Os organismos em referência são:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Os organismos em referência são:"

Transcrição

1 1 REPÚBLICA DE ANGOLA GOVERNO DE ANGOLA ANTE-PROJECTO DE PROGRAMA DE DESARMAMENTO DA POPULAÇÃO CIVIL I - PREÂMBULO O Governo Angolano vem implementando os Protocolos de Lusaka no que diz respeito ao desarmamento da população civil, e o Protocolo da ONU, sobre armas ligeiras de pequeno porte. O Protocolo da ONU consubstancia a Convenção das Nações Unidas contra o crime organizado transnacional, o que obriga os Estados signatários a regulamentar a produção, exportação, importação e o trânsito de armas de fogo. Exige que as armas de fogo sejam marcadas e registadas para serem conservadas durante dez anos, e encoraja (mas não impõe) a regulamentação dos violadores da convenção. É neste quadro que se estabelece o presente Programa de acção do Governo Angolano para o desarmamento da população civil. O Programa elege os parâmetros pelos quais os organismos intervenientes no processo de desarmamento, deverão direccionar a sua acção. Os organismos em referência são: Ministério do Interior -Orgão Coordenador; Ministério da Defesa; Estado-Maior General das FAA; Ministério das Relacões Exteriores; Ministério da Administração do Território; Ministério da Justiça; Ministério da Comunicação Social; Ministério da Educação; Ministério da Assisténcia e Reinsercão Social; Representante da Sociedade Civíl.

2 2 II - IDENTIFICAÇÃO DO PROBLEMA Na República de Angola, desde o início da luta de libertação nacional em 1961 e sobretudo após o reinício dos confrontos armados em 2002, as populações foram armadas e se rearmaram para a defesa das suas vidas e dos seus haveres, o que resultou obviamente na proliferação de armas de fogo. Presentemente, não é determinável o número de armas em posse da população civil, entretanto, a situação pode ser caracterizada nos seguintes termos: Existência de esconderijos de armamento criados durante o período de guerra. Constitui hoje uma das principais preocupações do Ministério do Interior, o fluxo de informações, muitas das quais devidamente confirmadas, sobre a existência (pelo Território Nacional), de diversos esconderijos de armamento, fundamentalmente nas zonas que se constituíram em principais teatros de operações militares durante todo o período de guerra. Existência de armas de guerra em posse de civis. Neste domínio, está a proceder-se ao desarmamento direccionado da população civil. Por outro lado, as populações por iniciativa própria têm recorrido às autoridades policiais para a entrega voluntária de armas. Existência de armas de guerra em posse de elementos das Empresas Privadas de Segurança e Sistemas de Auto Protecção, numa altura em que não há no Pais instituições vocacionadas ao comércio de armas de defesa, caça, recreio e pesca, houve um recurso sistemático às armas de guerra. Hoje, todas as Empresas Privadas possuem armas de guerra. Existência de armas em posse de ex. Militares (desertores e desmobilizados) As acções de desmobilização realizadas nem sempre permitiram o retorno das armas que os desmobilizados possuíam enquanto militares, por outro lado, está a situação dos desertores que levaram dos respectivos quartéis os equipamentos militares que possuíam. O Governo Angolano, no intuito de garantir a segurança e tranquilidade públicas, mesmo antes do fim da guerra, deu início em 1999, ao desarmamento da população civil, estabelecendo para o efeito um Programa específico que adoptou como estratégia, o desarmamento direccionado de potenciais delinquentes visando criar melhores condições para o desarmamento massivo.

3 3 Assim, as diversas acções de desarmamento realizadas desde 1999 à Junho de 2007, permitiram a recolha de cerca de armas de diversos calibres. As cifras de armamento recolhido acima referenciadas incluem: armas de diversos calibres entregues pela Defesa Civil; armas de diversos calibres recolhidas durante o ano de 2006; armas de diversos calibres recolhidas durante o 1º Semestre de Estes resultados, permitiram reduzir drasticamente a utilização de armas de fogo na prática de crimes e apesar de não serem ainda satisfatórios, devido ao facto de não ser possível fazer-se uma estimativa do número de armas em posse da população civil, que se calcula ser elevado, traduzem bem o esforço que o Governo Angolano tem emprendido no sentido do desarmamento das populações. Para concretização destes resultados, as instituições competentes do Governo tem contado com o contributo inestimável das organizações não governamentais, de que são exemplos a ANGOLA 2000, a The Hallo Trust, o Centro de Estudos Estratégicos de Angola e as Instituições Religiosas. Contudo, o espectro de proliferação de armas, principalmente em Luanda, continua. As razões da manutenção desta situação podem ser: 1. Ostentação de armas de guerra por parte de elementos ligados à Empresas Privadas de Segurança; 2. Uso de armas de fogo por parte de delinquentes; 3. Existência de esconderijos ou paióis de armamento; 4. Deficiente controlo de armamento nas unidades militares e policiais; 5. Indisciplina no uso de armas por parte de militares, policias e civis; 6. Desajustamento da legislação sobre uso e porte de armas de defesa, caça e recreio. III- OBJECTIVOS (MISSAÕ) Em Angola o desarmamento da populacao civil consiste na recolha, armazenamento e custódia de todas as armas ligeiras e de pequeno porte, possuidas de forma licita. Este processo envolve não só a remoção dos instrumentos de violência da sociedade, mas também a remoção, em primeiro lugar, da capacidade do indivíduo de pensar que é capaz de empreender actos violentos.

4 4 IV- ESTRATÉGIA DE ACTUAÇÃO A sustentabilidade do programa é garantida pelas seguintes medidas: a) a inclusão do Programa de desarmamento da população civil, nos programas anuais quinquenais do Governo. Tendo em conta a o impacto das suas medidas no desenvolvimento na estabilização politica, social, económico, na manutenção de segurança pública; b) a estruturação da parceria das comunidades através das autoridades tradicionais, eclesiásticas, professores, das ONGs, de empresas públicas e privadas, bem como sua capacitação para as formas da mobilização e envolvimento das populações; c) a criacão de um fundo próprio proveniente do OGE e da doacção por parte de empresas públicas e de organizacoes internacionais. d) a entrega voluntária de armas não terá compensação monetária, assim como os cidadãos que a procederem, não serão objecto de qualquer tipo de responsabilização criminal. A responsabilizacão criminal será aplicada aos cidadãos que forem objecto de recolha compulsiva. e) as armas que se mostrarem obsoletas serão destruidas e as que se mostrarem ainda utilizáveis serão recicladas ou reparadas; f) a execução do programa será feita em quatro fases, sendo: I- Fase(Organização e Publicidade); II- Fase (Entrega Voluntária); III-Fase(Entrega Coerciva); IV-Fase (Controlo). g)para a orientação, coordenação e execução do programa serão criadas as seguintes comissões: - Comissão Interministerial que será coordenada pelo Ministério do Interior; - Comissões provinciais que serão coordenadas por Vice-Governadores provinciais; As Comissões citadas serão apoiadas por subcomissões técnicas que serão as executoras das medidas operativas de desarmamento. h) a Subcomissão Central de Desarmamento será integrada pelos seguintes Orgaõs: Comando Geral da Policia, representado pelo 2º Comandante Geral para P/Ordem Pública e pelo Director Nacional de Ordem Pública ;

