Algumas Equivalencias do Axioma da Escolha

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Algumas Equivalencias do Axioma da Escolha"

Transcrição

1 Algumas Equivalencias do Axioma da Escolha Elen Deise Assis Barbosa Orientador: Prof. Ms. Luís Roque Rodrigues de Jesus Universidade do Estado da Bahia UNEB 27 de outubro de / 14

2 Índice Postulados de Peano 1 Postulados de Peano / 14

3 Postulados de Peano Existem um conjunto N e uma função s : N N tais que: (i) s é injetiva; (ii) 0 N/Im(s) = N {0}; (iii) Se X N, 0 N ( n)(n X ) então X = N. 3 / 14

4 (1) Axioma da Extensionalidade ( x)( y)( z)(z x z y) (2) Axioma do Vazio ( y)( x)(x y) (3) Axioma da Separação ( y)( x)(x y x z ϕ(x)), onde ϕ(x) é uma sentença na qual y não ocorre livre (4) Axioma do Par ( x)( y)( z)( w)(w z w = x w = y) (5) Axioma da União ( x)( y)( z)(z y ( w)(w x z w)) 4 / 14

5 (6) Axioma das Partes ( x)( y)( z)(z y z x) (7) Axioma do Infinito ( x)( x ( y)(y x = s(y) x)) onde s(y) = y {y}.(sucessor de y) (8) Axioma da Substituição ( w)( x)(x w, y : ϕ(x, y) = ( z)( y)(y z ( x) (x wϕ(x, y)))) (9) Axioma da Regularidade ( x)(x = ( y)(y x ( z)(z x z y))) (10) Axioma da Escolha (( x)(x z = x 0) ( x)( y)(((x, y z) (x y)) = x y = )) = ( u)( x)( v)(x z = u x = {v}) 5 / 14

6 Definição 1 Para quaisquer conjunto a, o sucessor a + é definido por, Teorema 1 a + = a {a}. Existe um conjunto indutivo minimal. Prova O Axioma da Infinidade garante a existência de um conjunto indutivo. Pelos Axiomas das Partes e da Separação, existe o conjunto C = {x, x P(a) xeindutivo} 6 / 14

7 C pois a C. Chamemos ω = C. Seja ω um conjunto indutivo. Então,ω a também é um conjunto indutivo. Temos, ω a a = ω a P(a) = ω a C = ω ω a ω = ω ω. 7 / 14

8 C pois a C. Chamemos ω = C. Seja ω um conjunto indutivo. Então,ω a também é um conjunto indutivo. Temos, ω a a = ω a P(a) = ω a C = ω ω a ω = ω ω. 7 / 14

9 Corolário (Princípio da Indução) Se S é um subconjunto indutivo de ω, então S = ω. Prova Temos que S ω. Do Teorema 1, ω S. Logo, S = ω. Definamos, 0 = (1) 1 = 0 + = { } = { } = {0} (2) 2 = 1 + = 1 {1} = { } {{ }} = (3) = {, { }} (4) = {0, 1} (5) E assim sucessivamente. 8 / 14

10 Corolário (Princípio da Indução) Se S é um subconjunto indutivo de ω, então S = ω. Prova Temos que S ω. Do Teorema 1, ω S. Logo, S = ω. Definamos, 0 = (1) 1 = 0 + = { } = { } = {0} (2) 2 = 1 + = 1 {1} = { } {{ }} = (3) = {, { }} (4) = {0, 1} (5) E assim sucessivamente. 8 / 14

11 Daí, temos: Teorema e (1) n ω {0} = ( m)(m ω n = m + ); (2)Todo elemento de ω é transitivo; (3)ω é transitivo; (4) (n ω m n) = nnaoestacontidioemm. Em particular,nnaopertencean; n ω; (5)(m, n ω m + = n + ) = m = n. 9 / 14

12 Prova (1)Provemos por indução. Seja S = {0} {n : n ω ( m)(m ω m = n + )}. S ω 0 S n S = n + S Logo, S é indutivo e, portanto, S = ω n ω {0} = S = {0} {n : n ω ( m)(m ω n = m + )} Como n 0, então existe n ω tal que n = m +. Isto nos mostra que qualquer natural diferente de zero é sucessor de algum natural. (2)Ok! (3)Ok! (4)Ok! (5) Suponhamos que m n. m m + = n + = m n + = m n m = n Como m n, então m n. 10 / 14

13 Por outro lado, n n + = m + = n m + = n m m = n. Daí, n m. De (2) temos que n m, e então m m. Absurdo! Logo,m = n. 11 / 14

14 Definição 2 Um conjunto a é dito transitivo se, e somente se, x y a = x a. Teorema3 < ω, τ, σ > é um sistema de Peano. 12 / 14

15 Teorema (Recursão sobre ω) Seja a um conjunto não vazio, b a e f : a a. Então existe uma única função u : ω a tal que u(0) = a e u(n + ) = f (u(n)). 13 / 14

16 Prova Mostremos que f é injetiva. Seja T = {n : n ω ( m)(m ω m x = f (m) f (n))} Fazendo indução sobre T, temos T = ω. Logo, f é injetiva. < N, S, e > < ω, τ, σ > 14 / 14

MD Teoria dos Conjuntos 1

MD Teoria dos Conjuntos 1 Teoria dos Conjuntos Renato Martins Assunção assuncao@dcc.ufmg.br Antonio Alfredo Ferreira Loureiro loureiro@dcc.ufmg.br MD Teoria dos Conjuntos 1 Introdução O que os seguintes objetos têm em comum? um

Leia mais

Notas de Aula. Análise na Reta

Notas de Aula. Análise na Reta Notas de Aula (ainda em preparação!) Análise na Reta Higidio Portillo Oquendo http://www.ufpr.br/ higidio Última atualização: 22 de abril de 2015 1 Sumário 1 Preliminares 3 1.1 Conjuntos e Funções....................................

