RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA CIVIL CAMPUS CAMPO MOURÃO ENGENHARIA CIVIL MARCELO PALHARINI RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO Relatório de Estágio Curricular Obrigatório apresentado como requisito parcial à obtenção do título de Bacharel em Engenharia Civil, pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Câmpus Campo Mourão. Orientador: Prof. Msc. Luiz Becher Autorizo o encaminhamento para avaliação, Assinatura do prof. Orientador CAMPO MOURÃO 2014

2 RESUMO Este relatório tem como objetivo apresentar as atividades mais significativas desenvolvidas no estágio do curso de Engenharia Civil. O estágio foi realizado em duas empresas diferentes e em duas etapas. A primeira foi caracterizada por serviços na área de acabamentos e orçamentos, e a segunda teve ênfase na execução e gerenciamento de obras. Ambos trouxeram um grande aprendizado para fortalecer os conhecimento teóricos adquiridos em sala.

3 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO DESCRIÇÃO DAS UCE (UNIDADE CONCEDENTE DE ESTÁGIO)...4 MAX SERVICOS ESPECIALIZADOS DE ACABAMENTO LTDA - ME OBJETIVOS DO ESTÁGIO E RESUMO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIMENTO DO ESTÁGIO - MAX SERVIÇOS DE ACABAMENTOS DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIMENTO DO ESTÁGIO - ENGETEC DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PRINCIPAIS PROBLEMAS ENCONTRADOS RELAÇÃO DO ESTÁGIO COM AS DISCIPLINAS DO CURSO CONCLUSÕES APRENDIZADO PRÁTICO RELACIONAMENTO PROFISSIONAL SUGESTÕES PARA A UNIVERSIDADE CONSIDERAÇÕES FINAIS...18

4 LISTA DE FIGURAS Figura 1 - Reforma Apartamento... 5 Figura 2 - Fórum Ivaiporã... 6 Figura 3 - Reforma Apartamento Figura 4 - Armação Ferragem... 8 Figura 5 - Locação Areia... 9 Figura 6 - Locação Ferragem... 9 Figura 7 - Fundação... 9 Figura 8 - Projetos Figura 9 - Usina Móvel de Concreto Figura 10 - Formas Pilares Figura 11 - Alvenaria Figura 12 - Lajes Protendidas Figura 13 - Escoras Figura 14 - Pilares Figura 15 - Defeito Vigas Figura 16 - Defeito Vigas Figura 17 - Laje Nervurada Figura 18 - Laje Nervurada

5 4 1 INTRODUÇÃO Este relatório tem por objetivo descrever as atividades de estágio obrigatório realizado em duas fases. A primeira etapa foi realizada na empresa Max Serviços Especializados de Acabamento em Maringá-Pr, no período de 02 de Janeiro a 02 de Março de 2012, com atividades desenvolvidas no setor de acabamentos e orçamentos. A segunda etapa foi realizada na empresa Engetec de Campo Mourão-PR, no período de 28 de Março de 2012 a 18 Maio de 2012, com atividades desenvolvidas na Construção do Fórum de Ivaiporã-Pr. Nos estágios foram desenvolvidos todas as atividades necessárias para o desenvolvimento do estagiário, sendo: leitura e orientação de execução de projetos, acompanhamento de obras, orçamento de materiais, conferencia de materiais, resolução de problemas construtivos, relacionamento pessoal com a mão de obra e especialista técnico, dentre outros. Através das experiências adquiridas nas obras, foi possível levantar várias considerações sobre os métodos construtivos e as atividades desenvolvidas, tendo em vista o cumprimento do objetivo do estágio. 1.1 DESCRIÇÃO DAS UCE (UNIDADE CONCEDENTE DE ESTÁGIO) MAX SERVICOS ESPECIALIZADOS DE ACABAMENTO LTDA - ME Empresa especializada na área de acabamentos em geral, atuando na cidade de Maringá-Pr e região. Também atua com projetos de design de interiores e reformas. Tem foco na qualidade e na mão de obra especializada, tendo como clientes predominantes a classe média/alta. ENGETEC - ENGENHARIA E TECNOLOGIA Fundada em 2007, com sede em Campo Mourão-Pr, atua em diversas áreas como: Topografia, Ambiental, Jurídica, Segurança do Trabalho, Construção Civil e Design de Interiores. A empresa tem o objetivo de atender o cliente em diversas

6 5 áreas, trabalhando com uma variedade de profissionais. Atualmente atua no âmbito nacional participando de licitações, tendo obras na região e em outros estados. 1.2 OBJETIVOS DO ESTÁGIO E RESUMO DAS ATIVIDADES MAX - SERVIÇOS DE ACABAMENTOS As atividades do estágio foram realizadas em diversas obras, sempre com serviços de reformas. O estagiário participava desde o orçamento da reforma como do auxílio de orientação da mão de obra. O relacionamento com o cliente e com a mão de obra eram constantes, trabalhando com profissionais de diversas áreas. Figura 1 - Reforma Apartamento ENGETEC - FÓRUM IVAIPORÃ O estágio foi realizado na obra da construção do Fórum da cidade de Ivaiporã-Pr. A obra possui 40 ambientes e aproximadamente 3000 metros quadrados, sendo em pavimento térreo e superior.

7 6 Figura 2 - Fórum Ivaiporã Fonte: Paraná Centro O estágio se iniciou na etapa da fundação. A montagem do canteiro, terraplenagem e locação da obra já estavam prontos. A obra tinha diariamente aproximadamente 30 funcionários, incluindo a presença de um Engenheiro Civil residente e um mestre de obra, que permitia o desenvolvimento de várias atividades sob sua orientação, como: Controle dos Materiais, Orientação da mão obra sobre serviços técnicos, conferência da ferragem, alvenaria, concretagem da parte estrutural, e leitura de projetos arquitetônicos e estruturais.

8 7 2 DESENVOLVIMENTO DO ESTÁGIO - MAX SERVIÇOS DE ACABAMENTOS 2.1 DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES O ambiente de trabalho era intercalado entre o escritório e as obras em andamento. Pela manhã o estagiário providenciava os materiais necessários para o trabalho, e também os orçamentos solicitados por clientes para futura aprovação. Com os materiais encaminhados o estagiário se dirigia até as obras, com as orientações necessárias para a mão de obra. Era feito um rigoroso acompanhamento, e após o término havia uma inspeção para avaliação do trabalho. Isso garantia a satisfação do cliente e a qualidade do serviço. Figura 3 - Reforma Apartamento 02

9 8 3 DESENVOLVIMENTO DO ESTÁGIO - ENGETEC 3.1 DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS Ambiente de Trabalho A obra continha vestiário, banheiro e área de vivência onde os funcionários realizavam as refeições e o tempo de descanso. Havia também escritório, central de armação de ferragem, estocagem de brita e areia, depósito de materiais e reservatório de água. Figura 4 - Armação Ferragem Materiais Os materiais eram recebidos e conferidos a sua quantidade e qualidade, tudo devidamente anotado no diário de obras. O cimento e o cal eram armazenados em um depósito coberto sobre um estrado de madeira elevado 30 cm do solo. A brita e a areia eram estocados ao ar livre, e as ferragens também com elevação do solo. Os materiais ao ar livre eram solicitados por etapa conforme a necessidade na obra, e a localização também mudava conforme a necessidade, procurando ficar o mais próximo da sua utilização final.

