TEATRO TOMAZ DE FIGUEIREDO TOMAZ DE FIGUEIREDO TEATRO OBRAS COMPLETAS DE TOMAZ DE FIGUEIREDO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TEATRO TOMAZ DE FIGUEIREDO TOMAZ DE FIGUEIREDO TEATRO OBRAS COMPLETAS DE TOMAZ DE FIGUEIREDO"

Transcrição

1 CapaTomazFigueiredo TEATRO 5/14/03 3:19 PM Page 1 TOMAZ DE FIGUEIREDO OBRAS COMPLETAS DE TOMAZ DE FIGUEIREDO TOMAZ DE FIGUEIREDO TEATRO TEATRO A «exuberância barroca» da sua escrita dramatúrgica, aliada ao lirismo e, sobretudo, ao surrealismo, garantem a Tomaz de Figueiredo um lugar honroso na história do nosso teatro, ainda que, por agora, e graças a esta edição, todas as suas peças somente possam «vir à leitura». Mas o palco reclama-as para, quiçá, lhes limar arestas, pôr-lhes à prova as reais qualidades cénicas, e merecerem, assim, a ovação prolongada que lhes auguro. ANTÓNIO MANUEL COUTO VIANA INCM IMPRENSA NACIONAL -CASA DA MOEDA

2 TOMAZ DE FIGUEIREDO TEATRO Prefácio de ANTÓNIO MANUEL COUTO VIANA IMPRENSA NACIONAL-CASA DA MOEDA LISBOA 2003

3 Tomaz de Figueiredo foi, por três vezes, surpresa para o meu espírito. Conheci-o na intimidade dos meus, pelos estios da Ribeira- -Lima, eu adolescente, ele a roçar os quarenta. Muito pimpão da sua musculatura, como o observa José Régio, não o supunha um homem de letras, antes um atleta. Mas, em 1947, eis que dá à estampa A Toca do Lobo, que o consagrou romancista. Mas, em 1956, surge nos escaparates dos livreiros o livro de poesia Guitarra, que o consagra poeta. E, por fim, em 1965, o volume Teatro I revela-nos o dramaturgo de garra, com as peças A Rapariga da Lorena, O Visitador Extraordinário e A Barba do Menino Jesus. É certo que, tal como o poeta assomara, em 1927, nas folhas da revista presença, com um soneto lapidar, também o dramaturgo dera sinal de si, em 1942, nas páginas do jornal Acção, com um breve diálogo, O Embate, insuficiente para um juízo seguro sobre o valor do autor no género, a impor-se só anos mais tarde, com dois textos vanguardistas, na revista Tempo Presente: Os Lírios Brancos e O Visitador Extraordinário. De Teatro I, o destaque vai logo para A Rapariga da Lorena, construída em moldes clássicos, e onde o então problema da Argélia, desastrosamente resolvido pelo general Charles de Gaulle, serve de tema principal, com roupagem medieva, atraindo companhias teatrais, como a todo-poderosa Amélia Rey Collaço-Robles Monteiro, que, após prolongadas negociações com Tomaz de Figueiredo, acabou por não a levar à cena. (Este calvário sofrera-o, igualmente, José Régio, com aquele Jacob e o Anjo, que lhe é obra-prima.) 9

4 E aqui entro eu, de baraço ao pescoço; eu, que me propus, em 1971, quando tinha a meu cargo a direcção artística da Oficina de Teatro da Universidade de Coimbra, incluir A Rapariga da Lorena no repertório do agrupamento, juntamente com O Livro de Cristóvão Colombo, de Paul Claudel, e, com ambos, rumar, nesse ano, a Angola, à Madeira e aos Açores. Infelizmente, as dificuldades de montagem da obra claudeliana impossibilitaram que a alta espiritualidade desta se aliasse à acusação indignada à política francesa no norte africano, integrando momentos de extraordinária riqueza épica. E A Rapariga da Lorena, mais uma vez, não experimentou o tablado, como eu desejava, numa estreia a que o Tomaz, sempre aberto às iniciativas culturais juvenis, prometera assistir. Creio que, até hoje, apenas lhe conheceu a cena (e é notória a injustiça) o seu curto acto lírico A Barba do Menino Jesus, representado por Varela Silva, no papel de Velho, e Manuel Coelho, no papel de Visitante, com encenação de Varela Silva e cenário meu, no Teatro de São Luís, na noite festiva das comemorações do 25.º aniversário das Edições Verbo, já falecido o dramaturgo. Anos atrás, a RTP exibira-o na pequena pantalha, com os actores Luís Filipe e João Perry, sob a realização de Herlander Peyroteo, que tomou demasiado à letra o título da obra, fazendo o neto ostentar uma farta e espessa barba comprida. No entanto, o avô apenas sente a barba do neto, o seu Menino Jesus, quando o beija na despedida. Episódio comovedor, na evocação de um passado penoso e feliz do autor, tão densamente a perpassar nos seus romances e contos, agora num enredo dramático que dispensa acção, que supera a acção. 10

5 O mesmo realizador apresentou, no mesmo local, a farsa trágica, ou auto, ou alegoria (chamemos-lhe assim), O Visitador Extraordinário, onde um dos mais singulares bonecos de Tomaz, aqui nomeado O Figurão Obeso, grotesco burocrata, com largo desenvolvimento em tanta ficção do autor, orneia e escouceia em estúpida e brutal violência contra o sublime da Poesia, num papel a tentar qualquer actor famoso. Devo dizer que, de toda a criação dramatúrgica de Tomaz de Figueiredo, é O Visitador Extraordinário a receber o meu mais vibrante aplauso de leitor e de espectador. Creio ser com Os Lírios Brancos que Tomaz inicia a decidida incursão pelo nonsense, pela aventura surrealista, que não mais abandonará o seu teatro. Charge supina aos Importantes da nossa política e da nossa sociedade tecnocrata, com os seus tiques de linguagem e de pose, peca, talvez, por excessivamente palavrosa e repetitiva, embora dando largas a uma fantasia exuberante. Exemplo crescente de tais incursões e aventuras é a anedota delirante O Homem do Quiosque, «acontecimento em três actos», que pretendi encenar para a minha Companhia Nacional de Teatro, sediada no Teatro da Trindade, cujo repertório dependia da aprovação de um Conselho de Leitura da FNAT, proprietária da sala de espectáculos. Lamentavelmente, a peça foi achada inconveniente pelo Conselho e afastada das tábuas. Qual a causa da recusa? O facto de um dos seus bonecos, o Julião, o «Portentoso filho», alvar como toda a família, ser amigo e companheiro de borgas de um ministro! 11

