Ministério do Reino/Informações dos governadores e magistrados das ilhas adjacentes e ultramar ( )

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ministério do Reino/Informações dos governadores e magistrados das ilhas adjacentes e ultramar ( )"

Transcrição

1 Ministério do Reino/Informações dos governadores e magistrados das ilhas adjacentes e ultramar ( ) Teresa Tremoceiro de Novembro A Torre do Tombo ao encontro de Todos em

2 Informações dos governadores e magistrados das ilhas adjacentes e ultramar (série) Dimensão: 14 maços (por descrever com documentação desorganizada). Tratamento arquivístico concluído em 2011: A recuperação possível da ordem original dos documentos, na sua maioria compostos, Cotação. 2

3 Secretaria de Estado dos Negócios do Reino Atribuições relativas aos territórios ultramarinos: Concessão de homenagens ao governo, capitania ou fortaleza Despacho de mercês por graça ou remuneração de serviços Concessão de benefícios das Ordens Militares Outras 3

4 Áreas geográficas Territórios ultramarinos portugueses: Brasil, Angola, Índia, Açores, Moçambique, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe, Madeira, China (Macau) 4

5 Assinalados a vermelho os territórios ultramarinos portugueses no séc. XVII, XVIII Referência: LAGARTIXA, Custódio; PEREIRA, Helena e GOMES, José - Viver a História: 8.º ano. 2.ª ed. Carnaxide: Santillana Constância, p. 77. ISBN:

6 Brasil Documenta actividades desenvolvidas por: Juntas provisionais dos governos, Juntas provisórias, governadores de algumas capitanias, bispos do Pará e Maranhão, Localidades dominantes: Baía, Maranhão e Pará (capitanias/províncias), Trata sobre o comércio de escravos da costa de África, algodão, tabaco, cochonilha, café, cacau, ouro, índios, missões 6

7 Mapa das exportações do Maranhão para Lisboa (1780) Cota actual: Ministério do Reino, mç

8 Imagem da planta Nopal - onde é produzida a cochinilha assinalada a branco (em anexo de um documento de 1789) Cota actual: Ministério do Reino, mç

9 Mapa de ouro fundido na Casa da Fundição de Goiás (1755) Cota actual: Ministério do Reino, mç

10 Angola Correspondência na sua maioria dos governadores, com referências a rainha Ginga, proveniente de Luanda (São Paulo de Assunção) e Benguela. Assuntos abordados: - comércio/extracção de negros/escravos para o Brasil (embarcações e costumes), - comércio/transporte de marfim, urzela (corante), animais selvagens, - fortalezas, fortificações, presídios. 10

11 Angola Mapa dos escravos exportados da capitania de Benguela para o Brasil (1762 a 1795) Cota actual: Ministério do Reino, mç. 604, 11

12 Excerto de contrato dos direitos dos escravos e marfim de Angola (1758) Cota actual: Ministério do Reino, mç

13 Índia Documentos produzidos pelos vice-reis da Índia, na sua maioria em Goa e Diu. Temáticas: Missões, jesuítas, mandarins, chá proveniente da China, marfim. 13

14 Açores São Miguel, Terceira, Faial e Pico Mercadores de vinhos de Ponta Delgada Condecorações Madeira Governador da ilha, governador do Forte de São Filipe, juízes do povo Plantações de vinhas na freguesia de Câmara de Lobos 14

15 Moçambique Governadores e governo provisório desta capitania Condecorações e nomeações Memórias de toda a África Oriental Artilharia e munições Cabo Verde Ribeira Grande (ilha de Santiago) Memória sobre estado da instrução pública 15

16 São Tomé e Príncipe Ofícios produzidos por: governador geral, governadores destas ilhas, pelo presidente do governo provisório Contém mapas da população 16

17 China (Macau) Correspondência dos governadores de Macau Nau Nossa Senhora da Conceição Ofício de Rodrigo de Castro, governador de Macau, para o Conde de Oeiras, secretário de Estado do Reino (1770) Cota actual: Ministério do Reino, mç

18 Relações entre territórios (dominantes nesta documentação): Entre capitanias do Brasil Entre Angola e o Brasil Plantas/mapas existentes Plantas/mapas retirados encontram-se na Colecção de plantas, mapas e outros documentos iconográficos, série do mesmo fundo. 18

19 O comércio no Império Português no séc. XVI Referência: REIS, A. do Carmo - Atlas dos Descobrimentos. Porto: Porto Editora, p

1 - OBRAS PUBLICADAS. 30 ANOS DE AUTONOMIA, , 2.ª edição revista, Assembleia Legislativa, Região Autónoma da Madeira, 2009.

1 - OBRAS PUBLICADAS. 30 ANOS DE AUTONOMIA, , 2.ª edição revista, Assembleia Legislativa, Região Autónoma da Madeira, 2009. 1 - OBRAS PUBLICADAS ROTEIROS REPUBLICANOS, MADEIRA, ed. Comissão Nacional para a Celebração dos 100 Anos da República, vol. 3, Diário de Notícias, Lisboa e Jornal de Notícias, Porto, lançamento a 31 de

Leia mais

'. A. Guia de Fontes Portuguesas para a História da Ásia. Instituto dos Arquivos Nacionais / Torre do Tombo. Volume I

'. A. Guia de Fontes Portuguesas para a História da Ásia. Instituto dos Arquivos Nacionais / Torre do Tombo. Volume I '. A y Instituto dos Arquivos Nacionais / Torre do Tombo Guia de Fontes Portuguesas para a História da Ásia Volume I Elaborado por: Fernanda Olival Isabel Castro Pina Maria Cecília Henriques Maria João

Leia mais

Provedoria e Junta da Real Fazenda do Funchal: tratamento arquivístico em 2012

Provedoria e Junta da Real Fazenda do Funchal: tratamento arquivístico em 2012 Provedoria e Junta da Real Fazenda do Funchal: tratamento arquivístico em 2012 Teresa Tremoceiro Fátima Ó Ramos Arquivo Nacional da Torre do Tombo (ANTT) Divisão de Tratamento Técnico Documental e Aquisições

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CUBA Escola Básica Integrada c/ Jardim de Infância Fialho de Almeida, Cuba Ano Lectivo 2007/2008

