O Futuro da Mobilidade. Mobilidade e os ITS: estimular a relação simbiótica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Futuro da Mobilidade. Mobilidade e os ITS: estimular a relação simbiótica"

Transcrição

1 O Futuro da Mobilidade Mobilidade e os ITS: estimular a relação simbiótica 1

2 Mobilidade Sustentável Enquadramento Transportes Urbanos responsáveis por 40% das emissões de CO2 dos transportes rodoviários e até 70% das emissões de outros poluentes. Sinistralidade rodoviária: mortos anualmente na Europa. 1 em cada 3 nas cidades. Congestionamento: perdas económicas de cerca de 1 % PIB União (~ 115 mil milhões ); Sobretudo concentrados nas cidades e em torno delas. Energia gasta: 12% em casa; 66% deslocações; 22% escritório 2

3 Sistema de Mobilidade e dos Transportes Terrestres Sistema de Transportes e Mobilidade Garantir níveis adequados de Acessibilidade (oferecido pelo sistema de transportes) Sustentação económica do sector Integração de políticas de Ordenamento do Território e Uso do Solo com a mobilidade Infra-estruturas Valores Comportamento Informação 3

4 Potencialidades dos ITS Que papel para os ITS: Organização Gestão Comunicação Informação Planeamento de viagens Monitorização Fiscalização Resolução de problemas Novas Oportunidades Congestionamento Sinistralidade Impacto ambiental e qualidade do ar Consumo Energético ( ) Desenvolvimento tecnológico e Inovação Maior atractividade e competitividade do sector Oportunidades de negócio, industria, operadores ( ) 4

5 Os ITS mais relevantes (tendências) Monitorização Segurança e emergência Informação Gestão de circulação e estacionamento Infra estrutura Veículo Auxiliar de condução; Segurança Monitorização Fiscalização Novos veículos e motorizações Eco-condução Viajante Operação Informação pré e em viagem Segurança Integração de pessoas com dificuldade de mobilidade Bilhética Planeamento S. Apoio à Exploração (frotas, percursos, ) Informação sobre procura Novos serviços (T. Flexível; Car Sharing, etc) Bilhética e Park & Ride 5

6 Operação Novas soluções de transportes Suportadas em ITS Transportes Flexíveis Car e Bike Sharing Car pooling Táxi Coletivo Horários flexíveis Percursos diferenciados Paragens diferenciadas 6

7 Pantufinhas Coimbra Operação Transportes Flexíveis Táxis Coletivos - Beja Serviço de Transporte a Pedido Gato Porto Portalegre Linha Mista Urbana Rodinhas Loures Sistema de Mobilidade Inclusiva Flexibus Almada 7

8 Operação Transportes Flexíveis Transportes flexíveis Linha Azul Sub-sistema transporte a pedido Estudo Médio Tejo (TIS) Linha Azul 8

9 Operação Exemplos Carpooling Estacionamento para carpoolers Bikesharing Carsharing 9

10 Operação Exemplos BikeSharing Gestão de frotas Câmara de Oeiras Colocação de 25 viaturas com serviço de carpooling para funcionários da autarquia Porto Rota Partilhada 661 utilizadores Redução de 12% da frota automóvel Poupança de cerca de 460 mil euros nos próximos 4 anos 10

11 Operação Bikesharing Bicicletas Lagoa Ponte de Lima Rainhas Bike Sharing Caldas da Rainha BIP - Paredes bicas Cascais e-ginga - Ansião BUGA Aveiro Biclis - Leiria Biks - Santarém Al-gira - Almeirim 11

12 Operação Veículo Bikesharing Premio Associação Europeia Energy Cities 12

13 Veículos Hospital Rovisco Pais Tocha Veículo elétrico sem condutor com tecnologia de ponta, desenvolvido pelo Instituto Pedro Nunes Objetivo: transportar os utentes entre as enfermarias e o ambulatório; Tem vindo a substituir o transporte por carrinhas; Dois percursos de 500m e 700m; Entrou em funcionamento em Maio de

14 Veículo Eco-condução 14

15 Veículo Eco-Condução Aquisição e instalação de um simulador de condução Funchal SMTUC - Coimbra 15

16 Infraestruturas 16

17 Infraestruturas Gestão da mobilidade Zonas de acesso condicionado nos bairros históricos (Bairro Alto, Castelo, Alfama e Sta. Catarina Bica) Lisboa 17

18 Infraestrutura Gestão de estacionamento internet Telemóveis Pagar o estacionamento, obter informações sobre: localização, lugares disponíveis, preços, reservas, pagamentos, etc. Lisboa 18

19 Viajante Novas soluções de mobilidade Rotas Urbanas de Mobilidade Sustentável Serviço na web para fornecer ao público um Planeador de viagens em tempo real Informação dedicada sobre o serviço de TP (tempo real) no Hospital Coimbra 19

20 Viajante Informação Guia de percursos pedonais a partir do MST Almada Planeamento Active Access Aveiro a Pé 20

21 Viajante Informação ao público em tempo real INFO BOARD Faculdade de Medicina Hospital de São João Porto 21

22 Viajante Informação ao público Paragem com informação - Castelo Branco Informação ao passageiro no autocarro Rodoviária de Lisboa Informação sonora nas paragens Rodoviária de Lisboa Informação em Tempo real - Coimbra Informação em tempo real - Carris22

23 Viajante Transporte Público inclusivo Braille nas paragens Carris Informação veículo -STCP Rampa de Acesso - Évora 23

24 Viajante Operação Park & Ride Lisboa Funchal Andante Park & Ride - Porto 24

25 Viajante Operação Bilhética Integrada Lisboa Porto 25

26 Redes Sociais Comportamento Site, FB e Blog Menos um Carro 26

27 Desenvolvimento: Europeu e Nacional Implementação: Diretiva ITS PIDDAC; QREN; Outros EasyWay; MIP Programa Indicativo Multianual (ARTES; CENTRICO; CORVETA; SERTI; STREETWISE; VIKING) Diretiva ITS Investigação e desenvolvimento PIDDAC; QREN; Outros Programa-Quadro de Ciência, Tecnologia e Investigação Projecto TEMPO (Trans- European intelligent transport systems PrOjects Projecto Galileo Diretiva ITS Normalização Especificações 27

28 Desenvolvimento Normalização Especificações Interopera bilidade Inovação (+exportação) ITS Transversa lidade Risco duplicação sistemas equipamentos 28

