Bibliotecas escolares RBE Relatório de auto- avaliação Domínio A

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Bibliotecas escolares RBE Relatório de auto- avaliação Domínio A"

Transcrição

1 Contexto e caracterização 1. Contexto 1.1 Escola/agrupamento Escola Básica Integrada de Apúlia 1.2 Endereço Av. Da Praia s/n 1.3 Oferta Curricular Bibliotecas escolares RBE Relatório de auto- avaliação Domínio A º,2º,3º ciclos; CEF tipo II; EFA 1.4. Dados Escolares Taxa média de transição/conclusão 90% Taxa de abandono escolar 0,40% Nº de alunos com apoios educativos Intervenientes no processo de auto- avaliação Ano / Ciclo de Ensino N.º de Alunos N.º de intervenientes % (autom.) Pré- Escolar 0 0 0% 1.º Ano 9 0 0% 2.º Ano % 3.º Ano % 4.º Ano % Total 1.º Ciclo 40 5.º Ano ,16% 6.º Ano ,00% Total 2.º Ciclo º Ano ,71% 8.º Ano ,33% 9.º Ano ,41% Total 3.º Ciclo º Ano 0 0 0% 11.º Ano 0 0 0% 12.º Ano 0 0 0% Total Ensino Secundário 0 0 Outros cursos (CEF, EFA, ) ,33%

2 Total Departamento/ outros intervenientes com funções pedagógicas N.º de Docentes N.º de inquiridos 1º ciclo ,00% Ciências Sociais e Humanas ,00% Expressões ,67% Matemática e Ciências Exper ,00% Línguas ,71% % (automático) Pais/ encarregados de educação Total N.º N.º de inquiridos % (automático) Outros a definir N.º N.º de inquiridos % (automático)

3 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE APÚLIA BIBLIOTECA ESCOLAR RELATÓRIO DE AUTO- AVALIAÇÃO

4 Secção A APOIO AO DESENVOLVIMENTO CURRICULAR A.1 Articulação da BE com a escola/agrupamento. Acesso e serviços prestados pela BE. A.1.1 Cooperação da BE com as estruturas de coordenação educativa e supervisão pedagógica da escola/agrupamento A Coordenadora da BE promoveu encontros, ao longo do ano lectivo, com a Coordenadora de Projectos, professores Coordenadores de Departamento, professores das diferentes disciplinas e coordenadora do 1º ciclo, no sentido de se integrar no projecto educativo, nos planos de actividades e articular os curriculos com actividades e uso do fundo documental da BE. A BE foi razoavelmente rentabilizada pelos docentes no âmbito das suas actividades lectivas:. 25% dos docentes inquiridos (de todas as areas curriculares) utiliza a BE ou os seus recursos no âmbito das suas funções docentes; 37.5% fá- lo uma ou duas vezes por mês.. O grupo disciplinar de Língua Portuguesa, o pré escolar e o 1º ciclo (de todo o Agrupamento) utilizam regularmente o fundo documental da Biblioteca.. Todos os grupos disciplinares colaboraram na construção de um dossier informatizado com materiais de apoio às suas disciplinas. 37.5% dos professores inquiridos diz que costuma articular/planear actividades com o professor bibliotecário regularmente; 56,25 fá- lo ocasionalmente. 53,3% essa articulação acontece enquanto docente titular de turma/área disciplinar % dos professores inquiridos já colaborou com a BE na realização de actividades na BE ou em sala de aula com um grupo/turma No presente ano lectivo sentiu- se uma maior rentabilização da BE por parte dos docentes, no âmbito das suas actividades lectivas; Boa articulação com o Departamento de Línguas e 1º ciclo Existência de dossiers temáticos em formato digital, de apoio ao curriculo Pontos fracos identificados A articulação que existe entre a BE e os Departamentos ainda não é visível nas suas planificações. Poucos projectos curriculares referem a utilização da BE Fraca articulação com os CEF A.1.2 Parceria da BE com os docentes responsáveis pelas áreas curriculares não disciplinares (ACND) da escola/agrupamento A BE programou com alguns docentes responsáveis o apoio às áreas de Projecto e Formação Cívica, como se pode confirmar pelo inquérito:.20% dos professores inquiridos afirma articular actividades com a BE, enquanto docentes de Área de Projecto;

5 . 44.4% fá- lo enquanto docente de Formação Cívica. Houve articulação proveitosa com a Área de Projecto no desenvolvimento das actividades no âmbito do projecto A União Europeia. Os recursos da BE foram razoavelmente rentabilizados no apoio ao estudo, nomeadamente em Estudo Acompanhado: 11.65% dos alunos afirma utilizar a BE, acompanhados pelos professores, em actividades de área de Projecto, 51% utiliza a BE sozinho ou com colegas para complementar os trabalhos. Abertura por parte de alguns docentes para a realização de trabalhos em parceria com a BE. Pontos fracos identificados A parceria com a BE ainda não aparece registada nas planificações. Os materiais de apoio produzidos pela BE ainda não são devidamente rentabilizados, assim como o seu fundo documental. A.1.3 Articulação da BE com os docentes responsáveis pelos serviços de apoios especializados e educativos (SAE) da escola/agrupamento Sempre que solicitada, a BE colaborou com os serviços de apoio educativo:.cerca de 50% dos apoios foram ministrados na BE ou utilizaram alguns dos seus recursos, situação proveitosa para os alunos;.a utilização da BE foi rentabilizada pelos docentes em actividade de educação especial Os alunos que usufruíam de apoios educativos frequentaram com assiduidade a BE. Pontos fracos identificados Não foi devidamente rentabilizada a possibilidade de articulação entre a BE e os professores responsáveis pelos apoios. A.1.4 Plano Tecnológico A BE participa no PTE e no Plano TIC e promoveu a utilização das TIC no contexto das actividades curriculares, e apoiou os docentes no desenvolvimento de projectos como é o caso do Plano Nacional de Leitura, Projecto Ciência Viva A Menina do Mar, Projecto A União Europeia e Projecto Formar Leitores A utilização da BE foi razoavelmente rentabiliza pelos docentes em actividades curriculares e formativas relacionadas com a utilização das TIC, como se pode ver na análise dos questionários:.50% promove a utilização dos recursos da BE (incluindo os tecnológicos) nos trabalhos de pesquisa propostos aos alunos;.mais de 60% dos alunos utiliza a Internet nos seus trabalhos de pesquisa e considera ter Boas ou, até, Excelentes competências TIC. A Coordenadora da BE Integra a Equipa PTE Houve sempre a preocupação em manter em bom estado o equipamento de forma a poder ser utilizado pelos alunos. Pontos fracos identificados

6 A.1.5. Integração da BE no Plano de Ocupação dos Tempos Escolares O Plano de OTE contempla a BE. A BE colabora no planeamento e realização de actividades de substituição: cerca de 40% das aulas de substituição foram dadas na BE ou utilizaram os seus recursos A BE está aberta das 8.30 às 17.05, sem interrupções; A BE é rentabilizada em actividades de estudo, leitura e utilização das TIC:.12% dos alunos inquiridos frequenta diariamente a BE: 59% fá- lo uma a duas vezes por semana..51% dos alunos utiliza a BE para actividades de estudo, pesquisa e utilização das TIC..Em média, a BE regista cerca de 80 entradas diárias..a taxa de ocupação dos computadores da BE ronda os 90/100%. Muito boa rentabilização da BE na ocupação dos tempos escolares. Pontos fracos identificados Alguns alunos ainda não sabem comportar- se correctamente na BE e utilizam- na como sala de convívio. A.1.6 Colaboração da BE com os docentes na concretização das actividades curriculares... Os recursos da BE foram dados a conhecer a todos os Departamentos, e muitos deles souberam rentabilizá- los em actividades de ensino e de apoio aos alunos, desenvolvidas em parceria com a BE ou de forma autónoma, como se confirma através dos inquéritos:.ao longo do ano lectivo a BE colaborou com diversos Departamentos na realização de actividades (ex: Departamento de Línguas, Departamento de Ciências Sociais e Humanas; Departamento de Expressões);.25% dos professores afirmam usar a BE ou os seus recursos no âmbito das suas funções docentes, uma a duas vezes por semana; 37.5% uma ou duas vezes por mês..37% dos docentes diz que regularmente articula ou planifica actividades com a BE; 56.2% fá- lo ocasionalmente;.68.8% dos docentes afirma já ter colaborado com a BE na selecção de materiais de apoio necessários para a realização de actividades na BE ou na sala de aula; 81.2% dos professores já colaborou com a BE na realização de actividades; destes, 100% consideraram extremamente positiva essa colaboração..71.4% dos alunos inquiridos afirmam que costumam usar a BE, ou os seus recursos, com os professores ou a seu pedido (12.2% todos os dias; 59.2% uma ou duas vezes por semana);.ao longo do ano lectivo, a BE produziu materiais de apoio, nomeadamente guiões de pesquisa, guiões de utilizador, fichas de leitura ( sobretudo para apoio ao 1º ciclo).. A BE difundiu as suas actividades e informações através do Blog e jornal escolar; A BE solicitou a todos os Departamentos sugestões para aquisição de fundo documental de apoio ao currículo. Relativamente aos recursos existentes na BE para apoio à prática lectiva, 43.8% dos docentes consideraram- no Suficiente, 37.5% Bom e 12.5% Muito Bom. No presente ano lectivo houve uma melhoria significativa no que se refere à rentabilização da BE e dos seus recursos tanto pelos alunos como por parte dos docentes. Foi elaborado um dossier digital de apoio ao currículo

