ANÁLISE DO DESEMPENHO FINANCEIRO DAS EMPRESAS AÉREAS LISTADAS NA BOLSA DE VALORES DE LONDRES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DO DESEMPENHO FINANCEIRO DAS EMPRESAS AÉREAS LISTADAS NA BOLSA DE VALORES DE LONDRES"

Transcrição

1 ANÁLISE DO DESEMPENHO FINANCEIRO DAS EMPRESAS AÉREAS LISTADAS NA BOLSA DE VALORES DE LONDRES Rafael Vianna Avila (UFRJ) Heloisa Marcia Pires (UFRJ) A aviação civil mundial tem passado por mudanças relativas à liberalização dos mercados. Cada vez mais empresas se encontram em ambientes competitivos que anteriormente não existiam. Para estudar a capacidade financeira das empresas a enfrrentar estes desafios são analisados o retorno do investimento, o retorno do capital do acionista, o crescimento do ativo e da receita operacional líquida. Foram consideradas as nove empresas de aviação civil de capital aberto com ações negociadas na Bolsa de Valores de Londres - London Stock Exchange. Esta análise levou em consideração os anos de 2005 a Os resultados mostram que o grupo de empresas que vem apresentando um desempenho acima da média em relação aos índices de rentabilidade são British Airways, Easy Jet, Sky West, Ryanair, Dart Group e Air China. Já para a Aer Lingus e Air Partner, foi observado um desempenho abaixo da média. Palavras-chaves: Análise Financeira, Aviação Civil, Bolsa de Valores de Londres

2 1. Introdução O transporte aéreo tem sofrido crescente desregulamentação nos últimos anos em todo o mundo. A sobrevivência das empresas tem sido condicionada à busca por eficiência, uma vez que as barreiras protecionistas de empresas nacionais no setor de transporte aéreo tem se modificado para o caso do mercado internacional. (Fernandes e Pires, 2008) As companhias aéreas têm buscado a lucratividade e a permanência nos mercados em cenários instáveis e propensos a grandes mudanças. Países enfrentam a possibilidade de abrir a competição de seus mercados domésticos às empresas internacionais considerando a soberania nacional e a eficiência do mercado. (Fernandes e Pires, 2008) A aviação civil é um negócio de características próprias, sendo intensivo em capital e tecnologia, representado especialmente por aviões, equipamentos e transmissão de informações. De maneira geral esse setor é responsável por um mercado de alto poder aquisitivo que se divide entre internacional, nacional e regional, para vôos regulares. Além disso, oferece empregos de qualidade, transporta mercadorias de alto valor agregado e cria visibilidade para as nações. (Fernandes e Pires, 2008) A liberdade de competição nesse mercado estratégico para as nações cresceu de tal forma que tem se observado variações em preços de passagens entre as companhias aéreas. Essas práticas que atingem a indústria de aviação civil têm comprometido a rentabilidade do negócio de transporte aéreo. Os efeitos de sucesso comprovados na desregulamentação dos Estados Unidos e a ineficiência na indústria de aviação civil da Europa influenciaram a Comissão Européia a introduzir certas reformas para promover a competição e aumentar a eficiência e produtividade de suas companhias aéreas. (Fethi, Jackson e Weyman-Jones, 2000) Esse processo de liberalização teve início em 1987 com pacotes de reformas no setor aéreo europeu, que implementaram preços mais flexíveis, expansão da capacidade e maior acesso ao mercado. (Fethi, Jackson e Weyman-Jones, 2000) Com esta preocupação o trabalho deu foco a fazer uma comparação das empresas com capital aberto na bolsa de valores de Londres e assim analisar seus índices econômico financeiros. Além disso, como a amostra possui empresas de diversos localidades, o artigo permite uma análise entre empresas do Reino Unido e de outras nações. 2. Empresas e variáveis As empresas selecionadas da amostra são: Aer Lingus, All Nippon Airways, Air China, Air Partner, British Airways, Dart Group, Easy Jet, Ryanair e Sky West, referentes aos países Inglaterra, Irlanda, China, Japão e Estados Unidos. Foram consideradas as nove empresas de aviação civil de capital aberto com ações negociadas na Bolsa de Valores de Londres. Elas foram determinadas a partir de uma pesquisa nos sites da bolsa de valores britânica (London Stock Exchange - LSE) e da comissão de valores mobiliários britânica (Financial Services Authority - FSA). Assim, foram analisados os balanços patrimoniais e demonstrativos de resultados de exercício das empresas entre os anos de 2005 e Como existiu uma dificuldade de obtenção de informações econômico financeiras confiáveis diretamente nos sites da LSE e da FSA, as 2

3 demonstrações financeiras das empresas listadas na Bolsa de Valores de Londres foram coletadas dos relatórios anuais provenientes dos próprios sites de cada companhia aérea. Para melhor analisar a estrutura financeira das empresas, o banco de dados foi refinado a partir do cálculo de índices econômico financeiros das empresas aéreas. Para que a análise não levasse em conta os efeitos da inflação e de moedas diferentes, transformou-se o banco de dados a valores nominais constantes de 2009, referenciado ao dólar. Como se pode ver na Figura 1, o mercado das empresas de aviação civil com capital aberto na LSE movimenta um total de US$ ,34 milhões e possui US$ ,64 milhões em ativos em Figura 1 Ativo e receita líquida das empresas de aviação com capital aberto na LSE (moeda contante 2009) As variáveis consideradas foram retorno sobre o investimento (ROA), retorno do patrimônio líquido (RPL), crescimento do ativo total e da receita operacional líquida. As estatísticas das variáveis financeiras selecionadas encontram-se no Quadro 1 e 2. O retorno sobre o investimento pode ser explicado pelo quão lucrativa uma empresa é em relação aos seus ativos totais, dando uma idéia do quão eficiente a gestão da empresa é ao usar seus ativos para gerar lucros. O retorno sobre o patrimônio líquido mede a rentabilidade de uma corporação revelando o quanto a empresa gera de lucro com o capital dos acionistas Máximo 10,05 9,48 9,77 10,89 4,60 ROA (%) Mínimo 3,38-3,63 3,19-12,81-7,52 Média 5,19 3,40 5,48-0,36 0,91 Desvio Padrão 2,29 3,84 1,97 8,05 3,98 3