Leia mais

2 A Teoria de Conjuntos - Preliminares

2 A Teoria de Conjuntos - Preliminares 2 A Teoria de Conjuntos - Preliminares Esse capítulo se propõe a apresentar de maneira breve os resultados da teoria de conjuntos que serão utilizados nos capítulos subseqüentes. Começamos definindo as

Leia mais

O Princípio da Indução diz o seguinte:

O Princípio da Indução diz o seguinte: (*) +-,/. 01+$243/5246/798 : ;"=@?9A@BDC@E@? "!$#%& ' O Princípio da Indução é um eficiente instrumento para a demonstração de fatos referentes aos números naturais. Por isso deve-se adquirir prática

Leia mais

Cálculo Infinitesimal I prof. Felipe Acker

Cálculo Infinitesimal I prof. Felipe Acker Cálculo Infinitesimal I prof. Felipe Acker NÚMEROS 1 Introdução Uma apresentação rigorosa dos números deveria, provavelmente, começar pelos fundamentos da lógica e da teoria dos conjuntos para, em seguida,

Leia mais

Bases Matemáticas. Aula 2 Métodos de Demonstração. Rodrigo Hausen. v. 2013-7-31 1/15

Bases Matemáticas. Aula 2 Métodos de Demonstração. Rodrigo Hausen. v. 2013-7-31 1/15 Bases Matemáticas Aula 2 Métodos de Demonstração Rodrigo Hausen v. 2013-7-31 1/15 Como o Conhecimento Matemático é Organizado Definições Definição: um enunciado que descreve o significado de um termo.

Leia mais

UM TEOREMA QUE PODE SER USADO NA

UM TEOREMA QUE PODE SER USADO NA UM TEOREMA QUE PODE SER USADO NA PERCOLAÇÃO Hemílio Fernandes Campos Coêlho Andrei Toom PIBIC-UFPE-CNPq A percolação é uma parte importante da teoria da probabilidade moderna que tem atraído muita atenção

Leia mais

Introdução aos Métodos de Prova

Introdução aos Métodos de Prova Introdução aos Métodos de Prova Renata de Freitas e Petrucio Viana IME-UFF, Niterói/RJ II Colóquio de Matemática da Região Sul UEL, Londrina/PR 24 a 28 de abril 2012 Sumário Provas servem, principalmente,

Leia mais

Fundamentos de Matemática

Fundamentos de Matemática Fundamentos de Matemática Elaine Gouvêa Pimentel 12 de março de 2008 Resumo O presente texto visa descrever alguns aspectos da fundamentação da matemática, mostrando, a partir de uma visão histórica, como

Leia mais

1. Extremos de uma função

1. Extremos de uma função Máximo e Mínimo de Funções de Várias Variáveis 1. Extremos de uma função Def: Máximo Absoluto, mínimo absoluto Seja f : D R R função (i) Dizemos que f assume um máximo absoluto (ou simplesmente um máximo)

Leia mais

N, 1 i m, tal que f m é f e cada f i satisfaz uma das condições abaixo:

N, 1 i m, tal que f m é f e cada f i satisfaz uma das condições abaixo: 1. Funções recursivas A Teoria da Recursão é uma formalização da noção intuitiva de computável (e de algoritmo ). Faremos uma breve introdução ao assunto, ressaltando apenas o necessário para os assuntos

Leia mais

Ordem dos Inteiros AULA. 4.1 Introdução. 4.2 Ordem Ordem dos Inteiros

Ordem dos Inteiros AULA. 4.1 Introdução. 4.2 Ordem Ordem dos Inteiros META: Apresentar ordem nos números inteiros e os Princípio de indução e do Menor elemento. OBJETIVOS: Ao fim da aula os alunos deverão ser capazes de: Usar o processo de indução finita dos Inteiros. Justificar

Leia mais

Parte 1. Conjuntos finitos, enumeráveis e

Parte 1. Conjuntos finitos, enumeráveis e Parte 1 Conjuntos finitos, enumeráveis e não-enumeráveis Georg Ferdinand Ludwig Philipp Cantor (1845-1818) Rússia. A descoberta de que há diversos tipos de infinito deve-se a Georg Cantor. Mas, para os

Leia mais

Números naturais e cardinalidade

Números naturais e cardinalidade Números naturais e cardinalidade Roberto Imbuzeiro M. F. de Oliveira 5 de Janeiro de 2008 Resumo 1 Axiomas de Peano e o princípio da indução Intuitivamente, o conjunto N dos números naturais corresponde

Leia mais

O Teorema da Função Inversa e da Função Implícita

O Teorema da Função Inversa e da Função Implícita Universidade Estadual de Maringá - Departamento de Matemática Cálculo Diferencial e Integral: um KIT de Sobrevivência c Publicação eletrônica do KIT http://www.dma.uem.br/kit O Teorema da Função Inversa

Leia mais

Adriano Pedreira Cattai

Adriano Pedreira Cattai ANÁLISE REAL (MA0062) Adriano Pedreira Cattai http://cattai.mat.br Universidade do Estado da Bahia UNEB Semestre 2009.2 UNEB 2009.2 Sumário Apresentação.....................................................................................................................

Leia mais

Teoria da Computação I

Teoria da Computação I Licenciatura em Engenharia Informática e Computação João Mendes Moreira João Falcão e Cunha Teoria da Computação I 3º Ano 2001-2002 1ª Aula Prática Implementação de Funções Simples na Máquina URM 1.1.

