Atribuição de efeito suspensivo aos recursos especial e extraordinário

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Atribuição de efeito suspensivo aos recursos especial e extraordinário"

Transcrição

1 Atribuição de efeito suspensivo aos recursos especial e extraordinário Paulo Afonso de Souza Sant Anna* Texto complementar De acordo com o artigo 542, 2.º, do Código de Processo Civil (CPC), os recursos especial e extraordinário serão recebidos apenas no efeito devolutivo. A ideia desse dispositivo, na verdade, é determinar que esses recursos não têm efeito suspensivo e, por isso, as decisões contra as quais são interpostos têm eficácia imediata. Nesse sentido, veja-se que o artigo 497 do CPC é mais claro ao prescrever que os recursos especial e extraordinário não impedem a execução da sentença. A execução da decisão impugnada por recurso pendente de julgamento é denominada execução provisória (CPC, arts. 475-I, 1.º e 475-O). A rigor, provisória é a decisão, porquanto recorrida, e não sua execução. 1 De todo modo, fato é que na execução provisória é possível a alienação de bens do executado, bem como o levantamento de depósito em dinheiro, desde que prestada caução (CPC, art. 475-O, III). Essa caução, no entanto, pode ser dispensada nas hipóteses previstas no 2.º do artigo * Mestrando em Direito Processual Civil na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Especialista em Direito Processual Civil. Advogado. 1 Cf. MARINONI, Luiz Guilherme; ARENHART, Sérgio Cruz. Manual do Processo de Conhecimento. 5. ed. São Paulo: RT, p

2 Recursos 475-O, do CPC. 2 Veja-se, ainda, que a doutrina afirma, majoritariamente, que a alienação de bens não deverá ser desfeita mesmo que, posteriormente, se dê provimento ao recurso do executado e se reconheça a inexistência da dívida, cabendo apenas direito à indenização contra o exequente. 3 É justamente pela possibilidade de causar dano grave ao recorrente/executado que se admite a concessão de medida cautelar para conferir efeito suspensivo aos recursos especial e extraordinário e, assim, obstar a eficácia das decisões impugnadas por meio de tais recursos. Em outros termos, admite-se medida cautelar para suspender os efeitos das decisões recorridas, impedindo que se provoquem danos enquanto o recurso esteja pendente de julgamento. 4 Além do risco de dano, a concessão da medida cautelar exige a presença de fumus boni iuris, isto é, a probabilidade de existência do direito, que deve ser aferida em cognição sumária, mediante juízo baseado em verossimilhança. Em outras palavras, para atribuição de efeito suspensivo aos recursos especial e extraordinário é preciso que o direito invocado no recurso seja plausível. É necessário que se demonstre que o recurso provavelmente será provido e que a decisão impugnada aparentemente será reformada. 2 Art. 475-O. A execução provisória da sentença far-se-á, no que couber, do mesmo modo que a definitiva, observadas as seguintes normas: [...] III - o levantamento de depósito em dinheiro e a prática de atos que importem alienação de propriedade ou dos quais possa resultar grave dano ao executado dependem de caução suficiente e idônea, arbitrada de plano pelo juiz e prestada nos próprios autos. [...] 2.º A caução a que se refere o inciso III do caput deste artigo poderá ser dispensada: I - quando, nos casos de crédito de natureza alimentar ou decorrente de ato ilícito, até o limite de sessenta vezes o valor do salário mínimo, o exequente demonstrar situação de necessidade; II - nos casos de execução provisória em que penda agravo de instrumento junto ao Supremo Tribunal Federal ou ao Superior Tribunal de Justiça (art. 544), salvo quando da dispensa possa manifestamente resultar risco de grave dano, de difícil ou incerta reparação. 3 Ver, por todos, WAMBIER, Teresa Arruda Alvim; WAMBIER, Luiz Rodrigues; MEDINA, José Miguel Garcia. Breves Comentários à Nova Sistemática Processual Civil. v. 2. São Paulo: RT, p Na doutrina, confira-se: THEODORO JUNIOR, Humberto. Tutela cautelar durante tramitação de recurso. Recursos no Superior Tribunal de Justiça. São Paulo: Saraiva, p. 231; WAMBIER, Teresa Arruda Alvim. Medida cautelar para dar efeito suspensivo a recurso. Revista de Processo. v. 74. São Paulo: RT, p. 22; BEDAQUE, José Roberto dos Santos. Breves considerações sobre recursos e tutela cautelar. Aspectos Polêmicos e Atuais dos Recursos. v. 2. São Paulo: RT, p. 378; CARNEIRO, Athos Gusmão. Recurso Especial, Agravos e Agravo Interno. Rio de Janeiro: Forense, p. 63; WAMBIER, Luiz Rodrigues. Da integração dos sub -sistemas recursal e cautelar nas hipóteses de recurso especial e recurso extraordinário. Aspectos Polêmicos e Atuais dos Recursos. v. 4. São Paulo: RT, p. 678; ALVIM, Eduardo Arruda. Recurso especial e recurso extraordinário. Aspectos Polêmicos e Atuais dos Recursos. v. 5. São Paulo: RT, p. 163; MEDINA, José Miguel Garcia. O Prequestionamento nos Recursos Extraordinário e Especial. 3. ed. São Paulo: RT, p. 189; OLIVEIRA, Gleydson Kleber Lopes de. Recurso Especial. São Paulo: RT, p. 324; MANCUSO, Rodolfo de Camargo. Recurso Extraordinário e Recurso Especial. 8. ed. São Paulo: RT, p. 159; CUNHA, Leonardo José da. Meios processuais para concessão de efeito suspensivo a recurso que não o tem. Revista Dialética de Direito Processual Civil. v. 12. São Paulo: Dialética, p

