CAPÍTULO I Disposições gerais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CAPÍTULO I Disposições gerais"

Transcrição

1 REGULAMENTO DO CARTÃO SOCIAL MUNICIPAL Preâmbulo O Cartão Social Municipal é um documento emitido pela câmara municipal de Proença-a-Nova, com o objetivo de conceder benefícios na utilização de bens e serviços públicos existentes no concelho, bem como de serviços privados, mediante o estabelecimento de parcerias. A câmara municipal, atenta à situação social e económica dos seus munícipes, nomeadamente, idosos, portadores de deficiência e reformados por invalidez, pretende com a criação deste cartão melhorar as condições de vida dos seus beneficiários, numa perspetiva de motivação e valorização da realização pessoal; De facto, não pode a autarquia demitir-se das suas funções sociais, sendo pertinente a criação de instrumentos reguladores que permitam diminuir situações carenciadas e ajudar a inverter condutas de exclusão; A reforçar este cenário e inserido na prossecução de uma política social de responsabilidade, entendeu-se ser pertinente a inserção neste regulamento de um anexo contendo as normas de funcionamento da Oficina Domiciliária Municipal, no sentido de contribuir para a melhoria da qualidade de vida dos agregados familiares mais vulneráveis. Tanto mais, que compete à câmara municipal prestar apoio a estratos sociais desfavorecidos ou dependentes pelos meios adequados e nas condições constantes de regulamento municipal; A construção de um percurso individual e coletivo de plena cidadania apela ao esforço de todos, no sentido da promoção da inclusão e do desenvolvimento social dos munícipes em situação de carência socioeconómica, alicerçada nos princípios da discriminação positiva, da equidade e da subsidiariedade. O presente regulamento foi elaborado ao abrigo e nos termos do disposto no art.º 241.º da Constituição da República Portuguesa, no âmbito da alínea h) do n.º 1 do art.º 13.º da Lei n.º 159/99, de 14 de setembro, conjugado com a alínea c) do n.º 4 do art.º 64.º da Lei nº 169/99, de 18 de setembro, na redação dada pela Lei nº 5-A/2002 de 11 de janeiro, sendo da competência da câmara municipal elaborar e aprovar regulamentos em matérias da sua competência exclusiva. Assim, o preconiza a alínea a) do n.º 7 do art.º 64.º da Lei n.º 169/99, de 18 de setembro. CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º Lei habilitante O presente regulamento tem como lei habilitante a Lei n.º 169/99, de 18 de setembro, na sua atual redação, conforme a alínea c) do n.º 4 do seu artigo 64.º.

2 Artigo 2.º Âmbito Este cartão destina-se a apoiar os idosos, portadores de deficiência e reformados por invalidez em situação de carência económica, residentes no concelho de Proença-a-Nova. Artigo 3.º Objeto O presente regulamento tem por objeto definir os critérios de atribuição do Cartão Social Municipal de Proença-a-Nova, bem como todos os procedimentos relativos à concessão do mesmo. Artigo 4.º Conceitos Para efeitos do presente regulamento considera-se: a) Rendimento - conjunto de todos os rendimentos (incluindo os subsídios de natal e de férias) ilíquidos dos membros do agregado, qualquer que seja a sua origem e natureza, e ainda outros rendimentos de caráter não eventual, excetuando-se o subsídio de renda de casa, os valores correspondentes às prestações familiares e bolsas de estudo. b) Agregado familiar - considera-se agregado familiar, para além do requerente ao Cartão Social Municipal, as pessoas a seguir discriminadas que com ele vivam em economia comum: i. O cônjuge ou pessoa que viva com o titular, em união de facto, há mais de um ano; ii. Parentes em linha reta e colateral até ao terceiro grau; iii. Os jovens adotados; iv. Os menores em vias de adoção, desde que o processo legal tenha sido iniciado; v. Os menores que lhe tenham sido confiados por decisão judicial ou administrativa de entidades ou serviços legalmente competentes para o efeito c) Rendimento per capita - é o rendimento mensal ilíquido de todos os membros do agregado familiar, tal como é definido na alínea anterior, a dividir pelo número de pessoas do agregado familiar. Artigo 5.º Cálculo do Rendimento O cálculo do rendimento per capita mensal do agregado familiar é o realizado de acordo com a aplicação da seguinte fórmula:

3 Sendo que: RIA - Rendimento Individual do Agregado RGA - Rendimento Global do Agregado RP - Rendimento per capita N - Número de elementos do Agregado Familiar CAPÍTULO II Processo de Candidatura Artigo 6.º Condições de acesso 1. A concessão do Cartão Social Municipal depende dos seguintes requisitos em relação ao requerente: a) Ter idade igual ou superior a 65 anos; b) Ter deficiência, comprovada, com incapacidade maior ou igual a 60%; c) Ser reformado por invalidez. 2. Além de preencher um dos requisitos enunciados nas alíneas anteriores, o requerente deve possuir um rendimento per capita mensal igual ou inferior ao IAS. Artigo 7.º Documentos necessários Os documentos necessários para a adesão ao Cartão Social Municipal são: a) Requerimento devidamente preenchido e assinado pelo requerente, de acordo com o Anexo I, do presente regulamento; b) Fotocópia do bilhete de identidade e cartão de contribuinte ou cartão do cidadão; c) Atestado de residência emitido pela respetiva junta de freguesia; d) Uma fotografia tipo passe; e) Documento comprovativo da Pensão Nacional ou proveniente do Estrangeiro; f) Cópia da declaração do I.R.S. ou certidão emitida pela Direção-Geral dos Impostos que comprove a sua não apresentação por estar isento; g) Fotocópia do recibo da renda de casa, água e eletricidade, relativos ao mês anterior ao pedido do cartão. h) No caso de deficiência, declaração passada pelo médico de família, onde conste o grau de deficiência atribuído; i) Qualquer outro documento solicitado pela autarquia, com vista à análise do processo.

4 Artigo 8.º Análise das candidaturas 1. A decisão da atribuição do Cartão Social Municipal é da competência da câmara municipal de Proença-a-Nova, que para o efeito, contará com a análise circunstanciada, levada a efeito pelo Gabinete de Ação Social e Saúde, o qual nesse âmbito poderá realizar as diligências que repute necessárias. 2. Concluída a instrução do processo, o Gabinete de Ação Social e Saúde procederá à emissão de um parecer sobre o deferimento do pedido, num prazo máximo de 30 dias úteis após a receção do mesmo. 3. Caso a proposta de decisão seja de indeferimento há lugar à audiência dos interessados, nos termos consignados no Código do Procedimento Administrativo. 4. A decisão prevista no n.º 1 deste artigo é comunicada aos interessados, por correio, nos dez dias úteis subsequentes à deliberação. 5. Só haverá lugar à concessão dos apoios previstos no presente regulamento após a emissão do Cartão Social Municipal. CAPÍTULO III Dos titulares do cartão Artigo 9.º Benefícios O Cartão Social Municipal atribui aos seus titulares os seguintes benefícios: a) Desconto de 25% nas taxas municipais, com exceção das taxas relativas a operações de loteamento; b) Nas licenças/autorizações/comunicações prévias de edificações, o desconto, mencionado na alínea anterior, abrangerá, exclusivamente, as construções referentes a moradias unifamiliares; c) Desconto de 50% no acesso à Piscina Municipal, Ginástica Sénior e espetáculos promovidos pela câmara municipal de Proença-a-Nova; d) Acesso gratuito ao cinema no Auditório Municipal; e) Acesso gratuito aos serviços prestados pela Oficina Domiciliária Municipal, cujas normas de funcionamento constam do Anexo III, o qual faz parte integrante deste regulamento; f) Acessos gratuitos ou os preços reduzidos, em viagens e programas turísticos, organizados pela câmara municipal; g) Usufruir dos tarifários especiais nos termos e nas condições previstas no artigo 80.º do Regulamento de Abastecimento Público de Água e de Saneamento de Águas Residuais Urbanas do Município de Proença-a-Nova. h) O Cartão Social Municipal será extensível à sociedade civil mediante protocolos a celebrar com as entidades aderentes donde constem os produtos passíveis de desconto e respetivo valor.

