HUSSERL E A HERANÇA CARTESIANA: DO EGO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "HUSSERL E A HERANÇA CARTESIANA: DO EGO"

Transcrição

1 HUSSERL E A HERANÇA CARTESIANA: DO EGO PSICOLÓGICO O À SUBJETIVIDADE TRANSCENDENTAL Edson Ribeiro de Lima Doutorado Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) Bolsista CAPES. I Dentre os muitos paralelismos afirmados entre o pai do Cogito e o fundador da Fenomenologia, certamente o problema do sujeito possui um papel fundamental. Afinal, se Husserl afirma que a fenomenologia é o sonho secreto de toda a filosofia moderna 206, é em Descartes que ele encontra o germe de uma filosofia verdadeiramente rigorosa. Mesmo o tema do transcendental teria aí sido vislumbrado pela primeira vez na história da filosofia: As sementes da filosofiafia transcendental encontramo-las nós historicamente em Descartes 207. Deste modo, constatamos algo no mínimo inusitado ao percorrermos o tema do transcendental na fenomenologia: nas Investigações lógicas, onde não há ainda o transcendental observamos um Husserl efetivamente cartesiano em seus temas e, a partir de 1907, um Husserl que se refere freqüentemente ao pai do cogito, mas num nível de análise que lembra muito pouco os fundamentos cartesianos estritos, pois a redução que possibilitaria o verdadeiro transcendental não faz restar nada das oposições que ainda a vigoravam nas Investigações de Como pergunta Pedro Alves, por que razão, no momento em que a fenomenologia a si mesma se determina como um filosofia transcendental, se põe ela surpreendentemente sob o signo de Descartes e não de Kant (...)? 208. É sabido, também, que ao mesmo tempo em que Descartes vislumbra a possibilidade de uma filosofia realmente científica, põe tudo a perder ao confundir o transcendental com o empírico. Entre a idéia ia sem efetividade, seja em Descartes seja na posteridade cartesiana, e a efetividade kantiana da idéia do transcendental, por que razão a fenomenologia insiste apesar de tudo na reivindicação de uma filiação que, olhados os 206 Erste Philosophie, Erster Teil: Kritische Ideengeschichte, Hua VII. 207 Krisis, Beilage VIII, Hua VI, p Alves, Pedro M. S., Subjetividade e tempo na fenomenologia de Husserl, p PPG-Fil - UFSCar

2 legítimos sucessores de Descartes, se arrisca a só se poder afirmar como uma descendência bastarda? 209 Se a confusão entre o transcendental e o empírico encontra no conceito de sujeito seu fio condutor, é necessário, portanto, investigar os seus motivos. Esta confusão se torna ainda mais grave ao lembrarmos que Descartes toma como fundamento filosófico a evidência e a exigência de encontrar apenasas conteúdos que sejam certos e indubitáveis, (...) uma vez que a razão já me persuade e de que não devo menos cuidadosamente impedir-me de dar crédito às coisas que nos parecem manifestamente ser falsas s (...) 210. Com efeito, se antes de Descartes, havia sempre um conteúdo que o pensar não havia colocado e que se devia acolher como o verdadeiro antes de filosofar. É com esse habitus que rompe a resolução cartesiana de tomar por primeiro princípio metafísico a certeza imediata do pensar e, por conseguinte, de não reconhecer como verdadeiro senão o que comporta a evidência interior da consciência 211. Aos olhos de Husserl, contudo, este rompimento parece não ter sido completo. Ou ainda, a epoché cartesiana não tirou todas as conclusões que poderia ter tirado a partir do princípio io da dúvida, uma vez que quando Descartes descobre o ego ele o determina como uma esfera obtida por abstração do corpo e, neste momento, só pode concebê-lo como mens sive animus sive intellectus. Este ego só poderá ser visto agora como um resíduo do mundo, como uma região oposta a uma outra região, e a independência da subjetividade em relação ao mundo será interpretada como a separação (Trennung) entre duas substâncias 212. O problema do sujeito, assim, parece vir acompanhado do papel que a redução deveria exercer na economia do método fenomenológico. Ora, é a redução fenomenológica e transcendental a responsável pelo ultrapassamento da posição natural rumo à conquista de um território propriamente fenomenológico. II O pensamento natural define-se pela relação imediata e direta com as coisas compreendidas enquanto meros objetos componentes do mundo, tomados independentemente da tematização desta relação. Ou melhor: as coisas são apreendidas sempre a partir do juízo, da percepção, da recordação, da imaginação, do querer, etc, entretanto o modo de apreensão mesmo, ou a condição de possibilidade de da apreensão, no 209 Alves, idem ibidem, p Descartes, Meditações, primeira meditação, 2, p Lebrun, Gérard Hegel e a ingenuidade cartesiana, in Revista Analytica, vol. 3, n 1, p. 158, Moura, Carlos Alberto Ribeiro de Cartesianismo e fenomenologia: exame de paternidade, in Revista Analytica, vol. 3, n 1, p. 197, PPG-Fil - UFSCar

3 domínio natural, não é ainda tematizada. Neste contexto, o mundo é compreendido como uma extensão no espaço no interior do qual as coisas se situam, numa relação de exterioridade absoluta entre si. As coisas estão à disposição, e a partir dos diferentes modos da percepção sensível pode se estabelecer cadeias dedutivas, relações de causalidade, semelhança, diferença e contigüidade. E tudo isto não somente de maneira arbitrária, mas segundo uma pretensa catalogação lógica em que os conhecimentos concordam uns com os outros, seguem uns aos outros, quer dizer, se organizam numa região de coisas passíveis de serem tratadas por uma ciência positiva regional 213. Quando afirmamos que as coisas estão disponíveis descobrimos que esta disposição se dá para um eu que observa. Este eu pode igualmente tornar-se objeto de uma ciência particular. É este o recuo básico que Descartes realiza a ao suspender o conhecimento sensível enquanto fonte de erro e engano. No entanto, este recuo é feito apenas ao modo de um recuo psicológico, uma vez que assimilando a consciência à alma, esta é ainda parte em relação à realidade. Deste modo, o psicologismo cartesiano pretende um conhecimento mais radical ao operar o deslocamento das coisas para a estrutura que permanece na base deste aparecimento: o ego. Não obstante, ele é tomado no mesmo nível das coisas 214, como extensão psíquica dos objetos no espaço e, mutatis mutandis, o própriorio eu é compreendido espacialmente ou naturalizadamente e, assim o conhecimento é um fato da natureza, é vivência de seres orgânicos que conhecem, é um factum psicológico. Pode, como qualquer factum psicológico, descrever-se segundo as suas espécies e formas de conexão e investigar-se nas suas relações genéticas 215. O eu e a consciência são, segundo esta posição, compreendidos enquanto factum. Não obstante, o eu não está num mero mundo de coisas, mas num mundo contendo valores, bens ou num mundo prático, mesmo na atitude natural. Mesmo aí onde as coisas são tomadasas em si há um horizonte (ainda que natural) em que elas são determinadas como isto ou aquilo: As coisas se apresentam imediatamente como objetos usuais: a mesa com seus livros, o copo, o vaso, o piano, etc. Estes valores e aspectos práticos pertencem também a título constitutivo aos objetos 213 A propósito das ciências da natureza material e das diferentes regiões da realidade, compreendidas num sentido pré-fenomenológico, conferir Idéias III: A natureza material está aí como algo de inteiramente fechado e ela conserva sua unidade fechada e o que lhe é próprio, de modo essencial, neste fechamento: não somente no simples contexto da experiência teórica, mas também no contexto do pensamento teórico da experiência, que nós denominamos, no sentido habitual, de ciência da natureza que seria preferível nomear mais precisamente de ciência da natureza material ( 1, p. 5-6) 6). 214 Para a caracterização da psicologia (em especial o psicologismo) e a antropologia como ciência natural do psíquico e ciência natural do homem respectivamente cf. Investigações Lógicas, Prolegômenos Die Idee der Phänomenologie / Fünf Vorlesungen, Martinus Nijhoff, p. 19, PPG-Fil - UFSCar