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CUBA Escola Básica Integrada c/ Jardim de Infância Fialho de Almeida, Cuba Ano Lectivo 2007/2008 Planificação Anual da Área Curricular de História e Geografia de Portugal 5º Ano 1. Mobilizar saberes culturais, científicos e tecnológicos para compreender a realidade e para abordar situações e problemas

Leia mais

A Expansão Portuguesa. Portugal e o Mundo nos séculos XV e XVI

A Expansão Portuguesa. Portugal e o Mundo nos séculos XV e XVI A Expansão Portuguesa Portugal e o Mundo nos séculos XV e XVI Na Europa, as terras e povos desconhecidos surgiam em mapas, pinturas, gravuras e livros que influenciaram o pensamento europeu. A acção da

Leia mais

A expansão portuguesa do século XV

A expansão portuguesa do século XV A expansão do século XV O gigante Adamastor Águas ferventes e terra plana Motivações da expansão O Motivações sociais: O Clero: expandir a fé cristã entre outros povos O Nobreza: obter recompensas

Leia mais

POLÍTICAS CULTURAIS EM ÁFRICA

POLÍTICAS CULTURAIS EM ÁFRICA POLÍTICAS CULTURAIS EM ÁFRICA Patrimónios de Influência Portuguesa www.patrimonios.pt Literaturas Africanas em 4 livros Heritage of Portuguese Influence (base de dados) www.hpip.org José Luandino Vieira

Leia mais

O IMPÉRIO ULTRAMARINO PORTUGUÊS PROF. FELIPE KLOVAN COLÉGIO JOÃO PAULO I

O IMPÉRIO ULTRAMARINO PORTUGUÊS PROF. FELIPE KLOVAN COLÉGIO JOÃO PAULO I O IMPÉRIO ULTRAMARINO PORTUGUÊS PROF. FELIPE KLOVAN COLÉGIO JOÃO PAULO I AS CONQUISTAS PORTUGUESAS Prof. Felipe Klovan Maior império colonial europeu entre 1415 1557 Várias formas de relação colonial Relações

Leia mais

Título Autor Editor L ISBN / EAN / EP PVP Características CAPA

Título Autor Editor L ISBN / EAN / EP PVP Características CAPA O Portugal Vínicola B. C. Cincinnato da Costa FR 972-9402-61 0000024 1000,00 35 x 50 cm 483 Páginas Miolo cozido 2000 Os Vinhos Verdes Rui Graça Feijó 972-9402-02-7 000100 221 Páginas Os Vinhos Verdes

Leia mais

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 11 A UNIÃO IBÉRICA (1580)

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 11 A UNIÃO IBÉRICA (1580) HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 11 A UNIÃO IBÉRICA (1580) Como pode cair no enem (FUVEST) Sobre a presença francesa na Baía de Guanabara (1557-60), podemos dizer que foi: a) apoiada por armadores franceses

Leia mais

AGRADECIMENTOS 17 PREFÁCIO 21. INTRODUçAo 33 I PARTE - GEOGRAFIA E HISTÓRIA CIVIL 37. Geografia 39 História Civil ~ 43

AGRADECIMENTOS 17 PREFÁCIO 21. INTRODUçAo 33 I PARTE - GEOGRAFIA E HISTÓRIA CIVIL 37. Geografia 39 História Civil ~ 43 AGRADECIMENTOS 17 PREFÁCIO 21 INTRODUçAo 33 I PARTE - GEOGRAFIA E HISTÓRIA CIVIL 37 Geografia 39 História Civil ~ 43 11PARTE - HISTÓRIA ECLESIÁSTICA - I PERÍODO.47 Os Dominicanos na Insulíndia 49 Capítulo

Leia mais

HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL

HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 5.º ANO SEGUNDO CICLO DO ENSINO BÁSICO ANA FILIPA MESQUITA CLÁUDIA VILAS BOAS HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL DOMÍNIO A DOMÍNIO B A PENÍNSULA IBÉRICA: LOCALIZAÇÃO E QUADRO NATURAL A PENÍNSULA IBÉRICA:

Leia mais

CONTEÚDOS HISTÓRIA 4º ANO COLEÇÃO INTERAGIR E CRESCER

CONTEÚDOS HISTÓRIA 4º ANO COLEÇÃO INTERAGIR E CRESCER CONTEÚDOS HISTÓRIA 4º ANO COLEÇÃO INTERAGIR E CRESCER UNIDADE 1 O TEMPO E AS ORIGENS DO BRASIL 1. Contando o tempo Instrumentos de medida do tempo Medidas de tempo: década, século, milênio Linha do tempo

Leia mais

HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL - 6º Ano PLANIFICAÇÃO ANUAL º PERÍODO: 13 semanas (+/- 26 tempos)

HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL - 6º Ano PLANIFICAÇÃO ANUAL º PERÍODO: 13 semanas (+/- 26 tempos) HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL - 6º Ano PLANIFICAÇÃO ANUAL 2013-2014 1º PERÍODO: 13 semanas (+/- 26 tempos) Diagnóstico e atividades preparatórias (2 tempos) Rever a última matéria de 5ºano 3.3. A vida

Leia mais

O Expansionismo Europeu

O Expansionismo Europeu O Expansionismo Europeu História 8.º ano 1. Classifica as seguintes afirmações em verdadeiras (V) ou falsas (F). Quais os interesses da Coroa portuguesa na expansão marítima? a) Ter acesso a novas fontes

Leia mais

MUNDIAL. Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons

MUNDIAL. Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons O COMÉRCIO À ESCALA MUNDIAL Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons 9ª AULA - SUMÁRIO O comércio à escala mundial. As novas rotas do comércio intercontinental. A circulação de produtos

Leia mais

FILIAIS E AGÊNCIAS DO BNU - A implementação da rede de agências do Banco Nacional Ultramarino -

FILIAIS E AGÊNCIAS DO BNU - A implementação da rede de agências do Banco Nacional Ultramarino - FILIAIS E AGÊNCIAS DO BNU - A implementação da rede de agências do Banco Nacional Ultramarino - O desenvolvimento da área financeira em Portugal teve a sua eclosão na segunda metade do século XIX. Um exemplo

