< o» i tib3iwitn U-ÍS. i»j*

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "< o» i tib3iwitn U-ÍS. i»j*"

Transcrição

1 República do Angola Ministério das Finanças Serviço Nacional das Alfândegas Circulará - Todas as Estâncias Aduaneiras; * Representanles dos Declafantes - Agentes de Navegação Transitários ASSUNTO Procedimentos para a apresentação, declaração, desaifandegamento e remoção de mercadorias dos locais de depósito temporário N 6 A /DPP/SMA/2014 Havendo necessidado de se disciplinar a matéria referente à apresentação, declaração, desaifandegamento e remoção de mercadorias dos locais de depósito temporário uma vez que os referidos recintos, são considerados locais de depósito temporário de mercadorias objecto de comércio Internacional; Considerando que o Código Aduaneiro em vigor, conjugado com o Decreto Executivo Conjunto n 12/95 de 28 de Abril, prevê a obngatoriedade de se comunicar com antecedência, a chegada das mercadorias ao território nacional, de submete-las a despacho, concluir o processo de desaifandegamento e remove-las dos locais de depósito temporário dentro dos prazos previstos por lei; Convindo assegurar o cumprimento cabal das provisões dos diplomas legais acima mencionados por parte dos representantes de terceiros, particulares e entidades colectivas (indeperdentemente do seu ramo de actividade) e demais intervenientes na cadeia do comércio internacional, no que toca <íes : gnadamente às questões e situações que antecedem os processos de contencioso administrativo; Peto exposto e nos termos da» disposições conjugadas da a inea e) do n c 1 do artigo 19. e da alínea c) do n 2 do artigo 22 do Código Aduaneiro, aprovado pelo Decreto-Lei n. 05/06, de 01 do Outubro, determino: 1. Sào aprovados em ane» à presente Circular, e dela fazendo parte integrante a tabela de procedimentos, bem conto os mapas anexos; 2. Para efeitos do disposto na Circular e na tabela de procedimentos anexa, entende-se por: a. Apresentação: comunicação à autoridade aduaneira da chegada de mercadorias e / ou meios de transperte à Estância Aduaneira ou outro local de chegada aprovado por aquela autoridade, de acordo com as modalidades previstas no Código Aduaneiro; b. Declaração: acto pelo qual o declarante ou o seu representante manifesta a vontade t ^ suteriar certô rnefcedoria ou-meio de transporte a determinado regime aduanetro t R«Ier»M A6**> Ha J. Ctia Por-»l SJ Tri*fcwi jwmajnwtt r«<*244}íh JT.-WJ < o» i tib3iwitn U-ÍS. i»j*

2 indica os elementos cuja menção 6 legalmente exigida para a aplicação desse regime, ut.ízancjo para o efeito a forma e modalidade previstas no Código Aduaneiro; c. Desalfandegamento: cumprimento das formalidades aduaneiras necessárias para introduzir em hvre circulação mercadorias e/ou meios de transporte importados ou para permitir a sua exportação ou a sua sujeição a outro regime aduaneiro; d. Remoção: acto pelo qual, após ter concluído o processo de desalfandegamento da mercadoria por intermédio da tramitação de uma declararão aduaneira ou após ter sido concluído o processo de contencioso administrativo, a mercadoria ó efectivamente retirada do local de depósito temporário; e. Mercadoria: todos os produtos designados na Pauta Aduaneira tais como as matérias-primas, artigos manufacturados, produtos semi-acabados, produtos acabados ou outras coisas incluindo nomeadamento, meios de transporte, peças e acessórios, salvo se do contexto resultar outro sentido; f. Mercadoria perigosa: mercadoria contendo substâncias tóxicas, explosivas, inflamáveis e outras que constituam perigo para a segurança das pessoas e das instalações portuárias, aeroportuárias, postos fronteiriços, bem como a saúde pútóca e que constam do anexo 1 a presente Circular, e se enquadram nas classes seguintes: Classe 1 - M ateriais e objectos explosivos; Classe 2 - Gases; Classe 3 - Líquidos inflamáveis; Classe 4-Outros produtos inflamáveis; Classe 5 - Substâncias oxidantes e peróxidos orgânicos; Classe 6 - Substâncias tóxicas, venenosas e/ou infecciosas; Classe 7 - Matérias radioactivas; Classe 8 - Substâncias corrosivas; ou Classe 9 - Substâncias perigosas diversas. g. Mercadoria demorada: qualquer mercador.a mantida em local de depósito temporário para além dos prazos estabelecidos na legislação vigente, em virtude de não ter sido sujeita a qualquer regime aduaneiro, não ter cumprido com a obrigação de pagamento de direitos e demais imposições aduaneiras dev.dos nos prazos previstos ou mesmo tendo cumprido comas obrigações se mantém nos kxais de depósito temporário p3ra além dos prazos legais; h. Mercadoria perecível: mercadoria que pela sua natureza ou composição, necessitam de condições especiais de temperatura para a sua conservação [vide exemplos que constam do anexo 2 à presente Circular); i. Local de depósito temporário: locais ou Instatoções composbs por um ou mais edifícios, contíguos ou separados devid3menle isolados por vedação, contanto que sujeitos ao controlo e supervisão das Alfândegas e indicados e aprovados para o armazenamento de mercadorias que aguardam a condusão das formalidades aduaneiras. f ftcitcrta AtatóNo 2. CuoPctuiWo IIM. I mit. Aípti T«ltfeMr (044)222 FKItaHDWIWUJmtt F«(044)252 JT.NOO ««Ml KlOMlÍKtJuaXi#} P»jJC*U

3 3. A presente Circular visa disciplinar a matéria referente ao cumprimento dos prazos e das formalidades aduaneiras que devem ser concluídas relativamente às mercadorias que se encontram em depósito temporário. 1. Rca revogada a Circular n. 83/DPP/SNA/13, de 17 de Maio, que aprovou Procedimentos para a apresentação, declaração, desalfandegamento e remoção de mercadorias dos locais do depisito temporário. 5. A violação das disposições da presente Circular e dos seus anexos é passível de instrução do competente processo fiscal, nos termos do Código Aduaneiro vigente. Cumpra-se. SERVIÇO NACIONAL DAS ALFÂNDEGAS, em Luanda, aos 03. MAR?fJH Ru Tmu No i. C*t» PcI No I}»«, LitMd*. Ajijcía (»24«)22J»C]iy}JJ)$4JIWJ)m?2 Fm (»244)U2)77éOO rf^íusáuxxta; *»««rinriiíifrfunrn Pjjjfai)

4 TABELA DE PROCEDIMENTOS t 1. RESPONSABILIDADE DO AGENTE DE NAVEGAÇÃO'NA APRESENTAÇÃO DAS MERCADORIAS Ref. Procedimentos Doc.de Referência agente de navegação deve submeter os manifestos de carga nos Departamentos de Navegação e Controlo Aduaneiro ou nas Secções de Navegação e Controlo das Estânáas Aduaneiras de chegada dos meios de transporte nos prazos seguintes: Até 48 horas antes da chegada do meio de transporte no porto de procedência; 5 dias antes da chegada da embarcação (caso se trate de mercadoria de grupagem); e No momento da chegada: para as aeronaves e meios de transporte terrestres. 1.2 Os manifestos de carga perigosa que se destinam ao nosso território devem ser enviados à Secçôo de Navegação da Estância Aduaneira de desa-fandegamento da mercadoria, devidamente preenchido, até 72 horas antes da data de chegada do meio de transporte ao território nacional. 1.3 Os manifestos de carga dos meios de transporte maritimo devem ser submetidos sob o formato electrónico utilizando o Sistema de Gestão Electrónica de Manifestos de Carga (SIGEMAC). 1.4 Se o meio de transporte tiver mercadoria perigosa, o agente deve submeter a declaração de carga perigosa correspondente no prazo previsto no ponto Os agentes devem igualmente submeter a lista dos contentores que se encontram a bordo da embarcação. j 1.6 Os invólucros, contentores, embalagens ou outros recipientes onde estão acond.cionadas mercadorias consideradas como perigosas, devem estar devidamente sinalizados ccm um dos símbolos constantes do mapa anexo à presente Circular. 1.7 A$ mercadorias em trânsito devem ser devidamente mencionadas e identificáveis no manifesto de carga correspondente. 2. RESPONSABILIDADE DA SECCAO DE NAVEGAÇAO APÓS A APRESENTAÇÃO DA MERCADORIA Roí. Procedimentos Doc. de Referência 0 resultado obtido da reconciliação de manifestos feita peto técnicos da Secçãe de Navegação, deve ser enviado para Secçãó dè Conbclo Aduaneiro, sób ó formato de üm mapa QU< * ut T«rro Aíjs» No. 2, Cmu tasal Ho Uan4t. Afgsti Tcli<#*t {*?44)2J:>WtíC/22?»4M7/222 )1» fit: (*244)222 J726M