4 presentes enquanto tais..... (idem). Contudo é justamente pelo fato de que as coisas possuem um sentido prático que o problema da possibilidade do conhecimento não é posto: a crença na existência real não é tematizada, pois na atitude natural ela ainda não sabe de si mesma. Somente a suspensão da crença permitiria revelar a existência da crença, o que aqui ainda não é realizado 216. Radicalizando a investigação na atitude natural da consciência, descobre-se que por detrás de cada ato de conhecimento há um cogito tácito que acompanha todas as nossas representações, o que é, em grande parte a concepção kantiana que carece igualmente de uma depuração o. Embora esta constatação de uma instância pré-reflexiva nos mostre com mais clareza a região consciência o passo decisivo da redução do mundo natural ainda não é dado: o que temos é somente um cogito mundano ou psicológico 217. É somente com a redução da objetividade que a atitude fenomenológica tem início. A reflexão que produz um corte entre a região consciência e a região do mundo na atitude natural precisa recuar ainda mais e operar, primeiramente, uma redução eidética da vivência. Neste recuo, a consciência descobre-se aquém ou além, mas não no mesmo plano dos objetos naturais, estabelecendo uma separação entre fato e essência, segundo a terminologia das Idéias I 218. A primeira redução move-se já no domínio das essências: neste o objeto é somente o que nos aparece como cogitatum do cogito. O que assim se evidencia é a consciência pura como correlato essencial do objeto reduzido, consciência esta que já não possui qualquer predicado substancial como ocorre no âmbito do psicologismo. O que o psicologismo realiza sem a redução é somente uma mudança de objeto, não de atitude, permanecendo (no que se refere e ao problema do conhecimento) tributário de todos os prejuízos naturalistas. É necessário apresentar a redução como a atitude propriamente e fenomenológica, pois esta instala-se numa região aquém de toda oposição e dualidade, na qual a própria posição natural é tematizada 219. A atitude reflexiva nos mostra que ali onde parecia 216 Cf. Nabais, Nuno in A evidência da possibilidade, Introdução, p. 22. Há assim uma não autonomia metodológica dos argumentos que tornam necessária a redução fenomenológica. Só a suspensão da crença permite revelar a existência da crença. Mas essa suspensão, porque é uma decisão metodológica, só pode ser praticada ou melhor ensaiada sobre a tese da sua existência como um dado prévio. 217 Para Descartes, o que poderia ser compreendido como imanência transcendental tal é encarado apenas como imanência real, como uma região interior, como res cogitans oposta à res extensa. 218 Idéias I, 3, p Cf. Barbaras, Renaud, in Introduction à la phénoménologie de Husserl, p. 91: O mundo não é posto, ele é reencontrado, descoberto. O próprio da atitude natural é justamente que o mundo se dá como anterior e fundador dos atos pelos quais eu me refiro a ele e não como o correlato o destes atos, ou seja, como posto por eles. Assim, em virtude desta própria tese natural, a dimensão propriamente subjetiva da relação ao mundo é, ela mesma, concebida de modo intramundano PPG-Fil - UFSCar

5 haver somente uma atitude ingênua já habitava o transcendental al de modo não tematizado. Temos, pois, a posição de existência dos objetos reduzida perante a consciência pura em que o que aparece é tomado como um dado (Gegebenheit)) absoluto. Nada inquirimos então acerca de fenômenos psicológicos, não falamos deles, nem de certas ocorrências da chamada realidade efetiva (cuja existência permanece e inteiramente em questão), mas do que é e vale, quer exista ou não algo como a realidade objetiva, quer seja ou não legítima a posição de tais transcendências 220. A redução transcendental, por conseguinte, reduz toda transcendência objetiva ao absolutamente dado à consciência, a um campo de imanência transcendental. Neste sentido, pouco interessa a existência efetiva do puramente percepcionado. O mundo é isto que se apresenta enquanto pensado, expresso pela fórmula tardia a que a Krisis nos apresenta: Ego-cogito-cogitata qua cogitata. O dado numa vivência puramente considerada é um dado absoluto. Porém, a partir da caracterização feita acima não acabamos recaindo na mesma posição de Descartes ao estabelecer a certeza apodítica do Cogito?? Isto exige que retornemos mais uma vez à noção de intencionalidade e o estatuto radical que Husserl lhe confere como essência da consciência. Como é sabido, nas Meditações cartesianas, Husserl l afirma que a fenomenologia poderia mesmo ser considerada, em certa medida, como um neocartesianismo. No entanto, um dos muitos aspectos que separam Husserl do pai do Cogito é o conceito de intencionalidade que está na base da compreensão de consciência pela fenomenologia 221. A intencionalidade é um conceito que Husserl herda de Brentano, e é enunciado o da seguinte maneira: Na percepção é percebido algo; na representação imaginativa é representado imaginativamente algo; no enunciado é enunciado algo; no amor r algo é amado; no ódio algo é odiado, etc Ou seja, toda consciência visa algo que e não ela mesma, ruma constantemente para fora de si. Mas Husserl divide ainda a intencionalidade em psicológica e transcendentaltal e, segundo seu 220 Die Idee der Phänomenologie, p Descartes ao atravessar o percurso da dúvida metódica chega à conclusão indubitável de que é algo enquanto duvida: Ora, eu sou u uma coisa verdadeira e verdadeiramente existente, mas que coisa? Já o disse: uma coisa que pensa. (Descartes, Meditações metafísicas; meditação segunda). O problema posterior será o de saber como se dá a relação entre a consciência e os objetos compreendidos como duas instâncias separadas, como exteriores enfim. Esta separação, para Husserl, é a continuação filosófica dos prejuízos galilaicos que estavamam na base da teorização da natureza, pois Galileu, ao enxergar o mundo pelas lentes da geometria, fazia abstração dos sujeitos e compreendia a natureza como mundo de corpos realmente fechado sobre si. Com a redução, não faz sentido pensar o subjetivo oposto ao nãosubjetivo. O objetivo torna-se também subjetivo como seu ato correlato. Cf. Krisis, p. 82 e ss. 222 Investigações Lógicas V, PPG-Fil - UFSCar

