A Liderança no Terceiro Setor: um perfil de atuação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Liderança no Terceiro Setor: um perfil de atuação"

Transcrição

1 A Liderança no Terceiro Setor: um perfil de atuação Autoria: Elisabete Stradiotto Siqueira, Erlaine Binotto Resumo O terceiro setor pode ser considerado um campo organizacional ainda aberto para a participação da mulher em cargos diretivos, uma vez que, dada sua característica cuidadora assume um perfil mais feminino. Este artigo analisa o processo de gestão de organizações do terceiro setor, através de uma análise comparativa entre o perfil de atuação de homens e mulheres na liderança das mesmas. Trata-se de uma pesquisa exploratória de caráter qualitativa e quantitativa. A amostra contemplou 250 organizações localizadas em Lages/SC. A escolha das organizações pesquisadas, de cada denominação, utilizou o critério de acessibilidade. Para coleta de dados foi utilizado questionário com questões abertas e fechadas que foram analisadas utilizando-se software SPSS Data Editor. Há predominância de lideranças do sexo masculino e seu perfil apresenta traços reconhecidos como características femininas (relacionadas à cultura do feminino). Quanto ao empoderamento, os dados não permitem afirmar que tal perspectiva ocorra segundo a definição de gênero, visto que os perfis da liderança não encontram diferenciações significativas nessa área. 1. Introdução O terceiro setor pode ser considerado um campo organizacional ainda aberto para a participação da mulher em cargos diretivos, uma vez que, dada sua característica cuidadora assume um perfil mais feminino. O conceito de organizações cuidadoras tem sido tratado por Manzini-Covre (1996), ao estudar organizações do terceiro setor, principalmente abrigos para adolescentes. Para a autora a natureza do trabalho ali desenvolvido se distingue radicalmente das organizações produtivas, uma vez que o objetivo central está vinculado ao cuidado com o outro, tanto na dimensão física quanto psíquica. Isso as caracterizaria com uma atuação mais próxima daquilo que ela denomina cultura do feminino, que está além da questão do gênero, mas configura-se como uma forma cultural que recoloca o atual quadro de fragmentação em um direcionamento para condições mais solidárias e afetivas de concretização da vida. Ainda na perspectiva de não considerar a dicotomia homem-mulher Hofstede (apud MADRUGA, 2001) propõe o termo masculinidade como referência a uma cultura calcada em valores voltados para a independência, a agressividade, a dominação e a força física. Neste contexto, dentre outros aspectos, o autor destaca a crença de que os papéis sexuais devem ser claramente diferenciados e que os homens estão fadados a liderar e as mulheres a obedecer. O termo feminilidade foi usado por Hofstede com o objetivo de caracterizar a tendência de uma sociedade a favorecer valores como interdependência, compaixão, empatia e franqueza emocional. Em uma cultura local onde a extrema feminilidade é sustentada, dentre outras crenças, a de que os papéis devem ser fluidos e flexíveis e que a igualdade sexual é desejável. Nessa perspectiva, Hofstede classifica os países ocidentais como Itália, Argentina, Venezuela, Estados Unidos, México e Canadá como caracteristicamente masculinos e Espanha, França e Portugal com perfis mais femininos. No que concerne ao Brasil, há uma posição intermediária entre o masculino e feminino. Nesse sentido, o perfil cultural brasileiro permitiria, de forma menos conflituosa, a construção de espaços sociais ou organizacionais orientados por perfis mais andrógenos. Para Dias et al. (2007), vários são os argumentos utilizados por estudiosos e que estão presentes no senso comum que buscam explicar a inserção tardia da mulher em relação ao homem no mercado de trabalho remunerado. As causas indicadas: maternidade, fragilidade física, funções domésticas como mães e esposas, dentre outros fatores, têm servido como forma de demonstrar o que diferencia os dois sexos no mundo do trabalho, as diferenças no 1

2 pagamento da remuneração para as mulheres e a pouca participação em funções consideradas de prestígio e com poder de decisão. A perspectiva é de buscar o rompimento de uma concepção teórica que cristaliza algumas características administrativas como femininas ou masculinas e relacionar esses processos a contextos e situações conjunturais determinadas, que possam ser objeto de análise e crítica que contribuam para maior qualidade dos processos de gestão. A dimensão social do terceiro setor seria um espaço passível de ocupação pelas mulheres, uma vez que possui como intuito preencher os espaços na sociedade com organizações que prestam serviços em prol do social, na tentativa de promover transformações sociais. Um perfil de gestão capaz de articular as dimensões de gênero se constituiria em uma inovação. Este artigo analisa o processo de gestão de organizações do terceiro setor, através de uma análise comparativa entre o perfil de atuação de homens e mulheres na liderança das mesmas. O trabalho apresenta uma revisão teórica contemplando: empoderamento, a mulher e as organizações, as mudanças no conceito de liderança e sua aproximação com os valores tidos como femininos e o terceiro setor. Segue descrevendo a metodologia, os resultados da pesquisa e as considerações finais. 2. Revisão Teórica 2.1. Empoderamento A discussão sobre empoderamento estabelece uma perspectiva diferenciada dos enfoques tradicionais sobre o tema do poder, uma vez que se trata de potencializar a ação do indivíduo que se encontra submetido a processos de opressão. Inverte, pois a lógica de que o poder emana de posições privilegiadas de hierarquia ou posição social. Foucault (1988) propõe um conceito que se aproxima dessa concepção, pois para ele o poder não é conceituado como um sistema geral de dominação entre indivíduos, mas é entendido como um fenômeno que funciona em rede, tecendo a dinâmica organizacional. É exercido a partir da atuação de estratégias e táticas que se relacionam, propagando e encontrando condição e apoio mútuos e, formando dispositivos de exercício conjunto. Nesse sentido o poder é relacional e se estabelece através da ação, ou seja, só se materializa quando modifica o comportamento do outro. Na discussão sobre empoderamento pretende-se que aqueles que ocupam lugares de opressão exerçam possibilidades de poder que lhe permitam atuar como sujeito, elevando sua autonomia nas decisões. Na administração a discussão sobre empoderamento, mas conhecida como empowerment é desenvolvida em um contexto diferenciado, pois está vinculada a área de recursos humanos. Objetiva reverter o perfil profissional historicamente criado pelo taylorismo, de trabalhadores apáticos, para um perfil mais autônomo e criativo, dadas as demandas de mercado da sociedade do conhecimento e da necessidade da dimensão empreendedora nas relações de trabalho (RODRIGUES E SANTOS, 2001). Ainda que se considere a reconfiguração do cenário empresarial vale ressaltar que há críticas a tal perspectiva. Antunes (2000) sugere que não se trata de empoderamento, mas uma forma mais sofisticada de apropriação do conhecimento do trabalhador através de seu envolvimento em decisões que não lhe possibilitam o acesso a dimensão estratégica e, portanto, as relações mais horizontalizadas de poder. No campo dos direitos civis essa discussão ocorre sob outro prisma, ela teve sua origem nos Estados Unidos nos anos setenta, através da bandeira do poder negro, visando a valorização da raça e conquista de uma cidadania plena (ANTUNES; ROMANO apud CKAGNAZAROFF et al. 2006). 2

3 A perspectiva é a construção de mecanismos e formas de envolvimento social que permitam ao indivíduo compreender sua força e a partir dela posicionar-se de forma crítica no contexto social de forma a exercer pressão nas formas tradicionais de opressão aceitas socialmente. Essa concepção é aceita por Friedmann (1996) que considera o empoderamento como uma de ampliação da cidadania que pode ser compreendido em três dimensões: social, política, psicológica. O poder social refere-se a sobrevivência, e portanto ao acesso a condições para exercê-la como conhecimento, informação, participação e disponibilidade de recursos financeiros. O poder político envolve a participação nas decisões nos aspectos que envolvem o sujeito e a sociedade. O poder psicológico configura-se como poder pessoal na materialização de sua autonomia e emancipação. O autor afirma que no caso das relações de gênero essas formas de poder devem ser exercidas de forma combinada, trata-se da extrapolação do conceito de democracia para as dimensões amplas da vida A mulher e as organizações A participação da mulher, em condições de igualdade, no mercado de trabalho tem sido foco de luta dos movimentos feministas desde o início do século XX. Segundo Blay (2001) essa luta data de 1901, quando mulheres e crianças representavam 72,74% da força de trabalho do setor têxtil, e desde então, tinham seus salários menores do que os dos homens. A presença das mulheres no setor fabril era considerada pelos próprios partidos de esquerda como uma possibilidade maior de prostituição, o que justificava a ausência de apoio às lutas femininas. Sarti (2004) localiza o início do movimento feminista no Brasil na década de 1970 ao mesmo tempo em que se instituía a ditadura militar. Nesse sentido, o movimento assume características transgressoras quando as mulheres envolvem-se em atividades tipicamente masculinas, ou seja, a luta armada. Segundo a autora, no Brasil o feminismo tem suas raízes nas camadas médias para depois se ampliar para as populares. Contudo, se para a direita era considerado um movimento imoral, para esquerda se tratava apenas de reformismo burguês. Continua a autora, que com a anistia em 1979 e a volta das exiladas, o movimento ganha novos contornos. Os grupos feministas lutam para legitimar a mulher enquanto sujeito social particular e passam a atuar em posições mais especializadas, como saúde, violência, trabalho. Em 1990 tem lugar à questão da subjetividade e também os contextos específicos (políticos, sociais e culturais) que apontam para o movimento que seu universo é constituído por clivagens e recortes. Como conseqüência desse processo Sarti (2004) comenta algumas implicações que se referem a não universalidade do feminismo que redundam na necessidade do movimento se afirmar pelo reconhecimento da alteridade e não da identificação. Rago (2001) toma outra vertente de análise que busca desconstruir um imaginário negativo do movimento feminista. Resgata como a identidade do movimento muitas vezes aparece articulada a mulheres mal amadas ou lésbicas, e a ausência, inclusive das mulheres, do reconhecimento das conquistas proporcionadas por esse processo de lutas durante o século XX. A autora sugere que a naturalização dos direitos conquistados pelo feminismo não correspondeu a sua valorização no plano político social, mas sim ao esquecimento, e chama a atenção para a necessidade de denunciar os mecanismos sutis de desqualificação e de humilhação social que operam em nossa cultura, em relação às mulheres e à cultura feminina. Ainda assim, a autora entende que o movimento feminista possibilitou um olhar não excludente do reconhecimento da diferença como forma de igualdade. Swain (2001) também reconhece esse pretenso desaparecimento do feminismo como movimento social importante de nossa época, e procura evidenciar como a representação social da dimensão feminina ainda incorpora traços de uma imagem subalterna da mulher 3