10 9 Figura 5 - Locação Areia Figura 6 - Locação Ferragem As fundações foram feitas através de sapatas apoiadas sobre estacas. Figura 7 - Fundação

11 10 Havia acompanhamento com projeto em mãos, para orientação da montagem das formas das vigas baldrames, juntamente com a indicação da ferragem correta. Figura 8 - Projetos Em algumas etapas da obra era utilizado uma usina móvel de concreto, juntamente com um caminhão betoneira para concretagem da fundação e pilares. Isso diminuía o custo do concreto e trazia maior rapidez ao processo. Figura 9 - Usina Móvel de Concreto

12 11 As formas dos pilares foram reaproveitadas durante toda a obra, pois eram presas por grampos de ferro que não danificavam as formas na retirada, conforme podemos ver na figura abaixo: Figura 10 - Formas Pilares Os espaçadores eram utilizados na ferragem de todos os pilares, e um cabo de cobre corria por alguns pilares, conforme projeto, vindo desde a fundação para aterramento da descarga elétrica. Para alvenaria, foram utilizados blocos cerâmicos de 09 furos. Os blocos foram assentados com argamassa produzida no local, com utilização de junta seca em alguns ambientes. Em todas as janelas foram utilizadas verga e contaverga. Figura 11 - Alvenaria

13 12 Na grande parte da obra foram utilizados lajes protendidas, com enchimento de EPS e capa de concreto. O aço protendido na vigota gera uma contra-flecha proporcionando um vão de até 3 metros sem escoramento. As escoras utilizadas foram de eucalipto, cortadas de acordo com o tamanho necessário. Pude acompanhar a montagem das escoras, armaduras, formas e a concretagem. Também foi possível observar a colocação dos elementos elétricos nas lajes. Para a concretagem das lajes foi utilizado concreto usinado, e para cura a laje foi mantida umedecida e respeitado o tempo de cura do concreto. Figura 12 - Lajes Protendidas Figura 13 - Escoras

14 PRINCIPAIS PROBLEMAS ENCONTRADOS Os problemas são comuns em uma construção, ainda mais quando é uma construção de grande porte, porque a complexidade dos projetos e dos sistemas construtivos aumentam trazendo maior dificuldade na execução, mas é exatamente para isso que a graduação te prepara com conhecimentos que podem trazer soluções na hora que eles acontecem. Nesta obra foram observados alguns problemas e suas soluções: Incompatibilidade de projetos No pavimento superior foi constatado que um pilar estava locado bem no local da porta de entrada do ambiente. Como solução foi necessário mudar a localização da porta, o ambiente era grande e permitia a mudança. Em um banheiro no projeto não havia janela. A solução foi abrir o vão da janela para o poço de luz. Figura 14 - Pilares

15 14 Problemas Técnicos e de execução. Na concretagem da laje, uma forma de viga rompeu derramando uma quantidade grande de concreto e atrasando o trabalho. Outras formas não chegaram a romper mas cederam e geraram barrigas nas vigas. Foi necessário uma movimentação de uns 10 homens para reparar o problema da viga rompida. Para as vigas com barrigas foi necessário descascar as vigas para poder fazer o reboco. Figura 15 - Defeito Vigas 1 Figura 16 - Defeito Vigas 2

16 15 O parlatório foi construído com laje nervurada e enchimento de EPS. Durante a conferência de nervuras nas lajes pode-se notar a falta de uma nervura. Isso ocorreu na hora da montagem devido a perca de aproximadamente 2 cm no espaçamento entre os EPS, resultando na sobra de uma fila de EPS e uma linha de nervura. Como solução indicada pelo engenheiro, foi realocado as nervuras no centro do vão da laje. Figura 17 - Laje Nervurada 1 Figura 18 - Laje Nervurada 2

17 RELAÇÃO DO ESTÁGIO COM AS DISCIPLINAS DO CURSO Desde o início do estágio pode-se se observar várias disciplinas da universidade através de praticas realizadas na obra. Projetos: a constante vivência com projetos arquitetônicos e complementares trouxe uma maior compreensão, sempre auxiliado por um engenheiro. Materiais de Construção Civil / Logística e Gerenciamento de Materiais: controle de materiais, maneiras de estocagem e utilização de vários materiais na obra contribuíram para um maior conhecimento da aplicação dos mesmos. Fundações / Teoria das Estruturas / Concreto Armado: Na obra foi possível visualizar como a parte estrutural funciona na prática, como vigas, viga T, pilares, fundações rasas, lajes protendidas e nervuradas. Elétrica / Hidráulica: os projetos complementares também faziam parte do acompanhamento, podendo ver como é importante a compatibilização de obras em obras desse porte. Segurança do Trabalho: havia visita periódica na obra do engenheiro de segurança do trabalho para avaliação das condições do ambiente de trabalho e dos trabalhadores. Todos os funcionários recebiam os EPI, mesmo assim pode-se notar a resistência de alguns a utilizar todos os equipamentos. Ética: é fundamental para o bom desempenho do trabalho ter ética. Melhora os relacionamentos interpessoais e a qualidade no resultado final. Em momentos de tensão ou divergências, agir de maneira correta contribui para que o ambiente continue em harmonia.

18 17 4 CONCLUSÕES A vivência no canteiro de obras torna possível uma maior compreensão dos conhecimentos técnicos adquiridos em sala de aula. Foi observado que para conclusão de uma obra com qualidade é necessários atentar para vários fatores como: a mão de obra qualificada, materiais com qualidade, aplicação da técnica de maneira correta, relacionamentos interpessoais, intempéries, e ainda imprevistos do dia a dia. 4.1 APRENDIZADO PRÁTICO É indispensável para a preparação do estudante para o mercado de trabalho a experiência prática em obras. Isso trás confiança e clareza das informações aprendidas para sua formação técnica, sendo que os problemas e soluções vividos em obra muitas vezes trás um aprendizado que não seria possível obter em sala de aula. 4.2 RELACIONAMENTO PROFISSIONAL O convívio com engenheiros e outros profissionais são de extrema importância para a formação pessoal. Eles trazem anos de experiência e vivência com a profissão, transmitindo conhecimentos técnicos adquiridos na práticas que facilitam o trabalho. Além disso a convivência com outros colaboradores é importante para desenvolver relacionamentos interpessoais que serão necessários para convivência durante toda a carreira do profissional. 4.3 SUGESTÕES PARA A UNIVERSIDADE O formato do estágio da universidade é excelente, mas acredito que seria de grande auxílio do estagiário se recebesse maiores informações em sala de aula sobre as documentações utilizadas em obra.

19 CONSIDERAÇÕES FINAIS Foi um tempo muito importante para meu desenvolvimento profissional e pessoal, convivendo diariamente com aproximadamente 30 colaboradores e acompanhando diversas fases de execução da obra, fortalecendo o conhecimento teórico aplicado a prática.

