PATOGENIA E SINTOMATOLOGIA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PATOGENIA E SINTOMATOLOGIA"

Transcrição

1 PATOGENIA E SINTOMATOLOGIA Geralmente a sintomatologia ocorre em crianças e raramente em adultos, provavelmente porque o parasito estimula certo grau de resistência. Multiplicandose intensamente, e é capaz de se multiplicar em cerca de 30 dias. Após essa multiplicação intensa, o parasito coloniza (como um tapete) a mucosa duodenal e jejunal (presos à mesma com auxílio de sua ventosa). Desta forma irá provocar irritação da mucosa, levando em consequência a enterite. Devido a esta ação mecânica e irritativa, as gorduras, as vitaminas lipossolúveis (A, D, E, K) e o ácido fólico não são bem absorvidos. A presença destes nutrientes em grande quantidade na luz intestinal, juntamente com a enterite, provoca o aumento do peristaltismo e diarreia gordurosa. Em consequência, o paciente entra em emagrecimento e avitaminose. Ao determinar a duodenite, caracteriza-se a sintomatologia pelo aparecimento de fenômenos dolorosos e epigástricos, simultaneamente a perturbações do tipo dispéptico. Os pacientes queixam-se de azia, náuseas e digestão difícil. As fezes diarreicas apresentam-se líquidas ou então moles, com consistência de mingau, muito fétidas, às vezes de coloração esverdeada. Outros fatores devem também influenciar na patogenia e sintomatologia da giardíase, entre eles, o processo inflamatório e as mudanças na arquitetura da mucosa. TRICOMONÍASE A Tricomoníase, tricomoniose ou tricomonose é uma doença sexualmente transmissível, causada pelo parasita protozoário unicelular Trichomonas vaginalis. Doença infecto-contagiosa do sistema gênito-urinário do homem e da mulher. No homem causa uma uretrite de manifestações em geral discretas (ardor e/ou prurido uretral e secreção brancacenta, amarelada ou amarelo esverdeada), podendo, eventualmente, ser ausentes em alguns e muito intensas em outros. É uma das principais causas de vaginite, vulvovaginite e cervicite (infecção do colo do útero) da mulher adulta, podendo, porém, cursar com pouca ou nenhuma manifestação clínica. Quando presente, manifesta-se na mulher como um corrimento vaginal amarelo esverdeado ou acinzentado, espumoso e com forte odor característico.

2 MORFOLOGIA Morfologia do T. vaginalis Trofozoita AF=Flagelos anteriores RF= Membrana ondulante CO= Costa AX= Axonema HY= Hidrogenossomas PB= Filamento parabasal PG= Corpo parabasal N = Núcleo O T. vaginalis é uma célula polimófica (mais de uma forma), tanto no hospedeiro natural quanto em meios de cultura. Os espécimes vivos são elipsódes ou ovais e algumas vezes esféricos. Com ralação a forma, os tricomonanídeos só apresentam a forma de trofozoíto, não existindo, portanto, a forma cística. Na forma de trofozoíto, observa-se: Flagelos: 3 a 6 flagelos, que, além de servirem para locomoção, são importantes para captura de alimento, sendo que um dos flagelos se dirige para trás, formando uma típica membrana ondulante, quando se locomove. Periplasto: Membrana delicada que recobre o parasito. Complexo cinético do flagelo: Grânulo basal ou blefaroplasto (situado no citoplasma, do qual se origina o flagelo). Citoplasma: Rico em glicogênio, pode ter pequenos vacúolos, sendo capaz, em algumas espécies, de fagocitar bactérias e eritrócitos.

3 Axóstilo: Em forma de fita, constituído pela justaposição de macrotúbulos e que se origina no blefaroplasto (grânulo basal). Costa: Estrutura em forma de bastonete, provavelmente de natureza esquelética. Citóstoma: Abertura situada na origem do flagelo. Núcleo: Relativamente grande. A movimentação dos flagelos atrai alimentação e a membrana ondulante produz movimento. Observe com atenção a figura: NUTRIÇÃO T. vaginalis adquire nutrientes através do transporte da membrana celular e fagocitose. A membrana ondulante auxilia neste processo. Bactérias, arqueas, e até mesmo partes da parede vaginal são consumidas. Enzimas quebram essas fontes de alimentos e convertem-nas em energia utilizável através da glicólise. HABITAT T. vaginalis não são organismos de vida livre. Eles precisam de um hospedeiro humano ou animal. T. vaginalis tem uma distribuição mundial. Nos homens, o

4 organismo vive no trato urinário, mais comumente na uretra ou próstata, onde, como em mulheres, é encontrada no trato reprodutivo, normalmente na vagina, e pode sobreviver cerca de 24 horas na urina, sêmen ou água. REPRODUÇÃO E CICLO DE VIDA O protozoário ao atingir o novo hospedeiro, encontrando condições favoráveis, passa a multiplicar-se por divisões binárias sucessivas, colonizando-se. Reproduzse com mais intensidade na vagina com ph menos ácido (4,5 a 5), mas reproduzse também na uretra masculina. Os mecanismos de transmissão ainda não estão inteiramente conhecidos. Em primeiro lugar está a possibilidade da infecção por via sexual, pois o homem alberga frequentemente o parasito. A promiscuidade deve exercer papel importante na transmissão do flagelado de uma para outra mulher. O protozoário é resistente no meio externo em condições de umidade, conservando por algum tempo após sua expulsão do organismo, sua vitalidade e infecciosidade. Assim, roupas pessoais, roupas de cama, de clister ou artigos de toalete, assentos de privada, instrumentos ginecológicos, podem veicular o parasito. Admite-se ainda que as meninas se contaminem no momento do nascimento, de mães infectadas. O flagelado pode viver muitos anos no canal genital das meninas, em estado de vida latente, determinando o aparecimento de sintomas quando variam as condições fisiológicas da vagina infantil, como, por exemplo, modificação da flora, alterando o ph vaginal; observe a figura do ciclo biológico.