29 Relação simbiótica Estruturação Urbana Competitividade dos territórios Qualificação e fruição dos espaços públicos Acessibilidade a bens e serviços Ordenamento Território Desenvolvimento Sustentável Mobilidade e Transportes Atratividade dos TP Novos serviços (Transp Flexíveis; Car e BikeSharing, etc) Descarbonização Informação e Eficiência nas deslocações Multimodalidade Diminuição das necessidades de deslocações Novas tecnologias Novos veículos Obtenção e tratamento de dados Resposta Tempo Real Interoperabilidade Alternativa ao investimento em infraestruturas ITS 29

30 Gabinete de Planeamento Avaliação e Inovação Sérgio Manso Pinheiro 30

Boas Práticas de aplicação nacional. Planeamento da Mobilidade Urbana Sustentável 1º Workshop Algarve 27 de junho de 2014

Boas Práticas de aplicação nacional. Planeamento da Mobilidade Urbana Sustentável 1º Workshop Algarve 27 de junho de 2014 Boas Práticas de aplicação nacional Planeamento da Mobilidade Urbana Sustentável 1º Workshop Algarve 27 de junho de 2014 A. Modos Suaves Infraestruturas Rede ciclável Murtosa EcoPista do Dão Viseu/ Santa

Leia mais

Mobilidade Sustentável. Introdução à temática da Eco-Condução

Mobilidade Sustentável. Introdução à temática da Eco-Condução Mobilidade Sustentável Introdução à temática da Eco-Condução 1 Conceito de Mobilidade Sustentável Definição sumária: é a capacidade de dar resposta às necessidades da sociedade em deslocar-se livremente,

Leia mais

Mobilidade Sustentável

Mobilidade Sustentável Mobilidade Sustentável Eco-Condução e Planos de Mobilidade de Empresas e Pólos 1 Índice 1. Conceito de Mobilidade Sustentável 2. Eco-condução (+ económica, + segura, + confortável) a) Informação, Formação

Leia mais

Projecto CiViTAS ELAN - PORTO Vereador do Pelouro de Urbanismo e Mobilidade Dr. Gonçalo Gonçalves

Projecto CiViTAS ELAN - PORTO Vereador do Pelouro de Urbanismo e Mobilidade Dr. Gonçalo Gonçalves Projecto CiViTAS ELAN - PORTO Vereador do Pelouro de Urbanismo e Mobilidade Dr. Gonçalo Gonçalves www.cm-porto.pt 0 O que é o Civitas? CiViTAS: City + ViTA + Sustentability É um programa comunitário no

Leia mais

Os veículos eléctricos na Alta de Coimbra

Os veículos eléctricos na Alta de Coimbra WORKSHOP Combustíveis e veículos alternativos Práticas correntes e futuras linhas de orientação política para o transporte de passageiros (Projecto Alter-Motive) Os veículos eléctricos na Alta de Coimbra

Leia mais

MOBILIDADE SUSTENTÁVEL

MOBILIDADE SUSTENTÁVEL MOBILIDADE SUSTENTÁVEL Workshop Regional U.M. BRAGA 10 ABRIL 2012 SUMÁRIO Compromissos Estudos e avaliação Intervenções Financiamento e Cooperação Institucional Desafios para Municípios COMPROMISSOS A

Leia mais

PROJETO U-BIKE PORTUGAL

PROJETO U-BIKE PORTUGAL PROJETO U-BIKE PORTUGAL Lisboa Auditório do IRHU 28 de janeiro 2016 PROJETO U-BIKE PORTUGAL Auditório do IRHU 28 jan 2016 1. Enquadramento 2. Objetivos 3. Regulamento Geral do Projeto 4. Protocolo IMT

Leia mais

Smart Cities Benchmark Portugal 2015

Smart Cities Benchmark Portugal 2015 Smart Cities Benchmark Portugal 2015 Contexto Mais de 50% da população do mundo vive hoje em zonas urbanas (34% em 1960). 1 Mais de 80% da populção da Europa Ocidental irá viver em zonas em 2020. 2 80%

Leia mais

DTEA Transportes, Energia e Ambiente 1

DTEA Transportes, Energia e Ambiente  1 DTEA - Transportes, Energia e Ambiente Grupo de Investigação em Energia e Desenvolvimento Sustentável Instituto Superior Técnico DTEA Transportes, Energia e Ambiente http://dtea.ist.utl.pt 1 Veículos e

Leia mais

Demonstração Internacional da Plataforma de informações de tráfego e de trânsito

Demonstração Internacional da Plataforma de informações de tráfego e de trânsito Demonstração Internacional da Plataforma de informações de tráfego e de trânsito As grandes cidades e áreas metropolitanas encaram o aumento da demanda nos sistemas de transportes, especialmente nas regiões

Leia mais

Compras Públicas Ecológicas: o papel do consumidor Estado. Paula Trindade LNEG

Compras Públicas Ecológicas: o papel do consumidor Estado. Paula Trindade LNEG Compras Públicas Ecológicas: o papel do consumidor Estado Paula Trindade LNEG Conferência Consumo Sustentável e Alterações Climáticas Alfragide, 26 Novembro 2009 Potencial das Compras Públicas Sustentáveis

Leia mais

A NOVA GOVERNAÇÃO DO SISTEMA DE TRANSPORTES Acessibilidades, Transportes e Mobilidade

A NOVA GOVERNAÇÃO DO SISTEMA DE TRANSPORTES Acessibilidades, Transportes e Mobilidade A NOVA GOVERNAÇÃO DO SISTEMA DE TRANSPORTES Acessibilidades, Transportes e Mobilidade Isabel Seabra icseabra@imt-ip.pt Olhão, 11 de julho de 2014 Seminário de Apresentação do Estudo de Mobilidade Interurbana

Leia mais

Engineering Solutions Consulting. Consulting

Engineering Solutions Consulting. Consulting Engineering Solutions Consulting Consulting Missão e compromisso A nossa missão é proporcionar uma abordagem inovadora, diferenciadora e que aporte valor, com uma equipa jovem, dedicada, empenhada e qualificada,

Leia mais

Síntese de Legislação Nacional e Comunitária. 04 de Janeiro de 2012

Síntese de Legislação Nacional e Comunitária. 04 de Janeiro de 2012 LEGISLAÇÃO Síntese de Legislação Nacional e Comunitária de 2012 Legislação Nacional Energias Renováveis Portaria n.º 8/2012 I Série n.º 3, de 4/01 Aprova, no âmbito da política de promoção da utilização

