Avaliação da Retenção de Metais Pesados de Escorrências Rodoviárias por Filtração Reactiva

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Avaliação da Retenção de Metais Pesados de Escorrências Rodoviárias por Filtração Reactiva"

Transcrição

1 Avaliação da Retenção de Metais Pesados de Escorrências Rodoviárias por Filtração Reactiva Paulo J. Ramísio 1, José M. P. Vieira 2 Universidade do Minho, Departamento de Engenharia Civil Azurém, P Guimarães, Portugal RESUMO A degradação da qualidade de solos e águas subterrâneas causada por escorrências rodoviárias constitui um assunto de crescente preocupação e de interesse para a realização, a nível internacional, de variados programas de investigação e desenvolvimento. No presente trabalho apresentam-se os resultados de um projecto de investigação realizado com o objectivo de avaliar a eficiência de retenção de metais pesados provenientes de escorrências rodoviárias, usando, para tal, um meio filtrante constituído por materiais correntes e com propriedades conhecidas: areia e caulino. Os parâmetros de controlo para a experiência foram: ph, condutividade, temperatura, Zn, Cu, Pb, caudal e carga hidráulica. Os resultados experimentais mostram que o Zn é o metal com maior mobilidade, com eficiências de retenção a diminuíram para valores inferiores a 50% num período de 15, 70 e 110 dias, para os três diferentes meios filtrantes considerados. Para o Cu e Pb, e depois de um período experimental de 260 dias, as eficiências de retenção registadas são ainda superiores a 70% e 40% para o meio filtrante de areia, respectivamente, e superiores a 90% para os meios filtrantes de areia e caulino. Os ensaios de dessorção efectuados ao meio filtrante permitiram ainda confirmar a grande resistência à dessorção demonstrada pelas suas camadas reactivas. 1. INTRODUÇÃO Um grande número de metais pesados e micropoluentes orgânicos aparecem nas escorrências rodoviárias como resultado do tráfego automóvel. Cu, Pb, Zn e Cd - algumas vezes Ni e Cr - são considerados os mais importantes metais pesados associados a fontes estacionárias e móveis (Hvitved-Jacobsen, 2005). Estes metais encontram-se na fase dissolvida ou associados a partículas (Barbosa, 1999; Farm 2002). Ao contrário dos compostos orgânicos e xenobióticos, os metais são dificilmente degradados no ambiente. Como consequência estes elementos podem exercer simultaneamente um impacto toxicológico de curto prazo, caracterizado pela concentração ou actividade, e um impacto de longo prazo, caracterizada pela acumulação da sua massa (Sansalone, 1996). Entre as estratégias propostas para o controlo da poluição por escorrências rodoviárias, encontram-se os métodos de infiltração, os métodos de detenção, os filtros com vegetação e as 1 Doutor em Eng. Civil, Professor Auxiliar 2 Doutor em Eng. Civil, Professor Catedrático Número 33, 2008 Engenharia Civil UM 75

2 zonas húmidas (Sansalone, 1996). Em sistemas de infiltração, segundo Farm (2002), os principais processos de imobilização de metais e nutrientes são a complexação e a precipitação. Usando lagoas de infiltração as partículas podem ser retidas nas camadas inferiores da lagoa, mas os metais pesados dissolvidos podem ainda contaminar os aquíferos. Mesmo com a utilização de bacias de detenção, onde as partículas podem decantar, pequenas partículas e metais pesados na forma dissolvida podem ainda contribuir para a contaminação das águas receptoras. Assim, para o desenvolvimento de uma estratégia de imobilização dos metais pesados é importante a caracterização do seu fraccionamento em escorrências de pavimentos rodoviários (Sansalone, 1996). Outra razão para o conhecimento do fraccionamento é que os metais pesados têm maior impacto no meio ambiente e na saúde humana na forma dissolvida. Estudos de caracterização de escorrências de auto-estradas têm mostrado que Zn, Cd, Ni e Cu se encontram predominantemente na forma dissolvida, o Pb e Cr igualmente distribuídos entre as duas formas, enquanto o Fe e Al estão predominantemente ligados a partículas (Hvitved-Jacobsen, 2005; Sansalone, 1996). O desenvolvimento de uma técnica de retenção "in situ, aplicando minerais naturais com baixa variabilidade das suas propriedades, pode ajudar a desenvolver um protótipo de uma solução técnica para a redução da poluição por metais pesados escorrências rodoviárias. A fracção dissolvida pode ser imobilizada através da sorção, e a fracção particulada através dos mecanismos de filtração (Scheidegger e Sparks, 1996). Estudos experimentais com diferentes tipos de meio filtrante, foram já realizadas à escala laboratorial: areia revestida a óxido de ferro, zeólitos naturais e carvão activado granular (Farm, 2002). A utilização de minerais naturais para a materialização da camada reactiva do meio filtrante pode contribuir para a viabilidade prática desta solução técnica à escala real. No entanto, o comportamento dos metais pesados imobilizada por dessorção química deve ser conhecido, uma vez que por este processo os metais pesados retidos podem voltar à forma dissolvida. Assim, o comportamento dos metais pesados retidos à dessorção é relevante. Um programa de investigação foi desenvolvido com o objectivo de avaliar a eficiência, os processos e os fenómenos associados à retenção de metais pesados, num filtro com areia e caulino como meio filtrante. Com base num trabalho experimental, à escala piloto, e com um ano de duração, será apresentado a partição dos metais pesados na escorrência sintética, o comportamento hidráulico, a eficiência de retenção dos metais pesados dissolvidos e a resistência à libertação dos metais retidos por dessorção química. Os parâmetros de controlo para as experiências foram o ph, condutividade, temperatura, Zn, Cu, Pb, caudal e carga hidráulica. 2. METODOLOGIA EXPERIMENTAL 2.1. Instalação experimental A instalação experimental foi materializada com recurso a dois reservatórios e três colunas cilíndricas de polietileno transparente, com um diâmetro interior de 172 mm. O esquema da instalação é representado na Figura Engenharia Civil UM Número 33, 2008

3 Reservatório Trop-plein Areia Areia Areia 100% Areia 90% Areia + 10% Caulinite 80% Areia + 20% Caulinite Areia Areia Areia Fig. 1 Representação esquemática da instalação experimental Os suportes inferiores das colunas foram construídos de modo a permitir um movimento deslizante do meio filtrante no fim do período experimental. A carga hidráulica a jusante foi mantida constante através de um descarregador, permitindo assim uma fácil leitura da perda de carga no meio filtrante. (Figura 2). Meio Filtrante Estrutura de suporte Areia Fig. 2 a) Das Colunas Effluent b) Pormenores das colunas (medidas em mm): a) Suporte inferior; b) Descarregador Em cada coluna, foram previstos diferentes meios filtrantes, cada um dos quais com 700 mm de altura: areia na coluna C1; 10% de caulino e 90% de areia na coluna C2; 20% de caulino e 80% de areia na coluna C3. Para protecção do meio filtrante foi prevista uma camada de 100 mm de areia, na parte superior e inferior do meio filtrante. A composição do meio filtrante foi definida com base na condutividade hidráulica obtida em estudos experimentais preliminares Na Tabela 1 são apresentados os detalhes dos materiais usados no meio filtrante, para cada uma das colunas. Número 33, 2008 Engenharia Civil UM 77

4 Tabela 1 Peso do material filtrante (g) Coluna C1 Coluna C2 Coluna C3 Camada Areia Areia Caulino Areia Caulino Camada superior 3.522, , ,4 - Meio filtrante , , , , ,7 Camada inferior 3.522, , ,4 - Total , , ,6 Caulino Nas Tabelas 2 e 3 são apresentadas a composição química do caulino utilizada e os resultados da análise granulométrica. Tabela 2 Composição química do caulino (Fluorescência de Raio X) Composição (%) SiO 2 48,1 Al 2 O 3 35,5 K 2 O 2,0 Fe 2 O 3 1,7 MgO 0,3 Na 2 O 0,2 TiO 2 0,2 CaO 0,13 Perdas na ignição 12,0 Tabela 3 Análise granulométrica do caulino (serigraph) Partículas (%) < 30 m < 10 m < 5 m < 2 m µ 98 ± 1 µ 73 ± 3 µ 50 ± 4 µ 30 ± 4 Os minerais argilosos têm grande superfície específica. A caulinite apresenta valores típicos de 15 a 50 m 2 /g, os quais são tipicamente inferiores aos característicos da montemorilonite (150 a 800 m 2 /g). A capacidade de troca catiónica (CTC) é definida como o máximo de catiões que um mineral argiloso pode trocar (Gomes, 1986). A CTC do caulino utilizado foi de 3 meq/100g, obtido através da saturação da uma solução de acetato de amónia, e a sua superfície específica foi estimada em 4,5 m 2 /g pelo método de azul de metileno. Areia As análises da areia usada na camada superior, meio filtrante e camada inferior, indicaram a seguinte composição mineralógica: 83% Quartzo; 13% Feldspato; 4% Mica; Caulinite: 0%. A distribuição granulométrica desta areia é apresentada na Figura Engenharia Civil UM Número 33, 2008

