ESCOLA SUPERIOR DA MAGISTRATURA DO ESTADO DE GOIÁS DIREITO PROCESSUAL CIVIL RECURSOS CÍVEIS PROFESSOR ALDO SABINO DIREITO PROCESSUAL CIVIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESCOLA SUPERIOR DA MAGISTRATURA DO ESTADO DE GOIÁS DIREITO PROCESSUAL CIVIL RECURSOS CÍVEIS PROFESSOR ALDO SABINO DIREITO PROCESSUAL CIVIL"

Transcrição

1 1 RECURSOS CÍVEIS PROFESSOR ALDO SABINO Atualizada até 04 de outubro de Incluindo várias questões de concursos nas notas de rodapé. De acordo com as Leis /2009 ( carga rápida ), /2009 (nova Lei do Mandado de Segurança ) e Lei /2010 (agravo nos próprios autos ao STF e ao STJ).

2 2 Currículo do autor a) Graduação: (conclusão em 1997). Bacharel em direito pela Universidade Católica do Estado de Goiás b) Pós-graduação: Especialista em Direito Civil e em Direito Processual Civil pela Faculdade Anhanguera (conclusão em 2002). c) Atividade Profissional: No âmbito privado, é professor da Escola Superior da Magistratura do Estado de Goiás (nas áreas de Direito Processual Civil e Direito Eleitoral), do Curso IGDE (Direito Processual Penal), do Curso Juris (Direito Processual Penal) e do Curso Aprobatum-ANAMAGES/MG (Direito Processual Civil). É professor convidado de pós-graduação da Universo, da Uni- Evangélica (Anápolis) e da Universidade Federal de Goiás. Na área pública, após concurso público, exerceu o cargo de Promotor de Justiça no Estado de Goiás de 1997 a 1999, quando logrou aprovação em certame para ingresso na magistratura do mesmo Estado. Atualmente, é Juiz de Direito titular do 2 o Juizado Especial Cível da Comarca de Anápolis, é Presidente da 2ª Turma Recursal Cível-Criminal da 3ª Região do Estado de Goiás e exerce a função de Juiz Eleitoral. d) Obras Jurídicas Publicadas: É autor das obras jurídicas Manual de Processo Civil (AB Editora, 2ª Edição, 2008) e Direito Processual Penal (IEPC Editora, 2ª Edição, 2006).

3 3 Sumário breve: CAPÍTULO I TEORIA GERAL DOS RECURSOS...04 CAPÍTULO II APELAÇÃO...37 CAPÍTULO III AGRAVO...46 CAPÍTULO IV EMBARGOS INFRINGENTES...56 CAPÍTULO V EMBARGOS DE DECLARAÇÃO...60 CAPÍTULO VI RECURSO ORDINÁRIO...65 CAPÍTULO VII RECURSO ESPECIAL E RECURSO EXTRAORDINÁRIO...69 CAPÍTULO VIII EMBARGOS DE DIVERGÊNCIA...78 BIBLIOGRAFIA...82 NOVA LEI DO MANDADO DE SEGURANÇA (12.016/2009)...84 LEI DA CARGA RÁPIDA (11.969/2009)...89 LEI DA PRIORIDADE DE TRAMITAÇÃO (12.008/2009)...90

4 4 CAPÍTULO I TEORIA GERAL DOS RECURSOS 1. NOÇÕES: Recurso é o remédio processual que a lei coloca à disposição das partes, do Ministério Público ou de um terceiro, a fim de que a decisão judicial possa ser submetida a novo julgamento, por órgão de jurisdição hierarquicamente superior, em regra, àquele que a proferiu. 1 O recurso funciona como uma espécie de pedido de continuidade da ação formulado pela parte vencida, visando a revisão criteriosa daquilo que foi objeto de julgamento e terminou lhe causando prejuízo. Mas as decisões judiciais, observe-se bem, podem ser impugnadas não só por intermédio de recursos (exs.: recurso ordinário, agravo, embargos infringentes, recurso especial etc.), mas também por meio das chamadas ações autônomas de impugnação (exs.: ação rescisória, mandado de segurança, embargos de terceiro, ação declaratória etc.). Não que haja uma opção à disposição da parte para manejar um ou outro instrumento jurídico. Em geral, a lei prevê um recurso determinado para atacar cada decisão judicial, ficando a parte sujeita a essa imposição (ex.: da sentença cabe apelação, nos termos do art. 513). Todavia, quando a lei não prevê recurso (ou proíbe o mesmo 2 ), quando a decisão é teratológica ou mesmo quando esta já transitou em julgado (isto é, quando o prazo de recurso já se esgotou) poderá ser adequado o manejo das ações autônomas. A parte prejudicada, destarte, diante de uma decisão ou se vale da interposição de recurso nos casos legais, ou, na impossibilidade jurídica deste, lança mão de outras medidas judiciais cabíveis e com poder de alteração do julgado. Embora ambos visem modificar uma decisão judicial, os recursos não se confundem com as ações autônomas de impugnação. É que os recursos atacam a decisão no mesmo processo em que foi proferida, mantendo a relação jurídico-processual originária (os recursos prolongam a litispendência, conforme veremos à frente); já as denominadas ações autônomas de impugnação instauram um novo processo, criando uma nova relação jurídico-processual que objetiva discutir a decisão jurisdicional (exs.: ação rescisória, mandado de segurança, 3 embargos de terceiro etc.), inaugurando inclusive 1 Nery Junior, Princípios fundamentais: teoria geral dos recursos, p Um bom exemplo dessa proibição recursal se tem no art. 527, parágrafo único, com redação outorgada pela Lei / O mandado de segurança somente é admitido contra uma decisão judicial (a) quando ela for irrecorrível (ex.: decisão interlocutória proferida por juiz do Juizado Especial Cível), (b) quando ele (o mandado de segurança) for utilizado para conferir potência (efeito suspensivo) a recurso que não a tenha ou, então, excepcionalmente, (c) quando a decisão judicial for teratológica (absurda, manifestamente abusiva, incompreensível); caso ele seja impetrado contra ato de juiz de primeira instância, será julgado pelo Tribunal de Justiça, pela Turma Recursal (JEC) ou pelo Tribunal Regional Federal, conforme o caso.

5 5 novos autos (ex.: a ação rescisória é aforada originariamente num tribunal, inaugura nova relação jurídico-processual, diversa da original e se instala em novos autos, fisicamente falando). A par disso, os recursos pressupõem decisão não transitada em julgado, ou seja, devem ser interpostos antes do fim do prazo marcado na lei (e isso é óbvio), sob pena de preclusão. As ações autônomas, diversamente, não exigem (de regra) esse requisito, havendo até uma delas que pressupõe justamente o trânsito em julgado da decisão que se pretende impugnar. Refiro-me aqui especificamente à ação rescisória, que somente cabe contra a sentença de mérito já transitada em julgado, nunca antes disso (art. 485). 2. OS SUCEDÂNEOS RECURSAIS: O assunto será abordado com mais profundidade em sala de aula. A par dos recursos e das ações autônomas de impugnação, a doutrina também comenta a existência de uma terceira categoria denominada de sucedâneos recursais (José Frederico Marques). Os sucedâneos recursais nem são recursos (porque não são previstos como tal pela lei federal), nem são ações autônomas (pois não inauguram uma nova relação processual), tratando-se de instrumentos geralmente previstos em lei (mas nem sempre) que permitem a revisão de uma decisão judicial pelo próprio prolator ou por outro órgão superior. Encontram-se nessa moldura jurídica o pedido de reconsideração, a devolução obrigatória (CPC, art. 475) e o pedido de suspensão de segurança (Lei /2009, art. 15), que atacam decisão judicial, mas, reitere-se, não são nem recursos, nem ações autônomas de impugnação (Didier Jr). 3. NATUREZA JURÍDICA DO RECURSO: O recurso é uma faculdade, (a) um ônus da parte, 4 cuja interposição só lhe pode trazer benefícios, arcando, de outro lado, a mesma com os prejuízos processuais de sua não utilização. Sob outra ótica, recurso deve ser encarado como (b) um prolongamento do procedimento, funcionando como uma modalidade do direito de ação exercido no segundo grau de jurisdição, 5 sendo este o entendimento dominante na doutrina acerca da natureza jurídica do instituto. 6 Aliás, esse fator de prolongamento da mesma relação processual distingue os recursos das chamadas ações autônomas de impugnação, 7 as quais geram uma nova relação jurídico-processual, como fiz questão de esclarecer anteriormente. 4 Wambier, Curso avançado de processo civil, v. 1, p. 564 e Teodoro Júnior, Curso de direito processual civil, v. 1, p Nery Junior, Princípios fundamentais, p Orotavo Neto, Dos recursos cíveis, p. 15 e Nelson Luiz Pinto, Manual dos recursos cíveis p Orotavo Neto, Dos recursos cíveis, p. 11.

6 6 Para Nelson Luiz Pinto, enfim, o recurso é mesmo uma extensão do direito de ação ou de defesa, e, portanto, apenas prolonga a vida do processo e a litispendência existente, dentro da mesma relação processual. 8 Em síntese, o recurso é um ônus, mas é também um fator de prolongamento da relação processual instalada originariamente. 4. OBJETIVOS RECURSAIS: Os recursos podem ter por objetivo (a) a anulação da decisão (quando se afirma que houve error in procedendo), (b) a reforma da mesma (quando se alega que ocorreu error in judicando) ou (c) o simples esclarecimento (ou integração) do ato decisório objurgado. 9 Segundo ensina Nelson Luiz Pinto, o error in procedendo constitui-se num vício de procedimento que justifica a invalidação da sentença pelo tribunal. O juiz em casos que tais não observa a forma correta de proceder, deixando ele que o feito corra sem proclamar eventual nulidade ou sem observar formalidade essencial (exs.: juiz lança sentença levando em conta documento novo sem que tenham as partes tenham tomado conhecimento dele; juiz profere sentença de procedência sem apreciar o pedido da parte ré de produção de provas orais sobre fatos controvertidos; juiz prolata sentença sem fundamentação etc.). Nesta hipótese, a parte recorrente postulará em seu recurso não a reforma e a substituição da sentença, mas sua invalidação pelo tribunal, 10 devolvendo-se, em geral, os autos ao juízo de origem, a fim de que se corrija o defeito formal e se profira nova decisão. Diversamente, ocorrerá o chamado error in judicando quando o juiz se manifestar expressamente sobre a questão (processual ou substancial), mas seu julgamento padecer de injustiça. A decisão atacada aqui não padece de nulidade (o juiz observa a forma correta de proceder), mas é injusta (o juiz não analisa bem os fatos, as provas ou o direito aplicável). Em tal caso a decisão contém um erro de apreciação do julgador, o que abrange pelo menos três situações distintas, quais sejam, (a) a má aplicação da lei, (b) a afronta direta ou indireta à norma, ou (c) a má interpretação das provas e dos fatos da causa. 11 Ainda de acordo com o doutrinador acima citado, referido vício de julgamento (error in judicando) pode decorrer tanto na apreciação e resolução da questão de mérito (exs.: juiz profere sentença em ação de investigação de paternidade privilegiando a prova testemunhal em detrimento do exame de DNA; juiz, mesmo diante da existência da prova cabal da culpa do réu, deixa de condená-lo ao pagamento da indenização postulada pelo autor etc.), como de uma questão meramente processual (exs.: má avaliação da preliminar de ilegitimidade passiva articulada pelo réu; equívoco no julgamento do 8 Manual dos recursos cíveis, p Note-se, porém, que apenas os dois primeiros (anulação e reforma), segundo Wambier, constituem objetivos típicos dos recursos; este último (o pedido de esclarecimento) é considerado por ele como objetivo atípico dos recursos (Curso avançado de processo civil, v. 1, p. 565). 10 Nelson Luiz Pinto, Manual dos recursos cíveis, p Nelson Luiz Pinto, Manual dos recursos cíveis, p. 94.