5 deve conter as informações seguintes: data de chegada; descrição da mercadoria;. nome do importador,. sigla do contentor,. nome do exportador,. número da contramarca do meio de transporte; propriedade dos contentores (de linha ou de importação definitiva); número do documento de transporte correspondente (conhecimento de embarque, carta de porte, etc); e tocai de depósito temporário onde a mercadoria se encontra armazenada. 3. RESPONSABILIDADE DOS DECLARANTES E/OU DOS SEUS REPRESENTANTES NA DECLARAÇÃO DE MERCADORIAS Roí. Procedimentos Doc.do 3.1 Depois da date de chegada da mercadoria ao Pa's, a declaração aduaneira deve ser submetida dentro dos prazos legais seguintes: 48h para a mercadoria considerada perigosa;. 13 dias para a mercadoria perecível;. 30 dias para a mercadoria geral importada pela via terrestre ou aérea; o 60 dias para a mercadoria geral importada pela via marítima. Referência Art. 1. 0,4. e5. Dec. Exec. Conj. n. # 12/95 de 28 de Abril 3.2 As mercadorias arrecadadas em regime de trânsito, podem ficar Art. V e 3. # nos locais de depósito temporário durante o período máximo de 30 Dec. Exec. dias contados a partir da data de chegada. Conj. n. 12/95 de 28 de Abril Findo o prazo acima referido, as mesmas devem ser transferidas pa f a o seu destino final e permanecer num local de depósito temporário durante o periodo máximo de 1 ano contado a partir da date de chegada Terminado o prazo referido no parágrafo acima, as mercadorias devem ser desalfandegadas nos termos dos procedimentos aduaneiros em vigor. 33 Findo os prazos acima referidos, a mercadoria considera-se Art 10. Dec. demorada e como tal pode ser confiscada peto Estado. Exec. Conj. n. 12/95 do 28 do As mercadorias confiscadas podem ser vendidas em hasta pública Abril e art. 45. ou distribuídas a serviços do Estado. e 477. Cod. Ad. 3.4 As dedarações aduaneiras de mercadoria perigosa podem ser Circular sobre o submetidas mediante o uso do código do tratamento 600, nos desembaraço tenros dos procedimentos em vigor. prévio do mercadorias ' J.CUuaNialSo 12 J4.1 AjfcU TrlffcMr{04«)J23»CIIMJ2)M2l7/:2JJWí2 7*r {.J«l)272 JTJíM ««uil rtrtjülíjbutxjt. wrteii rííjlííaííujxtu

6 3.5 Nos casos em que a mercadoria perigosa não (cr desaií3ndegada antes da sua chegada ao território nacional, deve ser declarada utilizando 0 procedimento para 0 desaiíandegamento urgente de mercadorias. 3.6 Se a declaração aduaneira for submetida etecironicamente por intermédio do Sistema de Aceitação Electrónica de Documentos Únicos (SAEDU), a mercadoria considera-se declarada a partir da data que consta no relatório de aceitação do documento único. A declaração aduaneira em papel deve ser submetida no dia em que foi submetida electronicamente. 3.7 Se a declaração aduaneira (or submetida depois do prazo legal expirar, 0 despachante deve dirigir-se ao Departamento do Contencioso Aduaneiro (DCA) para se assegurar de que a mercadoria ainda pode ser declarada despachante deve pagar os encargos aduaneiros devidos no Art e n. 0 3 prazo de 10 dias úteis após a emissão da nota de liquidação. do art. 78. do Código 3.9 Após 0 pagamento dos direitos e demais imposições devidos e a emissão da nota de desaiíandegamento correspondente, 0 declarante ou 0 seu representante deve retirar a mercadoria do local de depósito temporário. Caso não aconteça, a mercadoria será classificada como demorada e como tal, confiscada pelo Estado. Aduaneiro Art 45. do Código Aduaneiro 4. RESPONSABILIDADE DOS FUNCIONÁRIOS DO DEPARAMENTO TÉCNICO OU DA SECÇÃO TÉCNICA Ref. Procedimentos Doc. de Referência 4.1 Os funcionários devem assegurar-se de que a declaração aduaneira esteja a ser submetida dentro dos prazos legais de armazenagem. 4.2 Se os funcionários identificarem anomalias na declaração aduaneira em papel, devem recebô-la, digita-la e solicitar esclarecimentos ou documentos adicionais ao declaranle ou ao seu representante, por intermédio de um aviso de rejeição ou de um questionário. 4.3 Se a declaração em causa for submetida depois do prazo máximo de armazenagem, devem solicitar ao despachante que se des oque até ao DCA ou ao DNCA com vista a assegurar-se de que a mercadoria ainda pode ser declarada. 4.4 Os funcionários do Departamento Técnico ou dá Seccão Técnica N. 3 do Art. RnT«rtí* No 3. Cmi Poro) No I3M. Uaità, Aígsla T«kfe«:(»Mi)2n»«inanjwíiT/iHj)M9a r»«{omwnvwo c rii «ísíjílítóttlxím.»«** *- fxtijtllaltuisí.to l'jj >11)

7 devem igualmente assegurar-se de que os encargos aduaneiros 78. do Código sejam pagos dentro do prazo de 10 dias úteis, contados a partir da Aduaneiro data da emissão da nota de liquidação. 4.5 Se o pagamento não for feito dentro do prazo, os funcionários da Secçáo de Recepção e Digitação devem comunicar esse íacto ao Departamento do Contencioso Aduaneiro e ao Departamento de Navegação e Controlo Aduaneiro. Rcf. 5. RESPONSABILIDADE DA SECCÀO DE CONTROLO ADUANEIRO Procedimentos Doc. de Referência 5.1 Depois da reconciliação dc manifestos realizada petos funcionários da Secçào do Navegação e do cruzamento das informações obtidas junto dos terminais portuários ou aeroportuários, os funcionários devem reencaminhar o mapa elaborado pela Secção de Navegação, para o local de depósito temporário e solicitar a separação e posicionamento dos contentores, paletes ou volumes para que se realize o devido loleamento mapa de loleamento, deve conter, entre outras, as informações seguintes:. data de chegada;. número da contramarca do meio de transporte;. nome do exportador;. sigla do contentor;. descrição detalhada da mercadoria; nome do importador;. número do documento de transporte; loca! de deposito temporário ende a mercadoria se encontra;. número dos selos da linha e do selo aduaneiro que se apôs (caso se trate de mercadoria acondicionada em contentores); e. prazo de vaidade (caso se trate de mercadoria perecível). 5.3 Os funcionários aduaneiros devem igualmente t rar fotografias que facilitem a identificação do invólucro (contentor ou volume) e da mercadoria, e arquiva-las junto do mapa de Icteamento das mercadorias. 5.4 De regresso a seccào, os funcionários devem aferir se entretanto as mercadorias loteadas não foram declaradas. Se não existirem declarações aduaneiras, os funcionários devem imprimir o relatório do SearchTims correspondente aquele dccumento de transporte, contentor ou outro. Art Ccd. Aduaneiro Sé existirem declarações ãcíuarie.ras. os- funcionários Uèvem «n«il RMTemtAJbMoNa?.Cuí Ft-.aJSe UM.Lmoí*, Auela Tdttotr(*24<)?}]WOJ10021 )»4J17/J22 )WW F*x (.N4)jjj J72WO. vtt* *>f>x4líieí mívo F*JÍC»1>