5 Passados Acumulados (%) Peneiro (mm) Fig. 3 Distribuição granulométrica da areia Efluente sintético As colunas foram alimentadas, individualmente, com um efluente sintético representativo da contribuição de metais pesados de escorrências rodoviárias. Este efluente foi preparado com base na diluição de Acetato de Zinco ( CH 3 COO) 2 Zn 2H 2 O), Acetato de Cobre ( OOCCH 3 ) 2 Cu H 2 O) e Acetato de Chumbo ( CH 3 COO) 2 Pb 3H 2 O). A solubilidade máxima destes compostos, a 20ºC, é de: 430 g/l, 72 g/l e 410 g/l, respectivamente Condições de operação A cada coluna foi aplicado um caudal constante de 10 L/d de efluente sintético com a seguinte concentração de metais: 8,0 mg Zn /L, 1,0 mg Cu /L, 0,1 mg Pb /L. Depois da redução significativa da retenção do Zn (ocorrido no dia 156), as concentrações de Cu e Pb foram duplicadas. A taxa de aplicação hidráulica foi de 0,43 m/d (157 m/ano). A concentração do Carbono Orgânico Total (COT) relacionada com o acetato, na concentração inicial, foi de 6,72 mg C/L, com a seguinte contribuição: Zn-5,870 mg C/L (87,38 %); Cu-0,7553 mg C/L (11,24 %) e Pb-0,09266 mg C/L (1,38 %). Devido ao longo período experimental, com vista a avaliar a variação da concentração inicial de metais pesados dissolvidos no efluente (p.e. biosorção, precipitação, etc ), para além das análises ao efluente sintético preparado foi analisado o efluente de alimentação das colunas. Na Figura 4 são apresentados os resultados obtidos no período experimental. 10,00 9,00 8,00 Cu, Pb, Zn (mg/l) 7,00 6,00 5,00 4,00 3,00 Zn Cu Pb 2,00 1,00 0,00 Fig. 4 Concentração de metais pesados no efluente sintético e na alimentação das colunas A eficiência de retenção de metais pesados, em cada coluna, foi calculada com base nas concentrações dos metais pesados dissolvidos das amostras do efluente na entrada e na saída das colunas. S l Número 33, 2008 Engenharia Civil UM 79

6 As análises foram efectuadas com base em metodologias normalizadas (APHA, 1997). Todo o material de vidro em contacto com as amostras foi lavado com ácido nítrico e água desionisada. Imediatamente após a colheita das amostras, foram medidos os parâmetros físicoquímicos (ph, condutividade e temperatura) e a carga hidráulica. As amostras foram posteriormente filtradas numa membrana com uma porosidade de 0.45 µm, de modo a quantificar a fracção dissolvida dos metais pesados, e acidificadas a ph inferior a 2 com HNO 3. Todas as amostras foram depois armazenadas a 4ºC. O Pb foi analisado por Espectrometria de Absorção Atómica em Câmara de Grafite (GFAAS), enquanto o Zn foi analisado por Espectrometria de Emissão Atómica de Plasma Indutivo (ICP-AES). O Cu foi analisado por GFAAS ou ICP. Os limites de detecção foram de 0,001 mg/l (GFAAS) e 0,01 mg/l (ICP-AES) para o Cu, 0,002 mg/l (GFAAS) para o Pb, 0,01 mg/l (ICP-AES) para o Zn Ensaios de dessorção No final do período experimental, e para cada coluna, o meio filtrante foi separado em 6 camadas e numeradas de 1 a 6, da base para o topo. Amostras representativas de cada camada foram submetidas a dessorção química. Os ensaios de dessorção foram realizados através de uma agitação a 55 rpm, durante 24 horas, de uma solução constituída por: 2,5 ml de 0,1 M NaNO 3, 2,5 g do meio filtrante seco ao ar e 247,5 ml de água desionizada. Para cada camada, foram realizados dois ensaios de dessorção diferentes. O primeiro resultante da mistura a 55 rpm, e durante 24 horas, sem alterar o ph desta solução (denominado ph6), e o segundo com o mesmo procedimento, mas acidificado a solução a ph = 2 com HNO 3, (denominado ph2). A evolução do ph com o tempo foi controlada. As amostras obtidas após a mistura durante 24 horas foram filtrados numa membrana com 0,45 µm de porosidade, acidificadas com HNO 3 a ph inferior a 2 e mantidas a 4 º C antes da análise analítica. Foi ainda efectuada uma observação em microscópio electrónico, a fim de avaliar a retenção de partículas de metais pesados na filtração membrana. 3. AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE RETENÇÃO DE METAIS PESADOS DISSOLVIDOS Durante o funcionamento da instalação experimental foram recolhidas amostras do efluente sintético, no reservatório de alimentação e na saída das colunas. Na Tabela 5 são apresentados os valores mínimos, máximos e médios obtidos para temperatura, condutividade e ph. A Figura 5 apresenta uma observação em microscópio electrónico à membrana de filtração utilizada, de modo a avaliar a retenção de metais pesados associados a partículas e os microrganismos presentes no efluente sintético. Tabela 4 Resultados Físico-químicos Local Temperatura (ºC) Condutividade ( µ S ) ph Min Max Méd Min Max Méd Min Max Méd Reservatório 16,4 25,8 21, ,93 7,85 7,5 Efluente de C1 16,0 25,8 22, ,99 7,81 7,5 Efluente de C2 16,2 25,6 22, ,11 7,90 7,6 Efluente de C3 16,2 25,7 22, ,08 8,01 7,5 80 Engenharia Civil UM Número 33, 2008

7 Verificou-se que os metais pesados associados a partículas retidos na membrana filtrante da alimentação das colunas foram superiores aos presentes no efluente das mesmas. A presença de Pb ocorreu preferencialmente em pequenas partículas esféricas isoladas (Figura 5a) enquanto o Cobre e Zinco apareciam normalmente juntos e com uma distribuição espacial mais homogénea (Figura 5b). a) b) Fig. 5 Metais pesados associados a partículas O resultado da observação do biofilme formado no reservatório superior e retido na membrana filtrante é apresentado na Figura 6. Fig. 6 Biofilme e microrganismos no efluente As eficiências de retenção dos metais pesados estudados são apresentadas na Figura 7. Os resultados experimentais mostram que o Zn é o metal com a maior mobilidade, com eficiências de retenção a diminuírem para valores inferiores a 50% em períodos de 15, 70 e 110 dias, para as colunas 1, 2 e 3, respectivamente. Para o Cu e Pb, e depois de 260 dias de experiência, as eficiências de retenção obtidas foram superiores a 70% e 40%, respectivamente, na Coluna 1, e superiores a 90% nas colunas com meio filtrante de areia e caulino. As diferentes eficiências de retenção do Zn observados nas três colunas sugerem uma relação directa com as características do meio filtrante, uma vez que a variação temporal da eficiência de retenção na Coluna 2, com 10% de caulino, foi praticamente o dobro da verificada na Coluna 3, com 20% de caulino no meio filtrante. Embora outros processos possam ocorrer, estes resultados indicam que a CTC é relevante e portanto a sorção pode ser o fenómeno predominante Zn Cu Pb Tempo (dias) a) Coluna 1 Número 33, 2008 Engenharia Civil UM 81

8 Zn Cu Pb Tempo (dias) b) Coluna Zn Cu Pb Tempo (dias) c) Coluna 3 Fig. 7 Eficiências de retenção de metais pesados (%) As eficiências de retenção de Cu e Pb foram altas, mesmo para a coluna com o meio filtrante de areia. As eficiências de retenção destes metais não são tão dependentes dos materiais do meio filtrante, como se verificou para o Zn, o que pode indicar que a complexação superficial e a precipitação podem ter um papel mais importante do que para aquele metal. 4. AVALIAÇÃO DA DISPONIBILIDADE AMBIENTAL DOS METAIS PESADOS RETIDOS No final do período experimental, o meio filtrante foi removido e separado em seis camadas. Amostras representativas de cada camada foram pesadas e submetida a dessorção química. Os resultados de dessorção a ph2 e a ph6 para colunas C1, C2 e C3, são apresentadas nas Tabelas 1, 2 e 3, respectivamente. Embora outros métodos possam ser utilizados, neste trabalho, a massa total de metais será avaliada pelos valores obtidos nos ensaios de dessorção a ph2. As eficiências de retenção e os resultados dos ensaios de dessorção podem ser usados para estimar a fracção de metais que podem ser dessorbidos, a ph6 e, deste modo, contribuir para a contaminação das águas receptoras. Tabela 5 Coluna C1: Concentrações de Zn, Cu e Pb nos ensaios de dessorção. Camada Zn (mg/l) Cu (mg/l) Pb (mg/l) ph2 ph6 ph2 ph6 ph2 ph6 C1-1 0,86 0,40 0,52 0,21 0,252 0,064 C1-2 0,65 0,49 0,58 0,36 0,199 0,087 C1-3 0,65 0,58 0,54 0,45 0,192 0,111 C1-4 0,68 0,63 0,64 0,62 0,199 0,184 C1-5 0,73 0,64 0,76 0,69 0,249 0,191 C1-6 0,61 0,60 1,28 1,26 0,287 0, Engenharia Civil UM Número 33, 2008