5 5 Representante do Estado-Maior General das FAA; Representante do Ministério da Administração do Território; Representante do Ministério da Justiça; Representante da Procuradoria-Geral da República; Representante do Ministério da Comunicação Social; Representante do Ministério da Educação. 2.- Ao nível local funcionarão igualmente Subcomissões Provinciais, Municipais e Comunais que integrarão os representante locais dos órgãos acima referidos. 3.- Para garantir a execução do presente Plano, ao nível provincial estabelecer-se-ão para cada fase de execução, planos operativos específicos. V - ACÇÕES A DESENVOLVER Incremento das acções de desarmamento direccionado aos delinquentes, visando motivar a entrega voluntária de armas; Substituição gradual das armas de guerra em posse das Empresas Privadas de Segurança e Sistemas de Auto-Protecção. Criação das necessárias condições psicológicas e materiais para o desarmamento da população civil; Revisão do sistema de controlo do armamento ao nível das Unidades policiais e militares; Actualização da legislação sobre o porte e uso de armas fogo (armas de defesa); Revisão da legislação sobre o comércio de armas de defesa, caça e recreio; Actualização dos regulamentos e procedimentos militares e policiais sobre o uso de armas de guerra; Actualização dos regulamentos e procedimentos sobre a gestão de armazenamento e circulação de armas recolhidas; Troca de informações e experiências (regional e internacional); Estabelecimento de mecanismos de coordenação e cooperação com ONG interessadas no desarmamento da população civil; Estabelecimento de parcerias para a elaboração de monografias ou inquéritos sobre a percepção das populações, incluindo a classe política, relativamente ao desarmamento da população civil;

6 6 VI EXECUÇÃO DO PLANO O desarmamento da população civil deverá processar-se em quatro fases: 1ª FASE (ORGANIZAÇÃO E PUBLICIDADE) Esta fase desenvolver-se-á mediante a execução de acções de carácter organizativo, de sensibilização e divulgação do processo de desarmamento, designadamente: 1. No domínio organizativo, realizar as seguintes acções: a) Fevereiro e Março de 2008 Instituição da Comissão Central de Desarmamento da população civil; Instituição das Comissões Provinciais e locais de Desarmamento da população civil; Definição dos procedimentos e locais de entrega de armas; Formação de formadores e de activistas para o desarmamento; Aquisição de equipamentos e material informático para o controlo do armamento a recolher; Reforço das medidas de controlo do armamento ao nível das Unidades Militares e Policiais; Criação de grupos de trabalho que se ocupem da recolha e tratamento de informações sobre a posse ilegal de armas de fogo; Criação das necessária condições logísticas para o êxito das operações de desarmamento; Criação de condições para o registo, catalogação e armazenamento das armas a recepcionar, separando-as das que já existem nas instituições policiais; Obtenção de financiamentos ou doações para suporte do processo de desarmamento. b) Fevereiro à Julho de 2008 Criação das necessárias condições para a adesão de Angola aos Protocolos de Bamako e da SADC sobre o controlo das armas de fogo, ligeiras e de pequeno calibre; Dar continuidade à implementação das acções consignadas na estratégia de actuação prioritária, particularmente no que diz respeito à campanha de sensibilização para a entrega voluntária de armas.

7 7 2. No domínio da publicidade e sensibilização, realizar de Fevereiro à Agosto de 2008, as seguintes acções: Realização de um Workshop sobre o perigo das armas visando sensibilizar a classe política, a Sociedade Civil e a população em geral sobre o perigo das armas de fogo em mãos de civis, para a segurança individual e colectiva, procurando assim obter apoios para o processo de entrega voluntária do armamento; Realizar seminários provinciais de desarmamento; Organizar debates sobre o perigo das armas, envolvendo particularmente a juventude estudantil e não só; Envolver as autoridades tradicionais (sobas) e religiosas (catequistas) no processo de sensibilização para o desarmamento da população civil. Desenvolver uma ampla campanha de divulgação sobre o perigo das armas, sob a forma de: o Apelos radiofónicos e televisivos, incluindo em línguas nacionais; o Elaboração de peças teatrais que reflictam a necessidade do desarmamento da população civil; o Distribuição de Tshirts e chapéus com publicidade sobre o perigo das armas; o Distribuição de folhetos, revistas ou outro material publicitário sobre o desarmamento às escolas, igrejas, hotéis e similares, salas de espectáculos, hospitais, transportes públicos, locais de maior concentração da população, bem como a utilização de meios aéreos nas áreas de difícil acesso por terra; 2ª FASE (ENTREGA VOLUNTÁRIA) 1 - Promover entre Abril e Julho de 2008, a entrega voluntária das Armas, nos locais indicar para o efeito. 2 - A estratégia a seguir no processo de entrega voluntária das armas será: Intensificar as acções de divulgação e sensibilização para a entrega voluntária de armas; Nos principais centros urbanos como Luanda, Cabinda, Benguela, Huíla, Huambo, Lunda-Norte Bié, dentre outros, paralelamente à entrega voluntária de armas, dever-se-á intensificar as operações dirigidas à recolha de armas em posse de indivíduos propensos a prática de crimes; Nas zonas rurais, poderá primar-se pela oferta de bens e serviços públicos que não existem na comunidade, como a instalação de fontenários, antenas parabólicas para captação do sinal da televisão, ou a entrega de alfaias agrícolas, como compensação das populações pela entrega voluntária das armas;

8 8 3 - Mensalmente, realizar balanços preliminares, para apurar e apresentar resultados, bem como definir prioridades; (BALANÇO) Realizar durante o mês de Agosto de 2008, a avaliação dos resultados alcançados, bem como redefinir estratégias e missões concretas a realizar na fase seguinte (fase de entrega coerciva). 3ª FASE (ENTREGA COERCIVA) Em função dos resultados do balanço, promover a partir de Novembro de 2008, o processo de entrega coerciva das armas, devendo para o efeito: Intensificar a busca de informações sobre eventuais resistências quanto a entrega de armas ou seus esconderijos; Realizar operações dirigidas à recolha de armas em toda a extensão do território nacional contra as pessoas que se oponham ao programa; Instaurar processos-crime sempre que forem detectados casos de uso e porte ilegal de armas de fogo; Dar inicio ao processo de substituição das armas de guerra em posse das Empresas Privadas de Segurança e Sistemas de Auto Protecção, por armas de defesa. 4ª Fase (Controlo) As experiências de outros países indicam que a resistência de muitos cidadaõs e incontornável. Por esta razão a Policia Nacional devera continuar a programar operacões de controlo de eventuais situacoes. VII METAS A ATINGIR As principais metas são: Reduzir o espectro da proliferação de armas de fogo (guerra); Prazo: Até Julho de 2008 Revisão da legislação sobre o porte e uso de armas fogo (armas de defesa); Revisão da legislação sobre o comércio de armas de defesa, caça, recreio e pesca;