6 De um ministro que o protegia e lhe achava graça. Intocáveis, os ministros dos Governos da época, embora não tivessem nome nem rosto. Revelei ao autor o absurdo da condenação. E ele tratou de solucionar o óbice, substituindo o ministro por um alto comissário e, até, o director-geral por um simples director. Mas só venho a descobrir estas emendas, agora, no original pronto para publicação! Infelizmente, Tomaz não me deu notícia desta sua cedência às exigências da Mesa Censória e O Homem do Quiosque deixou de fazer parte das minhas pretensões de empresário. Foi pena! No enredo da peça, avulta Cornélia, «a Filha Muito Inteligente», que o espectador/leitor reconhece na estupidez de «essa Judite», d A Gata Borralheira, caricatura feroz da solteirona metediça, sordidamente sovina, burlescamente ignorante e jactanciosa, assassina da beleza e do amor. É ela, com os seus «detesto» e os seus «eu cá acho», tão gabada pela mãe lorpa, julgando-a sempre um portento «em tudo o que se mete». É ela, ainda, a «mana Evarista» d A Noite das Oliveiras e a Maria Eufémia do conto hilariante Umas Horas Agradáveis ou Requiem para uma Infausta Defunta. Personagem de características tão vincadamente teatrais, recebe, quando Maria Eufémia, a comicidade do elogio fúnebre neste conto que, nas mãos de um encenador inteligente e artista, facilmente se poderá transformar em espectáculo. Garante-o a minha experiência de cena. 12

7 Também n A Nobre Cauda, que considero a peça de Tomaz mais surreal e inventiva, as habituais personagens de ficção do autor se transformam em bonecos teatrais, como o «Excelentíssimo Administrador Delegado» (vestira já a farpela do «Importante Grandioso de Melo», do «Figurão Obeso» e do «Austero Pai de Família»), com os seus berros, as suas grosserias, os seus palavrões e calinadas gramaticais, evoca um dos protagonistas d A Gata Borralheira, histérico pai de «essa Judite» trapalhona. Tomaz de Figueiredo, quer no seu teatro, quer na sua ficção, andou sempre à roda das mesmas figuras, dos mesmos fantasmas, dos mesmos bonecos que lhe dominaram a vida, o enterneceram ou desesperaram. Não sei como viriam a ser realizadas as duas obras Loiros de Morte ou, talvez, Quarto Minguante e O Morto e os Vivos, de que nos deixou os planos e alguns fragmentos de diálogo. Mas admito, pelas máscaras apontadas, que o dramaturgo iria continuar a divertir-se e a divertir-nos com a sátira costumada à família de títeres, às suas ambições, cobiças e asneiras. Curiosamente, O Morto e os Vivos trouxe-me à lembrança, no recurso ao retrato falante, aquele pequeno «esquisso teatral» (como lhe chamaria Fernando Amado) impresso in Acção. Concluindo a ligeireza deste comentário, direi que a «exuberância barroca» da sua escrita dramatúrgica, aliada ao lirismo e, sobretudo, ao surrealismo, como sabiamente lhe reconhece a autoridade analítica de Duarte Ivo Cruz, garantem a Tomaz de Figueiredo um lugar honroso na história do nosso teatro, ainda que, por agora, e graças a esta edição, todas as suas peças somente possam «vir à leitura». 13

8 Mas o palco reclama-as para, quiçá, lhes limar arestas, pôr- -lhes à prova as reais qualidades cénicas, e merecerem, assim, a ovação prolongada que lhes auguro. Casa da Pedra Funchal de Sintra Páscoa de 2003 ANTÓNIO MANUEL COUTO VIANA 14

9 ÍNDICE Prefácio, por ANTÓNIO MANUEL COUTO VIANA... 9 A RAPARIGA DA LORENA O VISITADOR EXTRAORDINÁRIO A BARBA DO MENINO JESUS OS LÍRIOS BRANCOS OU A SALVAÇÃO UNIVERSAL O HOMEM DO QUIOSQUE A NOBRE CAUDA O EMBATE LOIROS DE MORTE OU, TALVEZ, QUARTO MINGUANTE (fragmento) 373 O MORTO E OS VIVOS (fragmento) A propósito do teatro de Tomaz de Figueiredo (entrevista semi- -imaginária por MARIA ANTÓNIA DE FIGUEIREDO DE SANTOS LOUREIRO)

Em Roma: Surge como imitação do teatro grego (tragédia e comédia); Apogeu deu-se no séc. III-II a.c., com Plauto e Terêncio; Insere-se nos Jogos

Em Roma: Surge como imitação do teatro grego (tragédia e comédia); Apogeu deu-se no séc. III-II a.c., com Plauto e Terêncio; Insere-se nos Jogos O TEXTO DRAMÁTICO O teatro é a poesia que sai do livro e se faz humana. (Frederico García Lorca) Professor Luís Araújo 1 O que é o teatro? Uma das mais antigas expressões artísticas do Homem; Tem origem

Leia mais

AS TRÊS EXPERIÊNCIAS

AS TRÊS EXPERIÊNCIAS Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSA O 8 Ọ ANO EM 2014 Disciplina: PoRTUGUÊs Prova: desafio nota: Texto para as questões de 1 a 7. AS TRÊS EXPERIÊNCIAS Há três coisas para

Leia mais

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro;

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro; EIXO TEMÁTICO: 1 TEXTO LITERÁRIO E NÃO LITERÁRIO 1) Analisar o texto em todas as suas dimensões: semântica, sintática, lexical e sonora. 1. Diferenciar o texto literário do não-literário. 2. Diferenciar

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO GRATUITA

DISTRIBUIÇÃO GRATUITA A IMPORTÂNCIA DAS OBRAS DE FÉ William Soto Santiago Cayey Porto Rico 16 de Março de 2011 Reverendo William Soto Santiago, Ph. D. CENTRO DE DIVULGAÇÃO DO EVANGELHO DO REINO http://www.cder.com.br E-mail:

Leia mais

Cara Professora, Caro Professor,

Cara Professora, Caro Professor, A olhinhos menina de rasgados Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos um belo livro de narrativa A menina de olhinhos rasgados, do premiado autor mineiro Vanderlei Timóteo.