Leia mais

SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA NO ALTO MINHO 2014-2020: PLANO DE AÇÃO, INSTRUMENTOS E AÇÕES PRIORITÁRIAS

SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA NO ALTO MINHO 2014-2020: PLANO DE AÇÃO, INSTRUMENTOS E AÇÕES PRIORITÁRIAS SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA NO ALTO MINHO 2014-2020: PLANO DE AÇÃO, INSTRUMENTOS E AÇÕES PRIORITÁRIAS PONTE DE LIMA 3 DE OUTUBRO DE 2013 Isabel Seabra A evolução da mobilidade em Portugal Predomínio crescente

Leia mais

Alexandra Santos Bruno Esteves Diogo Cardoso João Megre Jorge Ribeiro Sérgio Vinha

Alexandra Santos Bruno Esteves Diogo Cardoso João Megre Jorge Ribeiro Sérgio Vinha Alexandra Santos Bruno Esteves Diogo Cardoso João Megre Jorge Ribeiro Sérgio Vinha 1 No âmbito da UC Projeto FEUP vamos abordar os seguintes tópicos: Custos energéticos na viagem Porto Vila Real; Meios

Leia mais

Probabilidade de morte (%) <5% Velocidade do veículo na colisão (km/h)

Probabilidade de morte (%) <5% Velocidade do veículo na colisão (km/h) 30 29 28 27 26 25 24 23 22 21 20 19 18 17 16 15 14 13 12 11 10 98 76 54 32 1 30 Probabilidade de morte (%) 1 0.8 0.6 0.4 0.2

Leia mais

Década de Ação pela. Segurança no Trânsito VEÍCULOS SEGUROS

Década de Ação pela. Segurança no Trânsito VEÍCULOS SEGUROS Década de Ação pela Segurança no Trânsito VEÍCULOS SEGUROS Prof. João M. P. Dias jdias@dem.ist.utl.pt www.dem.ist.utl.pt/acidentes NIAR Núcleo de Acidentes Rodoviários IDMEC Instituto de Engenharia Mecânica

Leia mais

Disponibilidade de carro nas grandes cidades: geralmente elevada entre os usuários potenciais da pesquisa

Disponibilidade de carro nas grandes cidades: geralmente elevada entre os usuários potenciais da pesquisa Disponibilidade de carro nas grandes cidades: geralmente elevada entre os usuários potenciais da pesquisa 19 2 15 51 2 50 50 9 2 12 Valores citados em% 0 5 Sempre Délhi 9 1 5 50 5 Ocasionalmente Nunca

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 128/XII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 128/XII. Exposição de Motivos Proposta de Lei n.º 128/XII Exposição de Motivos A presente proposta de lei visa proceder à transposição da Diretiva n.º 2010/40/UE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 7 de julho de 2010, que estabelece

Leia mais

Painel 2 Planeamento e Criação de Cidades Saudáveis. IV Simpósio de Saúde Ambiental e a Construção de Cidades Saudáveis 19 de Novembro

Painel 2 Planeamento e Criação de Cidades Saudáveis. IV Simpósio de Saúde Ambiental e a Construção de Cidades Saudáveis 19 de Novembro IV Simpósio de Saúde Ambiental e a Construção de Cidades Saudáveis 19 de Novembro Acesso e acessibilidade aos cuidados de saúde secundários no Alto Alentejo Caso de estudo do concelho do Gavião ao hospital

Leia mais

Gestão da Demanda. Parauapebas, Novembro de Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana. Ministério das Cidades

Gestão da Demanda. Parauapebas, Novembro de Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana. Ministério das Cidades Gestão da Demanda Parauapebas, Novembro de 2014. Apoio: Realização: Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana Ministério das Cidades Introdução Atribuição Local Consonância com a PNMU Espaço

Leia mais

Incentivos financeiros Portugal 2020

Incentivos financeiros Portugal 2020 Incentivos financeiros Portugal 2020 Lisboa, 08-10-2015 Paulo Carpinteiro Licks & Associados POCI Programa Operacional Competitividade e Internacionalização POSEUR e PORegionais Norte, Centro, LVT, Alentejo,

Leia mais

FICHAS DE AÇÃO ÍNDICE

FICHAS DE AÇÃO ÍNDICE FICHAS DE AÇÃO ÍNDICE SÍNTESE DAS FICHAS... 170 Governo dos Açores... 171 Ficha de Ação 1 Governo dos Açores... 171 Ficha de Ação 2 Governo dos Açores... 173 Ficha de Ação 3 Governo dos Açores... 175 Ficha

Leia mais

Instituto Superior de Ciências Empresariais e do Turismo

Instituto Superior de Ciências Empresariais e do Turismo Instituto Superior de Ciências Empresariais e do Turismo DESDE 1990 O ISCET Instituto Superior de Ciências Empresariais e do Turismo é um estabelecimento de ensino superior politécnico, criado em 25 de

Leia mais

Queixas dos transportes Operadores aceitam desafio de melhorar serviço

Queixas dos transportes Operadores aceitam desafio de melhorar serviço 4/19/2016 Queixas dos transportes Operadores aceitam desafio de melhorar serviço Um sistema de transportes coletivo eficiente, bem articulado e intermodal, permitiria as deslocações diárias com um custo

Leia mais

GRUPO 4 MOBILIDADE E TRANSPORTES

GRUPO 4 MOBILIDADE E TRANSPORTES GRUPO 4 MOBILIDADE E TRANSPORTES Medidas Propostas Impacto no Município Plano de mobilidade sustentável para os funcionários da autarquia Formação em eco-condução para os gestores de frotas, motoristas

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA (Decreto-Lei 203/2006, de 27 de Outubro) Guarda Nacional Republicana (GNR) Forças de Segurança Polícia de Segurança Pública (PSP) Forças de Segurança Serviço de Estrangeiros

Leia mais

BALANÇO E PERSPECTIVAS SOBRE A MOBILIDADE ELÉCTRICA EM PORTUGAL

BALANÇO E PERSPECTIVAS SOBRE A MOBILIDADE ELÉCTRICA EM PORTUGAL BALANÇO E PERSPECTIVAS SOBRE A MOBILIDADE ELÉCTRICA EM PORTUGAL 4. CONFERÊNCIA DA MOBILIDADE URBANA Preparar a Cidade para a Mobilidade do Futuro: Dos Modos Suaves à Mobilidade Eléctrica 17 de Setembro

