OS SINDICATOS CORPORATIVOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OS SINDICATOS CORPORATIVOS"

Transcrição

1 I -- ACÇAO SINDICAL OS SINDICATOS CORPORATIVOS Em Por tugal e a partir da década de 30 os sindicatos pas saram a estar organizados em moldes impostos pelo governo, que havia encerrado todos os sindicatos eyistentes. Tais "sindicatos" estreitamente controlados pelo governo e P~ lo patronato apresentavam, na sua base organizativa as seguintes c~ racterí s t i cas que sinteticamente passamos a analisar: a) Os estatutos, as direcções e acção destas eram apenas as que o governo permitia, sendo portanto nulo o poder de decisão das gra!!_ des massas de trabalhadores de que esses "sindicatos" se diziam representativos. b) Embora a lei permitisse dois critérios de enquadramento sin dical: por profissão (electricistas, escrit~rios, metal~r gico~) ou por actividade (várias profissões ligadas ao mesmo sector de activi dade, por exemplo, ao sindicato dos lanifícios pertencem mecânico s, empregados de escrit~rio, tecelões, etc.) ve i o a verificar-se que so - em raros casos o segundo critério veio a ser adoptado. Com efeito o primei ro critério, o que representa um estádi o mais atras adoda organização sindical dos trabalhadores,foi,o que prevalece u com todos os inconvenientes que dele resultam, dos quais importa salientar o mais impor tante : A DIVISÃO E A CONCORRÊNCIA ENTRE OS TRABALHADO RES. c) A proliferação de mini-sindicatos que contribui igualmente para a divisão dos trabalhadores e o enfraquecimento dos sindicatos. Existiam e~ Portugal cerca de 400 sindicatos. Hã e mpresas onde os trabalhadores estão representados por

2 grande número de sindicatos e ainda houve tentativas, nos Últimos tempos do governo de Marcelo Caetano, de iu~entar - o número de si~ dicatos. Por esse andar, qualquer dia haveriam mais sindicatosque trabalhadores!. d) A regionalização dos sindicatos e das secções vem, como ê do conhecimento geral, facilitar o controle e as pressões exercidas pelo patronato sobre os dirigentes sindicais, sobretudo nas ~e quenas localidades onde há hâ uma ou duas fábricas e onde ê dificil encontrar outrp emprego, no caso de se ser despedido por acti vidades sindicais. Escusado serã realçar os graves inconvenientes que de tal es tado de coisas resultam para os trabalhadores, que vão desde limitações financeiras e têcnicas, ao acentuar da divisão entre os trab alhadores, atê ao incentivar da concorrência no seu seio aprovei tada habilmente pelo patronato para agravar aind~ çao - a que estao submetidos os trabalhadores. as mais a explora- Neste momento estão, no entanto, criadas as condições para os trabalhadores conjugarem a criação de sindicatos de in-dústri ou,!c tividade com a manutenção e o fortalecimento dos sindicatos fissão verdadeiramente significativos. de pro I J Como o sindicato não ê o prêdio onde funciona mas o conjunto dos trabalhadores que nele se organiza para a defesa e promoção dos seus interesses, são estes que devem optar pela forma de organização sindical que em cada situação concreta melhor defende os seusin teresses. O QUE É UM SINDICATO -... Um organismo que diz representar os trabalhadores nao e um Sin dicato apenas porque se intitula como tal. Um Sindicato para ser efectivamente representativo dos trabalhadores tem de definir como objectivos da sua acção os que melhor se adequem

3 - 3 - se adequem ã situação desses trabalhadores, respondam aos seus problemas. isto -e, os que melhor O Sindicato e uma estrutura resultante dum esforço de unificação da classe trabalhadora com o objectivo de, dentro da sociedade em que se integra, defender e : promover os seus interesses. PORTANTO f INDISPENSÁVEL O CONHECIMENTO PROFUNDO E PERMANEN TE DE TODOS OS PROBLEMAS (GRANDES E PEQUENOS) QUE AFECTAM OS TRA BALHADORES. Depois de definidos os objectivos, a acção sindical para os conquistar tem de ser a que melhor se adeque ã consciencialização e vontade dos trabalhadores. Daqui resulta que e essencial que o Sindicato seja organizad~ de forma a que todos os trabalhadores possam fazer ouvir em c~ da momento a sua voz, dizendo o que querem e discutindo e dec~die do o modo de o alcançar. Isto porque s~ os pr~prios trabalhadores, que vivem os probl~ mas em cada dia que passa e se conhecem sabem os problemas que mais os afectam e podem manifestar a sua pr~pria vontade. t ainda necessário garantir que a sua voz (dos trabalhadores) seja decisiva, isto e, que os trabalhadores tenham nas suas mãos o controle efectivo de todos os niveis de decisão da sua org~niza~ão sindical. O PRIMEIRO PASSO PARA CONSTRUIR UM SINDICATO VERDADEIRAMENTE DOS TRABALHADORES t CONSTRUIR A SUA ORGANI?AÇÃO EM BASES DEMOCli TICAS QUE GARANTAM O SEU TOTAL CONTROLE POR PARTE DOS ' TR~~~~~D 9JES! A Força do Sindicato A força do sindicato depende fundamentalmente da estreita ligação entre a direcção e os trabalhadores por meio de orgãos verd~ deiramente representativos. E sobretudo, essa força, depende da ca pacidade dos trabalhadores de conquistarem os objectivos definidos e de que a direcção ê mera interprete junto do patronato e do gove~ no.

4 - 4 - Por isso o papel principal duma direcção - na o ê só o de nego- ciar contratos, estã, e sobretudo, no trabalho de esclarecimento dos trabalhadores de quais os seus verdadeiros interesses, quer ao nível da fábrica quer a nível mais geral. NECESSIDADE DOS DELEGADOS SINDICAIS Para que a acção sindical se desenvolva de forma correcta, is to ê, para que sejam efectivamente os trabalhadores a deter a iniciativa e a controlar todas as decisões relativas à vida sindical; para que o sindicato não se reduza a um conjunto de serviços burocráticos, a uma direcção e a uma assembleia geral onde a direcção presta informações, são necessárias duas condições: elevar o nível de esclarecimento dos trabalhadores e encontrar forma de fazer pa~ ' ticipar nas discussões e decisões todos os trabalhadores onde quer que eles vivam, onde quer que eles trabalhem. OS ELEMENTOS PRINCIPAIS NESTE TRABALHO DE PARA OS SINDICATOS SÃO OS tielegados SINDICAIS~ IMPORTÂNCIA VITAL DA ACÇÃO DOS DELEGADOS SINDICAIS, MAIS DO QUE DA DIRECÇÃO,D! PENDE A FORÇA OU A FRAQUEZA DO SINDICATO! FunçÕes dos Delegados Sindicais a) Representar a direcção em todas as acções de reivindic~ão dentro da fábrica, da empresa ou da sua melhores condições de vida e de trabalho; área com o fim de obter b)informar e esclarecer todo s os trabalhadores da fábrica,da empresa ou área sobre q u ais os interesses económicos e sociais que têm em comum, como trabalhadores, e sobre qual pode ser o contributo do siudicato para a defesa desses interesses; c) Desempenhar o papel de orgão de ligação entre a direcção do sindicato (tanto a nível distrital como a nível nacional) e os trabalhadores da fábrica, da empresa ou -are a; d) Aos delegados de área competira - ainda: 19 Coordenar o trabalho do s delegados de fábrica ou de empresa da área que abrangem;