5 Artigo 10.º Obrigações dos beneficiários 1. Constituem obrigações dos beneficiários do Cartão Social Municipal: a) Informar, previamente, a câmara municipal, da mudança de residência bem como de todas as circunstâncias que alterem a sua situação económica; b) Não permitir a utilização por terceiros; c) Informar, a câmara municipal, sobre a perda, roubo ou extravio do cartão; d) Devolver o cartão aos serviços competentes da câmara municipal sempre que perca o direito ao mesmo. 2. A responsabilidade do titular só cessará após comunicação por escrito da ocorrência. Se após a comunicação o titular encontrar o cartão, deve, junto da câmara municipal, fazer prova da sua titularidade, sob pena do mesmo ser anulado. Artigo 11.º Cessação do direito de utilização 1. Constituem, nomeadamente, causas de cessação do direito de utilização do Cartão Social Municipal: a) As falsas declarações para obtenção do cartão; b) A não apresentação da documentação solicitada; c) A não participação por escrito, no prazo de 30 dias úteis, a partir da data em que ocorra, da alteração das condições económicas do beneficiário, suscetível de influir no quantitativo do rendimento e de que resulte prejuízo para a câmara municipal; d) O recebimento de outro benefício ou subsídio, não eventual, concedido por outra instituição e destinado aos mesmos fins, salvo se for dado conhecimento à câmara municipal e esta, ponderadas as circunstâncias, considerar justificada a acumulação; e) A não participação por escrito, num prazo de 30 dias da alteração de residência; f) A transferência do recenseamento eleitoral para outro concelho. 2. As situações indicadas no presente artigo terão como consequência imediata a anulação do cartão, a devolução dos valores correspondentes aos benefícios indevidamente obtidos e a interdição, por um período de três anos, de qualquer apoio da autarquia. CAPÍTULO IV Validade e utilização do cartão Artigo 12.º Validade e modelo 1. O Cartão Social Municipal é de modelo próprio, contendo o nome do beneficiário, número de ordem e período de validade, conforme o Anexo II, do presente regulamento.

6 2. O Cartão Social Municipal tem a validade de 5 anos, a partir da data da sua emissão, sendo renovável desde que solicitado, pelo beneficiário, com a antecedência mínima de trinta dias do termo do prazo de validade e mediante apresentação dos documentos enunciados no artigo 7.º deste regulamento. 3. Sem prejuízo do mencionado no número anterior, o beneficiário deverá apresentar, anualmente, Prova de Vida e declaração de rendimentos. Artigo 13.º Caducidade do cartão O cartão caduca na data do termo da sua validade, se não for requerida a sua renovação, nos termos do artigo anterior, ou com o falecimento do respetivo titular. Artigo 14.º Utilização do cartão O cartão é pessoal e intransmissível, só podendo ser utilizado pelo respetivo titular e desde que se encontre dentro do respetivo prazo de validade. Artigo 15.º Renúncia O titular pode renunciar a todo o tempo à utilização do cartão, mediante declaração escrita e devolução do mesmo junto do Gabinete de Ação Social e Saúde da câmara municipal de Proença-a- Nova. CAPÍTULO V Disposições Finais Artigo 16.º Normas 1. O desconhecimento deste regulamento não poderá ser invocado para justificar o não cumprimento das suas disposições. 2. Este regulamento poderá sofrer, a todo o tempo e, nos termos legais, as alterações consideradas indispensáveis. Artigo 17.º Dúvidas e omissões Os casos omissos ou as dúvidas suscitadas na interpretação do presente regulamento serão resolvidos por deliberação da câmara municipal de Proença-a-Nova.

7 Artigo 18.º Disposições transitórias Para os beneficiários que à data da entrada em vigor das alterações ao presente regulamento sejam titulares de cartão válido, o prazo de validade do mesmo mantém-se, regendo-se em tudo mais pelo, agora, regulamentado. Artigo 19.º Entrada em vigor O presente regulamento entra em vigor no dia seguinte à data da sua publicação no site do Município.

8 Anexo I Requerimento nos termos da alínea a) do artigo 7.º

9 Anexo II Cartão Social Municipal conforme previsto no n.º 1 do artigo 12.º

10 Anexo III Normas de funcionamento da Oficina Domiciliária Municipal conforme o previsto na alínea e) do artigo 9.º Artigo 1.º Âmbito Pelo presente, pretende-se definir as normas de funcionamento da Oficina Domiciliária Municipal, enquanto medida de apoio social, atendendo às necessidades socioeconómicas da população idosa e das pessoas com deficiência, residentes no concelho de Proença-a-Nova. Artigo 2.º Objetivo A Oficina Domiciliária Municipal destina-se a apoiar através de pequenas reparações domésticas, a executar no seu domicílio, os munícipes que se encontrem em situação de fragilidade económica ou social, sendo portadores do Cartão Social Municipal. Artigo 3.º Gestão da Oficina Domiciliária O Gabinete de Ação Social e Saúde da câmara municipal de Proença-a-Nova é o serviço responsável pela coordenação e gestão da Oficina Domiciliária Municipal, cabendo-lhe: a) O atendimento dos munícipes; b) Analisar os pedidos e proceder ao seu encaminhamento para o serviço responsável pela realização das reparações; c) Organizar e manter atualizado uma base de dados dos respetivos utentes; d) Verificar o cumprimento das presentes normas; e) Realizar, anualmente, um relatório de todos os apoios concedidos. Artigo 4.º Pequenas reparações Para efeitos do disposto no artigo segundo, consideram-se pequenas reparações domésticas as seguintes: a) Reparação e substituição de torneiras, loiças sanitárias, sifões e acessórios de bancada de cozinha; b) Reparação de canalizações e tubagens de água e de esgotos; c) Reparação e instalação de filtro ou de esquentador; d) Reparação de pavimentos cerâmicos ou de azulejos de parede; e) Pinturas e remates em paredes e tetos;

11 f) Reparações simples de serralharia, incluindo substituição de fechaduras e chaves; g) Reparação de estores e persianas; h) Desempeno de portas e janelas; i) Substituição de vidros partidos; j) Reparação e substituição de tomadas de eletricidade, casquilhos, lâmpadas e interruptores; k) Limpeza de caldeiras e desobstrução de tubos de queda; l) Ligação, afinação e sintonização de televisores, vídeos, DVD`s e outros equipamentos elétricos de uso corrente, bem como o fornecimento de indicações básicas de utilização; m) Transporte de eletrodomésticos ou de mobiliário ligeiro para reparação. Artigo 5.º Pedido 1. O pedido de intervenção poderá ser apresentado: a) Presencialmente, no Gabinete de Ação Social e Saúde da câmara municipal; b) Através do telefone O pedido será devidamente registado, obedecendo ao Modelo I, apenso a estas normas. Artigo 6.º Benefícios da Oficina Domiciliária Municipal 1. Os serviços da Oficina Domiciliária Municipal traduzem-se nos seguintes benefícios: a) Mão-de-obra gratuita em todos os trabalhos prestados; b) Serviço prestado por pessoal técnico qualificado, que garanta a qualidade na execução dos trabalhos. 2. É da responsabilidade do interessado a aquisição dos materiais para a concretização das reparações. 3. Cada agregado familiar pode recorrer a este serviço, num total de 21 horas anuais. Artigo 7.º Execução das intervenções 1. As intervenções só serão executadas na presença do requerente ou de alguém que o represente. 2. Depois de finalizada a execução do serviço, deverá o requerente verificar se o mesmo ficou de acordo com o solicitado, e assinar o registo da intervenção efetuada, conforme o Modelo II.

