NORMALIZAÇÃO. Quantidade do Produto. Produto

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NORMALIZAÇÃO. Quantidade do Produto. Produto"

Transcrição

1 NORMALIZAÇÃO 1. CONCEITUAÇÃO É o processo formal, passo a passo, que examina os atributos de uma entidade, com o objetivo de evitar anomalias observadas na inclusão, exclusão e alteração de registros. Consiste em definir o formato lógico adequado para as estruturas de dados identificados no projeto lógico do sistema, com o objetivo de minimizar o espaço utilizado pelos dados e garantir a integridade e confiabilidade das informações. A normalização é feita, através da análise dos dados que compõem as estruturas utilizando o conceito chamado "Formas Normais (FN)". As FN são conjuntos de restrições nos quais os dados devem satisfazer. Pode-se dizer que a estrutura está na primeira forma normal (1FN), se os dados que a compõem satisfizerem as restrições definidas para esta etapa. A normalização completa dos dados é feita, seguindo as restrições das três formas normais existentes, sendo que a passagem de uma FN para outra é feita tendo como base o resultado obtido na etapa anterior. Para realizar a normalização dos dados, é primordial que seja definido um campo chave para a estrutura, campo este que irá identificar os demais campos da estrutura. O processo de normalização conduz a um esquema de relação através de uma bateria de testes para certificar se o mesmo está na 1a, 2a e 3a Formas Normais. Estas três Formas Normais são baseadas em dependências funcionais dos atributos do esquema de relação. 2. OBJETIVOS 1º) Minimização de redundâncias e inconsistências; 2º) Facilidade de manipulações do Banco de Dados; 3º) Facilidade de manutenção do Sistema de Informações. Vamos analisar a Ficha de Pedidos abaixo: Número do Pedido CPF do Cliente Endereço do Cliente Código do Nome Produto produto do Preço Produto do Data do Pedido Nome do Cliente Telefone do Cliente Quantidade do Produto Total Produto do Total do Pedido Sabendo que não existem 2 pedidos com o mesmo número, concluímos que a Forma Não Normalizada é a seguinte: Pag 1

2 Modelo de Esquema de Entidades: (; data_pedido; cpf_cliente; nome_cliente; endereço_cliente; telefone_cliente; ; nome_produto; preço_produto; quantidade_produto; total_produto; total_pedido). Modelo de Layout de Entidades: data_pedido cpf_cliente nome_cliente endereço_cliente telefone_cliente nome_produto preço_produto quantidade_produto total_produto total_pedido 3. 1ª FORMA NORMAL (1FN) Consiste em retirar da estrutura os elementos repetitivos. Uma relação está na 1FN se todos os domínios básicos contiverem somente valores não repetitivos. Vamos analisar a ficha de pedidos abaixo: Procedimentos: a) Identificar a chave primária da entidade; b) Identificar o grupo repetitivo e removê-lo da entidade; c) Criar uma nova entidade com a chave primária da entidade anterior e o grupo repetitivo. A chave primária da nova entidade será obtida pela concatenação da chave primária da entidade inicial e a do grupo repetitivo. Analisando a estrutura acima, observamos que podem existir vários produtos em um único pedido, sendo portanto elementos repetitivos que deverão ser retirados. Obs. Os campos sublinhados identificam as chaves das estruturas. Como resultado desta etapa ocorre um desdobramento dos dados em duas estruturas, a saber: - Primeira estrutura - Pedidos - Dados que compõem a estrutura original, excluindo os elementos repetitivos. (; data_pedido; cpf_cliente; nome_cliente; endereço_cliente; telefone_cliente; total_pedido) Pag 2