3 Atribuição de efeito suspensivo aos recursos especial e extraordinário Como se verá a seguir, a jurisprudência dos Tribunais Superiores é bastante variada. No passado não muito remoto, prevalecia no Supremo Tribunal Federal (STF) o entendimento de que a concessão de efeito suspensivo a recurso extraordinário somente era admissível quando já realizado juízo positivo de admissibilidade do recurso pelo Presidente do Tribunal a quo. 5 Esse posicionamento foi adotado pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) em diversos julgados. 6 Entretanto, no STJ, em outros julgamentos, entendeu-se pela possibilidade de atribuição de efeito suspensivo a recurso especial, ainda que não se tenha realizado o juízo de admissibilidade no tribunal de origem. 7 Há, também, na jurisprudência do STJ, especialmente na Primeira Turma, decisões que concederam medida cautelar mesmo quando o recurso especial ainda não havia sido interposto, 8 ou, ainda, quando o acórdão não havia sido publicado. 9 5 Nesse sentido, o Ministro Moreira Alves afirmou que o STF tem entendido que não cabe medida cautelar para a obtenção de efeito suspensivo a recurso extraordinário que ainda não foi admitido no Tribunal de origem, não só porque a concessão dessa medida pressupõe necessariamente a existência de juízo de admissibilidade do recurso extraordinário, mas também porque, em se tratando de recurso extraordinário, que demanda esse juízo de admissibilidade da competência da Presidência do Tribunal que prolatou o acórdão recorrido, não se aplica o disposto no parágrafo único do artigo 800 do CPC pela singela razão de que, se fosse concedida a liminar para dar efeito suspensivo, pela relevância de sua fundamentação jurídica, a recurso dessa natureza ainda não admitido, a referida Presidência, em virtude da hierarquia jurisdicional, não poderia desconstituí-la com a não admissão desse recurso, ficando, assim, adstrita o que é incompatível com a sua competência para o juízo de admissibilidade a ter de admiti-lo (STF, Pet 1.863, Rel. Min. Moreira Alves, Primeira Turma, j. 17/12/1999). Seguindo esse entendimento, no STF, cite-se os seguintes julgados: AgRg em Pet 1189, Rel. Min. Moreira Alves, Primeira Turma, j. 29/10/1996; AgRg em Pet 1.859, Rel. Min. Celso de Mello, Segunda Turma, j. 28/03/2000; Pet 150, Rel. Min. Francisco Rezek, Tribunal Pleno, j. 18/09/1985; Pet 212, Rel. Min. Carlos Madeira, Tribunal Pleno, j. 09/06/1988; Pet 391, Rel. Min. Aldir Passarinho, Tribunal Pleno, j. 05/10/1989; Pet 1.653, Rel. Min. Moreira Alves, Primeira Turma, j. 11/02/ AgRg na Mc 2.609, Rel. Min. Franciulli Netto, Segunda Turma, j. 15/06/2000; MC 1.410, Rel. Min. José Arnaldo da Fonseca, Quinta Turma, j. 17/10/2000; MC 2.134, Rel. Min. Felix Fischer, Quinta Turma, j. 13/02/2001; AgRg na Mc 1.552, Rel. Min. Francisco Peçanha Martins, Segunda Turma, j. 11/04/ MC 163, Rel. Min. César Asfor Rocha, Primeira Turma, j. 03/05/1995; AgRg na MC 1.068, Rel. Min. Adhemar Maciel, Segunda Turma, j. 11/12/1997; MC 1.187, Rel. Min. José Delgado, Primeira Turma, j. 04/06/1998; AgRg na MC 4.071, Rel. Min. Laurita Vaz, Segunda Turma, j. 04/10/2001; AgRg na MC 5.422, Rel. Min. José Delgado, Primeira Turma, j. 01/10/ MC 424, Rel. Min. Garcia Vieira, Primeira Turma, j. 11/04/1996; MC 2.551, Rel. Min. José Delgado, Primeira Turma, j. 02/05/2000; MC 2.571, Rel. Min. Francisco Falcão, j. 15/08/2000; MC 2.540, Rel. Min. José Delgado, j. 28/08/2001. Em sentido contrário: MC 1.499, Rel. Min. Garcia Vieira, Primeira Turma, j. 22/06/1999; MC 1.829, Rel. Min. Francisco Peçanha Martins, Segunda Turma, j. 16/03/2000; Agr na MC 2.684, Rel. Min. Franciulli Netto, Segunda Turma, j. 20/06/ Possibilidade, em tese, de ser concedida a suspensão da execução de ato judicial, mesmo não publicado o acórdão. A ser de modo diverso não haveria tribunal competente para tutelar o direito ameaçado (MC 835, Rel. Min. Waldemar Zveiter, Terceira Turma, j. 27/10/1997). Segundo orientação que veio a prevalecer neste Colegiado, admite-se o aforamento de ações cautelares para conferir efeito suspensivo até mesmo a recurso ainda não interposto, quando se acha pendente na origem a publicação do acórdão recorrido, desde que se apresentem com nitidez o fumus boni iuris e o periculum in mora (MC 1.482, Rel. Min. Bueno de Souza, Quarta Turma, j. 17/12/1998). Em casos absolutamente excepcionais, quando não se pode aguardar por momento mais oportuno, é possível suspender os efeitos de acórdão ainda não publicado (MC 4.479, Rel. Min. Antônio de Pádua Ribeiro, Terceira Turma, j. 18/02/2000). Em sentido contrário: AgRg na MC 89, Rel. Min. Demócrito Reinaldo, Primeira Turma, j. 30/11/1994; AgRg na MC 2.937, Rel. Min. Francisco Franciulli Netto, Segunda Turma, j. 19/09/2000; MC 4.771, Rel. Min. Ari Pargendler, Terceira Turma, j. 07/03/2002; AgRg na MC 2.607, Rel. Min. Barros Monteiro, Quarta Turma, j. 29/08/

4 Recursos Evidentemente, em tais situações, é descabido falar em efeito suspensivo a recurso especial, já que sequer foi interposto. No entanto, tendo em vista que a decisão impugnável por recurso especial tem eficácia imediata, é possível a ocorrência de danos antes do prazo recursal ou de sua publicação. Nessas circunstâncias, afigura-se mais apropriado requerer a suspensão da decisão a ser recorrida. Por óbvio, deverá o requerente informar a futura interposição do recurso. Não se pode descartar, ainda, a possibilidade de suspensão da decisão recorrida mesmo quando negada a admissibilidade dos recursos especial e extraordinário, caso interposto agravo de instrumento (art. 544). Não é porque os recursos especial e extraordinário não foram admitidos que se pode excluir a possibilidade de medida cautelar para suspensão dos efeitos da decisão recorrida. Como se sabe, o juízo de admissibilidade negativo dos recursos excepcionais pode ser alterado por meio de agravo de instrumento nos tribunais superiores, os quais, por conta disso, podem, perfeitamente, entender estar presente o fumus boni iuris. Logo, havendo risco de dano, 10 é possível a suspensão da decisão recorrida mesmo quando o juízo de admissibilidade é negativo. Todavia, no STF foi bastante comum negar-se efeito suspensivo a recurso extraordinário não admitido, mesmo quando interposto agravo de instrumento, sob a justificativa de que o juízo positivo de admissibilidade constituía-se pressuposto para concessão da medida. 11 No STJ também houve jurisprudência negando efeito suspensivo a recurso especial não admitido, 12 mas predominava o entendimento pela possibilidade de sua concessão em sede de agravo de instrumento Lembre-se que, nesta situação, o risco de dano apresenta-se de forma mais contundente na medida em que, nos termos do artigo 475-O, 2.º, II, do CPC, dispensa-se a caução na execução provisória quando apenas pendente de julgamento o agravo de instrumento do artigo 544 do CPC. 11 AgRg em Pet. 721, Rel. Min. Celso de Mello, Primeira Turma, j. 18/05/1993; Pet QO, Rel. Min. Celso de Mello, Segunda Turma, j. 26/11/ MC 236, Rel. Min. Adhemar Maciel, Sexta Turma, j. 28/08/1995; AgRg na MC 1.997, Rel. Min. Hamilton Carvalhido, Sexta Turma, j. 18/09/2000; AgRg na MC 5.376, Rel. Min. Francisco Falcão, Primeira Turma, j. 03/10/ MC 2.333, Rel. Min. Felix Fischer, Quinta Turma, j. 10/04/2001; AgRg na MC 3.721, Rel. Min. Ari Pargendler, Terceira Turma, j. 12/06/2001; EmbDcl na MC 3.186, Rel. Min. Francisco Falcão, Primeira Turma, j. 28/08/2001; MC 8.038, Rel. Min. Antônio de Pádua Ribeiro, j. 15/04/2004; Pet. de MC no AI , Rel. Min. Assis Toledo, Quinta Turma, j. 10/02/

5 Atribuição de efeito suspensivo aos recursos especial e extraordinário Basicamente, esse era o cenário jurisprudencial das Cortes Superiores até o fim do ano de 2003, quando o STF editou duas súmulas sobre o assunto: Súmula 634 Não compete ao Supremo Tribunal Federal conceder medida cautelar para dar efeito suspensivo a recurso extraordinário que ainda não foi objeto de juízo de admissibilidade na origem ; Súmula 635 Cabe ao Presidente do Tribunal de origem decidir o pedido de medida cautelar em recurso extraordinário ainda pendente do seu juízo de admissibilidade. 14 Tão logo editadas essas Súmulas, decidiu-se no STF que enquanto não admitido o recurso extraordinário, ou provido agravo contra decisão que o não admite, não se instaura a competência do Supremo Tribunal Federal para apreciar pedido de tutela cautelar tendente a atribuir efeito suspensivo ao extraordinário. 15 Nesse sentido, afirmando-se não haver usurpação de competência, julgou-se improcedente a reclamação contra decisão de Presidente de Tribunal de origem que atribuiu efeito suspensivo a recurso extraordinário: É da competência do Tribunal recorrido a atribuição de efeito suspensivo a recurso extraordinário quando ainda pendente o seu juízo de admissibilidade. 16 Também já se decidiu, no STF, não ser possível a concessão de efeito suspensivo a recurso extraordinário não admitido pelo tribunal de origem, ainda que contra a decisão de não admissão tenha sido interposto agravo de instrumento. 17 No entanto, em sentido contrário, já se decidiu que: Em situações excepcionais, em que estão patentes a plausibilidade jurídica do pedido decorrente do fato de a decisão recorrida contrariar jurisprudência ou súmula do Supremo Tribunal Federal e o perigo de dano irreparável ou de difícil reparação a ser consubstanciado pela execução do acórdão recorrido, o Tribunal poderá deferir a medida cautelar 14 Sobre as Súmulas 634 e 635 do STF, confira-se, na doutrina, os seguintes trabalhos: NERY JUNIOR, Nelson. Teoria Geral dos Recursos. 6. ed. São Paulo: RT, p. 458; (MARINONI; ARENHART, 2006, p. 611); ASSIS, Araken de. Manual dos Recursos. São Paulo: RT, p. 714 e 781; WAMBIER, Teresa Arruda Alvim. Recurso Especial, Recurso Extraordinário e Ação Rescisória. 2. ed. São Paulo: RT, p AC 491 AgR, Rel. Min. Cezar Peluso, Primeira Turma, j. 30/11/2004. No mesmo sentido: AC MC, Rel. Min. Cármen Lúcia, Primeira Turma, j. 20/11/2007; AC AgR, Rel. Min. Gilmar Mendes, Segunda Turma, j. 17/10/2006; AC AgR, Rel. Min. Eros Grau, Segunda Turma, j. 23/05/ Rcl 3.986, Rel. Min. Carlos Britto, Tribunal Pleno, j. 16/11/2006. Nesse sentido: Rcl 4.538, Rel. Min. Joaquim Barbosa, Segunda Turma, j. 27/02/ AC MC-AgR, Rel. Min. Ellen Gracie, Segunda Turma, j. 24/06/2008; AC AgR, Rel. Min. Joaquim Barbosa, Segunda Turma, j. 13/05/