8 analisar o espelho e o historiai do OU com vista a aíerk se o prazo para o pagamento dos direitos e demais imposições jà expirou. Caso o prazo para o pagamento dos encargos aduaneiros já tenha expirado, os funcionários devem observar os passos seguintes: imprimir o espelho e o historiai correspondente; e comunicar a informação ao Departamento ±> Contencioso per intermédb de um mapa. Obs: uma vez que nessa fase as mercadorias cujas notas de liquidação entraram em mora ainda nào são eíectivamenle demoradas, o mapa referido, acima nào pode ser confundido com um mapa de loteamento. Logo, as mercadorias em questão não podem constar do mapa de loteamento que se vai enviar para o DCA. 5.5 Findas essas análises, o mapa de loteamento manuscrito deve ser digitado o enviado para o DCA acompanhado das fotografias, historiais o relatórios do SearchTims. 5.6 A versão electrónica do mapa de loteamento e do mapa do mercadorias com notas de liquidação expiradas, deve igua! mente ser encaminhada para o Chefe do DCA. 5.7 Ao receber o mapa das declarações aduaneiras que aguardam pagamento (mapa enviado peto Departamento Técnico) os funconârios da Secção de Controlo Aduaneiro devem assegurarse de que as mercadorias em questão ainda se encontram no local de depósito temporário e proceder ao seu loteamento. 5.8 Os funcionários da Secçào de Controlo Aduaneiro devem se assegurar que as mercadorias nào permaneçam nos locais de depósito temporário, após a emissão da nota de desalfandegamento correspondente. 5.9 Caso existam mercadorias nessas condições, o mapa correspondente deve ser enviado para o Departamento do Contencioso Aduaneiro. 6. RESPONSABILIDADE DOS DECLARANTES E/OU DOS SEUS REPRESENTANTES NA SEPARAÇÃO DE MERCADORIA DEMORADA Roí. Procedimentos Doc. do Referência processo de desalfandegamento correspondente deve ser concluído dentro dos prazos legatmente estabelecidos. 6 2 Recorda-se que as mercadorias demoradas que se destinam aos Serviços do Estado, podem nào ser publcadas em Edital no Jornal de Angola. VM 7ema Na 5. Cito Pw»il Ho 1224, LIUIKS). Ar.galâ T.l.íox» ( J«)72:>MIWJnJ945l7/nn»4«fi«.(»2M)tt2)7?U0 f it^alvafi *v n : vtfcm PJqldal)

9 6.3 Os proprietários das mercadorias demoradas podem submete-las Art. 484 Cod. a Aduaneiro despacho mesmo depois de anunciada a sua venda. 6.4 Para o efeito, devem solicitar a sua retirada da listado mercadorias demoradas, mediante requerimento submetido junto dos Serviços Regionais, pagando as quantias exigidas por Sei pedido em questão deve ser submetido até ao prazo máximo de 10 dias úteis após a publicação do Edital no Jornal de Angola. 6.6 Os donos podem ainda,-no mesmo requerimento, solicitar a inspecção física da mercadoria no momento da sua remoção. Se o importador quiser que se inspeccione a mercadoria, deve informar o Departamento do Contencioso Aduaneto com 48 horas de antecedência. 6.7 Caso o dono não veja necessidade de so eíectvar a inspecção física da mercadoria, será da sua responsabilidade qualquer situação imegular que se registar apôs o desalfandegamento da mercadoria. Rua Tmu Abn» N* :,C*.xa Petul H» 1ÍM, luavii, Aftf^a (tí«í)^j>wl*>7:n»«3l7/222)»<9j Fm (OU) 222 )Vm e-itil lajoôulv-ítu tua; w«hft nrftjtlitüiujkx i*jg riç*d»u

10 Anexo 1 - Classes o oxemplos do mercadorias perigosas Classo 1 - Materials c objectos oxplosivos Materiais o objectos que representam perigo de incêndio de grandes proporções ou que contém agentes explosivos (ex. pólvora, armas, bombas, fogos de artificio, detonadores, dinamite, fusíveis, foguetes de iluminação, balas ou ainda munições...). Classe 2 Os gases Gases inflamáveis, inflamáveis nãotóxicos e tóxicos (ex. equipamentos de acampamento ou de expedição designadamente as botijas de metal que contenham gases comprimidos inflamáveis, gás de cozinha, inseebeidas, isqueiros, objectos que contenham combustível, hidrogénto, dispositivos de gás lacrimogêneo, lampiões, extintores de incêndio contendo dióxido de carbooo ou nitrogênio, cloro ou ainda flúor). Classo 3 - Os líquidos inflamáveis líquidos ou misturas de líquidos corteodo sólidos em solução ou suspens suspensão (ex. acetona, compostos de limpeza, gás de isqueiro, solventes, gasóleo, tintas, benzina, líquidos para aquecimento. tira-nódo3s nódo3s e diíuentes de tintas, vernizes, colas, potdores, esmaltes, derivados de petróleo, recargas de isquei ueiros, gasolina, álcool etilico, resinas ou ainda lacas... Classe 4-Os outros produtos inflamáveis Materiais e objectos sól.dos inflamáveis, espontaneamente inflamáveis ou que libertam gases Innayi&7êt3"a3'~contactg~com 3'~contactg~com-a água após contacto com uma xhama~ou com o ar, serrr fuatertua&naeho 2.CMUPMU1NO 1JM. liuiki*. AJJUJ TtklcMi (OOHS }«!* ymjl7.7jí»» <«f.«e rw.i icksuhfcjtoxma. J7MOO Pjç 13 As 11

11 /V necessidade de chama ou faísca (ex. resíduos de borracha, enxofre, carváo, serpentinas antimosquitos, algodão oleoso, fósforos de qualquer tipo, inclusive os de segurança, produtos para a elafcoracáo de explosivos e cõnoras. fertilizantes ou materiais aplicados no scto para enriquecè-lo de substâncias químicas essenciais à vida das plantas, soda cáustica ou outros produtos utilizados na fabricação de sabão e detergentes...) Uh orgânicos) Matérias combustíveis que aceleram a combustão, ao libertarem facilmente o oxigênio ou produtos muito instáveis que, corn o aumento de temperatura, podem se decompor e Itbertar gases inflamáveis ou tóxicos, causando uma explosão, com risco de incêndio (ex. produtos tipicamente usados na produção de fermento alimentar ou para gerar água potável, nitrato de potássio contido nomeadamente na pótvora preta. sub$tând3s utitoadas nomeadamente na pirotécnica, na elaboração explosivos e combustíveis de mísseis e na produçáo de herbicidas ou matéria prima utilizada ncmoadamente na produção dc desinfectantes...). > w Classe 6 As substâncias tóxicas / venenosas ingeridas, inaladas ou se entrarem em contacto com a pele ou podem provocar doenças cm seres humanos ou animais, podem causar infecções o poluição das águas (ex. produtos para tratamento o protecção da madeira, metanol utilizado nomeadamente como diluente de tintas, resinas ou adesivos, veneno de rato, mercúrio, insectiddas, pesticidas). /ÍK ' k rooai? /Év v«s?y Q Classe 7 As matérias radioactivas Qualquer material cuja actividade específica seja superior a 70 kbq/kg e que pode originar lesões graves ou morte (ex. material fóssil tal como o Urânio 235, Césio 137, Cobalto 60 ou Tódo 232 ou ainda o urânio empobrecido...). & /OÍIDIVEX kss/ /XFlSStUE Classe 8 As substâncias corrosivas Su* Ttrrn K!*n S*. J.C«uu fntalíi» I tir-u TfkteM (044)2USK1ICAn 5WJIVJJ2 WWW Fm (041)222 jryxo 0*1 Bf^lmltama; «-Auit KmAtizàuuxua = *311*1)

