Tipos Indutivos & Recursão (Primitiva)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tipos Indutivos & Recursão (Primitiva)"

Transcrição

1 Alfio Martini Clube de Lógica em Ciência da Computação Faculdade de Informática - PUCRS 2 de setembro de 2013

2 Sumário Objetivos Gerais 1 Objetivos Gerais 2 3 Funções Primitivas Recursivas sobre 4

3 Sumário Objetivos Gerais 1 Objetivos Gerais 2 3 Funções Primitivas Recursivas sobre 4

4 Objetivos Apresentar os princípios gerais que envolvem construções indutivas de tipos de dados: Princípio geral destas definições (Construtores) Definições de funções totais por recursão primitiva Esquema de indução para prova de propriedades

5 Sumário 1 Objetivos Gerais 2 3 Funções Primitivas Recursivas sobre 4

6 :Idéia Geral Uma definição indutiva de um conjunto S consiste sempre dos seguintes passos: Base Listar alguns elementos específicos (constantes) de S. Pelo menos um elemento deve ser listado. Indução Definir uma ou mais regras para a construção de novos elementos de S a partir dos elementos já existentes. Fecho Declarar que S consiste exatamente dos elementos produzidos pelos passos da base e indução.

7 Construtores de Dados Os construtores de um conjunto indutivo S são todos elementos listados no passo da base juntamente com todas as regras apresentadas no passo da indução.

8 Indutiva dos Naturais Os elementos do conjunto indutivo Nat são todos os valores gerados pelas seguintes regras: zero Nat NatZero x Nat suc x Nat NatSuc Nat é isomórfico à N, onde N = {0, 1, 2,...} suc : Nat Nat e zero : Nat (operadores)

9 Uma outra definição de Nat [NatZero] zero Nat. [NatSuc] Se x Nat, então suc x Nat. [Fecho] Nada mais está em Nat.

10 Linguagem Nat Termos zero suc zero suc (suc zero) suc (suc (suc zero)). suc k zero (k N).

11 Uma Gramática para Nat N : Nat ::= zero suc N (N Nat)

12 Naturais: Princípio de Indução Princípio de Indução Cada elemento em Nat tem a seguinte forma: zero Suc k, k Nat

13 Regra de Indução para Nat Conjunto Indutivo Nat x 0 : Nat, P(x 0 ). P zero. P(suc x 0 ) n : Nat.P n (x 0 arbitrária) IndNat

14 Indutiva de ListEmpty nil List(A) h A T List(A) ListCons h T List(A)

15 Linguagem List(A) Termos List(A) List(N) List(Nat) nil nil nil x nil 5 nil (suc zero) nil a b nil 2 0 nil zero (suc 3 zero)nil...

16 Uma Gramática para List(A) L : List(A) ::= nil h L (h A, L List(A))

17 : Princípio de Indução Princípio de Indução Cada elemento em List(A) tem a seguinte forma: nil h T, h A, T List(A)

18 Regra de Indução para List(A) Conjunto Indutivo List(A) e 0 : A, l 0 : List(A), P l 0. P nil. P (e 0 l 0 ) l : List(A). P l (e 0, l 0 arbitrárias) IndList

19 Indutiva da Lógica Proposicional Exercício...

20 Sumário Objetivos Gerais Funções Primitivas Recursivas sobre 1 Objetivos Gerais 2 3 Funções Primitivas Recursivas sobre 4

21 Funções Primitivas Recursivas sobre Funções Primitivas Recursivas: Visão Geral Idéia Geral Dada uma definição de um conjunto indutivo S, f : S... S S é definida por recursão da seguinte forma: Escolher um dos argumentos (posições) de entrada de S e, neste argumento: definir f para cada elemento do conjunto base (constantes) definir f para cada um dos construtores restantes (regras de construção)

22 Funções Computáveis (FC) Funções Primitivas Recursivas sobre Funções Recursivas (FR) A classe de FC é a classe de FR (Church) Classe FR primitivas é uma subclasse das FR FR Primitivas são todas funções TOTAIS

23 FR Primitivas Objetivos Gerais Funções Primitivas Recursivas sobre Construção Funções Básicas (zero, sucessor e projeções) Regra da Composição (Substituição) Regra da

24 Classe de Funções Primitivas Recursivas Funções Primitivas Recursivas sobre Funções Básicas A classe de funções primitivas recursivas sobre os números naturais N é definida pelas seguintes regras: Função Constante: a função constante zero z(x) = 0 é primitiva recursiva. Função Sucessor: a função sucessor Suc(x) = x + 1 é primitiva recursiva. Função de Projeção: para todo n 1 e 1 i n, a função n-ária de projeção Pi n que retorna o i-ésimo argumento, é primitiva recursiva. P n i (x 1,..., x n) = x i

25 Classe de Funções Primitivas Recursivas Funções Primitivas Recursivas sobre Regra de Composição f (x 1,..., x k ) y 1 = g 1(z 1,..., z m). y k = g k (z 1,..., z m) h(z 1,..., z m) = f (y 1,..., y k ) = f (g 1(z 1,..., z m),..., g k (z 1,..., z m)) h = Cn[f, g 1,..., g k ]

26 Classe de Funções Primitivas Recursivas Funções Primitivas Recursivas sobre h(x, 0) = f (x) h(x, Suc(y)) = g(x, y, h(x, y)) h = Pr[f, g]

27 Classe de Funções Primitivas Recursivas Funções Primitivas Recursivas sobre (Adição) x + 0 = x x + Suc(y) = Suc(x + y) sum(x, 0) = x sum(x, 0) = P 1 1 (x) sum(x, Suc(y)) = Suc(sum(x, y)) sum(x, Suc(y)) = Suc(P 3 3 (x, y, sum(x, y))) = Cn[Suc, P 3 3 ](x, y, sum(x, y)) sum Pr[P 1 1, Cn[Suc, P 3 3 ]]

