsito em julgado do acórdão do tribunal superior. 8/17

9 Se o requerido não recorrer da decisão que decretou a providência, ambas as decisões transitam em julgado e o requerido é notificado para intentar a acção principal destinada a impugnar a existência do direito acautelado no prazo de 30 dias a contar dessa notificação; se não o fizer, a providência decretada torna-se definitiva. Uma vez que a acção principal tem como objectivo impugnar a existência do direito acautelado, poderão surgir dúvidas quando o ónus da prova: (i) será que se aplica a regra geral segundo a qual aquele que invocar um direito cabe fazer a prova dos factos constitutivos do direito alegado; (ii) ou poderá entender-se que a prova dos factos constitutivos do direito cabe ao réu (antes requerente) e não ao autor (requerido) aplicando-se, neste caso, o regime da prova das acções de simples apreciação ou declaração negativa previsto no artigo 343.º do Código Civil. Tendo em conta que a acção principal a intentar pelo requerido visa a impugnação de um direito invocado pelo requerente, entendemos que ao caso deve ser aplicável o regime da prova nas acções de simples apreciação ou declaração negativa. Porém, certamente esta matéria será objecto de apreciação por parte dos tribunais superiores, uma vez que o legislador não deixou clara esta questão, não obstante ter aberto uma porta no artigo 371.º, n.º 1 do NCPC, ao referir sem prejuízo das regras sobre a distribuição do ónus da prova. Por fim, intentada a acção principal, se a mesma for procedente, tal determina a caducidade da providência decretada. Uma última nota sobre a decisão que indefira a inversão do contencioso, a qual é irrecorrível. Neste caso seguem-se as regras normais das providências cautelares, devendo o Requerente apresentar a acção principal dentro do prazo fixado para o efeito. Entendemos que a introdução deste regime significa uma alteração substancial no regime das providências cautelares, alterando, por completo, a forma como as mesmas serão encaradas. Porém, tememos que este regime desvirtue a essência da providência cautelar, convertendo-a em verdadeiras acções principais em que o Requerente alega factos e apresenta provas que não se coadunam com o carácter urgente e provisório, característicos das providências cautelares. IV. A Instrução e os Novos Meios de Prova A instrução passa a ter por objecto os temas da prova ou, quando estes não sejam enunciados, os factos necessitados de prova. A produção da prova sofreu alterações importantes no NCPC, como as que seguem: momento de indicação dos meios de prova; número de testemunhas; introdução de novos meios de prova; momento para apresentação de documentos. 9/17

10 (i) Momento de Indicação dos Meios de Prova Os meios de prova passam a ter que ser indicados nos articulados; o autor deve indicá-los na petição inicial mas se não apresentar o requerimento probatório naquela sede, tal não constitui motivo de recusa da mesma pela Secretaria. Se o réu contestar, o requerimento probatório pode ser alterado: na réplica ou nos 10 dias posteriores à notificação da Contestação (não havendo lugar a réplica). O réu tem que indicar os meios de prova na contestação; se o réu deduzir reconvenção e o autor replicar, o réu pode alterar o requerimento probatório nos 10 dias seguintes à notificação da réplica. O requerimento probatório pode, ainda, ser alterado por qualquer das partes: na audiência prévia (se a esta houver lugar) ou reclamando em 10 dias após a notificação da decisão que é proferido quando é dispensada a audiência prévia e requerendo a sua realização. Manteve-se a (i) possibilidade de aditamento ou alteração do rol de testemunhas até 20 dias antes da data em que se realize a audiência de julgamento, dispondo a outra parte de 5 dias para usar de igual faculdade e a (ii) obrigatoriedade de apresentação pelas partes das testemunhas aditadas ou alteradas. (ii) Número de Testemunhas A indicação de testemunhas sofre as seguintes alterações: redução do número de testemunhas de 20 para 10, para cada parte; se vários réus deduzirem contestações separadas, cada um deles pode arrolar 10 testemunhas); redução para 5 testemunhas, para cada parte, nas acções não superiores a 5.000,00 (alçada do tribunal de 1ª instância); redução do número de testemunhas de 20 para 10, para cada parte, no caso de reconvenção (art. 511º, nº 2); atendendo à natureza e extensão dos temas da prova, o juiz pode admitir, sem recurso, a inquirição de mais testemunhas. Foi revogado o art. 633º que versava sobre o número máximo de testemunhas que podiam ser ouvidas por cada facto e que eram 5. Uma vez que deixa de haver questionário/base instrutória, passando os depoimentos a versar sobre os temas da prova (que incluem vários factos), deixa de fazer sentido aquela limitação. 10/17

11 No entanto, o princípio da celeridade processual que se pretende com a presente reforma pode ser posto em causa com a demora que os julgamentos poderão implicar se todas as testemunhas foram ouvidas a todos os temas da prova. Nova regra de grande relevância: as testemunhas são sempre apresentadas pelas partes, salvo se a parte que as indicou requerer, com a apresentação do respectivo rol, a sua notificação para comparência ou inquirição por teleconferência. (iii) Introdução de Novos Meios de Prova Foram introduzidos dois novos meios de prova: a) Prova por declaração de parte: é uma consagração do princípio da imediação; pode ser requerida (pelas partes) até ao início das alegações orais em 1ª instância; não pode ser ordenada pelo juiz, ao contrário do depoimento de parte; incide sobre factos em que a parte tenha intervindo pessoalmente ou tenha conhecimento directo; as declarações são livremente apreciadas pelo tribunal, salvo se constituírem confissão; é aplicável, com as necessárias adaptações, o regime do depoimento de parte. b) Verificações não judiciais qualificadas (494º) art. 494º, nº 1: Sempre que seja legalmente admissível a inspecção judicial, mas o juiz entende que não se justifica, face à natureza da matéria, a percepção directa dos factos pelo tribunal, pode ser incumbido técnico ou pessoa qualificada de proceder aos actos de inspecção de coisas ou locais de reconstituição de factos e de apresentar o seu relatório ( ) ; as verificações não judiciais qualificadas são livremente apreciadas pelo tribunal. Este novo meio de prova visa permitir que sejam averiguados com acrescida eficácia e fiabilidade factos que não implicando o juízo científico que subjaz à prova pericial possam ser melhor fixados ou esclarecidos por entidade isenta e imparcial e tecnicamente apetrechada, evitando-se o habitual recurso à falível prova testemunhal para a sua determinação e dispensando inspecções judiciais que não sejam proporcionais ao relevo e natureza da matéria litigiosa. 11/17

12 (iv) Momento de apresentação de documentos Também o momento para apresentação de documentos sofre alterações: mantém-se a regra de apresentação dos documentos com os articulados; se não forem juntos com o respectivo articulado, os documentos podem ser juntos até 20 dias antes da data em que se realize a audiência final, com condenação em multa se a parte não provar que os não pode oferecer com o articulado; os documentos já não podem ser juntos até ao encerramento da discussão em 1ª instância; após aquele limite temporal, só são admitidos (i) documentos cuja apresentação não tenha sido possível até àquele momento e (ii) aqueles cuja apresentação se tenha tornado necessária em virtude de ocorrência posterior; pode levar à suspensão da audiência; é uma consequência do princípio da inadiabilidade da audiência final; excepção: junção de documentos noutros momentos em caso de impugnação da genuinidade de documento. V. A Abolição da Base Instrutória e os Temas da Prova Às partes cabe alegar os factos essenciais que constituem a causa de pedir e aqueles em que se baseiam as excepções invocadas recai sobre as partes o ónus de alegação como consagração do princípio do dispositivo. Após ser proferido despacho saneador, o juiz profere despacho destinado a identificar o objecto do litígio e a enunciar os temas da prova. Além dos factos (essenciais) articulados pelas partes, são ainda considerados pelo juiz: Os factos instrumentais que resultem da instrução da causa; a admissão por acordo (porque não impugnados) de factos instrumentais pode ser afastada por prova posterior deixa de haver cominação preclusiva para a não impugnação dos factos instrumentais; ajudam na motivação da sentença; Os factos complementares ou concretizadores que as partes hajam alegado e resultem da instrução da causa, desde que sobre eles tenham tido a possibilidade de se pronunciar; mas sem que as partes tenham que manifestar vontade de deles se aproveitar (ao invés do previsto no antigo art. 264º, nº 3); Os factos notórios e aqueles que o tribunal tem conhecimento por virtude do exercício das suas funções. 12/12