6 Recursos ainda que o recurso extraordinário tenha sido objeto de juízo negativo de admissibilidade perante o Tribunal de origem e o agravo de instrumento contra essa decisão ainda não tenha sido recebido nesta Corte. 18 Veja-se, por último, que o STF entendeu possível a reapreciação da concessão de efeito suspensivo por decisão de Presidente de Tribunal de origem após a admissão do recurso extraordinário. 19 Embora o STJ tenha seguido a orientação das Súmulas 634 e 635 do STF, 20 já se decidiu que: Em hipóteses excepcionais, esse entendimento vem sendo flexibilizado para casos de recurso especial pendente de admissibilidade quando estiverem cabalmente evidenciados os requisitos do fumus boni iuris e do periculum in mora. 21 Entre essas hipóteses excepcionais, mencionam-se casos de decisão teratológica, 22 manifestamente ilegal 23 ou em evidente confronto com a jurisprudência desta Corte. 24 Mesmo após a edição das Súmulas 634 e 635 do STF, há no STJ jurisprudência admitindo atribuição de efeito suspensivo a recurso especial não 18 AC QO, Rel. Min. Gilmar Mendes, Segunda Turma, j. 26/02/2008. Nesse sentido: AC REF-MC, Rel. Min. Cármen Lúcia, Primeira Turma, j. 28/10/2008; AC QO, Rel. Min. Gilmar Mendes, Segunda Turma, j. 11/12/ Ação cautelar. Questão de Ordem. Pedido de contra-cautela para revogar o efeito suspensivo concedido pelo Tribunal de origem a recurso extraordinário. [...] 2. Instaurada a jurisdição cautelar deste Supremo Tribunal Federal, após a decisão do Tribunal de origem que admite o processamento do recurso extraordinário, cabe a esta Corte reexaminar os pressupostos para a concessão de medidas acautelatórias que visem assegurar a eficácia de sua decisão final. O Supremo Tribunal Federal não fica vinculado à apreciação do fumus boni iuris e do periculum in mora realizados pelo Tribunal a quo. 3. Ação cautelar deferida para revogar o efeito suspensivo concedido pelo Tribunal de origem ao recurso extraordinário, mantendo-se apenas o efeito devolutivo que lhe é próprio. (AC QO, Rel. Min. Gilmar Mendes, Segunda Turma, j. 23/10/2007) 20 AgRg na MC , Rel. Min. Benedito Gonçalves, Primeira Turma, j. 04/11/2008; AgRg na MC , Rel. Min. Denise Arruda, Primeira Turma, j. 21/10/2008; AgRg na MC 9.442, Rel. Min Carlos Fernando Mathias, Quarta Turma, j. 05/08/2008; AgRg na MC , Rel. Min. Teori Albino Zavascki, Primeira Turma, j. 24/06/2008; AgRg na MC , Rel. Min. Gilson Dipp, Quinta Turma, j. 15/02/2007; AgRg na MC 6.525, Rel. Min. Francisco Peçanha Martins, Segunda Turma, j. 08/11/ MC , Rel. Min. Massami Uyeda, Terceira Turma, j. 02/12/ AgRg na MC , Rel. Min. Mauro Campbell Marques, Segunda Turma, j. 06/11/2008; AgRg na MC , Rel. Min. João Otávio de Noronha, Quarta Turma, j. 04/11/2008; AgRg na MC , Rel. Min. Sidnei Beneti, Terceira Turma, j. 16/10/ AgRg no AgRg na MC , Rel. Min. Eliana Calmon, Segunda Turma, j. 28/10/ AgRg na MC , Rel. Min. Fernando Gonçalves, Quarta Turma, j. 21/10/ AgRg na MC , Rel. Min. Luis Felipe Salomão, Quarta Turma, j. 25/11/2008; AgRg na MC , Rel. Min. Massami Uyeda, Terceira Turma, j. 25/11/2008; AgRg no Ag , Rel. Min. Ari Pargendler, Terceira Turma, j. 12/08/2008; MC , Rel. Min. Eliana Calmon, Segunda Turma, j. 25/09/2007. Em sentido contrário: MC , Rel. Min. Laurita Vaz, Quinta Turma, j. 21/10/2008; AgRg na MC , Rel. Min. Castro Filho, Terceira Turma, j. 15/02/2007; AgRg nos EDcl na MC , Rel. Min. Gilson Dipp, Quinta Turma, j. 02/02/

7 Atribuição de efeito suspensivo aos recursos especial e extraordinário admitido pelo tribunal de origem, enquanto pendente de julgamento agravo de instrumento. 25 Também já se admitiu suspensão da decisão do tribunal de origem antes mesmo da interposição do recurso especial. 26 Observe-se, por oportuno, julgado bastante recente no qual se decidiu que: As decisões da presidência de tribunal local, proferidas no juízo de admissibilidade do recurso especial, inclusive quanto ao pedido de efeito suspensivo, estão sujeitas a agravo de instrumento, na forma e no prazo previstos no artigo 544 do CPC. 27 Por conta disso, já se considerou incabível, contra decisão de Presidente de Tribunal de origem, a interposição de meio impugnativo ou recurso interno para órgão colegiado do próprio Tribunal de origem. Assim, ultrapassado o prazo do artigo 544 do CPC, resta preclusa a matéria, não sendo cabível buscar seu reexame por medida cautelar. 28 Em determinada ocasião, o STJ entendeu haver litispendência quando se ajuíza medida cautelar no tribunal superior enquanto pendente igual medida proposta perante o tribunal de origem Em casos excepcionais, o Eg. STJ tem deferido efeito suspensivo a recurso especial ainda não interposto, com o escopo de evitar teratologias, ou, ainda, obstar os efeitos de decisão contrária à jurisprudência pacífica desta Corte Superior, em hipóteses em que demonstrado o perigo de dano irreparável ou de difícil reparação (AgRg na MC , Rel. Min. Luiz Fux, Primeira Turma, j. 18/11/2008). Nesse sentido: MC , Rel. Min. Herman Benjamin, Segunda Turma, j. 07/08/2007; AgRg na MC , Rel. Min. Humberto Gomes de Barros, Terceira Turma, j. 07/02/2006. Contra: Nos casos em que ainda não há sequer a interposição do recurso na origem, maior rigor ainda deve pautar a concessão de efeito suspensivo. Isso porque nessas hipóteses, além de se usurpar a competência do Tribunal a quo para conhecer da medida cautelar, esta Corte ainda estaria adiantando, se não um posicionamento, ao menos uma tendência quanto às questões que reputa relevantes para o julgamento da causa. Esse adiantamento representaria valiosa orientação para a parte que ainda redigirá o recurso especial, em prejuízo da paridade de armas que deve informar o processo civil (AgRg na MC , Rel. Min. Nancy Andrighi, Terceira Turma, j. 20/09/2007). Não admitindo a medida cautelar quando o recurso especial ainda não foi interposto, veja-se: AgRg na MC , Rel. Min. Castro Meira, Segunda Turma, j. 09/09/2008; RCDESP na MC , Rel. Min. Herman Benjamin, Segunda Turma, j. 02/10/2007; AgRg na MC , Rel. Min. Hamilton Carvalhido, Sexta Turma, j. 17/10/2006; AgRg na MC 9.935, Rel. Min. José Delgado, Primeira Turma, j. 07/06/2005; AgRg na MC , Rel. Min. Teori Albino Zavascki, Primeira Turma, j. 10/04/ RCDESP na MC , Rel. Min. Teori Albino Zavascki, Primeira Turma, j. 20/11/ AgRg na MC , Rel. Min. Teori Albino Zavascki, Primeira Turma, j. 16/09/ Medida cautelar. Efeito suspensivo a recurso especial não submetido ao exame de admissibilidade pela instância ordinária. Igual medida aforada na Presidência do Tribunal de origem. Liminar indeferida e processamento determinado naquela Corte. Adoção da inteligência das súmulas 634 e 635 do Excelso Pretório. Incompetência do Superior Tribunal de Justiça para apreciar a demanda. Indeferimento de plano, prejudicado o pedido de liminar. Cumpre salientar, desde logo, que outra ação cautelar ainda se encontra pendente de processamento perante a Vice-Presidência do egrégio Tribunal a quo, uma vez que apenas o pedido de liminar foi indeferido. Ora, a propositura da presente ação cautelar induz a acreditar a ocorrência de uma evidente litispendência, afinal, somente após o juízo positivo de admissibilidade do recurso especial se inaugurará a almejada instância excepcional. (AgRg na MC 9.171, Rel. Min. Franciulli Netto, Segunda Turma, j. 16/12/2004). 7