Leia mais

Em primeiro lugar, deverá encaixar a frase 2 dentro da frase 1, tal como nos exemplos seguintes:

Em primeiro lugar, deverá encaixar a frase 2 dentro da frase 1, tal como nos exemplos seguintes: CÓDIGO DE IDENTIFICAÇÃO Neste exercício deverá transformar conjuntos de duas frases numa frase apenas. Em primeiro lugar, deverá encaixar a frase 2 dentro da frase 1, tal como nos exemplos seguintes: 1)

Leia mais

As suas principais obras

As suas principais obras Cena do Fidalgo Gil Vicente nasceu na cidade de Guimarães em 1466. É considerado o primeiro grande dramaturgo português, além de poeta. Enquanto homem de teatro, parece ter também desempenhado as tarefas

Leia mais

Formação de Português 2013/2014

Formação de Português 2013/2014 Formação de Português 2013/2014 Oficina de formação: Ler para compreender, interpretar, reagir e apreciar 6.ª sessão Objetivos do ensino da leitura de poesia Alimentar o gosto pela sonoridade da língua

Leia mais

Dalcídio Jurandir inspira projeto teatral Por Luciana Medeiros, colaboradora do Guiart

Dalcídio Jurandir inspira projeto teatral Por Luciana Medeiros, colaboradora do Guiart Dalcídio Jurandir inspira projeto teatral Por Luciana Medeiros, colaboradora do Guiart Ponta de Pedras, ilha do Marajó, Pará, 10 de janeiro de 1909. Nasce ali e naquela data uma das maiores expressões

Leia mais

A PREENCHER PELO ALUNO

A PREENCHER PELO ALUNO Prova Final do 1.º e do 2.º Ciclos do Ensino Básico PLNM (A2) Prova 43 63/2.ª Fase/2015 Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho A PREENCHER PELO ALUNO Nome completo Documento de identificação Assinatura

Leia mais

Índice Geral. Índice de Autores

Índice Geral. Índice de Autores Victor Fernandes 1 Índice Geral A perua-galinha 3 A vida de um porco chamado Ricky 4 Um burro chamado Burro 5 O atrevido 6 O Burro que abandonou a família por causa de uma rã 7 A burra Alfazema 8 Índice

Leia mais

Clube de Teatro Escola EB - 2,3 de Perafita

Clube de Teatro Escola EB - 2,3 de Perafita 1 Clube de Teatro Escola EB - 2,3 de Perafita Ana Moreira, Coordenadora O Clube de Teatro da Escola E.B. 2,3 de Perafita apresentou-se em cena nos dias 21 e 24 de Maio, com o seu mais recente trabalho

Leia mais

Amar Dói. Livro De Poesia

Amar Dói. Livro De Poesia Amar Dói Livro De Poesia 1 Dedicatória Para a minha ex-professora de português, Lúcia. 2 Uma Carta Para Lúcia Querida professora, o tempo passou, mas meus sonhos não morreram. Você foi uma pessoa muito

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Sobre Fernando Pessoa

APRESENTAÇÃO. Sobre Fernando Pessoa SUMÁRIO APRESENTAÇÃO Sobre Fernando Pessoa... 7 Ricardo Reis, o poeta clássico... 21 ODES DE RICARDO REIS... 29 CRONOLOGIA... 170 ÍNDICE DE POEMAS... 175 5 6 APRESENTAÇÃO Sobre Fernando Pessoa Falar de

Leia mais

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05 QUESTÃO 01 Arte abstrata é uma arte: a) que tem a intenção de representar figuras geométricas. b) que não pretende representar figuras ou objetos como realmente são. c) sequencial, como, por exemplo, a

Leia mais

Olhar de Novo. Espetáculo de Teatro Fórum sobre bullying. Dirigido ao ensino secundário. 35.ª produção Baal17 Companhia de teatro

Olhar de Novo. Espetáculo de Teatro Fórum sobre bullying. Dirigido ao ensino secundário. 35.ª produção Baal17 Companhia de teatro Olhar de Novo Espetáculo de Teatro Fórum sobre bullying Dirigido ao ensino secundário 35.ª produção Baal17 Companhia de teatro Olhar de Novo - Sinopse e ficha técnica Na vida, como no Facebook, os gostos

Leia mais

Teatro O Santo e a Porca ( 1957)

Teatro O Santo e a Porca ( 1957) Modernismo Teatro O Santo e a Porca ( 1957) Biografia Ariano Suassuna (1927-2014) foi um escritor brasileiro. "O Auto da Compadecida", sua obra prima, foi adaptada para a televisão e para o cinema. Sua

Leia mais

Aula 13.2 Conteúdo: O Quinhentismo: os jesuítas e o trabalho missionário INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA

Aula 13.2 Conteúdo: O Quinhentismo: os jesuítas e o trabalho missionário INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA Aula 13.2 Conteúdo: O Quinhentismo: os jesuítas e o trabalho missionário Habilidades: Conhecer o trabalho missionário jesuítico na figura de seu principal mentor: Padre José de Anchieta Revisão 1º Período

Leia mais

MULHERES QUE AMAM DE MAIS

MULHERES QUE AMAM DE MAIS ROBIN NORWOOD MULHERES QUE AMAM DE MAIS Tradução de Isabel Alves k Índice Agradecimentos........................................ 9 Prefácio............................................... 11 Introdução............................................

