C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O. matemática. Função: definição, domínio e imagem. Elizabete Alves de Freitas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O. matemática. Função: definição, domínio e imagem. Elizabete Alves de Freitas"

Transcrição

1 C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O 11 matemática Função: definição, domínio e imagem Elizabete Alves de Freitas

2 Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria de Educação a Distância SEDIS equipe sedis universidade federal do rio grande do norte ufrn Coordenadora da Produção dos Materias Marta Maria Castanho Almeida Pernambuco Coordenador de Edição Ary Sergio Braga Olinisky Coordenadora de Revisão Giovana Paiva de Oliveira Design Gráfico Ivana Lima Diagramação Ivana Lima José Antônio Bezerra Júnior Mariana Araújo de Brito Vitor Gomes Pimentel Arte e ilustração Adauto Harley Carolina Costa Heinkel Huguenin Revisão Tipográfica Adriana Rodrigues Gomes Design Instrucional Janio Gustavo Barbosa Luciane Almeida Mascarenhas de Andrade Jeremias Alves A. Silva Margareth Pereira Dias Revisão de Linguagem Maria Aparecida da S. Fernandes Trindade Revisão das Normas da ABNT Verônica Pinheiro da Silva Adaptação para o Módulo Matemático Joacy Guilherme de Almeida Ferreira Filho Revisão Técnica Rosilene Alves de Paiva

3 Você verá por aqui......o início de um estudo sobre alguns elementos da Álgebra, como o Sistema de Coordenadas Cartesianas formalizado por Descartes, em 1637, na obra La Geómetrie. Verá também o conceito de uma relação entre conjuntos e o conceito de função, como também os conceitos de domínio, de contradomínio e de imagem de uma função, como elaborar o estudo do sinal de uma função e como determinar o domínio de uma função real. Na próxima aula, concluiremos o estudo sobre funções iniciado aqui, dando maior enfoque à construção de gráficos de funções de vários tipos. Neste material, apresentamos o conteúdo através de diversos exemplos e disponibilizamos, após cada conteúdo apresentado, algumas atividades (com questões subjetivas) e, ao final de todo o conteúdo, uma lista de exercícios (com questões objetivas). E, na seção Auto-avaliação, ao final desta aula, você encontrará mais uma oportunidade para verificar sua aprendizagem e, se necessário, redirecioná-la. Na seção Para consulta, disponibilizamos um material de apoio para uma consulta rápida que lhe auxiliará na resolução de atividades relacionadas com o conteúdo aqui estudado. Saber construir um sistema de coordenadas cartesianas, localizando nesse sistema alguns pontos dados, bem como descrever as coordenadas de pontos situados em planos cartesianos. Saber conceituar relações entre conjuntos, bem como os conjuntos domínio, contradomínio e imagem de uma relação entre dois conjuntos. Saber conceituar função, assim como domínio, contradomínio e imagem de uma função. Saber realizar o estudo do sinal de uma função. Determinar o domínio de uma função real. Objetivo 1

4 Para começo de conversa Na compra de um tecido, o preço a se pagar depende da metragem comprada, ou seja, o preço da compra está em função do comprimento do tecido comprado. Em um termômetro de mercúrio, a temperatura indicada depende da altura atingida pela coluna desse elemento químico, quando esse se dilata, ou seja, a temperatura é dada em função da altura do mercúrio contido em sua coluna central. São muitas as situações do cotidiano nas quais utilizamos o conhecimento intuitivo de função, porém no estudo de funções, precisamos compreender alguns conceitos mais formais. Conceitos esses que veremos nesta aula e na próxima. Vamos começar nossos estudos?

5 yeixo das ordenadas Conhecendo a Linguagem das funções Sistema de coordenadas cartesianas Quando você envia um pela internet ou um torpedo pelo celular, precisa incluir informações sobre o destinatário (a pessoa ou grupo de pessoas) que vai receber a mensagem. Essas informações são as coordenadas para a localização do destinatário. Em outras situações do dia a dia também utilizamos sistemas de coordenadas, como o nome de um bairro, o nome de uma rua e um número nessa rua que indica a localização de um domicílio, por exemplo. Um ponto sobre a superfície terrestre pode ser localizado também por dois números chamados de latitude e de longitude. Do mesmo modo, para localizar um ponto sobre um plano, podemos tomar como base o sistema cartesiano ortogonal de coordenadas. Regime de capitalização O conceito do que chamamos hoje de coordenadas cartesianas já era utilizado por alguns matemáticos, quando René Descartes ( ), ou Cartesius (em latim), o formalizou em sua obra La Géométrie (1637). Plano cartesiano Para localizar um ponto no plano, podemos inserir nesse plano um sistema cartesiano ortogonal de coordenadas chamado comumente de plano cartesiano. O plano cartesiano, como você pode ver no gráfico 1, é formado pela união de dois eixos perpendiculares entre si que se cruzam no ponto O origem de ambos os eixos. O eixo horizontal é chamado de eixo das abscissas, eixo dos x ou eixo OX. O eixo vertical é chamado de eixo das ordenadas, eixo dos y ou eixo OY. II Q º quadrante I Q º quadrante Eixo das abscissas x º quadrante º quadrante III Q IV Q Gráfico 1 Plano Cartesiano

6 Os eixos dividem um plano formando quatro ângulos retos. Cada uma dessas partes do plano é chamada de quadrante. Os quadrantes são enumerados no sentido anti-horário. Temos assim, iniciando do canto superior à direita, primeiro quadrante (I Q), segundo quadrante (II Q), terceiro quadrante (III Q) e quarto quadrante (IV Q). No plano cartesiano, como pode ser visto no gráfico 2, cada ponto P do plano cartesiano é formado por um par ordenado (a; b) de números reais, indicados entre parênteses, que representam a abscissa e a ordenada do ponto, respectivamente. Cada ponto, indicado por um par ordenado de números chamados de coordenadas do ponto. II Q y I Q b P(a;b) a x III Q IV Q Gráfico 2 Localização do ponto P (a; b) Para marcar um ponto P em um plano cartesiano, basta traçar uma perpendicular ao eixo dos y que passa pela abscissa a e uma perpendicular ao eixo dos y que passa pela ordenada b, como pode ser visto no Gráfico 2. As coordenadas do ponto O (origem do plano cartesiano) é (0; 0), ou seja, os dois eixos se encontram no ponto dos eixos onde x = 0 e y = 0. As coordenadas do ponto P, no Gráfico 3, é (4; 3). A abscissa é 4 e a ordenada é 3. Indicamos o ponto por P (4; 3). O primeiro número indica a medida do deslocamento horizontal, a partir da origem, para a direita (se positivo) ou para a esquerda (se negativo). O segundo número indica a medida do deslocamento vertical, a partir da origem, para cima (se positivo) ou para baixo (se negativo). Observe os sinais de x e de y em cada quadrante, no gráfico 3: II Q x < e y > y I Q x > e y > R(;) P(;) x S(;) T(;) x < e y < III Q x > e y < IV Q Gráfico 3 Sinais das coordenadas em cada quadrante

7 Observe com atenção: os pontos que se encontram sobre os eixos cartesianos não pertencem a nenhum quadrante; todo ponto sobre o eixo dos y tem abscissa nula; todo ponto sobre o eixo dos x tem ordenada nula; dois pontos são iguais se as abscissas forem iguais e se as ordenadas forem iguais. Ou seja, (a; b) = (m; n), se, e somente se, a = m e b = n. Veja o exemplo a seguir. Exemplo 1 O ponto A(0; 3) localiza-se sobre o eixo OY, pois tem abscissa nula. O ponto B(1; 0) localiza-se sobre o eixo OX, pois tem ordenada nula. y A(;) B(;) x Gráfico 4 Pontos A e B no plano cartesiano Os pontos A e B não se localizam sobre nenhum quadrante.