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA CIVIL CAMPUS CAMPO MOURÃO ENGENHARIA CIVIL JÚLIO LUIS VANSETTO RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO Relatório de Estágio Curricular

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA CIVIL CAMPUS CAMPO MOURÃO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL RAFAEL DOS SANTOS RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO Relatório de Estágio

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA CIVIL CAMPUS CAMPO MOURÃO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL MARCUS VINÍCIUS MARTINS VARGAS PRUDÊNCIO RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA CIVIL CAMPUS CAMPO MOURÃO ENGENHARIA CIVIL RICARDO GAZONI EVANGELISTA RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO Relatório de Estágio

Leia mais

LAJES PRÉ-MOLDADAS. GRADUAÇÃO Florestal AULA. Prof. Adriano Wagner Ballarin Prof. Marco Antonio Martin Biaggioni. Construções Rurais

LAJES PRÉ-MOLDADAS. GRADUAÇÃO Florestal AULA. Prof. Adriano Wagner Ballarin Prof. Marco Antonio Martin Biaggioni. Construções Rurais LAJES PRÉ-MOLDADAS Prof. Adriano Wagner Ballarin Prof. Marco Antonio Martin Biaggioni GRADUAÇÃO Florestal AULA 10 Aula 10b Lajes pré-moldadas 1 1. Definições São estruturas de concreto armado ou mistas,

Leia mais

Cobertura. Figura 15 - Alvenaria, verga e contraverga. Fonte: Acervo do autor.

Cobertura. Figura 15 - Alvenaria, verga e contraverga. Fonte: Acervo do autor. 23 Figura 15 - Alvenaria, verga e contraverga. Fonte: Acervo do autor. 4.1.10. Cobertura Após a cura da laje, foi executada a torre da caixa d água e a cobertura. A madeira utilizada para a estrutura da

Leia mais

Construa a casa dos seus sonhos com a Yellowbrick Houses

Construa a casa dos seus sonhos com a Yellowbrick Houses Construa a casa dos seus sonhos com a Yellowbrick Houses 1 Quem é a Yellowbrick Houses Somos uma incorporadora atuando no mercado de casas residenciais em Alphaville/Tamboré desde 2009 Nossos diferenciais:

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO 1 UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA CIVIL CAMPUS CAMPO MOURÃO ENGENHARIA CIVIL ALINE MARQUES LEUTNER RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO Relatório de Estágio

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO 1. OBRA/LOCAL/IDENTIFICAÇÃO

MEMORIAL DESCRITIVO 1. OBRA/LOCAL/IDENTIFICAÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO 1. OBRA/LOCAL/IDENTIFICAÇÃO Obra: Construção de um Prédio Residencial Multifamiliar Local: Avenida Maria José Pinheiro Machado x Jorge Calixto nº 570 Planta aprovada nº 174/16 expedida

Leia mais

Rua Rui Frazao Soares, 81 - Ala Belize, Sala 204/205 - Barra da Tijuca - RJ Tel.: Pág.

Rua Rui Frazao Soares, 81 - Ala Belize, Sala 204/205 - Barra da Tijuca - RJ Tel.: Pág. Rio de Janeiro, 04 de Abril de 2016 Segunda Feira Tempo estável Continuidade no trabalho de escavação Sendo executado estruturas de canteiro tais como: banheiro, vestiário e depósito de cimento Arrumação

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DA 2ª ETAPA DA CONSTRUÇÃO DO BLOCO DE DIREITO

MEMORIAL DESCRITIVO DA 2ª ETAPA DA CONSTRUÇÃO DO BLOCO DE DIREITO MEMORIAL DESCRITIVO DA 2ª ETAPA DA CONSTRUÇÃO DO BLOCO DE DIREITO OBRA: CONSTRUÇÃO-BLOCO DIREITO PROPRIETÁRIO: FUNDAÇAO INTEGRADA MUNICIPAL DE ENSINO SUPERIOR DE MINEIROS (FIMES) ENDEREÇO OBRA:RUA 22 ESQ.

Leia mais

Relatório de Acompanhamento de obra

Relatório de Acompanhamento de obra Prezado(a) Sr. Daniel e Maria Carolina, Relatório de Acompanhamento de obra Nesse período da obra foi realizada a concretagem das vigas, utilizando a bomba-lança. Após este estapa as vigas já prontas,

Leia mais

CARLOS EDUARDO PLÁCIDO RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

CARLOS EDUARDO PLÁCIDO RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA CIVIL CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CARLOS EDUARDO PLÁCIDO RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO CAMPO MOURÃO 2013 CARLOS EDUARDO

Leia mais

CONCRETO. FMC Profª Bárbara Silvéria

CONCRETO. FMC Profª Bárbara Silvéria CONCRETO FMC Profª Bárbara Silvéria Concreto - conceito O concreto é um material de construção resultante da mistura de aglomerante, agregados e água, formando um bloco monolítico; Concreto conceito A

Leia mais

DESENHOS DAS FORMAS ESTRUTURAIS LEVANTAMENTO DAS AÇÕES VERTICAIS

DESENHOS DAS FORMAS ESTRUTURAIS LEVANTAMENTO DAS AÇÕES VERTICAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Departamento de Estruturas e Construção Civil ECC 1008 Estruturas de Concreto DESENHOS DAS FORMAS ESTRUTURAIS LEVANTAMENTO DAS AÇÕES VERTICAIS Aulas 13-16 Gerson Moacyr

Leia mais

Relatório de Acompanhamento de obra

Relatório de Acompanhamento de obra Prezado(a) Sr. Daniel e Maria Carolina, Relatório de Acompanhamento de obra Ainda sobre a Segunda Etapa, tivemos a concretagem de todas Brocas com concreto usinado. De acordo com os projetos estruturais

Leia mais

DESENHOS DAS FORMAS ESTRUTURAIS LEVANTAMENTO DAS AÇÕES VERTICAIS

DESENHOS DAS FORMAS ESTRUTURAIS LEVANTAMENTO DAS AÇÕES VERTICAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Departamento de Estruturas e Construção Civil ECC 1008 Estruturas de Concreto DESENHOS DAS FORMAS ESTRUTURAIS LEVANTAMENTO DAS AÇÕES VERTICAIS Aulas 13-16 Gerson Moacyr

Leia mais

poder de compra x custo da construção

poder de compra x custo da construção ALVENARIA ESTRUTURAL - introdução e materiais - Engenheiro Civil - Ph.D. 85-3244-3939 9982-4969 la99824969@yahoo.com.br poder de compra: poder de compra x custo da construção custo da construção: tecnologia:

Leia mais

EXECUÇÃO DE REVESTIMENTO EM EDIFICAÇÕES DE ALVENARIA ESTRUTURAL ENGENHEIROS FERNANDO LUCAS MATEUS SOUZA RODRIGO DE MORAES FARIAS

EXECUÇÃO DE REVESTIMENTO EM EDIFICAÇÕES DE ALVENARIA ESTRUTURAL ENGENHEIROS FERNANDO LUCAS MATEUS SOUZA RODRIGO DE MORAES FARIAS EXECUÇÃO DE REVESTIMENTO EM EDIFICAÇÕES DE ALVENARIA ESTRUTURAL ENGENHEIROS FERNANDO LUCAS MATEUS SOUZA RODRIGO DE MORAES FARIAS 25 de setembro de 2009 OBRA CITTÀ LAURO DE FREITAS Perspectiva da entrada