Leia mais

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES SUPLEMENTO DE ATIVIDADES NOME: N O : ESCOLA: SÉRIE: 1 Considerado um dos mais importantes escritores de todos os tempos, Edgar Allan Poe se inscreveu na história da literatura mundial com seu estilo inconfundível.

Leia mais

Entrevista sobre o Programa Pica

Entrevista sobre o Programa Pica Entrevista sobre o Programa Pica Ficha de Identificação Nome: Artur Ribeiro Cargo/Função: Co-Argumenista Programa: Pica Questões 1. Qualidade - Na sua opinião, o que pode ser considerado qualidade em televisão

Leia mais

D E D I C A T Ó R I A

D E D I C A T Ó R I A DEDICATÓRIA Qual será então minha recompensa, Tito, se alivio tua pena e se apaziguo o tormento que te faz sofrer? Pois me é permitido, não é mesmo, Ático?, dirigirme a ti com os mesmos versos que os dirigidos

Leia mais

1 - Como o Teatro entrou na sua vida?

1 - Como o Teatro entrou na sua vida? 1 - Como o Teatro entrou na sua vida? Lá pelos idos da década de sessenta (1961...), eu chegava à São Paulo com uma mala velha de couro repleta de sonhos, fantasias muitas e esperanças tantas... Lá encontrei

Leia mais

EXPLORANDO A OBRA (ALUNOS SENTADOS EM CÍRCULO)

EXPLORANDO A OBRA (ALUNOS SENTADOS EM CÍRCULO) Explorando a obra EXPLORANDO A OBRA (ALUNOS SENTADOS EM CÍRCULO) INTRODUÇÃO Antes da leitura Peça para que seus alunos observem a capa por alguns instantes e faça perguntas: Qual é o título desse livro?

Leia mais

Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus

Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus Ensino - Ensino 11 - Anos 11 Anos Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus História Bíblica: Mateus 3:13 a 17; Marcos 1:9 a 11; Lucas 3:21 a 22 João Batista estava no rio Jordão batizando as pessoas que queriam

Leia mais

O FIM ÓPERA ÍNTIMA de Carlos Marecos, sobre «O Fim, "história dramática" em 2 quadros», de António Patrício (1878-1930)

O FIM ÓPERA ÍNTIMA de Carlos Marecos, sobre «O Fim, história dramática em 2 quadros», de António Patrício (1878-1930) O FIM ÓPERA ÍNTIMA O FIM ÓPERA ÍNTIMA de Carlos Marecos, sobre «O Fim, "história dramática" em 2 quadros», de António Patrício (1878-1930) Música Carlos Marecos Libreto e Encenação Paulo Lages Direcção

Leia mais

Tyll, o mestre das artes

Tyll, o mestre das artes Nome: Ensino: F undamental 5 o ano urma: T ata: D 10/8/09 Língua Por ortuguesa Tyll, o mestre das artes Tyll era um herói malandro que viajava pela antiga Alemanha inventando golpes para ganhar dinheiro

Leia mais

Espetáculo Números de circo um espetáculo para crianças Grupo Os Geraldos

Espetáculo Números de circo um espetáculo para crianças Grupo Os Geraldos Espetáculo Números de circo um espetáculo para crianças Grupo Os Geraldos O espetáculo Números de circo um espetáculo para crianças, que completa dois anos de circulação em abril de 2013, nasceu de uma

Leia mais

RESUMO DE IMPRENSA. Sexta-feira, 21 de Agosto de 2009

RESUMO DE IMPRENSA. Sexta-feira, 21 de Agosto de 2009 RESUMO DE IMPRENSA Sexta-feira, 21 de Agosto de 2009 JORNAL DE NEGÓCIOS 1. Escolher os melhores depósitos vai ser mais fácil (págs. 1, 20 e 21). Saiba o que muda com as novas regras do Banco de Portugal.

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

A VIAGEM DO PAI NATAL AOS AÇORES

A VIAGEM DO PAI NATAL AOS AÇORES ANA ISABEL FERREIRA A VIAGEM DO PAI NATAL AOS AÇORES Teatro Para Crianças Ilustrações de Michael J:iudêc,..Letrasa...,ava as edições FICHA TÉCNICA Título - A Viagem do Pai Natal aos Açores Edição - Letras

Leia mais

LER a partir dos 8 anos GUIA DE LEITURA MARIAALZIRACABRAL. O livro qu e. só queria. ser lido JOSÉ JORGE LETRIA. Ilustrações de Daniel Silva

LER a partir dos 8 anos GUIA DE LEITURA MARIAALZIRACABRAL. O livro qu e. só queria. ser lido JOSÉ JORGE LETRIA. Ilustrações de Daniel Silva LER a partir dos 8 anos GUIA DE LEITURA MARIAALZIRACABRAL O livro qu e só queria ser lido JOSÉ JORGE LETRIA Ilustrações de Daniel Silva Apresentação da obra Esta é a história de um livro triste. Triste

Leia mais

Content Area Grade Quarter Língua Portuguesa 6ª Serie Unidade I

Content Area Grade Quarter Língua Portuguesa 6ª Serie Unidade I Content Area Grade Quarter Língua 6ª Serie Unidade I Texto: parágrafos: descritivo/comparativo; reconto; resenha crítica, anedota, cartum, revista em quadrinhos Linguística: comunicação: elementos/códigos;

Leia mais

Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12. Ele ficava olhando o mar, horas se o deixasse. Ele só tinha cinco anos.

Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12. Ele ficava olhando o mar, horas se o deixasse. Ele só tinha cinco anos. Contos Místicos 1 Contos luca mac doiss Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12 Prefácio A história: esta história foi contada por um velho pescador de Mongaguá conhecido como vô Erson. A origem:

Leia mais

AS MELHORES HISTÓRIAS E JOGOS PARA CRIANÇAS

AS MELHORES HISTÓRIAS E JOGOS PARA CRIANÇAS AS MELHORES HISTÓRIAS E JOGOS PARA CRIANÇAS em seu sm t e e tablet P fólio de H tóri Impressão de livros sob demanda para a sua empresa Escolha a sua! TIMOLICO E AMIGOS Público alvo: crianças de até 6

Leia mais

Reflexões de Fernando Peixoto sobre o texto teatral Caminho de Volta (Consuelo de Castro)

Reflexões de Fernando Peixoto sobre o texto teatral Caminho de Volta (Consuelo de Castro) Reflexões de Fernando Peixoto sobre o texto teatral Caminho de Volta (Consuelo de Castro) Victor Miranda Macedo Rodrigues Universidade Federal de Uberlândia Orientadora: Rosangela Patriota Ramos O escritor,

Leia mais

Lição 2 Por que Necessitamos de Perdão? Lição 1 Nosso Pai é um Deus Perdoador. A Bênção pelo Perdão. A Bênção pelo Perdão

Lição 2 Por que Necessitamos de Perdão? Lição 1 Nosso Pai é um Deus Perdoador. A Bênção pelo Perdão. A Bênção pelo Perdão Lição 1 Nosso Pai é um Deus Perdoador 1. Você já fugiu de casa? Para onde foi? O que aconteceu? 2. Qual foi a maior festa que sua família já celebrou? Explique. 3. Você é do tipo mais caseiro, ou gosta

Leia mais

Apostila de Fundamentos. Arrependimento. Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados...

Apostila de Fundamentos. Arrependimento. Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados... Apostila de Fundamentos Arrependimento Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados... (Atos 3:19) A r r e p e n d i m e n t o P á g i n a 2 Arrependimento É muito importante

Leia mais

A DRAMATURGIA NO ATO TEATRAL

A DRAMATURGIA NO ATO TEATRAL A DRAMATURGIA NO ATO TEATRAL Calixto de Inhamuns A palavra dramaturgia, usando a pesquisa do mestre Alexandre Mate, nasce de drama (sentido conotativo de) ação e tourgia (sentido de trabalho, de tecimento),

Leia mais

REITORIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA - SALÃO NOBRE

REITORIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA - SALÃO NOBRE REITORIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA - SALÃO NOBRE 23, 24 E 25 DE ABRIL. 18h30 Entrada livre PROGRAMA 23 ABRIL 18h 30 - Quem é Ricardo de José Barahona 19h 15 48 de Susana Sousa Dias 24 ABRIL 18h 30 - Antes

Leia mais

Os dois foram entrando e ROSE foi contando mais um pouco da história e EDUARDO anotando tudo no caderno.

Os dois foram entrando e ROSE foi contando mais um pouco da história e EDUARDO anotando tudo no caderno. Meu lugar,minha história. Cena 01- Exterior- Na rua /Dia Eduardo desce do ônibus com sua mala. Vai em direção a Rose que está parada. Olá, meu nome é Rose sou a guia o ajudara no seu projeto de história.

Leia mais

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Me. Tony Aparecido Moreira tony.educ@gmail.com Denise Watanabe de.wtnb@gmail.com Dr. José Milton de Lima miltonlima@fct.unesp.br

Leia mais

Portuguese Poetry / 14-30 lines HS 5-6

Portuguese Poetry / 14-30 lines HS 5-6 Ai quem me dera 1. Ai, quem me dera, terminasse a espera 2. Retornasse o canto simples e sem fim, 3. E ouvindo o canto se chorasse tanto 4. Que do mundo o pranto se estancasse enfim 5. Ai, quem me dera

Leia mais

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 Humberto Cordeiro Carvalho admitido pela companhia em 1 de julho de 1981. Eu nasci em 25 de maio de 55 em Campos do Goytacazes. FORMAÇÃO Segundo grau Escola

Leia mais

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO.

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO. Roteiro de Telenovela Brasileira Central de Produção CAPÍTULO 007 O BEM OU O MAL? Uma novela de MHS. PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO. AGENOR ALBERTO FERNANDO GABRIELE JORGE MARIA CLARA MARIA CAMILLA MARÍLIA

Leia mais

Registro da Experiência: Acampamento Vaga Lume 2008

Registro da Experiência: Acampamento Vaga Lume 2008 Registro da Experiência: Acampamento Vaga Lume 2008 A Vaga Lume é uma organização social de interesse público, sem fins lucrativos, fundada a partir da crença de que o investimento em seres humanos é a

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

Realidade vs Virtualidade

Realidade vs Virtualidade Realidade vs Virtualidade Vivendo entre quem Somos e quem queremos Ser Necessidade de sermos felizes Necessidade de sermos aceitos Necessidades de Sermos A CONSTRUÇÃO DA NOSSA IDENTIDADE Vivendo entre

Leia mais

Mateus 4, 1-11. Respondeu-lhe Jesus: «Vai-te, Satanás, pois está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a Ele prestarás culto.

Mateus 4, 1-11. Respondeu-lhe Jesus: «Vai-te, Satanás, pois está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a Ele prestarás culto. Mateus 4, 1-11 Respondeu-lhe Jesus: «Vai-te, Satanás, pois está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a Ele prestarás culto.». Este caminho de 40 dias de jejum, de oração, de solidariedade, vai colocar-te

Leia mais

Como conseguir um Marido Cristão Em doze lições

Como conseguir um Marido Cristão Em doze lições Como conseguir um Marido Cristão Em doze lições O. T. Brito Pág. 2 Dedicado a: Minha filha única Luciana, Meus três filhos Ricardo, Fernando, Gabriel e minha esposa Lúcia. Pág. 3 Índice 1 é o casamento

Leia mais

Apoio: Patrocínio: Realização:

Apoio: Patrocínio: Realização: 1 Apoio: Patrocínio: Realização: 2 CINDERELA 3 CINDERELA Cinderela era uma moça muito bonita, boa, inteligente e triste. Os pais tinham morrido e ela morava num castelo. A dona do castelo era uma mulher

Leia mais

A ANA E O ALEX CONTRA OS FALSIFICADORES

A ANA E O ALEX CONTRA OS FALSIFICADORES JOGO EURO RUN www.novas-notas-de-euro.eu A ANA E O ALEX CONTRA OS FALSIFICADORES A Ana e o Alex são da mesma turma e amigos inseparáveis. Estão sempre a viver aventuras incríveis e hoje não é exceção.

