Fundamentos de Química

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fundamentos de Química"

Transcrição

1 FCiências Fundamentos de Química Apontamentos Equilíbrio químico, Ácido e Bases, Cinética Química Produzido por Filipa França Divulgado e Partilhado por FCiências

2 Equilíbrio Químico FCiências Reações em Equilíbrio: Equilíbrio dinâmico: estado em que não se observam quaisquer alterações macroscópicas ao longo do tempo, porque quer as transformações em sentido inverso quer em sentido direto, ocorrem à mesma velocidade. Equilíbrio Físico Equilíbrio Químico 2" () Constante de Equilíbrio " + " " + " = O valor de K tem como base a atividade Ø Para qualquer líquido ou sólido, no estado padrão, a atividade é igual a 1 (adimensional); Ø Para os componentes de uma solução ideal, a atividade de cada um é a concentração a dividir pela concentração no estado padrão (usualmente 1 mol dm - 3 ); Ø Para gases ideais, a atividade é igual à pressão parcial a dividir pela pressão no estado padrão, =. O estado de equilíbrio depende das concentrações iniciais.

3 FCiências Equilíbrio Heterogéneo Pelo menos uma espécie interveniente se encontra numa fase diferente. "# "# + " 1 = = 1 Origem termodinâmica de K No equilíbrio o G=0 Gm Para gases ideais: + " ln Para solutos: + " ln [] = + ". ln No equilíbrio: rg=0 e Q=K, então = ". ln K>103 Sentido Direto G<0 10-3<K<103 Equilíbrio K<10-3 Sentido Inverso G=0 G>0 Relação entre Kc e K " =. Constante de equilíbrio da reação inversa = Exemplo: Autora: Filipa França 1

4 FCiências 2", = 4, ", = 1 4,63 10 K para formas alternativas de afetas a equação Exemplo: = 2" = 1 " 2 = = / / Princípio de Le Châtelier Se um sistema em equilíbrio for perturbado externamente, o sistema ajusta- se de forma a minimizar a ação dessa perturbação Passamos de 4 moles gasosas para 2moles Se é comprimido o número de moles gasosas diminui. Volume diminui, Pressão aumenta, Moles diminui Volume aumenta, Pressão diminui, Moles aumenta Variação Pressão/Volume =. " Perturbações ao estado de equilíbrio (Le Châtelier) Ø Temperatura = ". ln Autora: Filipa França = ". ln ln = + "

5 FCiências Se H 0 e S 0 não variarem significativamente com a T: ln = Equação de Van t Hoff Ø Pressão ln = Equação de Clausius Clapeyron

6 Ácidos e Bases FCiências Definição de Arrhenius: Ø Ácido: substância que produz H + em água. Ø Base: substância que produz OH - em água. Definição de Brønsted- Lowry: Ø Ácido: dador de protões Ø Base: aceitador de protões Definição de Lewis Todos os ácidos de Brønsted são ácidos de Lewis Ø Ácido: aceitador de pares de electrões Ø Base: dador de pares de elctrões Ácidos fortes e fracos Os ácidos fortes sofrem protólise completa, exemplo: "# " + " + " (") Os ácidos fracos sobrem protólise parcial (estabelecem um equilíbrio), exemplo: " " + " + (") Bases fortes e fracas As bases fortes sofrem dissociação completa, exemplo: "#$ + " " + " (") As bases fracas sobrem dissociação parcial (estabelecem um equilíbrio), exemplo: " + " " + " " Os ácidos podem classificar- se quanto ao número de protões que poderão vir a sofrer protólise, sendo assim designados de monopróticos, dipóritcos, etc. Pares conjugados ácido- base Ø A base conjugada de um ácido forte tem uma força como base desprezável " (") + " + (") Ø Em solução aquosa: o O ião H3O + é o ácido mais forte que pode existir o O ião OH - é a base mais forte

7 FCiências Autoprotólise da Água Constante de autoprotólise da água (Kw): Produto das concentrações molares dos iões H + e OH - a uma determinada temperatura. = 1,0 10 ", 25 = 5,5 10 ", 50 ph como medida de acidez " = log[ ] A 25 C, Neutra, [H + ]=[OH - ], ph=7 Ácida, [H + ]>[OH - ], ph<7 Básica, [H + ]<[OH - ], ph>7 A 25 C, ph+poh=14 "# = log[" ] " = ph de soluções de ácidos fortes " " + " + (") Os metais do grupo 1 e 2 têm uma força, como ácidos, desprezável. Força de ácidos e bases conjugadas Ácidos e bases fracos "# = "# + " " = " "

8 Ka: FCiências Força ácidos Aumenta Ka Aumenta pka Diminui Kb: Força base Aumenta Kb Aumenta pkb Diminui Exemplos de pares conjugados:

9 Grau de Ionização FCiências "#$#%&'çã " á"#$ "#$%&" " "#$%í"#$ 100 "##$%&'çã "#$% " á"#$ Para soluções de ácidos fracos, HA, [H + ] diminui com a diminuição de [HA], mas o grau de dissociação aumenta com a diminuição de [HA]0 Ácido Forte Ácido Fraco Ácidos polipróticos: espécies que podem sofrer mais do que uma reação de protólise sucessiva. Ka1>>Ka2 o segundo equilíbrio pode ser considerado como uma pequena perturbação ao primeiro equilíbrio. Estrutura molecular e acidez Hidretos dos grupos 16 e 17: Aumento da força do ácido HA Aumento da electronegatividade de A Diminuição da energia de ligação de H- A Hidretos do 2º Período: Aumento da força do ácido Aumento da electronegatividade de A

10 Halogéneos de Hidrogénio: Aumento da força do ácido FCiências Diminuição da energia de ligação Oxoácidos A ligação O- H será mais polar e mais fácil de quebrar se: Ø Z é muito electronegativo; Ø Z está num estado de oxidação elevado. 1. Oxoácidos com átomos centrais diferentes (Z) mas do meso grupo e com o mesmo número de oxidação, Força do ácido Aumenta Electrogeatividade Aumenta Ka aumenta 2. Oxoácidos com o mesmo ácido central (Z) mas um número diferente de grupos ligados, a. Força do ácido aumenta com o número de oxidação de Z