7 Pontos fracos identificados O trabalho colaborativo entre BE e docentes ainda não está consolidado. A divulgação dos materiais produzidos e a sua rentabilização ainda não é a desejável. A.2 Promoção das literacias da informação, tecnológica e digital. A.2.1 Organização de actividades de formação de utilizadores na escola/agrupamento No início do ano lectivo, as duas turmas do 1º ciclo da EBI e todas as do 2º ciclo foram alvo de visitas guiadas à BE com apresentação de um guia de utilizador, o que serviu para criar curiosidade e incentivar os alunos à sua utilização. A BE disponibilizou a todos os alunos guiões de pesquisa e guia de utilizador Foram realizadas actividades sobre a utilização da BE com as turmas dos 1º e 2º ciclos e ainda com uma turma do 9º ano, que tiveram impactos positivos ao longo do ano lectivo:.49% dos alunos inquiridos declarou já ter participado em actividades para aprender a usar a BE;.Relativamente às competências para usar de forma autónoma a BE (serviços, equipamentos e recursos de informação), mais de 70% dos alunos considerou que eram Boas ou Muito boas..os docentes inquiridos consideraram que 62.5% dos seus alunos tinham competências Médias para uso autónomo da BE e dos seus recursos e 25% que eram Boas..62.5% dos docentes entende que o contributo dado pela BE no desenvolvimento dessas competências nos alunos é Bom e 18.8% que é Muito Bom. 50% dos professores diz promover Sempre a utilização da BE e dos seus recursos nos trabalhos de pesquisa realizados pelos alunos. 43.8% dos docentes afirmou já ter participado em actividades de formação de utilizadores promovidas pela BE. Aposta da BE na realização de actividades de formação e no apoio directo aos alunos. Pontos fracos identificados As actividades de formação ainda não foram implementadas a todos os alunos e docentes da escola. Fraca colaboração com as turmas CEF. A.2.2 Promoção do ensino em contexto de competências de informação Foram feitas sessões de formação em todas as turmas do 4º ano (em todas as escolas do Agrupamento), do 2º ciclo e do 7º ano. Em todas as sessões foi trabalhado e disponibilizado o guião Big6 (adaptado a cada nível de ensino); 49% dos alunos sente- se Muito apoiado pela equipa da BE quando a utiliza individualmente ou com a turma; 38.8% sente- se Medianamente apoiado;

8 34.7% dos alunos entende que os trabalhos realizados na BE têm contribuído Muito para a melhoria dos seus trabalhos e 57.5% considera que fez progressos Medianos. Os alunos inquiridos afirmam que quando vão à BE têm Sempre(43%), Quase Sempre (36.7%) e Às Vezes (20.4%) as indicações necessárias para a realização das tarefas. 28.6% dos professores costuma proceder à integração de competências de informação na planificação e tratamento das diferentes unidades de ensino; 71.4% fá- lo ocasionalmente; Como apoio aos trabalhos de pesquisa propostos aos alunos, 31.2% dos docentes utiliza o guião disponibilizado pela BE, 12.5% um guião da sua responsabilidade e 565 dá orientações oralmente. 62.5% dos docentes entente que o contributo dado pela BE na aquisição de competências de informação e outras é Bom, 18.8% Muito Bom e 12.5% Suficiente. Boa colaboração entre a equipa da BE e um número significativo de professores nas actividades de ensino de competências de informação. Percentagem significativa de alunos que utilizam a BE com orientações sobre os trabalhos que vão realizar. Bom apoio dado aos alunos pela equipa da BE Pontos fracos identificados As sessões de formação sobre competências de informação não abrangeram todos os alunos da escola. Uma percentagem significativa de alunos, apesar de conhecer e o ter disponível, ainda não utiliza o guião de pesquisa. A.2.3 Promoção das TIC e da Internet como ferramenta de acesso, produção e comunicação de informação e como recurso de aprendizagem A BE disponibiliza 6 computadores com ligação à Internet, com uma elevada taxa de utilização. A BE apoia sempre que necessário os utilizadores na selecção e utilização dos recursos digitais, o que tem contribuído para uma melhoria das competências dos alunos; 89% dos alunos considera que é Muito (49%) ou Medianamente (38.8%) apoiado quando utiliza a BE, individualmente ou com o professor. Foram realizadas sessões sobre utilização da Internet e Internet segura em todas as turmas do 7º ano (no âmbito da disciplina de Área de Projecto). A maioria dos alunos (65.3% dos inquiridos) inicia as suas pesquisas na Internet. Integração do coordenador da BE na equipa do Plano tecnológico Permanente apoio aos utilizadores, de acordo com as suas necessidades Pontos fracos identificados Muitos alunos ainda não rentabilizam devidamente os recursos digitais e da Internet e têm dificuldades em fazer a sua coordenação com outras fontes de pesquisa.

9 A.2.4 Impacto da BE nas competências tecnológicas, digitais e de informação dos alunos na escola/agrupamento Das análises recolhidas na amostra (através da observação directa dos alunos em situações concretas na BE e da análise aos seus trabalhos) foi possível concluir:.entre 70 a 80% dos alunos demonstraram possuir competências Suficientes ou Boas na definição do problema a tratar, a identificar fontes de informação, na pesquisa na Internet, na utilização de estratégias de registo da informação, na distinção entre facto e opinião, na selecção do estilo mais apropriado para a apresentação dos trabalhos, na utilização de imagens, na organização do trabalho, na realização de uma bibliografia e na produção de materiais multimédia. A competências são mais baixas quando se trata de recolher informações em diferentes suportes e, sobretudo de as organizar; comparar, avaliar e produzir pontos de vista, revelando espírito critico; aprofundar, por sua iniciativa, a tarefa proposta; incluir notas e anexos; contrastar modalidades de apresentação da informação em diferentes formatos..92.3% dos discentes inquiridos considera que as actividades de formação promovidas pela BE contribuíram para que se sinta Muito 834.6%) ou Medianamente (57.7%) mais à vontade, na pesquisa, localização de livros e utilização dos computadores. A mesma percentagem de alunos considera que à medida que vai realizando mais trabalhos na BE, as suas competências vão melhorando e se vão sentindo mais seguros e confiantes..a maioria dos alunos classificou as suas competências para usar de forma autónoma a BE de: Excelente (14.3%), Boas (67.3%) ou Médias (18.4%)..Os docentes inquiridos consideram que a maioria dos seus alunos tem competências Médias ou Boas relativamente à biblioteca, tecnológicas e de informação. A maioria entende que o contributo dado pela BE para o desenvolvimento nos alunos destas competências é Bom (62.5%), Muito Bom (18.8), Suficiente (12.5%), Insuficiente (6.2%). O contributo da BE na promoção das competências tecnológicas e de informação é visível na apreciação feita tanto por professores como por alunos. Foi visível, durante o ano lectivo e muito especialmente durante o terceiro período o investimento dos docentes em trabalhos que levassem os alunos à BE e à utilização dos seus recursos. Pontos fracos identificados Não está ainda disponível ao utilizador o catálogo informatizado. É necessário um investimento mais consistente e continuado na formação de utilizadores e em actividades que levem ao seu desenvolvimento das suas competências de informação, tecnológicas e de biblioteca. A.2.5 Impacto da BE no desenvolvimento de valores e atitudes... E contexto de observação directa na realização de actividades concretas, foi possível concluir:.a maioria dos alunos manifestou interesse, motivação e autonomia nas tarefas realizadas, seguindo as orientações dadas; Seleccionaram estratégias de trabalho adequadas e geriram bem o tempo disponível; souberam trabalhar em grupo, partilharam as ideias e assumiram um comportamento correcto.