8 Praticando Represente, no plano cartesiano, os seguintes pontos: A (0; 0) B ( 5; 0) v C (0; 5) D (3; 2) E (4; 2) F (2; 4) G ( 2; 3) H ( 1; -4) I (3; 0) J (0; 3) x 2. Determine o valor real de m para que o ponto C(8; m 5) se localize sobre o eixo das abscissas. 3. Calcule o valor real de r para que o ponto D( r 2 ; 5) se localize sobre 5 o eixo das ordenadas. 4. Calcule os valores reais de t para que o ponto H 7 5 ; t 2 2 pertença ao 2º quadrante. 5. Calcule entre os números reais os valores de a e de b de modo que pontos M(a 3; 2) e N(2; b + 5) sejam iguais. Responda aqui

9 Produto cartesiano Sendo A e B dois conjuntos não vazios, chamamos de produto cartesiano de A por B o conjunto de todos os pares ordenados de modo que x pertence ao conjunto A e y pertence ao conjunto B. AXB = {(x; y) x A e y B} exemplo Considere os conjuntos A = {1, 2, 3} e B = {5, 7}. Assim, podemos obter os produtos cartesianos AXB, BXA, AXA e BXB como você pode ver a seguir. A B AXB = {(1; 5), (1; 7), (2; 5), (2; 7), (3; 5), (3; 7)} Figura 1 Diagrama do produto cartesiano AXB B A BXA = {(5; 1), (5; 2), (5; 3), (7; 1), (7; 2), (7; 3)} Figura Diagrama do produto cartesiano BXA A A AXA = {(1; 1), (1; 2), (1; 3), (2; 1), (2; 2), (2; 3), (3; 1), (3; 2), (3; 3)} Figura Diagrama do produto cartesiano AXA Matemática a11 7

10 B B BXB = {(5; 5), (5; 7), (7; 5), (7; 7)} Figura Diagrama do produto cartesiano BXB Há duas maneiras de representar o produto cartesiano. Uma delas é a representação por um diagrama, como fi zemos no exemplo 2 ou por uma representação em um plano cartesiano. Veja como fazer uma representação de AXB no plano cartesiano, no exemplo a seguir. exemplo Considere os conjuntos A = {1, 2, 3} e B = {5, 7}. y F G H C D E C (;) D (;) E (;) F (;) G (;) H (;) Temos AXB = {(1; 5), (2; 5), (3; 5), (1; 7), (2; 7), (3; 7)}, como você pode observar no gráfico 5. x Gráfico Produto cartesiano AXB 8 Matemática a11

11 Praticando Complete o quadro com as coordenadas de cada um dos pontos destacados no plano cartesiano do gráfico 6. Ponto Abscissa Ordenada A B C D E F G H I J K L M N P R T H I D E y T J B R P C N G F T A x Gráfico 6 Pontos em um plano cartesiano K L M 2. Construa um plano cartesiano para representar o produto cartesiano CXD, onde C = {1, 3, 5, 7} e D = {0, 2, 4}. Responda aqui

12 Relação entre conjuntos Chama-se relação de A em B qualquer subconjunto do produto cartesiano AXB. Em uma relação R de A em B todo par ordenado tem a forma (a; b), tal que a A e b B. Uma relação de A em B também é chamada de relação binária de A em B. exemplo Considerando os conjuntos A = {1, 2, 3} e B = {5, 7}, o conjunto {(1; 7), (2; 7), (3; 7)} é uma relação, pois é um subconjunto do produto cartesiano AXB. Observe que 1 A, 2 A, 3 A e 7 B. y (;)(;)(;) x Gráfico 7 A relação R 1 no plano cartesiano D(R ) Im(R ) A B Figura Diagrama de R 1 10 Matemática a11

13 Na relação R 1, o conjunto A é chamado de conjunto de partida e o conjunto B, conjunto de chegada ou contradomínio da relação. Os primeiros elemento de cada par ordenado de R 1 formam o domínio da relação, cuja notação é D(R 1 ). Ou seja, D(R 1 ) = {1; 2; 3} = A. Na relação R 1, o conjunto de partida coincide com o domínio da relação. Os segundos elementos de cada par ordenado de R 1 compõem o conjunto-imagem da relação, cuja notação é Im (R 1 ). Ou seja, Im(R 1 ) = {7}. Que tal mais um exemplo? exemplo Considere os conjuntos C = {-2; 0; 1; 2} e D = {0; 2; 3; 4}. Construa o diagrama da relação R 2 = {(x; y) x C e y D, onde y = x 2 }. 1º. Passo: devemos desenhar uma linha circular para cada conjunto e inserir seus elementos correspondentes no interior dessas linhas. C D Figura Diagrama de R 2 º. Passo: indicar com setas as correspondências entre os elementos do domínio da relação e os do conjunto-imagem. Observe que, na relação R 2, o domínio não coincide com o conjunto de partida. O conjunto de partida é C e o domínio de R 2 é D(R 2 ) = { 2, 0, 2}. O conjunto de chegada (ou contradomínio) é D e o conjunto-imagem é Im(R 2 ) = {0, 4}. Matemática a11 11

14 Praticando Determine o domínio, o contradomínio e o conjunto-imagem em cada uma das relações R:A B a seguir, quando: a) A = {1, 2, 3}, B = {-1, 0, 1, 2} e R = {(a; b) AXB b = a 2} b) A = {-1, 0, 1, 2}, B = {0, 1, 2, 3} e R = {(a; b) AXB b = 2 a} c) A = {-1, 0, 1, 2}, B = {0, 1, 2, 3} e R = {(a; b) AXB b = 2 a 2 } d) A = {-1, 0, 1, 2}, B = {0, 1, 2, 4} e R = {(a; b) AXB b = a 2 } e) A = {-1, 0, 1, 2}, B = {0, 1, 2, 3} e R = {(a; b) AXB b = a 2 1} Responda aqui 12

15 Funções no Plano cartesiano Considere os conjuntos A = {1, 2, 3, 4} e B = {8, 9, 10, 11, 12, 13} e a relação de A em B descrita por R 3 = {(1; 8), (2; 9), (3; 9), (4; 10)}. Observe a representação dessa relação no diagrama (Figura 7). A B Figura 7 Diagrama de R 3 Note que todo elemento do conjunto A está relacionado a um único elemento do conjunto B. Com essa característica especial, essa relação é chamada de função. Toda relação de A em B, em que cada elemento do conjunto A é também elemento do domínio da relação e cada um desses elementos se corresponde com um único elemento no conjunto-imagem, é chamada de função de A em B. Ou seja: uma relação em AXB, que associa cada elemento x, do conjunto A, a um único y em B é denominada uma função f de A em B. Uma das notações mais comuns para representar uma função de A em B, é: f: A B. Veja que nem todas as relações são funções, como você pode observar nos dois exemplos a seguir. exemplo Considere os conjuntos A = {1, 2, 3, 4} e B = {5, 6, 7}. A relação R 4 = {(1, 5), (2, 6), (3, 6), (4, 7), (1, 7)} não é uma função em AXB, pois o valor 1 do domínio da relação está associado a dois valores distintos do contradomínio, que são 5 e 7. A B Figura 8 Diagrama de R 4 Matemática a11 1

16 exemplo 7 Seja A = {1, 2, 3, 4} e B = {5, 6, 7}. A relação R 5 = {(1, 5), (2, 6), (4, 7)} não é uma função em AXB, pois nem todos os elementos domínio da relação (o conjunto A) estão associados a elementos do contradomínio (o conjunto B). Veja que o valor 3 (do domínio) não tem correspondente no contradomínio. A B Figura Diagrama de R 5 São três conjuntos especiais associados à função: o domínio, o contradomínio e o conjunto-imagem. O domínio é o conjunto que contém todos os elementos x para os quais a função deve ser definida. O contradomínio é o conjunto que contém os elementos que podem ser relacionados a elementos do domínio. O conjunto-imagem é o conjunto de valores que efetivamente se corresponde com o domínio da função. O conjunto-imagem é um subconjunto do contradomínio. Uma função f: A B continua sendo uma relação, por isso os conceitos de domínio (D), contradomínio (CD) e conjunto-imagem (Im) continuam válidos. Ou seja: se R é uma função f: A B, temos que: o domínio da relação R e da função f é o mesmo conjunto A, ou seja, D(R) = D(f) = A; O contradomínio da relação R e da função f é o conjunto B, ou seja, CD(R) = CD(f) = B. Agora observe os exemplos a seguir. 1 Matemática a11

17 Exemplo 8 Seja a função f: R R definida pela lei de formação f(x) = x + 2. Qual é a imagem de x = 2? O que precisamos determinar é o valor de f( 2), ou seja, o valor da função quando x = 2. Logo, basta substituir o valor de x por 2 e calcular o valor numérico da expressão resultante. Assim: f ( 2) = f( 2) = 0. Ou seja, a imagem de 2 é 0. Exemplo 9 Seja a função f: R R definida pela lei de formação f(x) = x + 2. Qual é o elemento do domínio cuja imagem é igual a 2? O que se quer descobrir nessa questão é qual o valor de x que tem f(x) igual a 2, ou seja: f(x) = 2 x + 2 = 2 x = 2 2 x = 4 O valor do domínio que tem imagem 2 é x = 4. Exemplo 10 O aluguel de imóveis teve reajuste anual de 12%. Qual é a lei de formação da função que calcula o novo valor após o reajuste do aluguel de imóveis? Quanto se pagará mensalmente pelo aluguel de um apartamento cujo contrato previa o pagamento mensal de R$ 300,00, no contrato anterior? 15