Leia mais

A ideia de coordenatização (2/2)

A ideia de coordenatização (2/2) 8 a : aula (1h) 12/10/2010 a ideia de coordenatização (2/2) 8-1 Instituto Superior Técnico 2010/11 1 o semestre Álgebra Linear 1 o ano das Lics. em Engenharia Informática e de Computadores A ideia de coordenatização

Leia mais

1 Os números naturais, Axiomas de Peano

1 Os números naturais, Axiomas de Peano Capítulo IV Indução e Recursão 1 1 Os números naturais, Axiomas de Peano Os números naturais são bem conhecidos. Vamos considerar o 0 como fazendo parte dos números naturais. Portanto os números naturais

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I 1) Considerações gerais sobre os conjuntos numéricos. Ao iniciar o estudo de qualquer tipo de matemática não podemos provar tudo. Cada vez que introduzimos um novo conceito precisamos defini-lo em termos

Leia mais

O B. Podemos decompor a pirâmide ABCDE em quatro tetraedros congruentes ao tetraedro BCEO. ABCDE tem volume igual a V = a2.oe

O B. Podemos decompor a pirâmide ABCDE em quatro tetraedros congruentes ao tetraedro BCEO. ABCDE tem volume igual a V = a2.oe GABARITO - QUALIFICAÇÃO - Setembro de 0 Questão. (pontuação: ) No octaedro regular duas faces opostas são paralelas. Em um octaedro regular de aresta a, calcule a distância entre duas faces opostas. Obs:

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral I

Cálculo Diferencial e Integral I Cálculo Diferencial e Integral I Texto de apoio às aulas. Amélia Bastos, António Bravo Dezembro 2010 Capítulo 1 Números reais As propriedades do conjunto dos números reais têm por base um conjunto restrito

Leia mais

1 Propriedades das Funções Contínuas 2

1 Propriedades das Funções Contínuas 2 Propriedades das Funções Contínuas Prof. Doherty Andrade 2005 Sumário 1 Propriedades das Funções Contínuas 2 2 Continuidade 2 3 Propriedades 3 4 Continuidade Uniforme 9 5 Exercício 10 1 1 PROPRIEDADES

Leia mais

Lista n 0 1 de Exercícios de Teoria da Computação

Lista n 0 1 de Exercícios de Teoria da Computação Lista n 0 1 de Exercícios de Teoria da Computação UFU-Curso de Bacharelado em Ciência da Computação - 7 0 período Profa. Sandra de Amo Exercícios de Revisão : Autômatos e Gramáticas 1. Mostre que a linguagem

Leia mais

Avaliação e Desempenho Aula 4

Avaliação e Desempenho Aula 4 Avaliação e Desempenho Aula 4 Aulas passadas Motivação para avaliação e desempenho Aula de hoje Revisão de probabilidade Eventos e probabilidade Independência Prob. condicional Experimentos Aleatórios

Leia mais

Matemática Discreta para Ciência da Computação

Matemática Discreta para Ciência da Computação Matemática Discreta para Ciência da Computação P. Blauth Menezes blauth@inf.ufrgs.br Departamento de Informática Teórica Instituto de Informática / UFRGS Matemática Discreta para Ciência da Computação

Leia mais

Estruturas Discretas INF 1631

Estruturas Discretas INF 1631 Estruturas Discretas INF 1631 Thibaut Vidal Departamento de Informática, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Rua Marquês de São Vicente, 225 - Gávea, Rio de Janeiro - RJ, 22451-900, Brazil

Leia mais

RELAÇÕES BINÁRIAS Produto Cartesiano A X B

RELAÇÕES BINÁRIAS Produto Cartesiano A X B RELAÇÕES BINÁRIAS PARES ORDENADOS Um PAR ORDENADO, denotado por (x,y), é um par de elementos onde x é o Primeiro elemento e y é o Segundo elemento do par A ordem é relevante em um par ordenado Logo, os

Leia mais

Breve referência à Teoria de Anéis. Álgebra (Curso de CC) Ano lectivo 2005/2006 191 / 204

Breve referência à Teoria de Anéis. Álgebra (Curso de CC) Ano lectivo 2005/2006 191 / 204 Breve referência à Teoria de Anéis Álgebra (Curso de CC) Ano lectivo 2005/2006 191 / 204 Anéis Há muitos conjuntos, como é o caso dos inteiros, dos inteiros módulo n ou dos números reais, que consideramos

Leia mais

MA12 - Unidade 2 Indução Matemática Semana de 04/04 a 10/04

MA12 - Unidade 2 Indução Matemática Semana de 04/04 a 10/04 MA - Unidade Indução Matemática Semana de 04/04 a 0/04 Nesta unidade mostraremos como o Axioma da Indução, que foi apresentado na Unidade como um dos axiomas pilares dos números naturais, nos fornece um

Leia mais

Teoria Aritmética dos Números Jair Donadelli

Teoria Aritmética dos Números Jair Donadelli Teoria Aritmética dos Números Jair Donadelli Sumário O que é? 4 Pra que serve? 4 0 Preliminares: partição e relação de equivalência 9 0.1 Partição.................................... 9 0.2 Relação de equivalência..........................

