AVALIAÇÕES CHAMADA E FREQUÊNCIA LIVROS. Importância do estudo de plantas forrageiras DISCIPLINA DE FORRAGICULTURA 06/09/2016

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÕES CHAMADA E FREQUÊNCIA LIVROS. Importância do estudo de plantas forrageiras DISCIPLINA DE FORRAGICULTURA 06/09/2016"

Transcrição

1 06/09/2016 FACULDADE DE AGRONOMIA ELISEU MACIEL DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA DISCIPLINA DE FORRAGICULTURA AVALIAÇÕES CHAMADA E FREQUÊNCIA LIVROS Professor: Eng. Agr. Dr. Otoniel G. L. Ferreira Importância do estudo de plantas forrageiras Rebanho Bovino Brasileiro Aproximadamente 25% das áreas de solo do planeta são cobertas por pastagens Crescimento da população e da renda aumento do consumo de carne e leite Possibilidade de exportação boi verde, lã, leite ANUALPEC,

2 Confinamentos no Brasil Semi-confinamentos no Brasil Principais Estados MT; GO; MS; SP; ANUALPEC, 2016 Principais Estados MS; MT; GO ANUALPEC, Engorda em pastagens de inverno Produtividade do Rebanho AUMENTO DA PRODUTIVIDADE DO REBANHO Alimentação Sanidade Genética Reprodução Sistema + Melhoria + Melhoria + Melhoria + Melhoramento Tradicional Alimentar Sanitária Reprodutiva Genético Principais Estados RS; PR; SC; MS Fonte: Cândido (2009) ANUALPEC,

3 Bovinos e Ovinos Ruminantes Alimentação baseada em alimento volumoso Forragem Pastejada Capineira Conservada (feno/silagem) Pastagem nativa Lavoura x pecuária Pastagens Pastagem cultivada SSP Capineira Outros serviços prestados pelas plantas forrageiras: Tipos de serviços: Capim Elefante Conservada Milho para corte Equilíbrio do clima Gases Suprimento de água Formação do solo Ciclagem de nutrientes Polinização Produção de alimentos Materiais brutos Recursos genéticos Recreação Exemplos Efeito estufa Balanço CO 2 /O 2 Reservas Acúmulo de MO Fixação de N Reprodução das plantas Combustíveis, forragem Medicina, germoplasma Ecoturismo, esporte Silagem Feno 3

4 Vantagem competitiva do Brasil: Condições ambientais favoráveis para a produção de forragem Duas estações de crescimento Espécies forrageiras de crescimento estival e hibernal Produção ecológica (boi verde; boi a pasto) VANTAGEM COMPETITIVA DO BRASIL Ambiente favorável = produção + sustentável Qual a melhor espécie forrageira??? Fonte: FAO SDRN Agrometeorology Group (1997) 4

5 A melhor espécie forrageira é a GRAMA MILAGROSA Alta produção Alta qualidade Resistente a seca Resistente a geada Não exige adubação Tolerante ao pastejo intensivo CARACTERÍSTICAS A SEREM CONSIDERADASNA PESQUISA E RECOMENDAÇÃO DE FORRAGEIRAS PARA UM DADO AMBIENTE: Facilidade de implantação; Facilidade de manejo; Adaptação (vantagem das espécies nativas e exóticas com cv. melhoradas ou selecionadas na região alvo); Facilidade de inserção aos sistemas de produção; Facilidade de difusão, ou seja, a facilidade de produção de propágulos (sementes ou mudas); Possibilidade de produção de propágulos no ambiente em que a espécie ou cv. é utilizada, ou, disponibilidade de propágulos dentro do mercado nacional ou do Cone Sul; Produtividade, persistência, qualidade e aceitabilidade; Tolerância ao frio, geadas, estiagens, alagamento; Capacidade de regeneração natural por sementes, especialmente em espécies anuais ou perenes de vida curta, de ciclo hibernal; A espécie deve ser forrageira. O QUE SE BUSCA COM O ADEQUADO MANEJO DAS PASTAGENS? Implantar a espécie adequada, de forma correta, no local e momento certos Manter área foliar para a fotossíntese ao mesmo tempo em que se colhe o tecido foliar produzido evita-se perdas de forragem por envelhecimento e morte dos tecidos Perenização dos recursos naturais e... 5

6 AS ESPÉCIES FORRAGEIRAS PODEM SER: Nativas Espécies que pertencem a flora original de um local ou região originam o campo nativo (potreiro) Naturalizadas Espécies que não pertencem a flora original de um local ou região mas que com o passar dos anos tornou-se parte desta Exóticas Espécies introduzidas pela ação do homem ou de algum outro tipo de vetor - dispersão AS ESPÉCIES FORRAGEIRAS PODEM SER: Principais Famílias Família Gramíneas Perenes X Anuais Leguminosas Inverno (tb= 5 C) Verão (tb= 10 C) Inverno (tb= 5 C) Verão (tb= 10 C) Poaceas (Gramíneas) Fabaceas (Leguminosas) raízes hastes folhas flores semente 6

7 Gramineae ou Poaceae Família onde estão as gramas (capins) Folhas lineares Morfologia da germinação hipógea a semente permanece no solo Raízes do tipo fasciculada (cabeleira) O colmo na maioria das espécies, é oco e é constituído de nós e entrenós cada nó tem sua folha correspondente Desenvolvimento de uma gramínea Leguminosas) germinação hipógea 7

8 Setária Capim Colonião Hermathria Brachiárias Fabaceae (Leguminosas) Desenvolvimento de uma leguminosa (alfafa) Família onde estão plantas com folhas compostas Fruto é um legume (vagem??) Morfologia da germinação epígea a semente fica sobre a superfície do solo os cotilédones ao receberem luz se tornam verdes Raízes do tipo axial ou pivotante Apresentam caules de diferentes tipos germinação epígea 8

9 Leguminosas) Cornichão (Lotus corniculatus L.) Ervilhaca T. branco Cornichão 9

10 06/09/2016 Trifolium encarnatum Trifolium resupinatum Trifolium vesiculosum Trifolium alexandrinum Hábito de crescimento estolonífera Gênero Axonopus F/C Grama de jardim Crescimento do caule na horizontal e, raízes e folhas na vertical Tifton Capacidade de ocupar espaço Colmo junto ao solo Reservas 10

11 Paspalum notatum Hábito de crescimento rizomatosa F/C NS Rizoma subterrâneo Crescimento do caule na horizontal sob o solo, e folhas na vertical Colmo # Raiz Colmo subterrâneo Reservas Crescimento em forma de touceira Alfafa (Medicago sativa L.) Cespitoso ereto Hábito de crescimento ereto 11

12 06/09/2016 Milheto Cespitoso Prostrado Crescimento do caule na horizontal e folhas na vertical Cespitoso Decumbente Trepador Gavinhas Caules eretos e folhas decumbem Crescem agarrradas a outras plantas 12

13 13

Principais famílias: 28/05/2015 MORFOLOGIA. Morfologia de Leguminosas e Gramíneas Forrageiras. Poaceae (gramíneas) grama, pastagem.