Leia mais

PATROCINADORES PRINCIPAIS

PATROCINADORES PRINCIPAIS PATROCINADORES PRINCIPAIS PATROCINADORES PRINCIPAIS Apoio Institucional Patrocinadores Globais APDSI PRIMAVERA Public Services nos grandes desafios do setor da Saúde Ângela Brandão Vice Presidente PRIMAVERA

Leia mais

Eficiência Hídrica para Edifícios e Espaços Públicos O Caminho para a Gestão Sustentável da Água POVT FEDER

Eficiência Hídrica para Edifícios e Espaços Públicos O Caminho para a Gestão Sustentável da Água POVT FEDER Seminário Final do Projeto Aveiro, 30/05/2012 Eficiência Hídrica para Edifícios e Espaços Públicos O Caminho para a Gestão Sustentável da Água POVT-09-142-FEDER-000022 Victor M. Ferreira 1 O desafio Em

Leia mais

PLANO NACIONAL DE ACÇÃO PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA RESULTADOS 2010

PLANO NACIONAL DE ACÇÃO PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA RESULTADOS 2010 PLANO NACIONAL DE ACÇÃO PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA RESULTADOS 2010 0 Execução acima dos objectivos Será superada a meta a 2015, mantendo a actual tendência de crescimento Economias energéticas acumuladas

Leia mais

Sistema de Gestão de Energia da AdSA - NP EN ISO 50001:2012

Sistema de Gestão de Energia da AdSA - NP EN ISO 50001:2012 Sistema de Gestão de Energia da AdSA - Manuel Lacerda, David Barão e Cristina Gomes Lisboa,19 de janeiro de 2016 Índice: Sistema de Sustentabilidade Empresarial (SSE) Evolução da Certificação na AdSA Vantagens

Leia mais

DIREÇÃO GERAL DE REFORMAS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

DIREÇÃO GERAL DE REFORMAS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DIREÇÃO GERAL DE REFORMAS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ESTRUTURA Direção de Serviço de Reformas Cargo Função Técnico Diretor de Serviço Dirigir e enquadrar os projetos de modernização e reforma no âmbito do

Leia mais

Grupo ANA Aeroportos de Portugal S.A.

Grupo ANA Aeroportos de Portugal S.A. Grupo ANA Aeroportos de Portugal S.A. _Objectivos e Fins Exploração do serviço público aeroportuário de apoio à aviação civil nos aeroportos de Lisboa, Porto e Faro, bem como no terminal civil de Beja,

Leia mais

SISTEMA BRT AV. JOÃO NAVES DE ÁVILA CORREDOR ESTRUTURAL SUDESTE

SISTEMA BRT AV. JOÃO NAVES DE ÁVILA CORREDOR ESTRUTURAL SUDESTE SISTEMA BRT AV. JOÃO NAVES DE ÁVILA CORREDOR ESTRUTURAL SUDESTE Inicialmente, o que é BRT? O BRT (Bus Rapid Transit), ou Transporte Rápido por Ônibus, é um sistema de transporte coletivo de passageiros

Leia mais

RETHINKING PARTNERS - A ESCOLHA INFORMADA - Mais Farmácia. André Barrigas

RETHINKING PARTNERS - A ESCOLHA INFORMADA - Mais Farmácia. André Barrigas RETHINKING PARTNERS - A ESCOLHA INFORMADA - Mais Farmácia André Barrigas Porquê um Grupo? Missão, Visão e Valores MISSÃO, VISÃO e VALORES MISSÃO Maximização do potencial de vendas e a melhoria contínua

Leia mais

PROMOÇÃO DA BICICLETA

PROMOÇÃO DA BICICLETA PROMOÇÃO DA BICICLETA E OUTROS MODOS SUAVES Porto, 21 de novembro de 2013 Congresso Internacional de Promoção da Mobilidade Suave O Problema A evolução da mobilidade em Portugal Predomínio crescente das

Leia mais

MESTRADO EM ECONOMIA DA EMPRESA E DA CONCORRÊNCIA PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES

MESTRADO EM ECONOMIA DA EMPRESA E DA CONCORRÊNCIA PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES MESTRADO EM ECONOMIA DA EMPRESA E DA CONCORRÊNCIA PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES UNIDADES CURRICULARES OBRIGATÓRIAS Análise Macroeconómica 1. Introdução à Macroeconomia 2. Medição da Actividade Económica

Leia mais

AS VIAS DE COMUNICAÇÃO

AS VIAS DE COMUNICAÇÃO 1ENGENHARIA O PROJECTO (I) O Projecto corresponde à preparação da realização depois de decidido o que é que se quer fazer (planeamento); especifica-se como é que se vai fazer (resolvendo problemas que

Leia mais

Economia de Baixo Carbono: Oportunidade na reforma do sector da energia Maria da Graça Carvalho e Ana Pipio

Economia de Baixo Carbono: Oportunidade na reforma do sector da energia Maria da Graça Carvalho e Ana Pipio Introdução É fundamental adaptarmos o debate europeu e global sobre as alterações climáticas e a segurança energética à missão de construir uma sociedade de baixo carbono. A reforma do sector da é uma

Leia mais

Centro Paroquial e Social de Barroselas Casa de S.Pedro

Centro Paroquial e Social de Barroselas Casa de S.Pedro Centro Paroquial e Social de Barroselas Casa de S.Pedro Estudos, certificação, auditoria e assessoria no contexto da implementação de sistema solar térmico, sistema fotovoltaico e bomba de calor Proposta

Leia mais

O Operador de Rede de Distribuição como facilitador na promoção da eficiência energética e a implementação no terreno de diferentes projectos

O Operador de Rede de Distribuição como facilitador na promoção da eficiência energética e a implementação no terreno de diferentes projectos O Operador de Rede de Distribuição como facilitador na promoção da eficiência energética e a implementação no terreno de diferentes projectos João Torres EDP Distribuição Coimbra, 8 de Setembro de 2011

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DOS SISTEMAS INTELIGENTES DE TRANSPORTES PARA A INCLUSÃO SOCIAL

A CONTRIBUIÇÃO DOS SISTEMAS INTELIGENTES DE TRANSPORTES PARA A INCLUSÃO SOCIAL A CONTRIBUIÇÃO DOS SISTEMAS INTELIGENTES DE TRANSPORTES PARA A INCLUSÃO SOCIAL Rui D. Camolino Lisboa, 9 de Julho 2008 1 AGENDA Projecto MATISSE Conclusões do Projecto A Contribuição da Associação ITS

Leia mais

CURRICULUM VITAE Licenciatura em Sociologia, realizada na Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, com média final de 15 valores.