5 Ciclo biológico do T. vaginalis PATOGENIA E PREVENÇÃO A tricomoníase costuma atingir mulheres entre 16 e 35 anos de idade e se manifesta, no sexo feminino, por: corrimento esbranquiçado espumoso, edema, prurido, queimação, escoriações, ulcerações e sangramento após relações sexuais. Já nos homens, a parasitíase geralmente é assintomática ou subclínica, o que justifica o fato da parasitíase ser mais diagnosticada em mulheres. A infecção por Trichomonas pode acarretar diversas doenças graves nas vias geniturinárias. As características clínicas do doente podem ser sugestivas da tricomoníase, sendo que na mulher esta parasitíase deve ser diferenciada das vaginoses bacteriana e fúngica. O uso de preservativos, o cuidado com os fômites (instrumentos ginecológicos, toalhas, roupas íntimas) e o tratamento do doente e de todos os seus parceiros são as formas de prevenção da tricomoníase. Só o tratamento medicamentoso adequado não garante a eliminação da doença, visto que mesmo após ter obtido a cura o paciente deve tomar os mesmos cuidados de quem nunca foi infectado, porque os medicamentos não impedem a reinfecção.

Giardia lamblia. Profª Me. Anny C. G. Granzoto

Giardia lamblia. Profª Me. Anny C. G. Granzoto Giardia lamblia Profª Me. Anny C. G. Granzoto 1 CLASSIFICAÇÃO TAXONÔMICA Reino Protista Subreino Protozoa Filo Sarcomastigophora Subfilo Mastigophora Classe Zoomastigophora Ordem Diplomonadida Flagelos

Leia mais

Giardíase. - É a principal parasitose intestinal (com maior incidência do que a ascaridíase e a amebíase).

Giardíase. - É a principal parasitose intestinal (com maior incidência do que a ascaridíase e a amebíase). Giardíase Parasito Reino: Protozoa Filo: Sarcomastigophora (porque possui flagelo) Ordem: Diplomonadida Família: Hexamitidae Gênero: Giardia Espécie: Giardia lamblia - É a principal parasitose intestinal

Leia mais

4. Assunto: (i) Protozoários: microorganismos eucariontes unicelulares.

4. Assunto: (i) Protozoários: microorganismos eucariontes unicelulares. Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental Componente curricular: Microbiologia Aula 9 Professor Antônio Ruas : 1. Créditos: 60 2. Carga horária semanal:

Leia mais

Professor Antônio Ruas :

Professor Antônio Ruas : 1. Créditos: 60 2. Carga horária semanal: 4 3. Semestre: 2 4. Assunto: (i) (ii) (iii) (iv) (v) (vi) (vii) Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Bacharelado em Gestão Ambiental Componente curricular:

Leia mais

Anexo 15. Doenças sexualmente transmissíveis

Anexo 15. Doenças sexualmente transmissíveis Anexo 15 Doenças sexualmente transmissíveis 1. Hepatite B Infecção das células hepáticas (fígado) pelo Vírus da Hepatite B pode ser infecção inaparente e subclínica (sem sintomas) até progressiva e fatal.

Leia mais

GIARDÍASE. Profª Drª Iana Rafaela F. Sales

GIARDÍASE. Profª Drª Iana Rafaela F. Sales GIARDÍASE Profª Drª Iana Rafaela F. Sales ianarafaela@gmail.com INTRODUÇÃO PRIMEIRO PROTOZOÁRIO INTESTINAL HUMANO A SER CONHECIDO Animalúnculos móveis em suas próprias fezes (1681) INTRODUÇÃO MORFOLOGIA

Leia mais

Perfil das mulheres que realizaram a coleta de citologia oncótica no 1ºsem na Clínica da Unaerp.

Perfil das mulheres que realizaram a coleta de citologia oncótica no 1ºsem na Clínica da Unaerp. SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ Perfil das mulheres que realizaram a coleta de citologia oncótica no 1ºsem. 2011 na Clínica da Unaerp. Kelly Cristina do Nascimento

Leia mais

Flagelados das vias digestivas e geniturinárias. Profa. Dra. Irene Soares Disciplina Parasitologia Clínica, FCF/USP 1 semestre/2005

Flagelados das vias digestivas e geniturinárias. Profa. Dra. Irene Soares Disciplina Parasitologia Clínica, FCF/USP 1 semestre/2005 Flagelados das vias digestivas e geniturinárias Profa. Dra. Irene Soares Disciplina Parasitologia Clínica, FCF/USP 1 semestre/2005 Sarcomastigophora Amebas Flagelados Entamoeba Endolimax Iodamoeba Trypanosoma

Leia mais

Giardia duodenalis Giardíase

Giardia duodenalis Giardíase Parasitologia Biotecnologia Giardia duodenalis Giardíase Prof. Paulo Henrique Matayoshi Calixto Características Primeiramente descrita em 1681 por Anthon van Leeuwenhoek em suas próprias fezes; Acomete

Leia mais

IMPORTÂNCIA PROBLEMA DE SAÚDE PÚBLICA SURTOS ASSOCIADOS A ÁGUA POTÁVEL HUMANOS / ANIMAIS

IMPORTÂNCIA PROBLEMA DE SAÚDE PÚBLICA SURTOS ASSOCIADOS A ÁGUA POTÁVEL HUMANOS / ANIMAIS Giardia PORQUE Giardia spp. afeta 2,8 bilhões de pessoas /ano mundo Brasil:28,5% de parasitados Países desenvolvidos = 5% Giardiose Humana Países em desenvolvimento = 40% Giardiose Humana IMPORTÂNCIA PROBLEMA

Leia mais

Protozoários: Protozoários Características: Protozoários IMPORTÂNCIA. Morfologia e ultra-estrutura de protozoários. Termo Protozoa: primeiro animal

Protozoários: Protozoários Características: Protozoários IMPORTÂNCIA. Morfologia e ultra-estrutura de protozoários. Termo Protozoa: primeiro animal UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE - UFCG Disciplina: Microbiologia Geral Morfologia e ultra-estrutura de protozoários Protozoários: Termo Protozoa: primeiro animal Protozoários Características: Eucarióticos

Leia mais

Bactérias Vírus Fungos Protozoários O QUE SÃO

Bactérias Vírus Fungos Protozoários O QUE SÃO Bactérias Vírus Fungos Protozoários RESUMO DOS PRINCIPAIS MICRORGANISMOS, O QUE SÃO MEIOS DE PROLIFERAÇÃO... Diferença entre as células Bactérias São seres muito simples, unicelulares e com célula procariótica