4 principalmente na produção da mídia. Para a autora a produção de significados da imagem feminina está associada ao sentimento, intuição, inaptidão, ao particular, enquanto o masculino é sempre associado à racionalidade, praticidade e a gerência do universal. Nesse sentido, ao contrário da afirmação do reconhecimento da diferença como princípio de igualdade, defendido pelo movimento feminista, este discurso social produz uma homogeneização das práticas femininas, buscando a construção da imagem da verdadeira mulher feita para o amor, a maternidade, a sedução, a complementação do homem, costela de Adão reinventada. Percebe-se, portanto, que mesmo que se considerem os significativos avanços, conquistados pelos movimentos feministas, ainda há uma fragilidade na publicização desses valores e na sua capacidade de ampliar seu impacto na cultura de forma mais ampliada, pois a todo o momento ocorrem retornos e retrocessos que simplificam a questão do gênero nas relações sociais e alisam o território das diferenças que devem ser preservadas e ao mesmo tempo possibilitar a inclusão das mulheres em condições de igualdade de direitos de cidadania. No campo organizacional, a questão feminina assume características ambíguas, pois, ao mesmo tempo em que a sociedade do conhecimento requer características de flexibilidade, inter-relacionamento, criatividade, valores reconhecidos como predominantemente femininos, as oportunidades de ascensão a cargos gerenciais ainda são muito restritas para as mulheres. Madruga et al. (2001) referindo a várias pesquisas sobre a inserção feminina no mundo do trabalho apresenta dados que demonstram o crescimento tanto da participação das mulheres nos postos de trabalho, como o aumento da renda e também a participação na gestão pública, ao evidenciar que o número de prefeitas passasse de 171 para 317 de 1992 a Com base nesses dados, a autora sugere que esse quadro de participação tem provocado uma reorientação valorativa das organizações. Ainda assim, a questão de gênero nas organizações é traduzida de forma bastante estereotipada, ou seja, cristalizam-se características femininas e masculinas de forma antagônica e excludente. Madruga et al (2001) ao citar Hofstede destaca traços femininos como sendo: interdependência, compaixão, empatia e franqueza emocional. Ainda, referindose a Robbins destaca que as mulheres seriam mais democráticas, estimulam a participação, lideram pela inclusão. Citando Mussak afirma outros valores como detalhistas, questionadoras, cobram resultados mais rapidamente, tornam o ambiente mais dinâmico. Já do ponto de vista de Lipman-Blumen, a autora destaca que estes consideram que as mulheres compartilham decisões e são mais criativas. Boscarin et. al. (2001), também faz uma retrospectiva de autores que evidenciam características gerenciais femininas. Citando Lodi enumera a humildade, estabilidade emocional, objetividade, paciência, auto-renúncia, intuição. Contudo, apesar de todos esses valores, reconhecidos como necessários para a gestão contemporânea os autores reconhecem que a inserção da mulher no campo gerencial ainda encontra limites hierárquicos, ou seja, ela pode ascender até um ponto em que seu superior imediato seja um homem. Frente a esse cenário, Cavalcanti (2001) analisa como as mulheres têm se utilizado do gerenciamento de impressões para produzir uma imagem desejada pelos integrantes das organizações, o que muitas vezes resulta em assumir valores reconhecidos como masculinos, anulando suas preferências pessoais. Mascarenhas (2004), analisando como se cristalizam valores tipicamente masculinos ou femininos nas lideranças, reconhece que ainda ocorre de forma contundente a segregação sexual nos empregos, contudo defende que a organização deve fomentar o desenvolvimento da convivência masculina e feminina através da inserção de ambos os gêneros no contexto organizacional, como forma de convivência da diferença de forma a maximizar os potenciais da diversidade. 4

5 De qualquer forma as mudanças recentes no campo organizacional têm trazido a reflexão da necessidade de mudanças no perfil de liderança, que se deixam tratar de valores predominantemente masculinos e incorporam aqueles que, até então, eram tidos como tipicamente femininos, questão essa que abordaremos a seguir As mudanças no conceito de liderança e sua aproximação com os valores tidos como femininos O mundo do trabalho vem passando por diversas transformações ao longo dos anos e, conseqüentemente, estas refletem os diferentes modelos de gestão utilizados pelas organizações (HELOANI, 1994; MORGAN, 1996; GOULART e GUIMARÃES, 2002). Pode-se considerar como pioneiro no estudo dos estilos de liderança, Max Weber (1992), que diferenciou em três tipologias o comportamento do líder: liderança autoritária, liberal e democrática. Weber (1992) delimita a diferença entre esses três estilos, dizendo que a liderança autocrática possui sua ênfase centrada no líder; sendo ele quem fixa as diretrizes a serem seguidas e determina as técnicas a serem utilizadas, sem qualquer participação do grupo. Já a liderança democrática coloca sua ênfase tanto no líder como nos subordinados, sendo as diretrizes debatidas e as técnicas e processos escolhidos pelo grupo, assistidos pelo líder. Por sua vez, a liderança liberal coloca todo seu foco nos subordinados. Segundo Weber, neste caso, há liberdade completa, por parte dos colaboradores, para tomada de decisões. Diversos autores, a exemplo de Koontz, O Donnell, Weihrich (1995) e Drucker (1975), destacam que os líderes foram agentes importantes nas mudanças ocorridas no contexto do trabalho, tendo em vista que eram os responsáveis pela difusão das práticas de gestão e pelo gerenciamento da força de trabalho. De acordo com as mudanças ocorridas no ambiente, Heifetz (1994) visualiza uma evolução no conceito de liderança aplicado às organizações. Durante décadas, o termo liderança referiu-se às pessoas que ocupavam posições de gerenciamento no topo das organizações. Contemporaneamente, a discussão distingue liderança e gerência, entendendo que líderes podem ocupar posições em níveis hierárquicos inferiores. Sob esta perspectiva, o gerenciamento produz ordem e consistência através do desenvolvimento do planejamento em curto prazo, organização, controle e resolução de problemas. Já a liderança produz mudança e movimento nas organizações através da criação de uma visão, desenvolvimento de estratégias, alinhamento das pessoas bem como a responsabilidade de inspirar e motivar o grupo (NORTHOUSE, 2004; YUKL, 1998). É possível destacar abordagens relacionadas às teorias de liderança apresentadas pela literatura com enfoques diferenciados. Fleishman et al. (1991) destacam a existência de aproximadamente 65 sistemas de classificação para sintetizar as dimensões da prática da liderança. Neste enfoque, a primeira dificuldade encontrada em definir um conceito de liderança está situada na infinidade de enunciados, facilitando a confusão entre diferentes estilos e teorias de liderança. Yukl (1998) ressalta diferentes níveis das diversas teorias de liderança processo individual (teorias centradas no líder a exemplo da teoria dos traços); processo diádico (teorias focadas na relação entre líder e liderado a exemplo da teoria da troca líder-liderado); e processo grupal (teorias focadas no grupo, entendendo-se que o líder contribui para a eficácia do grupo a exemplo da teoria contingencial). Há um consenso que a liderança é marcada por um complexo processo de inter-relações entre líder e liderados, na qual ambos influenciam o processo e podem determinar o fracasso ou o sucesso dessa relação (RAUCH e BEHLING, 1984; NORTHOUSE, 2004). Jung e Avolio (2000) sugerem que a complexidade do processo de liderança deriva da confiança entre os envolvidos na relação. 5