18 Podemos calcular o valor após o reajuste multiplicando a taxa de reajuste (12% = 0,12) pelo valor x do aluguel e somando esse produto ao valor original x. Assim, a lei de formação da função do reajuste do aluguel é f(x) = 0,12x + x f(x) = 1,12x. Calcular o novo valor do aluguel é o mesmo que calcular o valor de f(300), ou seja, é a imagem de 300. Assim: f(300) = 1,12 X 300 = 336. O valor a ser pago no novo contrato é R$ 336,00. Praticando Determine a imagem de x = 3 na função real f(x) = x Qual é o elemento do domínio da função f: R R, f(x) = x + 3 que tem imagem igual a 2? 3. Na função f: R R, definida pela lei de formação f(x) = x 5, determine o valor de f Considere os conjuntos A = { 3, 1, 0, 1, 3} e B = { 9, 3, 0, 1, 3, 27}. Determine o domínio, o contradomínio e o conjunto imagem da função f ={(x; y) com x A e y B y = 3x 2 }. 5. Certo modelo de automóvel tem depreciação anual de preço de 10% sobre o preço de compra x. Determine a lei de formação para a função f que calcula o valor do automóvel após depreciação do preço ao final de t anos.. 16

19 Responda aqui f(x) Domínio de uma função real e outras características Em geral, se costuma representar uma função por sua lei de formação uma lei que associa elementos do domínio da função a elementos do contradomínio da função. Costuma-se denotar por f(x) o elemento que a função f associa ao elemento x. Leonhard Euler ( ), médico, teólogo, astrônomo e matemático suíço, desenvolveu, entre outros trabalhos, a idéia de função. Foi o responsável também pela adoção do símbolo f(x) para representar uma função f de x. 17

20 exemplo 11 A função f: R R, tal que f(x) = x + 1 é a função que relaciona todo o valor de x do domínio ao valor x + 1 no contradomínio. R R Figura 10 Diagrama de f(x) = x + 1 exemplo 1 A função f: R R, tal que f(x) = x 2 é a função que relaciona todo o valor de x do conjunto domínio ao valor de seu quadrado (x 2 ) no contradomínio. R R Figura 11 Diagrama de f(x) = x 2 18 Matemática a11

21 Quando queremos garantir que uma relação seja função, devemos definir para essa relação um domínio no qual sua lei de formação tenha sentido, ou seja, um domínio no qual, através dessa lei de formação, cada um dos seus elementos tenha um único correspondente no contradomínio. Em geral, quando não há indicação em contrário, o domínio de uma função f é um subconjunto de R, a não ser nos casos que isso está explicitamente indicado de outra forma. Toda função que tem como domínio um subconjunto de R é chamada de função real. É possível determinar o domínio de uma função real conhecendo apenas a lei de formação dessa função. Quando a variável aparece no denominador ou no radicando de um radical de índice par, na lei de formação da função, temos que lembrar quais são as condições para que essa lei de formação resulte em um número real. Veja mais alguns exemplos: Exemplo 13 Determine o domínio da função real f(x) = x x. Como na expressão x + 1, o denominador tem que ser diferente de zero, 5 x temos: 5 x 0 x 5 x 5 Logo, o domínio da função real f(x) = x x é D (f) = {x R x 5}. Exemplo 14 Determine o domínio da função real f(x) = x 9. Para que o radical x 9 resulte em um número real, o radicando deve ser um número não negativo, ou seja, x 9 0 x 9 A função real f(x) = x 9 tem como domínio o conjunto: D(f)={x R x 9} 19

22 Exemplo 15 Determine o domínio da função real f(x) = x 2 x 4. Como o radical x 4 encontra-se no denominador, o radicando x 4 não pode ser negativo nem nulo. Ou seja, x 4 > 0 x > 4. Assim, D(f) = {x R x > 4} é o domínio da função real f(x) = x 2 x 4. Cada função, nos exemplos a seguir, tem características distintas. As funções apresentam a mesma lei de formação, mas o domínio não é o mesmo. Observe qual é o conjunto imagem em cada exemplo: Exemplo 16 A função f: R R, definida pela lei de formação f(x) = x 2, apresenta D(f) = R, CD(f) = R e Im(f) = R +. Exemplo 17 A função f: [0,2] R, definida pela lei de formação f(x) = x 2, apresenta D(f) = [0,2], CD(f) = R e Im(f) = [0,4]. 20

23 Praticando Dada a função f: R R, tal que f(x) = 3 x, calcule: 1 a) f( 2) b) f( 1) c) f(0) d)f 2 2. Observe o gráfico da função f: A B, em que A = { 2, 1, 0, 1, 2} e B = { 3, 2, 1, 0, 1}. Determine: a) f( 2) b) f( 1) c) f(0) d) f(1) e) f(2) f) 2f( 2) f(2) + f( 1) 3. Considere: f: A B, em que A = { 2, 1, 0, 1, 2} e B = { 3, 2, 1, 0, 1}. Qual o valor do domínio de f possui como imagem o número 4: 4. Determine os valores do domínio da função f: R * R, definida pela lei de formaçãof(x) = x2 + 1 x que possui imagem igual a Determine o domínio de cada função real a seguir: a) f(x) = 3x 5 2 4x b) f(x) = 3x + 15 c)f(x) = 3x x Responda aqui 21

24 Estudo de sinal de uma função Sendo uma função de domínio D, dizemos que: f é positiva para um elemento x, com x D, se, e somente se, f(x) > 0; f é negativa para um elemento x, com x D, se, e somente se, f(x) < 0; f é nula para um elemento x, com x D, se, e somente se, f(x) = 0. Observe que o sinal de f(x) para um elemento x não é o sinal desse elemento x. O sinal de f(x) para um dado elemento x é o sinal da imagem desse elemento. Exemplo 18 Dada a função f: R R, definida pela lei de formação f(x) = 5 x, observe que o sinal da função para x = 0, x = 3 negativo, para x = 5 nulo e para x = 6 positivo. Realizar o estudo do sinal de uma função é analisar para quais valores do domínio a função é positiva, negativa ou nula. Veja o exemplo a seguir. 22

25 Exemplo 19 Considere a função f: R R, tal que f(x) = x 4. Determine o estudo do sinal da função. Para determinar para quais valores do domínio a função assume cada um dos sinais, basta substituir a lei de formação nas seguintes expressões: f(x) > 0, f(x) = 0 e f(x) < 0. Assim: f(x) > 0 x 4 > 0 x > 4 f(x) = 0 x 4 = 0 x = 4 f(x) < 0 x 4 < 0 x < 4 Ou seja, o estudo do sinal da função é: f(x) > 0, quando x > 4 f(x) = 0, quando x = 4 f(x) < 0, quando x < 4 Praticando Determine o sinal da função f: R R, f(x) = x 5, para a) x = 1 b) x = 0 c) x = 2 d) x = 5 e) x = 6 2. Elabore o estudo de sinal da função f: R R, definida pela lei de formação f(x) = x

26 Responda aqui Agora que você resolveu todas as atividades, que tal resolver a lista de exercícios a seguir? 24

27 1. Os valores reais de t para os quais o ponto P (3m 5; 2m + 1) se localiza no terceiro quadrante são a) todos os números reais menores que 5 3. b) todos os números reais maiores que 5 3. c) todos os números reais menores que 1 2. d) todos os números reais maiores que 1 2. m 7. O valor real de m para que o ponto A ; 1 pertença ao eixo das 2 2 ordenadas é a) 1. b) 7. c) 2. d) Os valores reais de t para os quais o ponto B (3t + 15; 4t 2 36) pertença ao eixo das abscissas são a) 1 e 1. b) 2 e 2. c) 3 e 3. d) 5 e 5. 8x 12. O domínio da função real f(x) = é formado por todos os 5x 1 números reais a) maiores que 0,2. b) menores que 0,2. c) maiores que 0,2. d) menores que 0,2. REVISÃO. Um termômetro de parede apresenta as indicações de temperatura conforme o quadro a seguir. A lei de formação da função que relaciona a temperatura (em graus Celsius) e a altura da coluna de mercúrio do termômetro é exercícios a) f(x) = 8x 5 b) f(x) = 8 4x c) f(x) = 8x 12 5x 1 d) f(x) = 5x 12 Temperatura em Altura da coluna graus Celsius em milímetros Matemática a11

