"Aspectos Contábeis importantes do Mercado Imobiliário" Apresentação APIMEC 28/02/2013

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download ""Aspectos Contábeis importantes do Mercado Imobiliário" Apresentação APIMEC 28/02/2013"

Transcrição

1 "Aspectos Contábeis importantes do Mercado Imobiliário" Apresentação APIMEC 28/02/2013

2 AGENDA Práticas contábeis específicas à atividade imobiliária Assuntos polêmicos Pontos de atenção para análise de demonstrações financeiras no setor Novos pronunciamentos contábeis com aplicação para os próximos anos Page 2

3 Práticas contábeis específicas Propriedades para investimentos CPC 28 propriedade mantida para auferir aluguel ou para valorização do capital ou para ambas; Os ativos podem ser registrados pelo seu valor justo, com efeitos das mudanças neste valor justo registrados ao resultado Page 3 3

4 Práticas contábeis específicas Incorporação imobiliária - OCPC 01, ICPC 02 e OCPC 04 Reconhecimento da receita Após implementação da cláusula suspensiva De acordo com o ICPC 02 existem duas formas de contabilização das receitas: CPC 17/IAS11 - pelo andamento do trabalho de construção, de acordo com o percentual executado (equivalente ao andamento das obras). CPC 30/IAS18 - na entrega de bens e serviços (equivalente à entrega das chaves). Modelo definido para o reconhecimento de receita no Brasil: POC (CPC 17), uma vez que entende-se que a transferência dos riscos e benefícios para o cliente ocorre durante o período de construção (através do OCPC 04). Page 4 4

5 Práticas contábeis específicas Incorporação imobiliária - OCPC 01, ICPC 02 e OCPC 04 Formação do custo Formam o custo dos imóveis vendidos os gastos incorridos independente de pagamento - preço do terreno, inclusive gastos necessários à sua aquisição e regularização (custos dos projetos; custos diretamente relacionados à construção, impostos, taxas e contribuições; encargos financeiros diretamente associados, entre outros. Ao custo do imóvel vendido deve ser adicionada a melhor estimativa para fazer face às garantias referentes ao período posterior à conclusão e entrega dos empreendimentos imobiliários; Page 5 5

6 Práticas contábeis específicas Incorporação imobiliária - OCPC 01, ICPC 02 e OCPC 04 Permutas físicas (comprador do terreno) Considerada uma transação comercial e o passivo deve ser considerado pelo valor justo do terreno ou, caso não seja possível, pelo valor justo das unidades que serão cedidas; O resultado da transação é reconhecido pelo POC. Método de cálculo/reconhecimento: POC Reconhecimento de juros TP e atualização monetária Os valores devem ser registrados pela competência; Sua classificação contábil deve ser a seguinte Antes das chaves: registrado como receita operacional Pós-entrega das chaves: registrado como receita financeira (em alguns casos registrado na receita operacional). Nos casos em que a classificação seja realizada na receita operacional os respectivos efeitos devem ser objeto de divulgação especifica. Page 6 6

7 Práticas contábeis específicas Incorporação imobiliária - OCPC 01, ICPC 02 e OCPC 04 Despesas com vendas Despesas com comissões de vendas devem ser diferidas Despesas com propaganda e publicidade são reconhecidas de acordo com o respectivo período de veiculação Estande de vendas são registrados no ativo imobilizado e depreciados de acordo com o respectivo prazo de vida útil estimada dos bens (período pelo qual se espera que os ativos sejam utilizados); entretanto, quando a vida útil for inferior a 12 meses, os gastos deverão ser reconhecidos diretamente no resultado como despesa de vendas; a depreciação deve ser reconhecida como despesa de vendas; Registro das operações de cessão de recebíveis imobiliários Sem co-obrigação: registro da operação ao resultado, diminuindo a conta do ativo; Com co-obrigação: manter o ativo (contas a receber) e o registro da obrigação no passivo (valor recebido). Page 7 7

8 Práticas contábeis específicas Incorporação imobiliária - OCPC 01, ICPC 02 e OCPC 04 Ajuste a valor presente Para as vendas de unidades em construção sempre aplica-se o ajuste a valor presente, pois não são cobrados juros explícitos do cliente durante o período de construção (somente correção monetária INCC). para a venda de unidades concluídas, é avaliado a taxa de juros cobrada no fluxo de caixa futuro e se este for inferior ao juros de mercado aplica-se o ajuste a valor presente. Geralmente na atividade imobiliária aplica-se IGPM + 12% aa (estes considerados juros de mercado), portanto não se aplica o ajuste a valor presente; Page 8 8

9 Assuntos Polêmicos Impactos do estouro de orçamento na apropriação imobiliária pelo método POC Atraso na entrega das obras e possíveis efeitos nas demonstrações financeiras Provisão para distratos (principalmente baixa renda) Atraso para repasse - não baixa da carteira de recebíveis; a não classificação do dinheiro recebido como caixa e equivalentes de caixa. Page 9 9

10 Assuntos Polêmicos Exposure Draft (ED) revisada sobre Receita de Contratos com clientes Os resultados dessa análise por parte do IASB e FASB podem fazer com que as incorporadoras imobiliárias tenham que revisar suas práticas contábeis relacionadas ao reconhecimento de receitas. Este ED traz o conceito de obrigação de performance que precisa ser satisfeito para iniciar o reconhecimento das receitas. Page 10 10