6 juízo, seu mestre havia ficado apenas na primeira. Além desta distinção, Husserl dá ainda um passo radical ao definir a intencionalidade como essência da consciência e, neste sentido, a consciênciacia não preexiste ao seu ato. A unidade da consciência não está dada previamente à multiplicidade das vivências, não sendo, desta maneira, mera condição de possibilidade para as vivências. Antes, é no interior do próprio fluxo da vivência que a consciência ia se dá. Os atos da consciência são definidos como vivências intencionais, e não como o atividades psíquicas; distante de qualquer compreensão psíquica, a consciência é (...) referência intencional 223. No entanto, se a consciência é necessariamente consciência de algo, em que se pese ser a intencionalidadede sua estrutura fundamental, qual o estatuto da coisa a qual a consciência se refere? Há também a necessidade de que toda intenção seja preenchida através de uma intuição sensível? Estas questões exigem um retorno à VI Investigação. Aí, já a distinção entre intenção de significação e preenchimento de intenção nos mostra que a intuição possui um sentido mais amplo que aquele dado por Kant a este conceito. O preenchimento de intenção comporta graus, não havendo, então, a necessidade de que a toda intenção corresponda uma intuição, embora para o caso específico do conhecimentonto o preenchimento deva ocorrer. Desde as Investigações lógicas Husserl admitia uma modalidade de intenção que é vazia, meramente significativa, para os casos em que não há preenchimento possível. Trata-se neste caso apenas de uma intenção significativa, sem preenchimento real. A percepção é um ato que apenas determina a significação, mas não a contém: a significação reside numa esfera anterior à percepção como uma intencionalidade peculiar que a possibilita. O visar algo se preenche na percepção, mas não é a própria percepção 224. Podemos dizer, de modo geral, que a intencionalidade é anterior à esfera da percepção e do juízo, como componente essencial para a consciência perceptiva ou judicativa, componente essencial este que se constitui como significação. O caráter de ato do indicar, quando regido pelo intuir, recebe uma determinação de intenção que se preenche, nesse intuir, de acordo com um teor de componentes 225. Desde então a intencionalidade é este indicar, esta direção que expressa um sentido sem mesmo, num primeiro momento, reivindicar qualquer base intuitiva. Por outro lado conhecemos também o teor antiformalista expresso no lema zu den Sachen selbst pelo qual as Investigações se tornaram célebres. 223 Investigações Lógicas V, Cf. Investigações Lógicas VI,, 5, p Idem, ibidem p PPG-Fil - UFSCar

7 BIBLIOGRAFIA Obras de Husserl: Die Idee der Phänomenologie, Haag: Martinus Nijhoff, Band II, Erste Philosophie, Haag: Martinus Nijhoff, Band VII, Erster Teil, Idées directrices pour une e phénoménologie (Introduction generale à la phénoménologie pure), Trad. Paul Ricoeur, Paris: Gallimard, Investigações lógicas (Sexta investigação). Trad. Zeljko Loparic e Andréa Loparic, in Col. Os Pensadores, es, São Paulo, Ed. Abril, Die Krisis der europäischen Wissenschaften und die transzendentale Phänomenologie, Haag, Martinus Nijhoff, Husserliana, Méditations cartésiennes,, Trad. Gabrielle Peiffer et E. Lévinas, Paris: Vrin, Philosophie als strenge Wissenschaft, Frankfurt am Main: Vittorio Klostermann, Outras Obras: Alves, Pedro M. S. Subjectividade e tempo na fenomenologia de Husserl, Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa, Barbaras, Renaud Introduction à la philosophie de Husserl, Paris: Les Éditions de la Transparence, Conrad-Martius, H. Die transzendentale und die ontologische Phänomenologie, in Edmund Husserl , Haag: M. Nijhoff. Descartes, René Meditações, Trad. J. Guinsburg e Bento Prado Júnior, in Col. Os pensadores, São Paulo: Abril Cultural, Kant, Immanuel Kritik der reinen Vernunft, Felix Meiner, Hamburg, Lebrun, Gérard Hegel e a ingenuidade cartesiana, in Revista Analytica, volume 3, número 1, Levy, Lia Eu sou eu existo: isto é certo; mas por quanto tempo? O Tempo, o Eu e os Outros Eus. In Analytica, Vol. 2, N 2, Moura, Carlos Alberto Ribeiro de Cartesianismo e fenomenologia: exame de paternidade, in Revista Analytica, volume 3, número 1, Nabais, Nuno A evidência da possibilidade (A questão modal na fenomenologia de Husserl), Lisboa: Relógio D Água Editores, PPG-Fil - UFSCar

269- Anais - Congresso de Fenomenologia da Região Centro-Oeste

269- Anais - Congresso de Fenomenologia da Região Centro-Oeste HEIDEGGER: A REDUÇÃO FENOMENOLÓGICA E A PERGUNTA PELO SER 269 - Caderno de texto IV Congresso de Fenomenologia da Região Cenro-Oeste. Resumo: Maria Clara CESCATO - UFPB, Campus IV cescato@voila.fr Eixo

Leia mais

O papel da dúvida na filosofia cartesiana: a interpretação hegeliana sobre Descartes nas Lições sobre História da Filosofia

O papel da dúvida na filosofia cartesiana: a interpretação hegeliana sobre Descartes nas Lições sobre História da Filosofia O papel da dúvida na filosofia cartesiana: a interpretação hegeliana sobre Descartes nas Lições sobre História da Filosofia Carlos Gustavo Monteiro Cherri Mestrando em Filosofia pela UFSCar gucherri@yahoo.com.br

Leia mais

Fenomenologia e ciências humanas: a crítica de Husserl ao positivismo

Fenomenologia e ciências humanas: a crítica de Husserl ao positivismo ISSN 0104-4443 Licenciado sob uma Licença Creative Commons [T] Fenomenologia e ciências humanas: a crítica de Husserl ao positivismo [I] Phenomenology and human sciences: Husserl s criticism to positivism

Leia mais

TOCAR E VER: O CORPO TORNANDO-SE SUJEITO

TOCAR E VER: O CORPO TORNANDO-SE SUJEITO TOCAR E VER: O CORPO TORNANDO-SE SUJEITO Iraquitan de Oliveira Caminha 1 O objetivo desse estudo é analisar a experiência de tocar e de ver, considerando a pulsão de domínio, concebida por Freud, e a motricidade