5 ) - 29 Tendo sede em casa prõpria, gerir a delegação de modo a retirar o máximo de frutos dos meios colocados ao seu dispor, nomeadamente, empreendendo acções de formação cultural e de convívio. Criterios a gue deve obedecer a escolha de delegados 1. Trabalhadores verdadeiramente representativos dos seus camaradas de trabalho são necessárias pessoas que mereçam confiança dos seus camaradas de trabalho: trabalhadores gue tenham os mesmos problemas,as mes mas dificuldades, a mesma situação na fábrica ou na empresa os seus camaradas de trabalho. ~ preciso ter noção de que o trabalho sindical não consiste emme ter cunhas ao patrão nem em mendigar esmolas. O trabalho sindical e de defesa dos trabalhadores e dos seus legítimos interesses. Os delegados sindicais têm de sentir na carne o mesmo que aqueles que vao representar. 2. PESSOAS CONSCIENTES DOS INTERESSES DOS TRABALHADORES Não chega que as pessoas sejam "parreiras" ou simpáticas, ê i lj.e.c~ sârio que tenham um mínimo de consciência de qual é a situação dos trabalhadores de uma sociedade como a nossa. Esse mínimo serã depois elevado com o trabalho concreto e com os cursos de for - maçao que o sindicato tem de realizar. 3. PESSOAS QUE NÃO TENHAM MEDO DE IR CONTRA A VONTADE DOS PATRÕES OU SEUS REPRESENTANTES. Não interessam pessoas que sõ tenham "paleio", interessam pessoas ACTIVAS QUE NÃO SE AMEDRONTEM E SEJAM CAPAZES de reivindicar. Não se trata de andar sistemàticamente a importunar o patrao ou a criar o "caos" na fábrica ou na empresa. que o "caos" existe efectivamente nas fábricas e nas emeresas em vigora a lei da selva e em gue os trabalhadores nem ao menos podem defender-se naguele mínimo de direitos previstos na lei. gue Processo de Eleição dos Delegados Como pretendemos pessoas que sejam representativas, tenham o mínimo de conhecimentos e estejam dispostos a trabalhar, o proce~ so de eleição não pode reduzir-se a uma mera votaçao. Por outro lado este processo deve ser ponto de partida para discutir os problemas existentes na fábrica, na empresa,ou na ârea

6 6 - e para lançar uma campanha de esclarecimento do que ê o sindicato e do que são os delegados. Formação Sindical dos Delegados É um facto sensível, que ê diminuto o numero de trabalhadores capazes de, como delegados sindicais, em cada momento, nas suas fá bricas, saberem quais as posições correctas a tomar, quais as pal~ vras de ordem a dar, como agir para evitar o cometimento de deslizes, defendendo consequentemente os trabalhadores das manobras intimidativas ou descaradamente repressivas do patronato, Dentro do trabalho a desenvolver inscreve-se, portanto como um dos objectivos prioritários,o trabalho de formação sindical dos d~ legados. Se ê um facto que a prática ê aquilo que cimenta as posições de classe e eleva decisivamente o grau de consciência, tambêm não ê menos verdade que o trabalho teórico virado sobre os problemas da classeexplicando-os globalmente um trabalho informativo de outras lutas do país ou estrangeiro (troca de experiências) a cria ção de hábitos de discussão em grupo, são extremamente importantes para acelerar o processo. A CONTRATAÇÃO COLECTIVA Um dos aspectos mais importantes da luta sindical é a acção desenvolvida no campo de contratação colectiva, desde que ela se oriente para a conquista de reivindicações que não só impeçam agravamento da nossa situação, mas consigam mesmo melhorar a sa situação de trabalhadores, as nossas condições de vida e para a manutenção de privilégios ou para todas as ilusões que luta meramente económica encerra. o nos - na o SÓ deste modo a acção sindical no campo da concentraçao colec tiva pode contribuir para elevar o nível de consciência de classe dos trabalhadores. É portanto importante que uma vez minimamente consolidado o actual momento de reconstrução sindical, os trabalhadores se 1&~ cem na ocupação do espaço de luta sindical que constitui a contr~ tação colectiva, independentemente de desde já e continuamente lu tarem: 1. Pela defesa. do salário real. 2. Por um salário mínimo que permita começar a viver e nao apenas continuar a sobreviver. a

7 Contra o agravamento da exploração, por salár ios que ponham em causa uma repartição do valor criado que assenta em salãriosde miséria. 4. Pela redução do horário de trabalho. 5. Contra a desqualificação profissional e o aumento dos ritmos e cargas de trabalho. 6. Contra os desped imentos. Ao n!vel da contr a t a ção c o l e c t i v a, as reiv i ndicaç~es que devem nortear a movimentação dos trabalhadores e a a c tuação sindical parecem-nos dever centrar-se à volta dos seguintes pontos: 1. CONTRA A DIVISÃO DOS TRABALHADORES : Pela conquis ta de um per!odo de ferias que p ermita efectivamente ao trabalhador recompor-se de um ano de t r ab a lho e que, po~ tanto, terá de ser igual para todos os trabalhadores. Pela conquista d e salários que por um lad o respeitam a regra de que a trabalho i g ual - salár i o i g u a l, e q u e, por outro lado di minuam s en s ivelment e as d i fe renças sal a ri a is exi sten tes. 2. Contra a repres s ão sobre os t r abalhadores, nomeadamente sobre os dirigentes e delegados sindicais Pela proibição do despedimento sem justa causa de dirigentes e delegados sindicais. Pela conquista do direito de f ~ l tar s em perda de retribuição, para tratar de assuntos inerentes ao cargo de diri gentes ou delegado sindical. Pele estabelecimento de idemnízações que o se j am efectivame~ te e que desse modo d e ~encoragem o patrona to de proceder a despedimento. Pela alteração das normas de di s ci p l i na que dao possibilidade de reprimir tod o e qualque r ao patronato traba l ha d or que defenda os seus interesses o u os dos seus camaradas (os de todos, no fundo). 3.Contra a explor a ç ã o Pela redução do horár i o d e trabalho Pela conquista de salários que assente no s pon to s atr as indicados. Pela redução significativa do nume - r o d e h oras e x traordinárias que podem ser exigidas pelo pa t ronato ao s to significativo da sua remu neração. Pelo estabelecimento de ca t egori a s p rofi s sionai s t r abalha d ores e pelo aumen q ue assentem em cada processo de trabalho concreto tronato. e, nao, nos i nt ere sses do pa-