7 7 incidente de impugnação ao valor da causa; erro no julgamento da exceção de incompetência relativa etc.). Em qualquer destes casos, o recorrente postulará em seu recurso a reforma da decisão e a substituição da mesma pelo próprio tribunal, que ditará uma nova solução para a questão (art. 512); em tal caso, o próprio tribunal poderá dar uma nova conclusão para o caso. Enfim, fala-se em pedido de esclarecimento ou de integração da decisão quando ela padecer de omissão, contradição ou obscuridade, caso específico em que serão admissíveis os embargos de declaração (arts. 535 a 538). 5. OBJETO DOS RECURSOS: Somente as decisões judiciais, consideradas como gênero que abrange as decisões interlocutórias, as sentenças (terminativas e definitivas) e os acórdãos, são suscetíveis de ataque por recurso, sendo este o seu objeto. São, de outro lado, irrecorríveis os despachos (art. 504), salvo se ele for teratológico e cause evidente prejuízo para a parte, caso em que se convolará em decisão interlocutória, passível naturalmente de impugnação por meio de agravo. Com efeito, para Nelson Nery Junior o simples fato de causar prejuízo à parte converte o despacho em decisão interlocutória, que passa a ser impugnável pelo agravo. Assim, o despacho na visão de referido autor é sempre irrecorrível e quando eventualmente cause prejuízo à parte terá natureza de decisão. 12 Entendimento diverso tem Nelson Luiz Pinto, para quem o despacho neste caso não se convola em decisão, continuando a ser mesmo um despacho, mas recorrível pelo regime jurídico da decisão interlocutória, através de agravo. 13 Embora entenda que a primeira corrente é mais plausível (e também mais adotada na doutrina pátria), admito que na prática a adoção de um ou de outro entendimento é irrelevante, posto que a conseqüência jurídica será exatamente a mesma, isto é, a permissão de impugnação do despacho danoso pelo agravo. Convém lembrar que há quem entenda que os despachos, embora irrecorríveis, são subordinados aos embargos de declaração, desde que omissos, contraditórios ou obscuros. 6. RECURSOS EXISTENTES NO PROCESSO CIVIL: Estão previstos no Código de Processo Civil como recursos a apelação (arts ), o agravo (arts ), os embargos infringentes (arts ), os embargos de declaração (arts ), o recurso ordinário (arts ), o recurso especial, o recurso extraordinário (arts ) e os embargos de divergência (art. 546). 12 Código de processo civil comentado, 2002, p No mesmo sentido, Wambier (Curso avançado de processo civil, v. 1, p. 568). 13 Manual dos recursos cíveis, p. 28.

8 8 Existem também recursos previstos em leis especiais como (a) o recurso inominado (Lei 9.099/1995, art. 41), (b) os embargos infringentes fiscais (Lei 6.830/1980, art. 34), (c) os embargos de divergência previstos na Lei Complementar 35/1979 (art. 101, 1 o e 3 o, alínea a ) e (d) o pedido de uniformização de interpretação de lei federal insculpido no art. 14 da Lei /2001 (Lei dos Juizados Especiais Federais) e agora mais recentemente nos arts da Lei /2009 (Lei dos Juizados Especiais da Fazenda Pública Estadual, Distrital e Municipal). 7. CLASSIFICAÇÕES MAIS COMUNS: 7.1. QUANTO AO MOMENTO: principal ou adesivo. parte detém para tal. No que tange ao momento da interposição, o recurso pode ser Principal é o recurso interposto dentro do prazo ordinário que a Adesivo é aquele interposto em caso de sucumbência recíproca na segunda oportunidade recursal prevista, que é o momento para apresentação das contrarazões (art. 500, inciso I). O recurso adesivo será objeto de estudo mais aprofundado adiante QUANTO À FUNDAMENTAÇÃO: Sob esta ótica, o recurso poderá ter fundamentação livre ou vinculada. Nos recursos de fundamentação livre basta que a parte preencha os requisitos ordinários de admissibilidade (prazo, preparo, legitimidade, interesse, etc.) para sua remessa à instância superior (exs.: apelação, agravo, recurso ordinário) e para seu conseqüente conhecimento. Já nos recursos de fundamentação vinculada a motivação da inconformidade deve obedecer aos requisitos gerais, mas também aos específicos constantes na lei ou na Constituição Federal e esses requisitos geralmente são bem rigorosos, sob pena de não recebimento ou não conhecimento. O recurso especial e o recurso extraordinário estão nessa última categoria, posto que somente são recebidos e conhecidos quando o recorrente demonstra o preenchimento dos requisitos estritos previstos nos arts. 102, inciso III (em rápida síntese, a violação constitucional), e 105, inciso III (em suma, a mácula à Lei Federal), da Constituição Federal, respectivamente QUANTO AOS EFEITOS: Levando-se em conta os seus efeitos, os recursos podem ainda ser classificados como suspensivos ou não suspensivos. Serão suspensivos ( recursos potentes ) ou não suspensivos ( recursos impotentes ), conforme impeçam ou não a execução do julgado na sua pendência na instância superior. São recursos tipicamente suspensivos, por exemplo, a apelação (art. 520) e o recurso ordinário (art. 540), visto que impedem como regra a efetivação provisória do que consta no ato recorrido na sua pendência.

9 9 De outro lado, são recursos não suspensivos o agravo (art. 527, inciso III), o recurso especial e o extraordinário (art. 542, 2º). Em geral, esses recursos impotentes admitem que a decisão recorrida seja efetivada provisoriamente na sua pendência QUANTO AO OBJETO TUTELADO: Sob essa ótica, poderão ser ordinários (apelação, agravo etc.) ou extraordinários (recurso especial e extraordinário), conforme defendam diretamente o direito subjetivo da parte (admitindo a discussão de matérias fáticas) ou o direito objetivo (inadmitindo a discussão de matérias fáticas 14 ). 8. REQUISITOS DE ADMISSIBILIDADE DOS RECURSOS: Requisitos de admissibilidade são os pressupostos básicos que um recurso deve preencher para que o órgão revisor um Tribunal de Justiça ou um Tribunal Regional Federal, por exemplo possa apreciar o seu mérito. Em termos mais simples, assim como a ação está subordinada a condições ( condições da ação ) e o processo está sujeito a diversos pressupostos ( pressupostos processuais ), sob pena de extinção do mesmo sem resolução de mérito (art. 267, incisos IV e VI), os recursos também têm seu conhecimento subordinado a requisitos de admissibilidade, como o interesse do recorrente (só aquele que saiu vencido na causa pode recorrer), o preparo (pagamento das despesas exigidas para recorrer) e a tempestividade (interposição do recurso no prazo previsto em lei). Greco Filho, com sua costumeira didática, chega a sustentar que os pressupostos dos recursos não são mais do que as condições da ação e os pressupostos processuais reexaminados em fase recursal e segundo as peculiaridades dessa etapa do processo. 15 São várias as classificações criadas pela doutrina nacional para os pressupostos ou requisitos recursais, contudo, a mais didática é a que os subdivide em subjetivos e objetivos. 16 Os requisitos recursais subjetivos são aqueles que dizem respeito à pessoa do recorrente, abrangendo a legitimidade e o interesse recursal. Já os pressupostos objetivos dizem respeito ao recurso em si mesmo, 17 e englobam a adequação, a recorribilidade, a tempestividade, o preparo e a regularidade formal. 14 Súmula 7, do STJ: A pretensão de simples reexame de prova não enseja recurso especial. 15 Direito processual civil brasileiro, v. 2, p Esta subdivisão é adotada tradicionalmente por Moacir Amaral Santos (Primeiras linhas de direito processual civil, v. 3, p. 85), Vicente Greco Filho (Direito processual civil brasileiro, v. 2, p. 266) e Humberto Theodoro Júnior (Curso de direito processual civil, v. 1, p. 555), entre outros. Recomenda-se, contudo, a análise da interessante classificação capitaneada por Barbosa Moreira (O novo processo civil brasileiro, p. 135), que considera a existência de pressupostos recursais intrínsecos (atinentes à própria existência do direito de recorrer) e extrínsecos (relativos ao exercício do direito de recorrer), que muito pouco se divorcia da referida no texto principal. 17 Amaral Santos, Primeiras linhas de direito processual civil, v. 3, p. 85.

10 10 Por ser essencial à compreensão da matéria, passo ao exame individualizado de cada um deles adiante, iniciando pelos requisitos subjetivos (legitimidade recursal e interesse recursal) e passando aos requisitos objetivos (adequação, recorribilidade, tempestividade, preparo e regularidade formal) REQUISITOS SUBJETIVOS: LEGITIMIDADE: Nos termos do art. 499 do Código de Processo Civil, o recurso somente pode ser interposto pela parte vencida (autor, réu, interveniente, litisconsorte, arrematante etc.), pelo terceiro prejudicado (aquele que tem interesse jurídico na alteração da decisão, mas não participou da relação jurídico-processual) 18 e pelo Ministério Público. Esclareça-se desde logo que o recurso do terceiro prejudicado é uma modalidade facultativa de intervenção de terceiro, somente admissível quando esse (o não-parte) demonstre a existência do nexo de interdependência (art. 499, 1 o ) entre o seu prejuízo e a sentença (o prejuízo é uma conseqüência da sentença). Diz-se que referido instituto constitui uma faculdade porque o terceiro bem poderá, ao invés de se valer do recurso regulado no art. 499, 1º, utilizar originariamente os meios autônomos de impugnação para defender seu direito, 19 como o ajuizamento de embargos de terceiro, de ação declaratória ou até mesmo de um mandado de segurança (STJ, Súmula 202). De acordo com a doutrina predominante qualifica-se como terceiro juridicamente interessado a recorrer aquele que poderia ter se habilitado como assistente, simples ou litisconsorcial, mas não o fez até a sentença (art. 50), 20 como seria o caso do herdeiro não integrado à relação processual que recorre para afastar a condenação do espólio ao pagamento de dívida. 21 Defendo, porém, o posicionamento de que deve se dar uma interpretação mais ampla ao instituto, permitindo-se o recurso não somente do chamado assistente atrasado (exemplo citado acima), mas também daquele que poderia ter sido denunciado da lide, ou chamado ao processo (mas que não foi), entre outros que sejam 18 Amaral Santos, Primeiras linhas de direito processual civil, v. 3, p. 94 e Gilson Delgado Miranda (Marcato, p. 1526). 19 Cf. Marcato, Código de processo civil interpretado, p Cf. Nery Junior (Código de processo civil comentado, 2006, p. 717), Gilson Delgado Miranda (Marcato, Código de processo civil interpretado, p. 1526) e Nelson Luiz Pinto (Manual dos recursos cíveis, p. 63). 21 Essa foi uma das questões da 2ª Fase do Concurso para ingresso na magistratura do Estado de Goiás do ano de 2006 (valendo 2,0 pontos), vejamos: Ulisses, irmão de Orestes, ajuizou em face deste com o objetivo de reaver determinado bem, sob fundamento que é titular do domínio. No primeiro grau o pedido foi julgado procedente. Hermes, irmão dos contendores, interpõe recurso na qualidade de terceiro prejudicado, a fim de que não seja reconhecido o direito de Ulisses, mas o seu. Argumenta que o bem objeto da demanda lhe pertence, pois o adquiriu com recursos próprios, através de venda e compra celebrada com Zeus. Indaga-se: Hermes está legitimado a recorrer? Justifique (aparentemente, o examinador pretendia que o candidato respondesse que o recurso de terceiro prejudicado previsto no art. 499, 1º do Código de Processo Civil não era remédio adequado à espécie, pois Hermes tinha uma pretensão própria, autônoma, contraposta à dos contendores, daí porque deveria ter apresentado oposição imprópria, e não recurso de terceiro prejudicado, que é mais adequado para aquele que tem interesse reflexo na causa, lutando em favor de alguma das partes, como se fosse um assistente atrasado ).