Leia mais

Morfologia Formasmorfológicas:cistosetrofozoítos(10µma20µm umdosmaioresflageladosqueocorrememhumanos)

Morfologia Formasmorfológicas:cistosetrofozoítos(10µma20µm umdosmaioresflageladosqueocorrememhumanos) FILO: Sarcomastigophora CLASSE: Zoomastigophorea ORDEM: Retortamonadida Chilomastix mesnili(frequente) Retortamonas Intestinalis(raro) Chilomastix mesnili É encontrado frequentementeno intestino do Homem

Leia mais

PROTOZOÁRIOS PARASITAS INTESTINAIS

PROTOZOÁRIOS PARASITAS INTESTINAIS COLÉGIO JOÃO PAULO I LABORATÓRIO DE BIOLOGIA - 2º ANO PROF. ANDRÉ FRANCO FRANCESCHINI PROTOZOÁRIOS PARASITAS INTESTINAIS AMEBÍASE Agente causador: Entamoeba histolytica. Diagnóstico: E. P. F. exame parasitológico

Leia mais

CIÊNCIAS EJA 5ª FASE PROF.ª SARAH DOS SANTOS PROF. SILONE GUIMARÃES

CIÊNCIAS EJA 5ª FASE PROF.ª SARAH DOS SANTOS PROF. SILONE GUIMARÃES CIÊNCIAS EJA 5ª FASE PROF.ª SARAH DOS SANTOS PROF. SILONE GUIMARÃES REVISÃO DOS CONTEÚDOS Unidade II Ser Humano e Saúde 2 REVISÃO DOS CONTEÚDOS Aula 13 Revisão e Avaliação 3 REVISÃO 1 O sistema reprodutor

Leia mais

AMEBÍASE. e Entamoeba histolytica. Satie Katagiri. São Paulo, março de 2010.

AMEBÍASE. e Entamoeba histolytica. Satie Katagiri. São Paulo, março de 2010. AMEBÍASE e Entamoeba histolytica Satie Katagiri São Paulo, março de 2010. Amebas parasitas do homem Gênero Entamoeba Classificadas conforme número de núcleos da forma cística. Com 8 núcleos: Entamoeba

Leia mais

Aula III Protozoários

Aula III Protozoários ZOOLOGIA E PARASITOLOGIA Aula III Protozoários Professora: Luciana Alves de Sousa REINO PROTISTA Protozoa: grego Proto = primeiro Zoon = animal Características gerais Organismos unicelulares, eucariontes,

Leia mais

Colégio FAAT Ensino Fundamental e Médio

Colégio FAAT Ensino Fundamental e Médio Colégio FAAT Ensino Fundamental e Médio Lista de exercícios de Ciências - 1º Bimestre Nome: Ano: 7º A / B Prof. Paula Jacinto N.: / /17 Volume 1: Conhecendo a Biosfera Vírus e bactérias Protistas 1) Explique

Leia mais

REINO PROTISTA PROTOZOÁRIOS ALGAS

REINO PROTISTA PROTOZOÁRIOS ALGAS REINO PROTISTA PROTOZOÁRIOS 7º ANO - CIÊNCIAS PROFESSORA LISIANE VIEL ALGAS PROTOZOÁRIOS Vivem em ambientes variados água e solo, com vida livre ou associados com outros seres vivos. Parasitismo = retiram

Leia mais

PREVALÊNCIA DE GIARDIA LAMBLIA NA CIDADE DE BURITAMA ESTADO DE SÃO PAULO

PREVALÊNCIA DE GIARDIA LAMBLIA NA CIDADE DE BURITAMA ESTADO DE SÃO PAULO PREVALÊNCIA DE GIARDIA LAMBLIA NA CIDADE DE BURITAMA ESTADO DE SÃO PAULO Catierine Hirsch Werle RESUMO A Giardia está distribuída mundialmente. No Brasil sua prevalência varia de 4 a 30%, dependendo das

Leia mais

CIÊNCIAS EJA 5ª FASE PROF.ª SARAH DOS SANTOS PROF. SILONE GUIMARÃES

CIÊNCIAS EJA 5ª FASE PROF.ª SARAH DOS SANTOS PROF. SILONE GUIMARÃES CIÊNCIAS EJA 5ª FASE PROF.ª SARAH DOS SANTOS PROF. SILONE GUIMARÃES CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade II Ser Humano e Saúde 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 11.2 Conteúdo Doenças Sexualmente Transmissíveis

Leia mais

14/03/2017. Eucariontes; Unicelulares; Heterótrofos; Digestão: Vacúolos digestivos; Reprodução: Assexuada; Sexuada; PROTOZOÁRIOS E ALGAS

14/03/2017. Eucariontes; Unicelulares; Heterótrofos; Digestão: Vacúolos digestivos; Reprodução: Assexuada; Sexuada; PROTOZOÁRIOS E ALGAS PROTOZOÁRIOS E ALGAS Eucariontes; Unicelulares; Heterótrofos; Digestão: Vacúolos digestivos; Reprodução: Assexuada; Sexuada; 1 2 Locomoção por meio de pseudópodes; Vida livre ou parasitas; Vacúolo pulsátil

Leia mais

Trichomonas vaginalis. Profa Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br

Trichomonas vaginalis. Profa Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br Trichomonas vaginalis Profa Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br Taxonomia Filo: Sarcomastigophora Subfilo: Mastigophora Ordem: Trichomonadida Família: Trichomonadidae Gênero:Trichomonas

Leia mais

24/11/2015. Biologia de Microrganismos - 2º Semestre de Prof. Cláudio 1. O mundo microbiano. Profa. Alessandra B. F. Machado

24/11/2015. Biologia de Microrganismos - 2º Semestre de Prof. Cláudio 1. O mundo microbiano. Profa. Alessandra B. F. Machado UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE PARASITOLOGIA, MICROBIOLOGIA E IMUNOLOGIA Relação bactéria-hospedeiro Profa. Alessandra B. F. Machado O mundo microbiano Os microrganismos são ubíquos.