CURRICULUM VITAE Licenciatura em Sociologia, realizada na Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, com média final de 15 valores. CURRICULUM VITAE ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO Mónica Catarina do Adro Lopes Nacionalidade: Portuguesa Naturalidade: Leiria B.I: 11580295 Contribuinte: 214859487 Data de nascimento: 02/12/78 Estado civil:

Leia mais

A ARTICULAÇÃO ENTRE OS SISTEMAS DE INCENTIVOS E A INOVAÇÃO NAS EMPRESAS

A ARTICULAÇÃO ENTRE OS SISTEMAS DE INCENTIVOS E A INOVAÇÃO NAS EMPRESAS 2012 MAR 06 A ARTICULAÇÃO ENTRE OS SISTEMAS DE INCENTIVOS E A INOVAÇÃO NAS EMPRESAS JOSÉ CARLOS CALDEIRA Administrador executivo PÓLO PRODUTECH Director INESC Porto (jcc@inescporto.pt) INDÚSTRIA TRANFORMADORA

Leia mais

REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO N.º CENTRO

REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO N.º CENTRO REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO N.º CENTRO-43-2016-01 PRIORIDADES DE INVESTIMENTOS: 4.5 (4e) PROMOÇÃO DE ESTRATÉGIAS DE BAIXO TEOR DE CARBONO

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral Baixo Alentejo Planeamento Estratégico Regional

Leia mais

DÉCADA DE ACÇÃO PARA A SEGURANÇA RODOVIÁRIA

DÉCADA DE ACÇÃO PARA A SEGURANÇA RODOVIÁRIA DÉCADA DE ACÇÃO PARA A SEGURANÇA RODOVIÁRIA 2011-2020 Gestão da Segurança Rodoviária A Estratégia Nacional Escola Nacional de Saúde Pública, 11 de Maio Paulo Marques Augusto 1965 1966 1967 1968 1969 1970

Leia mais

Prevenção e Controlo Integrado da Poluição. Prevenção e Controlo Integrado da Poluição

Prevenção e Controlo Integrado da Poluição. Prevenção e Controlo Integrado da Poluição Enquadramento Legal Decreto-Lei n.º 173/2008, de 26 de Agosto (Diploma PCIP) Regime de prevenção e controlo integrados da poluição (PCIP) proveniente de certas atividades Licença ambiental - decisão escrita

Leia mais

Portugal. Turismo Interno. Mercados em Números. Rodapé

Portugal. Turismo Interno. Mercados em Números. Rodapé Turismo Interno Mercados em Números 1 Rodapé Designação oficial: República Portuguesa Capital: Lisboa Localização: Sudoeste da Europa Fronteiras terrestres: Espanha (1.241 km) Fronteiras marítimas: Madeira(1076,6

Leia mais

A importância da mudança modal para tirar São Paulo da contramão. Autora: Arqta. Melissa Belato Fortes Co-autora: Arqta. Denise H. S.

A importância da mudança modal para tirar São Paulo da contramão. Autora: Arqta. Melissa Belato Fortes Co-autora: Arqta. Denise H. S. A importância da mudança modal para tirar São Paulo da contramão Autora: Arqta. Melissa Belato Fortes Co-autora: Arqta. Denise H. S. Duarte Objeto da pesquisa Relação entre adensamento, multifuncionalidade

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 254/XI INTEGRA O CONCELHO DE MAÇÃO NA UNIDADE TERRITORIAL DO MÉDIO TEJO

PROJECTO DE LEI N.º 254/XI INTEGRA O CONCELHO DE MAÇÃO NA UNIDADE TERRITORIAL DO MÉDIO TEJO Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 254/XI INTEGRA O CONCELHO DE MAÇÃO NA UNIDADE TERRITORIAL DO MÉDIO TEJO Exposição de Motivos O Município de Mação tem a sua integração coerente com o Médio Tejo e

Leia mais

Portugal. Turismo Interno. Mercado em Números. Rodapé

Portugal. Turismo Interno. Mercado em Números. Rodapé Turismo Interno Mercado em Números 1 Rodapé Designação oficial: República Portuguesa Capital: Lisboa Localização: Sudoeste da Europa Fronteiras terrestres: Espanha (1.241 km) Fronteiras marítimas: Madeira(1076,6

Leia mais

Resumo. respostas. A Caracterização da amostra em estudo. A.4. - Local de residência. 1 de 8

Resumo. respostas. A Caracterização da amostra em estudo. A.4. - Local de residência. 1 de 8 1 de 8 respostas Resumo A Caracterização da amostra em estudo A.1. - Qual é a sua função na escola? Docente 65 20% Não docente 6 2% Aluno 260 79% A.2. - Caso seja aluno, indique o ano de escolaridade ou

Leia mais

AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA O ATENDIMENTO E OS ESPAÇOS DO CIDADÃO A REALIDADE DA CI REGIÃO DE AVEIRO.

AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA O ATENDIMENTO E OS ESPAÇOS DO CIDADÃO A REALIDADE DA CI REGIÃO DE AVEIRO. AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA O ATENDIMENTO E OS ESPAÇOS DO CIDADÃO A REALIDADE DA CI REGIÃO DE AVEIRO Pedro Silva Dias 28 maio 205 UMA VISÃO SOBRE A EVOLUÇÃO DO ATENDIMENTO DE SERVIÇOS PÚBLICOS

Leia mais

Promoção da Etiquetagem Energética de Produtos - PEEP. Enquadramento e Objetivos

Promoção da Etiquetagem Energética de Produtos - PEEP. Enquadramento e Objetivos Promoção da Etiquetagem Energética de Produtos - PEEP Enquadramento e Objetivos ITeCons Missão do ITeCons Dinamizar a transf. de tecnologia entre a Universidade, a Indústria e a Sociedade Prestar apoio

Leia mais

Plano Nacional de Turismo

Plano Nacional de Turismo Plano Nacional de Turismo 2011-2015 Conceito Conjunto de diretrizes, metas e programas que orientam a atuação do Ministério do Turismo, em parceria com outros setores da gestão pública nas três esferas

Leia mais

Opções de Mitigação de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Setores-Chave do Brasil