10 Na observação informal, e quando os alunos vão à BE sem tarefas definidas e sem acompanhamento, (sobretudo durante os intervalos e hora do almoço) nem sempre os comportamentos são os mais adequados a uma BE, havendo um elevado número de alunos a quem se torna necessário chamar a atenção e relembrar as regras de utilização da BE. 94% dos alunos inquiridos considerou que os trabalhos realizados na BE, ou que utilizaram os seus recursos, exigiram deles capacidade de iniciativa, autonomia e cooperação com os colegas. Os docentes consideraram que a Biblioteca Escolar influencia nos seus alunos Muito (75%), Medianamente (18.8%), Pouco (6.2%) o desenvolvimento de valores e atitudes de convivência, iniciativa, cooperação e autonomia. Forte valorização da BE no desenvolvimento de valores e atitudes indispensáveis à formação da cidadania, aprendizagem ao longo da vida e na promoção de igualdade de oportunidades. Pontos fracos identificados Em ambiente informal ainda não se conseguiu que as regras de conduta sejam seguidas por todos os alunos. (1) Estas evidências resultam da análise e interpretação dos dados obtidos a partir dos diversos instrumentos de recolha de informação.

11 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE APÚLIA BIBLIOTECA ESCOLAR AUTO- AVALIAÇÃO Motivo da escolha do domínio Quadro Síntese A. Apoio ao desenvolvimento curricular O trabalho neste domínio necessitava de uma intervenção urgente, no sentido de:. Melhorar a articulação com as diferentes estruturas pedagógicas;. Aumentar a rentabilização dos recursos da BE pelos docentes no âmbito da actividade lectiva;. Aumentar o impacto da BE nas competências da biblioteca, da informação e tecnológica dos alunos. A.1. Articulação curricular da BE com as estruturas de coordenação educativa e supervisão pedagógica dos alunos Nível obtido 3 (escala de 1 a 4) Acções para melhoria Formalizar a articulação existente entre a BE e os Departamentos Curriculares e Conselhos de Turma (nas planificações e nos PCT); Promover a articulação com as turmas CEF Melhorar a articulação entre a BE e os Apoios Educativos; Promover, de forma mais sistemática, a rentabilização dos recursos da BE e dos materiais produzidos. Observações Apesar das dificuldades ainda encontradas, foi visível, ao longo do ano lectivo, o aumento da cooperação entre professores e BE e a maior procura, por parte dos alunos, da BE para a realização de trabalhos, com utilização dos vários recursos disponibilizados. A.2. Promoção das literacias da informação, tecnológica e digital. Nível obtido 3 (escala de 1 a 4) Acções para melhoria Alargar as actividades de formação de utilizadores a todas as turmas da EBI, incluindo as turmas CEF; Incentivar, de forma mais consistente, a utilização, pelos alunos, de guiões de pesquisa; Promover actividades que levem os alunos a superar as dificuldades, ainda observadas, em coordenar diferentes fontes de pesquisa; Levar os alunos a cumprirem as regras de conduta na BE.

12 AUTO- AVALIAÇÃO DA BE: PARECER DO CONSELHO PEDAGÓGICO A Coordenadora da Biblioteca Escolar apresentou o Relatório de Auto- Avaliação da BE. O Conselho Pedagógico deliberou, por unanimidade, emitir as seguintes recomendações:. A BE tem desenvolvido um bom trabalho que deve manter e aprofundar, pois tem contribuído para a afirmação e o reconhecimento, cada vez maior, da centralidade desta estrutura educativa no processo de ensino aprendizagem;. A BE e as várias estruturas pedagógicas e os docentes em geral devem investir de forma mais efectiva e consistente num trabalho colaborativo, que se traduza na planificação articulada de iniciativas conjuntas de apoio ao currículo, proporcionando um contributo positivo para o sucesso educativo;. A Escola deve mobilizar- se com o objectivo de rentabilizar todos os recursos da BE, possibilitando, através de uma acção colectiva e devidamente formalizada, as possibilidades oferecidas pela BE;. A BE deve continuar a promover, agora de forma mais sistemática, continuada e articulada, acções de formação de utilizadores, procurando dar resposta às necessidades detectadas. CONSELHO PEDAGÓGICO DE A DIRECTORA EXECUTIVA

13 Secção B Recomenda- se que cada BE realize um processo de análise da sua acção. Para isso, utilize a estrutura do Modelo de auto- avaliação da biblioteca escolar. Domínio B. Leitura e literacia B.1. Trabalho da BE ao serviço da promoção da leitura na escola/agrupamento. Relatório de avaliação A BE realizou ao longo do ano lectivo um trabalho consistente e continuado ao serviço da promoção da leitura:.trabalho colaborativo com o grupo disciplinar de Língua Portuguesa e 1º ciclo de todo o Agrupamento.Promoção e acompanhamento do Projecto Formar Leitores (1º ciclo).incentivo à leitura em ambientes digitais.promoção da leitura e da escrita com a organização de concursos literários.divulgação de escritores e das suas obras.promoção da escrita e leitura em família Evidências que fundamentam o relatório Realização de uma recepção aos EE dos alunos do 5º ano, onde foi passado um PP, seguido de dialogo, sobre a importância da Leitura. Razoável colecção diversificada e adequada aos diversos níveis e ensino; Aumento do fundo documental euros do PNL e euros de mecenato. 65% dos alunos da escola efectuam requisições domiciliárias. Quem mais lê são os alunos do 2º ciclo (requisitaram 1583 livros, o que dá uma média de 12 livros por aluno leitor); As raparigas lêem mais do que os rapazes Implementação de concursos de leitura e, para os mais novos (1º e 2º anos) de ilustração de uma história (ilustração de um PP produzido pela BE, com base na história A Menina do Mar. Os concursos aplicaram- se a todas as turmas do 1º e 2º ciclos do Agrupamento: Dinamização da Hora do Conto na EBI Promoção do encontro com a escritora Sónia Louro, que veio à escola falar aos alunos dos 6º e 9º anos sobre o seu livro O cônsul desobediente ;

14 Divulgação e incentivo à leitura na Biblioteca Digital Proposta de trabalho O prazer de escrever a várias mãos escrita em família Acções para melhoria. Alargar o PNL ao 3º ciclo. Fomentar a leitura nos alunos das turmas CEF. Integrar os alunos do curso EFA nos projectos promovidos pelo PNL. Melhorar a divulgação, nomeadamente a feita através do Blog. Realizar mais actividades/sessões com os EE B.2. integração da BE nas estratégias e programas de leitura ao nível da escola/agrupamento. Relatório de avaliação.promoção, produção de materiais e acompanhamento do Projecto Formar Leitores (1º ciclo). Acompanhamento do PNL Evidências que fundamentam o relatório Todas as turmas do pré escolar, 1º e 2º ciclos participaram no PNL; as turmas do 3º ciclo fizeram leituras nesse âmbito apesar de ainda não terem aderido oficialmente; Articulação proveitosa com o Departamento de Línguas. Colaboração com os professores de Língua Portuguesa no âmbito do Concurso Nacional de Leitura. Dinamização do Projecto Formar Leitores ( leitura na escola e em família) em todas as turmas do 1º ciclo do Agrupamento, Celebração da Semana da Leitura com as seguintes actividades:.leitura diária (1º tempo da manhã) de uma curta histórias em todas as turmas do Agrupamento.Exposição dos trabalhos realizados no âmbito dos concursos promovidos nas turmas do 1º ciclo do Agrupamento..Concurso (2º e 3º ciclos) Identifica os escritores portugueses.exposições Os 50 autores mais influentes do século XX, 100 anos de prémios Nobel da Literatura, Alice no pais das maravilhas e Dia Mundial do Livro..Passagem de curtas metragens (promoção da leitura e do livro);. O meu livro favorito trabalho escrito proposto a todos os alunos.. Diversões Literárias realização de jogos e adivinhas relacionados com a literatura infanto- juvenil.. Passagem do filme História Interminável. Sessão com a jovem escritora Maria Esteves (alunos do 7º e 8º anos)

15 . Palestra Motivar para a Leitura proferida pelo professor Veríssimo Toste (dirigida a professores). Sarau aberto à comunidade. Colocação de pequenas histórias nos tabuleiros da cantina.. Comemoração do Dia Internacional do Livro Acções para melhoria Alargamento do PNL ao 3º ciclo e turmas CEF Promoção de mais tempos dedicados à hora do conto e escrita criativa (1º e 2º ciclos). B.3. Impacto do trabalho da BE nas atitudes e competências dos alunos, no âmbito da leitura e da literacia. Relatório de avaliação A maioria dos alunos usa a BE para leitura recreativa e informative e realização de trabalhos escolares. No presente ano lectivo a procura de livros para informação e leitura recreativa aumentou. Os alunos desenvolveram trabalhos onde aplicaram as suas competencias de leitura e compreensão. Muitos alunos participaram em actividades de promoção da leitura como concursos (sobretudo os do 1º e 2º ciclos). Evidências que fundamentam o relatório A BE teve uma media de cerca de 80 entradas diárias. Em media, semanalmente registaram- se 153 entadas para a realização de actividades de leitura/requisição domiciliária 65% dos alunos da escola efectuaram requisições domiciliárias. Foram efectuadas 2454 requisições domiciliárias. Acções para melhoria Alargar a hora do conto aos alunos do 2º ciclo Promover actividades de leitura junto dos alunos do 3º ciclo e CEF Retomar a realização da Feira do Livro Aderir aos projectos de Leitura (promovidos pelo PNL) pensados para as turmas EFA.