Leia mais

COLONIZAÇÃO DO BRASIL

COLONIZAÇÃO DO BRASIL COLONIZAÇÃO DO BRASIL Segundo relatos históricos, a colonização do Brasil iniciou quando os portugueses, liderados por Pedro Álvares Cabral, aportaram na terra que hoje chamamos de Brasil. A terra era

Leia mais

FRANCESES NO BRASIL FORTALEZA DE SANTA CRUZ DA BARRA - NITERÓI

FRANCESES NO BRASIL FORTALEZA DE SANTA CRUZ DA BARRA - NITERÓI FRANCESES NO BRASIL FORTALEZA DE SANTA CRUZ DA BARRA - NITERÓI AS INVASÕES FRANCESAS 2ª invasão 1612 Maranhão Fundação da França Equinocial e a Cidade de São Luís Comandante Daniel de La Touche Obs: esse

Leia mais

Definição do livro. A Globalização, Análise da Ascensão e Queda de Portugal como 1ª potência global (séc. XV ao séc. XX), Perspectivas para o futuro.

Definição do livro. A Globalização, Análise da Ascensão e Queda de Portugal como 1ª potência global (séc. XV ao séc. XX), Perspectivas para o futuro. Definição do livro A Globalização, Análise da Ascensão e Queda de Portugal como 1ª potência global (séc. XV ao séc. XX), Perspectivas para o futuro. A Herança das descobertas para a geração do século XXI.

Leia mais

SIGNIFICADO DOS VERBOS UTILIZADOS NOS TESTES

SIGNIFICADO DOS VERBOS UTILIZADOS NOS TESTES REVISTA Nº26 7/4/06 18:26 Página 36 SIGNIFICADO DOS VERBOS UTILIZADOS NOS TESTES VERBO SIGNIFICADO EXEMPLOS APONTA Indica / Refere Aponta as diferenças entre católicos e protestantes. ASSINALA Marca com

Leia mais

Domínios Estrangeiros e Economia Colonial. Alan

Domínios Estrangeiros e Economia Colonial. Alan Domínios Estrangeiros e Economia Colonial Alan A França Antártica Passo inicial: expedição de Nicolas Durand de Villegaignon Chegaram à baía da Guanabara (RJ), em 1555 Junto de 290 colonos, aliaram-se

Leia mais

Fundos, metodologias, produtos e desafios na elaboração do Guia dos Fundos Eclesiásticos da Torre do Tombo

Fundos, metodologias, produtos e desafios na elaboração do Guia dos Fundos Eclesiásticos da Torre do Tombo Fundos, metodologias, produtos e desafios na elaboração do Guia dos Fundos Eclesiásticos da Torre do Tombo 1 Guia Geral de Fundos e Colecções da TT Inst. Antigo Regime: Administração Central Inst. Antigo

Leia mais

Cópia autorizada. II

Cópia autorizada. II II Sugestões de avaliação Geografia 5 o ano Unidade 2 5 Unidade 2 Nome: Data: 1. Por que o território dos países costuma ser dividido em porções menores, como estados e municípios? Observe o mapa a seguir

Leia mais

Renascimento, Reformas, Grandes Navegações, Mercantilismo e Colonialismo

Renascimento, Reformas, Grandes Navegações, Mercantilismo e Colonialismo Renascimento, Reformas, Grandes Navegações, Mercantilismo e Colonialismo Renascimento e Reformas 1. As imagens abaixo ilustram alguns procedimentos utilizados por um novo modo de conhecer e explicar a

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO ANUAL 2º CICLO HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 5.º ANO Documento(s) Orientador(es): Programa de História e Geografia de Portugal

Leia mais

PORTUGAL E OS DESCOBRIMENTOS NA MAXIMAFILIA

PORTUGAL E OS DESCOBRIMENTOS NA MAXIMAFILIA A. EURICO CARLOS ESTEVES LAGE CARDOSO PORTUGAL E OS DESCOBRIMENTOS NA MAXIMAFILIA EDIÇÃO DO AUTOR LISBOA 1998 ÍNDICE A - CAUSAS PARTICULARES DA EXPANSÃO MARÍTIMA.. 7 1. Situação Geográfica e Política do

Leia mais

A VIAGEM DE VASCO DA GAMA À ÍNDIA

A VIAGEM DE VASCO DA GAMA À ÍNDIA A 312 HISTÓRIA DA MARINHA PORTUGUESA A VIAGEM DE VASCO DA GAMA À ÍNDIA 1497-1499 Coordenador JOSÉ MANUEL GARCIA Autores JOSÉ MANUEL GARCIA FERNANDO GOMES PEDROSA JOSÉ MANUEL MALHÃO PEREIRA MARÍLIA DOS

Leia mais

Construir Parcerias quer dizer ter a oportunidade e a coragem de empreender, no mercado dos Países de Língua Portuguesa, de forma a se obter um

Construir Parcerias quer dizer ter a oportunidade e a coragem de empreender, no mercado dos Países de Língua Portuguesa, de forma a se obter um CRESCIMENTO DESENVOLVIMENTO PARCERIAS Construir Parcerias quer dizer ter a oportunidade e a coragem de empreender, no mercado dos Países de Língua Portuguesa, de forma a se obter um espaço (CONFEDERAÇÃO

Leia mais

DIPLOMATAS PORTUGUESES NO BRASIL Por Carlos Eduardo Barata. Parte II (Continuação) = 1844 = 12 D. JOSÉ DE VASCONCELOS E SOUZA [o mesmo do ítem 11-2]

DIPLOMATAS PORTUGUESES NO BRASIL Por Carlos Eduardo Barata. Parte II (Continuação) = 1844 = 12 D. JOSÉ DE VASCONCELOS E SOUZA [o mesmo do ítem 11-2] DIPLOMATAS PORTUGUESES NO BRASIL Por Carlos Eduardo Barata Parte II (Continuação) = 1844 = 12 D. JOSÉ DE VASCONCELOS E SOUZA [o mesmo do ítem 11-2] A partir de 1844, aparece servindo na função de Encarregado

Leia mais

Transforma os anos em séculos.