Leia mais

O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA

O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA Gilberto do Nascimento Lima Brito* 1. INTRODUÇÃO Nossa pesquisa consistirá em analisar o conceito de matéria na filosofia da natureza de Immanuel

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave fenomenologia; método; mística

RESUMO. Palavras-chave fenomenologia; método; mística RESUMO FENOMENOLOGIA E MÍSTICA Uma abordagem metodológica Elton Moreira Quadros Professor substituto na Univ. Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), Faculdade Juvência Terra (FJT) Instituto de Filosofia

Leia mais

A TEORIA DO CONHECIMENTO DE DESCARTES E SUA RELAÇÃO COM A GEOMETRIA EUCLIDIANA PLANA

A TEORIA DO CONHECIMENTO DE DESCARTES E SUA RELAÇÃO COM A GEOMETRIA EUCLIDIANA PLANA A TEORIA DO CONHECIMENTO DE DESCARTES E SUA RELAÇÃO COM A GEOMETRIA EUCLIDIANA PLANA Danilo Pereira Munhoz Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho danilomunhoz@gmail.com Fabrícia Lélis Universidade

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

VI Seminário de Pós-Graduação em Filosofia da UFSCar 20 a 24 de setembro de 2010 Sartre: razão e dialética

VI Seminário de Pós-Graduação em Filosofia da UFSCar 20 a 24 de setembro de 2010 Sartre: razão e dialética Sartre: razão e dialética Vinícius dos Santos Doutorado UFSCar Bolsista FAPESP Em 1960, Sartre publica o primeiro tomo de sua Crítica da razão dialética. O objetivo destacado da obra era conciliar o marxismo,

Leia mais

Descartes e Hobbes: A questão da subjetividade como ponto de encruzilhada

Descartes e Hobbes: A questão da subjetividade como ponto de encruzilhada 177 Descartes e Hobbes: A questão da subjetividade como ponto de encruzilhada Edgard Vinícius Cacho Zanette * RESUMO Em Descartes, a ligação entre res cogitans e ser sujeito é complexa. A referência a

Leia mais

Algumas considerações sobre a consciência na perspectiva fenomenológica de Merleau-Ponty 1

Algumas considerações sobre a consciência na perspectiva fenomenológica de Merleau-Ponty 1 399 Estudos de Psicologia Comunicação 1997, 2(2), breve 399-405 C O M U N I C A Ç Ã O B R E V E Algumas considerações sobre a consciência na perspectiva fenomenológica de Merleau-Ponty 1 Ana Regina de

Leia mais

KANT E AS GEOMETRIAS NÃO-EUCLIDIANAS

KANT E AS GEOMETRIAS NÃO-EUCLIDIANAS KANT E AS GEOMETRIAS NÃO-EUCLIDIANAS Gustavo Leal - Toledo 1 RESUMO Pretende-se mostrar, neste trabalho, que a Exposição Metafísica não depende da Exposição Transcendental nem da geometria euclidiana.

Leia mais

A CONSCIÊNCIA NA FENOMENOLOGIA HUSSERLIANA 1

A CONSCIÊNCIA NA FENOMENOLOGIA HUSSERLIANA 1 A CONSCIÊNCIA NA FENOMENOLOGIA HUSSERLIANA 1 THE CONSCIOUSNESS IN THE HUSSERLIAN PHENOMENOLOGY Luis Carlos Ribeiro Alves 2 RESUMO: Este artigo analisa o papel fundamental da consciência na construção da

Leia mais

CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ?

CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? CURITIBA 2011 CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? Projeto de pesquisa apresentado à Universidade Federal

Leia mais

Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade

Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade Notandum 14 http://www.hottopos.com CEMOrOC Feusp / IJI Univ. do Porto 2007 Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade Marcos Sidnei Pagotto

Leia mais

PROJETO DA CRÍTICA DA RAZÃO PURA E A IMPOSSIBILIDADE DA ONTOLOGIA ENQUANTO CIÊNCIA

PROJETO DA CRÍTICA DA RAZÃO PURA E A IMPOSSIBILIDADE DA ONTOLOGIA ENQUANTO CIÊNCIA O PROJETO DA CRÍTICA DA RAZÃO PURA E A IMPOSSIBILIDADE DA ONTOLOGIA ENQUANTO CIÊNCIA Regenaldo da Costa * RESUMO Conforme a Crítica da Razão Pura de Kant, o conhecimento humano é mediado pela subjetividade

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

Hume, Kant, Schulze e a relação entre ceticismo e filosofia

Hume, Kant, Schulze e a relação entre ceticismo e filosofia Hume, Kant, Schulze e a relação entre ceticismo e filosofia Lucas Nascimento Machado RESUMO Em nosso artigo, discutiremos a relação entre ceticismo e filosofia tal como ela se daria na conexão entre Hume,

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia I Natureza Humana * Qual a natureza humana? Ou seja, qual é a ontologia humana? - Uma teoria da natureza humana busca especificar

Leia mais

O Realismo Metafísico de Merleau-Ponty

O Realismo Metafísico de Merleau-Ponty Logic, Language and Knowledge. Essays on Chateauriand s Logical Forms Walter A. Carnielli and Jairo J. da Silva (eds CDD: 142.7 O Realismo Metafísico de Merleau-Ponty MARCUS SACRINI A. FERRAZ Departamento

Leia mais

dóxa e epistéme. sensível e inteligível. fé e razaão.

dóxa e epistéme. sensível e inteligível. fé e razaão. dóxa e epistéme. sensível e inteligível. fé e razaão. Senso comum... aranha caranguejeira ou aranha-marrom? Epistemologia Moderna e Contemporânea EPISTEMOLOGIA investiga o conhecimento. limites. possibilidades.

Leia mais

O Ser na Psicanálise Existencial

O Ser na Psicanálise Existencial O Ser na Psicanálise Existencial Paulo Roberto de Oliveira Resumo: Pretendemos abordar a questão do ser, pois, entendemos que a reflexão sobre o humanismo ou pós-humanismo passa por uma análise ontológica.