8 - e - A - ~ - Pela proibição do aumento de cargas de trabalho A Organização dos Trabalhadores ~ C6rit~a~ação C~le~~i~a O ponto fundamental ê o de que desde a formulação das reivin dicações, passando pela tormulação da proposta, ate às várias fases do processo de contratação, toda esta movimentação sindical tem de ser controlada pelos trabalhadores. SÕ desse modo as rei vindicações responderão eficazmente aos problemas concretos dos trabalhadores. SÕ desse modo os trabalhadores participarão activamente ao longo de todo o processo. SÕ desse modo se construirá uma união voltada para a acção de todos os trabalhadores. SÕ d e s se modo se poderão obter conquistas importantes., Mas, para i s to e necessário que os dirigentes e os delegados sindicais assumam o seu verdad~iro papel, isto e, sejam os dinami zadores, os impulsionadores de toda a movimentação sindical, e não os seus trav~es. Como garantir que os trabalhadores participem activamente em todas as fases da contrataçio colectiva? Para isto torna-se fundamental a criação de grupos de trabalho em cada sindicato destinados a preparar a contrataçao. Esses grupos terao como função: ~) Discussão de todos os problemas concretos que se poem aos t rabalhadores. b) Elaboração de circulares sobre temas que resultem dessa discus - sao. c) Ir paralelamente realizando reuniões de fábrica onde os trabalhadores comecem a esboçar as suas reivindicações. d) Realizar reuniões mensais para todos os trabalhadores do sindi cato para debater os temas abordados nos grupos. ~ a partir do trabalho desenvolvido por estes grupos de trabalho que faz sentido começar a ela~orar ção colectiva de trabalho. uma proposta de contrat~ Como Conseguir Co n quistas Efectivas na Contratação Colectiva ~ necessário nem sobrevalorizar nem subestimar o momento meramente contractual. Esse momento deve surgir como um momento de unificação das reivindicações e lutas dos trabalhadores de cada sector.

9 9 -,, Mas para alcançarmos os nossos objectivos, temos de ter cons ci;ncia que a nossa força esti na nossa situaçio de produtores da riqueza, e exprime-se nos locais de trabalho e nio à mesa das negociações. A força dos representantes dos trabalhadores resulta nio dos seus argumentos, da sua capacidade de negociaçio, mas sim da força que nos locais de trabalho, nas fibricas, nas empresas, soubermos mostrar aos patrões, através das nossas reivindicações e das nossas acções. Portanto para que qualquer contrato colectivo de trabalho possa ser algo de significativo na vida dos trabalhadores é necessirio que nas fibricas e nas empresas se via completando os nossos objectivos para que se parta para a contrataçao numa posição de fo~ ça enio de fraqueza, mas é também necessirio o acompanhamento de. todo o processo por parte dos trabalhadores.e a sua participaçao activa e isso sõ é possível através da acçio correcta dos deleia dos sindicais e dos grupos de trabalho, acçao que deve garantir o controlo de todo o processo aos trabalhadores. ~ necessirio que vã ficando para um número cada vez mais alar gado de trabalhadores a certeza de que nio chega a boa vontade das direcções, projectos e fundamentações elaborados por técnicos, negociadores honestos de trabalho e de vida: sõ a actu açio directa dos trabalhadores movimentando-se, fazendo sentir nas fábricas empresas a sua vontade através de ferroas concretas que mostrem aos patroes a sua força, é decisiva para essa conquista. A AUTO DEFESA DA LUTA SINDICAL A luta sindical é, nas presentes ~ondições, e, para a esmagadora maioria dos trabalhadores, uma luta pela.sobrevivência, que como tal tem de ser continuada e desenvolvida. ~ por isso necessirio garantir a auto-defesa d a l u ta sindical,que o mesmo é dizer que ê necessário sabre dar resp o sta adequ a da à r~ pressio que o p atronato exerce sobre alguns, nio com o objectivo de atingir esses trabalha dores em particular, ma s o conjunto todos os trabalhadores de modo a paralizar a sua luta. Para responder a tais atitudes repressivas sõ há um c aminho. - Impedir a sua aplicação Isto - e, se um t rabo 1 h ado r ê de s p e d ido,..:.;h:..;ã:_.;:;ql..:u:::..::e_1::...:;;m:.jp;:..o;;;...;;: r_.:;;a_s~u_a r_e_a_d_m_t._ _ssao - Se um trabalhador é castigado, hi que obrigar o patrao a levantar o castigo de e

10 lo - Temos de responder aos objectivos que os patroes pretendem atin- - gir com a repressao: - Se se querem ver livres dos mais incómodos temos de nos tornar todos ainda mais incómodos. - Se pretendem atmorizarmo-nos e paralizar a nossa luta temos de continuar a luta cada vez com maior determinaçio. QUE SINDICALISMO? Neste momento. para um número significativo de trabalhadores a questão da necessidade da organizaçio sindical surge como uma das mais importantes. No número daqueles que, agora, dispertam para a acção sindical avultam os funcionirios públicos e os professores, por um lado e os assalariados agrícolas por outro.. - Emborasejam sectores de acção sindical com pesos e importância muito diferentes (de um lado trabalhadores improdutivos de outro I. lado produtores directos da riqueza} em ambos se impõe uma : mesma prespectiva de acção - i a partir da discussão colectiva do~ seus problemas concretos e dos caminhos que se abrem para os resolver que vai nascendo a forma de organização sindical própria a sector, e não o contririo. cada Portanto, nes--te lllomanto, a prioridade tem de ser dada ã elaboração peloj próprios trabalhadores e se~undo organização por e}es c~iadas,... formas de discussão e de cadernos de reivindicações.! levando este processo ati às Últimas consequências que a luta destes trabalhadores no campo sindical e no campo mais geral luta de classes se pode vir a pôr ao lado da luta da classe operária. SÕ um sindicali s mo dirigido p e los operirios industriais e pelos assalariados r urais e virado para a efectiva defesa dos seus- - in. teresses imediatos de classe p ode dar sentido politico correcto ao combate sindic a l de todos ~s ~rabalhadores. da - Lisboa, 21 de Maio de 1974 A COMISSÃO DE INTERVENÇÃO SINDICAL DO MOVIMENTO DE ESQUERDA SOCIALISTA