4 Quadro 1 Estatísticas da rentabilidade do ativo (ROA) Verifica-se no Quadro 1 que o retorno sobre o investimento das empresas analisadas teve uma média negativa apenas no ano de 2008, que também foi o ano que apresentou o maior máximo na análise histórica, de 10,89%, referente ao ROA da Air Partner. Também observa-se um desvio padrão de 8,05% no ano de 2008, o maior deste conjunto de anos, para esta amostra, indicativo de um ano de maior risco de rentabilidade do ativo. Outra observação foi o desempenho do ano de 2009 em relação à série histórica. Esse ano apresentou o pior máximo (4,60%, referente à Dart Group), um valor mínimo relativamente alto para a amostra (-7,52%, referente à Aer Lingus) e a pior média nestes anos Máximo 22,52 27,28 29,37 37,18 20,05 RPL (%) Mínimo 6,83-8,57 11,15-72,75-18,46 Média 16,61 10,01 15,89-6,18 3,86 Desvio Padrão 5,98 9,93 5,87 34,97 12,28 Quadro 2 Estatísticas da rentabilidade do capital do acionista (RPL) Observa-se no Quadro 2 que o retorno sobre o patrimônio líquido das empresas analisadas também teve uma média negativa apenas no ano de 2008, muito pelo desempenho relativamente baixo, em comparação com o resto da amosta, (-72,75%) da British Airways. Esse mesmo ano apresentou um desvio padrão elevado, de 34,97%. Esse indicador de risco mostra a grande variabilidade de retorno que o mercado passou nessa época. Apesar de melhores, os resultados do RPL para o ano de 2009 foram afetados por esse momento ruim da economia. Nesse ano as empresas tiveram o menor máximo dos cinco anos analisados (20,05%, referente a Air China) e o segundo pior mínimo (-18,46%, referente a Aer Lingus). 3. Estudo de caso A amostra foi dividida de 2 maneiras distintas. Na primeira divisão, as empresas selecionadas foram separadas em quatro grupos relacionando tanto o retorno sobre o investimento (ROA), quanto o desempenho do capital do acionista (RPL) para o ano de 2009, conforme o Quadro 3. ROA RPL Grupo 1 > 0,91 > 3,86 Grupo 2 > 0,91 < 3,86 4

5 Grupo 3 < 0,91 > 3,86 Grupo 4 > 0,91 > 3,86 Tabela 3 Grupos relacionados quanto ao retorno do investimento e do capital do acionista O grupo 1 é aquele constituído de empresas que obtiveram ROA e RPL acima da média. Estas empresas são as de mais alto desempenho. Estão neste grupo: Ryanair, Dart Group, Air China, British Airways, Easy Jet e SkyWest. As empresas do grupo 2 são aquelas com RPL abaixo da média podendo ser negativo, mas com desempenho de rentabilidade do ativo acima da média. Nenhuma empresa se enquadrou neste grupo. No grupo 3 encontram-se empresas com RPL alto, porém desempenho do ROA abaixo da média podendo ser negativo. Nenhuma empresa se enquadrou neste grupo. As do grupo 4 são as de mais fraco desempenho, incluindo desempenho negativo tanto a nível de rentabilidade do ativo quanto a nível do capital do acionista. Estão neste grupo Aer Lingus, Air Partner. Na segunda divisão, analisou-se os indicadores econômico financeiros das nove empresas individualmente para todos os anos paralelamente aos seus ativos totais e receita operacional líquida do período. Figura 2 Índices de rentabilidade Aer Lingus A Aer Lingus pertence ao grupo 4, o de mais baixo desempenho tanto de rentabilidade do ativo quanto de retorno sobre o patrimônio líquido para o ano de A empresa apresentou um desempenho relativamente baixo para esse ano, tendo em vista que seu ROA foi de -8% e que seu RPL foi de -18%, como observado na Figura 2. 5

6 Figura 3 Crescimento do ativo e receita operacional líquida Aer Lingus Pode-se notar na Figura 3 que a empresa passou por um período de crescimento da receita operacional líquida entre os anos de 2005 e A Aer Lingus apresentou diminuição em 13% do tamanho do ativo e de 7% das receitas operacionais líquidas de 2008 para Outra análise que pode ser feita é em relação à capacidade de geração de receitas a partir do tamanho do ativo total da Aer Lingus. Nesse caso, apesar de ser a sexta empresa em tamanho de ativos, a Aer Lingus é a quinta em capacidade de geração de receitas proporcionalmente ao tamanho do ativo, com uma receita operacional líquida de 70% do ativo total. Ver Figura 1. Figura 4 Índices de rentabilidade Air Partner A Air Partner também pertence ao grupo 4. Na Figura 4, pode-se ver que a empresa apresentou índices de rentabilidade acima de zero de 2005 a 2008, contudo, em 2009, a companhia aérea teve ROA de -0,08% e RPL de -0,25%. 6

7 Figura 5 Crescimento do ativo e receita operacional líquida Air Partner Como se pode observar na Figura 5, o ativo da Air Partner já apresentava sinais de decrescimento de 2007 para 2008, quando teve diminuição do crescimento de 34% para 8%. De 2008 para 2009 essa queda se acentuou chegando a uma diminuição de 19% do ativo em relação ao ano anterior. A receita operacional líquida, de maneira similar e retardada, teve aumento de 2005 até 2008 e, a partir desse ano até 2009, diminuiu em 24%. Pode-se notar, na Figura 1, que a Air Partner apresenta uma grande capacidade de geração de receitas em relação ao ativo, já que aquela é em torno de 400% acima do valor do ativo total. Figura 6 Índices de rentabilidade British Airways A British Airways pertence ao grupo 1, ou seja, apresenta ROA e RPL acima da média para a amostra referente ao ano de 2009 (Figura 6). A empresa apresentou resultados positivos dos índices de rentabilidade analisados em todos os anos, com exceção de 2008, onde teve uma perda de -13% do retorno sobre o investimento e de -73% do retorno do patrimônio líquido, menor índice geral desse ano. 7

8 Figura 7 Crescimento do ativo e receita operacional líquida British Airways A empresa apresentou decrescimento de receita operacional líquida a partir de 2008 (Figura 7). Um ponto positivo para o futuro da empresa é a melhoria da geração de receitas a partir do ativo no ano de 2009, já que apresentou-se uma diminuição de 13% do ativo total ao mesmo tempo em que as receitas saíram de um decréscimo de 10,35% em 2008 para um decréscimo de 0,4% em Figura 8 Índices de rentabilidade Easy Jet A Easy Jet também pertence ao grupo 1 (Figura 8). A empresa apresentou seu melhor momento em 2007 com 6% de ROA e 13% de RPL. No entanto, a partir desse ano até 2009 pode-se analisar uma queda dos índices. Apesar dessa queda, a empresa tem se mantido seus índices de rentabilidade acima da média para este conjunto de anos da amostra. 8