9 Tabela 6 Coluna C2: Concentrações de Zn, Cu e Pb nos ensaios de dessorção. Cu (mg/l) ph2 ph6 0,39 0,091 0,23 0,006 0,32 0,008 1,19 0,036 5,06 0,051 3,38 0,23 Pb (mg/l) ph2 0,327 ph6 0,063 0,128 0,004 0,189 0,004 0,703 0,021 1,37 0,058 0,876 0,078 Tabela 7 Coluna C3: Concentrações de Zn, Cu e Pb nos ensaios de dessorção. Camada Zn (mg/l) ph2 ph6 C2-1 C2-2 C2-3 C2-4 C2-5 C2-6 1,15 4,49 4,47 4,87 5,87 2,00 0,62 0,59 0,59 0,64 0,69 0,70 Camada Zn (mg/l) ph2 ph6 C3-1 C3-2 C3-3 C3-4 C3-5 C3-6 0,86 0,65 0,65 0,68 0,73 0,61 0,40 0,49 0,58 0,63 0,64 0,60 Cu (mg/l) ph2 ph6 0,52 0,21 0,58 0,36 0,54 0,45 0,64 0,62 0,76 0,69 1,28 1,26 Pb (mg/l) ph2 0,252 ph6 0,064 0,1999 0,087 0,192 0,111 0,1999 0,184 0,249 0,191 0,287 0,291 Serão analisados e comparados os valores de Zn, Cu e dessorção, para as três colunas de filtração. Pb resultantes dos ensaios de Coluna C1 Os resultados obtidos nos ensaios de dessorção da coluna C1, com um meio filtrante de areia, demonstram pequenas variações nos resultados de dessorção a ph2 e a ph6. O Zn apresenta as menores variações dos resultados nas diferentes camadas, enquanto que os resultados obtidos para Cu e Pb apresentam maiores diferenças nas camadas inferiores, embora estes valores se aproximem à medida que profundidade diminui. Fig. 2. Coluna C1: Razão da massa de metais retida a ph6 e ph2. Estes resultados sugerem que embora os metais pesados sejam retidos no meio filtrantes constituído por areia, uma grande percentagem destes metais são a libertados do filtro a ph6, como é apresentado na Figura 2. A relevância de cada camada, na retenção total de Zn, Cu e Pb, a ph2 e ph6, para a coluna C1 é ilustrado na Figura 3. Número 33, 2008 Engenharia Civil UM 83

10 Fig. 3. Coluna C1: Contribuição de cada A ph2 todas as camadas reactivas são igualmente relevantes. A ph6 a massa de metais pesados retidos é menor nas camadas a maior profundidade. Grandes retenções de Cu e Pb na camada superior sugere a ocorrência de precipitação e retenção de metais pesados associados a partículas, fenómenos favoráveis do ponto de vista da protecção de águas receptoras. Coluna C2 camada na e ph6. retenção global dos metais pesados a ph2 Nesta coluna, onde as camadas reactivas são constituídas por 5% de caulino e 95% de areia, os metais pesados retidos foram consideravelmente maiores do que os verificados na coluna C1. Nas camadas reactivas a libertação de metais pesados, a ph6, variou de 12% para Zn a valores inferiores a 5% para Cu e Pb, relativamente aos valores equivalentes registados a ph2. Na camada superior foram observadas grandes retenções de Zn e Pb. Fig. 4. Coluna C2: Razão da massa de metais retida a ph6 e ph2. Para o Zn, a relevância das diferentes camadas na retenção global desta coluna é semelhante a ph2 e ph6, possivelmente devido ao avanço do Zn no meio filtrante. Para o Cu e Pb, a maior retenção foi verificada nas camadas reactivas superiores como é apresentado na Figura 5. Fig. 5. Coluna C2: Contribuição de cada camada na e ph6. retenção global dos metais pesados a ph2 84 Engenharia Civil UM Número 33, 2008

11 Coluna C3 Os resultados obtidos na Coluna C3 são semelhantes aos obtidos na Coluna C2. Os metais liberados a ph6 foram ligeiramente superiores para o Zn, do que os verificadas na coluna C2, com cerca de 15%, e quase os mesmos valores de Cu e Pb, perto de 5%. Fig. 6. Coluna C3: Razão da massa de metais retida a ph6 e ph2. A camada superior do filtro reactivo demonstra maior retenção do que as camadas inferiores, possivelmente devido à ausência de um avanço dos metais retidos ao longo da coluna de filtração. Foi ainda verificada uma maior resistência à dessorção dos metais presentes nas camadas reactivas. Os metais pesados libertados a ph6 apresentam também menores valores nas camadas inferiores, o que é um resultado favorável em termos de protecção das águas subterrâneas. Fig. 7. Coluna C3: Contribuição de cada camada na e ph6. retenção global dos metais pesados a ph2 5. CONCLUSÕES Depois de um período experimental de um ano, os resultados experimentais demonstram que o Zn é o metal com maior mobilidade, com eficiências de retenção a diminuíram para valores inferiores a 50% num período de 15, 70 e 110 dias, paraa os três diferentes meios filtrantes considerados. As eficiências de retenção do Cu e Pb dissolvidos foram na coluna C1 de 70% e 40%, respectivamente, e acima de 90% nas colunas C2 e C3. Estes valores demonstram não só grandes eficiências de retenção, mas também a grande longevidade deste filtro, nas condições experimentais. Os resultados obtidos nos ensaioss de dessorção química permitiramm avaliar a retenção de metais pesados nas diferentes camadas do meio filtrante e a sua disponibilidade ambiental a ph6. Na coluna C1, com um filtro filtrante constituídoo unicamente por areia, uma quantidade significativa dos metais pesados retidos foram libertados. Mas, nas colunas C2 e C3, foi registada uma grande resistência à libertação dos metais retidos nas camadas reactivas por dessorção química, uma vez que a disponibilidade ambiental dos metais retidos, foi de 12% a 18% para Zn e inferior a 5% para o Cu e Pb. Assim, com base nestee trabalho experimental, pode ser estabelecida uma ligação entre a presença das camadas reactivas e as grandes eficiências de retenção de metais pesados. Número 33, 2008 Engenharia Civil UM 85

12 Além disso, uma forte resistência a dessorção de metais pesados retidos nas camadas reactivas ficou demonstrada. Os resultados obtidos neste projecto de investigação são encorajadores para o desenvolvimento de soluções inovadoras de engenharia para a retenção de metais pesados em escorrências rodoviárias, contribuindo deste modo para a protecção águas superficiais e subterrâneas. 6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Barbosa A.E., Highway runoff pollution and design of infiltration ponds for pollutant retention in semi-arid climates, Ph.D. thesis, Aalborg University, Aalborg, 52 pp. (1999). Farm C., Metal sorption to natural filter substrates for storm water treatment - column studies. The Science of the Total Environment 298:17-24 (2002). Gomes C.F., Argilas - O que são e para que servem. Fundação Caloust Gulbenkian (1986). Hvitved-Jacobsen T., Vollertsen J., Urban Storm Drainage. Pollution - Concepts and Engineering, Ph.D. Course: Process Engineering of Urban and Highway Runoff, Aalborg (2005). Sansalone J.J., Fractionation of heavy metals in pavement runoff. The Science of the Total Environment, 189/190: (1996). Sansalone J.J., Adsorptive infiltration of metals in urban drainage - media characteristics. The Science of the Total Environment, 253: (1999). Scheidegger A.M., Sparks D.L., A critical assessment of sorption-desorption mechanisms at the soil water interface. Soil Science, 161: (1996). American Public Health Association (APHA), American Water Works Association, Water Environment Association. Standard Methods for the Examination of Water and Wastewater, 19th Ed., (1995). 86 Engenharia Civil UM Número 33, 2008

AS ESCORRÊNCIAS RODOVIÁRIAS: UMA FONTE DE POLUIÇÃO DIFUSA SOBRESTIMADA OU SUBESTIMADA? Ana Estela Barbosa Departamento de Hidráulica e Ambiente LNEC

AS ESCORRÊNCIAS RODOVIÁRIAS: UMA FONTE DE POLUIÇÃO DIFUSA SOBRESTIMADA OU SUBESTIMADA? Ana Estela Barbosa Departamento de Hidráulica e Ambiente LNEC AS ESCORRÊNCIAS RODOVIÁRIAS: UMA FONTE DE POLUIÇÃO DIFUSA SOBRESTIMADA OU SUBESTIMADA? Ana Estela Barbosa Departamento de Hidráulica e Ambiente LNEC As escorrências rodoviárias: uma fonte de poluição difusa

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RETENÇÃO DE METAIS PESADOS DE ESCORRÊNCIAS RODOVIÁRIAS POR FILTRAÇÃO ADSORPTIVA

AVALIAÇÃO DA RETENÇÃO DE METAIS PESADOS DE ESCORRÊNCIAS RODOVIÁRIAS POR FILTRAÇÃO ADSORPTIVA AVALIAÇÃO DA RETENÇÃO DE METAIS PESADOS DE ESCORRÊNCIAS RODOVIÁRIAS POR FILTRAÇÃO ADSORPTIVA Paulo J. RAMÍSIO ( 1 ); José M. P. VIEIRA ( 2 ) RESUMO A degradação da qualidade de solos e águas subterrâneas

Leia mais

Coeficientes de distribuição de metais pesados em solos de São Paulo. Luís Reynaldo F. Alleoni ESALQ/USP Dep. de Ciência do Solo