11 11 atacados pela eficácia natural da sentença (exs.: seguradora não denunciada da lide que recorre para ver a condenação do segurado ser afastada, evitando ação de regresso; devedor principal não chamado do processo pelo fiador que recorre para reverter condenação deste, visando também obstar futura ação de regresso etc.). Há uma lógica nesse raciocínio posto que esse que poderia ser denunciado da lide ou chamado ao processo (mas não foi), teria a faculdade de ingressar no feito como assistente, pois dispõe de interesse jurídico em que a sentença seja favorável a uma das partes (art. 50). Contudo, não ingressou em tempo oportuno, daí porque reputo perfeitamente possível que apresente o comentado recurso na condição de terceiro juridicamente prejudicado. O Ministério Público terá legitimidade para interpor recurso tanto como parte principal, como na condição de interveniente (quando é conhecido como custos legis ou fiscal da lei), nos termos da Súmula 99, do Superior Tribunal de Justiça INTERESSE (sucumbência): Assim como o interesse processual, que é condição da ação, o interesse recursal pressupõe a necessidade de interposição de recurso, o que é materializado pela derrota na decisão recorrida. 23 Terá portanto interesse em recorrer aquele que não logrou no processo tudo o que poderia ter obtido, figurando, portanto, na condição de sucumbente. Destarte, a título de exemplo, se o julgamento foi de improcedência (pediu R$20.000,00 e não ganhou nada) ou de procedência parcial (pediu R$30.000,00 e ganhou apenas R$20.000,00), terá o autor, claramente, interesse em recorrer, pois terá sido sucumbente totalmente no primeiro caso e parcialmente no segundo. Há, como se vê, uma regra geral que no sistema recursal civil brasileiro segundo a qual a sucumbência se afere pelo que consta no dispositivo da decisão, da sentença ou do acórdão, pouco importando quais foram os fundamentos utilizados para se chegar a essa conclusão. Em virtude disso, será vencedor o autor que veja o juiz julgando seu pedido procedente, ainda que por razões diversas das indicadas em suas petições (ex.: autor pede nos memoriais a condenação do réu com base na prova pericial, mas juiz o condena com base na prova documental e testemunhal colhida na instrução); da mesma forma, não será sucumbente o réu se o juiz julgar o pedido improcedente por motivos não apontados na defesa (ex.: réu pede a improcedência por não haver praticado o atropelamento, mas o juiz, embora reconhecendo que o réu foi o autor do ilícito, julga improcedente o pedido admitindo a insuficiência de prova sobre a culpa do mesmo). O autor, no primeiro caso, não poderá recorrer, e o réu, no segundo, também não, justamente porque não detém eles interesse no recurso, não tendo figurado tecnicamente como sucumbentes. 22 O Ministério Público tem legitimidade para recorrer no processo em que oficiou como fiscal da lei, ainda que não haja recurso da parte. 23 Para Alexandre Freitas Câmara o interesse recursal abrange, além da necessidade (sucumbência), também a adequação do recurso interposto (Lições de direito processual civil, v. 2, p. 68). Na classificação adotada no texto principal, porém, a adequação figura entre os requisitos objetivos dos recursos (infra).

12 12 Em suma, percebe-se que a sucumbência se mede pelo dispositivo, e não pelos motivos da decisão, de sorte que somente cabe recurso para aquele que teve um dispositivo prejudicial ao seu interesse. Essa é, como já disse, a regra de nosso código. Contudo, existem pelo menos duas exceções a essa restrição. Há efetivamente dois casos em que o réu, embora tenha saído vencedor quanto ao dispositivo da sentença (vale dizer, ocorreu o julgamento de improcedência do pedido principal), pode recorrer para obter uma alteração de fundamentação. Refiro-me às hipóteses previstas nos arts. 18, da Lei 4.717/1965 (conhecida como Lei da Ação Popular ), 24 e 16 da Lei 7.347/1985 (chamada Lei da Ação Civil Pública ), 25 nas quais haverá uma sucumbência especial do réu se o pedido for julgado improcedente por insuficiência de provas. É que este fundamento utilizado para a sentença de improcedência a insuficiência de provas admite que a ação popular e a ação civil pública sejam novamente intentadas mesmo que já tenha havido o trânsito em julgado, caso algum dos legitimados logre encontrar novas provas, conforme prevêem aludidos artigos de lei. Em casos que tais, a coisa julgada vem, por assim dizer, acompanhada de uma cláusula rebus sic standibus, de modo que será ela dotada de uma imutabilidade relativa, passível de alteração se o contexto probatório for alterado. Mas se outro for o fundamento da improcedência, como por exemplo o reconhecimento da legalidade do ato praticado pelo réu, a sentença, após o trânsito em julgado, se tornará efetivamente imutável, sem possibilidade de alteração pelos meios ordinários, mesmo que haja nova prova. A coisa julgada material, afora sua característica erga omnes, será aquela tradicionalmente tratada no art. 467 do código. Nota-se, então, que haverá pleno interesse de o réu recorrer contra a sentença de improcedência na ação popular ou na ação civil pública, se o seu fundamento tiver sido a insuficiência de provas, objetivando a sua alteração (poderá pedir, por exemplo, que a improcedência seja mantida, mas com base na licitude do ato, como visto acima), o que trará o benefício de proibir o autor, após o trânsito em julgado, de renovar a ação, mesmo que tenha novas provas. É como nos ensina Marcos Vinicius Rios Gonçalves: Em casos excepcionais, quando a fundamentação repercutir sobre a situação jurídica das partes, e até sobre a formação da coisa julgada, admitir-se-á a interposição de recurso, com o exclusivo fim de alterá-la. É o que ocorre nas ações coletivas, em que há coisa julgada secundum eventum litis (...). Por isso, deve-se reconhecer ao réu a possibilidade de apelar de sentença de improcedência, 24 A sentença terá eficácia de coisa julgada oponível erga omnes, exceto no caso de haver sido a ação julgada improcedente por deficiência de prova; neste caso, qualquer cidadão poderá intentar outra ação com idêntico fundamento, valendo-se de nova prova (destaque meu). 25 A sentença civil fará coisa julgada erga omnes, nos limites da competência territorial do órgão prolator, exceto se o pedido for julgado improcedente por insuficiência de provas, hipótese em que qualquer legitimado poderá intentar outra ação com idêntico fundamento, valendo-se de nova prova (destaquei).

13 13 fundada em insuficiência de provas, para alterar-lhe a fundamentação, de sorte que o provimento fique sujeito à autoridade da coisa julgada material. 26 Passando ao exame da figura do Ministério Público, tudo que se disse se aplica ao mesmo, quando funcione na condição de parte principal (órgão agente). Mas quando participa da relação processual como fiscal da lei predomina o entendimento de que prescinde-se de demonstração de interesse recursal, ou seja: pode recorrer ainda que contra os interesses do pólo da relação processual que justificou sua intervenção, 27 desde que o faça com fundamento em interesse público ou da sociedade, não sendo ele obrigado a defender o mau direito. 28 Concordo em parte com tal raciocínio. Admito que o Ministério Público, como fiscal da correta aplicação da lei, não pode mesmo ficar a mercê dos interesses daquele que legitimou a sua intervenção, tendo ele independência funcional garantida na Constituição Federal (art. 127, 1º). Agora, o que entendo pertinente estabelecer é que essa atuação contrária à parte protegida deve ser sempre excepcional, somente levada a cabo quando presente uma situação de violação à ordem pública e aos bons costumes, e nunca em favor de interesses meramente patrimoniais da parte contrária. Poder-se-ia imaginar um exemplo em que o incapaz, que legitimou a intervenção do Ministério Público, pleiteasse quantia devida em razão de dívida oriunda de tráfico de drogas ou de alguma origem ilícita similar, e obtivesse ganho de causa. Obviamente seria de se admitir o recurso ministerial, visto que evidente essa mácula à norma cogente. Agora, um recurso do Ministério Público alegando a prescrição em desfavor do incapaz seria inadmissível, não se podendo identificar a existência de interesse recursal em tal situação prática. Interessante posição ligeiramente mais restritiva que a minha, diga-se de passagem defende Hugo Nigro Mazzilli, cujos argumentos faço questão de transcrever: É protetiva a atuação ministerial, quando decorra da qualidade da parte (...). Não pode, porém, argüir prescrição de direitos patrimoniais em favor da parte contrária, pois estaria defendendo interesses disponíveis, de pessoa maior e capaz; se recorresse em favor da parte contrária, estaria zelando por interesses patrimoniais disponíveis que não lhe incumbe defender. Isso não impede que possa opinar livremente, caso regularmente argüida prescrição ou interposto recurso contra os interesses do incapaz. Eventual proteção não significa auxílio para locupletação ilícita do incapaz. O que não pode é tomar iniciativa de impulso processual (exceções, embargos, recursos) em favor de interesses disponíveis da parte contrária, maior e capaz REQUISITOS OBJETIVOS: ADEQUAÇÃO: 26 Novo curso de direito processual civil, v. 2, p Nelson Luiz Pinto, Manual dos recursos cíveis, p Câmara, Lições de direito processual civil, v. 2, p Introdução do Ministério Público, p. 166 (o destaque não consta no texto original).

14 14 Adequação recursal ou cabimento do recurso é a possibilidade jurídica do recurso. Existe um recurso próprio para cada espécie de decisão. Diz-se, por isso, que o recurso é cabível, próprio ou adequado quando corresponda à previsão legal para a espécie de decisão impugnada (exs.: da sentença caberá apelação nos termos do art. 513 e da decisão interlocutória caberá agravo, na forma do art. 522). O eventual erro do recorrente na escolha do recurso gerará, portanto, a inadmissibilidade do mesmo, salvo se for possível a aplicação do conhecido princípio da fungibilidade recursal. Embora o Código de Processo Civil de 1973 seja omisso a respeito do assunto, é certo que a jurisprudência tem efetivamente admitido, em alguns casos, o recebimento de um recurso (equivocado) por outro (o correto), como decorrência desse princípio da fungibilidade, que era previsto no Código de Processo Civil de 1939 (art. 810). A incidência desse princípio, que autoriza o recebimento de um recurso por outro, entretanto, somente tem sido admitida quando evidenciada a inexistência de má-fé da parte, a existência de dúvida objetiva sobre o recurso cabível (como ocorre no caso previsto no art. 395 do Código de Processo Civil e na concessão da antecipação de tutela no bojo da sentença de mérito) e desde que o prazo do recurso correto tiver sido observado. Caso concreto de aplicação do princípio poderia ser um daqueles em que a parte, com dúvida acerca sobre o recurso cabível contra a decisão do incidente de falsidade (art. 395), 30 apresentasse uma apelação, quando correto seria o agravo. Aqui seria possível que se recebesse um recurso (a apelação) como se agravo fosse desde que apresentada dentro do prazo menor (o do agravo, que é de dez dias), procedendo-se as necessárias adaptações RECORRIBILIDADE: Somente os atos judiciais impugnáveis é que podem ser atacados por recurso. Sendo assim, somente as decisões interlocutórias, sentença e acórdãos podem ser objurgados por recursos, mas nunca os despachos, que são irrecorríveis (art. 504, já com redação outorgada pela Lei , de 07 de fevereiro de 2006). É bom, porém, notar que existem também algumas decisões interlocutórias (arts. 519, parágrafo único, e 543, 2º e 3º) e sentenças (art. 865) irrecorríveis por força de lei. Enfim, em que pese a afirmada irrecorribilidade de despachos, parte da doutrina admite a oposição de embargos de declaração contra os simples despachos (destaque para Luiz Rodrigues Wambier e Fredie Didier Jr). 30 Veja-se que o art. 395, do Código de Processo Civil, realmente induz o intérprete a concluir que o incidente de falsidade é julgado por sentença, o que nem sempre é verdade (conforme já afirmei anteriormente, quando examinei o tema), pelo que há uma dúvida objetiva sobre se cabe apelação ou agravo para questionar o ato decisório.