Principais famílias: 28/05/2015 MORFOLOGIA. Morfologia de Leguminosas e Gramíneas Forrageiras. Poaceae (gramíneas) grama, pastagem. Morfologia de Leguminosas e Gramíneas Forrageiras MORFOLOGIA Refere-se a estrutura e ao arranjo de partes das plantas. Prof. Leandro C. Araujo (DBZ) Zootecnista Essencial para a identificação das plantas

Leia mais

MORFOLOGIA DE GRAMÍNEAS FORRAGEIRAS

MORFOLOGIA DE GRAMÍNEAS FORRAGEIRAS Capítulo 2 MORFOLOGIA DE GRAMÍNEAS FORRAGEIRAS Renato Serena Fontaneli, Henrique Pereira dos Santos e Roberto Serena Fontaneli A família das gramíneas (Poaceae ou Gramineae) é uma das principais famílias

Leia mais

Manejo de pastagens Consumo de forragem

Manejo de pastagens Consumo de forragem Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento de Zootecnia Manejo de pastagens Consumo de forragem Magno José Duarte Cândido magno@ufc.br Núcleo de Ensino e Estudos em Forragicultura-

Leia mais

Pastagem para ovinos e caprinos

Pastagem para ovinos e caprinos Pastagem para ovinos e caprinos Hábitos alimentares Classes Ruminante Não ruminante Selecionadores de concentrado, frutos e folhas Brotos e folhas de árvores e arbustos (baixa fibra) Consumidores intermediários

Leia mais

Disciplina Forragicultura

Disciplina Forragicultura Histórico Disciplina Forragicultura Professora: Ana Cláudia Ruggieri Chegada do gado no Brasil Cabo verde Força de trabalho Região sul Animais europeus Histórico Aspectos Gerais Chegada do gado zebuino

Leia mais

Curso de Pós-Graduação em Estratégias Integradas para Pecuária de Corte: Produção, Eficiência e Gestão

Curso de Pós-Graduação em Estratégias Integradas para Pecuária de Corte: Produção, Eficiência e Gestão Curso de Pós-Graduação em Estratégias Integradas para Pecuária de Corte: Produção, Eficiência e Gestão Módulo I PRODUÇÃO DE BOVINOS EM PASTAGENS NO BRASIL Prof. Dr. Gelci Carlos Lupatini Zootecnia UNESP/Dracena

Leia mais

Potencialidades do Melhoramento Genético de Forrageiras no RS. Miguel Dall Agnol UFRGS

Potencialidades do Melhoramento Genético de Forrageiras no RS. Miguel Dall Agnol UFRGS Potencialidades do Melhoramento Genético de Forrageiras no RS Miguel Dall Agnol UFRGS Há mesmo a necessidade de novas cultivares de forrageiras? Porque em outras culturas, é comum a compra de cvs? Em forrageiras,

Leia mais

ASPECTOS IMPORTANTES PARA O SUCESSO DA. Zootecnista: Cledson Augusto Garcia Docente da Graduação

ASPECTOS IMPORTANTES PARA O SUCESSO DA. Zootecnista: Cledson Augusto Garcia Docente da Graduação ASPECTOS IMPORTANTES PARA O SUCESSO DA PRODUÇÃO DE OVINOS DE CORTE Zootecnista: Cledson Augusto Garcia Docente da Graduação Jacó: o precursor do Pastoreio Racional O BOM PASTOR COMEÇA DESDE CEDO PASTOR:

Leia mais

Formação e manejo de capineiras

Formação e manejo de capineiras Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento de Zootecnia Formação e manejo de capineiras Magno José Duarte Cândido magno@ufc.br Núcleo de Ensino e Estudos em Forragicultura-NEEF/DZ/CCA/UFC

Leia mais

Forragicultura e Pastagens

Forragicultura e Pastagens Setor de Forragicultura Pastagens, 19,5 ha de Brachiaria brizantha cv. Marandu; Forragicultura e Pastagens Curral de confinamento semi coberto. Ricardo A. Reis Dep. Zootecnia Setor de Forragicultura Setor

Leia mais

TÍTULO: EFEITOS DA PROFUNDIDADE DE PLANTIO NA GERMINAÇÃO E PRODUÇÃO DE MASSA DO CAPIM BRAQUIARÃO ADUBADO NO PLANTIO

TÍTULO: EFEITOS DA PROFUNDIDADE DE PLANTIO NA GERMINAÇÃO E PRODUÇÃO DE MASSA DO CAPIM BRAQUIARÃO ADUBADO NO PLANTIO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: EFEITOS DA PROFUNDIDADE DE PLANTIO NA GERMINAÇÃO E PRODUÇÃO DE MASSA DO CAPIM BRAQUIARÃO ADUBADO

Leia mais

AULA 2. Morfologia de Leguminosas e Gramíneas Forrageiras

AULA 2. Morfologia de Leguminosas e Gramíneas Forrageiras AULA 2 Morfologia de Leguminosas e Gramíneas Forrageiras Terminologia em Forragicultura Forragicultura: Estudo das plantas forrageiras. (????) Forragem: Partes aéreas de uma população de plantas herbáceas,

Leia mais

SÍTIO DO CEDRO SEBRAE/DPA CARMO DO PARANAÍBA - MG PASTO COMO OPÇÃO DE FORRAGEM RICARDO PEIXOTO

SÍTIO DO CEDRO SEBRAE/DPA CARMO DO PARANAÍBA - MG PASTO COMO OPÇÃO DE FORRAGEM RICARDO PEIXOTO SÍTIO DO CEDRO SEBRAE/DPA CARMO DO PARANAÍBA - MG PASTO COMO OPÇÃO DE FORRAGEM RICARDO PEIXOTO Por que pasto? Menor investimento inicial Instalações Rebanho Não confinar vacas no período chuvoso do ano

Leia mais

Gramíneas do Gênero Cynodon

Gramíneas do Gênero Cynodon Introdução Gramíneas do Gênero Cynodon O conhecimento das diversas características de cada forrageira é de suma importância para sua correta utilização Garantindo a produtividade e perenidade das espécies,

Leia mais

Semente de Brachiaria Ruziziensis (Pastejo, fenação e cobertura morta para plantio direto)

Semente de Brachiaria Ruziziensis (Pastejo, fenação e cobertura morta para plantio direto) Semente de Brachiaria Ruziziensis (Pastejo, fenação e cobertura morta para plantio direto) Descrição Família Gramíneas Ciclo vegetativo Forma de crescimento Ruziziensis Perene Touceira Adaptação Tipo de

Leia mais

CAPACIDADE DE SUPORTE: VOCÊ SABE CALCULAR?