11 Cinética Química FCiências Ramos da química que estuda a velocidade com que as reações química ocorrem, bem como as etapas a nível molecular pelas quais a reação ocorre. Leis de velocidade: expressões que traduze a forma como a velocidade das reações caria com a concentração dos reagentes. Velocidade de reação Em geral, a velocidade das reações aumenta com o aumento da concentração de reagente. Para que uma reação ocorra é necessário que ocorram colisões entre as moléculas dos reagentes. "#$%&'('" = "#$%&'('" =, "#$% ""#$ "# é "#$%&'(" Relação entre concentração de reagente e tempo A velocidade vai baixando à medida que os reagente vão sendo consumidos. VELOCIDADE INSTANTÂNEA DA REAÇÃO "#$%"$. = ", "#$%&" " "#$%#% à "#$% "

12 FCiências Ordem de reação: obtidas experimentalmente Ordem da reação à velocidade: 1 Varia linearmente com [N2O5(g)] v=k. [N2O5(g)] 2 Varia proporcionalmente ao quadrado de [NO2(g)] v=k. [NO2(g)] 2 0 Independente das concnetrações v=k Podem também ser fraccionárias. Modelos de reações = " A é o fator de frequência

13 FCiências Energia de Ativação: quantidade mínima de energia necessária para iniciar a reação. Constante de velocidade numa reação Temperatura aumenta (1/T diminui) Reta descendente k aumenta Energia de ativação aumenta E a alta, k aumenta muito com T Declive aumenta (- E a / R) E a baixa, k aumenta pouco com T ln = ln 1

14 FCiências Reações endotérmicas: maior energia de ativação na reação direta (keq aumenta com T) Reações exotérmicas: maior energia de ativação na reação inversa (keq diminui com T) Teoria das colisões Ø Número de colisões eficazes por unidade de tempo; Ø Concentração de reagentes; Ø Energia cinética das partículas que colidem; Ø Orientação da colisão. Catálise Catalisador: substância que aumenta a velocidade de uma reação química sem ser consumido na reação. (Catalisador diminui a energia de ativação da reação) Catalisador: Ø Heterogéneo: fácil separação, elevada reatividade, baixa especificidade (Exemplo: Habber, síntese do amoníaco) Ø Homogéneo: difícil separação, reatividade intermédia, elevada especificidade (Exemplo: Hexoquinase) Lei de velocidade integradas Ordem 0 Concentração- tempo: = [] " [A] decresce linearmente no tempo até se tornar igual a zero v=k / = [] 2

15 Ordem 1 [A] tem decaimento exponencial FCiências = [] " Expressão logaritmizada, ln [] = " v=k.[a] / = ", independente de [A]0 e proporcional a 1/k Ordem 2 1 = 1 + " [] O inverso da concentração varia linearmente com o tempo v=k[a] 2 / = 1. [] Se k>1, formam- se mais produtos que reagentes Se k<1, formam- se mais reagentes Etapa determinante da velocidade: Etapa mais lenta na sequência de etapas que leva à formação de produtos. NOTA FINAL: Publicação escrita segundo o novo acordo ortográfico da Língua Portuguesa.

CAPÍTULO 1 Quantidades e Unidades 1. CAPÍTULO 2 Massa Atômica e Molecular; Massa Molar 16. CAPÍTULO 3 O Cálculo de Fórmulas e de Composições 26

CAPÍTULO 1 Quantidades e Unidades 1. CAPÍTULO 2 Massa Atômica e Molecular; Massa Molar 16. CAPÍTULO 3 O Cálculo de Fórmulas e de Composições 26 Sumário CAPÍTULO 1 Quantidades e Unidades 1 Introdução 1 Os sistemas de medida 1 O Sistema Internacional de Unidades (SI) 1 A temperatura 2 Outras escalas de temperatura 3 O uso e o mau uso das unidades

Leia mais

1. Reconhecer o átomo de hidrogénio como o Átomo mais simples.

1. Reconhecer o átomo de hidrogénio como o Átomo mais simples. PROVA DE INGRESSO ANO LECTIVO 2016/2017 QUÍMICA 1. Reconhecer o átomo de hidrogénio como o Átomo mais simples. 2. Conhecer o espectro de emissão de hidrogénio. 3. Compreender como os resultados do estudo

Leia mais

Físico-química Farmácia 2014/02

Físico-química Farmácia 2014/02 Físico-química Farmácia 2014/02 1 Decomposição Química Cinética de decomposição Lei de velocidade Ordem de reação Tempo de meia vida e prazo de validade Fatores que influenciam a estabilidade Equação de

Leia mais

Resolução de Química UFRGS / 2012

Resolução de Química UFRGS / 2012 26. Resposta C Resolução de Química UFRGS / 2012 Água super-resfriada é água líquida em temperatura abaixo do seu ponto de congelamento. Geralmente ocorre num resfriamento lento e sem agitação onde qualquer

Leia mais

Reacções de Oxidação-Redução

Reacções de Oxidação-Redução Reacções de Oxidação-Redução Há transferência de electrões entre espécies reagentes, com variação do número de oxidação de elementos dessas espécies. Regras simples para determinar o número de oxidação

Leia mais

Reacções de oxidação-redução em solução aquosa. Livro Química Inorgânica Básica na página da cadeira no Moodle Capítulo 4, p.

Reacções de oxidação-redução em solução aquosa. Livro Química Inorgânica Básica na página da cadeira no Moodle Capítulo 4, p. Reacções de oxidação-redução em solução aquosa Livro Química Inorgânica Básica na página da cadeira no Moodle Capítulo 4, p. 116 até ao final REACÇÕES de OXIDAÇÃO-REDUÇÃO reacções que envolvem troca de

Leia mais

Nome Completo : Prova de Acesso de Química para Maiores de 23 Anos. Candidatura de Junho de 2013, 10: h

Nome Completo : Prova de Acesso de Química para Maiores de 23 Anos. Candidatura de Junho de 2013, 10: h Nome Completo : B. I. n.º Prova de Acesso de Química para Maiores de 23 Anos Candidatura 2013-2014 18 de Junho de 2013, 10:00 12.30 h Respostas às perguntas de escolha múltipla: assinale a resposta certa

Leia mais

Sumário. 1 Introdução: matéria e medidas 1. 2 Átomos, moléculas e íons Estequiometria: cálculos com fórmulas e equações químicas 67

Sumário. 1 Introdução: matéria e medidas 1. 2 Átomos, moléculas e íons Estequiometria: cálculos com fórmulas e equações químicas 67 Prefácio 1 Introdução: matéria e medidas 1 1.1 O estudo da química 1 1.2 Classificações da matéria 3 1.3 Propriedades da matéria 8 1.4 Unidades de medida 12 1.5 Incerteza na medida 18 1.6 Análise dimensional

Leia mais

Ao aplicar o operador matemático logaritmo, obtém-se a seguinte expressão: ph= - log [H + ]

Ao aplicar o operador matemático logaritmo, obtém-se a seguinte expressão: ph= - log [H + ] SIMULAR A OCORRÊNCIA DE CHUVAS ÁCIDAS DEVIDA A ÓXIDOS DE ENXOFRE INTRODUÇÃO Um ácido pode ser definido como uma espécie química que doa protões H + numa reacção química. A espécie química que aceita esses

Leia mais

Velocidade inicial (mol L -1 s -1 ) 1 0,0250 0,0250 6,80 x ,0250 0,0500 1,37 x ,0500 0,0500 2,72 x 10-4.

