INFORMATIVO ANO X N O 107 ARRECADAÇÃO CRESCE 8,21% NO PRIMEIRO QUADRIMESTRE MAIO /2007 LEIA AINDA:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INFORMATIVO ANO X N O 107 ARRECADAÇÃO CRESCE 8,21% NO PRIMEIRO QUADRIMESTRE MAIO /2007 LEIA AINDA:"

Transcrição

1 INFORMATIVO ANO X N O 107 MAIO /2007 GOVERNO DO PARÁ ARRECADAÇÃO CRESCE 8,21% NO PRIMEIRO QUADRIMESTRE Trindade: parabenizo todos os servidores pelo aumento da arrecadação O secretário da Fazenda, José Raimundo Trindade, informou em entrevista concedida na primeira semana de maio, que a receita própria paraense teve um crescimento real de 8,21% no primeiro quadrimestre de Este crescimento é baseado no esforço da fiscalização e do acompanhamento desenvolvido pelas equipes das coordenações. O secretário anunciou o fortalecimento do trabalho de fiscalização segmentada, através do reforço das equipes da Ceeat-Substituição Tributária, Ceeat- Grandes Contribuintes e Coordenação de Micro e Pequenas Empresas. Eu parabenizo todos os servidores, pois só o combustível, que representa 25% do total do ICMS arrecadado, teve um crescimento real de 10,96%. A comparação entre os resultados alcançados de janeiro a abril de 2007, com o mesmo período de 2006, corrigidos pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPC-A, base março/2007), mostra o crescimento, em termos reais, de 7,81% na arrecadação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) e de 8,21% no total da receita própria estadual. A arrecadação de ICMS totalizou R$ 1,14 bilhão no primeiro quadrimestre de 2007, enquanto que a receita própria alcançou R$ 1,24 bilhão. O IPVA representou aproximadamente 4% do total da receita, com crescimento real de 24,64% em relação ao mesmo período de Nós tomamos a decisão de não aumentar o Preço Médio Ponderado ao Consumidor Final (PMDF) neste período para evitar o reajuste ao usuário final. O PMPF é um dos itens usados na definição dos valores de recolhimento do ICMS para combustíveis, esclareceu. No segmento de energia elétrica, a isenção de ICMS para famílias que consomem até 100KW/h e a redução do ICMS de 25% para 15% para famílias que consomem entre 101 e 150 Kw/h representa a renúncia fiscal de R$ 29 milhões em um ano. A governadora Ana Júlia Carepa praticou a justiça fiscal e está redistribuindo R$ 2,6 milhões/mês para as famílias mais carentes, que poderão aplicar estes recursos em alimentação, saúde, educação e outros benefícios. NOVA POLÍTICA O governo está definindo, através de um Grupo de Trabalho (GT) formado por DESEMPENHO DA ARRECADAÇÃO PRÓPRIA (VALOR CORRIGIDO PELO IPC.A BASE MARÇO/2007) PERÍODO : JANEIRO A ABRIL /07 DISCRIMINAÇÃO TOTAL GERAL (4) VAR.% (07)/(06) TOTAL DE ICMS(1) , ,72 7,81 ITCD , ,85 24,60 TAXAS FAZENDÁRIAS(2) , ,15 (0,17) OUTRAS RECEITAS (3) , ,00 4,52 IPVA , ,65 24,64 TOTAL DA RECEITA , ,36 8,21 FONTE: SEFA/SIAT/ BALANÇO CONTÁBIL NOTAS: (1) INCLUI ARRECADAÇÃO DA RECEITA DA DIVIDA ATIVA, ACRÉSCIMOS MORATÓRIOS,MULTA PENAL E FICOP. (2) TAXAS (SEFA, CERTIDÃO NEGATIVA, FISC.DE FRONTEIRA).(3) ROYALTIES, DÍVIDA ATIVA NÃO TRIBUTÁRIA, OUTRAS TAXAS(SESPA,SEGUP,JUDICIÁRIA E MINISTÉRIO PUBLICO) E OUTRAS RECEITAS CORRENTES. (4) MÊS DE ABRIL/07- DADOS PROVISÓRIO SUJEITO A RETIFICAÇÃO técnicos da Sefa, Secretaria de Desenvolvimento, Ciência e Tecnologia, Secretaria de Governo, Secretaria de Planejamento, Orçamento e Finanças e Secretaria de Integração Regional, uma política de fomento às empresas (leia página 2). Vamos desenvolver um fundo de fomento, via Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) ou através do Fundo Constitucional de Financiamento do Norte FNO, do Banco da Amazônia, para que as empresas possam ter acesso às linhas de créditos e estimular o crescimento do Pará. O secretário ressaltou que algumas empresas deixaram de receber benefícios fiscais por não estarem em dia com as obrigações tributárias. No entanto, a Sefa está dialogando com os empresários oferecendo o parcelamento dos débitos, para que as empresas tornem-se aptas a receber o benefício. Pelo Regulamento do ICMS do Pará, o parcelamento pode ser feito em até 120 parcelas. O governo tem a convicção de que precisa implementar um modelo de Selo Amazônia, que exija legalmente que as empresas sejam ambientalmente e socialmente sustentáveis, finalizou. LEIA AINDA: MISSÃO DO BID... PÁG. 3 REFORMA TRIBUTÁRIA... PÁGs. 3, 4 e 5 PROJETO GALERA CIDADÃ... PÁG. 7

2 2 MISSÃO BID VEM EM JUNHO A segunda missão do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) estará na Sefa nos dias 11 e 12 de junho para dar continuidade aos trabalhos de aprovação do Progefaz, o programa de consolidação das ações de modernização da administração tributária. O financiamento será de 10 milhões de dólares, com igual contrapartida do Governo do Pará. Jó Sales, coordenador de Assuntos Fazendários Estratégicos da Sefa, relata que em workshop realizado em Brasília, no início de maio, o BID anunciou que vai abrir uma linha de financiamento voltada aos estados brasileiros, chamada Pro Fisco. A carta consulta construída pelo Estado do Pará servirá de base para um grande convênio guarda chuva para os demais entes federativos, que terão acesso aos recursos do BID. A missão vai definir os impactos econômicos do Progefaz; definir um marco lógico do programa; a estrutura de execução do projeto; a inclusão dos recursos do BID na Lei Orçamentária de 2008 e a definição das estimativas de custos nos quatro componentes. Vamos definir ainda a utilização do modelo de pregão Compras-Net, utilizado pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão do Governo Federal, com apoio do sistema do Banco do Brasil. Após a segunda missão, o projeto vai tramitar no BID e junto ao governo brasileiro para aprovação do financiamento e, concluídas estas etapas, haverá a assinatura do contrato. BNDES APÓIA POLÍTICAS SUSTENTÁVEIS O Governo do Pará terá o apoio do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para implantar uma política de desenvolvimento sustentável no Estado. A garantia foi do presidente do BNDES, Luciano Coutinho, em reunião com a governadora Ana Júlia Carepa (foto abaixo), no início de maio, no Rio de Janeiro. Conforme orientação do presidente Lula, é preciso engajar e apoiar firmemente o setor privado socialmente responsável em atividades compatíveis com a sustentabilidade socioambiental, de modo a barrar o desmatamento predatório da Amazônia, afirmou Luciano Coutinho. A governadora comentou que as palavras do presidente do BNDES nos estimulam ainda mais a implantarmos uma matriz econômica que priorize, com inovação tecnológica, a diversificação e a qualificação dos nossos recursos naturais, para que o Pará deixe para trás o modelo econômico baseado fundamentalmente no extrativismo que herdamos. A governadora apresentou vários projetos à instituição financeira. Nossos projetos foram bem recebidos, principalmente porque estão direcionados para a inovação tecnológica, disse, salientando que o desenvolvimento precisa ter a inovação tecnológica e o avanço científico como eixos estratégicos. Foi apresentada ainda carta-consulta na área fazendária, que possibilita recursos destinados ao financiamento do sistema de nota fiscal eletrônica e SPED. Essas medidas fazem parte da modernização da Secretaria de Fazenda do Pará. CIÊNCIA E TECNOLOGIA O Pará vai instalar o Parque de Ciência e Tecnologia do Guamá em uma área da UFPA. O projeto está orçado em R$ 41 milhões. O Governo do Pará busca, junto ao Banco, um aporte de R$ 28,7 milhões. O plano-diretor do parque está em elaboração e dois dos 45 lotes serão ocupados por um laboratório de alta tensão e pelo Centro de Eficiência Energética da Amazônia, além de projetos de biotecnologia, energia, sistemas e tecnologias de comunicação, informação, tecnologia mineral, agrícola, biomassa, pesca, madeira e aqüicultura. FUNTELPA Um novo sistema de teleinformação será implantado com a reestruturação da Fundação para consolidar a comunicação pública cidadã e democrática em qualquer parte do Estado. TRANSPORTES Foi apresentado aind ao BNDES o Programa Caminho da Parceria, que o Governo do Estado desenvolverá em conjunto com as prefeituras para melhorar as condições de tráfego das estradas vicinais e desassorear furos, igarapés e rios de pequeno porte. O financiamento de R$ 170 milhões. INFORMATIVO SEFA ANO X N o 107 Maio/2007 Av. Visconde de Souza Franco, Telefone: (91) / Edição e textos: M. J. Reis MTb Fotos: Raipontes, CCS e Carlos Sodré Produção: M. M. Santos Editora - -