9 9 Actualização dos regulamentos e procedimentos militares e policiais sobre o uso de armas de guerra; Controlo de armas recolhidas Prazo: Até Novembro de 2008 VIII DESTINO A DAR AO ARMAMENTO RECOLHIDO O armamento a recolher deverá ter o seguinte destino final: Destruição das que se mostrarem obsoletas; Neste domínio a estratégia a seguir será a da destruição através do emprego de tesouras metálicas, valendo aqui a intervenção de Organizações Não Governamentais que detêm grande experiência nesta matéria; Aproveitamento das que se mostrarem ainda utilizáveis, para o completamento de eventuais necessidades dos órgãos de Defesa, Segurança e Ordem Interna; IX INSTRUÇÕES DE COORDENAÇÃO Criar grupos de trabalho que se ocupem da recolha de informação sobre a posse ilegal de armas; Estabelecer mecanismos de coordenação e cooperação com as ONG s interessadas no desarmamento da população civil; Criar as necessárias condições logísticas para o êxito das operações de desarmamento; Estabelecer coordenação com as autoridades locais na busca de informação sobre a posse ilegal de armas de fogo; Criar condições para o registo, catalogação e armazenamento das armas a recepcionar, separando-as daquelas que já existem nas FAA e na Policia Nacional;

10 10 Para cada fase de execução do presente Programa, estabelecer-se-á um Plano específico de acção. X COMANDO DA OPERAÇÃO DE DESARMAMENTO 1.- Será instituída uma Comissão Central de Desarmamento que integra as seguintes entidades: 2º Comandante Geral para P/Ordem Pública Coordenador; Director Nacional de Ordem Pública Coordenador Adjunto; Representante do Estado-Maior General das FAA; Representante do Ministério da Administração do Território; Representante do Ministério da Justiça; Representante da Procuradoria-Geral da República; Representante do Ministério da Comunicação Social; Representante do Ministério da Educação. 2.- Ao nível local funcionarão igualmente Comissões Provinciais, Municipais e Comunais que integrarão os representante locais dos órgãos acima referidos. 3.- Para garantir a execução do presente Plano, ao nível provincial estabelecer-se-ão para cada fase de execução, Planos Operativos específicos. Xl CUSTOS DO PROCESSO DE DESARMAMENTO O processo de desarmamento, é composto por diversas acções que têm custo, assim, resumidamente apresentamos um quadro de necessidades financeiras para suporte: XlI (DURAÇÃO) Todos os projectos previstos deverão ser executados em 3 anos ou seja de XlII (PRINCIPAIS PROJECTOS) 1. Formação atraves de workshop, seminários, realização de cursos e campanhas de sensibilização; 2. Revisão de leis e regulamentos; 3. Estudos técnicos;

11 11 4. Informatizacão do processo de gestão do armazenamento e circulacão de armas. Luanda, aos 10 de Janeiro de

Segurança e Defesa em Portugal e na Europa

Segurança e Defesa em Portugal e na Europa Palestra para a divulgação no Dia de Defesa Nacional sobre Segurança e Defesa em Portugal e na Europa Carlos R. Rodolfo, Calm (Ref.) Presidente da AFCEA Portugal Proferida no MDN em 02 Set 2011 1 AGENDA

Leia mais

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 Adão Augusto, Consultor 12-02-2015 1. Contextualização. Os projectos sociais fazem parte de um sistema complexo de relações que envolvem

Leia mais

Resolução 1325(2000) Aprovada pelo Conselho de Segurança na sua 4213 a reunião, em 31 de Outubro de 2000. O Conselho de Segurança,

Resolução 1325(2000) Aprovada pelo Conselho de Segurança na sua 4213 a reunião, em 31 de Outubro de 2000. O Conselho de Segurança, Resolução 1325(2000) Aprovada pelo Conselho de Segurança na sua 4213 a reunião, em 31 de Outubro de 2000 O Conselho de Segurança, Tendo presentes as suas resoluções 1261(1999) de 25 de Agosto de 1999,

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA REALIZAÇÃO DE UMA FORMAÇÃO SOBRE DIREITOS HUMANOS E GÉNERO NO KUITO, PROVINCIA DO BIÉ, ANGOLA

TERMOS DE REFERÊNCIA REALIZAÇÃO DE UMA FORMAÇÃO SOBRE DIREITOS HUMANOS E GÉNERO NO KUITO, PROVINCIA DO BIÉ, ANGOLA TERMOS DE REFERÊNCIA REALIZAÇÃO DE UMA FORMAÇÃO SOBRE DIREITOS HUMANOS E GÉNERO NO KUITO, PROVINCIA DO BIÉ, ANGOLA Convénio 10-CO1-005: Fortalecimento dos serviços públicos de saúde nas zonas de intervenção

Leia mais

Os principais constrangimentos, recomendações e sinergias emanados do Annual Review mee9ng

Os principais constrangimentos, recomendações e sinergias emanados do Annual Review mee9ng Os principais constrangimentos, recomendações e sinergias emanados do Annual Review mee9ng CONSTRANGIMENTOS (i) Coordenação A não sistematização dos encontros de concertação entre as instituições do governo

Leia mais

Entrevista à Coordenadora Nacional do PAR Programa de Apoio à Reconstrução Por Pedro Cardoso (Jornalista), 2004

Entrevista à Coordenadora Nacional do PAR Programa de Apoio à Reconstrução Por Pedro Cardoso (Jornalista), 2004 Entrevista à Coordenadora Nacional do PAR Programa de Apoio à Reconstrução Por Pedro Cardoso (Jornalista), 2004 Podíamos estar muito mais longe do que estamos, revela a Coordenadora Nacional do PAR em

Leia mais

AS ENERGIAS RENOVÁVEIS EM ANGOLA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES

AS ENERGIAS RENOVÁVEIS EM ANGOLA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES AS ENERGIAS RENOVÁVEIS EM ANGOLA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES Engª Sandra Cristóvão Directora Nacional de Energias Renováveis Ministério da Energia e Águas Luanda, 24 a 27 de Setembro de 2013 CONFERÊNCIA

Leia mais

PESGRU - Plano Estratégico para a Gestão de Resíduos Urbanos em Angola

PESGRU - Plano Estratégico para a Gestão de Resíduos Urbanos em Angola PESGRU - Plano Estratégico para a Gestão de Resíduos Urbanos em Angola 1º CONGRESSO DOS ENGENHEIROS DE LÍNGUA PORTUGUESA 18 de Setembro de 2012 Agenda da apresentação do PESGRU I. Enquadramento do PESGRU

Leia mais

Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS)

Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS) Anteprojecto de decreto-lei Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS) As acções de protecção civil integram, obrigatoriamente, agentes e serviços que advêm de organismos do Estado,

Leia mais

O Conselho Executivo do Fórum Parlamentar sobre Armas Ligeiras e de Pequeno Porte, realizado no dia 13 de Julho de 2008 em Nova Iorque, E.U.A.