3 data_pedido cpf_cliente nome_cliente endereço_cliente telefone_cliente total_pedido - Segunda estrutura - Itens do Pedido - Dados que compõem os elementos repetitivos da estrutura original, tendo como chave o campo chave da estrutura original () e o campo chave da estrutura de repetição (). (; ; nome_produto; preço_produto; quantidade_produto; total_produto) nome_produto preço_produto quantidade_produto total_produto 4) 2ª Forma Normal (2FN) Uma relação está na 2FN se e somente se ela estiver na primeira forma normal e todos os atributos não chave forem totalmente dependentes da chave primária (dependente de toda a chave e não apenas de parte dela). Consiste em retirar das estruturas que possuem chaves compostas (campo chave sendo formado por mais de um campo), os elementos que são funcionalmente dependente de parte da chave. Podemos afirmar que uma estrutura está na 2FN, se ela estiver na 1FN e não possuir campos que são funcionalmente dependente de parte da chave. Procedimentos: a) Identificar os atributos que não são funcionalmente dependentes de toda a chave primária. b) Remover da entidade todos esses atributos identificados e criar uma nova entidade com eles. A chave primária da nova entidade será o atributo do qual os atributos removidos são funcionalmente dependentes. Pag 3

4 A entidade Pedidos, não foi alterada, por não possuir chave composta, permanecendo sua estrutura: (; data_pedido; cpf_cliente; nome_cliente; endereço_cliente; telefone_cliente; total_pedido) Como resultado desta etapa, houve um desdobramento da entidade Itens do Pedido em duas estruturas a saber: - Primeira estrutura - Itens_Pedido - Contém os elementos originais, sendo excluídos os dados que são dependentes apenas do campo. (; ; quantidade_produto; total_produto) quantidade_produto total_produto - Segunda estrutura - Produtos - Contém os elementos que são identificados apenas pelo, ou seja, independentemente do Itens_Pedido, o nome e o preço serão constantes. PRODUTOS (, nome_produto, preço_produto) PRODUTOS nome_produto preço_produto 5) 3ª Forma Normal (3FN) Uma relação R está na 3FN se somente estiver na 2FN e todos os atributos não chave forem dependentes não transitivos da chave primária (cada atributo for funcionalmente dependente apenas dos atributos componentes da chave primária ou se todos os seus atributos não chave forem independentes entre si). Consiste em retirar das estruturas os campos que são funcionalmente dependentes de outros campos que não são chaves. Podemos afirmar que uma estrutura está na 3FN, se ela estiver na 2FN e não possuir campos dependentes de outros campos não chaves. Pag 4

5 Procedimentos: a) Identificar todos os atributos que são funcionalmente dependentes de outros atributos não chave; b) Removê-los e criar uma nova entidade com os mesmos. A chave primária da nova entidade será o atributo do qual os atributos removidos são funcionalmente dependentes. Como resultado desta etapa, houve um desdobramento da entidade Pedidos, em Clientes, por ser o único que possuía campos que não eram dependentes da chave principal (), uma vez que independente do pedido, o nome, endereço e telefone do cliente são inalterados. Este procedimento permite evitar inconsistência nos dados dos arquivos e economizar espaço por eliminar o armazenamento freqüente e repetição destes dados. A cada pedido feito pelo cliente, haverá o armazenamento destes dados e poderá ocorrer divergência entre eles. As estruturas alteradas foram pelos motivos, a saber: - Primeira estrutura - Pedidos - Contém os elementos originais, sendo excluído os dados que são dependentes apenas do campo código_cliente (informações referentes ao cliente). (; data_pedido; cpf_cliente; total_pedido) data_pedido cpf_cliente total_pedido) - Segunda estrutura - Clientes - Contém os elementos que são identificados apenas pelo cpf_cliente, ou seja, independente do pedido, o nome, endereço e telefone dos clientes serão constantes. CLIENTES (código_cliente; nome_cliente; endereço_cliente; telefone_cliente) CLIENTES código_cliente nome_cliente endereço_cliente telefone_cliente Pag 5

6 Após a normalização, as estruturas dos dados estão projetadas para eliminar as inconsistências e redundâncias dos dados, eliminando desta forma qualquer problema de atualização e operacionalização do sistema. A versão final dos dados poderá sofrer alguma alteração, para atender as necessidades específicas do sistema, a critério do analista de desenvolvimento durante o projeto físico do sistema. As outras duas estruturas permanecem inalteradas: PRODUTOS (; nome_produto; preço_produto) (; ; quantidade_produto; total_produto) Uma tabela está na 3a Forma Normal se estiver na 2a Forma Normal e não houver dependência entre atributos não chave. FIM Pag 6

Banco de Dados Aula 02

Banco de Dados Aula 02 Matéria: Banco de Dados Banco de Dados Aula 02 Professor: Esp.: Patricia Dias da Silva Peixoto NORMALIZAÇÕES DE ENTIDADES DO BANCO DE DADOS Quando estamos criando as tabelas de um banco de dados, devemos

Leia mais

Normalização de dados e as formas normais. Docente : Pedro F. Carvalho.