9 Figura 9 Crescimento do ativo e receita operacional líquida Easy Jet Pode-se notar um crescimento da receita operacional líquida e do ativo total em todo o período analisado (Figura 9). A Easy Jet tem apresentado boa relação entre a geração de receitas proporcionalmente ao tamanho do ativo, com uma receita operacional líquida de 73% do ativo total. Ver Figura 1. Figura 10 Índices de rentabilidade Sky West A Sky West teve tanto o seu desempenho de rentabilidade do ativo quanto de retorno sobre o patrimônio líquido acima da média para o ano de 2009 (Quadro 3). No entanto, a empresa apresentou uma queda em seus índices de rentabilidade, tendo em vista que a empresa apresentou uma queda de 4% para 2% de seu ROA e de 13% para 6% do seu ROE do ano de 2008 para o ano de 2009, como observado na Figura 10. Figura 11 Crescimento do ativo e receita operacional líquida Sky West Pela Figura 11 observa-se que apesar do ativo total ter permanecido praticamente constante ao longo do período analisado, atingindo um crescimento aproximado de 6% em 2009, se observou uma queda da receita operacional líquida de 26% nesse mesmo ano. Esse é um indicativo de que a empresa pode ter perdido mercado para concorrentes, já que com o mesmo tamanho de ativo ela produziu menos receita. 9

10 Figura 12 Índices de rentabilidade Ryanair A Ryanair é mais uma empresa que pertence ao grupo 1 (Quadro 3). A empresa apresentou resultados positivos dos índices de rentabilidade analisados em todos os anos com exceção de 2008, onde teve um índice negativo de aproximadamente -3% do retorno sobre o investimento e de -7% do retorno do patrimônio líquido. Em 2009 a empresa retomou o crescimento, apresentando ROA de 4% e RPL de 11% (Figura 12). Figura 13 Crescimento do ativo e receita operacional líquida Ryanair Pode-se notar na Figura 13 um período de recuperação da Ryanair. Depois de apresentar quedas de crescimento consecutivas de 2005 até 2008, em 2009 a empresa teve um crescimento de 24% do tamanho do ativo e de 6% da receita operacional líquida. Ainda assim, é possível observar a capacidade ociosa do ativo pela perda de capacidade de geração de receitas, que proporcionalmente representa 39% do tamanho do ativo. Ver Figura 1. 10

11 Figura 14 Índices de rentabilidade Dart Group O Dart Group também pertence ao grupo 1 (Quadro 3). Na Figura 14 pode-se ver que a empresa apresentou índices de rentabilidade positivos em todos os anos analisados. Em especial, no ano de 2008 a empresa teve seu melhor ano, com 9% de ROA e 29% de RPL. Figura 15 Crescimento do ativo e receita operacional líquida Dart Group Na Figura 15, pode-se observar um crescimento de 15% do tamanho do ativo de 2008 para 2009, no entanto, houve uma diminuição em 3% da receita operacional líquida nesse mesmo período. Figura 16 Índices de rentabilidade Air China 11

12 A Air China também apresenta seu retorno sobre o investimento e o retorno sobre o patrimônio líquido acima da média para a amostra referente ao ano de O ano de 2008 foi o pior na análise histórica, sendo o único a ficar com resultado negativo (Figura 16). A empresa teve um ROA de -9,5% e um RPL de -46%. Em 2009 já se observa uma melhora, com um ROA de 4,5% e um RPL de 20%. Figura 17 Crescimento do ativo e receita operacional líquida Air China No período de 2007 a 2009 a Air China apresentou queda anual de aproximadamente -2,5% em sua receita operacional líquida. Em relação ao ativo, a Air China obteve uma diminuição em -3% de 2006 para 2007 e um aumento de 8% para 2008 e de 10% para 2009 (Figura 17). A empresa teve uma capacidade pequena de geração de receitas proporcionalmente ao tamanho de seu ativo total, que foi de aproximadamente 48%. 4. Conclusões Este artigo analisou o desempenho econômico financeiro das empresas Aer Lingus, All Nippon Airways, Air China, Air Partner, British Airways, Dart Group, Easy Jet, Ryanair e Sky West. Foram consideradas as variáveis retorno sobre o investimento, retorno do patrimônio líquido, crescimento do ativo total e da receita operacional líquida. Essa análise identificou duas empresas européias com baixo desempenho econômico financeiro para o ano de As empresas Aer Lingus e Air Partner foram enquadradas no grupo com os índices ROA e RPL abaixo da média. Todas as outras seis empresas examinadas no ano de 2009 estão situadas no grupo onde os índices econômico financeiros estão acima da média da amostra. Pode-se observar que todas as empresas apresentaram crescimento da receita operacional líquida de 2005 até 2007, sendo que dessas, Dart Group e Air China foram as únicas a não apresentar crescimento para 2008, sendo que de 2008 para 2009 cinco empresas apresentaram queda de sua receita líquida. Assim, se observa um cenário de relativa preocupação, tendo em vista que o desempenho econômico financeiro da maioria das empresas da amostra apresenta queda no último ano analisado, o de Deve-se buscar entender que essa deterioração ocorreu por conta de 12

13 fatores externos à empresa, como a crise financeira mundial de 2008 ou se existem problemas internos de má gestão dessas empresas. Este estudo se limita aos anos de 2005 a 2009, assim, uma análise que englobe as informações econômico financeiras de 2010 poderia verificar uma possível retomada de desempenho das empresas. Este estudo se restringe à análise de desempenho financeiro das empresas aéreas listadas na bolsa de valores de Londres. Sendo assim, ela não é exaustiva e novos estudos são importantes para confirmar os resultados apresentados. Referências AER LINGUS. Annual Report to 2009, 2008, 2007 & Acesso em 10/12/2010. AIR CHINA. Annual Report to 2009, 2008, 2007 & Acesso em 10/12/2010. AIR PARTNER. Annual Report to 2009, 2008, 2007 & Acesso em 10/12/2010. ALL NIPPON AIRWAYS. Annual Report to 2009, 2008, 2007 & Acesso em 10/12/2010. BRITISH AIRWAYS. Annual Report to 2009, 2008, 2007 & Acesso em 21/04/2011. DART GROUP. Annual Report to 2009, 2008, 2007 & Acesso em 10/12/2010. EASY JET. Annual Report to 2009, 2008, 2007 & Acesso em 10/12/2010. FINANCIAL SERVICES AUTHORITY. Informação sobre as empresas do estudo. Site Acesso em 10/12/2010 LONDON STOCK EXCHANGE. Informação sobre as empresas do estudo. Site Acesso em 10/12/2010 FERNANDES,E.; PIRES, H.M. Uma Análise Comparativa de Desempenho de Empresas Aéreas a Nível Mundial. VII Simpósio de Transporte Aéreo (SITRAER). Rio de Janeiro, Brasil, Novembro, FETHI, M.D.; JACKSON, P.M. & WEYMAN-JONES,T.D. Measuring the Efficiency of European Airlines: An Application of DEA and Tobit Analys. Annual Meeting of the European Public Choice Society, Siena, Itália, Abril, RYANAIR. Annual Report to 2010, 2009, 2008 & Acesso em 10/12/2010. SKY WEST. Annual Report to 2009, 2008, 2007 & Acesso em 10/12/2010. (*) Este trabalho contou com o apoio financeiro do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) Análise do desempenho financeiro das empresas aéreas listadas na Bolsa de Valores de Londres 13