Leia mais

A ANA E O ALEX CONTRA OS FALSIFICADORES

A ANA E O ALEX CONTRA OS FALSIFICADORES JOGO EURO RUN www.novas-notas-de-euro.eu A ANA E O ALEX CONTRA OS FALSIFICADORES - 2 - A Ana e o Alex são da mesma turma e amigos inseparáveis. Estão sempre a viver aventuras incríveis e hoje não é exceção.

Leia mais

O Pintor da Vida moderna

O Pintor da Vida moderna Charles Baudelaire O Pintor da Vida moderna concepção e organização Jérôme Dufilho e Tomaz Tadeu tradução e notas Tomaz Tadeu Copyright da tradução e das notas 2010 Tomaz Tadeu Copyright das imagens das

Leia mais

LIÇÕES DE VIDA. Minha mãe Uma mulher fascinante Guerreira incessante Gerou sete filhos Em tentativa pujante De vencer as dificuldades com amor!

LIÇÕES DE VIDA. Minha mãe Uma mulher fascinante Guerreira incessante Gerou sete filhos Em tentativa pujante De vencer as dificuldades com amor! LIÇÕES DE VIDA Regilene Rodrigues Fui uma menina sem riquezas materiais Filha de pai alcoólatra e mãe guerreira. Do meu pai não sei quase nada, Algumas tristezas pela ignorância e covardia Que o venciam

Leia mais

LEITURA ORIENTADA NA SALA DE AULA

LEITURA ORIENTADA NA SALA DE AULA LEITURA ORIENTADA NA SALA DE AULA UMA AVENTURA NO PALÁCIO DA PENA COLEÇÃO UMA AVENTURA ATIVIDADES PROPOSTAS Leitura de um capítulo por aula; Preenchimento de fichas de trabalho; Correção das fichas no

Leia mais

5 Conversas à volta da Motivação

5 Conversas à volta da Motivação 5 Conversas à volta da Motivação SOFRE DA SÍNDROME DO CACHORRINHO? 2 Que limites impõe a si próprio? 1 Um#dos#problemas#que#mais#encontro#nas#vendas#de#hoje#em#dia#quando#trabalho#com# as#equipas#em#termos#de#formação#e#coaching#comercial#tem#a#ver#com#a#síndrome#do#

Leia mais

PONTE MARIA PIA: UMA PONTE DE EIFFEL E DE SEYRIG

PONTE MARIA PIA: UMA PONTE DE EIFFEL E DE SEYRIG PONTE MARIA PIA: UMA PONTE DE EIFFEL E DE SEYRIG Gustave Eiffel Théophile Seyrig José Manuel Lopes Cordeiro Universidade do Minho, Braga, Portugal jmlopes.cordeiro@gmail.com www.ocomboio.net - 2009 Aquando

Leia mais

...Divertido e lúdico, com cenas de pura poesia circense. JORNAL O GLOBO / REVISTA RIO SHOW

...Divertido e lúdico, com cenas de pura poesia circense. JORNAL O GLOBO / REVISTA RIO SHOW APRESENTA ...Divertido e lúdico, com cenas de pura poesia circense. JORNAL O GLOBO / REVISTA RIO SHOW ...Surpreendente a forma como, magnetizada a platéia assiste à peça... CLASSIFICAÇÃO REVISTA VEJA

Leia mais

ENTREVISTA CONCEDIDA AO ESCRITOR FLÁVIO IZHAKI Realizada em 21.VII.08 A PROPÓSITO DE RETRATO DESNATURAL (diários 2004 a 2007) Evando Nascimento

ENTREVISTA CONCEDIDA AO ESCRITOR FLÁVIO IZHAKI Realizada em 21.VII.08 A PROPÓSITO DE RETRATO DESNATURAL (diários 2004 a 2007) Evando Nascimento ENTREVISTA CONCEDIDA AO ESCRITOR FLÁVIO IZHAKI Realizada em 21.VII.08 A PROPÓSITO DE RETRATO DESNATURAL (diários 2004 a 2007) Evando Nascimento Renomado professor universitário, autor de títulos de não

Leia mais

ROMANTISMO NO BRASIL - PROSA

ROMANTISMO NO BRASIL - PROSA AULA 12 LITERATURA PROFª Edna Prado ROMANTISMO NO BRASIL - PROSA Na aula passada nós estudamos as principais características da poesia romântica no Brasil.Vimos o fenômeno das três gerações românticas:

Leia mais

Cabra macho e cidadão do mundo

Cabra macho e cidadão do mundo Cabra macho e cidadão do mundo Uma poesia antilírica, dirigida ao intelecto, mais presa à realidade objetiva do poema enquanto criação; Cronologicamente pertence à geração de 45, mas dela se afasta pela

Leia mais

MINHA HISTÓRIA NO NOVOTEL

MINHA HISTÓRIA NO NOVOTEL MINHA HISTÓRIA NO NOVOTEL Lembro-me que haviam me convocado para uma entrevista de trabalho no NOVOTEL. Lembro-me de estar ansioso e ter passado a noite anterior preparando a minha entrevista. Como iria

Leia mais

ROMANTISMO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS LITERÁRIAS

ROMANTISMO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS LITERÁRIAS ROMANTISMO O Romantismo foi uma estética artística surgida no início do século XVIII, que provocou uma verdadeira revolução na produção literária da época. Retratando a força dos sentimentos, ela propôs

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia

Universidade Federal de Uberlândia PRIMEIRA QUESTÃO A) É importante que o candidato ressalte o fato de que, na ilha, a princípio, tudo é eletivo : cabe aos indivíduos escolher os seus papéis. Esta liberdade da constituição do sujeito deve

Leia mais

JANELA SOBRE O SONHO

JANELA SOBRE O SONHO JANELA SOBRE O SONHO um roteiro de Rodrigo Robleño Copyright by Rodrigo Robleño Todos os direitos reservados E-mail: rodrigo@robleno.eu PERSONAGENS (Por ordem de aparição) Alice (já idosa). Alice menina(com

Leia mais

Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo.

Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo. Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo. Palavras-chave: teatro narrativo; corpo vocal; voz cênica. É comum que

Leia mais

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos.