13 Com a eliminação da base instrutória, deixa de se elaborar a quesitação atomística e sincopada da matéria de facto; respeitando os limites definidos pela causa de pedir e pelas excepções deduzidas, a instrução deve decorrer sem barreiras. Pelo menos, é o que entendem os que defendem esta nova forma de produção de prova, enunciando (apenas) os temas da prova. Mas a doutrina divide-se: entendendo, uns, que os temas da prova devem consistir na selecção da matéria de facto relevante, atendendo às várias soluções plausíveis de direito aplicáveis e conter apenas os factos essenciais; defendendo outros que, em regra, aos temas da prova só devem ser levados os factos essenciais mas, em determinadas situações poderá fazer sentido incluir nos temas da prova factos mais específicos que possam ajudar à decisão da causa. Com a inovação da enunciação dos temas da prova, deixa de haver um momento processual reservado exclusivamente para a resposta à matéria de facto ; será na própria sentença, em sede de fundamentação de facto, que o juiz deve declarar os factos que considera provados e os que julga não provados mas, se não se julgar suficientemente esclarecido, antes de proferir sentença, o juiz pode ordenar a reabertura da audiência, ouvindo as pessoas que entender e ordenando as diligências que considere necessárias. VI. Os Recursos Apesar de, em matéria de recursos, a alterações não terem sido muito profundas, importa salientar que: foram introduzidas limitações ao direito ao recurso relativamente a meras decisões interlocutórias de reduzido relevo para os direitos fundamentais das partes; foi eliminada a possibilidade de pedir a aclaração ou esclarecimento de obscuridades ou ambiguidades da sentença, apenas se consentindo à parte arguir, pelo meio próprio, a nulidade da sentença que seja efectivamente ininteligível; havendo recurso ordinário da decisão, todas as nulidades de que a mesma padeça terão que ser arguidas na alegação de recurso podendo o juiz do tribunal recorrido pronunciar-se sobre tais nulidades suprindo-as, se for o caso, antes da subida dos autos ao tribunal superior; quanto aos despachos interlocutórios, em que se apreciem nulidades secundárias, apenas se admite recurso quando o mesmo tiver por fundamento específico a violação dos princípios básicos da igualdade e do contraditório ou a nulidade invocada tiver influência manifesta no julgamento do mérito, por contenderem com a aquisição processual de factos ou com a admissibilidade dos meios probatórios. 13/13

14 Com o NCPC, os poderes dos tribunais de segunda instância foram reforçados no que toca à reapreciação da matéria de facto impugnada, adoptando critérios interpretativos de forma a alcançar a verdade material, podendo o tribunal de 2ª instância (i) ordenar a renovação dos meios de prova, (ii) reapreciar a prova ou (iii) anular a decisão recorrida. Quanto ao recurso de apelação, cumpre destacar as seguintes alterações: esclarece-se que cabe recurso de apelação não apenas da decisão proferida em 1ª instância que ponha termo à causa, mas também das que ponham termo ao procedimento cautelar ou incidente processado autonomamente; cabe recurso (autónomo) de apelação das decisões interlocutórias que absolvam o(s) réu(s) da instância ou do(s) pedido(s); cabe recurso de apelação do despacho da admissão ou rejeição de algum articulado. Relativamente ao recurso de revista importa salientar que se mantém a dupla conforme em termos de impedir a interposição do recurso de revista; todavia, o NCPC veio clarificar que não há dupla conforme quando a decisão do Tribunal da Relação, além de conter voto de vencido, disponha de fundamentação essencialmente diferente da de 1ª instância. Uma nota quanto à aplicação da lei no tempo no que aos recursos respeita: aos recursos interpostos de decisões proferidas, a partir da entrada em vigor da presente lei, em acções instauradas antes de 1 de Janeiro de 2008, aplica-se o regime de recursos do Decreto-Lei nº 303/2007, de 24 de Agosto, com as alterações agora introduzidas, com excepção da regulamentação da dupla conforme introduzida em VII. A Acção Executiva O NCPC introduz algumas alterações no regime da acção executiva, desde logo com o retorno à existência de duas formas distintas de processo ordinária e sumária. A execução será ordinária quando: a obrigação haja de ser liquidada na fase executiva, seja alternativa ou condicional; o título não seja uma sentença e o exequente alegue a comunicabilidade da dívida ao cônjuge; nas situações em que a execução seja apresentada contra devedor subsidiário que não tenha renunciado ao benefício da excussão prévia. Nesta forma de execução haverá sempre lugar a despacho liminar e citação prévia, competindo o recebimento do requerimento executivo à secretaria. 14/17

15 A execução será sumária quando: se funde em sentença que não deva ser executada no próprio processo; em injunção; em título extrajudicial cuja obrigação pecuniária vencida esteja garantida por hipoteca ou penhor; em título extrajudicial cujo valor da respectiva obrigação não exceda o dobro do valor da alçada do tribunal de 1.ª instância. A execução sumária será recebida pelo agente de execução, dispensando-se o despacho liminar e a citação prévia. Igualmente relevante é a alteração introduzida no elenco de títulos executivos, deixando de ser títulos executivos os documentos particulares, assinados pelo devedor, que importem constituição ou reconhecimento de obrigações pecuniárias, cujo montante seja determinado ou determinável por simples cálculo aritmético de acordo com as cláusulas deles constantes. Assim sendo, os acordos de pagamento, confissão de dívida, contratos e outros documentos semelhantes, ainda que com assinaturas reconhecidas, deixam de constituir título executivo. Tendo em conta que as alterações introduzidas se aplicarão às execuções apresentadas a partir de 1 de Setembro, deixou de ser possível lançar mão dos documentos referidos para este efeito, ainda que o reconhecimento de dívida tenha sido anterior a esta data. Esta limitação parece violar os princípios da tutela da confiança e da segurança jurídica. De facto, não se vislumbra como poderão perder a qualidade de títulos executivos os documentos anteriores à entrada vigor do NCPC e que cumpriam todos requisitos anteriormente previstos, sendo que, e na senda da jurisprudência que já vinha sendo dominante, os títulos de crédito, ainda que meros quirógrafos, constam do elenco de títulos executivos, desde que seja invocada a relação subjacente. O NCPC traz também novidades significativas no que aos acordos de pagamento respeita, passando a estar prevista a possibilidade de ser celebrado pelo Executado um acordo global com exequente, executado e credores reclamantes. Este acordo poderá materializar-se: numa simples moratória; num perdão total ou parcial da dívida; na substituição ou constituição de novas garantias. A celebração de acordo de pagamento em prestações extinguirá a execução, podendo o exequente ou qualquer credor reclamante requerer a renovação da execução extinta, em caso de incumprimento. Novidade é igualmente a conversão automática da penhora em hipoteca ou penhor, como garantia do cumprimento do acordo celebrado, sempre que o exequente declare não prescindir da penhora já feita na execução. 15/17