Leia mais

Matemática. Disciplina: CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS. Varginha Minas Gerais

Matemática. Disciplina: CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS. Varginha Minas Gerais CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS Curso Pró-Técnico Disciplina: Matemática Texto Experimental 1 a Edição Antonio José Bento Bottion e Paulo Henrique Cruz Pereira Varginha Minas Gerais

Leia mais

1 Base de um Espaço Vetorial

1 Base de um Espaço Vetorial Disciplina: Anéis e Corpos Professor: Fernando Torres Membros do grupo: Blas Melendez Caraballo (ra143857), Leonardo Soriani Alves (ra115465), Osmar Rogério Reis Severiano (ra134333) Ramon Códamo Braga

Leia mais

1 Conjuntos, Números e Demonstrações

1 Conjuntos, Números e Demonstrações 1 Conjuntos, Números e Demonstrações Definição 1. Um conjunto é qualquer coleção bem especificada de elementos. Para qualquer conjunto A, escrevemos a A para indicar que a é um elemento de A e a / A para

Leia mais

Corpos. Um domínio de integridade finito é um corpo. Demonstração. Seja D um domínio de integridade com elemento identidade

Corpos. Um domínio de integridade finito é um corpo. Demonstração. Seja D um domínio de integridade com elemento identidade Corpos Definição Um corpo é um anel comutativo com elemento identidade em que todo o elemento não nulo é invertível. Muitas vezes é conveniente pensar em ab 1 como sendo a b, quando a e b são elementos

Leia mais

Álgebra Linear. Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru. 19 de fevereiro de 2013

Álgebra Linear. Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru. 19 de fevereiro de 2013 Álgebra Linear Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru 19 de fevereiro de 2013 Sumário 1 Matrizes e Determinantes 3 1.1 Matrizes............................................ 3 1.2 Determinante

Leia mais

O AXIOMA DA ESCOLHA, O LEMA DE ZORN E O TEOREMA DE ZERMELO

O AXIOMA DA ESCOLHA, O LEMA DE ZORN E O TEOREMA DE ZERMELO O AXIOMA DA ESCOLHA, O LEMA DE ZORN E O TEOREMA DE ZERMELO Resumo. Após uma breve discussão sobre as origens do Axioma da Escolha, discutiremos nessas notas a equivalência das três asserções do título

Leia mais

Computabilidade 2012/2013. Sabine Broda Departamento de Ciência de Computadores Faculdade de Ciências da Universidade do Porto

Computabilidade 2012/2013. Sabine Broda Departamento de Ciência de Computadores Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Computabilidade 2012/2013 Sabine Broda Departamento de Ciência de Computadores Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Capítulo 1 Computabilidade 1.1 A noção de computabilidade Um processo de computação

Leia mais

Princípio da Indução Matemática: P(1) verdadeira ( k)[p(k) verdadeira P(k+1) verdadeira] ENTÃO P(n) verdadeira para todos os n inteiros positivos

Princípio da Indução Matemática: P(1) verdadeira ( k)[p(k) verdadeira P(k+1) verdadeira] ENTÃO P(n) verdadeira para todos os n inteiros positivos Indução Matemática Princípio da Indução Matemática: P(1) verdadeira ( k)[p(k) verdadeira P(k+1) verdadeira] ENTÃO P(n) verdadeira para todos os n inteiros positivos O Princípio da Indução Matemática é

Leia mais

MD Sequências e Indução Matemática 1

MD Sequências e Indução Matemática 1 Sequências Indução Matemática Renato Martins Assunção assuncao@dcc.ufmg.br Antonio Alfredo Ferreira Loureiro loureiro@dcc.ufmg.br MD Sequências e Indução Matemática 1 Introdução Uma das tarefas mais importantes

Leia mais

Números Complexos. Capítulo 1. 1.1 Unidade Imaginária. 1.2 Números complexos. 1.3 O Plano Complexo

Números Complexos. Capítulo 1. 1.1 Unidade Imaginária. 1.2 Números complexos. 1.3 O Plano Complexo Capítulo 1 Números Complexos 11 Unidade Imaginária O fato da equação x 2 + 1 = 0 (11) não ser satisfeita por nenhum número real levou à denição dos números complexos Para solucionar (11) denimos a unidade

Leia mais

Conjuntos Finitos e Infinitos

Conjuntos Finitos e Infinitos Conjuntos Finitos e Infinitos p. 1/1 Conjuntos Finitos e Infinitos Gláucio Terra glaucio@ime.usp.br Departamento de Matemática IME - USP Axiomas de Peano Conjuntos Finitos e Infinitos p. 2/1 Conjuntos

Leia mais

Aula 7 Valores Máximo e Mínimo (e Pontos de Sela)

Aula 7 Valores Máximo e Mínimo (e Pontos de Sela) Aula 7 Valores Máximo e Mínimo (e Pontos de Sela) MA - Cálculo II Marcos Eduardo Valle Departamento de Matemática Aplicada Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica Universidade Estadual

Leia mais

Chapter 2. 2.1 Noções Preliminares

Chapter 2. 2.1 Noções Preliminares Chapter 2 Seqüências de Números Reais Na Análise os conceitos e resultados mais importantes se referem a limites, direto ou indiretamente. Daí, num primeiro momento, estudaremos os limites de seqüências

Leia mais

Introdução à Teoria dos Números - Notas 1 Os Princípios da Boa Ordem e de Indução Finita

Introdução à Teoria dos Números - Notas 1 Os Princípios da Boa Ordem e de Indução Finita Introdução à Teoria dos Números - Notas 1 Os Princípios da Boa Ordem e de Indução Finita 1 Preliminares Neste curso, prioritariamente, estaremos trabalhando com números inteiros mas, quando necessário,

Leia mais

Instituto de Matemática e Estatística, UFF Outubro de 2013

Instituto de Matemática e Estatística, UFF Outubro de 2013 Instituto de Matemática e Estatística, UFF Outubro de 2013 Sumário.. Lógico-Matemático britânico (País de Gales). Logicismo. Prêmio Nobel da Literatura (1950). Bertrand (1872 1970) Definição Seja A um

Leia mais

4.1 Em cada caso use a definição para calcular f 0 (x). (a) f (x) =x 3,x R (b) f (x) =1/x, x 6= 0 (c) f (x) =1/ x, x > 0.