12 Substâncias que, por acção quimica, causam danos graves quando em contacto com tecidos vivos ou, em casos de derrame, danificam, ou mesmo deslroem outras cargas ou o meio de transporte (ex. ácido sulturico. ácido clorídrico, produtos utiüzados para o tratamento de água, produção de detergentes e satôes, produtos utiüzados na produção de fertilizantes, produtos de limpeza líquidos corrosivos, diluenle de fernjgem/profiláticos corrosivos, diluenles de tinta corrosivas...). Classe 9 - As substâncias perigosas diversas Restantes substâncias ou matérias perigosas que podem representar perigo para o Homem ou para o ambiente mas que não se enquadram nas restantes categorias de risco (ex. produtos quentes, amianto contkio nomead3mente nos gessos e estuques utilizados na construção civil, pós finos que podem provocar danos às vias respiratórias, pilhas de iitio ou outras matérias perigosas para o ambiente...). i Ri» Tcim àíkjo Nj :,C«m fcitl N» 1354, Uur.lt. A»fpi* T«Wjh». (t3«)j}2}?jibyíjlwji7/7n f x (.J4t)J23 3)3«0 coiiit HÍ&À(*3ÍtU.t\X3. wruiat».» * tlfw^tmv to P49

REF ACTIVIDADE RESPONSABILIDADE

REF ACTIVIDADE RESPONSABILIDADE REPÚBLICA DE ANGOLA Ministério das Finanças Direcção Nacional das Alfândegas PROCEDIMENTOS À CIRCULAR Nº /DESP/DTA/DNA/07 (Anexo A a que se referem os pontos 13º e 16º da circular) REF ACTIVIDADE RESPONSABILIDADE

Leia mais

-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.

-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-. REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO NACIONAL DAS ALFÂNDEGAS DE ANGOLA CIRCULAR À TODAS AS ESTÂNCIAS ADUANEIRAS ASSUNTO: Legalização das Embarcações Importadas. Nº. /26/ DESP / DTA -.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.

Leia mais

Escola Secundária com 3.º ciclo Jorge Peixinho

Escola Secundária com 3.º ciclo Jorge Peixinho Escola Secundária com 3.º ciclo Jorge Peixinho Ciências Físico-Químicas: CEF-EM(N2) PROFESSORA: Daniela Oliveira MÓDULO 1 SEGURANÇA EM LABORATÓRIOS DE QUÍMICA Escola Secundária com 3.º ciclo Jorge Peixinho

Leia mais

Conselhos para Colaboradores e Parceiros da Securitas Portugal securitas.pt

Conselhos para Colaboradores e Parceiros da Securitas Portugal securitas.pt Security, Health and Safety Conselhos para Colaboradores e Parceiros da Securitas Portugal securitas.pt O Regulamento (CE) 1272/2008 CLP (classificação, rotulagem e embalagem) harmoniza a legislação comunitária

Leia mais

ANEXO IV. II- um armário para armazenagem de solventes, com construção resistente ao fogo.

ANEXO IV. II- um armário para armazenagem de solventes, com construção resistente ao fogo. ANEXO IV ARMAZENAMENTO DE PRODUTOS QUÍMICOS. No laboratório, almoxarifado e em locais em que se tenha que armazenar ou manipular substâncias químicas, deve-se ter em conta sua composição, pois muitas delas

Leia mais

Regulamentação técnica de segurança aplicável ao transporte rodoviário de mercadorias perigosas (ADR)

Regulamentação técnica de segurança aplicável ao transporte rodoviário de mercadorias perigosas (ADR) WORKSHOP FIOVDE (24.10.2011) Regulamentação técnica de segurança aplicável ao transporte rodoviário de mercadorias perigosas (ADR) José Alberto Franco José Silva Carvalho Aspectos que vamos passar em revista

Leia mais

Produtos químicos PERIGOSOS

Produtos químicos PERIGOSOS Produtos químicos PERIGOSOS Como podemos identificar os produtos químicos perigosos? Os produtos químicos estão presentes em todo o lado, quer em nossas casas, quer nos locais de trabalho. Mesmo em nossas

Leia mais

República de Angola Ministério das Finanças Direcção Nacional das Alfândegas

República de Angola Ministério das Finanças Direcção Nacional das Alfândegas República de Angola Ministério das Finanças Direcção Nacional das Alfândegas CIRCULAR À TODAS AS ESTÂNCIAS ADUANEIRAS Nº /DESP/DTA/DNA/07 ASSUNTO: NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO TERMINAL DE VIATURAS DA MULTIPARQUES.

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: DL n.º 147/2003, de 11/07

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: DL n.º 147/2003, de 11/07 Diploma: DL n.º 147/2003, de 11/07 Artigo: Assunto: 1º, 2º, 3º, FICHA DOUTRINÁRIA RBC DT - circulação de tabaco para destruição, no trajeto entre o entreposto fiscal e o local onde vai ser inutilizado.

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto executivo nº. 80/04 de 27 de Julho Havendo necessidade de estabelecer as condições a que devem obedecer os meios de transporte aéreo de produtos petrolíferos; Sendo necessário

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Económica Europeia e, nomeadamente, o seu artigo 100º.,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Económica Europeia e, nomeadamente, o seu artigo 100º., Avis juridique important 31967L0548 Directiva 67/548/CEE do Conselho, de 27 de Junho de 1967, relativa à aproximação das disposições legislativas, regulamentares e administrativas respeitantes à classificação,

Leia mais

LEGISLAÇÃO BÁSICA. Portaria nº 867/89, de 7 de Outubro Determina quais devem ser os parâmetros para caracterizar os gases combustíveis

LEGISLAÇÃO BÁSICA. Portaria nº 867/89, de 7 de Outubro Determina quais devem ser os parâmetros para caracterizar os gases combustíveis LEGISLAÇÃO BÁSICA Especificações GPL Portaria nº 867/89, de 7 de Outubro Determina quais devem ser os parâmetros para caracterizar os gases combustíveis Portaria nº 348/96, de 8 de Agosto Estabelece as

Leia mais

Portaria n.º 348/98, de 15 de Junho Boas práticas de distribuição de medicamentos de uso humano e medicamentos veterinários

Portaria n.º 348/98, de 15 de Junho Boas práticas de distribuição de medicamentos de uso humano e medicamentos veterinários Boas práticas de distribuição de medicamentos de uso humano e medicamentos veterinários O sistema de garantia da qualidade dos medicamentos, quer sejam de uso humano, quer sejam veterinários, abarca não

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume XII Transporte de Cargas Perigosas. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume XII Transporte de Cargas Perigosas. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume XII Transporte de Cargas Perigosas um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

INDUFIX FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

INDUFIX FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Indufix Código interno: 2000 Empresa: Indutil Indústria de Tintas Ltda. e-mail: indutil@indutil.com.br

Leia mais

BS 29. Beurer GmbH Söflinger Str. 218 89077 Ulm (Germany) Tel. +49 (0) 731 / 39 89-144 Fax: +49 (0) 731 / 39 89-255 www.beurer.de Mail: kd@beurer.