16 As alterações referidas serão, porventura, as mais significativas no tocante à acção executiva. De qualquer modo, refiram-se ainda as seguintes: Apresentação do requerimento executivo: apenas aquando do pagamento das quantias devidas ao Agente de Execução a título de honorários e despesas se considerará apresentado o requerimento executivo; Título executivo: quando a execução se baseie em título de crédito e o requerimento executivo tiver sido entregue via Citius, o respectivo original tem que ser enviado para tribunal nos 10 dias seguintes à distribuição; Ordem de realização da penhora: começa pelos bens cujo valor pecuniário seja de mais fácil realização e se mostrem adequados ao montante do crédito do exequente; o agente de execução deve respeitar as indicações do exequente sobre os bens que pretenda ver prioritariamente penhorados; Penhora de saldos bancários: deixa de estar dependente de despacho que a autorize; passa a prever-se expressamente que são impenhoráveis 2/3 da parte líquida do vencimento ou rendimentos de natureza semelhante; a penhora de veículos automóveis passa a poder ser precedida de imobilização, evitando-se o registo de penhora sobre veículos que acabam por nunca serem apreendidos; Comunicabilidade das dívidas ao cônjuge: sendo o título diverso de sentença, o exequente, no requerimento executivo ou até ao início das diligência para venda ou adjudicação, pode alegar fundamentadamente que a dívida é comum, podendo o executado, em sede de oposição à penhora, alegar igualmente que a dívida é comum, especificando os bens que podem ser objecto de penhora; Venda de bens: a venda de bens móveis e imóveis passa a ser feita, preferencialmente, mediante leilão electrónico, com excepção dos que devam ser vendidos em mercados regulamentados e os que tenham de ser objecto de venda directa. Por último, importa aludir à excepção à regra geral de aplicabilidade a todas as execuções pendentes das normas do NCPC: O disposto relativamente aos títulos executivos, formas do processo executivo, requerimento executivo e tramitação da fase introdutória só se aplica às execuções iniciadas após a sua entrada em vigor; as previsões referentes aos procedimentos e incidentes de natureza declarativa (em sede de execução) apenas se aplicarão aos que sejam deduzidos a partir de 1 de Setembro de /17

17 Duas notas finais: uma para referir que, durante o primeiro ano subsequente à entrada em vigor do NCPC: o juiz corrige ou convida a parte a corrigir o erro sobre o regime legal aplicável por força da aplicação das normas transitórias ; quando da leitura dos articulados, requerimentos ou demais peças processuais resulte que a parte age em erro sobre o conteúdo do regime processual aplicável, podendo vir a praticar acto não admissível ou omitir acto que seja devido, deve o juiz, quando aquela prática ou omissão ainda sejam evitáveis, promover a superação do equívoco. Outra para mencionar os diplomas revogados com a entrada em vigor da presente lei: Código do Processo Civil, aprovado pelo Decreto-Lei nº 44129, de 28 de Dezembro de 1961; Regime do Processo Civil Simplificado, aprovado pelo Decreto-Lei nº 211/91, de 14 de Junho; Regime das Marcações de Audiências de Julgamento, aprovado pelo Decreto-Lei nº 184/2000, de 10 de Agosto; Regime Processual Civil Experimental, aprovado pelo Decreto-Lei nº 108/2006, de 8 de Junho; Artigos 11º a 19º do Decreto-Lei nº 226/2008, de 20 de Novembro (diploma que introduziu diversas alterações ao CPC, nomeadamente em sede de acção executiva, entre outros); Decreto-Lei nº 4/2013, de 11 de Janeiro que procedeu a um conjunto de medidas urgentes de combate às pendências em atraso no domínio da acção executiva. As alterações introduzidas parecem-nos ambiciosas e, nalguns aspectos até radicais, mas o seu sucesso dependerá, acima de tudo, da forma como os agentes da justiça as interiorizem e implementem o que implica, necessariamente, uma alteração de mentalidades, uma desformalização e flexibilização na forma como todos vêem e aplicam o processo civil português. 17/17 Esta Analysis contém informação e opiniões de carácter geral, não substituindo o recurso a aconselhamento jurídico para a resolução de casos concretos. Para mais informações, por favor contacte-nos através do ABREU ADVOGADOS SETEMBRO 2013 Lisboa Porto Funchal LISBOA Av. das Forças Armadas, º PORTO Rua S. João de Brito, 605 E - 4º MADEIRA Rua Dr. Brito da Câmara, 20 ANGOLA (EM PARCERIA) BRASIL (EM PARCERIA) Lisboa, Portugal Porto Funchal Tel.: (+351) Tel.: (+351) Tel.: (+351) CHINA (EM PARCERIA) Fax.: (+351) Fax.: (+351) Fax.: (+351) MOÇAMBIQUE (EM PARCERIA) TIMOR-LESTE (JOINT OFFICE)

O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL

O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL NEWSLETTER 2 Setembro de 2013 O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Entrou hoje, dia 01 de Setembro de 2013, em vigor, a Lei n.º 41/2013, de 26 de Junho, que aprovou o novo Código de Processo Civil. O Código

Leia mais

DIREITO DE PROCESSO CIVIL NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL LEI N.º 41/2013, DE 26 DE JUNHO

DIREITO DE PROCESSO CIVIL NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL LEI N.º 41/2013, DE 26 DE JUNHO DIREITO DE PROCESSO CIVIL NOVO CÓDIGO DE PROCESSO PUBLICADA EM DIÁRIO DA REPÚBLI- CA EM 26 DE JUNHO DE 2013, A LEI N.º 41/2013 VEM INTRODUZIR UMA PRO- FUNDA REFORMA AO ACTUAL CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL,

Leia mais

NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Providências cautelares, incidentes da instância e tramitação do processo declarativo comum.

NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Providências cautelares, incidentes da instância e tramitação do processo declarativo comum. NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Providências cautelares, incidentes da instância e tramitação do processo declarativo comum. Na sequência da aprovação e publicação do Novo Código de Processo Civil, muito

Leia mais

Intervenção proferida na Universidade Lusíada em 31 de Maio de 2013. 2

Intervenção proferida na Universidade Lusíada em 31 de Maio de 2013. 2 novidades na Acção Executiva 1 Sérgio Castanheira 2 Começo por agradecer o convite que me foi feito pela Universidade Lusíada, na pessoa do Sr. Conselheiro Cardona Ferreira, para estar presente nesta conferência,

Leia mais

O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL UM NOVO PARADIGMA

O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL UM NOVO PARADIGMA Newsletter 1 Setembro 2013 O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL UM NOVO PARADIGMA No passado dia 1 de Setembro, entrou em vigor, o novo Código de Processo Civil, publicado pela Lei n.º 41/2013, de 26 de Junho,

Leia mais

PRÁTICA PROCESSUAL CIVIL

PRÁTICA PROCESSUAL CIVIL PRÁTICA PROCESSUAL CIVIL 17ª Sessão DOS PRINCÍPIOS DA PROVA EM PROCESSO CIVIL Carla de Sousa Advogada 1º Curso de Estágio 2011 1 PROVA? FUNÇÃO DA PROVA: Demonstrar a realidade dos factos (artigo 341.º

Leia mais

9 de Junho 2014 Contencioso de Cobrança

9 de Junho 2014 Contencioso de Cobrança PROCEDIMENTO EXTRAJUDICIAL PRÉ-EXECUTIVO A Lei n.º 32/2014, de 30 de Maio, aprovou o procedimento extrajudicial pré-executivo (PEPEX), que visa a identificação de bens penhoráveis antes de ser instaurada

Leia mais

O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL

O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL PLMJ DIREITO CONTENCIOSO JUDICIAL E ARBITRAL O NOVO CÓDIGO O novo Código de Processo Civil (doravante NCPC) entra em vigor no dia 1 de Setembro de 2013 e será imediatamente aplicável às acções declarativas

Leia mais

A) Actos Judiciais. Funções da citação e da notificação

A) Actos Judiciais. Funções da citação e da notificação 1 PT A) Actos Judiciais Funções da citação e da notificação A citação é o acto pelo qual se dá conhecimento ao réu de que foi proposta contra ele determinada acção e se chama ao processo para se defender.