Coeficientes de distribuição de metais pesados em solos de São Paulo. Luís Reynaldo F. Alleoni ESALQ/USP Dep. de Ciência do Solo Coeficientes de distribuição de metais pesados em solos de São Paulo Luís Reynaldo F. Alleoni ESALQ/USP Dep. de Ciência do Solo Definição de metais pesados Química - grande grupo de elementos com: densidade

Leia mais

Artigo. Resumo. Abstract. Introdução. Materiais e Métodos. 64 Revista Analytica Agosto/Setembro 2013 nº 66

Artigo. Resumo. Abstract. Introdução. Materiais e Métodos. 64 Revista Analytica Agosto/Setembro 2013 nº 66 Artigo Caracterização e Classificação de Resíduo Gerado na Indústria de Metal-Mecânica Characterization and Classification of Waste Generated in Metal-Mechanical Industry Resumo O objetivo do presente

Leia mais

Materiais / Materiais I

Materiais / Materiais I Materiais / Materiais I Guia para o Trabalho Laboratorial n.º 4 CORROSÃO GALVÂNICA E PROTECÇÃO 1. Introdução A corrosão de um material corresponde à sua destruição ou deterioração por ataque químico em

Leia mais

Adição de Metais Tóxicos a Massas Cerâmicas e Avaliação de sua Estabilidade frente a Agente Lixiviante. Parte 2: Lixiviação

Adição de Metais Tóxicos a Massas Cerâmicas e Avaliação de sua Estabilidade frente a Agente Lixiviante. Parte 2: Lixiviação Adição de Metais Tóxicos a Massas Cerâmicas e Avaliação de sua Estabilidade frente a Agente Lixiviante. Parte : Lixiviação Humberto Naoyuki Yoshimura*, Antonio Carlos de Camargo, José Carlos da Silva Portela

Leia mais

MF-613.R-3 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE METAIS EM PARTÍCULAS EM SUSPENSÃO NO AR POR ESPECTROMETRIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA COM CHAMA.

MF-613.R-3 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE METAIS EM PARTÍCULAS EM SUSPENSÃO NO AR POR ESPECTROMETRIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA COM CHAMA. MF-613.R-3 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE METAIS EM PARTÍCULAS EM SUSPENSÃO NO AR POR ESPECTROMETRIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA COM CHAMA. Notas: Aprovado pela Deliberação CECA nº 3.967, de 16 de janeiro de 2001

Leia mais

II-070 - REUSO DE ÁGUA NO ZOOLÓGICO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

II-070 - REUSO DE ÁGUA NO ZOOLÓGICO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO II-070 - REUSO DE ÁGUA NO ZOOLÓGICO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Gandhi Giordano (1) Engenheiro Químico (UERJ), D.Sc. Enga Metalúrgica e de Materiais (PUC-Rio). Diretor Técnico da Tecma - Tecnologia em

Leia mais

Engº. Gandhi Giordano

Engº. Gandhi Giordano Processos físico-químicos e biológicos associados para tratamento de chorume Engº. Gandhi Giordano Professor Adjunto do Departamento de Engª Sanitária e Meio Ambiente da UERJ Diretor Técnico da TECMA Tecnologia

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO PARAÍBA DO SUL NA CIDADE DE LORENA - SP, BRASIL

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO PARAÍBA DO SUL NA CIDADE DE LORENA - SP, BRASIL Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO PARAÍBA DO SUL NA CIDADE DE LORENA - SP, BRASIL CATEGORIA:

Leia mais

4.4.2. Controlo da descarga das águas residuais produzidas

4.4.2. Controlo da descarga das águas residuais produzidas 3.1.5. Pontos de emissão 3.1.5.1. Águas residuais e pluviais O efluente após tratamento na ETAL, é descarregado para um sistema de drenagem colectivo (ED1), e encaminhado para ETAR Municipal de Angra do

Leia mais

ALTERAÇÕES GEOQUÍMICAS EM ÁGUAS SUBTERRÂNEAS IMPACTADAS POR VAZAMENTOS DE CO 2 PROVENIENTES DE SEQUESTRO GEOLÓGICO

ALTERAÇÕES GEOQUÍMICAS EM ÁGUAS SUBTERRÂNEAS IMPACTADAS POR VAZAMENTOS DE CO 2 PROVENIENTES DE SEQUESTRO GEOLÓGICO Universidade Federal de Santa Catarina Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental Núcleo Ressacada de Pesquisas em Meio Ambiente ALTERAÇÕES GEOQUÍMICAS EM ÁGUAS SUBTERRÂNEAS IMPACTADAS POR VAZAMENTOS

Leia mais

PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL A MACROESCALA

PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL A MACROESCALA PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL A MACROESCALA Parte I Produção do óxido de cobre Ponto de Partida 1- Preparar uma amostra de 300 mg de cobre a partir de um fio de cobre ou de uma folha de cobre. 2- Colocar a

Leia mais

Materiais cerâmicos e vítreos vítreos

Materiais cerâmicos e vítreos vítreos Materiais cerâmicos e vítreos Materiais inorgânicos e não-metálicos processados e / ou usados a elevadas temperaturas Cerâmicas / argilas / silicatos das mais velhas indústrias humanas (15000 AC) resistentes

Leia mais

I-099 - REUSO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS GERADAS EM PROCESSOS DE GALVANOPLASTIA

I-099 - REUSO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS GERADAS EM PROCESSOS DE GALVANOPLASTIA I-099 - REUSO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS GERADAS EM PROCESSOS DE GALVANOPLASTIA Ruben Bresaola Júnior (1) Engenheiro Civil formado pela Escola de Engenharia de São Carlos. Mestre e Doutor em Hidráulica e Saneamento

Leia mais

Modelação da Qualidade da Água da Lagoa das Furnas e da Lagoa Verde das Sete Cidades

Modelação da Qualidade da Água da Lagoa das Furnas e da Lagoa Verde das Sete Cidades Modelação da Qualidade da Água da Lagoa das Furnas e da Lagoa Verde das Sete Cidades Ana RODRIGUES, Dina PACHECO*, Yuriy ROMANETS, Stefan BRUNS, Regina NOGUEIRA, Rui COUTINHO*, António G. BRITO Universidade

Leia mais

Capítulo I Água potável, mineral e de mesa

Capítulo I Água potável, mineral e de mesa Ciência Alimentar e Saúde Composição de Alimentos II Capítulo I Água potável, mineral e de mesa Água Potável deve ser transparente, sem cor, sem odor, livre de microorganismos patogénicos (baixo em microorganismos

Leia mais

Ensaios de Difusão de Lixiviado de um Aterro Sanitário através de um Solo Tropical

Ensaios de Difusão de Lixiviado de um Aterro Sanitário através de um Solo Tropical Ensaios de Difusão de Lixiviado de um Aterro Sanitário através de um Solo Tropical Miriam Gonçalves Miguel Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo/Unicamp, Campinas, Brasil, E-mail: mgmiguel@fec.unicamp.br

Leia mais

Universidade da Beira Interior

Universidade da Beira Interior Universidade da Beira Interior DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL CONTRIBUIÇÃO PARA O ESTUDO DA REMOÇÃO DE RESIDUAIS DE CARBONO EM FILTROS BIOLÓGICOS DE LEITO IMERSO E FLUXO DESCENDENTE António João Carvalho

Leia mais

Departamento de Engenharia Civil, Materiais de Construção I 3º Ano 1º Relatório INDÍCE

Departamento de Engenharia Civil, Materiais de Construção I 3º Ano 1º Relatório INDÍCE INDÍCE 1- Introdução/ Objectivos... 2- Análise Granulométrica... 2.1- Introdução e descrição dos ensaios... 2.2- Cálculos efectuados, resultados encontrados e observações... 2.3- Conclusão... 3- Ensaio

Leia mais

REMOÇÃO DE COR EM COLUNAS DE CARVÃO ATIVADO GRANULAR COMO POLIMENTO DE EFLUENTE DE INSTALAÇÃO FiME, EM FUNÇÃO DA TAXA DE APLICAÇÃO.