28 Uma bijeção entre Nat e N Funções Primitivas Recursivas sobre Nat2nat : Nat N, onde Nat2nat zero = 0 Nat2nat (suc x) = Suc (Nat2nat x) (Nat2nat01) (Nat2nat02) 0 N Suc : N N tal que Suc x x + 1

29 Adição em Nat Objetivos Gerais Funções Primitivas Recursivas sobre add : Nat Nat Nat, onde add x 0 = x add x (suc y) = suc (add x y) (add01) (add02)

30 Concatenação em Funções Primitivas Recursivas sobre cat : List(A) List(A) List(A), onde cat nil l = l cat (h T ) l = h (cat T l) (cat01) (cat02)

31 Comprimento de Funções Primitivas Recursivas sobre length : List(A) N, onde length nil = 0 length (h T ) = (length T ) + 1 (len01) (len02)

32 Teoremas sobre add Objetivos Gerais Funções Primitivas Recursivas sobre x : Nat. y : Nat. z : Nat.add x (add y z) = add (add x y) z x : Nat. y : Nat.add x y = add y x x : Nat.add(Z, x) = x x : Nat. y : Nat.add x (suc y) = add (suc x) y) x : Nat. y : Nat.add (suc x) y) = suc (add x y) Th-add-01 Th-add-02 Th-add-03 Th-add-04 Th-add-05

33 (A) Funções Primitivas Recursivas sobre l 1 : List(A). l 2 : List(A). l 3 : List(A). cat l 1 (cat l 2 l 3 ) = cat (cat l 1 l 2 ) l 3 l 1 : List(A). l 2 : List(A).len (cat l 1 l 2 ) = add (len l 1 ) (len l 2 ) l : List(A).cat l nil = l l : List(A).rev (rev l) = l l 1 : List(A). l 2 : List(A). rev (cat l 1 l 2 ) = cat (rev l 2 ) (rev l 1 )) Th-cat-01 Th-cat-02 Th-cat-03 Th-rev-01 Th-rev-02

34 Sumário Objetivos Gerais 1 Objetivos Gerais 2 3 Funções Primitivas Recursivas sobre 4

35 Objetivos Gerais Tipos Indutivos são definidos por Construtores Tipos Indutivos podem ser equipados com Funções Funções são definidas por Tipos Indutivos + Funções = (Abstract) Datatypes Provas por Indução e definições de Funções são feitas sobre os Construtores do Tipo.

Nelma Moreira. Departamento de Ciência de Computadores da FCUP. Aula 17

Nelma Moreira. Departamento de Ciência de Computadores da FCUP. Aula 17 Fundamentos de Linguagens de Programação Nelma Moreira Departamento de Ciência de Computadores da FCUP Fundamentos de Linguagens de Programação Aula 17 Nelma Moreira (DCC-FC) Fundamentos de Linguagens

Leia mais

Matemática Discreta para Ciência da Computação

Matemática Discreta para Ciência da Computação Matemática Discreta para Ciência da Computação P. Blauth Menezes blauth@inf.ufrgs.br Departamento de Informática Teórica Instituto de Informática / UFRGS Matemática Discreta para Ciência da Computação

Leia mais

Computabilidade 2012/2013. Sabine Broda Departamento de Ciência de Computadores Faculdade de Ciências da Universidade do Porto

Computabilidade 2012/2013. Sabine Broda Departamento de Ciência de Computadores Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Computabilidade 2012/2013 Sabine Broda Departamento de Ciência de Computadores Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Capítulo 1 Computabilidade 1.1 A noção de computabilidade Um processo de computação

Leia mais

Lista n 0 1 de Exercícios de Teoria da Computação

Lista n 0 1 de Exercícios de Teoria da Computação Lista n 0 1 de Exercícios de Teoria da Computação UFU-Curso de Bacharelado em Ciência da Computação - 7 0 período Profa. Sandra de Amo Exercícios de Revisão : Autômatos e Gramáticas 1. Mostre que a linguagem

Leia mais

Teoria da Computação I

Teoria da Computação I Licenciatura em Engenharia Informática e Computação João Mendes Moreira João Falcão e Cunha Teoria da Computação I 3º Ano 2001-2002 1ª Aula Prática Implementação de Funções Simples na Máquina URM 1.1.

Leia mais

Fundamentos de Matemática

Fundamentos de Matemática Fundamentos de Matemática Elaine Gouvêa Pimentel 12 de março de 2008 Resumo O presente texto visa descrever alguns aspectos da fundamentação da matemática, mostrando, a partir de uma visão histórica, como

Leia mais

Renata de Freitas e Petrucio Viana. IME, UFF 12 de março de 2015

Renata de Freitas e Petrucio Viana. IME, UFF 12 de março de 2015 Definições por indução e por recursão Renata de Freitas e Petrucio Viana IME, UFF 12 de março de 2015 Sumário Lógica formal e principais sistemas lógicos Definições indutivas Definições recursivas Exercícios

Leia mais

Algumas Equivalencias do Axioma da Escolha

Algumas Equivalencias do Axioma da Escolha Algumas Equivalencias do Axioma da Escolha Elen Deise Assis Barbosa Orientador: Prof. Ms. Luís Roque Rodrigues de Jesus Universidade do Estado da Bahia UNEB 27 de outubro de 2009 1 / 14 Índice Postulados

Leia mais

Funções Recursivas. Prof.: Edson Holanda Teoria da computação - Diverio e Menezes

Funções Recursivas. Prof.: Edson Holanda Teoria da computação - Diverio e Menezes Funções Recursivas Prof.: Edson Holanda edsonholanda@gmail.com Teoria da computação - Diverio e Menezes Tipos de Formalismos Operacional Define-se uma máquina abstrata, baseada em estados, em instruções

Leia mais

Universidade Estadual de Santa Cruz. Departamento de Ciências Exatas e Tecnológicas. Especialização em Matemática. Disciplina: Estruturas Algébricas