Leia mais

Histologia do sistema genital feminino. Células. superficiais. Células. intermediárias. Células. parabasais. Células. basais.

Histologia do sistema genital feminino. Células. superficiais. Células. intermediárias. Células. parabasais. Células. basais. Histologia do sistema genital feminino Camada basal Células superficiais Células intermediárias Células parabasais Células basais Papila do estroma Estroma Epitélio escamoso estratificado Histologia do

Leia mais

PRINCIPAIS PATÓGENOS OPORTUNISTAS DECORRENTES NO CLIMATÉRIO

PRINCIPAIS PATÓGENOS OPORTUNISTAS DECORRENTES NO CLIMATÉRIO PRINCIPAIS PATÓGENOS OPORTUNISTAS DECORRENTES NO CLIMATÉRIO Ericka Garcia Leite¹; Tiago Ferreira da Silva Araújo² ( 1 Graduada em Biomedicina pela Faculdade Maurício de Nassau-CG, email: erickacg7@hotmail.com;

Leia mais

Vagisan Ácido Láctico

Vagisan Ácido Láctico Folheto de Instruções Leia com atenção as seguintes instruções de utilização, pois contêm informações importantes que devem ser tidas em conta aquando da utilização deste dispositivo médico. Guarde estas

Leia mais

Reino Protista. Protozoários Algas

Reino Protista. Protozoários Algas Reino Protista Protozoários Algas Morfologia e ultra-estrutura de protozoários Características dos protozoários Unicelulares, alguns coloniais, alguns com etapas de vida multicelulares. Eucariontes. Heterótrofos,

Leia mais

Protistas. Thiago Lins do Nascimento

Protistas. Thiago Lins do Nascimento Protistas 1 Thiago Lins do Nascimento tiagolinsnasc@gmail.com Protistas: Características Gerais São seres eucariontes. Os protistas são compostos pelas algas e protozoários. Apresentam muita diversidade

Leia mais

Doenças Infecciosas e Transmissão de Doenças: Conceitos Básicos

Doenças Infecciosas e Transmissão de Doenças: Conceitos Básicos Universidade Federal do Rio de Janeiro Instituto de Estudos em Saúde Coletiva Graduação de Saúde Coletiva Disciplina: Fundamentos de Epidemiologia Doenças Infecciosas e Transmissão de Doenças: Conceitos

Leia mais

Trichomonas vaginalis. Profª. Me.: Anny C.G. Granzoto

Trichomonas vaginalis. Profª. Me.: Anny C.G. Granzoto Trichomonas vaginalis Profª. Me.: Anny C.G. Granzoto 1 CLASSIFICAÇÃO TAXONÔMICA CARACTERIZADA POR APRESENTAR 3 A 6 FLAGELOS, AXÓSTILO A denominação dos gêneros são feitas pelo número de flagelos livres:

Leia mais

Trivagel - N fosfato dissódico de dexametasona + ASSOCIAÇÃO Sistema Genito-urinário

Trivagel - N fosfato dissódico de dexametasona + ASSOCIAÇÃO Sistema Genito-urinário Trivagel - N fosfato dissódico de dexametasona + ASSOCIAÇÃO Sistema Genito-urinário Forma farmacêutica e apresentação Creme vaginal - bisnaga de 60g acompanhada de 10 aplicadores descartáveis de 5g. USO

Leia mais

DST - Proteja Sua Saúde

DST - Proteja Sua Saúde DST - Proteja Sua Saúde Adsense1 O sexo é importante na nossa vida. Ele nos dá prazer e, às vezes, filhos. Sexo é sinal de saúde, permite demonstrar carinho e confiança. Existem, entretanto, inimigos de

Leia mais

Parasitologia Docente: Prof. Subst. Luciano Alves dos Anjos

Parasitologia Docente: Prof. Subst. Luciano Alves dos Anjos Campus de Ilha Solteira Departamento de Biologia e Zootecnia DBZ FEIS Protozoários Subfilo SARCODINA Parasitologia Docente: Prof. Subst. Luciano Alves dos Anjos Características Gerais Sarcodíneos ou Rizópodos

Leia mais

FLOGO-ROSA. Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. Pó 53,2 mg/g

FLOGO-ROSA. Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. Pó 53,2 mg/g FLOGO-ROSA Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. Pó 53,2 mg/g BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO FLOGO-ROSA cloridrato de benzidamina APRESENTAÇÃO

Leia mais

REVISÃO: A CÉLULA E SEU FUNCIONAMENTO

REVISÃO: A CÉLULA E SEU FUNCIONAMENTO REVISÃO: A CÉLULA E SEU FUNCIONAMENTO 2 O que são Células? São as unidades estruturais e funcionais dos organismos vivos; Envolvidas por membranas preenchidas por solução aquosa, onde estão presentes biomoléculas

Leia mais

Morfologia e Estrutura Bacteriana

Morfologia e Estrutura Bacteriana Morfologia e Estrutura Bacteriana Bactérias São seres vivos microscópicos que ocupam os mais diversos ambientes e ainda, podem apresentar formas distintas, que podem varias entre: Esféricas Cilíndricas

Leia mais

Caraterização das Infeções Vaginais incidência e prevalência

Caraterização das Infeções Vaginais incidência e prevalência Caraterização das Infeções Vaginais incidência e prevalência CANDIDÍASE VULVO-VAGINAL INFEÇÕES VAGINAIS - Enquadramento Sintomatologia do trato genital inferior Modificações patológicas ou mesmo fisiológicas

Leia mais

Vírus - Caracterização Geral

Vírus - Caracterização Geral Noções de Vírus By Profª. Cynthia Vírus - Caracterização Geral Vírus = veneno ou fluído venenoso (Latim) Acelulares/ Partículas Infecciosas Composição química de nucleoproteínas (DNA ou RNA+Proteínas)

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DOS PROTOZOÁRIOS

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DOS PROTOZOÁRIOS Faculdade de Medicina de Jundiaí Disciplina de Parasitologia INTRODUÇÃO AO ESTUDO DOS PROTOZOÁRIOS Profa. Dra. Alcione Vendramin Gatti Protozoários Etimologia do grego proto primeiro e zoon animal. Protozoa