BS 29. Beurer GmbH Söflinger Str. 218 89077 Ulm (Germany) Tel. +49 (0) 731 / 39 89-144 Fax: +49 (0) 731 / 39 89-255 www.beurer.de Mail: kd@beurer. BS 29 P P Espelho de bolso iluminado Instruções de utilização Beurer GmbH Söflinger Str. 218 89077 Ulm (Germany) Tel. +49 (0) 731 / 39 89-144 Fax: +49 (0) 731 / 39 89-255 www.beurer.de Mail: kd@beurer.de

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA PROMI FERTIL Especial Hortícolas 18-8-6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Data de emissão: 13 / 03 / 08 Nome do produto: Promi-Fertil Especial Hortícolas 18-8-6 Uso do

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho

Segurança e Higiene do Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XVI Armazenamento de Produtos Químicos Perigosos um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DO COMÉRCIO GABINETE DA MINISTRA DESPACHO N.º 404/11

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DO COMÉRCIO GABINETE DA MINISTRA DESPACHO N.º 404/11 REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DO COMÉRCIO GABINETE DA MINISTRA DESPACHO N.º 404/11 Na sequência da aprovação do Decreto Presidencial n.º 265/10, de 26 de Novembro, sobre os procedimentos administrativos

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio DECRETO /07 Havendo necessidade de se proceder a actualização da regulamentação da Lei nº.5/97 de Junho, relativamente às operações de mercadorias, em conformidade com o consignado

Leia mais

Preâmbulo CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

Preâmbulo CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO DE SERVIÇOS DE SANEAMENTO Preâmbulo A Câmara Municipal de Manteigas não possui Regulamento sobre o Saneamento no Concelho. A legislação entretanto publicada pelo Governo - Decreto-Lei nº 207/94,

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIÍMICO ( FISPQ )

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIÍMICO ( FISPQ ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Anti Ruído Tradicional Aplicação: Reparação e emborrachamento de veículos. Fornecedor: Nome: Mastiflex Indústria e Comércio Ltda Endereço : Rua

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA Edição revista (*) Nº : 5. 2.2 : Gás não inflamável e não tóxico.

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA Edição revista (*) Nº : 5. 2.2 : Gás não inflamável e não tóxico. Página : 1 2.2 : Gás não inflamável e não tóxico. Atenção 1 Identificação da substância/ preparação e da sociedade/ empresa Identificador do produto Designação Comercial : AR Reconstituido K/AR Comprimido/

Leia mais

GUIA PARA EXPEDIDORES CONHECIDOS 1

GUIA PARA EXPEDIDORES CONHECIDOS 1 GUIA PARA EXPEDIDORES CONHECIDOS 1 O presente guia permitirá às empresas avaliar as medidas de segurança tomadas em cumprimento dos critérios aplicáveis aos expedidores conhecidos, conforme previsto no

Leia mais

Questionário para Subscrição de Seguro de Responsabilidade Ambiental e por Contaminação

Questionário para Subscrição de Seguro de Responsabilidade Ambiental e por Contaminação Questionário para Subscrição de Seguro de Responsabilidade Ambiental e por Contaminação Este questionário deve ser preenchido pelo Segurado ou por um representante autorizado, devendo dar-se resposta completa

Leia mais

Portaria n.º 827/2005, de 14 de Setembro Estabelece as condições de venda de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM)

Portaria n.º 827/2005, de 14 de Setembro Estabelece as condições de venda de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM) Estabelece as condições de venda de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM) O Decreto-Lei n.º 134/2005, de 16 de Agosto, que permite a venda de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM)

Leia mais

Tópicos. Introdução Avaliação/gestão de riscos Normas de segurança Boas práticas laboratoriais (case study) Conclusões

Tópicos. Introdução Avaliação/gestão de riscos Normas de segurança Boas práticas laboratoriais (case study) Conclusões Boas Práticasde Trabalhoem Laboratório Olga Conde Moreira Seminário no âmbito do Projeto AGROPECUÁRIA, TECNOLOGIA ALIMENTAR E AMBIENTE APRENDER CIÊNCIA HANDS-ON Programa Ciência Viva 12 de Março de 2014

Leia mais

Introdução à Química Inorgânica

Introdução à Química Inorgânica Introdução à Química Inorgânica Orientadora: Drª Karla Vieira Professor Monitor: Gabriel Silveira Química A Química é uma ciência que está diretamente ligada à nossa vida cotidiana. A produção do pão,

Leia mais

A N E X O III REGRAS DE ORIGEM ARTIGO 1. Serão consideradas originárias das Partes as seguintes mercadorias:

A N E X O III REGRAS DE ORIGEM ARTIGO 1. Serão consideradas originárias das Partes as seguintes mercadorias: A N E X O III REGRAS DE ORIGEM ARTIGO 1 Serão consideradas originárias das Partes as seguintes mercadorias: a) Mercadorias inteiramente obtidas ou elaboradas inteiramente no território de uma das Partes,

Leia mais

FICHA DE SEGURANÇA DESENTUPIDOR DE TUBAGEM LINHA PROFISSIONAL

FICHA DE SEGURANÇA DESENTUPIDOR DE TUBAGEM LINHA PROFISSIONAL Ficha de Segurança de acordo com Regulamento (CE) nº 1907/2006 (REACH). Classificação e Rotulagem de acordo com Regulamento para a Classificação, Embalagem e Rotulagem de Preparações perigosas. 1. Identificação

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS PERIGOSOS: CLASSIFICAÇÃO DE RISCOS DA ONU, PAINEL DE SEGURANÇA E RÓTULO DE RISCOS

IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS PERIGOSOS: CLASSIFICAÇÃO DE RISCOS DA ONU, PAINEL DE SEGURANÇA E RÓTULO DE RISCOS IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS PERIGOSOS: CLASSIFICAÇÃO DE RISCOS DA ONU, PAINEL DE SEGURANÇA E RÓTULO DE RISCOS 1. Introdução Por Edson Haddad, Ricardo Serpa e Rodolfo Arias As atividades que

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DE ALCABIDECHE

JUNTA DE FREGUESIA DE ALCABIDECHE PROJETO REGULAMENTO DE LICENCIAMENTO DE ATIVIDADES DIVERSAS DA FREGUESIA NOTA JUSTIFICATIVA Nos termos do Decreto-lei n.º 204/2012, de 29 de Abril, conjugado com o nº 3 do artigo 16.º da Lei nº 75/2013,

Leia mais

Decreto-Lei n.º 255/99 de 7 de Julho- Versão27-08-2013. Texto consolidado com as alterações introduzidas pela Lei 5/2013 (texto sublinhado a amarelo)

Decreto-Lei n.º 255/99 de 7 de Julho- Versão27-08-2013. Texto consolidado com as alterações introduzidas pela Lei 5/2013 (texto sublinhado a amarelo) Decreto-Lei n.º 255/99 de 7 de Julho- Versão27-08-2013 Texto consolidado com as alterações introduzidas pela Lei 5/2013 (texto sublinhado a amarelo) Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito 1. O

Leia mais

NOVAS REGRAS DE OPERAÇÕES CAMBIAIS IMPORTAÇÃO, EXPORTAÇÃO E REEXPORTAÇÃO DE MERCADORIAS

NOVAS REGRAS DE OPERAÇÕES CAMBIAIS IMPORTAÇÃO, EXPORTAÇÃO E REEXPORTAÇÃO DE MERCADORIAS NOVAS REGRAS DE OPERAÇÕES CAMBIAIS IMPORTAÇÃO, EXPORTAÇÃO E REEXPORTAÇÃO DE MERCADORIAS O Aviso n.º 19/2012, de 19.04., do Banco Nacional de Angola estabelece o novo regime para as operações cambiais referentes

Leia mais

Anexo VII REGISTOS E DOCUMENTOS A SEREM MANTIDOS PELOS OPERADORES DE UM ARMAZÉM DE REGIME ADUANEIRO COM APERFEIÇOAMENTO DA MERCADORIA

Anexo VII REGISTOS E DOCUMENTOS A SEREM MANTIDOS PELOS OPERADORES DE UM ARMAZÉM DE REGIME ADUANEIRO COM APERFEIÇOAMENTO DA MERCADORIA REGISTOS E DOCUMENTOS A SEREM MANTIDOS PELOS OPERADORES DE UM ARMAZÉM DE REGIME ADUANEIRO COM APERFEIÇOAMENTO DA MERCADORIA I. Registo dos dados de base constantes da autorização do armazém DADOS DE BASE

Leia mais

INSTRUTIVO N.08/99. de 21 de Maio

INSTRUTIVO N.08/99. de 21 de Maio ASSUNTO: POLITICA CAMBIAL Operações de mercadorias INSTRUTIVO N.08/99 de 21 de Maio Com vista a estabelecer os procedimentos operacionais decorrentes das operações de mercadorias, em conformidade com o

Leia mais

TABELA 1 INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE O PROCESSO COMPLETO DE DESALFANDEGAMENTO 1) PREPARAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS.