6 Para Davel e Machado (2001), o centro da relação entre líder e liderado é movido pelo poder, cognição e emoção. O equilíbrio desses fatores é desenvolvido pela liderança através do ordenamento de significados das demandas da organização e dos anseios dos envolvidos que devem gerar processos de identificação. Nesse aspecto, o processo não é orientado pela autoridade, mas primordialmente pela negociação dos limites possíveis entre os desejos individuais e os objetivos organizacionais, que geram consentimento e legitimam a atuação do líder. Zand (1997, p. 89) afirma que: parte da tarefa do líder é trabalhar com as pessoas para identificar e solucionar problemas, mas o seu acesso ao conhecimento e ao pensamento criativo necessários para a resolução dos problemas vai depender do quanto as pessoas confiam nele. A confiança e a credibilidade modulam o acesso do líder ao conhecimento e à cooperação. Desta forma, cativar e conquistar a confiança dos seguidores apresenta-se também como um desafio, uma vez que esta se apóia na idoneidade da relação. Nesse sentido, a transparência e a ética constituem-se em fatores importantes uma vez que indivíduos desonestos que buscam somente a satisfação de interesses individuais não sustentam tal perspectiva (JUNG e AVOLIO, 2000; ZAND, 1997). Para Bergamini (1994) a liderança tem o papel de atribuição de significado às ações desenvolvidas pelos liderados. Nessa perspectiva o líder é um agente de mudança cultural. Sua capacidade de compreender a cultura organizacional permite administrar o sentido que é dado para as ações da organização pelos liderados. Tal processo é derivado de sua habilidade de estabelecer sintonia das expectativas dos contribuintes individuais e grupais com as demandas organizacionais. A dificuldade de atuação da liderança estaria vinculada a resistência da organização em modificar seu status quo. A importância que as pessoas assumem no contexto organizacional contemporâneo, passa a exigir das lideranças uma capacidade cada vez maior de estabelecer e potencializar as habilidades individuais e as interelações das equipes. As características do mundo dos negócios têm indicado que as interações entre seus agentes têm sido a rede que sustenta o processo organizacional, e a liderança tem um papel fundamental em dar consistência a esta dinâmica como forma de construir e manter a coesão organizacional. Com isso, propõe-se a premissa que a atuação da mulher, dadas suas características históricas, tem contribuições importantes para a contemporaneidade organizacional, principalmente no que se refere às questões de espaço no poder O terceiro setor A sociedade atravessa um momento de intensa modificação, percebida em alguns setores de forma mais acentuada e contínua, entre os quais o setor econômico, o tecnológico, o de informação e o social. Acontecimentos que ocorrem em regiões distintas do mundo e que formam um cenário de crise que merecem reflexão. Depois da derrocada da URSS e após a Guerra do Golfo pelos EUA percebeu-se que o rumo escolhido abolia o socialismo e os Estados Unidos da América constituiu-se como líder da supremacia mundial. Criam-se blocos econômicos, para assim serem mais fortes e menos vulneráveis à grande mão que nos rege e tudo corrige: o mercado financeiro (RAMONET, 2001). A percepção do quadro crescente de má distribuição de renda, exclusão social e da falta de acesso a direitos básicos como moradia, emprego, assistência médica, entre outros está posta de forma evidente (SILVEIRA, 2002). Segundo Relatório de Desenvolvimento Mundial do Banco Mundial no ano de 2000, 2,8 bilhões de pessoas vivem com menos de US$ 2 por dia e 1,2 bilhão com US$ 1 por dia (GRAYSON e HODGES, 2002, p.51). O Brasil, com base nos dados do IBGE (Instituto 6

7 Brasileiro de Geografia e Estatística) está a aproximadamente duas décadas em situação baixíssimo crescimento econômico: desde 1980 a economia brasileira cresceu em média apenas 2,5% (SOUZA, 2003). Com a transição de um Estado que se propunha incorporar a solução de todos os problemas sociais assistindo à população no que fosse necessário para um Estado mínimo, a participação da sociedade civil se torna imprescindível para preencher lacunas deixadas, possibilitando ainda formas de cobrança do cumprimento de suas obrigações (SILVEIRA, 2002, p. 151). Assim, segundo Saraceno (2007), o Terceiro Setor surge para auxiliar o Estado no seu gigantismo e ineficiência em atender e lidar com as necessidades sociais e intervir no chamado Segundo Setor - o mercado, onde a preocupação maior é com o lucro. A expressão Terceiro Setor foi publicada pela primeira vez em 1975 pelo americano John D. Rockfeller quando fez o primeiro estudo detalhado sobre a importância das iniciativas empresariais com sentido público na sociedade americana. Na década de 80 o termo se popularizou na Europa (CARDOSO, 2000). No Brasil, a partir de 1990, o Terceiro Setor se difundiu e ocupou o papel que antes era restrito aos sindicatos e partidos políticos. Assim, surgem as ONG s (Organizações Não Governamentais) atuando quase em clandestinidade assumindo uma posição crítica e em oposição a um Estado ditatorial. A Igreja Católica que nos primeiros séculos teve papel fundamental na legitimação do Estado colonizador, atuando como promotora deste e encarregada da assistência social, da educação e da saúde, neste momento da história passa a apoiar estes movimentos sociais contra um Estado autoritário, atuando pela ação pastoral (MENDONÇA e MACHADO FILHO, 2004). Segundo Fernandes apud Mendonça e Machado Filho (2004, p.45), muitas atividades que no passado seriam antagônicas e contraditórias dentro da definição de Terceiro Setor, passam a se reunir num mesmo contexto conceitual, perceber a relevância desta possibilidade de agrupamento é um passo para torná-la eficaz. A necessidade de se definir estruturalmente o termo para realização de comparações internacionais deu origem ao seguinte conceito para as Organizações de Terceiro Setor (OTS): não-distributiva de lucros; autônomas; voluntárias, devendo ter seus próprios conceitos de governança. Conforme Peredo e McLean (2006), as características das organizações que se engajam neste tipo de atividade têm ganhado popularidade, a partir de livros e artigos publicados por especialistas. Além disso, um indicador parcial da expansão é revelado pelo crescimento no número das organizações sem fins lucrativos que aumentaram 31% entre 1987 e 1997 para 1,2 milhões, excedendo a taxa de 26% da formação de novos negócios (AUSTIN, STEVENSON e WEI-SKILLERN, 2006). 3. Metodologia Trata-se de uma pesquisa cujo método de análise foi qualitativa e quantitativa. Do ponto de vista de sua finalidade, trata-se de uma pesquisa exploratória, uma vez que teve como objetivo desenvolver uma sondagem sobre a temática em questão (VERGARA, 2004). Com base nas informações disponibilizadas pelo Grupo de Pesquisa Politéia da Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC, que no ano de 2005, realizou o Diagnóstico do Capital Social, identificando todas as entidades do Terceiro Setor do território das Secretarias de Desenvolvimento Regional SDRs, deste foi definida uma amostragem no município de Lages SC. Na cidade, foram identificadas 715 (setecentos e quinze) organizações, que resultou na amostragem probabilística de 250 (duzentas e cinqüenta) organizações. A escolha das organizações pesquisadas de cada denominação foi realizada pelo critério da acessibilidade. 7

8 DENOMINAÇÃO NÚMERO DE AMOSTRAGEM AMOSTRAGEM ORGANIZAÇÕES PESQUISADA Associação ,6 64 Fundação 15 5,24 6 Grupo 19 6,64 7 Instituto 7 2,44 3 Sindicato 48 16,79 17 Conselho 15 5,24 6 Cooperativa 21 7,34 8 Igreja 69 24,13 25 Partido Político 6 2,09 3 Clube 37 12,94 13 Movimento 3 1,04 2 Centro ,57 48 Outros ,95 55 Total , Tabela 1: Amostragem das organizações pesquisadas. Fonte: Relatório do Diagnóstico do Capital Social, A amostra final constituiu-se de 200 (duzentas) organizações, pois em 33 delas (trinta e três) os dirigentes, funcionários ou beneficiários, disseram que não se tratava de uma organização do terceiro setor, nove não foi possível localizar e oito não existem mais. Para coleta de dados, foi utilizado um questionário, que contemplou doze tópicos, sendo que em onze organizou-se um conjunto de afirmações, em que o respondente assinalava de acordo com a escala Likert, com seis alternativas de respostas, sendo 1 para concorda totalmente, 2 para concorda parcialmente, 3 para indiferente, 4 para discorda parcialmente, 5 para discorda totalmente e 6 para não se aplica. O décimo segundo tópico abordado no questionário refere-se a duas perguntas, relacionadas com a opinião do respondente sobre a relevância das organizações que integram o Terceiro Setor e a importância da participação dos dirigentes na elaboração das Políticas Públicas. Os dados obtidos com a aplicação dos questionários foram tabulados no software SPSS Data Editor. A pesquisa de campo foi realizada em Análise dos dados 4.1. Caracterização das organizações do terceiro setor de Lages/SC A caracterização das organizações do terceiro setor de Lages (Gráfico 1) indica que há uma predominância da assistência social que pode demonstrar uma tendência assistencialista dos setores organizados da sociedade civil. Em um segundo plano, identificam-se o setor cultural, de esportes, educação e cidadania e defesa de direitos com porcentagens que variam entre 10,5 e 14,5%. Com menor representatividade encontra-se segurança, trabalho e renda e ambiental. Gráfico 1 Distribuição das organizações segundo as áreas de atuação. 8

9 % de organizações ,5 12, ,5 8 5, ,5 1,5 1 0 Assistência social Cultura e arte Defesa de direitos Educação e cidadania Esporte e lazer Desenvolvimento Outras Saúde Trabalho e renda Segurança Ambiental Fonte: dados da pesquisa. Historicamente, o planalto serrano, teve seu desenvolvimento baseado no extrativismo de madeira de espécies nativas. A atividade madeireira da região de Lages teve seu desenvolvimento inicial baseado na extração da Araucária, período denominado por vários autores (COSTA, 1982; GOULARTI FILHO, 2002; SZÜCS e BOHN, 2002) como primeiro ciclo da madeira, com duração até o final dos anos 60. Após o primeiro ciclo de produção, houve um hiato no desenvolvimento econômico da região, causado pelo esgotamento da fonte de matéria-prima, a Araucária sem que houvesse o suprimento de madeira oriunda de florestas plantadas. O segundo ciclo de produção, que iniciou nos anos 90, está baseado na exploração de madeiras de espécies de rápido crescimento, com destaque para o Pinus. Esse processo tem trazido a discussão sobre a dimensão ambiental e os impactos que esse processo produz. Diante desse quadro, poderia se ter uma expectativa de um maior número de organizações nessa área, pois indicam que existe pouca mobilização da sociedade civil no que se refere a essa temática. No que se refere à constituição jurídica, a forma predominante é associação, com 42%, seguida de sindicados com 14%. Das 250 entidades contatadas, 50 delas não se consideram como pertencentes ao terceiro setor, declarando uma forma jurídica não condizente com seu tipo de atuação. Esse fator pode ser observado na categorização de outras na forma jurídica com 38,5%. Nesse aspecto fica clara a falta de clareza do que seja terceiro setor por parte delas. Esses dados alinham-se a área de atuação, que tem grande concentração em assistência social. O número de entidades da cidade de Lages-SC aumentou significativamente a partir da década de 1980, quando 67,2% foram fundadas. A ampliação do número de entidades, nesse período, pode estar relacionada com o movimento que ocorreu na década de 1980 de organização da sociedade civil Caracterização dos respondentes Entre os respondentes, 39% são dirigentes e 41% são funcionários ou responsáveis administrativos. Os beneficiários somam 20%. Dessa forma, algumas questões que dizem respeito à liderança podem significar uma auto-avaliação. 9