Leia mais

Na proposta do novo CPC a denominada condensação é a que vai sofrer maiores alterações.

Na proposta do novo CPC a denominada condensação é a que vai sofrer maiores alterações. Reforma do CPC Saneamento e condensação O nosso processo civil prevê, excepto para as acções de menor valor (sumaríssimas e posteriormente para as acções especiais para cumprimento de obrigações pecuniárias)

Leia mais

Direito Processual Civil II - Turma A

Direito Processual Civil II - Turma A Direito Processual Civil II - Turma A Regência: Professor Doutor Miguel Teixeira de Sousa 4 de Junho de 2015 Duração: 2h A intentou contra B e C uma ação, na secção cível do Tribunal da comarca do Porto.

Leia mais

REGULAMENTO. Capítulo I Disposições gerais

REGULAMENTO. Capítulo I Disposições gerais REGULAMENTO DO CENTRO DE ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA INSTITUCIONALIZADA DO INSTITUTO DOS VALORES MOBILIÁRIOS Capítulo I Disposições gerais Artigo 1º O presente Regulamento aplica-se às arbitragens que decorram

Leia mais

S U M Á R I O. Processo n.º 96/2010 Data do acórdão: 2010-3-25. Assuntos:

S U M Á R I O. Processo n.º 96/2010 Data do acórdão: 2010-3-25. Assuntos: Processo n.º 96/2010 Data do acórdão: 2010-3-25 (Autos de recurso civil e laboral) Assuntos: intervenção provocada auxiliar na defesa art. o 272. o, n. o 1, do Código de Processo Civil art. o 274. o, n.

Leia mais

Lei nº 5/99 LEI SOBRE PROCEDIMENTOS NO TRIBUNAL DE CONTAS. Preâmbulo

Lei nº 5/99 LEI SOBRE PROCEDIMENTOS NO TRIBUNAL DE CONTAS. Preâmbulo Lei nº 5/99 LEI SOBRE PROCEDIMENTOS NO TRIBUNAL DE CONTAS Preâmbulo Na sequência da adopção da Lei Orgânica do Tribunal de Contas, tem o presente diploma como escopo fundamental definir o processo atinente

Leia mais

LIÇÃO VII. 26 de ABRIL DE 2007

LIÇÃO VII. 26 de ABRIL DE 2007 LIÇÃO VII 26 de ABRIL DE 2007 No dia 2 de Abril de 2003 ocorreu um acidente de viação entre os veículos automóveis conduzidos, respectivamente, por António e Berto, respectivamente, na EN1, perto de Cantanhede.

Leia mais

28 de Março 2012 Contencioso de Cobrança

28 de Março 2012 Contencioso de Cobrança Entra em vigor amanhã, dia 29 de Março de 2012, a Lei n.º 7/2012, de 13 de Fevereiro, que procede à alteração e republicação do Regulamento das Custas Processuais. Desde a entrada em vigor do actual Regulamento

Leia mais

PROCEDIMENTO ESPECIAL DE DESPEJO E BALCÃO NACIONAL DO ARRENDAMENTO (LEI N.º 31/2012; DECRETO-LEI N.º 1/2013; PORTARIA N.º 9/2013)

PROCEDIMENTO ESPECIAL DE DESPEJO E BALCÃO NACIONAL DO ARRENDAMENTO (LEI N.º 31/2012; DECRETO-LEI N.º 1/2013; PORTARIA N.º 9/2013) Fevereiro 2013 Direito Imobiliário A Livraria Almedina e o Instituto do Conhecimento da Abreu Advogados celebraram em 2012 um protocolo de colaboração para as áreas editorial e de formação. Esta cooperação

Leia mais

10 de Setembro 2013 Contencioso de Cobrança

10 de Setembro 2013 Contencioso de Cobrança DAS OPERAÇÕES DE CRÉDITOS, JUROS REMUNERATÓRIOS, CAPITALIZAÇÃO DE JUROS E MORA DO DEVEDOR O Decreto-Lei n.º 58/2013, de 8 de Maio estabelece as novas normas aplicáveis à classificação e contagem dos prazos

Leia mais

REGULAMENTO DE INFORMAÇÃO, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DE CONFLITOS DE CONSUMO

REGULAMENTO DE INFORMAÇÃO, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DE CONFLITOS DE CONSUMO REGULAMENTO DE INFORMAÇÃO, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DE CONFLITOS DE CONSUMO CAPÍTULO I Serviço de Informação e Mediação SECÇÃO I Disposições gerais Artigo 1.º Composição O Serviço de Informação e Mediação

Leia mais

Como recorrer ao Julgado de Paz

Como recorrer ao Julgado de Paz A defesa em juízo é um princípio geral reconhecido pelo ordenamento jurídico italiano no artigo 24º da Constituição. De um modo geral, a representação é necessária, devendo, portanto, o requerente ser

Leia mais

REGULAMENTO DE ARBITRAGEM

REGULAMENTO DE ARBITRAGEM REGULAMENTO DE ARBITRAGEM CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º Âmbito de aplicação O presente Regulamento aplica-se às arbitragens em matéria administrativa que decorram sob a égide do Centro de Arbitragem

Leia mais

SUMÁRIO CAPÍTULO I FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO... 19 CAPÍTULO II - DO PROCESSO CIVIL... 39

SUMÁRIO CAPÍTULO I FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO... 19 CAPÍTULO II - DO PROCESSO CIVIL... 39 SUMÁRIO Apresentação da Coleção...15 CAPÍTULO I FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO... 19 1. Antecedentes históricos da função de advogado...19 2. O advogado na Constituição Federal...20 3. Lei de regência da

Leia mais

A Ação Executiva no Novo Código de Processo Civil

A Ação Executiva no Novo Código de Processo Civil Lurdes Mesquita Francisco Costeira da Rocha A Ação Executiva no Novo Código de Processo Civil Principais alterações e legislação aplicável Novo Código de Processo Civil (articulado relativo à ação executiva)

Leia mais

REGULAMENTO DE ARBITRAGEM 1. Capítulo I. Princípios Gerais. Artigo 1.º (Objecto da arbitragem)

REGULAMENTO DE ARBITRAGEM 1. Capítulo I. Princípios Gerais. Artigo 1.º (Objecto da arbitragem) REGULAMENTO DE ARBITRAGEM 1 Capítulo I Princípios Gerais Artigo 1.º (Objecto da arbitragem) Qualquer litígio, público ou privado, interno ou internacional, que por lei seja susceptível de ser resolvido

Leia mais

Tax News Flash nº 11/2014 Os impostos peça a peça

Tax News Flash nº 11/2014 Os impostos peça a peça 30 de Outubro de 2014 Tax News Flash nº 11/2014 Os impostos peça a peça Lei n.º 20/14, de 22 de Outubro Aprovação do Código das Execuções Fiscais Foi publicada, no Diário da República do dia 22 de Outubro

Leia mais

UNIVERSIDADE DO MINHO ESCOLA DE DIREITO. DIREITO PROCESSUAL CIVIL DECLARATÓRIO (3.º Ano 1.ª Chamada 25 de Junho de 2007)

UNIVERSIDADE DO MINHO ESCOLA DE DIREITO. DIREITO PROCESSUAL CIVIL DECLARATÓRIO (3.º Ano 1.ª Chamada 25 de Junho de 2007) UNIVERSIDADE DO MINHO ESCOLA DE DIREITO DIREITO PROCESSUAL CIVIL DECLARATÓRIO (3.º Ano 1.ª Chamada 25 de Junho de 2007) Leia atentamente as questões que lhe são colocadas e, só depois, responda às mesmas

Leia mais

(Tabela de correspondência de artigos com o código antigo)

(Tabela de correspondência de artigos com o código antigo) (Tabela de correspondência de artigos com o código antigo) CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL 49 LEI N.º 41/2013, DE 26 DE JUNHO 49 Artigo 1.º Objeto 49 Art. 2.º Remissões 49 Art. 3.º Intervenção oficiosa do juiz