12 Artigo 8.º Prazo para a execução dos serviços Os serviços requisitados no âmbito da Oficina Domiciliária Municipal devem ser satisfeitos de acordo com a disponibilidade dos serviços afetos ao projeto. Artigo 9.º Obrigações dos beneficiários São obrigações dos beneficiários da Oficina Domiciliária Municipal, não permitir ou facilitar a utilização dos serviços por terceiros e informar atempadamente o Gabinete de Ação Social e Saúde da câmara municipal de: a) Quaisquer circunstâncias que alterem a sua situação económica e composição do seu agregado familiar; b) Alteração de residência para outro concelho. Artigo 10.º Cessação do direito de utilização do serviço da Oficina Domiciliária Constituem, nomeadamente, causas de não atribuição/cessação do direito de utilização dos serviços da Oficina Domiciliária Municipal: a) A não apresentação da documentação solicitada. b) As falsas declarações para obtenção dos serviços. Artigo 11.º Alterações às normas de funcionamento As presentes normas poderão sofrer, a todo o tempo e nos termos legais, as alterações consideradas indispensáveis. Artigo 12.º Dúvidas e Omissões Todas as dúvidas e omissões resultantes da aplicação das presentes normas serão resolvidas pela câmara municipal de Proença-a-Nova.

13 Modelo I

14 Modelo II

Município de Monforte REGULAMENTO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO

Município de Monforte REGULAMENTO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO Município de Monforte REGULAMENTO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO Convertido para formato digital em 16 de fevereiro de 2013. Aplicação do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa - Cumprimento da Resolução do

Leia mais

Regulamento do Cartão Municipal do Idoso

Regulamento do Cartão Municipal do Idoso Regulamento do Cartão Municipal do Idoso Preâmbulo Considerando a importância crescente do papel das autarquias locais, no âmbito do apoio às populações, a Câmara Municipal de Grândola atenta que está

Leia mais

Regulamento do Cartão Municipal do Idoso do Concelho de Ferreira do Zêzere

Regulamento do Cartão Municipal do Idoso do Concelho de Ferreira do Zêzere REGULAMENTOS Regulamento do Cartão Municipal do Idoso do Concelho de Ferreira do Zêzere MUNICÍPIO DE FERREIRA DO ZÊZERE CÂMARA MUNICIPAL Aprovado pela Câmara Municipal por deliberação de 09 de fevereiro

Leia mais

REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL 65 +

REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL 65 + REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL 65 + Elaborado Por: Desenvolvimento Social Acção Social Data: Verificado Por: Data: Aprovado por: Câmara Municipal de Estremoz Data: 05/01/2011 Aprovado por: Assembleia

Leia mais

Artigo 1º Âmbito O presente Regulamento estabelece as regras de adesão e utilização do Cartão Almodôvar Solidário.

Artigo 1º Âmbito O presente Regulamento estabelece as regras de adesão e utilização do Cartão Almodôvar Solidário. Regulamento do Cartão Almodôvar Solidário Preâmbulo Decorridos cerca de seis anos sobre a implementação do Cartão Municipal do Idoso, o qual constituiu um importante marco no apoio aos mais desfavorecidos,

Leia mais

Regulamento do CARTÃO MUNICIPAL SÉNIOR. Nota Justificativa

Regulamento do CARTÃO MUNICIPAL SÉNIOR. Nota Justificativa Regulamento do CARTÃO MUNICIPAL SÉNIOR Nota Justificativa Perante o envelhecimento e solidão em que os idosos do concelho se encontram e, tendo em conta a saúde e rendimentos precários que os caracterizam,

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE OEIRAS. Regulamento Municipal para o Programa de Turismo Sénior

CÂMARA MUNICIPAL DE OEIRAS. Regulamento Municipal para o Programa de Turismo Sénior CÂMARA MUNICIPAL DE OEIRAS Regulamento Municipal para o Programa de Turismo Sénior Preâmbulo Considerando a necessidade de apoiar as pessoas idosas, proporcionando-lhes momentos lúdicos, de lazer e de

Leia mais

Regulamento do Cartão Jovem Municipal Nota justificativa

Regulamento do Cartão Jovem Municipal Nota justificativa Regulamento do Cartão Jovem Municipal Nota justificativa Considerando que o Município do Barreiro tem como princípio o bem-estar, a realização pessoal e a plena participação social dos jovens. Considerando

Leia mais

Freguesia de Penela da Beira

Freguesia de Penela da Beira EDITAL Alexandre Rui Lopes Escudeiro, Presidente da Junta de Freguesia de Penela da Beira: Torna público que esta Junta de Freguesia em reunião extraordinária de 17 de Setembro de 2010, aprovou o seguinte

Leia mais

ALTERAÇÃO AO REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO

ALTERAÇÃO AO REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO A CÂMARA MUNICIPAL DE ALENQUER Praça Luís de Camões -2580-318 ALENQUER - Telef. 263730900. Fax 263 711 504. e-mau: aerai6~cm-a eflaue.dt ALTERAÇÃO AO REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO r Proposta

Leia mais

Regulamento sobre a atribuição de apoios para aquisição de medicação e do cartão municipal do idoso. Preâmbulo

Regulamento sobre a atribuição de apoios para aquisição de medicação e do cartão municipal do idoso. Preâmbulo Regulamento sobre a atribuição de apoios para aquisição de medicação e do cartão municipal do idoso Preâmbulo Os apoios sociais assumem particular relevância perante o atual panorama de fragilidade em

Leia mais

Proposta de Regulamento para atribuição do Cartão Municipal do Idoso

Proposta de Regulamento para atribuição do Cartão Municipal do Idoso Proposta de Regulamento para atribuição do Cartão Municipal do Idoso Nas sociedades contemporâneas reveste especial preocupação as condições e qualidade de vida, designadamente da população considerada

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO. - Município da Ribeira Brava - Preâmbulo

PROJETO DE REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO. - Município da Ribeira Brava - Preâmbulo PROJETO DE REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO - Município da Ribeira Brava - Preâmbulo O Município da Ribeira Brava, à semelhança da generalidade dos concelhos da Região e do País em geral, tem uma

Leia mais

Regulamento Municipal de Atribuição do Cartão Social do Reformado, Pensionista e Idoso

Regulamento Municipal de Atribuição do Cartão Social do Reformado, Pensionista e Idoso Regulamento Municipal de Atribuição do Cartão Social do Reformado, Pensionista e Idoso Preâmbulo A Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, na redacção dada pela Lei n.º 5-A/2002, de 11 de Janeiro, prevê, na

Leia mais

Regulamento do Cartão Sénior do Município do Funchal

Regulamento do Cartão Sénior do Município do Funchal Regulamento do Cartão Sénior do Município do Funchal Nota Justificativa O Município do Funchal, ao longo dos anos, tem vindo a implementar programas destinados à população sénior residente no concelho,

Leia mais

Regulamento do Cartão do Idoso do Município de Vila do Porto

Regulamento do Cartão do Idoso do Município de Vila do Porto MUNICÍPIO DE VILA DO PORTO Regulamento do Cartão do Idoso do Município de Vila do Porto Carlos Henrique Lopes Rodrigues, Presidente da Câmara Municipal do concelho de Vila do Porto: Torna público que,