Transforma os anos em séculos. Transforma os anos em séculos. 1 Indica um ano que pertença a cada um dos seguintes séculos: 2 Indica os séculos dos a que correspondem os seguintes anos: 3 Ordena, cronologicamente, os acontecimentos,

Leia mais

Potências marítimas: Novas (burguesia) Antigas (nobreza) Portugal Espanha Holanda Inglaterra França

Potências marítimas: Novas (burguesia) Antigas (nobreza) Portugal Espanha Holanda Inglaterra França 1. O tempo do grande comércio oceânico Criação/crescimento de grandes companhias de comércio europeias: - Companhia das Índias Ocidentais (1600 Londres) - Companhia Inglesa das Índias Orientais (Londres

Leia mais

ÁFRICA NA CARTOGRAFIA PORTUGUESA (séculos XV-XX)

ÁFRICA NA CARTOGRAFIA PORTUGUESA (séculos XV-XX) ÁFRICA NA CARTOGRAFIA PORTUGUESA (séculos XV-XX) Professor Doutor João Carlos Garcia Universidade do Porto - Portugal DISCIPLINA DO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM HISTÓRIA SOCIAL/APOIO DA PRÓ REITORIA DE

Leia mais

Base de Dados das Empresas Novas Portugal

Base de Dados das Empresas Novas Portugal Base de Dados de Portugal É a Base de Dados das empresas e entidades Portuguesas mais completa e mais utilizada por profissionais em Portugal. Campos: NIF, Entidade, Morada, Localidade, Código postal,

Leia mais

A MÃO-DE-OBRA AFRICANA NA ECONOMIA DO GRÃO-PARÁ *

A MÃO-DE-OBRA AFRICANA NA ECONOMIA DO GRÃO-PARÁ * 1 A MÃO-DE-OBRA AFRICANA NA ECONOMIA DO GRÃO-PARÁ * Sônia Viana do Nascimento ** RESUMO: Este artigo enfatiza a força da mão-de-obra negra de origem africana no Estado do Grão-Pará, nos séculos XVII-XIX.

Leia mais

MÓDULO 02 - PERÍODO PRÉ-COLONIAL E ASPECTOS ADMINISTRATIVOS,ECONÔMICOS E SOCIAIS DA COLONIZAÇÃO

MÓDULO 02 - PERÍODO PRÉ-COLONIAL E ASPECTOS ADMINISTRATIVOS,ECONÔMICOS E SOCIAIS DA COLONIZAÇÃO MÓDULO 02 - PERÍODO PRÉ-COLONIAL E ASPECTOS ADMINISTRATIVOS,ECONÔMICOS E SOCIAIS DA COLONIZAÇÃO 2.1- O BRASIL PRÉ-COLONIAL ( 1500-1530 ) Período que antecedeu a colonização. Interesse português:índias.

Leia mais

IAN/TT CODIFICAÇÃO DO NOME DOS MUNICÍPIOS E DAS FREGUESIAS

IAN/TT CODIFICAÇÃO DO NOME DOS MUNICÍPIOS E DAS FREGUESIAS IAN/TT PROGRAMA DE NORMALIZAÇÃO DA DESCRIÇÃO EM ARQUIVO CODIFICAÇÃO DO NOME DOS MUNICÍPIOS E DAS FREGUESIAS 3ª VERSÃO ABRIL 2006 Codificação do nome dos municípios e freguesias Introdução à 3ª versão de

Leia mais

Governo Regional da Madeira * Secretaria Regional da Educação e Recursos Humanos * Direção Regional dos Recursos Humanos e da Administração Educativa

Governo Regional da Madeira * Secretaria Regional da Educação e Recursos Humanos * Direção Regional dos Recursos Humanos e da Administração Educativa Ensino Especial 100.EE Educação Pré-escolar - Educação Especial 1 1747 Cristiana do Carmo Vítor Correia Teixeira 2.ª 3103116 EB1/PE do Tanque (Santo António) LCLPBL001 1 /11 06-10-2014 Ensino Especial

Leia mais

HENRIQUE DE PAIVA COUCEIRO Indivíduo, militar e político

HENRIQUE DE PAIVA COUCEIRO Indivíduo, militar e político HENRIQUE DE PAIVA COUCEIRO Indivíduo, militar e político Prefácio I-1 Antes de mais queria dizer e salientar que é uma grande responsabilidade falar sobre Paiva Couceiro, mesmo sendo simplesmente para

Leia mais

difusão cdie bibliográfica janeiro 2015 centro de documentação e informação em educação Editorial

difusão cdie bibliográfica janeiro 2015 centro de documentação e informação em educação Editorial dge difusão 52 bibliográfica janeiro 2015 cdie centro de documentação e informação em educação Travessa das Terras de Sant Ana, 15 1250-269 Lisboa tel: 213 895 117/8 fax: 213 895 299 Estes registos bibliográficos

Leia mais

PT/AHM/FO/006/L/ :11:58 SR PT/AHM/FO/006/L/14. Datas descritivas Produtor. Cx. 752: sargentos, 1935 Cx.

PT/AHM/FO/006/L/ :11:58 SR PT/AHM/FO/006/L/14. Datas descritivas Produtor. Cx. 752: sargentos, 1935 Cx. PT/AHM/FO/006/L/14 Nível de descrição Código de referência Título SR PT/AHM/FO/006/L/14 Datas descritivas 1931-1939 Condecorações e Louvores. Dimensão e suporte 42 processos (cxs. 751-763). Produtor Ministro

Leia mais

Localização. Data. Monumento Interesse Municipal IM Acta 29/04

Localização. Data. Monumento Interesse Municipal IM Acta 29/04 Calheta 22 01 01 01 Arco da Calheta Capela de Nossa Senhora do Loreto Monumento Interesse Público IP DG 1ª série, nº 226 Dec. 129/77 29/09/77 22 01 01 02 Capela de Nossa Senhora da Conceição Monumento

Leia mais

António Furtado Gráfica Eborense Évora 1969 24,5 x 19 cm 12 p. 4. Lda Lisboa 1949 26 x 19,5 cm 183 p. 10 sua História: Vol. 1