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

PROPOSTA DA DIRECÇÃO DO SPN

PROPOSTA DA DIRECÇÃO DO SPN PROPOSTA DA DIRECÇÃO DO SPN ESTATUTOS DO SINDICATO DOS PROFESSORES DO NORTE PROPOSTA DE ALTERAÇÃO 24.NOV.2009 TEXTO ACTUAL TEXTO DA PROPOSTA (alterações a vermelho e sublinhadas) Capítulo I - DA CONSTITUIÇÃO,

Leia mais

Reestruturação sindical: tópicos para uma questão prévia

Reestruturação sindical: tópicos para uma questão prévia Mário Pinto Reestruturação sindical: tópicos para uma questão prévia 1. O funcionamento da organização sindical portuguesa é muito frequentemente qualificado de deficiente. Excluindo afirmações de circunstância,

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA Na defesa dos valores de integridade, da transparência, da auto-regulação e da prestação de contas, entre outros, a Fundação Casa da Música,

Leia mais

Projecto de Lei nº 68/XII. Lei de Bases da Economia Social

Projecto de Lei nº 68/XII. Lei de Bases da Economia Social Projecto de Lei nº 68/XII Lei de Bases da Economia Social A Economia Social tem raízes profundas e seculares na sociedade portuguesa. Entidades como as misericórdias, as cooperativas, as associações mutualistas,

Leia mais

O GOVERNO. Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa

O GOVERNO. Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa O GOVERNO Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa «O Governo é o órgão de condução da política geral do país e o órgão superior da Administração Pública.» 1 Pela própria ideia que se retira

Leia mais

RESOLUÇÃO PROPOSTA DE LEI DO CÓDIGO DE TRABALHO CONTINUA INACEITÁVEL NEGOCIAÇÃO DEVE PROSSEGUIR

RESOLUÇÃO PROPOSTA DE LEI DO CÓDIGO DE TRABALHO CONTINUA INACEITÁVEL NEGOCIAÇÃO DEVE PROSSEGUIR RESOLUÇÃO PROPOSTA DE LEI DO CÓDIGO DE TRABALHO CONTINUA INACEITÁVEL NEGOCIAÇÃO DEVE PROSSEGUIR 1. Desde que em Julho passado o Governo anunciou a apresentação de um projecto de Código Laboral, decorreram

Leia mais

Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º./X ALTERA O ESTATUTO DOS DEPUTADOS, ADITANDO NOVOS IMPEDIMENTOS. Exposição de motivos

Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º./X ALTERA O ESTATUTO DOS DEPUTADOS, ADITANDO NOVOS IMPEDIMENTOS. Exposição de motivos Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º./X ALTERA O ESTATUTO DOS DEPUTADOS, ADITANDO NOVOS IMPEDIMENTOS Exposição de motivos O debate em torno da transparência da vida democrática e do sistema político tem

Leia mais

DIREITOS SINDICAIS I DISPOSIÇÕES GERAIS

DIREITOS SINDICAIS I DISPOSIÇÕES GERAIS DIREITOS SINDICAIS O QUE DIZ A LEI OBSERVAÇÕES Direito de Associação Sindical I DISPOSIÇÕES GERAIS Os trabalhadores têm o direito de constituir associações sindicais a todos os níveis para defesa e promoção

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Decreto n.º4/01 De 19 de Janeiro Considerando que a investigação científica constitui um pressuposto importante para o aumento da produtividade do trabalho e consequentemente

Leia mais

NÚCLEO DE MEDICINA INTERNA DOS HOSPITAIS DISTRITAIS ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS

NÚCLEO DE MEDICINA INTERNA DOS HOSPITAIS DISTRITAIS ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS Art. 1 - O Núcleo de Medicina Interna dos Hospitais Distritais, também designado abreviadamente por N. M. I. H. D., é uma Associação sem fins lucrativos

Leia mais

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO Decreto N. 2/ 2003 De 23 de Julho Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal O Decreto Lei N 7/ 2003 relativo à remodelação da estrutura orgânica

Leia mais

(Comunicações) PARLAMENTO EUROPEU

(Comunicações) PARLAMENTO EUROPEU 4.8.2011 Jornal Oficial da União Europeia C 229/1 II (Comunicações) COMUNICAÇÕES DAS INSTITUIÇÕES, ÓRGÃOS E ORGANISMOS DA UNIÃO EUROPEIA PARLAMENTO EUROPEU Regulamento da Conferência dos Órgãos Especializados

Leia mais

ENCONTRO Juventude e Igualdade entre Mulheres e Homens

ENCONTRO Juventude e Igualdade entre Mulheres e Homens ENCONTRO Juventude e Igualdade entre Mulheres e Homens RESOLUÇÃO LUTAR CONTRA AS DISCRIMINAÇÕES CONSTRUIR A IGUALDADE Marinha Grande 15 de Maio de 2015 RESOLUÇÃO Lutar contra as discriminações Construir

Leia mais

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A.

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. Empresa especializada na concepção, instalação e manutenção de equipamentos para a indústria hoteleira, restauração e similares. Primeira empresa do sector a nível

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE. (Aprovado na 23ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 21 de Novembro de 2001)

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE. (Aprovado na 23ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 21 de Novembro de 2001) REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE (Aprovado na 23ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 21 de Novembro de 2001) REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE (Aprovado na 23ª Reunião

Leia mais

Projecto de Lei n.º 408/ X

Projecto de Lei n.º 408/ X Grupo Parlamentar Projecto de Lei n.º 408/ X Consagra o processo eleitoral como regra para a nomeação do director-clínico e enfermeiro-director dos Hospitais do Sector Público Administrativo e dos Hospitais,

Leia mais

É aprovado o Regulamento dos Núcleos Distritais ou Regionais do Projecto VIDA, anexo a este despacho e que dele faz parte integrante.