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013 As exportações em março apresentaram aumento de +27,85% em relação a fevereiro. O valor exportado superou novamente a marca de US$ 1 bilhão, atingindo

Leia mais

Uma análise econômica do seguro-saúde Francisco Galiza Outubro/2005 www.ratingdeseguros.com.br

Uma análise econômica do seguro-saúde Francisco Galiza Outubro/2005 www.ratingdeseguros.com.br Uma análise econômica do seguro-saúde Francisco Galiza Outubro/2005 www.ratingdeseguros.com.br Um dos ramos mais importantes do mercado segurador brasileiro é o de saúde. Surgido sobretudo com uma opção

Leia mais

metanor s.a. METANOR S.A. Metanol do Nordeste Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2010 Metanol do Nordeste

metanor s.a. METANOR S.A. Metanol do Nordeste Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2010 Metanol do Nordeste METANOR S.A. Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2010 Senhores Acionistas, Em conformidade com as disposições legais e estatutárias, a administração da METANOR S.A. submete à apreciação

Leia mais

INDICADORES DE RENTABILIDADE: UMA ANÁLISE ECONOMICO FINANCEIRA SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTABEIS DA INDÚSTRIA ROMIA S/A

INDICADORES DE RENTABILIDADE: UMA ANÁLISE ECONOMICO FINANCEIRA SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTABEIS DA INDÚSTRIA ROMIA S/A INDICADORES DE RENTABILIDADE: UMA ANÁLISE ECONOMICO FINANCEIRA SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTABEIS DA INDÚSTRIA ROMIA S/A AUTOR ANTONIA TASSILA FARIAS DE ARAÚJO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ RESUMO O presente

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A.

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A. Universidade Federal do Pará Centro: Sócio Econômico Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Análise de Demonstrativos Contábeis II Professor: Héber Lavor Moreira Aluno: Roberto Lima Matrícula:05010001601

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Crise não afeta lucratividade dos principais bancos no Brasil 1 Lucro dos maiores bancos privados

Leia mais

Teleconferência de Resultados 1T15. 8 de maio de 2015. Magazine Luiza

Teleconferência de Resultados 1T15. 8 de maio de 2015. Magazine Luiza Teleconferência de Resultados 8 de maio de 2015 Magazine Luiza Destaques do Vendas E-commerce Despesas Operacionais EBITDA Luizacred Lucro Líquido Ganhos de market share, principalmente em tecnologia Receita

Leia mais

Operadora: Indicadores econômico-financeiros

Operadora: Indicadores econômico-financeiros Número 02 São Paulo, 13 de agosto de 2013 Operadora: Indicadores econômico-financeiros RESUMO A GVT tem apresentado variações positivas significativas na quantidade de acessos nos últimos três anos, e

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS: 2010-2014

REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS: 2010-2014 NOTAS CEMEC 01/2015 REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS: 2010-2014 Carlos A. Rocca Lauro Modesto Santos Jr. Fevereiro de 2015 1 1. Introdução No Estudo Especial CEMEC de novembro

Leia mais

METANOR S.A. Metanol do Nordeste Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2011

METANOR S.A. Metanol do Nordeste Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2011 METANOR S.A. Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2011 Senhores Acionistas, Em conformidade com as disposições legais e estatutárias, a administração da METANOR S.A. submete à apreciação

Leia mais

INSTITUTO ASSAF: ANÁLISE DO DESEMPENHO DOS BANCOS MÉDIOS E DOS BANCOS GRANDES

INSTITUTO ASSAF: ANÁLISE DO DESEMPENHO DOS BANCOS MÉDIOS E DOS BANCOS GRANDES INSTITUTO ASSAF: ANÁLISE DO DESEMPENHO DOS BANCOS MÉDIOS E DOS BANCOS GRANDES O Instituto Assaf comparou diversos indicadores de desempenho dos bancos grandes e dos bancos médios de 2009 a 2011. Primeiramente

Leia mais

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 COMUNICADO No: 58 Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 10 de dezembro de 2015 (Genebra) - A International Air Transport Association (IATA) anunciou

Leia mais

Excelência operacional

Excelência operacional Excelência operacional o pilar para obter um crescimento lucrativo na Colômbia POR: DAVID MONROY E ROBERTO PALACIOS, SINTEC Siga-nos: @Perspectiva Sintec @Sintec_ @PerspectivaSintec Introdução Toda empresa

Leia mais

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 Março 2015 1 NOTA CEMEC 03/2015 SUMÁRIO Os dados de Contas Nacionais atualizados até o terceiro trimestre de 2014 revelam a continuidade da

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Junho 2010

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Junho 2010 Depenho do Comércio Exterior Paranaense Junho 2010 As exportações em junho apresentaram redução de 8,57% sobre maio após expansão por quatro meses consecutivos. Desta forma, supera a marca de US$ 1 bilhão

Leia mais

5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC

5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC 5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC Nesta seção serão apresentados os resultados encontrados para os diversos modelos estimados. No total foram estimados dezessete 1 modelos onde a variável

Leia mais

SINCOR-SP 2015 AGOSTO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 AGOSTO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS AGOSTO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

3 Privatização dos Aeroportos

3 Privatização dos Aeroportos 27 3 Privatização dos Aeroportos Este capítulo discorre sobre a experiência internacional com a privatização dos aeroportos, a eficiência entre as diversas formas de capital e a estrutura escolhida pelo

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 QUIRINO, José Renato Dias 1 ; MEDEIROS 2, Rennan Kertlly de; RAMOS FILHO 3, Hélio S. RESUMO O estudo das relações econômicas

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Novembro 2012

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Novembro 2012 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Novembro 2012 As exportações em novembro apresentaram diminuição de 27,64% em relação a outubro. Continuam a superar a marca de US$ 1 bilhão, agora pela vigésima-segunda

Leia mais

UM NOVO DESPERTAR PARA FAIR PLAY?