11 Pontos de atenção para a análise de DFs de empresas do setor Venda de projetos em andamento # venda de investimentos x receita de imóveis vendidos Capitalização de juros # custo dos imóveis vendidos x despesas financeiras Juros pós chaves # receita financeira x receita de imóveis vendidos Comissão na venda de imóveis # receita liquida de comissão na maioria das empresas (margem menor) Aquisição de terrenos via compra de empresas # essência x forma Exposição do custo orçado Page 11

12 Novos pronunciamentos contábeis com aplicação para os próximos anos IFRS 10: Demonstrações Financeiras Consolidadas : A norma provê orientação adicional para auxiliar na determinação de controle quando há dúvida na avaliação. A norma é aplicável a partir de 1º de janeiro de IFRS 11: Negócios em Conjunto - Operações Conjuntas, prescreve a contabilização para contratos nos quais existe controle conjunto. Consolidação proporcional não será mais permitida para empreendimentos conjuntos e/ou em que haja controle compartilhado. Esta norma entrará em vigor para os períodos anuais iniciando em ou a partir de 1º de janeiro de 2013; IFRS 12 - Divulgações de Participações em Outras Entidades - determina as exigências de divulgação para controladas, controladas em conjunto e/ou empreendimentos conjuntos, coligadas e sociedades de propósito específico. Esta norma entrará em vigor para os períodos anuais iniciando em ou a partir de 1º de janeiro de 2013; Page 12

13 Obrigado!

Principais Impactos dos Novos IFRS na Indústria de Real Estate. Apresentação APIMEC 27/03/2014

Principais Impactos dos Novos IFRS na Indústria de Real Estate. Apresentação APIMEC 27/03/2014 Principais Impactos dos Novos IFRS na Indústria de Real Estate Apresentação APIMEC 27/03/2014 Agenda Novos pronunciamentos contábeis em 2013 e seus impactos para a indústria de Real Estate Pronunciamentos

Leia mais

Resolução CFC nº (DOU de 27/01/09) Aprova a NBC T Entidades de Incorporação Imobiliária.

Resolução CFC nº (DOU de 27/01/09) Aprova a NBC T Entidades de Incorporação Imobiliária. Resolução CFC nº 1.154 (DOU de 27/01/09) Aprova a NBC T 10.23 - Entidades de Incorporação Imobiliária. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO

Leia mais

CPC 28. Propriedade para Investimento. Balanço Patrimonial - Grupos. Definição de PI. Investimentos Participações Permanentes em outras sociedades

CPC 28. Propriedade para Investimento. Balanço Patrimonial - Grupos. Definição de PI. Investimentos Participações Permanentes em outras sociedades CPC 28 Propriedade para Investimento PAULA NARDI Balanço Patrimonial - Grupos Ativo Circulante ATIVO Ativo Não Circulante Ativo Realizável a Longo Prazo Investimento Propriedade para Investimento Imobilizado

Leia mais

IFRS 15 Receitas de Contratos com Clientes. Agenda. Sumário do projeto no IASB e FASB. Sumário da Norma. Novo modelo de reconhecimento de receitas

IFRS 15 Receitas de Contratos com Clientes. Agenda. Sumário do projeto no IASB e FASB. Sumário da Norma. Novo modelo de reconhecimento de receitas Agenda Sumário do projeto no IASB e FASB Sumário da Norma Novo modelo de reconhecimento de receitas Alguns impactos esperados por indústria 1. Sumário do Projeto no IASB e FASB Emissão do primeiro Discussion

Leia mais

NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE PARA AS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE PARA AS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE PARA AS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS Antônio Carlos Palácios Vice Presidente Técnico CRCRS O tema no contexto da CONVERGÊNCIA das Normas Contábeis A CRONOLOGIA DA CONVERGÊNCIA

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS CPC. CPC 27 Ativo Imobilizado e Depreciação. Principais Considerações no Pronunciamento Técnico CPC 27

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS CPC. CPC 27 Ativo Imobilizado e Depreciação. Principais Considerações no Pronunciamento Técnico CPC 27 Principais Considerações no Pronunciamento Técnico CPC 27 O Ponto chave a ser considerado com o Pronunciamento Técnico CPC 27 referente a contabilização dos ativos imobilizado, são exatamente o reconhecimento

Leia mais

Elekeiroz S.A. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2013

Elekeiroz S.A. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2013 Elekeiroz S.. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2013 Balanço patrimonial tivo Circulante Nota 31 de dezembro de 2013 31 de

Leia mais

ENCERRAMENTO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 17/01/2013 LUCIANO PERRONE

ENCERRAMENTO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 17/01/2013 LUCIANO PERRONE ENCERRAMENTO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 17/01/2013 LUCIANO PERRONE Introdução Enquadramento conforme as Novas Normas Contábeis IFRS. SOCIEDADES ANÔNIMAS DE CAPITAL ABERTO SOCIEDADES DE GRANDE PORTE

Leia mais

IAS 1 Apresentação das Demonstrações Contábeis

IAS 1 Apresentação das Demonstrações Contábeis IAS 1 Apresentação das Demonstrações Contábeis CPC 26 / NBC TG 26 Apresentação das Demonstrações Contábeis FAS 205 Histórico Emitida em 1997, já foi revisada em 2003,2004,2005 e 2007 Substituiu: IAS 1

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 1T16. Viver Anuncia os Resultados do Primeiro Trimestre de Destaques

DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 1T16. Viver Anuncia os Resultados do Primeiro Trimestre de Destaques DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 1T16 Teleconferência de Resultados Segunda-feira, 16 de maio de 2016 Português - com tradução simultânea para o inglês 10h00 (horário de Brasília) 09h00 (horário de Nova York)