10 4.3 As características gerenciais das organizações No âmbito gerencial as organizações demonstram utilizar formas adequadas de planejamento e organização, visto que, nas afirmativas dos questionários ocorreu um nível significativo de concordância, tendo como índice mínimo 60,5% e máximo 86,5%. Grande parte das indicações de concordância supera os 70%, que permite considerar que essas entidades, na visão dos respondentes, têm um bom nível de organização e participação. No que diz respeito à gestão financeira, observa-se que, como ocorreu nos outros itens, há um processo de socialização e discussão, contudo apresenta duas fragilidades: publicação dos balanços (44,5%) e o setor de captação de recursos (58%) Registros Jurídicos A regulamentação jurídica das organizações é limitada. Grande parte delas não possui registros e certificações que poderiam contribuir para obtenção de recursos públicos, além do fortalecimento da credibilidade pública, visto que muitos desses registros pressupõem o acompanhamento e prestação de contas dessas instituições. Somente 12% das organizações pesquisadas possuem o Certificado de Entidade Beneficente de Assistência Social CEAS. Entre aquelas que possuem, consideram que tal registro facilita a obtenção de benefícios fiscais. Quando observada a inscrição da organização como Organização da Sociedade Civil de Interesse Público OSCIP, a situação é ainda mais precária, pois somente 2,5% delas são assim caracterizadas. Com relação à utilidade pública, 10,5% tem inscrição municipal, 5,5% estadual e 4% federal. Ainda no campo jurídico, 4,5% estão cadastradas como organização social. A restrição do processo de formalização jurídica dessas organizações pode indicar que sua sobrevivência depende pouco de recursos públicos, sendo as contribuições da sociedade civil uma fonte importante de receitas, uma vez que não demanda formalização jurídica A participação da mulher As organizações de Lages-SC são predominantemente geridas por homens, isso ocorre em 71,5% dos casos. Também nas diretorias observa-se essa tendência, pois a participação masculina é na ordem de 70,2%. Sobre a dimensão da participação feminina nas organizações Madruga et al (2001) reconhece um cenário de maior participação da mulher, principalmente na dimensão pública. O fato dessa tendência não se realizar em Lages pode ser reflexo da cultura local, que tem forte perfil patrimonialista (INSTITUTO CEPA SC, 2004). Ainda sobre as dificuldades que o patrimonialismo produz na inserção da mulher em atividades empreendedoras, Lages (2004) aborda os estereótipos derivados desse processo e como as relações de poder masculino criam empecilhos para o avanço dessas iniciativas. Por outro lado, como afirma Swain (2001), pode significar também um tipo de representação da mulher na sociedade, que não estaria apta a processos gerenciais que se norteiam por características mais racionalizantes. Em tal perspectiva a participação da mulher poderia estar vinculada a atividades que não significassem procedimentos gerenciais. Ainda que se considere essa concentração masculina na gestão e direção das entidades os respondentes não consideram que a estrutura da organização ofereça dificuldades formais para esse acesso, pois 78,5% concordam que o organograma permite que as mulheres ocupem cargos de comando. Essa disponibilidade de participação não significa que as mulheres sejam consideradas mais democráticas, pois não há uma tendência significativa que possibilite tal afirmação. Entre os 10

11 respondentes, 55,5% consideram a liderança feminina mais democrática, contudo, 32,5% não concordam e 12% consideram a questão como indiferente. Deslocando a questão da capacidade e vontade de participação da liderança para os beneficiários, também não há consenso nessa questão. Quando questionados se a concentração de mulheres no grupo de beneficiários há maior reivindicação por poder e participação, encontramos os seguintes indicadores: entre os respondentes, 48% consideram de forma afirmativa a maior reivindicação das mulheres beneficiárias, 39,5% discordam e 12,5% consideram a questão como indiferente. A participação da mulher, que ocupa cargo de liderança, é menor que a dos homens em uma proporção de 71,5% por 28,5%. Os setores que contam com maior participação feminina são respectivamente: ambiental (50%), cultura e arte (41%), saúde (37%), educação e cidadania e segurança (33%), de qualquer forma em todas essas instituições a participação masculina na gestão é maior. A tendência de maior participação masculina nas organizações do terceiro setor não significa que as características gerenciais não sejam adequadas. Contudo, como afirma Mascarenhas et al (2004), o incentivo a convivência feminina e masculina nas organizações pode contribuir muito para um melhor processo de gestão, visto que a diversidade é um fator importante para maximização das potencialidades disponíveis nesse contexto A mulher e a decisão O cruzamento de dados entre a tomada de decisão e o sexo das lideranças indica que não há uma tendência de atuação diferenciada entre homens e mulheres. Os tomadores de decisão dessas organizações são avaliados positivamente com índices entre 70% e 91%. Somente a atuação coletiva (72% 91%) e as decisões estratégicas (75% 86%) apresentam uma pequena margem positiva para as mulheres, como indica o Quadro 1. Quadro 1 Tomada de decisão entre lideranças femininas e masculinas DESCRIÇÃO MASCULINO FEMININO 1. As decisões na organização são tomadas pela diretoria e comunicadas aos 85% 83% funcionários e beneficiários. 2. A diretoria define algumas metas e a forma de desenvolvimento dessas é 72% 91% definida coletivamente por funcionários. 3. Os beneficiários nunca participam dos processos de decisão. 41% 35% 4. As informações financeiras são discutidas com todos, inclusive com os 71% 70% doadores, beneficiários e comunidade em geral. 5. As decisões estratégicas são decididas em assembléia. 75% 86% Fonte: dados da pesquisa Na perspectiva de compreender a tomada de decisão sob outra ótica, indagou-se sobre a dimensão do controle. Não se observa, também nesse item, variações significativas entre as posturas femininas e masculinas. Porém, percebe-se que o controle é exercido de forma a permitir o envolvimento e, também como forma de aprendizado, sem assumir caráter punitivo. A única questão que merece destaque é a auditoria externa. Assim como visto na questão financeira, parece ocorrer certa resistência em envolver agentes externos para legitimar as ações da organização. Esse aspecto também pode ser derivado da ausência de certificações que naturalmente exigiriam processos de auditoria. Esse fator está vinculado ainda à dimensão da governança. Segundo Misorelli (2003) as práticas de governança corporativa em OTS, como, por exemplo, a transparência, proporcionaria mais credibilidade, e reconhecimento a estas instituições junto a sociedade e seus financiadores que por sua vez poderiam significar maior investimento por parte da sociedade, tanto em recursos financeiros como de trabalho voluntário. 11

12 Como visto anteriormente, Northouse (2004) e Yukl (1998) indicam que a potencialidade do gerenciamento produz ordem e consistência, contudo é o perfil da liderança que produz mudança e movimento. Nesse enfoque, os dados indicam um perfil bem aceito. É possível identificar uma tendência positiva quanto às afirmações que traduzem uma liderança com tendências democráticas, independente do gênero, como demonstrado no Quadro 2. Quadro 3 O perfil da liderança. AFIRMAÇÕES SOBRE LIDERANÇA MASCULINO FEMININO Admite que pode estar errado 96% 92% Faz parte da solução dos problemas 95% 96% Enfatiza possibilidades 95% 96% Aceita que as pessoas sejam diferentes 89% 88% Sabe quando deve manter-se firme e quando é sua vez de ceder. 90% 96% Nunca é velho demais para aprender 93% 89% Discorda mas oferece alternativas 93% 85% Administra conflitos abertamente 90% 88% Quando não alcança o resultado desejado muda a estratégia 84% 83% Admite que é necessário mudar sempre mesmo quando as coisas estão dando 70% 80% certo Ouve os colaboradores e beneficiários 91% 89% Quando comete um erro admite e procura corrigir com a participação dos 90% 89% colaboradores Torna o trabalho dos outros significativo 92% 80% Ajuda os outros a se sentirem competentes 89% 89% Não se orienta por valores preconceituosos quanto a raça, sexo, idade, opção 93% 75% sexual A liderança confia em seus subordinados 93% 91% Os subordinados confiam na liderança 90% 91% Fonte: dados da pesquisa Considerando que essa tendência pudesse ter sido influenciada pela porcentagem de lideranças respondentes, os dados foram reorganizados, dessa vez considerando somente as respostas dos funcionários e novamente filtrando os dados entre as lideranças femininas e masculinas, conforme o Gráfico 2. Gráfico 2 - Percepção dos funcionários quanto ao perfil da liderança Afirmações dos funcionários quanto ao perfil da liderança % masculino feminino 0 afirmações sobre a liderança Fonte: dados da pesquisa Nota: as respostas referem-se a % de concordância em relação às questões do quadro 3. Novamente não se encontra diferença substancial entre homens e mulheres, e ainda, as afirmações nunca estão abaixo de 60% de concordância. Porém, os dados indicam uma 12