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DO PROJETO DE UMA ESTRUTURA (ETAPA PRELIMINAR)

DESENVOLVIMENTO DO PROJETO DE UMA ESTRUTURA (ETAPA PRELIMINAR) DESENVOLVIMENTO DO PROJETO DE UMA ESTRUTURA (ETAPA PRELIMINAR) DADOS NECESSÁRIOS PARA DEFINIR O PRODUTO (ESTRUTURA): Projeto Arquitetônico Plantas dos pavimentos tipos/subsolo/cobertura/ático Número de

Leia mais

ROTEIROS DOS TRABALHOS

ROTEIROS DOS TRABALHOS TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL I ECV 5356 ROTEIROS DOS TRABALHOS Profs. Denise e Humberto ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO - FÔRMAS escolher 1 pavimento inteiro, incluindo montagem de fôrmas de pilares, vigas,

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA CIVIL CAMPUS CAMPO MOURÃO ENGENHARIA CIVIL CAMILA DA SILVA ALMEIDA RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO Relatório de Estágio

Leia mais

PRIDE IPIRANGA RELATÓRIO DE ANDAMENTO DA OBRA PERÍODO MARÇO E ABRIL DE 2016

PRIDE IPIRANGA RELATÓRIO DE ANDAMENTO DA OBRA PERÍODO MARÇO E ABRIL DE 2016 RELATÓRIO DE ANDAMENTO DA OBRA PERÍODO MARÇO E ABRIL DE 2016 Andamento das Obras Civis Serviços concluídos até 29/04/16: Remoção total da terra proveniente das escavações dos subsolos; Escavação, arrasamento

Leia mais

Desenvolver o conhecimento da construção civil enfatizando as atividades referentes ao serviços preliminares, de estrutura e obra bruta.

Desenvolver o conhecimento da construção civil enfatizando as atividades referentes ao serviços preliminares, de estrutura e obra bruta. Detalhes da Disciplina Código ENG2332 Nome da Disciplina CONSTRUÇÃO CIVIL I Carga Horária 60 Créditos 4 Fases de obra bruta da construção de um edifício. Projetos de instalações prediais e sua interferência

Leia mais

ETAPAS DE UMA OBRA. Professora: Mayara Custódio Fonte:

ETAPAS DE UMA OBRA. Professora: Mayara Custódio Fonte: ETAPAS DE UMA OBRA Professora: Mayara Custódio Fonte: www.obraviva.com.br Site desenvolvido por uma família de Conselheiro Lafaiete (MG), com o intuito de explicar detalhadamente as etapas da construção

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO TABELAS DE CUSTOS SIN-RN X SINAPI-RN (JAN-2013)

ESTUDO COMPARATIVO TABELAS DE CUSTOS SIN-RN X SINAPI-RN (JAN-2013) CÓDIGO DESCRIÇ CLA UNIDA SS DE QUANT. 01.0 SEVIÇOS PRELIMINARES PREÇO UNIT. S/ BDI (R$) SINAPI 2013 PREÇO TOTAL S/ BDI (R$) SINAP 2013 REFERÊNC IA SINAPI 2013 PREÇO UNIT. S/ BDI (R$) SIN-RN 2013 PREÇO

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Infraestrutura Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Técnico em Edificações FORMA/GRAU:( )integrado ( X )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE:

Leia mais

FUNDAÇÕES. Aspectos a considerar para a escolha da fundação? Aspectos a considerar para a escolha da fundação?

FUNDAÇÕES. Aspectos a considerar para a escolha da fundação? Aspectos a considerar para a escolha da fundação? DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PCC 2435 - Tecnologia da Construção de Edifícios I FUNDAÇÕES Profs. Luiz Sergio Franco, Fernando Henrique Sabbatini, Mercia M. B. Barros e Vitor Levi C. Aly

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR 2005 DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DA UFSCar Periodização das Disciplinas comuns às Ênfases

ESTRUTURA CURRICULAR 2005 DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DA UFSCar Periodização das Disciplinas comuns às Ênfases ESTRUTURA CURRICULAR 2005 DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DA UFSCar Periodização das Disciplinas comuns às Ênfases 1º PERÍODO 1 02010-9 Introdução à Computação 4-2 06216-2 Leitura e produção de textos para

Leia mais

As lajes e seus valores agregados

As lajes e seus valores agregados As lajes e seus valores agregados Por Heloisa Amorim de Medeiros Junto com as mudanças na maneira de construir, influenciada principalmente pela industrialização e racionalização do processo construtivo,

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE PROJETOS DE LAJES PLANAS

BOAS PRÁTICAS DE PROJETOS DE LAJES PLANAS 58CBC2016 BOAS PRÁTICAS DE PROJETOS DE LAJES PLANAS Eng. Leonardo Braga Passos, MSc Sócio/Diretor da PI-Engenharia e Consultoria Ltda Diretor Regional BH - ABECE 2015/2016 HISTÓRIA 58CBC2016 Laje plana

Leia mais

ALVENARIA ESTRUTURAL SERVIÇOS

ALVENARIA ESTRUTURAL SERVIÇOS Alvenaria Ministério Estruturalda Educação Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Marcação da Alvenaria: Construção Civil II ( TC-025) Verificação do esquadro e nível do pavimento; Traçado

Leia mais

Realização: Características de projeto, sistemas construtivos e execução da estrutura do Shopping Cidade São Paulo e Torre Matarazzo

Realização: Características de projeto, sistemas construtivos e execução da estrutura do Shopping Cidade São Paulo e Torre Matarazzo Realização: 2014 Características de projeto, sistemas construtivos e execução da estrutura do Shopping Cidade São Paulo e Torre Matarazzo Luiz Antonio Nascimento Maria Diretor da Método Engenharia Caracteristicas

Leia mais

PRIDE IPIRANGA RELATÓRIO DE ANDAMENTO DA OBRA PERÍODO JANEIRO E FEVEREIRO DE 2016

PRIDE IPIRANGA RELATÓRIO DE ANDAMENTO DA OBRA PERÍODO JANEIRO E FEVEREIRO DE 2016 RELATÓRIO DE ANDAMENTO DA OBRA PERÍODO JANEIRO E FEVEREIRO DE 2016 Andamento das Obras Civis Serviços concluídos até 12/02/16: Estacas Escavadas são as paredes de concreto com profundidade de 11 metros

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CAMPO MOURÃO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. Relatório de Estágio Curricular

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CAMPO MOURÃO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. Relatório de Estágio Curricular 0 UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CAMPO MOURÃO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Relatório de Estágio Curricular LUIZ ALFREDO SPLENDOR Prof. Dr. MARCELO GUELBERT Autorizo para encaminhamento

Leia mais

PRIDE IPIRANGA RELATÓRIO DE ANDAMENTO DA OBRA PERÍODO JANEIRO E FEVEREIRO DE 2016

PRIDE IPIRANGA RELATÓRIO DE ANDAMENTO DA OBRA PERÍODO JANEIRO E FEVEREIRO DE 2016 RELATÓRIO DE ANDAMENTO DA OBRA PERÍODO JANEIRO E FEVEREIRO DE 2016 Andamento das Obras Civis Serviços concluídos até 29/02/16: Estacas Escavadas são as paredes de concreto, composta por estacas executadas