Leia mais

CITOLOGIA 8º ano Prof. Graziela Grazziotin Costa

CITOLOGIA 8º ano Prof. Graziela Grazziotin Costa CITOLOGIA 8º ano - 2017 Prof. Graziela Grazziotin Costa 1 Célula o Partes básicas: a) Membrana plasmática b) Citoplasma c) Núcleo 2 Célula o Menor porção viva de um organismo. o Eucarioto: presença de

Leia mais

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 29 REINO PROTISTA

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 29 REINO PROTISTA BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 29 REINO PROTISTA Fixação 1) (PUC) O filo Protozoa é subdividido em quatro classes: Sarcodina, Mastigophora, Sporozoa e Cilliphora. A característica considerada para

Leia mais

Biologia 1ª série. Profª Reisila Mendes

Biologia 1ª série. Profª Reisila Mendes Biologia 1ª série Profª Reisila Mendes Conceito e estrutura Os vírus são fragmentos não vivos de genoma, que evoluíram tanto a partir de bactérias como de eucariontes. Os vírus são os únicos organismos

Leia mais

CORRIMENTO VAGINAL (VULVOVAGINITES) UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ Setor de Genitoscopia Prof André Luis F. Santos 2010

CORRIMENTO VAGINAL (VULVOVAGINITES) UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ Setor de Genitoscopia Prof André Luis F. Santos 2010 CORRIMENTO VAGINAL (VULVOVAGINITES) UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ Setor de Genitoscopia Prof André Luis F. Santos 2010 CONCEITO (VULVOVAGINITES) Qualquer acometimento infeccioso e/ou inflamatório da vulva e

Leia mais

SISTEMA REPRODUTOR HUMANO. Prof. Me. Cristino Rêgo 8º ANO Ensino Fundamental II

SISTEMA REPRODUTOR HUMANO. Prof. Me. Cristino Rêgo 8º ANO Ensino Fundamental II SISTEMA REPRODUTOR HUMANO Prof. Me. Cristino Rêgo 8º ANO Ensino Fundamental II SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO FUNÇÕES BÁSICAS Produção de gametas (espermatogênese) Produção de hormônio (testosterona) Condução

Leia mais

Alterações no Trato Urinário

Alterações no Trato Urinário Alterações no Trato Urinário PPCSA Profª Daniele C D Zimon Profª Adriana Cecel Guedes Aparelho Urinário Rim Infecções do Trato Urinário As infecções do trato urinário (ITUs) são causadas por micoorganismos

Leia mais

Primeiros animais/ primitivos; Seres aquáticos: mares, rios, tanques etc...

Primeiros animais/ primitivos; Seres aquáticos: mares, rios, tanques etc... Protozoários Primeiros animais/ primitivos; Seres aquáticos: mares, rios, tanques etc... Estrutura: Realizam as funções vitais: Locomoção e respiração; Obtenção de alimentos; Digestão; Excreção; Reprodução.

Leia mais

Edital Pibid n 11 /2012 CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID. Plano de Atividades (PIBID/UNESPAR)

Edital Pibid n 11 /2012 CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID. Plano de Atividades (PIBID/UNESPAR) Edital Pibid n 11 /2012 CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID Plano de Atividades (PIBID/UNESPAR) Tipo do produto: Plano de Atividade. 1 IDENTIFICAÇÃO NOME DO SUBPROJETO:

Leia mais

Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde PET Parasitologia. Giardia lamblia. Aluna: Gabriela Floro 4º Período - Nutrição

Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde PET Parasitologia. Giardia lamblia. Aluna: Gabriela Floro 4º Período - Nutrição Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde PET Parasitologia Giardia lamblia Aluna: Gabriela Floro 4º Período - Nutrição Introdução Giardia: parasitos do intestino delgado de mamíferos,

Leia mais

COLÉGIO MONJOLO DESAFIO N / 1 BIMESTRE

COLÉGIO MONJOLO DESAFIO N / 1 BIMESTRE COLÉGIO MONJOLO DESAFIO N 01 2017 / 1 BIMESTRE DISCIPLINA: CIÊNCIAS NOME DO PROFESSOR (A): FRANCISCO JARDEL Data da entrega: 24/02/2017. Aluno(a): 8 Ano: CÉLULA, UNIDADE BÁSICA DOS SERES VIVOS. Todos os

Leia mais

INFECÇÕES. Prof. Dr. Olavo Egídio Alioto

INFECÇÕES. Prof. Dr. Olavo Egídio Alioto INFECÇÕES Prof. Dr. Olavo Egídio Alioto Definição É a colonização de um organismo hospedeiro por uma espécie estranha. Numa infecção, o organismo infectante procura utilizar os recursos do hospedeiro para

Leia mais

Atualizado em 24/05/2015 Prof. Associado, Dr. Paulo Sergio Torres Brioso (http://lattes.cnpq.br/ )

Atualizado em 24/05/2015 Prof. Associado, Dr. Paulo Sergio Torres Brioso (http://lattes.cnpq.br/ ) UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE BIOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENTOMOLOGIA E FITOPATOLOGIA ÁREA DE FITOPATOLOGIA IB 237 (PATOLOGIA FLORESTAL) Atualizado em 24/05/2015 Prof. Associado,

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Nalbix 100 mg, comprimidos vaginais Clotrimazol Este folheto contém informações importantes para si. Leia-o atentamente. Este medicamento pode ser adquirido

Leia mais

D.S.T. CANCRO MOLE TRICOMO ÍASE CANDIDÍASE HERPES CONDILOMA LI FOGRA ULOMA GONORRÉIA SÍFILIS GRANULOMA AIDS

D.S.T. CANCRO MOLE TRICOMO ÍASE CANDIDÍASE HERPES CONDILOMA LI FOGRA ULOMA GONORRÉIA SÍFILIS GRANULOMA AIDS D.S.T D.S.T. CANCRO MOLE TRICOMO ÍASE CANDIDÍASE HERPES CONDILOMA LI FOGRA ULOMA GONORRÉIA SÍFILIS GRANULOMA AIDS CANCRO MOLE Agente: bactéria Haemophilus ducreyi Transmissão: sexo vaginal, anal ou oral