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/ LOJAS AMERICANAS SA Versão : 1. Balanço Patrimonial Ativo 1. Balanço Patrimonial Passivo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/ LOJAS AMERICANAS SA Versão : 1. Balanço Patrimonial Ativo 1. Balanço Patrimonial Passivo 2 Índice DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 1 Balanço Patrimonial Passivo 2 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 6 Demonstração do Fluxo de Caixa 7 Demonstração das Mutações

Leia mais

Contabilidade ESTRUTURA PATRIMONIAL SITUAÇÃO LÍQUIDA (PATRIMÔNIO LÍQUIDO) FLUXO DE RECURSOS. Fluxo dos recursos SÍNTESE DO FUNCIONAMENTO DAS CONTAS

Contabilidade ESTRUTURA PATRIMONIAL SITUAÇÃO LÍQUIDA (PATRIMÔNIO LÍQUIDO) FLUXO DE RECURSOS. Fluxo dos recursos SÍNTESE DO FUNCIONAMENTO DAS CONTAS ESTRUTURA PATRIMONIAL Patrimônio = Bens + Direitos ( ) Obrigações SITUAÇÃO LÍQUIDA (PATRIMÔNIO LÍQUIDO) Ativo ( ) Passivo = Situação Líquida (Patrimônio Líquido) FLUXO DE RECURSOS ATIVO Aplicação dos Recursos

Leia mais

Propriedades para Investimento CPC 28/ IAS 40

Propriedades para Investimento CPC 28/ IAS 40 Propriedades para Investimento CPC 28/ IAS 40 EAC 0481 Contabilidade Intermediária II 1 Propriedades para Investimento O que é e como deve ser avaliada? 2 Propriedades para Investimento É a propriedade

Leia mais

CYRELA BRAZIL REALTY S.A. EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES

CYRELA BRAZIL REALTY S.A. EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES CYRELA BRAZIL REALTY S.A. EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INTERMEDIÁRIAS PARA O PERÍODO DE NOVE MESES FINDO EM 30 DE SETEMBRO DE 2012 (Em milhares de reais

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ AMBEV S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ AMBEV S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 5 Demonstração do Resultado 8 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ SUGOI INCORPORADORA E CONSTRUTORA S.A Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ SUGOI INCORPORADORA E CONSTRUTORA S.A Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

ESTUDO DE CASO. Os Novos Ajustes da Lei

ESTUDO DE CASO. Os Novos Ajustes da Lei ESTUDO DE CASO Os Novos Ajustes da Lei 11.638 Os Novos Ajustes da Lei 11.638 As demonstrações financeiras foram elaboradas com base nas práticas contábeis adotadas no Brasil e normas da Comissão de Valores

Leia mais

PDG Realty S.A. Empreendimentos e Participações. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013

PDG Realty S.A. Empreendimentos e Participações. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 PDG Realty S.A. Empreendimentos e Participações Demonstrações financeiras 1 Balanços patrimoniais Exercícios findos, e 1º de janeiro de (Em milhares de reais - R$) Controladora Consolidado 01.01. Ativo

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 1 de 5 31/01/2015 15:30 Tamanho do Texto + tamanho do texto - NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS A publicação de Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras está prevista no 4º do artigo

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 02. Contrato de Construção do Setor Imobiliário

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 02. Contrato de Construção do Setor Imobiliário COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 02 Contrato de Construção do Setor Imobiliário Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRIC 15 Índice REFERÊNCIAS Item HISTÓRICO

Leia mais

2. Bases de elaboração, apresentação das demonstrações contábeis e resumo das principais práticas contábeis

2. Bases de elaboração, apresentação das demonstrações contábeis e resumo das principais práticas contábeis MRV Engenharia e Participações S.A. e Controladas Notas explicativas às demonstrações financeiras para os exercícios findos em 31 de dezembro de 2012 e de 2011. Valores expressos em milhares de reais 1.

Leia mais

PRIMEIROS IMPACTOS DAS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE PARA AS SOCIEDADES COOPERATIVAS

PRIMEIROS IMPACTOS DAS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE PARA AS SOCIEDADES COOPERATIVAS PRIMEIROS IMPACTOS DAS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE PARA AS SOCIEDADES COOPERATIVAS A Lei 11.638, instituída em 2007, estabeleceu que as práticas contábeis no Brasil devem estar em consonância

Leia mais

Demonstrações Financeiras Upcon Incorporadora S.A.

Demonstrações Financeiras Upcon Incorporadora S.A. Demonstrações Financeiras Upcon Incorporadora S.A. 30 de junho de 2016 com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras individuais e consolidadas 30 de junho de 2016 Índice Relatório

Leia mais

Título: Como realizar a configuração da integração contábil de uma empresa com Atividade Imobiliária Custo Incorrido?

Título: Como realizar a configuração da integração contábil de uma empresa com Atividade Imobiliária Custo Incorrido? Título: Como realizar a configuração da integração contábil de uma empresa com Atividade Imobiliária Custo Incorrido? Os dados a seguir foram elaborados para demonstrar uma rotina de lançamentos contábeis,

Leia mais

CUSTO DOS IMÓVEIS VENDIDOS ATIVIDADES IMOBILIÁRIAS

CUSTO DOS IMÓVEIS VENDIDOS ATIVIDADES IMOBILIÁRIAS 1 de 10 31/01/2015 14:50 CUSTO DOS IMÓVEIS VENDIDOS ATIVIDADES IMOBILIÁRIAS O custo do imóvel, objeto da incorporação imobiliária compreende todos os gastos incorridos para a sua obtenção, independentemente

Leia mais

1. Contexto operacional

1. Contexto operacional 1. Contexto operacional A Trisul S/A ( Companhia ), com sede na Cidade de São Paulo, Brasil, e listada na BM&FBovespa sob a sigla TRIS3, resultante da fusão das operações de Incosul Incorporação e Construção

Leia mais

Demonstrações Financeiras MRV Engenharia e Participações S.A.