Leia mais

INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL-AERONÁUTICA RELATÓRIO DE ESTÁGIO. Renan Sousa Mendes

INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL-AERONÁUTICA RELATÓRIO DE ESTÁGIO. Renan Sousa Mendes INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL-AERONÁUTICA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Renan Sousa Mendes Fortaleza, 10 de fevereiro de 2013 FOLHA DE APROVAÇÃO Relatório Final de Estágio Curricular

Leia mais

RELATÓRIO VISTORIA NA ESTRUTURA DO CARTÓRIO ELEITORAL DE GURINHÉM - SEARQ

RELATÓRIO VISTORIA NA ESTRUTURA DO CARTÓRIO ELEITORAL DE GURINHÉM - SEARQ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DA PARAÍBA Secretaria de Administração e Orçamento Seção de Engenharia e Arquitetura / COSEG RELATÓRIO VISTORIA NA ESTRUTURA DO CARTÓRIO ELEITORAL DE GURINHÉM

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS SOBRE CONCRETO PROTENDIDO

NOÇÕES BÁSICAS SOBRE CONCRETO PROTENDIDO NOÇÕES BÁSICAS SOBRE CONCRETO PROTENDIDO Por Guilherme Laini L2 Projeto Estrutural Para entender melhor o que é o concreto protendido, vamos repassar alguns conceitos básicos sobre as estruturas de edificações.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA MARIA DAS BARREIRAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA MARIA DAS BARREIRAS PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA MARIA DAS BARREIRAS PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE GINÁSIO POLIESPORTIVO LOCAL: SEDE DO MUNICÍPIO MEMORIAL DESCRITIVO SANTA MARIA DAS BARREIRAS 2015 1 MEMORIAL DESCRITIVO 1- APRESENTAÇÃO

Leia mais

Alvenaria estrutural

Alvenaria estrutural Estudo exploratório rio sobre a elaboração de projetos arquitetônicos Alvenaria desenvolvidos estrutural para o sistema de alvenaria estrutural Projeto de alvenaria O que é ALVENARIA ESTRUTURAL? Conceito:

Leia mais

Rua Rui Frazao Soares, 81 - Ala Belize, Sala 204/205 - Barra da Tijuca - RJ Tel.: Pág.

Rua Rui Frazao Soares, 81 - Ala Belize, Sala 204/205 - Barra da Tijuca - RJ Tel.: Pág. Rio de Janeiro, 02 de Maio de 2016 Segunda Feira Tempo estável Rochas encontradas em buraco de sapata Buraco para sapatas escavadas Escavação entre rochas no pavimento garagem Rua Rui Frazao Soares, 81

Leia mais

VERGA, CONTRAVERGA, FIXAÇÃO DE ALVENARIA DE VEDAÇÃO E CINTA DE AMARRAÇÃO DE ALVENARIA

VERGA, CONTRAVERGA, FIXAÇÃO DE ALVENARIA DE VEDAÇÃO E CINTA DE AMARRAÇÃO DE ALVENARIA SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA VERGA, CONTRAVERGA, FIXAÇÃO DE ALVENARIA DE VEDAÇÃO E CINTA DE AMARRAÇÃO DE ALVENARIA LOTE

Leia mais

Soluções para Autoconstrução Praticidade, economia e agilidade na sua obra

Soluções para Autoconstrução Praticidade, economia e agilidade na sua obra Aços Longos Soluções para Autoconstrução Praticidade, economia e agilidade na sua obra Arame Recozido Trançadinho Recozido Prático Sapatas Recozido Fácil Pregos Treliças Nervuradas Murfor Produto Belgo

Leia mais

Dados Gerais PONTE DE LAGUNA. Extensão Total da Ponte: 2.815m. Valor do Contrato: R$ ,20. Data base: Março/2010. Prazo Contratual: 36 meses

Dados Gerais PONTE DE LAGUNA. Extensão Total da Ponte: 2.815m. Valor do Contrato: R$ ,20. Data base: Março/2010. Prazo Contratual: 36 meses 2 Dados Gerais Extensão Total da Ponte: 2.815m Valor do Contrato: R$ 597.390.145,20 Data base: Março/2010 Prazo Contratual: 36 meses Data da Assinatura do Contrato: 29/04/2011 Ordem de Reinício a partir

Leia mais

COMPREENSÃO DE PROJETOS (PARTE I - Teoria)

COMPREENSÃO DE PROJETOS (PARTE I - Teoria) UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL COMPREENSÃO DE PROJETOS (PARTE I - Teoria) Projeto Arquitetônico Projeto Estrutural TC_042 - CONSTRUÇÃO CIVIL IV PROFESSORA: ELAINE SOUZA

Leia mais

ALVENARIA ESTRUTURAL EM BLOCOS CERÂMICOS

ALVENARIA ESTRUTURAL EM BLOCOS CERÂMICOS ALVENARIA ESTRUTURAL EM BLOCOS CERÂMICOS . HISTÓRICO O uso da Alvenaria como elemento apenas comprimido é uma das mais antigas formas de construção empregadas pelo homem HISTÓRICO OBRAS

Leia mais

Avenida Ruy Frazão Soares, 81 - Ala Belize, Sala 204/205 - Barra da Tijuca - RJ Tel.: Pág.

Avenida Ruy Frazão Soares, 81 - Ala Belize, Sala 204/205 - Barra da Tijuca - RJ Tel.: Pág. Rio de Janeiro, 30 de Maio de 2016 Segunda Feira Tempo chuvoso Escavação de Sapatas e Cintas Continuação da concretagem e desforma de pilaretes Concretagem de cintas Escavação no pavimento garagem Forma

Leia mais

CONSUMO DE MATERIAIS Sistema Convencional Concretagem em Conjunto BLOCOS CERÂMICOS

CONSUMO DE MATERIAIS Sistema Convencional Concretagem em Conjunto BLOCOS CERÂMICOS CONSUMO DE MATERIAIS Sistema Convencional Concretagem em Conjunto BLOCOS CERÂMICOS Prof. Marco Pádua A seguir sugerimos as tabelas necessárias para composição de custo com a superestrutura. Especifique

Leia mais

II ENCONTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA AVALIAÇÃO DOS MATERIAIS UTILIZADOS NO ASSENTAMENTO DE BLOCOS CERÂMICOS

II ENCONTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA AVALIAÇÃO DOS MATERIAIS UTILIZADOS NO ASSENTAMENTO DE BLOCOS CERÂMICOS II ENCONTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA AVALIAÇÃO DOS MATERIAIS UTILIZADOS NO ASSENTAMENTO DE BLOCOS CERÂMICOS André C. H. 1 Gerson P. dos Santos ¹ Jonas R.¹ Laedson R.¹ Lauro H.¹ Deusilene Vieira² 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Fundações em Tubulão

Fundações em Tubulão Fundações em Tubulão Grupo: Anderson Martens Daniel Pereira Ricardo N. Lima Ronaldo Guedes Vitor A. Teruya Vivian R. Pestana Professor Manuel Vitor 01/12/2010 Fundações Diretas Rasas Blocos Sapatas Radiers