3 COFINS COMPENSARÁ PERDAS DAS EXPORTAÇÕES A governadora Ana Júlia Carepa (ao centro de branco) abre o Seminário de Políticas Tributárias O deputado federal Virgílio Guimarães, relator da Reforma Tributária, afirmou em conferência de que a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 31, organizado por um grupo suprapartidário de várias regiões brasileiras, que atua no Congresso Nacional, é uma grande alternativa para o Brasil e tem todas as condições de ser aprovada no parlamento brasileiro. O Brasil e o Estado do Pará não podem esperar mais. A PEC em grande parte foi redigida em Belém, porque ela tem todos os aspectos necessários para que os pontos tributários que mais afetam o Estado do Pará sejam resolvidos. O Pará não pode perder a oportunidade. A Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins), conforme prevê a PEC, será uma grande fonte para realizar a compensação das perdas geradas aos Estados pela desoneração das exportações. A Cofins deixará de existir como contribuição e se transformará num grande fundo de compensação automático entre os Estados e a Federação, defendeu, acrescentando que existe um esforço concentrado para aprovar a emenda constitucional, reorganizar o Sistema Tributário Brasileiro e acabar com a guerra fiscal. A governadora Ana Júlia Carepa, que presidiu a solenidade de abertura do Seminário, enfatizou que a guerra fiscal prejudica profundamente a população paraense. A Reforma Tributária hoje interessa muito ao Pará, porque há a necessidade de nós acabarmos com a guerra fiscal que tem sido pre- datória e que só tem prejudicado a população brasileira e especialmente o Pará. Cada vez menos a sociedade recebe os tributos, ou seja, tem menos condições de construir políticas públicas que possam atender a maioria da população. Ana Júlia Carepa destacou o empenho do governo federal em compensar os estados exportadores, como é o caso do Pará, considerado o 2º maior exportador líquido do país. Hoje nós já percebemos a compreensão do governo brasileiro e de grande parte da sociedade, da necessidade de compensar os estados exportadores que têm contribuído com a balança comercial, como é o caso do Pará. Além disso, é fundamental também que seja aprovado no Congresso o projeto de Lei que altera os percentuais sobre a Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais (CFEM). PARTICIPAÇÃO SOCIAL O secretário da Fazenda, José Raimundo Trindade, frisou a necessidade de esclarecer à sociedade como a questão tributária interfere no dia-a-dia de cada cidadão. Estamos chamando a sociedade paraense para discutir um tema que não consegue ser devidamente compreendido, e que, sob o ponto de vista da população, é algo distante, mas ao mesmo tempo é tão próximo da realidade. Chamamos os diversos setores da sociedade paraense para discutir esse tema e vamos municiá-los de elementos da política tributária para intervir no processo de reforma tributária, a fim de trazer benefícios ao nosso Estado. UNIDADE LATINO AMERICANA 3 A conferência de encerramento foi realizada pelo economista Paulo Nogueira Batista Júnior, diretorexecutivo do Brasil junto ao Fundo Monetário Internacional (FMI). Embora o Brasil tenha uma carga tributária alta, a economia brasileira é estável e o seu maior desafio ainda é o baixo crescimento. O país pode acelerar a taxa de crescimento nos próximos anos e melhorar o desempenho da economia nacional, principalmente com maiores reduções das taxas de juros, uma vez que tem a inflação está controlada, a balança de pagamentos está forte, não enfrenta crise fiscal e as reservas nacionais são altas. É fundamental ampliarmos as alianças estratégicas militares com os países latino-americanos em busca de autonomia, pois, numa economia globalizada, as matérias primas-primárias e a Amazônia são alvos dos países desenvolvidos, alertou. Segundo ele, o Brasil apresenta um quadro de estabilidade, mas ainda persegue maiores taxas de crescimento. Paulo Nogueira defende mudanças estruturais, como as reformas tributária, previdenciária e trabalhista. O país tem carga tributária alta, deficiência de infra-estrutura, um câmbio que penaliza a competição entre as empresas nacionais e internacionais, e uma série de coisas que de alguma forma limitam a possibilidade de investimentos públicos e crescimento do país, mesmo com os investimentos realizados pelo Programa de Aceleração do Crescimento, que não surtiram efeitos a curto prazo, embora sejam fundamentais, finalizou.

4 4 O tema Competição fiscal e as políticas de desenvolvimento regional foi abordado pelo Secretário da Fazenda, José Raimundo Trindade, tendo como relatora Roseli Naves, da Diretoria de Tributação. As propostas aprovadas foram: Aproveitar as janelas de oportunidades com criação de escritórios de representação em outras unidades federadas, economicamente mais fortalecidas, objetivando atrair novos investimentos; Desenvolvimento regional mediante a adoção de políticas estruturais e seletivas; Uma política de desenvolvimento que verticalize o processo produtivo, estimule a geração de emprego e renda, qualifique a mão-de-obra, respeito ao meio ambiente, implante de projetos em áreas de menor desenvolvimento econômico e internalize da renda oriunda do negócio; Maior integração entre áreas de governo para facilitar a execução, fiscalização e validação da política de desenvolvimento regional. Recursos disponíveis e acessíveis para financiar novos investimentos, principalmente, para pequenas e médias empresas e adoção de mecanismos de controle eficaz às empresas incentivadas; Interação com o governo federal visando promover o desenvolvimento por meio de melhoramento da infraestrutura regional e linhas de crédito mais acessíveis a empreendimentos; Desenvolvimento florestal sustentável, verticalização do setor mineral; diversificação agroindustrial; turismo e nichos em outros segmentos, evitando competitividade desigual com outros Estados; Adoção de critérios de aplicabilidade do incentivo fiscal como instrumento de desenvolvimento sustentável e o incremento da arrecadação, entre outras. SETOR PRODUTIVO, SOCIEDADE C CONSTRÓEM PROPOSTAS PA A Secretaria da Fazenda (Sefa) promoveu nos dias 19 e 20 de abril, no Hotel S políticas de desenvolvimento regional e as propostas do Pará para a reforma representantes do setor produtivo, sociedade civil organizada e entidades públicas tributária que tramita n Sistema S, caso ocorram: Criação, no Congresso Nacional, de um Fórum de discussão das necessidades de alteração/ajuste da legislação hoje aprovada; Propor ao Comitê Gestor Nacional a regulamentação plena de um Único Sistema de Normatização de Processo Administrativo Fiscal; A palestra sobre A implantação do Super Simples foi proferida por Bruno Lima, do Sebrae-Nacional, tendo como relator o secretário de Fazenda e Gestão Pública do Acre, José Alcemir Costa. As proposta aprovadas foram: Atuar sobre o Departamento Nacional de Registro do Comércio (DNRC) para que o Órgão se integre ao processo de cadastro único; Ação dos Executivos Estadual e Municipais junto com a Jucepa para viabilizar a instituição de instrumentos que facilitem o registro empresarial; Buscar alternativas para a compensação das perdas de Arrecadação Do Propor Projeto de Lei permitindo o registro diferenciado por CPF para Ambulantes; Alterar a Lei Complementar 123/ 2006, de forma a permitir uma ampliação da data limite de débitos constituídos para efeito de parcelamento; Incluir no processo de divulgação da Lei Geral os Tribunais de Contas do Estado e Municípios; Incluir no âmbito da Lei Complementar 123 as ONGs, cooperativas, associações e empresas autogestadas, em especial no que diz respeito ao tratamento cadastral e taxas vinculadas a essas entidades; Encaminhar ao Fórum Permanente das MPES pedido para viabilização de política de crédito específica para modernização tecnológica das MPES. A conferência Alternativas à Desonerações do ICMS foi realizada por André Luis Barreto de Paiva Filho, presidente da Cotepe-ICMS. O relator foi o secretário da Fazenda do Tocantins, Dorival Rodrigues Guedes. Apoiar a proposta do Ministério da Fazenda, da criação do Fundo de Ressarcimento das exportações; Apoiar a implantação do IVA-E, com tributação no destino, que resolveria o problema da acumulação dos créditos no futuro, uma vez que o mesmo Estado receberia o pagamento do imposto, ao contrário do que acontece agora, que o Estado exportador suporta créditos de imposto recolhido no Estado de origem; Abrir o debate para resolver o problema do volume de crédito atual, acumulado a partir da desoneração; Criar uma conta gráfica, onde os créditos acumulados são compensados com os débitos do Estado e o saldo remanescente, utilizado para abatimento parcial do PIS, COFINS e IPI; Estabelecer alíquota nacional de ICMS sobre as exportações, suficiente para acelerar o abatimento do saldo credor acumulado; Reavaliar a base de cálculo e alíquota da CFEM e os royalties de áreas inundadas, para que haja uma compensação maior aos Estados produtores de minério e energia hidroelétrica.