É aprovado o Regulamento dos Núcleos Distritais ou Regionais do Projecto VIDA, anexo a este despacho e que dele faz parte integrante. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS E MINISTÉRIOS DA DEFESA NACIONAL, DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA, DA JUSTIÇA, DA EDUCAÇÃO, DA SAÚDE E DO EMPREGO E DA SEGURANÇA SOCIAL. Despacho conjunto. - Considerando

Leia mais

Estatutos da Associação de Estudantes da Escola Secundária Emídio Navarro

Estatutos da Associação de Estudantes da Escola Secundária Emídio Navarro Estatutos da Associação de Estudantes da Escola Secundária Emídio Navarro A verde o que queremos acrescentar ou rectificar e a vermelho o que queremos retirar. A Associação de Estudantes da Escola Secundária

Leia mais

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA NOTA JUSTIFICATIVA A Lei 159/99, de 14 de Setembro, estabelece no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os Conselhos locais de Educação. A Lei 169/99, de 18

Leia mais

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009 IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões Lisboa, 15 de Abril de 2009 Foi com todo o gosto e enorme interesse que aceitei o convite do Diário Económico para estar presente neste IV Fórum do sector

Leia mais

Desigualdades criam dificuldades à sustentabilidade da Segurança Social Pág. 1

Desigualdades criam dificuldades à sustentabilidade da Segurança Social Pág. 1 Desigualdades criam dificuldades à sustentabilidade da Segurança Social Pág. 1 A ELIMINAÇÃO DA DESIGUALDADE DAS REMUNERAÇÕES ENTRE HOMENS E MULHERES EM PORTUGAL MELHORARIA A REPARTIÇÃO DA RIQUEZA E A SUSTENTABILIDADE

Leia mais

Proposta de alteração do regime jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho Posição da CAP

Proposta de alteração do regime jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho Posição da CAP Proposta de alteração do regime jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho Posição da CAP Em Geral Na sequência da publicação do novo Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12

Leia mais

ASSINATURA DA CARTA DE AALBORG

ASSINATURA DA CARTA DE AALBORG PROPOSTA ASSINATURA DA CARTA DE AALBORG Desde sempre, desde as sociedades primitivas, o Homem usou os recursos naturais para viver. Porém durante muito tempo, a exploração de recursos era diminuta e a

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO EXECUTIVA DA EDP RENOVÁVEIS, S.A.

REGULAMENTO DA COMISSÃO EXECUTIVA DA EDP RENOVÁVEIS, S.A. REGULAMENTO DA COMISSÃO EXECUTIVA DA EDP RENOVÁVEIS, S.A. ÍNDICE TÍTULO PRELIMINAR... 2 Artigo 1.-Objecto e Finalidade... 2 Artigo 2.- Interpretação... 2 Artigo 3.- Hierarquia e Supletividade... 2 Artigo

Leia mais

Regulamento Interno. Preâmbulo

Regulamento Interno. Preâmbulo Regulamento Interno Preâmbulo A Resolução de Conselho de Ministros 197/97 de 18 de Novembro define a Rede Social como um fórum de articulação e congregação de esforços baseado na adesão livre das autarquias

Leia mais

REGULAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS

REGULAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS REGULAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS N.º 2 do art.º 62.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro, alterado pelo Decreto-Lei n.º 224/2008, de 20 de Novembro PREÂMBULO

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

@ D @ LI Fei* Sub-director da Comissão da Lei Básica da RAEM do Comité Permanente da Assembleia Popular Nacional, RP da China

@ D @ LI Fei* Sub-director da Comissão da Lei Básica da RAEM do Comité Permanente da Assembleia Popular Nacional, RP da China Estudar a Fundo o Sistema da Região Administrativa Especial e Promover a Grande Prática de Um País, Dois Sistemas : Discurso no Fórum de Alto Nível sobre Um País, Dois Sistemas de 6 de Dezembro de 2011

Leia mais

CONSELHO DE MINISTROS

CONSELHO DE MINISTROS CONSELHO DE MINISTROS Decreto n.º 35/02 de 28 de Junho Considerando a importância que a política comercial desempenha na estabilização económica e financeira, bem como no quadro da inserção estrutural

Leia mais

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO MINISTÉRIO DO COMÉRCIO REGULAMENTO INTERNO DAS REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS DA REPÚBLICA DE ANGOLA NO ESTRANGEIRO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º (Natureza) As representações são órgãos de execução

Leia mais

Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao Envolvimento de Crianças em Conflitos Armados

Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao Envolvimento de Crianças em Conflitos Armados Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao Envolvimento de Crianças em Conflitos Armados Os Estados Partes no presente Protocolo, Encorajados pelo apoio esmagador à Convenção

Leia mais

Grupo Parlamentar INQUÉRITO PARLAMENTAR N.º 3/X

Grupo Parlamentar INQUÉRITO PARLAMENTAR N.º 3/X Grupo Parlamentar INQUÉRITO PARLAMENTAR N.º 3/X COMISSÃO EVENTUAL DE INQUÉRITO PARLAMENTAR AO ACOMPANHAMENTO DO CONTRATO DE GESTÃO DO HOSPITAL AMADORA - SINTRA 1 - Em 4 de Junho de 2004, a Administração

Leia mais

GRUPO SAG CÓDIGO DE CONDUTA

GRUPO SAG CÓDIGO DE CONDUTA GRUPO SAG CÓDIGO DE CONDUTA 1. Preâmbulo O perfil das empresas e a sua imagem estão cada vez mais interligados não só com o desempenho económico e financeiro, mas também com o quadro de valores, princípios

Leia mais

Conselho Municipal de Educação

Conselho Municipal de Educação 1 Regimento do (CME) do Município de Vila Nova de Paiva A Lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19, n.º2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos locais

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA. Departamento de Relações Públicas e Comunicação

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA. Departamento de Relações Públicas e Comunicação Departamento de Relações Públicas e Comunicação Regulamento 1. Do Departamento de Relações Públicas e Comunicação 1.1 Definição 1.2. Constituição 1.3. Articulação e procedimentos 1.4. Local de funcionamento

Leia mais

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Pacto Europeu para a Saúde Mental e o Bem-Estar Conferência de alto nível da ue JUNTOS PELA SAÚDE MENTAL E PELO BEM-ESTAR Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Slovensko predsedstvo EU 2008 Slovenian Presidency

Leia mais

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO INDICE 1 NOTA PRÉVIA 3 2 LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA 4 3 PLANO DE FORMAÇÃO 4 4 FREQUÊNCIA DE ACÇÕES DE FORMAÇÃO 6

Leia mais

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS - DOCUMENTO 15 Extractos dos Referentes Externos e Internos que suportam o Referencial 2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS REFERENTES EXTERNOS LEGISLAÇÃO Lei nº 31/2002 de 20 de Dezembro CAPÍTULO I Sistema

Leia mais

POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa

POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa A UGT saúda o debate em curso na Comissão dos Assuntos Europeus sobre o Futuro da Europa e, particularmente, sobre o futuro do Tratado Constitucional. O

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL EM PORTUGAL REALIDADE OU FICÇÃO?