Leia mais

MUNICÍPIO DE BARRANCOS

MUNICÍPIO DE BARRANCOS MUNICÍPIO DE BARRANCOS Regulamento do Programa Casa Jovem Programa Municipal de Apoio ao Arrendamento Jovem e de Incentivo ao Mercado de Arrendamento Local Preâmbulo No âmbito do Programa de Intervenção

Leia mais

Regulamento do Cartão Municipal do Idoso. Preâmbulo

Regulamento do Cartão Municipal do Idoso. Preâmbulo 1 Regulamento do Cartão Municipal do Idoso Preâmbulo O Município de Arronches, à semelhança da generalidade dos concelhos do interior do País, tem uma parte significativa da sua população composta por

Leia mais

REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DAR VIDA AOS ANOS. Preâmbulo

REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DAR VIDA AOS ANOS. Preâmbulo REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DAR VIDA AOS ANOS Preâmbulo Tendo por base o n. 8 do artigo 112. e o artigo 241. da Constituição da República Portuguesa, e no âmbito da prossecução das suas atribuições

Leia mais

Regulamento de implementação e funcionamento da Loja Social de Alenquer

Regulamento de implementação e funcionamento da Loja Social de Alenquer Regulamento de implementação e funcionamento da Loja Social de Alenquer Nota Justificativa Num contexto marcado por uma profunda crise sócio-económica, que origina o crescente aumento de situações de pobreza

Leia mais

MUNICIPIO DE MESÃO FRIO

MUNICIPIO DE MESÃO FRIO MUNICIPIO DE MESÃO FRIO REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROGRAMA SOCIAL DE APOIO À HABITAÇÃO DO MUNICIPIO DE MESÃO FRIO A, em conformidade com as atribuições e competências consignadas aos Municípios, nomeadamente

Leia mais

PROJETO REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROGRAMA DE COMPARTICIPAÇÃO DE MEDICAMENTOS AOS IDOSOS CARENCIADOS

PROJETO REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROGRAMA DE COMPARTICIPAÇÃO DE MEDICAMENTOS AOS IDOSOS CARENCIADOS PROJETO REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROGRAMA DE COMPARTICIPAÇÃO DE MEDICAMENTOS AOS IDOSOS CARENCIADOS PREÂMBULO Os idosos são tradicionalmente um grupo social com dificuldades reconhecidas que advém, sobretudo

Leia mais

Ação Social NORMAS DE FUNCIONAMENTO DA LOJA SOLIDÁRIA MUNICÍPIO DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO

Ação Social NORMAS DE FUNCIONAMENTO DA LOJA SOLIDÁRIA MUNICÍPIO DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO Ação Social NORMAS DE FUNCIONAMENTO DA LOJA SOLIDÁRIA MUNICÍPIO DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO Nota justificativa O Município de Sobral de Monte Agraço, no exercício das suas competências, deverá promover e/ou

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE BELMONTE REGULAMENTO. Subsídio "Apoio ao Estudante"

CÂMARA MUNICIPAL DE BELMONTE REGULAMENTO. Subsídio Apoio ao Estudante CÂMARA MUNICIPAL DE BELMONTE REGULAMENTO Subsídio "Apoio ao Estudante" A educação é a forma mais simples de transformar uma sociedade. Uma população mais culta permite acolher novas ideias de futuro e

Leia mais

Tarifário para Tarifário para 2015

Tarifário para Tarifário para 2015 Tarifário para 2015 Setembro de 2014 Página 1 de 12 Índice Tarifas de Abastecimento... 3 Tarifas de Saneamento... 4 Outros serviços de abastecimento... 5 Outros serviços de saneamento... 7 Processos de

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE SALVATERRA DE MAGOS. Regulamento para atribuição de bolsas de estudo a alunos do ensino superior. Preâmbulo

CÂMARA MUNICIPAL DE SALVATERRA DE MAGOS. Regulamento para atribuição de bolsas de estudo a alunos do ensino superior. Preâmbulo CÂMARA MUNICIPAL DE SALVATERRA DE MAGOS Regulamento para atribuição de bolsas de estudo a alunos do ensino superior Preâmbulo O desenvolvimento de medidas de carácter social com o intuito de melhorar as

Leia mais

APOIO À RECUPERAÇÃO HABITACIONAL DE ESTRATOS SOCIAIS DESFAVORECIDOS

APOIO À RECUPERAÇÃO HABITACIONAL DE ESTRATOS SOCIAIS DESFAVORECIDOS APOIO À RECUPERAÇÃO HABITACIONAL DE ESTRATOS SOCIAIS DESFAVORECIDOS FORMULÁRIO DE CANDIDATURA I. Apoio à recuperação habitacional 1ª Candidatura Recandidatura POR FAVOR LEIA ATENTAMENTE O FORMULÁRIO DE

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO APOIO AO ARRENDAMENTO HABITACIONAL. DOCUMENTAÇÃO OBRIGATÓRIA para instrução da candidatura

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO APOIO AO ARRENDAMENTO HABITACIONAL. DOCUMENTAÇÃO OBRIGATÓRIA para instrução da candidatura FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO APOIO AO ARRENDAMENTO HABITACIONAL DOCUMENTAÇÃO OBRIGATÓRIA para instrução da candidatura (APRESENTAR ORIGINAIS E ENTREGAR FOTOCÓPIAS DE TODOS OS DOCUMENTOS) B.I./ C.C./Cédula

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DA LAGOA Regulamento n.º 27/2007 de 3 de Setembro de 2007

CÂMARA MUNICIPAL DA LAGOA Regulamento n.º 27/2007 de 3 de Setembro de 2007 CÂMARA MUNICIPAL DA LAGOA Regulamento n.º 27/2007 de 3 de Setembro de 2007 Torna público, em conformidade com a deliberação tomada pela Câmara Municipal, em sua reunião ordinária realizada a 23 de Julho

Leia mais

REGULAMENTO. Projeto Esperança

REGULAMENTO. Projeto Esperança REGULAMENTO Projeto Esperança Aprovação Câmara Municipal: 21-12-2015 Assembleia Municipal: 12-02-2016 REGULAMENTO PROJETO ESPERANÇA PREÂMBULO O Município de Arruda dos Vinhos, no desenvolvimento da sua

Leia mais

Universidade Lusófona do Porto Bolsas de Estudo. Regulamento

Universidade Lusófona do Porto Bolsas de Estudo. Regulamento Universidade Lusófona do Porto Bolsas de Estudo Regulamento 1. Requisitos a cumprir para candidatura - Não ser detentor/a de grau académico universitário; - Não beneficiar de outra bolsa de estudo ou vantagem

Leia mais

REGULAMENTO DO SUBSÍDIO AO ARRENDAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SANTO TIRSO

REGULAMENTO DO SUBSÍDIO AO ARRENDAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SANTO TIRSO REGULAMENTO DO SUBSÍDIO AO ARRENDAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SANTO TIRSO Artigo 1.º (Âmbito) 1 O presente regulamento regula a concessão de subsídio ao arrendamento pelo município de Santo Tirso. 2 Podem

Leia mais

REGULAMENTO. Gabinete de Consulta Jurídica e de Apoio Jurídico do Municipio de Arruda dos Vinhos