Leia mais

G O V E R N O F E D E R A L P A Í S R I C O É P A Í S S E M P O B R E Z A QUADRA ESCOLAR 02 CGEST - C Geral de Infraestrutura Educacional PLANTA BAIXA, CORTE A-B e DETALHES EST FORMATO A1 (841 X 594) R.01

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ARQUITETÔNICO

MEMORIAL DESCRITIVO ARQUITETÔNICO MEMORIAL DESCRITIVO ARQUITETÔNICO PROPRIETÁRIO: Município de Três Arroios OBRA: Pavilhão em concreto armado, coberto com estrutura metálica, destinado a Ginásio de Esportes (1ª etapa) LOCAL: Parte do lote

Leia mais

1. EVOLUÇÃO DA CONSTRUÇÃO INDUSTRIALIZADA

1. EVOLUÇÃO DA CONSTRUÇÃO INDUSTRIALIZADA 1. EVOLUÇÃO DA CONSTRUÇÃO INDUSTRIALIZADA 1.1 INTRODUÇÃO As construções são diferenciadas uma das outras por suas características. Essas características são classificadas quanto a: 1 - localização; 2 -

Leia mais

Telas Soldadas Nervuradas Belgo

Telas Soldadas Nervuradas Belgo Telas Soldadas Nervuradas Belgo As Telas Soldadas de Aço Nervurado são uma armadura pré-fabricada, constituída por fios de aço Belgo 60 nervurado longitudinais e transversais, de alta resistência mecânica,

Leia mais

Materializando Sonhos. Desde 1980

Materializando Sonhos. Desde 1980 Materializando Sonhos. Desde 1980 Caros do Recanto dos Pássaros: A Iguatemi Construções, com o mesmo respeito, correção e objetividade com que vem se manifestando, vem a público, comunicar o andamento

Leia mais

execução Caixote de massa em madeira A madeira absorve a água da argamassa o que diminui a trabalhabilidade da argamassa.

execução Caixote de massa em madeira A madeira absorve a água da argamassa o que diminui a trabalhabilidade da argamassa. execução Caixote de massa em madeira A madeira absorve a água da argamassa o que diminui a trabalhabilidade da argamassa. Para melhorar a fluidez da argamassa o pedreiro adiciona água, o que modifica todas

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE CURSO DE ENGENHARIA CIVIL JEFERSON LOPES DE OLIVEIRA EXECUÇÃO DE EDIFICAÇÃO EM ALVENARIA

UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE CURSO DE ENGENHARIA CIVIL JEFERSON LOPES DE OLIVEIRA EXECUÇÃO DE EDIFICAÇÃO EM ALVENARIA UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE CURSO DE ENGENHARIA CIVIL JEFERSON LOPES DE OLIVEIRA EXECUÇÃO DE EDIFICAÇÃO EM ALVENARIA LAGES (SC) 2014 JEFERSON LOPES DE OLIVEIRA EXECUÇÃO DE EDIFICAÇÃO EM ALVENARIA

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA MARIA DAS BARREIRAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA MARIA DAS BARREIRAS PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA MARIA DAS BARREIRAS PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE FEIRA COBERTA LOCAL: VILA CASA DE TÁBUA MEMORIAL DESCRITIVO SANTA MARIA DAS BARREIRAS 2015 1 MEMORIAL DESCRITIVO 1- APRESENTAÇÃO

Leia mais

CONSUMO DE MATERIAIS Exercício IV

CONSUMO DE MATERIAIS Exercício IV CONSUMO DE MATERIAIS Exercício IV Prof. Marco Pádua Exercício: Calcular o consumo de materiais considerando uma concretagem em conjunto com uma alvenaria de blocos de concreto. profmarcopadua.net------------------------------------------exercício

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS Formas metálicas para produção de pré-fabricados de concreto

CATÁLOGO DE PRODUTOS Formas metálicas para produção de pré-fabricados de concreto CATÁLOGO DE PRODUTOS Formas metálicas para produção de pré-fabricados de concreto EMPRESA 2 EMPRESA POLÍTICA DA QUALIDADE Fundada em 2014, a Formatec Tecnologia em Formas Metálicas está Instalada no município

Leia mais

RESIDENCIAL NOVO CAMPECHE

RESIDENCIAL NOVO CAMPECHE RESIDENCIAL NOVO CAMPECHE MEMÓRIA DESCRITIVA RESIDÊNCIA NOVO CAMPECHE 3 Residência unifamiliar, com 158,88 m2 de área construída, 2 pisos, arquitetura contemporânea de alto padrão, implantada em terreno

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO PRELIMINAR. LUCIANO MÓDENA (Engº Civil) PRÉ-ENSAIO DE LAJES PRÉ-MOLDADAS E MOLDADAS IN-LOCO COM ARMAÇÃO TRELIÇADA.

RELATÓRIO TÉCNICO PRELIMINAR. LUCIANO MÓDENA (Engº Civil) PRÉ-ENSAIO DE LAJES PRÉ-MOLDADAS E MOLDADAS IN-LOCO COM ARMAÇÃO TRELIÇADA. RELATÓRIO TÉCNICO PRELIMINAR LUCIANO MÓDENA (Engº Civil) PRÉ-ENSAIO DE LAJES PRÉ-MOLDADAS E MOLDADAS IN-LOCO COM ARMAÇÃO TRELIÇADA São Paulo 2008 1 RESUMO Nenhum sistema construtivo pode ser apontado como

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVO SÃO JOAQUIM

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVO SÃO JOAQUIM - TIPO 02 - ÁREA = 2,73 m² BDI 19,69% 1,1969 1.0 SERVIÇOS PRELIMINARES. SUB TOTAL 112,67 1.1 74077/001 LOCACAO CONVENCIONAL DE OBRA, ATRAVÉS DE GABARITO DE TABUAS CORRIDAS PONTALETADAS, SEM REAPROVEITAMENTO

Leia mais

Construção de casas populares no Município de Primavera-Pa

Construção de casas populares no Município de Primavera-Pa Estado do Pará Prefeitura Municipal de Primavera Secretaria Municipal de Obras Urbanismo e Transportes ANEXO I MEMORIAL DISCRITIVO Construção de casas populares no Município de Primavera-Pa Paulo José

Leia mais

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I Aula 1 Apresentação da disciplina Cristóvão C. C. Cordeiro Tópicos principais 1. Apresentação da área de Construção Civil 2. Apresentação da disciplina 3. Apresentação

Leia mais

Projetos na construção civil. Projetos na construção civil. Projeto Arquitetônico. Projeto Arquitetônico Planta Baixa. Projeto Arquitetônico

Projetos na construção civil. Projetos na construção civil. Projeto Arquitetônico. Projeto Arquitetônico Planta Baixa. Projeto Arquitetônico Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Civil Tecnologia da Construção Civil I Elementos constitutivos de um projeto interpretação, exame e análise Projeto

Leia mais

Intermediação de Negócios

Intermediação de Negócios Intermediação de Negócios Catálogo 2016 A BAGÉ Serviços Administrativos LTDA é uma empresa intermediadora de negócios no setor de Construção Civil, tendo em seu portfólio os seguintes produtos: Vergalhões