CAPACIDADE DE SUPORTE: VOCÊ SABE CALCULAR? CAPACIDADE DE SUPORTE: VOCÊ SABE CALCULAR? Rogério Marchiori Coan 1 Ricardo Andrade Reis 2 A taxa de lotação é definida como o número de animais pastejando uma unidade de área por um determinado tempo.

Leia mais

INTEGRAÇÃO LAVOURA- Prof. Dr. Gelci Carlos Lupatini. UNESP Campus Experimental de Dracena 8200

INTEGRAÇÃO LAVOURA- Prof. Dr. Gelci Carlos Lupatini. UNESP Campus Experimental de Dracena 8200 INTEGRAÇÃO LAVOURA- PECUÁRIA Prof. Dr. Gelci Carlos Lupatini UNESP Campus Experimental de Dracena (18) 3821-8200 8200 lupatini@dracena.unesp.br 1 INTRODUÇÃO Monocultivo de culturas e pastagens; Problemas

Leia mais

Consórcio de milho com braquiária: aspectos práticos de implantação. Intercropped corn-brachiaria: practical deployment.

Consórcio de milho com braquiária: aspectos práticos de implantação. Intercropped corn-brachiaria: practical deployment. Consórcio de com braquiária: aspectos práticos de implantação Intercropped corn-brachiaria: practical deployment. Gessi Ceccon 1 e Luís Armando Zago Machado 2 Identificação das principais forrageiras perenes

Leia mais

de Pós-Graduação em Estratégias Integradas para Pecuária de Corte: Produção, Eficiência e Gestão Modulo I

de Pós-Graduação em Estratégias Integradas para Pecuária de Corte: Produção, Eficiência e Gestão Modulo I ϙ" ϙ>curso ➐ 頴眖頴蘟眜眜眜 de Pós-Graduação em Estratégias Integradas para Pecuária de Corte: Produção, Eficiência e Gestão Modulo I MANEJO DE PASTAGENS: Bases e ajuste da taxa de lotação (carga animal) Gelci

Leia mais

20/02/2017 MÉTODOS DE PASTEJO II

20/02/2017 MÉTODOS DE PASTEJO II UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE AGRONOMIA ELISEU MACIEL DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA DISCIPLINA: Manejo de Rebanhos em Pastejo MÉTODOS DE PASTEJO II Lotação rotacionada método que utiliza subdivisão

Leia mais

Uma das maneiras de reduzir os efeitos da

Uma das maneiras de reduzir os efeitos da Uma das maneiras de reduzir os efeitos da baixa disponibilidade de forragem sobre o desempenho dos animais é conservar a forragem de uma estação de crescimento para períodos de escassez de alimentos. A

Leia mais

Melhoramento Genético da Alfafa

Melhoramento Genético da Alfafa Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Melhoramento Genético da Alfafa Editores Técnicos Reinaldo de Paula Ferreira Daniel Horacio Basigalup Jorge

Leia mais

Seminário Estratégias para uma Gestão Municipal de Convi

Seminário Estratégias para uma Gestão Municipal de Convi Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Centro de Pesquisa Agropecuária do Trópico Semi-Árido Seminário Estratégias para uma Gestão Municipal de Convi A P R O D U Ç Ã O A N I M A L Gherman

Leia mais

Quais os benefícios ao patrocinar um curso online?

Quais os benefícios ao patrocinar um curso online? Quais os benefícios ao patrocinar um curso online? Reforço da marca no mercado; Relacionamento estreito com o público alvo; Destaque da expertise da organização ao contribuir com conhecimentos e tecnologias

Leia mais

Plantio do amendoim forrageiro

Plantio do amendoim forrageiro Plantio do amendoim forrageiro O amendoim forrageiro (Arachis pintoi Krapov. & W.C. Greg.) é uma leguminosa herbácea tropical perene nativa do Brasil. Tem importância na produção de forragem em pastos

Leia mais

MORFOLOGIA E ANATOMIA DO CAULE

MORFOLOGIA E ANATOMIA DO CAULE MORFOLOGIA E ANATOMIA DO CAULE Biologia Professor João Exemplos Funções Estrutura Exemplos Funções Estrutura Sustentação das folhas; Coneção entre folhas e raiz; Armazenar substâncias nutritivas; Fotossíntese

Leia mais

7,2% SISTEMAS DE ENGORDA SUPLEMENTAÇÃO PARA BOVINOS DE CORTE. Valor nutritivo. Luis Fernando G. de Menezes Tiago Venturini. engorda.

7,2% SISTEMAS DE ENGORDA SUPLEMENTAÇÃO PARA BOVINOS DE CORTE. Valor nutritivo. Luis Fernando G. de Menezes Tiago Venturini. engorda. SUPLEMENTAÇÃO PARA BOVINOS DE CORTE SISTEMAS DE ENGORDA Sistema de engorda Confinamento 27 2.397. 28 2.757. Luis Fernando G. de Menezes Tiago Venturini Semiconfinamento Pastagem de inverno Demais sistemas

Leia mais

CARACTERÍSTICAS BROMATOLÓGICAS DE PASTAGENS PERENES DE VERÃO CULTIVADAS NO MUNICÍPIO DE PALMITINHO - RS

CARACTERÍSTICAS BROMATOLÓGICAS DE PASTAGENS PERENES DE VERÃO CULTIVADAS NO MUNICÍPIO DE PALMITINHO - RS CARACTERÍSTICAS BROMATOLÓGICAS DE PASTAGENS PERENES DE VERÃO CULTIVADAS NO MUNICÍPIO DE PALMITINHO - RS Josimar dos Santos 1 Patrícia Diniz Ebling 2 e Douglas Antônio Rogeri 3 Palavras chaves: forrageiras,

Leia mais

ESTABELECIMENTO DE PASTAGENS PARA BUBALINOS

ESTABELECIMENTO DE PASTAGENS PARA BUBALINOS ESTABELECIMENTO DE PASTAGENS PARA BUBALINOS Prof. Dr. André Mendes Jorge Pesquisador do CNPq Prof. Dr. André Mendes Jorge FMVZ-Unesp-Botucatu NECESSIDADE DE INTENSIFICAÇÃO DA PECUÁRIA Manejo intensivo

Leia mais

Formação e manejo de pastagem

Formação e manejo de pastagem Formação e manejo de pastagem Formação de pastagens Pastagens: áreas cobertas por vegetação nativa ou plantas introduzidas e adaptadas, que são utilizadas para o pastoreio dos animais Pastagem artificial

Leia mais

TERMINAÇÃO. Sistemas de produção de carne no Brasil Sistema de 2010 (x 1000) 2010 (%) Sistemas de Produção 11/03/2015