REGULAMENTO. Gabinete de Consulta Jurídica e de Apoio Jurídico do Municipio de Arruda dos Vinhos REGULAMENTO Gabinete de Consulta Jurídica e de Apoio Jurídico do Municipio de Arruda dos Vinhos Aprovação Câmara Municipal: 02-05-2016 Assembleia Municipal: 27-06-2016 REGULAMENTO DO GABINETE DE CONSULTA

Leia mais

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO. Preâmbulo

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO. Preâmbulo REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO Preâmbulo Faz parte da missão do grupo Águas de Portugal (Grupo AdP) constituir-se como uma referência no setor do ambiente, de forma a promover a universalidade,

Leia mais

CALHETA D ESPERANÇAS

CALHETA D ESPERANÇAS CÂMARA MUNICIPAL DA CALHETA MADEIRA REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO À FAMILIA E INCENTIVO À NATALIDADE CALHETA D ESPERANÇAS Página 1 de 5 Nota Justificativa Considerando a crescente intervenção deste Município

Leia mais

REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO

REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO Preâmbulo O Concelho de Portel, à semelhança da generalidade dos Concelhos do interior do país, tem uma parte significativa

Leia mais

REGULAMENTO AÇÃO SOCIAL ESCOLAR 1º CICLO MANUAIS ESCOLARES

REGULAMENTO AÇÃO SOCIAL ESCOLAR 1º CICLO MANUAIS ESCOLARES REGULAMENTO AÇÃO SOCIAL ESCOLAR 1º CICLO MANUAIS ESCOLARES Divisão de Educação e Promoção Social Ano Letivo 2014/2015 Regulamento Municipal para atribuição de Auxílios Económicos relativos a manuais escolares,

Leia mais

Regulamento da Galeria Municipal de Almeirim. Preâmbulo

Regulamento da Galeria Municipal de Almeirim. Preâmbulo Regulamento da Galeria Municipal de Almeirim Preâmbulo A Galeria Municipal de Almeirim é um espaço destinado à dinamização da cultura através de exposições temporárias, cabendo neste todas as áreas temáticas

Leia mais

CANDIDATURA A BOLSA DE ESTUDO

CANDIDATURA A BOLSA DE ESTUDO Ex. mo Sr. Presidente da Câmara Municipal de Proença-a-Nova I - IDENTIFICAÇÃO E RESIDÊNCIA BI/Cartão do Cidadão NIF E-mail Data de Nascimento NIB Estado Civil Naturalidade Sexo Filiação do Cônjuge (Se

Leia mais

Município de Marvão. Alienação das Habitações do Bairro Fronteira de Marvão

Município de Marvão. Alienação das Habitações do Bairro Fronteira de Marvão Victor Manuel Martins Frutuoso, Presidente da Câmara Municipal de Marvão, torna públicas as condições de alienação das habitações do Bairro da Fronteira, aprovadas na reunião de Câmara Municipal, do dia

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO GABINETE DE APOIO AO EMPREGO, ÀS EMPRESAS E AO EMPREENDEDORISMO - GE 3

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO GABINETE DE APOIO AO EMPREGO, ÀS EMPRESAS E AO EMPREENDEDORISMO - GE 3 REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO GABINETE DE APOIO AO EMPREGO, ÀS EMPRESAS E AO EMPREENDEDORISMO - GE 3 REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO GE 3 SECÇÃO I Disposições Gerais Artigo 1.º Objeto 1. O presente regulamento

Leia mais

REGULAMENTO DO CARTÃO SÉNIOR MUNICIPAL NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO DO CARTÃO SÉNIOR MUNICIPAL NOTA JUSTIFICATIVA REGULAMENTO DO CARTÃO SÉNIOR MUNICIPAL NOTA JUSTIFICATIVA Tendo em vista a reformulação do Regulamento do Cartão Municipal do Idoso em vigor desde 1999, considerando a realidade presente e a adequação

Leia mais

Regulamento de Concessão de Bolsas de Estudo Para o Ensino Superior. Aprovado após deliberação em reunião de Câmara de dia 16 de Dezembro de 2009

Regulamento de Concessão de Bolsas de Estudo Para o Ensino Superior. Aprovado após deliberação em reunião de Câmara de dia 16 de Dezembro de 2009 Regulamento de Concessão de Bolsas de Estudo Para o Ensino Superior Aprovado após deliberação em reunião de Câmara de dia 16 de Dezembro de 2009 Beja, 2009 Artigo 1º Objecto O presente regulamento estabelece

Leia mais

REGULAMENTO DO SUBSIDIO AO ARRENDAMENTO DO MUNICÍPIO DE SANTO TIRSO. Nota Justificativa

REGULAMENTO DO SUBSIDIO AO ARRENDAMENTO DO MUNICÍPIO DE SANTO TIRSO. Nota Justificativa REGULAMENTO DO SUBSIDIO AO ARRENDAMENTO DO MUNICÍPIO DE SANTO TIRSO Nota Justificativa Com o novo quadro legal de atribuições e competências das autarquias locais, previstas no Anexo I da Lei 75/2013,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SUMARÉ ESTADO DE SÃO PAULO ANEXO 5 ESTRUTURA TARIFÁRIA TARIFA DE ÁGUA E ESGOTO ESGOTAMENTO SANITÁRIO

PREFEITURA MUNICIPAL DE SUMARÉ ESTADO DE SÃO PAULO ANEXO 5 ESTRUTURA TARIFÁRIA TARIFA DE ÁGUA E ESGOTO ESGOTAMENTO SANITÁRIO ANEXO 5 ESTRUTURA TARIFÁRIA TARIFA DE ÁGUA E ESGOTO ESGOTAMENTO SANITÁRIO A seguir é apresentada a Estrutura Tarifária a ser praticada pela Concessionária durante o período de vigência do Contrato de Concessão.

Leia mais

TABELA DE PREÇOS DOS SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA, ELECTRICIDADE E SANEAMENTO DE SANTO TIRSO

TABELA DE PREÇOS DOS SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA, ELECTRICIDADE E SANEAMENTO DE SANTO TIRSO TABELA DE PREÇOS DOS SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA, ELECTRICIDADE E SANEAMENTO DE SANTO TIRSO - 2014 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS 1. Os Preços a cobrar pelos SMAES de Santo Tirso são os constantes

Leia mais

Câmara Municipal da Lourinhã

Câmara Municipal da Lourinhã Câmara Municipal da Lourinhã Tarifas de Abastecimento de Água, de Saneamento e De Resíduos Sólidos Urbanos Capítulo I Tarifa Social O Município da Lourinhã propõe um novo tarifário de cariz social. As

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DE S. DOMINGOS DE RANA CONCELHO DE CASCAIS REGULAMENTO CARTÃO APOIO MAIS PREÂMBULO

JUNTA DE FREGUESIA DE S. DOMINGOS DE RANA CONCELHO DE CASCAIS REGULAMENTO CARTÃO APOIO MAIS PREÂMBULO REGULAMENTO CARTÃO APOIO MAIS PREÂMBULO O Cartão Apoio Mais é emitido pela Junta de S. Domingos de Rana e tem como objectivo conceder benefícios e descontos na utilização de bens e serviços a cidadãos

Leia mais

Regulamento do Programa Municipal de Incentivo à Natalidade Nota Justificativa

Regulamento do Programa Municipal de Incentivo à Natalidade Nota Justificativa Regulamento do Programa Municipal de Incentivo à Natalidade Nota Justificativa Considerando: - A importância que a área do desenvolvimento social assume na política de ação social do Município de Cinfães;

Leia mais

M U N I C Í P I O D E V A L E N Ç A C ÂM ARA MUNIC I PAL

M U N I C Í P I O D E V A L E N Ç A C ÂM ARA MUNIC I PAL CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO REGULAMENTO PREÂMBULO Portugal, quer pelo aumento da esperança de vida, quer pelos baixos níveis da natalidade, está a tornar-se num país com população envelhecida. Valença não