UM NOVO DESPERTAR PARA FAIR PLAY? UM NOVO DESPERTAR PARA FAIR PLAY? PESQUISA ANUAL COM DIRETORES DE FINANÇAS DE CLUBES DE FUTEBOL DO REINO UNIDO 2013 Introdução Caro leitor Você está recebendo o estudo elaborado pela BDO sobre o Fair

Leia mais

2.4. Subsector TRABALHO DA PEDRA (CAE 267)

2.4. Subsector TRABALHO DA PEDRA (CAE 267) 2.4. Subsector TRABALHO DA PEDRA (CAE 267) 2.4. Subsector TRABALHO DA PEDRA (CAE 267) a) Universo, Dimensão e Emprego Empresarial do Trabalho da Pedra O trabalho da pedra tinha 2.001 empresas em 2004,

Leia mais

CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 2 SUMÁRIO Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita de

Leia mais

Leilão do IRB: Considerações Econômicas

Leilão do IRB: Considerações Econômicas Leilão do IRB: Considerações Econômicas Francisco Galiza - Mestre em Economia (FGV) Março/2000 SUMÁRIO: I) Introdução II) Parâmetros Usados III) Estimativas IV) Conclusões 1 I) Introdução O objetivo deste

Leia mais

O comportamento pós-crise financeira das taxas de câmbio no Brasil, China, Índia e Europa

O comportamento pós-crise financeira das taxas de câmbio no Brasil, China, Índia e Europa O comportamento pós-crise financeira das taxas de câmbio no Brasil, China, Índia e Europa Guilherme R. S. Souza e Silva * RESUMO - O presente artigo apresenta e discute o comportamento das taxas de câmbio

Leia mais

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 35 15 a 30 de setembro de 2009 EMPREGO De acordo com a Pesquisa

Leia mais

Teleconferência de Resultados 2014 e 4T14. 27 de fevereiro de 2015. Magazine Luiza

Teleconferência de Resultados 2014 e 4T14. 27 de fevereiro de 2015. Magazine Luiza Teleconferência de Resultados 2014 e 4T14 27 de fevereiro de 2015 Magazine Luiza Destaques 2014 Vendas E-commerce Despesas Operacionais EBITDA Ajustado Luizacred Lucro Líquido Ajustado Crescimento da receita

Leia mais

2 Contratos Futuros Agropecuários no Brasil

2 Contratos Futuros Agropecuários no Brasil 2 Contratos Futuros Agropecuários no Brasil A presente seção apresenta as commodities agrícolas negociadas no mercado futuro brasileiro. Além disso, revela a estrutura básica dos contratos futuros e traça

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

Venda de voos internacionais atinge em 2010 87,4% de todas as vendas BSP

Venda de voos internacionais atinge em 2010 87,4% de todas as vendas BSP Venda de voos pelas agências portuguesas acaba 2010 a cair, mas ainda fica acima de 2009 A venda de voos regulares pelas agências de viagens IATA portuguesas, um mercado que em 2008 ultrapassou os 900

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T14

Divulgação de Resultados 1T14 Divulgação de Resultados 1T14 A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private-equity ( Fundos

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DAS SIDERÚRGICAS LISTADAS NA BOVESPA: COMPARAÇÃO POR ÍNDICES-PADRÃO

ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DAS SIDERÚRGICAS LISTADAS NA BOVESPA: COMPARAÇÃO POR ÍNDICES-PADRÃO XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DAS SIDERÚRGICAS LISTADAS NA BOVESPA: COMPARAÇÃO POR ÍNDICES-PADRÃO Rafael Martins Noriller (UFGD) rafael_mn1985@hotmail.com

Leia mais

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

IMAPCTOS DA CRISE ECONÔMICA NAS EMPRESAS DE GUARAPUAVA

IMAPCTOS DA CRISE ECONÔMICA NAS EMPRESAS DE GUARAPUAVA IMAPCTOS DA CRISE ECONÔMICA NAS EMPRESAS DE GUARAPUAVA Uilson Jose Nepchji eliziane.uilson@gmail.com Pedro Anotonio Laurentino Valdemir Monteiro Sandra Mara Matuik Mattos Professora do Curso Ciências Econômicas/

Leia mais

Figura 01 - Evolução das exportações de suínos de Santa Catarina no período de 2010 a 2014 - US$ Milhões.

Figura 01 - Evolução das exportações de suínos de Santa Catarina no período de 2010 a 2014 - US$ Milhões. Crise na Ucrânia: dificuldades e potencialidades para o setor de carne suína e milho em Santa Catarina Glaucia Padrão, Dr.ª Analista de Economia, Epagri/Cepa Reney Dorow, Msc. Analista de Mercado, Epagri/Cepa

Leia mais

FANOR. MBA Internacional - Finanças. DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica. PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto)

FANOR. MBA Internacional - Finanças. DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica. PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto) Bibliografia Básica: FANOR MBA Internacional - Finanças DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto) CONTATOS: www.netofeitosa.com.br contato@netofeitosa.com.br (85)

Leia mais

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas Análise Economia e Comércio / Desenvolvimento Carolina Dantas Nogueira 20 de abril de 2006 O processo de abertura comercial da China:

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Apresentação

1. Introdução. 1.1 Apresentação 1. Introdução 1.1 Apresentação Empresas que têm o objetivo de melhorar sua posição competitiva diante do mercado e, por consequência tornar-se cada vez mais rentável, necessitam ter uma preocupação contínua

Leia mais

Teleconferência de Resultados 2T15. 31 de julho de 2015. Magazine Luiza

Teleconferência de Resultados 2T15. 31 de julho de 2015. Magazine Luiza Teleconferência de Resultados 2T15 31 de julho de 2015 Magazine Luiza Destaques do 2T15 Vendas E-commerce Ganho consistente de participação de mercado Redução na receita líquida de 10,1% para R$2,1 bilhões

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

GERDAU S.A. Informações consolidadas 1T09 07/05/09

GERDAU S.A. Informações consolidadas 1T09 07/05/09 Visão Ser uma empresa siderúrgica global, entre as mais rentáveis do setor. Missão A Gerdau é uma empresa com foco em siderurgia, que busca satisfazer as necessidades dos clientes e criar valor para os

Leia mais

Presente ruim e futuro econômico desanimador para a construção civil

Presente ruim e futuro econômico desanimador para a construção civil CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO RECONHECIDA NOS TERMOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE EM 16 DE SETEMBRO DE 2010 Estudo técnico Edição nº 17 outubro de 2014 Organização:

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

WORLD INVESTMENT REPORT 2013 Cadeias de Valor Global: Investimento e Comércio para o Desenvolvimento