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos. 1) Como está sendo a expectativa do escritor no lançamento do livro Ser como um rio que flui? Ele foi lançado em 2006 mas ainda não tinha sido publicado na língua portuguesa, a espera do livro pelos fãs

Leia mais

DIAS 94. de Claudio Simões (1990 / 94)

DIAS 94. de Claudio Simões (1990 / 94) DIAS 94 de Claudio Simões (1990 / 94) 2 PERSONAGENS São cinco personagens identificadas apenas por números. Não têm gênero definido, podendo ser feitas por atores ou atrizes. As frases em que falam de

Leia mais

Currículo Referência em Teatro Ensino Médio

Currículo Referência em Teatro Ensino Médio Currículo Referência em Teatro Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas Investigar, analisar e contextualizar a história do Teatro compreendendo criticamente valores, significados

Leia mais

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade.

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade. A Palavra de Deus 2 Timóteo 3:16-17 Pois toda a Escritura Sagrada é inspirada por Deus e é útil para ensinar a verdade, condenar o erro, corrigir as faltas e ensinar a maneira certa de viver. 17 E isso

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

UM DOCUMENTÁRIO DE JORGE CORREIA CARVALHO

UM DOCUMENTÁRIO DE JORGE CORREIA CARVALHO UM DOCUMENTÁRIO DE JORGE CORREIA CARVALHO SINOPSE: Na ficha de catalogação do Museu Nacional de Etnologia de Lisboa resume-se o invulgar objeto mas não se faz ouvir o seu som e toda a história, misticismo,

Leia mais

Os pequenos nadas. Uma criação de Anton Coimbra e Nuno Pinto. Produçao de Último Comboio.

Os pequenos nadas. Uma criação de Anton Coimbra e Nuno Pinto. Produçao de Último Comboio. Os pequenos nadas Uma criação de Anton Coimbra e Nuno Pinto. Produçao de Último Comboio. "Teatro artesanal (...) Tudo em vista: a máquina de cinema minúscula, que eles resgataram do desmantelamento, os

Leia mais

MALDITO. de Kelly Furlanetto Soares. Peça escritadurante a Oficina Regular do Núcleo de Dramaturgia SESI PR.Teatro Guaíra, no ano de 2012.

MALDITO. de Kelly Furlanetto Soares. Peça escritadurante a Oficina Regular do Núcleo de Dramaturgia SESI PR.Teatro Guaíra, no ano de 2012. MALDITO de Kelly Furlanetto Soares Peça escritadurante a Oficina Regular do Núcleo de Dramaturgia SESI PR.Teatro Guaíra, no ano de 2012. 1 Em uma praça ao lado de uma universidade está sentado um pai a

Leia mais

Cada pessoa tem a sua história

Cada pessoa tem a sua história 1 Cada pessoa tem a sua história Nina menina [...] Um dia desses, eu passei toda a tarde de um domingo assistindo às fitas de vídeo das minhas festinhas de aniversário de 2, de 3 e de 4 anos. O programa

Leia mais

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Autora: Tell Aragão Personagens: Carol (faz só uma participação rápida no começo e no final da peça) Mãe - (só uma voz ela não aparece) Gigi personagem

Leia mais

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma.

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. PERTO DE TI Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. Jesus! Perto de ti, sou mais e mais. Obedeço a tua voz. Pois eu sei que tu és Senhor, o

Leia mais

ANALISAR OBJECTOS ARTÍSTICOS

ANALISAR OBJECTOS ARTÍSTICOS ANALISAR OBJECTOS ARTÍSTICOS Um dos aspectos essenciais à história da arte, à antropologia e à museologia, a análise de objectos artísticos e antropológicos é o tema deste workshop em 10 sessões, orientado

Leia mais

Genialidade, Fernando Pessoa

Genialidade, Fernando Pessoa Um homem de génio é produzido por um conjunto complexo de circunstâncias, começando pelas hereditárias, passando pelas do ambiente e acabando em episódios mínimos de sorte. Genialidade, Fernando Pessoa

Leia mais

SEXUALIDADE: DESATANDO OS NÓS NA ADOLESCÊNCIA

SEXUALIDADE: DESATANDO OS NÓS NA ADOLESCÊNCIA SEXUALIDADE: DESATANDO OS NÓS NA ADOLESCÊNCIA Por Marcos Ribeiro* Um pouco dessa história começa por volta dos 10/12 anos, quando meninos e meninas começam a sofrer as primeiras transformações físicas,

Leia mais

O computador que faz e conta piadas.

O computador que faz e conta piadas. O computador que faz e conta piadas. Se vocês pensam que só os humanos contam piadas estão enganados, computadores também tem censo de humor. Apresento-lhes os meus computadores:- O computador principal

Leia mais

Cap. 3 - O PRAZER E A DOR EM ARISTÓTELES Ramiro Marques

Cap. 3 - O PRAZER E A DOR EM ARISTÓTELES Ramiro Marques Cap. 3 - O PRAZER E A DOR EM ARISTÓTELES Ramiro Marques Aristóteles define prazer como "um certo movimento da alma e um regresso total e sensível ao estado natural" (1). A dor é o seu contrário. O que

Leia mais

Tesouro em vaso de barro. Quando o natural é visitado pelo sobrenatural

Tesouro em vaso de barro. Quando o natural é visitado pelo sobrenatural Tesouro em vaso de barro Quando o natural é visitado pelo sobrenatural Consagração Enchendo o vaso com o tesouro - parte 2 Jz. 14 Sansão desceu até a cidade de Timna e ali viu uma moça filisteia. Voltou

Leia mais

de Let s do it (Let s Fall in Love)

de Let s do it (Let s Fall in Love) SINGLE SINGERS BAR ( ) Os alemães em Berlim, fazem Como em Amesterdão Em Bombaim fazem Em Goa, Diu e Damão Galegos, bascos, catalães fazem Em França, em São Francisco e em Guimarães fazem Façamos, amor

Leia mais

Ed. Ellug, 1992. 1 EMERY, Bernard L Humanisme Luso-tropical selon José Maria Ferreira de Castro, Grenoble,

Ed. Ellug, 1992. 1 EMERY, Bernard L Humanisme Luso-tropical selon José Maria Ferreira de Castro, Grenoble, 100 Cartas a Ferreira de Castro, selecção, apresentação e notas por Ricardo António Alves; Sintra, Câmara Municipal de Sintra Gabinete de Estudos Históricos e Documentais Museu Ferreira de Castro, 1992

Leia mais

O ENSINO DE LITERATURA NO ENSINO MÉDIO: UMA TENTATIVA DE ALIAR O CONHECIMENTO AO PRAZER DA LEITURA.