28 Resposta Matemática a11

29 Nesta aula, você aprendeu: a utilizar o Sistema de Coordenadas Cartesianas, na localização de pontos; a representar relações entre conjuntos através de um plano cartesiano ou em diagramas de setas; a conceituar e identificar o domínio, o contradomínio e o conjunto-imagem de uma relação entre conjuntos; a conceituar e identificar funções, o domínio, o contradomínio e o conjunto-imagem de uma função e analisar o sinal de uma função. Auto-avaliação 1. Represente, no plano cartesiano, os seguintes pontos: A (0; 4) B ( 6; 0) C (0; 0) D (3; 2) E (5; 3) F ( 1; 6) G ( 2; 3) H (7; 4) I (5; 0) J (0; 6) 2. Calcule o valor real de m para que o ponto C sobre o eixo das abscissas. 7 5 ; 3 + 2m se localize 2 3. Determine o valor real de r para o ponto D (5;3r 2) se localizar sobre o eixo das ordenadas Determine os valores reais de a e de b de modo que: ( 5; 2a + 8) = (b + 5; 2). 5. Determine a imagem de x = 3 na função real f(x) = 2 x Dada a função f: R R tal que f(x) = 5 x, calcule: 1 3f( 5) a) f( 3) b) f(0) c) f d) 2 f(2) + f( 1) 7. Determine o sinal da função f: R R, 2 x f(x) =, para 6 a) x = 1 b) x = 0 c) x = 2 d) x = 5 e) x = 6 27

30 yeixo das ordenadas Para Consulta Sistema de Coordenadas Cartesianas II Q º quadrante I Q º quadrante Eixo das abscissas x º quadrante º quadrante III Q IV Q Gráfico 1 Plano Cartesiano Sinais das coordenadas em cada quadrante II Q x < e y > y I Q x > e y > R(;) P(;) x S(;) T(;) x < e y < III Q x > e y < IV Q Gráfico 3 Sinais das coordenadas em cada quadrante Produto Cartesiano Sendo A e B dois conjuntos não vazios, chamamos de produto cartesiano de A por B o conjunto de todos os pares ordenados de modo que x pertence ao conjunto A e y pertence ao conjunto B. Ou seja, AXB = {(x; y) x A e y B}. Relação entre conjuntos Chama-se relação de A em B qualquer subconjunto do produto cartesiano AXB. Na relação R:A B, o conjunto A é chamado de conjunto de partida e o conjunto B é o conjunto de chegada ou contradomínio da relação. Os primeiros elementos de cada par ordenado de R formam o domínio da 28

31 relação, cuja notação é D(R). Os segundos elementos de cada par ordenado de R compõem o conjunto-imagem da relação, cuja notação é Im(R). Funções no Plano Cartesiano Toda relação de A em B, onde cada elemento do conjunto A é também elemento do domínio da relação e cada um desses elementos se corresponde com um único elemento no conjunto-imagem, é chamada de função de A em B. Ou seja: Uma relação em AXB, que associa cada elemento x, do conjunto A, a um único y em B é denominada uma função f de A em B. Notação: f: A B. São três os conjuntos especiais associados à função: o domínio, o contradomínio e o conjunto-imagem. O domínio é o conjunto que contém todos os elementos x para os quais a função deve ser definida. O contradomínio é o conjunto que contém os elementos que podem ser relacionados a elementos do domínio. O conjunto-imagem como o conjunto de valores que efetivamente se correspondem com o domínio da função. O conjunto-imagem é um subconjunto do contradomínio. Estudo de sinal de uma função Sendo uma função de domínio D, dizemos que: f é positiva para um elemento x, com x D, se, e somente se, f(x) > 0; f é negativa para um elemento x, com x D, se, e somente se, f(x) < 0; f é nula para um elemento x, com x D, se, e somente se, f(x) = 0. Observe que o sinal de f(x) para um elemento x não é o sinal desse elemento x. O sinal de f(x) para um dado elemento x é o sinal da imagem desse elemento. 29

32 Referências BARRETO FILHO, Benigno; SILVA, Cláudio Xavier da. Matemática: aula por aula: ensino médio. São Paulo: FTD, p DANTE, Luiz Roberto. Funções. In: DANTE, Luiz Roberto. Matemática: contexto e aplicações. Ensino Médio. São Paulo: Ática, p PAIVA, Manoel. A linguagem das funções. In: PAIVA, Manoel. Matemática. São Paulo: Moderna, p PEREIRA, Rossana M. M.; SODRÉ, Ulysses Sodré. Ensino médio: relações e funções. Disponível em: < ncoes/ funcoes.htm>. Acesso em: 12 out WIKIPÉDIA. Função. Disponível em: < A7%C3%A3o>. Acesso em: 1 out Anotações 30

33 Anotações 31

34 Anotações 32

35

36

C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O. matemática. Juros Compostos. Elizabete Alves de Freitas

C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O. matemática. Juros Compostos. Elizabete Alves de Freitas C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O 10 matemática Juros Compostos Elizabete Alves de Freitas Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria de Educação

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Sônia Maria de Araújo. Conceito e Formação do Patrimônio Inicial

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Sônia Maria de Araújo. Conceito e Formação do Patrimônio Inicial CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS 02 CONTABILIDADE Conceito e Formação do Patrimônio Inicial Sônia Maria de Araújo Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria de Educação a Distância

Leia mais

matemática Taxa de porcentagem e outros tópicos de matemática financeira Elizabete Alves de Freitas

matemática Taxa de porcentagem e outros tópicos de matemática financeira Elizabete Alves de Freitas C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O 08 matemática Taxa de porcentagem e outros tópicos de matemática financeira Elizabete Alves de Freitas Governo Federal Ministério da Educação

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Sônia Maria de Araújo. Conceito, Débito, Crédito e Saldo. Maria Selma da Costa Cabral

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Sônia Maria de Araújo. Conceito, Débito, Crédito e Saldo. Maria Selma da Costa Cabral CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS 05 CONTABILIDADE Sônia Maria de Araújo Conceito, Débito, Crédito e Saldo Maria Selma da Costa Cabral Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Sônia Maria de Araújo Maria Selma da Costa Cabral. Operações com mercadorias / Preço de vendas

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Sônia Maria de Araújo Maria Selma da Costa Cabral. Operações com mercadorias / Preço de vendas CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS 14 CONTABILIDADE Operações com mercadorias / Preço de vendas Sônia Maria de Araújo Maria Selma da Costa Cabral Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico

Leia mais

INFORMÁTICA I. BrOffi ce Writer Mala Direta e Etiqueta. Raimundo Nonato Camelo Parente

INFORMÁTICA I. BrOffi ce Writer Mala Direta e Etiqueta. Raimundo Nonato Camelo Parente C U R S O T É C N I C O E M O P E R A Ç Õ E S C O M E R C I A I S 13 INFORMÁTICA I BrOffi ce Writer Mala Direta e Etiqueta Raimundo Nonato Camelo Parente Governo Federal Ministério da Educação Projeto

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Sônia Maria de Araújo. Classificação e função das contas

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Sônia Maria de Araújo. Classificação e função das contas CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS 06 CONTABILIDADE Classificação e função das contas Sônia Maria de Araújo Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria de Educação a Distância

Leia mais

C U R S O T É C N I C O E M O P E R A Ç Õ E S C O M E R C I A I S INFORMÁTICA I. BrOffi ce Impress terceira parte. Raimundo Nonato Camelo Parente

C U R S O T É C N I C O E M O P E R A Ç Õ E S C O M E R C I A I S INFORMÁTICA I. BrOffi ce Impress terceira parte. Raimundo Nonato Camelo Parente C U R S O T É C N I C O E M O P E R A Ç Õ E S C O M E R C I A I S 08 INFORMÁTICA I BrOffi ce Impress terceira parte Raimundo Nonato Camelo Parente Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO. Contabilidade. Origem da Contabilidade. Sônia Maria de Araújo

CURSO TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO. Contabilidade. Origem da Contabilidade. Sônia Maria de Araújo CURSO TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO 01 Contabilidade Origem da Contabilidade Sônia Maria de Araújo Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria de Educação a Distância SEDIS equipe sedis

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Sônia Maria de Araújo. Custos. Maria Selma da Costa Cabral

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Sônia Maria de Araújo. Custos. Maria Selma da Costa Cabral CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS 13 CONTABILIDADE Sônia Maria de Araújo Custos Maria Selma da Costa Cabral Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria de Educação a Distância

Leia mais

ESCOLA DR. ALFREDO JOSÉ BALBI UNITAU APOSTILA PROF. CARLINHOS NOME: N O :

ESCOLA DR. ALFREDO JOSÉ BALBI UNITAU APOSTILA PROF. CARLINHOS NOME: N O : ESCOLA DR. ALFREDO JOSÉ BALBI UNITAU APOSTILA INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS FUNÇÕES PROF. CARLINHOS NOME: N O : 1 FUNÇÃO IDÉIA INTUITIVA DE FUNÇÃO O conceito de função é um dos mais importantes da matemática.