16 Domínio C. Projectos, parcerias e actividades livres e de abertura à comunidade C.1. Apoio a actividades livres, extra- curriculares e de enriquecimento curricular Relatório de avaliação ASPECTOS POSITIVOS. A BE promoveu sessões com os EE no início do ano lectivo. Dinamização de actividades de carácter lúdico e cultural (concursos, jogos didácticos...). Apoio a actividades livres de leitura, pesquisa e execução de trabalhos escolares. Abertura da BE à comunidade Evidências que fundamentam o relatório Plano Anual de Actividades material produzido e arquivado no dossier da BE Horário de abertura da BE que permite oa sua utilização durante todo o período lectivo Abertura da BE à comunidade durante o horário de funcionamento diurno da escola e à 4ª feira à noite. Realização de exposições temáticas Acções para melhoria. Definir mais actividades lúdico- educativas para ocupação dos tempos livres dos alunos.. Promover actividades que incluam os Encarregados de Educação. Reforçar as actividades de apoio ao estudo C.2. Projectos e Parcerias Relatório de avaliação. Parceria com a Biblioteca Municipal de Esposende. Parceria com a BE de Aver- o- mar (exposição sobre autores de Língua Inglesa). Promoção do livro e da leitura nas diversas escolas do Agrupamento, nomeadamente através de concursos e implementação do projecto Formar Leitores. Dinamização do PNL. Redacção trimestral da página BIBLIODITOS (que integra o jornal escolar).

17 Evidências que fundamentam o relatório. concretização do catálogo colectivo das Bibliotecas do concelho de Esposende..Exposição sobre autores de Língua Inglesa ( parceria com o grupo disciplinar de Língua Inglesa). Jornal Escolar. Fichas de requisição e relatórios sobre as leituras no âmbito do PNL Acções para melhoria. Insistir no envolvimento da família nas actividades de leitura em família. Manter de forma consistente e actualizada a parceria com a Biblioteca Municipal de Esposende Domínio D. Gestão da Biblioteca Escolar D.1. Articulação da BE com a Escola/agrupamento. Acesso e serviços prestados Relatório de avaliação ASPECTOS POSITIVOS. O regulamento interno da escola contempla a BE (missão, funcionamento, organização ). Os objectivos da BE integram e estão em consonância com o Projecto Educativo da Escola.. A BE articula as suas actividades com o currículo e com o Plano Anual de Actividades.. A Direcção Executiva da Escola apoia a BE e colabora na procura de soluções promotoras do seu funcionamento.. O Conselho Pedagógico valoriza a BE e está sensível à necessidade de criar estratégias de articulação da BE com os diferentes departamentos e áreas disciplinares.. A BE partilha objectivos estratégicos e operacionais e recursos com as diferentes escolas do Agrupamento.. A BE desenvolve projectos com a escola.. A avaliação da BE integra o documento que planifica a avaliação interna da escola.

18 . A BE implementa um sistema de auto- avaliação contínuo.. A BE cria instrumentos de recolha de informação, aplica- os de forma sistemática e procede à sua análise.. Os resultados da avaliação serão divulgados junto dos órgãos de direcção, administração e gestão e restante comunidade educativa, com o objectivo de promover e valorizar as suas práticas fortes e alertar para os seus pontos fracos.. Os resultados da avaliação originarão a implementação de práticas de melhoria. Evidências que fundamentam o relatório Excertos do Projecto Educativo e do Regulamento Interno relativos à BE; Regimento Interno da BE Plano Annual de Actividades da BE ( ver nap ágina electronica do Agrupamento) Horário de abertura da BE (todo o período lectivo e, ainda, 4ª feira à noite); A BE regista cerca de 80 entradas diárias de alunos Relatório de auto- avaliação. Acções para melhoria Inserir a BE no Plano Curricular no Agrupamento D.2. Condições Humanas e materiais para a prestação dos serviços Relatório de avaliação ASPECTOS POSITIVOS. A professora bibliotecária tem assento no Conselho Pedagógico e promove o papel da BE enquanto estrutura educativa.. Liderança positiva do coordenador da BE, o que se tem reflectido de forma positiva no trabalho desenvolvido.

19 . A Direcção Executiva afecta os recursos humanos necessários à prossecução dos objectivos da BE.. Apesar de não afectar uma verba à BE, a Direcção Executiva não coloca entraves à disponibilização das verbas necessárias ao seu funcionamento e aumento da colecção.. A BE mantém um horário de funcionamento adequado às necessidades da escola, incluindo os cursos EFA e comunidade.. A BE procura responder satisfatoriamente com os recursos documentais/equipamentos necessários ao apoio aos utilizadores, no âmbito das suas actividades curriculares e prossecução dos objectivos do Projecto Educativo.. A BE cria condições e promove a sua utilização como recurso e espaço de trabalho e lazer.. Adequação do espaço e do equipamento às necessidades da Escola.. Boa articulação com o coordenador das TIC e do Plano Tecnológico. Evidências que fundamentam o relatório Colaboração produtiva entre todos os elemantos da equipa da BE assistente operacional com duas acções de formação no âmbito das BE A Coordenadora tem formação na área das BE e exerce o cargo há vários anos Investimento ao nível de equipamento e mobiliário. Manutenção permanente do material informático por parte do coordenador Tic Acções para melhoria Investir na formação na área das BE de todos os elementos da equipa. Utilizar aos diferentes tipºos de ferramentas Web para comunicar com os utilizadores. D.3. Gestão da colecção/da informação Relatório de avaliação ASPECTOS POSITIVOS. Colecção relativamente diversificada e adequada aos utilizadores.. Avanço na catalogação informática.. Organização da informação de acordo com a CDU. Adesão razoável ao empréstimo domiciliário.. Procura do fundo documental para a realização de trabalhos escolares.. Colaboração na criação do catálogo concelhio Evidências que fundamentam o relatório

20 Divulgação do fundo documental e das novas aquisições junto dos Grupos Disciplinares 50% dos professores inquiridos consideraram que o seu conhecimento dos recursos da BE é Bom, 37.5% Suficiente e 12.5% Muito Bom. 37.5% dos professores consideraram que os recuesos da BE para apoio à sua prática lectiva são Bons, 43.8% Suficientes e 12.5% Muito Bons. 65% dos alunos da escola efectuaram requisições domiciliárias. Foram efectuadas 2454 requisições domiciliárias. No presente ano lectivo o fundo documental foi enriquecido com 258 novas aquisições ( euros provenientes do PNL e euros de mecenato). Acções para melhoria No próximo ano lectivo tentaremos:. Concluir o Manual de Operações;. Aumentar substancialmente o número de documentos catalogados informaticamente. Possibilitar a consulta do catálogo on- line. Promover a consulta do catálogo concelhio AUTO- AVALIAÇÃO DA BE: PARECER DO CONSELHO PEDAGÓGICO A Coordenadora da Biblioteca Escolar apresentou o Relatório de Auto- Avaliação da BE. O Conselho Pedagógico deliberou, por unanimidade, emitir as seguintes recomendações:. A BE tem desenvolvido um bom trabalho que deve manter e aprofundar, pois tem contribuído para a afirmação e o reconhecimento, cada vez maior, da centralidade desta estrutura educativa no processo de ensino aprendizagem;. A BE e as várias estruturas pedagógicas e os docentes em geral devem investir de forma mais efectiva e consistente num trabalho colaborativo, que se traduza na planificação articulada de iniciativas conjuntas de apoio ao currículo, proporcionando um contributo positivo para o sucesso educativo;. A Escola deve mobilizar- se com o objectivo de rentabilizar todos os recursos da BE, possibilitando, através de uma acção colectiva e devidamente formalizada, as possibilidades oferecidas pela BE;. A BE deve continuar a promover, agora de forma mais sistemática, continuada e articulada, acções de formação de utilizadores, procurando dar resposta às necessidades detectadas. CONSELHO PEDAGÓGICO DE

Nota Introdutória. Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR)

Nota Introdutória. Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR) Nota Introdutória Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR) Apoiar e promover os objetivos educativos definidos de acordo com as finalidades e currículo

Leia mais

Processo de melhoria. Informação escolar. Processo de avaliação. Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014

Processo de melhoria. Informação escolar. Processo de avaliação. Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014 Processo de melhoria Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014 Recomendações do conselho pedagógico Não houve recomendações emanadas do Conselho Pedagógico. Data de apresentação à direção/ conselho

Leia mais

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento orientações Rede Bibliotecas Escolares Sumário Nota introdutória... 2 Orientações Director... 3 Professor bibliotecário... 5 Docentes... 10

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MOSTEIRO E CÁVADO 2014/2017

PLANO DE ACÇÃO DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MOSTEIRO E CÁVADO 2014/2017 PLANO DE ACÇÃO DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MOSTEIRO E CÁVADO 2014/2017 1 O plano de ação que se apresenta teve por base as autoavaliações efetuadas durante os anos 2009-10; 2010-11;

Leia mais

Modelo de Auto-avaliação. Biblioteca Escolar. * Actions, not positions; * Evidence, not advocacy. Ross Todd (2003)

Modelo de Auto-avaliação. Biblioteca Escolar. * Actions, not positions; * Evidence, not advocacy. Ross Todd (2003) Modelo de Auto-avaliação Biblioteca Escolar * Actions, not positions; * Evidence, not advocacy. Ross Todd (2003) Auto-avaliar a BE Porquê avaliar a Biblioteca? Quais são os objectivos da auto-avaliação?