Leia mais

Transmissão da Vida Bases morfológicas e fisiológicas da reprodução 1.2. Noções básicas de hereditariedade. Ciências Naturais 9ºano

Transmissão da Vida Bases morfológicas e fisiológicas da reprodução 1.2. Noções básicas de hereditariedade. Ciências Naturais 9ºano Ciências Naturais 9ºano Transmissão da Vida 1.1. Bases morfológicas e 1.2. Noções básicas de hereditariedade A partir da puberdade, as gónadas atingem a maturidade e começam a produzir gâmetas. Ovários

Leia mais

O MAIOR RISCO É... ACHARMOS QUE NÃO CORREMOS RISCOS! Tiemi Arakawa

O MAIOR RISCO É... ACHARMOS QUE NÃO CORREMOS RISCOS! Tiemi Arakawa O MAIOR RISCO É... ACHARMOS QUE NÃO CORREMOS RISCOS! Tiemi Arakawa Enfermeira, Doutora em Ciências Membro do GEOTB e do GEO-HIV/aids Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto Quais imagens temos do HIV? O

Leia mais

2) Observe o esquema. Depois, seguindo a numeração, responda às questões. C) Onde a urina é armazenada antes de ser eliminada do corpo?.

2) Observe o esquema. Depois, seguindo a numeração, responda às questões. C) Onde a urina é armazenada antes de ser eliminada do corpo?. Professor: Altemar Santos. Exercícios sobre os sistemas urinário (excretor), reprodutores masculino e feminino e fecundação para o 8º ano do ensino fundamental. 1) Analise o esquema: Identifica-se pelas

Leia mais

Reino Monera. Telmo Giani- Fonte: Internet

Reino Monera. Telmo Giani- Fonte: Internet Reino Monera Telmo Giani- Fonte: Internet Célula bacteriana Membrana plasmática Citoplasma Mesossomo Ribossomos Parede celular Cápsula Fímbrias Enzimas relacionadas com a respiração, ligadas à face interna

Leia mais

O MUNDO MICROSCÓPICO VÍRUS, BACTÉRIAS E PROTOZOÁRIOS. Professora: Edilene, Janaina e Ana Laura

O MUNDO MICROSCÓPICO VÍRUS, BACTÉRIAS E PROTOZOÁRIOS. Professora: Edilene, Janaina e Ana Laura O MUNDO MICROSCÓPICO VÍRUS, BACTÉRIAS E PROTOZOÁRIOS Professora: Edilene, Janaina e Ana Laura VÍRUS Vírusvem do latim = veneno São pequenos - ultramicroscópicos Um pouco de história Louis Pasteur (1822-1895)

Leia mais

MICOLOGIA - Estudo sobre Fungos

MICOLOGIA - Estudo sobre Fungos MICOLOGIA - Estudo sobre Fungos Champignon Amanita (alucinógeno) Orelha de pau os fungos Amanita (alucinógeno) Queijo gorgonzola Tuber (trufas) Levedura Aspergilus INTRODUÇÃO FUNGOS: Filamentosos + Leveduras

Leia mais

CITOPLASMA E ORGANELAS CITOPLASMÁTICAS. Instituto Federal de Santa Catarina Curso de Biotecnologia Prof. Paulo Calixto

CITOPLASMA E ORGANELAS CITOPLASMÁTICAS. Instituto Federal de Santa Catarina Curso de Biotecnologia Prof. Paulo Calixto CITOPLASMA E ORGANELAS CITOPLASMÁTICAS Instituto Federal de Santa Catarina Curso de Biotecnologia Prof. Paulo Calixto 1943 1944 1953 1956 1961-66 1973 1975 1982 1988 1990 1996 2000-03 Biotecnologia Algumas

Leia mais

Conceitos Gerais Relação Parasita Hospedeiro. Prof. Cor

Conceitos Gerais Relação Parasita Hospedeiro. Prof. Cor Parasitologia Humana Conceitos Gerais Relação Parasita Hospedeiro Prof. Cor Divisão da Parasitologia MICROBIOLOGIA: bactéria, fungos e vírus PARASITOLOGIA: protozoários, helmintos e artrópodes Microbiota

Leia mais

Estudante: Ano/Turma: 7º

Estudante: Ano/Turma: 7º Estudante: Ano/Turma: 7º Educador: Marcela Salgado Ensino Fundamental II ATIVIDADE COMPLEMENTAR C.Curricular: Ciências Data: Questão 1 Sobre o assunto de células responda: a) Indique a função e/ou as características

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO CORPO HUMANO - CÉLULAS. 8 ano Prof. Jair Nogueira Turma 82 - Ciências

ORGANIZAÇÃO DO CORPO HUMANO - CÉLULAS. 8 ano Prof. Jair Nogueira Turma 82 - Ciências ORGANIZAÇÃO DO CORPO HUMANO - CÉLULAS 8 ano Prof. Jair Nogueira Turma 82 - Ciências O corpo humano apresenta uma estrutura complexa, formada por vários órgãos que realizam suas funções em conjunto. Assim

Leia mais

CONHECENDO AS CÉLULAS. Prof. Msc. Cleysyvan Macedo

CONHECENDO AS CÉLULAS. Prof. Msc. Cleysyvan Macedo CITOLOGIA CONHECENDO AS CÉLULAS Prof. Msc. Cleysyvan Macedo CITOLOGIA A área da Biologia que estuda a célula, no que diz respeito à sua estrutura e funcionamento. Kytos (célula) + Logos (estudo) As células

Leia mais

POR QUE ESTUDAR MICROBIOLOGIA?

POR QUE ESTUDAR MICROBIOLOGIA? POR QUE ESTUDAR MICROBIOLOGIA? POR QUE ESTUDAR MICROBIOLOGIA? O corpo humano contém normalmente bilhões de microorganismos, quer na pele, debaixo das unhas, na boca, nariz, intestino e em outras cavidades

Leia mais

Vagicand (nitrato de fenticonazol)

Vagicand (nitrato de fenticonazol) Vagicand (nitrato de fenticonazol) Supera Farma Laboratórios S.A Creme Vaginal 0,02 G VAGICAND nitrato de fenticonazol MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA USO VAGINAL USO ADULTO

Leia mais

Ribossomos: Grânulos encontrados geralmente no retículo endoplasmático rugoso. Têm a função de produzir proteínas.