Velocidade inicial (mol L -1 s -1 ) 1 0,0250 0,0250 6,80 x ,0250 0,0500 1,37 x ,0500 0,0500 2,72 x 10-4. P3 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 31/05/14 Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Dados gerais: G = - n F E G = G o + RT Q ΔE RT ΔE nf Questão Valor Grau Revisão 1 a,5 a,5 3 a,5 4 a,5 Total 10,0

Leia mais

Cinética Química. Mestrado integrado em Engenharia Biológica. Disciplina Química II, 2º semestre 2009/10. Professsora Ana Margarida Martins

Cinética Química. Mestrado integrado em Engenharia Biológica. Disciplina Química II, 2º semestre 2009/10. Professsora Ana Margarida Martins Cinética Química Mestrado integrado em Engenharia Biológica Disciplina Química II, 2º semestre 2009/10 Professsora Ana Margarida Martins Usamos atermodinâmica para saber se uma reacção é favorecida no

Leia mais

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Equilíbrio Químico EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO 01 (PUC-RS) Dada a expressão da constante de equilíbrio em termos de concentração de produtos e reagentes a equação química que pode ser representada por essa

Leia mais

3. EQUILÍBRIO QUÍMICO

3. EQUILÍBRIO QUÍMICO 3. EQUILÍBRIO QUÍMICO 3.1. Equilíbrios químicos relevantes em química analítica a A + b B c C + d D K C A c a D B d b Existe relação entre o valor de K e a extensão do equilíbrio químico? As constantes

Leia mais

QUÍMICA. a) linha horizontal. b) órbita. c) família. d) série. e) camada de valência.

QUÍMICA. a) linha horizontal. b) órbita. c) família. d) série. e) camada de valência. 13 QUÍMICA A posição dos elementos na Tabela Periódica permite prever as fórmulas das substâncias que contêm esses elementos e os tipos de ligação apropriados a essas substâncias. Na Tabela Periódica atual,

Leia mais

Domínios / Objetivos Conceitos/ Conteúdos Calendarização

Domínios / Objetivos Conceitos/ Conteúdos Calendarização DEPARTAMENTO DE FÍSICA-QUÍMICA DISCIPLINA: FÍSICA E QUÍMICA A - 11º ANO OBJETIVOS / CONTEÚDOS... 1º PERÍODO Domínios / Objetivos Conceitos/ Conteúdos Calendarização 1. MECÂNICA (FÍSICA) 1.1. Tempo, posição

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora

Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora Curso Profissional de Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos Informação Prova da Disciplina de Física e Química - Módulo: 10 Equilíbrio de ácido-base.

Leia mais

Curso Preparatório para o Ingresso no Ensino Superior (Pré-Vestibular)

Curso Preparatório para o Ingresso no Ensino Superior (Pré-Vestibular) Curso Preparatório para o Ingresso no Ensino Superior (Pré-Vestibular) Os conteúdos conceituais de Química estão distribuídos em 5 frentes. Química Extensivo A)Meio ambiente; estrutura atômica; Classificação

Leia mais

PROCESSO DE SELEÇÃO PARA O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA DA UFS GABARITO

PROCESSO DE SELEÇÃO PARA O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA DA UFS GABARITO PROCESSO DE SELEÇÃO PARA O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA DA UFS 2013.2 GABARITO Questão 1) - Se os átomos neutros não possuírem elétrons desemparelhados ( ), o feixe de elétrons não sofrerá nenhum

Leia mais

REVISIONAL DE QUÍMICA 1º ANO PROF. RICARDO

REVISIONAL DE QUÍMICA 1º ANO PROF. RICARDO REVISIONAL DE QUÍMICA 1º ANO PROF. RICARDO 1- Um aluno de química, ao investigar as propriedades de gases, colocou uma garrafa plástica (PET), contendo ar e devidamente fechada, em um freezer e observou

Leia mais

Solução Comentada Prova de Química

Solução Comentada Prova de Química Solução Comentada rova de Química 34. A formulação da Tabela eriódica Moderna só foi possível devido à contribuição de vários cientistas no entendimento das propriedades dos elementos. or exemplo, os estudos

Leia mais

FUNÇÕES INORGÂNICAS. As substâncias são agrupadas de acordo com as suas propriedades. ÁCIDO BASE SAL ÓXIDO

FUNÇÕES INORGÂNICAS. As substâncias são agrupadas de acordo com as suas propriedades. ÁCIDO BASE SAL ÓXIDO FUNÇÕES INORGÂNICAS As substâncias são agrupadas de acordo com as suas propriedades. ÁCIDO BASE SAL ÓXIDO ÁCIDOS e BASES de ARRHENIUS Acidos são substâncias que em solução aquosa liberam H +. Ex. HCl +

Leia mais

Resposta: D Resolução comentada: Ci x Vi = Cf x Vf Ci = 0,5 mol/l Cf = 0,15 mol/l Vf = 250 ml Vi = 0,5 x Vi = 0,15 x 250 Vi = 75 ml.