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009/2010. Rede de Bibliotecas de Carregal do Sal GRUPO DE TRABALHO

PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009/2010. Rede de Bibliotecas de Carregal do Sal GRUPO DE TRABALHO GRUPO DE TRABALHO Rede de Bibliotecas de Carregal do Sal PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009/2010 O Plano de Acção da Rede de Bibliotecas de Carregal do Sal é um instrumento de trabalho ao nível da organização e

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARCO DE CANAVESES Nº 1 (150745) Actividades/Iniciativas Objectivos Intervenientes/ Público-alvo

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARCO DE CANAVESES Nº 1 (150745) Actividades/Iniciativas Objectivos Intervenientes/ Público-alvo Escola E.B. 2,3 de Toutosa Ano letivo: 2013/2014 PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES BIBLIOTECA ESCOLAR D Gestão da BE Actividades diárias: ü Orientação do serviço das Assistentes Operacionais ü Orientação do trabalho

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES 2014-2015. Bibliotecas escolares do Agrupamento de escolas Mosteiro e Cávado

PLANO DE ATIVIDADES 2014-2015. Bibliotecas escolares do Agrupamento de escolas Mosteiro e Cávado 20142015 Bibliotecas escolares do Agrupamento de escolas Mosteiro e Cávado 20142015 Domínio A Currículo, literacias e aprendizagem Intervenientes Público alvo Datas Desenvolver atividades curriculares

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES 2014-2015 BIBLIOTECAS ESCOLARES

PLANO DE ATIVIDADES 2014-2015 BIBLIOTECAS ESCOLARES 20142015 BIBLIOTECAS ESCOLARES 20142015 Domínio A Currículo, literacias e aprendizagem Intervenientes Público alvo Datas previstas Orçamento Desenvolver atividades curriculares com os docentes de Português

Leia mais

Modelo de avaliação da biblioteca escolar

Modelo de avaliação da biblioteca escolar Modelo de avaliação da biblioteca escolar Modelo de avaliação da biblioteca escolar Modelo de avaliação da biblioteca escolar Editor Rede de Bibliotecas Escolares Ministério da Educação Travessa Terras

Leia mais

Plano de Promoção de Leitura no Agrupamento

Plano de Promoção de Leitura no Agrupamento AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MOSTEIRO E CÁVADO Plano de Promoção de Leitura no Agrupamento 1. Apresentação do plano 2. Objectivos gerais 3. Orientações 4. Objectivos específicos 5. Actividades 6. Avaliação 1

Leia mais

Plano de ação (adenda). domínio em avaliação: gestão da biblioteca escolar. email: becre.esfhp@gmail.com Ano letivo 2012/2013

Plano de ação (adenda). domínio em avaliação: gestão da biblioteca escolar. email: becre.esfhp@gmail.com Ano letivo 2012/2013 Plano de ação (adenda). domínio em avaliação: gestão da biblioteca escolar email: becre.esfhp@gmail.com Ano letivo 2012/2013 Plano de ação 2012/2013 (adenda) A. Apoio ao desenvolvimento curricular Responsável

Leia mais

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento orientações [setembro de 2011] Rede Bibliotecas Escolares Sumário Nota introdutória... 2 Orientações Diretor... 3 Professor bibliotecário...

Leia mais

REFORÇAR Objectivo 1. Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa

REFORÇAR Objectivo 1. Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa CORECARD > MONITORIZAÇÃO Organização e Processos de Gestão Estratégica Liderar e criar uma cultura de escola Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa

Leia mais

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Liderança 1.1 1.2 1.3 1.4 1. As decisões tomadas pelo Conselho Pedagógico, pela Direção e pelo Conselho Geral são disponibilizadas atempadamente. 2. Os vários

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

BIBLIOTECA ESCOLAR PLANO ANUAL DE ATIVIDADES Escola Portuguesa Ruy Cinatti 2013/2014

BIBLIOTECA ESCOLAR PLANO ANUAL DE ATIVIDADES Escola Portuguesa Ruy Cinatti 2013/2014 O Pl Anual de Atividades é o documento que define as linhas orientadoras da ação da Biblioteca Escolar e tem como objetivo último tornar os alunos autónomos e eficientes nas diversas literacias. A adquisição

Leia mais

2013/4. Plano de melhoria da biblioteca escolar. Biblioteca do Agrupamento de Escolas do Vale de Ovil

2013/4. Plano de melhoria da biblioteca escolar. Biblioteca do Agrupamento de Escolas do Vale de Ovil 2013/4 Plano de melhoria da biblioteca escolar Biblioteca do Agrupamento de Escolas do Vale de Ovil Índice A. Currículo literacias e aprendizagem... 5 Problemas identificados... 5 Resultados esperados...

Leia mais

Escola Secundária de Alves Redol

Escola Secundária de Alves Redol Escola Secundária de Alves Redol Áreas de intervenção A. Apoio ao Desenvolvimento Curricular A1. Difundir os recursos junto da organização pedagógica da escola Interacção com os Departamentos /Apresentação

Leia mais

Apresentação. Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares. Oliveira de Azeméis Novembro 2007

Apresentação. Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares. Oliveira de Azeméis Novembro 2007 Apresentação Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares Oliveira de Azeméis Novembro 2007 Apresentação SABE 12-11-2007 2 Apresentação O conceito de Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares (SABE) que se

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE ACÇÃO 2009/2013

PLANO ESTRATÉGICO DE ACÇÃO 2009/2013 ESCOLA SECUNDÁRIA DE VALONGO PLANO ESTRATÉGICO DE ACÇÃO 2009/2013 SALA DE ESTUDO ORIENTADO 2009/2013 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 PRIORIDADES... 4 OBJECTIVOS DA SALA DE ESTUDO ORIENTADO... 5 Apoio Proposto...

Leia mais

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO A Lei nº 31/2012, de 20 de Dezembro, veio aprovar o sistema de avaliação dos estabelecimentos de educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário, definindo orientações para a autoavaliação

Leia mais

Biblioteca Escolar. Atividades 2013-2014

Biblioteca Escolar. Atividades 2013-2014 Biblioteca Escolar Atividades 2013-2014 1 Uma ESCOLA 1 100 ALUNOS ( 10-18 anos) uma professora bibliotecária nove professores colaboradores duas assistentes operacionais uma EQUIPA 2 Biblioteca Escolar:

Leia mais

Plano de ação da biblioteca escolar

Plano de ação da biblioteca escolar AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA GAFANHA DA ENCARNÇÃO Plano de ação da biblioteca escolar 2013-2017 O plano de ação constitui-se como um documento orientador de linhas de ação estratégicas, a desenvolver num

Leia mais

BIBLIOTECA ESCOLAR REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLA SECUNDÁRIA JOÃO DA SILVA CORREIA

BIBLIOTECA ESCOLAR REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLA SECUNDÁRIA JOÃO DA SILVA CORREIA BIBLIOTECA ESCOLAR REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLA SECUNDÁRIA JOÃO DA SILVA CORREIA ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 CONDIÇÕES DE INSTALAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO... 3 1. A EQUIPA EDUCATIVA... 3 2. COMPETÊNCIAS

Leia mais

Avaliação do Projecto Curricular

Avaliação do Projecto Curricular Documento de Reflexão Avaliação do Projecto Curricular 2º Trimestre Ano Lectivo 2006/2007 Actividade Docente desenvolvida Actividade não lectiva Com base na proposta pedagógica apresentada no Projecto

Leia mais

Regulamento Interno AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MARTIM DE FREITAS BIBLIOTECA ESCOLAR 2011 / 2012. Introdução

Regulamento Interno AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MARTIM DE FREITAS BIBLIOTECA ESCOLAR 2011 / 2012. Introdução AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MARTIM DE FREITAS BIBLIOTECA ESCOLAR 2011 / 2012 Regulamento Interno Introdução A Biblioteca Escolar do Agrupamento de Escolas Martim de Freitas é parte integrante do processo educativo