Demonstrações Financeiras MRV Engenharia e Participações S.A. Demonstrações Financeiras MRV Engenharia e Participações S.A. Demonstrações Financeiras, Individuais e Consolidadas, para o exercício findo em 31 de dezembro de 2016 e Relatório do Auditor Independente

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 2T17. Viver Anuncia os Resultados do Segundo Trimestre do Ano de Destaques

DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 2T17. Viver Anuncia os Resultados do Segundo Trimestre do Ano de Destaques DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 2T17 Teleconferência de Resultados Segunda-feira, 14 de agosto de 2017 Português - com tradução simultânea para o inglês 10h00 (horário de Brasília) 09h00 (horário de Nova York)

Leia mais

Única (PU), Mensal (PM) Periódico(PP) Valores das contribuições. Provisões para desembolsos futuros

Única (PU), Mensal (PM) Periódico(PP) Valores das contribuições. Provisões para desembolsos futuros FEA- USP-EAC Curso de Graduação em Ciências Contábeis Disciplina: EAC0551 - Contabilidade e Análise de Balanços de Instituições Previdenciárias TEMA 02.01. Contabilidade Capitalização Valores das contribuições

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 35 (R2) Demonstrações Separadas

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 35 (R2) Demonstrações Separadas COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 35 (R2) Demonstrações Separadas Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 27 (IASB - BV 2012) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE

Leia mais

FUCAPE Business School Exercícios de múltipla escolha CPCs

FUCAPE Business School Exercícios de múltipla escolha CPCs FUCAPE Business School Exercícios de múltipla escolha CPCs Instruções: - responda apenas 10 perguntas desta lista. A folha com as respostas entrega deverá ser realizada ao início do próximo encontro (21

Leia mais

EVEN Construtora e Incorporadora S.A.

EVEN Construtora e Incorporadora S.A. EVEN Construtora e Incorporadora S.A. Informações Contábeis Intermediárias Individuais e Consolidadas Referentes ao Período de Três Meses Findo em Março de 2013 e Relatório sobre a Revisão de Informações

Leia mais

CYRELA BRAZIL REALTY S.A. EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES

CYRELA BRAZIL REALTY S.A. EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES CYRELA BRAZIL REALTY S.A. EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PARA O EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 (Em milhares de reais - R$, exceto quando mencionado

Leia mais

Conta Classificação Registra Natureza do saldo caixa ativo circulante dinheiro e cheques no estabelecimento da devedora

Conta Classificação Registra Natureza do saldo caixa ativo circulante dinheiro e cheques no estabelecimento da devedora 1 Conta Classificação Registra Natureza do saldo caixa dinheiro e cheques no estabelecimento da bancos conta saldos das contas bancárias que a movimento movimenta clientes valores a receber dos clientes

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL PARA AUDITOR-FISCAL DA RFB. Prof. Marcondes Fortaleza

CONTABILIDADE GERAL PARA AUDITOR-FISCAL DA RFB. Prof. Marcondes Fortaleza CONTABILIDADE GERAL PARA AUDITOR-FISCAL DA RFB Prof. Marcondes Fortaleza Professor Marcondes Fortaleza Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil, tendo exercido anteriormente o cargo de Analista-Tributário

Leia mais

Ajuste a valor justo dos ativos imobilizados da empresa XYZ LTDA na adoção inicial das IFRS

Ajuste a valor justo dos ativos imobilizados da empresa XYZ LTDA na adoção inicial das IFRS Ajuste a valor justo dos ativos imobilizados da empresa XYZ LTDA na adoção inicial das IFRS Caso real Sobre o estudo No estudo realizado, aplicou-se o CPC PME - NBC TG 1000 Contabilidade para Pequenas

Leia mais

IFRS 4 (FASE II) Thiago Pedra Signorelli. 1º Seminário de Contabilidade da FEBRABAN. 14 de abril de 2016

IFRS 4 (FASE II) Thiago Pedra Signorelli. 1º Seminário de Contabilidade da FEBRABAN. 14 de abril de 2016 IFRS 4 (FASE II) Thiago Pedra Signorelli 14 de abril de 2016 1º Seminário de Contabilidade da FEBRABAN AGENDA Motivação Objetivos do novo normativo Exigências do novo normativo Reconhecimento Mensuração

Leia mais

Relatório dos auditores independentes. Demonstrações financeiras referentes aos exercícios findos em 31 de dezembro de 2011, 2010 e 2009

Relatório dos auditores independentes. Demonstrações financeiras referentes aos exercícios findos em 31 de dezembro de 2011, 2010 e 2009 ROSSI RESIDENCIAL S/A Relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras referentes aos exercícios findos em 31 de dezembro de 2011, 2010 e 2009 ROSSI RESIDENCIAL S/A Demonstrações financeiras

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/ REIT SECURITIZADORA DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS S/A Versão : 1. Composição do Capital 1

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/ REIT SECURITIZADORA DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS S/A Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