4.1 Em cada caso use a definição para calcular f 0 (x). (a) f (x) =x 3,x R (b) f (x) =1/x, x 6= 0 (c) f (x) =1/ x, x > 0. 4. Em cada caso use a definição para calcular f 0 (). (a) f () = 3, R (b) f () =/, 6= 0 (c) f () =/, > 0. 4.2 Mostre que a função f () = /3, R, não é diferenciável em =0. 4.3 Considere a função f : R R

Leia mais

Grupos com ao menos dois geradores a mais do que relações

Grupos com ao menos dois geradores a mais do que relações Universidade de Brasília Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática Grupos com ao menos dois geradores a mais do que relações por João Vitor Gonçalves de Almeida Brasília 2010 À minha família,

Leia mais

1 Números Reais. 1. Simplifique as seguintes expressões (definidas nos respectivos domínios): b) x+1. d) x 2, f) 4 x 4 2 x, g) 2 x2 (2 x ) 2, h)

1 Números Reais. 1. Simplifique as seguintes expressões (definidas nos respectivos domínios): b) x+1. d) x 2, f) 4 x 4 2 x, g) 2 x2 (2 x ) 2, h) Números Reais. Simplifique as seguintes expressões (definidas nos respectivos domínios): x a), x b) x+ +, x c) +x + x +x, d) x, e) ( x ), f) 4 x 4 x, g) x ( x ), h) 3 x 6 x, i) x x +, j) x x+ x, k) log

Leia mais

Aplicações de Combinatória e Geometria na Teoria dos Números

Aplicações de Combinatória e Geometria na Teoria dos Números Aplicações de Combinatória e Geometria na Teoria dos Números Nesse artigo vamos discutir algumas abordagens diferentes na Teoria dos Números, no sentido de envolverem também outras grandes áreas, como

Leia mais

Fundamentos de Matemática Elementar (MAT133)

Fundamentos de Matemática Elementar (MAT133) Fundamentos de Matemática Elementar (MAT133) Notas de aulas Maria Julieta Ventura Carvalho de Araújo (Colaboração: André Arbex Hallack) Março/2010 i Índice 1 Conjuntos 1 1.1 A noção de conjunto e alguns

Leia mais

Divisibilidade em Domínios de Integridade

Divisibilidade em Domínios de Integridade Universidade Federal de Sergipe PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL - PROFMAT Divisibilidade em Domínios

Leia mais

Álgebra Booleana e Aplicações

Álgebra Booleana e Aplicações Álgebra Booleana e Aplicações Adriano J. Holanda 20 de maio de 2014 Introdução. A Álgebra é o ramo da matemática em que símbolos são usados para representar números ou quantidades em fórmulas e equações.

Leia mais

Álgebra Linear. André Arbex Hallack Frederico Sercio Feitosa

Álgebra Linear. André Arbex Hallack Frederico Sercio Feitosa Álgebra Linear André Arbex Hallack Frederico Sercio Feitosa Janeiro/2006 Índice 1 Sistemas Lineares 1 11 Corpos 1 12 Sistemas de Equações Lineares 3 13 Sistemas equivalentes 4 14 Operações elementares

Leia mais

Os números naturais. Capítulo Operações em N

Os números naturais. Capítulo Operações em N Capítulo 1 Os números naturais O conjunto dos números naturais, denotado por N, é aquele composto pelos números usados para contar. Na verdade, o mais correto seria dizer que é o conjunto dos números usados

Leia mais

Sobre Domínios Euclidianos

Sobre Domínios Euclidianos Sobre Domínios Euclidianos Clarissa Bergo Bianca Fujita Lino Ramada João Schwarz Felipe Yukihide Setembro de 2011 Resumo Neste texto, apresentaremos formalmente o que vem a ser domínio euclidiano, alguns

Leia mais

Elementos de Matemática Discreta

Elementos de Matemática Discreta Elementos de Matemática Discreta Prof. Marcus Vinícius Midena Ramos Universidade Federal do Vale do São Francisco 9 de junho de 2013 marcus.ramos@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~marcus.ramos Marcus

Leia mais

Dois eventos são disjuntos ou mutuamente exclusivos quando não tem elementos em comum. Isto é, A B = Φ

Dois eventos são disjuntos ou mutuamente exclusivos quando não tem elementos em comum. Isto é, A B = Φ Probabilidade Vimos anteriormente como caracterizar uma massa de dados, como o objetivo de organizar e resumir informações. Agora, apresentamos a teoria matemática que dá base teórica para o desenvolvimento

Leia mais

11.7 Valores Extremos e Ponto de Sela

11.7 Valores Extremos e Ponto de Sela 11.7 Valores Extremos e Ponto de Sela Luiza Amalia Pinto Cantão Depto. de Engenharia Ambiental Universidade Estadual Paulista UNESP luiza@sorocaba.unesp.br Valores Extremos Locais Definição: Seja f(x,

Leia mais

20 AULA. Cardinalidade e Conjuntos Enumeráveis LIVRO. META: Estabelecer os conceitos de cardinalidade e de conjuntos enumeráveis.