Leia mais

CONTABILIDADE. Apuração e Contabilização de Lucro Bruto, Apuração e Contabilização das Provisões. Sônia Maria de Araújo Maria Selma da Costa Cabral

CONTABILIDADE. Apuração e Contabilização de Lucro Bruto, Apuração e Contabilização das Provisões. Sônia Maria de Araújo Maria Selma da Costa Cabral CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS 12 CONTABILIDADE Apuração e Contabilização de Lucro Bruto, Apuração e Contabilização das Provisões Sônia Maria de Araújo Maria Selma da Costa Cabral Governo Federal

Leia mais

FUNÇÃO REAL DE UMA VARIÁVEL REAL

FUNÇÃO REAL DE UMA VARIÁVEL REAL Hewlett-Packard FUNÇÃO REAL DE UMA VARIÁVEL REAL Aulas 01 a 04 Elson Rodrigues, Gabriel Carvalho e Paulo Luís Ano: 2015 Sumário INTRODUÇÃO AO PLANO CARTESIANO... 2 PRODUTO CARTESIANO... 2 Número de elementos

Leia mais

BrOffice Calc Inserindo Funções

BrOffice Calc Inserindo Funções C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O 14 Informática BrOffice Calc Inserindo Funções Raimundo Nonato Camelo Parente Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria

Leia mais

Capítulo 1. x > y ou x < y ou x = y

Capítulo 1. x > y ou x < y ou x = y Capítulo Funções, Plano Cartesiano e Gráfico de Função Ao iniciar o estudo de qualquer tipo de matemática não podemos provar tudo. Cada vez que introduzimos um novo conceito precisamos defini-lo em termos

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Balancete de verificação. Sônia Maria de Araújo

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Balancete de verificação. Sônia Maria de Araújo CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS 09 CONTABILIDADE Balancete de verificação Sônia Maria de Araújo Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria de Educação a Distância SEDIS EQUIPE

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Sônia Maria de Araújo. Planos de Contas

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Sônia Maria de Araújo. Planos de Contas CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS 07 CONTABILIDADE Planos de Contas Sônia Maria de Araújo Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria de Educação a Distância SEDIS EQUIPE SEDIS

Leia mais

C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O. matemática. Regra de três. Elizabete Alves de Freitas

C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O. matemática. Regra de três. Elizabete Alves de Freitas C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O 02 matemática Regra de três Elizabete Alves de Freitas Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria de Educação a

Leia mais

Estudo de funções parte 2

Estudo de funções parte 2 Módulo 2 Unidade 13 Estudo de funções parte 2 Para início de conversa... Taxa de desemprego no Brasil cai a 5,8% em maio A taxa de desempregados no Brasil caiu para 5,8% em maio, depois de registrar 6%

Leia mais

FUNDAMENTOS E PRÁTICAS NA EAD

FUNDAMENTOS E PRÁTICAS NA EAD CURSO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO 03 FUNDAMENTOS E PRÁTICAS NA EAD O que é Educação a Distância Artemilson Alves de Lima Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria de Educação

Leia mais

Estudo de funções parte 2

Estudo de funções parte 2 Módulo 2 Unidade 3 Estudo de funções parte 2 Para início de conversa... Taxa de desemprego no Brasil cai a 5,8% em maio A taxa de desempregados no Brasil caiu para 5,8% em maio, depois de registrar 6%

Leia mais

C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O. matemática. Moeda, câmbio e conversões monetárias. Elizabete Alves de Freitas

C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O. matemática. Moeda, câmbio e conversões monetárias. Elizabete Alves de Freitas C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O 07 matemática Moeda, câmbio e conversões monetárias Elizabete Alves de Freitas Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria

Leia mais

CONTABILIDADE. Atividades de lançamentos, razonetes e balancete. Sônia Maria de Araújo Maria Selma da Costa Cabral

CONTABILIDADE. Atividades de lançamentos, razonetes e balancete. Sônia Maria de Araújo Maria Selma da Costa Cabral CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS 10 CONTABILIDADE Atividades de lançamentos, razonetes e balancete Sônia Maria de Araújo Maria Selma da Costa Cabral Governo Federal Ministério da Educação Projeto

Leia mais

FUNÇÃO DO 1º GRAU. Vamos iniciar o estudo da função do 1º grau, lembrando o que é uma correspondência:

FUNÇÃO DO 1º GRAU. Vamos iniciar o estudo da função do 1º grau, lembrando o que é uma correspondência: FUNÇÃO DO 1º GRAU Vamos iniciar o estudo da função do 1º grau, lembrando o que é uma correspondência: Correspondência: é qualquer conjunto de pares ordenados onde o primeiro elemento pertence ao primeiro

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Escrituração e o Método das Partidas Dobradas. Sônia Maria de Araújo

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Escrituração e o Método das Partidas Dobradas. Sônia Maria de Araújo CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS 08 CONTABILIDADE Escrituração e o Método das Partidas Dobradas Sônia Maria de Araújo Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria de Educação

Leia mais

Pesquisa Operacional. Função Linear - Introdução. Função do 1 Grau. Função Linear - Exemplos Representação no Plano Cartesiano. Prof.

Pesquisa Operacional. Função Linear - Introdução. Função do 1 Grau. Função Linear - Exemplos Representação no Plano Cartesiano. Prof. Pesquisa Operacional Prof. José Luiz Prof. José Luiz Função Linear - Introdução O conceito de função é encontrado em diversos setores da economia, por exemplo, nos valores pagos em um determinado período

Leia mais

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1. MATEMÁTICA I 1 FUNÇÃO DO 1º GRAU

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1. MATEMÁTICA I 1 FUNÇÃO DO 1º GRAU FUNÇÃO IDENTIDADE... FUNÇÃO LINEAR... FUNÇÃO AFIM... GRÁFICO DA FUNÇÃO DO º GRAU... IMAGEM... COEFICIENTES DA FUNÇÃO AFIM... ZERO DA FUNÇÃO AFIM... 8 FUNÇÕES CRESCENTES OU DECRESCENTES... 9 SINAL DE UMA

Leia mais

A função do primeiro grau

A função do primeiro grau Módulo 1 Unidade 9 A função do primeiro grau Para início de conversa... Já abordamos anteriormente o conceito de função. Mas, a fim de facilitar e aprofundar o seu entendimento, vamos estudar algumas funções

Leia mais

A noção de função é imprescindível no decorrer do estudo de Cálculo e para se estabelecer essa noção tornam-se necessários:

A noção de função é imprescindível no decorrer do estudo de Cálculo e para se estabelecer essa noção tornam-se necessários: 1 1.1 Função Real de Variável Real A noção de função é imprescindível no decorrer do estudo de Cálculo e para se estabelecer essa noção tornam-se necessários: 1. Um conjunto não vazio para ser o domínio;

Leia mais

Lógica Matemática e Computacional 5 FUNÇÃO

Lógica Matemática e Computacional 5 FUNÇÃO 5 FUNÇÃO 5.1 Introdução O conceito de função fundamenta o tratamento científico de problemas porque descreve e formaliza a relação estabelecida entre as grandezas que o integram. O rigor da linguagem e

Leia mais

Uma lei que associa mais de um valor y a um valor x é uma relação, mas não uma função. O contrário é verdadeiro (isto é, toda função é uma relação).

Uma lei que associa mais de um valor y a um valor x é uma relação, mas não uma função. O contrário é verdadeiro (isto é, toda função é uma relação). 5. FUNÇÕES DE UMA VARIÁVEL 5.1. INTRODUÇÃO Devemos compreender função como uma lei que associa um valor x pertencente a um conjunto A a um único valor y pertencente a um conjunto B, ao que denotamos por

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO PFV - GABARITO

EXERCÍCIOS DE REVISÃO PFV - GABARITO COLÉGIO PEDRO II - CAMPUS SÃO CRISTÓVÃO III 1ª SÉRIE MATEMÁTICA I PROF MARCOS EXERCÍCIOS DE REVISÃO PFV - GABARITO 1 wwwprofessorwaltertadeumatbr 1) Seja f uma função de N em N definida por f(n) 10 n Escreva

Leia mais

Maia Vest. Denominamos o fator de base e de expoente; é a n-ésima potência de. Portanto, potência é um produto de fatores iguais.