Universidade Estadual de Santa Cruz. Departamento de Ciências Exatas e Tecnológicas. Especialização em Matemática. Disciplina: Estruturas Algébricas 1 Universidade Estadual de Santa Cruz Departamento de Ciências Exatas e Tecnológicas Especialização em Matemática Disciplina: Estruturas Algébricas Profs.: Elisangela S. Farias e Sérgio Motta Operações

Leia mais

A integral também é conhecida como antiderivada. Uma definição também conhecida para integral indefinida é:

A integral também é conhecida como antiderivada. Uma definição também conhecida para integral indefinida é: Integral Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. No cálculo, a integral de uma função foi criada para originalmente determinar a área sob uma curva no plano cartesiano e também surge naturalmente em dezenas

Leia mais

AMBIENTE PARA AUXILIAR O DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMAS MONOLÍTICOS

AMBIENTE PARA AUXILIAR O DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMAS MONOLÍTICOS UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO BACHARELADO AMBIENTE PARA AUXILIAR O DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMAS MONOLÍTICOS Orientando: Oliver Mário

Leia mais

1 Os números naturais, Axiomas de Peano

1 Os números naturais, Axiomas de Peano Capítulo IV Indução e Recursão 1 1 Os números naturais, Axiomas de Peano Os números naturais são bem conhecidos. Vamos considerar o 0 como fazendo parte dos números naturais. Portanto os números naturais

Leia mais

LIMITES e CONTINUIDADE de FUNÇÕES. : R R + o x x

LIMITES e CONTINUIDADE de FUNÇÕES. : R R + o x x LIMITES e CONTINUIDADE de FUNÇÕES Noções prévias 1. Valor absoluto de um número real: Chama-se valor absoluto ou módulo de um número real ao número x tal que: x se x 0 x = x se x < 0 Está assim denida

Leia mais

Contagem. George Darmiton da Cunha Cavalcanti CIn - UFPE

Contagem. George Darmiton da Cunha Cavalcanti CIn - UFPE Contagem George Darmiton da Cunha Cavalcanti CIn - UFPE Sumário Princípios Básicos de Contagem A Regra do Produto A Regra da Soma O número de subconjuntos de um conjunto finito Princípio da Inclusão-Exclusão

Leia mais

MATEMÁTICA I AULA 07: TESTES PARA EXTREMOS LOCAIS, CONVEXIDADE, CONCAVIDADE E GRÁFICO TÓPICO 02: CONVEXIDADE, CONCAVIDADE E GRÁFICO Este tópico tem o objetivo de mostrar como a derivada pode ser usada

Leia mais

Teoria da Computação - Programação OCaml Ficha de exercícios

Teoria da Computação - Programação OCaml Ficha de exercícios Teoria da Computação - Programação OCaml Ficha de exercícios Simão Melo de Sousa Em parte, estes exercícios baseam-se nas fichas práticas retiradas do site OCaml Hump 1 Aritmética Exercício 1 (Fibbonacci)

Leia mais

Algoritmo e Programação

Algoritmo e Programação Algoritmo e Programação Professor: José Valentim dos Santos Filho Colegiado: Engenharia da Computação Prof.: José Valentim dos Santos Filho 1 Ementa Noções básicas de algoritmo; Construções básicas: operadores,

Leia mais

Ensino Fundamental II

Ensino Fundamental II Horário 2015 6º Ano A 07h15 REDAÇÃO INGLÊS CIÊNCIAS 08h05 ARTE INGLÊS CIÊNCIAS 08h55 10h05 10h55 CIÊNCIAS 11h45 INFORMÁTICA CIÊNCIAS Horário 2015 6º Ano B 07h15 INGLÊS ARTE CIÊNCIAS CIÊNCIAS 08h05 INGLÊS

Leia mais

Capítulo 2. Álgebra e imagens binárias. 2.1 Subconjuntos versus funções binárias

Capítulo 2. Álgebra e imagens binárias. 2.1 Subconjuntos versus funções binárias Capítulo 2 Álgebra e imagens binárias Em Análise de Imagens, os objetos mais simples que manipulamos são as imagens binárias. Estas imagens são representadas matematicamente por subconjuntos ou, de maneira

Leia mais

N, 1 i m, tal que f m é f e cada f i satisfaz uma das condições abaixo:

N, 1 i m, tal que f m é f e cada f i satisfaz uma das condições abaixo: 1. Funções recursivas A Teoria da Recursão é uma formalização da noção intuitiva de computável (e de algoritmo ). Faremos uma breve introdução ao assunto, ressaltando apenas o necessário para os assuntos

Leia mais

Estruturas Discretas INF 1631

Estruturas Discretas INF 1631 Estruturas Discretas INF 1631 Thibaut Vidal Departamento de Informática, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Rua Marquês de São Vicente, 225 - Gávea, Rio de Janeiro - RJ, 22451-900, Brazil

Leia mais

Curso de C para Engenharias

Curso de C para Engenharias Aula 4 Cristiano Dalbem Dennis Balreira Gabriel Moreira Miller Biazus Raphael Lupchinski Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Informática Grupo PET Computação Sintaxe Funções Exemplos

Leia mais

Alfabeto e palavras. Alfabeto conjunto finito de símbolos (Σ).

Alfabeto e palavras. Alfabeto conjunto finito de símbolos (Σ). Alfabeto e palavras Alfabeto conjunto finito de símbolos (Σ). {A,...,Z}, {α, β,... }, {a,b}, {0,1}, ASCII Palavra de Σ sequência finita de símbolos do alfabeto Σ Σ = {a, b} aabba a aaaaaaaa Comprimento

Leia mais

Comandos de Manipulação

Comandos de Manipulação SQL - Avançado Inserção de dados; Atualização de dados; Remoção de dados; Projeção; Seleção; Junções; Operadores: aritméticos, de comparação,de agregação e lógicos; Outros comandos relacionados. SQL SQL

Leia mais

Números fuzzy interativos

Números fuzzy interativos Números fuzzy interativos Francielle Santo Pedro Orientador: Laécio Carvalho de Barros Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica- IMECC Unicamp - Campinas 29 de Agosto, 2013 Francielle

Leia mais

ARRAYS. Um array é um OBJETO que referencia (aponta) mais de um objeto ou armazena mais de um dado primitivo.