5 IVIL E SETOR PÚBLICO DO PARÁ RA A REFORMA TRIBUTÁRIA 5 agres, o seminário Políticas Tributárias e Desenvolvimento Regional: o Desafio da Reforma (leia página 3), que discutiu tributária. Durante o evento, que foi aberto pela governadora Ana Júlia Carepa, seis grupos temáticos, compostos por construíram propostas que serão levadas pelas autoridades do Estado do Pará para serem debatidas no processo de reforma o Congresso Nacional. Conheça a propostas por grupos temáticos: O economista e professor da Universidade de Campinas, Sérgio Prado, abordou o tema Transferência das Receitas dos Fundos Constitucionais e seu Papel nas Políticas de Desenvolvimento Regional. O relator foi Joel Nogueira Rodrigues, secretário da Receita Estadual do Amapá. As propostas aprovadas são: Compartilhamento das contribuições sociais como instrumento de desenvolvimento regional e implementações de políticas estruturais e de direitos fundamentais; Estabelecer critérios técnicos de distribuição de receita visando o equilíbrio fiscal e social; Propor criação de um Fundo vinculado às contribuições sociais visando o financiamento de políticas estruturais e a diminuição da guerra fiscal; Rever os percentuais definidos na Lei Complementar 62/1989 para a repartição do FPM e FPE, no sentido de permitir ampla discussão e definição de critérios objetivando dar transparência; Financiamento de políticas estruturais com recursos Constitucionais; Avançar para um efetivo sistema de equalização através de distribuição do recolhimento per carpita própria; Propor alterações na Constituição (CF) Federal e Lei Complementar 63/ 90 no sentido de dar 100% de autonomia ao Estado para estabelecer novos critérios de definição do cálculo dos índices da Cota-parte; Propor alteração na CF e LC 63/90 objetivando reduzir para 50% o Valor Adicionado e permitir ao Estado maior flexibilização para estabelecer novos critérios dos outros 50% visando minimizar as distorções e desigualdades entre os municípios; A conferência sobre a A implantação do Imposto sobre Valor Agregado IVA: A Transição para o Novo Modelo foi realizada por Fernando Resende, da Fundação Getúlio Vargas, tendo como relator o secretário da Fazenda de Roraima,Antônio Leocádio Filho. Veja as propostas: Tributação sobre consumo e serviços, privativa dos Estados e Municípios; Garantia de manutenção da arrecadação atual, com suas receitas próprias; Realização de Fóruns Regionais para discussão da Reforma Tributária; Fortalecimento dos entes tributantes e fiscalizadores; Implantação de Políticas de Desen- volvimento Regional, priorizando a ciência e tecnologia; Retorno à tributação dos semi-elaborados na exportação; Exclusividade da tributação da produção pelos Estados e Municípios. Garantia de repasse automático das receitas devidas ao estado do consumo. Harmonização nos percentuais de participação nas compensações financeiras, pela exploração dos recursos minerais, hídricos e de petróleo. Redefinição da Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais CFEM Royalties foi o tema conferência feita por Maurílio Monteiro, secretário de Estado de Desenvolvimento, Ciência e Tecnologia do Pará, que teve como relator o secretário adjunto da Sefa, Walcir Marçal. As propostas aprovadas foram as seguintes: Mobilizar a classe política no sentido de aprovar o Substitutivo PLS 105/ 2003; Realizar levantamento técnico para elaboração de um Zoneamento Ecológico Econômico ZEE, que contemple as Escalas de Conhecimento Regional e Urbana para se desenhar o cenário para a região (proposta DNPM Regional); Não incluir a redefinição das alíquotas de royalties no âmbito da reforma tributária; Expedir carta ao senador Eduardo Suplicy, com seguintes pontos: a) convite para visitar o Estado do Pará para debater os problemas da região na área de mineralogia e impactos sociais; b) recomendar a aprovação do PLS 105/2003; c) descrever os impactos populacionais que se traduzem em baixíssimos IDH nas áreas de entorno de extração mineral, razão pela qual se recomenda a redistribuição da CFEM com os municípios limítrofes.

6 6 A Sefa está concluindo a construção da nova sede da Coordenação Executiva Regional de Administração Tributária (Cerat) Redenção, que atende 15 municípios. A obra, que tem um investimento de R$ 547 mil, foi concluída em abril. Agora estamos na fase da instalação da rede elétrica de alimentação da sub-estação da Coordenação, com a Rede Celpa, e a instalação da fibra-ótica e de telefonia com a Embratel, afirma Paulo Câmara, coordenador de Recursos Materiais da Sefa. O terreno tem uma área total de 900 metros quadrados e foram utilizados 650 metros quadrados para a obra, que segue os padrões dos investimentos realizados nas coordenações implantadas em várias regionais da Sefa, no Órgão Central e na Central de Serviços. Os principais segmentos da economia de Redenção são o setor frigorífico, o comércio interestadual, inclusive de gado em pé, e de laticínios. A nova estrutura física garante melhores condições de trabalho aos servidores e faz avançar a interiorização da modernização fazendária no sudeste paraense, além de oferecer mais conforto e melhor atendimento aos contri- Vista frontal da Cerat-Redenção OBRAS NA CERAT REDENÇÃO ESTÃO NA RETA FINAL buintes, que ganharão uma sala especial na Cerat-Redenção. Os móveis e os equipamentos do sistema de refrigeração estão na fase de licitação. Fechando estas duas etapas, podemos prever que, após a instalação destes equipamentos, a inauguração da Cerat- Redenção poderá ocorrer entre junho ou julho, uma vez que a obra do alojamento dos servidores também foi concluída em abril. Daremos mais um passo na melhoria das condições de trabalho e na oferta de melhores serviços aos contribuintes, comenta o coordenador. LEVANTAMENTO Uma decisão tomada durante a reunião dos secretários de Fazenda da Região Norte, ocorrida em março, em Belém, está sendo colocada em prática. Na primeira semana de abril, uma equipe técnica da Sefa realizou um levantamento das necessidades elétricas, lógicas e arquitetônicas para a construção de uma Coordenação de Mercadorias em Trânsito no município de Curralinho, no Pará, em parceria com o governo do Amapá. Estamos concluindo o relatório para encaminhá-lo ao secretário da Fazenda, informa Paulo Câmara. CONCEIÇÃO DO ARAGUAIA A Sefa está revendo o projeto arquitetônico da Cecomt-Conceição do Araguaia para dar continuidade ao processo licitatório. Vamos investir na ampliação das instalações físicas para melhorar as condições de trabalho dos servidores, construir uma área especial para atendimento ao contribuinte, um espaço específico para Polícia Militar e uma área para atender às famílias dos caminhoneiros. Será construído ainda um abrigo para o gerador de 112 KVA, instalada uma balança para pesagem dos veículos e iluminação de todo o pátio de estacionamento para os caminhoneiros, detalha o engenheiro responsável, Ronaldo Luís Souza. SEFA E SINDITAF DEFINEM AVANÇOS As negociações entre o governo do Estado e o Sindicato do Grupo Ocupacional, Tributação, Arrecadação e Fiscalização (Sinditaf) avançam. O Governo do Estado vai criar um grupo de trabalho para definir, em 120 dias, uma proposta de Plano de Cargos, Carreiras e Salários. Caberá a este grupo ainda elaborar a Lei Orgânica do Fisco do Pará e avaliar outras reivindicações da categoria. O secretário da Fazenda do Pará, José Raimundo Trindade anunciou que nos próximos dias será dada solução a uma antiga pendência existente em relação aos Termos de Apreensão (Tads), que são lavrados pelos agentes, mas para a homologação é necessária a emissão do Auto de Infração assinado pelos auditores fiscais. O secretário admitiu que, na prática, os agentes fazem o trabalho, mas a legislação exige a assinatura de um auditor fazendário. A legislação será alterada para atender o pleito dos servidores, e assim os agentes poderão receber a produtividade sobre a lavratura do auto. Sobre a criação de um Fundo para garantir recursos para as ações de modernização da fazenda estadual, Trindade explicou que o assunto está sendo estudado pela Sefa e ficou de apresentar a minuta de proposta num próximo encontro.