RESPONSABILIDADE SOCIAL EM PORTUGAL REALIDADE OU FICÇÃO? RESPONSABILIDADE SOCIAL EM PORTUGAL REALIDADE OU FICÇÃO? O mundo sindical tem tido várias reacções a este conceito, nem sempre favoráveis, sendo certo que deve haver consciência de que uma certa medida

Leia mais

REGULAMENTO DO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM PSICOLOGIA (CIPsi)

REGULAMENTO DO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM PSICOLOGIA (CIPsi) REGULAMENTO DO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM PSICOLOGIA (CIPsi) Março de 2011 CAPÍTULO I: DEFINIÇÃO E OBJETIVOS Artigo 1º - Definição O Centro de Investigação em Psicologia, adiante designado por Centro, é

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO

CÓDIGO DE ÉTICA DOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO CÓDIGO DE ÉTICA DOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO Preâmbulo O presente Código contém as normas éticas que devem ser seguidas pelos Técnicos de Segurança e Higiene do Trabalho e os Técnicos

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS I. INTRODUÇÃO O Governo apresentou ao Conselho Económico e Social o Projecto de Grandes Opções do Plano 2008 (GOP 2008) para que este Órgão, de acordo com

Leia mais

P R E M I S S A S P A R A E L A B O R A Ç Ã O D E C O N T R A T O D E P R E S T A Ç Ã O D E S E R V I Ç O S D E A R Q U I T E C T U R A

P R E M I S S A S P A R A E L A B O R A Ç Ã O D E C O N T R A T O D E P R E S T A Ç Ã O D E S E R V I Ç O S D E A R Q U I T E C T U R A P R E M I S S A S P A R A E L A B O R A Ç Ã O D E C O N T R A T O D E P R E S T A Ç Ã O D E S E R V I Ç O S D E A R Q U I T E C T U R A O Pelouro do Apoio à Prática Profissional entendeu estabelecer um

Leia mais

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos Eixo III: Programa de trabalho para a direção do SISMMAC Continuar avançando na reorganização do magistério municipal com trabalho de base, organização por local de trabalho, formação política e independência

Leia mais

REGULAMENTO DA AGMVM N.º 3/2012 NORMALIZAÇÃO DE INFORMAÇÃO FINANCEIRA

REGULAMENTO DA AGMVM N.º 3/2012 NORMALIZAÇÃO DE INFORMAÇÃO FINANCEIRA REGULAMENTO DA AGMVM N.º 3/2012 NORMALIZAÇÃO DE INFORMAÇÃO FINANCEIRA A informação de natureza económico-financeira exige o controlo e a revisão por parte de entidades idóneas, independentes e isentas.

Leia mais

Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão. Preâmbulo

Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão. Preâmbulo REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO FUNDÃO Publicação II SÉRIE N.º 98 20 de Maio de 2010 Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão Preâmbulo A Lei de Bases do Sistema Educativo

Leia mais

MOÇÃO Solidariedade com os trabalhadores da Gestnave/Ereta

MOÇÃO Solidariedade com os trabalhadores da Gestnave/Ereta Deliberações de 1 de Fevereiro de 2008 1 de Fevereiro de 2008 Auditoria externa das Contas Aprovada a contratação da Sociedade de Revisores Oficiais de Contas Sebastião & Santos, para prestação de serviços

Leia mais

Relatório de Monitorização do Regime de Fruta Escolar. Ano lectivo 2010/2011

Relatório de Monitorização do Regime de Fruta Escolar. Ano lectivo 2010/2011 Relatório de Monitorização do Regime de Fruta Escolar Ano lectivo 2010/2011 Apreciação Geral A aplicação do Regime de Fruta Escolar (RFE) em Portugal tem os seguintes objectivos gerais: Saúde Pública:

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Percepção de Portugal no mundo

Percepção de Portugal no mundo Percepção de Portugal no mundo Na sequência da questão levantada pelo Senhor Dr. Francisco Mantero na reunião do Grupo de Trabalho na Aicep, no passado dia 25 de Agosto, sobre a percepção da imagem de

Leia mais

Boletim de Informação Sindical

Boletim de Informação Sindical Boletim de Informação Sindical Ano 40 N 18 18 setembro 2015 Respostas dos partidos Como noticiamos no BIS nº 12, após a ronda de reuniões de sensibilização dos partidos políticos com assento na Assembleia

Leia mais

Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República

Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República publicado no Diário da Assembleia da República, II Série C, n.º 11 de 8 de Janeiro de 1991 Conselho de Administração O Conselho de Administração

Leia mais

PROPOSTA DE PROGRAMA E DE TEMAS PARA DISCUSSÃO

PROPOSTA DE PROGRAMA E DE TEMAS PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE PROGRAMA E DE TEMAS PARA DISCUSSÃO 2. INOVAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO O objectivo está adquirido, como está adquirida a consciência da sua importância. O que não está adquirido é a forma de

Leia mais

Instalações Eléctricas de Serviço Particular

Instalações Eléctricas de Serviço Particular Colégio de Engenharia Electrotécnica Instalações Eléctricas de Serviço Particular A problemática do enquadramento legal das Instalações Eléctricas de Serviço Particular tem sido objecto, ao longo do tempo,

Leia mais

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Nós, representantes democraticamente eleitos dos Parlamentos de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné- Bissau, Moçambique, Portugal,

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Leia mais

1. QUADRO DE REFERÊNCIA

1. QUADRO DE REFERÊNCIA PROTOCOLO entre Ministério da Justiça Presidência do Conselho de Ministros APS Associação Portuguesa de Seguradores DECO Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor ACP Automóvel Clube de Portugal

Leia mais

Regulamento Interno da Comissão Especializada APIFARMA VET

Regulamento Interno da Comissão Especializada APIFARMA VET Regulamento Interno da Comissão Especializada APIFARMA VET De harmonia com o disposto no artº 36º. dos Estatutos da APIFARMA é elaborado o presente Regulamento interno que tem por objectivo regulamentar