TERMINAÇÃO. Sistemas de produção de carne no Brasil Sistema de 2010 (x 1000) 2010 (%) Sistemas de Produção 11/03/2015 TERMINAÇÃO Sistemas de produção de carne no Brasil Sistema de 2010 (x 1000) 2010 (%) produção Confinamento 3.047 7,39 Semiconfinamento Pastagens inverno 2.583 6,27 822 1,99 Pastagem sem 34.748 84,35 definição

Leia mais

Dirceu Luiz Broch e Gessi Ceccon

Dirceu Luiz Broch e Gessi Ceccon 9º Seminário Nacional de Milho Safrinha. Rumo à estabilidade: anais. 121 PRODUÇÃO DE MILHO SAFRINHA COM INTEGRAÇÃO LAVOURA E PECUÁRIA () () Dirceu Luiz Broch e Gessi Ceccon 1. Introdução O safrinha é uma

Leia mais

Principais espécies forrageiras na alimentação de ruminantes

Principais espécies forrageiras na alimentação de ruminantes Principais espécies forrageiras na alimentação de ruminantes DISCIPLINA: PRODUÇÃO ANIMAL 2 Dra. Fabiola Rego Grecco fabiola_rego@yahoo.com.br CLASSIFICAÇÃO Família C4 Família C3 Gramíneas tropicais e subtropicais

Leia mais

BIOLOGIA E FISIOLOGIA DE PLANTAS FORRAGEIRAS

BIOLOGIA E FISIOLOGIA DE PLANTAS FORRAGEIRAS BIOLOGIA E FISIOLOGIA DE PLANTAS FORRAGEIRAS A pastagem vista como um ecossistema Crescimento de uma gramínea Crescimento de uma leguminosa Do que as plantas precisam para crescer? Fotossíntese Quanto

Leia mais

NITROGÊNIO NO TECIDO VEGETAL DE PLANTAS HIBERNAIS E ESTIVAIS

NITROGÊNIO NO TECIDO VEGETAL DE PLANTAS HIBERNAIS E ESTIVAIS NITROGÊNIO NO TECIDO VEGETAL DE PLANTAS HIBERNAIS E ESTIVAIS Rodrigo Salvador 1 ; Guilherme Vitória 2 ; Herberto Lopes 3 ; Francieli Steffler Weber 4 ; Romano Roberto Valicheski 5 ; Sidinei Leandro Klöckner

Leia mais

QUALIDADE DA PASTAGEM NA PRODUÇÃO E COMPOSIÇÃO DO LEITE

QUALIDADE DA PASTAGEM NA PRODUÇÃO E COMPOSIÇÃO DO LEITE QUALIDADE DA PASTAGEM NA PRODUÇÃO E COMPOSIÇÃO DO LEITE Flávia Fernanda Simili Dr., PqC do Polo Regional Centro Leste/APTA flaviasimili@apta.sp.gov.br Introdução As estimativas de produções de leite provenientes

Leia mais

ROTAÇÃO DE CULTURAS - PRÁTICA AGRÍCOLA BUSCA ALTERNAR MESMA ÁREA, DFRENTES CULTURAS SEQUÊMCIAS, CONFORME PLANO PRÉVIO DEFINIDO.

ROTAÇÃO DE CULTURAS - PRÁTICA AGRÍCOLA BUSCA ALTERNAR MESMA ÁREA, DFRENTES CULTURAS SEQUÊMCIAS, CONFORME PLANO PRÉVIO DEFINIDO. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPT. FITOTECNIA E FITOSSANITARISMO DISCIPLINA AGRICULTURA GERAL (AF001) PROFS. OSWALDO TERUYO IDO E RICARDO AUGUSTO DE OLIVEIRA MONITORA ANA SELENA

Leia mais

PRODUÇÃO DE LEITE COM FORRAGEIRAS. FRANCISCO ALBERTO TRAESEL ENG. AGRÔNOMO. EMATER-RS- São Pedro do Sul 2010

PRODUÇÃO DE LEITE COM FORRAGEIRAS. FRANCISCO ALBERTO TRAESEL ENG. AGRÔNOMO. EMATER-RS- São Pedro do Sul 2010 PRODUÇÃO DE LEITE COM FORRAGEIRAS FRANCISCO ALBERTO TRAESEL ENG. AGRÔNOMO. EMATER-RS- São Pedro do Sul 2010 PLANEJAR 1- PLANEJAR-METAS-PRIORIDADES 2- A.M.O.R 4-ASSOCIATIVISMO 5-S.I.N.O.P 7- CHUTAR A VACA

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Manejo de Pastagens Código da Disciplina: AGR 279 Curso: Agronomia Semestre de oferta da disciplina: 6 Faculdade responsável: Agronomia Programa em vigência a partir

Leia mais

Pesquisa apresentada como Trabalho de Conclusão de Curso de Agronomia (DEAg/UNIJUÍ). 2

Pesquisa apresentada como Trabalho de Conclusão de Curso de Agronomia (DEAg/UNIJUÍ). 2 AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO DE SEMENTES DE CAPIM SUDÃO (SORGHUM SUDANENSE (PIPER) STAPF), PELAS ANÁLISES DE PUREZA E GERMINAÇÃO NOS ANOS DE 2007 A 2014 1 Vanderleia Cristina Bertoldo 2, Emerson André Pereira

Leia mais

TAXA DE ACÚMULO DE FITOMASSA DO CAPIM-CORRENTE ADUBADO COM ESTERCO SUÍNO SOB DUAS ALTURAS DE CORTE EM TRÊS CICLOS CONSECUTIVOS INTRODUÇÃO

TAXA DE ACÚMULO DE FITOMASSA DO CAPIM-CORRENTE ADUBADO COM ESTERCO SUÍNO SOB DUAS ALTURAS DE CORTE EM TRÊS CICLOS CONSECUTIVOS INTRODUÇÃO TAXA DE ACÚMULO DE FITOMASSA DO CAPIM-CORRENTE ADUBADO COM ESTERCO SUÍNO SOB DUAS ALTURAS DE CORTE EM TRÊS CICLOS CONSECUTIVOS Eduardo Henrique de Sá Júnior 1 ; Manoela Gomes da Cruz 1 ; Maurício Luiz

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA Características anatômicas e químico-bromatológicas das forrageiras x alternativas para otimizar consumo e digestão

Leia mais

Agricultura geral. de plantas. UFCG Campus Pombal

Agricultura geral. de plantas. UFCG Campus Pombal Agricultura geral Propagação de plantas UFCG Campus Pombal Tipos de propagação de plantas Sexuada ou seminífera Sistema de propagação de plantas que envolve a união de gametas, gerando a semente que é

Leia mais

Formação e manejo de bancos de proteína em Rondônia

Formação e manejo de bancos de proteína em Rondônia --.. --- FOL 4820 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro de Pesquisa Agroflorestal de Rondônia Ministério da Agricultura e do Abastecimento Nº 03, dez./97, p.1-4 Formação e manejo de bancos