Resposta: D Resolução comentada: Ci x Vi = Cf x Vf Ci = 0,5 mol/l Cf = 0,15 mol/l Vf = 250 ml Vi = 0,5 x Vi = 0,15 x 250 Vi = 75 ml. Unesp 1-Em 2013 comemora-se o centenário do modelo atômico proposto pelo físico dinamarquês Niels Bohr para o átomo de hidrogênio, o qual incorporou o conceito de quantização da energia, possibilitando

Leia mais

Aula de Bioquímica I. Tema: Água. Prof. Dr. Júlio César Borges

Aula de Bioquímica I. Tema: Água. Prof. Dr. Júlio César Borges Aula de Bioquímica I Tema: Água Prof. Dr. Júlio César Borges Depto. de Química e Física Molecular DQFM Instituto de Química de São Carlos IQSC Universidade de São Paulo USP E-mail: borgesjc@iqsc.usp.br

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE ESTUDOS

ORIENTAÇÃO DE ESTUDOS ORIENTAÇÃO DE ESTUDOS RECUPERAÇÃO SEMESTRAL 3º Ano do Ensino Médio Disciplina: Química 1. Um átomo do elemento químico X, usado como corante para vidros, possui número de massa igual a 79 e número de nêutrons

Leia mais

UNIFESO - Engenharia Ambiental Prof. Edson Rodrigo Fernandes dos Santos. ÁGUA, ph E TAMPÕES

UNIFESO - Engenharia Ambiental Prof. Edson Rodrigo Fernandes dos Santos. ÁGUA, ph E TAMPÕES UNIFES - Engenharia Ambiental Prof. Edson Rodrigo Fernandes dos Santos ÁGUA, p E TAMPÕES ÁGUA É uma substância essencial para o organismo. Todas as reações bioquímicas ocorrem em meio aquoso. É uma substância

Leia mais

FCAV/ UNESP NOÇÕES DE TERMODINÂMICA

FCAV/ UNESP NOÇÕES DE TERMODINÂMICA FCAV/ UNESP NOÇÕES DE TERMODINÂMICA Profa. Dra. Luciana Maria Saran 1 1.TERMODINÂMICA Compreende o estudo da energia e suas transformações. Em grego, thérme-; calor, dy namis, energia. Termoquímica: área

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Departamento de Engenharia Química e do Ambiente. QUÍMICA I (1º Ano/1º Semestre)

INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Departamento de Engenharia Química e do Ambiente. QUÍMICA I (1º Ano/1º Semestre) INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA Departamento de Engenharia Química e do Ambiente QUÍMICA I (1º Ano/1º Semestre) 4ª Série de Exercícios EQUILÍBRIO QUÍMICO Tomar (2003) 1 Equilíbrio

Leia mais

PROVA ESPECIALMENTE ADEQUADA DESTINADA A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS

PROVA ESPECIALMENTE ADEQUADA DESTINADA A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS PROVA ESPECIALMENTE ADEQUADA DESTINADA A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS (Decreto-Lei n.º 64/2006, de 21 de março) 2016 PROVA DE QUÍMICA Data da prova:

Leia mais

Termodinâmica das Reações de Transesterificação e de Esterificação

Termodinâmica das Reações de Transesterificação e de Esterificação UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS Laboratório de Catálise Termodinâmica das Reações de Transesterificação e de Esterificação Mini-curso: Biodiesel Demian Patrick Fabiano Outubro - 2007 1 Sumário A) Catálise

Leia mais

1

1 Resolução da Prova de Química Vestibular Verão UPF/2003 Professor Emiliano Chemello www.quimica.net/emiliano emiliano@quimica.net Questões Resolução Resolução: D A afirmação III é falsa, pois as forças

Leia mais

Física e Química A 715 (versão 1)

Física e Química A 715 (versão 1) Exame (Resolução proposta por colaboradores da Divisão de Educação da Sociedade Portuguesa de Física) Física e Química A 715 (versão 1) 0 de Junho de 008 1. 1.1. Átomos de ferro A espécie redutora é o

Leia mais

Modelos Gerais de Ácidos, Bases e Reações Ácido-Base

Modelos Gerais de Ácidos, Bases e Reações Ácido-Base Modelos Gerais de Ácidos, Bases e Reações Ácido-Base Prof.: Willame Bezerra A Química dos Ácidos e Bases Os ácidos e as bases estão presentes em toda parte. Os vulcões e as fontes térmicas podem ser muito

Leia mais

4º E agora? Agora!.. Acertam-se os átomos e depois as cargas

4º E agora? Agora!.. Acertam-se os átomos e depois as cargas (Problemas diversos) REDOX 7.2. Considere a seguinte reacção de oxidação-redução: MnO 4 Ý + H2 O 2 Ý = Mn 2+ Ý + O 2 Escreva correctamente as duas semi-reacções e acerte a equação global. R: 1º Determinar

Leia mais

1.5. Ácidos e Bases (Bibliografia Principal: Brown, 2nd) Primeira Definição: Arrhenius (1884)

1.5. Ácidos e Bases (Bibliografia Principal: Brown, 2nd) Primeira Definição: Arrhenius (1884) 1.5. Ácidos e Bases (Bibliografia Principal: Brown, 2nd) i) Reações orgânicas são catalisadas por: a) ácidos doadores de prótons (Ex: H 3 O + ) b) ácidos de Lewis (Ex: AlCl 3 ) ii) Muitas reações em química

Leia mais

Pergunta Total Classificação

Pergunta Total Classificação 9 de Maio 2009 (Final) Pergunta 1 2 3 4 5 Total Classificação Escola:. Nome:. 1- Em cada uma das alíneas seguintes escolha a resposta que considera correcta. Se seleccionar mais que uma resposta na mesma

Leia mais

INTERAÇÕES INTERMOLECULARES

INTERAÇÕES INTERMOLECULARES INTERAÇÕES INTERMOLECULARES Serão abordados: as forças íon-dipolo, dipolo-dipolo, dispersão de London e ligação de hidrogênio e a relação entre propriedade física e interação intermolecular. As partículas

Leia mais

Ácidos & Bases 1) Qual das alternativas não representa um par ácido-base conjugado?

Ácidos & Bases 1) Qual das alternativas não representa um par ácido-base conjugado? Ácidos & Bases 1) Qual das alternativas não representa um par ácido-base conjugado? A) B) C) HSO-4, H 2SO 4 D) -OH, O2- E) NO3-, NO2-2) A espécie que aceita prótons está definindo um A) Ácido de Arrenhius

Leia mais

Equilíbrio Ácido-base

Equilíbrio Ácido-base Universidade Federal de Juiz de Fora Instituto de Ciências Exatas Departamento de Química Disciplina Química das Soluções QUI084 II semestre 2016 AULA 03 Equilíbrio Ácido-base Hidrólise de Sais Profa.