Leia mais

UNIVERSIDADE DO MINHO ESCOLA DE DIREITO. DIREITO PROCESSUAL CIVIL DECLARATÓRIO (3.º Ano 2.ª Chamada 27 de Junho de 2007)

UNIVERSIDADE DO MINHO ESCOLA DE DIREITO. DIREITO PROCESSUAL CIVIL DECLARATÓRIO (3.º Ano 2.ª Chamada 27 de Junho de 2007) UNIVERSIDADE DO MINHO ESCOLA DE DIREITO DIREITO PROCESSUAL CIVIL DECLARATÓRIO (3.º Ano 2.ª Chamada 27 de Junho de 2007) Leia atentamente as questões que lhe são colocadas e, só depois, responda às mesmas

Leia mais

Exmos. Colegas, Com os melhores cumprimentos e a mais elevada estima, dos colegas,

Exmos. Colegas, Com os melhores cumprimentos e a mais elevada estima, dos colegas, Exmos. Colegas, Foi publicado em anexo à Lei n.º 41/2013, de 26 de Junho, o Novo Código de Processo Civil, que entrará em vigor já no próximo dia 01 de Setembro, aplicando se o mesmo aos processos pendentes

Leia mais

Acórdão do Tribunal da Relação do Porto

Acórdão do Tribunal da Relação do Porto Acórdão do Tribunal da Relação do Porto Processo: 0452592 Nº Convencional: JTRP00036870 Relator: CAIMOTO JÁCOME Data do Acórdão: 17-05-2004 Sumário: I Constitui título executivo o documento representativo

Leia mais

A Sentença, em especial a decisão de facto

A Sentença, em especial a decisão de facto Jornadas de Processo Civil CENTRO DE ESTUDOS JUDICIÁRIOS Fórum Lisboa 19 de Abril de 2013 A Sentença, em especial a decisão de facto Com base no texto final da Proposta de Lei n.º 113/XII, aprovado na

Leia mais

ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA

ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA (Até às alterações do Decreto Lei n.º 38/2003, de 08 de Março) ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA CAPÍTULO I Artigo 1.º Convenção de arbitragem 1 - Desde que por lei especial não esteja submetido exclusivamente a tribunal

Leia mais

1º LINHAS GERAIS. 1. Questão prévia: uma Contra-reforma? 2. Linhas gerais

1º LINHAS GERAIS. 1. Questão prévia: uma Contra-reforma? 2. Linhas gerais A repartição de competências no processo executivo: o juiz, o agente de execução e a secretaria Rui Pinto 1 1º LINHAS GERAIS 1. Questão prévia: uma Contra-reforma? 2. Linhas gerais 1. Retorno parcial ao

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) de 27 de Novembro de 2003

Jornal Oficial da União Europeia. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) de 27 de Novembro de 2003 23.12.2003 L 338/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) REGULAMENTO (CE) N. o 2201/2003 DO CONSELHO de 27 de Novembro de 2003 relativo à competência, ao reconhecimento e à execução

Leia mais

Plano para recuperar ou liquidar a empresa

Plano para recuperar ou liquidar a empresa Plano para recuperar ou liquidar a empresa Os credores podem decidir se querem recuperar a empresa ou liquidála. Cabe aos credores de uma empresa decidirem se querem recuperá-la a empresa ou liquidá-la,

Leia mais

SUMÁRIO. - Ao abrigo do disposto no artigo 219º do Código. de Processo Civil, o pedido de apensação só pode ser

SUMÁRIO. - Ao abrigo do disposto no artigo 219º do Código. de Processo Civil, o pedido de apensação só pode ser Processo nº 646/2014 (Autos de recurso civil) Data: 14/Maio/2015 Assuntos: Apensação de acções SUMÁRIO - Ao abrigo do disposto no artigo 219º do Código de Processo Civil, o pedido de apensação só pode

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL 7554 Diário da República, 1.ª série N.º 198 13 de Outubro de 2009 MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL Decreto-Lei n.º 295/2009 de 13 de Outubro Com o presente decreto -lei, procede -se a um

Leia mais

RECLAMAÇÃO DE CRÉDITOS

RECLAMAÇÃO DE CRÉDITOS RECLAMAÇÃO DE CRÉDITOS Natureza e finalidade do Processo Reclamações de créditos Impugnações de créditos Sentença de verificação e graduação Classes de créditos Artigo 1.º Finalidade do processo de insolvência

Leia mais

5. A rescisão do contrato de trabalho sem prévia instauração de um processo disciplinar é considerado despedimento sem justa causa.

5. A rescisão do contrato de trabalho sem prévia instauração de um processo disciplinar é considerado despedimento sem justa causa. Proc. n 101/97 Prisão Abandono do posto de trabalho Processo disciplinar Nulidades secundárias Legitimidade Processo sumário Conciliação Sumário: 1. Apenas às partes ou seus mandatários é conferida legitimidade

Leia mais

ncpc 12 QUESTÕES SOBRE PRÁTICAS PROCESSUAIS NO (NOVO) CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Armando A. Oliveira 25 de junho de 2015

ncpc 12 QUESTÕES SOBRE PRÁTICAS PROCESSUAIS NO (NOVO) CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Armando A. Oliveira 25 de junho de 2015 ncpc 12 QUESTÕES SOBRE PRÁTICAS PROCESSUAIS NO (NOVO) CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Armando A. Oliveira 25 de junho de 2015 Interação entre A.E. e tribunal Um dos principais entraves ao regular funcionamento

Leia mais

Decreto-Lei n.º 190/2003 de 22 de Agosto

Decreto-Lei n.º 190/2003 de 22 de Agosto Decreto-Lei n.º 190/2003 de 22 de Agosto Pela Lei n.º 93/99, de 14 de Julho, a Assembleia da República aprovou o diploma que regula a aplicação de medidas para protecção de testemunhas em processo penal,

Leia mais

REVERSÃO FISCAL. B. As diferentes Fases do Processo e os Mecanismos de Defesa Direito de Audição Notificação

REVERSÃO FISCAL. B. As diferentes Fases do Processo e os Mecanismos de Defesa Direito de Audição Notificação Trainee: Margarida Cruz 11 de Abril de 2014 REVERSÃO FISCAL A. Conceptualização A reversão de execução fiscal consiste num regime que determina a responsabilização de uma determinada pessoa, a título subsidiário,

Leia mais

Fórum Jurídico. Julho 2014 Contencioso INSTITUTO DO CONHECIMENTO AB. www.abreuadvogados.com 1/5

Fórum Jurídico. Julho 2014 Contencioso INSTITUTO DO CONHECIMENTO AB. www.abreuadvogados.com 1/5 Julho 2014 Contencioso A Livraria Almedina e o Instituto do Conhecimento da Abreu Advogados celebraram em 2012 um protocolo de colaboração para as áreas editorial e de formação. Esta cooperação visa a

Leia mais

"RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS" Francisco Duarte Administrador de Insolvência

RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS Francisco Duarte Administrador de Insolvência "RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS" Francisco Duarte Administrador de Insolvência PROCESSO DE INSOLVÊNCIA FINALIDADE: Liquidação do património de um devedor insolvente, e repartição do respectivo produto, resultante

Leia mais

CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL

CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Hay Management COMUNICAÇÃO Consultants C REFORMA DA AÇÃO EXECUTIVA NO NOVO Implementação de um Sistema de Planos de Carreira e Desenvolvimento Profissional CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL - Proposta de Colaboração

Leia mais

CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL. (23.ª Edição)

CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL. (23.ª Edição) CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL (23.ª Edição) Código de Processo Civil 2 TÍTULO: CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL AUTORES: Miguel Mesquita EDITOR: EDIÇÕES ALMEDINA, SA Avenida Fernão de Magalhães, n.º 584, 5º Andar 3000-174