Maia Vest. Denominamos o fator de base e de expoente; é a n-ésima potência de. Portanto, potência é um produto de fatores iguais. Maia Vest Disciplina: Matemática Professor: Adriano Mariano FUNÇÃO EXPONENCIAL Revisão sobre potenciação Potência de expoente natural Sendo a um número real e n um número natural maior ou igual a 2, definimos

Leia mais

Funções e Aplicações. Ministrado por Bruno Tenório da S Lopes Coordenado por Profa Dra Edna Maura Zuffi

Funções e Aplicações. Ministrado por Bruno Tenório da S Lopes Coordenado por Profa Dra Edna Maura Zuffi Funções e Aplicações Ministrado por Bruno Tenório da S Lopes Coordenado por Profa Dra Edna Maura Zuffi Maio de 2011 Índice 1 - Conjuntos Numéricos... 4 Intervalos... 5 Intervalos finitos... 5 Intervalos

Leia mais

Funções algébricas do 1º grau. Maurício Bezerra Bandeira Junior

Funções algébricas do 1º grau. Maurício Bezerra Bandeira Junior Maurício Bezerra Bandeira Junior Definição Chama-se função polinomial do 1º grau, ou função afim, a qualquer função f de IR em IR dada por uma lei da forma f(x) = ax + b, onde a e b são números reais dados

Leia mais

Função. Definição formal: Considere dois conjuntos: o conjunto X com elementos x e o conjunto Y com elementos y. Isto é:

Função. Definição formal: Considere dois conjuntos: o conjunto X com elementos x e o conjunto Y com elementos y. Isto é: Função Toda vez que temos dois conjuntos e algum tipo de associação entre eles, que faça corresponder a todo elemento do primeiro conjunto um único elemento do segundo, ocorre uma função. Definição formal:

Leia mais

Instrumentação para o Ensino de Geografia II DISCIPLINA. Um pouco mais sobre a Água. Autora. Sandra Kelly de Araújo. aula

Instrumentação para o Ensino de Geografia II DISCIPLINA. Um pouco mais sobre a Água. Autora. Sandra Kelly de Araújo. aula DISCIPLINA Instrumentação para o Ensino de Geografia II Um pouco mais sobre a Água Autora Sandra Kelly de Araújo aula 10 Governo Federal Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Educação

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina0.com.br Funções Reais CÁLCULO VOLUME ZERO - Neste capítulo, estudaremos as protagonistas do longa metragem

Leia mais

C U R S O T É C N I C O E M O P E R A Ç Õ E S C O M E R C I A I S INFORMÁTICA I. Raimundo Nonato Camelo Parente. BrOffice Impress primeira parte

C U R S O T É C N I C O E M O P E R A Ç Õ E S C O M E R C I A I S INFORMÁTICA I. Raimundo Nonato Camelo Parente. BrOffice Impress primeira parte C U R S O T É C N I C O E M O P E R A Ç Õ E S C O M E R C I A I S 06 INFORMÁTICA I BrOffice Impress primeira parte Raimundo Nonato Camelo Parente Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico

Leia mais

EMPREENDEDORISMO NO AGRONEGÓCIO

EMPREENDEDORISMO NO AGRONEGÓCIO CURSO TÉCNICO EM PESCA 05 EMPREENDEDORISMO NO AGRONEGÓCIO Cadeia produtiva da pesca/aquicultura e Arranjos Produtivos Locais Soniamar Zschornack Rodrigues Saraiva Governo Federal Ministério da Educação

Leia mais

Só Matemática O seu portal matemático http://www.somatematica.com.br FUNÇÕES

Só Matemática O seu portal matemático http://www.somatematica.com.br FUNÇÕES FUNÇÕES O conceito de função é um dos mais importantes em toda a matemática. O conceito básico de função é o seguinte: toda vez que temos dois conjuntos e algum tipo de associação entre eles, que faça

Leia mais

Empreendedorismo no Agronegócio

Empreendedorismo no Agronegócio CURSO TÉCNICO EM PESCA 09 Empreendedorismo no Agronegócio O que é Marketing? Soniamar Zschornack Rodrigues Saraiva Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria de Educação a Distância

Leia mais

Módulo de Geometria Anaĺıtica Parte 2. Distância entre Ponto e Reta. Professores Tiago Miranda e Cleber Assis

Módulo de Geometria Anaĺıtica Parte 2. Distância entre Ponto e Reta. Professores Tiago Miranda e Cleber Assis Módulo de Geometria Anaĺıtica Parte Distância entre Ponto e Reta a série E.M. Professores Tiago Miranda e Cleber Assis Geometria Analítica Parte Distância entre Ponto e Reta 1 Exercícios Introdutórios

Leia mais

Objetivos. Apresentar as superfícies regradas e superfícies de revolução. Analisar as propriedades que caracterizam as superfícies regradas e

Objetivos. Apresentar as superfícies regradas e superfícies de revolução. Analisar as propriedades que caracterizam as superfícies regradas e MÓDULO 2 - AULA 13 Aula 13 Superfícies regradas e de revolução Objetivos Apresentar as superfícies regradas e superfícies de revolução. Analisar as propriedades que caracterizam as superfícies regradas

Leia mais

Departamento de Matemática - UEL - 2010. Ulysses Sodré. http://www.mat.uel.br/matessencial/ Arquivo: minimaxi.tex - Londrina-PR, 29 de Junho de 2010.

Departamento de Matemática - UEL - 2010. Ulysses Sodré. http://www.mat.uel.br/matessencial/ Arquivo: minimaxi.tex - Londrina-PR, 29 de Junho de 2010. Matemática Essencial Extremos de funções reais Departamento de Matemática - UEL - 2010 Conteúdo Ulysses Sodré http://www.mat.uel.br/matessencial/ Arquivo: minimaxi.tex - Londrina-PR, 29 de Junho de 2010.

Leia mais

FUNÇÃO COMO CONJUNTO R 1. (*)= ou, seja, * possui duas imagens. b) não é uma função de A em B, pois não satisfaz a segunda condição da

FUNÇÃO COMO CONJUNTO R 1. (*)= ou, seja, * possui duas imagens. b) não é uma função de A em B, pois não satisfaz a segunda condição da FUNÇÃO COMO CONJUNTO Definição 4.4 Seja f uma relação de A em B, dizemos que f é uma função de A em B se as duas condições a seguir forem satisfeitas: i) D(f) = A, ou seja, o domínio de f é o conjunto

Leia mais

FUNDAMENTOS E PRÁTICAS NA EAD

FUNDAMENTOS E PRÁTICAS NA EAD CURSO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO 06 FUNDAMENTOS E PRÁTICAS NA EAD Professores, Tutores e Alunos de Educação a Distância Artemilson Alves de Lima Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico

Leia mais

Conjuntos numéricos. Notasdeaula. Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming. Dr. Régis Quadros

Conjuntos numéricos. Notasdeaula. Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming. Dr. Régis Quadros Conjuntos numéricos Notasdeaula Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming Dr. Régis Quadros Conjuntos numéricos Os primeiros conjuntos numéricos conhecidos pela humanidade são os chamados inteiros positivos

Leia mais

PARTE 2 FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL

PARTE 2 FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL PARTE FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL.1 Funções Vetoriais de Uma Variável Real Vamos agora tratar de um caso particular de funções vetoriais F : Dom(f R n R m, que são as funções vetoriais de uma

Leia mais

ESCOLA DR. ALFREDO JOSÉ BALBI UNITAU APOSTILA PROF. CARLINHOS NOME: N O :

ESCOLA DR. ALFREDO JOSÉ BALBI UNITAU APOSTILA PROF. CARLINHOS NOME: N O : ESCOLA DR. ALFREDO JOSÉ BALBI UNITAU APOSTILA FUNÇÃO DO 1º GRAU PROF. CARLINHOS NOME: N O : 1 FUNÇÃO DO 1º GRAU DEFINIÇÃO Chama-se função do 1. grau toda função definida de por f() = a b com a, b e a 0.

Leia mais

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel. Matemática Essencial Equações do Primeiro grau Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.br/matessencial/ Resumo: Notas de

Leia mais

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea 2 O objetivo geral desse curso de Cálculo será o de estudar dois conceitos básicos: a Derivada e a Integral. No decorrer do curso esses dois conceitos, embora motivados de formas distintas, serão por mais

Leia mais

Teorema de Pitágoras. Módulo 1 Unidade 10. Para início de conversa... Matemática e Suas Tecnologias Matemática 1

Teorema de Pitágoras. Módulo 1 Unidade 10. Para início de conversa... Matemática e Suas Tecnologias Matemática 1 Módulo 1 Unidade 10 Teorema de Pitágoras Para início de conversa... Certamente, você já deve ter ouvido falar no Teorema de Pitágoras. Pois bem, nesta unidade, ele será o centro das atenções, mas vamos

Leia mais

Empreendedorismo no Agronegócio

Empreendedorismo no Agronegócio C U R S O T É C N I C O E M P E S C A 07 Empreendedorismo no Agronegócio Planejando uma Pesquisa de Mercado Soniamar Zschornack Rodrigues Saraiva Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico

Leia mais

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel. 04-98/4-98 Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Podemos epressar o produto de quatro fatores iguais a.... por meio de uma potência de base e epoente

Leia mais

Conceitos Fundamentais

Conceitos Fundamentais Capítulo 1 Conceitos Fundamentais Objetivos: No final do Capítulo o aluno deve saber: 1. distinguir o uso de vetores na Física e na Matemática; 2. resolver sistema lineares pelo método de Gauss-Jordan;

Leia mais

VERSÃO DO PROFESSOR INFORMÁTICA. BrOffi ce Impress primeira parte. Raimundo Nonato Camelo Parente

VERSÃO DO PROFESSOR INFORMÁTICA. BrOffi ce Impress primeira parte. Raimundo Nonato Camelo Parente Material APROVADO (conteúdo e imagens) Data: / / Nome: VERSÃO DO C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O 06 INFORMÁTICA BrOffi ce Impress primeira parte Raimundo Nonato Camelo

Leia mais

DISCIPLINA SÉRIE CAMPO CONCEITO

DISCIPLINA SÉRIE CAMPO CONCEITO Reforço escolar M ate mática Acertando o ponto! Dinâmica 2 9º ano 3º Bimestre DISCIPLINA SÉRIE CAMPO CONCEITO Matemática Ensino Fundamental 9ª Algébrico simbólico Funções Aluno Primeira Etapa Compartilhar

Leia mais

PROJETO SALA DE AULA

PROJETO SALA DE AULA PROJETO SALA DE AULA 1. Identificação: Título: APRENDENDO FUNÇÕES BRINCANDO Série: 1º série do Ensino Fundamental Softwares Necessários: Cabri-Géomètre, Jogos de Funções e Graphmatica Tempo previsto: Seis

Leia mais

Raciocínio Lógico Matemático Caderno 1

Raciocínio Lógico Matemático Caderno 1 Raciocínio Lógico Matemático Caderno 1 Índice Pg. Números Naturais... 02 Números Inteiros... 06 Números Racionais... 23 Números Decimais... - Dízimas Periódicas... - Expressões Numéricas... - Divisibilidade...