O Conselho Executivo do Fórum Parlamentar sobre Armas Ligeiras e de Pequeno Porte, realizado no dia 13 de Julho de 2008 em Nova Iorque, E.U.A. FÓRUM PARLAMENTAR SOBRE ARMAS LIGEIRAS E DE PEQUENO PORTE Declaração da política sobre a gestão de estoque de munições convencionais O Conselho Executivo do Fórum Parlamentar sobre Armas Ligeiras e de

Leia mais

Estudo As TIC para um mundo mais seguro. Mário do Carmo Durão

Estudo As TIC para um mundo mais seguro. Mário do Carmo Durão Seminário: As TIC para um Mundo Mais Seguro Segurança na Era Digital 25 de Novembro de 2010 Instituto de Estudos Superiores Militares Estudo As TIC para um mundo mais seguro Mário do Carmo Durão Patrocinadores

Leia mais

Elaboração de Planos Estratégicos gerais de Formação de quadros de funcionarios municipais

Elaboração de Planos Estratégicos gerais de Formação de quadros de funcionarios municipais TERMOS DE REFERÊNCIA Elaboração de Planos Estratégicos gerais de Formação de quadros de funcionarios municipais 1. ANTECEDENTES A Fundação IEPALA tem assinado com a Agencia Espanhola de Cooperação Internacional

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

Estratégia de Dinamização e de Divulgação

Estratégia de Dinamização e de Divulgação Estratégia de Dinamização e de Divulgação Plano de Ação de 2015 FEVEREIRO 2015 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. VISÃO DA BOLSA DE TERRAS... 4 3. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS - LINHAS GERAIS DA ESTRATÉGIA... 5

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL CADERNOS DE MUSEOLOGIA Nº 28 2007 135 GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL INTRODUÇÃO Os Sistemas da Qualidade

Leia mais

Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs

Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs Isabel Dinis, ACTUAR Lisboa, 3 de Junho de 2010 ACTUAR - ASSOCIAÇÃO

Leia mais

CONSELHO DE MINISTROS

CONSELHO DE MINISTROS CONSELHO DE MINISTROS Decreto n.º 35/02 de 28 de Junho Considerando a importância que a política comercial desempenha na estabilização económica e financeira, bem como no quadro da inserção estrutural

Leia mais

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012 Plano de Acção - Rede Social Plano de Acção Rede Social Conselho Local da Acção Social de Figueira de Castelo Plano de Acção Rede Social Acções a desenvolver Objectivos Resultados esperados Calendarização

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social PROGRAMA DE REFORMA ADMINISTRATIVA PREA

REPÚBLICA DE ANGOLA Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social PROGRAMA DE REFORMA ADMINISTRATIVA PREA REPÚBLICA DE ANGOLA Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social PROGRAMA DE REFORMA ADMINISTRATIVA PREA INTRODUÇÃO No quadro das tarefas de implementação do Programa de Reforma Administrativa

Leia mais

PARECER DA UMAR relativo ao O III PLANO NACIONAL DE PREVENÇÃO E COMBATE AO TRÁFICO DE SERES HUMANOS 2014-2017

PARECER DA UMAR relativo ao O III PLANO NACIONAL DE PREVENÇÃO E COMBATE AO TRÁFICO DE SERES HUMANOS 2014-2017 PARECER DA UMAR relativo ao O III PLANO NACIONAL DE PREVENÇÃO E COMBATE AO TRÁFICO DE SERES HUMANOS 2014-2017 Antes de concretizar a análise do referido Plano cumpre-nos dizer que é necessário que todos

Leia mais

2º Fórum Lusófono de Mulheres em Postos de Tomada de Decisão Luanda, 17-18 de Julho 2002

2º Fórum Lusófono de Mulheres em Postos de Tomada de Decisão Luanda, 17-18 de Julho 2002 2º Fórum Lusófono de Mulheres em Postos de Tomada de Decisão Luanda, 17-18 de Julho 2002 Tema: A Situação Actual da Educação das Jovens e Mulheres Leontina Virgínia Sarmento dos Muchangos Direcção Nacional

Leia mais

Decreto n.º 20/92 de 4 de Abril Protocolo de Cooperação entre a República Portuguesa e a República Popular de Angola na Área das Finanças Públicas

Decreto n.º 20/92 de 4 de Abril Protocolo de Cooperação entre a República Portuguesa e a República Popular de Angola na Área das Finanças Públicas Decreto n.º 20/92 de 4 de Abril Protocolo de Cooperação entre a República Portuguesa e a República Popular de Angola na Área das Finanças Públicas Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição,

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA

TERMOS DE REFERÊNCIA TERMOS DE REFERÊNCIA REALIZAÇÃO DE UM ESTUDO DE MERCADO PARA IDENTIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE POSSÍVEIS ACTIVIDADES GERADORAS DE RENDIMENTO NOS MUNICIPIOS DE KUITO E ANDULO, PROVINCIA DE BIÉ, ANGOLA

Leia mais

RESOLUÇÃO SOBRE O CONTEÚDO DE TRABALHO NAS ORGANIZAÇÕES DE BASE DO PARTIDO

RESOLUÇÃO SOBRE O CONTEÚDO DE TRABALHO NAS ORGANIZAÇÕES DE BASE DO PARTIDO RESOLUÇÃO SOBRE O CONTEÚDO DE TRABALHO NAS ORGANIZAÇÕES DE BASE DO PARTIDO 1 FICHA TÉCNICA Regulamento Geral de Organização e Funcionamento das Estruturas do MPLA Edição: COMITÉ CENTRAL DO MPLA Ano de

Leia mais

Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA)

Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA) Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA) Definições O Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades irá conter um programa das intenções necessárias para assegurar a acessibilidade física

Leia mais

Índice. 1. Nota Introdutória... 1. 2. Actividades a desenvolver...2. 3. Notas Finais...5

Índice. 1. Nota Introdutória... 1. 2. Actividades a desenvolver...2. 3. Notas Finais...5 Índice Pág. 1. Nota Introdutória... 1 2. Actividades a desenvolver...2 3. Notas Finais...5 1 1. Nota Introdutória O presente documento consiste no Plano de Acção para o ano de 2011 da Rede Social do concelho