Leia mais

MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR REGULAMENTO DA ESCOLA DE TEATRO TIA MICAS

MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR REGULAMENTO DA ESCOLA DE TEATRO TIA MICAS MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR REGULAMENTO DA ESCOLA DE TEATRO TIA MICAS REGULAMENTO DA ESCOLA DE TEATRO TIA MICAS PREÂMBULO O desenvolvimento equilibrado e harmonioso da sociedade não dispensa a prática

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO FINANCEIRA ÀS ENTIDADES SEM FINS LUCRATIVOS PROMOTORAS DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DE SAÚDE DO CONCELHO DE SINTRA

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO FINANCEIRA ÀS ENTIDADES SEM FINS LUCRATIVOS PROMOTORAS DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DE SAÚDE DO CONCELHO DE SINTRA 1/6 PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO FINANCEIRA ÀS ENTIDADES SEM FINS LUCRATIVOS PROMOTORAS DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DE SAÚDE DO CONCELHO DE SINTRA FORMULÁRIO DE CANDIDATURA (nº SM ) Exmº Sr. Presidente da Câmara

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DA BOLSA DE TERRAS DE CAMINHA

REGULAMENTO MUNICIPAL DA BOLSA DE TERRAS DE CAMINHA REGULAMENTO MUNICIPAL DA BOLSA DE TERRAS DE CAMINHA ÍNDICE Preâmbulo...1 Artigo 1.º Objeto e objetivos... 1 Artigo 2.º Condições de adesão... 1 Artigo 3.º Funcionamento... 2 Artigo 4.º Responsabilidades...

Leia mais

REQUERIMENTO PRESTAÇÕES POR ENCARGOS FAMILIARES ABONO DE FAMÍLIA PRÉ-NATAL E ABONO DE FAMÍLIA PARA CRIANÇAS E JOVENS

REQUERIMENTO PRESTAÇÕES POR ENCARGOS FAMILIARES ABONO DE FAMÍLIA PRÉ-NATAL E ABONO DE FAMÍLIA PARA CRIANÇAS E JOVENS REQUERIMENTO PRESTAÇÕES POR ENCARGOS FAMILIARES ABONO DE FAMÍLIA PRÉ-NATAL E ABONO DE FAMÍLIA PARA CRIANÇAS E JOVENS INFORMAÇÕES E INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO O requerimento deve ser preenchido manualmente.

Leia mais

MUNICÍPIO DE VALPAÇOS PREÂMBULO

MUNICÍPIO DE VALPAÇOS PREÂMBULO REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO PREÂMBULO Nos termos do artigo 235.º n.º 2 da Constituição da República Portuguesa, as Autarquias são pessoas colectivas territoriais dotadas de

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MONCHIQUE FORMULÁRIO DE CANDIDATURA

CÂMARA MUNICIPAL DE MONCHIQUE FORMULÁRIO DE CANDIDATURA CÂMARA MUNICIPAL DE MONCHIQUE FORMULÁRIO DE CANDIDATURA CONCESSÃO DE APOIO A ESTRUTURAS SOCIAIS DESFAVORECIDAS OU DEPENDENTES (Modelo A1) No âmbito da alínea c) do artº 64 do DL 169/99 de 18 de Setembro

Leia mais

REGULAMENTO. PROGRAMA Natal Solidário

REGULAMENTO. PROGRAMA Natal Solidário REGULAMENTO PROGRAMA Natal Solidário Aprovado em Reunião de Câmara de 31/10/2012 e Assembleia Municipal de 29/11/2012 Fundamentação A Câmara Municipal de Gondomar, tem vindo a promover medidas de intervenção,

Leia mais

NORMAS DE AÇÃO SOCIAL ESCOLAR DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO E EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

NORMAS DE AÇÃO SOCIAL ESCOLAR DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO E EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR NORMAS DE AÇÃO SOCIAL ESCOLAR DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO E EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 1 PREÂMBULO Atenta à diferenciação de oportunidades de acesso à educação, o Município de Almada tem preconizado uma política

Leia mais

ANEXO II MODELO DE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE RECOLHA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS E LIMPEZA URBANA PELA EGEO TECNOLOGIA E AMBIENTE, S.A.

ANEXO II MODELO DE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE RECOLHA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS E LIMPEZA URBANA PELA EGEO TECNOLOGIA E AMBIENTE, S.A. REGULAMENTO TARIFÁRIO E DE EXPLORAÇÃO DA CONCESSÃO DOS SERVIÇOS DE LIMPEZA URBANA E RECOLHA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NA ÁREA DE JURISDIÇÃO DA APL -ADMINISTRAÇÃO DO PORTO DE LISBOA, S.A. ANEXO II MODELO

Leia mais

Programa de Acompanhamento Solidário Sénior

Programa de Acompanhamento Solidário Sénior Regulamento Interno PASS Considerando a necessidade de regulamentar a resposta social, Programa de Acompanhamento (PASS), elaborou-se o presente regulamento com a finalidade de definir linhas orientadoras.

Leia mais

Subsídio de Doença Direção-Geral da Segurança Social março 2015

Subsídio de Doença Direção-Geral da Segurança Social março 2015 Direção-Geral da Segurança Social março 2015 O é uma prestação em dinheiro atribuída ao beneficiário para compensar a perda de remuneração, resultante do impedimento temporário para o trabalho, por motivo

Leia mais

União das Freguesias de Aljustrel e Rio de Moinhos

União das Freguesias de Aljustrel e Rio de Moinhos União das Freguesias de Aljustrel e Rio de Moinhos Regulamento Do Serviço Vamos até Si 2014. Regulamento do serviço Vamos Até Si 1 Regulamento do Serviço Vamos até Si Preâmbulo Vamos até si é um serviço

Leia mais

REGULAMENTO DO FUNDO DE EMERGÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE ODIVELAS

REGULAMENTO DO FUNDO DE EMERGÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE ODIVELAS !"#$"##"%&##$ REGULAMENTO DO FUNDO DE EMERGÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE ODIVELAS NOTA JUSTIFICATIVA O Município de Odivelas tem estado na vanguarda da implementação de medidas de combate à exclusão social

Leia mais

GUIA PRÁTICO REEMBOLSO DE DESPESAS DE FUNERAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO REEMBOLSO DE DESPESAS DE FUNERAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO REEMBOLSO DE DESPESAS DE FUNERAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Reembolso de Despesas de Funeral (7007 V4.14) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social,

Leia mais

Regulamento da Piscina Municipal Descoberta. Nota Justificativa

Regulamento da Piscina Municipal Descoberta. Nota Justificativa Regulamento da Piscina Municipal Descoberta Nota Justificativa O desporto encerra em si um vasto leque de valores universais que, ao longo dos tempos, tem contribuído para a melhoria dos padrões de qualidade

Leia mais

Regulamento do Fundo Social de Emergência Preâmbulo

Regulamento do Fundo Social de Emergência Preâmbulo Regulamento do Fundo Social de Emergência Preâmbulo A Câmara Municipal de Cinfães, através de medidas de intervenção, inclusão e apoio social, tem vindo a promover ações concertadas e articuladas com os

Leia mais

Câmara Municipal. Município de Alenquer. Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Alenquer,

Câmara Municipal. Município de Alenquer. Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Alenquer, Departamento de Urbanismo Município de Alenquer Câmara Municipal REGISTO DE ENTRADA Nº Em / / Proc. N.º / / O Func. Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Alenquer, EMISSÃO DE ALVARÁ DE OBRAS DE