13 avaliação melhor das lideranças masculinas em detrimento das femininas, ainda que com percentuais muito próximos. 5. Considerações Finais O campo central de atuação das organizações do terceiro setor da cidade de Lages (SC) é o de assistência social e ocorre um predomínio da liderança masculina. A análise do processo de gestão de organizações indicou que na percepção dos entrevistados as funções gerenciais (planejamento, controle, organização e liderança) ocorrem de forma satisfatória para os pesquisados, visto que grande parte das organizações (índices acima de 60%) afirma utilizarse desses preceitos de gestão. O papel assumido pelos gestores analisados não se diferencia no tocante ao gênero, visto que as análises comparativas não indicaram diferenciais relevantes nessa questão, conforme a proposição do caráter intermediário da cultura brasileira indicado por Hofstede (apud, MADRUGA et al, 2001). As organizações são vistas com atuação democrática e transparente, com exceção de alguns processos de publicização das contas em meios de divulgação públicos e a existência de auditoria externa. Nesse sentido, o perfil da liderança do terceiro setor em Lages, apresenta traços reconhecidos como características femininas (relacionadas à cultura do feminino), contudo não é exercido por mulheres, de forma a indicar que nesse espaço não predomina a concepção teórica que cristaliza características administrativas como diretamente relacionadas ao gênero. A dimensão cuidadora dessas organizações parece ter sido capaz de desenvolver um processo gerencial mais aberto e conciliador, caracterizado por afirmações como: admitir o erro, fazer parte das soluções do problema, enfatizar possibilidades, confiar nos subordinados, não ser preconceituoso(a), estar disposto a aprender. Quanto à dimensão do terceiro setor ficou evidente que a expansão do setor na cidade acompanhou as tendências indicadas por Austin, Stevenson e Wei-Skillern (2006), que sugerem sua expansão a partir da década de Se a ação coletiva, proporcionada pelas organizações do terceiro setor, pode ser considerada como possibilidades de empoderamento daqueles que se encontram em posições subalternizadas de poder, os dados não permitem afirmar que tal perspectiva ocorra segundo a definição de gênero, visto que os perfis da liderança não encontram diferenciações significativas nessa área. A utilização de questionários que captaram a percepção dos respondentes constitui-se como fator limitador dessa pesquisa. Considerando as tendências aqui indicadas, estudos futuros poderiam realizar pesquisa documental nessas organizações a fim de compreender a intensidade com que os mecanismos de gestão são empregados. Novos estudos poderiam diagnosticar com maior clareza quais são os instrumentos utilizados e os resultados alcançados a fim de compreender com maior clareza a dimensão da inovação no setor. Outra possibilidade a ser aprofundada seria a de compreender o que leva os gestores a direcionarem sua atuação no terceiro setor ou empreendedorismo social. Finalmente, sugere-se avaliar a compreensão das relações de parceria desenvolvidas e como estas estabelecem os nexos entre a dimensão pública e privada. Referências bibliográficas ANTUNES, R. Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. São Paulo: Boitempo, AUSTIN J.; STEVENSON H.; WEI-SKILLERN J. Social and commercial entrepreneurship: same, different, or both? Entrepreneurship Theory and Practice, n. 30, v. 1, p. 1 22, BERGAMINI, C. W. Liderança: administração do sentido. Revista de Administração de Empresas, vol. 34, n. 3. São Paulo, p

14 BLAY, E.A. 8 de março: conquistas e controvérsias. Estudos Feministas, ano 9, Florianópolis, BOSCARIN, R., GRZYBOVSKI, D., MIGOTT, A.M.B. Mulher, conhecimento e gestão empresarial: um estudo das empresas familiares. In: Anais do ENAMPAD, CARDOSO, R. Cidadania Empresarial: O Desafio da Responsabilidade. Update Br/Eua, Amcham, n. 363, p , ago., CAVALCANTI, G. Um estudo sobre gerenciamento de impressões em relação ao gênero feminino. In: Anais do ENAMPAD, COSTA, L. O continente das lagens: sua história e influência no sertão de terra firme. Florianópolis: Fundação Catarinense de Cultura, CKAGNAZAROFF, I. B. ; REIS, A. M. ; PEREIRA, G. C.. O Papel das ONG s em Processos de Empoderamento de Mulheres na Região Metropolitana de Belo Horizonte. In: EnAPG - Encontro de Administração Pública e Governança. São Paulo. Anais..., DAVEL, E.; MACHADO, H. V. A dinâmica entre liderança e identificação: sobre a influência consentida nas organizações contemporâneas. Revista de Administração Contemporânea, v. 5, n. 3, Set./Dez p DIAS, V. T. et al. Distinção entre as Noções de Empresária e 'Empreendedora' na Mídia de Negócios: Um Estudo Comparativo entre as Revistas Exame e Fortune. Rio de Janeiro: ENANPAD. Anais do ENAMPAD, DRUCKER, P.. Administração: responsabilidades, tarefa e práticas. São Paulo: Pioneira, FLEISHMAN, E. A. et al. Taxonomic efforts in the description of leader behavior: a synthesis and functional interpretation. Leadership Quarterly, n. 2, v. 4, FOUCAULT, M. História da sexualidade I: A vontade de saber. Rio de Janeiro: Ed. Graal, FRIEDMAN, John. Empowerment - uma política de desenvolvimento alternativo. Oeiras: Celta, GOULART, I.B.; GUIMARÃES, R.N. Cenários contemporâneos do mundo do trabalho: In: GOULART, I.B. (Org.) Psicologia organizacional e do trabalho: teoria, pesquisa e temas correlatos. São Paulo: Casa do Psicólogo, GOULARTI FILHO, A. Formação econômica de Santa Catarina. Florianópolis,: Cidade Futura, GRAYSON, David e HODGES, Andrian. Compromisso Social e Gestão Empresarial/O Que é Necessário Saber Para Transformar..., trad. Carlos Mendes Rosa e Outros. São Paulo: Publifolha, HEIFETZ, R. A. Leadership without easy answers. Harvard University Press, HELOANI, R. Organização do trabalho e administração: uma abordagem multidisciplinar. São Paulo: Cortez, INSTITUTO CEPA/SC - INSTITUTO DE PLANEJAMENTO E ECONOMIA AGRÍCOLA DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E POLÍTICA RURAL. Museu Do Agricultor De Santa Catarina: Estudo Para Implantação. Pesquisa desenvolvida com o apoio financeiro do Fundo Rotativo de Estímulo à Pesquisa Agropecuária do Estado de Santa Catarina FEPA, Agosto/2004. Disponível em: Acesso em fevereiro JUNG, D. I; AVOLIO, J. B. Opening the black box: an experimental investigation of the mediating effects of trust and value congruence on transformational and transactional leadership. Journal of organizational behavior, dez KOONTZ, H., O DONNELL, C., WEIHRICH, H. Administração: fundamentos da teoria e da ciência. 15. ed. São Paulo: Pioneira,

15 LAGES, S.R.C. Desafios do Empreeendorismo Feminino: Uma reflexão sobre as dificuldades das mulheres pobres na condução de projetos geradores de renda. Revista Estação Científica, Disponível em: MADRUGA, L.R.R.G., GOMES, C.M., FLEIG, D.G., ALTISSIMO, J.C., COSTA, V.F. A valorização da mulher no contexto do trabalho: contradições e evidências identificadas na realidade atual. In: Anais do ENAMPAD, MANZINI-COVRE, M.L. No caminho de Hermes a Sherazade: Cultura, cidadania e subjetividade. Taubaté: Vogal, MASCARENHAS, A.O.; VASCONCELOS, F.C.; VASCONCELOS, I.F.G. Batom, pó de arroz e microchips o falso paradoxo entre as dimensões masculina e feminina nas organizações e a gestão da diversidade. In: VASCONCELOS, F.C.; VASCONCELOS, I.F.G.(org) Paradoxos Organizacionais: uma visão transformacional. São Paulo, Pioneira Thomson Learning, MENDONÇA L.R. ; MACHADO FILHO, C.A.P Governança corporativa nas Organizações do Terceiro setor: considerações teóricas. RAUSP, V.39, N.4, P , out-dez, MISORELLI C. L. Governança Corporativa nas Organizações sem fins lucrativos.. TCC curso de graduação em administração da FEA/USP. São Paulo, 2003 MORGAN, G. Imagens da organização. São Paulo: Atlas, NORTHOUSE, P. G. Leadership: theory and practice. 3. ed. Thousand Oaks: Sage Publications, PEREDO, A. M.; MCLEAN, M. Social entrepreneurship: a critical review of the concept. Journal of World Business, n.41, p , RAGO, M. Feminizar é preciso: por uma cultura filógina. São Paulo em Perspectiva, 15(3), RAMONET, Ignácio. Geopolitica do Caos. 4 ed. Rio de Janeiro: Editora Vozes. RAUCH, C. F.; BEHLING, O. Functionalism: basis for alternate approach to the study of leadership. IN: HUNT, J. G. et al. (org.). Leaders and managers: international perspectives on managerial behavior and leadership. Elmsford, New York: Pergamon Press, RODRIGUES, C. H. R.; SANTOS, F. C. A. Empowerment: ciclo de implementação, dimensões e tipologia. Gestão & Produção. V. 8, n.3, dez p SARACENO, D. V. S. O Papel do Terceiro Setor na Questão do Desenvolvimento Regional. e Local. Disponível em :< 7BE402DF73-E205-4EEE-A1A3-E32245F3A2F5%7D_Artigo_01.pdf>Acesso em 05/08/2007. SARTI, C. A. O feminismo brasileiro desde os anos 1970: revisitando uma trajetória. Estudos Feministas, Florianópolis, 12(2), maio/agosto, SILVEIRA, J. D. Trabalho Voluntário: Da Filantropia à Cidadania. In: PEREZ, Clotilde; JUNQUEIRA, Luciano P. (org.). Voluntariado e a Gestão das Políticas Sociais. São Paulo: Futura, p SOUZA, A. R. Economia Solidária: Um Movimento Nascente da Crise do Trabalho. In: Souza, R; CUNHA, G.C; DAKUZAKU, R. Y. (orgs). Uma Outra Economia é Possível: Paul Singer e a Economia Solidária, SWAIN, T.N. Feminismo e recortes do tempo presente: mulheres em revistas femininas. São Paulo em Perspectiva, 15(3), SZÜCS, C. A.; BOHN, A.R. A importância histórica e atual da madeira na economia do Estado de Santa Catarina. In: ENCONTRO BRASILEIRO EM MADEIRAS E EM ESTRUTURAS DE MADEIRA, 8, 2002, Uberlândia. Anais... Uberlândia, VERGARA, S.C. Projeto e relatórios de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas, WEBER, M. Economia Y sociedad. México: Fondo de Cultura Económica,