8 Recursos Em outra circunstância, afirmou-se que: Já indeferido o efeito suspensivo ao recurso especial por órgão do Tribunal de origem, descabe renovar o pedido nesta Corte quando ausente fato superveniente. A medida cautelar não constitui via adequada para reformar a decisão do órgão do Tribunal local. 30 Da análise desses julgados, pode-se concluir que a jurisprudência nas Cortes Superiores ainda não é pacífica, admitindo-se a atribuição de efeito suspensivo aos recursos especial e extraordinário nas mais variadas situações. Apesar dessa constatação revelar certa insegurança jurídica, parece salutar que a concessão ou não da medida cautelar dependa mais do caso concreto do que de parâmetros procedimentais previamente fixados. 30 AgRg na MC , Rel. Min. Carlos Alberto Menezes Direito, Terceira Turma, j. 13/12/2005. Nesse sentido: O desprovimento de pedido cautelar para a atribuição de efeito suspensivo a recurso especial no Tribunal de origem não autoriza a renovação do pedido perante esta Corte Superior, caso inexista fato novo a amparar essa pretensão. Precedente do STJ (AgRg na MC , Rel. Min. Felix Fischer, Quinta Turma, j. 30/08/2007). 8

Ambos os recursos de estrito direito têm a sua causa de pedir prevista na Constituição Federal

Ambos os recursos de estrito direito têm a sua causa de pedir prevista na Constituição Federal Interposição: perante o órgão prolator da decisão Recurso Especial Nomenclatura: REsp Competência: Superior Tribunal de Justiça STJ Prazo para interposição 15 dias; Recurso Extraordinário Nomenclatura:

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no RE nos EDcl nos EDcl no AgRg no RECURSO ESPECIAL Nº 1.238.048 - SC (2011/0035494-2) RELATOR AGRAVANTE ADVOGADOS AGRAVADO ADVOGADO : MINISTRO GILSON DIPP : AMIL PARTICIPAÇÕES S/A : ANDREW JOHN BELLINGALL

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA GAB. DES. ABRAHAM LINCOLN DA CUNHA RAMOS. Vistos, etc.

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA GAB. DES. ABRAHAM LINCOLN DA CUNHA RAMOS. Vistos, etc. 'a?/) ool -l botr4 PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA GAB. DES. ABRAHAM LINCOLN DA CUNHA RAMOS IMPETRANTE ADVOGADOS IMPETRADO MANDADO DIE RELATO!' SEGURANÇA N 200.2008.024236-1/002 : Dr. Alexandre

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça SENTENÇA ESTRANGEIRA CONTESTADA Nº 1.032 - GB (2005/0066622-7) RELATOR REQUERENTE ADVOGADO : MINISTRO ARNALDO ESTEVES LIMA : GRACE NANCY JOY PIRIE : MICHAEL MARY NOLAN E OUTRO(S) EMENTA HOMOLOGAÇÃO DE

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg na CARTA ROGATÓRIA Nº 1.589 - EX (2006/0043281-7) AGRAVANTE : DELOITTE E TOUCHE TOHMATSU AUDITORES INDEPENDENTES ADVOGADO : JOSÉ HENRIQUE NUNES PAZ E OUTRO(S) JUSROGANTE : TRIBUNAL DISTRITAL DOS ESTADOS

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no CONFLITO DE COMPETÊNCIA Nº 112.956 - MS (2010/0125033-8) AGRAVANTE : APARECIDA CALVIS AGRAVADO : CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF ADVOGADO : CLEONICE JOSÉ DA SILVA HERCULANO E OUTRO(S) SUSCITANTE

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça MEDIDA CAUTELAR Nº 13.103 - SP (2007/0183505-6) RELATOR : MINISTRO HERMAN BENJAMIN REQUERENTE : ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EXPORTADORES DE CÍTRICOS - ABECITRUS ADVOGADO : LUIZ CARLOS BETTIOL E OUTRO(S) REQUERIDO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça SENTENÇA ESTRANGEIRA CONTESTADA Nº 4.611 - EX (2009/0179498-6) RELATOR REQUERENTE ADVOGADOS REQUERIDO ADVOGADO : MINISTRO JOÃO OTÁVIO DE NORONHA : A M G : FRANCISCO CLÁUDIO DE ALMEIDA SANTOS MARCOS VENICIUS

Leia mais

ANTECIPAÇÃO DE TUTELA, EFEITO SUSPENSIVO E A REFORMA DO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL

ANTECIPAÇÃO DE TUTELA, EFEITO SUSPENSIVO E A REFORMA DO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL ANTECIPAÇÃO DE TUTELA, EFEITO SUSPENSIVO E A REFORMA DO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL GUILHERME DE ALMEIDA BOSSLE Bacharel em Direito pela Universidade do Vale do Itajaí Com a recente reforma do Código de Processo

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça EDcl na MEDIDA CAUTELAR Nº 18.265 - SP (2011/0162752-2) RELATOR EMBARGANTE ADVOGADOS EMBARGADO : MINISTRO PAULO DE TARSO SANSEVERINO : C G C : JAISON OSVALDO DELLA GIUSTINA MARCELO ANDRÉ FONTES E OUTRO(S)

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECLAMAÇÃO Nº 4.982 - SP (2010/0203994-7) RELATOR RECLAMANTE ADVOGADO RECLAMADO INTERES. : MINISTRO BENEDITO GONÇALVES : TELECOMUNICAÇÕES DE SÃO PAULO S/A TELESP : ANALI PENTEADO BURATIN E OUTRO(S) : TERCEIRA

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 972.075 - SC (2007/0178356-6) RELATOR : MINISTRO TEORI ALBINO ZAVASCKI ADVOGADO : DANTE AGUIAR AREND E OUTRO(S) EMENTA PROCESSUAL CIVIL E TRIBUTÁRIO. RECURSO ESPECIAL. VIOLAÇÃO AO ART.