15 TEMPESTIVIDADE: Todo recurso tem um prazo (ou um momento) para ser interposto e a sua inobservância pelo recorrente acarreta naturalmente o não recebimento ou o não conhecimento do inconformismo. O prazo é, pois, um dos requisitos objetivos de admissibilidade do recurso. Este prazo, no processo civil, é geralmente de 15 (quinze) dias (art. 508), mas existem previsões excepcionais como a referente ao agravo (10 ou 5 dias, conforme sua natureza arts. 522 e 545) 31 e aos embargos de declaração (5 dias, conforme dita o art. 536). Devem ser naturalmente observadas as exceções subjetivas previstas nos arts. 188 (prevê prazo em dobro para o Ministério Público e para a Fazenda Pública recorrerem 32 ), (estabelece prazo em dobro para os litisconsortes com procuradores diferentes), do Código de Processo Civil, e 5 o, 5 o da Lei 1.060/1950 (concede prazo em dobro para o Defensor Público ou quem exerça cargo equivalente). Todavia, é bom registrar quanto à ampliação prevista no art. 191 do Código de Processo Civil que não se conta em dobro o prazo para recorrer, quando só um dos litisconsortes haja sucumbido (STF, Súmula 641). 34 Qualquer que seja o prazo para recurso contar-se-á o mesmo (a) da leitura da decisão em audiência, (b) da intimação das partes, quando não proferida em audiência ou (c) da publicação do dispositivo do acórdão no órgão oficial (art. 506, já com redação outorgada pela Lei , de 7 de fevereiro de 2006). Esclareça-se, por oportuno, que se reputa intimado o advogado na audiência quando nela é publicada a sentença, fluindo daí o prazo recursal, sendo irrelevante o fato do eventual não comparecimento, desde que tenha havido prévia intimação, através do causídico, para o ato. 35 Caso a intimação se dê pelo Diário da Justiça Eletrônico (Dje), será considerado como data da publicação o primeiro dia útil seguinte ao da disponibilização da informação; nesta hipótese, os prazos processuais terão início o 31 Não é demais lembrar neste particular que o agravo retido oral obrigatório, previsto no art. 523, 3º, do Código de Processo Civil, deve ser interposto não em dez ou em cinco dias, mas imediatamente após a prolação da decisão que prejudicou a parte recorrente, sob pena de preclusão. 32 Apenas para efetivamente recorrer (interpor recurso), mas não para contra-arrazoar (responder) o recurso interposto pela parte contrária, conforme entendimento predominante. 33 Inclusive a Fazenda Pública e o Ministério Público têm prazo em dobro para interpor agravo regimental no Superior Tribunal de Justiça (STJ, Súmula 116). 34 (Concurso para ingresso na magistratura do Estado de Goiás, 2004, questão 49) Assinale a alternativa incorreta: (a) O prazo para o litisconsorte recorrer será contado em dobro, ainda que apenas um tenha sido sucumbente (alternativa incorreta no gabarito oficial sugere-se a leitura da Súmula 641 do STF, bem como os arts. 182, 184 e 192 do Código de Processo Civil); (b) São dilatáveis, a critério do juiz, quaisquer prazos, dilatórios ou peremptórios, nas comarcas onde for difícil o transporte; (c) Feita a intimação no domingo, o primeiro dia do prazo, havendo expediente na segunda-feira, será a terça-feira; (d) Quando a lei não assinalar outro prazo, as intimações somente obrigarão a comparecimento depois de decorridas vinte e quatro horas. 35 TJGO, APC n /188, Rel. Des. Leobino Valente Chaves, acórdão de

16 16 primeiro dia útil que seguir ao considerado como data da publicação (Lei /2006, art. 4º, 3º e 4º). Convém enfim observar que para o réu revel, pessoalmente citado, o prazo recursal correrá independentemente de qualquer intimação, a partir da simples publicação da sentença em cartório ou em audiência (art. 322, já com redação outorgada pela Lei /2006). 36 Para que se evitem omissões, registre-se enfim que sendo comum às partes o prazo, só em conjunto ou mediante prévio ajuste por petição nos autos, poderão os seus procuradores retirar os autos, ressalvada a obtenção de cópias para a qual cada procurador poderá retirá-los pelo prazo de 1 (uma) hora independentemente de ajuste (art. 40, 2º). 37 A parte final do preceito transcrito se encarregou, finalmente, de regulamentar a chamada carga rápida, criando o direito de retirada dos autos de cartório por uma hora, ainda que se trate de caso de prazo comum às partes, que geralmente existe na hipótese de sucumbência recíproca (já estudada anteriormente) PREPARO: Preparo é o pagamento das custas relativas à interposição do recurso, quando exigidas por norma legal ou regimental. Atualmente, a comprovação do preparo inclusive porte de remessa e de retorno dos autos deverá ser feita no ato de interposição, 38 sob pena de preclusão consumativa 39 (art. 511), 40 pelo que se diz na doutrina que houve adoção do sistema do preparo imediato ou do preparo simultâneo. 41 A falta de efetivação do preparo ou de sua comprovação nos autos acarreta a deserção (art. 511, caput), com a decorrente negação de seguimento ao recurso, salvo hipótese excepcional de relevação da pena de deserção na forma do art. 519 do Código de Processo Civil. 36 (Concurso para ingresso na magistratura do Estado de Goiás, 2000, questão 23) O prazo recursal para o réu capaz e revel citado pessoalmente: (a) Correrá mesmo sem intimação (resposta certa segundo o gabarito oficial recomenda-se consulta ao art. 322 do Código de Processo Civil); (b) Somente começa a correr a partir da intimação do curador especial; (c) Só começa a correr a partir do primeiro dia útil após o edital de intimação; (d) N. D. A. 37 O preceito já está com sua nova redação outorgada pela Lei /2009, mas o destaque não consta no original. 38 Não se deve olvidar que nos Juizados Especiais Cíveis vige regra diversa segundo a qual o preparo recursal deverá ser efetuado não no ato de protocolo da petição de recurso, mas nas 48 (quarenta e oito) horas seguintes à interposição, independentemente de intimação (Lei 9.099/1995, art. 42, 1 o ). 39 STJ, REsp RN, Rel. Min. Fernando Gonçalves, j. em , REsp RS, DJ de , REsp SC, DJ de e TJGO, APC n /188, Rel. Des. João Waldeck Félix de Sousa, DJ de (Magistratura-GO, 2009, prova A01, tipo 004, questão 18) O preparo deve ser comprovado no ato de interposição do recurso. Se este se der em momento diverso, dar-se-á: (a) Preclusão lógica; (b) Preclusão consumativa; (c) Prescrição; (d) Decadência; (e) Perempção (a alternativa b está correta, nos termos do ensinamento constante no texto principal). 41 Câmara, Lições de direito processual civil, v. 2, pp

17 17 Independem, todavia, de preparo os embargos de declaração (art. 536), o agravo retido (art. 522, parágrafo único) e o agravo nos próprios autos contra a inadmissão de recurso especial e extraordinário (CPC 544 2º). Também serão dispensados do preparo os recursos interpostos pelas Fazendas Públicas, pelo Ministério Público e pelos beneficiários da assistência judiciária (Lei 1.060/1950); os recursos interpostos nas causas que tramitam pelo Juizado da Infância e da Juventude também são isentos de preparo, nos termos do art. 141, 2º, da Lei 8.069/1990 ( Estatuto da Criança e do Adolescente ) REGULARIDADE FORMAL: No termo regularidade formal estão abrangidas a interposição do recurso por petição escrita (salvo o caso do agravo retido oral, regulado no art. 523, 3º), a formulação de pedido de reforma ou invalidação da decisão, a juntada de peças obrigatórias no agravo (art. 525, inciso I), a apresentação clara das razões recursais, a comprovação da existência do acórdão paradigma no caso do art. 541, parágrafo único, dentre outras obrigações processuais relevantes que devem ser examinadas tendo em conta o recurso especificamente. Trata-se da vala comum alusiva a todas as demais exigências gerais e específicas dos recursos. Já se admite, sem que se possa falar em irregularidade formal, a interposição de recursos por fac-símile, desde que o original seja entregue em juízo até cinco dias após o fim do prazo originalmente previsto (Lei 9.800/1999, art. 2º, caput), ainda que o fac-símile tenha sido remetido e recebido no curso desse prazo. 42 Há divergência sobre se o recurso em autos físicos pode ser interposto por , existindo julgados admitindo (STJ, Edcl SP e TST, AIRR n 1.164/ , desde que se envie o original em cinco dias) e outros recusando essa possibilidade (STJ, REsp e AgRg no Ag MG); registre-se, porém, que se estivermos diante do Processo Judicial Digital ( PROJUDI ) o recurso somente poderá ser interposto pela via eletrônica, não se admitindo o protocolo em papel (Lei /2006, art. 10). Além de tudo que foi dito, o recurso deve ser subscrito por advogado com procuração nos autos, sob pena de ser considerado inexistente, nos termos do entendimento estampado na Súmula 115, do Superior Tribunal de Justiça, que deve reger qualquer espécie de recurso, e não apenas o especial JUÍZO DE ADMISSIBILIDADE DOS RECURSOS: Vistos os requisitos de admissibilidade dos recursos, passemos ao estudo do juízo de admissibilidade dos recursos. O juízo de admissibilidade consiste no exame procedido pelo juízo a quo e pelo juízo ad quem acerca do preenchimento, pelo recorrente, dos requisitos 42 Nesse sentido: STJ, EREsp RS, Rel. Min. Teori Albino Zavascki, julgados em Nelson Luiz Pinto, Manual dos recursos cíveis, p. 225.

18 18 previstos na lei processual para admissão e processamento do recurso eventualmente interposto. Nessa oportunidade, primeiramente o juízo prolator e, em seguida, a instância superior procede rigorosa análise da obediência aos requisitos subjetivos (legitimidade e interesse) e objetivos (preparo, tempestividade, adequação etc.) relativos ao recurso interposto, podendo o mesmo ser recebido (juízo de admissibilidade positivo) ou denegado (juízo de admissibilidade negativo) JUÍZO DE ADMISSIBILIDADE POSITIVO: O juízo de admissibilidade positivo abrange o recebimento e o conhecimento do recurso interposto, para posterior investigação de mérito. Recebimento é ato do juízo de interposição, praticado antes, evidentemente, da remessa do recurso ao órgão julgador. O conhecimento é o mesmo juízo de admissibilidade positivo, mas agora levado a efeito no órgão julgador (coletivamente), imediatamente antes de examinar o seu mérito. 44 Um exemplo simples esclarecerá o que foi dito acima: numa apelação cível, o juízo a quo (juiz prolator) a receberá se presentes os pressupostos de admissibilidade, determinando a remessa ao tribunal; no tribunal, a câmara competente, se também se convencer da presença dos requisitos de admissibilidade do recurso, o conhecerá e passará ao exame de mérito, ocasião em que poderá provê-lo (dar ganho ao apelante, reformando ou anulando a sentença) ou improvê-lo (manter a sentença, dando ganho de causa ao apelado) JUÍZO DE ADMISSIBILIDADE NEGATIVO Por outro lado, pode a negação do recurso ocorrer no juízo a quo (fala-se tecnicamente em não recebimento ) ou no juízo ad quem (situação que se denomina de não conhecimento ), tendo o efeito em qualquer caso de não permitir o seguimento do recurso rumo ao julgamento de seu mérito SÚMULA IMPEDITIVA DE RECURSO: Também é uma espécie de juízo negativo do recurso de apelação a aplicação da chamada súmula impeditiva de recurso prevista no art. 518, 1º, do Código de Processo Civil. Com base em aludido preceito, o juiz deixará de receber o recurso de apelação quando a sentença estiver em conformidade com súmula do Superior Tribunal de Justiça ou do Supremo Tribunal Federal (exs.: a apelação contra a sentença 44 (8º Concurso para ingresso na Procuradoria do Estado de Goiás, questão 51) Sobre o conhecimento e o provimento de recurso é possível afirmar que: (a) São conseqüências do julgamento recursal sem diferença de conteúdo; (b) Ambos dizem respeito ao juízo de admissibilidade; (c) Só o conhecimento é juízo de admissibilidade (alternativa correta no gabarito oficial deve-se lembrar que, como dito no texto principal, conhecimento é a declaração formal do órgão colegiado de que o recurso preenche os requisitos de admissibilidade; provimento significa que o órgão julgador acolheu as razões de mérito do recurso); (d) Só o provimento é juízo de admissibilidade.