Leia mais

ESTRATÉGIAS ECONÔMICAS EM MANEJO DE PASTAGENS

ESTRATÉGIAS ECONÔMICAS EM MANEJO DE PASTAGENS ESTRATÉGIAS ECONÔMICAS EM MANEJO DE PASTAGENS II SIMPÓSIO DE ADUBAÇÃO E MANEJO DE PASTAGENS. UNESP/DRACENA, 18 DE MAIO DE 2013. JOÃO MANETTI FILHO (FEIS/UNESP). a) PRODUÇÃO DE FORRAGEM b) AQUISIÇÃO DE

Leia mais

Jardinagem e Meio Ambiente. Conhecer Gostar - Respeitar - Preservar

Jardinagem e Meio Ambiente. Conhecer Gostar - Respeitar - Preservar Jardinagem e Meio Ambiente Conhecer Gostar - Respeitar - Preservar O Brasil tem a maior diversidade de espécies do mundo! E qual a importância das plantas em nossa vida? Por que plantar? As plantas deixam

Leia mais

Tipos de propagação de plantas. Propagação de plantas. Propagação sexuada ou seminífera. Agricultura geral. Vantagens da propagação sexuada

Tipos de propagação de plantas. Propagação de plantas. Propagação sexuada ou seminífera. Agricultura geral. Vantagens da propagação sexuada Agricultura geral Propagação de plantas UFCG Campus Pombal Tipos de propagação de plantas Sexuada ou seminífera Sistema de propagação de plantas que envolve a união de gametas, gerando a semente que é

Leia mais

BANCO DE PROTEÍNAS COMO ALTERNATIVAS PARA A ALIMENTAÇÃO DE BOVINOS NO PERÍODO SECO, COM E SEM IRRIGAÇÃO

BANCO DE PROTEÍNAS COMO ALTERNATIVAS PARA A ALIMENTAÇÃO DE BOVINOS NO PERÍODO SECO, COM E SEM IRRIGAÇÃO BANCO DE PROTEÍNAS COMO ALTERNATIVAS PARA A ALIMENTAÇÃO DE BOVINOS NO PERÍODO SECO, COM E SEM IRRIGAÇÃO Ítalo Bazzo de Oliveira 1 ;João Batista Leite Jr. 2 1 Acadêmico do curso de agronomia da UEMS, Unidade

Leia mais

DESAFIOS E PERSPECTIVAS PARA A PESQUISA E USO DE LEGUMINOSAS EM PASTAGENS TROPICAIS: UMA REFLEXÃO. Sila Carneiro da Silva 1

DESAFIOS E PERSPECTIVAS PARA A PESQUISA E USO DE LEGUMINOSAS EM PASTAGENS TROPICAIS: UMA REFLEXÃO. Sila Carneiro da Silva 1 DESAFIOS E PERSPECTIVAS PARA A PESQUISA E USO DE LEGUMINOSAS EM PASTAGENS TROPICAIS: UMA REFLEXÃO Sila Carneiro da Silva 1 O interesse pela produção animal em pastagens tem crescido bastante nos últimos

Leia mais

Adubação do Milho Safrinha. Aildson Pereira Duarte Instituto Agronômico (IAC), Campinas

Adubação do Milho Safrinha. Aildson Pereira Duarte Instituto Agronômico (IAC), Campinas Adubação do Milho Safrinha Aildson Pereira Duarte Instituto Agronômico (IAC), Campinas Produtividade, kg/ha Área (milhões ha) AUMENTO DA ÁREA E PRODUTIVIDADE 8000,0 7000,0 6000,0 Total MT 7.012 5000,0

Leia mais

Desenvolvimento Rural Sustentável em Microbacias Hidrográficas do Estado do Rio de Janeiro UNIDADE DE PESQUISA PARTICIPATIVA

Desenvolvimento Rural Sustentável em Microbacias Hidrográficas do Estado do Rio de Janeiro UNIDADE DE PESQUISA PARTICIPATIVA Desenvolvimento Rural Sustentável em Microbacias Hidrográficas do Estado do Rio de Janeiro setembro/2014 UNIDADE DE PESQUISA PARTICIPATIVA DIAGNÓSTICO PARTICIPATIVO DAS PROPRIEDADES LEITEIRAS VISANDO À

Leia mais

COMPORTAMENTO MORFOFISIOLÓGICO DE ESPÉCIES FORRAGEIRAS EM DIFERENTES NÍVEIS DE SOMBREAMENTO

COMPORTAMENTO MORFOFISIOLÓGICO DE ESPÉCIES FORRAGEIRAS EM DIFERENTES NÍVEIS DE SOMBREAMENTO COMPORTAMENTO MORFOFISIOLÓGICO DE ESPÉCIES FORRAGEIRAS EM DIFERENTES NÍVEIS DE SOMBREAMENTO 1 2 1 1 Laércio Ricardo Sartor, André Brugnara Soares, Paulo Fernando Adami, Lidiane Fonseca, 1 Francisco Migliorini

Leia mais

Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Dois Vizinhos, Paraná Brasil. Bolsista CNPq/Capes.

Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Dois Vizinhos, Paraná Brasil. Bolsista CNPq/Capes. Características nutricionais da silagem de milho e de forrageiras dos gêneros Panicum e Brachiaria cultivadas em consórcio no Sistema Integração Lavoura - Pecuária 1 1 Idianara Fernanda Pizzatto 2, 2 Viviann

Leia mais

Vaqueiro Foi desenvolvido exclusivamente para a produção de forragem, melhorou em clima tropicais onde gramíneas de estação quente são adaptadas.

Vaqueiro Foi desenvolvido exclusivamente para a produção de forragem, melhorou em clima tropicais onde gramíneas de estação quente são adaptadas. Brasil e em Capim Vaqueiro proporciona melhor qualidade forrageira, tonelagem e persistência em comparação com outras cultivarem.vaqueiro é menos dispendioso à planta dos híbridos estéreis como Ozarka,

Leia mais

Presentation Title Mês 00, Adubação de Pastagens na Pecuária de Corte. Paulo Rodrigo Santos de Souza Assistência Técnica Nutrição Animal

Presentation Title Mês 00, Adubação de Pastagens na Pecuária de Corte. Paulo Rodrigo Santos de Souza Assistência Técnica Nutrição Animal 1 Adubação de Pastagens na Pecuária de Corte Paulo Rodrigo Santos de Souza Assistência Técnica Nutrição Animal 2 Na apresentação anterior... Momento atual para a adubação de pastagens Análise técnica e

Leia mais

INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA: benefícios produtivos, econômicos e ambientais

INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA: benefícios produtivos, econômicos e ambientais Barbacena, 08 de abril de 2016 INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA: benefícios produtivos, econômicos e ambientais Roberto Guimarães Júnior EMBRAPA Levar conhecimento, práticas modernas e novidades do mercado

Leia mais

Aulas 8 e 9. Morfologia Vegetal (Evolução e padrões anatômicos e fisiológicosobservados nos seres vivos). Parte I: Raiz e Caule.