7 SECRETÁRIO RECEBE ESTAGIÁRIOS DO PROJETO GALERA CIDADÃ O secretário da Fazenda, José Raimundo Trindade, recebeu no dia 30 de abril a nova equipe de estagiários do Projeto Galera Cidadã (foto). O programa atende jovens de 13 a 17 anos, que cumprem medidas sócio-educativas ou estão em situação de risco, objetivando reinserí-los na sociedade através da profissionalização. A Sefa recebeu nove estagiários, que permanecerão por um ano na instituição e receberão ajuda financeira, orientação psicossocial e profissional. O convênio foi firmado entre a Sefa e a Fundação da Criança e do Adolescente do Pará (Funcap) A realização de atividades de responsabilidade social desenvolvidas pelas instituições públicas representam o cumprimento de um importante papel de inclusão social, diminuindo a distância entre a realidade organizacional e a comunidade. O objetivo da Sefa é proporcionar aos estagiários um ambiente de aprendizado sobre a missão organizacional, formação profissional, ética e cidadania, sexualidade, comunicação e estrutura familiar, explica a psicóloga Eliana Semblano. O secretário falou aos estagiários sobre a importância da leitura para o conhecimento. Além do estágio profissional na secretaria, vocês devem procurar a biblioteca e aproveitar para ler os livros e ampliar o conhecimento social e político sobre a realidade. Se cada um ler um livro em um mês, no final de um ano foram lidos 12 livros. Isso amplia o conhecimento, o vocabulário e a compreensão sobre a realidade social brasileira e do Pará. Para a estagiária Camila Farias dos Santos, estudante do ensino médio da Escola Estadual Tiradentes II, o trabalho na Sefa está sendo uma experiência muito rica. Estou aprendendo o que é um processo, a sua função e como se dá o seu trâmite na administração pública. Quando terminar o estágio vou me esforçar e estudar para fazer um 7 Trindade: estímulo à leitura e ao conhecimento concurso para ser servidora pública. Ela disse ainda que outro aprendizado importante está sendo na convivência na Sefa Tem muita gente diferente. Conviver com estas diferenças está sendo positivo, inclusive está me ajudando a compreender melhor os relacionamentos em minha família. Participam como responsáveis pelo Projeto Galera Cidadã, os servidores da DAD/CGPE, Cofaz, Cafe, DFI, Efaz, Funcap e Sespa. COMEMORAÇÃO DO DIA DAS MÃES O Dia das Mães foi comemorado no Órgão Central, no dia 11 de maio, com a realização de culto ecumênico, apresentação do Coral Oficina da Voz, uma gincana de solidariedade e uma suculenta feijoada. O evento teve a partici- pação do secretário da Fazenda, José Raimundo Trindade, do Adjunto, Walcir Nogueira, além da participação ativa dos diretores, servidores e familiares. Para o secretário José Raimundo Trindade, o momento foi importante para homenagear as mulheres e fazer a integração da equipe. A gincana Amor de Mãe foi vencida pela equipe da Cecomt Portos e Aeroportos (foto). Eles somaram pontos, pois reuniram a maior quantidade de roupas e artigos infantis que serão doados para creches e instituições assistencialistas. A gincana envolveu 10 equipes de servidores de várias regionais. Durante as comemorações houve distribuição de presentes e brindes. A equipe da Diretoria de Administratação (DAD) foi eleita a mais festiva. O diretor de Administração, Josué Azevedo Monteiro, parabenizou a equipe que organizou o evento. Sefa homenageia as mães (foto acima), e a equipe da Cecomt-Portos e Aeroportos comemora a vitória da Gincana Amor de Mãe (abaixo)

8 8 A Secretaria da Fazenda, através da Diretoria de Tecnologia da Informação (DTI), participou nos dias 9 e 10 de maio, da reunião técnica sobre a Nota Fiscal Eletrônica, ocorrida na Secretaria da Fazenda de Goiás, no Centro-Oeste brasileiro, onde já está implantada esta nova tecnologia. Além de conhecermos a experiência local, o fundamental da reunião foi a cessão dos códigos fontes pela Sefaz-Goiás e o nivelamento do conhecimento da equipe da Sefa, que agora amplia a formação d0 Fórum de O I Encontro de Disseminadores de Educação Fiscal do Estado do Pará foi realizado no dia 11 de maio, na sede do Centro NOTA FISCAL ELETRÔNICA É TEMA DE REUNIÃO TÉCNICA Intercâmbio de Experiências Tecnológicas entre os Estados Brasileiros, explica Ângela Aquino, que participou do evento juntamente com Cristiano Silva. A diretora enfatiza que 70% do projeto piloto da Nota Fiscal Eletrônica executado em Goiás são adaptáveis à realidade da Secretaria da Fazenda do Pará. Os 30% restantes serão reprogramados pela DTI para atender as demandas da administração tributária paraense. Além EDUCAÇÃO FISCAL CRESCE NA REGIÃO NORTE disso, a idéia de formar um grande Fórum de Intercâmbio de Experiências Tecnológicas entre os Estados Brasileiros caminha para a criação de uma Comunidade Software Livre para todas as secretarias de Fazenda do Brasil. Foi uma reunião produtiva e aponta um caminho de redução de custos e otimização de recursos do Estado e, no plano nacional, pode contribuir com a administração fazendária brasileira. Regional de Treinamento da Escola de Administração Fazendária (Centresaf), em Belém, e contou com a participação 85 pessoas, entre professores e técnicos da região Norte, que fizeram o curso de qualificação em Educação Fiscal em O evento foi aberto (foto ao lado), com a participação do secretário adjunto da Fazenda, Walcir Nogueira, do secretário adjunto de Ensino da Secretaria de Educação do Pará (Seduc), Bira Rodrigues, do superintendente da Receita Federal do Brasil da 2º Região, José Tostes Neto, da secretária de Finanças do município de Santarém, Rosilane Silva e de Mário Brasil, coordenador da Escola Fazendária do Pará (Efaz). O programa funcionará através dos seguintes projetos: Projeto Servidor Cidadão; Projeto Boto Cidadão; Projeto Escolinha do Professor Leãozinho; Projeto Gincana da Cidadania; Projeto Adote um Disseminador; Projeto Jornada Universitária e o Projeto Educação Fiscal no Pará: Conquistando a Cidadania. Estas iniciativas atenderão os módulos estabelecidos pelo Programa Nacional: Escolas de ensino Fundamental; Escolas de Ensino Médio; Serviço Público, Universidades e Sociedade em Geral. DECRETO 045/07 - FÁBRICA CORDEIRO LTDA. DECRETO 046/07 - INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE CONSERVAS ALTEROZA LTDA. DECRETO 047/07 - BERTIN LTDA. DECRETO 048/07 - PERFINI - INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA. DECRETO 049/07 - LATICÍNIOS MORRINHOS INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA DECRETO 050/07 - PEMATEC TRIANGEL DO BRASIL LTDA. DECRETO 051/07 - GUIMARÃES NASSER ENGENHARIA E REFRIGERAÇÃO LTDA. DECRETO 052/07 - COMPANHIA BRASILEIRA DE ASFALTO DA AMAZÔNIA - CBAA. DECRETO 053/07 - INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE CONSERVAS MAIUATÁ LTDA DECRETO 054/07 - BUNGE FERTILIZANTES S/A DECRETO 055/07 - BERTIN LTDA DECRETO 056/07 - HILÉIA INDÚSTRIA DE PRODUTOS ALIMENTÍCIOS S/A DECRETO 057/07 - INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE CONSERVAS RIO PRETO LTDA DECRETO 058/07 - URNAS MART LTDA. DECRETO 059/07 - PARÁ - INDÚSTRIAS REUNIDAS RAYMUNDO DA FONTE S/A. DECRETO 060/07 - R. L. DE CASTRO LATICÍNIOS (LATICÍNIOS OURO BOM). DECRETO 061/07 - Veda a comercialização e a movimentação interestadual de toda e qualquer espécie de pescado, in natura, fresco e resfriado no período de a (Semana Santa). DECRETO 075/07 - DENTAUÁ DENDÊ DO TAUÁ S/A. DECRETO 076/07 - INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE ESPUMAS E COLCHÕES BELÉM LTDA. DECRETO 077/07 - ESPLANADA INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE COLCHÕES LTDA. DECRETO 078/07 - COURO DO NORTE LTDA. DECRETO 083/07 - Altera dispositivo do Regulamento do Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação - ICMS, aprovado pelo Decreto n , de 18 de junho de 2001, e dá outras providências. DECRETO 090/07 - Altera dispositivo do Regulamento do Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação - ICMS, aprovado pelo Decreto n , de 18 de junho de 2001, e dá outras providências. DECRETO 103/07 - Fixa o montante dos recursos disponíveis para a utilização como incentivo fiscal, instituído pela Lei nº 6.572, de 8 de agosto de Lei SEMEAR. DECRETO 104/07 - Dispõe sobre as operações com gado bovino destinado a outra unidade da Federação. DECRETO 106/07 - Altera dispositivos do Regulamento do Imposto sobre Opera- ções Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação - ICMS, aprovado pelo Decreto n , de 18 de junho de 2001, e dá outras providências. DECRETO 153/07 - LATICÍNIOS MINEIRO LTDA. DECRETO 154/07 - POMPANO INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE CONFECÇÕES LTDA. DECRETO 155/07 - ISOESTE NORTE INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE POLIESTIRENO LTDA. DECRETO 172/07 - Dispõe sobre as operações com gado bovino destinado à outra unidade da Federação. INSTRUÇÃO NORMATIVA 002/07 - Estabelece procedimentos para fruição do benefício previsto no art. 67-A do Regulamento do Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação - ICMS, aprovado pelo Decreto n.º 4.676, de 18 de junho de INSTRUÇÃO NORMATIVA 003/07 - Estabelece procedimentos com relação ao estoque de aparelhos celulares, conforme o disposto no Convênio ICMS 135/06, de 15 de dezembro de INSTRUÇÃO NORMATIVA 004/07 - Estabelece procedimentos relativos ao controle do trânsito dos produtos madeiráveis e não madeiráveis em território paraense.