ARRAYS. Um array é um OBJETO que referencia (aponta) mais de um objeto ou armazena mais de um dado primitivo. Cursos: Análise, Ciência da Computação e Sistemas de Informação Programação I - Prof. Aníbal Notas de aula 8 ARRAYS Introdução Até agora, utilizamos variáveis individuais. Significa que uma variável objeto

Leia mais

Teoria da Computação

Teoria da Computação Ciência da Computação Teoria da Computação (ENG10395) Profa. Juliana Pinheiro Campos E-mail: jupcampos@gmail.com Funções recursivas Os formalismos usados para especificar algoritmos podem ser classificados

Leia mais

Carlos Humberto Soares Júnior

Carlos Humberto Soares Júnior Boletín de la Asociación Matemática Venezolana, Vol. X, No. 1 (2003) 15 Funções de classe C k Carlos Humberto Soares Júnior Abstract When we study the functions of class C k in the graduate courses, in

Leia mais

Pedro Vasconcelos DCC/FCUP. Programação Funcional 14 a Aula Tipos abstratos de dados

Pedro Vasconcelos DCC/FCUP. Programação Funcional 14 a Aula Tipos abstratos de dados Programação Funcional 14 a Aula Tipos abstratos de dados Pedro Vasconcelos DCC/FCUP 2012 Tipos concretos de dados Até agora definimos um novo tipo de dados listamos os seus construtores. data Bool = False

Leia mais

Programação Orientada a Objeto

Programação Orientada a Objeto Programação Orientada a Objeto Classes, Atributos, Métodos e Objetos Programação de Computadores II Professor: Edwar Saliba Júnior 1) Java é uma linguagem orientada a objetos. Para que possamos fazer uso

Leia mais

Lógica Computacional 117366. 2 Descrição do Projeto

Lógica Computacional 117366. 2 Descrição do Projeto Lógica Computacional 117366 Descrição do Projeto Formalização de Algoritmos para Ordenação com Heaps 24 de setembro de 2015 Prof. Mauricio Ayala-Rincón Prof. Flávio L. C. de Moura A estagiária de docência

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Ano: 2015 Semestre Letivo: ( ) Primeiro ( x ) Segundo Total de Créditos (se for o caso): 4 Carga Horária: 60 horas

PLANO DE ENSINO. Ano: 2015 Semestre Letivo: ( ) Primeiro ( x ) Segundo Total de Créditos (se for o caso): 4 Carga Horária: 60 horas UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO Rua Dom Manoel de Medeiros, s/n Dois Irmãos 52171-900 Recife-PE Fone: 0xx-81-332060-40 proreitor@preg.ufrpe.br PLANO DE ENSINO

Leia mais

Desenvolvimento Web TCC-00.226 Turma A-1 / 2013.2

Desenvolvimento Web TCC-00.226 Turma A-1 / 2013.2 1 Desenvolvimento Web TCC-00.226 Turma A-1 / 2013.2 Professor Leandro A. F. Fernandes Instituto de Computação Universidade Federal Fluminense Lista de Exercícios 02 Orientação a Objetos 1) Identifique

Leia mais

Segunda Prova de Análise e otimização de Código - DCC888 -

Segunda Prova de Análise e otimização de Código - DCC888 - Segunda Prova de Análise e otimização de Código - DCC888 - Ciência da Computação Nome: Eu dou minha palavra de honra que não trapacearei neste exame. Número de matrícula: As regras do jogo: A prova é sem

Leia mais

Exp e Log. Roberto Imbuzeiro Oliveira. 21 de Fevereiro de 2014. 1 O que vamos ver 1. 2 Fatos preliminares sobre espaços métricos 2

Exp e Log. Roberto Imbuzeiro Oliveira. 21 de Fevereiro de 2014. 1 O que vamos ver 1. 2 Fatos preliminares sobre espaços métricos 2 Funções contínuas, equações diferenciais ordinárias, Exp e Log Roberto Imbuzeiro Oliveira 21 de Fevereiro de 214 Conteúdo 1 O que vamos ver 1 2 Fatos preliminares sobre espaços métricos 2 3 Existência

Leia mais

A linguagem da Lógica Proposicional (Capítulo 1)

A linguagem da Lógica Proposicional (Capítulo 1) A linguagem da Lógica Proposicional (Capítulo 1) LÓGICA APLICADA A COMPUTAÇÃO Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Estrutura 1. Definições 2. Alfabeto 3. Fórmulas bem formadas (FBF) 4. Exemplos

Leia mais

Monografia sobre R ser um Domínio de Fatoração Única implicar que R[x] é um Domínio de Fatoração Única.

Monografia sobre R ser um Domínio de Fatoração Única implicar que R[x] é um Domínio de Fatoração Única. Universidade Estadual de Campinas Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica Departamento de Matemática Monografia sobre R ser um Domínio de Fatoração Única implicar que R[x] é um Domínio

Leia mais

Sergio da Silva Aguiar Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - I Seemat

Sergio da Silva Aguiar Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - I Seemat Introdução à Lógica Matemática Sergio da Silva Aguiar Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - I Seemat 1 Introdução O que é a Lógica? O que signi ca estudar Lógica? Qual a sua de nição? Ao iniciar

Leia mais

Linguagens Formais e Autômatos. Alfabetos, Palavras, Linguagens e Gramáticas

Linguagens Formais e Autômatos. Alfabetos, Palavras, Linguagens e Gramáticas Linguagens Formais e Autômatos Alfabetos, Palavras, Linguagens e Gramáticas Cristiano Lehrer, M.Sc. Introdução (1/3) A Teoria das Linguagens Formais foi originariamente desenvolvida na década de 1950 com

Leia mais

Interpretação e Compilação de Linguagens de Programação Sintaxe e Semântica

Interpretação e Compilação de Linguagens de Programação Sintaxe e Semântica Interpretação e Compilação de Linguagens de Programação Sintaxe e Semântica 28 de Fevereiro de 2013 Nesta aula apresentam-se dois dos aspetos fundamentais das linguagens de programação, sintaxe e semântica.