16 YUKL, G. Leadership in organizations. 4. ed. New Jersey: Prentice Hall, ZAND, D. E. The leadership trial: knowledge, trust, and power. Nova York: Oxford Press,

TIPOS DE LIDERANÇA ADOTADOS POR GESTORES NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

TIPOS DE LIDERANÇA ADOTADOS POR GESTORES NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA TIPOS DE LIDERANÇA ADOTADOS POR GESTORES NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Anápolis GO - 05 2015 Marcos Wesley da Silva - Unievangélica marcos.wesley@unievangelica.edu.br Gustavo Ferreira Gomes - Unievangélica -

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014

MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014 MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014 Karen Capelesso 4 O livro Feminismo e política: uma introdução, de Luis Felipe Miguel e Flávia Biroli, se vincula

Leia mais

Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil. Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC

Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil. Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC QUEM SOMOS? INSTITUTO GESC - IGESC Fundação da AMBA, pelos alunos do primeiro curso de MBA. Serviços

Leia mais

Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa

Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa Objetivos da aula: Nesta aula o principal objetivo será conceituar itens que irão embasar o conteúdo das aulas seguintes. Serão conceituados

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I 1 TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I Administração é a maneira de governar organizações ou parte delas. É o processo de planejar, organizar, dirigir e controlar o uso de recursos

Leia mais

Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil.

Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil. Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil. RADIOBRÁS Empresa Brasileira de Comunicação S. A. Diretoria de Gestão de Pessoas e Administração

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Ilca Maria Moya de Oliveira Cargos e suas estruturas são hoje um tema complexo, com várias leituras e diferentes entendimentos. Drucker (1999, p.21) aponta que, na nova sociedade do conhecimento, a estrutura

Leia mais

COMPETÊNCIAS E COMPORTAMENTO DOS LÍDERES NO CENÁRIO ATUAL

COMPETÊNCIAS E COMPORTAMENTO DOS LÍDERES NO CENÁRIO ATUAL COMPETÊNCIAS E COMPORTAMENTO DOS LÍDERES NO CENÁRIO ATUAL 1.Osnei FranciscoAlves 2. Jéssica Barros 1. Professor das Faculdades Integradas Santa Cruz. Administrador, MBA Executivo em Gestão de Pessoas e

Leia mais

Aula 07 Planejamento Estratégico de RH

Aula 07 Planejamento Estratégico de RH Aula 07 Planejamento Estratégico de RH Objetivos da aula: Nesta aula o objetivo será Apresentar uma visão diferenciada sobre como as ações integradas de planejamento estratégico de Recursos Humanos (RH)

Leia mais

Palavras-chave: Transição acadêmico-profissional; formação em Psicologia; mercado de trabalho.

Palavras-chave: Transição acadêmico-profissional; formação em Psicologia; mercado de trabalho. 1 FORMAÇÃO, INSERÇÃO E ATUAÇÃO PROFISSIONAL NA PERSPECTIVA DOS EGRESSOS DE UM CURSO DE PSICOLOGIA. BOBATO, Sueli Terezinha, Mestre em Psicologia pela UFSC, Docente do Curso de Psicologia na Universidade

Leia mais

LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira

LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira Manual de Sobrevivência dos Gestores, Supervisores, Coordenadores e Encarregados que atuam nas Organizações Brasileiras Capítulo 2 O Gestor Intermediário

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: MODELO SISTÊMICO E COMPARTILHADO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: MODELO SISTÊMICO E COMPARTILHADO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: MODELO SISTÊMICO E COMPARTILHADO INTRODUÇÃO: As empresas corporativas atualmente desenvolvem visões e políticas que se enquadrem no conceito de desenvolvimento sustentável, responsabilidade

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

Auditoria no Terceiro Setor

Auditoria no Terceiro Setor Auditoria no Terceiro Setor Percepções e Resultados da Pesquisa 2006 AUDIT 1 Introdução O Terceiro Setor vem em crescente processo de evolução porém, nos últimos anos, um das principais missões das entidades

Leia mais

Fundamentos do Comportamento de Grupo

Fundamentos do Comportamento de Grupo Fundamentos do Comportamento de Grupo 1: Motivação no trabalho e suas influências sobre o desempenho: Definir e classificar os grupos; Analisar as dinâmicas presentes nos grupos; Refletir sobre a influência

Leia mais

1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema

1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema 1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema O papel do líder é muito relevante numa pequena empresa familiar. Isso se dá devido a vários fatores, dentre outros, deve-se enfatizar a dificuldade de criação

Leia mais

PROJETOS SOCIAIS E OS OBJETIVOS DO MILÊNIO

PROJETOS SOCIAIS E OS OBJETIVOS DO MILÊNIO PROJETOS SOCIAIS E OS OBJETIVOS DO MILÊNIO DIFERENCIANDO OS TRÊS SETORES Primeiro Setor A origem e a destinação dos recursos são públicos. Segundo Setor Corresponde ao capital privado, sendo a aplicação

Leia mais

Liderança Feminina. Que tipo de clima as altas executivas geram em suas equipes? Setembro/2009

Liderança Feminina. Que tipo de clima as altas executivas geram em suas equipes? Setembro/2009 Liderança Feminina Que tipo de clima as altas executivas geram em suas equipes? Setembro/2009 Sobre o Hay Group Hay Group é uma consultoria global em gestão que trabalha com líderes para transformar estratégias

Leia mais

INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos

INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos Cláudia Peixoto de Moura Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS E-mail: cpmoura@pucrs.br Resumo do Trabalho:

Leia mais

- Terceiro Setor e Sociedade Civil Organizada -

- Terceiro Setor e Sociedade Civil Organizada - - Terceiro Setor e Sociedade Civil Organizada - 1 Terceiro Setor Denominação de um setor além governo e do privado/empresas. Define a atuação de organizações não estatais e sem fins lucrativos. Divisão

Leia mais

FACULDADE PASCHOAL DANTAS

FACULDADE PASCHOAL DANTAS FACULDADE PASCHOAL DANTAS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO ÊNFASE GESTÃO DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SÃO PAULO - SP NOVEMBRO DE 2008 ÍNDICE 1. Visão e Missão da FPD...3 2. ORGANIZAÇÃO

Leia mais

GESTÃO, SINERGIA E ATUAÇÃO EM REDE. Prof. Peter Bent Hansen PPGAd / PUCRS

GESTÃO, SINERGIA E ATUAÇÃO EM REDE. Prof. Peter Bent Hansen PPGAd / PUCRS GESTÃO, SINERGIA E ATUAÇÃO EM REDE Prof. Peter Bent Hansen PPGAd / PUCRS Agenda da Conferência O que são redes? O que são redes interorganizacionais? Breve histórico das redes interorganizacionais Tipos

Leia mais

Política Nacional de Saúde do Homem

Política Nacional de Saúde do Homem Política Nacional de Saúde do Homem O Ministério da Saúde lançou a Política Nacional de Saúde do Homem. O objetivo é facilitar e ampliar o acesso da população masculina aos serviços de saúde. A iniciativa

Leia mais

ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA

ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA W.L.MOURA 1 ; L.FILIPETTO 2 ; C.SOAVE 3 RESUMO O assunto sobre inovação

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 43 3 METODOLOGIA DA PESQUISA Medeiros (2005) esclarece que a pesquisa científica tem por objetivo maior contribuir para o desenvolvimento humano. Para isso, conta com métodos adequados que devem ser planejados

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

Por que Projetos Sociais?

Por que Projetos Sociais? PROJETOS SOCIAIS Por que Projetos Sociais? Projetos são resultado de uma nova relação entre Estado e Sociedade Civil; Mudanças no que se relaciona à implantação de políticas sociais; Projetos se constroem

Leia mais

Aula 5. Teorias sobre Liderança

Aula 5. Teorias sobre Liderança Aula 5 Teorias sobre Liderança Profa. Ms. Daniela Cartoni daniela.cartoni@veris.edu.br O que é Liderança Capacidade de influenciar um grupo em direção ao alcance dos objetivos. Desafios para o líder: desenvolvimento

Leia mais

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero.

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero. Pesquisa O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero. Introdução Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e políticas capazes de ampliar a inserção da mulher no mercado de trabalho.