Leia mais

DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA PULSIONAL FREUDIANA PARA UMA REFLEXÃO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE AMOR E ÓDIO. Ligia Maria Durski

DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA PULSIONAL FREUDIANA PARA UMA REFLEXÃO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE AMOR E ÓDIO. Ligia Maria Durski DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA PULSIONAL FREUDIANA PARA UMA REFLEXÃO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE AMOR E ÓDIO. Ligia Maria Durski Iniciemos este texto fazendo uma breve retomada de alguns momentos importantes da

Leia mais

Conhecimento - Kant e Númeno Teresa Simões FBAUL, 2006

Conhecimento - Kant e Númeno Teresa Simões FBAUL, 2006 Conhecimento - Kant e Númeno Teresa Simões FBAUL, 2006 Sumário Introdução 1 Desenvolvimento. 1 1. O Conhecimento.. 2 2. A sensação e percepção... 3 3. Kant e o conhecimento como actividade construtiva

Leia mais

Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em

Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em psicanálise Autor: Érico Campos RESUMO Este trabalho discute questões gerais envolvidas na leitura de textos e discursos nas ciências

Leia mais

MÉTODO CIENTÍFICO. BENEFÍCIOS DO MÉTODO: execução de atividade de forma mais segura, mais econômica e mais perfeita;

MÉTODO CIENTÍFICO. BENEFÍCIOS DO MÉTODO: execução de atividade de forma mais segura, mais econômica e mais perfeita; MÉTODO CIENTÍFICO CONCEITO: palavra de origem grega, significa o conjunto de etapas e processos a serem vencidos ordenadamente na investigação da verdade; IMPORTÃNCIA DO MÉTODO: pode validar ou invalidar

Leia mais

VI Seminário de Pós-Graduação em Filosofia da UFSCar 20 a 24 de setembro de 2010

VI Seminário de Pós-Graduação em Filosofia da UFSCar 20 a 24 de setembro de 2010 Fundamentos metodológicos da teoria piagetiana: uma psicologia em função de uma epistemologia Rafael dos Reis Ferreira Universidade Estadual Paulista (UNESP)/Programa de Pós-Graduação em Filosofia FAPESP

Leia mais

SCHELSER: A ÉTICA MATERIAL DOS VALORES

SCHELSER: A ÉTICA MATERIAL DOS VALORES SCHELSER: A ÉTICA MATERIAL DOS VALORES Marisa Machado 1 Resumo: Esse trabalho visa abordar uma ética material Scheleriana. O autor, Max Scheler, procurou descobrir a partir do estudo da fenomenologia de

Leia mais

PAULO GILBERTO GUBERT *

PAULO GILBERTO GUBERT * Recebido em mai. 2013 Aprovado em ago. 2013 DO CONFRONTO ENTRE O GEIST E O ALTER EGO EM RICOEUR PAULO GILBERTO GUBERT * RESUMO O problema da consciência é fundamental para estabelecer um embate fenomenológico

Leia mais

A LOUCURA E O COGITO DE DESCARTES: um diálogo entre Derrida e Foucault

A LOUCURA E O COGITO DE DESCARTES: um diálogo entre Derrida e Foucault A LOUCURA E O COGITO DE DESCARTES: um diálogo entre Derrida e Foucault *Daniel Salésio Vandresen 1 RESUMO Este artigo apresenta o diálogo, um tanto conflitante, entre Foucault e Derrida sobre a relação

Leia mais

A QUESTÃO DO SUJEITO HUMANO Angela Ales Bello

A QUESTÃO DO SUJEITO HUMANO Angela Ales Bello A QUESTÃO DO SUJEITO HUMANO Angela Ales Bello Edmund Husserl e Edith Stein O contínuo contacto com as análises realizadas por Edith Stein, seguindo a estrada aberta por seu mestre Husserl, me leva a ler

Leia mais

Os fundamentos do juízo: a faculdade do juízo e a conformidade a fins

Os fundamentos do juízo: a faculdade do juízo e a conformidade a fins 2. Os fundamentos do juízo: a faculdade do juízo e a conformidade a fins As considerações iniciais deste capítulo dizem respeito à faculdade do juízo, elemento sem o qual não é possível entender o fundamento

Leia mais

Antropologia Personalista (texto recortado e re-construído a partir da obra BIOÉTICA de José Roque Junges, Editora Unisinos).

Antropologia Personalista (texto recortado e re-construído a partir da obra BIOÉTICA de José Roque Junges, Editora Unisinos). Antropologia Personalista (texto recortado e re-construído a partir da obra BIOÉTICA de José Roque Junges, Editora Unisinos). A sistematização antropológica que segue corresponde à perspectiva apresentada

Leia mais

NOTAS INTRODUTÓRIAS SOBRE A ORIGEM DO MOVIMENTO FENOMENOLÓGICO E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA GESTALT TERAPIA

NOTAS INTRODUTÓRIAS SOBRE A ORIGEM DO MOVIMENTO FENOMENOLÓGICO E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA GESTALT TERAPIA 1- Anais - Congresso de Fenomenologia da Região Centro-Oeste NOTAS INTRODUTÓRIAS SOBRE A ORIGEM DO MOVIMENTO FENOMENOLÓGICO E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA GESTALT TERAPIA Jessica Garcia Psicologia FE-UFG Resumo

Leia mais

FILOSOFIA. Fernando Pessoa FILOSOFIA

FILOSOFIA. Fernando Pessoa FILOSOFIA Fernando Pessoa FILOSOFIA FILOSOFIA Se há um assunto eminentemente filosófico é a classificação das ciências. Pertence à filosofia e a nenhuma outra ciência. É só no ponto de vista mais genérico que podemos

Leia mais

O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS

O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

Deleuze, a arte e a filosofia

Deleuze, a arte e a filosofia roberto machado Deleuze, a arte e a filosofia Rio de Janeiro a geografia do pensamento Filosofia e criação de conceitos Gilles Deleuze sempre exerceu seu pensamento em relação a domínios ou objetos heterogêneos

Leia mais

ENSINO DE FILOSOFIA O DESAFIO EM TRANSITAR ENTRE A HISTÓRIA E OS TEMAS DO COTIDIANO

ENSINO DE FILOSOFIA O DESAFIO EM TRANSITAR ENTRE A HISTÓRIA E OS TEMAS DO COTIDIANO ENSINO DE FILOSOFIA O DESAFIO EM TRANSITAR ENTRE A HISTÓRIA E OS TEMAS DO COTIDIANO HOFFMANN, Mara Lúcia Schuster Bolsista do Capes - PIBID/UNIFRA Acadêmica do Curso de Filosofia UNIFRA Email: maraluciahoffmann@yahoo.com.br

Leia mais

DATA: VALOR: 20 PONTOS NOME COMPLETO:

DATA: VALOR: 20 PONTOS NOME COMPLETO: DISCIPLINA: FILOSOFIA PROFESSOR: ENRIQUE MARCATTO DATA: VALOR: 20 PONTOS NOTA: NOME COMPLETO: ASSUNTO: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SÉRIE: 2ªEM TURMA: Nº: I N S T R U Ç Õ E S 1. Esta prova contém 05 questões

Leia mais

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação Marcela Alves de Araújo França CASTANHEIRA Adriano CORREIA Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Filosofia

Leia mais

A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO.