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS 8º Teste sumativo de FQA 20. maio Versão 1 11º Ano Turma A Professor: Maria do Anjo Albuquerque

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS 8º Teste sumativo de FQA 20. maio Versão 1 11º Ano Turma A Professor: Maria do Anjo Albuquerque ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS 8º Teste sumativo de FQA 20. maio. 2015 Versão 1 11º Ano Turma A Professor: Maria do Anjo Albuquerque Duração da prova: 90 minutos. Este teste é constituído por 9 páginas

Leia mais

Química. A) Considerando-se que o pk a1 é aproximadamente 2, quais os valores de pk a2 e pk a3?

Química. A) Considerando-se que o pk a1 é aproximadamente 2, quais os valores de pk a2 e pk a3? Química 01. O gráfico a seguir representa a variação do p de 50 ml de uma solução aquosa de um ácido 3 X em função do volume de NaO 0,30 moll -1 adicionado. A) Considerando-se que o pk a1 é aproximadamente

Leia mais

PROVA ESPECIALMENTE ADEQUADA DESTINADA A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS

PROVA ESPECIALMENTE ADEQUADA DESTINADA A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS PROVA ESPECIALMENTE ADEQUADA DESTINADA A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS (Decreto Lei n.º 64/2006, de 21 de Março) 2010 PROVA DE QUÍMICA Data da prova:

Leia mais

Módulo inicial Materiais: Diversidade e Constituição. Química 10.º ano Ano lectivo 2007/2008

Módulo inicial Materiais: Diversidade e Constituição. Química 10.º ano Ano lectivo 2007/2008 Química 10.º ano Ano lectivo 2007/2008 Escola Secundária José Saramago Marta Paulino e Ângela Patrício O que é um Material? É algo que tem massa e ocupa espaço. Classificação Materiais: Componentes Origem

Leia mais

RESPOSTAS ESPERADAS QUÍMICA

RESPOSTAS ESPERADAS QUÍMICA Questão 1 C 4 N 3 OH 7 - massa molar = 113 g mol -1 A concentração de creatinina no exame foi de 1,20 x 10-4 mol L -1, ou 1,20 x 10-5 mol dl -1. Assim, a concentração = 113.000 x 1,20 x 10-5 = 1,36 mg

Leia mais

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 18/05/13

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 18/05/13 P - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 18/05/13 Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a,5 a,5 3 a,5 4 a,5 Total 10,0 Dados: T (K) = T ( C) + 73,15 R = 8,314 J mol -1 K -1

Leia mais

Pergunta I II III IV Total. Nota: Apresente todos os cálculos que efetuar

Pergunta I II III IV Total. Nota: Apresente todos os cálculos que efetuar 3 de março 2012 (Semifinal) Pergunta I II III IV Total Classificação Escola:. Nome:. Nome:. Nome:. Nota: Apresente todos os cálculos que efetuar Dados: Constante de Avogadro: N A = 6,022 x 10 23 mol -1

Leia mais

Energia, calor, entalpia e variação de entalpia.

Energia, calor, entalpia e variação de entalpia. Combustíveis Energia e Ambiente De onde vem a energia dos combustíveis? Energia, calor, entalpia e variação de entalpia. Sistema; Universo; Sistema Aberto, Fechado e Isolado; Estado final e Inicial; Energia

Leia mais

Fotossíntese das plantas, o sol fornece energia

Fotossíntese das plantas, o sol fornece energia Unidade 6 - Conteúdo 13 - Termoquímica As transformações físicas e as reações químicas quase sempre estão envolvidas em perda ou ganho de calor. O calor é uma das formas de energia mais comum que se conhece.

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA Conceito de velocidade de reação

CINÉTICA QUÍMICA Conceito de velocidade de reação CINÉTICA QUÍMICA 1 1. Conceito de velocidade de reação Cinética química é o estudo da velocidade das reações, de como a velocidade varia em função das diferentes condições e quais os mecanismos de desenvolvimento

Leia mais

TITULAÇÃO ÁCIDO-BASE

TITULAÇÃO ÁCIDO-BASE Introdução a Analise Química II sem/2015 Profa Ma Auxiliadora Universidade Federal de Juiz de Fora Instituto de Ciências Exatas Departamento de Química Disciplina QUIO94 - Introdução à Análise Química

Leia mais

Escola Secundária de Lousada Conteúdos a leccionar na disciplina de Física e Química A 11º ano 11 /12

Escola Secundária de Lousada Conteúdos a leccionar na disciplina de Física e Química A 11º ano 11 /12 Escola Secundária de Lousada Conteúdos a leccionar na disciplina de Física e Química A 11º ano 11 /12 Turma: C 1º Período Aulas previstas: 39 COMPONENTE DE FÍSICA Unidade 1 Movimentos na Terra e no espaço

Leia mais

Reacções químicas. Aspectos qualitativos e quantitativos de uma reacção química. Grau de pureza de uma substância

Reacções químicas. Aspectos qualitativos e quantitativos de uma reacção química. Grau de pureza de uma substância Reacções químicas Aspectos qualitativos e quantitativos de uma reacção química Prof. Luís Perna 2010/11 Grau de pureza de uma substância Muitos dos materiais que utilizamos no dia-a-dia possuem impurezas

Leia mais

Teoria Ácido-Base e Reações Químicas

Teoria Ácido-Base e Reações Químicas Teoria Ácido-Base e Reações s 1. (UFRO) Na reação entre um hidreto metálico e amônia líquida, representada pela equação abaixo, são bases de Brönsted: a) H e H2. b) NH2 e NH3. c) H2 e NH3. d) H e NH2.

Leia mais

Introdução à Cinética e Termodinâmica Química. Ariane Nunes-Alves

Introdução à Cinética e Termodinâmica Química. Ariane Nunes-Alves Introdução à Cinética e Termodinâmica Química Ariane Nunes-Alves Objetivos Determinar se uma reação é espontânea Determinar a velocidade da reação Como determinar se uma reação é espontânea? Características

Leia mais

Equilíbrio Ácido-Base. Ácidos e Bases Fracos

Equilíbrio Ácido-Base. Ácidos e Bases Fracos Equilíbrio Ácido-Base Ácidos e Bases Fracos ph de soluções CH 3 COOH (aq) 0,10 mol/dm 3 HCl (aq) 0,10 mol/dm 3 ph? ph= 2,9 ph= 1 [H 3 O + ] < [H 3 O + ] PORQUÊ? 2 ph de soluções Segundo Arrhenius o ácido

Leia mais

Modelos Atômicos. Niels Bohr propôs um modelo baseado em postulados:

Modelos Atômicos. Niels Bohr propôs um modelo baseado em postulados: Modelos Atômicos Niels Bohr propôs um modelo baseado em postulados: Os elétrons giram, ao redor do núcleo, somente em determinadas órbitas permitidas e com energia quantizada. ONDAS ELETROMAGNÉTICAS Os

Leia mais

Química Fascículo 02 Elisabeth Pontes Araújo Elizabeth Loureiro Zink José Ricardo Lemes de Almeida

Química Fascículo 02 Elisabeth Pontes Araújo Elizabeth Loureiro Zink José Ricardo Lemes de Almeida Química Fascículo 02 Elisabeth Pontes Araújo Elizabeth Loureiro Zink José Ricardo Lemes de Almeida Índice Ligação Covalente...1 Ligação Iônica...3 Teoria de Lewis...5 Ligações Intermoleculares...6 Exercícios...7

Leia mais

Escola Básica do 2.º e 3.ºciclos Álvaro Velho. Planeamento Curricular de Físico-Química 7.º ano ANO LETIVO 2015/2016

Escola Básica do 2.º e 3.ºciclos Álvaro Velho. Planeamento Curricular de Físico-Química 7.º ano ANO LETIVO 2015/2016 1.º Período Escola Básica do 2.º e 3.ºciclos Álvaro Velho Planeamento Curricular de Físico-Química 7.º ano I Espaço 1. Universo 2. Sistema Solar 1.1 Constituição do Universo 1.2 Observação do céu 1.3 Evolução

Leia mais

Aula 14 Equilíbrio de Fases: Substâncias Puras

Aula 14 Equilíbrio de Fases: Substâncias Puras Aula 14 Equilíbrio de Fases: Substâncias Puras 1. A condição de estabilidade Inicialmente precisamos estabelecer a importância da energia de Gibbs molar na discussão das transições de fase. A energia de

Leia mais

PILHAS ELETROQUÍMICAS

PILHAS ELETROQUÍMICAS PILHAS ELETROQUÍMICAS As pilhas eletroquímicas são dispositivos capazes de produzir energia elétrica à custa de uma reação redox espontânea. Como as primeiras pilhas foram construídas por Galvani e Volta,

Leia mais

CPV seu pé direito também na Medicina

CPV seu pé direito também na Medicina seu pé direito também na Medicina UNIFESP 17/dezembro/2010 QUÍMICA 06. Ligas metálicas são comuns no cotidiano e muito utilizadas nas indústrias automobilística, aeronáutica, eletrônica e na construção

Leia mais

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DA PROVA DE 1.ª FASE (VERSÃO 1) GRUPO I

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DA PROVA DE 1.ª FASE (VERSÃO 1) GRUPO I PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DA PROVA DE 1.ª FASE - 2014 (VERSÃO 1) GRUPO I 1. (D) Havendo movimento relativo entre um barra magnetizada e uma bobina, gera-se nesta uma força eletromotriz induzida e consequentemente

Leia mais

Estudo Físico-Químico dos Gases

Estudo Físico-Químico dos Gases Estudo Físico-Químico dos Gases Prof. Alex Fabiano C. Campos Gás e Vapor Diagrama de Fase Gás Vapor Gás: fluido elástico que não pode ser condensado apenas por aumento de pressão, pois requer ainda um

Leia mais

P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 03/12/05

P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 03/12/05 P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 03//05 Nome: GABARITO Nº de Matrícula: Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão a,5 a,5 3 a,5 4 a,5 Total 0,0 Constantes e equações: R = 0,08 atm L mol - K - = 8,34 J

Leia mais

Vejamos agora alguns casos particulares dessas transformações com quantidade de gás constante.

Vejamos agora alguns casos particulares dessas transformações com quantidade de gás constante. Setor 2306 Aula 06 Transformações Gasosas em sistemas fechados Complemento. Como vimos em aula, as transformações realizadas em sistemas fechados tem sua quantidade de gás constante. Nessa situação, a

Leia mais

Fundamentos de Química Profa. Janete Yariwake. Equilíbrio químico em solução aquosa. Soluções-tampão. Soluções tampão

Fundamentos de Química Profa. Janete Yariwake. Equilíbrio químico em solução aquosa. Soluções-tampão. Soluções tampão Equilíbrio químico em solução aquosa Soluções-tampão 1 Soluções tampão Definição: soluções que podem resistir a variações significativas de ph. (se adicionamos quantidades pequenas de ácidos fortes ou

Leia mais

ENSINO MÉDIO QUÍMICA

ENSINO MÉDIO QUÍMICA ENSINO MÉDIO QUÍMICA TERMOQUÍMICA TERMOQUÍMICA Termoquímica é a parte da química que estuda o calor associado a uma reação química. A unidade usada para medir a energia liberada ou absorvida por um sistema

Leia mais

2005 by Pearson Education. Capítulo 03

2005 by Pearson Education. Capítulo 03 QUÍMICA A Ciência Central 9ª Edição Capítulo 3 Estequiometria: cálculos com fórmulas e equações químicas David P. White Equações químicas Lavoisier: a massa é conservada em uma reação química. Equações

Leia mais

1.1. Calcule a massa de chumbo que sofreu corrosão. Apresente todas as etapas de resolução.

1.1. Calcule a massa de chumbo que sofreu corrosão. Apresente todas as etapas de resolução. Escola Secundária de Lagoa Física e Química A 11º Ano Turmas A e B Paula Melo Silva e Emília Correia Ficha de Trabalho 12 Ficha Global 1. Um grupo de alunos decidiu obter prata no estado sólido a partir

Leia mais

A Primeira Lei da Termodinâmica. Energia. U = variação na energia de um sistema U = U final -U inicial

A Primeira Lei da Termodinâmica. Energia. U = variação na energia de um sistema U = U final -U inicial Química Aplicada à Engenharia Civil Termodinâmica Química Continuação Profa. Geisamanda Pedrini Brandão Athayde Revisão Calor Sistema ganha calor Æ q > 0 Æ Processo Endotérmico Sistema perde calor Æ q

Leia mais

Exercícios de Revisão - 2

Exercícios de Revisão - 2 Exercícios de Revisão - 2 1. Na tentativa de explicar a origem dos seres vivos, Müller reproduziu, em seu experimento, as condições atmosféricas primitivas, que continham os gases metano (CH4); amônia

Leia mais

Ácidos e Bases. O ph de soluções de sais

Ácidos e Bases. O ph de soluções de sais Ácidos e Bases O ph de soluções de sais ph de soluções de sais Se medirmos o ph de uma solução de sal, em geral não encontramos o valor "neutro" do ph = 7 Se neutralizamos ácido acético 0,3 mol/dm 3 com