Leia mais

APLICAÇÕES DA DERIVADA

APLICAÇÕES DA DERIVADA Notas de Aula: Aplicações das Derivadas APLICAÇÕES DA DERIVADA Vimos, na seção anterior, que a derivada de uma função pode ser interpretada como o coeficiente angular da reta tangente ao seu gráfico. Nesta,

Leia mais

Bem, produto interno serve para determinar ângulos e distâncias entre vetores e é representado por produto interno de v com w).

Bem, produto interno serve para determinar ângulos e distâncias entre vetores e é representado por produto interno de v com w). Produto Interno INTRODUÇÃO Galera, vamos aprender agora as definições e as aplicações de Produto Interno. Essa matéria não é difícil, mas para ter segurança nela é necessário que o aluno tenha certa bagagem

Leia mais

Lista 2 - Vetores II. Prof. Edu Física 2. O que é necessário para determinar (caracterizar) uma: a) grandeza escalar? b) grandeza vetorial?

Lista 2 - Vetores II. Prof. Edu Física 2. O que é necessário para determinar (caracterizar) uma: a) grandeza escalar? b) grandeza vetorial? Lista 2 - Vetores II O que é necessário para determinar (caracterizar) uma: a) grandeza escalar? grandeza vetorial?. Em que consiste a orientação espacial? 2. lassifique os itens abaixo em grandeza escalar

Leia mais

UNIDADE 3 FUNÇÕES OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM

UNIDADE 3 FUNÇÕES OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM Unidade 2 Matrizes e Sistemas de Equações Apresentação Lineares UNIDADE 3 FUNÇÕES OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM Ao finalizar esta Unidade você deverá ser capaz de: Descrever e comentar possibilidades

Leia mais

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 3

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 3 Linhas de Força Mencionamos na aula passada que o físico inglês Michael Faraday (79-867) introduziu o conceito de linha de força para visualizar a interação elétrica entre duas cargas. Para Faraday, as

Leia mais

4Distribuição de. freqüência

4Distribuição de. freqüência 4Distribuição de freqüência O objetivo desta Unidade é partir dos dados brutos, isto é, desorganizados, para uma apresentação formal. Nesse percurso, seção 1, destacaremos a diferença entre tabela primitiva

Leia mais

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas CONSTRUINDO CONCEITOS SOBRE FAMÍLIA DE FUNÇÕES POLINOMIAL DO 1º GRAU COM USO DO WINPLOT Tecnologias da Informação e Comunicação e Educação Matemática (TICEM) GT 06 MARCOS ANTONIO HELENO DUARTE Secretaria

Leia mais

ENSINO DA FUNÇÃO AFIM

ENSINO DA FUNÇÃO AFIM Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa (PROPEP) Programa de Pós-Graduação em Ensino das Ciências Mestrado Profissional em Ensino das Ciências na Educação Básica ENSINO DA FUNÇÃO AFIM Apostila Autores

Leia mais

Equações do segundo grau

Equações do segundo grau Módulo 1 Unidade 4 Equações do segundo grau Para início de conversa... Nesta unidade, vamos avançar um pouco mais nas resoluções de equações. Na unidade anterior, você estudou sobre as equações de primeiro

Leia mais

FUNDAMENTOS E PRÁTICAS NA EAD

FUNDAMENTOS E PRÁTICAS NA EAD CURSO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO 02 FUNDAMENTOS E PRÁTICAS NA EAD As tecnologias da informação e da comunicação no nosso cotidiano Artemilson Alves de Lima Governo Federal Ministério da Educação

Leia mais

FEPI FUNDAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA DE ITAJUBÁ UNIVERSITAS CENTRO UNIVERSITÁRIO DEITAJUBÁ CÁLCULO 1. Prof. William Mascia Resende. Engenharia Elétrica

FEPI FUNDAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA DE ITAJUBÁ UNIVERSITAS CENTRO UNIVERSITÁRIO DEITAJUBÁ CÁLCULO 1. Prof. William Mascia Resende. Engenharia Elétrica FEPI FUNDAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA DE ITAJUBÁ UNIVERSITAS CENTRO UNIVERSITÁRIO DEITAJUBÁ CÁLCULO 1 Prof. William Mascia Resende Engenharia Elétrica ITAJUBÁ 2013 CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ITAJUBÁ Curso: Engenharia

Leia mais

São grandezas que para que a gente possa descrever 100%, basta dizer um número e a sua unidade.

São grandezas que para que a gente possa descrever 100%, basta dizer um número e a sua unidade. Apostila de Vetores 1 INTRODUÇÃO Fala, galera! Essa é a primeira apostila do conteúdo de Física I. Os assuntos cobrados nas P1s são: Vetores, Cinemática Uni e Bidimensional, Leis de Newton, Conservação

Leia mais

Gráfico: O gráfico de uma função quadrática é uma parábola. Exemplos: 1) f(x) = x 2 + x -3-2 -1-1/2 1 3/2 2. 2) y = -x 2 + 1 -3-2 -1

Gráfico: O gráfico de uma função quadrática é uma parábola. Exemplos: 1) f(x) = x 2 + x -3-2 -1-1/2 1 3/2 2. 2) y = -x 2 + 1 -3-2 -1 Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 1º semestre 2015 Profa Olga Função Quadrática Uma função f : R R chama-se função quadrática quando existem números reais a, b e c, com a 0, tais que f(x) = ax 2 + bx

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I 1) Considerações gerais sobre os conjuntos numéricos. Ao iniciar o estudo de qualquer tipo de matemática não podemos provar tudo. Cada vez que introduzimos um novo conceito precisamos defini-lo em termos

Leia mais

Equações do primeiro grau

Equações do primeiro grau Módulo 1 Unidade 3 Equações do primeiro grau Para início de conversa... Você tem um telefone celular ou conhece alguém que tenha? Você sabia que o telefone celular é um dos meios de comunicação que mais

Leia mais

2. Estude o sinal da função f cujo gráfico é a reta de inclinação 3 e que passa pelo ponto ( 5, 2).

2. Estude o sinal da função f cujo gráfico é a reta de inclinação 3 e que passa pelo ponto ( 5, 2). MAT1157 Cálculo a uma Variável A - 2014.1 Lista de Exercícios 7 PUC-Rio Função afim: 1. (a) Qual é a inclinação de uma reta horizontal (paralela ao eixo-x)? (b) Qual é a expressão da função cujo gráfico

Leia mais

9 é MATEMÁTICA. 26. O algarismo das unidades de (A) 0. (B) 1. (C) 3. (D) 6. (E) 9.

9 é MATEMÁTICA. 26. O algarismo das unidades de (A) 0. (B) 1. (C) 3. (D) 6. (E) 9. MATEMÁTICA 6. O algarismo das unidades de (A) 0. (B) 1. (C) 3. (D) 6. (E) 9. 10 9 é 7. A atmosfera terrestre contém 1.900 quilômetros cúbicos de água. Esse valor corresponde, em litros, a (A) (B) (C) (D)

Leia mais

4.2 Produto Vetorial. Orientação sobre uma reta r

4.2 Produto Vetorial. Orientação sobre uma reta r 94 4. Produto Vetorial Dados dois vetores u e v no espaço, vamos definir um novo vetor, ortogonal a u e v, denotado por u v (ou u v, em outros textos) e denominado produto vetorial de u e v. Mas antes,

Leia mais

Lista de Exercícios 03

Lista de Exercícios 03 Lista de Exercícios 03 Aplicações das relações e funções no cotidiano Ao lermos um jornal ou uma revista, diariamente nos deparamos com gráficos, tabelas e ilustrações. Estes, são instrumentos muito utilizados

Leia mais

RODA DE BICICLETA, BAMBOLÊ OU CICLO TRIGONOMÉTRICO?