Leia mais

AUTORIZA O GOVERNO A ALTERAR A ESTRUTURA ORGÂNICA E AS ATRIBUIÇÕES DO SERVIÇO DE ESTRANGEIROS E FRONTEIRAS, REVOGANDO O DECRETO-LEI N

AUTORIZA O GOVERNO A ALTERAR A ESTRUTURA ORGÂNICA E AS ATRIBUIÇÕES DO SERVIÇO DE ESTRANGEIROS E FRONTEIRAS, REVOGANDO O DECRETO-LEI N DECRETO N.º 36/VIII AUTORIZA O GOVERNO A ALTERAR A ESTRUTURA ORGÂNICA E AS ATRIBUIÇÕES DO SERVIÇO DE ESTRANGEIROS E FRONTEIRAS, REVOGANDO O DECRETO-LEI N.º 440/86, DE 31 DE DEZEMBRO, ESPECIALMENTE PARA

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Estratégia da Comissão Nacional de Tecnologias de Informação Decreto nº. 6/02 de 4 de Abril Considerando que as tecnologias de informação constituem um elemento fundamental

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Lei nº 10/96 De 18 de Outubro A actividade petrolífera vem assumindo nos últimos tempos importância fundamental no contexto da economia nacional, constituindo por isso,

Leia mais

AFRICAN UNION UNION AFRICAINE

AFRICAN UNION UNION AFRICAINE AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA P.O. Box: 3243, Addis Ababa, Ethiopia, Tel.: (251-11) 551 38 22 Fax: (251-11) 551 93 21 Email: situationroom@africa-union.org PLANO DE ACÇÃO PARA A IMPLEMENTAÇÃO

Leia mais

Página 765 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES

Página 765 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DOS ASSUNTOS SOCIAIS Despacho Normativo n.º 22/2008: Estabelece as regras da cooperação, no âmbito da toxicodependência, luta contra o HIV-Sida, comportamentos de risco e igualdade

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO AMBIENTE REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DO AMBIENTE O Ministério do Ambiente tem o prazer de convidar V. Exa. para o Seminário sobre Novos Hábitos Sustentáveis, inserido na Semana Nacional do Ambiente que terá

Leia mais

SISTEMA DE PROTECÇÃO SOCIAL EM ANGOLA

SISTEMA DE PROTECÇÃO SOCIAL EM ANGOLA SISTEMA DE PROTECÇÃO SOCIAL EM ANGOLA I- CONTEXTO 1- A assistência social é uma abordagem que visa proteger os grupos mais vulneráveis tendo em conta critérios rigorosos para uma pessoa se habilitar a

Leia mais

CONDIÇÕES FAVORÁVEIS À PROMOÇÃO DO INVESTIMENTO PRIVADO NA AGRICULTURA. Lisboa, 20-21 de Janeiro de 20111

CONDIÇÕES FAVORÁVEIS À PROMOÇÃO DO INVESTIMENTO PRIVADO NA AGRICULTURA. Lisboa, 20-21 de Janeiro de 20111 CONDIÇÕES FAVORÁVEIS À PROMOÇÃO DO INVESTIMENTO PRIVADO NA AGRICULTURA Lisboa, 20-21 de Janeiro de 20111 Por: António Prata, Director do Departamento de Informação e Relações Internacionais Objectivos

Leia mais

Sessã o de Aberturã do VII Congresso dos Portos de Lí nguã Portuguesã

Sessã o de Aberturã do VII Congresso dos Portos de Lí nguã Portuguesã Sessã o de Aberturã do VII Congresso dos Portos de Lí nguã Portuguesã Excelência, Senhor Vice Governador da Província de Benguela, Dr. João Felizardo em representação do Engº Isaac Francisco Maria dos

Leia mais

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social PLANO DE ACÇÃO 2007 Introdução O CLASA - Conselho Local de Acção Social de Almada, de acordo com a filosofia do Programa da Rede Social, tem vindo a suportar a sua intervenção em dois eixos estruturantes

Leia mais

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às Câmara Municipal da Departamento de Educação e Desenvolvimento Sociocultural Divisão de Intervenção Social Plano Municipal contra a Violência Rede Integrada de Intervenção para a Violência na Outubro de

Leia mais

(Regimento para o Conselho Nacional de Protecção Civil) Decreto-Regulamentar n.º 3/2002 De 12 de Junho

(Regimento para o Conselho Nacional de Protecção Civil) Decreto-Regulamentar n.º 3/2002 De 12 de Junho I SÉRIE N.º 20 B. O. DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 12 DE JULHO DE 2001 (Regimento para o Conselho Nacional de Protecção Civil) Decreto-Regulamentar n.º 3/2002 De 12 de Junho A Lei de Bases de Protecção Civil,

Leia mais

DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE REPÚBLICA DE CABO VERDE ASSEMBLEIA NACIONAL REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE ASSEMBLEIA NACIONAL PROGRAMA DE COOPERAÇÃO ENTRE AS ADMINISTRAÇÕES PARLAMENTARES DA ASSEMBLEIA NACIONAL DA REPÚBLICA

Leia mais

PROGRAMA DE COOPERAÇÃO ENTRE AS ADMINISTRAÇÕES PARLAMENTARES DA ASSEMBLEIA NACIONAL POPULAR DA REPÚBLICA DA GUINÉ BISSAU E A ASSEMBLEIA NACIONAL DA

PROGRAMA DE COOPERAÇÃO ENTRE AS ADMINISTRAÇÕES PARLAMENTARES DA ASSEMBLEIA NACIONAL POPULAR DA REPÚBLICA DA GUINÉ BISSAU E A ASSEMBLEIA NACIONAL DA REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU ASSEMBLEIA NACIONAL POPULAR REPÚBLICA DE CABO VERDE ASSEMBLEIA NACIONAL PROGRAMA DE COOPERAÇÃO ENTRE AS ADMINISTRAÇÕES PARLAMENTARES DA ASSEMBLEIA NACIONAL POPULAR DA REPÚBLICA

Leia mais

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação 1 Incentivos financeiros à internacionalização Em 2010 os incentivos financeiros à internacionalização, não considerando

Leia mais

Projeto Twendela kumwe 1

Projeto Twendela kumwe 1 Avaliação Intercalar Ano 1 Janeiro 2011 - Janeiro 2012 Projeto Twendela kumwe 1 - Capacitação Institucional da Cáritas de Angola - SUMÁRIO EXECUTIVO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INTERCALAR - ANO 1 [01 DE JANEIRO

Leia mais

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil O Voluntariado e a Protecção Civil 1. O que é a Protecção Civil A 03 de Julho de 2006, a Assembleia da Republica publica a Lei de Bases da Protecção Civil, que no seu artigo 1º dá uma definição de Protecção