Leia mais

PARECER N.º 26/CITE/2006

PARECER N.º 26/CITE/2006 PARECER N.º 26/CITE/2006 Assunto: Parecer prévio ao despedimento de trabalhadora grávida, nos termos do n.º 1 do artigo 51.º do Código do Trabalho, conjugado com a alínea b) do n.º 1 do artigo 98.º da

Leia mais

FORMAÇÃO PROFISSIONAL A FORMAÇÃO CONTÍNUA DE TRABALHADORES NAS EMPRESAS

FORMAÇÃO PROFISSIONAL A FORMAÇÃO CONTÍNUA DE TRABALHADORES NAS EMPRESAS DEPARTAMENTO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA DE RECURSO HUMANOS FORMAÇÃO PROFISSIONAL A FORMAÇÃO CONTÍNUA DE TRABALHADORES NAS EMPRESAS OBJECTIVOS DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL A Formação Profissional tem como objectivos:

Leia mais

em nada nem constitui um aviso de qualquer posição da Comissão sobre as questões em causa.

em nada nem constitui um aviso de qualquer posição da Comissão sobre as questões em causa. DOCUMENTO DE CONSULTA: COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EUROPEIA SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA (2011-2014) 1 Direitos da Criança Em conformidade com o artigo 3.º do Tratado da União Europeia, a União promoverá os

Leia mais

Relatório sobre o funcionamento da Escola Básica Integrada da Charneca da Caparica

Relatório sobre o funcionamento da Escola Básica Integrada da Charneca da Caparica Relatório sobre o funcionamento da Escola Básica Integrada da Charneca da Caparica Dezembro de 2005 Trabalho realizado por: Joana Alves nº. 16071 Relatório da Escola Básica Integrada da Charneca da Caparica

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

SEMINÁRIO A EMERGÊNCIA O PAPEL DA PREVENÇÃO

SEMINÁRIO A EMERGÊNCIA O PAPEL DA PREVENÇÃO SEMINÁRIO A EMERGÊNCIA O PAPEL DA PREVENÇÃO As coisas importantes nunca devem ficar à mercê das coisas menos importantes Goethe Breve Evolução Histórica e Legislativa da Segurança e Saúde no Trabalho No

Leia mais

A organização dos meios humanos na empresa

A organização dos meios humanos na empresa António Malta A organização dos meios humanos na empresa 1. Para poder desempenhar a sua função económica geral produção de bens ou prestação de serviços a empresa tem necessariamente que contar com uma

Leia mais

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Sines

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Sines Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Sines Preâmbulo O Decreto-Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, no art. 21º, atribui ao Conselho Nacional para a Promoção do Voluntariado (CNPV) competências

Leia mais

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS?

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? HOTEL TIVOLI LISBOA, 18 de Maio de 2005 1 Exmos Senhores ( ) Antes de mais nada gostaria

Leia mais

Regulamento Interno da Associação dos Bolseiros de Investigação Científica

Regulamento Interno da Associação dos Bolseiros de Investigação Científica Regulamento Interno da Associação dos Bolseiros de Investigação Científica A Associação dos Bolseiros de Investigação Científica (ABIC) rege-se pelos seus estatutos, regulamento eleitoral e por um regulamento

Leia mais

Ora, é hoje do conhecimento geral, que há cada vez mais mulheres licenciadas, com mestrado, doutoramentos, pós-docs e MBA s.

Ora, é hoje do conhecimento geral, que há cada vez mais mulheres licenciadas, com mestrado, doutoramentos, pós-docs e MBA s. Bom dia a todos e a todas, Não é difícil apontar vantagens económicas às medidas de gestão empresarial centradas na igualdade de género. Em primeiro lugar, porque permitem atrair e reter os melhores talentos;

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE O MUNICIPIO DE SETÚBAL E A CONFEDERAÇÃO PORTUGUESA DAS COLECTIVIDADES DE CULTURA, RECREIO E DESPORTO Considerando: a) As atribuições da Câmara Municipal de Setúbal, conferida

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 393/VIII ESTABELECE O ESTATUTO LEGAL DO MEDIADOR SÓCIO-CULTURAL. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º 393/VIII ESTABELECE O ESTATUTO LEGAL DO MEDIADOR SÓCIO-CULTURAL. Exposição de motivos PROJECTO DE LEI N.º 393/VIII ESTABELECE O ESTATUTO LEGAL DO MEDIADOR SÓCIO-CULTURAL Exposição de motivos A necessidade de função de mediação sócio-cultural surgiu da vontade de melhorar a relação entre

Leia mais

1. Disposições Gerais

1. Disposições Gerais Instituto Politécnico de Santarém CiIPS Centro de Informática ANEXO REGULAMENTO INTERNO Junho de 2007 1. Disposições Gerais 1.1. Organização Interna 1.1.1. O CiIPS adopta uma forma de organização interna

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO 1 A avaliação de desempenho é uma apreciação sistemática do desempenho dos trabalhadores nos respectivos cargos e áreas de actuação e do seu potencial de desenvolvimento (Chiavenato).

Leia mais

Reestruturar o Sector Empresarial do Estado

Reestruturar o Sector Empresarial do Estado PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 458/XI/2.ª Reestruturar o Sector Empresarial do Estado A descrição de carácter económico-financeiro apresentada na próxima secção não deixa dúvidas sobre a absoluta necessidade

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Braga

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Braga Regimento do Conselho Municipal de Educação de Braga A lei de bases do sistema educativo assume que o sistema educativo se organiza de forma a descentralizar, desconcentrar e diversificar as estruturas

Leia mais

REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE URBANISMO

REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE URBANISMO REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE URBANISMO PREÂMBULO CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objecto Artigo 2.º Princípios Artigo 3.º Finalidades Artigo 4.º Atribuições Artigo 5.º Relações

Leia mais

Regulamento Geral dos Grupos de Estudo, das Secções, das Sociedades Afiliadas e quadro de relacionamento com Sociedades

Regulamento Geral dos Grupos de Estudo, das Secções, das Sociedades Afiliadas e quadro de relacionamento com Sociedades 1º Introdução A Sociedade Portuguesa de Ortopedia e Traumatologia, seguindo a evolução da Ciência Ortopédica e à semelhança de Sociedades Científicas congéneres de países economicamente desenvolvidos,

Leia mais

VOLUNTARIADO E CIDADANIA

VOLUNTARIADO E CIDADANIA VOLUNTARIADO E CIDADANIA Voluntariado e cidadania Por Maria José Ritta Presidente da Comissão Nacional do Ano Internacional do Voluntário (2001) Existe em Portugal um número crescente de mulheres e de