Leia mais

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 1.1- DOCENTES:... 4 1.2- NÃO DOCENTES:... 5 1.2.1- TÉCNICAS SUPERIORES EM EXERCÍCIO DE FUNÇÕES... 5 1.2.2- ASSISTENTES OPERACIONAIS EM EXERCÍCIO

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO PROGRAMA DA REDE NACIONAL DE BIBLIOTECAS ESCOLARES. Preâmbulo

ACORDO DE COOPERAÇÃO PROGRAMA DA REDE NACIONAL DE BIBLIOTECAS ESCOLARES. Preâmbulo ACORDO DE COOPERAÇÃO PROGRAMA DA REDE NACIONAL DE BIBLIOTECAS ESCOLARES Preâmbulo Considerando a criação e o desenvolvimento de uma Rede de Bibliotecas Escolares, assumida como política articulada entre

Leia mais

1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO

1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO 1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO A actual transformação do mundo confere a cada um de nós professores, o dever de preparar os nossos alunos, proporcionando-lhes as qualificações básicas necessárias a indivíduos

Leia mais

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Avaliação do impacto das atividades desenvolvidas nos resultados escolares de 2014/2015 Plano estratégico para 2015/2016 (Conforme

Leia mais

Plano de acção. Outubro 2011

Plano de acção. Outubro 2011 Plano de acção Outubro 2011 Ano Lectivo 2011/2012 PÁGINA - 2 INTRODUÇÃO A legislação em vigor determina que o Projecto Educativo da Escola (PEE) deve incluir temáticas relacionadas com a Promoção e Educação

Leia mais

Manual de Candidatura ao Programa das Actividades de Enriquecimento Curricular no 1.º CEB Despacho N.º 14 460/2008, de 26 de Maio

Manual de Candidatura ao Programa das Actividades de Enriquecimento Curricular no 1.º CEB Despacho N.º 14 460/2008, de 26 de Maio Manual de Candidatura ao Programa das Actividades de Enriquecimento Curricular no 1.º CEB Despacho N.º 14 460/2008, de 26 de Maio Direcção de Serviços de Apoio Pedagógico e Organização Escolar Ficha Técnica

Leia mais

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS - DOCUMENTO 15 Extractos dos Referentes Externos e Internos que suportam o Referencial 2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS REFERENTES EXTERNOS LEGISLAÇÃO Lei nº 31/2002 de 20 de Dezembro CAPÍTULO I Sistema

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES - ANO LETIVO 2011/2012

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES - ANO LETIVO 2011/2012 Biblioteca Escolar GIL VICENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE ESCOLA GIL VICENTE EB1 CASTELO BIBLIOTECA ESCOLAR PLANO ANUAL DE ATIVIDADES - ANO LETIVO 2011/2012 As atividades constantes do presente

Leia mais

AVALIAÇÃO EFECTUADA PELO COORDENADOR DE DEPARTAMENTO. A - Preparação e organização das actividades N A

AVALIAÇÃO EFECTUADA PELO COORDENADOR DE DEPARTAMENTO. A - Preparação e organização das actividades N A AVALIAÇÃO EFECTUADA PELO COORDENADOR DE DEPARTAMENTO Nome do Docente: Período de Avaliação:200 / 2009 Grupo de Recrutamento: Departamento: A - Preparação e organização das actividades N A A.1 Correcção

Leia mais

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE DEPARTAMENTO DA QUALIDADE PLANO DE MELHORIA ESA 2013-2016 Objetivos gerais do Plano de Melhoria 1. Promover o sucesso educativo e melhorar a sua qualidade 2. Melhorar os processos e resultados pedagógicos

Leia mais

Auto-avaliação do Agrupamento - Principais resultados

Auto-avaliação do Agrupamento - Principais resultados Auto-avaliação do Agrupamento - Principais resultados Equipa de autoavaliação Julieta Martins Adília Rodrigues (coords.) Conselho Geral, 17setembro 2013 Agrupamento Vertical de Escolas Ordem de Santiago

Leia mais

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO PLANO DE MELHORIA DO 2015-2017 Conservatório de Música do Porto, 30 de outubro de 2015 1. Introdução... 3 2. Relatório de Avaliação Externa... 5 Pontos Fortes... 5 Áreas de Melhoria... 6 3. Áreas Prioritárias...

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CABECEIRAS DE BASTO A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES A EQUIPA DE AUTOAVALIAÇÃO: Albino Barroso Manuel Miranda Paula Morais

Leia mais

Relatório de Autoavaliação Biblioteca Escolar Escola Secundária de Campo Maior

Relatório de Autoavaliação Biblioteca Escolar Escola Secundária de Campo Maior 2008/09 0 Relatório de Autoavaliação Biblioteca Escolar Escola Secundária de Campo Maior O relatório de Autoavaliação da Biblioteca Escolar, dá cumprimento à aplicação do modelo introduzido pela Rede de

Leia mais

Plano de Atividades da Rede de Bibliotecas de Mealhada. Ano Letivo 2012-2013

Plano de Atividades da Rede de Bibliotecas de Mealhada. Ano Letivo 2012-2013 Plano de Atividades da Rede de Bibliotecas de Mealhada Ano Letivo 2012-2013 Domínio de Intervenção: 1. Planeamento e Gestão 1.1. Cooperação / Articulação Inter-bibliotecas Grupo de Trabalho Concelhio Objectivos:

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLAR / CENTRO DE RECURSOS. ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA do MARQUÊS

REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLAR / CENTRO DE RECURSOS. ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA do MARQUÊS REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLAR / CENTRO DE RECURSOS ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA do MARQUÊS Artigo 1º - Definição A Biblioteca Escolar - Centro de Recursos Educativos da Escola Secundária Quinta

Leia mais

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual Educação Especial O Grupo da Educação Especial tem como missão fundamental colaborar na gestão da diversidade, na procura de diferentes tipos de estratégias que permitam responder às necessidades educativas

Leia mais

2013/2014 [PLANO ANUAL DE ATIVIDADES - BIBLIOTECA ESCOLAR]

2013/2014 [PLANO ANUAL DE ATIVIDADES - BIBLIOTECA ESCOLAR] Projeto / Atividade Objetivos Intervenientes Recursos/ materiais Voluntários de Leitura Construir relações/parcerias com a BMP e com as redes locais (ADA/Centro Comunitário de Portel) BE - Vamos Partilh@r

Leia mais

Planificação das Atividades 2013/2014 Domínio Sub-domínio Atividades Objetivos Destinatários Dinamizadores Calendarização Recursos materiais

Planificação das Atividades 2013/2014 Domínio Sub-domínio Atividades Objetivos Destinatários Dinamizadores Calendarização Recursos materiais LEITURA E LITERACIAS Promoção Leitura BIBLIOTECA ESCOLAR MÁRIO CLÁUDIO / BIBLIOTECA ESCOLAR DA POUSA Planificação s Ativides 2013/2014 Domínio Sub-domínio Ativides Objetivos Destinatários Dinamizadores

Leia mais

Cidadãos do Amanhã Empreendedorismo Jovem. Seminário EUROACE «Cooperação e desenvolvimento rural. Experiências e perspectivas para 2014-2020»

Cidadãos do Amanhã Empreendedorismo Jovem. Seminário EUROACE «Cooperação e desenvolvimento rural. Experiências e perspectivas para 2014-2020» Seminário EUROACE «Cooperação e desenvolvimento rural. Experiências e perspectivas para 2014-2020» 29.Abril.2014 Idanha-a-Nova DUECEIRA GAL/ELOZ. Entre serra da LOusã e Zêzere Histórico > projecto cooperação

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA Plano Estratégico de Melhoria 2011-2012 Uma escola de valores, que educa para os valores Sustentabilidade, uma educação de, e para o Futuro 1. Plano Estratégico

Leia mais

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Artigo 1.º Âmbito 1 - O presente regulamento de avaliação de desempenho aplica-se a todos os docentes que se encontrem integrados na carreira. 2 - A avaliação

Leia mais

Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação

Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação A Ciência Viva tem como missão a difusão da Cultura Científica e Tecnológica apoiando acções dirigidas à promoção da Educação Científica e Tecnológica

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

«As organizações excelentes gerem, desenvolvem e libertam todo o potencial dos seus colaboradores ao nível individual, de equipa e organizacional.