TCU - Aula 03 C. Geral III

TCU - Aula 03 C. Geral III Sumário 1 TC RO Contador CESPE 2013 - Questão 051 Critérios de avaliação de ativos... 2 2 TC RO Contador CESPE 2013 - Questão 052 Critérios de Avaliação de Ativos... 2 3 TC RO Contador CESPE 2013 - Questão

Leia mais

Rossi Residencial S.A. e Controladas

Rossi Residencial S.A. e Controladas Rossi Residencial S.A. e Controladas Informações Financeiras Intermediárias Individuais e Consolidadas Referentes ao Semestre findo 30 de junho de 2016 e Relatório dos Auditores Independentes sobre a Revisão

Leia mais

LORENGE S.A. PARTICIPAÇÕES

LORENGE S.A. PARTICIPAÇÕES DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO EXERCÍCIO FINDO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO EXERCÍCIO FINDO CONTEÚDO Relatório dos auditores independentes Quadro I - Balanço patrimonial Quadro II - Demonstração do resultado

Leia mais

RJCP EQUITY S.A Notas explicativas de 30 de junho de 2012 e 31 de março de 2012 (Em Reais)

RJCP EQUITY S.A Notas explicativas de 30 de junho de 2012 e 31 de março de 2012 (Em Reais) RJCP EQUITY S.A Notas explicativas de 30 de junho de 2012 e 31 de março de 2012 (Em Reais) 1. Contexto operacional A Companhia ( Sociedade ) foi constituída em 09 de agosto de 2006, com seu estatuto social

Leia mais

EVEN CONSTRUTORA E INCORPORADORA S.A. E CONTROLADAS

EVEN CONSTRUTORA E INCORPORADORA S.A. E CONTROLADAS EVEN CONSTRUTORA E INCORPORADORA S.A. E CONTROLADAS NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS E CONSOLIDADAS PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E DE 2012 (Valores expressos

Leia mais

WEBINAR: IFRS EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. Marçal Serafim Cândido 11/05/2017

WEBINAR: IFRS EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. Marçal Serafim Cândido 11/05/2017 WEBINAR: IFRS EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS Marçal Serafim Cândido 11/05/2017 Programação I Conceito de PME segundo IFRS II Conceitos Gerais III Notas Explicativas IV Estoques V Imobilizado VI Redução

Leia mais

NOVOS PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS 2010

NOVOS PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS 2010 NOVOS PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS 2010 Ana Beatriz Nunes Barbosa, Julho de 2010 O Ofício-Circular CVM/SNC/SEP nº 002/2010 divulgou pronunciamentos do Comitê De Pronunciamentos Contábeis (CPC) sobre Pronunciamentos,

Leia mais

Demonstrações Financeiras CONSTRUTORA TENDA.A.

Demonstrações Financeiras CONSTRUTORA TENDA.A. Demonstrações Financeiras CONSTRUTORA TENDA.A. com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras Índice Relatório dos auditores independentes sobre

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 12. Mudanças em Passivos por Desativação, Restauração e Outros Passivos Similares

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 12. Mudanças em Passivos por Desativação, Restauração e Outros Passivos Similares COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 12 Mudanças em Passivos por Desativação, Restauração e Outros Passivos Similares Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRIC

Leia mais

Relatório da Administração Queiroz Galvão Desenvolvimento Imobiliário S.A.

Relatório da Administração Queiroz Galvão Desenvolvimento Imobiliário S.A. Relatório da Administração Queiroz Galvão Desenvolvimento Imobiliário S.A. Aos acionistas De acordo com as normas, estamos apresentando para sua consideração o relatório anual de administração, e relacionado

Leia mais

2. Apresentação das demonstrações financeiras e resumo das principais políticas contábeis

2. Apresentação das demonstrações financeiras e resumo das principais políticas contábeis MRV Engenharia e Participações S.A. Notas explicativas às demonstrações financeiras para os exercícios findos em 31 de dezembro de 2013 e de 2012. Valores expressos em milhares de reais, exceto quando

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014 KPDS 111086 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 3 Balanços patrimoniais 6 Demonstrações de resultados 7 Demonstrações de resultados abrangentes 8 Demonstrações

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T 16 NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T 16 NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T 16 NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBC T 16.9 DEPRECIAÇÃO, AMORTIZAÇÃO E EXAUSTÃO Conteúdo Item DISPOSIÇÕES GERAIS 1 OBJETIVOS E

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/ PDG REALTY SA EMPREENDIMENTOS E PARTS Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/ PDG REALTY SA EMPREENDIMENTOS E PARTS Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

Conteúdo: 11.2 Escrituração de operações típicas (provisões, obtenção e quitação de empréstimos e operações com duplicatas)

Conteúdo: 11.2 Escrituração de operações típicas (provisões, obtenção e quitação de empréstimos e operações com duplicatas) Módulo 2 Egbert 1 Conteúdo: 11.2 Escrituração de operações típicas (provisões, obtenção e quitação de empréstimos e operações com duplicatas) 2 1. Provisões São contas de natureza credora, que podem representar:

Leia mais

RFB Auditor - ESAF Análise do Edital - CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA

RFB Auditor - ESAF Análise do Edital - CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA Sumário 1 Estrutura Conceitual... 2 2 Patrimônio... 2 3 Fatos Contábeis... 3 4 Contas... 3 5 Escrituração... 3 6 Provisões... 3 7 Políticas Contábeis, Estimativas e Retificação de Erro.... 4 8 Ativo...