A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO. A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO. Ac. Denise Carla de Deus (PIBIC/CNPq/UFSJ 2000-2002) Orientadora: Prof. Dra. Marilúze Ferreira Andrade e Silva

Leia mais

A dúvida cartesiana dos sentidos na primeira meditação como elemento fundamental para compreensão das meditações metafísicas de Descartes

A dúvida cartesiana dos sentidos na primeira meditação como elemento fundamental para compreensão das meditações metafísicas de Descartes A dúvida cartesiana dos sentidos na primeira meditação como elemento fundamental para compreensão das meditações metafísicas de Descartes Juliana Abuzaglo Elias Martins Doutoranda em Filosofia pela UFRJ

Leia mais

CONHECER: UMA OPÇÃO. RUI RODRIGUES Social anthropology is best regarded as an art and not as a natural science.

CONHECER: UMA OPÇÃO. RUI RODRIGUES Social anthropology is best regarded as an art and not as a natural science. CONHECER: UMA OPÇÃO RUI RODRIGUES Social anthropology is best regarded as an art and not as a natural science. (Evans-Pritchard, 1979:85) A frase em epígrafe do grande antropólogo britânico coloca, de

Leia mais

ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN. Prof. Helder Salvador

ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN. Prof. Helder Salvador ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN Prof. Helder Salvador 5.2 - Alma e Psique Já em sua tese de doutoramento, Stein oferece uma primeira noção do que ela considera sob os termos alma e psique, e essa

Leia mais

FENOMENOLOGIA E TEORIA DO CONHECIMENTO EM HUSSERL

FENOMENOLOGIA E TEORIA DO CONHECIMENTO EM HUSSERL Urbano Zilles FENOMENOLOGIA E TEORIA DO CONHECIMENTO EM HUSSERL Phenomenology and Theory of Knowledge in Husserl Fenomenología y Teoría del Conocimiento en Husserl URBANO ZILLES Resumo: O texto apresenta

Leia mais

Mestre e discípulos conversam sobre o conceito de realidade.

Mestre e discípulos conversam sobre o conceito de realidade. HETERONÍMIA 7. REALIDADE Mestre e discípulos conversam sobre o conceito de realidade. Horóscopo de Alberto Caeiro, feito por Fernando Pessoa. «Uma sombra é real, mas é menos real que uma pedra» Uma das

Leia mais

NOTAS ACERCA DO VIRTUAL. Celso Candido

NOTAS ACERCA DO VIRTUAL. Celso Candido NOTAS ACERCA DO VIRTUAL Celso Candido A fim de tornar mais claro o conceito de virtual, pressuposto neste trabalho, vai-se abordar este problema a partir de uma leitura de Pierre Lévy e Gilles Deleuze.

Leia mais

Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências

Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências ESPECIALIZAÇAO EM CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências Prof. Nelson Luiz Reyes Marques O que é ciência afinal? O que é educação em ciências? A melhor maneira

Leia mais

NOTAS SOBRE A INTERPRETAÇÃO HEIDEGGERIANA DA SUBJETIVIDADE E DO COGITO CARTESIANO

NOTAS SOBRE A INTERPRETAÇÃO HEIDEGGERIANA DA SUBJETIVIDADE E DO COGITO CARTESIANO NOTAS SOBRE A INTERPRETAÇÃO HEIDEGGERIANA DA SUBJETIVIDADE E DO COGITO CARTESIANO Edgard Vinícius Cacho Zanette 1 Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) RESUMO: A proposta do presente artigo é discutir

Leia mais

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Henrique Figueiredo Carneiro Liliany Loureiro Pontes INTRODUÇÃO Esse trabalho apresenta algumas considerações,

Leia mais

DO FATO À INTERPRETAÇÃO A PARTIR DO PENSAMENTO DE NIETZSCHE

DO FATO À INTERPRETAÇÃO A PARTIR DO PENSAMENTO DE NIETZSCHE Alison Ferreira Oliveira (Bolsista PET Filosofia) Glória Maria Ferreira Ribeiro (Orientadora Tutora do Grupo PET) Agência financiadora: MEC/SESu Resumo: O presente trabalho analisa a noção de saber (do

Leia mais

John Locke (1632-1704) Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750

John Locke (1632-1704) Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750 John Locke (1632-1704) Biografia Estudou na Westminster School; Na Universidade de Oxford obteve o diploma de médico; Entre 1675 e 1679 esteve na França onde estudou Descartes (1596-1650); Na Holanda escreveu

Leia mais

Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação

Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Conhecimento e Ciência: tipos de conhecimentos Professora: Sueli Andrade Disciplina: Metodologia do Trabalho Científico Ciência e Conhecimento

Leia mais

Domingos José Matos Sousa Faria. Encontro de Amor. Ensaios de Filosofia

Domingos José Matos Sousa Faria. Encontro de Amor. Ensaios de Filosofia Domingos José Matos Sousa Faria Encontro de Amor Ensaios de Filosofia FICHA TÉCNICA: Título: Encontro de Amor - Ensaios de Filosofia Autor: Domingos Faria (www.domingosfaria.net) Edição do Autor Capa:

Leia mais

ESPIRITISMO, CIÊNCIA E AMOR

ESPIRITISMO, CIÊNCIA E AMOR Claudio C. Conti www.ccconti.com Congresso Espiritismo 150 de O Evangelho Segundo o Espiritismo ESPIRITISMO, CIÊNCIA E AMOR Como funcionamos A mente é a ferramenta para compreender questões que transcendem

Leia mais

Desenvolvimento moral da criança: semelhanças e distinções entre o pensamento de Kant e Piaget. Pôster

Desenvolvimento moral da criança: semelhanças e distinções entre o pensamento de Kant e Piaget. Pôster Desenvolvimento moral da criança: semelhanças e distinções entre o pensamento de Kant e Piaget Camila Costa Soufen Universidade Sagrado Coração, Bauru/SP e-mail: camilasoufen@gmail.com Cleiton José Senem

Leia mais

COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA?

COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA? COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA? Conhecimento: Conhecimento: nada mais é que a apreensão da realidade, de forma real ou imaginada. Entendendo realidade como aquilo

Leia mais

A CRISE DA HUMANIDADE EUROPÉIA E A FILOSOFIA. 2ª Edição

A CRISE DA HUMANIDADE EUROPÉIA E A FILOSOFIA. 2ª Edição A CRISE DA HUMANIDADE EUROPÉIA E A FILOSOFIA 2ª Edição PONTIFICIA UNIVERSIDADE CATOLICA DO RIO GRANDE DO SUL CHANCELER Dom Dadeus Grings REITOR Ir. Norberto Francisco Rauch CONSELHO EDITORIAL Antoninho

Leia mais

O PENSAMENTO HEGELIANO: O SISTEMA E A DIALÉTICA. Resumo

O PENSAMENTO HEGELIANO: O SISTEMA E A DIALÉTICA. Resumo 1 O PENSAMENTO HEGELIANO: O SISTEMA E A DIALÉTICA Cassio Donizete Marques 1 Resumo Hegel é considerado um dos pensadores mais complexos de toda a história da filosofia. Seu pensamento estabelece, senão