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral I Vinícius Martins Freire

Cálculo Diferencial e Integral I Vinícius Martins Freire UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA - CAMPUS JOINVILLE CENTRO DE ENGENHARIAS DA MOBILIDADE Cálculo Diferencial e Integral I Vinícius Martins Freire MARÇO / 2015 Sumário 1. Introdução... 5 2. Conjuntos...

Leia mais

Unidade IV: Ponteiros, Referências e Arrays

Unidade IV: Ponteiros, Referências e Arrays Programação com OO Acesso em Java a BD Curso: Técnico em Informática Campus: Ipanguaçu José Maria Monteiro Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro PUC-Rio Departamento Clayton Maciel de Informática

Leia mais

Exercícios de Teoria da Computação Autómatos finitos não deterministas

Exercícios de Teoria da Computação Autómatos finitos não deterministas Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores - LEIC Licenciatura em Engenharia de Redes de Comunicações - LERC Exercícios de Teoria da Computação Autómatos finitos não deterministas Secção

Leia mais

RESULTADO DOS RECURSOS DA PROVA OBJETIVA EDITAL 02/2012.

RESULTADO DOS RECURSOS DA PROVA OBJETIVA EDITAL 02/2012. RESULTADO DOS RECURSOS DA PROVA OBJETIVA EDITAL 02/2012. LEGENDA DOS RESULTADOS Deferido: Recurso acatado Indeferido: Recurso não acatado Questão já anulada: Questão anulada por outro recurso analisado

Leia mais

CURSO DE INFORMÁTICA LICENCIATURA 1 PERÍODO

CURSO DE INFORMÁTICA LICENCIATURA 1 PERÍODO CURSO DE INFORMÁTICA LICENCIATURA 1 PERÍODO DISCIPLINA: Metodologia Científica H111900 Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia no âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O

Leia mais

Laboratório de Sistemas e Sinais L1: Matrizes, Sons e Imagens

Laboratório de Sistemas e Sinais L1: Matrizes, Sons e Imagens Laboratório de Sistemas e Sinais L1: Matrizes, Sons e Imagens Luís Caldas de Oliveira Março de 2009 O objectivo deste laboratório é o de explorar a utilização de matrizes em Matlab e de usá-las para construir

Leia mais

Introdução à Programação

Introdução à Programação Aula Teórica 1b: variáveis e tipo de dados em C Departamento de Informática, UBI Variáveis: conceito e pratica Variáveis e linguagens de programação A memoria A majoria dos linguagens de programação são

Leia mais

Consequências Interessantes da Continuidade

Consequências Interessantes da Continuidade Consequências Interessantes da Continuidade Frederico Reis Marques de Brito Resumo Trataremos aqui de um dos conceitos basilares da Matemática, o da continuidade no âmbito de funções f : R R, mostrando

Leia mais

Roteiro do Programa e Entrada/Saída

Roteiro do Programa e Entrada/Saída Roteiro do Programa e Entrada/Saída c Professores de ALPRO I Faculdade de Informática PUCRS 03/2012 ALPRO I (FACIN) Roteiro do Programa e E/S 03/2012 1 / 32 Sumário 1 Relembrando 2 Programa Definição de

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR Escola Superior de Tecnologia de Tomar. Área Interdepartamental de Matemática Curso de Engenharia Informática

INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR Escola Superior de Tecnologia de Tomar. Área Interdepartamental de Matemática Curso de Engenharia Informática INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR Escola Superior de Tecnologia de Tomar Área Interdepartamental de Matemática Curso de Engenharia Informática! "!# " $!! %!! " # $ " % $ & ' $ " ( "! " $! " " )" ' $ *!!&

Leia mais

Aplicações de Derivadas

Aplicações de Derivadas Aplicações de Derivadas f seja contínua no [a,b] e que f '(x) exista no intervalo aberto a x b. Então, existe pelo menos um valor c entre a eb, tal que f '(c) f (b) f (a) b a. pelo menos um ponto c (a,

Leia mais

Lógica Computacional

Lógica Computacional Aula Teórica 3: Sintaxe da Lógica Proposicional António Ravara Simão Melo de Sousa Departamento de Informática, Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Nova de Lisboa Departamento de Informática,

Leia mais

Estrutura de Dados. Introdução a Ponteiros. Prof. Gerson Borges Estrutura de Dados I 1

Estrutura de Dados. Introdução a Ponteiros. Prof. Gerson Borges Estrutura de Dados I 1 Estrutura de Dados Introdução a Ponteiros Prof. Gerson Borges Estrutura de Dados I 1 Sumário è Explicação da importância do planejamento de ensino; è Métodos e técnicas que iremos trabalhar durante o semestre;

Leia mais

Aula 01. - Bibliografia - Definições - Operadores - Criação de um algoritmo - Exercícios. Algoritmo e Programação. Prof. Fábio Nelson.