Leia mais

PAULÍNIA DO BRASIL PROJETOS IMOBILIÁRIOS LTDA. Demonstrações contábeis em 31 de dezembro de 2015

PAULÍNIA DO BRASIL PROJETOS IMOBILIÁRIOS LTDA. Demonstrações contábeis em 31 de dezembro de 2015 PAULÍNIA DO BRASIL PROJETOS IMOBILIÁRIOS LTDA. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes em 31 de dezembro de 2015 PAULÍNIA DO BRASIL PROJETOS IMOBILIÁRIOS LTDA. Demonstrações

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ AGRA EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A / CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ AGRA EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A / CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/6/29 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA

Leia mais

Rossi Residencial S.A. e Controladas

Rossi Residencial S.A. e Controladas Rossi Residencial S.A. e Controladas Informações Financeiras Intermediárias Individuais e Consolidadas Referentes ao Trimestre e Período de Nove meses findo 30 de setembro de 2016 e Relatório dos Auditores

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 4T14. Viver Anuncia os Resultados do Quarto Trimestre e do Ano de Destaques

DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 4T14. Viver Anuncia os Resultados do Quarto Trimestre e do Ano de Destaques DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 4T14 Teleconferência de Resultados Quarta-feira, 01 de abril de 2015 Português (com tradução simultânea para o inglês) 10h00 (horário de Brasília) 09h00 (horário de Nova York)

Leia mais

NAS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE (IFRSs e CPCs) Gedec 30/04/2014 Prof. Eliseu Martins

NAS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE (IFRSs e CPCs) Gedec 30/04/2014 Prof. Eliseu Martins NAS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE (IFRSs e CPCs) Gedec 30/04/2014 Prof. Eliseu Martins Tratamento das Receitas em diversos documentos: CPC 00 Estrutura Conceitual CPC 30 Receitas CPC 02 Moeda

Leia mais

Relatório da Administração Queiroz Galvão Desenvolvimento Imobiliário S.A.

Relatório da Administração Queiroz Galvão Desenvolvimento Imobiliário S.A. Relatório da Administração Queiroz Galvão Desenvolvimento Imobiliário S.A. Aos acionistas De acordo com as normas, estamos apresentando para sua consideração o relatório anual de administração, e relacionado

Leia mais

Lei Lucro Fiscal x Lucro Societário Alterações Práticas na Atividade Imobiliária. Carla Cristina Tasso

Lei Lucro Fiscal x Lucro Societário Alterações Práticas na Atividade Imobiliária. Carla Cristina Tasso Lei 12. 973 Lucro Fiscal x Lucro Societário Alterações Práticas na Atividade Imobiliária Carla Cristina Tasso Contexto Breve Quando essas atividades envolvem imóveis próprios, os fatores que afetam a contabilidade

Leia mais

EDINO RIBEIRO GARCIA Contador, bacharel em direito, especialista em tributos diretos, contribuições para o PIS-Cofins e legislação societária,

EDINO RIBEIRO GARCIA Contador, bacharel em direito, especialista em tributos diretos, contribuições para o PIS-Cofins e legislação societária, EDINO RIBEIRO GARCIA Contador, bacharel em direito, especialista em tributos diretos, contribuições para o PIS-Cofins e legislação societária, professor e palestrante. Coautor de livros das áreas contábil

Leia mais

ATIVIDADES DE CONSTRUÇÃO CIVIL

ATIVIDADES DE CONSTRUÇÃO CIVIL ATIVIDADES DE CONSTRUÇÃO CIVIL São atividades de Construção Civil: Incorporação Imobiliária; Empreitada; Administração de obra; Construção. ATIVIDADES DE CONSTRUÇÃO CIVIL Podem ser exercidas por PJ ou

Leia mais

Restoque Comércio e Confecções de Roupas S.A. Balanço Patrimonial Consolidado em 31 de dezembro de 2014 Em milhares de reais

Restoque Comércio e Confecções de Roupas S.A. Balanço Patrimonial Consolidado em 31 de dezembro de 2014 Em milhares de reais Restoque Comércio e Confecções de Roupas S.A. Balanço Patrimonial Consolidado em 31 de dezembro de 2014 Em milhares de reais Ativo Passivo e Patrimônio Líquido Circulante R$ Circulante R$ Caixa e equivalentes

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DEPARTAMENTO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: CONTABILIDADE AVANÇADA PROFESSOR: KAMILLE

Leia mais

Parte I Conceitos Básicos, Estrutura e Metodologia Operacional, 1 1 Patrimônio, 3

Parte I Conceitos Básicos, Estrutura e Metodologia Operacional, 1 1 Patrimônio, 3 Sumário Prefácio à Décima Edição, xxi Prefácio à Nona Edição, xxiii Prefácio à Oitava Edição, xxv Parte I Conceitos Básicos, Estrutura e Metodologia Operacional, 1 1 Patrimônio, 3 1.1 Objetivo e definição

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ BICICLETAS MONARK SA Versão : 3. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ BICICLETAS MONARK SA Versão : 3. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 5 Demonstração do Resultado 7 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Notas explicativas às demonstrações financeiras

Notas explicativas às demonstrações financeiras informações trimestrais - ITR Notas explicativas às demonstrações financeiras (Valores expressos em milhares de Reais) 1 Contexto operacional A Rodobens Negócios Imobiliários S.A. ( Companhia ) com sede