Ribossomos: Grânulos encontrados geralmente no retículo endoplasmático rugoso. Têm a função de produzir proteínas. A CÉLULA A célula é a menor parte funcional dos seres vivos multicelulares e ainda pode ser um ser vivo como um todo, por exemplo, uma bactéria, que é uma única célula (ser vivo unicelular). As células

Leia mais

BIOLOGIA ENSINO MÉDIO PROF. SILONE GUIMARÃES 2 ANO PROF ª. SARAH SANTOS

BIOLOGIA ENSINO MÉDIO PROF. SILONE GUIMARÃES 2 ANO PROF ª. SARAH SANTOS BIOLOGIA 2 ANO PROF ª. SARAH SANTOS ENSINO MÉDIO PROF. SILONE GUIMARÃES CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade II Vida e Ambiente 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 7.2 Conteúdo Doenças sexualmente transmissiveis

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO INICIAL - MULHER VIH POSITIVO

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO INICIAL - MULHER VIH POSITIVO INSTRUÇÕES PARA A EQUIPA DO ESTUDO: Após inscrição no estudo, os participantes devem preencher este questionário de avaliação inicial. Certifique-se de que é distribuído o questionário adequado. Após o

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE MEDICINA

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE MEDICINA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE MEDICINA Mariana Morena de Vieira Santos Greatti Flora intermediária em mulheres em idade reprodutiva: aspectos inflamatórios, atividade

Leia mais

ENVELHECIMENTO. Definições do Envelhecimento, Acne e Lesões de conteúdo liquido. Envelhecimento cutâneo. Envelhecimento Intrínseco (fisiológico)

ENVELHECIMENTO. Definições do Envelhecimento, Acne e Lesões de conteúdo liquido. Envelhecimento cutâneo. Envelhecimento Intrínseco (fisiológico) Definições do Envelhecimento, Acne e Lesões de conteúdo liquido ENVELHECIMENTO Envelhecimento cutâneo O conceito de beleza atualmente em vigor e procurado pela grande maioria das pessoas é o da pele jovem,

Leia mais

PATOGENICIDADE BACTERIANA

PATOGENICIDADE BACTERIANA PATOGENICIDADE BACTERIANA Fatores de de Virulência Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará Curso de Licenciatura Plena em

Leia mais

CITOLOGIA. kytos = célula logos = estudo) Unidade morfológica e funcional dos seres vivos

CITOLOGIA. kytos = célula logos = estudo) Unidade morfológica e funcional dos seres vivos Luci Freitas CITOLOGIA kytos = célula logos = estudo) Unidade morfológica e funcional dos seres vivos Tamanho das células Glóbulo vermelho na ponta de uma agulha Embrião humano na ponta de uma agulha Neste

Leia mais

Aula 06. Olá pessoal, hoje iremos conhecer um parasita muito frequente em nossa região a. Taenia. TAENIA sp. (Teníase e Cisticercose) Introdução

Aula 06. Olá pessoal, hoje iremos conhecer um parasita muito frequente em nossa região a. Taenia. TAENIA sp. (Teníase e Cisticercose) Introdução Aula 06 Teníase e Cisticercose Taenia sp. Olá pessoal, hoje iremos conhecer um parasita muito frequente em nossa região a TAENIA sp. (Teníase e Cisticercose) Introdução Teníases e Cisticercose são duas

Leia mais

SISTEMA REPRODUTOR EU BIOLOGIA

SISTEMA REPRODUTOR EU BIOLOGIA SISTEMA REPRODUTOR EU BIOLOGIA Sistema Genital Feminino Ovários: produção de óvulos e hormônios (estrógeno e progesterona) Tuba uterina: durante a ovulação, recolhe o óvulo e conduz até o útero Útero:

Leia mais

24/02/2012. Conhecer o parasitismo num contexto ecológico e como forma de relação entre os seres vivos.

24/02/2012. Conhecer o parasitismo num contexto ecológico e como forma de relação entre os seres vivos. Yara Bandeira, Msc A parasitologia é uma ciência, da área de saúde, auxiliar da medicina humana e veterinária que se baseia no estudo dos parasitas e suas relaçoes com o hospedeiro Conhecer o parasitismo

Leia mais

REINO PROTOCTISTA OCTIST

REINO PROTOCTISTA OCTIST REINO PROTOCTISTA INTRODUÇÃO O termo protista deriva do grego e significa primeiros de todos, dando a idéia de que eles teriam sido os primeiros eucariontes a surgir no curso da evolução. Reino protista

Leia mais

Toxoplasmose. Filo: Apicomplexa (porque possui complexo apical)

Toxoplasmose. Filo: Apicomplexa (porque possui complexo apical) Toxoplasmose Parasito Reino: Protozoa Filo: Apicomplexa (porque possui complexo apical) Ordem: Eucoccidiida Família: Sarcocystidae Gênero: Toxoplasma Espécie: Toxoplasma gondii - É uma doença cosmopolita.

Leia mais

EJA 3ª FASE PROF.ª CHRISTIANE MELLO PROF.ª QUEILA PATRÍCIA

EJA 3ª FASE PROF.ª CHRISTIANE MELLO PROF.ª QUEILA PATRÍCIA EJA 3ª FASE PROF.ª CHRISTIANE MELLO PROF.ª QUEILA PATRÍCIA REVISÃO DE CONTEÚDOS 2º Bimestre Aula 77 Revisão e Avaliação de Ciências da Natureza 2 REVISÃO 1 Sistema genital feminino e masculino O sistema

Leia mais

VAGI C. (ácido ascórbico) Marjan Indústria e Comércio Ltda. Comprimidos vaginais 250 mg de ácido ascórbico

VAGI C. (ácido ascórbico) Marjan Indústria e Comércio Ltda. Comprimidos vaginais 250 mg de ácido ascórbico VAGI C (ácido ascórbico) Marjan Indústria e Comércio Ltda. Comprimidos vaginais 250 mg de ácido ascórbico Vagi C ácido ascórbico APRESENTAÇÃO Comprimidos vaginais de ácido ascórbico 250 mg em embalagem

Leia mais

Características Gerais. Representantes: Bactérias e cianobactérias (algas azuis).