WORLD INVESTMENT REPORT 2013 Cadeias de Valor Global: Investimento e Comércio para o Desenvolvimento WORLD INVESTMENT REPORT 2013 Cadeias de Valor Global: Investimento e Comércio para o Desenvolvimento Sobeet São Paulo, 26 de junho de 2013 EMBARGO 26 Junho 2013 12:00 horas Horário de Brasília 1 Recuperação

Leia mais

A pergunta de um trilhão de dólares: Quem detém a dívida pública dos mercados emergentes

A pergunta de um trilhão de dólares: Quem detém a dívida pública dos mercados emergentes A pergunta de um trilhão de dólares: Quem detém a dívida pública dos mercados emergentes Serkan Arslanalp e Takahiro Tsuda 5 de março de 2014 Há um trilhão de razões para se interessar em saber quem detém

Leia mais

Receita do Network PwC cresce 6% e atinge US$ 34 bilhões no ano fiscal encerrado em junho

Receita do Network PwC cresce 6% e atinge US$ 34 bilhões no ano fiscal encerrado em junho Press release Data Contato EMBARGO 00h01min (horário Brasília) Terça-feira, 7 de outubro de 2014 Márcia Avruch Tel: +55 11 3674 3760 Email: marcia.avruch@br.pwc.com Pages 4 Receita do Network PwC cresce

Leia mais

GASTAR MAIS COM A LOGÍSTICA PODE SIGNIFICAR, TAMBÉM, AUMENTO DE LUCRO

GASTAR MAIS COM A LOGÍSTICA PODE SIGNIFICAR, TAMBÉM, AUMENTO DE LUCRO GASTAR MAIS COM A LOGÍSTICA PODE SIGNIFICAR, TAMBÉM, AUMENTO DE LUCRO PAULO ROBERTO GUEDES (Maio de 2015) É comum o entendimento de que os gastos logísticos vêm aumentando em todo o mundo. Estatísticas

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

LATAM Airlines Group S.A. Companhia Estrangeira CVM nº 80128 CNPJ nº 33.937.681/0001-78 Avenida Presidente Riesco nº 5711, 20º andar Santiago, Chile

LATAM Airlines Group S.A. Companhia Estrangeira CVM nº 80128 CNPJ nº 33.937.681/0001-78 Avenida Presidente Riesco nº 5711, 20º andar Santiago, Chile LATAM Airlines Group S.A. Companhia Estrangeira CVM nº 80128 CNPJ nº 33.937.681/0001-78 Avenida Presidente Riesco nº 5711, 20º andar Santiago, Chile FATO RELEVANTE A LATAM Airlines Group S.A. ( LATAM ou

Leia mais

Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento

Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento Os países em desenvolvimento estão se recuperando da crise recente mais rapidamente do que se esperava, mas o

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Maio 2012

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Maio 2012 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Maio 2012 As exportações em maio apresentaram aumento de +39,13% em relação a abril, continuando a superar a marca de US$ 1 bilhão, agora pela décima-sexta vez

Leia mais

Back-Test no MetaStock

Back-Test no MetaStock Back-Test no MetaStock Visão Geral Tela principal do System Tester O System Tester visa testar sistemas (trading systems) para determinar seu histórico de rentabilidade. Ele ajuda a responder a pergunta

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini agosto 2015

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini agosto 2015 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini agosto 2015 GESTÃO DO ESTOQUE DE UNIDADES PRONTAS Eco, MBA R.E., Mestre em Eng. Civil, Alfredo Eduardo Abibi Filho Dir. Inc. Jal Empreendimentos

Leia mais

NOTA CEMEC 06/2015 CÂMBIO CONTRIBUI PARA RECUPERAÇÃO DE MARGENS E COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA

NOTA CEMEC 06/2015 CÂMBIO CONTRIBUI PARA RECUPERAÇÃO DE MARGENS E COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA NOTA CEMEC 06/2015 CÂMBIO CONTRIBUI PARA RECUPERAÇÃO DE MARGENS E COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA Agosto de 2015 O CEMEC não se responsabiliza pelo uso dessas informações para tomada de decisões de compra

Leia mais

Os investimentos no Brasil estão perdendo valor?

Os investimentos no Brasil estão perdendo valor? 1. Introdução Os investimentos no Brasil estão perdendo valor? Simone Maciel Cuiabano 1 Ao final de janeiro, o blog Beyond Brics, ligado ao jornal Financial Times, ventilou uma notícia sobre a perda de

Leia mais

Nota à imprensa. Novo estudo sigma da Swiss Re, O seguro no mundo em 2010 revela aumento do volume global de prêmios e do capital

Nota à imprensa. Novo estudo sigma da Swiss Re, O seguro no mundo em 2010 revela aumento do volume global de prêmios e do capital Nota à imprensa ab Novo estudo sigma da Swiss Re, O seguro no mundo em 2010 revela aumento do volume global de prêmios e do capital Contatos: Daniel Staib, Zurique Telefone +41 43 285 8136 Thomas Holzheu,

Leia mais

Especialista questiona "ascensão" de bancos brasileiros em ranking

Especialista questiona ascensão de bancos brasileiros em ranking Veículo: Valor Online Data: 13/04/09 Especialista questiona "ascensão" de bancos brasileiros em ranking A crise global colocou os bancos brasileiros em destaque nos rankings internacionais de lucro, rentabilidade

Leia mais

NOTA CEMEC 05/2015 INVESTIMENTO E RECESSÃO NA ECONOMIA BRASILEIRA 2010-2015: 2015: UMA ANÁLISE SETORIAL

NOTA CEMEC 05/2015 INVESTIMENTO E RECESSÃO NA ECONOMIA BRASILEIRA 2010-2015: 2015: UMA ANÁLISE SETORIAL NOTA CEMEC 05/2015 INVESTIMENTO E RECESSÃO NA ECONOMIA BRASILEIRA 2010-2015: 2015: UMA ANÁLISE SETORIAL Agosto de 2015 O CEMEC não se responsabiliza pelo uso dessas informações para tomada de decisões

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Setembro 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Os resultados do segundo trimestre e primeiro semestre de 2014 consolidam as Empresas BRF S.A.

Os resultados do segundo trimestre e primeiro semestre de 2014 consolidam as Empresas BRF S.A. BRF RESULTADOS 2T14 Os resultados do segundo trimestre e primeiro semestre de 2014 consolidam as Empresas BRF S.A. As declarações contidas neste relatório relativas à perspectiva dos negócios da Empresa,

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Fevereiro de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Fevereiro de 2015...