19 19 que julgou o pedido improcedente com base no entendimento consolidado na Súmula 214 do STJ 45 não será recebida; o mesmo ocorrerá com a apelação interposta contra a sentença que julgou o pedido parcialmente procedente aplicando a Súmula 246 do mesmo tribunal 46 ). Sendo assim, a par de verificar os requisitos recursais de admissibilidade tradicionais (exs.: interesse recursal, legitimidade, tempestividade, preparo etc.), o juiz de primeira instância poderá também analisar se o recurso confronta com súmula de tribunal superior para efeito de barrar a sua remessa à segunda instância. Existem dois entendimentos sobre a natureza desse exame negativo. Para Cássio Scarpinella Bueno, trata-se de parte integrante do juízo de admissibilidade (é análise de cunho formal), primeiro por interpretação gramatical, segundo porque o modelo constitucional brasileiro poderia estar sendo violado. 47 Para Luiz Rodrigues Wambier, o recurso no caso não é indeferido por ausência de pressuposto de admissibilidade, já que saber se a sentença está ou não em consonância com um entendimento sumulado pelo STF ou pelo STJ é uma questão atinente ao juízo de mérito do recurso JUÍZO NEGATIVO DE MÉRITO E PROVIMENTO MONOCRÁTICO: Atualmente, poderá também o relator, nos termos do art. 557, caput (com redação determinada pela Lei 9.756/1998), monocraticamente, negar seguimento a recurso manifestamente inadmissível (intempestividade, falta de preparo, falta de interesse etc.), improcedente, prejudicado ou em confronto com súmula ou com jurisprudência dominante do respectivo tribunal, do Supremo Tribunal Federal, ou de Tribunal Superior. A par disso, se a decisão recorrida estiver em manifesto confronto com a súmula ou com jurisprudência dominante do Supremo Tribunal Federal, ou de Tribunal Superior, o relator poderá também singularmente dar provimento ao recurso (art. 557, 1 º -A, com redação dada pela Lei 9.756/1998). Em tais casos, deve-se ver que o relator julgará monocraticamente (singularmente, isoladamente, em gabinete ) o recurso, deixando de levar os autos à apreciação colegiada na turma, câmara ou seção, o que constitui exceção em nosso sistema de julgamentos coletivos nos tribunais. As disposições aludidas aplicam-se ainda ao reexame necessário, nos termos da Súmula 253 do Superior Tribunal de Justiça. Contra estes atos do relator, caberá agravo interno no prazo de 5 (cinco) dias dirigido ao órgão colegiado competente para o julgamento do recurso originário (art. 557, 1 º ). Não havendo retratação, o relator apresentará o processo em mesa, proferindo voto. 45 O fiador na locação não responde por obrigações resultantes de aditamento ao qual não anuiu. 46 O valor do seguro obrigatório deve ser deduzido da indenização judicialmente fixada. 47 A nova etapa da reforma do código de processo civil, v. 2, p Breves comentários à nova sistemática processual civil, v. 2, p. 226.

20 20 Sendo manifestamente inadmissível ou infundado o agravo tratado acima, será possível a imposição da pena de multa entre 1% a 10% do valor corrigido da causa, ficando a interposição de qualquer outro recurso condicionada ao depósito do respectivo valor (art. 557, 2 º ). O Superior Tribunal de Justiça tem como predominante o entendimento de que as pessoas jurídicas de direito público (federal, estadual, distrital e municipal) são isentas do pagamento da multa prevista no art. 557, 2º, do Código de Processo Civil, 49 posto que tem a mesma natureza do depósito previsto no art. 488 do mesmo diploma. 10. EFEITOS DOS RECURSOS: Embora a doutrina tradicional se limite a catalogar dois efeitos dos recursos, o devolutivo e o suspensivo (os chamados efeitos da interposição), 50 modernamente tem sido obrigatoriamente comentados, além dos efeitos devolutivo e suspensivo, o impeditivo, o regressivo, substitutivo, o translativo e o expansivo. 51 Seguindo, então, essa hodierna vertente, passo à análise específica dos efeitos dos recursos EFEITO IMPEDITIVO: Fala-se na doutrina no relevante efeito impeditivo dos recursos. De fato, deve-se reconhecer que o recurso, uma vez formalizado e interposto corretamente, obstará a ocorrência da preclusão ou mesmo da coisa julgada com referência à decisão recorrida. Todos os recursos, desde que admissíveis, detém implicitamente esta importante força impeditiva da formação da res judicata, 52 sendo uma característica comum a todos eles. 53 Conforme ensinam Nery Junior e Barbosa Moreira, todavia, em rigor o recurso não impede tecnicamente o trânsito em julgado, mas apenas adia (retarda) a ocorrência desta circunstância, que é inevitável juridicamente (algum dia ocorrerá). Somente após o fim desta eficácia impeditiva será eventualmente admissível o ajuizamento da ação rescisória, passando-se a contar o prazo de 2 (dois) anos, previsto no art. 495 do Código de Processo Civil, cabendo, contudo, lembrar do entendimento pacificado na Súmula 401 do Superior Tribunal de Justiça ( O prazo decadencial da ação rescisória só se inicia quando não for cabível qualquer recurso do último pronunciamento judicial ) EFEITO DEVOLUTIVO: 49 Nesse sentido: STJ, EREsp PR, julgado em , EREsp RJ e EREsp PR. 50 Nesse sentido: Amaral Santos (Primeiras linhas de direito processual civil, v. 3, p. 98) e Theodoro Júnior (Curso de direito processual civil, v. 1, p. 565). 51 Cf. Nery Junior, Código de processo civil comentado, 2006, pp Câmara, Lições de direito processual civil, v. 2, p Orotavo Neto, Dos recursos cíveis, p. 81.

PRESSUPOSTOS SUBJETIVOS DE ADMISSIBILIDADE RECURSAL: - Possui legitimidade para recorrer quem for parte na relação jurídica processual.

PRESSUPOSTOS SUBJETIVOS DE ADMISSIBILIDADE RECURSAL: - Possui legitimidade para recorrer quem for parte na relação jurídica processual. PRESSUPOSTOS SUBJETIVOS DE ADMISSIBILIDADE RECURSAL: - Legitimidade - art. 499 CPC: - Possui legitimidade para recorrer quem for parte na relação jurídica processual. Preposto é parte? Pode recorrer? NÃO.

Leia mais

AGRAVO DE INSTRUMENTO: Conceito: é o recurso adequado para a impugnação das decisões que denegarem seguimento a outro recurso.

AGRAVO DE INSTRUMENTO: Conceito: é o recurso adequado para a impugnação das decisões que denegarem seguimento a outro recurso. AGRAVO DE INSTRUMENTO: Conceito: é o recurso adequado para a impugnação das decisões que denegarem seguimento a outro recurso. Por que se diz instrumento: a razão pela qual o recurso se chama agravo de

Leia mais

Ambos os recursos de estrito direito têm a sua causa de pedir prevista na Constituição Federal

Ambos os recursos de estrito direito têm a sua causa de pedir prevista na Constituição Federal Interposição: perante o órgão prolator da decisão Recurso Especial Nomenclatura: REsp Competência: Superior Tribunal de Justiça STJ Prazo para interposição 15 dias; Recurso Extraordinário Nomenclatura:

Leia mais

Com a citada modificação, o artigo 544, do CPC, passa a vigorar com a seguinte redação:

Com a citada modificação, o artigo 544, do CPC, passa a vigorar com a seguinte redação: O NOVO AGRAVO CONTRA DESPACHO DENEGATÓRIO DE RECURSO EXTRAORDINÁRIO E ESPECIAL 2011-06-15 Alexandre Poletti A Lei nº 12.322/2010, que alterou os artigos 544 e 545 do CPC, acabou com o tão conhecido e utilizado

Leia mais

ALEKSANDER MENDES ZAKIMI Advogado militante; Mestrando em Direito Difusos e Coletivos pela UNIMES; Especialista em Direito Processual Civil

ALEKSANDER MENDES ZAKIMI Advogado militante; Mestrando em Direito Difusos e Coletivos pela UNIMES; Especialista em Direito Processual Civil Curso: Recurso de Embargos de Declaração e Agravo no Processo Civil Sistemática do CPC Vigente e do Novo CPC ALEKSANDER MENDES ZAKIMI Advogado militante; Mestrando em Direito Difusos e Coletivos pela UNIMES;

Leia mais

EMBARGOS DECLARATÓRIOS - EDCL.

EMBARGOS DECLARATÓRIOS - EDCL. 1. Conceito EMBARGOS DECLARATÓRIOS - EDCL. Os embargos de declaração ou embargos declaratórios, doravante denominados EDcl., visam aperfeiçoar as decisões judiciais, propiciando uma tutela jurisdicional

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa

ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa Agravo de Instrumento n 2 073.2012.001287-4 /001 Relator: Des. José Di Lorenzo Serpa Agravante: Marina Jacaré Clube Advogado:

Leia mais

2 FASE DIREITO CIVIL ESTUDO DIRIGIDO DE PROCESSO CIVIL 2. Prof. Darlan Barroso - GABARITO

2 FASE DIREITO CIVIL ESTUDO DIRIGIDO DE PROCESSO CIVIL 2. Prof. Darlan Barroso - GABARITO Citação 2 FASE DIREITO CIVIL ESTUDO DIRIGIDO DE PROCESSO CIVIL 2 Prof. Darlan Barroso - GABARITO 1) Quais as diferenças na elaboração da petição inicial do rito sumário e do rito ordinário? Ordinário Réu

Leia mais

XV Exame de Ordem 2ª Fase OAB Civil - ProfessorAoVivo Qual a peça Juquinha? Prof. Darlan Barroso

XV Exame de Ordem 2ª Fase OAB Civil - ProfessorAoVivo Qual a peça Juquinha? Prof. Darlan Barroso XV Exame de Ordem 2ª Fase OAB Civil - ProfessorAoVivo Qual a peça Juquinha? Prof. Darlan Barroso 2ª Fase OAB - Civil Juquinha Junior, representado por sua genitora Ana, propôs ação de investigação de paternidade

Leia mais

MANUAL DOS PRAZOS PROCESSUAIS: A CONTAGEM DOS PRAZOS NO NOVO CPC 1. MUDANÇAS GERAIS APLICÁVEIS A TODOS OS PRAZOS PROCESSUAIS:

MANUAL DOS PRAZOS PROCESSUAIS: A CONTAGEM DOS PRAZOS NO NOVO CPC 1. MUDANÇAS GERAIS APLICÁVEIS A TODOS OS PRAZOS PROCESSUAIS: MANUAL DOS PRAZOS PROCESSUAIS: A CONTAGEM DOS PRAZOS NO NOVO CPC 1. MUDANÇAS GERAIS APLICÁVEIS A TODOS OS PRAZOS PROCESSUAIS: Mudança no modo de contagem dos prazos: A partir do novo CPC, os prazos processuais

Leia mais

PEDIDO DE VISTA NA INDICAÇÃO Nº 022/2012, RELATIVA AO PROJETO DE LEI Nº 2963/11, DE RELATORIA DO DR. IVAN NUNES FERREIRA.