Leia mais

IMPAIRMENT OF ASSETS NBC T REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVOS PRONUNCIAMENTO CPC 01

IMPAIRMENT OF ASSETS NBC T REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVOS PRONUNCIAMENTO CPC 01 IMPAIRMENT OF ASSETS NBC T 19.10 REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVOS PRONUNCIAMENTO CPC 01 1 1. OBJETIVO Assegurar que os ativos não estejam registrados contabilmente por um valor superior àquele passível

Leia mais

Relatório dos auditores independentes. Demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2012

Relatório dos auditores independentes. Demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2012 Relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2012 JC/MARCA/APM 1044/13 Demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2012 Conteúdo Relatório dos auditores independentes

Leia mais

Associação dos Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais Minas Gerais - APIMEC - MG

Associação dos Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais Minas Gerais - APIMEC - MG Associação dos Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais Minas Gerais - APIMEC - MG Demonstrações Financeiras referentes aos exercícios findos em 31 de dezembro de 2007 e de 2006

Leia mais

I SIMPÓSIO MINEIRO DE CONTABILIDADE APLICADA NO SETOR PÚBLICO

I SIMPÓSIO MINEIRO DE CONTABILIDADE APLICADA NO SETOR PÚBLICO I SIMPÓSIO MINEIRO DE CONTABILIDADE APLICADA NO SETOR PÚBLICO A CONVERGÊNCIA DAS NORMAS INTERNACIONAIS AO SETOR PÚBLICO MARIA DA CONCEIÇAO BARROS DE REZENDE SITUAÇAO DA CONTABILIDADE PÚBLICA NO BRASIL

Leia mais

Conteúdo: 11.2 Escrituração de operações típicas (provisões, obtenção e quitação de empréstimos e operações com duplicatas)

Conteúdo: 11.2 Escrituração de operações típicas (provisões, obtenção e quitação de empréstimos e operações com duplicatas) Módulo 2 Egbert 1 Conteúdo: 11.2 Escrituração de operações típicas (provisões, obtenção e quitação de empréstimos e operações com duplicatas) 2 1. Provisões São contas de natureza credora, que podem representar:

Leia mais

Propriedades para Investimento CPC 28/ IAS 40. Exemplo: BR Malls DRE e extratos de notas explicativas. EAC 0481 Contabilidade Intermediária II

Propriedades para Investimento CPC 28/ IAS 40. Exemplo: BR Malls DRE e extratos de notas explicativas. EAC 0481 Contabilidade Intermediária II Propriedades para Investimento CPC 28/ IAS 40 Exemplo: BR Malls DRE e extratos de notas explicativas EAC 0481 Contabilidade Intermediária II 1 2 Nota 2 - Apresentação A Administração da Companhia optou

Leia mais

Relatório da Administração Engetec Participações em Engenharia e Construção S.A.

Relatório da Administração Engetec Participações em Engenharia e Construção S.A. Relatório da Administração Engetec Participações em Engenharia e Construção S.A. Senhores Acionistas, Em cumprimento as disposições estatuárias, submetemos a apreciação de V.Sas. o relatório anual da administração

Leia mais

Sumário Capítulo 1 Escrituração contábil

Sumário Capítulo 1 Escrituração contábil Sumário Capítulo 1 Escrituração contábil 01 1.1 Conceito 01 1.2 Métodos de escrituração 01 1.2.1 Método das partidas dobradas 02 1.2.1.1 Funcionamento das contas nas partidas dobradas 04 1.3 Normas legais

Leia mais

FACULDADE AÇÃO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ALINE WANZUITA GIOSELE CRISTIANI NUNES ALBERTON RICARDO LUIS CECHET

FACULDADE AÇÃO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ALINE WANZUITA GIOSELE CRISTIANI NUNES ALBERTON RICARDO LUIS CECHET FACULDADE AÇÃO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ALINE WANZUITA GIOSELE CRISTIANI NUNES ALBERTON RICARDO LUIS CECHET 1 FUNDAMENTOS LEGAIS A Lei 11.638/07 passou a exigir a obrigatoriedade do ajuste a valor presente

Leia mais

São Carlos Empreendimentos e Participações S.A. e Controladas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e de 2011 e relatório dos auditores

São Carlos Empreendimentos e Participações S.A. e Controladas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e de 2011 e relatório dos auditores Participações S.A. e Controladas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e de 2011 e relatório dos auditores independentes Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras

Leia mais

Conceito É a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente, numa determinada data, a posição patrimonial e financeira

Conceito É a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente, numa determinada data, a posição patrimonial e financeira Demonstrações Contábeis Balanço Patrimonial e Demonstração do Resultado do Exercício (DRE) Balanço Patrimonial Conceito É a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente,

Leia mais

CPC 06 Arrendamento Mercantil

CPC 06 Arrendamento Mercantil COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS - CPC CPC 06 Arrendamento Mercantil O Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) no âmbito da Gestão Contábil com o pronunciamento técnico CPC 06, tem por objetivo determinar,

Leia mais

O CPC 31 não se aplica:

O CPC 31 não se aplica: CPC 31 O CPC 31 não se aplica: (a) imposto de renda diferido ativo (Pronunciamento Técnico CPC 32 Tributos sobre o Lucro); (b) ativos provenientes de benefícios a empregados (Pronunciamento Técnico CPC

Leia mais

Associação dos Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais Minas Gerais - APIMEC - MG

Associação dos Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais Minas Gerais - APIMEC - MG Associação dos Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais Minas Gerais - APIMEC - MG Demonstrações Financeiras referentes aos exercícios findos em 31 de dezembro de 2004 e de 2003

Leia mais

Normas Internacionais de Relatório Financeiro (IFRS) e Práticas Contábeis Adotadas no Brasil (BR GAAP) Modelo de demonstrações financeiras para 2011

Normas Internacionais de Relatório Financeiro (IFRS) e Práticas Contábeis Adotadas no Brasil (BR GAAP) Modelo de demonstrações financeiras para 2011 Normas Internacionais de Relatório Financeiro (IFRS) e Práticas Contábeis Adotadas no Brasil Modelo de demonstrações financeiras para 2011 Equipe técnica Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes

Leia mais

EVEN Construtora e Incorporadora S.A.