Leia mais

3. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões

3. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões Figura 5 Evolução de empréstimos, depósitos e taxas de juro do setor bancário 3% 2% 1% % -1% -2% -3% -4% -5% -6% -7% -8% Emprés mos concedidos pelo setor bancário (variação anual) dez-1 dez-11 dez-12 dez-13

Leia mais

COMENTÁRIOS DO DESEMPENHO NO 3º TRIMESTRE E 9 MESES DE 2002

COMENTÁRIOS DO DESEMPENHO NO 3º TRIMESTRE E 9 MESES DE 2002 COMENTÁRIOS DO DESEMPENHO NO 3º TRIMESTRE E 9 MESES DE 2002 Desempenho Em ambiente de queda da atividade na indústria automobilística, a Iochpe-Maxion apresentou um crescimento de 8,4% nas vendas no terceiro

Leia mais

Máquinas e Equipamentos de Qualidade

Máquinas e Equipamentos de Qualidade Máquinas e Equipamentos de Qualidade 83 A indústria brasileira de máquinas e equipamentos caracteriza-se pelo constante investimento no desenvolvimento tecnológico. A capacidade competitiva e o faturamento

Leia mais

P A R T E I I A n á l i s e G e r e n c i a l 159

P A R T E I I A n á l i s e G e r e n c i a l 159 P A R T E I I A n á l i s e G e r e n c i a l 159 C A P Í T U L O 1 4 Empresas de serviços Pergunta aos consultores e aposto que, para a maioria, a primeira afirmação do cliente é: Nossa empresa é diferente.

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Agosto/2015

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Agosto/2015 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Agosto/2015 I Resultados do mês (comparativo Agosto/2015 Agosto/2014)

Leia mais

Situação Económico-Financeira Balanço e Contas

Situação Económico-Financeira Balanço e Contas II Situação Económico-Financeira Balanço e Contas Esta parte do Relatório respeita à situação económico-financeira da Instituição, através da publicação dos respectivos Balanço e Contas e do Relatório

Leia mais

UM CONCEITO FUNDAMENTAL: PATRIMÔNIO LÍQUIDO FINANCEIRO. Prof. Alvaro Guimarães de Oliveira Rio, 07/09/2014.

UM CONCEITO FUNDAMENTAL: PATRIMÔNIO LÍQUIDO FINANCEIRO. Prof. Alvaro Guimarães de Oliveira Rio, 07/09/2014. UM CONCEITO FUNDAMENTAL: PATRIMÔNIO LÍQUIDO FINANCEIRO Prof. Alvaro Guimarães de Oliveira Rio, 07/09/2014. Tanto as pessoas físicas quanto as jurídicas têm patrimônio, que nada mais é do que o conjunto

Leia mais

Ano I Boletim II Outubro/2015. Primeira quinzena. são específicos aos segmentos industriais de Sertãozinho e região.

Ano I Boletim II Outubro/2015. Primeira quinzena. são específicos aos segmentos industriais de Sertãozinho e região. O presente boletim analisa algumas variáveis chaves na atual conjuntura da economia sertanezina, apontando algumas tendências possíveis. Como destacado no boletim anterior, a indústria é o carro chefe

Leia mais

Princípios de Investimento

Princípios de Investimento Princípios de Investimento Rentabilidade Rentabilidade é o grau de rendimento proporcionado por um investimento pela valorização do capital ao longo do tempo. Liquidez Liquidez é a rapidez com que se consegue

Leia mais

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO OS NEGÓCIOS Odilio Sepulcri* INTRODUÇÃO A sobrevivência dos negócios, dentre outros fatores, se dará pela sua capacidade de gerar lucro. O lucro, para um determinado produto, independente da forma como

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE CIENCIAS ECONOMICAS E EMPRESARIAIS. Curso de Marketing, Gestão Comercial e Empreendedorismo 3º ano

INSTITUTO SUPERIOR DE CIENCIAS ECONOMICAS E EMPRESARIAIS. Curso de Marketing, Gestão Comercial e Empreendedorismo 3º ano INSTITUTO SUPERIOR DE CIENCIAS ECONOMICAS E EMPRESARIAIS Curso de Marketing, Gestão Comercial e Empreendedorismo 3º ano Disciplina Jogos de Marketing RELATÓRIO FINAL DA INFORNET Página 1 Conteúdo 1-Análise

Leia mais

O Mercado de Seguros no Brasil no Século XXI

O Mercado de Seguros no Brasil no Século XXI 18º Congresso Brasileiro dos Corretores de Seguros O Mercado de Seguros no Brasil no Século XXI Cenário econômico atual e perspectivas para nosso país Henrique Meirelles 16 de Outubro, 2013 1 Agenda Introdução

Leia mais

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 1 Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 Entrevistador- Como o senhor vê a economia mundial e qual o posicionamento do Brasil, após quase um ano da quebra do

Leia mais

IMPACTO DA LIBERALIZAÇÃO DO TRANSPORTE AÉREO NO TURISMO E NA ECONOMIA EM GERAL EM MOÇAMBIQUE

IMPACTO DA LIBERALIZAÇÃO DO TRANSPORTE AÉREO NO TURISMO E NA ECONOMIA EM GERAL EM MOÇAMBIQUE IMPACTO DA LIBERALIZAÇÃO DO TRANSPORTE AÉREO NO TURISMO E NA ECONOMIA EM GERAL EM MOÇAMBIQUE ESBOÇO MARÇO DE 2014 Esta publicação foi produzida para revisão pela Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento

Leia mais

cargas tributárias para empresas no mundou

cargas tributárias para empresas no mundou Cliente: UHY Moreira Data: 04/10/2011 Veículo: Site Sped Contábil - Porto Alegre Seção/ Pág. : Impostos e Tributos HUhttp://spedcontabilspedfiscal.com.br/impostos-tributacao-arrecadacao/carga-tributaria-brasil-temuma-das-maiores-cargas-tributarias-para-empresas-no-mundo/U

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Novembro 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

CRITÉRIOS / Indicadores

CRITÉRIOS / Indicadores CRITÉRIOS / Indicadores A lista de conceitos desta MELHORES E MAIORES Os valores usados nesta edição são expressos em reais de dezembro de 2014. A conversão para dólares foi feita, excepcionalmente, com

Leia mais

Soluções de Output LRS

Soluções de Output LRS Soluções de Output LRS Enormes economias de custo estão aguardando L O G O A B A I X O D A S U P E R F Í C I E Organizações de todos os tamanhos enfrentam um desafio singular: reduzir dramaticamente os

Leia mais

SINCOR-SP 2015 DEZEMBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 DEZEMBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS DEZEMBRO 20 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Teleconferência de Resultados 3T15. 10 de novembro de 2015. Magazine Luiza