Leia mais

HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE

HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE Prof. Pablo Antonio Lago Hegel é um dos filósofos mais difíceis de estudar, sendo conhecido pela complexidade de seu pensamento

Leia mais

A NOÇÃO HUSSERLIANA DE SUBJETIVIDADE TRANSCENDENTAL

A NOÇÃO HUSSERLIANA DE SUBJETIVIDADE TRANSCENDENTAL 11 A NOÇÃO HUSSERLIANA DE SUBJETIVIDADE TRANSCENDENTAL Alberto Marcos Onate* SÍNTESE Baseado no cogito cartesiano, mas também o submetendo a importantes reformulações, Husserl desenvolve o seu próprio

Leia mais

Resenha Resenha Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 8, n. 11, p. 133-135, jun. 2002 131

Resenha Resenha Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 8, n. 11, p. 133-135, jun. 2002 131 Resenha 131 132 LÉVY, André. Ciências clínicas e organizações sociais. Belo Horizonte: Autêntica, 2001. 224p. Lançado por ocasião do VIII Colóquio Internacional de Psicossociologia e Sociologia Clínica,

Leia mais

FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA

FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA A prova de filosofia se mostrou abrangente em relação aos conteúdos propostos. Destacamos algumas pequenas observações nas questões envolvendo o livro X da República de

Leia mais

DIALÉTICA NEGATIVA. Theodor W. Adorno MARCO ANTONIO CASANOVA EDUARDO SOARES NEVES SILVA. Tradução. Revisão técnica

DIALÉTICA NEGATIVA. Theodor W. Adorno MARCO ANTONIO CASANOVA EDUARDO SOARES NEVES SILVA. Tradução. Revisão técnica DIALÉTICA NEGATIVA Theodor W. Adorno DIALÉTICA NEGATIVA Tradução MARCO ANTONIO CASANOVA Professor do Depto. de Filosofia, Uerj Revisão técnica EDUARDO SOARES NEVES SILVA Professor adjunto do Depto. de

Leia mais

É necessário (re)ler Ferdinand de Saussure nos manuscritos originais. Entrevista de Laurent Wolf com Simon BOUQUET

É necessário (re)ler Ferdinand de Saussure nos manuscritos originais. Entrevista de Laurent Wolf com Simon BOUQUET É necessário (re)ler Ferdinand de Saussure nos manuscritos originais Entrevista de Laurent Wolf com Simon BOUQUET Nessa entrevista Simon Bouquet fala da importância de se retornar aos escritos originais

Leia mais

GESTÃO ESCOLAR: UMA NOVA VISÃO DA EDUCAÇÃO

GESTÃO ESCOLAR: UMA NOVA VISÃO DA EDUCAÇÃO GESTÃO ESCOLAR: UMA NOVA VISÃO DA EDUCAÇÃO Preletora: Antônia dos Santos Alves Quem é o Gestor? Ajustar a mente no início do dia. Escola é uma empresa com características próprias O ato de orar antes das

Leia mais

Distinção entre Norma Moral e Jurídica

Distinção entre Norma Moral e Jurídica Distinção entre Norma Moral e Jurídica Filosofia do direito = nascimento na Grécia Não havia distinção entre Direito e Moral Direito absorvia questões que se referiam ao plano da consciência, da Moral,

Leia mais

Por que Ontopsicologia?

Por que Ontopsicologia? Ensaio Por que Ontopsicologia? Érico de Lima Azevedo Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) Faculdade Antonio Meneghetti (AMF) Josiane Beatriz Piccin Barbieri Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

COLÉGIO MONS. JOVINIANO BARRETO 52 ANOS DE HISTÓRIA ENSINO E DISCIPLINA

COLÉGIO MONS. JOVINIANO BARRETO 52 ANOS DE HISTÓRIA ENSINO E DISCIPLINA GABARITO 2ª Chamada Bim. DISCIPLINA: Fil. / Ing. / Esp. COLÉGIO MONS. JOVINIANO BARRETO 52 ANOS DE HISTÓRIA ENSINO E DISCIPLINA QUEM NÃO É O MAIOR TEM QUE SER O MELHOR Rua Frei Vidal, 1621 São João do

Leia mais

A Primeira Certeza Cartesiana Georges Dicker A assunção mais básica do Cogito é aquela que pode ser descrita pela teoria da substância.

A Primeira Certeza Cartesiana Georges Dicker A assunção mais básica do Cogito é aquela que pode ser descrita pela teoria da substância. A Primeira Certeza Cartesiana Georges Dicker A assunção mais básica do Cogito é aquela que pode ser descrita pela teoria da substância. Ela é uma resposta à questão filosófica o que é uma coisa? A fim

Leia mais

DUALISMO, SUBSTÂNCIA E ATRIBUTO ESSENCIAL NO SISTEMA CARTESIANO

DUALISMO, SUBSTÂNCIA E ATRIBUTO ESSENCIAL NO SISTEMA CARTESIANO DUALISMO, SUBSTÂNCIA E ATRIBUTO ESSENCIAL NO SISTEMA CARTESIANO Ethel Menezes Rocha UFRJ/CNPq 1 Na Sexta Meditação, Descartes conclui seu argumento iniciado na Segunda Meditação em favor da distinção real

Leia mais

CAMPO CONCEITUAL E REPRESENTAÇÕES SEMIÓTICAS DO CONCEITO DE FUNÇÃO: ANÁLISE DE LIVROS DIDÁTICOS DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL

CAMPO CONCEITUAL E REPRESENTAÇÕES SEMIÓTICAS DO CONCEITO DE FUNÇÃO: ANÁLISE DE LIVROS DIDÁTICOS DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL ISSN 2316-7785 CAMPO CONCEITUAL E REPRESENTAÇÕES SEMIÓTICAS DO CONCEITO DE FUNÇÃO: ANÁLISE DE LIVROS DIDÁTICOS DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL Jéssica Goulart da Silva Universidade Federal do Pampa

Leia mais

BREVES CONSIDERAÇÕES A RESPEITO DA FENOMENOLOGIA E DO MÉTODO FENOMENOLÓGICO

BREVES CONSIDERAÇÕES A RESPEITO DA FENOMENOLOGIA E DO MÉTODO FENOMENOLÓGICO BREVES CONSIDERAÇÕES A RESPEITO DA FENOMENOLOGIA E DO MÉTODO FENOMENOLÓGICO Guilherme Saramago de Oliveira 1 Ana Maria de Oliveira Cunha 2 Resumo: Este artigo tem como objetivos, definir, contextualizar

Leia mais

a) Apresente o propósito e os graus da dúvida metódica. b) Demonstre como Descartes descobre que o pensamento é a verdade primeira.

a) Apresente o propósito e os graus da dúvida metódica. b) Demonstre como Descartes descobre que o pensamento é a verdade primeira. FILOSOFIA 1 Leia o texto a seguir. Mas há algum, não sei qual, enganador mui poderoso e mui ardiloso que emprega toda sua indústria em enganar-me sempre. Não há, pois, dúvida alguma de que sou, se ele

Leia mais

Gestalt. Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma.