Leia mais

CONCEITO DE ÁCIDOS E BASES 1

CONCEITO DE ÁCIDOS E BASES 1 CONCEITO DE ÁCIDOS E BASES 1 1. Conceito de Arrhenius A primeira definição de ácidos e bases foi dada pelo químico sueco Svante Arrhenius ao redor de 1884: Substâncias ácidas são aquelas que em solução

Leia mais

Cinética Química. Profa. Graça Porto

Cinética Química. Profa. Graça Porto Cinética Química. Ao realizar a reação de formação da água a partir dos gases hidrogênio (H 2 ) e oxigênio (O 2 ) verificou-se que a velocidade de consumo de oxigênio foi de 4 mol/min. Determine a velocidade

Leia mais

ANEXO 1 PROVA DE SELEÇÃO PARA O PPGQ-DOUTORADO UFPel 2011

ANEXO 1 PROVA DE SELEÇÃO PARA O PPGQ-DOUTORADO UFPel 2011 ANEXO 1 PROVA DE SELEÇÃO PARA O PPGQ-DOUTORADO UFPel 2011 A prova escrita consistirá de 6 (seis) questões, sendo 1 (uma) de QUÍMICA ANALÍTICA, 1 (uma) de FÍSICO-QUÍMICA, 1 (uma) de QUÍMICA ORGÂNICA, 1

Leia mais

UNIT 2015 Maceio. Questões de 71 a 73

UNIT 2015 Maceio. Questões de 71 a 73 UNIT 2015 Maceio. Questões de 71 a 73 A decomposição de peróxido de hidrogênio, H2O2(aq), em água e oxigênio, na ausência de catalisador, ocorre de forma muito lenta, entretanto com a adição de pequena

Leia mais

a) 0,60 M e 0,20 M b) 0,45 M e 0,15 M c) 0,51 M e 0,17 M d) 0,75 M e 0,25 M

a) 0,60 M e 0,20 M b) 0,45 M e 0,15 M c) 0,51 M e 0,17 M d) 0,75 M e 0,25 M ª série E.M. - APE 1. (Vunesp) Medicamentos, na forma de preparados injetáveis, devem ser soluções isotônicas com relação aos fluidos celulares. O soro fisiológico, por exemplo, apresenta concentração

Leia mais

ESCOLA BÁSICA 2º e 3º CICLOS INFANTE D. PEDRO BUARCOS. Currículo da disciplina de Ciências Físico Químicas. 8ºAno de escolaridade

ESCOLA BÁSICA 2º e 3º CICLOS INFANTE D. PEDRO BUARCOS. Currículo da disciplina de Ciências Físico Químicas. 8ºAno de escolaridade ESCOLA BÁSICA 2º e 3º CICLOS INFANTE D. PEDRO BUARCOS Currículo da disciplina de Ciências Físico Químicas 8ºAno de escolaridade BLOCO 1 A ENERGIA (Tema: Terra em Transformação) Unidade Conteúdo Nº de FONTES

Leia mais

FÍSICA TÉRMICA. Prof. Neemias Alves de Lima Instituto de Pesquisa em Ciência dos Materiais Universidade Federal do Vale do São Francisco 1

FÍSICA TÉRMICA. Prof. Neemias Alves de Lima Instituto de Pesquisa em Ciência dos Materiais Universidade Federal do Vale do São Francisco 1 FÍSICA TÉRMICA Prof. Neemias Alves de Lima Instituto de Pesquisa em Ciência dos Materiais Universidade Federal do Vale do São Francisco 1 Domínio da Física Térmica Como pode água aprisionada ser ejetada

Leia mais

Teste de Avaliação 5 A - 30/04/2013

Teste de Avaliação 5 A - 30/04/2013 E s c o l a S e c u n d á r i a d e A l c á c e r d o S a l Ano letivo 2012/2013 Ciências Físico-químicas 8º an o Teste de Avaliação 5 A - 30/04/2013 Nome Nº Turma 1. Observa as informações da figura ao

Leia mais

A) Se a massa molar do composto C é 76 g.mol 1, determine as fórmulas químicas para os compostos A, B, C, D e E.

A) Se a massa molar do composto C é 76 g.mol 1, determine as fórmulas químicas para os compostos A, B, C, D e E. VTB 2008 2ª ETAPA Solução Comentada da Prova de Química 01. Na análise de 5 (cinco) diferentes compostos (A, B, C, D e E) formados apenas por nitrogênio e oxigênio, observou-se que as relações de massas

Leia mais

Resolução UNIFESP 2015

Resolução UNIFESP 2015 Resolução UNIFESP 2015 1-Utilizando o aparato indicado na figura, certo volume de solução aquosa de sulfato de cobre(ii) hidratado foi colocado dentro do béquer. Quando o plugue foi conectado à tomada

Leia mais

Número atômico de A = número atômico de B = 18

Número atômico de A = número atômico de B = 18 61 e QUÍMICA O elemento químico B possui 20 nêutrons, é isótopo do elemento químico A, que possui 18 prótons, e isóbaro do elemento químico C, que tem 16 nêutrons Com base nessas informações, pode-se afirmar

Leia mais

PAGQuímica Equilíbrio Ácido-Base

PAGQuímica Equilíbrio Ácido-Base 1. a) defina ácidos e bases de Arrhenius, de Brønsted-Lowry e de Lewis. b) como se tem noção da força de um ácido ou de uma base? c) o quê significa na concentração de ácido em uma solução o aumento de

Leia mais

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 22/10/05.