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL EXERCITO PORTUGUÊS DIRECÇÃO DOS SERVIÇOS DE PESSOAL REPARTIÇÃO DE APOIO SOCIAL

MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL EXERCITO PORTUGUÊS DIRECÇÃO DOS SERVIÇOS DE PESSOAL REPARTIÇÃO DE APOIO SOCIAL MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL EXERCITO PORTUGUÊS DIRECÇÃO DOS SERVIÇOS DE PESSOAL REPARTIÇÃO DE APOIO SOCIAL BENEFICIÁRIOS Militar QP (Activo, Reserva, Reforma) ou RV/RC ou Aluno/Cadete de estabelecimento

Leia mais

EDITAL N.º 38/2016 SORTEIO N.º 1/UCT/DEPEP/DPDL/16 ATRIBUIÇÃO DE ESPAÇOS FIXOS DE VENDA NA FEIRA DAS GALINHEIRAS

EDITAL N.º 38/2016 SORTEIO N.º 1/UCT/DEPEP/DPDL/16 ATRIBUIÇÃO DE ESPAÇOS FIXOS DE VENDA NA FEIRA DAS GALINHEIRAS EDITAL N.º 38/2016 SORTEIO N.º 1/UCT/DEPEP/DPDL/16 ATRIBUIÇÃO DE ESPAÇOS FIXOS DE VENDA NA FEIRA DAS GALINHEIRAS 1. OBJETO DO SORTEIO 1.1. O presente Sorteio visa a atribuição de espaços de venda fixos

Leia mais

Aviso de abertura Atribuição de Habitação Social em Regime de Arrendamento Apoiado

Aviso de abertura Atribuição de Habitação Social em Regime de Arrendamento Apoiado Aviso de abertura Atribuição de Habitação Social em Regime de Arrendamento Apoiado Avisam-se todos os interessados que podem ser apresentadas até ao dia 3 de novembro de 2015, as candidaturas para atribuição

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO REGULAMENTO DA BOLSA DE MANUAIS ESCOLARES

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO REGULAMENTO DA BOLSA DE MANUAIS ESCOLARES REGULAMENTO DA BOLSA DE MANUAIS ESCOLARES Introdução A legislação relativa à Ação Social Escolar, nomeadamente o Despacho nº 11886-A/2012 de 6 de setembro, prevê o apoio socioeconómico para aquisição de

Leia mais

REGULAMENTO DE ASSIDUIDADE DOS INVESTIGADORES DO INSTITUTO SUPERIOR DE AGRONOMIA. Preâmbulo

REGULAMENTO DE ASSIDUIDADE DOS INVESTIGADORES DO INSTITUTO SUPERIOR DE AGRONOMIA. Preâmbulo REGULAMENTO DE ASSIDUIDADE DOS INVESTIGADORES DO INSTITUTO SUPERIOR DE AGRONOMIA Preâmbulo O presente regulamento é elaborado ao abrigo do artigo 75º da Lei Geral do Trabalho em Funções Publicas, aprovado

Leia mais

Viseu Aconchega. Objetivos do projeto:

Viseu Aconchega. Objetivos do projeto: Normas de Admissão Viseu Aconchega O Projeto Viseu Aconchega tem como finalidade o combate à solidão, a ajuda aos estudantes com dificuldades em alojamento e a revitalização do centro histórico, através

Leia mais

DESPACHO. Em anexo é republicado o Regulamento nº 10/2012 com a nova redação, agora como Regulamento nº 10/2013. O PRESIDENTE DA ESTeSL

DESPACHO. Em anexo é republicado o Regulamento nº 10/2012 com a nova redação, agora como Regulamento nº 10/2013. O PRESIDENTE DA ESTeSL DESPACHO N.º 12/2013 Data: 2013/03/08 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e não Docente ASSUNTO: Alteração ao Regulamento nº 10/2012. A recente revisão do Regulamento do Ciclo de Estudos Conducente

Leia mais

Municipal de Apoio ao Arrendamento. Preâmbulo

Municipal de Apoio ao Arrendamento. Preâmbulo Regulamento Municipal de Apoio ao Arrendamento Preâmbulo O quadro legal de transferência de atribuições e competências para as autarquias locais, estabelecido pela Lei 159/99 de 14 de Setembro, estabelece

Leia mais

REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE HABITAÇÕES SOCIAIS PREÂMBULO

REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE HABITAÇÕES SOCIAIS PREÂMBULO REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE HABITAÇÕES SOCIAIS PREÂMBULO A Constituição da República Portuguesa consagra no seu Artigo 65.º-1, no capítulo reservado aos direitos e deveres sociais, o Direito à Habitação,

Leia mais

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS REGULAMENTO CENTRO DE DIA

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS REGULAMENTO CENTRO DE DIA CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS REGULAMENTO CENTRO DE DIA Artigo 1º Definição 1. O Centro Social Paroquial de Oeiras com sede na Igreja Matriz de Oeiras, é uma Instituição Particular de Solidariedade

Leia mais

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSA DE ESTUDO (1ª REVISÃO)

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSA DE ESTUDO (1ª REVISÃO) REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSA DE ESTUDO (1ª REVISÃO) PREÂMBULO O Centro de Apoio Social e Acolhimento C.A.S.A. Bernardo Manuel Silveira Estrela, doravante designado por C.A.S.A., é uma Instituição

Leia mais

MUNICÍPIO DE CUBA Câmara Municipal

MUNICÍPIO DE CUBA Câmara Municipal MUNICÍPIO DE CUBA Câmara Municipal CADERNO DE ENCARGOS Cessão da Exploração do Estabelecimento de Bebidas Bar das Piscinas Municipais Descobertas de Cuba I PARTE CLÁUSULAS GERAIS Artº. 1º Âmbito de aplicação

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO ESTADO DE PERNAMBUCO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete da Presidência INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 27, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010.

PODER JUDICIÁRIO ESTADO DE PERNAMBUCO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete da Presidência INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 27, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010. PODER JUDICIÁRIO ESTADO DE PERNAMBUCO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete da Presidência INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 27, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010. EMENTA: Regulamenta a concessão e o pagamento de auxílio funeral no

Leia mais

PAECPE (PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO)

PAECPE (PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO) PAECPE (PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO) Condições de Acesso (Portaria n.º 985/2009 de 4 de Setembro) 0 PAECPE (PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 512/X APOIOS À PERMANÊNCIA E INTEGRAÇÃO NA FAMÍLIA DE IDOSOS E PESSOAS PORTADORAS DE DEFICIÊNCIA. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º 512/X APOIOS À PERMANÊNCIA E INTEGRAÇÃO NA FAMÍLIA DE IDOSOS E PESSOAS PORTADORAS DE DEFICIÊNCIA. Exposição de motivos PROJECTO DE LEI N.º 512/X APOIOS À PERMANÊNCIA E INTEGRAÇÃO NA FAMÍLIA DE IDOSOS E PESSOAS PORTADORAS DE DEFICIÊNCIA Exposição de motivos A sociedade moderna tem por obrigação fornecer os instrumentos

Leia mais

(PROPOSTA) REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO À HABITAÇÃO DEGRADADA DO MUNICÍPIO DE PONTA DELGADA PREÂMBULO

(PROPOSTA) REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO À HABITAÇÃO DEGRADADA DO MUNICÍPIO DE PONTA DELGADA PREÂMBULO (PROPOSTA) REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO À HABITAÇÃO DEGRADADA DO MUNICÍPIO DE PONTA DELGADA PREÂMBULO Nos termos dos artigos 23.º e 24º do Decreto-Lei n.º 159 de 14 de setembro compete aos municípios