Teleconferência de Resultados 3T15. 10 de novembro de 2015. Magazine Luiza Teleconferência de Resultados 3T15 10 de novembro de 2015 Magazine Luiza Destaques do 3T15 Vendas E-commerce Ganho de participação de mercado com aumento da margem bruta Receita bruta consolidada de R$2,4

Leia mais

Os determinantes do custo Brasil

Os determinantes do custo Brasil Os determinantes do custo Brasil PET-Economia: Reunião de Conjuntura 14 de Outubro de 2011 Entendendo o O é um termo genérico, usado para descrever o conjunto de dificuldades estruturais, burocráticas

Leia mais

Como a Copa do Mundo 2014 vai movimentar o Turismo Brasileiro

Como a Copa do Mundo 2014 vai movimentar o Turismo Brasileiro Como a Copa do Mundo 214 vai movimentar o Turismo Brasileiro 9 dias O estudo As empresas Principais conclusões a 9 dias da Copa 1 principais emissores 1 Desempenho das cidades-sede Chegadas internacionais

Leia mais

O LEITE NOS PLANOS DE ESTABILIZAÇÃO

O LEITE NOS PLANOS DE ESTABILIZAÇÃO O LEITE NOS PLANOS DE ESTABILIZAÇÃO Sebastião Teixeira Gomes 1 A partir de 1986 a economia brasileira experimentou nada mais nada menos que cinco planos de estabilização, com a moeda trocando de nome também

Leia mais

Crescimento Econômico Brasileiro: Análise e Perspectivas

Crescimento Econômico Brasileiro: Análise e Perspectivas Crescimento Econômico Brasileiro: Análise e Perspectivas Fernando A. Veloso Ibmec/RJ XII Seminário Anual de Metas para a Inflação Maio de 2010 Crescimento da Renda per Capita Entre 1960 e 1980, a renda

Leia mais

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ):

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Contabilidade Gerencial e Controladoria Prof. Oscar Scherer Dia 23/03/2012. AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Parte importante da administração financeira, devendo

Leia mais

1T09 Divulgação de Resultados

1T09 Divulgação de Resultados Divulgação de Resultados Relações com Investidores: Frederico Dan Shigenawa Diretor de RI ir@tig.bm Sobre a TIG: A TIG Holding Ltd. (nova denominação da Tarpon Investment Group Ltd.) investe em companhias

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o 101, de

Leia mais

Elton Fernandes, PhD. E-mail elton@pep.ufrj.br - Fax (021)590-4144

Elton Fernandes, PhD. E-mail elton@pep.ufrj.br - Fax (021)590-4144 COMPARAÇÃO DE INDICADORES DE DESEMPENHO ECONÔMICO FINANCEIROS DAS QUATRO MAIORES EMPRESAS BRASILEIRAS DE TRANSPORTE AÉREO REGULAR NO CENÁRIO INTERNACIONAL Heloisa Márcia Pires, MSc PEP/COPPE/UFRJ - Centro

Leia mais

98,3% 90,3% 64,2% 38% 63,3% 3º trimestre/2014. das empresas avaliaram o sistema 80,7% tributário brasileiro qualitativamente como ruim ou muito ruim.

98,3% 90,3% 64,2% 38% 63,3% 3º trimestre/2014. das empresas avaliaram o sistema 80,7% tributário brasileiro qualitativamente como ruim ou muito ruim. 3º trimestre/2014 das empresas avaliaram o sistema 80,7% tributário brasileiro qualitativamente como ruim ou muito ruim. 98,3% 90,3% 64,2% 38% 63,3% das indústrias gaúchas avaliam que o número de tributos

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são

Leia mais

TELEFÓNICA MÓVILES, S.A.

TELEFÓNICA MÓVILES, S.A. COMUNICAÇÃO DE FATO RELEVANTE TELEFÓNICA MÓVILES, S.A. Madri, 28 de outubro de 2004 Em cumprimento ao disposto no artigo 82 da Lei 24/1988, de 28 de julho, do Mercado de Valores espanhol e disposições

Leia mais

www.pwc.com AMCHAM Visão integrada das áreas de Marketing e Finanças Abril de 2013

www.pwc.com AMCHAM Visão integrada das áreas de Marketing e Finanças Abril de 2013 www.pwc.com Visão integrada das áreas de Marketing e Finanças Agenda Introdução Como abordar o problema Discussões Conclusão PwC 2 Introdução PwC 3 Introdução Visões do Marketing Marketing tem que fazer

Leia mais

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012 RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO Junho de 2012 Riscos e oportunidades para a indústria de bens de consumo A evolução dos últimos anos, do: Saldo da balança comercial da indústria

Leia mais

Curso Completo de Contabilidade Geral e Avançada Professor: Silvio Sande

Curso Completo de Contabilidade Geral e Avançada Professor: Silvio Sande ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS É a técnica que consiste na decomposição, comparação e interpretação dos demonstrativos do estado patrimonial e do resultado econômico de uma entidade. Técnicas de análise

Leia mais

4. AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E MODELOS DE MENSURAÇÃO DOS RESULTADOS DIVISIONAIS

4. AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E MODELOS DE MENSURAÇÃO DOS RESULTADOS DIVISIONAIS CONTABILIDADE GERENCIAL PROFESSOR DANIEL VIEGAS RIBAS FILHO 29 Material desenvolvido pela professora Marisa Gomes da Costa 4. AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E MODELOS DE MENSURAÇÃO DOS RESULTADOS DIVISIONAIS

Leia mais

A Evolução do Transporte Aéreo no Aeroporto do Funchal [2000 2010]

A Evolução do Transporte Aéreo no Aeroporto do Funchal [2000 2010] A Evolução do Transporte Aéreo no Aeroporto do Funchal [2 21] Ficha Técnica TÍTULO Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. A Evolução do Transporte Aéreo no Aeroporto do Funchal [2 21] EDIÇÃO INAC Instituto

Leia mais

Imagem Corporativa Marta Telles marta.telles@imagemcorporativa.com.br Tel: (11) 3526-4508. Márcia Avruch marcia.avruch@br.pwc.com Tel.

Imagem Corporativa Marta Telles marta.telles@imagemcorporativa.com.br Tel: (11) 3526-4508. Márcia Avruch marcia.avruch@br.pwc.com Tel. Press Release Date 1º de outubro de 2013 Contato Imagem Corporativa Marta Telles marta.telles@imagemcorporativa.com.br Tel: (11) 3526-4508 Márcia Avruch marcia.avruch@br.pwc.com Tel. (11) 3674-3760 Pages

Leia mais