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA EXAME DE CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO 19.06.2015, AFN. Turma da Noite

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA EXAME DE CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO 19.06.2015, AFN. Turma da Noite FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA EXAME DE CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO 19.06.2015, AFN Turma da Noite I Explique o seguinte trecho do Acórdão do STA de 13.10.2013, processo n.º

Leia mais

Conferência REGIME PROCESSUAL EXPERIMENTAL: SIMPLIFICAÇÃO E GESTÃO PROCESSUAL. Direcção-Geral da Política Legislativa. Porto, 16 de Outubro de 2007

Conferência REGIME PROCESSUAL EXPERIMENTAL: SIMPLIFICAÇÃO E GESTÃO PROCESSUAL. Direcção-Geral da Política Legislativa. Porto, 16 de Outubro de 2007 Conferência REGIME PROCESSUAL EXPERIMENTAL: SIMPLIFICAÇÃO E GESTÃO PROCESSUAL Direcção-Geral da Política Legislativa Porto, 16 de Outubro de 2007 A IMPORTÂNCIA DA COLABORAÇÃO DAS PARTES I INTRODUÇÃO: Falar

Leia mais

1422 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 45 22 de Fevereiro de 2002 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

1422 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 45 22 de Fevereiro de 2002 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 1422 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 45 22 de Fevereiro de 2002 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n. o 15/2002 de 22 de Fevereiro Aprova o Código de Processo nos Tribunais Administrativos (revoga o Decreto-Lei

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS PROTECÇÃO JURÍDICA SEGURO COLECTIVO DA ORDEM DOS MÉDICOS DENTISTAS APÓLICE 84.10.071839

CONDIÇÕES ESPECIAIS PROTECÇÃO JURÍDICA SEGURO COLECTIVO DA ORDEM DOS MÉDICOS DENTISTAS APÓLICE 84.10.071839 CONDIÇÕES ESPECIAIS PROTECÇÃO JURÍDICA SEGURO COLECTIVO DA ORDEM DOS MÉDICOS DENTISTAS APÓLICE 84.10.071839 As presentes Condições Especiais Protecção Jurídica articulam-se com o disposto nas Condições

Leia mais

A D M I N I S T R A D O R E S, G E R E N T E S E O U T R O S

A D M I N I S T R A D O R E S, G E R E N T E S E O U T R O S i Nº 16 / 14 R E V E R S Õ E S F I S C A I S P A R A A D M I N I S T R A D O R E S, G E R E N T E S E O U T R O S R E S P O N S Á V E I S T R I B U T Á R I O S S U B S I D I Á R I O S I. INTRODUÇÃO O crescente

Leia mais

AMN A Z E V E D O, M A R Q U E S & N OVERSA Sociedade de Advogados, R.I.

AMN A Z E V E D O, M A R Q U E S & N OVERSA Sociedade de Advogados, R.I. Tabela de Honorários dos Advogados e Solicitadores (Portaria n.º 1386/2004, de 10 de Novembro repristinada pela Portaria n.º 210/2008, de 29 de Fevereiro) A Lei n.º 34/2004, de 29 de Julho, que procedeu

Leia mais

PROVEDOR DO CLIENTE REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO. Artigo 1º. Objecto

PROVEDOR DO CLIENTE REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO. Artigo 1º. Objecto PROVEDOR DO CLIENTE REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO Artigo 1º Objecto O presente Regulamento tem por objectivo regular a actividade, os princípios e as normas de conduta que regem as relações com os tomadores

Leia mais

3ª aula: REFORMAS DO CPC E SEUS REFLEXOS NO PROCESSO DO TRABALHO

3ª aula: REFORMAS DO CPC E SEUS REFLEXOS NO PROCESSO DO TRABALHO Material disponibilizado pelo Professor: 3ª aula: REFORMAS DO CPC E SEUS REFLEXOS NO PROCESSO DO TRABALHO REMIÇÃO DA EXECUÇÃO CPC, 651. Antes de adjudicados ou alienados os bens, pode o executado, a todo

Leia mais

Fórum Jurídico. Julho 2013 Contencioso Penal INSTITUTO DO CONHECIMENTO AB. www.abreuadvogados.com 1/6

Fórum Jurídico. Julho 2013 Contencioso Penal INSTITUTO DO CONHECIMENTO AB. www.abreuadvogados.com 1/6 Julho 2013 Contencioso Penal A Livraria Almedina e o Instituto do Conhecimento da Abreu Advogados celebraram em 2012 um protocolo de colaboração para as áreas editorial e de formação. Esta cooperação visa

Leia mais

UNIVERSIDADE DO MINHO ESCOLA DE DIREITO

UNIVERSIDADE DO MINHO ESCOLA DE DIREITO UNIVERSIDADE DO MINHO ESCOLA DE DIREITO 2ª Frequência / Exame de Direito Processual Civil Declaratório 3º ano do Curso de Direito 1ª chamada 17 de Junho de 2005 Nome: Nº aluno: Exame Frequência Instruções:

Leia mais

Falta de assento de nascimento de Autor em acção de acidente de viação

Falta de assento de nascimento de Autor em acção de acidente de viação TRIBUNAL DA RELAÇÃO DE LISBOA Falta de assento de nascimento de Autor em acção de acidente de viação JURISPRUDÊNCIA Acórdão de 10-01-2013 Processo n.º 711/2002.L1 8.ª Secção Relatora: Juíza Desembargadora

Leia mais

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PROVEDORIA DO CLIENTE

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PROVEDORIA DO CLIENTE REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PROVEDORIA DO CLIENTE ARTIGO 1º SERVIÇO DE PROVEDORIA DO CLIENTE DE SEGUROS 1. O Serviço de Provedoria do Cliente de Seguros é criado por tempo indeterminado e visa a disponibilização

Leia mais

A NOVA DIMENSÃO DO DIREITO AO RECURSO Em particular: notas breves sobre o contributo do novo processo administrativo

A NOVA DIMENSÃO DO DIREITO AO RECURSO Em particular: notas breves sobre o contributo do novo processo administrativo A NOVA DIMENSÃO DO DIREITO AO RECURSO Em particular: notas breves sobre o contributo do novo processo administrativo Elizabeth Fernandez (Assistente Convidada da Escola de Direito da Universidade do Minho

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0573/13 Data do Acordão: 30-04-2013 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: VALENTE TORRÃO Descritores: Sumário: COMPENSAÇÃO DE CRÉDITOS CPPT PEDIDO PRESTAÇÃO DE GARANTIA Nº Convencional: JSTA000P15671

Leia mais

( Até às alterações do Decreto-Lei n.º 20/2008, de 31 de Janeiro) REGISTO AUTOMÓVEL

( Até às alterações do Decreto-Lei n.º 20/2008, de 31 de Janeiro) REGISTO AUTOMÓVEL ( Até às alterações do Decreto-Lei n.º 20/2008, de 31 de Janeiro) REGISTO AUTOMÓVEL Artigo 1.º 1 - O registo de veículos tem essencialmente por fim dar publicidade à situação jurídica dos veículos a motor

Leia mais

Processo n.º 181/2001 Data do acórdão: 24/1/2002

Processo n.º 181/2001 Data do acórdão: 24/1/2002 Processo n.º 181/2001 Data do acórdão: 24/1/2002 (Recurso Civil) Assuntos: - Promessa de compra e venda de imóvel hipotecado - Execução específica - Ilegitimidade do credor hipotecário na acção - Prevalência

Leia mais

A propositura da ação vincula apenas o autor e o juiz, pois somente com a citação é que o réu passa a integrar a relação jurídica processual.