NOVA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO

NOVA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO NOVA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO Política de Desenvolvimento Produtivo Elevar dispêndio em P&D Meta: 0,65% PIB Ampliar Investimento Fixo Meta: 21% PIB Posição 2007: 17,6% Macrometas 2010 Dinamização

Leia mais

A Reforma Tributária e o Desenvolvimento

A Reforma Tributária e o Desenvolvimento A Reforma Tributária e o Desenvolvimento Por que a Reforma Tributária é Fundamental? Acelera o crescimento econômico Torna o crescimento mais sustentável É a reforma econômica mais importante Reforma Tributária

Leia mais

REPARTIÇÃO DE RECEITA TRIBUTÁRIA

REPARTIÇÃO DE RECEITA TRIBUTÁRIA A forma de Estado adotada pela Constituição Federal é a Federação, e esta só estará legitimada se cada ente da Federação gozar de autonomia administrativa e fiscal. A CF estabelece percentuais a serem

Leia mais

PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COOPE. www.ucp.fazenda.gov.br

PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COOPE. www.ucp.fazenda.gov.br COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COOPE www.ucp.fazenda.gov.br PROGRAMAS EM ANDAMENTO Programa Nacional de Apoio à Gestão Administrativa e Fiscal dos Municípios Brasileiros - PNAFM

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 9.424, DE 24 DE DEZEMBRO DE 1996. Dispõe sobre o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização

Leia mais

CARTA DO CONTRIBUINTE BRASILEIRO OS TRIBUTOS COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL

CARTA DO CONTRIBUINTE BRASILEIRO OS TRIBUTOS COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CARTA DO CONTRIBUINTE BRASILEIRO OS TRIBUTOS COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL Recomendações para a construção de um sistema tributário mais justo, que aumente a competitividade do

Leia mais

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011 AGENDA DE TRABALHO PARA O CURTO PRAZO Indústria brasileira de bens de capital mecânicos Janeiro/2011 UMA AGENDA DE TRABALHO (para o curto prazo) A. Financiamento A1. Taxa de juros competitiva face a nossos

Leia mais

Cenário financeiro dos Municípios brasileiros em final de mandato

Cenário financeiro dos Municípios brasileiros em final de mandato 1 Cenário financeiro dos Municípios brasileiros em final de mandato Estudos Técnicos CNM Introdução Em decorrência da surpresa dos dirigentes municipais com a atual dificuldade financeira vivida pelos

Leia mais

Educação Fiscal e Financiamento. 10º Encontro Estadual da UNCME/ES 14 de maio de 2015

Educação Fiscal e Financiamento. 10º Encontro Estadual da UNCME/ES 14 de maio de 2015 Educação Fiscal e Financiamento 10º Encontro Estadual da UNCME/ES 14 de maio de 2015 Vinculação Constitucional de Recursos CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988 Art. 212. A União aplicará,

Leia mais

No dia 17 de abril, a Secretaria da

No dia 17 de abril, a Secretaria da ANO XII N O 130 ABRIL/2009 No dia 17 de abril, a Secretaria da Fazenda (Sefa) realizou a cerimônia de inauguração das novas instalações da Escola Fazendária (Efaz). A obra teve investimento de R$ 183.061,07

Leia mais

Reforma Tributária ria e Política de Desenvolvimento Regional Cuiabá,, Agosto 2007 Reuniões com Governadores Natureza das reuniões anteriores: Governadores de diferentes regiões do país e dirigentes das

Leia mais

Controle da Gestão Orçamentária e Financeira na Educação

Controle da Gestão Orçamentária e Financeira na Educação Controle da Gestão Orçamentária e Financeira na Educação PROFESSORA: Iza Angélica Carvalho da Silva CONTROLE DO GASTO PÚBLICO Controle é a fiscalização e o acompanhamento de todos os atos e fatos da execução

Leia mais

ICMS ECOLÓGICO, A OPORTUNIDADE DO FINANCIAMENTO DA GESTÃO AMBIENTAL MUNICIPAL NO BRASIL

ICMS ECOLÓGICO, A OPORTUNIDADE DO FINANCIAMENTO DA GESTÃO AMBIENTAL MUNICIPAL NO BRASIL ICMS ECOLÓGICO, A OPORTUNIDADE DO FINANCIAMENTO DA GESTÃO AMBIENTAL MUNICIPAL NO BRASIL Wilson Loureiro 1 O ICMS Ecológico é um mecanismo que possibilita aos municípios acessarem recursos financeiros do

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica. LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS CARTILHA EM PERGUNTAS E RESPOSTAS PARTE III Orlando Spinetti Advogado

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica. LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS CARTILHA EM PERGUNTAS E RESPOSTAS PARTE III Orlando Spinetti Advogado TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS CARTILHA EM PERGUNTAS E RESPOSTAS PARTE III Orlando Spinetti Advogado O escopo deste Trabalho Técnico é trazer, de forma didática,

Leia mais

Planejamento Fiscal 2015 DM/SMF

Planejamento Fiscal 2015 DM/SMF Planejamento Fiscal 2015 DM/SMF PLANEJAMENTO FISCAL 2015 CAPITULO I APRESENTAÇÃO O Planejamento Fiscal do DM/SMF - Departamento de Impostos Mobiliários da Secretaria Municipal de Fazenda materializa-se

Leia mais

Crise dos Municípios

Crise dos Municípios Crise dos Municípios Crise Desde a promulgação da Constituição Federal em 1988, quando os Municípios foram elevados a condição de entes federados autônomos ocorre uma constante descentralização da execução

Leia mais

Sistema tributário brasileiro: Distorções e necessidade de mudança

Sistema tributário brasileiro: Distorções e necessidade de mudança Sistema tributário brasileiro: Distorções e necessidade de mudança Bernard Appy maio de 2015 Sistema tributário brasileiro Características desejáveis Características desejáveis de um sistema tributário

Leia mais

ICMS ANTECIPADO ESPECIAL - NÃO OPTANTES DO SIMPLES NACIONAL

ICMS ANTECIPADO ESPECIAL - NÃO OPTANTES DO SIMPLES NACIONAL ICMS ANTECIPADO ESPECIAL - NÃO OPTANTES DO SIMPLES NACIONAL PERGUNTAS E RESPOSTAS 1. Em que se constitui o ICMS ANTECIPADO ESPECIAL? R= Em valor correspondente à diferença entre a alíquota interna e a

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA Nº512, DE 2010 NOTA DESCRITIVA

MEDIDA PROVISÓRIA Nº512, DE 2010 NOTA DESCRITIVA MEDIDA PROVISÓRIA Nº512, DE 2010 NOTA DESCRITIVA DEZEMBRO/2010 Nota Descritiva 2 SUMÁRIO I - MEDIDA PROVISÓRIA Nº 512, DE 2010...3 II EMENDAS PARLAMENTARES...4 III JUSTIFICATIVA DA MEDIDA PROVISÓRIA...6

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Estudo Técnico n.º 17/2013 CÂMARA DOS DEPUTADOS OBRIGATORIEDADE DE APLICAÇÃO DO EXCESSO DE ARRECADAÇÃO DOS RECURSOS QUE COMPÕEM O FUNDEB E DAQUELES DESTINADOS À MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO.

Leia mais

A SEGURIDADE SOCIAL NA REFORMA TRIBUTÁRIA

A SEGURIDADE SOCIAL NA REFORMA TRIBUTÁRIA A SEGURIDADE SOCIAL NA REFORMA TRIBUTÁRIA Pepe Vargas* Dep. Federal PT-RS Este texto reforça o alerta dos movimentos sociais sobre os riscos que a seguridade social corre caso aprovada sem modificações

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 190, DE 2001

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 190, DE 2001 COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 190, DE 2001 Cria contribuição de intervenção no domínio econômico, denominada Contribuição de Equalização Tributária (CET), com base no

Leia mais

EDUCAÇÃO FISCAL PARA A CIDADANIA. Abril / 2014

EDUCAÇÃO FISCAL PARA A CIDADANIA. Abril / 2014 EDUCAÇÃO FISCAL PARA A CIDADANIA Abril / 2014 Reflexão Inicial Se a educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela tampouco a sociedade muda. (Paulo Freire) Mundo em Crise 30 mil crianças morrem

Leia mais

CLIPPING INFORMATIVO DESTAQUES 29/10 a 07/11/2013 LEGISLAÇÃO

CLIPPING INFORMATIVO DESTAQUES 29/10 a 07/11/2013 LEGISLAÇÃO CLIPPING INFORMATIVO DESTAQUES 29/10 a 07/11/2013 LEGISLAÇÃO Decreto nº 8.138, de 06.11.2013 DOU de 07.11.2013 - Dispõe sobre os bens destinados à pesquisa e à lavra de jazidas de petróleo e gás natural

Leia mais

INFORMATIVO CONTÁBIL/FISCAL OCB/ES Nº 13/2014

INFORMATIVO CONTÁBIL/FISCAL OCB/ES Nº 13/2014 INFORMATIVO CONTÁBIL/FISCAL OCB/ES Nº 13/2014 (01 de Agosto de 2014) 01. RECEITA ESTADUAL ALERTA SOBRE RISCO DE PENALIDADE RELACIONADA A EFD. Órgão: Secretaria da Fazenda do Estado do Espírito Santo -

Leia mais

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 20, DE 2015

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 20, DE 2015 BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 20, DE 2015 QUESTÕES FEDERATIVAS EM DEBATE NO SENADO EM 2015 Marcos Mendes 1 Diversas matérias que afetam as relações fiscais federativas estão em tramitação no Congresso Nacional,

Leia mais

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América.