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg na CARTA ROGATÓRIA Nº 4.289 - EX (2009/0147390-0) RELATOR AGRAVANTE ADVOGADO JUSROGANTE : MINISTRO PRESIDENTE DO STJ : ANTÓNIO CARLOS DA COSTA PEREIRA : NIVALDO MIGLIOZZI : TRIBUNAL JUDICIAL DE SANTA

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATOR RECLAMANTE RECLAMADO INTERES. RECLAMAÇÃO Nº 5.979 - PE (2011/0116312-3) : MINISTRO MAURO CAMPBELL MARQUES : COMPANHIA ENERGÉTICA DE PERNAMBUCO - CELPE : FLÁVIO QUEIROZ BEZERRA CAVALCANTI E OUTRO(S)

Leia mais

Da TUTELA ANTECIPADA. Des. ANA MARIA DUARTE AMARANTE BRITO

Da TUTELA ANTECIPADA. Des. ANA MARIA DUARTE AMARANTE BRITO Da TUTELA ANTECIPADA Des. ANA MARIA DUARTE AMARANTE BRITO ANTECIPAÇÃO DE TUTELA - REQUISITOS Art. 273. O juiz poderá, a requerimento da parte, antecipar, total ou parcialmente, os efeitos da tutela pretendida

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA SÉTIMA CÂMARA CÍVEL

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA SÉTIMA CÂMARA CÍVEL TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA SÉTIMA CÂMARA CÍVEL Agravo de Instrumento nº 0052654-08.2013.8.19.0000 Agravante: Município de Armação de Búzios Agravado: Lidiany da Silva Mello

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0382.13.014752-5/002 Númeração 0135165- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) Judimar Biber Des.(a) Judimar Biber 24/07/2014 04/08/2014 EMENTA: AGRAVO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 719.474 - SP (2015/0125771-3) RELATOR AGRAVANTE PROCURADOR AGRAVADO : MINISTRO BENEDITO GONÇALVES : MUNICIPIO DE GUARULHOS : ANA PAULA HYROMI YOSHITOMI : CECÍLIA CRISTINA

Leia mais

Discussões previdenciárias relevantes nos Tribunais Superiores. Evolução da jurisprudência sobre o tema

Discussões previdenciárias relevantes nos Tribunais Superiores. Evolução da jurisprudência sobre o tema Discussões previdenciárias relevantes nos Tribunais Superiores. Evolução da jurisprudência sobre o tema Teses Judiciais Previdenciárias Alíquota diferenciada de Seguro contra Acidente de Trabalho SAT com

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg na MEDIDA CAUTELAR Nº 22.665 - PR (2014/0105270-4) RELATOR : MINISTRO NAPOLEÃO NUNES MAIA FILHO AGRAVANTE : MARCUS VINICIUS DE LACERDA COSTA AGRAVANTE : GUSTAVO LYCURGO LEITE ADVOGADO : RAPHAEL RICARDO

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Agravo de instrumento - efeito ativo Edino Jales * I - Intróito: A par da reforma que se vem empreendendo no processo civil brasileiro, a qual, proficuamente, está sendo desenvolvida

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.353.891 - RJ (2012/0109074-7) RELATORA : MINISTRA NANCY ANDRIGHI RECORRENTE : FUNDAÇÃO REDE FERROVIÁRIA DE SEGURIDADE SOCIAL - REFER ADVOGADO : ANDRÉA PICCOLO BRANDÃO E OUTRO(S) RECORRIDO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça MEDIDA CAUTELAR Nº 24.318 - SP (2015/0116188-9) RELATOR : MINISTRO RAUL ARAÚJO REQUERENTE : AMANDA GALDI THOMAZ REQUERENTE : ANTÔNIO ALEXANDRE GALDI DELGADO REQUERENTE : SERGIO GALDI THOMAZ ADVOGADO :

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO EM MANDADO DE SEGURANÇA Nº 36.293 - RS (2011/0252417-2) RELATOR : MINISTRO MAURO CAMPBELL MARQUES RECORRENTE : MUNICÍPIO DE CAXIAS DO SUL PROCURADOR : LARISSA RAYMUNDI E OUTRO(S) RECORRIDO : ESTADO

Leia mais

ART. 543-C DO CPC - FIM DOS REPETIDOS RECURSOS ESPECIAIS

ART. 543-C DO CPC - FIM DOS REPETIDOS RECURSOS ESPECIAIS ART. 543-C DO CPC - FIM DOS REPETIDOS RECURSOS ESPECIAIS Rénan Kfuri Lopes- Advogado, Professor, Palestrante, Pós- Graduado em Direito Processual Civil e Direito de Empresa, Membro do Instituto Brasileiro

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 866.249 - SP (2006/0131792-5) RELATORA : MINISTRA NANCY ANDRIGHI EMENTA CIVIL E PROCESSUAL CIVIL. PREJUDICIALIDADE EXTERNA ENTRE AÇÃO POSSESSÓRIA E USUCAPIÃO ESPECIAL URBANO. INEXISTÊNCIA.

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça CONFLITO DE COMPETÊNCIA Nº 52.333 - SP (2005/0111505-0) RELATORA : MINISTRA ELIANA CALMON SUSCITADO : JUÍZO FEDERAL DA 21A VARA DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE SÃO PAULO EMENTA PROCESSUAL CIVIL CONFLITO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 184.727 - DF (2012/0112646-2) RELATOR : MINISTRO HERMAN BENJAMIN : MINISTÉRIO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS EMENTA PROCESSUAL CIVIL. COMPETÊNCIA. PERIÓDICO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE DIREITO MÓDULO: AÇÃO CAUTELAR PROF. DR. JOSÉ HENRIQUE MOUTA. www.henriquemouta.com.

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE DIREITO MÓDULO: AÇÃO CAUTELAR PROF. DR. JOSÉ HENRIQUE MOUTA. www.henriquemouta.com. UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE DIREITO MÓDULO: AÇÃO CAUTELAR PROF. DR. JOSÉ HENRIQUE MOUTA www.henriquemouta.com.br AGOSTO DE 2011 I. MEDIDA CAUTELAR EM HABEAS CORPUS Habeas Corpus. Pedido

Leia mais

AGRAVO INTERNO. APELAÇÃO A QUE SE

AGRAVO INTERNO. APELAÇÃO A QUE SE DÉCIMA SEXTA CÂMARA CÍVEL AGRAVO INTERNO NA APELAÇÃO CÍVEL Nº. 0001489-80.2005.8.19.0038 RELATOR: DESEMBARGADOR MIGUEL ÂNGELO BARROS AGRAVO INTERNO. APELAÇÃO A QUE SE NEGOU SEGUIMENTO, COM BASE NO ART.

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça EDcl no MANDADO DE SEGURANÇA Nº 13.873 - DF (2008/0219759-2) RELATOR EMBARGANTE ADVOGADA EMBARGADO PROCURADOR : MINISTRO MAURO CAMPBELL MARQUES : INSTITUTO NOSSA SENHORA DO CARMO : PRISCILLA TRUGILLO MONELLO

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA GABINETE DO DESEMBARGADOR JOÃO ALVES DA SILVA DECISÃO MONOCRÁTICA APELAÇÃO CÍVEL N. 048.2009.000261-8/001 RELATOR : Desembargador João Alves da Silva APELANTE : Sérgio Pia

Leia mais

COMENTÁRIOS A RESPEITO DA RESPONSABILIDADE CIVIL DO EXEQÜENTE NA EXECUÇÃO PROVISÓRIA

COMENTÁRIOS A RESPEITO DA RESPONSABILIDADE CIVIL DO EXEQÜENTE NA EXECUÇÃO PROVISÓRIA COMENTÁRIOS A RESPEITO DA RESPONSABILIDADE CIVIL DO EXEQÜENTE NA EXECUÇÃO PROVISÓRIA Felipe Cunha de Almeida Advogado em Porto Alegre, Especialista em Direito Processual Civil. Sumário: 1. Introdução 2.

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 715.898 - PR (2005/0001576-6) RELATORA : MINISTRA ELIANA CALMON EMENTA PROCESSUAL CIVIL E TRIBUTÁRIO IPTU DEPÓSITO PARA SUSPENSÃO DA EXIGIBILIDADE DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO ART. 151, II,

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATOR : MINISTRO TEORI ALBINO ZAVASCKI PROCURADORES : CLAUDIO XAVIER SEEFELDER FILHO DEYSI CRISTINA DA 'ROLT E OUTRO(S) EMENTA TRIBUTÁRIO. EXECUÇÃO FISCAL. DECLARAÇÃO DO DÉBITO PELO CONTRIBUINTE (DCTF).