António Furtado Gráfica Eborense Évora 1969 24,5 x 19 cm 12 p. 4. Lda Lisboa 1949 26 x 19,5 cm 183 p. 10 sua História: Vol. 1 A abolição da pena de morte António Furtado 1969 24,5 x 19 cm 12 p. 4 dos Santos A Família Pousão em Elvas (Elementos para a Eurico Gama Minerva Comercial, 24,5 x 19 cm 29 p. 5 Biografia do Pintor Henrique

Leia mais

BRASIL COLÔNIA ( )

BRASIL COLÔNIA ( ) 1 - O CICLO DO AÇÚCAR Séc. XVI e XVII (auge). Nordeste (BA e PE). Litoral. Solo e clima favoráveis. Experiência de cultivo (Açores, Cabo Verde e Madeira). Mercado consumidor. Alto valor na Europa. Participação

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Gabinete do Presidente NOTA INFORMATIVA

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Gabinete do Presidente NOTA INFORMATIVA NOTA INFORMATIVA Para os efeitos tidos por convenientes, tenho a honra de informar esse órgão de Comunicação Social, que Sua Excelência o Presidente da ALRAA, Senhor Dr. Fernando Menezes, receberá em audiência

Leia mais

Do litoral para o interior do país Séculos XVI e XVII

Do litoral para o interior do país Séculos XVI e XVII Do litoral para o interior do país Séculos XVI e XVII As entradas : expedições montadas por pessoas que partiam de vários locais do país e se aventuravam pelo sertão à procura de ouro e pedras preciosas.

Leia mais

Do litoral para o interior do país Séculos XVI e XVII

Do litoral para o interior do país Séculos XVI e XVII Do litoral para o interior do país Séculos XVI e XVII As entradas : expedições montadas por pessoas que partiam de vários locais do país e se aventuravam pelo sertão à procura de ouro e pedras preciosas.

Leia mais

Índice. Aquisições da nacionalidade portuguesa (Nº), por tipo de aquisição e sexo,

Índice. Aquisições da nacionalidade portuguesa (Nº), por tipo de aquisição e sexo, Índice Processos Entrados e Findos de Concessão de Nacionalidade Portuguesa, de 2007 a 2011, por Artigo da Lei da Nacionalidade (Lei n.º 37/81, de 3 de Outubro alterada e republicada pela Lei Orgânica

Leia mais

Escola EB, 2,3, DE Aranguez Ano lectivo de 2009/2010. Disciplina de Geografia 7ºano

Escola EB, 2,3, DE Aranguez Ano lectivo de 2009/2010. Disciplina de Geografia 7ºano Escola EB, 2,3, DE Aranguez Ano lectivo de 2009/2010 Disciplina de Geografia 7ºano Portugal Continental localiza-se no extremo Sudoeste da Europa, a Oeste do continente Asiático a Norte do continente

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO I ETAPA LETIVA HISTÓRIA 4.º ANO/EF

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO I ETAPA LETIVA HISTÓRIA 4.º ANO/EF SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA MANTENEDORA DA PUC Minas E DO COLÉGIO SANTA MARIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO I ETAPA LETIVA HISTÓRIA 4.º ANO/EF 2016 Caro(a) aluno(a), É tempo de conferir os conteúdos estudados

Leia mais

[ t ; i; ÍNDICE GERAL. APRESENTAÇÃO í 17. PREFÁCIO. il 19. AGRADECIMENTOS í 23 INTRODUÇÃO ;, 27. i 1. Âmbito e objectivos do trabalho 35

[ t ; i; ÍNDICE GERAL. APRESENTAÇÃO í 17. PREFÁCIO. il 19. AGRADECIMENTOS í 23 INTRODUÇÃO ;, 27. i 1. Âmbito e objectivos do trabalho 35 ÍNDICE GERAL APRESENTAÇÃO í 17 js [ t ; i; PREFÁCIO. il 19 AGRADECIMENTOS í 23 INTRODUÇÃO ;, 27 PAUTE I - DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO t i 1. Âmbito e objectivos do trabalho 35 2. Metodologia ;. 53 2.1. (Considerações

Leia mais

Os Arquivos da Inquisição

Os Arquivos da Inquisição A/495306 Maria do Carmo Jasmins Dias Farinha Os Arquivos da Inquisição Série IDD's Arquivo Nacional da Torre do Tombo Serviço de Publicações e Divulgação Lisboa -1990 Nota prévia 7 Prefácio Introdução

Leia mais

Expansão Portuguesa Sécs. XV e XVI

Expansão Portuguesa Sécs. XV e XVI Expansão Portuguesa Sécs. XV e XVI VENHAM COMIGO FAZER UMA VIAGEM PELA EXPANSÃO MARÍTIMA PORTUGUESA! No final, devem saber: Quando começou; Qual foi a 1ª conquista dos Portugueses; Quem era o rei nessa

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 5º ANO História e Geografia de Portugal

PLANIFICAÇÃO ANUAL DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 5º ANO História e Geografia de Portugal PLANIFICAÇÃO ANUAL DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 5º ANO História e Geografia de Portugal Tema 0 - Conhecer o Manual 2012/2013 Aulas previstas-5 1º Período Apresentação Material necessário para o

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA. História e Geografia de Portugal Junho de º Ano, de Escolaridade - 2.º Ciclo do Ensino Básico

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA. História e Geografia de Portugal Junho de º Ano, de Escolaridade - 2.º Ciclo do Ensino Básico INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA História e Geografia de Portugal Junho de 2014 Prova (05) 2014 6.º Ano, de Escolaridade - 2.º Ciclo do Ensino Básico Objeto de avaliação A prova tem por referência

Leia mais

Bibliografia. Toponímia da Madeira

Bibliografia. Toponímia da Madeira Bibliografia Toponímia da Madeira ABREU, Paula - Ruas à distância de um século. Revista Jornal. (26 de Abril de 2003). p. 31 ABREU, Paula - Nossa Senhora como recompensa: sítio da Ajuda com nome da padroeira

Leia mais

Aulas Previstas 1º período - 2º período 3º período - O (a) professor (a) em /09/2008