Gestalt. Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma. Gestalt 29 de setembro de 2006 Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma. '''ORIGEM DA PSICOLOGIA DA FORMA''' Durante o

Leia mais

UNIP Universidade Paulista Estudos Políticos e Sociais

UNIP Universidade Paulista Estudos Políticos e Sociais SOCIEDADE E EDUCAÇÃO INTRODUÇÃO Citelli (2004) apresenta um ponto de vista acerca do momento vivido pela escola e, conseqüentemente, pela educação, bastante elucidativo: A escola está sendo pensada, assim,

Leia mais

161 FILOSOFIA Prova escrita

161 FILOSOFIA Prova escrita 161 FILOSOFIA Prova escrita PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Duração: 120 min Ano: 2014 1ª fase - Junho 10º/11º anos Grupo I Selecione a alternativa correta: 1. Uma não ação é algo que A. Nos acontece.

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SOROCABA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE DE SOROCABA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE DE SOROCABA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO Benedito Aparecido Cirino UNIVERSIDADE E MORAL Uma leitura crítica a partir da filosofia de Henri Bergson Sorocaba/SP

Leia mais

O RIGOR CIENTÍFICO COMO QUESTÃO ÉTICA EM EDMUND HUSSERL

O RIGOR CIENTÍFICO COMO QUESTÃO ÉTICA EM EDMUND HUSSERL O RIGOR CIENTÍFICO COMO QUESTÃO ÉTICA EM EDMUND HUSSERL Edebrande Cavalieri UFES Resumo A preocupação com o rigor científico está presente desde os primeiros escritos da vasta obra husserliana. Especialmente

Leia mais

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho Direitos Autorais: Faculdades Signorelli "O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém, desviamo-nos dele. A cobiça envenenou a alma dos homens,

Leia mais

Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito

Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito 1. (Uel 2012) Leia o texto a seguir. No ethos (ética), está presente a razão profunda da physis (natureza) que se manifesta no finalismo

Leia mais

Contextualizar alguns dos principais métodos científicos. Conhecer as tendências contemporâneas da pesquisa em educação

Contextualizar alguns dos principais métodos científicos. Conhecer as tendências contemporâneas da pesquisa em educação PLANO DE CURSO 1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1.1 Instituição: Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB 1.2 Programa de Pós-Graduação em Educação PPGEd 1.3 Curso: Mestrado em Educação 1.4 Disciplina:

Leia mais

Plano de Aula de Filosofia para o Ensino Médio. Tema: História da Filosofia Instrumento de Pesquisa

Plano de Aula de Filosofia para o Ensino Médio. Tema: História da Filosofia Instrumento de Pesquisa Plano de Aula de Filosofia para o Ensino Médio Tema: História da Filosofia Instrumento de Pesquisa 1. Sensibilização e Investigação textual Primeiramente, serão apresentados os excertos dos textos sem

Leia mais

CONSIDERAÇÃO SOBRE O CONCEITO DE POSSE NA DOUTRINA DO DIREITO DE KANT

CONSIDERAÇÃO SOBRE O CONCEITO DE POSSE NA DOUTRINA DO DIREITO DE KANT CONSIDERAÇÃO SOBRE O CONCEITO DE POSSE NA DOUTRINA DO DIREITO DE KANT Jéssica de Farias Mesquita 1 RESUMO: O seguinte trabalho trata de fazer uma abordagem sobre o que se pode considerar uma filosofia

Leia mais

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Estrutura de um projeto de pesquisa: 1. TEMA E TÍTULO DO PROJETO 2. DELIMITAÇÃO DO PROBLEMA 3. INTRODUÇÃO 4. RELEVÂNCIA E JUSTIFICATIVA 5. OBJETIVOS

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

CLAYTON LEVY SAÚDE E ESPIRITUALIDADE

CLAYTON LEVY SAÚDE E ESPIRITUALIDADE CLAYTON LEVY SAÚDE E ESPIRITUALIDADE Pelo Espírito Augusto CAMPINAS SP 2008 SUMÁRIO A dança dos dogmas... XI Capítulo I Agente causal... 15 Capítulo II Laboratório ignorado... 23 Capítulo III Estrutura

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO 1. Na teoria contratualista, o surgimento do Estado e a noção de contrato social supõem que os indivíduos abrem mão de direitos (naturais)

Leia mais

Pesquisa Científica e Método. Profa. Dra. Lívia Perasol Bedin

Pesquisa Científica e Método. Profa. Dra. Lívia Perasol Bedin Pesquisa Científica e Método Profa. Dra. Lívia Perasol Bedin A Pesquisa e o Metodo Cientifico Definir modelos de pesquisa Método, entre outras coisas, significa caminho para chegar a um fim ou pelo qual

Leia mais

Título: A estrutura psicológica do espírito segundo Hegel

Título: A estrutura psicológica do espírito segundo Hegel Título: A estrutura psicológica do espírito segundo Hegel Versão parcial primeira versão Marly Carvalho Soares Resumo: A escolha da análise da estrutura psicológica do espírito se deu a partir da curiosidade

Leia mais

Observações referentes a Sobre o órgão da alma *

Observações referentes a Sobre o órgão da alma * Observações referentes a Sobre o órgão da alma * Tradução e Notas de ZELJKO LOPARIC UNICAMP / PUC-SP / PUC-RS loparicz@uol.com.br O Honradíssimo Senhor apresenta-me, para apreciação, a sua obra recém-terminada,

Leia mais

Avaliação em filosofia: conteúdos e competências

Avaliação em filosofia: conteúdos e competências Avaliação em filosofia: conteúdos e competências Desidério Murcho Universidade Federal de Ouro Preto desiderio@ifac.ufop.br 1 Immanuel Kant O jovem que completou a sua instrução escolar habituou- se a

Leia mais

Caminhando Com as Estrelas

Caminhando Com as Estrelas Caminhando Com as Estrelas Espiritualidade que Liberta Com Alessandra França e Jaqueline Salles Caminhando Com as Estrelas Espiritualidade que Liberta Aula 1 Com Alessandra França Temas: O Reino dos Céus

Leia mais

Uma Hipótese Empírica para o Problema Mente-Corpo

Uma Hipótese Empírica para o Problema Mente-Corpo Uma Hipótese Empírica para o Problema Mente-Corpo Este texto é uma síntese da posição de Thomas Nagel da hipótese empírica da necessidade da identidade entre estados mentais e estado cerebrais. Se a aparência

Leia mais

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003.

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. Prefácio Interessante pensar em um tempo de começo. Início do tempo de

Leia mais