Aulas 8 e 9. Morfologia Vegetal (Evolução e padrões anatômicos e fisiológicosobservados nos seres vivos). Parte I: Raiz e Caule. Aulas 8 e 9 Morfologia Vegetal (Evolução e padrões anatômicos e fisiológicosobservados nos seres vivos). Parte I: Raiz e Caule. Raiz: fixação ao solo e absorção de água e sais minerais. Regiões Meristemática:

Leia mais

Desafios e Perspectivas da Produção Animal no Semiárido frente às Mudanças Climáticas e a Disponibilidade Hídrica

Desafios e Perspectivas da Produção Animal no Semiárido frente às Mudanças Climáticas e a Disponibilidade Hídrica Desafios e Perspectivas da Produção Animal no Semiárido frente às Mudanças Climáticas e a Disponibilidade Hídrica Gherman Garcia Leal de Araújo Pesquisador Embrapa Semiárido Fortaleza-CE Junho - 2016 Sumário

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA PECUÁRIA LEITEIRA NA REGIÃO DO CAPARAÓ ESPÍRITO- SANTENSE

DIAGNÓSTICO DA PECUÁRIA LEITEIRA NA REGIÃO DO CAPARAÓ ESPÍRITO- SANTENSE DIAGNÓSTICO DA PECUÁRIA LEITEIRA NA REGIÃO DO CAPARAÓ ESPÍRITO- SANTENSE Tarcísio Feleti de Castro 1, Felipe Scheiber Pittelkow 2, Rafael Altoé Dansi 3, Maria Izabel Vieira de Almeida 4 1 UFES/Departamento

Leia mais

30/05/2010. Custo total da atividade de engorda (US$/100kg carcaça) Norte Nordeste Sudeste Sul Centro Oeste

30/05/2010. Custo total da atividade de engorda (US$/100kg carcaça) Norte Nordeste Sudeste Sul Centro Oeste Custo da produção de carne no Brasil Custo total da atividade de engorda (US$/100kg carcaça) Embrapa Amazônia Oriental Fonte: Agri Benchmark Beef Report (2008) Características importantes da pecuária brasileira

Leia mais

CALENDÁRIO DE ATIVIDADES NA PRODUÇÃO DE LEITE

CALENDÁRIO DE ATIVIDADES NA PRODUÇÃO DE LEITE CALENDÁRIO DE NA PRODUÇÃO DE LEITE MÊS DE JANEIRO ALIMENTAÇÃO Pastagens perenes Diferir áreas para colher sementes ou deixar sementar as pastagens. Utilizar pastagens de verão (principalmente no sistema

Leia mais

Pastagens. Área de pastagem no Brasil. (ANUALPEC 2009 e IBGE 2010) 122 milhões de hectares. Espécies cultivadas

Pastagens. Área de pastagem no Brasil. (ANUALPEC 2009 e IBGE 2010) 122 milhões de hectares. Espécies cultivadas Pastagens Ana Cláudia Ruggieri Prof. Assistente Dr.UNESP/Jaboticabal E-mail: acruggieri@fcav.unesp.br UNESP - Jaboticabal/SP Brasil Distribuição das atividades no Território Brasileiro Pastagens 48% Matas

Leia mais

PRODUÇÃO DE FORRAGEM DE AZEVEM CV. BAR JUMBO SOB DISTINTAS DENSIDADES DE SEMEADURA E DOSES DE NITROGÊNIO

PRODUÇÃO DE FORRAGEM DE AZEVEM CV. BAR JUMBO SOB DISTINTAS DENSIDADES DE SEMEADURA E DOSES DE NITROGÊNIO PRODUÇÃO DE FORRAGEM DE AZEVEM CV. BAR JUMBO SOB DISTINTAS DENSIDADES DE SEMEADURA E DOSES DE NITROGÊNIO Fabio César Bratti 1, Laércio Sartor 1* [orientador], Priscila Wielewski 1, Julio Cezar Machado

Leia mais

PRODUÇÃO DE LEITE A PASTO: CONSIDERAÇÕES SOBRE O SISTEMA

PRODUÇÃO DE LEITE A PASTO: CONSIDERAÇÕES SOBRE O SISTEMA PRODUÇÃO DE LEITE A PASTO: CONSIDERAÇÕES SOBRE O SISTEMA Lílian Anqueli Cordeiro da Silva (1), Paulo Roberto de Lima Meirelles(2) 1 Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia-UNESP,Botucatu,São Paulo.Brasil.lilicordeiro@live.com.

Leia mais

Semente Normal Atlas VC 35 15kg / ha. Atlas Série Gold Incrustrada 10 kg/ha. Semente Normal Atlas VC 35 15kg / ha. Plantio entre linhas (plantadeira)

Semente Normal Atlas VC 35 15kg / ha. Atlas Série Gold Incrustrada 10 kg/ha. Semente Normal Atlas VC 35 15kg / ha. Plantio entre linhas (plantadeira) Espécie Ciclo Tipo Cultivar Azevém Anual Diplóide / Italiano Concord Azevém Anual Tetraplóide Titan Azevém Anual Tetraplóide Winter Star Azevém Anual Tetraplóide KLM 138 Azevém Bianual Tetraplóide / Híbrido

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLOGICA DAS SEMENTES NA PRODUTIVIDADE DA CULTURA DA SOJA. Material e Métodos. Sementes (Brasil, 2009.

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLOGICA DAS SEMENTES NA PRODUTIVIDADE DA CULTURA DA SOJA. Material e Métodos. Sementes (Brasil, 2009. 1 02 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLOGICA DAS SEMENTES NA PRODUTIVIDADE DA CULTURA Objetivo Este trabalho teve como objetivo avaliar o efeito do vigor de sementes de soja na produtividade BOLETIM Material

Leia mais

Obtenção de Clones de Capim-elefante para Produção de Forragem Adaptados à Região dos Tabuleiros Costeiros e Baixada Litorânea do Nordeste

Obtenção de Clones de Capim-elefante para Produção de Forragem Adaptados à Região dos Tabuleiros Costeiros e Baixada Litorânea do Nordeste III Seminário de Iniciação Científica e Pós-Graduação da Embrapa Tabuleiros Costeiros 191 Obtenção de Clones de Capim-elefante para Produção de Forragem Adaptados à Região dos Tabuleiros Costeiros e Baixada

Leia mais

Manejo de plantas de cobertura para sistemas agrícolas de alta produtividade

Manejo de plantas de cobertura para sistemas agrícolas de alta produtividade Manejo de plantas de cobertura para sistemas agrícolas de alta produtividade B.Sc. Agronomia José Eduardo de Macedo Soares Júnior Fazenda Capuaba / Lucas do Rio Verde-MT Fazenda Capuaba Lucas do Rio Verde

Leia mais

OPORTUNIDADES DA INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA; SITUAÇÃO NO CERRADO PAULO JACINTO BATEZINI DE SOUZA

OPORTUNIDADES DA INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA; SITUAÇÃO NO CERRADO PAULO JACINTO BATEZINI DE SOUZA OPORTUNIDADES DA INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA; SITUAÇÃO NO CERRADO PAULO JACINTO BATEZINI DE SOUZA FAZENDA VENTANIA MAURÍCIO BATEZINI DE SOUZA FAZENDA VENTANIA DOURADOS-MS REGIÃO DE TRANSIÇÃO CLIMÁTICA

Leia mais

CAULE. Aula aplicada ao 6º ano Escola Municipal Otávio Manoel Anastácio. Professor: Luiz Carlos.