Aula 01. - Bibliografia - Definições - Operadores - Criação de um algoritmo - Exercícios. Algoritmo e Programação. Prof. Fábio Nelson. - Bibliografia - Definições - Operadores - Criação de um algoritmo - Exercícios Aula 01 Slide 1 BIBLIOGRAFIA SCHILDT H. C Completo e Total, Makron Books. SP, 1997. Curso de linguagem C da UFMG. ZIVIANI,

Leia mais

Unisanta - Mecânica Geral - Prof. Damin - Aula n.º - Data / / SISTEMA DE FORÇAS

Unisanta - Mecânica Geral - Prof. Damin - Aula n.º - Data / / SISTEMA DE FORÇAS Força (F ) e (Beer and Johnston,1991) SISTEMA DE FRÇAS Força não tem definição, é um conceito primitivo ou intuitivo. Matematicamente a força é o vetor aplicado (P,F ), caracterizado por módulo, direção

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista 1

Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista 1 Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista 1 Ex.1) Um circuito magnético como mostrado na figura abaixo, tem dimensões A C = 9 [cm 2 ]; A g = 9 [cm 2 ]; l g = 0,050 [cm]; l C = 30

Leia mais

Aula 03 Custos de um algoritmo e funções de complexidade

Aula 03 Custos de um algoritmo e funções de complexidade BC1424 Algoritmos e Estruturas de Dados I Aula 03 Custos de um algoritmo e funções de complexidade Prof. Jesús P. Mena-Chalco jesus.mena@ufabc.edu.br 1Q-2015 1 Custo de um algoritmo e funções de complexidade

Leia mais

Provas de. Manuel Ricou Departamento de Matemática Instituto Superior Técnico

Provas de. Manuel Ricou Departamento de Matemática Instituto Superior Técnico Provas de Introdução à Álgebra Manuel Ricou Departamento de Matemática Instituto Superior Técnico 19 de Janeiro de 2008 Conteúdo 1 Enunciados de Testes 3 1.1 1 o Teste: 12/4/2000.......................

Leia mais

Java 2 Standard Edition Como criar classes e objetos

Java 2 Standard Edition Como criar classes e objetos Java 2 Standard Edition Como criar classes e objetos Helder da Rocha www.argonavis.com.br 1 Assuntos abordados Este módulo explora detalhes da construção de classes e objetos Construtores Implicações da

Leia mais

Função do 2º Grau. Alex Oliveira

Função do 2º Grau. Alex Oliveira Função do 2º Grau Alex Oliveira Apresentação A função do 2º grau, também chamada de função quadrática é definida pela expressão do tipo: y = f(x) = ax² + bx + c onde a, b e c são números reais e a 0. Exemplos:

Leia mais

BANCO DE DADOS aula 6 álgebra relacional -

BANCO DE DADOS aula 6 álgebra relacional - INSTITUTO DE EXATAS E TECNOLÓGICAS Curso de Ciência da Computação BANCO DE DADOS aula 6 álgebra relacional - professor: Juliano Varella de Carvalho 5.1. Álgebra Relacional relações de exemplo conta agencia

Leia mais

6. Geometria, Primitivas e Transformações 3D

6. Geometria, Primitivas e Transformações 3D 6. Geometria, Primitivas e Transformações 3D Até agora estudamos e implementamos um conjunto de ferramentas básicas que nos permitem modelar, ou representar objetos bi-dimensionais em um sistema também

Leia mais

ESTRUTURA BÁSICA DE UM PROGRAMA JAVA

ESTRUTURA BÁSICA DE UM PROGRAMA JAVA ESTRUTURA BÁSICA DE UM PROGRAMA JAVA Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. // Primeiro programa em Java public class PrimeiroPrograma { public static void main(string [] args) { System.out.println("Programação

Leia mais

Cálculo numérico. ln 1 = 0. Representação numérica. Exemplo. Exemplos. Professor Walter Cunha. ln 1. I s

Cálculo numérico. ln 1 = 0. Representação numérica. Exemplo. Exemplos. Professor Walter Cunha. ln 1. I s Representação numérica Cálculo numérico Professor Walter Cunha Um conjunto de ferramentas ou métodos usados para se obter a solução de problemas matemáticos de forma aproximada. Esses métodos se aplicam

Leia mais

Orientação a Objetos

Orientação a Objetos Orientação a Objetos 1. Sobrecarga (Overloading) Os clientes dos bancos costumam consultar periodicamente informações relativas às suas contas. Geralmente, essas informações são obtidas através de extratos.

Leia mais

Análise de Algoritmos: Melhor caso, pior caso, caso médio

Análise de Algoritmos: Melhor caso, pior caso, caso médio Análise de Algoritmos: Melhor caso, pior caso, caso médio Fernando Lobo Algoritmos e Estrutura de Dados II 1 / 25 Sumário Rever um problema e um algoritmo que já conhecem. Descrevê-lo em pseudo-código

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS PARA A CONSTRUÇÃO DE ALGORITMOS PARA COMPUTADORES. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

CONCEITOS BÁSICOS PARA A CONSTRUÇÃO DE ALGORITMOS PARA COMPUTADORES. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com CONCEITOS BÁSICOS PARA A CONSTRUÇÃO DE ALGORITMOS PARA COMPUTADORES Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Objetivos Compreender os conceitos de lógica de programação e de algoritmos. Conhecer

Leia mais

Acumuladores. Paradigma de Programação Funcional. Marco A L Barbosa

Acumuladores. Paradigma de Programação Funcional. Marco A L Barbosa Acumuladores Paradigma de Programação Funcional Marco A L Barbosa cba Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional. http://github.com/malbarbo/na-func

Leia mais

ELIPSES INSCRITAS NUM TRIÂNGULO

ELIPSES INSCRITAS NUM TRIÂNGULO ELIPSES INSCRITAS NUM TRIÂNGULO SERGIO ALVES IME-USP Freqüentemente apresentada como um exemplo notável de sistema dedutivo, a Geometria tem, em geral, seus aspectos indutivos relegados a um segundo plano.