PEDIDO DE VISTA NA INDICAÇÃO Nº 022/2012, RELATIVA AO PROJETO DE LEI Nº 2963/11, DE RELATORIA DO DR. IVAN NUNES FERREIRA. PEDIDO DE VISTA NA INDICAÇÃO Nº 022/2012, RELATIVA AO PROJETO DE LEI Nº 2963/11, DE RELATORIA DO DR. IVAN NUNES FERREIRA. VOTO DE VISTA: FAUZI AMIM SALMEM PELA APROVAÇÃO DO RELATÓRIO, COM AS SEGUINTES

Leia mais

(ambas sem procuração).

(ambas sem procuração). ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa AGRAVO DE INSTRUMENTO N. 001.2009.006097-9 / 001 Relator: Des. José Di Lorenzo Serpa. Agravante: Itatj Seguros S/A. Advogado:

Leia mais

2ª FASE OAB CIVIL Direito Processual Civil Prof. Renato Montans Aula online. EMBARGOS INFRINGENTES (Art. 530 534 do CPC)

2ª FASE OAB CIVIL Direito Processual Civil Prof. Renato Montans Aula online. EMBARGOS INFRINGENTES (Art. 530 534 do CPC) 2ª FASE OAB CIVIL Direito Processual Civil Prof. Renato Montans Aula online EMBARGOS INFRINGENTES (Art. 530 534 do CPC) Cabe de acórdão não unânime por 2x1 3 modalidades: a) Julgamento da apelação b) Julgamento

Leia mais

PAINEL 2 Ações de Nulidade e Infrações e seu Cabimento: Estratégias no Cenário Brasileiro. Guilherme Bollorini Pereira 19 de agosto de 2013

PAINEL 2 Ações de Nulidade e Infrações e seu Cabimento: Estratégias no Cenário Brasileiro. Guilherme Bollorini Pereira 19 de agosto de 2013 PAINEL 2 Ações de Nulidade e Infrações e seu Cabimento: Estratégias no Cenário Brasileiro Guilherme Bollorini Pereira 19 de agosto de 2013 Esse pequeno ensaio tem por objetivo elaborar um estudo a respeito

Leia mais

Na prática, não há distinção entre objeção substancial e processual.

Na prática, não há distinção entre objeção substancial e processual. Turma e Ano: Direito Público I (2013) Matéria / Aula: Processo Civil / Aula 22 Professor: Edward Carlyle Monitora: Carolina Meireles (continuação) Exceções No Direito Romano, exceção era no sentido amplo

Leia mais

CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO Rafael Carvalho Rezende Oliveira 2ª para 3ª edição

CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO Rafael Carvalho Rezende Oliveira 2ª para 3ª edição A 3ª edição do livro CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO foi atualizada com o texto do PL de novo CPC enviado pelo Congresso Nacional à sanção presidencial em 24.02.2015. Em razão da renumeração dos artigos

Leia mais

SEMINÁRIO - O PODER JUDICIÁRIO E O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL ENUNCIADOS APROVADOS

SEMINÁRIO - O PODER JUDICIÁRIO E O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL ENUNCIADOS APROVADOS 1) Entende-se por fundamento referido no art. 10 do CPC/2015 o substrato fático que orienta o pedido, e não o enquadramento jurídico atribuído pelas partes. 2) Não ofende a regra do contraditório do art.

Leia mais

RECURSO ORDINÁRIO: O artigo 895 parece ser taxativo, em suas alíneas a) e b) ao afirmarem que é cabível o recurso de revista quando:

RECURSO ORDINÁRIO: O artigo 895 parece ser taxativo, em suas alíneas a) e b) ao afirmarem que é cabível o recurso de revista quando: RECURSO ORDINÁRIO: Está previsto no artigo 893 da Consolidação das Leis do trabalho e é disciplinado no artigo 895 da mesma lei. Pode ser interposto, no prazo de 8 dias, tanto das sentenças terminativas,

Leia mais

DECISÃO MONOCRÁTICA. Lei n. 12.016/2009, tirado contra a autoridade coatora, ilibado. desembargador Melo Colombi, haja vista que ao ser julgado seu

DECISÃO MONOCRÁTICA. Lei n. 12.016/2009, tirado contra a autoridade coatora, ilibado. desembargador Melo Colombi, haja vista que ao ser julgado seu fls. 73 Registro: 2014.0000596141 VOTO Nº 12525 Mandado de Segurança nº 2164775-13.2014.8.26.0000 Relator(a): Carlos Abrão Comarca: São Paulo (1ª Vara Cível - Foro Regional de Pinheiros) Impetrante: Silvy

Leia mais

Nº 70020131579 COMARCA DE PORTO ALEGRE BANCO DO BRASIL S/A MARINA HELENA ALENCASTRO

Nº 70020131579 COMARCA DE PORTO ALEGRE BANCO DO BRASIL S/A MARINA HELENA ALENCASTRO AÇÃO DE INDENIZAÇÃO. LITISCONSÓRCIO PASSIVO. SENTENÇA DE PARCIAL PROCEDENCIA, CONDENANDO APENAS UMA DAS PARTES DEMANDADAS. NÃO INCIDÊNCIA DO ART. 191, DO CDC. SÚMULA 641, DO STF. PRAZO SIMPLES PARA RECORRER.

Leia mais

SUMÁRIO CAPÍTULO I FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO... 19 CAPÍTULO II - DO PROCESSO CIVIL... 39

SUMÁRIO CAPÍTULO I FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO... 19 CAPÍTULO II - DO PROCESSO CIVIL... 39 SUMÁRIO Apresentação da Coleção...15 CAPÍTULO I FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO... 19 1. Antecedentes históricos da função de advogado...19 2. O advogado na Constituição Federal...20 3. Lei de regência da

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL O Município Beta instituiu por meio de lei complementar, publicada em 28 de dezembro de 2012, Taxa de Iluminação Pública (TIP). A lei complementar previa que os proprietários

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA GAB. DES. ABRAHAM LINCOLN DA CUNHA RAMOS

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA GAB. DES. ABRAHAM LINCOLN DA CUNHA RAMOS PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA GAB. DES. ABRAHAM LINCOLN DA CUNHA RAMOS AGRAVO DE INSTRUMENTO N 999.2013.000251-5/001 RELATOR : Des. Abraham Lincoln da Cunha Ramos AGRAVANTE : Diretor

Leia mais

SUMÁRIO NOTA DO AUTOR À TERCEIRA EDIÇÃO

SUMÁRIO NOTA DO AUTOR À TERCEIRA EDIÇÃO SUMÁRIO NOTA DO AUTOR À TERCEIRA EDIÇÃO... 15 PREFÁCIO... 17 INTRODUÇÃO... 19 Capítulo I FLEXIBILIZAÇÃO... 21 1.1. Definição... 21 1.2. Flexibilização da norma... 23 1.3. Flexibilizar a interpretação e

Leia mais

PROCEDIMENTO. Classificação do procedimento Comum: rito ordinário e rito sumário Especial: de jurisdição contenciosa e de jurisdição voluntária

PROCEDIMENTO. Classificação do procedimento Comum: rito ordinário e rito sumário Especial: de jurisdição contenciosa e de jurisdição voluntária Turma e Ano: Direito Público I (2013) Matéria / Aula: Processo Civil / Aula 20 Professor: Edward Carlyle Monitora: Carolina Meireles PROCEDIMENTO Conceito Corrente clássica: é uma forma material com que

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINETE DESEMBARGADOR RAIMUNDO NONATO SILVA SANTOS

ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINETE DESEMBARGADOR RAIMUNDO NONATO SILVA SANTOS fls. 122 Processo: 0135890-46.2012.8.06.0001 - Apelação Apelante: Sindicato dos Guardas Municipais da Região Metrolitana de Fortaleza - SINDIGUARDAS Apelado: Município de Fortaleza Vistos etc. DECISÃO

Leia mais

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL 1 PROCESSO PENAL PROCESSO PENAL PONTO 1: Princípios dos Juizados Especiais Criminais PONTO 2: Objetivos PONTO 3: Competência PONTO 4: Fase Policial PONTO 5: Fase Judicial PONTO 6: Recursos PONTO 7: Atos

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB PADRÃO DE RESPOSTAS PEÇA PROFISSIONAL Contratado pela empresa Clínica das Amendoeiras, em razão de uma reclamação trabalhista proposta em 12.12.2012 pela empregada Jussara Péclis (número 1146-63.2012.5.18.0002,

Leia mais

CONTROLE CONCENTRADO

CONTROLE CONCENTRADO Turma e Ano: Direito Público I (2013) Matéria / Aula: Direito Constitucional / Aula 11 Professor: Marcelo L. Tavares Monitora: Carolina Meireles CONTROLE CONCENTRADO Ação Direta de Inconstitucionalidade

Leia mais

1) (OAB137) José alienou a Antônio um veículo anteriormente adquirido de Francisco. Logo depois, Antônio foi citado em ação proposta por Petrônio, na

1) (OAB137) José alienou a Antônio um veículo anteriormente adquirido de Francisco. Logo depois, Antônio foi citado em ação proposta por Petrônio, na 1) (OAB137) José alienou a Antônio um veículo anteriormente adquirido de Francisco. Logo depois, Antônio foi citado em ação proposta por Petrônio, na qual este reivindicava a propriedade do veículo adquirido

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS FACULDADE DE DIREITO Direito Processual do Trabalho Profª. Ms. Tatiana Riemann

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS FACULDADE DE DIREITO Direito Processual do Trabalho Profª. Ms. Tatiana Riemann TEORIA GERAL DOS RECURSOS TRABALHISTAS Recurso meio voluntário de impugnação de decisões judiciais, interno ao processo, que visa a reforma, a anulação ou ao aprimoramento da decisão atacada. (Luiz Guilherme

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.374.048 - RS (2013/0073161-8) RELATOR RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO HUMBERTO MARTINS : FAZENDA NACIONAL : PROCURADORIA-GERAL DA FAZENDA NACIONAL : EMERSON DA SILVA

Leia mais

ACÓRDÃO. Salles Rossi RELATOR Assinatura Eletrônica

ACÓRDÃO. Salles Rossi RELATOR Assinatura Eletrônica fls. 1 ACÓRDÃO Registro: 2012.0000382774 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0001561-08.2012.8.26.0562, da Comarca de Santos, em que é apelante PLANO DE SAÚDE ANA COSTA LTDA, é apelado

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB PADRÃO DE RESPOSTAS PEÇA PROFISSIONAL : Fábio é universitário, domiciliado no Estado K e pretende ingressar no ensino superior através de nota obtida pelo Exame Nacional, organizado pelo Ministério da

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.228.778 - MT (2010/0217471-4) RELATOR RECORRENTE RECORRIDO RECORRIDO : MINISTRO SIDNEI BENETI : WANDER CARLOS DE SOUZA : SÉRGIO DONIZETE NUNES : GILBERTO LUIZ DE REZENDE : DANIELA

Leia mais

PODER JUDICIáRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO

PODER JUDICIáRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO PARTE A ADV/PROC PARTE R REPTE ORIGEM RELATOR : JORGEVALDO ROBINSTON DE MOURA : FÁBIO CORREA RIBEIRO E OUTROS : INSS INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL : PROCURADORIA REPRESENTANTE DA ENTIDADE : JUÍZO

Leia mais

*00741706* Vistos, relatados e discutidos estes autos de. APELAÇÃO CÍVEL n 200.7 61-5/9-00, da Comarca de GUARULHOS, em

*00741706* Vistos, relatados e discutidos estes autos de. APELAÇÃO CÍVEL n 200.7 61-5/9-00, da Comarca de GUARULHOS, em / TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO h ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRÁTICA REGISTRADO(A) SOB N *00741706* Vistos, relatados e discutidos estes autos de APELAÇÃO CÍVEL n 200.7 61-5/9-00, da Comarca de GUARULHOS,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO. Gabinete da Desembargadora Elizabeth Maria da Silva