A propositura da ação vincula apenas o autor e o juiz, pois somente com a citação é que o réu passa a integrar a relação jurídica processual. PROCESSO FORMAÇÃO, SUSPENSÃO E EXTINÇÃO DO FORMAÇÃO DO PROCESSO- ocorre com a propositura da ação. Se houver uma só vara, considera-se proposta a ação quando o juiz despacha a petição inicial; se houver

Leia mais

Assunto: Acção social de responsabilidade contra administrador Acção social ut universi e Acção social ut singuli Artigo 248º do Código Comercial

Assunto: Acção social de responsabilidade contra administrador Acção social ut universi e Acção social ut singuli Artigo 248º do Código Comercial Processo nº 407/2013 (Autos de recurso civil) Data: 11/Setembro/2014 Assunto: Acção social de responsabilidade contra administrador Acção social ut universi e Acção social ut singuli Artigo 248º do Código

Leia mais

A T R I B U T A Ç Ã O A N G O L A N A ( V I ) : O N O V O C Ó D I G O D A S E X E C U Ç Õ E S F I S C A I S

A T R I B U T A Ç Ã O A N G O L A N A ( V I ) : O N O V O C Ó D I G O D A S E X E C U Ç Õ E S F I S C A I S i N º 2 / 1 5 A T R I B U T A Ç Ã O A N G O L A N A ( V I ) : O N O V O C Ó D I G O D A S E X E C U Ç Õ E S F I S C A I S INTRODUÇÃO No âmbito da reforma tributária em curso em Angola, foi, no passado

Leia mais

Processo nº 240/2010. ASSUNTO: - Simulação

Processo nº 240/2010. ASSUNTO: - Simulação Processo nº 240/2010 (Autos de Recurso Civil e Laboral) Data: 12 de Janeiro de 2012 ASSUNTO: - Simulação SUMÁ RIO: - Para verificar a simulação do preço nos termos do nº 1 do artº 232º do C.C. é necessário

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo. Acordam na Secção de Contencioso Tributário do Supremo Tribunal Administrativo I-RELATÓRIO

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo. Acordam na Secção de Contencioso Tributário do Supremo Tribunal Administrativo I-RELATÓRIO Acórdãos STA Processo: 0951/12 Data do Acordão: 30-01-2013 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: FERNANDA MAÇÃS Descritores: Sumário: Nº Convencional: JSTA000P15201 Nº do Documento: SA2201301300951 Data de Entrada:

Leia mais

Sumários de Acórdãos do

Sumários de Acórdãos do 2013 Sumários de Acórdãos do Tribunal Constitucional Direito do Trabalho Centro Informático 2014 ADVERTÊNCIA O texto aqui apresentado foi disponibilizado antes da publicação, pelo que pode não coincidir

Leia mais

SUMÁRIO NOTA DO AUTOR À TERCEIRA EDIÇÃO

SUMÁRIO NOTA DO AUTOR À TERCEIRA EDIÇÃO SUMÁRIO NOTA DO AUTOR À TERCEIRA EDIÇÃO... 15 PREFÁCIO... 17 INTRODUÇÃO... 19 Capítulo I FLEXIBILIZAÇÃO... 21 1.1. Definição... 21 1.2. Flexibilização da norma... 23 1.3. Flexibilizar a interpretação e

Leia mais

O DEVER DE GESTÃO PROCESSUAL NO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL DE 2013

O DEVER DE GESTÃO PROCESSUAL NO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL DE 2013 O DEVER DE GESTÃO PROCESSUAL NO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL DE 2013 MIGUEL DINIS PESTANA SERRA Professor Adjunto Convidado da Escola Superior de Gestão de Idanha-a-Nova do Instituto Politécnico de Castelo

Leia mais

Procedimentos judiciais para a cobrança de créditos/efectivação de direitos.

Procedimentos judiciais para a cobrança de créditos/efectivação de direitos. www.abreucardigos.com 2 Meios de Prova 3 Porque o Autor/Réu não pode depor enquanto testemunha 4 A Prova Pericial 5 Isto agora é mais fácil ou não - O título executivo europeu Editorial Em Outubro de 2005,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO - JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe 7ª Vara Federal FLUXOGRAMA 28 - AÇÃO MONITÓRIA

PODER JUDICIÁRIO - JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe 7ª Vara Federal FLUXOGRAMA 28 - AÇÃO MONITÓRIA PODER JUDICIÁRIO - JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe 7ª Vara Federal FLUXOGRAMA 28 - AÇÃO MONITÓRIA INÍCIO análise inicial Verificar a existência de demonstrativo de débito e contrato

Leia mais

AGILIZAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS DE PENHORA

AGILIZAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS DE PENHORA AGILIZAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS DE PENHORA Carla Mascarenhas 16 de Abril de 2009 A fase de penhora PROGRAMA Consultas e diligências prévias Ordem da realização da penhora Procedimento da penhora de bens Imóveis

Leia mais

OHADA ACTO UNIFORME PARA A ORGANIZAÇÃO DOS PROCESSOS SIMPLIFICADOS DE COBRANÇA E DAS VIAS DE EXECUÇÃO

OHADA ACTO UNIFORME PARA A ORGANIZAÇÃO DOS PROCESSOS SIMPLIFICADOS DE COBRANÇA E DAS VIAS DE EXECUÇÃO OHADA ACTO UNIFORME PARA A ORGANIZAÇÃO DOS PROCESSOS SIMPLIFICADOS DE COBRANÇA E DAS VIAS DE EXECUÇÃO fa 477 cobrança Cobrança e vias de execução 2 ACTO UNIFORME PARA A ORGANIZAÇÃO DOS PROCESSOS SIMPLIFICADOS

Leia mais

A execução incide somente sobre o patrimônio do executado. É sempre real.

A execução incide somente sobre o patrimônio do executado. É sempre real. PRINCÍPIOS DA EXECUÇÃO - Princípio da Patrimonialidade A execução incide somente sobre o patrimônio do executado. É sempre real. Art. 591. O devedor responde, para o cumprimento de suas obrigações, com

Leia mais

07 de Fevereiro 2013 Direito do Trabalho

07 de Fevereiro 2013 Direito do Trabalho 07 de Fevereiro 2013 Direito do Trabalho Estágios Profissionais A matéria relativa aos estágios profissionais encontra-se regulada pelo Decreto-Lei n.º 66/2011, de 1 de Junho («Estágios Profissionais»)

Leia mais

Processo de liquidação

Processo de liquidação Processo de liquidação Regra geral, a sociedade dissolvida entra imediatamente em liquidação, permitindo que se realizem as operações necessárias para que os bens sociais fiquem em condições de ser partilhados

Leia mais

Regimes de Custas desde 15/09/2003

Regimes de Custas desde 15/09/2003 JORNADAS DE ESTUDO CONTA E ENCERRAMENTO DO PROCESSO Armando A Oliveira - Solicitador Regimes de Custas desde 15/09/2003 15 de Setembro de 2003 Reforma da acção executiva Foi reduzido o valor da taxa de

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Diário da República, 1.ª série N.º 175 8 de setembro de 2015 7187 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 141/2015 de 8 de setembro Aprova o Regime Geral do Processo Tutelar Cível, e procede à primeira alteração

Leia mais

Recuperação de IVA em créditos incobráveis ou de cobrança duvidosa

Recuperação de IVA em créditos incobráveis ou de cobrança duvidosa Recuperação de IVA em créditos incobráveis ou de cobrança duvidosa Acção executiva, meios extra-judiciais e recuperação do IVA - Fundação Francisco Manuel dos Santos 13 de Maio de 2013 Base Comunitária

Leia mais

NOVO REGIME JURÍDICO DO CHEQUE SEM PROVISÃO TEXTO INTEGRAL ACTUALIZADO

NOVO REGIME JURÍDICO DO CHEQUE SEM PROVISÃO TEXTO INTEGRAL ACTUALIZADO NOVO REGIME JURÍDICO DO CHEQUE SEM PROVISÃO TEXTO INTEGRAL ACTUALIZADO Decorrente do Dec.-Lei 316/97, de 19 de Novembro. CAPÍTULO I Das restrições ao uso de cheque Artigo 1. Rescisão da convenção de cheque

Leia mais

ACTA DE REUNIÃO DE TRABALHO

ACTA DE REUNIÃO DE TRABALHO NOME José Henrique Delgado Carvalho Teresa Maria de Melo Madail Manuel Nunes Ferreira Fernando J. F. Brites Maria Manuela Araújo Novais Estrela Celeste Simões Agentes de Execução INTERVENIENTES FUNÇÃO

Leia mais

Novas regras para insolvência avançam em Maio, mas falta regular actividade dos gestores.