REMOÇÃO DE COR EM COLUNAS DE CARVÃO ATIVADO GRANULAR COMO POLIMENTO DE EFLUENTE DE INSTALAÇÃO FiME, EM FUNÇÃO DA TAXA DE APLICAÇÃO. REMOÇÃO DE COR EM COLUNAS DE CARVÃO ATIVADO GRANULAR COMO POLIMENTO DE EFLUENTE DE INSTALAÇÃO FiME, EM FUNÇÃO DA TAXA DE APLICAÇÃO. Edson Pereira Tangerino (1) Professor da Faculdade de Engenharia de Ilha

Leia mais

Relatório Parcial Expedição Rio Doce Pontos de Coleta Previamente Fixados pelos colaboradores da UFscar

Relatório Parcial Expedição Rio Doce Pontos de Coleta Previamente Fixados pelos colaboradores da UFscar Relatório Parcial Expedição Rio Doce Pontos de Coleta Previamente Fixados pelos colaboradores da UFscar Pontos em que a expedição da UnB participou do processo de coleta de água e sedimento entre os dias

Leia mais

ESTUDO DAS RESISTÊNCIAS DE CONCRETOS DOSADOS COM RESÍDUO OLEOSO DE PETRÓLEO

ESTUDO DAS RESISTÊNCIAS DE CONCRETOS DOSADOS COM RESÍDUO OLEOSO DE PETRÓLEO ESTUDO DAS RESISTÊNCIAS DE CONCRETOS DOSADOS COM RESÍDUO OLEOSO DE PETRÓLEO Ana Maria Gonçalves Duarte Mendonça 1, Milton Bezerra das Chagas Filho 2, Taíssa Guedes 3, Yane Coutinho Lira 4, Daniel Beserra

Leia mais

DIRECÇÃO DE COMPROVAÇÃO DA QUALIDADE DIRECÇÃO DE PRODUTOS DE SAÚDE DIRECÇÃO DE INSPECÇÃO E LICENCIAMENTO. Soluções Concentradas para Hemodiálise

DIRECÇÃO DE COMPROVAÇÃO DA QUALIDADE DIRECÇÃO DE PRODUTOS DE SAÚDE DIRECÇÃO DE INSPECÇÃO E LICENCIAMENTO. Soluções Concentradas para Hemodiálise DIRECÇÃO DE COMPROVAÇÃO DA QUALIDADE DIRECÇÃO DE PRODUTOS DE SAÚDE DIRECÇÃO DE INSPECÇÃO E LICENCIAMENTO Soluções Concentradas para Hemodiálise ENQUADRAMENTO O INFARMED, I.P., enquanto Autoridade Competente

Leia mais

INATIVAÇÃO DE INDICADORES PATOGÊNICOS EM ÁGUAS CONTAMINADAS: USO DE SISTEMAS COMBINADOS DE TRATAMENTO E PRÉ-DESINFECÇÃO

INATIVAÇÃO DE INDICADORES PATOGÊNICOS EM ÁGUAS CONTAMINADAS: USO DE SISTEMAS COMBINADOS DE TRATAMENTO E PRÉ-DESINFECÇÃO INATIVAÇÃO DE INDICADORES PATOGÊNICOS EM ÁGUAS CONTAMINADAS: USO DE SISTEMAS COMBINADOS DE TRATAMENTO E PRÉ-DESINFECÇÃO BILOTTA, Patrícia*; DANIEL, Luiz Antonio*. *Laboratório de Tratamento Avançado e

Leia mais

Lista de Exercícios Espectrometria Atômica ALGUNS EXERCÍCIOS SÃO DE AUTORIA PRÓPRIA. OS DEMAIS SÃO ADAPTADOS DE LIVROS CITADOS ABAIXO.

Lista de Exercícios Espectrometria Atômica ALGUNS EXERCÍCIOS SÃO DE AUTORIA PRÓPRIA. OS DEMAIS SÃO ADAPTADOS DE LIVROS CITADOS ABAIXO. ALGUNS EXERCÍCIOS SÃO DE AUTORIA PRÓPRIA. OS DEMAIS SÃO ADAPTADOS DE LIVROS CITADOS ABAIXO. 1 No intuito de se determinar a pureza do sal Na 2 HPO 4, 2,469 g de amostra foi pesada, dissolvida e diluída

Leia mais

Seckler Ferreira Filho Sidney 1

Seckler Ferreira Filho Sidney 1 SIGNIFICÂNCIA DO GRAU DE MISTURA NA INTERFACE DE FILTROS DUPLOS NO COMPORTAMENTO DINÂMICO DA EVOLUÇÃO DA PERDA DE CARGA, RETENÇÃO DE IMPUREZAS E QUALIDADE DA ÁGUA FILTRADA Seckler Ferreira Filho Sidney

Leia mais

APLICAÇÃO DE REATORES ANAERÓBIOS PARA O TRATAMENTO PASSIVO DE DRENAGEM ÁCIDA DE MINA NA MINA DE JACOBINA

APLICAÇÃO DE REATORES ANAERÓBIOS PARA O TRATAMENTO PASSIVO DE DRENAGEM ÁCIDA DE MINA NA MINA DE JACOBINA APLICAÇÃO DE REATORES ANAERÓBIOS PARA O TRATAMENTO PASSIVO DE DRENAGEM ÁCIDA DE MINA NA MINA DE JACOBINA Luíz Lourenço Fregadolli, YAMANA GOLD INC. Leonardo Muritiba, YAMANA GOLD INC. Flávia Veronese de

Leia mais

Os constituintes do solo

Os constituintes do solo Os constituintes do solo Os componentes do solo Constituintes minerais Materiais orgânicos Água Ar Fase sólida partículas minerais e materiais orgânicos Vazios ocupados por água e/ou ar Os componentes

Leia mais

1. Introdução. 3 gutembergue.13@gmail.com; 4 gabriel12345681@hotmail.com; 5 carolinachiamulera10@gmail.com.

1. Introdução. 3 gutembergue.13@gmail.com; 4 gabriel12345681@hotmail.com; 5 carolinachiamulera10@gmail.com. Reaproveitamento da água efluente dos bebedouros pré-tratada em filtro alternativo: uma prática de educação ambiental na E.E.E.M. Severino Cabral na cidade de Campina Grande/PB Autor (s): Cibele Medeiros

Leia mais

Avaliação da contaminação potencial de As numa zona de minas abandonadas uma abordagem geoestatística

Avaliação da contaminação potencial de As numa zona de minas abandonadas uma abordagem geoestatística Avaliação da contaminação potencial de As numa zona de minas abandonadas uma abordagem geoestatística ALBUQUERQUE, MTD & ANTUNES, IMHR Polytechnic Institute of Castelo Branco Castelo Branco, Portugal.

Leia mais

I-071 - EFICIÊNCIA NA REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA SOB A FORMA DE DBO E DQO TOTAL E SOLÚVEL NO SISTEMA TS-FAN

I-071 - EFICIÊNCIA NA REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA SOB A FORMA DE DBO E DQO TOTAL E SOLÚVEL NO SISTEMA TS-FAN I-71 - EFICIÊNCIA NA REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA SOB A FORMA DE DBO E DQO TOTAL E SOLÚVEL NO SISTEMA TS-FAN Gabriela Marques dos Ramos Vargas Engenheira Química pela Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

AVALIAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DE UM SISTEMA DE TRATAMENTO DA A23 LIGAÇÃO COVILHÃ (NORTE)

AVALIAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DE UM SISTEMA DE TRATAMENTO DA A23 LIGAÇÃO COVILHÃ (NORTE) AVALIAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DE UM SISTEMA DE TRATAMENTO DA A23 LIGAÇÃO COVILHÃ (NORTE) Mário ALBUQUERQUE 1 ; Ana Estela BARBOSA 2 ; António ALBUQUERQUE 3 RESUMO A exploração de infra-estruturas rodoviárias

Leia mais

CONTAMINAÇÃO DOS SEDIMENTOS DO RIO UBERABINHA, UBERLÂNDIA (MG)

CONTAMINAÇÃO DOS SEDIMENTOS DO RIO UBERABINHA, UBERLÂNDIA (MG) UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA 4ª Semana do Servidor e 5ª Semana Acadêmica 2008 UFU 30 anos CONTAMINAÇÃO DOS SEDIMENTOS DO RIO UBERABINHA, UBERLÂNDIA (MG) Patrícia Bonolo Cruvinel 1 Universidade Federal

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA PLANTA VETIVERIA ZIZANIOIDES NO TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO

UTILIZAÇÃO DA PLANTA VETIVERIA ZIZANIOIDES NO TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO UTILIZAÇÃO DA PLANTA VETIVERIA ZIZANIOIDES NO TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO Fernando Ernesto UCKER; Rogério de Araújo ALMEIDA Universidade Federal de Goiás UFG E-mail: ferucker@gmail.com Palavras-chave:

Leia mais

X-003 - PROCEDIMENTOS ANALÍTICOS E RESULTADOS NO MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DE ESGOTOS

X-003 - PROCEDIMENTOS ANALÍTICOS E RESULTADOS NO MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DE ESGOTOS X-003 - PROCEDIMENTOS ANALÍTICOS E RESULTADOS NO MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DE ESGOTOS Aline Pires Veról(1) Graduanda em Engenharia Civil Escola Politécnica/UFRJ, Bolsista IC-CNPq/PROSAB Maria Cristina

Leia mais

Argex Filtrante. Elevada Porosidade Baixo Custo Leveza Facilidade de Aplicação

Argex Filtrante. Elevada Porosidade Baixo Custo Leveza Facilidade de Aplicação Argex Filtrante Elevada Porosidade Baixo Custo Leveza Facilidade de Aplicação O Produto ARGEX Filtrante é constituído por partículas cerâmicas de argila expandida, extremamente resistentes e de elevada

Leia mais

MONITORAMENTO DOS NÍVEIS DE NITRATO NAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS EM MUNICÍPIO DO OESTE DO PARANÁ

MONITORAMENTO DOS NÍVEIS DE NITRATO NAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS EM MUNICÍPIO DO OESTE DO PARANÁ Universidade Tecnológica Federal do Paraná Programa de Pós-Graduação em Tecnologias Ambientais Campus Medianeira MONITORAMENTO DOS NÍVEIS DE NITRATO NAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS EM MUNICÍPIO DO OESTE DO PARANÁ