PODER JUDICIÁRIO. Gabinete da Desembargadora Elizabeth Maria da Silva APELAÇÃO CÍVEL Nº 481605-21.2009.8.09.0143 (200994816057) COMARCA DE SÃO MIGUEL DO ARAGUAIA 4ª CÂMARA CÍVEL APELANTES : ADEMIR CARDOSO DOS SANTOS E OUTRA APELADO : MINISTÉRIO PÚBLICO RELATOR : Juiz SÉRGIO

Leia mais

Poder Judiciário do Estado da Paraíba Tribunal de Justiça Gabinete do Desembargador Marcos A. Souto Maior

Poder Judiciário do Estado da Paraíba Tribunal de Justiça Gabinete do Desembargador Marcos A. Souto Maior Poder Judiciário do Estado da Paraíba Tribunal de Justiça Gabinete do Desembargador Marcos A. Souto Maior DECISÃO APELAÇÃO CIVEL N 048.2003.001021-8/001 CUITEGI RELATOR: Juíza Maria das Neves do Egito

Leia mais

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO José Afonso da Silva 1. A controvérsia 1. A condenação, pelo Supremo Tribunal Federal, na Ação Penal 470, de alguns deputados federais tem suscitado dúvidas relativamente

Leia mais

MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR

MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR : MIN. GILMAR MENDES REQUERENTE(S) : PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA REQUERIDO(A/S) : UNIÃO ADVOGADO(A/S) : ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO REQUERIDO(A/S) :

Leia mais

Ensino Fundamental com 9 anos de duração - Idade de Ingresso

Ensino Fundamental com 9 anos de duração - Idade de Ingresso Ensino Fundamental com 9 anos de duração - Idade de Ingresso A respeito da idade de ingresso das crianças, no ensino fundamental de 9 anos de duração, ocorreram acaloradas discussões na esfera educacional

Leia mais

PROCESSO Nº TST-RR-144000-70.2005.5.15.0036 - FASE ATUAL: E-ED

PROCESSO Nº TST-RR-144000-70.2005.5.15.0036 - FASE ATUAL: E-ED A C Ó R D Ã O SESBDI-1 VMF/ots/pcp/mmc RECURSO DE EMBARGOS EM RECURSO DE REVISTA IRREGULARIDADE DE REPRESENTAÇÃO ALTERAÇÃO DA RAZÃO SOCIAL DA EMPRESA NOVO MANDATO NECESSIDADE SÚMULA Nº 164 DO TST. Embora

Leia mais

Curso Preparatório para o Concurso Público do TRT 12. Noções de Direito Processual Civil Aula 1 Prof. Esp Daniel Teske Corrêa

Curso Preparatório para o Concurso Público do TRT 12. Noções de Direito Processual Civil Aula 1 Prof. Esp Daniel Teske Corrêa Curso Preparatório para o Concurso Público do TRT 12 Noções de Direito Processual Civil Aula 1 Prof. Esp Daniel Teske Corrêa Sumário Jurisdição Competência Ação Partes, Ministério Público e Intervenção

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO fls. 200 Registro: 2014.0000390320 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Agravo de Instrumento nº 2044896-12.2014.8.26.0000, da Comarca de Franca, em que é agravante MINISTÉRIO PÚBLICO

Leia mais

P O D E R J U D I C I Á R I O

P O D E R J U D I C I Á R I O Registro: 2013.0000791055 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0024907-79.2012.8.26.0564, da Comarca de São Bernardo do Campo, em que é apelante CRIA SIM PRODUTOS DE HIGIENE

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2015 R E S O L V E:

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2015 R E S O L V E: ESTADO DO PARANÁ INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2015 O Desembargador Fernando Wolff Bodziak, 2º Vice-Presidente e Supervisor-Geral dos Juizados Especiais, no uso de suas atribuições legais e CONSIDERANDO o

Leia mais

PETIÇÃO INICIAL (CPC 282)

PETIÇÃO INICIAL (CPC 282) 1 PETIÇÃO INICIAL (CPC 282) 1. Requisitos do 282 do CPC 1.1. Endereçamento (inciso I): Ligado a competência, ou seja, é imprescindível que se conheça as normas constitucionais de distribuição de competência,

Leia mais

Os Honorários Advocatícios e o Novo CPC: Sucumbência Recursal

Os Honorários Advocatícios e o Novo CPC: Sucumbência Recursal FLÁVIO CHEIM JORGE Mestre e Doutor em Direitos Difusos e Coletivos pela PUC/SP Sócio de Cheim Jorge & Abelha Rodrigues - Advogados Associados Os Honorários Advocatícios e o Novo CPC: Sucumbência Recursal

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete da Desembargadora Federal Margarida Cantarelli

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete da Desembargadora Federal Margarida Cantarelli APELAÇÃO CÍVEL Nº 550822-PE (2001.83.00.010096-5) APTE : INSS - INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL REPTE : PROCURADORIA REPRESENTANTE DA ENTIDADE APDO : LUZIA DOS SANTOS SANTANA ADV/PROC : SEM ADVOGADO/PROCURADOR

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 09 /2008

RESOLUÇÃO Nº. 09 /2008 1 RESOLUÇÃO Nº. 09 /2008 Dispõe sobre o Regimento Interno da Junta Recursal do Programa Estadual de Proteção e Defesa ao Consumidor JURDECON e dá outras providências. O Colégio de Procuradores de Justiça

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL DO TRABALHO CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO

PROCURADORIA-GERAL DO TRABALHO CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO Origem: PRT da 4ª Região Órgão Oficiante: Dr. Roberto Portela Mildner Interessado 1: Sindicato dos Bancários de Porto Alegre e Região. Interessado 2: Banco Bradesco S/A. Assuntos: Meio ambiente do trabalho

Leia mais

autoridade consular brasileira competente, quando homologação de sentença estrangeira: (...) IV - estar autenticada pelo cônsul brasileiro e

autoridade consular brasileira competente, quando homologação de sentença estrangeira: (...) IV - estar autenticada pelo cônsul brasileiro e COMPARATIVO ENTRE A RESOLUÇÃO N. 9 E A EMENDA REGIMENTAL N. 18 DO STJ EMENDA REGIMENTAL N. 18 (2014) RESOLUÇÃO N. 9 (2005) Art. 1º O Regimento Interno do Superior Tribunal de Justiça passa a vigorar acrescido

Leia mais

AGRAVO Nº 831. JOÃO DOMINGOS KUSTER PUPPI RELATORA DESIGNADA : JUÍZA SUBST. 2º G. DENISE KRÜGER PEREIRA

AGRAVO Nº 831. JOÃO DOMINGOS KUSTER PUPPI RELATORA DESIGNADA : JUÍZA SUBST. 2º G. DENISE KRÜGER PEREIRA AGRAVO Nº 831.160-0/01, DE MEDIANEIRA - VARA CÍVEL E ANEXOS AGRAVANTE : COMPANHIA EXCELSIOR DE SEGUROS AGRAVADOS : DORIVAL ASSIS DE SOUZA E OUTROS RELATOR ORIGINÁRIO : DES. JOÃO DOMINGOS KUSTER PUPPI RELATORA

Leia mais

Manual de Rotinas do Procedimento Cível Comum Ordinário. Protocolo

Manual de Rotinas do Procedimento Cível Comum Ordinário. Protocolo 29 Protocolo 2. DISTRIBUIÇÃO A previsão legal dos atos de distribuição e registro está no Código de Processo Civil, nos artigos 251 a 257. A distribuição tem a função de dividir os processos entre juízos

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A competência nos pedidos de adoção, guarda e tutela Rogério Medeiros Garcia de Lima* 1. INTRODUÇÃO A vigência do novel Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei federal 8.069, de

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 972.075 - SC (2007/0178356-6) RELATOR : MINISTRO TEORI ALBINO ZAVASCKI ADVOGADO : DANTE AGUIAR AREND E OUTRO(S) EMENTA PROCESSUAL CIVIL E TRIBUTÁRIO. RECURSO ESPECIAL. VIOLAÇÃO AO ART.

Leia mais

TABELA DE RESPOSTA DAS QUESTÕES OBJETIVAS (questões 1 a 5) Respostas. a b c d e

TABELA DE RESPOSTA DAS QUESTÕES OBJETIVAS (questões 1 a 5) Respostas. a b c d e CURSO: Direito DISCIPLINA: Execução Trabalhista e Procedimentos Especiais DATA: 29/05/2013 PROF.: Marcelo Gerard AVALIAÇÃO - NP2 Constam desta avaliação 6 (seis) questões, no valor de um ponto cada. As

Leia mais

ACÓRDÃO 0000197-02.2012.5.04.0000 AGR Fl.1

ACÓRDÃO 0000197-02.2012.5.04.0000 AGR Fl.1 0000197-02.2012.5.04.0000 AGR Fl.1 EMENTA: AGRAVO REGIMENTAL. Inexiste fudamento relevante nem que do ato impugnado possa resultar a ineficácia da medida, conforme descrito no inciso III do art. 7º da

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Decisão sobre Repercussão Geral Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 10 29/11/2012 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 692.186 PARAÍBA RELATOR RECTE.(S) RECTE.(S) RECTE.(S)

Leia mais

NOÇÕES GERAIS SOBRE O RECURSO DE AGRAVO. Ailza Santos Silva Estagiária em Direito

NOÇÕES GERAIS SOBRE O RECURSO DE AGRAVO. Ailza Santos Silva Estagiária em Direito NOÇÕES GERAIS SOBRE O RECURSO DE AGRAVO Ailza Santos Silva Estagiária em Direito O agravo, como bem conceitua o Prof. Humberto Theodoro Júnior, é o recurso cabível contra as decisões interlocutórias (art.

Leia mais

CURSO DE DIREITO. B. Quanto ao momento: principal ou adesivo. C. Quanto à fundamentação: livre ou vinculada

CURSO DE DIREITO. B. Quanto ao momento: principal ou adesivo. C. Quanto à fundamentação: livre ou vinculada CURSO DE DIREITO CURSO DE APERFEIÇOAMENTO MÓDULO: TÓPICOS GERAIS DE DIREITO PROCESSUAL CIVIL II PROFª DRª MONICA LUCIA CAVALCANTI DE ALBUQUERQUE DUARTE MARIZ-NÓBREGA EMENTA: Teoria Geral dos Recursos e

Leia mais

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 2ª TURMA RECURSAL JUÍZO C

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 2ª TURMA RECURSAL JUÍZO C JUIZADO ESPECIAL (PROCESSO ELETRÔNICO) Nº201070510020004/PR RELATORA : Juíza Andréia Castro Dias RECORRENTE : LAURO GOMES GARCIA RECORRIDO : UNIÃO FAZENDA NACIONAL V O T O Dispensado o relatório, nos termos

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XV EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XV EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Em 2003, João ingressou como sócio da sociedade D Ltda. Como já trabalhava em outro local, João preferiu não participar da administração da sociedade. Em janeiro

Leia mais

TURMA RECURSAL ÚNICA J. S. Fagundes Cunha Presidente Relator

TURMA RECURSAL ÚNICA J. S. Fagundes Cunha Presidente Relator RECURSO INOMINADO Nº 2006.3281-7/0, DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL DA COMARCA DE FAZENDA RIO GRANDE RECORRENTE...: EDITORA ABRIL S/A RECORRIDO...: RAFAELA GHELLERE DAL FORNO RELATOR...: J. S. FAGUNDES CUNHA

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO SEGUNDO TRIBUNAL DE ALÇADA CIVIL DÉCIMA CÂMARA

PODER JUDICIÁRIO SEGUNDO TRIBUNAL DE ALÇADA CIVIL DÉCIMA CÂMARA APELAÇÃO COM REVISÃO N º 641.562-0/7 CAMPINAS Apelante: Lafontes Seguros Administração e Corretora de Seguros S. C. Ltda. Apelada : Margarida da Cunha Santos AÇÃO DE COBRANÇA. EMBARGOS À EXECUÇÃO. CERCEAMENTO

Leia mais

EMBARGOS INFRINGENTES. ECA. ADOÇÃO.