Leia mais

Programa de Estágios Comunitários. Ontem, Hoje e Amanhã. Estagiocomunitario@yahoo.com.br

Programa de Estágios Comunitários. Ontem, Hoje e Amanhã. Estagiocomunitario@yahoo.com.br Programa de Estágios Comunitários Estágios Comunitários Ontem, Hoje e Amanhã Estagiocomunitario@yahoo.com.br Introdução O Programa de estágios comunitários é um projecto que nasceu a partir da experiência

Leia mais

Artigo I. Artigo II. Artigo III. A cooperação a que se refere o presente Convénio compreenderá:

Artigo I. Artigo II. Artigo III. A cooperação a que se refere o presente Convénio compreenderá: Decreto n.º 66/97 de 30 de Dezembro Convénio sobre Prevenção do Uso Indevido e Repressão do Tráfico Ilícito de Estupefacientes e de Substâncias Psicotrópicas entre o Governo da República Portuguesa e o

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio Decreto Executivo nº /07 De 03 de Setembro Convindo regulamentar o funcionamento do Gabinete de Estudos, Planeamento e Estatística do Ministério do Comércio; Nestes termos, ao abrigo

Leia mais

Como elaborar um plano de divulgação para a expansão das abordagens de MIFS

Como elaborar um plano de divulgação para a expansão das abordagens de MIFS Como elaborar um plano de divulgação para a expansão das abordagens de MIFS Um bom plano de divulgação deverá assegurar que todos os envolvidos estão a par do que está a ser proposto e do que irá acontecer

Leia mais

Contribuição da Inspecção Geral da Saúde no combate a contrafacção de Medicamentos

Contribuição da Inspecção Geral da Saúde no combate a contrafacção de Medicamentos REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA SAÚDE INSPECÇÃO GERAL DA SAÚDE SEMANA DA FARMÁCIA ANGOLANA 2014 Contribuição da Inspecção Geral da Saúde no combate a contrafacção de Medicamentos POR: JÚLIA SIMÃO INSPECTORA

Leia mais

MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE QUADROS

MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE QUADROS MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE QUADROS O PNFQ E O MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR Ministério do Ensino Superior é responsável pela formação de quadros superiores altamente especializados

Leia mais

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA PARTE I - MISSÃO, VALORES, VISÃO E LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA DO COMISSARIADO DA AUDITORIA O Comissariado da Auditoria (CA) funciona como órgão independente na

Leia mais

CAPÍTULO III. Estado -Maior Conjunto Artigo 8.º

CAPÍTULO III. Estado -Maior Conjunto Artigo 8.º CAPÍTULO III Estado -Maior Conjunto Artigo 8.º Missão e atribuições 1. O Estado -Maior Conjunto (EMC) tem por missão assegurar o planeamento e o apoio necessários à decisão do CEMGFA. 2. O EMC prossegue,

Leia mais

A auditoria à Conta Geral da. Regiã o Administrativa Especial de Macau. no â mbito da prestaçã o de contas

A auditoria à Conta Geral da. Regiã o Administrativa Especial de Macau. no â mbito da prestaçã o de contas A auditoria à Conta Geral da Regiã o Administrativa Especial de Macau no â mbito da prestaçã o de contas São Tomé e Príncipe, 11-14 de Outubro de 2010 VI Assembleia Geral da OISC/CPLP Índice 1. Introdução

Leia mais

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros Decreto Lei n.º 15/99 De 8 de Outubro Considerando que a política científica tecnológica do Governo propende para uma intervenção

Leia mais

INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO

INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO Janeiro 2004 INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO 1 - OBJECTIVOS O Conhecimento é fonte de Desenvolvimento. A criação e transmissão do Conhecimento

Leia mais

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau)

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Plano de Acção para a Cooperação Económica e Comercial (2007-2009) 2ª Conferência Ministerial, 2006

Leia mais

Estatutos da. Comunidade dos Países de Língua Portuguesa

Estatutos da. Comunidade dos Países de Língua Portuguesa Estatutos da (com revisões de São Tomé/2001, Brasília/2002, Luanda/2005 e Bissau/2006) Artigo 1º (Denominação) A, doravante designada por CPLP, é o foro multilateral privilegiado para o aprofundamento

Leia mais

1. Introdução. 2. Situação Actual da Área de Documentação e Arquivo

1. Introdução. 2. Situação Actual da Área de Documentação e Arquivo 1. Introdução A gestão documental e a protecção especial de documentos e arquivos são da responsabilidade do Governo, enquanto instrumento chave de apoio à administração, à cultura, ao desenvolvimento

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio Decreto executivo n.º 11/01 de 9 de Março A actualização e capacitação técnico profissional dos trabalhadores do Ministério do Comércio e de particulares buscam o aperfeiçoamento

Leia mais

Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro da Economia,

Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro da Economia, ANGOLA NO CONTEXTO DA INTEGRAÇAO ECONÓMICA REGIONAL 29 de Setembro, 2015 Intervenção do Doutor Paolo Balladelli, Representante Residente do PNUD em Angola Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro

Leia mais

ESTÁ ao serviço das pessoas, das famílias e das comunidades, contribuindo para a melhoria da qualidade de vida e do bem estar das populações.

ESTÁ ao serviço das pessoas, das famílias e das comunidades, contribuindo para a melhoria da qualidade de vida e do bem estar das populações. O Voluntariado O Voluntariado traduz-se no conjunto de acções de interesse social e comunitário, realizadas de forma desinteressada por pessoas, no âmbito de projectos, programas e outras formas de intervenção

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Adoptada pelos Ministros da Saúde e Ministros do Ambiente na Segunda Conferência Interministerial sobre Saúde e

Leia mais

Comissão Social Inter Freguesias da Zona Central

Comissão Social Inter Freguesias da Zona Central Comissão Social Inter Freguesias da Zona Central Regulamento Interno Preâmbulo O Regulamento Interno estabelece a constituição, organização e funcionamento da Comissão Social Inter Freguesia da Zona Central,

Leia mais

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural MEDIDA 3.1 Diversificação da Economia e Criação de Emprego 1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural 2. Enquadramento Regulamentar Artigo

Leia mais

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030.