O ENSINO DE LITERATURA NO ENSINO MÉDIO: UMA TENTATIVA DE ALIAR O CONHECIMENTO AO PRAZER DA LEITURA. O ENSINO DE LITERATURA NO ENSINO MÉDIO: UMA TENTATIVA DE ALIAR O CONHECIMENTO AO PRAZER DA LEITURA. JULIANA SYLVESTRE DA SILVA CESILA (UNICAMP). Resumo O desafio do professor de colocar o aluno em contato

Leia mais

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor,

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor, Xixi na Cama Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos mais um livro da coleção Revoluções: Xixi na Cama, do autor mineiro Drummond Amorim. Junto com a obra, estamos também

Leia mais

Histórico do livro Menino brinca de boneca?

Histórico do livro Menino brinca de boneca? Histórico do livro Menino brinca de boneca? Menino brinca de boneca? foi lançado em 1990, com grande aceitação de público e crítica, e vem sendo referência de trabalho para profissionais, universidades,

Leia mais

ESTRUTURAS NARRATIVAS DO JOGO TEATRAL. Prof. Dr. Iremar Maciel de Brito Comunicação oral UNIRIO Palavras-chave: Criação -jogo - teatro

ESTRUTURAS NARRATIVAS DO JOGO TEATRAL. Prof. Dr. Iremar Maciel de Brito Comunicação oral UNIRIO Palavras-chave: Criação -jogo - teatro ESTRUTURAS NARRATIVAS DO JOGO TEATRAL 1 Prof. Dr. Iremar Maciel de Brito Comunicação oral UNIRIO Palavras-chave: Criação -jogo - teatro I - Introdução O teatro, como todas as artes, está em permanente

Leia mais

Riquezas. Vincent Cheung

Riquezas. Vincent Cheung 1 Riquezas Vincent Cheung Jesus diz: Cuidado! Fiquem de sobreaviso contra todo tipo de ganância; a vida de um homem não consiste na quantidade dos seus bens (Lucas 12:15). Desde o início, sabemos que uma

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE CONCURSO VESTIBULAR

PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE CONCURSO VESTIBULAR PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE CONCURSO VESTIBULAR T E A T R O LEIA COM ATENÇÃO 01. Ao receber este caderno de prova verifique se contém 20 questões. Caso contrário, reclame ao fiscal da sala

Leia mais

Prefácio CÂNCER DE MAMA 7

Prefácio CÂNCER DE MAMA 7 Prefácio Quantas vezes você já não ouviu alguém contar uma experiência difícil que viveu em seu ministério? Quantos já não passaram por situações em que não souberam o que dizer ou fazer? Pastores, líderes

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

Quem tem medo da Fada Azul?

Quem tem medo da Fada Azul? Quem tem medo da Fada Azul? Lino de Albergaria Quem tem medo da Fada Azul? Ilustrações de Andréa Vilela 1ª Edição POD Petrópolis KBR 2015 Edição de Texto Noga Sklar Ilustrações Andréa Vilela Capa KBR

Leia mais

Externato Arco-Íris. As salas de aula vestidas de flores. 1.º Ano. 2.º Ano. 3.º Ano. 4.º Ano

Externato Arco-Íris. As salas de aula vestidas de flores. 1.º Ano. 2.º Ano. 3.º Ano. 4.º Ano Externato Arco-Íris a/verão015 r e v a m i r p s n age m i e junho de 2 e io d a m o l, ã ri ç b a e l Co As salas de aula vestidas de flores 1.º Ano 2.º Ano 3.º Ano 4.º Ano Inspiração: obra O Livro da

Leia mais

I Mostra de teatro infantil no Teatro Glaucio Gil agita as férias no Rio

I Mostra de teatro infantil no Teatro Glaucio Gil agita as férias no Rio I Mostra de teatro infantil no Teatro Glaucio Gil agita as férias no Rio I Mostra de Teatro Infantil para toda a Familia promete animar as férias de janeiro, trazendo peças consagradas e uma estreia nacional,

Leia mais

TEATRO DE MARIONETES DE PAUL KLEE E A PRODUÇÃO DE BONECOS.

TEATRO DE MARIONETES DE PAUL KLEE E A PRODUÇÃO DE BONECOS. TEATRO DE MARIONETES DE PAUL KLEE E A PRODUÇÃO DE BONECOS. Amanda Cristina de Sousa amandita_badiana@hotmail.com E.M. Freitas Azevedo Comunicação Relato de Experiência Resumo: O presente relato trata da

Leia mais

LISTA DE RECUPERAÇÃO 8º ANO

LISTA DE RECUPERAÇÃO 8º ANO 1 Nome: nº Data: / /2012 ano bimestre Profa.: Denise LISTA DE RECUPERAÇÃO 8º ANO Nota: 1) A arte barroca ganhou espaço e passou a inaugurar um novo período na arte européia, que já havia experimentado

Leia mais

igrejabatistaagape.org.br [1] Deus criou o ser humano para ter comunhão com Ele, mas ao criá-lo concedeu-lhe liberdade de escolha.

igrejabatistaagape.org.br [1] Deus criou o ser humano para ter comunhão com Ele, mas ao criá-lo concedeu-lhe liberdade de escolha. O Plano da Salvação Contribuição de Pr. Oswaldo F Gomes 11 de outubro de 2009 Como o pecado entrou no mundo e atingiu toda a raça humana? [1] Deus criou o ser humano para ter comunhão com Ele, mas ao criá-lo

Leia mais