EMBARGOS INFRINGENTES. ECA. ADOÇÃO. Acórdãos ADOÇÃO Processo 599313269 Quarto Grupo de Câmaras Cíveis Relator: Des. Alzir Felippe Shmitz Consentimento 70001166131 Relatora: Desa. Maria Berenice Dias Consentimento 599024858 2ª Câmara de Férias

Leia mais

(continuação) Moderna (Didier): questões de admissibilidade ao julgamento do mérito e questões de mérito.

(continuação) Moderna (Didier): questões de admissibilidade ao julgamento do mérito e questões de mérito. Turma e Ano: Direito Público I (2013) Matéria / Aula: Processo Civil / Aula 23 Professor: Edward Carlyle Monitora: Carolina Meireles (continuação) Objeto da Cognição (conhecimento do juiz) Teoria tradicional:

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE 10ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE NATAL

PODER JUDICIÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE 10ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE NATAL \d \w1215 \h1110 FINCLUDEPICTURE "brasoes\\15.bmp" MERGEFORMAT PODER JUDICIÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE 10ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE NATAL Processo n. 001.08.020297-8 Ação: Ação Civil Pública Autor: Ministério

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA SÉTIMA CÂMARA CÍVEL

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA SÉTIMA CÂMARA CÍVEL TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA SÉTIMA CÂMARA CÍVEL Agravo de Instrumento nº 0052654-08.2013.8.19.0000 Agravante: Município de Armação de Búzios Agravado: Lidiany da Silva Mello

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.084.748 - MT (2008/0194990-5) RELATOR RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO SIDNEI BENETI : AGRO AMAZÔNIA PRODUTOS AGROPECUÁRIOS LTDA : DÉCIO JOSÉ TESSARO E OUTRO(S) :

Leia mais

TURMA RECURSAL ÚNICA J. S. Fagundes Cunha Presidente Relator

TURMA RECURSAL ÚNICA J. S. Fagundes Cunha Presidente Relator RECURSO INOMINADO nº 2006.0003375-3/0, DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL DA COMARCA DE APUCARANA Recorrente...: ROVIGO INDUSTRIA E COMERCIO DE CONFECÇÕES LTDA Recorrida...: FINASA LEASING ARRENDAMENTO MERCANTIL

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.054.847 - RJ (2008/0099222-6) RELATOR RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO REPR. POR RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO LUIZ FUX : TEREZINHA FUNKLER : LÍDIA MARIA SCHIMMELS E OUTRO(S) : BANCO

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal )1( oãdróca atneme86242 DE-SM Diário da Justiça de 09/06/2006 03/05/2006 TRIBUNAL PLENO RELATOR : MIN. GILMAR MENDES EMBARGANTE(S) : UNIÃO ADVOGADO(A/S) : ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO EMBARGADO(A/S) : FERNANDA

Leia mais

EMENTA ACÓRDÃO. LUÍSA HICKEL GAMBA Relatora

EMENTA ACÓRDÃO. LUÍSA HICKEL GAMBA Relatora INCIDENTE DE UNIFORMIZAÇÃO JEF Nº 2005.70.53.001322-8/PR RELATOR : Juiz D.E. Publicado em 20/02/2009 EMENTA ADMINISTRATIVO. SERVIDOR PUBLICO. ADICIONAL POR TEMPO DE SERVIÇO. ANUÊNIOS SUBSTITUÍDOS POR QÜINQÜÊNIOS.

Leia mais

TEORIA GERAL DOS RECURSOS

TEORIA GERAL DOS RECURSOS TEORIA GERAL DOS RECURSOS PRINCÍPIOS RECURSAIS FUNGIBILIDADE Também chamado de princípio da conversibilidade ou da instrumentalidade das formas, uma vez que sobreleva o conteúdo do recurso ao seu aspecto

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça EDcl no MANDADO DE SEGURANÇA Nº 13.873 - DF (2008/0219759-2) RELATOR EMBARGANTE ADVOGADA EMBARGADO PROCURADOR : MINISTRO MAURO CAMPBELL MARQUES : INSTITUTO NOSSA SENHORA DO CARMO : PRISCILLA TRUGILLO MONELLO

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO Registro: 2013.0000209289 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0017770-14.2003.8.26.0224, da Comarca de Guarulhos, em que é apelante/apelado HSBC SEGUROS ( BRASIL ) S/A, são

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.190.426 - SP (2010/0068750-3) RELATOR RECORRENTE ADVOGADO RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO HUMBERTO MARTINS : MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA : JOÃO FERNANDO ALVES

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 963.454 - SC (2007/0143805-5) RELATOR RECORRENTE ADVOGADOS RECORRIDO PROCURADOR INTERES. : MINISTRO PAULO DE TARSO SANSEVERINO : LIBERTY PAULISTA SEGUROS S/A : SÉRGIO ALEXANDRE SODRÉ

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO Registro: 2013.0000172403 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0021434-36.2009.8.26.0000, da Comarca de São Paulo,

Leia mais

Curso Resultado. Jurisprudência ordenada por matérias e assuntos Processo Civil

Curso Resultado. Jurisprudência ordenada por matérias e assuntos Processo Civil Curso Resultado Jurisprudência ordenada por matérias e assuntos Processo Civil Atualizado em 18 de dezembro de 2015 Sumário Ação coletiva / civil pública Ação contra seguradora Ação de adjudicação compulsória

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Seção de São Paulo SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA STJ. Atualizado em 08/09/2015

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Seção de São Paulo SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA STJ. Atualizado em 08/09/2015 SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA STJ Atualizado em 08/09/2015 RESOLUÇÃO STJ/GP N. 3 DE 5 DE FEVEREIRO DE 2015. Dispõe sobre o pagamento de custas judiciais e porte de remessa e retorno de autos no âmbito do

Leia mais

TURMA RECURSAL ÚNICA J. S. Fagundes Cunha Presidente Relator

TURMA RECURSAL ÚNICA J. S. Fagundes Cunha Presidente Relator MANDADO DE SEGURANÇA Nº 2006.0003477-9/0, DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL DA COMARCA DE PITANGA IMPETRANTE...: JOÃO OLÍVIO BENTO DA SILVA AUTORIDADE COATORA...: JUIZ DE DIREITO DO JUIZADO ESPECIAL DA COMARCA

Leia mais

Processo Civil Esquema de aula Teoria Geral dos Recursos. Prof. Fredie Didier Jr.

Processo Civil Esquema de aula Teoria Geral dos Recursos. Prof. Fredie Didier Jr. Processo Civil Esquema de aula Teoria Geral dos Recursos. Prof. Fredie Didier Jr. 1. Considerações sobre o sistema recursal do CPC/73 em confronto com o do CPC/39. 2. O princípio do duplo grau de jurisdição.

Leia mais

PROCESSO Nº TST-RR-120600-94.2009.5.06.0017. A C Ó R D Ã O (8ª Turma) GMDMC/Rd/cb/sr

PROCESSO Nº TST-RR-120600-94.2009.5.06.0017. A C Ó R D Ã O (8ª Turma) GMDMC/Rd/cb/sr A C Ó R D Ã O (8ª Turma) GMDMC/Rd/cb/sr A) AGRAVO DE INSTRUMENTO EM RECURSO DE REVISTA. CONTRATO POR PRAZO DETERMINADO. RESCISÃO ANTECIPADA. MULTA DE 40% SOBRE O FGTS. ART. 14 DO DECRETO Nº 99.684/90.

Leia mais

i iiiiii uni uni mil uni mil mil mil llll llll

i iiiiii uni uni mil uni mil mil mil llll llll sajfâu PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO 397 ACÓRDÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SAC>PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA REGISTRADO(A) SOB N i iiiiii uni uni mil uni mil mil mil llll llll Vistos,

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa

ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa APELAÇÃO E RECURSO ADESIVO N. 2001997051712-0/001 Relator Des. José Di Lorenzo Serpa 1 Apelante Banco do Nordeste do Brasil

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Agravo de instrumento - efeito ativo Edino Jales * I - Intróito: A par da reforma que se vem empreendendo no processo civil brasileiro, a qual, proficuamente, está sendo desenvolvida

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo fls. 91 Registro: 2014.0000560120 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 4008523-94.2013.8.26.0577, da Comarca de São José dos Campos, em que é apelante ULYSSES PINTO NOGUEIRA,

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0024.05.871804-0/002 Númeração 8718040- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) Fernando Caldeira Brant Des.(a) Fernando Caldeira Brant 28/02/2013 05/03/2013

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gab. Des. Saulo Henriques de Sá e Benevides. Vistos, etc.

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gab. Des. Saulo Henriques de Sá e Benevides. Vistos, etc. ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gab. Des. Saulo Henriques de Sá e Benevides APELAÇÃO CÍVEL n 2 073.2003.012900-8/001 Comarca de Cabedelo RELATOR: João Benedito da Silva Juiz Convocado

Leia mais

(15 i JIVr1 \PI \ 5. fpr5: 441.-w PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA PRESIDÊNCIA

(15 i JIVr1 \PI \ 5. fpr5: 441.-w PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA PRESIDÊNCIA (15 i JIVr1 \PI \ 5 N. 441.-w A fpr5: PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA PRESIDÊNCIA RECURSO ESPECIAL N. 030.2009.000801-9/001. RECORRENTE : Marcos Valerio de Sousa Bandeira. ADVOGADOS : Hugo

Leia mais

:João Batista Barbosa - Juiz Convocado. Apelante :Unibanco AIG Seguros S/A (Adv. Vanessa Cristina de Morais Ribeiro e outros).

:João Batista Barbosa - Juiz Convocado. Apelante :Unibanco AIG Seguros S/A (Adv. Vanessa Cristina de Morais Ribeiro e outros). APELAÇÃO CÍVEL N 200.2008.032.045-61 001. Relator :João Batista Barbosa - Juiz Convocado. Apelante :Unibanco AIG Seguros S/A (Adv. Vanessa Cristina de Morais Ribeiro e outros). Apelado :Evaldo de Lima

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO BARROS DIAS

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO BARROS DIAS PROCESSO: EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO CÍVEL Nº 183923/RN (99.05.45463-2) APTE : POTY REFRIGERANTES LTDA ADV/PROC : MANUEL LUÍS DA ROCHA NETO E OUTROS APDO : INSS - INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL

Leia mais

Os atos do juiz podem caracterizar-se como sentença, decisão interlocutória ou despacho. A nossa primeira questão trata da sentença.

Os atos do juiz podem caracterizar-se como sentença, decisão interlocutória ou despacho. A nossa primeira questão trata da sentença. CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE PROCESSO CIVIL PONTO A PONTO PARA TRIBUNAIS MÓDULO 6 ATOS DAS PARTES E ATOS DO JUIZ. SENTENÇA E COISA JULGADA. Professora: Janaína Noleto Curso Agora Eu Passo () Olá,

Leia mais

Estado de Goiás Procuradoria-Geral do Estado Procuradoria Judicial

Estado de Goiás Procuradoria-Geral do Estado Procuradoria Judicial Interessados: L. P. D. Processo : 2008.0000.300.6494 Assunto : Ação de Cobrança Expurgos Inflacionários Condenação no Juízo Singular Apelação Provimento Parcial Embargos Declaratórios Improcedência - Dispensa

Leia mais

ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de

ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de constitucionalidade Luís Fernando de Souza Pastana 1 RESUMO: há diversas modalidades de controle de constitucionalidade previstas no direito brasileiro.

Leia mais

As Principais Modificações no Processo Civil. Pedro Henrique Pedrosa Nogueira

As Principais Modificações no Processo Civil. Pedro Henrique Pedrosa Nogueira As Principais Modificações no Processo Civil Pedro Henrique Pedrosa Nogueira PARTE GERAL E PROCEDIMENTO COMUM Valorização do contraditório Distribuição dinâmica do ônus da prova Gestão do procedimento

Leia mais