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. La Gestión Contable, Administrativa y Tributaria en las PYMES e Integración Europa-América 23 24 de junio 2006 Santa Cruz de la Sierra (Bolívia)

Leia mais

INCENTIVOS FISCAIS EM RISCO. e GOIÂNIA, 28 DE JUNHO DE 2011

INCENTIVOS FISCAIS EM RISCO. e GOIÂNIA, 28 DE JUNHO DE 2011 Cenário Atual, Perspectivas s e Reflexões e GOIÂNIA, 28 DE JUNHO DE 2011 CONFAZ - Conselho Nacional de Política Fazendária - Constituição i Federal 1988 art. 155, 2º, XII, g - Cabe a Lei Complementar regular

Leia mais

ECONOMIA E GESTÃO DO SETOR PÚBLICO MÓDULO 7 O SISTEMA TRIBUTÁRIO BRASILEIRO

ECONOMIA E GESTÃO DO SETOR PÚBLICO MÓDULO 7 O SISTEMA TRIBUTÁRIO BRASILEIRO ECONOMIA E GESTÃO DO SETOR PÚBLICO MÓDULO 7 O SISTEMA TRIBUTÁRIO BRASILEIRO Índice 1. O Sistema Tributário Brasileiro...3 1.1. Breve histórico do sistema tributário brasileiro... 3 1.1.1. A reforma dos

Leia mais

Propostas Governamentais

Propostas Governamentais Propostas Governamentais PRINCÍPIOS DEFENDIDOS PELO FÓRUM DAS ENTIDADES REPRESENTATIVAS DO SETOR EMPRESARIAL DE MINAS GERAIS Guilherme Velloso Leão Setembro/2014 Lógica do desenvolvimento O que os candidatos

Leia mais

Comitê de Arranjos Produtivos, Inovação, Desenvolvimento Local, Regional e Socioambiental 6ª Reunião Extraordinária PERSPECTIVAS PARA O

Comitê de Arranjos Produtivos, Inovação, Desenvolvimento Local, Regional e Socioambiental 6ª Reunião Extraordinária PERSPECTIVAS PARA O Comitê de Arranjos Produtivos, Inovação, Desenvolvimento Local, Regional e Socioambiental 6ª Reunião Extraordinária PERSPECTIVAS PARA O DESENVOLVIMENTO DA REGIÃO NORDESTE ORGANOGRAMA SFRI INSTRUMENTOS

Leia mais

Situação Fiscal do Estado de São Paulo

Situação Fiscal do Estado de São Paulo 4º Seminário de Gestão Pública Fazendária Situação Fiscal do Estado de São Paulo Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo Julho/2015 Índice 1. Situação Fiscal 2. Medidas de Gestão Tributária e Contenção

Leia mais

ENTENDENDO A PREFEITURA

ENTENDENDO A PREFEITURA EDUCAÇÃO FISCAL Sensibilizar o cidadão para a função socioeconômica do Tributo; Facilitar e estimular o cumprimento da obrigação tributária pelo cidadão; Incentivar a sociedade a acompanhar e fiscalizar

Leia mais

Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade

Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade EDITAL 2015 PROJETO BRA/11/023 Desenvolvimento de capacidades, de justiça econômica sustentável e promoção de boas

Leia mais

Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA

Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Documento de Trabalho SESSÃO TEMÁTICA INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Indicador de importância das prioridades (Resultado

Leia mais

Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA

Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA O papel das Micro e Pequenas Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA PROF. LÍVIO GIOSA Especialista em modelos de Gestão Empresarial Presidente do CENAM: Centro Nacional de Modernização

Leia mais

A Sombra do Imposto. Propostas para um sistema de impostos mais simples e justo Simplifica Já

A Sombra do Imposto. Propostas para um sistema de impostos mais simples e justo Simplifica Já A Sombra do Imposto Propostas para um sistema de impostos mais simples e justo Simplifica Já Expediente A Sombra do Imposto Cartilha produzida pelo Sistema Fiep (Federação das Indústrias do Estado do Paraná).

Leia mais

0046 - Transferência da Cota-Parte dos Estados e DF Exportadores na Arrecadação do IPI (CF, Art. 159)

0046 - Transferência da Cota-Parte dos Estados e DF Exportadores na Arrecadação do IPI (CF, Art. 159) Programa 0903 - Operações Especiais: Transferências Constitucionais e as Decorrentes de Legislação Específica Número de Ações 22 0044 - Fundo de Participação dos Estados e do Distrito Federal - FPE (CF,

Leia mais

Repercussões para os trabalhadores portuários em um cenário de pós FUNDAP

Repercussões para os trabalhadores portuários em um cenário de pós FUNDAP Repercussões para os trabalhadores portuários em um cenário de pós FUNDAP A utilização do ICMS como instrumento de indução do desenvolvimento regional. Reforma tributária A questão regional é uma das questões

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL. Apresentamos a seguir as principais alterações ocorridas na legislação tributária no mês de maio de 2011.

INFORMATIVO MENSAL. Apresentamos a seguir as principais alterações ocorridas na legislação tributária no mês de maio de 2011. INFORMATIVO MENSAL Apresentamos a seguir as principais alterações ocorridas na legislação tributária no mês de maio de 2011. I FEDERAL IPI - NOVAS DISPOSIÇÕES SOBRE A SUSPENSÃO DO IMPOSTO NA EXPORTAÇÃO

Leia mais

As mensagens de erro são representadas por um código seguido da descrição do erro encontrado. Abaixo segue a estrutura do código de erro:

As mensagens de erro são representadas por um código seguido da descrição do erro encontrado. Abaixo segue a estrutura do código de erro: Anexo I - Regras de Validação DCA 2014 O presente anexo possui o objetivo de apresentar a estrutura das mensagens de erros emitidas quando o sistema encontra alguma inconsistência na validação das fórmulas

Leia mais

Módulo Contábil e Fiscal

Módulo Contábil e Fiscal Módulo Contábil e Fiscal Escrita Fiscal Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Contábil e Fiscal Escrita Fiscal. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES. Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello

Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES. Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello Direito nas organizações Promover uma visão jurídica global do Sistema Tributário Nacional, contribuindo para a formação do

Leia mais

Fiec entra na Justiça contra norma fiscal sobre importados

Fiec entra na Justiça contra norma fiscal sobre importados Fonte: Dr. Richard Dotoli (sócio do setor tributário na SCA Rio de Janeiro) MEDIDA DO CONFAZ Fiec entra na Justiça contra norma fiscal sobre importados 01.05.2013 A ação requer que indústrias importadoras

Leia mais

O futuro da tributação sobre o consumo no Brasil: melhorar o ICMS ou criar um IVA amplo? Perspectivas para uma Reforma Tributária

O futuro da tributação sobre o consumo no Brasil: melhorar o ICMS ou criar um IVA amplo? Perspectivas para uma Reforma Tributária 1 XI CONGRESSO NACIONAL DE ESTUDOS TRIBUTÁRIOS O futuro da tributação sobre o consumo no Brasil: melhorar o ICMS ou criar um IVA amplo? Perspectivas para uma Reforma Tributária Osvaldo Santos de Carvalho

Leia mais

Tributos www.planetacontabil.com.br

Tributos www.planetacontabil.com.br Tributos www.planetacontabil.com.br 1 Conceitos 1.1 Art. 3º do CTN (Disposições Gerais) Tributo é toda prestação pecuniária compulsória, em moeda ou cujo valor nela se possa exprimir, que não constitua

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS ASSOCIADOS

IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS ASSOCIADOS UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 46 IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS Dr. João Inácio Correia (advcor@mandic.com.br)

Leia mais

Adamantina, 16 de novembro de 2011. Prezado cliente:

Adamantina, 16 de novembro de 2011. Prezado cliente: Adamantina, 16 de novembro de 2011. Prezado cliente: Assunto: Procedimentos contábeis, administrativos e patrimoniais para o fechamento das contas do exercício de 2011 e abertura das contas de 2012. Dentro

Leia mais

Dando prosseguimento à aula anterior, neste encontro, encerraremos o

Dando prosseguimento à aula anterior, neste encontro, encerraremos o Dando prosseguimento à aula anterior, neste encontro, encerraremos o art.195, CF, comentando os seus principais parágrafos, para fins de concurso público! Alberto Alves www.editoraferreira.com.br 1º As

Leia mais

Comentários da prova ISS-SJC/SP Disciplina: Direito Tributário Professora: Aline Martins

Comentários da prova ISS-SJC/SP Disciplina: Direito Tributário Professora: Aline Martins Comentários da prova ISS-SJC/SP Prof. Aline Martins 1 de 7 ANÁLISE DAS QUESTÕES DE DIREITO TRIBUTÁRIO ISS-SJC/SP Oi pessoal! Vou comentar abaixo as quatro questões de Direito Tributário da prova do concurso

Leia mais

Nº 186. Novembro de 2015 Qual a relação entre a fragilidade da política pública de saúde e o sobrelucro das mineradoras na Amazônia?

Nº 186. Novembro de 2015 Qual a relação entre a fragilidade da política pública de saúde e o sobrelucro das mineradoras na Amazônia? Nº 186. Novembro de 2015 Qual a relação entre a fragilidade da política pública de saúde e o sobrelucro das mineradoras na Amazônia? Por Grazielle David, assessora política do Inesc Introdução A mineração

Leia mais

PPA 2012-2015 PLANO DE DESENVOLVIMENTO ESTRATÉGICO 1043 - PROGRAMA ESCOLA DO LEGISLATIVO

PPA 2012-2015 PLANO DE DESENVOLVIMENTO ESTRATÉGICO 1043 - PROGRAMA ESCOLA DO LEGISLATIVO 1043 - PROGRAMA ESCOLA DO LEGISLATIVO 100 - ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE GOIÁS O Programa Escola do Legislativo tem como objetivo principal oferecer suporte conceitual de natureza técnico-científica

Leia mais

R E C E I T A G E R A L RECURSOS DE TODAS AS FONTES

R E C E I T A G E R A L RECURSOS DE TODAS AS FONTES TESOURO OUTRAS FONTES T O T A L ----------------------------------------------------------------------------------------------------- CÓDIGO E S P E C I F I C A Ç Ã O RECURSOS OUTROS TOTAL RECURSOS OUTROS

Leia mais

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA Curitiba tem se mostrado uma cidade dinâmica e de grandes oportunidades para os trabalhadores e empreendedores.