CAULE. Aula aplicada ao 6º ano Escola Municipal Otávio Manoel Anastácio. Professor: Luiz Carlos. Mundo das Plantas Morfologia das Angiospermas CAULE Aula aplicada ao 6º ano Escola Municipal Otávio Manoel Anastácio. Professor: Luiz Carlos. Material de apoio didático ao experimento Microscópio Remoto

Leia mais

Utilização de Herbívoros na Gestão de Habitats

Utilização de Herbívoros na Gestão de Habitats Utilização de Herbívoros na Gestão de Habitats Carlos Aguiar Esc. Sup. Agrária Bragança Centro de Investigação de Montanha De que vou falar Dinâmica da vegetação e habitats do CW calcário Pastoreio e dinâmica

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - UNIOSTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENERGIA NA AGRICULTURA - PPGEA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - UNIOSTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENERGIA NA AGRICULTURA - PPGEA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - UNIOSTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENERGIA NA AGRICULTURA - PPGEA CORNELIO PRIMIERI Eng. Agrônomo/Professor/Pesquisador FAG Faculdade Assis Gurgacz

Leia mais

Sobressemeadura. Gramíneas para o período outono-inverno. Importância do manejo adequado no outono-inverno

Sobressemeadura. Gramíneas para o período outono-inverno. Importância do manejo adequado no outono-inverno UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA Importância do manejo adequado no outono-inverno Sobressemeadura e Gramíneas

Leia mais

Percursos 27 e 28 Expedições Geográficas - 6ºano Profª Bruna Andrade

Percursos 27 e 28 Expedições Geográficas - 6ºano Profª Bruna Andrade AGRICULTURA E PECUÁRIA Percursos 27 e 28 Expedições Geográficas - 6ºano Profª Bruna Andrade AGRICULTURA CONDIÇÕES NATURAIS: Apesar do grande desenvolvimento técnico e científico ela ainda depende do solo,

Leia mais

Plantio do amendoim forrageiro

Plantio do amendoim forrageiro Plantio do amendoim forrageiro Arachis pintoi cv. BRS Mandobi pertence à secção Caulorrhizae do gênero Arachis, família Fabaceae (anteriormente denominada Leguminosae). A principal característica do gênero

Leia mais

Abril Educação Plantas/Algas Aluno(a): Número: Ano: Professor(a): Data: Nota:

Abril Educação Plantas/Algas Aluno(a): Número: Ano: Professor(a): Data: Nota: Abril Educação Plantas/Algas Aluno(a): Número: Ano: Professor(a): Data: Nota: Questão 1 Qual é a importância dos vegetais para a vida animal? Questão 2 Diferencie uma célula animal de uma vegetal. Questão

Leia mais

RESPONSABILIDADE AMBIENTAL E DESENVOLVIMENTO DA

RESPONSABILIDADE AMBIENTAL E DESENVOLVIMENTO DA RESPONSABILIDADE AMBIENTAL E DESENVOLVIMENTO DA PECUÁRIA Dr. Celso Eduardo da Silva Diretor Administrativo e de Projetos Coordenador de Agronegócios - Instituto Aequitas CONCEITOS DIFERENTES e COMPLEMENTARES

Leia mais

MELHORES OS LUCROS DA PECUÁRIA UTILIZANDO TÉCNICAS COMPROVADAS DE BAIXO CUSTO

MELHORES OS LUCROS DA PECUÁRIA UTILIZANDO TÉCNICAS COMPROVADAS DE BAIXO CUSTO MELHORES OS LUCROS DA PECUÁRIA UTILIZANDO TÉCNICAS COMPROVADAS DE BAIXO CUSTO SITUAÇÃO ATUAL DAS PASTAGENS DO CENTRO OESTE 95% da nossa produção de carne depende do capim Alto grau de degradação Principais

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JULIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS CÂMPUS DE JABOTICABAL

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JULIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS CÂMPUS DE JABOTICABAL UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JULIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS CÂMPUS DE JABOTICABAL UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JULIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS

Leia mais

UNIDADE 3 O REINO DAS PLANTAS

UNIDADE 3 O REINO DAS PLANTAS UNIDADE 3 O REINO DAS PLANTAS Livro pág. 66 Leitura do Texto: A conquista do Ambiente Terrestre. Livro: Uma breve história do conhecimento Embora o homem represente 1% da Biomassa do Planeta, é provável

Leia mais

COMPOSIÇÃO BROMATOLÓGICA E DIGESTIBILIDADE IN VITRO

COMPOSIÇÃO BROMATOLÓGICA E DIGESTIBILIDADE IN VITRO COMPOSIÇÃO BROMATOLÓGICA E DIGESTIBILIDADE IN VITRO DA MATÉRIA SECA DE SILAGENS DE CAPIM-ELEFANTE (PENNISETUM PURPUREUM SCHUM.) PRODUZIDAS COM FARELO DE BATATA DIVERSA Ronaldo Francisco de Lima (1), Adauto

Leia mais

CAPIM VAQUERO RESULTADOS ALCANÇADOS COM TECNOLOGIA.