Leia mais

O Problema do Troco Principio da Casa dos Pombos. > Princípios de Contagem e Enumeração Computacional 0/48

O Problema do Troco Principio da Casa dos Pombos. > Princípios de Contagem e Enumeração Computacional 0/48 Conteúdo 1 Princípios de Contagem e Enumeração Computacional Permutações com Repetições Combinações com Repetições O Problema do Troco Principio da Casa dos Pombos > Princípios de Contagem e Enumeração

Leia mais

Introdução às Linguagens de Programação

Introdução às Linguagens de Programação Introdução às Linguagens de Programação Histórico de Linguagens de Programação O computador não faz nada sozinho Precisamos informar, de forma clara, como ele deve executar as tarefas Ou seja, o computador

Leia mais

INFORMÁTICA E TEORIA DA COMPUTAÇÃO

INFORMÁTICA E TEORIA DA COMPUTAÇÃO CAPA INFORMÁTICA E TEORIA DA COMPUTAÇÃO 2014 SUMARÉ Índice Informática... 02 Etimologia... 02 Origem e Concepção... 03 Teoria da Computação... 03 Conclusão... 04 Informática A informática é um termo usado

Leia mais

HORÁRIO 2015.1 CAMPUS RECIFE CURSO: ESPANHOL. TURNO: MANHÃ / TARDE POLO: POLI Escola Politécnica de Pernambuco

HORÁRIO 2015.1 CAMPUS RECIFE CURSO: ESPANHOL. TURNO: MANHÃ / TARDE POLO: POLI Escola Politécnica de Pernambuco 2015.1 CAMPUS RECIFE CURSO: ESPANHOL TURNO: MANHÃ / TARDE POLO: POLI Escola Politécnica de Pernambuco 07:30 às 09:00 ESPANHOL NÍVEL I 09:00 às 10:30 10:30 às 12:00 I TERÇA QUARTA 07:30 às 10:30 ESPANHOL

Leia mais

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Divisão em Sub-redes

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Divisão em Sub-redes Tecnologia em Redes de Computadores Redes de Computadores Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com Classes de Endereços IP: Para criar a estrutura de sub-redes, os bits do host devem ser reatribuídos

Leia mais

AJUSTE DE GANHO E OFFSET DE MÓDULOS DE ENTRADA ANALÓGICA COM GX WORKS2

AJUSTE DE GANHO E OFFSET DE MÓDULOS DE ENTRADA ANALÓGICA COM GX WORKS2 AJUSTE DE GANHO E OFFSET DE MÓDULOS DE ENTRADA ANALÓGICA COM GX WORKS2 No. DAP-PLCQ-05 rev. 0 Revisões MEB Data da Revisão Set/2013 Nome do Arquivo DAP-QPLC-05 - Ganho e offset para Q6nAD Revisão Primeira

Leia mais

ALP Algoritmos e Programação. . Linguagens para Computadores

ALP Algoritmos e Programação. . Linguagens para Computadores ALP Algoritmos e Programação Iniciação aos computadores. Linguagens para Computadores. Compiladores, Interpretadores. Ambientes de Programação 1 Linguagens para Computadores. Linguagem binária: Dispositivos

Leia mais

Programação e Computação para Arquitectura 2007/2008

Programação e Computação para Arquitectura 2007/2008 Instituto Superior Técnico Programação e Computação para Arquitectura 2007/2008 Segundo Teste/Primeiro Exame 09/0/2008 Nome: Número: Escreva o seu número em todas as folhas do teste. O tamanho das respostas

Leia mais

Métodos Formais. Ian Sommerville - Software Engineering TraduçãoProf Pedro Fernandes - Métodos Formais, 6o Período Slide 1

Métodos Formais. Ian Sommerville - Software Engineering TraduçãoProf Pedro Fernandes - Métodos Formais, 6o Período Slide 1 Métodos Formais Ian Sommerville - Software Engineering TraduçãoProf Pedro Fernandes - Métodos Formais, 6o Período Slide 1 Métodos Formais São técnicas baseadas em formalismos matemáticos para a especificação,

Leia mais

Programação de Computadores I. Ponteiros

Programação de Computadores I. Ponteiros Ponteiros Prof. Edwar Saliba Júnior Outubro de 2012 Unidade 13 Ponteiros 1 Identificadores e Endereços Na linguagem C, uma declaração de variável faz associação entre um identificador e endereços de memória;

Leia mais

AS ÁLGEBRAS DOS OPERADORES DE CONSEQÜÊNCIA

AS ÁLGEBRAS DOS OPERADORES DE CONSEQÜÊNCIA AS ÁLGEBRAS DOS OPERADORES DE CONSEQÜÊNCIA Mauri Cunha do NASCIMENTO 1 Hércules de Araújo FEITOSA 1 RESUMO: Neste trabalho, introduzimos as TK-álgebras associadas com os operadores de conseqüência de Tarski,

Leia mais

1 Máquina URM, comandos e programas URM

1 Máquina URM, comandos e programas URM 1 Máquina URM, comandos e programas URM Definição 1 : Máquina URM (Unlimited Register Machine) Uma máquina URM é constituída por uma sucessão de registos 2 < R i > i IN. Cada registo pode conter um valor

Leia mais

PE-MEEC 1S 09/10 118. Capítulo 4 - Variáveis aleatórias e. 4.1 Variáveis. densidade de probabilidade 4.2 Valor esperado,

PE-MEEC 1S 09/10 118. Capítulo 4 - Variáveis aleatórias e. 4.1 Variáveis. densidade de probabilidade 4.2 Valor esperado, Capítulo 4 - Variáveis aleatórias e distribuições contínuas 4.1 Variáveis aleatórias contínuas. Função densidade de probabilidade 4.2 Valor esperado, variância e algumas das suas propriedades. Moda e quantis

Leia mais

Introdução à Programação. Recursão

Introdução à Programação. Recursão Introdução à Programação Recursão Recursão decoração Substantivo feminino. 1.Ato ou efeito de decorar decorar Verbo transitivo direto. 1.Guarnecer com adorno(s); dispor formas e cores em; ornamentar, embelezar;

Leia mais

UElementos de Lógica Matemática e Teoria dos Conjuntos. Jaime Campos Ferreira

UElementos de Lógica Matemática e Teoria dos Conjuntos. Jaime Campos Ferreira Α Uma reedição revista pelo autor dos capítulos iniciais das Lições de Análise Real Departamento de Matemática Instituto Superior Técnico Outubro de 2001 UElementos de Lógica Matemática e Teoria dos Conjuntos

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DE GESTÃO DE BASE DE DADOS

PLANIFICAÇÃO DE GESTÃO DE BASE DE DADOS PLANIFICAÇÃO DE GESTÃO DE BASE DE DADOS Ano Lectivo 2010/2011 José Júlio Frias R. 1. ENQUADRAMENTO ÁREA DE FORMAÇÃO ITINERÁRIO DE QUALIFICAÇÃO SAIDA(S)PROFISSIONAL(IS) 481. CIÊNCIAS INFORMÁTICAS 48101.