Leia mais

MODELAGEM DOS SISTEMAS ESTRUTURAIS Aula 07: Modelagem de Lajes

MODELAGEM DOS SISTEMAS ESTRUTURAIS Aula 07: Modelagem de Lajes Universidade Federal do Rio de Janeiro Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Departamento de Estruturas MODELAGEM DOS SISTEMAS ESTRUTURAIS Aula 07: Modelagem de Lajes Profa. Dra. Maria Betânia de Oliveira

Leia mais

O QUE É EPS ( EXPANDED POLYS

O QUE É EPS ( EXPANDED POLYS CONSTRUÇÃO CIVIL O QUE É ( EXPANDED POLYS TYRENE)? é a sigla internacional do Poliestireno Expandido, de acordo com a definição da norma DIN ISO 1043/78. O é um plástico celular rígido, resultado da polimerização

Leia mais

Por dentro de toda obra de qualidade

Por dentro de toda obra de qualidade Por dentro de toda obra de qualidade 2 SUMÁRIO PRODUTOS 6 CA CIRCULAR ABERTO 7 CA CIRCULAR ABERTO 8 CA CIRCULAR ABERTO 9 CF CIRCULAR FECHADO 10 BP CIRCULAR BIPARTIDO 11 AC CADEIRINHA TORRE 12 AF CENTOPÉIA

Leia mais

ECA ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO Fernando de Moraes Mihalik

ECA ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO Fernando de Moraes Mihalik - 1 - UNIP - Universidade Paulista SISTEMAS ESTRUTURAIS CONCRETO SEC NOTAS DE AULA - 04 LAJES CONCEITOS, DIMENSIONAMENTO E CÁLCULO DE REAÇÕES NAS VIGAS - 2 - NA_04/2011 SISTEMAS ESTRUTURAIS NOTAS DE AULA

Leia mais

índice Fases básicas da obra 3 Importância da estrutura .4 Mapa estrutural 5 Alvenaria 7 Cobertura 8 Acabamento 9 Como escolher o cimento

índice Fases básicas da obra 3 Importância da estrutura .4 Mapa estrutural 5 Alvenaria 7 Cobertura 8 Acabamento 9 Como escolher o cimento índice Fases básicas da obra...3 Importância da estrutura...4 Mapa estrutural...5 Alvenaria...7 Cobertura...8 Acabamento...9 Como escolher o cimento...10 Portfólio...12 Dicas...14 Uma obra passa por dezenas

Leia mais

Grupo de Materiais de Construção 1

Grupo de Materiais de Construção 1 Grupo de Materiais de Construção 1 Grupo de Materiais de Construção 2 Fundações: O que são? São elementos estruturais cuja função é a transferência de cargas da estrutura para a camada resistente de solo

Leia mais

Paredes de concreto. Passo 1. O nivelamento preciso da fundação, neste caso em radier, assegura a montagem correta do sistema de fôrmas.

Paredes de concreto. Passo 1. O nivelamento preciso da fundação, neste caso em radier, assegura a montagem correta do sistema de fôrmas. Paredes de concreto Sistema, assim como a produtividade, está associado a uso de concreto autoadensável, que não exige vibração. Veja como fazer montagem e desmontagem das fôrmas, bem como o lançamento

Leia mais

Escolha da estrutura do pavimento-tipo do projeto- piloto

Escolha da estrutura do pavimento-tipo do projeto- piloto Escolha da estrutura do pavimento-tipo do projeto- piloto Para se escolher a estrutura do pavimento-tipo, começa-se por decalcar a planta de alvenaria deste pavimento, desenhando-se no CAD a posição das

Leia mais

EXECUÇĀO DE PAREDE DIAFRAGMA

EXECUÇĀO DE PAREDE DIAFRAGMA EXECUÇĀO DE PAREDE DIAFRAGMA MGS Fundações Especiais Empresa com 10 anos de atuação no mercado de fundações, contando com a experiência de seus sócios com mais de 30 anos de participação em obras de fundação.

Leia mais

RESIDÊNCIA NOVO CAMPECHE

RESIDÊNCIA NOVO CAMPECHE RESIDÊNCIA NOVO CAMPECHE MEMÓRIAL DESCRITIVO RESIDÊNCIA NOVO CAMPECHE Residência unifamiliar, com 150 m2 de área construída, 2 pisos, arquitetura contemporânea de alto padrão, implantada em terreno com

Leia mais

RESOLUÇÃO. Currículo revogado conforme Res. CONSEPE 71/2002, de 18 de dezembro de 2002.

RESOLUÇÃO. Currículo revogado conforme Res. CONSEPE 71/2002, de 18 de dezembro de 2002. RESOLUÇÃO CONSEPE 44/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL, DO CÂMPUS ITATIBA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso da atribuição que

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Manaus/AM, 19 de Outubro de 2015.

RELATÓRIO TÉCNICO. Manaus/AM, 19 de Outubro de 2015. RELATÓRIO TÉCNICO Manaus/AM, 19 de Outubro de 2015. I - DAS INFORMAÇÕES 1. OBJETO: Obra construção do Instituto Federal do Amazonas Campus Humaitá; 2. PROPRIETÁRIO: Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

INTERVENÇÃO REALIZADA EM EDIFICAÇÃO HISTÓRICA NA AVENIDA RIO BRANCO 1

INTERVENÇÃO REALIZADA EM EDIFICAÇÃO HISTÓRICA NA AVENIDA RIO BRANCO 1 INTERVENÇÃO REALIZADA EM EDIFICAÇÃO HISTÓRICA NA AVENIDA RIO BRANCO 1 OLIVEIRA, Daiana Fauro de 2 ; KUNKEL, Neidi 3 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Acadêmica do Curso de Arquitetura e Urbanismo do Centro

Leia mais

Aços Longos. Telas Soldadas Nervuradas

Aços Longos. Telas Soldadas Nervuradas Aços Longos Telas Soldadas Nervuradas Registro Compulsório 272/2011 Telas Soldadas Nervuradas Qualidade As Telas Soldadas de Aço Nervurado ArcelorMittal são armaduras pré-fabricadas constituídas por fios

Leia mais

MANUAL DE OBRAS DE SANEAMENTO MOS 3ª EDIÇÃO

MANUAL DE OBRAS DE SANEAMENTO MOS 3ª EDIÇÃO 3ª EDIÇÃO ÍNDICE GERAL P/ 1/5 0 DISPOSIÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO, ORÇAMENTO... 2/39 CONTRATO, SUBCONTRATAÇÃO... 6/39 PRAZO DE EXECUÇÃO, GARANTIA DE SERVIÇO... 7/39 INST. DA OBRA, PESSOAL DA CONTRATADA... 8/39

Leia mais

TECNOLOLOGIA BUBBLEDECK AMPLIAÇÃO DO EDIFÍCIO GARAGEM DO GALEÃO

TECNOLOLOGIA BUBBLEDECK AMPLIAÇÃO DO EDIFÍCIO GARAGEM DO GALEÃO TECNOLOLOGIA BUBBLEDECK AMPLIAÇÃO DO EDIFÍCIO GARAGEM DO GALEÃO Rio de Janeiro, 14 de outubro de 2015 01 RESUMO DA SITUAÇÃO 01 Ampliação do Aeroporto 01 Planta de Situação Ampliação do Edifício Garagem