Leia mais

AL 1.2-12º ano: UM CICLO DE COBRE. Protocolo experimental

AL 1.2-12º ano: UM CICLO DE COBRE. Protocolo experimental Projeto Ciência Viva INTRODUÇÃO À QUÍMICA VERDE, COMO SUPORTE DA SUSTENTABILIDADE, NO ENSINO SECUNDÁRIO AL 1.2-12º ano: UM CICLO DE COBRE Protocolo experimental 1. REAGENTES Reagentes estequiométricos

Leia mais

Helena Campos (Engenharia Química)

Helena Campos (Engenharia Química) Tipos de água Laboratorial e suas aplicações Helena Campos (Engenharia Química) 28 de Setembro de 2010 Principais contaminantes da água Particulas Suspensas: Sílica (SiO 2 ) Resíduos das tubagens Matéria

Leia mais

Análise de Óleo. Artigo Técnico

Análise de Óleo. Artigo Técnico Análise de Óleo O uso da análise de óleo como técnica de manutenção começou a ser aplicada na década 50. A crise do petróleo intensificou o uso da análise de óleo, que passou a cumprir uma nova função

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina Centro de Ciências Exatas Departamento de Química GASOLINA EM ÁGUA SUBTERRÂNEA E SUPERFICIAL

Universidade Estadual de Londrina Centro de Ciências Exatas Departamento de Química GASOLINA EM ÁGUA SUBTERRÂNEA E SUPERFICIAL Universidade Estadual de Londrina Centro de Ciências Exatas Departamento de Química DEGRADAÇÃO DE FRAÇÃO AROMÁTICA DA GASOLINA EM ÁGUA SUBTERRÂNEA E SUPERFICIAL Aluno: Luciano Vetorasso Corbucci Orientadora

Leia mais

TRATAMENTO DE EFLUENTES DE LATICÍNIOS MEDIANTE PROCESSO OXIDATIVO AVANÇADO: FOTOCATÁLISE HOMOGÊNEA PELO SISTEMA UV/H 2 O 2

TRATAMENTO DE EFLUENTES DE LATICÍNIOS MEDIANTE PROCESSO OXIDATIVO AVANÇADO: FOTOCATÁLISE HOMOGÊNEA PELO SISTEMA UV/H 2 O 2 TRATAMENTO DE EFLUENTES DE LATICÍNIOS MEDIANTE PROCESSO OXIDATIVO AVANÇADO: FOTOCATÁLISE HOMOGÊNEA PELO SISTEMA UV/H 2 O 2 Mara Juliana Conterato 1, Délio Guerra Filho 1, Messias Borges Silva 1 1 Escola

Leia mais

AVALIAÇÃO DA REMOÇÃO DE COMPOSTOS ORGÂNICOS NATURAIS NA ÁGUA DO RESERVATÓRIO DA BARRAGEM DO RIBEIRÃO JOÃO LEITE

AVALIAÇÃO DA REMOÇÃO DE COMPOSTOS ORGÂNICOS NATURAIS NA ÁGUA DO RESERVATÓRIO DA BARRAGEM DO RIBEIRÃO JOÃO LEITE AVALIAÇÃO DA REMOÇÃO DE COMPOSTOS ORGÂNICOS NATURAIS NA ÁGUA DO RESERVATÓRIO DA BARRAGEM DO RIBEIRÃO JOÃO LEITE Wilma Gomes da Silva CARMO*; Nora Katia SAAVEDRA Escola de Engenharia Civil - Programa de

Leia mais

Transporte de Contaminantes em Barreiras para Contenção de Lixiviados com Presença de Metais Pesados.

Transporte de Contaminantes em Barreiras para Contenção de Lixiviados com Presença de Metais Pesados. Transporte de Contaminantes em Barreiras para Contenção de Lixiviados com Presença de Metais Pesados. Rejane Nascentes Universidade Federal de Viçosa, Rio Paranaíba, Brasil, rejane.nascentes@ufv.br Pedro

Leia mais

Espectroscopia Óptica Instrumentação e Aplicações. CQ122 Química Analítica Instrumental II 2º sem. 2014 Prof. Claudio Antonio Tonegutti

Espectroscopia Óptica Instrumentação e Aplicações. CQ122 Química Analítica Instrumental II 2º sem. 2014 Prof. Claudio Antonio Tonegutti Espectroscopia Óptica Instrumentação e Aplicações CQ122 Química Analítica Instrumental II 2º sem. 2014 Prof. Claudio Antonio Tonegutti Classificação dos métodos de análises quantitativas Determinação direta

Leia mais

BETUME BORRACHA. Pedro Seixas, PROBIGALP. Luís Gomes, MOTA-ENGIL. Susana Maricato, GALP ENERGIA

BETUME BORRACHA. Pedro Seixas, PROBIGALP. Luís Gomes, MOTA-ENGIL. Susana Maricato, GALP ENERGIA BETUME BORRACHA Pedro Seixas, PROBIGALP Luís Gomes, MOTA-ENGIL Susana Maricato, GALP ENERGIA Princípios gerais Construir Estradas de altas prestações; Colaborar na protecção do meio ambiente. Ecoeficácia

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE TOG EM AMOSTRAS DE ÁGUA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO APODI/MOSSORÓ

DETERMINAÇÃO DE TOG EM AMOSTRAS DE ÁGUA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO APODI/MOSSORÓ DETERMINAÇÃO DE TOG EM AMOSTRAS DE ÁGUA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO APODI/MOSSORÓ FARIAS, L. T. lazaro-tfarias@hotmail.com 1, SOUZA, L. D. luizuern@bol.com.br. 2 1- Aluno de Iniciação Científica da Universidade

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 7 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO CETESB - Companhia Ambiental do Estado de São Paulo

Leia mais

MEDIÇÃO E MONITORAMENTO

MEDIÇÃO E MONITORAMENTO ISO 14001 4..1 OHSAS 18001 4..1 2/0/2010 1/ Introdução A SAMARCO monitora os parâmetros associados ao desempenho de vendas, ao relacionamento com o cliente, processo produtivo, aspectos ambientais significativos,

Leia mais

Em atendimento a solicitação da Delegacia de Meio Ambiente (DEMA)

Em atendimento a solicitação da Delegacia de Meio Ambiente (DEMA) UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS FACULDADE DE QUÍMICA LABORATÓRIO DE QUÍMICA ANALÍTICA E AMBIENTAL Em atendimento a solicitação da Delegacia de Meio Ambiente (DEMA)

Leia mais

Relatório Técnico caracterização laboratorial de solos

Relatório Técnico caracterização laboratorial de solos Relatório Técnico caracterização laboratorial de solos Dados das amostras: Tipo: Solos de uso Agrícola; Proprietário: Sinergeo - Soluções Aplicadas Em Geologia, Hidrogeologia E Ambiente Lda Endereço: Edificio

Leia mais

PERGUNTA 2. Figura 2. Arade Alcantarilha Quarteira. 0m 5000m 10000m

PERGUNTA 2. Figura 2. Arade Alcantarilha Quarteira. 0m 5000m 10000m PERGUNTA 1 O aquífero de Escusa está localizado no pleno coração do Parque Natural da Serra de S. Mamede, na bacia hidrográfica do rio Tejo, tem uma extensão de cerca de 8 km 2 e é constituído por rochas

Leia mais

PROMOÇÃO E REALIZAÇÃO

PROMOÇÃO E REALIZAÇÃO PROMOÇÃO E REALIZAÇÃO REDE METROLÓGICA DO ESTADO DE SÃO PAULO - REMESP REDE DE SANEAMENTO E ABASTECIMENTO DE ÁGUA - RESAG 29 a 31 de outubro de 2014 Local: Associação Brasileira da Indústria de Máquinas

Leia mais

São partículas que atravessam o filtro, mas não são dissolvidas

São partículas que atravessam o filtro, mas não são dissolvidas O que existe na água do mar? 1. materiais sólidos ou particulados 2. colóides 3. materiais dissolvidos 1. materiais sólidos ou particulados A definição de particulado é operacional. Todo material com >

Leia mais

APLICAÇÃO DA FLOCULAÇÃO MICELAR ADSORTIVA PARA REMOÇÃO DO CORANTE DIRECT YELLOW 27 UTILIZANDO CÁLCIO

APLICAÇÃO DA FLOCULAÇÃO MICELAR ADSORTIVA PARA REMOÇÃO DO CORANTE DIRECT YELLOW 27 UTILIZANDO CÁLCIO APLICAÇÃO DA FLOCULAÇÃO MICELAR ADSORTIVA PARA REMOÇÃO DO CORANTE DIRECT YELLOW 27 UTILIZANDO CÁLCIO R. P. F. Melo 1 ; E. L. Barros Neto 1 ; T. N. Castro Dantas 2 ; A. G. Câmara 1 1- Departamento de Engenharia

Leia mais

ESTUDO DA REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA DISSOLVIDA NA ÁGUA DO RIO CÁVADO

ESTUDO DA REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA DISSOLVIDA NA ÁGUA DO RIO CÁVADO ESTUDO DA REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA DISSOLVIDA NA ÁGUA DO RIO CÁVADO Filomena PEIXOTO (1) ; Chia-Yau CHENG (2) RESUMO A remoção da matéria orgânica natural dissolvida (MOND) tem sido encarada como a

Leia mais

Anexo III. Quantificação das Descargas na Ria de Aveiro

Anexo III. Quantificação das Descargas na Ria de Aveiro Quantificação das Descargas na Ria de Aveiro ÍNDICE INTRODUÇÃO 1 1. Descrição Geral das Descargas 2 2. Canal Principal ou Espinheiro 3 2.1. Caudal 4 2.2. Propriedades da Água 7 3. Canal da Murtosa 16 3.1.