EVEN Construtora e Incorporadora S.A. EVEN Construtora e Incorporadora S.A. Demonstrações Financeiras Individuais e Consolidadas Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2012 e Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações

Leia mais

Palestra. Apresentação das Demonstrações Contábeis e Notas Explicativas (CPC 03 e 09) Outubro Elaborado por:

Palestra. Apresentação das Demonstrações Contábeis e Notas Explicativas (CPC 03 e 09) Outubro Elaborado por: Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

EVEN Construtora e Incorporadora S.A. Demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro

EVEN Construtora e Incorporadora S.A. Demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro EVEN Construtora e Incorporadora S.A. Demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2011 e relatório dos auditores independentes Relatório

Leia mais

Palestra. D V A - Demonstração do Valor Adicionado - Roteiro. Julho Elaborado por: Luciano Perrone

Palestra. D V A - Demonstração do Valor Adicionado - Roteiro. Julho Elaborado por: Luciano Perrone Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Lucro Fiscal x Lucro Societário

Lucro Fiscal x Lucro Societário Lei n o 12. 973/14 Lucro Fiscal x Lucro Societário Alterações Práticas na Atividade Comercial Prof. Eric Aversari Martins Um Breve Histórico 11.638/07 Harmonização das Normas Contábeis 11.941/09 Instituição

Leia mais

Rodobens Negócios Imobiliários S.A.

Rodobens Negócios Imobiliários S.A. Rodobens Negócios Imobiliários S.A. Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2011 e Relatório dos Auditores Independentes Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes

Leia mais

Comentários da prova SEFAZ-PE Disciplina: Contabilidade Geral Professor: Feliphe Araújo

Comentários da prova SEFAZ-PE Disciplina: Contabilidade Geral Professor: Feliphe Araújo Disciplina: Professor: Feliphe Araújo Olá amigos, Comentários da prova SEFAZ-PE ANÁLISE DA PROVA DE CONTABILIDADE GERAL - SEFAZ-PE Trago para vocês os comentários da prova da SEFAZ-PE realizado no último

Leia mais

Alternativas Questões A B C D E

Alternativas Questões A B C D E Nome completo (USAR LETRA DE FORMA) Assinatura UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO SOCIOECONÔMICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CONTABILIDADE PROCESSO SELETIVO - EDITAL 01/2016 - TURMA 2017 CARTÃO

Leia mais

Rossi Residencial S.A. e Controladas

Rossi Residencial S.A. e Controladas Rossi Residencial S.A. e Controladas Informações Financeiras Intermediárias Individuais e Consolidadas Referentes ao Trimestre findo em 31 de março de 2016 e Relatório dos Auditores Independentes sobre

Leia mais

Demonstrações Financeiras Property Brasil S.A. e empresas controladas

Demonstrações Financeiras Property Brasil S.A. e empresas controladas Demonstrações Financeiras Property Brasil S.A. e empresas controladas 31 de dezembro de 2014, 2013 e 1 o de janeiro de 2013 com Relatório dos Auditores Independentes Property Brasil S.A. e controladas

Leia mais

Demonstrações Financeiras Trisul S/A

Demonstrações Financeiras Trisul S/A Demonstrações Financeiras Trisul S/A Relatório da Administração Exercício Findo em 31.12.2011 Atendendo às disposições legais e estatutárias, a Administração da Trisul S.A. apresenta o Relatório da Administração

Leia mais

RELEASE DE RESULTADOS 1T14

RELEASE DE RESULTADOS 1T14 RELEASE DE RESULTADOS 1T14 Contate RI: Adolpho Lindenberg Filho Diretor Financeiro e de Relações com Investidores Telefone: +55 (11) 3041-2700 ri@lindenberg.com.br www.grupoldi.com.br/relacao DIVULGAÇÃO

Leia mais

Notas explicativas às demonstrações financeiras

Notas explicativas às demonstrações financeiras Notas explicativas às demonstrações financeiras (Valores expressos em milhares de Reais) 1 Contexto operacional A Rodobens Negócios Imobiliários S.A. ( Companhia ) com sede na cidade de São José do Rio

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/ BROOKFIELD INCORPORAÇÕES S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/ BROOKFIELD INCORPORAÇÕES S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

c. Propriedade em construção ou desenvolvimento por conta de terceiros.

c. Propriedade em construção ou desenvolvimento por conta de terceiros. CPC 28 (IAS 40) Pós-Teste 1 1. Identifique, nas situações abaixo, se os imóveis deveriam ser classificados como propriedades para investimento: a. Terrenos mantidos para valorização de capital a longo

Leia mais

AFRFB 2014 Contabilidade Resolução da Prova

AFRFB 2014 Contabilidade Resolução da Prova AFRFB 2014 Contabilidade Resolução da Prova Prof. Marcelo Seco Vamos às questões? 1 Esaf 2014 AFRFB O lucro obtido na Venda de Imobilizado e o Resultado de Equivalência Patrimonial representam, na Demonstração

Leia mais