Aulas Previstas 1º período - 2º período 3º período - O (a) professor (a) em /09/2008 1 Programa de História e Geografia de Portugal - 5º ANO Tema A A Península Ibérica lugar de passagem e fixação Subtema 1 Ambiente natural e primeiros povos Subtema 2 Os romanos na PI resistência e romanização

Leia mais

ATIVIDADES ESTRATÉGIAS

ATIVIDADES ESTRATÉGIAS ENSINO BÁSICO Agrupamento de Escolas Nº 1 de Abrantes ESCOLA BÁSICA DOS 2.º E 3.º CICLOS D. MIGUEL DE ALMEIDA DISCIPLINA: HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL ANO: 5º ANO 2013/2014 METAS DE APRENDIZAGEM: A

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO II ETAPA LETIVA HISTÓRIA 4.º ANO/EF 2015

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO II ETAPA LETIVA HISTÓRIA 4.º ANO/EF 2015 SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA MANTENEDORA DA PUC Minas E DO COLÉGIO SANTA MARIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO II ETAPA LETIVA HISTÓRIA 4.º ANO/EF 2015 Caro(a) aluno(a), É tempo de conferir os conteúdos estudados

Leia mais

EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ANO LETIVO 2011/2012 MATRIZ DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL

EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ANO LETIVO 2011/2012 MATRIZ DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL MATRIZ DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 1. Introdução Os exames de equivalência à frequência incidem sobre a aprendizagem definida para o final do 2.º ciclos do ensino básico, de acordo

Leia mais

Atlas das Cidades Portuguesas

Atlas das Cidades Portuguesas Informação à Comunicação Social 7 de Junho de 2002 Atlas das Cidades Portuguesas Pela primeira vez o INE edita um Atlas das Cidades de Portugal, publicação que reúne um conjunto de indicadores sobre as

Leia mais

2 Cartas Náuticas. Edição Reimpressão ª Ago Portugal Continental, Arquipélago dos Açores. Título Escala 1: e Arquipélago da Madeira

2 Cartas Náuticas. Edição Reimpressão ª Ago Portugal Continental, Arquipélago dos Açores. Título Escala 1: e Arquipélago da Madeira Publicação Título Escala 1: Nac. INT Edição Reimpressão 11101 Portugal Continental, Arquipélago dos Açores e Arquipélago da Madeira 2 500 000 1ª Ago 2002 21101 1081 Cabo Finisterre a Casablanca 1 000 000

Leia mais

História do Brasil (C) Apostila 2. Prof.ª Celiane

História do Brasil (C) Apostila 2. Prof.ª Celiane História do Brasil (C) Apostila 2 Prof.ª Celiane A mineração A descoberta de ouro na região das Minas Gerais aconteceu no final do século XVII (em 1693). Além das MG muito ouro foi encontrado em GO, MG

Leia mais

TESOUROS DA JOALHARIA EM PORTUGAL E NO BRASIL

TESOUROS DA JOALHARIA EM PORTUGAL E NO BRASIL TESOUROS DA JOALHARIA EM PORTUGAL E NO BRASIL Prof. Doutor Gonçalo de Vasconcelos e Sousa Professor Catedrático e Director CITAR/EA-UCP RESUMO O conhecimento da História da Joalharia em Portugal e no Brasil

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AGUALVA MIRA SINTRA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AGUALVA MIRA SINTRA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AGUALVA MIRA SINTRA código 171608 Escola Básica D. Domingos Jardo MANUAL ADOPTADO: HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL - HGP AUTORES: ANA OLIVEIRA/ FRANCISCO CANTANHEDE/ MARÍLIA GAGO

Leia mais

Roteiro de Fontes da História Portuguesa Contemporânea

Roteiro de Fontes da História Portuguesa Contemporânea Roteiro de Fontes da História Portuguesa Contemporânea Arquivos do Estado Arquivo da C. M. Lisboa Joel Serrão MariaJosé da Silva Leal Miriam Halpern Pereira ' i.kjl,i, J ~'.,.... '.,'.,.- I ;;,VlY;f.'l':"".'

Leia mais

exposição 25 de Abril

exposição 25 de Abril exposição 25 de Abril 18 Abril - 31 Maio 2001 Fotografias de Alfredo Cunha Legendas de Adelino Gomes Documentos do Arquivo Mário Soares Fundação Mário Soares Rua de S. Bento, 160 todos os dias úteis 14.30-19.30

Leia mais

DISCIPLINA DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA 5.º Ano

DISCIPLINA DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA 5.º Ano 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS COMPETÊNCIAS GERAIS - Pesquisar, seleccionar e organizar informação para a transformar em conhecimento mobilizável. (C. G. 6) - Usar adequadamente linguagens das diferentes áreas

Leia mais

A Historiografia do Brasil Colonial tem início em 22 de abril de 1500 com a chegada dos portugueses.

A Historiografia do Brasil Colonial tem início em 22 de abril de 1500 com a chegada dos portugueses. A Historiografia do Brasil Colonial tem início em 22 de abril de 1500 com a chegada dos portugueses. A Colônia é o período da História do Brasil que engloba os anos de 1500 a 1822. Ele começa com a chegada

Leia mais

DADOS ESTATÍSTICOS. EXPORTAÇÃO e EXPEDIÇÃO de VINHOS e PRODUTOS VÍNICOS JUNHO

DADOS ESTATÍSTICOS. EXPORTAÇÃO e EXPEDIÇÃO de VINHOS e PRODUTOS VÍNICOS JUNHO DADOS ESTATÍSTICOS EXPORTAÇÃO e EXPEDIÇÃO de VINHOS e PRODUTOS VÍNICOS JUNHO - 2010 Fonte: INE, IP Elaboração: IVV, IP - Departamento de Organização, Estudos de Mercado e Promoção (DOEMP) 1º semestre de

Leia mais

BRASIL PORTUGUÊS PERÍODO PRÉ COLONIAL PERÍODO COLONIAL PROF. DE HISTÓRIA TÁCIUS FERNANDES BLOG:

BRASIL PORTUGUÊS PERÍODO PRÉ COLONIAL PERÍODO COLONIAL PROF. DE HISTÓRIA TÁCIUS FERNANDES BLOG: BRASIL PORTUGUÊS PERÍODO PRÉ COLONIAL PERÍODO COLONIAL 1. ESPANHA X PORTUGAL A BULA INTER COETERA ASSINADO EM 1493. LINHA IMAGINÁRIA A 100 LÉGUAS A OESTE DE CABO VERDE. LESTE: PORTUGAL. OESTE: ESPANHA.