20 AULA. Cardinalidade e Conjuntos Enumeráveis LIVRO. META: Estabelecer os conceitos de cardinalidade e de conjuntos enumeráveis. 2 LIVRO Cardinalidade e Conjuntos Enumeráveis META: Estabelecer os conceitos de cardinalidade e de conjuntos enumeráveis. OBJETIVOS: Ao fim da aula os alunos deverão ser capazes de: Conceituar cardinalidade

Leia mais

Cortes (cut sets) 2010/2 Teoria dos Grafos (INF 5037/INF2781) CC/EC/UFES

Cortes (cut sets) 2010/2 Teoria dos Grafos (INF 5037/INF2781) CC/EC/UFES Cortes (cut sets) (INF 5037/INF2781) Corte por arestas Em um grafo conexo G, um corte de arestas é um conjunto de arestas cuja remoção de G torna G desconexo, desde que nenhum subconjunto próprio desse

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PIBID-PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA PROVAS E DEMONSTRAÇÕES EM MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PIBID-PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA PROVAS E DEMONSTRAÇÕES EM MATEMÁTICA 1 DOCÊNCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PIBID-PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A PROVAS E DEMONSTRAÇÕES EM MATEMÁTICA Fabio da Costa Rosa Fernanda Machado Greicy Kelly Rockenbach da Silva

Leia mais

(A1) As operações + e são comutativas, ou seja, para todo x e y em A, x + y = y + x e x y = y x

(A1) As operações + e são comutativas, ou seja, para todo x e y em A, x + y = y + x e x y = y x Notas de aula de MAC0329 (2003) 17 3 Álgebra Booleana Nesta parte veremos uma definição formal de álgebra booleana, a qual é feita via um conjunto de axiomas (ou postulados). Veremos também algumas leis

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Campus Catalão Departamento de Matemática Disciplina: Fundamentos de Análise

Universidade Federal de Goiás Campus Catalão Departamento de Matemática Disciplina: Fundamentos de Análise Universidade Federal de Goiás Campus Catalão Departamento de Matemática Disciplina: Fundamentos de Análise Professor: André Luiz Galdino Gabarito da 1 a Lista de Exercícios 1. Prove que para todo x 0 IR

Leia mais

INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA

INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA PARA A COMPUTAÇÃO PROF. DANIEL S. FREITAS UFSC - CTC - INE Prof. Daniel S. Freitas - UFSC/CTC/INE/2007 p.1/30 3 - INDUÇÃO E RECURSÃO 3.1) Indução Matemática 3.2)

Leia mais

Números Naturais: Continuação

Números Naturais: Continuação Números Naturais: Continuação AULA 2 META: Apresentar as propriedades de Multiplicação e o Princípio da Boa Ordem. OBJETIVOS: Ao fim da aula os alunos deverão ser capazes de: Entender o processo de multiplicação

Leia mais

Dedução Indução Contra-exemplos Contradição Contrapositiva Construção Diagonalização

Dedução Indução Contra-exemplos Contradição Contrapositiva Construção Diagonalização Dedução Indução Contra-exemplos Contradição Contrapositiva Construção Diagonalização 1 Provas, lemas, teoremas e corolários Uma prova é um argumento lógico de que uma afirmação é verdadeira Um teorema

Leia mais

Prof. Márcio Nascimento. 22 de julho de 2015

Prof. Márcio Nascimento. 22 de julho de 2015 Núcleo e Imagem Prof. Márcio Nascimento marcio@matematicauva.org Universidade Estadual Vale do Acaraú Centro de Ciências Exatas e Tecnologia Curso de Licenciatura em Matemática Disciplina: Álgebra Linear

Leia mais

Expressões Algébricas e Polinômios. 8 ano/e.f.

Expressões Algébricas e Polinômios. 8 ano/e.f. Módulo de Expressões Algébricas e Polinômios Expressões Algébricas e Polinômios. 8 ano/e.f. Determine: a) a expressão que representa a área do terreno. b) a área do terreno para x = 0m e y = 15m. Exercício

Leia mais

Universidade Estadual de Santa Cruz. Departamento de Ciências Exatas e Tecnológicas. Especialização em Matemática. Disciplina: Estruturas Algébricas

Universidade Estadual de Santa Cruz. Departamento de Ciências Exatas e Tecnológicas. Especialização em Matemática. Disciplina: Estruturas Algébricas 1 Universidade Estadual de Santa Cruz Departamento de Ciências Exatas e Tecnológicas Especialização em Matemática Disciplina: Estruturas Algébricas Profs.: Elisangela S. Farias e Sérgio Motta Operações

Leia mais

PCC104 - Projeto e Análise de Algoritmos

PCC104 - Projeto e Análise de Algoritmos PCC104 - Projeto e Análise de Algoritmos Marco Antonio M. Carvalho Departamento de Computação Instituto de Ciências Exatas e Biológicas Universidade Federal de Ouro Preto 7 de outubro de 2016 Marco Antonio

Leia mais

LÓGICA I ANDRÉ PONTES

LÓGICA I ANDRÉ PONTES LÓGICA I ANDRÉ PONTES 3. Introdução à Teoria dos Conjuntos Um conjunto é uma coleção ou um agregado de objetos. Introduzindo Conjuntos Ex.: O conjunto das vogais; O conjuntos de pessoas na sala; O conjunto

Leia mais

Tipos de Modelos. Exemplos. Modelo determinístico. Exemplos. Modelo probabilístico. Causas Efeito. Determinístico. Sistema Real.