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 409, DE 2015 (Do Sr. Luis Carlos Heinze)

PROJETO DE LEI N.º 409, DE 2015 (Do Sr. Luis Carlos Heinze) *C0051416A* C0051416A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 409, DE 2015 (Do Sr. Luis Carlos Heinze) Institui isenção da contribuição para o PIS/PASEP, COFINS e CIDE- Combustíveis incidente sobre o óleo

Leia mais

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Dispõe sobre o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico FNDCT, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

A Evolução Recente da Arrecadação Federal

A Evolução Recente da Arrecadação Federal Carta PR 1164 /2015 Brasília, 28 de agosto de 2015 Exmo(a). Senhor(a) Senador(a), O Sindicato dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil SINDIFISCO NACIONAL oferece a Vossa Excelência um breve

Leia mais

... LEI N. 2.956, DE 9 DE ABRIL DE 2015

... LEI N. 2.956, DE 9 DE ABRIL DE 2015 LEI N. 2.956, DE 9 DE ABRIL DE 2015 Altera e acrescenta dispositivos à Lei n. 1.358, de 29 de dezembro de 2000 que Institui o Programa de Incentivo Tributário para Empresas, Cooperativas e Associações

Leia mais

Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / www.sebrae.com.br

Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / www.sebrae.com.br REPRESENTATIVIDADE DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL 10 milhões de negócios formais (99%) e 9 milhões de informais 56,1% da força de trabalho que atua no setor formal urbano 26% da massa salarial 20% do

Leia mais

Crise dos Municípios

Crise dos Municípios Crise dos Municípios Crise Desde a promulgação da Constituição Federal em 1988, quando os Municípios foram elevados a condição de entes federados autônomos ocorre uma constante descentralização da execução

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 110, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 110, DE 2015 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 110, DE 2015 Institui programa de concessão de créditos da União no âmbito do Imposto sobre a Renda da Pessoa Física, denominado Nota Fiscal Brasileira, com o objetivo de incentivar

Leia mais

Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS

Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS Unidade de Pesquisa, Avaliação e Desenvolvimento Unidade de Política Econômica O Simples Nacional e o ICMS* Adesão ao

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira em 2013 e Reforma do ICMS Interestadual

Perspectivas da Economia Brasileira em 2013 e Reforma do ICMS Interestadual Perspectivas da Economia Brasileira em 2013 e Reforma do ICMS Interestadual Guido Mantega Ministro da Fazenda Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Brasília, 21 de março de 2013 1 A economia

Leia mais

Diretrizes e Procedimentos de Auditoria do TCE-RS RESOLUÇÃO N. 987/2013

Diretrizes e Procedimentos de Auditoria do TCE-RS RESOLUÇÃO N. 987/2013 Diretrizes e Procedimentos de Auditoria do TCE-RS RESOLUÇÃO N. 987/2013 Dispõe sobre as diretrizes e os procedimentos de auditoria a serem adotados pelo Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Sul,

Leia mais

INFORMATIVO JURÍDICO

INFORMATIVO JURÍDICO 1 ROSENTHAL E SARFATIS METTA ADVOGADOS INFORMATIVO JURÍDICO NÚMERO 5, ANO III MAIO DE 2011 1 ESTADO NÃO PODE RECUSAR CRÉDITOS DE ICMS DECORRENTES DE INCENTIVOS FISCAIS Fiscos Estaduais não podem autuar

Leia mais

O PAR e a atual visão ministerial

O PAR e a atual visão ministerial O PAR e a atual visão ministerial Plano Nacional de Educação (PNE) Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE) Plano de Ações Articuladas (PAR) Plano de Desenvolvimento da Escola (PDE Interativo) (Projeto

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DE MATO GROSSO, tendo em vista o que dispõe o Artigo 42 da Constituição Estadual, sanciona a seguinte lei:

O GOVERNADOR DO ESTADO DE MATO GROSSO, tendo em vista o que dispõe o Artigo 42 da Constituição Estadual, sanciona a seguinte lei: LEI Nº 7.263, DE 27 DE MARÇO DE 2000. Autor: poder Executivo Cria o Fundo de Transporte e Habitação-FETHAB, estabelece condições para o diferimento do ICMS em operações internas com os produtos agropecuários

Leia mais

Prefeito Empreendedor. Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios

Prefeito Empreendedor. Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios Prefeito Empreendedor Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios Março/2012 Expediente Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Fernando

Leia mais

Nova ética emergindo de crises mudança no sistema de emprego exclusão/marginalização social aumento das demandas sociais concentração de poder e

Nova ética emergindo de crises mudança no sistema de emprego exclusão/marginalização social aumento das demandas sociais concentração de poder e PROGRAMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FISCAL - PNEF A EDUCAÇÃO FISCAL COMO EXERCÍCIO DE CIDADANIA CONTEXTO Nova ética emergindo de crises mudança no sistema de emprego exclusão/marginalização social aumento das

Leia mais

Metas e Linhas de Ação do CRESESB

Metas e Linhas de Ação do CRESESB Metas e Linhas de Ação do CRESESB Missão do CRESESB Promover o desenvolvimento das energias solar e eólica através da difusão de conhecimentos, da ampliação do diálogo entre as entidades envolvidas e do

Leia mais

Proposta de Reforma do ICMS. Nelson Barbosa 11 Dezembro de 2012

Proposta de Reforma do ICMS. Nelson Barbosa 11 Dezembro de 2012 Proposta de Reforma do ICMS Nelson Barbosa 11 Dezembro de 2012 1 Por que a reforma? A guerra fiscal se esgotou A incerteza jurídica sobre os incentivos do ICMS já prejudica realização de novos investimentos

Leia mais

PEC 31: Apresentação Sintética de seus Fundamentos Básicos. 1 Criação do Sistema de Integração Tributária - SIT

PEC 31: Apresentação Sintética de seus Fundamentos Básicos. 1 Criação do Sistema de Integração Tributária - SIT PEC 31: Apresentação Sintética de seus Fundamentos Básicos 1 Criação do Sistema de Integração Tributária - SIT O que seria: uma ferramenta para que do ponto de vista do contribuinte o recolhimento de toda

Leia mais

Cartilha. Perguntas e respostas Decreto regulamentando a Lei n 12.741

Cartilha. Perguntas e respostas Decreto regulamentando a Lei n 12.741 Cartilha A SMPE preparou uma cartilha para esclarecer as principais dúvidas referentes ao Decreto nº 8264/14. Ela pode também ser acessada no site da secretaria (www.smpe.gov.br). Perguntas e respostas

Leia mais

06) Precisa atender o princípio da noventena: 01) Qual ente é destituído de poder para instituir tributo?

06) Precisa atender o princípio da noventena: 01) Qual ente é destituído de poder para instituir tributo? 01) Qual ente é destituído de poder para instituir tributo? a) União b) Estado c) Território Federal d) Distrito Federal 02) Qual diploma normativo é apto para estabelecer normas gerais em matéria de legislação

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO DIRETORIA DE FISCALIZAÇÃO ANTECIPACÃO DE ICMS MANUAL DO USUÁRIO - CONTRIBUINTE

SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO DIRETORIA DE FISCALIZAÇÃO ANTECIPACÃO DE ICMS MANUAL DO USUÁRIO - CONTRIBUINTE SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO DIRETORIA DE FISCALIZAÇÃO ANTECIPACÃO DE ICMS MANUAL DO USUÁRIO - CONTRIBUINTE Versão 1.0 Belém PA - Maio 2014 Sumário 1. Introdução...