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA CIVIL CAMPUS CAMPO MOURÃO ENGENHARIA CIVIL FABIANO QUEIROZ RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO Relatório de Estágio Curricular

Leia mais

AÇO PRONTO AÇO PRONTO AÇO PRONTO AÇO PRONTO 17/03/2015. Processo industrializado de corte e dobra do aço

AÇO PRONTO AÇO PRONTO AÇO PRONTO AÇO PRONTO 17/03/2015. Processo industrializado de corte e dobra do aço Métodos Construtivos Prof. Dalmo Lúcio Mendes Figueiredo Alunos: Adriana Sales Cardoso Cássio Evandro Paulo César Jackson Renato Alves Moraleida Gomes Processo industrializado de corte e dobra do aço Altamente

Leia mais

Estrutura Convencional x Alvenaria Estrutural Estudo de Caso - Habitação em Três Pavimentos

Estrutura Convencional x Alvenaria Estrutural Estudo de Caso - Habitação em Três Pavimentos 1 Estrutura Convencional x Alvenaria Estrutural Estudo de Caso - Habitação em Três Wanderson Adriano Lúcio Alves - wandersonalalves@gmail.com Gerenciamento de Obras, Tecnologia e Qualidade da Construção.

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. - ÁREAS Do terreno ,92 M2 A construir ,08 M2

MEMORIAL DESCRITIVO. - ÁREAS Do terreno ,92 M2 A construir ,08 M2 MEMORIAL DESCRITIVO Objeto: UBS Local: AV. DOS ESTUDANTE Cidade: APARECIDA DO TABOADO - BAIRRO: REDIDENCIAL PRIMAVERA Prop.: PREFEITURA MUNICIPAL DE APARECIDA DO TABOADO/MS - ÁREAS Do terreno... 4.085,92

Leia mais

Memorial Descritivo. Rua Onze de Junho, São Vicente - SP

Memorial Descritivo. Rua Onze de Junho, São Vicente - SP Memorial Descritivo Rua Onze de Junho, 316 - São Vicente - SP GENERALIDADES Edifício Residencial de 11 pavimentos, sendo: Subsolo, Térreo, Mezanino 1, Mezanino 2, Mezanino 3, 1 Tipo, Tipo x 9, Inferior

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE CURSO DE ENGENHARIA CIVIL EDUARDO PETRY MESQUITA

UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE CURSO DE ENGENHARIA CIVIL EDUARDO PETRY MESQUITA UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE CURSO DE ENGENHARIA CIVIL EDUARDO PETRY MESQUITA ACOMPANHAMENTO DA CONCRETAGEM DOS ELEMENTOS ESTRUTURAIS NA TORRE II DO GREEN VILLE RESIDENCE LAGES 2016 EDUARDO PETRY

Leia mais

ALVENARIA ESTRUTURAL (BLOCOS DE CONCRETO, BLOCOS CERÂMICOS, GRAUTEAMENTO E ARMAÇÃO)

ALVENARIA ESTRUTURAL (BLOCOS DE CONCRETO, BLOCOS CERÂMICOS, GRAUTEAMENTO E ARMAÇÃO) SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA ALVENARIA ESTRUTURAL (BLOCOS DE CONCRETO, BLOCOS CERÂMICOS, GRAUTEAMENTO E ARMAÇÃO) LOTE

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas. Elementos estruturais. Prof. MSc. Luiz Carlos de Almeida

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas. Elementos estruturais. Prof. MSc. Luiz Carlos de Almeida Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas Elementos estruturais Notas de aula da disciplina AU405 Concreto Prof. MSc. Luiz Carlos de Almeida Agosto/2006

Leia mais

Orçamento: RESIDENCIA - ANDRE CONGONHAS

Orçamento: RESIDENCIA - ANDRE CONGONHAS Orçamento: RESIDENCIA - ANDRE CONGONHAS Orçamento parcial nº 1 SERVIÇOS PRELIMINARES 1.1 m2 Corte de capoeira fina a foice 900,000 0,19 171,00 1.2 m2 Raspagem e limpeza manual de terreno 900,000 0,63 567,00

Leia mais

Curso Técnico Integrado em EDIFICAÇÕES MATRIZ CURRICULAR. Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 480h. Unidade Curricular Semestral.

Curso Técnico Integrado em EDIFICAÇÕES MATRIZ CURRICULAR. Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 480h. Unidade Curricular Semestral. Curso Técnico Integrado em EDIFICAÇÕES CÂMPUS FLORIANÓPOLIS MATRIZ CURRICULAR Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 480h Unidade Curricular C/H Semestral Pré-Requisito Português e Hist da Liter. Bras.

Leia mais

SECC SISTEMAS ESTRUTURAIS CONCEITO PARA CÁLCULO Fernando de Moraes Mihalik

SECC SISTEMAS ESTRUTURAIS CONCEITO PARA CÁLCULO Fernando de Moraes Mihalik - 1 - UNIP - Universidade Paulista ICET SISTEMAS ESTRUTURAIS CONCEITO PARA CÁLCULO SECC NOTAS DE AULA 01 E S T R U T U R A S ESTRUTURAS NOTAS DE AULA - PARTE 1-2 - NA_01SECC/2013 INTRODUÇÃO 1. NOÇÕES BÁSICAS

Leia mais

PLANILHA AUXILIAR B DADOS DO IMÓVEL: PROJETO 02. ÁREA TOTAL TERRENO: 336,00m²

PLANILHA AUXILIAR B DADOS DO IMÓVEL: PROJETO 02. ÁREA TOTAL TERRENO: 336,00m² - INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS Abrigo provisório de madeira executada na obra para alojamento e depósitos de materiais e ferramentas. Unidade: m² Critério de medição: Pela área de projeção horizontal do abrigo.

Leia mais

PLANILHA AUXILIAR C DADOS DO IMÓVEL: PROJETO 03. ÁREA TOTAL TERRENO: 325,00m²

PLANILHA AUXILIAR C DADOS DO IMÓVEL: PROJETO 03. ÁREA TOTAL TERRENO: 325,00m² ENDEREÇO: Rua 580, S/Nº - INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS Abrigo provisório de madeira executada na obra para alojamento e depósitos de materiais e ferramentas. Unidade: m² Critério de medição: Pela área de projeção

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Execução de obras. Técnicas construtivas. Material técnico informativo.

PALAVRAS-CHAVE Execução de obras. Técnicas construtivas. Material técnico informativo. 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE

Leia mais

Introdução vigas mesas. comportamento laje maciça grelha.

Introdução vigas mesas. comportamento laje maciça grelha. Introdução - Uma laje nervurada é constituida de por um conjunto de vigas que se cruzam, solidarizadas pelas mesas. - Esse elemento estrutural terá comportamento intermediário entre o de laje maciça e

Leia mais

2 DESCRIÇÃO DO LOCAL. Figura 1 Edifício Philadélphia

2 DESCRIÇÃO DO LOCAL. Figura 1 Edifício Philadélphia 4 1 INTRODUÇÃO Esse relatório tem como objetivo apresentar as atividades desenvolvidas pelo acadêmico Joel Rubens da Silva Filho no período do estágio obrigatório para conclusão do curso de Engenharia

Leia mais