Tipos de Modelos. Exemplos. Modelo determinístico. Exemplos. Modelo probabilístico. Causas Efeito. Determinístico. Sistema Real. Tipos de Modelos Sistema Real Determinístico Prof. Lorí Viali, Dr. viali@mat.ufrgs.br http://www.mat.ufrgs.br/~viali/ Probabilístico Modelo determinístico Exemplos Gravitação F GM M /r Causas Efeito Aceleração

Leia mais

II. DEFINIÇÕES INICIAIS 1

II. DEFINIÇÕES INICIAIS 1 -1- ELPO: Definições Iniciais [MSL] II. DEFINIÇÕES INICIAIS 1 No que se segue, U é um conjunto qualquer e X, Y,... são os subconjuntos de U. Ex.: U é um quadrado e X, Y e Z são três círculos congruentes

Leia mais

Monografia sobre R ser um Domínio de Fatoração Única implicar que R[x] é um Domínio de Fatoração Única.

Monografia sobre R ser um Domínio de Fatoração Única implicar que R[x] é um Domínio de Fatoração Única. Universidade Estadual de Campinas Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica Departamento de Matemática Monografia sobre R ser um Domínio de Fatoração Única implicar que R[x] é um Domínio

Leia mais

Tipos Indutivos & Recursão (Primitiva)

Tipos Indutivos & Recursão (Primitiva) Alfio Martini www.inf.pucrs.br/alfio Clube de Lógica em Ciência da Computação Faculdade de Informática - PUCRS 2 de setembro de 2013 Sumário Objetivos Gerais 1 Objetivos Gerais 2 3 Funções Primitivas Recursivas

Leia mais

TEOREMA DE ZORN DAS AULAS DE ANÁLISE SUPERIOR DO PROF. A. WEIL EDISON FARAH

TEOREMA DE ZORN DAS AULAS DE ANÁLISE SUPERIOR DO PROF. A. WEIL EDISON FARAH TEOREMA DE ZORN DAS AULAS DE ANÁLISE SUPERIOR DO PROF. A. WEIL EDISON FARAH 1. Um importante teorema de caráter existencial, que intervem na teoria dos conjuntos, é o chamado Teorema de Zorn, devido a

Leia mais

n. 18 ALGUNS TERMOS...

n. 18 ALGUNS TERMOS... n. 18 ALGUNS TERMOS... DEFINIÇÃO Uma Definição é um enunciado que descreve o significado de um termo. Por exemplo, a definição de linha, segundo Euclides: Linha é o que tem comprimento e não tem largura.

Leia mais

Produto Interno - Mauri C. Nascimento - Depto. de Matemática - FC UNESP Bauru

Produto Interno - Mauri C. Nascimento - Depto. de Matemática - FC UNESP Bauru 1 Produto Interno - Mauri C. Nascimento - Depto. de Matemática - FC UNESP Bauru Neste capítulo vamos considerar espaços vetoriais sobre K, onde K = R ou K = C, ou seja, os espaços vetoriais podem ser reais

Leia mais

Aula 1 Aula 2. Ana Carolina Boero. Página:

Aula 1 Aula 2. Ana Carolina Boero.   Página: Elementos de lógica e linguagem matemática E-mail: ana.boero@ufabc.edu.br Página: http://professor.ufabc.edu.br/~ana.boero Sala 512-2 - Bloco A - Campus Santo André Linguagem matemática A linguagem matemática

Leia mais

4.2 Teorema do Valor Médio. Material online: h-p://www.im.ufal.br/professor/thales/calc1-2010_2.html

4.2 Teorema do Valor Médio. Material online: h-p://www.im.ufal.br/professor/thales/calc1-2010_2.html 4.2 Teorema do Valor Médio Material online: h-p://www.im.ufal.br/professor/thales/calc1-2010_2.html Teorema de Rolle: Seja f uma função que satisfaça as seguintes hipóteses: a) f é contínua no intervalo

Leia mais

Fundamentos de Matemática

Fundamentos de Matemática Universidade Federal do Piauí Campus Ministro Reis Velloso Departamento de Matemática Fundamentos de Matemática por Cleyton Natanael Lopes de Carvalho Cunha Parnaiba, de 20 Sumário 1 Teoria Elementar dos

Leia mais

Nelma Moreira. Departamento de Ciência de Computadores da FCUP. Aula 17

Nelma Moreira. Departamento de Ciência de Computadores da FCUP. Aula 17 Fundamentos de Linguagens de Programação Nelma Moreira Departamento de Ciência de Computadores da FCUP Fundamentos de Linguagens de Programação Aula 17 Nelma Moreira (DCC-FC) Fundamentos de Linguagens

Leia mais

TEORIA DOS CONJUNTOS Símbolos

TEORIA DOS CONJUNTOS Símbolos 1 MATERIAL DE APOIO MATEMÁTICA Turmas 1º AS e 1º PD Profº Carlos Roberto da Silva A Matemática apresenta invenções tão sutis que poderão servir não só para satisfazer os curiosos como, também para auxiliar

Leia mais

Cristina Maria Marques Departamento de Matemática-UFMG 1999 ( com revisão em 2005)

Cristina Maria Marques Departamento de Matemática-UFMG 1999 ( com revisão em 2005) Introdução à Teoria de Anéis Cristina Maria Marques Departamento de Matemática-UFMG 1999 ( com revisão em 2005) 2 Prefácio Esta apostila consta das notas de aula feitas para as disciplinas Álgebra I e

Leia mais

A ordem em que os elementos se apresentam em um conjunto não é levada em consideração. Há

A ordem em que os elementos se apresentam em um conjunto não é levada em consideração. Há 1 Produto Cartesiano Par Ordenado A ordem em que os elementos se apresentam em um conjunto não é levada em consideração. Há casos entretanto em que a ordem é importante. Daí a necessidade de se introduzir

Leia mais

LIMITES e CONTINUIDADE de FUNÇÕES. : R R + o x x

LIMITES e CONTINUIDADE de FUNÇÕES. : R R + o x x LIMITES e CONTINUIDADE de FUNÇÕES Noções prévias 1. Valor absoluto de um número real: Chama-se valor absoluto ou módulo de um número real ao número x tal que: x se x 0 x = x se x < 0 Está assim denida

Leia mais

Teorema. Existe alguma raiz primitiva módulo n se, e só se, n = 2, n = 4, n = p k ou n = 2p k onde p é primo ímpar.