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. O acordo sobre uma meta do Objectivo de Desenvolvimento Sustentável relativamente ao acesso universal

Leia mais

CAPÍTULO 3 IMPLEMENTANDO O PROTOCOLO DA SADC SOBRE ARMAS DE FOGO

CAPÍTULO 3 IMPLEMENTANDO O PROTOCOLO DA SADC SOBRE ARMAS DE FOGO CAPÍTULO 3 IMPLEMENTANDO O PROTOCOLO DA SADC SOBRE ARMAS DE FOGO A Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral (SADC) 1 adoptou um protocolo para controlar o fluxo de armas de pequeno porte e armas

Leia mais

Instituições Nacionais de Direitos Humanos à luz dos princípios de Paris

Instituições Nacionais de Direitos Humanos à luz dos princípios de Paris REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA JUSTIÇA E DOS DIREITOS HUMANOS DIRECÇÃO NACIONAL DE DIREITOS HUMANOS Instituições Nacionais de Direitos Humanos à luz dos princípios de Paris As Instituições Nacionais

Leia mais

ESTATUTO ORGÂNICO DA AGÊNCIA PARA A PROMOÇÃO DE INVESTIMENTO E EXPORTAÇÕES DE ANGOLA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

ESTATUTO ORGÂNICO DA AGÊNCIA PARA A PROMOÇÃO DE INVESTIMENTO E EXPORTAÇÕES DE ANGOLA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ESTATUTO ORGÂNICO DA AGÊNCIA PARA A PROMOÇÃO DE INVESTIMENTO E EXPORTAÇÕES DE ANGOLA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º (Denominação e Natureza) A Agência para a Promoção de Investimento e Exportações

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE)

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) 1. INTRODUÇÃO As actividades da União Europeia no domínio da

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU NOS DOMÍNIOS DO EQUIPAMENTO, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES.

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU NOS DOMÍNIOS DO EQUIPAMENTO, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Decreto n.º 28/98 de 12 de Agosto Protocolo de Cooperação entre a República Portuguesa e a República da Guiné-Bissau nos Domínios do Equipamento, Transportes e Comunicações, assinado em Bissau em 11 de

Leia mais

Anexo 1. I. Declaração de 2012. A/CONF.192/2012/RC/CRP.3/Rev.3

Anexo 1. I. Declaração de 2012. A/CONF.192/2012/RC/CRP.3/Rev.3 Anexo 1 Documento do resultado final Programa de Ação para Prevenir, Combater e Erradicar o Comércio ilícito de Armas de Pequeno Calibre e Armas Ligeiras em Todos os seus Aspectos I. Declaração de 2012

Leia mais

Estatutos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa

Estatutos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa Estatutos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (com revisões de São Tomé/2001, Brasília/2002, Luanda/2005, Bissau/2006 e Lisboa/2007) Artigo 1º (Denominação) A Comunidade dos Países de Língua

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Segurança e Higiene no Trabalho Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/7 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE MINISTÉRIO DA JUSTIÇA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DECRETO-LEI Nº.12/2008 30 de Abril ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA O Decreto-Lei nº 7/2007, de 5 de Setembro, relativo à estrutura

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO PÚBLICA E A REGIÃO NORTE

A PARTICIPAÇÃO PÚBLICA E A REGIÃO NORTE A PARTICIPAÇÃO PÚBLICA E A REGIÃO NORTE Autores: 1 Gabriela Azevedo e Rita Ramos Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS No âmbito dos procedimentos da Avaliação

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Alteração ao Regime Jurídico da Avaliação do Ensino Superior Num momento em que termina o ciclo preliminar de avaliação aos ciclos de estudo em funcionamento por parte da Agência de Avaliação e Acreditação

Leia mais

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1 PRINCÍPIOS DO RIO António Gonçalves Henriques Princípio 1 Os seres humanos são o centro das preocupações para o desenvolvimento sustentável. Eles têm direito a uma vida saudável e produtiva em harmonia

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES DA 2ª COMISSÃO COMISSÃO DE DEFESA, SEGURANÇA NACIONAL E ORDEM INTERNA

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES DA 2ª COMISSÃO COMISSÃO DE DEFESA, SEGURANÇA NACIONAL E ORDEM INTERNA RELATÓRIO DE ACTIVIDADES DA 2ª COMISSÃO COMISSÃO DE DEFESA, SEGURANÇA NACIONAL E ORDEM INTERNA Após as eleições gerais de 2008 e indicado os Deputados pelo Partido com assento no Parlamento, constituiu-se

Leia mais

Integrado do Vale do Minho. Av. Miguel Dantas, n.º 69. 4930-678 Valença. Tel.: +351 251 825 811/2. Fax: +351 251 825 620. adriminho@mail.telepac.

Integrado do Vale do Minho. Av. Miguel Dantas, n.º 69. 4930-678 Valença. Tel.: +351 251 825 811/2. Fax: +351 251 825 620. adriminho@mail.telepac. Eixo 3 do PRODER Dinamização das zonas Rurais Englobam no eixo 3 do PRODER Abordagem Leader as seguintes Medidas e Acções Medida 3.1 Diversificação da Economia e Criação de Emprego 3.1.1 Diversificação

Leia mais

Sistema Nacional de Arquivos do Estado SNAE CAPÍTULO I. Disposições Gerais. Artigo 1 Definições

Sistema Nacional de Arquivos do Estado SNAE CAPÍTULO I. Disposições Gerais. Artigo 1 Definições Anexo I Sistema Nacional de Arquivos do Estado SNAE CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1 Definições Para efeitos do presente Decreto, estabelecem-se as seguintes definições: a) Arquivo: o conjunto de

Leia mais

O VALOR DAS VERDADEIRAS PARCERIAS PARA O REFORÇO DAS CAPACIDADAES LOCAIS: A EXPERIÊNCIA DO FOJASSIDA. Pretoria Africa du Sul

O VALOR DAS VERDADEIRAS PARCERIAS PARA O REFORÇO DAS CAPACIDADAES LOCAIS: A EXPERIÊNCIA DO FOJASSIDA. Pretoria Africa du Sul O VALOR DAS VERDADEIRAS PARCERIAS PARA O REFORÇO DAS CAPACIDADAES LOCAIS: A EXPERIÊNCIA DO FOJASSIDA Pretoria Africa du Sul Conteúdo 1. Apresentação da FOJASSIDA 2. Introdução 3. Diferentes formas de parcerias

Leia mais

Projecto de Apoio Institucional aos Sectores de Águas e Saneamento no âmbito do 10º Fundo Europeu de Desenvolvimento (10.ACP.ANG.