Leia mais

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PODER JUDICIÁRIO. NONA CÂMARA CÍVEL Agravo de Instrumento nº 0047746-68.2014.8.19.0000 Desembargador GILBERTO DUTRA MOREIRA

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PODER JUDICIÁRIO. NONA CÂMARA CÍVEL Agravo de Instrumento nº 0047746-68.2014.8.19.0000 Desembargador GILBERTO DUTRA MOREIRA 1 Agravo de instrumento. Mandado de segurança. Suspensão de exigibilidade de tributo. ICMS. Desembaraço aduaneiro. Contrato de afretamento de embarcação em regime de admissão temporária. REPETRO. Decisão

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça EMENTA PROCESSUAL CIVIL E TRIBUTÁRIO. EXECUÇÃO FISCAL. INDISPONIBILIDADE DE BENS E DIREITOS DO DEVEDOR. ARTIGO 185-A DO CTN. NECESSIDADE DE ESGOTAMENTO DE DILIGÊNCIAS PARA LOCALIZAÇÃO DE BENS DO DEVEDOR.

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no RECURSO ESPECIAL Nº 1.423.457 - PR (2013/0400739-4) RELATOR : MINISTRO HUMBERTO MARTINS AGRAVANTE : ZR IMPORTAÇÕES LTDA ADVOGADOS : CRISTIANO LISBOA YAZBEK E OUTRO(S) FERNANDO SOLÁ SOARES TAILANE

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 5ª CÂMARA DE DIREITO PÚBLICO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 5ª CÂMARA DE DIREITO PÚBLICO fls. 1 Registro: 2013.0000674980 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Agravo de Instrumento nº 0128623-34.2013.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, em que é agravante FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO

Leia mais

Associação dos Advogados de São Paulo - AASP CUMPRIMENTO DE SENTENÇA DEFINITIVO E PROVISÓRIO. Prof. Luís Eduardo Simardi Fernandes @LuisSimardi

Associação dos Advogados de São Paulo - AASP CUMPRIMENTO DE SENTENÇA DEFINITIVO E PROVISÓRIO. Prof. Luís Eduardo Simardi Fernandes @LuisSimardi Associação dos Advogados de São Paulo - AASP CUMPRIMENTO DE SENTENÇA DEFINITIVO E PROVISÓRIO Prof. Luís Eduardo Simardi Fernandes @LuisSimardi INTRODUÇÃO - TÍTULO EXECUTIVO - DINAMARCO: Título executivo

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 627.970 - RJ (2004/0015047-6) RELATORA : MINISTRA ELIANA CALMON EMENTA TRIBUTÁRIO - ICMS - IMPORTAÇÃO - DESEMBARAÇO ADUANEIRO - COMPROVANTE DE RECOLHIMENTO, ISENÇÃO OU NÃO-INCIDÊNCIA

Leia mais

PLANO DE CURSO 2010/2

PLANO DE CURSO 2010/2 Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e / ou da Coordenação. DISCIPLINA: DIREITO PROCESSUAL CIVIL II PROFESSOR: BRUNO ALBINO RAVARA TURMA: 2º ANO INTEGRAL PLANO DE CURSO

Leia mais

Com a citada modificação, o artigo 544, do CPC, passa a vigorar com a seguinte redação:

Com a citada modificação, o artigo 544, do CPC, passa a vigorar com a seguinte redação: O NOVO AGRAVO CONTRA DESPACHO DENEGATÓRIO DE RECURSO EXTRAORDINÁRIO E ESPECIAL 2011-06-15 Alexandre Poletti A Lei nº 12.322/2010, que alterou os artigos 544 e 545 do CPC, acabou com o tão conhecido e utilizado

Leia mais

CRÉDITO TRIBUTÁRIO. SUSPENSÃO. EXTINÇÃO. EXCLUSÃO. 1. Depósito do montante integral

CRÉDITO TRIBUTÁRIO. SUSPENSÃO. EXTINÇÃO. EXCLUSÃO. 1. Depósito do montante integral CRÉDITO TRIBUTÁRIO. SUSPENSÃO. EXTINÇÃO. EXCLUSÃO 1. Depósito do montante integral REsp 1157786 Relator: Ministro LUIZ FUX Órgão Julgador: T1 - PRIMEIRA TURMA Data do Julgamento: 19/10/2010 Ementa PROCESSUAL

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 1.218.980 - RS (2009/0152036-0) RELATOR : MINISTRO CASTRO MEIRA EMENTA PROCESSUAL CIVIL E ADMINISTRATIVO. AÇÃO CIVIL PÚBLICA. AGRAVO REGIMENTAL. VIOLAÇÃO DO ART. 535, INCISO

Leia mais

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Legitimidade ativa (Pessoas relacionadas no art. 103 da

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 712.998 - RJ (2004/0180932-3) RELATOR : MINISTRO HERMAN BENJAMIN RECORRENTE : MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO PROCURADOR : MARIANA RODRIGUES KELLY E SOUSA E OUTRO(S) RECORRIDO : ADELINO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.280.171 - SP (2011/0144286-3) RELATOR RECORRENTE RECORRIDO : MINISTRO MASSAMI UYEDA : A C DE A : ANNA CRISTINA BORTOLOTTO SOARES E OUTRO(S) : B L C DE A E OUTRO : CLEBER SPERI EMENTA

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 89.695 - RS (2011/0212549-1) RELATOR : MINISTRO MAURO CAMPBELL MARQUES EMENTA PROCESSUAL CIVIL. TRIBUTÁRIO. ISS. BASE DE CÁLCULO. SERVIÇO DE TRANSPORTE COLETIVO MUNICIPAL.

Leia mais

D E C I S Ã O. Contra-razões ofertadas as fls. 176/184 em total prestígio a. sentença.

D E C I S Ã O. Contra-razões ofertadas as fls. 176/184 em total prestígio a. sentença. TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA QUARTA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO CÍVEL Nº 0168239-18.2007.8.19.0001 APELANTE: BRADESCO VIDA E PREVIDÊNCIA S/A APELADO: CATIA MARIA DA SILVA COUTO RELATOR:

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO EM MANDADO DE SEGURANÇA Nº 32.453 - MT (2010/0118311-2) RELATOR : MINISTRO HERMAN BENJAMIN RECORRENTE : VIVO S/A ADVOGADO : SACHA CALMON NAVARRO COELHO RECORRIDO : ESTADO DE MATO GROSSO PROCURADOR

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO RELATÓRIO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO RELATÓRIO 8 0 1 0 PODER JUDICIÁRIO RELATÓRIO Trata-se de apelação interposta por RONILSON DE ASSIS FERRARI contra sentença que julgou improcedente o pedido em ação ordinária objetivando a condenação da União ao

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA REGIONAL DA REPÚBLICA - 3ª REGIÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA REGIONAL DA REPÚBLICA - 3ª REGIÃO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Autos n. 0021230-88.2014.4.03.0000 Agravo de Instrumento Tribunal Regional Federal da 3ª Região Sexta Turma Agravante: Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de São Paulo

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça SENTENÇA ESTRANGEIRA CONTESTADA Nº 2.222 - US (2007/0038431-2) RELATOR : MINISTRO JOSÉ DELGADO REQUERENTE : C S L W ADVOGADO : GILBERTO RIBEIRO DOS SANTOS E OUTRO(S) REQUERIDO : J W ADVOGADO : ROBERTO

Leia mais

Gabinete do Desembargador Carlos Alberto França R E L A T Ó R I O E V O T O

Gabinete do Desembargador Carlos Alberto França R E L A T Ó R I O E V O T O Agravo Regimental em Agravo Regimental em Apelação Cível 437320-59.2008.8.09.0051 (200894373200) Comarca de Goiânia Agravante : Pienge Construtora Ltda Agravada : Agência Municipal do Meio Ambiente Amma

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 3ª REGIÃO AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 0019449-65.2013.4.03.0000/SP 2013.03.00.

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 3ª REGIÃO AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 0019449-65.2013.4.03.0000/SP 2013.03.00. PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 3ª REGIÃO AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 0019449-65.2013.4.03.0000/SP 2013.03.00.019449-2/SP RELATÓRIO Trata-se de agravo de instrumento em face de decisão (fls.