Novas regras para insolvência avançam em Maio, mas falta regular actividade dos gestores. Administradores de insolvência ainda sem estatuto Novas regras para insolvência avançam em Maio, mas falta regular actividade dos gestores. Económico, 23-04-12 As novas regras para o processo de insolvência

Leia mais

As Principais Modificações no Processo Civil. Pedro Henrique Pedrosa Nogueira

As Principais Modificações no Processo Civil. Pedro Henrique Pedrosa Nogueira As Principais Modificações no Processo Civil Pedro Henrique Pedrosa Nogueira PARTE GERAL E PROCEDIMENTO COMUM Valorização do contraditório Distribuição dinâmica do ônus da prova Gestão do procedimento

Leia mais

Assim, não há lugar a despacho liminar, nem a citação prévia do executado nas execuções baseadas em:

Assim, não há lugar a despacho liminar, nem a citação prévia do executado nas execuções baseadas em: Decreto-Lei n.º 38/2003, de 8 de março A revisão do Código de Processo Civil operada pelo Decreto-Lei n.º 329-A/95, de 12 de dezembro, e pelo Decreto-Lei n.º 180/96, de 25 de setembro, complementada pelo

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA PROVA ESCRITA DE DIREITO PROCESSUAL CIVIL I - TURMA A

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA PROVA ESCRITA DE DIREITO PROCESSUAL CIVIL I - TURMA A FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA PROVA ESCRITA DE DIREITO PROCESSUAL CIVIL I - TURMA A REGENTE: PROF. DOUTOR MIGUEL TEIXEIRA DE SOUSA 21-01-2015 DURAÇÃO DA PROVA: 2H00 Aproveitando uma promoção

Leia mais

Fórum Jurídico. Fevereiro 2015 Direito Comercial INSTITUTO DO CONHECIMENTO AB. www.abreuadvogados.com 1/7

Fórum Jurídico. Fevereiro 2015 Direito Comercial INSTITUTO DO CONHECIMENTO AB. www.abreuadvogados.com 1/7 Fevereiro 2015 Direito Comercial A Livraria Almedina e o Instituto do Conhecimento da Abreu Advogados celebraram em 2012 um protocolo de colaboração para as áreas editorial e de formação. Esta cooperação

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 5276 Diário da República, 1.ª série N.º 238 14 de Dezembro de 2011 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 63/2011 de 14 de Dezembro Aprova a Lei da Arbitragem Voluntária A Assembleia da República decreta, nos

Leia mais

CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO Rafael Carvalho Rezende Oliveira 2ª para 3ª edição

CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO Rafael Carvalho Rezende Oliveira 2ª para 3ª edição A 3ª edição do livro CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO foi atualizada com o texto do PL de novo CPC enviado pelo Congresso Nacional à sanção presidencial em 24.02.2015. Em razão da renumeração dos artigos

Leia mais

Reforma do Regime dos Recursos em Processo Civil. (Decreto-Lei n.º 303/2007, de 24 de Agosto)

Reforma do Regime dos Recursos em Processo Civil. (Decreto-Lei n.º 303/2007, de 24 de Agosto) Reforma do Regime dos Recursos em Processo Civil (Decreto-Lei n.º 303/2007, de 24 de Agosto) Sumário Aplicação da lei no tempo e regime dos recursos em legislação extravagante Simplificação do regime de

Leia mais

3 AGOSTO, 2012 Área de Prática de Direito Público & Ambiente

3 AGOSTO, 2012 Área de Prática de Direito Público & Ambiente SÉTIMA ALTERAÇÃO AO CÓDIGO DOS CONTRATOS PÚBLICOS No passado dia 12 de Julho de 2012 foi publicado o Decreto-Lei n.º 149/2012, que altera o Código dos Contratos Públicos ( CCP ), ajustando-o ao disposto

Leia mais

NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL CURSO PARA AGENTES DE EXECUÇÃO JULHO/AGOSTO 2013 CRN CÂMARA SOLICITADORES

NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL CURSO PARA AGENTES DE EXECUÇÃO JULHO/AGOSTO 2013 CRN CÂMARA SOLICITADORES NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL CURSO PARA AGENTES DE EXECUÇÃO JULHO/AGOSTO 2013 CRN CÂMARA SOLICITADORES I) ALGUMAS NOVIDADES: BREVES REFERÊNCIAS A forma do processo de declaração A gestão inicial do processo

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A ACÇÃO EXECUTIVA

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A ACÇÃO EXECUTIVA PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A ACÇÃO EXECUTIVA ÍNDICE: I. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 1. ÂMBITO DE APLICAÇÃO MATERIAL 1. A que acções executivas se aplica o novo regime da acção executiva? 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO

Leia mais

2. Interdição e Inabilitação. Beatriz Valério Direito da Família e Sucessões

2. Interdição e Inabilitação. Beatriz Valério Direito da Família e Sucessões 2. Interdição e Inabilitação Beatriz Valério Direito da Família e Sucessões Autismo e incapacidades Regra geral os cidadãos são titulares de direitos que podem exercer e de obrigações que podem cumprir

Leia mais

Acordam no Tribunal da Relação de Guimarães: Apelante: e Outras (RR.); Apelado: (AA.);

Acordam no Tribunal da Relação de Guimarães: Apelante: e Outras (RR.); Apelado: (AA.); Acordam no Tribunal da Relação de Guimarães: I Relatório; Apelante: e Outras (RR.); Apelado: (AA.); Nos presentes autos de acção de honorários, a co-ré e Outros vieram interpor recurso de apelação da sentença

Leia mais

PRÁTICA EXTEMPORÂNEA DE ACTOS PROCESSUAIS PENAIS

PRÁTICA EXTEMPORÂNEA DE ACTOS PROCESSUAIS PENAIS PRÁTICA EXTEMPORÂNEA DE ACTOS PROCESSUAIS PENAIS Artº. 107º nº. 5 e 107º A do CPP 145º do CPC APONTAMENTOS PRÁTICOS PARA OFICIAIS DE JUSTIÇA ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA SANÇÃO PELA PRÁTICA EXTEMPORÂNEA DE

Leia mais

DEPT. RECUPERAÇÃO DE CRÉDITO MANUELA DUARTE NEVES CASTANHEIRA MARTINS

DEPT. RECUPERAÇÃO DE CRÉDITO MANUELA DUARTE NEVES CASTANHEIRA MARTINS Cobrar: No Tribunal e Fora do Tribunal DEPT. RECUPERAÇÃO DE CRÉDITO MANUELA DUARTE NEVES CASTANHEIRA MARTINS Cobrar: No Tribunal e Fora do Tribunal Se Você tem dívida, não se preocupe, porque as preocupações

Leia mais

REGULAMENTO DE MEDIAÇÃO DO CENTRO DE INFORMAÇÃO, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DA ORDEM DOS NOTÁRIOS

REGULAMENTO DE MEDIAÇÃO DO CENTRO DE INFORMAÇÃO, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DA ORDEM DOS NOTÁRIOS Artigo 1.º Objecto e âmbito 1. Qualquer litígio sobre cujo objecto seja admitida transacção pode ser submetido pelas partes a Mediação, conduzida sob a égide do Centro de Arbitragem, Mediação e Peritagens

Leia mais