Projecto de Apoio Institucional aos Sectores de Águas e Saneamento no âmbito do 10º Fundo Europeu de Desenvolvimento (10.ACP.ANG. Projecto de Apoio Institucional aos Sectores de Águas e Saneamento no âmbito do 10º Fundo Europeu de Desenvolvimento (10.ACP.ANG.01) PAISAS VISÃO GERAL - 1 COMPONENTES - Informação Chave do Projecto ConMngências

Leia mais

República de Angola Ministério da Educação

República de Angola Ministério da Educação República de Angola Ministério da Educação (READ) Ponto de Situação do Desenvolvimento do Sistema Nacional de Avaliação das Aprendizagens Moscovo, Rússia 30 de Setembro 2 de Outubro, 2009 I Conferência

Leia mais

Educação Financeira em Angola, um projecto do Banco Nacional de Angola. WORKSHOP SOBRE INCLUSÃO E FORMAÇÃO FINANCEIRA Lisboa, 11 de Julho de 2013

Educação Financeira em Angola, um projecto do Banco Nacional de Angola. WORKSHOP SOBRE INCLUSÃO E FORMAÇÃO FINANCEIRA Lisboa, 11 de Julho de 2013 001 WORKSHOP SOBRE INCLUSÃO E FORMAÇÃO FINANCEIRA Lisboa, 11 de Julho de 2013 002 ÍNDICE 1. Programa de Educação Financeira Objectivos Metas 2. Estratégias de actuação 3. Resultados obtidos 4. Perspectivas

Leia mais

Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1)

Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1) Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1) Permitam que em nome do Governo de Angola e de Sua Excelência Presidente

Leia mais

L 68/44 Jornal Oficial da União Europeia 15.3.2005. (Actos adoptados em aplicação do título VI do Tratado da União Europeia)

L 68/44 Jornal Oficial da União Europeia 15.3.2005. (Actos adoptados em aplicação do título VI do Tratado da União Europeia) L 68/44 Jornal Oficial da União Europeia 15.3.2005 (Actos adoptados em aplicação do título VI do Tratado da União Europeia) DECISÃO 2005/211/JAI DO CONSELHO de 24 de Fevereiro de 2005 relativa à introdução

Leia mais

Portaria n.º 913-I/2003 de 30 de Agosto

Portaria n.º 913-I/2003 de 30 de Agosto Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República. Portaria n.º 913-I/2003 de 30 de Agosto (com as alterações introduzidas pela Portaria nº 1018/2004 (2ª Série), de 17 de Setembro e pela

Leia mais

Ministério da Juventude e Desportos

Ministério da Juventude e Desportos Ministério da Juventude e Desportos Decreto Lei nº 7/97 Aprova o estatuto orgânico do Ministério da Juventude e Desportos e revoga toda a legislação que contrarie o presente decreto lei. Tornando se necessário

Leia mais

2.1. Objectivo Geral: Ministrar uma formação especializada sobre matérias de segurança, numa óptica multidisciplinar, mas integrada.

2.1. Objectivo Geral: Ministrar uma formação especializada sobre matérias de segurança, numa óptica multidisciplinar, mas integrada. PROGRAMA DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO E SEGURANÇA 1. Apresentação A Fundação Direito e Justiça e o Instituto Superior de Ciências Jurídicas e Sociais, em parceria, com a Faculdade de Direito da

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O POSTO DE CONSELHEIRO EM GESTÃO DE FINANÇAS PUBLICAS

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O POSTO DE CONSELHEIRO EM GESTÃO DE FINANÇAS PUBLICAS I. Introdução TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O POSTO DE CONSELHEIRO EM GESTÃO DE FINANÇAS PUBLICAS O melhoramento da prestação de serviços públicos constitui uma das principais prioridades do Governo da Província

Leia mais

SEDE - Carnaxide. Número de postos de trabalho - Presidente (1) - 1. Cargo/carreira/categoria. Técnico Superior. Técnico Superior Direito 3

SEDE - Carnaxide. Número de postos de trabalho - Presidente (1) - 1. Cargo/carreira/categoria. Técnico Superior. Técnico Superior Direito 3 2009 MAPA DE PESSOAL DA ANPC (Artigo 5º da Lei nº 2-A/2008, 27 Fevereiro) SEDE - Carnaxi Competências/Actividas Área formação académica e/ou - Presinte () - - Director Nacional () - 3 - Comandante Operacional

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. ANÁLISE ESTRATÉGICA

1. INTRODUÇÃO 2. ANÁLISE ESTRATÉGICA CADERNO FICHA 11. RECUPERAÇÃO 11.4. OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS O presente documento constitui uma Ficha que é parte integrante de um Caderno temático, de âmbito mais alargado, não podendo, por isso, ser interpretado

Leia mais

e construção do conhecimento em educação popular e o processo de participação em ações coletivas, tendo a cidadania como objetivo principal.

e construção do conhecimento em educação popular e o processo de participação em ações coletivas, tendo a cidadania como objetivo principal. Educação Não-Formal Todos os cidadãos estão em permanente processo de reflexão e aprendizado. Este ocorre durante toda a vida, pois a aquisição de conhecimento não acontece somente nas escolas e universidades,

Leia mais

Através de projectos estruturantes, 1. construir as referências da modernidade dos países e das regiões, 2. criar redes sólidas de suporte ao

Através de projectos estruturantes, 1. construir as referências da modernidade dos países e das regiões, 2. criar redes sólidas de suporte ao Desenvolvimento Através de projectos estruturantes, 1. construir as referências da modernidade dos países e das regiões, 2. criar redes sólidas de suporte ao desenvolvimento económico, 3. mobilizar os

Leia mais

# # $ & '! ( % ) * # + %,!--./! --0/!, /.! --1 2 '! 3 -/ 4 5 6 7(.889:.88; (! <.889!% 0/ 4 % #>? ' 7.88;=

# # $ & '! ( % ) * # + %,!--./! --0/!, /.! --1 2 '! 3 -/ 4 5 6 7(.889:.88; (! <.889!% 0/ 4 % #>? ' 7.88;= !" # # $ % & '! ( % ) * # + %,!--./! --0/!, /.! --1 2 '! 3 -/ 4 5 6 7(.889:.88; (! 6!!'= 9/!= B)@2-9.889= 6CD2EFC74

Leia mais

A Década das Nações Unidas para a Educação em Matéria de Direitos Humanos 1995 2004

A Década das Nações Unidas para a Educação em Matéria de Direitos Humanos 1995 2004 N Ú M E R O I Série Década das Nações Unidas para a Educação em matéria de Direitos Humanos 1995 2004 DIREITOS HUMANOS A Década das Nações Unidas para a Educação em Matéria de Direitos Humanos 1995 2004

Leia mais

Secretaria Nacional DE SEGURANÇA PÚBLICA

Secretaria Nacional DE SEGURANÇA PÚBLICA Secretaria Nacional DE SEGURANÇA PÚBLICA MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA Secretaria Nacional DE SEGURANÇA PÚBLICA Horário de funcionamento: de segunda a sexta, das 8 às 20

Leia mais

Relatório de Actividades do Ano de 2013 do Conselho Consultivo da Reforma Jurídica. Conselho Consultivo da Reforma Jurídica

Relatório de Actividades do Ano de 2013 do Conselho Consultivo da Reforma Jurídica. Conselho Consultivo da Reforma Jurídica Relatório de Actividades do Ano de 2013 do Conselho Consultivo da Reforma Jurídica Conselho Consultivo da Reforma Jurídica Março de 2014 Índice 1. Resumo das actividades....1 2. Perspectivas para as actividades

Leia mais