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SAO PAULO - SEÇÃO DE DIREITO PRIVADO. 30 a Câmara

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SAO PAULO - SEÇÃO DE DIREITO PRIVADO. 30 a Câmara DO ESTADO DE SAO PAULO - SEÇÃO DE DIREITO PRIVADO 30 a Câmara AGRAVO DE INSTRUMENTO No.1204235-0/4 Comarca cie SÃO CAETANO DO SUL Processo 2789/08 3.V.CÍVEL DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA REGISTRADO(A)

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 206.770 - RS (2012/0152556-0) RELATOR : MINISTRO BENEDITO GONÇALVES EMENTA PROCESSUAL E TRIBUTÁRIO. AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL. CITAÇÃO POR EDITAL

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 100.321 - MT (2011/0227285-6) RELATOR AGRAVANTE ADVOGADO AGRAVADO ADVOGADO : MINISTRO RAUL ARAÚJO : JOSÉ VALMIR BARBOSA DE ALMEIDA : WILSON MOLINA PORTO : TOKIO MARINE BRASIL

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 361.758 - SP (2001/0116921-9) RELATOR : MINISTRO HUMBERTO MARTINS RECORRENTE : FAZENDA DO ESTADO DE SÃO PAULO PROCURADOR : CLÁUDIA BOCARDI ALLEGRETTI E OUTRO(S) RECORRIDO : ANELCORP

Leia mais

I N F O R M A T I V O - ATENÇÃO: SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA EXPEDIENTE NO CARNAVAL. - DECLARAÇÃO DE CAPITAIS BRASILEIRO NO EXTERIOR -

I N F O R M A T I V O - ATENÇÃO: SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA EXPEDIENTE NO CARNAVAL. - DECLARAÇÃO DE CAPITAIS BRASILEIRO NO EXTERIOR - I N F O R M A T I V O L E G A L N.º 007/2011-21/02 ASSUNTOS GERAIS: - ATENÇÃO: SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA EXPEDIENTE NO CARNAVAL. De acordo com a Portaria n. 67, de 9 de fevereiro de 2011, não haverá

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 713.012 - DF (2004/0181026-3) RELATORA : MINISTRA ELIANA CALMON RECORRENTE : SILVESTRE JOSÉ DA ROCHA E OUTROS ADVOGADO : ANTÔNIO DE SOUSA SANTOS E OUTRO RECORRIDO : DISTRITO FEDERAL

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.111.189 - SP (2009/0030752-0) RELATOR : MINISTRO TEORI ALBINO ZAVASCKI RECORRENTE : THEREZA SANTOS GALO E OUTROS ADVOGADO : LEONARDO ARRUDA MUNHOZ E OUTRO(S) RECORRIDO : INSTITUTO

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA PRESIDÊNCIA

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA PRESIDÊNCIA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA PRESIDÊNCIA RECURSO ESPECIAL N 200.2007.012531-1/001 RECORRENTE : Banco Alvorada S.A. ADVOGADOS : José Edgard da Cunha Bueno Filho e Outros RECORRIDO : Genival

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no RECURSO ESPECIAL Nº 1.371.922 - SP (2013/0060257-8) RELATOR : MINISTRO HUMBERTO MARTINS AGRAVANTE : FAZENDA DO ESTADO DE SÃO PAULO PROCURADOR : DENISE FERREIRA DE OLIVEIRA CHEID E OUTRO(S) AGRAVADO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 1.185.481 - DF (2009/0083709-1) RELATOR : MINISTRO NAPOLEÃO NUNES MAIA FILHO AGRAVANTE : INSTITUTO EURO-AMERICANO DE EDUCAÇÃO, CIENCIA E TECNOLOGIA ADVOGADOS : MURILO DE

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no RECURSO ESPECIAL Nº 1.054.163 - RS (2008/0098396-0) RELATORA : MINISTRA MARIA THEREZA DE ASSIS MOURA AGRAVANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSS PROCURADOR : TATIANA SILVA DE BONA E OUTRO(S)

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 660.284 - SP (2004/0071142-4) RELATORA RECORRENTE RECORRIDO : MINISTRA NANCY ANDRIGHI : PANAMERICANO ARRENDAMENTO MERCANTIL S/A : MANUEL MAGNO ALVES E OUTROS : ALEXANDRE ALMADA DANTAS

Leia mais

Turma Nacional de Uniformização dos Juizados Especiais Federais

Turma Nacional de Uniformização dos Juizados Especiais Federais Pedido de Uniformização de Interpretação de Lei Federal Processo nº: 2006.72.95.000841-0 Origem: Seção Judiciária de Santa Catarina Requerente: Paulo Luiz Kleinert e Outros Advogado: Edson Flavio Cardoso

Leia mais

AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 0058542-89.2012.8.19.0000 RELATORA DESEMBARGADORA: RENATA MACHADO COTTA

AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 0058542-89.2012.8.19.0000 RELATORA DESEMBARGADORA: RENATA MACHADO COTTA 3ª CÂMARA CÍVEL AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 0058542-89.2012.8.19.0000 AGRAVANTE: ESTADO DO RIO DE JANEIRO AGRAVADO: OMNI TAXI AEREO LTDA. RELATORA DESEMBARGADORA: RENATA MACHADO COTTA AGRAVO DE INSTRUMENTO.

Leia mais

R E L A T Ó R I O. A Senhora Ministra Ellen Gracie: 1. Eis o teor da decisão embargada:

R E L A T Ó R I O. A Senhora Ministra Ellen Gracie: 1. Eis o teor da decisão embargada: EMB.DECL.NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 571.572-8 BAHIA RELATORA EMBARGANTE(S) ADVOGADO(A/S) EMBARGADO(A/S) ADVOGADO(A/S) : MIN. ELLEN GRACIE : TELEMAR NORTE LESTE S/A : BÁRBARA GONDIM DA ROCHA E OUTRO(A/S)

Leia mais

AGRAVO DE INSTRUMENTO: Conceito: é o recurso adequado para a impugnação das decisões que denegarem seguimento a outro recurso.

AGRAVO DE INSTRUMENTO: Conceito: é o recurso adequado para a impugnação das decisões que denegarem seguimento a outro recurso. AGRAVO DE INSTRUMENTO: Conceito: é o recurso adequado para a impugnação das decisões que denegarem seguimento a outro recurso. Por que se diz instrumento: a razão pela qual o recurso se chama agravo de

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça SENTENÇA ESTRANGEIRA CONTESTADA Nº 760 - EX (2005/0123948-2) RELATOR REQUERENTE ADVOGADO _ REQUERIDO ADVOGADO : MINISTRO FELIX FISCHER : TREMOND ALLOYS AND METALS CORP : CELSO BOTELHO DE MORAES E OUTROS

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 781.703 - RS (2005/0152790-8) RELATOR RECORRENTE RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO ARNALDO ESTEVES LIMA : UNIÃO : MARCOS ROBERTO SILVA DE ALMEIDA E OUTROS : WALDEMAR MARQUES E OUTRO EMENTA

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa

ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa Agravo de Instrumento n 2 073.2012.001287-4 /001 Relator: Des. José Di Lorenzo Serpa Agravante: Marina Jacaré Clube Advogado:

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal CONFLITO DE COMPETÊNCIA 7.572 DISTRITO FEDERAL RELATORA SUSTE.(S) ADV.(A/S) : MIN. ROSA WEBER :VASP - VIAÇÃO AÉREA SÃO PAULO S/A :MARCUS VINÍCIUS DE ALMEIDA RAMOS :SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA (RECLAMAÇÃO

Leia mais

PARECER PGFN/CRJ/Nº 2113 /2011

PARECER PGFN/CRJ/Nº 2113 /2011 PARECER PGFN/CRJ/Nº 2113 /2011 Denúncia espontânea. Exclusão da multa moratória. Inexistência de distinção entre multa moratória e multa punitiva, visto que ambas são excluídas em caso de configuração

Leia mais

PARECER PGFN/CRJ/Nº 2126 /2011

PARECER PGFN/CRJ/Nº 2126 /2011 PARECER PGFN/CRJ/Nº 2126 /2011 Contribuição previdenciária. Não incidência em relação aos valores recebidos em razão do exercício de função comissionada, após a edição da Lei 9.783/99, pelos servidores

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL CIVIL IV PODER GERAL DE CAUTELA DO JUIZ Cláudio Basques

DIREITO PROCESSUAL CIVIL IV PODER GERAL DE CAUTELA DO JUIZ Cláudio Basques DIREITO PROCESSUAL CIVIL IV PODER GERAL DE CAUTELA DO JUIZ Cláudio Basques - PREVISTO NOS ARTIGOS 798 E 799 DO CPC Art. 798. Além dos procedimentos cautelares específicos, que este código regula no Capítulo

Leia mais

SUPER PLUS Disciplina: Direito Processual Civil Tema: Ação e Processo Prof.: Rodrigo da Cunha Lima Freire Data: 21/02/2005.