Leia mais

1 Propriedades das Funções Contínuas 2

1 Propriedades das Funções Contínuas 2 Propriedades das Funções Contínuas Prof. Doherty Andrade 2005 Sumário 1 Propriedades das Funções Contínuas 2 2 Continuidade 2 3 Propriedades 3 4 Continuidade Uniforme 9 5 Exercício 10 1 1 PROPRIEDADES

Leia mais

Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa TÓPICOS DE CORRECÇÃO DO EXAME DE CÁLCULO I. Ano Lectivo 2007-08 - 1 o Semestre

Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa TÓPICOS DE CORRECÇÃO DO EXAME DE CÁLCULO I. Ano Lectivo 2007-08 - 1 o Semestre Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa TÓPICOS DE COECÇÃO DO EXAME DE CÁLCULO I Ano Lectivo 7-8 - o Semestre Exame Final em 7 de Janeiro de 8 Versão B Duração: horas e 3 minutos Não é permitido

Leia mais

Computabilidade e Teoria da Recursão

Computabilidade e Teoria da Recursão Armando Matos Nelma Moreira Departamento de Ciência de Computadores Faculdade de Ciências, email: {acm,nam}@ncc.up.pt Conteúdo 1 Máquinas de Turing 2 1.1 Máquinas de Turing calculadoras de funções parciais.................

Leia mais

OTIMIZAÇÃO VETORIAL. Formulação do Problema

OTIMIZAÇÃO VETORIAL. Formulação do Problema OTIMIZAÇÃO VETORIAL Formulação do Problema Otimização Multiobjetivo (também chamada otimização multicritério ou otimização vetorial) pode ser definida como o problema de encontrar: um vetor de variáveis

Leia mais

Prof. Yandre Maldonado - 1 PONTEIROS. Prof. Yandre Maldonado e Gomes da Costa

Prof. Yandre Maldonado - 1 PONTEIROS. Prof. Yandre Maldonado e Gomes da Costa Prof. Yandre Maldonado - 1 PONTEIROS Prof. Yandre Maldonado e Gomes da Costa PONTEIROS Prof. Yandre Maldonado - 2 Ponteiro é uma variável que possui o endereço de outra variável; É um poderoso recurso

Leia mais

Aplicação em LISP e introdução ao CLOS

Aplicação em LISP e introdução ao CLOS Aplicação em LISP e introdução ao CLOS Diego D. B. Carvalho, Vinicius A. Carlos Ciências da Computação 4ª fase, 2002 Departamento de Informática e Estatística. Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC,

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA HABILIDADES CONTEÚDO METODOLOGIA/ESTRATÉGIA HORA/ AULA ANÁLISE GRÁFICA DE FUNÇÕES

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA HABILIDADES CONTEÚDO METODOLOGIA/ESTRATÉGIA HORA/ AULA ANÁLISE GRÁFICA DE FUNÇÕES CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA ENSINO MÉDIO ÁREA CURRICULAR: CIÊNCIA DA NATUREZA, MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS DISCIPLINA: MATEMÁTICA I SÉRIE 1.ª CH 68 ANO 2012 COMPETÊNCIAS:.

Leia mais

Estruturas de Dados. Alguns dados não costumam ser tão simples assim... Podem ser compostos por vários dados distintos

Estruturas de Dados. Alguns dados não costumam ser tão simples assim... Podem ser compostos por vários dados distintos Estruturas de Dados Alguns dados não costumam ser tão simples assim... Podem ser compostos por vários dados distintos Estruturas de Dados Programação de Computadores 1 de 26 Tipos Estruturados de Dados

Leia mais

3 Sistemas de Numeração:

3 Sistemas de Numeração: 3 Sistemas de Numeração: Os computadores eletrônicos têm como base para seu funcionamento a utilização de eletricidade. Diferente de outras máquinas que a presença ou ausência de eletricidade apenas significam

Leia mais

4.4 Limite e continuidade

4.4 Limite e continuidade 4.4 Limite e continuidade Noções Topológicas em R : Dados dois pontos quaisquer (x 1, y 1 ) e (x, y ) de R indicaremos a distância entre eles por då(x 1, y 1 ), (x, y )è=(x 1 x ) + (y 1 y ). Definição

Leia mais

Vetores, Matrizes e Gráficos

Vetores, Matrizes e Gráficos Programação de Computadores I UFOP DECOM 2013 2 Aula prática 3 Vetores, Matrizes e Gráficos Resumo Nesta aula você irá utilizar vetores para resolver diversos tipos de problemas. Para expressar a solução

Leia mais

Métodos Os métodos de uma classe podem ser classificados como construtores, destrutores, funções ou procedimentos.

Métodos Os métodos de uma classe podem ser classificados como construtores, destrutores, funções ou procedimentos. Métodos Os métodos de uma classe podem ser classificados como construtores, destrutores, funções ou procedimentos. Construtor: método executado por uma CLASSE (e não por um objeto, instância da classe)

Leia mais

Notas de Aula. Análise na Reta

Notas de Aula. Análise na Reta Notas de Aula (ainda em preparação!) Análise na Reta Higidio Portillo Oquendo http://www.ufpr.br/ higidio Última atualização: 22 de abril de 2015 1 Sumário 1 Preliminares 3 1.1 Conjuntos e Funções....................................

Leia mais