Opções de Mitigação de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Setores-Chave do Brasil Opções de Mitigação de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Setores-Chave do Brasil Roberto Schaeffer (PPE/COPPE/UFRJ) Comissão Mista de Mudanças Climáticas do Congresso Nacional, 23 de maio de 2013 Objetivo

Leia mais

ECO.AP. 29 de Março de 2011

ECO.AP. 29 de Março de 2011 ECO.AP 29 de Março de 2011 1 O SUCH como Empresa de Serviços Energéticos 2 Energia Concluído o quadro legislativo aplicável à formatação e execução de contratos de gestão de eficiência energética, a celebrar

Leia mais

Evolução das emissões de CO 2. nos automóveis ligeiros de passageiros em Portugal. PCEEE 22 de Junho 2012

Evolução das emissões de CO 2. nos automóveis ligeiros de passageiros em Portugal. PCEEE 22 de Junho 2012 PCEEE 22 de Junho 2012 Evolução das emissões de CO 2 nos automóveis ligeiros de passageiros em Portugal Mafalda Sousa - Quercus A.N.C.N. Laura Carvalho, Ana Rita Antunes - Quercus A.N.C.N. Francisco Ferreira

Leia mais

Evento EDIFÍCIOS BALANÇO. Rumo ao Impacte Nulo da Construção e Reabilitação nas Cidades. 22 Novembro Museu das Comunicações.

Evento EDIFÍCIOS BALANÇO. Rumo ao Impacte Nulo da Construção e Reabilitação nas Cidades. 22 Novembro Museu das Comunicações. Evento EDIFÍCIOS BALANÇO Rumo ao Impacte Nulo da Construção e Reabilitação nas Cidades PARTICIPE 22 Novembro 2011 Museu das Comunicações Lisboa ORGANIZAÇÃO UMA PUBLICAÇÃO APOIO APRESENTAÇÃO A conferência

Leia mais

Etiquetagem Energética de Elevadores ABRIL 2015

Etiquetagem Energética de Elevadores ABRIL 2015 Etiquetagem Energética de Elevadores ABRIL 2015 Conteúdos Os elevadores em Portugal O Sistema de Etiquetagem Energética de Produtos (SEEP) A etiquetagem energética de elevadores Aderir ao SEEP Próximos

Leia mais

Modelo de Desenvolvimento, Quadro de Monitorização e Economia Azul

Modelo de Desenvolvimento, Quadro de Monitorização e Economia Azul Modelo de Desenvolvimento, Quadro de Monitorização e Economia Azul Meios de Financiamento Nacionais e Europeus e Integração das Políticas de Desenvolvimento Par$lha de Informação A promoção de um ambiente

Leia mais

ENERGIA O MERCADO DAS INFRA-ESTRUTURAS PDIRT. e Investimento da Rede de Transporte. Redes Energéticas Nacionais, SGPS

ENERGIA O MERCADO DAS INFRA-ESTRUTURAS PDIRT. e Investimento da Rede de Transporte. Redes Energéticas Nacionais, SGPS ENERGIA O MERCADO DAS INFRA-ESTRUTURAS PDIRT Investimentos Plano de Desenvolvimento em perspetiva e Investimento da Rede de Transporte Redes Energéticas Nacionais, SGPS de Electricidade 2012-2017 (2022)

Leia mais

Estratégia e Marketing. EGI ISEC Denise Lila Lisboa Gil Abril 2008

Estratégia e Marketing. EGI ISEC Denise Lila Lisboa Gil Abril 2008 Estratégia e Marketing EGI ISEC Denise Lila Lisboa Gil Abril 2008 A Estrutura Organizacional é o que vai servir como ponte de ligação entre a Formulação e a Implementação da Estratégia para que a empresa

Leia mais

PROJECTOS DE I&DT EMPRESAS INDIVIDUAIS

PROJECTOS DE I&DT EMPRESAS INDIVIDUAIS AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 32 / SI / 2009 SISTEMA DE INCENTIVOS À INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO (SI I&DT) PROJECTOS DE I&DT EMPRESAS INDIVIDUAIS Nos termos do Regulamento do

Leia mais

A quem se destina. Principais Benefícios. Empresas que pretendam reduzir os seus consumos energéticos localização: Norte Centro

A quem se destina. Principais Benefícios. Empresas que pretendam reduzir os seus consumos energéticos localização: Norte Centro FORMAÇÃO FORMAÇÃO A quem se destina Empresas que pretendam reduzir os seus consumos energéticos localização: Norte Centro Principais Benefícios Conhecimento do perfil energético da empresa; Verificação

Leia mais

EDIFÍCIOS BALANÇO. Rumo ao Impacte Nulo da Construção e Reabilitação nas Cidades. 22 Novembro Museu das Comunicações. Lisboa.

EDIFÍCIOS BALANÇO. Rumo ao Impacte Nulo da Construção e Reabilitação nas Cidades. 22 Novembro Museu das Comunicações. Lisboa. Evento EDIFÍCIOS BALANÇO Rumo ao Impacte Nulo da Construção e Reabilitação nas Cidades PARTICIPE 22 Novembro 2011 Museu das Comunicações Lisboa ORGANIZAÇÃO UMA PUBLICAÇÃO APOIO APRESENTAÇÃO A conferência

Leia mais

COMO AS EMPRESAS DO PÓLO INDUSTRIAL DE MANAUS PODEM CONTRIBUIR PARA O DESENVOLVIMENTO DA ECONOMIA VERDE.

COMO AS EMPRESAS DO PÓLO INDUSTRIAL DE MANAUS PODEM CONTRIBUIR PARA O DESENVOLVIMENTO DA ECONOMIA VERDE. COMO AS EMPRESAS DO PÓLO INDUSTRIAL DE MANAUS PODEM CONTRIBUIR PARA O DESENVOLVIMENTO DA ECONOMIA VERDE. Segundo a Estratégia Nacional para o Desenvolvimento Sustentável (ENDS) a Sustentabilidade pressupõe

Leia mais

D Quarta Declaração Política Transporte Colectivo de passageiros

D Quarta Declaração Política Transporte Colectivo de passageiros D11.6 - Quarta Declaração Política Transporte Colectivo de passageiros Autor: ISIS Data: 20 Maio, 2011 Código do documento D11.6 Título do documento Informações Quarta Declaração Política Transporte Colectivo