Leia mais

Aspectos gerais sobre preparo de amostras. Joaquim A. Nóbrega djan@terra.com.br

Aspectos gerais sobre preparo de amostras. Joaquim A. Nóbrega djan@terra.com.br Aspectos gerais sobre preparo de amostras Joaquim A. Nóbrega djan@terra.com.br Técnicas Espectroanalíticas - FAAS - GFAAS - ICP OES - ICP-MS - Aspecto comum: amostras são usualmente introduzidas como soluções

Leia mais

Qualidade da água da rede de abastecimento

Qualidade da água da rede de abastecimento Qualidade da água da rede de abastecimento Relatório do 2º trimestre de 2011 1- Introdução O Decreto-lei nº 306/2007 de 27 de Agosto, estabelece o regime da qualidade da água destinada ao consumo humano,

Leia mais

Areias e Ambientes Sedimentares

Areias e Ambientes Sedimentares Areias e Ambientes Sedimentares As areias são formadas a partir de rochas. São constituídas por detritos desagregados de tamanhos compreendidos entre 0,063 e 2 milímetros. Areias: Ambiente fluvial As areias

Leia mais

SISTEMA MULTIMUNICIPAL DE SANEAMENTO DO ALGARVE ETAR DA BOAVISTA

SISTEMA MULTIMUNICIPAL DE SANEAMENTO DO ALGARVE ETAR DA BOAVISTA SISTEMA MULTIMUNICIPAL DE SANEAMENTO DO ALGARVE ETAR DA BOAVISTA Paginação.indd 1 10/03/18 16:21 SISTEMA MULTIMUNICIPAL DE SANEAME 1. CONCEPÇÃO DA INFRAESTRUTURA A ETAR da Boavista contempla o tratamento

Leia mais

MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS

MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS Aula 5 Cromatografia a Gás Profa. Daniele Adão CROMATÓGRAFO CROMATOGRAMA Condição para utilização da CG Misturas cujos constituintes sejam VOLÁTEIS Para assim dissolverem-se, pelo

Leia mais

6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO

6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO 6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO José Rafael Marques da Silva (1) e Luís Leopoldo Silva

Leia mais

Cálcio, Cobre e Ferro em Bebidas Destiladas por ICP-OES

Cálcio, Cobre e Ferro em Bebidas Destiladas por ICP-OES Página 1 de 7 1 Escopo Desenvolvimento de método analítico para a determinação dos elementos cálcio (Ca), cobre (Cu) e ferro (Fe) em bebidas destiladas através das técnicas de ICP-OES (espectrometria de

Leia mais

NOVA AMBI SERVIÇOS ANALÍTICOS LTDA.

NOVA AMBI SERVIÇOS ANALÍTICOS LTDA. NOVA AMBI SERVIÇOS ANALÍTICOS LTDA. R-A 124/2009 Rev. 1 São Paulo, 18 de Agosto de 2009. À FUND. APLICAÇÕES DE TECNOL. CRÍTICAS - ATECH Rua do Rócio, 313 11º andar Vila Olimpia SÃO PAULO SP At.: Sr. Abrahão

Leia mais

I-007 - UTILIZAÇÃO DA PRÉ-FILTRAÇÃO E FILTRAÇÃO LENTA NO TRATAMENTO DE ÁGUA PARA PISCICULTURA

I-007 - UTILIZAÇÃO DA PRÉ-FILTRAÇÃO E FILTRAÇÃO LENTA NO TRATAMENTO DE ÁGUA PARA PISCICULTURA I-7 - UTILIZAÇÃO DA PRÉ-FILTRAÇÃO E FILTRAÇÃO LENTA NO TRATAMENTO DE ÁGUA PARA PISCICULTURA José Euclides Stipp Paterniani (1) Engenheiro Civil, Mestre em Hidráulica e Saneamento pela USP, 1986, Doutor

Leia mais

Pedologia. Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br

Pedologia. Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br Pedologia Professor: Cláudio Custódio Conceitos: Mineração: solo é um detrito que deve ser separado dos minerais explorados. Ecologia: é um sistema vivo composto por partículas minerais e orgânicas que

Leia mais

BENEFÍCIOS DA APLICAÇÃO DE COMPOSTO DE RESÍDUOS VERDES:

BENEFÍCIOS DA APLICAÇÃO DE COMPOSTO DE RESÍDUOS VERDES: BENEFÍCIOS DA APLICAÇÃO DE COMPOSTO DE RESÍDUOS VERDES: Aumenta a capacidade de retenção de água; Melhora a permeabilidade e o arejamento de solos pesados, minorando a sua tendência para a compactação;

Leia mais

RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO. ANÁLISE DA VIABILIDADE DA SUA APLICAÇÃO EM MISTURAS BETUMINOSAS

RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO. ANÁLISE DA VIABILIDADE DA SUA APLICAÇÃO EM MISTURAS BETUMINOSAS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO. ANÁLISE DA VIABILIDADE DA SUA APLICAÇÃO EM MISTURAS BETUMINOSAS Ana Duarte Conceição 1, Rosa Luzia 2 e Dinis Gardete 2 1 Escola Superior de Tecnologia do Instituto Politécnico

Leia mais

Actividade de Química 12º ano

Actividade de Química 12º ano Actividade de Química 12º ano AL 1.3- Corrosão e Protecção dos metais O laboratório é um local de trabalho onde a segurança é fundamental na manipulação de materiais e equipamentos, devendo por isso adoptar-se

Leia mais

Estudo do Solo. 1. Introdução. 2. O solo

Estudo do Solo. 1. Introdução. 2. O solo Estudo do Solo 1. Introdução O estudo e a caracterização dos parâmetros físicos e químicos do solo constituem uma metodologia de trabalho essencial na realização de levantamentos das comunidades vegetais,

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS DEPARTAMENTO DE QUÍMICA

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS DEPARTAMENTO DE QUÍMICA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS DEPARTAMENTO DE QUÍMICA PROCESSOS QUÍMICOS TECNOLÓGICOS Ângela de Mello Ferreira Belo Horizonte 2013 Prática 02 Processo de coagulação e floculação

Leia mais

I-103 - ESTUDO PRELIMINAR DA REMOÇÃO DE SÓLIDOS E TURBIDEZ POR DISPOSIÇÃO EM SOLO UTILIZANDO EFLUENTE PRÉ-TRATADO POR SISTEMAS ANAERÓBIOS

I-103 - ESTUDO PRELIMINAR DA REMOÇÃO DE SÓLIDOS E TURBIDEZ POR DISPOSIÇÃO EM SOLO UTILIZANDO EFLUENTE PRÉ-TRATADO POR SISTEMAS ANAERÓBIOS I-103 - ESTUDO PRELIMINAR DA REMOÇÃO DE SÓLIDOS E TURBIDEZ POR DISPOSIÇÃO EM SOLO UTILIZANDO EFLUENTE PRÉ-TRATADO POR SISTEMAS ANAERÓBIOS Josette Lourdes de Sousa Melo (1) Engenheira Química, UFPE. Mestre

Leia mais

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com

Leia mais

10-10-2000. Francisco José Simões Roque, nº9 11ºA

10-10-2000. Francisco José Simões Roque, nº9 11ºA Estudo da composição dos solos A turfa 10-10-2000 Francisco José Simões Roque, nº9 11ºA INTRODUÇÃO Os solos são sistemas trifásicos pois são constituídos por componentes sólidos, líquidos e gasosos. Cerca

Leia mais

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS 51 3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS 3.1. Biocidas utilizados Os compostos químicos utilizados nos experimentos de corrosão e análise microbiológica foram o hipoclorito de sódio e o peróxido

Leia mais

Apoiada nestes 3 pilares buscamos oferecer uma completa linha de produtos e serviços (de???), oferecendo aos nosso clientes o mais elevado nível de

Apoiada nestes 3 pilares buscamos oferecer uma completa linha de produtos e serviços (de???), oferecendo aos nosso clientes o mais elevado nível de Apoiada nestes 3 pilares buscamos oferecer uma completa linha de produtos e serviços (de???), oferecendo aos nosso clientes o mais elevado nível de satisfação, de forma sustentável. Solução analítica para

Leia mais

III-049 - TRATAMENTO BIOLÓGICO ANAERÓBIO CONJUGADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E LÍQUIDOS.

III-049 - TRATAMENTO BIOLÓGICO ANAERÓBIO CONJUGADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E LÍQUIDOS. III-049 - TRATAMENTO BIOLÓGICO ANAERÓBIO CONJUGADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E LÍQUIDOS. Sueli Farias de Souza (1) Graduanda do Curso de Química Industrial da UEPB. Bolsista de Iniciação Cientifica do CNPq/PIBIC/UEPB.