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: 0 Leia estas instruções: 1 2 3 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

Francisco Chaves, Presidente Ibolyka Elizabeth, Diretora Executiva. www.iaap.org.br Lorena-SP

Francisco Chaves, Presidente Ibolyka Elizabeth, Diretora Executiva. www.iaap.org.br Lorena-SP Diretoria Francisco Chaves, Presidente Ibolyka Elizabeth, Diretora Executiva. www.iaap.org.br Lorena-SP O Terceiro Setor no Brasil Sumário: Histórico e Legislação Bandeira: a figura da Filantropia (do

Leia mais

A importância do RH na empresa

A importância do RH na empresa A importância do RH na empresa O modo pelo qual seus funcionários se sentem é o modo pelo qual os seus clientes irão se sentir." Karl Albrecht Infelizmente, muitas empresas ainda simplificam o RH à função

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROCESSO LICITATÓRIO 015/2013. Declaração de trabalho, serviços e especificações

TERMO DE REFERÊNCIA PROCESSO LICITATÓRIO 015/2013. Declaração de trabalho, serviços e especificações 1 ANEXO 3 TERMO DE REFERÊNCIA PROCESSO LICITATÓRIO 015/2013 Declaração de trabalho, serviços e especificações A Contratada deverá executar o trabalho e realizar os serviços a seguir, indicados de acordo

Leia mais

HELENA NAVARRO GIMENEZ

HELENA NAVARRO GIMENEZ HELENA NAVARRO GIMENEZ O ASSISTENTE SOCIAL NA GESTÃO ESTADUAL DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A APLICABILIDADE DO CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL NESSE ESPAÇO DE ATUAÇÃO O presente artigo tem por objetivo

Leia mais

CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY

CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY Instrumental e modular, o Ferramentas de Gestão é uma oportunidade de aperfeiçoamento para quem busca conteúdo de qualidade ao gerenciar ações sociais de empresas

Leia mais

AUTOR(ES): ALTIERES FRANCISCO MOLINA SECAFIN, DREISON NIHI, EDUARDO VINICIUS PONDIAN DE OLIVEIRA

AUTOR(ES): ALTIERES FRANCISCO MOLINA SECAFIN, DREISON NIHI, EDUARDO VINICIUS PONDIAN DE OLIVEIRA TÍTULO: O USO DA SIMULAÇÃO EMPRESARIAL NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO: UMA ANÁLISE SOB A PERSPECTIVA DOS ALUNOS JÁ FORMADOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA Prof. Gustavo Nascimento Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA A liderança e seus conceitos Liderança é a capacidade de influenciar um grupo para que as metas sejam alcançadas Stephen Robbins A definição de liderança

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

Inscrições Abertas. Dia e horário das aula: Sexta-Feira 18h30 às 22h30 Quinzenal Sábado 08h30 às 17h30 Quinzenal

Inscrições Abertas. Dia e horário das aula: Sexta-Feira 18h30 às 22h30 Quinzenal Sábado 08h30 às 17h30 Quinzenal MBA Recursos Humanos Inscrições Abertas Dia e horário das aula: Sexta-Feira 18h30 às 22h30 Quinzenal Sábado 08h30 às 17h30 Quinzenal Carga horária: 600 Horas Duração: 24 meses *As informações podem sofrer

Leia mais

MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES

MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES 1 MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES Wainy Indaiá Exaltação Jesuíno 1 Marco Antônio 2 Resumo O objetivo deste trabalho é demonstrar a importância da análise do clima organizacional para mudança da cultura

Leia mais

No Brasil as entidades de interesse social só podem se constituir juridicamente na forma de associação ou fundação.

No Brasil as entidades de interesse social só podem se constituir juridicamente na forma de associação ou fundação. Gestão e Sustentabilidade para o 3 Setor Orientações Técnicas CONCEITOS No Brasil as entidades de interesse social só podem se constituir juridicamente na forma de associação ou fundação. Pessoa Jurídica:

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DE CAPITAL SOCIAL PARA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA SUSTENTÁVEL

CONSTITUIÇÃO DE CAPITAL SOCIAL PARA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA SUSTENTÁVEL UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE DIREITO PROGRAMA PÓLOS DE CIDADANIA CONSTITUIÇÃO DE CAPITAL SOCIAL PARA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA SUSTENTÁVEL MIRACY BARBOSA DE SOUSA GUSTIN MARIANNA VIEIRA

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES POPULARES

OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES POPULARES COMO CITAR ESTE TEXTO: Formato Documento Eletrônico (ISO) NASCIMENTO, Alexandre do. Os Cursos Pré-Vestibulares Populares. [Acesso em dd/mm/aaaa]. Disponível em http://www.alexandrenascimento.com. OS CURSOS

Leia mais

PGM 3: MOBILIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO NA ESCOLA JOVEM

PGM 3: MOBILIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO NA ESCOLA JOVEM PGM 3: MOBILIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO NA ESCOLA JOVEM Falar em mobilização e participação de jovens na escola de ensino médio implica em discutir algumas questões iniciais, como o papel e a função da escola

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO DA REGIÃO DE SÃO CARLOS - SÃO PAULO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO DA REGIÃO DE SÃO CARLOS - SÃO PAULO GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO DA REGIÃO DE SÃO CARLOS - SÃO PAULO E.E. PROFª ALICE MADEIRA JOÃO FRANCISCO SANTA EUDÓXIA-DISTRITO DE SÃO CARLOS RUA

Leia mais

QUESTÃO 11 ENADE Administração/2009

QUESTÃO 11 ENADE Administração/2009 Universidade Federal Fluminense Oficina de Trabalho Elaboração de Provas Escritas Questões Objetivas Profª Marcia Memére Rio de Janeiro, janeiro de 2013 QUESTÃO 11 ENADE Administração/2009 Cada uma das

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador

ADMINISTRAÇÃO. Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador ADMINISTRAÇÃO Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador O que devemos.. Tirar todas as dúvidas a qualquer momento Participar

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009 03/08/2010 Pág.01 POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009 1. INTRODUÇÃO 1.1 A Política de Comunicação da CEMIG com a Comunidade explicita as diretrizes que

Leia mais

A SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES AS AÇÕES SÃO DESENVOLVIDAS POR QUATRO ÁREAS ESTRATÉGICAS:

A SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES AS AÇÕES SÃO DESENVOLVIDAS POR QUATRO ÁREAS ESTRATÉGICAS: O QUE É QUE FAZ A SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES A Prefeitura de São Paulo, em maio de 2013, seguindo a política implementada nacionalmente e atendendo uma reivindicação histórica do movimento

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil CONSELHO DE CLASSE A visão dos professores sobre educação no Brasil INTRODUÇÃO Especificações Técnicas Data do Campo 19/06 a 14/10 de 2014 Metodologia Técnica de coleta de dados Abrangência geográfica

Leia mais

Escola das relações humanas: Sociologia nas Organizações. Prof Rodrigo Legrazie

Escola das relações humanas: Sociologia nas Organizações. Prof Rodrigo Legrazie Escola das relações humanas: Sociologia nas Organizações Prof Rodrigo Legrazie Escola Neoclássica Conceitua o trabalho como atividade social. Os trabalhadores precisam muito mais de ambiente adequado e

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br Apresentação preparada para: I Congresso de Captação de Recursos e Sustentabilidade. Promovido

Leia mais

Novos Caminhos Grupo JCA Uma estratégia de transformação organizacional a partir da cultura e dos valores.

Novos Caminhos Grupo JCA Uma estratégia de transformação organizacional a partir da cultura e dos valores. Novos Caminhos Grupo JCA Uma estratégia de transformação organizacional a partir da cultura e dos valores. Período: Março 2010 a junho 2011 Categoria: Adesão dos Colaboradores Sumário: O trabalho relata

Leia mais

Poder e Dominação Segundo Max Weber. Dominação Legal, Dominação Tradicional, Dominação Carismática. Dominação Legal. Dominação Tradicional

Poder e Dominação Segundo Max Weber. Dominação Legal, Dominação Tradicional, Dominação Carismática. Dominação Legal. Dominação Tradicional Poder e Dominação Segundo Max Weber Poder significa toda oportunidade de impor sua própria vontade, no interior de uma relação social, até mesmo contra resistências, pouco importando em que repouse tal

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Dimensão Social

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Dimensão Social DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Dimensão Social Por Daiane Fontes 1 A preocupação da sociedade com relação aos temas ética, cidadania, direitos humanos, desenvolvimento econômico, Desenvolvimento Sustentável

Leia mais

Definição estrutural operacional de Salamon e Anhheir (1996)

Definição estrutural operacional de Salamon e Anhheir (1996) José Alberto Reis Definição estrutural operacional de Salamon e Anhheir (1996) 1) têm um relativo nível de organização; 2) são privadas, i.e. separadas do governo; 3) não distribuem lucros; 4) são auto

Leia mais

Objetivo. Apresentar uma síntese das principais teorias sobre liderança e suas implicações para a gestão.