Teorema. Existe alguma raiz primitiva módulo n se, e só se, n = 2, n = 4, n = p k ou n = 2p k onde p é primo ímpar. raízes primitivas Uma raiz primitiva módulo n é um inteiro b tal que {1, b, b 2,... ( mod n)} = U(n). Teorema. Existe alguma raiz primitiva módulo n se, e só se, n = 2, n = 4, n = p k ou n = 2p k onde

Leia mais

Matemática Básica EXERCÍCIOS OBRIGATÓRIOS. Dê um contraexemplo para cada sentença falsa.

Matemática Básica EXERCÍCIOS OBRIGATÓRIOS. Dê um contraexemplo para cada sentença falsa. DR. SIMON G. CHIOSSI @ GMA / UFF MB V 1 0/02/2016 NOME LEGÍVEL: Matemática Básica Prova V 1 turma A1 0 / 02 / 2016 MATRÍCULA: EXERCÍCIOS OBRIGATÓRIOS (1) Sejam P(x) o predicado x 2 = x e Q(x) o predicado

Leia mais

x0 = 1 x n = 3x n 1 x k x k 1 Quantas são as sequências com n letras, cada uma igual a a, b ou c, de modo que não há duas letras a seguidas?

x0 = 1 x n = 3x n 1 x k x k 1 Quantas são as sequências com n letras, cada uma igual a a, b ou c, de modo que não há duas letras a seguidas? Recorrências Muitas vezes não é possível resolver problemas de contagem diretamente combinando os princípios aditivo e multiplicativo. Para resolver esses problemas recorremos a outros recursos: as recursões

Leia mais

Capítulo 1. Os Números. 1.1 Notação. 1.2 Números naturais (inteiros positivos)

Capítulo 1. Os Números. 1.1 Notação. 1.2 Números naturais (inteiros positivos) Capítulo 1 Os Números 1.1 Notação Números naturais: N = {1, 2, 3,...}, mas existem vários autores considerando N = {0, 1, 2, 3,...}. Por isso, é recomendado dizer números positivos, números não negativos,

Leia mais

AXIOMAS DE PEANO E OS NÚMEROS NATURAIS

AXIOMAS DE PEANO E OS NÚMEROS NATURAIS AXIOMAS DE PEANO E OS NÚMEROS NATURAIS Hugo Felipe Gequelim [Bolsista PICME/CNPq], Ronie Peterson Dario [Orientador] 1 1 Departamento Acadêmico de Matemática Campus Sede Universidade Tecnológica Federal

Leia mais

Não tem idéia do que fazer? Teste casos pequenos! Os primeiros termos da seqüência são

Não tem idéia do que fazer? Teste casos pequenos! Os primeiros termos da seqüência são Palavras Muitos problemas de Combinatória envolvem seqüências de símbolos. Para facilitar o tratamento desses problemas, vamos chamar de alfabeto oconjuntoσdospossíveis símbolos e chamar as seqüências

Leia mais

Números fuzzy interativos

Números fuzzy interativos Números fuzzy interativos Francielle Santo Pedro Orientador: Laécio Carvalho de Barros Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica- IMECC Unicamp - Campinas 29 de Agosto, 2013 Francielle

Leia mais

Exp e Log. Roberto Imbuzeiro Oliveira. 21 de Fevereiro de 2014. 1 O que vamos ver 1. 2 Fatos preliminares sobre espaços métricos 2

Exp e Log. Roberto Imbuzeiro Oliveira. 21 de Fevereiro de 2014. 1 O que vamos ver 1. 2 Fatos preliminares sobre espaços métricos 2 Funções contínuas, equações diferenciais ordinárias, Exp e Log Roberto Imbuzeiro Oliveira 21 de Fevereiro de 214 Conteúdo 1 O que vamos ver 1 2 Fatos preliminares sobre espaços métricos 2 3 Existência

Leia mais

Wilson Reis de Souza Neto. O Teorema de Paris-Harrington. Dissertação de Mestrado

Wilson Reis de Souza Neto. O Teorema de Paris-Harrington. Dissertação de Mestrado Wilson Reis de Souza Neto O Teorema de Paris-Harrington Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre pelo Programa de Pós graduação em Matemática

Leia mais

12. FUNÇÕES INJETORAS. FUNÇÕES SOBREJETORAS 12.1 FUNÇÕES INJETORAS. Definição

12. FUNÇÕES INJETORAS. FUNÇÕES SOBREJETORAS 12.1 FUNÇÕES INJETORAS. Definição 90 1. FUNÇÕES INJETORAS. FUNÇÕES SOBREJETORAS 1.1 FUNÇÕES INJETORAS Definição Dizemos que uma função f: A B é injetora quando para quaisquer elementos x 1 e x de A, f(x 1 ) = f(x ) implica x 1 = x. Em

Leia mais

Intuitivamente, podemos pensar numa superfície no espaço como sendo um objeto bidimensional. Existem outros modos de se representar uma superfície:

Intuitivamente, podemos pensar numa superfície no espaço como sendo um objeto bidimensional. Existem outros modos de se representar uma superfície: Capítulo 3 Integrais de superfícies 3.1 Superfícies no espaço Definição 3.1 Uma superfície S no espaço é definida como sendo a imagem de uma aplicação contínua r : K R R 3, (u, v) K 7 r (u, v) =(x (u,

Leia mais