TABELA 1 INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE O PROCESSO COMPLETO DE DESALFANDEGAMENTO 1) PREPARAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS. TABELA 1 INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE O PROCESSO COMPLETO DE DESALFANDEGAMENTO 1) PREPARAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS a) LICENCIAMENTO Para que uma mercadoria seja legalizada o primeiro passo a tomar deverá

Leia mais

Nota Técnica. Requisitos Gerais para a armazenagem de óleos usados:

Nota Técnica. Requisitos Gerais para a armazenagem de óleos usados: Nota Técnica ARMAZENAGEM DE ÓLEOS USADOS Para efeitos do presente documento, considera-se a definição de óleos usados constante na alínea b) do artigo 2.º do Decreto-lei n.º 153/2003. Define-se reservatório

Leia mais

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 00081/2012 (S08958-201207)

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 00081/2012 (S08958-201207) 1 5 ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 00081/2012 (S08958-201207) Nos termos do Artigo 32º do Decreto-Lei n.º 178/2006, de 5 de Setembro, com a redação conferida

Leia mais

Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários.

Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários. Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários. Nº PROCESSO REQUERIMENTO RAZÃO SOCIAL IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO NOME DE FANTASIA NÚMERO DO CNPJ NÚMERO ÚLTIMO

Leia mais

MANUAL DE NORMAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO DE QUÍMICA. Material organizado pelo Prof. Cristiano Alfredo. Rupp.

MANUAL DE NORMAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO DE QUÍMICA. Material organizado pelo Prof. Cristiano Alfredo. Rupp. MANUAL DE NORMAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO DE QUÍMICA Material organizado pelo Prof. Cristiano Alfredo. Rupp. NORMAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO DE QUÍMICA Para um trabalho com segurança e com menores

Leia mais

EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI

EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI Equipamento De Proteção Individual - EPI Definição: EPI é todo dispositivo de uso individual, destinado a proteger a integridade física do trabalhador. EPI (s)

Leia mais

Exportação de mercadorias do país de origem para países terceiros e/ou importação pelo país de mercadorias com origem em países terceiros.

Exportação de mercadorias do país de origem para países terceiros e/ou importação pelo país de mercadorias com origem em países terceiros. ÁREA TEMÁTICA DESIGNAÇÃO CONTEÚDO COMÉRCIO ESPECIAL Sistema de comércio que inclui nas entradas, as chegadas, as importações em regime normal e as mercadorias importadas para aperfeiçoamento activo e após

Leia mais

MANUSEIO, ACONDICIONAMENTO, ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Profa. Margarita Maria Dueñas O.

MANUSEIO, ACONDICIONAMENTO, ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Profa. Margarita Maria Dueñas O. MANUSEIO, ACONDICIONAMENTO, ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS Profa. Margarita Maria Dueñas O. RESÍDUOS PERIGOSOS Ponto de geração Destino final FASE INTERNA COLETA ACONDICIONAMENTO FASE

Leia mais

Procedimento para Licenciamento de Fontes Radioactivas Seladas

Procedimento para Licenciamento de Fontes Radioactivas Seladas MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR Procedimento para Licenciamento de Fontes Radioactivas Seladas 1. Legislação e Regulamentos Aplicáveis Decreto-Lei n.º 38/2007, de 19 de Fevereiro, do

Leia mais

Autoridade Bancária e de Pagamentos de Timor-Leste

Autoridade Bancária e de Pagamentos de Timor-Leste Autoridade Bancária e de Pagamentos de Timor-Leste Banking and Payments Authority of Timor-Leste Av a Bispo Medeiros, PO Box 59, Dili, Timor-Leste Tel. (670) 3 313 718, Fax. (670) 3 313 716 RESOLUÇÃO DO

Leia mais

Regras gerais. Entidades Utilizadoras de produto de software de prescrição electrónica de medicamentos no Sistema de Saúde

Regras gerais. Entidades Utilizadoras de produto de software de prescrição electrónica de medicamentos no Sistema de Saúde Entidades Utilizadoras de produto de software de prescrição electrónica de medicamentos no Sistema de Saúde Unidade Operacional de Normalização e Certificação de Sistemas e Tecnologias da Informação Os

Leia mais

Segurança com Pr P odutos o Q u Q ími m cos

Segurança com Pr P odutos o Q u Q ími m cos Segurança com Produtos Químicos Assuntos a serem Abordados 1. Conceitos e Definições; 2. Pré Avaliação do Produto Químico (Compra); 3. Armazenamento de Produto Químico; 4. Resíduo / Licença Ambiental;

Leia mais

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 149 (Novembro/Dezembro de 2003) KÉRAMICA n.º 264 (Janeiro/Fevereiro de 2004)

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 149 (Novembro/Dezembro de 2003) KÉRAMICA n.º 264 (Janeiro/Fevereiro de 2004) TÍTULO: Atmosferas explosivas risco de explosão AUTORIA: Paula Mendes PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 149 (Novembro/Dezembro de 2003) KÉRAMICA n.º 264 (Janeiro/Fevereiro de 2004) INTRODUÇÃO A protecção contra

Leia mais

Conceito de Comerciante e Corretor nos termos do Regime Geral de Gestão de Resíduos

Conceito de Comerciante e Corretor nos termos do Regime Geral de Gestão de Resíduos Comerciante/Corretor Versão 2: 08 de julho de 2014 Conceito de Comerciante e Corretor nos termos do Regime Geral de Gestão de Resíduos Índice 1. Enquadramento legislativo e pressupostos... 1 1.1 Pressupostos

Leia mais

CIRCULAR A TODAS AS ESTÂNCIAS ADUANEIRAS Nº /DESP/DTA/DNA/07

CIRCULAR A TODAS AS ESTÂNCIAS ADUANEIRAS Nº /DESP/DTA/DNA/07 REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO NACIONAL DAS ALFÂNDEGAS CIRCULAR A TODAS AS ESTÂNCIAS ADUANEIRAS Nº /DESP/DTA/DNA/07 ASSUNTO: GESTÃO ELECTRÓNICA DE MANIFESTOS. 1. Introdução. 1.1 A

Leia mais

FICHA DE EMERGÊNCIA EM CASO DE ACIDENTES

FICHA DE EMERGÊNCIA EM CASO DE ACIDENTES Rua Soluções do Lar, 155 CEP. 06700-000 Cotia SP Tel./ Fax: (11) 4612-2014 Nome do Produto: PRIMER PRODUTO NÃO ENQUADRADO NA PORTARIA EM VIGOR SOBRE VIGOR SOBRE TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS Líquido

Leia mais

Resoluções e Normativas Federais. GTT - Náutico

Resoluções e Normativas Federais. GTT - Náutico Resoluções e Normativas Federais GTT - Náutico Ministério da Fazenda Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB) -Decreto nº 6.759, de 5 de fevereiro de 2009. Regulamento Aduaneiro (art. 26 ao 30; art.