CAPIM VAQUERO RESULTADOS ALCANÇADOS COM TECNOLOGIA. CAPIM VAQUERO RESULTADOS ALCANÇADOS COM TECNOLOGIA. RESULTADOS ALCANÇADOS COM PASTAGEM IRRIGADA E CAPIM VAQUERO NO NORTE DE MINAS ALC@NCE Consultoria e Planejamento Rural Consultoria e Planejamento Rural

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Bovinocultura de Corte e Leite Código da Disciplina: AGR 361 Curso: Agronomia Semestre de oferta da disciplina: 7 p Faculdade responsável: Agronomia Programa em vigência

Leia mais

Curso de Pós-Graduação em Estratégias Integradas para Pecuária de Corte: Produção,

Curso de Pós-Graduação em Estratégias Integradas para Pecuária de Corte: Produção, Curso de Pós-Graduação em Estratégias Integradas para Pecuária de Corte: Produção, Eficiência e Gestão Módulo I ESTABELECIMENTO/FORMAÇÃO DE PASTAGENS Prof. Dr. Gelci Carlos Lupatini UNESP UNESP Campus

Leia mais

Irrigação de pastagens formadas por gramíneas forrageiras tropicais

Irrigação de pastagens formadas por gramíneas forrageiras tropicais ISSN 1981-2086 Irrigação de pastagens formadas por gramíneas forrageiras tropicais 48 São Carlos, SP Dezembro de 2006 Autores Luciano de Almeida Corrêa Eng. Agr., Dr., Pesquisador da Embrapa Pecuária Sudeste,

Leia mais

Leguminosas. Sementes nutritivas para um futuro sustentável. Hélder Muteia Representante da FAO em Portugal/CPLP

Leguminosas. Sementes nutritivas para um futuro sustentável. Hélder Muteia Representante da FAO em Portugal/CPLP Leguminosas Sementes nutritivas para um futuro sustentável FAO, 2016 Hélder Muteia Representante da FAO em Portugal/CPLP FAO-PT@fao.org www.fao.org/portugal 14 de Abril de 2016 As leguminosas secas sempre

Leia mais

A DINÂMICA DO CRESCIMENTO DE PLANTAS FORRAGEIRAS E O MANEJO DAS PASTAGENS

A DINÂMICA DO CRESCIMENTO DE PLANTAS FORRAGEIRAS E O MANEJO DAS PASTAGENS Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos (FZEA) Universidade de São Paulo A DINÂMICA DO CRESCIMENTO DE PLANTAS FORRAGEIRAS E O MANEJO DAS PASTAGENS Disciplinas: ZAZ 1376 Produção e Conservação

Leia mais

Manejo de plantas daninhas na cultura de cana-de-açúcar

Manejo de plantas daninhas na cultura de cana-de-açúcar Manejo de plantas daninhas na cultura de cana-de-açúcar Alcides R. Gomes Jr. Matheus Andia Torrezan Samuel Ricardo Santos Histórico Introdução TÓPICOS Importância do controle de plantas daninhas Tipos

Leia mais

Lançamento Soja marca Pioneer no Sul do Brasil. Ricardo B. Zottis Ger. Produto RS/SC

Lançamento Soja marca Pioneer no Sul do Brasil. Ricardo B. Zottis Ger. Produto RS/SC Lançamento Soja marca Pioneer no Sul do Brasil Ricardo B. Zottis Ger. Produto RS/SC Agenda 1. Histórico Soja marca Pioneer 2. Pesquisa Soja Brasil 3. Qualidade das Sementes DuPont Pioneer 4. Cultivares

Leia mais

Cultivo e utilização da alfafa em pastejo para alimentação de vacas leiteiras

Cultivo e utilização da alfafa em pastejo para alimentação de vacas leiteiras Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Cultivo e utilização da alfafa em pastejo para alimentação de vacas leiteiras Reinaldo de Paula Ferreira

Leia mais

Gramíneas Anuais de Verão

Gramíneas Anuais de Verão Capítulo 10 Gramíneas Anuais de Verão Renato Serena Fontaneli, Roberto Serena Fontaneli e Henrique Pereira dos Santos Milheto ou Capim Italiano (Pennisetum americanum) Descrição morfológica Milheto é uma

Leia mais

TECNOLOGIAS PARA UMA AGRICULTURA SUSTENTÁVEL

TECNOLOGIAS PARA UMA AGRICULTURA SUSTENTÁVEL TECNOLOGIAS PARA UMA AGRICULTURA SUSTENTÁVEL FERNANDO PENTEADO CARDOSO ENG. AGRÔNOMO PRESIDENTE DAFUNDAÇÃOAGRISUS DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL É aquele que satisfaz as necessidades do presente sem prejudicar

Leia mais

Estrutura e Desenvolvimento da Raiz e Caule

Estrutura e Desenvolvimento da Raiz e Caule Estrutura e Desenvolvimento da Raiz e Caule RAIZ funções: 1 o ) fixação e absorção; 2 o ) armazenamento e condução. XILEMA H 2 O e sais minerais partes aéreas raiz substâncias orgânicas FLOEMA Raiz Primária

Leia mais

FiberMax. Mais que um detalhe: uma genética de fibra.

FiberMax. Mais que um detalhe: uma genética de fibra. FiberMax. Mais que um detalhe: uma genética de fibra. Requisitos para o cultivo de algodoeiro GlyTol LibertyLink, além de boas práticas de manejo integrado de plantas daninhas. Cap 1: Descrição do Produto

Leia mais

Vantagens da integração lavoura-pecuária na recuperação de pastagens degradadas

Vantagens da integração lavoura-pecuária na recuperação de pastagens degradadas Vantagens da integração lavoura-pecuária na recuperação de pastagens degradadas Armindo Neivo Kichel 1 ; José Alexandre Agiova da Costa 1 ; Roberto Giolo de Almeida 1 1 Pesquisador EMBRAPA Gado de Corte,

Leia mais

Produção de milho (Zea mays) sob três arranjos estruturais do eucalipto (Eucalyptus spp.) no Sistema de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta

Produção de milho (Zea mays) sob três arranjos estruturais do eucalipto (Eucalyptus spp.) no Sistema de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 7., 2010, Belo Horizonte Produção de milho (Zea mays) sob três arranjos estruturais do eucalipto (Eucalyptus spp.) no Sistema de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta

Leia mais

Figura 1 Vacas de leite em área de pastagem irrigada de capim Tifton 85.

Figura 1 Vacas de leite em área de pastagem irrigada de capim Tifton 85. PRODUÇÃO DE LEITE A PASTO COM USO DE PIVÔ CENTRAL 1. INTRODUÇÃO A água é indispensável para desenvolvimento das forrageiras e a irregularidade do regime pluviométrico de algumas regiões pode tornar-se

Leia mais

Exercícios de Alelobiose - Relações Ecológicas

Exercícios de Alelobiose - Relações Ecológicas Exercícios de Alelobiose - Relações Ecológicas 1. (PUCCAMP-SP) Considere as afirmações abaixo relativas a fatores de crescimento populacional. I. A competição intraespecífica interfere na densidade da

Leia mais

COMPONENTES DO CAPIM - MARANDÚ (Brachiaria brizantha Horchst ex. A. Rich Stapf), EM UM SISTEMA DE SEMI-CONFINAMENTO

COMPONENTES DO CAPIM - MARANDÚ (Brachiaria brizantha Horchst ex. A. Rich Stapf), EM UM SISTEMA DE SEMI-CONFINAMENTO MUNIZ, L. C.; MOTA, R. M.; CHARLES, H.; MAGNABOSCO, C. U.; CARVALHO, J.J.; VIU, M. A. O.; FERRAZ. H. T.; FIGUEIREDO, R. S. Estrutura do capim - marandú (Brachiaria brizantha horchst ex. a. rich stapf),

Leia mais