Leia mais

DIREÇÃO REGIONAL DA SOLIDARIEDADE SOCIAL

DIREÇÃO REGIONAL DA SOLIDARIEDADE SOCIAL CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Entre, de uma parte, a Direção Regional da Solidariedade Social, com sede no Solar dos Remédios, 9701-855 Angra do Heroísmo, Concelho de Angra do Heroísmo, representado

Leia mais

PROVA ANUAL DE RENDIMENTOS/AGREGADO FAMILIAR

PROVA ANUAL DE RENDIMENTOS/AGREGADO FAMILIAR PROVA ANUAL DE RENDIMENTOS/AGREGADO FAMILIAR Antes do preenchimento do presente requerimento aconselha-se a leitura atenta das informações em anexo. As falsas declarações são punidas com coimas, nos termos

Leia mais

DECLARAÇÃO DE COMUNICAÇÃO PRÉVIA

DECLARAÇÃO DE COMUNICAÇÃO PRÉVIA DECLARAÇÃO DE COMUNICAÇÃO PRÉVIA CONSTITUIÇÃO DE DIREITOS REAIS DE HABITAÇÃO PERIÓDICA (DRHP) Enquadramento Legal: Decreto-Lei n.º 275/93, de 5 de Agosto, na redacção dada pelo Decreto-Lei n.º 37/2011,

Leia mais

REGULAMENTO DA ORGANIZAÇÃO E CONCESSÃO TRANSPORTES ESCOLARES NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO DA ORGANIZAÇÃO E CONCESSÃO TRANSPORTES ESCOLARES NOTA JUSTIFICATIVA REGULAMENTO DA ORGANIZAÇÃO E CONCESSÃO TRANSPORTES ESCOLARES NOTA JUSTIFICATIVA Considerando - Que a Educação é um direito de todos, cabendo ao Estado promover a sua democratização, bem como as condições

Leia mais

Regulamento de Ocupação Municipal Temporária de Desempregados(as) de Longa Duração

Regulamento de Ocupação Municipal Temporária de Desempregados(as) de Longa Duração Preâmbulo O Município de Mértola pretende criar um Programa de Ocupação Municipal Temporária de residentes no concelho de Mértola, que visa promover a empregabilidade em situações de desemprego. É de salientar

Leia mais

PROJETO DO REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROGRAMA MACEDO CUIDAR

PROJETO DO REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROGRAMA MACEDO CUIDAR PROJETO DO REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROGRAMA MACEDO CUIDAR PROJETO DO REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROGRAMA MACEDO CUIDAR 1 NOTA JUSTIFICATIVA Aos municípios, no âmbito das atribuições que lhe estão cometidas,

Leia mais

Processo de Inscrição 50 cc

Processo de Inscrição 50 cc Processo de Inscrição 50 cc Estrada da Luz, nº90, 1º - 1600-160 Lisboa Portugal Tel.+351 210 036 600 Fax. +351 210 036 649 www.prp.pt e-mail: prp@prp.pt Instruções para inscrição no curso de formação de

Leia mais

PROTECÇÃO SOCIAL NA PARENTALIDADE FOLHA ANEXA AO REQUERIMENTO DOS SUBSÍDIOS PARENTAL, SOCIAL PARENTAL E PARENTAL ALARGADO, MOD.

PROTECÇÃO SOCIAL NA PARENTALIDADE FOLHA ANEXA AO REQUERIMENTO DOS SUBSÍDIOS PARENTAL, SOCIAL PARENTAL E PARENTAL ALARGADO, MOD. PROTECÇÃO SOCIAL NA PARENTALIDADE FOLHA ANEXA AO REQUERIMENTO DOS SUBSÍDIOS PARENTAL, SOCIAL PARENTAL E PARENTAL ALARGADO, MOD. RP 5049-DGSS 1. Quais os subsídios a requerer I INFORMAÇÕES O formulário

Leia mais

Despacho n.º B/99

Despacho n.º B/99 ENTIDADE REGULADORA DO SECTOR ELÉCTRICO Despacho n.º 21496-B/99 O Decreto-lei n.º 195/99, de 8 de Junho, estabelece o regime aplicável às cauções nos contratos de fornecimento aos consumidores dos serviços

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 67/2016 de 31 de Março de 2016

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 67/2016 de 31 de Março de 2016 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 67/2016 de 31 de Março de 2016 Considerando que através da Resolução do Conselho do Governo n.º 13/2014, de 24 de janeiro, foi instituído o Prémio

Leia mais

Regulamento de Admissão e Transferência de Militantes (Aprovado pelo Conselho Nacional de )

Regulamento de Admissão e Transferência de Militantes (Aprovado pelo Conselho Nacional de ) Regulamento de Admissão e Transferência de Militantes (Aprovado pelo Conselho Nacional de 08.06.2005) Artigo 1º (Processo de admissão e transferência) 1. O candidato a militante deverá formular o seu pedido

Leia mais

ASECE Apoio Social Extraordinário ao Consumidor de Energia. Aspetos principais

ASECE Apoio Social Extraordinário ao Consumidor de Energia. Aspetos principais Apoio Social Extraordinário ao Consumidor de Energia Aspetos principais 1. Em que consiste o Apoio Social Extraordinário ao Consumidor de Energia (ASECE)? O ASECE é um instrumento de apoio social extraordinário

Leia mais

CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURA À INICIATIVA COMPETIR XXI

CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURA À INICIATIVA COMPETIR XXI CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURA À INICIATIVA COMPETIR XXI 30-03-2016 Iniciativa Competir XXI CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURA Na sequência da qualificação da Sotecnisol, S.A. como Empresa

Leia mais

TARIFÁRIO DOS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO A VIGORAR EM 2014

TARIFÁRIO DOS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO A VIGORAR EM 2014 TARIFÁRIO DOS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO A VIGORAR EM 2014 Tarifário de abastecimento de água: O tarifário do serviço de abastecimento de água compreende uma componente fixa e uma componente

Leia mais

3. Estou a concluir a licenciatura, posso ser admitido (a) a concurso? 4. Estou a tirar a carta de condução, posso ser admitido (a) a concurso?

3. Estou a concluir a licenciatura, posso ser admitido (a) a concurso? 4. Estou a tirar a carta de condução, posso ser admitido (a) a concurso? 1. Quando termina o prazo de candidaturas No dia 13 de abril de 2015 (inclusive) 2. Quais são os requisitos de candidatura? De acordo com o indicado no nº 5, do aviso de abertura do concurso, o candidato

Leia mais

INFORMAÇÕES E INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO. Requerimento PRESTAÇÕES FAMILIARES Abono de Família Pré-Natal e Abono de Família para Crianças e Jovens

INFORMAÇÕES E INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO. Requerimento PRESTAÇÕES FAMILIARES Abono de Família Pré-Natal e Abono de Família para Crianças e Jovens INFORMAÇÕES E INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO Requerimento PRESTAÇÕES FAMILIARES Abono de Família Pré-Natal e Abono de Família para Crianças e Jovens Nota: Os requerentes de abono de família para crianças

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL CARTÃO DO IDOSO

REGULAMENTO MUNICIPAL CARTÃO DO IDOSO REGULAMENTO MUNICIPAL CARTÃO DO IDOSO ÍNDICE Preâmbulo Artigo 1.º - Âmbito Artigo 2.º - Objetivo Artigo 3.º - Condições de Atribuição Artigo 4.º - Organização Processual Artigo 5.º - Benefícios do Cartão

Leia mais