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 22/10/05. P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 22/10/05. Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a 2,5 2 a 2,5 3 a 2,5 4 a 2,5 Total 10,0 Constantes e Fatores de Conversão R = 8,314

Leia mais

Química FUVEST ETAPA. Resposta QUESTÃO 1 QUESTÃO 2

Química FUVEST ETAPA. Resposta QUESTÃO 1 QUESTÃO 2 Química FUVEST QUESTÃO 1 Em uma aula de laboratório de Química, a professora propôs a realização da eletrólise da água. Após a montagem de uma aparelhagem como a da figura a seguir, e antes de iniciar

Leia mais

Roteiro de exploração da simulação Educativa: Princípio de Le Châtelier

Roteiro de exploração da simulação Educativa: Princípio de Le Châtelier Roteiro de exploração da simulação Educativa: Princípio de Le Châtelier Enquadramento Esta simulação enquadra-se nos conteúdos programáticos da disciplina de Física e Química A do 11º ano Unidade 2 e na

Leia mais

LIGAÇÃO COVAL COV AL NT

LIGAÇÃO COVAL COV AL NT LIGAÇÃO COVALENTE INTRODUÇÃO Resulta do compartilhamento de elétrons. Ex: H 2 Os dois átomos de hidrogênio se aproximam devido à força de atração que depois de determinada distância diminuem surgindo as

Leia mais

20 Não se fazem mais nobres como antigamente pelo menos na Química. (Folha de S. Paulo, ). As descobertas de compostos como o XePtF 6

20 Não se fazem mais nobres como antigamente pelo menos na Química. (Folha de S. Paulo, ). As descobertas de compostos como o XePtF 6 20 Não se fazem mais nobres como antigamente pelo menos na Química. (Folha de S. Paulo, 17.08.2000). As descobertas de compostos como o XePtF 6, em 1962, e o HArF, recentemente obtido, contrariam a crença

Leia mais

EXAME DE SELEÇÃO PARA O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ (PPGQ-UFC) /2012.1

EXAME DE SELEÇÃO PARA O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ (PPGQ-UFC) /2012.1 Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Programa de Pós-Graduação em Química Caixa Postal 12.200 -- Tel. (085) 3366. 9981 FAX 3366.9978 CEP - 60.450-970 - Fortaleza - Ceará - Brasil EXAME DE SELEÇÃO

Leia mais

Apostila de Química 01 Estudo dos Gases

Apostila de Química 01 Estudo dos Gases Apostila de Química 01 Estudo dos Gases 1.0 Conceitos Pressão: Número de choques de suas moléculas contra as paredes do recipiente. 1atm = 760mHg = 760torr 105Pa (pascal) = 1bar. Volume 1m³ = 1000L. Temperatura:

Leia mais

PROVA 3 conhecimentos específicos

PROVA 3 conhecimentos específicos PROVA 3 conhecimentos específicos QUÍMICA QUESTÕES OBJETIVAS QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE QUÍMICA. UEM Comissão Central do Vestibular Unificado GABARITO

Leia mais

Reações Químicas. Ex: 2H 2 + O 2 2 H 2 O

Reações Químicas. Ex: 2H 2 + O 2 2 H 2 O REAÇÕES QUÍMICAS Reações Químicas As substâncias podem combinar-se com outras substâncias transformando-se em novas substâncias. Para estas transformações damos o nome de Reações Químicas. Ex: 2H 2 + O

Leia mais

Substâncias TF / C TE / C Mercúrio Amônia ,5 Benzeno 5,5 80 Naftaleno

Substâncias TF / C TE / C Mercúrio Amônia ,5 Benzeno 5,5 80 Naftaleno Aluno(a): nº: Turma: Nota Ano: 1º Ano EM Data: / /2016 Trabalho Recuperação Professor(a): Willian Novato Matéria: Química Valor: 30,0 PARA TDAS AS QUESTÕES, AS RESPSTAS DEVERÃ NSTAR DE RAIÍNI NA PRPRIA

Leia mais

- Exotérmico: ocorre com liberação de calor - Endotérmico: ocorre com absorção de calor

- Exotérmico: ocorre com liberação de calor - Endotérmico: ocorre com absorção de calor Fala gás nobre! Tudo bem? Hoje vamos para mais um assunto de química: A termoquímica. Você sabia que as reações químicas absorvem ou liberam calor, e desta forma, ocorre uma troca de energia? Pois é, a

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ PRISE/PROSEL- 1ª ETAPA DISCIPLINA QUIMICA EIXO TEMÁTICO: MATÉRIA, TRASFORMAÇÕES QUÍMICAS E AMBIENTE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ PRISE/PROSEL- 1ª ETAPA DISCIPLINA QUIMICA EIXO TEMÁTICO: MATÉRIA, TRASFORMAÇÕES QUÍMICAS E AMBIENTE PRISE/PROSEL- 1ª ETAPA EIXO TEMÁTICO: MATÉRIA, TRASFORMAÇÕES QUÍMICAS E AMBIENTE COMPETÊNCIA HABILIDADE CONTEÚDO - Compreender as transformações químicas em linguagem discursivas. - Compreender os códigos

Leia mais

QUÍMICA MATÉRIA ISOLADA / TURMA +ENEM

QUÍMICA MATÉRIA ISOLADA / TURMA +ENEM QUÍMICA MATÉRIA ISOLADA / TURMA +ENEM MÓDULO 1 Atomística Tabela Periódica Cálculos Químicos: Grandezas Químicas Cálculos Químicos: Fórmulas Químicas Ligações Químicas Química Orgânica I Estudo da Matéria

Leia mais

EQUILÍBRIO ÁCIDO-BASE 1

EQUILÍBRIO ÁCIDO-BASE 1 EQUILÍBRIO ÁCIDO-BASE 1 1- Definição de ph Os possíveis valores da concentração de H + e OH -, em uma solução aquosa, podem ser de várias ordens de magnitude, variando de cerca de 10 1,3 a 10-15,3. Assim

Leia mais

Apostila de Química 19 Funções Inorgânicas

Apostila de Química 19 Funções Inorgânicas 1.0 Dissociação Apostila de Química 19 Funções Inorgânicas Teoria da dissociação (Arrhenius, 1903) Determinadas substâncias, quando dissolvidas em água, são capazes de originar cátions e ânions (íons livres).

Leia mais

TERMOQUÍMICA- 3C13. As transformações físicas também são acompanhadas de calor, como ocorre na mudanda de estados físicos da matéria.

TERMOQUÍMICA- 3C13. As transformações físicas também são acompanhadas de calor, como ocorre na mudanda de estados físicos da matéria. TERMOQUÍMICA- 3C13 As transformações físicas e as reações químicas quase sempre estão envolvidas em perda ou ganho de calor. O calor é uma das formas de energia mais comum que se conhece. A Termoquimica

Leia mais

Matriz do Teste de Avaliação de Física e Química A - 11.º ano 3 de maio de minutos

Matriz do Teste de Avaliação de Física e Química A - 11.º ano 3 de maio de minutos Ano Letivo 2015/ 2016 Objeto de avaliação Matriz do Teste de Avaliação de Física e Química A - 11.º ano 3 de maio de 2016 120 minutos O teste tem por referência o programa de Física e Química A para o

Leia mais