Características Gerais. Representantes: Bactérias e cianobactérias (algas azuis). REINO MONERA Características Gerais Representantes: Bactérias e cianobactérias (algas azuis). Procariontes: ausência de carioteca e organelas membranosas no citoplasma. Unicelulares - Isolados ou coloniais.

Leia mais

Cap. 6 Citoplasma e Organelas

Cap. 6 Citoplasma e Organelas Cap. 6 Citoplasma e Organelas CITOPLASMA Características gerais: Kytos célula / Plasma Líquido Em PROCARIONTES: Líquido viscoso Citosol + DNA (nucleoide + plasmídios) + ribossomos Ausência de membranas

Leia mais

A Célula. A teoria celular, postulada por Schleiden e Schwann, assenta nos seguintes pressupostos:

A Célula. A teoria celular, postulada por Schleiden e Schwann, assenta nos seguintes pressupostos: A Célula Teoria celular: A teoria celular, postulada por Schleiden e Schwann, assenta nos seguintes pressupostos: A célula é a unidade básica estrutural e funcional de todos os seres vivos (isto é, todos

Leia mais

Classe Nematoda. Ascaridíase

Classe Nematoda. Ascaridíase Classe Nematoda - Os parasitos pertencentes a essa classe possuem características em comum, como: - São pseudocelomados; - Possuem sistema digestório completo; - Alguns são geo-helmintos (verdadeiros),

Leia mais

Transmissão da Vida Bases morfológicas e fisiológicas da reprodução 1.2. Noções básicas de hereditariedade. Ciências Naturais 9ºano

Transmissão da Vida Bases morfológicas e fisiológicas da reprodução 1.2. Noções básicas de hereditariedade. Ciências Naturais 9ºano Ciências Naturais 9ºano Transmissão da Vida 1.1. Bases morfológicas e 1.2. Noções básicas de hereditariedade A transmissão da Vida assegura a continuidade e a variabilidade da espécie humana. É assegurada

Leia mais

REINO PROTOCTISTA OCTIST

REINO PROTOCTISTA OCTIST REINO PROTOCTISTA INTRODUÇÃO O termo protista deriva do grego e significa primeiros de todos, dando a idéia de que eles teriam sido os primeiros eucariontes a surgir no curso da evolução. Reino Protoctista

Leia mais

Estabilidade do produto

Estabilidade do produto Estabilidade do produto A estabilidade e a segurança de embutidos cárneos são relacionadas com atividade de água, ph e temperatura de armazenagem Grupos de produtos Aw ph Temperatura de armazenagem Facilmente

Leia mais

Reino Fungi Características gerais Classificação Associações. Introdução Exemplos REINO FUNGI

Reino Fungi Características gerais Classificação Associações. Introdução Exemplos REINO FUNGI Introdução Exemplos REINO FUNGI Introdução Exemplos Introdução Morfologia Nutrição e excreção Respiração Reprodução Aclorofilados; Parede celular de quitina; Glicogênio como principal molécula energética;

Leia mais

PROTOZOOLOGIA. Filo CILIOPHORA

PROTOZOOLOGIA. Filo CILIOPHORA Filo CILIOPHORA Filo CILIOPHORA Família BALANTIDIIDAE Balantidium coli Habitat: Intestino grosso PROTOZOOLOGIA Morfologia: organismo revestido por cílios, bastante móvel, mede 300µm, na parte anterior

Leia mais

Boletim Epidemiológico

Boletim Epidemiológico O QUE É? HPV é a sigla em inglês para papilomavírus humano. É um vírus de grande relevância médica pelo fato de estar relacionado a praticamente 100% dos casos de câncer de colo do útero (um dos tipos

Leia mais

Relações Parasitas e Hospedeiros. Aula 01 Profº Ricardo Dalla Zanna

Relações Parasitas e Hospedeiros. Aula 01 Profº Ricardo Dalla Zanna Relações Parasitas e Hospedeiros Aula 01 Profº Ricardo Dalla Zanna Quintas Disciplina 1ª aula Relações Parasitas e Hospedeiros 2ª aula Relações Parasitas e Hospedeiros Intervalo \0/ 3ª aula Relações Parasitas

Leia mais

CIÊNCIAS DA NATUREZA 2º CICLO. Calendarização /2011

CIÊNCIAS DA NATUREZA 2º CICLO. Calendarização /2011 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AVEIRO ESCOLA BÁSICA DO 2º E 3º CICLOS JOÃO AFONSO CIÊNCIAS DA NATUREZA 2º CICLO Calendarização - 20/2011 Período Data N.º semanas Número de tempos 8 minutos) por ano de escolaridade

Leia mais

Atualização em Farmacoterapia. Clotrimazol

Atualização em Farmacoterapia. Clotrimazol Atualização em Farmacoterapia 1 Clotrimazol Terapia associada intravaginal e tópica apresenta eficácia e alternativa bem tolerada no tratamento de micoses vulvovaginais 1. Associação de Metronidazol +

Leia mais

Vírus, um grupo a parte.

Vírus, um grupo a parte. Vírus, um grupo a parte. Vírus, um grupo a parte. Estrutura típica de um vírus: 01)Observe a figura a seguir, onde está representado, esquematicamente, o vírus HIV e analise as proposições quanto à sua

Leia mais

CARACTERÍSTICAS ORGANISMOS UNICELULARES EUCARIÓTICOS QUIMIO-HETEROTRÓFICOS HABITAM A ÁGUA E O SOLO

CARACTERÍSTICAS ORGANISMOS UNICELULARES EUCARIÓTICOS QUIMIO-HETEROTRÓFICOS HABITAM A ÁGUA E O SOLO PROTOZOÁRIOS CARACTERÍSTICAS ORGANISMOS UNICELULARES EUCARIÓTICOS QUIMIO-HETEROTRÓFICOS HABITAM A ÁGUA E O SOLO CARACTERÍSTICAS PROTOZOA primeiro animal Descreve sua forma animal de nutrição (digestão

Leia mais