Leia mais

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL 43 3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL 3. 1 METODOLOGIAS DE ANÁLISES 3.1.1 Método de Quantificação de Surfactantes (MBAS) em Águas 3.1.2 Princípio e aplicabilidade Os surfactantes aniônicos SLS (Lauril Sulfato

Leia mais

TRANSPORTES E OBRAS DE TERRA

TRANSPORTES E OBRAS DE TERRA TRANSPORTES E OBRAS DE TERRA Movimento de Terra e Pavimentação NOTAS DE AULA MECÂNICA DOS SOLOS Prof. Edson de Moura Aula 04 Granulometria de Solos 2011 17 Granulometria de Solos A finalidade da realização

Leia mais

Matéria e Estados da Matéria

Matéria e Estados da Matéria Matéria e Estados da Matéria A matéria é o material físico do universo. Matéria é tudo que tem massa e ocupa certo lugar no espaço. Na antiguidade, o homem chegou a acreditar que toda matéria existente

Leia mais

"Análises obrigatórias para as várias fontes de abastecimento de água para o consumo"

Análises obrigatórias para as várias fontes de abastecimento de água para o consumo "Análises obrigatórias para as várias fontes de abastecimento de água para o consumo" Dr. Eneo Alves da Silva Jr. Controle Higiênico Sanitário de Alimentos CONTROLE DE ÁGUA NOS ESTABELECIMENTOS RDC 216/Anvisa

Leia mais

O que é filtragem? Técnicas de filtragem para irrigação. Porque utilizar a filtragem? Distribuição das partículas sólidas

O que é filtragem? Técnicas de filtragem para irrigação. Porque utilizar a filtragem? Distribuição das partículas sólidas Técnicas de filtragem para irrigação Prof. Roberto Testezlaf Faculdade de Engenharia Agrícola UNICAMP IV SIMPÓSIO DE CITRICULTURA IRRIGADA Bebedouro, 06 de julho de 2006 O que é filtragem? Processo de

Leia mais

A ÁGUA COMO REAGENTE PURA PURA PURA Destilação - Deionização Osmose Reversa - Filtração através de Carvão Ativado Ultrafiltração -

A ÁGUA COMO REAGENTE PURA PURA PURA Destilação - Deionização Osmose Reversa - Filtração através de Carvão Ativado  Ultrafiltração - 1 A ÁGUA COMO REAGENTE A água é o suprimento do Laboratório Clínico de menor custo. Talvez, por este motivo, sua qualidade seja tão negligenciada, apesar de ser um reagente importante e o mais utilizado.

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos - FISPQ

Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos - FISPQ Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos - FISPQ Data da emissão: 01.03.2005 Edição substituta de 01.02.2002 1. Identificação do produto e da empresa Identificação da substância/preparação

Leia mais

TÓPICOS IMPORTANTES SOBRE FILTRAÇÃO RÁPIDA DESCENDENTE APLICADA AO TRATAMENTO DE ÁGUA POTÁVEL

TÓPICOS IMPORTANTES SOBRE FILTRAÇÃO RÁPIDA DESCENDENTE APLICADA AO TRATAMENTO DE ÁGUA POTÁVEL TÓPICOS IMPORTANTES SOBRE FILTRAÇÃO RÁPIDA DESCENDENTE APLICADA AO TRATAMENTO DE ÁGUA POTÁVEL O texto apresentado a seguir, resumido na forma de tópicos, visa a orientar operadores de ETA, técnicos, engenheiros

Leia mais

XXXI CONGRESO INTERAMERICANO AIDIS Santiago CHILE Centro de Eventos Casa Piedra 12 15 Octubre de 2008

XXXI CONGRESO INTERAMERICANO AIDIS Santiago CHILE Centro de Eventos Casa Piedra 12 15 Octubre de 2008 e XXXI CONGRESO INTERAMERICANO AIDIS Santiago CHILE Centro de Eventos Casa Piedra 12 15 Octubre de 2008 AVALIAÇÃO DA PERDA DE NITROGÊNIO EM SISTEMA DE ARMAZENAMENTO DE URINA COM ISOLAMENTO DA ATMOSFERA

Leia mais

O interesse da Química é analisar as...

O interesse da Química é analisar as... O interesse da Química é analisar as... PROPRIEDADES CONSTITUINTES SUBSTÂNCIAS E MATERIAIS TRANSFORMAÇÕES ESTADOS FÍSICOS DOS MATERIAIS Os materiais podem se apresentar na natureza em 3 estados físicos

Leia mais

Anexo IX. Ref. Pregão nº. 052/2011 DMED. ET Análises de Água e Efluentes

Anexo IX. Ref. Pregão nº. 052/2011 DMED. ET Análises de Água e Efluentes Anexo I Ref. Pregão nº. 052/2011 DMED ET Análises de Água e Efluentes Página 1 de 8 Especificações Técnicas / Termos de Referências nº 219/11 e 317/11 A) DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS Os serviços a serem executados

Leia mais

RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009.

RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009. RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a obrigatoriedade de realização de Análises Físico-químicas e Bacteriológicas com parâmetros físico-químicos e bacteriológicos específicos,

Leia mais

LEOCÁDIO, C.R. 1 ; SOUZA, A.D. 2 ; BARRETO, A.C. 3 ; FREITAS, A.C. 4 ; GONÇALVES, C.A.A. 5

LEOCÁDIO, C.R. 1 ; SOUZA, A.D. 2 ; BARRETO, A.C. 3 ; FREITAS, A.C. 4 ; GONÇALVES, C.A.A. 5 PROGRAMA DE VIABILIZAÇÃO TÉCNICA PARA SISTEMA DE TRATAMENTO INTEGRADO DOS EFLUENTES GERADOS NO COMPLEXO AGROINDUSTRIAL DA UNIDADE I DO CEFET UBERABA MG LEOCÁDIO, C.R. 1 ; SOUZA, A.D. 2 ; BARRETO, A.C.

Leia mais

ÁGUA REAGENTE NO LABORATÓRIO CLÍNICO

ÁGUA REAGENTE NO LABORATÓRIO CLÍNICO ÁGUA REAGENTE NO LABORATÓRIO RIO CLÍNICO Água reagente no laboratório rio clínico Água de grau reagente (água( pura); Processos de purificação: destilação e deionização (+ usado atualmente). Especificações

Leia mais

Poluição ambiental: Análise. ) por SR-TXRF

Poluição ambiental: Análise. ) por SR-TXRF FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL ARQUITETURA E URBANISMO Poluição ambiental: Análise Quantitativa de material particulado (PM 10 ) por SR-TXRF Pesquisador: Profº. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior INTRODUÇÃO

Leia mais

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Gestão Ambiental Profª Denise A. F. Neves MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Objetivos: Entender a distribuição da água no Planeta. Reconhecer

Leia mais

BOAS PRÁTICAS AMBIENTAIS NA RECUPERAÇÃO DE PEDREIRAS: GESTÃO DA ÁGUA E SISTEMAS DE DRENAGEM. Carla Rolo Antunes

BOAS PRÁTICAS AMBIENTAIS NA RECUPERAÇÃO DE PEDREIRAS: GESTÃO DA ÁGUA E SISTEMAS DE DRENAGEM. Carla Rolo Antunes BOAS PRÁTICAS AMBIENTAIS NA RECUPERAÇÃO DE PEDREIRAS: Carla Rolo Antunes Recuperação DL nº 270/2001, 6 out. 2001 (DL nº 340/2007, 12 out. 2007) normas para projeto, exploração, encerramento e desativação

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA PROMINOL P 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Data de emissão: 13 / 03 / 08 Nome do produto: Uso do produto: PROMINOL P Adubo Empresa responsável pela comercialização:

Leia mais

Coagulação ST 502 ST 503. Discentes: : Alyson Ribeiro Daniel Morales Denise Manfio Jenifer Silva Paula Dell Ducas Wander Zapata

Coagulação ST 502 ST 503. Discentes: : Alyson Ribeiro Daniel Morales Denise Manfio Jenifer Silva Paula Dell Ducas Wander Zapata Coagulação e Floculação ST 502 ST 503 Docente: : Profº Peterson Bueno de Moraes Discentes: : Alyson Ribeiro Daniel Morales Denise Manfio Jenifer Silva Paula Dell Ducas Wander Zapata 1. Introdução A água

Leia mais

química FUVEST ETAPA Resposta QUESTÃO 1 QUESTÃO 2 c) Determine o volume adicionado da solução

química FUVEST ETAPA Resposta QUESTÃO 1 QUESTÃO 2 c) Determine o volume adicionado da solução Química QUESTÃO 1 Um recipiente contém 100 ml de uma solução aquosa de H SO 4 de concentração 0,1 mol/l. Duas placas de platina são inseridas na solução e conectadas a um LED (diodo emissor de luz) e a

Leia mais

II-109 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE DE EMBALAGENS METÁLICAS UTILIZANDO REATOR DE BATELADA SEQUENCIAL (RBS) PARA REMOÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO

II-109 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE DE EMBALAGENS METÁLICAS UTILIZANDO REATOR DE BATELADA SEQUENCIAL (RBS) PARA REMOÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO II-19 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE DE EMBALAGENS METÁLICAS UTILIZANDO REATOR DE BATELADA SEQUENCIAL (RBS) PARA REMOÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO Marcelo Hemkemeier (1) Químico Industrial pela Universidade

Leia mais