«As organizações excelentes gerem, desenvolvem e libertam todo o potencial dos seus colaboradores ao nível individual, de equipa e organizacional. A melhoria não é um acontecimento pontual ( ) um processo que necessita de ser planeado, desenvolvido e concretizado ao longo do tempo em sucessivas vagas, produzindo uma aprendizagem permanente. De acordo

Leia mais

CEBE. Cooperativa de Ensino de Benfica, Crl REGULAMENTO INTERNO

CEBE. Cooperativa de Ensino de Benfica, Crl REGULAMENTO INTERNO CEBE Cooperativa de Ensino de Benfica, Crl REGULAMENTO INTERNO ÍNDICE Introdução 3 Pag 1 Regime de funcionamento 4 1.1 Horário 5 1.2 Acesso, circulação e saída da CEBE 6 2 Estrutura Pedagógica e Administrativa

Leia mais

Agrupamento de Escolas Professor Noronha Feio

Agrupamento de Escolas Professor Noronha Feio Avaliação efectuada pelo Coordenador e Departamento de ducação special Grelha de Avaliação da Observação da Aula Avaliado: Avaliador: Disciplina/Área Data / / A Preparação e organização das actividades

Leia mais

GESTÃO CURRICULAR Educação Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico

GESTÃO CURRICULAR Educação Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO GESTÃO CURRICULAR Educação Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico Relatório 008-009 Colecção Relatórios FICHA TÉCNICA Título Gestão Curricular na Educação Pré-Escolar e no

Leia mais

AVALIAÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR

AVALIAÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR AVALIAÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR ANO LETIVO 2012-2013 Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora Instrumento essencial ao DESENVOLVIMENTO DO CURRÍCULO Uma estrutura ao SERVIÇO DA ESCOLA Recurso fundamental

Leia mais

09/10. Projecto Plano Nacional de Leitura. Agrupamento de Escolas D. Nuno Álvares Pereira Tomar. Projecto PNL AEDNAP 09/10 1-9

09/10. Projecto Plano Nacional de Leitura. Agrupamento de Escolas D. Nuno Álvares Pereira Tomar. Projecto PNL AEDNAP 09/10 1-9 Projecto Plano Nacional de Leitura 09/10 Agrupamento de Escolas D. Nuno Álvares Pereira Tomar Projecto PNL AEDNAP 09/10 1-9 Índice 1. Introdução 3 2. Avaliação das actividades realizadas / Resultados alcançados

Leia mais

ESCOLA EB 2.3/S Dr. Isidoro de Sousa PLANO DE ACTIVIDADES BIBLIOTECA ESCOLAR / CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS ANO LECTIVO 2006 / 2007

ESCOLA EB 2.3/S Dr. Isidoro de Sousa PLANO DE ACTIVIDADES BIBLIOTECA ESCOLAR / CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS ANO LECTIVO 2006 / 2007 ESCOLA EB 2.3/S Dr. Isidoro de Sousa BIBLIOTECA ESCOLAR / CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS PLANO DE ACTIVIDADES ANO LECTIVO 2006 / 2007 Escola EB 2,3/S Dr. Isidoro de Sousa BE/CRE Pl de Actividades Ano Lectivo

Leia mais

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação Saúde Escolar Secretaria Regional da Educação e Formação «Um programa de saúde escolar efectivo é o investimento de custo-benefício mais eficaz que um País pode fazer para melhorar, simultaneamente, a

Leia mais

Plano Anual de Atividades

Plano Anual de Atividades Agrupamento de Escolas José Afonso Plano Anual de Atividades 2013/ 2014 A- Apoio ao desenvolvimento curricular CALENDARIZAÇÃO ATIVIDADES OBJETIVOS PÚBLICO-ALVO RESPONSÁVEIS ORÇAMENTO AVALIAÇÃO Início do

Leia mais

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria www.anotherstep.pt 2 Sumário Ponto de situação Plano de Ações de Melhoria PAM Enquadramento e planeamento Selecção das Ações de Melhoria Fichas de

Leia mais

CRIE > Iniciativa Escolas, Professores e Computadores Portáteis

CRIE > Iniciativa Escolas, Professores e Computadores Portáteis CRIE > Iniciativa Escolas, Professores e Computadores Portáteis Resumo do projecto Com a candidatura a este projecto, e envolvendo todos os departamentos, alunos e encarregados de educação, a nossa escola

Leia mais

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012 Plano de Acção - Rede Social Plano de Acção Rede Social Conselho Local da Acção Social de Figueira de Castelo Plano de Acção Rede Social Acções a desenvolver Objectivos Resultados esperados Calendarização

Leia mais

Regulamento dos Laboratórios de Física e Química

Regulamento dos Laboratórios de Física e Química Regulamento dos Laboratórios de Física e Química 1 Missão Os Laboratórios de Física e de Química são essencialmente um lugar de aprendizagem, onde se encontram todo o tipo de materiais, devidamente organizados

Leia mais

PLANO DE MELHORIA DA BIBLIOTECA da FAV PARA 2015/2016

PLANO DE MELHORIA DA BIBLIOTECA da FAV PARA 2015/2016 Agrupamento de Escolas de Santiago do Cacém Escola Básica Frei André da Veiga PLANO DE MELHORIA DA BIBLIOTECA da FAV PARA 2015/2016 A. Currículo, literacias e aprendizagem Problemas identificados Falta

Leia mais

Relatório Final de Avaliação. Acção n.º 8B/2010. Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas Estrangeiras Francês/Inglês

Relatório Final de Avaliação. Acção n.º 8B/2010. Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas Estrangeiras Francês/Inglês Centro de Formação de Escolas dos Concelhos de Benavente, Coruche e Salvaterra de Magos Relatório Final de Avaliação Acção n.º 8B/2010 Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas

Leia mais

PLANO DE PROMOÇÃO DA LEITURA. Agrupamento de Escolas Mosteiro e Cávado

PLANO DE PROMOÇÃO DA LEITURA. Agrupamento de Escolas Mosteiro e Cávado PLANO DE PROMOÇÃO DA LEITURA Agrupamento de Escolas Mosteiro e Cávado 2014 1.Apresentação do plano 2. Objetivos gerais 3. Orientações 4. Objetivos específicos 5. Atividades 6. Avaliação 7. Aneos A leitura

Leia mais

Literacia. Literacia da informação. digital. Literacia. tecnológica. Biblioteca Escolar, Literacia e Currículo Isabel Nina

Literacia. Literacia da informação. digital. Literacia. tecnológica. Biblioteca Escolar, Literacia e Currículo Isabel Nina Literacia da informação Literacia digital Literacia tecnológica 1 Formar Cidadãos para a Sociedade de Informação (SI) (A SI) exige das mulheres e dos homens um conjunto de habilidades que ainda não há

Leia mais

Plano Nacional de Leitura

Plano Nacional de Leitura Agrupamento de Escolas das Taipas Plano Nacional de Leitura 1. Estrutura organizacional Coordenador: Carlos Monteiro Grupo de Recrutamento: 300 Departamento: Línguas Composição do grupo de trabalho: docentes

Leia mais

r I MINISTÉRIOOAEDUCAÇAO

r I MINISTÉRIOOAEDUCAÇAO ti,. GOVERNO DE r I MINISTÉRIOOAEDUCAÇAO PORTUGAL ECI~NCIA Direção Geral dos Estabelecimentos Escolares do Centro AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA CRUZ DA TRAPA 330309 CONTRIBUINTE N.o600080102 AV. SÃO

Leia mais

PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA

PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA 2010/2011 Coordenadora Elvira Maria Azevedo Mendes Projecto: Mais Sucesso Escolar Grupo de Matemática 500 1 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJECTO 1.1 Nome do projecto:

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

Relatório de Coordenação das Bibliotecas Escolares INTRODUÇÃO

Relatório de Coordenação das Bibliotecas Escolares INTRODUÇÃO Relatório de Coordenação das Bibliotecas Escolares INTRODUÇÃO A equipa pedagógica das Bibliotecas Escolares (BE) do agrupamento propôs um conjunto de atividades tendo em conta a articulação com o Modelo

Leia mais

ESCOLA BÁSICA ALBERTO VALENTE REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLAR

ESCOLA BÁSICA ALBERTO VALENTE REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLAR Agrupamento de Escolas José Maria dos Santos Pinhal Novo ESCOLA BÁSICA ALBERTO VALENTE REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLAR REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLAR ARTIGO 1º DEFINIÇÃO A Biblioteca

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Agrupamento de Escolas Serra da Gardunha - Fundão Ano Lectivo 2010/2011 Ensino Básico A avaliação escolar tem como finalidade essencial informar o aluno, o encarregado de educação e o próprio professor,

Leia mais

OBSERVAÇÃO E ANÁLISE DA RETENÇÃO NO ENSINO BÁSICO NO ANO LECTIVO DE 2006/2007

OBSERVAÇÃO E ANÁLISE DA RETENÇÃO NO ENSINO BÁSICO NO ANO LECTIVO DE 2006/2007 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA OBSERVAÇÃO E ANÁLISE DA RETENÇÃO NO ENSINO BÁSICO NO ANO LECTIVO DE 2006/2007 RELATÓRIO FINAL ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO

Leia mais

Relatório Final de Avaliação. Acção n.º 8A/2010. Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas Estrangeiras Francês/Inglês

Relatório Final de Avaliação. Acção n.º 8A/2010. Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas Estrangeiras Francês/Inglês Centro de Formação de Escolas dos Concelhos de Benavente, Coruche e Salvaterra de Magos Relatório Final de Avaliação Acção n.º 8A/2010 Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas

Leia mais

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL CADERNOS DE MUSEOLOGIA Nº 28 2007 135 GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL INTRODUÇÃO Os Sistemas da Qualidade

Leia mais

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013 Critérios de avaliação 0 MATRIZ CURRICULAR DO 1º CICLO COMPONENTES DO CURRÍCULO Áreas curriculares disciplinares de frequência obrigatória: Língua Portuguesa;

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO FUNDÃO + ESCOLA + PESSOA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA 2013-2017 Agrupamento de Escolas do Fundão Página 1 Perante o diagnóstico realizado, o Agrupamento assume um conjunto de prioridades

Leia mais

EBI de Angra do Heroísmo

EBI de Angra do Heroísmo EBI de Angra do Heroísmo ENQUADRAMENTO GERAL Estratégia intervenção Ministério Educação promover o empreendedorismo no ambiente escolar Consonância com linhas orientadoras da Comissão Europeia Projectos

Leia mais

Escola EB 2,3 D. Pedro II

Escola EB 2,3 D. Pedro II Escola EB 2,3 D. Pedro II Relatório da Biblioteca Escolar 2010/2011 Resultados das acções e actividades desenvolvidas na biblioteca escolar da Escola D.Pedro II, analisados à luz do Modelo de Avaliação

Leia mais

PLANO TIC. O Coordenador TIC Egídia Fernandes Ferraz Gameiro [1] 2 0 0 9-2 0 1 0

PLANO TIC. O Coordenador TIC Egídia Fernandes Ferraz Gameiro [1] 2 0 0 9-2 0 1 0 PLANO TIC 2 0 0 9-2 0 1 0 O Coordenador TIC Egídia Fernandes Ferraz Gameiro [1] EB1/PE Santa Cruz http://escolas.madeira-edu.pt/eb1pescruz eb1pescruz@madeira-edu.pt IDENTIFICAÇÃO DO COORDENADOR TIC Egídia

Leia mais

Projeto de Ações de Melhoria

Projeto de Ações de Melhoria DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALVES REDOL, VILA FRANCA DE XIRA- 170 770 SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALVES REDOL 400 014 Projeto de Ações de Melhoria 2012/2013

Leia mais

PROJETO CLUBE EUROPEU

PROJETO CLUBE EUROPEU ESCOLAS BÁSICA DE EIXO PROJETO CLUBE EUROPEU Título: CLUBE EUROPEU Responsáveis: Maria de Lurdes Silva Maria Isaura Teixeira Páginas: 5 Ano letivo: 2014-2015 Escola Básica de Eixo Impresso a 12.11.14 Conteúdo

Leia mais

Clube Web 2.0. Biblioteca Escolar. PROPONENTES: - Maria José Domingues - Marta Medeiros MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA

Clube Web 2.0. Biblioteca Escolar. PROPONENTES: - Maria José Domingues - Marta Medeiros MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. ANTÓNIO GRANJO Biblioteca Escolar Clube Web 2.0 PROPONENTES: - Maria José Domingues - Marta Medeiros Ano letivo 2012-2013 Introdução Hoje é tido

Leia mais

Introdução. a cultura científica e tecnológica.

Introdução. a cultura científica e tecnológica. Introdução A cultura científica e tecnológica é cada vez mais reconhecida como uma condição estratégica para o desenvolvimento de uma cidadania ativa, traduzindo-se numa sociedade mais qualificada e no

Leia mais

DGEstE Direção de Serviços da Região Centro

DGEstE Direção de Serviços da Região Centro DGEstE Direção de Serviços da Região Centro Bibliotecas Escolares - Plano Anual de Atividades (PAA) Ano letivo 2014/2015 Este PAA encontra-se estruturado em 4 domínios (seguindo as orientações da RBE)

Leia mais

Projeto de leitura com o envolvimento dos pais

Projeto de leitura com o envolvimento dos pais Projeto de leitura com o envolvimento dos pais aler+ em família A importância da leitura em família Sendo a biblioteca/ escola e a família dois espaços naturais para a promoção da leitura, o seu contributo

Leia mais

Relatório de avaliação. Contexto e caracterização 1. Contexto. 1.1 Escola/agrupamento. 603355 Escola Básica Eugénio de Castro, Coimbra

Relatório de avaliação. Contexto e caracterização 1. Contexto. 1.1 Escola/agrupamento. 603355 Escola Básica Eugénio de Castro, Coimbra Contexto e caracterização 1. Contexto 1.1 Escola/agrupamento 1.2 Endereço Rua Almirante Gago Coutinho 3030326 COIMBRA 1.3 Oferta Curricular Currículo normal dos 2º e 3º ciclos; Oferta Curricular no 3º

Leia mais

- relaciona informação de diferentes classes da CDU no tratamento de um tema -utiliza as funcionalidades de pesquisa avançada no catálogo.

- relaciona informação de diferentes classes da CDU no tratamento de um tema -utiliza as funcionalidades de pesquisa avançada no catálogo. ÁREA: Conhecimento e utilização da Biblioteca Cumprir as regras de funcionamento da biblioteca - cumpre as regras de comportamento na BE - cumpre as regras de acesso, manipulação, preservação e arrumação

Leia mais

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR INTRODUÇÃO ÍNDICE - Objectivos de Educação Pré-Escolar - Orientações Curriculares - Áreas de Conteúdo/Competências - Procedimentos de Avaliação - Direitos e Deveres dos Encarregados de Educação - Calendário

Leia mais

BIBLIOTECAS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALMEIDA PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES

BIBLIOTECAS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALMEIDA PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES BIBLIOTECAS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALMEIDA PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES Introdução O conjunto de actividades que nos propomos dinamizar, visam envolver os nossos alunos no mundo da leitura e do conhecimento.

Leia mais

Proposta para o Plano de Atividades - Biblioteca Escolar 14/15

Proposta para o Plano de Atividades - Biblioteca Escolar 14/15 Professor: Ana Maria Galveia Taveira Proposta para o Plano de Atividades - Biblioteca Escolar 14/15 O Plano Anual de Atividades da Biblioteca Escolar divide-se em quatro grandes áreas de funcionamento/intervenção,

Leia mais

REGULAMENTO CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS (EFA) CURSOS DE FORMAÇÕES MODULARES CERTIFICADAS (FMC)

REGULAMENTO CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS (EFA) CURSOS DE FORMAÇÕES MODULARES CERTIFICADAS (FMC) REGULAMENTO CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS (EFA) CURSOS DE FORMAÇÕES MODULARES CERTIFICADAS (FMC) Legislação de Referência: Despacho n.º 334/2012, de 11 de janeiro Portaria n.º 283/2011, de 24

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Zona Urbana da Figueira da Foz Escola EB 2,3 Dr. João de Barros Escola EB 1 de Abadias Escola EB1 da Gala

Agrupamento de Escolas da Zona Urbana da Figueira da Foz Escola EB 2,3 Dr. João de Barros Escola EB 1 de Abadias Escola EB1 da Gala 0 Agrupamento de Escolas da Zona Urbana da Figueira da Foz Escola EB 2,3 Dr. João de Barros Escola EB 1 de Abadias Escola EB1 da Gala Regulamento das Bibliotecas Escolares Centro de Recursos Educativos

Leia mais

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade)

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade) Escola Secundária da Ramada Plano Plurianual de Atividades Pro Qualitate (Pela Qualidade) 2014 A Escola está ao serviço de um Projeto de aprendizagem (Nóvoa, 2006). ii ÍNDICE GERAL Pág. Introdução 1 Dimensões

Leia mais

Relatório Final da Acção de Formação Sustentabilidade na Terra e Energia na Didáctica das Ciências (1 de Julho a 13 de Setembro de 2008)

Relatório Final da Acção de Formação Sustentabilidade na Terra e Energia na Didáctica das Ciências (1 de Julho a 13 de Setembro de 2008) Relatório Final da Acção de Formação Sustentabilidade na Terra e Energia na Didáctica das Ciências (1 de Julho a 13 de Setembro de 2008) Centro de Formação Centro de Formação da Batalha Formando Selma

Leia mais

António José Cardoso Pires da Silva

António José Cardoso Pires da Silva (PLANO DE INTERVENÇÃO APRESENTADO PELO DIRECTOR AO CONSELHO GERAL TRANSITÓRIO) Quadriénio 2010/2014 Director António José Cardoso Pires da Silva INTRODUÇÃO O conhecimento do Agrupamento Marquês de Pombal

Leia mais