Leia mais

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas. Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.es/insht/ INTRODUÇÃO Os incêndios e explosões, ainda que representem uma porcentagem

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento D.O.U. Nº 225, sexta-feira, 24 de novembro de 2006. Pág. 10 SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 65, DE 21 DE NOVEMBRO

Leia mais

MUNICÍPIO DE MACHICO REGULAMENTO DO LICENCIAMENTO ZERO 1

MUNICÍPIO DE MACHICO REGULAMENTO DO LICENCIAMENTO ZERO 1 MUNICÍPIO DE MACHICO REGULAMENTO DO LICENCIAMENTO ZERO 1 Nota Justificativa A simplificação do exercício de atividades decorrente da publicação e entrada em vigor do Decreto-Lei n.º 48/2011, de 1 de abril

Leia mais

colas. Qualidade e segurança

colas. Qualidade e segurança Curso Tecnologia Pós-Colheita P e Processamento Mínimo M de Produtos Hortofrutícolas colas. Qualidade e segurança Legislação respeitante à produção e comercialização de produtos minimamente processados

Leia mais

À Firma. À Firma. À firma

À Firma. À Firma. À firma À Firma À Firma À firma Sua Referência Sua Comunicação de Nossa Referência Data Assunto: Convite para apresentação de proposta. Ajuste Directo n.º 6/2009. Em cumprimento do disposto no artigo 115.º do

Leia mais

Ficha de dados de segurança

Ficha de dados de segurança Ficha de dados de segurança página: 1/6 1. Designação de substância/preparação e empresa NOMOLT 150 SC Empresa: BASF Portuguesa, Lda. - P - 2689-538 PRIOR VELHO Portugal Endereço útil: BASF Española S.

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES. RESOLUÇÃO Nº 420, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2004 DOU de 31 DE MAIO DE 2004

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES. RESOLUÇÃO Nº 420, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2004 DOU de 31 DE MAIO DE 2004 AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES RESOLUÇÃO Nº 420, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2004 DOU de 31 DE MAIO DE 2004 Aprova as Instruções Complementares ao Regulamento do Transporte Terrestre de Produtos

Leia mais

FISPQ - Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico

FISPQ - Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico Página 1 de 5 FISPQ - Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Resinas monocomponentes elastoméricas para acabamento em madeiras. TERRATACO

Leia mais

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS ENTIDADE GESTORA ERP PORTUGAL

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS ENTIDADE GESTORA ERP PORTUGAL GUIA PARA O PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS ENTIDADE GESTORA ERP PORTUGAL Versão: 1.0 Data: 05-06-2009 Índice Acesso e estados dos Formulários... 3 Escolha do Formulário e submissão... 4 Bases para a navegação

Leia mais

Lista das frases de risco e de segurança

Lista das frases de risco e de segurança Lista das frases de risco e de segurança FRASES DE RISCO R1 : Explosivo no estado seco. R2 : Risco de explosão por choque, fricção, fogo ou outras fontes de ignição. R3 : Grande risco de explosão por choque,

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 4. RESPONSABILIDADES...

PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 4. RESPONSABILIDADES... PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 3.1. FASE DE PLANEAMENTO (PRÉ-OBRA)...5 3.2. FASE DE CONSTRUÇÃO...5 3.2.1. Deposição

Leia mais

Ficha de dados de segurança

Ficha de dados de segurança Página 1 de 5 SECÇÃO 1: Identificação da substância/mistura e da sociedade/empresa 1.1. Identificador do produto Outras nomes comerciales É também válido para os seguintes números de material: : 914925;

Leia mais

Agostinho Paim Cota NIF: 128 659 823

Agostinho Paim Cota NIF: 128 659 823 LISTA DE OPERADORES DE GESTÃO DE RESÍDUOS LICENCIADOS EM SÃO JORGE ATUALIZADA A 31.07.2012 Agostinho Paim Cota NIF: 128 659 823 - Armazenagem dos seguintes resíduos: LER Alvará n.º 5/DRA/2012 (validade:

Leia mais

EXTRUTOP FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 017 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

EXTRUTOP FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 017 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA FISPQ 017 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Extrutop Código interno: AGM215 e AGM216 Empresa: Indutil Indústria de Tintas Ltda. e-mail: indutil@indutil.com.br

Leia mais

Decreto-Lei n.º 17/98/M

Decreto-Lei n.º 17/98/M Decreto-Lei n.º 17/98/M de 4 de Maio A reprodução ilícita e em grande escala de programas de computador, fonogramas e videogramas, bem como o respectivo comércio, lesam de forma inaceitável os direitos

Leia mais

MERCADO ABASTECEDOR DA REGIÃO DE LISBOA. Regulamento de Utilização de Espaços para Exposições

MERCADO ABASTECEDOR DA REGIÃO DE LISBOA. Regulamento de Utilização de Espaços para Exposições MERCADO ABASTECEDOR DA REGIÃO DE LISBOA Regulamento de Utilização de Espaços para Exposições Regulamento de Utilização de Espaços para Exposições Artigo 1.º (Objecto e Âmbito) 1. A MARL Mercado Abastecedor

Leia mais

CURSO PARA CONDUTORES DE VEÍCULOS DE TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS

CURSO PARA CONDUTORES DE VEÍCULOS DE TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS CURSO PARA CONDUTORES DE VEÍCULOS DE TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS Carga horária: 50 (cinqüenta) horas aula Requisitos para matrícula Ser maior de 21 anos; Estar habilitado em uma das categorias B,

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA PROMINOL P 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Data de emissão: 13 / 03 / 08 Nome do produto: Uso do produto: PROMINOL P Adubo Empresa responsável pela comercialização:

Leia mais

O Transporte Terrestre de Produtos Perigosos no MERCOSUL

O Transporte Terrestre de Produtos Perigosos no MERCOSUL O Transporte Terrestre de Produtos Perigosos no MERCOSUL Classificação Rótulos de Risco e Painéis de Segurança Interface com o Sistema Globalmente Harmonizado de Classificação e Rotulagem de Substâncias

Leia mais

40% - 50% Petroleo hidrotratado N.67/548/CEE: 649-327-00-6 CAS: 64742-48-9 EINECS: 265-150-3 Xn, R10-65

40% - 50% Petroleo hidrotratado N.67/548/CEE: 649-327-00-6 CAS: 64742-48-9 EINECS: 265-150-3 Xn, R10-65 Folha técnica de segurança de 28/05/2010, versão 6 1. Identificação do produto e do fabricante Designação: Spray removedor de ferrugem Código de designação: 300-400ml Tipo de produto: Produto quimico industrial

Leia mais

DIRECTIVA 2003/94/CE DA COMISSÃO

DIRECTIVA 2003/94/CE DA COMISSÃO L 262/22 DIRECTIVA 2003/94/CE DA COMISSÃO de 8 de Outubro de 2003 que estabelece princípios e directrizes das boas práticas de fabrico de medicamentos para uso humano e de medicamentos experimentais para

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUíMICOS (FISPQ)

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUíMICOS (FISPQ) 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Aplicação: Redutor de ph Empresa: Micheloto Ind. e Com. de Prod. Químicos Ltda EPP Endereço: Est. Vic. Dr. Eduardo Dias de Castro Km 03 B Zona Rural Fernão/SP

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA BIOESTIM K 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Data de emissão: 13 / 03 / 08 Nome do produto: Uso do produto: BIOESTIM K Adubo Empresa responsável pela comercialização:

Leia mais

Ficha de dados de segurança

Ficha de dados de segurança Página 1 de 5 SECÇÃO 1: Identificação da substância/mistura e da sociedade/empresa 1.1. Identificador do produto 1.2. Utilizações identificadas relevantes da substância ou mistura e utilizações desaconselhadas

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Lei n.º 11/04 de 12 de Novembro As operações petrolíferas pelo alto risco que encerram e pelo grande volume de investimentos que requerem, justificam que gozem de um regime aduaneiro

Leia mais

Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis. Enquadramento Legal

Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis. Enquadramento Legal AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis - Obrigações Gerais do Empregador SERVIÇOS DE ENGENHARIA/SEGURANÇA AICCOPN - 07 de Junho de

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 44 3 de Março de 2008 1372-(13)

Diário da República, 1.ª série N.º 44 3 de Março de 2008 1372-(13) Diário da República, 1.ª série N.º 44 3 de Março de 2008 1372-(13) d) Livro de obra, com menção do termo de abertura; e) Plano de segurança e saúde. 2 Quando a emissão do alvará seja antecedida de deferimento