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA DECRETO Nº 10.677, DE 13 DE OUTUBRO DE 2003. DOE Nº 5332, DE 13 DE OUTUBRO DE 2003. CONSOLIDADO, ALETERADO PELO DECRETO Nº: 14488, DE 18.08.09 DOE Nº 1310, DE 19.08.09 Aprova o Regulamento do Fundo de

Leia mais

Redução Juros sobre Multa Punitiva. Redução Multa Punitiva. Parcela Única 60% 60% 75% 75% - N/A

Redução Juros sobre Multa Punitiva. Redução Multa Punitiva. Parcela Única 60% 60% 75% 75% - N/A TRIBUTÁRIO 16/11/2015 ICMS - Regulamentação do Programa Especial de Parcelamento do Estado de São Paulo PEP Reduções Com base na autorização do Convênio ICMS 117/2015, de 07 de outubro de 2015, no último

Leia mais

Sistema de Previdência

Sistema de Previdência PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DOS SERVIDORES DA UNIÃO Lei nº 12.618, de 30 de abril de 2012. Jaime Mariz de Faria Junior * O Sistema Brasileiro de Previdência Social é organizado em três pilares: o Regime Geral

Leia mais

Tributação: entrave ou instrumento para o desenvolvimento. Roberto Abdenur Presidente-Executivo Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial - ETCO

Tributação: entrave ou instrumento para o desenvolvimento. Roberto Abdenur Presidente-Executivo Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial - ETCO ROBERTO ABDENUR DIPLOMATA DURANTE 44 ANOS, APOSENTADO; ATUA COMO CONSULTOR EM ASSUNTOS INTERNACIONAIS; FOI EMBAIXADOR DO BRASIL NO EQUADOR, NA CHINA, NA ALEMANHA NA ÁUSTRIA E PERANTE OS ORGANISMOS INTERNACIONAIS

Leia mais

Ajuste Fiscal Gaúcho - Fase 2. fazer o que precisa ser feito para um rs sustentável

Ajuste Fiscal Gaúcho - Fase 2. fazer o que precisa ser feito para um rs sustentável FASE 1 Redução de secretarias Contingenciamento de CCs em 35% Reprogramação orçamentária com redução média de 21% do custeio Revisão de contratos com fornecedores Limitação de cedência de servidores Implementação

Leia mais

INFORMATIVO CONTÁBIL/FISCAL OCB/ES Nº 13/2014

INFORMATIVO CONTÁBIL/FISCAL OCB/ES Nº 13/2014 INFORMATIVO CONTÁBIL/FISCAL OCB/ES Nº 13/2014 (03 de Outubro de 2014) 01. IRRF/CSLL/COFINS/PIS-PASEPE RECEITA FEDERAL TRAZ ESCLARECIMENTOS SOBRE A RETENÇÃO DO IMPOSTO DAS CONTRIBUIÇÕES SOBRE OS PAGAMENTOS

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653 Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653 Estabelece a forma de organização e regulamenta o funcionamento das unidades administrativas da Secretaria de Trabalho e Geração

Leia mais

DESONERAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA PATRONAL SOBRE A FOLHA DE PAGAMENTOS: ALGUMAS ALTERNATIVAS

DESONERAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA PATRONAL SOBRE A FOLHA DE PAGAMENTOS: ALGUMAS ALTERNATIVAS DESONERAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA PATRONAL SOBRE A FOLHA DE PAGAMENTOS: ALGUMAS ALTERNATIVAS Jefferson José da Conceição* Patrícia Toledo Pelatieri** Fausto Augusto Junior*** SUMÁRIO: 1. Introdução

Leia mais

DECRETO Nº 45.013, DE 15 DE JULHO DE 2004. MARTA SUPLICY, Prefeita do Município de São Paulo, no uso das atribuições que lhe são conferidas por lei,

DECRETO Nº 45.013, DE 15 DE JULHO DE 2004. MARTA SUPLICY, Prefeita do Município de São Paulo, no uso das atribuições que lhe são conferidas por lei, DECRETO Nº 45.013, DE 15 DE JULHO DE 2004 Regulamenta a Lei nº 13.833, de 27 de maio de 2004, que dispõe sobre a criação do Programa de Incentivos Seletivos para a área leste do Município de São Paulo.

Leia mais

Terceirização e plano Brasil Maior são destaques em palestras na Câmara 18/08/2011

Terceirização e plano Brasil Maior são destaques em palestras na Câmara 18/08/2011 Terceirização e plano Brasil Maior são destaques em palestras na Câmara 18/08/2011 A oitava reunião mensal do ano da Comissão Trabalhista e de Gestão Empresarial superou as expectativas. 50 representantes

Leia mais

Tema 2 CONAE 2014 Diretrizes gerais para intervenção do PROIFES-Federação na CONAE 2014

Tema 2 CONAE 2014 Diretrizes gerais para intervenção do PROIFES-Federação na CONAE 2014 Tema 2 CONAE 2014 Diretrizes gerais para intervenção do PROIFES-Federação na CONAE 2014 Eixo I O plano Nacional de Educação e o Sistema Nacional de Educação: organização e regulação. Instituir, em cooperação

Leia mais

ANO XXIII - 2012-4ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2012 BOLETIM INFORMARE Nº 52/2012

ANO XXIII - 2012-4ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2012 BOLETIM INFORMARE Nº 52/2012 ANO XXIII - 2012-4ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2012 BOLETIM INFORMARE Nº 52/2012 TRIBUTOS FEDERAIS EXPORTAÇÃO INDIRETA - CONSIDERAÇÕES BÁSICAS... ICMS - MS/MT/RO ENTREGA FUTURA - PROCEDIMENTOS... LEGISLAÇÃO

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DIRETORIA DE FISCALIZAÇÃO CÉLULA DE PADRONIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS DE FISCALIZAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DIRETORIA DE FISCALIZAÇÃO CÉLULA DE PADRONIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS DE FISCALIZAÇÃO ICMS ANTECIPADO - OPTANTES DO SIMPLES NACIONAL PERGUNTAS E RESPOSTAS 1. Em que se constitui o ICMS ANTECIPADO para recolhimento pelos optantes do Simples Nacional? Na unificação das seguintes modalidades

Leia mais

Manifesto da Micro e Pequena Empresa e do Empreendedor Individual de Santa Catarina

Manifesto da Micro e Pequena Empresa e do Empreendedor Individual de Santa Catarina Lages, 30 de outubro de 2011 Ilmo. Senhor, A FAMPESC Federação da Micro e Pequena Empresa e do Empreendedor Individual do Estado de Santa Catarina, entidade que compreende as AMPE s - Associações de Micro

Leia mais

PROGRAMA REGULARIZE. Secretaria de Estado de Fazenda Advocacia Geral do Estado

PROGRAMA REGULARIZE. Secretaria de Estado de Fazenda Advocacia Geral do Estado PROGRAMA REGULARIZE Secretaria de Estado de Fazenda Advocacia Geral do Estado Programa Regularize Perfil dos Créditos Tributários Unidade Fase Qtde Tributo (R$ x mil) Multa (R$ x mil) Juros (R$ x mil)

Leia mais

Debate Sobre a Desoneração da Folha de Pagamento

Debate Sobre a Desoneração da Folha de Pagamento Debate Sobre a Desoneração da Folha de Pagamento Julho de 2011 1 Debate sobre desoneração da folha de pagamento deve ser feito com cautela e tendo como ponto de partida a compensação vinculada (principal

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

A IMPORTANCIA DOS INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO ORÇAMENTARIO PÚBLICO DO MUNICIPIO DE JACIARA-MT PARA A PARA A POPULAÇÃO NA GESTÃO 2009, 2010 E 2011.

A IMPORTANCIA DOS INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO ORÇAMENTARIO PÚBLICO DO MUNICIPIO DE JACIARA-MT PARA A PARA A POPULAÇÃO NA GESTÃO 2009, 2010 E 2011. A IMPORTANCIA DOS INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO ORÇAMENTARIO PÚBLICO DO MUNICIPIO DE JACIARA-MT PARA A PARA A POPULAÇÃO NA GESTÃO 2009, 2010 E 2011. RESUMO José Antônio Faustino da Costa Acadêmico de Ciências

Leia mais

Oportunidade de Investimento no Pará. Principais linhas de financiamento do Banco da Amazônia

Oportunidade de Investimento no Pará. Principais linhas de financiamento do Banco da Amazônia Seminário: Oportunidade de Investimento no Pará Palestra: Principais linhas de financiamento do Banco da Amazônia Palestrante: Valmir Pedro Rossi - Presidente São Paulo, 02 de dezembro de 2013 Pauta da

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA MOSTRA TRANSPARÊNCIA NO PROCESSO LICITATÓRIO DO CALL CENTER

AUDIÊNCIA PÚBLICA MOSTRA TRANSPARÊNCIA NO PROCESSO LICITATÓRIO DO CALL CENTER ANO XI N O 117 MARÇO/2008 C om a participação de empresas paraenses e paulistas, a Secretaria da Fazenda (Sefa) realizou na primeira sexta-feira de março, no Órgão Central, uma audiência pública para ouvir

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA LEI Nº 2.054, DE 29 DE OUTUBRO DE 2015 (D.O.M. 29.10.2015 N. 3.763 Ano XVI) DISPÕE sobre a estrutura organizacional da Secretaria Municipal de Finanças, Tecnologia da Informação e Controle Interno Semef,

Leia mais

PARECER SOBRE A LEI DA SOLIDARIEDADE-RS

PARECER SOBRE A LEI DA SOLIDARIEDADE-RS PARECER SOBRE A LEI DA SOLIDARIEDADE-RS 1) FUNDAMENTO LEGAL: Objetivando expressar nosso Parecer Técnico sobre a legislação que fundamenta o programa de incentivo fiscal (Programa de Apoio à Inclusão e

Leia mais

Sistema Tributário Brasileiro Breve Diagnóstico e Propostas de Mudanças

Sistema Tributário Brasileiro Breve Diagnóstico e Propostas de Mudanças Sistema Tributário Brasileiro Breve Diagnóstico e Propostas de Mudanças Carlos Roberto Teixeira Diretor de Assuntos Jurídicos Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal A INJUSTA DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 0020, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2005

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 0020, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2005 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 0020, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2005 Publicada no DOE(Pa) de 29.11.05. Alterada pela IN 05/13. Dispõe sobre a apresentação da Declaração de Informações Econômico-Fiscais - DIEF relativa

Leia mais