Leia mais

Mapa de Adesão à Greve - Ministério da Saude. Trabalhadores

Mapa de Adesão à Greve - Ministério da Saude. Trabalhadores Data da greve: 30-11-2007 Mapa de Adesão à Greve - Ministério da Saude Trabalhadores Serviços desconcentrados ou periféricos Serviços Total Total - Adesão à Greve Total Encerrados devido à Greve Administração

Leia mais

Catálogo do leilão VI

Catálogo do leilão VI Catálogo do leilão VI Notas do Ultramar Português Raridades de Angola, Cabo Verde, Guiné, Índia Macau, Moçambique, São Tomé e Príncipe e Timor 17 JULHO 2014 às 16:00 Local: Hotel Sheraton Lisboa, Sala

Leia mais

Ligações que tornam o mundo global

Ligações que tornam o mundo global Ligações que tornam o mundo global Ligação ao Porto do Funchal Ilha da Madeira, Portugal www.tecnovia.pt Ligação ao Porto do Funchal Ilha da Madeira, Portugal Empreitada de Reabilitação do Molhe Oeste

Leia mais

Enlaces útiles/ Esteka Interesgarriak. Jornais e revistas

Enlaces útiles/ Esteka Interesgarriak. Jornais e revistas DEPARTAMENTO DE PORTUGUES // PORTUGALERA DEPARTAMENTUA PORTUGAL Nacionais http://www.publico.clix.pt http://www.expresso.pt http://www.correiomanha.pt http://www.dn.pt http://www.visaoonline.pt http://www.acapital.pt

Leia mais

Expansão do território brasileiro

Expansão do território brasileiro Expansão do território brasileiro O território brasileiro é resultado de diferentes movimentos expansionistas que ocorreram no Período Colonial, Imperial e Republicano. Esse processo ocorreu através de

Leia mais

Observe com atenção o mapa a seguir:

Observe com atenção o mapa a seguir: º Tempo / beta Nome: Nº: Ensino Fundamental AVALIAÇÃO MULTIDISCIPLINAR Data: / /016 TARDE Ano: 7 o Bimestre: o Código da Prova: 16070498 NOTA: 1) A necessidade de encontrar novas rotas para as Índias motivou

Leia mais

AS INVASÕES FRANCESAS

AS INVASÕES FRANCESAS AS INVASÕES FRANCESAS 2ª invasão 1612 Maranhão Fundação da França Equinocial e a Cidade de São Luís Comandante Daniel de La Touche Obs: esse período Portugal passava para domínio espanhol 1ª invasão Rio

Leia mais

Direção de Serviços de Desenvolvimento Agroalimentar. Rural e Licenciamento. Divisão de Apoio à Agricultura e Pescas

Direção de Serviços de Desenvolvimento Agroalimentar. Rural e Licenciamento. Divisão de Apoio à Agricultura e Pescas Direção de Serviços de Desenvolvimento Agroalimentar Rural e Licenciamento Divisão de Apoio à Agricultura e Pescas Relatório das Atividades de Inspeção Exportação / INFINET 202 INSPEÇÃO FITOSSANITÁRIA

Leia mais

A Economia Mineradora (Século XVIII) O Processo de Independência. 1 A Economia Mineradora do Século XVIII. 2 As Reformas Pombalinas

A Economia Mineradora (Século XVIII) O Processo de Independência. 1 A Economia Mineradora do Século XVIII. 2 As Reformas Pombalinas Aula 13 e 14 A Economia Mineradora (Século XVIII) 1 A Economia Mineradora do Século XVIII Setor 1601 2 As Reformas Pombalinas 3 ealvespr@gmail.com Objetivo da aula Analisar a crise do Antigo Sistema Colonial

Leia mais

TV Brasil estreia série de documentários Nossa Língua nesta terça (12/7)

TV Brasil estreia série de documentários Nossa Língua nesta terça (12/7) Publicado em TV Brasil (http://tvbrasil.ebc.com.br) 08/07/2016-16h28 TV Brasil estreia série de documentários Nossa Língua nesta terça (12/7) Para incentivar o intercâmbio cultural e o fomento ao audiovisual

Leia mais

A RAA em números. Geografia

A RAA em números. Geografia 09 Foto: Espectro A RAA em números Geografia O arquipélago dos Açores é constituído por nove ilhas dispersas no Atlântico Norte ao longo de 600 km, segundo uma orientação noroeste-sudeste e enquadrado

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural, I.P. Índice

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural, I.P. Índice Índice Duração Média Mensal dos Trabalhadores por Conta de Outrem (TCO) Estrangeiros (a tempo completo e incompleto) no Período do Trabalho Normal, por Nacionalidade, 2010-2012... 2 Número de Trabalhadores

Leia mais

INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA TROPICAL Centro de Estudos de História e Cartografia Antiga CURRICULUM VITAE

INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA TROPICAL Centro de Estudos de História e Cartografia Antiga CURRICULUM VITAE INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA TROPICAL Centro de Estudos de História e Cartografia Antiga CURRICULUM VITAE Maria João Soares LISBOA, 2004 DADOS PESSOAIS Nome: Maria João Soares Nome completo: Maria

Leia mais

Cinofer Esmalte Forja e Cinofer Esmalte Liso são duas soluções CIN que, de forma rápida e cómoda, permitem decorar e proteger o metal.