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o, 25.6.2003 L 156/17 DIRECTIVA 2003/35/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 26 de Maio de 2003 que estabelece a participação do público na elaboração de certos planos e programas relativos ao ambiente

Leia mais

Ficha de dados de segurança

Ficha de dados de segurança Página 1 de 5 SECÇÃO 1: Identificação da substância/mistura e da sociedade/empresa 1.1. Identificador do produto 1.2. Utilizações identificadas relevantes da substância ou mistura e utilizações desaconselhadas

Leia mais

Guia de Apoio à Realização de Inspecções Ambientais

Guia de Apoio à Realização de Inspecções Ambientais Guia de Apoio à Realização de Inspecções Ambientais 1-Introdução As inspecções ambientais são o garante da implementação e cumprimento da legislação ambiental por parte das empresas que exercem actividades

Leia mais

Ficha de dados de segurança

Ficha de dados de segurança Página 1 de 5 SECÇÃO 1: Identificação da substância/mistura e da sociedade/empresa 1.1. Identificador do produto 1.2. Utilizações identificadas relevantes da substância ou mistura e utilizações desaconselhadas

Leia mais

INCONTERMS 2010. Grupo E (Partida) EXW EX Works A partir do local de produção ( local designado: fábrica, armazém, etc.)

INCONTERMS 2010. Grupo E (Partida) EXW EX Works A partir do local de produção ( local designado: fábrica, armazém, etc.) Numa negociação internacional, é muito importante que o gestor comercial esclareça com o seu cliente quais serão as condições de entrega a praticar para a mercadoria que vai ser transacionada, ou seja,

Leia mais

1. Objecto e âmbito de aplicação

1. Objecto e âmbito de aplicação As presentes Condições Gerais de Contratação são acordadas entre a Lusodidacta Sociedade Portuguesa de Material Didáctico, Lda, com o número de pessoa colectiva e matrícula na Conservatória do Registo

Leia mais

31/10/1992 Jornal Oficial L 316

31/10/1992 Jornal Oficial L 316 DIRECTIVA 92/83/CEE DO CONSELHO de 19 de Outubro de 1992 relativa à harmonização da estrutura dos impostos especiais sobre o consumo de álcool e bebidas alcoólicas CONSELHO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS, Tendo

Leia mais

Alteração do tipo de actividade ou ramo de comércio. Mudança da pessoa ou entidade titular da exploração

Alteração do tipo de actividade ou ramo de comércio. Mudança da pessoa ou entidade titular da exploração MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO, DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS, DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL E DA SAÚDE Declaração de Instalação,

Leia mais

Designação do Produto Food Universal (Deterg./Desinf.) - Multiusos. Aplicação

Designação do Produto Food Universal (Deterg./Desinf.) - Multiusos. Aplicação PÁGINA: 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO Ref.ª HSEL126 Designação do Produto Food Universal (Deterg./Desinf.) - Multiusos Aplicação Detergente neutro de aplicação geral 2. COMPOSIÇÃO Informação relevante

Leia mais

Importação: Regras básicas

Importação: Regras básicas Importação: Regras básicas Pagamentos de importação de mercadorias em Angola 1 Procure o Ministério do Comércio (MINCO) para proceder ao registo de Exportador e Importador (REI). 3 Negocie com seu Exportador/Fornecedor:

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE VILA FRANCA DE XIRA

CÂMARA MUNICIPAL DE VILA FRANCA DE XIRA CÂMARA MUNICIPAL DE VILA FRANCA DE XIRA REGULAMENTO Nº 08/2004 REGULAMENTO MUNICIPAL PARA VEÍCULOS ABANDONADOS 1/10 Aprovação nos Órgãos Municipais Câmara Municipal: Regulamento...................... 04/09/29

Leia mais

OFICINA DE REPARAÇÃO AUTOMÓVEL

OFICINA DE REPARAÇÃO AUTOMÓVEL OFICINA DE REPARAÇÃO AUTOMÓVEL Que resíduos produz? Segundo o Decreto-Lei nº178/2006, de 5 de Setembro, entende-se por resíduos quaisquer substâncias ou objectos de que o detentor se desfaz ou tem a intenção

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ PRODUTO: BATERIA MOURA 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Nome da Empresa: Endereço: Bateria Moura Acumuladores Moura

Leia mais

d) Licença ambiental de operação documento

d) Licença ambiental de operação documento I SÉRIE N.º 84 DE 13 DE JULHO DE 2007 1283 Decreto n.º 59/07 de 13 de Julho Considerando que a Lei n.º 5/98, de 19 de Junho, Lei de Bases do Ambiente, estabelece a obrigatoriedade de licenciamento das

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES DIRETORIA RESOLUÇÃO Nº 3.632, DE 9 DE FEVEREIRO DE 2011

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES DIRETORIA RESOLUÇÃO Nº 3.632, DE 9 DE FEVEREIRO DE 2011 AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES DIRETORIA RESOLUÇÃO Nº 3.632, DE 9 DE FEVEREIRO DE 2011 Altera o Anexo da Resolução nº 420, de 12 de fevereiro de 2004, que aprova as Instruções Complementares

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS. 2. Legislação de enquadramento 3. Tramitação para a inspecção dos Espaços de Jogo e Recreio 4. Fluxograma da tramitação

NORMA DE PROCEDIMENTOS. 2. Legislação de enquadramento 3. Tramitação para a inspecção dos Espaços de Jogo e Recreio 4. Fluxograma da tramitação NORMA DE PROCEDIMENTOS Abril de 2008 EJR 06 / AL Tramitação para a inspecção dos Espaços de Jogo e Recreio 01 / AL 1. Apresentação 2. Legislação de enquadramento 3. Tramitação para a inspecção dos Espaços

Leia mais

FICHA DE SEGURANÇA ANTICALCÁRIO MÁQUINA LINHA PROFISSIONAL

FICHA DE SEGURANÇA ANTICALCÁRIO MÁQUINA LINHA PROFISSIONAL Ficha de Segurança de acordo com Regulamento (CE) nº 1907/2006 (REACH). Classificação e Rotulagem de acordo com Regulamento para a Classificação, Embalagem e Rotulagem de Preparações perigosas. 1. Identificação

Leia mais

DESPACHANTE OFICIAL ANTONIO HELDER MATEUS www.heldermateus.com geral@heldermateus.com telefones: 00244 222 100515 00244 222 100529 00244 925485649

DESPACHANTE OFICIAL ANTONIO HELDER MATEUS www.heldermateus.com geral@heldermateus.com telefones: 00244 222 100515 00244 222 100529 00244 925485649 O QUE FAZ UM DESPACHANTE OFICIAL? FAQ O Despachante oficial e seus ajudantes podem praticar em nome dos seus representados os actos relacionados com o despacho aduaneiro de bens ou de mercadorias, inclusive

Leia mais

PRIMEIRO A SEGURANÇA. Armazenamento e Manuseamento Seguro de Produtos de Limpeza e de Desinfecção. Seguir as Regras de Segurança:

PRIMEIRO A SEGURANÇA. Armazenamento e Manuseamento Seguro de Produtos de Limpeza e de Desinfecção. Seguir as Regras de Segurança: Seguir as Regras de Segurança: 1. Seguir sempre as recomendações e instruções de aplicação dos produtos de limpeza e de desinfecção. 2. Observar os pictogramas de perigo, as advertências de perigo e as

Leia mais

Prof. Carlos E. Matos. Maio - 2013

Prof. Carlos E. Matos. Maio - 2013 Elaboração de Ficha com Dados de Segurança de Resíduos químicos (FDSR) e rotulagem (ABNT-NBR 16725) Resíduos perigosos: classificação (ABNT- NBR 10004 e transporte) Prof. Carlos E. Matos Maio - 2013 FISPQ

Leia mais