Leia mais

ESTATUTOS DO CENTRO DE FILOSOFIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA. Artigo 1.º (Natureza, Membros)

ESTATUTOS DO CENTRO DE FILOSOFIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA. Artigo 1.º (Natureza, Membros) ESTATUTOS DO CENTRO DE FILOSOFIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA Artigo 1.º (Natureza, Membros) 1. O Centro de Filosofia da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, também designado abreviadamente como

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA

REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA PREÂMBULO Designa-se por rede social o conjunto das diferentes formas de entreajuda, praticadas por entidades particulares sem

Leia mais

Regulamento de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Viana do Alentejo

Regulamento de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Viana do Alentejo Regulamento de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Viana do Alentejo Preâmbulo O Decreto-Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, no art.º 21.º, atribui ao Conselho Nacional para a Promoção do Voluntariado

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

Regulamento Interno do Voluntariado. Aprovado em 20 de Maio de 2002

Regulamento Interno do Voluntariado. Aprovado em 20 de Maio de 2002 Aprovado em 20 de Maio de 2002 www.faad.online.pt 1/1 CAPÍTULO I NATUREZA, FINS E DEFINIÇÃO ARTIGO 1º 1. A Fundação de Aurélio Amaro Diniz é uma Instituição Particular de Solidariedade Social registada

Leia mais

Aspectos fundamentais para uma posição da FSESP sobre os desenvolvimentos no sector europeu dos resíduos

Aspectos fundamentais para uma posição da FSESP sobre os desenvolvimentos no sector europeu dos resíduos Aspectos fundamentais para uma posição da FSESP sobre os desenvolvimentos no sector europeu Documento final conforme adoptado pelo Comité Executivo, 25-26/05/1998 Aspectos fundamentais para uma posição

Leia mais

REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA

REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA Bruxelas, 7 de ovembro de 2008 REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA 1. A unidade dos Chefes de Estado e de Governo da União Europeia para coordenar as respostas

Leia mais

Lei n.º 133/99 de 28 de Agosto

Lei n.º 133/99 de 28 de Agosto Mediação Familiar Lei n.º 133/99 de 28 de Agosto Altera a Organização Tutelar de Menores, nomeadamente através da introdução de novos artigos de que destacamos aquele que se refere à mediação Artigo 147.º

Leia mais

LEARNING MENTOR. Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219. Perfil do Learning Mentor. Módulos da acção de formação

LEARNING MENTOR. Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219. Perfil do Learning Mentor. Módulos da acção de formação LEARNING MENTOR Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219 Perfil do Learning Mentor Módulos da acção de formação 0. Pré-requisitos para um Learning Mentor 1. O papel e a função que um Learning Mentor

Leia mais

Questionário sobre administração das sociedades

Questionário sobre administração das sociedades Anexo 1: Questionário de 2002 Questionário sobre administração das sociedades Data de referência 31 de Março de 2002 Nome da sociedade:... I. Divulgação de informação 1. São divulgadas as competências

Leia mais

Grupo de Trabalho Internacionalização e Desenvolvimento (I&D) PROJECTO DE RELATÓRIO 25 de Agosto de 2011

Grupo de Trabalho Internacionalização e Desenvolvimento (I&D) PROJECTO DE RELATÓRIO 25 de Agosto de 2011 Grupo de Trabalho Internacionalização e Desenvolvimento (I&D) PROJECTO DE RELATÓRIO 25 de Agosto de 2011 SUMÁRIO 1.OS CINCO PONTOS DE CONSENSO E TRÊS CENÁRIOS APRESENTADOS A SEGUIR FORAM NEGOCIADOS APÓS

Leia mais

Regulamento Geral da Formação

Regulamento Geral da Formação Regulamento Geral da Formação Regulamento n.º 32/2006, de 3 de Maio publicado no Diário da República, II Série, n.º 85, de 3 de Maio de 2006 Artigo 1.º Objecto 1 Este regulamento define as regras relativas

Leia mais

ESTATUTOS. Artigo 1º (Nome e Sede)

ESTATUTOS. Artigo 1º (Nome e Sede) ESTATUTOS Artigo 1º (Nome e Sede) O nome da associação é A Rocha Associação Cristã de Estudos e Defesa do Ambiente e a sua sede é na Cruzinha, Mexilhoeira Grande, em Portimão. Artigo 2º (Natureza e Fins)

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL DO CLUBE GALP ENERGIA

REGULAMENTO ELEITORAL DO CLUBE GALP ENERGIA REGULAMENTO ELEITORAL DO CLUBE GALP ENERGIA Artigo 1º (Das Eleições) 1. Os Corpos Sociais Regionais do Clube Galp Energia são eleitos em cada Núcleo Regional para um mandato de três anos, conforme disposto

Leia mais

SECÇÃO I Greve. Artigo 530.º Direito à greve. 1 A greve constitui, nos termos da Constituição, um direito dos trabalhadores.

SECÇÃO I Greve. Artigo 530.º Direito à greve. 1 A greve constitui, nos termos da Constituição, um direito dos trabalhadores. LEI DA GREVE Código do Trabalho Lei nº 7/ 2009 de 12 de Fevereiro SECÇÃO I Greve Artigo 530.º Direito à greve 1 A greve constitui, nos termos da Constituição, um direito dos trabalhadores. 2 Compete aos

Leia mais

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 Adão Augusto, Consultor 12-02-2015 1. Contextualização. Os projectos sociais fazem parte de um sistema complexo de relações que envolvem

Leia mais

PARECER N.º 37/CITE/2007

PARECER N.º 37/CITE/2007 PARECER N.º 37/CITE/2007 Assunto: Parecer prévio nos termos do n.º 1 do artigo 51.º do Código do Trabalho e da alínea b) do n.º 1 do artigo 98.º da Lei n.º 35/2004, de 29 de Julho Processo n.º 151 DL-C/2007

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO y Câmara Municipal de Redondo CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO O DL 7/2003, de 15 de Janeiro, que prevê a constituição do Conselho Municipal de Educação, regulou as suas competências

Leia mais

Introdução à Responsabilidade Social das Pequenas e Médias Empresas

Introdução à Responsabilidade Social das Pequenas e Médias Empresas Introdução à Responsabilidade Social das Pequenas e Médias Empresas Este guia foi produzido como parte da Campanha de Consciencialização Pan-Europeia sobre RSE, uma iniciativa da Comissão Europeia, Directoria

Leia mais