SUPER PLUS Disciplina: Direito Processual Civil Tema: Ação e Processo Prof.: Rodrigo da Cunha Lima Freire Data: 21/02/2005. Doutrina 1. Conceito de ação AÇÃO. CONDIÇÕES DA AÇÃO. PROCESSO. PRESSUPOSTOS PROCESSUAIS 2. Teorias acerca da natureza jurídica da ação 2.1. Teoria civilista ou imanentista 2.2. Teoria da ação como direito

Leia mais

FINANCEIRO EM DEMANDAS POSICIONAMENTO DO SUPERIOR

FINANCEIRO EM DEMANDAS POSICIONAMENTO DO SUPERIOR INVERSÃO DO ÔNUS FINANCEIRO EM DEMANDAS AMBIENTAIS MBIENTAIS. BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE POSICIONAMENTO DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA Laura Lícia de Mendonça Vicente Advogada Coordenadora do Depto. Ambiental

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo Registro: 2015.0000163294 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Agravo de Instrumento nº 2022175-32.2015.8.26.0000, da Comarca de Praia Grande, em que é agravante FAZENDA DO ESTADO DE SÃO

Leia mais

'j-8.9,1-4v1/ TS je., strki -0) PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA PRESIDÊNCIA

'j-8.9,1-4v1/ TS je., strki -0) PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA PRESIDÊNCIA 'j-8.9,1-4v1/ TS je., strki -0) PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA PRESIDÊNCIA RECURSO ORDINÁRIO N". 999.2008.000582-3/001 RECORRENTE :Horizonte Express Transportes Ltda. ADVOGADOS :Holdermes

Leia mais

Jurisprudência sobre concursos públicos Hugo Goes

Jurisprudência sobre concursos públicos Hugo Goes Jurisprudência sobre concursos públicos Hugo Goes O presente artigo tem como escopo reunir a mais recente jurisprudência do STF e do STJ sobre concursos públicos e sobre os direitos dos candidatos. 1.

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATOR : MINISTRO CASTRO MEIRA AGRAVANTE : ONDREPSB LIMPEZA E SERVIÇOS ESPECIAIS LTDA ADVOGADO : IVAR LUIZ NUNES PIAZZETA E OUTRO(S) AGRAVADO : FAZENDA NACIONAL PROCURADORES : ANGELA T GOBBI ESTRELLA

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo fls. 1 Registro: 2011.0000248678 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Agravo de Instrumento nº 0166066-87.2011.8.26.0000, da Comarca de Franca, em que é agravante CALÇADOS PINGO LTDA MICRO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça EMBARGOS DE DIVERGÊNCIA EM RESP Nº 134.778 - MG (2000/0136693-9) RELATOR : MINISTRO CESAR ASFOR ROCHA EMBARGANTE : SÃO BENEDITO AGROPECUÁRIA S/A ADVOGADO : FERNANDO NEVES DA SILVA E OUTROS EMBARGADO :

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no RECURSO ESPECIAL Nº 1.311.383 - RS (2012/0041009-1) RELATOR : MINISTRO NAPOLEÃO NUNES MAIA FILHO AGRAVANTE : ANTONIO CHAGAS DE ANDRADE ADVOGADOS : MARCELO LIPERT E OUTRO(S) ROBERTO DE FIGUEIREDO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no CONFLITO DE COMPETÊNCIA Nº 106.421 - SP (2009/0126372-1) RELATOR : MINISTRO HERMAN BENJAMIN AGRAVANTE : ASSOCIAÇÃO SAÚDE DA FAMÍLIA : MARCO ANTÔNIO OLIVA AGRAVADO : CAIO CÉSAR FERRACIOLI FERREIRA

Leia mais

Trabalho 5 PROCEDIMENTO PARA CUMPRIMENTO. DA SENTENÇA CIVIL (art. 475, CPC) BRASÍLIA

Trabalho 5 PROCEDIMENTO PARA CUMPRIMENTO. DA SENTENÇA CIVIL (art. 475, CPC) BRASÍLIA Universidade de Brasília Faculdade de Direito Teoria Geral do Processo II Professor: Vallisney de Souza Oliveira Aluno: Paulo Wanderson Moreira Martins Matrícula: 12/0062372 Trabalho 5 PROCEDIMENTO PARA

Leia mais

Desembargador SEBASTIÃO COELHO Acórdão Nº 732.640 E M E N T A

Desembargador SEBASTIÃO COELHO Acórdão Nº 732.640 E M E N T A Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios Órgão 5ª Turma Cível Processo N. Agravo de Instrumento 20130020148016AGI Agravante(s) SINDICATO DOS ODONTOLOGISTAS DO

Leia mais

ACÓRDÃO. oes i n'ítiu v.5

ACÓRDÃO. oes i n'ítiu v.5 o AI no 037.2010.002.240-1/001, oes i n'ítiu v.5 Poder Judiciário do Estado da Paraíba Tribunal de Justiça Gabinete da Desembargadora Maria das Neves do Egito de A. D. Ferreira ACÓRDÃO AGRAVO INTERNO No

Leia mais

Nº 70020131579 COMARCA DE PORTO ALEGRE BANCO DO BRASIL S/A MARINA HELENA ALENCASTRO

Nº 70020131579 COMARCA DE PORTO ALEGRE BANCO DO BRASIL S/A MARINA HELENA ALENCASTRO AÇÃO DE INDENIZAÇÃO. LITISCONSÓRCIO PASSIVO. SENTENÇA DE PARCIAL PROCEDENCIA, CONDENANDO APENAS UMA DAS PARTES DEMANDADAS. NÃO INCIDÊNCIA DO ART. 191, DO CDC. SÚMULA 641, DO STF. PRAZO SIMPLES PARA RECORRER.

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATORA : MINISTRA ELIANA CALMON EMENTA PROCESSUAL CIVIL AGRAVO REGIMENTAL MANDADO DE SEGURANÇA REQUISITOS NÃO DEMONSTRADOS INDEFERIMENTO. 1. Não restaram configurados os requisitos para a concessão da

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.228.778 - MT (2010/0217471-4) RELATOR RECORRENTE RECORRIDO RECORRIDO : MINISTRO SIDNEI BENETI : WANDER CARLOS DE SOUZA : SÉRGIO DONIZETE NUNES : GILBERTO LUIZ DE REZENDE : DANIELA

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.054.847 - RJ (2008/0099222-6) RELATOR RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO REPR. POR RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO LUIZ FUX : TEREZINHA FUNKLER : LÍDIA MARIA SCHIMMELS E OUTRO(S) : BANCO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça CONFLITO DE COMPETÊNCIA Nº 87.156 - RJ (2007/0145923-6) RELATOR : MINISTRO SIDNEI BENETI AUTOR : EVANDRO DA SILVA ADVOGADO : CARLOS LIMA CASTRO RÉU : SAINT GOBAIN CANALIZAÇÃO S/A ADVOGADO : HISASHI KATAOKA

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.084.748 - MT (2008/0194990-5) RELATOR RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO SIDNEI BENETI : AGRO AMAZÔNIA PRODUTOS AGROPECUÁRIOS LTDA : DÉCIO JOSÉ TESSARO E OUTRO(S) :

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 340.091 - RS (2013/0142183-2) RELATOR AGRAVANTE AGRAVADO : MINISTRO LUIS FELIPE SALOMÃO : METILDE CASAGRANDE SOUZA E OUTROS : CLARISSA ASSUNÇÃO VIEIRA E OUTRO(S) FLÁVIO

Leia mais