Leia mais

SERVIÇO COMUNICAÇÕES EMERGÊNCIA RADIOAMADOR SCERA 1º EXERCICIO SCERA

SERVIÇO COMUNICAÇÕES EMERGÊNCIA RADIOAMADOR SCERA 1º EXERCICIO SCERA 1º EXERCICIO SCERA EXERCÍCIO DE COMUNICAÇÕES DE EMERGÊNCIA ALTERNATIVAS EM HF/VHF/UHF A REP através do seu núcleo de comunicações alternativas de emergência vem por este meio fazer a divulgação do 1º Exercício

Leia mais

Recursos Minerais da Região Lisboa e Vale do Tejo (a Norte da AML)

Recursos Minerais da Região Lisboa e Vale do Tejo (a Norte da AML) Workshop Iniciativa Matérias Primas: Oportunidades e desafios para a Indústria Extractiva Recursos Minerais da Região Lisboa e Vale do Tejo (a Norte da AML) Jorge M. F. Carvalho Unidade de Recursos Minerais

Leia mais

Paulo Leitão Vereador da Câmara Municipal de Coimbra

Paulo Leitão Vereador da Câmara Municipal de Coimbra Paulo Leitão Vereador da Câmara Municipal de Coimbra [breve caracterização de coimbra] 148 000 Habitantes; 31 Freguesias; Área - 319,41 km²; Limites: norte - município de Mealhada; a leste - Penacova,

Leia mais

Barlavento Algarvio Fase 1: Caracterização e Diagnóstico

Barlavento Algarvio Fase 1: Caracterização e Diagnóstico Barlavento Algarvio Fase 1: Caracterização e Diagnóstico Enquadramento Territórios distintos em termos de povoamento, demografia, economia e orografia: Municípios de cariz mais rural e com problemas de

Leia mais

Grandes consumidores de energia

Grandes consumidores de energia Grandes consumidores de energia 1 Para o Metropolitano de Lisboa, no seu caminho rumo à sustentabilidade, a eficiência energética tem um duplo impacto significativo, na medida que a redução de consumo

Leia mais

Encontro RMPI/FIEMG de Inovação 2013

Encontro RMPI/FIEMG de Inovação 2013 Encontro RMPI/FIEMG de Inovação 2013 O Processo de Inovação na Empresa Brasileira: Avanços e Desafios Prof. Dr. Ruy Quadros Unicamp e Innovarelab Belo Horizonte 4/11/2013 O Processo de Inovação na Empresa

Leia mais

Iluminação Pública e Sistema de Gestão de Energia

Iluminação Pública e Sistema de Gestão de Energia Iluminação Pública e Sistema de Gestão de Energia 14 Março 2006 Auditório da Câmara Municipal de Mirandela Vítor Lopes EDV ENERGIA Agência de Energia do Entre o Douro e Vouga Região constituída por 5 municípios:

Leia mais

NOVOS DESAFIOS PARA A CADEIA DE VALOR DO HABITAT

NOVOS DESAFIOS PARA A CADEIA DE VALOR DO HABITAT NOVOS DESAFIOS PARA A CADEIA DE VALOR DO HABITAT OBJETIVO O Congresso de Inovação na Construção Sustentável (CINCOS 16), é um evento organizado para o Cluster Habitat Sustentável em Portugal. Este evento

Leia mais

A INDÚSTRIA 4.0. a inovação como factor de competitividade uma ponte para o futuro... Joaquim José Borges Gouveia Universidade de Aveiro

A INDÚSTRIA 4.0. a inovação como factor de competitividade uma ponte para o futuro... Joaquim José Borges Gouveia Universidade de Aveiro A INDÚSTRIA 4.0 a inovação como factor de competitividade uma ponte para o futuro... Joaquim José Borges Gouveia Universidade de Aveiro bgouveia@ua.pt 13 de outubro de 2016 Uma Visão: Desenvolvimento Sustentável

Leia mais

O desenvolvimento da Cirurgia de Ambulatório como objectivo estratégico do Hospital

O desenvolvimento da Cirurgia de Ambulatório como objectivo estratégico do Hospital O desenvolvimento da Cirurgia de Ambulatório como objectivo estratégico do Hospital Cirurgia do Ambulatório 15. 12. 2005 CIRURGIA DE AMBULATÓRIO 1 Organização. Manual de Boas práticas 1. Estrutura Organizacional

Leia mais

Soluções de Eficiência PME. Iluminação Eficiente

Soluções de Eficiência PME. Iluminação Eficiente A iluminação apresenta uma elevada importância no consumo elétrico A iluminação é um elemento essencial na vida moderna, apresentando um peso relevante no consumo de energia elétrica a nível mundial. Também

Leia mais

S.R. DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EQUIPAMENTOS, S.R. DA SAÚDE, S.R. DO AMBIENTE E DO MAR Portaria n.º 74/2009 de 14 de Setembro de 2009

S.R. DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EQUIPAMENTOS, S.R. DA SAÚDE, S.R. DO AMBIENTE E DO MAR Portaria n.º 74/2009 de 14 de Setembro de 2009 S.R. DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EQUIPAMENTOS, S.R. DA SAÚDE, S.R. DO AMBIENTE E DO MAR Portaria n.º 74/2009 de 14 de Setembro de 2009 O Plano Estratégico de Gestão de Resíduos da Região Autónoma dos Açores,

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação

Sistema de Incentivos à Inovação Sistema de Incentivos à Inovação Inovação Produtiva e Empreendedorismo Qualificado até concursos abertos 26 de abril de 2012 sistema de incentivos à inovação Inovação Produtiva e Empreendedorismo Qualificado

Leia mais

Qualidade de Serviço do setor elétrico - Vertente Técnica - Jorge Esteves

Qualidade de Serviço do setor elétrico - Vertente Técnica - Jorge Esteves Qualidade de Serviço do setor elétrico - Vertente Técnica - Jorge Esteves Conteúdo 1. Dimensões da Qualidade de Serviço e Regulação 2. Evolução do Desempenho das Redes Elétricas e Regulação da Qualidade

Leia mais

Como estaremos daqui a 25 anos? Estudo de Mobilidade Urbana Plano Diretor Regional de Mobilidade. Seminário SINAENCO / SC

Como estaremos daqui a 25 anos? Estudo de Mobilidade Urbana Plano Diretor Regional de Mobilidade. Seminário SINAENCO / SC Como estaremos daqui a 25 anos? Estudo de Mobilidade Urbana Plano Diretor Regional de Mobilidade Seminário SINAENCO / SC Guilherme Medeiros Engenheiro Coordenador Técnico SC Participações e Parcerias S.A.