Cinofer Esmalte Forja e Cinofer Esmalte Liso são duas soluções CIN que, de forma rápida e cómoda, permitem decorar e proteger o metal. Referência no mercado das tintas e vernizes, as cores inovadoras da CIN são fruto de anos de investigação que resultam em produtos que oferecem qualidade, o melhor rendimento e soluções únicas para o interior

Leia mais

AS LÓGICAS DO RACISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL

AS LÓGICAS DO RACISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL AS LÓGICAS DO RACISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL I DESCOBRIMENTOS E IDENTIDADE NACIONAL II HISTÓRIA, ESCRAVATURA E RACISMO III LUTAS ANTI-RACISTAS NA EDUCAÇÃO DINAMIZAÇÃO: MARTA ARAÚJO, SILVIA MAESO E LUCIANE

Leia mais

A Administração Colonial

A Administração Colonial A Administração Colonial HISTÓRIA DO BRASIL Prof. Alan Carlos Ghedini O primeiros 30 anos Até 1530 Desinteresse da Coroa Portuguesa pela nova Colônia Comércio das especiarias ainda era o foco Houve apenas

Leia mais

história do brasil - colônia prof. david nogueira.

história do brasil - colônia prof. david nogueira. história do brasil - colônia prof. david nogueira. omnibus dubitandum... duvide de tudo. Para se entender História do Brasil... Duvide de tudo, principalmente do que parece natural e óbvio. Ex. O brasileiro

Leia mais

Mapa de Vagas para ingresso em área de especialização - Concurso IM 2015

Mapa de Vagas para ingresso em área de especialização - Concurso IM 2015 23.11.2015 Mapa de Vagas para ingresso em área de especialização - Concurso IM 2015 Anatomia Patológica Centro Hospitalar de São João, EPE 2 Instituto Português de Oncologia do Porto Francisco Gentil,

Leia mais

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 02 A EXPANSÃO MARÍTIMA E COMERCIAL ATLÂNTICA

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 02 A EXPANSÃO MARÍTIMA E COMERCIAL ATLÂNTICA HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 02 A EXPANSÃO MARÍTIMA E COMERCIAL ATLÂNTICA Fixação 1) (UERJ) Navegar é preciso, viver não é preciso. Este era o lema dos antigos navegadores, pois embarcar nos navios

Leia mais

PROJECTO DE DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL QUE ALTERA O DECRETO REGIONAL N.

PROJECTO DE DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL QUE ALTERA O DECRETO REGIONAL N. PROJECTO DE DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL QUE ALTERA O DECRETO REGIONAL N.º 14/81/A, DE 13 DE JULHO, E ELEVA AS FREGUESIAS DE ÁGUA DE PAU, NO CONCELHO DA LAGOA, DAS CAPELAS, NO CONCELHO DE PONTA DELGADA,

Leia mais

SEMINÁRIO Exportar para o México

SEMINÁRIO Exportar para o México SEMINÁRIO Exportar para o México Gonçalo Gaspar Diretor Direção Internacional de Negócio da CGD Porto, 26 de Setembro de 2012 1 Índice México: relacionamento comercial com Portugal Grupo CGD: Presença

Leia mais

TEMA E EXPANSÃO E MUDANÇA NOS SÉCULOS XV E XVI

TEMA E EXPANSÃO E MUDANÇA NOS SÉCULOS XV E XVI TEMA E EXPANSÃO E MUDANÇA NOS SÉCULOS XV E XVI 1. Expansionismo Europeu 1.1. Rumos da expansão 1.1.1. Os avanços da expansão e as rivalidades luso-castelhanas 1.1.2. A chegada à Índia e ao Brasil 1.2.

Leia mais

PARATY para Cachaça. Palestrante : Eduardo Calegario Mello (APACAP)

PARATY para Cachaça. Palestrante : Eduardo Calegario Mello (APACAP) Indicação Geográfica de Procedência PARATY para Cachaça Palestrante : Eduardo Calegario Mello (APACAP) Histórico : 29/09/1999 fundação das APPAP. 22/07/2004 alteração para APACAP. 10/10/2006 modificação

Leia mais

ACORDOS SOBRE SERVIÇOS AEREOS PORTUGAL/PAÍSES TERCEIROS

ACORDOS SOBRE SERVIÇOS AEREOS PORTUGAL/PAÍSES TERCEIROS ACORDOS SOBRE SERVIÇOS AEREOS PORTUGAL/ES TERCEIROS AFRICA DO SUL Portugal-Pontos intermédios em África-Joanesburgo e/ou Cidade do Cabo-Pontos além em África 5ª liberdade num ponto intermédio sujeita a

Leia mais

O Passado de Caldas de Aregos. Vila Medieval Nos Alvores da Nacionalidade Portuguesa. Nas Épocas Moderna e Contemporânea VILA MEDIEVAL 1 / 9

O Passado de Caldas de Aregos. Vila Medieval Nos Alvores da Nacionalidade Portuguesa. Nas Épocas Moderna e Contemporânea VILA MEDIEVAL 1 / 9 Vila Medieval Nos Alvores da Nacionalidade Portuguesa Nas Épocas Moderna e Contemporânea VILA MEDIEVAL 1 / 9 Este lugar, situado à beirinha do Douro, na zona mais baixa do actual concelho de Resende, tem

Leia mais

Convento de Cristo. Património Mundial. CP4-DR4-Formadora: Vitória Paiva Trabalho Realizado por Paulo Caiola

Convento de Cristo. Património Mundial. CP4-DR4-Formadora: Vitória Paiva Trabalho Realizado por Paulo Caiola Património Mundial CP4-DR4-Formadora: Vitória Paiva Trabalho Realizado por Paulo Caiola História, características A sua importância na identidade L o c a l i z a ç ã o Património Mundial O Classificado

Leia mais

Da cidade sacra à cidade laica. A extinção das ordens religiosas e as dinâmicas de transformação urbana na Lisboa do século XIX

Da cidade sacra à cidade laica. A extinção das ordens religiosas e as dinâmicas de transformação urbana na Lisboa do século XIX Da cidade sacra à cidade laica. A extinção das ordens religiosas e as dinâmicas de transformação urbana na Lisboa do século XIX (PTDC/CPC-HAT/4703/2012) Instituição Proponente Faculdade de Ciências Sociais

Leia mais

Os aldeamentos indígenas paulistas na representação cartográfica de Daniel Pedro Müller (1837)

Os aldeamentos indígenas paulistas na representação cartográfica de Daniel Pedro Müller (1837) Os aldeamentos indígenas paulistas na representação cartográfica de Daniel Pedro Müller (1837) Em 20 de agosto de 1798, o tenente-general José Arouche de Toledo Rendon (1756-1834) foi nomeado pelo então

Leia mais