Objetivo. Apresentar uma síntese das principais teorias sobre liderança e suas implicações para a gestão. Liderança Objetivo Apresentar uma síntese das principais teorias sobre liderança e suas implicações para a gestão. 2 Introdução O que significa ser líder? Todo gestor é um líder? E o contrário? Liderança

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Gestão de Redes Sociais

Gestão de Redes Sociais Gestão de Redes Sociais Célia Schlithler Introdução Gerir é administrar, dirigir, governar. Então seria este o termo mais apropriado para as redes sociais? Do mesmo modo que governança, este termo está

Leia mais

TRABALHO COMO DIREITO

TRABALHO COMO DIREITO Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 419 CEP: 05403-000 São Paulo SP Brasil TRABALHO COMO DIREITO () 04/12/2013 1 O direito ao trabalho no campo da Saúde Mental: desafio para a Reforma Psiquiátrica brasileira

Leia mais

Design Estratégico e Inovação

Design Estratégico e Inovação Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

PERFIL ÉTICO DOS PROFISSIONAIS DAS CORPORAÇÕES BRASILEIRAS RELATÓRIO BIENAL 2010/2012

PERFIL ÉTICO DOS PROFISSIONAIS DAS CORPORAÇÕES BRASILEIRAS RELATÓRIO BIENAL 2010/2012 PERFIL ÉTICO DOS PROFISSIONAIS DAS CORPORAÇÕES BRASILEIRAS RELATÓRIO BIENAL 2010/2012 FRAUDE Vantagem sobre outro por meio de sugestões falsas ou omissão da verdade COMPLIANCE Estar em conformidade e fazer

Leia mais

Liderança, gestão de pessoas e do ambiente de trabalho

Liderança, gestão de pessoas e do ambiente de trabalho Glaucia Falcone Fonseca O que é um excelente lugar para se trabalhar? A fim de compreender o fenômeno dos excelentes locais de trabalho, devemos primeiro considerar o que as pessoas falam sobre a experiência

Leia mais

ÍNDICE INSTITUIÇÃO TÍPICA DO TERCEIRO SETOR DE BELO HORIZONTE...1. 1. A Instituição Típica do Terceiro Setor por Principal Área de Atividade...

ÍNDICE INSTITUIÇÃO TÍPICA DO TERCEIRO SETOR DE BELO HORIZONTE...1. 1. A Instituição Típica do Terceiro Setor por Principal Área de Atividade... ÍNDICE INSTITUIÇÃO TÍPICA DO TERCEIRO SETOR DE BELO HORIZONTE...1 1. A Instituição Típica do Terceiro Setor por Principal Área de Atividade...5 A Instituição Típica da Área de Cultura...5 A Instituição

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I TEXTO I Igualdade de Gênero no Enfrentamento à Violência Contra a Mulher As desigualdades são sentidas de formas diferentes pelas pessoas dependendo do seu envolvimento com a questão. As mulheres sentem

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

ESTILOS DE LIDERANÇA ESPORTIVA: O IMPACTO EM EQUIPES DE HANDEBOL

ESTILOS DE LIDERANÇA ESPORTIVA: O IMPACTO EM EQUIPES DE HANDEBOL ISBN 978-8-9--7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 7 a de outubro de 9 ESTILOS DE LIDERANÇA ESPORTIVA: O IMPACTO EM EQUIPES DE HANDEBOL Talita Caparróz dos Santos Cruz ; Geni

Leia mais

O Estado moderno: da gestão patrimonialista à gestão democrática

O Estado moderno: da gestão patrimonialista à gestão democrática O Estado moderno: da gestão patrimonialista à gestão democrática Neusa Chaves Batista 1 1. Introdução O modelo de gestão para a escola pública requerido na atualidade encontra-se expresso no ordenamento

Leia mais

WORKSHOP DIMENSÃO AMBIENTAL 08.05.2009 WORKSHOP DIMENSÃO SOCIAL

WORKSHOP DIMENSÃO AMBIENTAL 08.05.2009 WORKSHOP DIMENSÃO SOCIAL WORKSHOP DIMENSÃO AMBIENTAL 08.05.2009 WORKSHOP DIMENSÃO SOCIAL 26.05.2009 2009/2010 Processo 2009/2010 Principais etapas / eventos Quem Quando Revisão questionário 2008/09 e pontos de FGV CES MAR/2009

Leia mais

Organização da Aula. Gestão de Recursos Humanos. Aula 2. Liderança X Gerenciamento. Contextualização. Empreendedor Conflitos.

Organização da Aula. Gestão de Recursos Humanos. Aula 2. Liderança X Gerenciamento. Contextualização. Empreendedor Conflitos. Gestão de Recursos Humanos Aula 2 Profa. Me. Ana Carolina Bustamante Organização da Aula Liderança Competências gerenciais Formação de equipes Empreendedor Liderança X Gerenciamento Conceito e estilos

Leia mais

3 O Serviço Social no setor de ONGs

3 O Serviço Social no setor de ONGs 3 O Serviço Social no setor de ONGs Uma análise sobre a atuação do assistente social em organizações não governamentais (ONGs) deve partir da reflexão sobre a configuração da sociedade civil brasileira,

Leia mais

A área de recursos humanos é o filtro da empresa, a porta de entrada de todas as companhias. (Reinaldo Passadori)

A área de recursos humanos é o filtro da empresa, a porta de entrada de todas as companhias. (Reinaldo Passadori) TATIANA LOPES 2012 A área de recursos humanos é o filtro da empresa, a porta de entrada de todas as companhias. (Reinaldo Passadori) PLANEJAMENTO: é uma ferramenta administrativa, que possibilita perceber

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão Estratégica de Negócios tem por objetivo desenvolver a

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Nome Desarrollo de Sistemas de Gobierno y Gestión en Empresas de Propiedad Familiar en el Perú Objetivo Contribuir

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO SOBRE A REDE PARTICULAR DE ENSINO FEDERAÇÃO NACIONAL DAS ESCOLAS PARTICULARES DEZEMBRO - 2005 DIVULGAÇÃO JANEIRO

PESQUISA DE OPINIÃO SOBRE A REDE PARTICULAR DE ENSINO FEDERAÇÃO NACIONAL DAS ESCOLAS PARTICULARES DEZEMBRO - 2005 DIVULGAÇÃO JANEIRO IBOPE PESQUISA DE OPINIÃO SOBRE A REDE PARTICULAR DE ENSINO FEDERAÇÃO NACIONAL DAS ESCOLAS PARTICULARES DEZEMBRO - 2005 DIVULGAÇÃO JANEIRO - 2006 Proibida reprodução total ou parcial sem autorização expressa

Leia mais

Gestão por Processos. Gestão por Processos Gestão por Projetos. Metodologias Aplicadas à Gestão de Processos

Gestão por Processos. Gestão por Processos Gestão por Projetos. Metodologias Aplicadas à Gestão de Processos Gestão por Processos Gestão por Projetos Gestão por Processos Gestão de Processos de Negócio ou Business Process Management (BPM) é um modelo de administração que une gestão de negócios à tecnologia da

Leia mais

INSTITUTO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO DO BRASIL PROJETO AMAPÁ SUSTENTÁVEL. Programa de Formação de Lideranças do Amapá FormAção.

INSTITUTO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO DO BRASIL PROJETO AMAPÁ SUSTENTÁVEL. Programa de Formação de Lideranças do Amapá FormAção. INSTITUTO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO DO BRASIL PROJETO AMAPÁ SUSTENTÁVEL Programa de Formação de Lideranças do Amapá FormAção Edital de Seleção Março de 2015 Realização Apoio 2...esgotada a palavra de sua

Leia mais

AÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DE COMUNIDADES VULNERÁVEIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (2012) 1

AÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DE COMUNIDADES VULNERÁVEIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (2012) 1 AÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DE COMUNIDADES VULNERÁVEIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (2012) 1 DALCIN, Camila Biazus 2 ; GUERRA, Leonardo Rigo 3 ; VOGEL, Gustavo Micheli 4 ; BACKES, Dirce

Leia mais

Jorn. Esp. Cris Guimarães

Jorn. Esp. Cris Guimarães As Relações Institucionais como Estratégia de Fortalecimento das Causas Sociais Jorn. Esp. Cris Guimarães Quem somos Missão: Potencializar o desenvolvimento integral da criança, adolescente e jovem numa

Leia mais

Fundação Libertas. Nova denominação da entidade. Manual de Governança Corporativa

Fundação Libertas. Nova denominação da entidade. Manual de Governança Corporativa Manual de Governança Corporativa Sumário 1. Definição.... Objetivo... 3. Da Contextualização da PREVIMINAS... 3.1. Arcabouço Legal e Regulatório... 3.. A Identidade da PREVIMINAS... A Filosofia Empresarial

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL LIDERANÇA

ADMINISTRAÇÃO GERAL LIDERANÇA ADMINISTRAÇÃO GERAL LIDERANÇA Publicado em 12/10/2015 LIDERANÇA A liderança é um fenômeno que ocorre exclusivamente em grupos sociais. Ela é definida como uma influência interpessoal exercida em dada situação

Leia mais

20 de junho de 2013.)

20 de junho de 2013.) 20 de junho de 2013.) Tecnologias Educacionais (G.E.N.T.E.) _ 2 _ > Rio de Janeiro 20 de junho de 2013 Proposta elaborada pelo IETS _Contextualização O projeto Ginásio Experimental de Novas Tecnologias

Leia mais

Responsabilidade Social

Responsabilidade Social Responsabilidade Social Profa. Felicia Alejandrina Urbina Ponce A questão principal é debater: o que torna uma empresa socialmente responsável? É o fato de ela ser ética? Ou fi lantrópica? Ou porque ela

Leia mais

Discutir liderança feminina em pleno século

Discutir liderança feminina em pleno século Liderança feminina Discutir liderança feminina em pleno século XXI parece ultrapassado, mas apenas agora as mulheres começam a ser reconhecidas como líderes eficazes. Somente neste século o reconhecimento

Leia mais

Planejamento Estratégico de Comunicação Institucional para o IBAMETRO: uma experiência governamental 1

Planejamento Estratégico de Comunicação Institucional para o IBAMETRO: uma experiência governamental 1 Planejamento Estratégico de Comunicação Institucional para o IBAMETRO: uma experiência governamental 1 Gustavo Figueiredo 2 Resumo O IBAMETRO - Instituto Baiano de Metrologia e Qualidade, autarquia ligada

Leia mais

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Agnaldo dos Santos Pesquisador do Observatório dos Direitos do Cidadão/Equipe de Participação Cidadã Apresentação O Observatório dos Direitos

Leia mais