Leia mais

Fabio Villas Bôas. Jardim das Perdizes, São Paulo

Fabio Villas Bôas. Jardim das Perdizes, São Paulo Fabio Villas Bôas Jardim das Perdizes, São Paulo O que é um bairro sustentável? Sustentabilidade a partir dos bairros Conceito: escala ideal para acelerar a implantação Portland: algumas iniciativas Anos

Leia mais

Lisboa. uma cidade de bairros

Lisboa. uma cidade de bairros Lisboa uma cidade de bairros Fonte: Relatório do PDM Lisboa, Câmara Municipal de Lisboa, Setembro 2010 No PDM de Lisboa, foram identificadas Zonas de Moderação da circulação automóvel, que podem ser concretizadas

Leia mais

E N T I D A D E DATA : 2014/03/31 EXECUÇÃO DO PLANO DE ACTIVIDADES MUNICIPAL ANO CONTABILÍSTICO 2013 MUNICIPIO DE BEJA HORA : 09:47:45

E N T I D A D E DATA : 2014/03/31 EXECUÇÃO DO PLANO DE ACTIVIDADES MUNICIPAL ANO CONTABILÍSTICO 2013 MUNICIPIO DE BEJA HORA : 09:47:45 PERÍODO JANEIRO A DEZEMBRO - 2013/12/31 Pagina : 1 1. Funções gerais 692.793,77 700.893,77 502.238,97 494.714,37 442.264,06 425.619,24 425.619,24 198.654,80 69.095,13 60.73 60.73 100.00 1.1. Serviços gerais

Leia mais

FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO. Diretor(a) Drª Rosário Fernandez Conselho de Administração. Setor de Atividade Transportes Rodoviários de Passageiros

FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO. Diretor(a) Drª Rosário Fernandez Conselho de Administração. Setor de Atividade Transportes Rodoviários de Passageiros FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Organização Rodoviária de Lisboa SA Diretor(a) Drª Rosário Fernandez Conselho de Administração Setor de Atividade Transportes Rodoviários de Passageiros Número de Efetivos 747 NIF

Leia mais

RENOVAÇÃO DA FROTA VAGÕES DE CARGA & LOCOMOTIVAS

RENOVAÇÃO DA FROTA VAGÕES DE CARGA & LOCOMOTIVAS RENOVAÇÃO DA FROTA VAGÕES DE CARGA & LOCOMOTIVAS AGENDA 1 2 3 Situação atual Objetivos Benefícios Estratégia Conclusão Situação atual 3 Fabricantes de vagões de carga 2 Fabricantes de Locomotivas 70 Fabricantes

Leia mais

Governação e Território: Conflitualidades e disfunções vistas através da imaginação do TGV

Governação e Território: Conflitualidades e disfunções vistas através da imaginação do TGV IV JornadaS A coerência entre as várias políticas e instrumentos e o seu contributo para a coesão territorial Governação e Território: Conflitualidades e disfunções vistas através da imaginação do TGV

Leia mais

Responsabilidade Social e Ambiental na Edificação. Funchal, 4 Junho

Responsabilidade Social e Ambiental na Edificação. Funchal, 4 Junho Responsabilidade Social e Ambiental na Edificação Funchal, 4 Junho 2 instrumentos para a Responsabilidade Social, Económica e Ambiental na Edificação Declaração de conformidade que visa verificar o cumprimento

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção

Curso de Engenharia de Produção Curso de Engenharia de Produção Apresentação 2015 Prof. Dr. Carlos Fernando Jung carlosfernandojung@gmail.com Nosso Negócio Produtividade Rentabilidade Melhoria Contínua Otimização de Produtos e Processos

Leia mais

Boas Práticas 2005. Almada -

Boas Práticas 2005. Almada - Boas Práticas 2005 Almada - Viagens a troco de lixo - Os munícipes tiveram a oportunidade de trocar materiais recicláveis como latas, garrafas, papéis ou pilhas usadas, por títulos de transporte. Esta

Leia mais

O futuro do mercado dos serviços energéticos. Cláudio Monteiro, SMARTWATT

O futuro do mercado dos serviços energéticos. Cláudio Monteiro, SMARTWATT 0 O futuro do mercado dos serviços energéticos Cláudio Monteiro, SMARTWATT 1 De que depende o futuro de Serviços Energéticos? 2 Depende da valorização da eficiência por parte dos consumidores Depende da

Leia mais

Decreto-Lei n.º 220/2008, de 12 de Novembro. (Regime Jurídico de Segurança Contra Incêndio em Edifícios)

Decreto-Lei n.º 220/2008, de 12 de Novembro. (Regime Jurídico de Segurança Contra Incêndio em Edifícios) Decreto-Lei n.º 220/2008, de 12 de Novembro. (Regime Jurídico de Segurança Contra Incêndio em Edifícios) PROCESSO LEGISLATIVO ACTUAL Decreto-Lei n.º 220/2008, de 12 de Novembro: (Regime Jurídico de SCIE).

Leia mais

ÍNDICE. O papel do BPI no financiamento da reabilitação urbana: o programa JESSICA. 1. Introdução. 2. O Programa JESSICA no BPI

ÍNDICE. O papel do BPI no financiamento da reabilitação urbana: o programa JESSICA. 1. Introdução. 2. O Programa JESSICA no BPI O papel do BPI no financiamento da reabilitação urbana: o programa JESSICA Conferência CPCI e AIP/CCI Confederação Portuguesa da Construção e do Imobiliário Associação Industrial Portuguesa / Câmara de

Leia mais

ESPAÇOS DO CIDADÃO Decreto-Lei n.º 74/2014, de 13 de maio

ESPAÇOS DO CIDADÃO Decreto-Lei n.º 74/2014, de 13 de maio ESPAÇOS DO CIDADÃO Decreto-Lei n.º 74/2014, de 13 de maio De forma a garantir que a prestação digital de serviços públicos não implica a exclusão de quem não saiba ou não possa utilizar os serviços públicos

Leia mais

Inovações tecnológicas e novas soluções de planeamento

Inovações tecnológicas e novas soluções de planeamento Inovações tecnológicas e novas soluções de planeamento Hugo Duarte A Gestão de Frotas e a Logística Urbana Apresentação da empresa Áreas de atuação da Logistema: o Supply Chain Management o Logística e

Leia mais