RODA DE BICICLETA, BAMBOLÊ OU CICLO TRIGONOMÉTRICO? RODA DE BICICLETA, BAMBOLÊ OU CICLO TRIGONOMÉTRICO? Lessandra Marcelly Sousa da Silva Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho lessandramarcelly@gmail.com Resumo: Este trabalho é um relato

Leia mais

Cálculo I -A- Humberto José Bortolossi. Parte 1 Versão 0.9. [Folha 1] Departamento de Matemática Aplicada Universidade Federal Fluminense

Cálculo I -A- Humberto José Bortolossi. Parte 1 Versão 0.9. [Folha 1] Departamento de Matemática Aplicada Universidade Federal Fluminense [Folha 1] Cálculo I -A- Humberto José Bortolossi Departamento de Matemática Aplicada Universidade Federal Fluminense Parte 1 Versão 0.9 Parte 1 Cálculo I -A- 1 Conteúdo do curso [Folha 2] Apresentação

Leia mais

Computação Gráfica Interativa

Computação Gráfica Interativa Computação Gráfica Interativa conceitos, fundamentos geométricos e algoritmos 1. Introdução Computação Gráfica é a criação, armazenamento e a manipulação de modelos de objetos e suas imagens pelo computador.

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Situações Líquidas ou Patrimônio Líquido e as Variações Patrimoniais. Sônia Maria de Araújo

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Situações Líquidas ou Patrimônio Líquido e as Variações Patrimoniais. Sônia Maria de Araújo CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS 04 CONTABILIDADE Situações Líquidas ou Patrimônio Líquido e as Variações Patrimoniais Sônia Maria de Araújo Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico

Leia mais

FUNÇÕES AULA 2 DO PLANO DE

FUNÇÕES AULA 2 DO PLANO DE Matemática Tema 2 Professora: Rosa Canelas FUNÇÕES AULA 2 DO PLANO DE TRABALHO Nº1 FUNÇÃO - DEFINIÇÃO Uma função é uma relação entre duas variáveis em que a cada valor da primeira, a variável independente,

Leia mais

Conhecendo um pouco de matrizes e determinantes

Conhecendo um pouco de matrizes e determinantes Módulo 3 Unidade 29 Conhecendo um pouco de matrizes e determinantes Para início de conversa... Frequentemente em jornais, revistas e também na Internet encontramos informações numéricas organizadas na

Leia mais

Tópico 3. Limites e continuidade de uma função (Parte 2)

Tópico 3. Limites e continuidade de uma função (Parte 2) Tópico 3. Limites e continuidade de uma função (Parte 2) Nessa aula continuaremos nosso estudo sobre limites de funções. Analisaremos o limite de funções quando o x ± (infinito). Utilizaremos o conceito

Leia mais

Aula 17 GRANDEZAS ESCALARES E VETORIAIS. META Apresentar as grandezas vetoriais e seu signifi cado

Aula 17 GRANDEZAS ESCALARES E VETORIAIS. META Apresentar as grandezas vetoriais e seu signifi cado GRANDEZAS ESCALARES E VETORIAIS META Apresentar as grandezas vetoriais e seu signifi cado OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno deverá: Diferenciar grandezas escalares e vetoriais; compreender a notação

Leia mais

x0 = 1 x n = 3x n 1 x k x k 1 Quantas são as sequências com n letras, cada uma igual a a, b ou c, de modo que não há duas letras a seguidas?

x0 = 1 x n = 3x n 1 x k x k 1 Quantas são as sequências com n letras, cada uma igual a a, b ou c, de modo que não há duas letras a seguidas? Recorrências Muitas vezes não é possível resolver problemas de contagem diretamente combinando os princípios aditivo e multiplicativo. Para resolver esses problemas recorremos a outros recursos: as recursões

Leia mais

Movimentos Periódicos: representação vetorial

Movimentos Periódicos: representação vetorial Aula 5 00 Movimentos Periódicos: representação vetorial A experiência mostra que uma das maneiras mais úteis de descrever o movimento harmônico simples é representando-o como uma projeção perpendicular

Leia mais

Fundamentos da Matemática Fernando Torres. Números Complexos. Gabriel Tebaldi Santos RA: 160508

Fundamentos da Matemática Fernando Torres. Números Complexos. Gabriel Tebaldi Santos RA: 160508 Fundamentos da Matemática Fernando Torres Números Complexos Gabriel Tebaldi Santos RA: 160508 Sumário 1. História...3 2.Introdução...4 3. A origem de i ao quadrado igual a -1...7 4. Adição, subtração,

Leia mais

2. Função polinomial do 2 o grau

2. Função polinomial do 2 o grau 2. Função polinomial do 2 o grau Uma função f: IR IR que associa a cada IR o número y=f()=a 2 +b+c com a,b,c IR e a0 é denominada função polinomial do 2 o grau ou função quadrática. Forma fatorada: a(-r

Leia mais

Funções. Funções. Você, ao longo do curso, quando apresentado às disciplinas de Economia, terá oportunidade de fazer aplicações nos cálculos

Funções. Funções. Você, ao longo do curso, quando apresentado às disciplinas de Economia, terá oportunidade de fazer aplicações nos cálculos Funções Funções Um dos conceitos mais importantes da matemática é o conceito de função. Em muitas situações práticas, o valor de uma quantidade pode depender do valor de uma segunda. A procura de carne

Leia mais

SESSÃO 5: DECLINAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO

SESSÃO 5: DECLINAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO SESSÃO 5: DECLINAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO Respostas breves: 1.1) 9,063 N 1.2) norte, pois é positiva. 1.3) São José (Costa Rica). 2) Não, porque Santa Maria não está localizada sobre ou entre os dois

Leia mais

Geometria Analítica. Katia Frensel - Jorge Delgado. NEAD - Núcleo de Educação a Distância. Curso de Licenciatura em Matemática UFMA

Geometria Analítica. Katia Frensel - Jorge Delgado. NEAD - Núcleo de Educação a Distância. Curso de Licenciatura em Matemática UFMA Geometria Analítica NEAD - Núcleo de Educação a Distância Curso de Licenciatura em Matemática UFMA Katia Frensel - Jorge Delgado Março, 011 ii Geometria Analítica Conteúdo Prefácio ix 1 Coordenadas na

Leia mais

7 AULA. Curvas Polares LIVRO. META Estudar as curvas planas em coordenadas polares (Curvas Polares).

7 AULA. Curvas Polares LIVRO. META Estudar as curvas planas em coordenadas polares (Curvas Polares). 1 LIVRO Curvas Polares 7 AULA META Estudar as curvas planas em coordenadas polares (Curvas Polares). OBJETIVOS Estudar movimentos de partículas no plano. Cálculos com curvas planas em coordenadas polares.

Leia mais

EMPREENDEDORISMO NO AGRONEGÓCIO

EMPREENDEDORISMO NO AGRONEGÓCIO CURSO TÉCNICO EM PESCA 14 EMPREENDEDORISMO NO AGRONEGÓCIO Elaborando um Plano de Negócios: O plano financeiro Soniamar Zschornack Rodrigues Saraiva Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico

Leia mais

GRÁFICOS E ANIMAÇÕES: UMA ESTRATÉGIA PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DE FUNÇÕES

GRÁFICOS E ANIMAÇÕES: UMA ESTRATÉGIA PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DE FUNÇÕES GRÁFICOS E ANIMAÇÕES: UMA ESTRATÉGIA PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DE FUNÇÕES Dircélia dos Santos Universidade Federal do Rio Grande do Sul dirceliafg@yahoo.com.br Elisabeta D' Elia Gallicchio Universidade

Leia mais

Correlação e Regressão Linear

Correlação e Regressão Linear Correlação e Regressão Linear A medida de correlação é o tipo de medida que se usa quando se quer saber se duas variáveis possuem algum tipo de relação, de maneira que quando uma varia a outra varia também.

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Médio Etec PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: : SÃO CARLOS Área de conhecimento:ciencias DA NATUREZA, MATEMATICA E SUAS TECNOLOGIAS Componente Curricular: : MATEMATICA

Leia mais

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA UNIDADE MARICÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS MATEMÁTICA 2 PROF. ILYDIO PEREIRA DE SÁ

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA UNIDADE MARICÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS MATEMÁTICA 2 PROF. ILYDIO PEREIRA DE SÁ UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA UNIDADE MARICÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS 1 MATEMÁTICA PROF. ILYDIO PEREIRA DE SÁ ESTUDO DAS DERIVADAS (CONCEITO E APLICAÇÕES) No presente capítulo, estudaremos as

Leia mais