Normalização de dados e as formas normais. Docente : Pedro F. Carvalho. Normalização de dados e as formas normais 2009 Email : contato@pedrofcarvalho.com.br Normalização de dados é o processo formal passo a passo que examina os atributos de uma entidade, com o objetivo de

Leia mais

Objetivos:

Objetivos: Objetivos: Apresentar o conceito de normalização Apresentar e exemplificar a 1ª forma normal Apresentar e exemplificar a 2ª forma normal Apresentar e exemplificar a 3ª forma normal NORMALIZAÇÃO O processo

Leia mais

Banco de Dados I Engenharia Reversa e Normalização

Banco de Dados I Engenharia Reversa e Normalização Banco de Dados I Engenharia Reversa e Normalização Normalização Conjunto de regras que ajudam na definição de bancos de dados que não contenham redundância desnecessária e que permitam o fácil acesso às

Leia mais

MODELO DE DADOS. 1. Modelo de Dados. É uma imagem gráfica de toda a base de informações necessárias para um determinado empreendimento.

MODELO DE DADOS. 1. Modelo de Dados. É uma imagem gráfica de toda a base de informações necessárias para um determinado empreendimento. MODELO DE DADOS 1. Modelo de Dados É uma imagem gráfica de toda a base de informações necessárias para um determinado empreendimento. 2. Modelo de Entidade Relacionamento É a principal ferramenta gráfica

Leia mais

Normalização de BD 19:08:54. Fundamentos de Banco de Dados - Normalização 1

Normalização de BD 19:08:54. Fundamentos de Banco de Dados - Normalização 1 Normalização de BD Fundamentos de Banco de Dados - Normalização 1 Formas Normais Projetar as relações (tabelas) de uma base de dados relacional, de modo a obter o máximo de independência de dados, eliminando

Leia mais

Normalização de Dados. Disciplina: Fundamentos de Banco de dados Docente: Kelyn Schenatto

Normalização de Dados. Disciplina: Fundamentos de Banco de dados Docente: Kelyn Schenatto Normalização de Dados Disciplina: Fundamentos de Banco de dados Docente: Kelyn Schenatto História... Muitos dos sistemas de informação ainda utilizados atualmente foram desenvolvidos ao longo dos últimos

Leia mais

Tópico: Normalização

Tópico: Normalização Tópico: Normalização CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1FN NORMALIZAÇÃO 3FN 2FN NORMALIZAÇÃO - CONCEITO O que é? 1) Segundo [Heuser, 2009]: o processo de normalização é: Reagrupar informações de forma a eliminar redundâncias

Leia mais

DCC011 Introdução a Banco de Dados

DCC011 Introdução a Banco de Dados DCC011 Introdução a Banco de Dados Normalização Normalização Mirella M. Moro Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais mirella@dcc.ufmg.br 1. Normalização A. Semântica

Leia mais

Dependência Funcional e Normalização)

Dependência Funcional e Normalização) Dependência Funcional e Normalização) Qualidade de Projeto O objetivo é evitar os problemas que podem provocar falhas no projeto do banco de dados, bem como eliminar a mistura de assuntos e as correspondentes

Leia mais

MODELO DE DADOS. É uma imagem gráfica de toda a base de informações necessárias para um determinado empreendimento.

MODELO DE DADOS. É uma imagem gráfica de toda a base de informações necessárias para um determinado empreendimento. MODELO DE DADOS. Modelo de Dados É uma imagem gráfica de toda a base de informações necessárias para um determinado empreendimento. 2. Modelo de Entidade Relacionamento É a principal ferramenta gráfica

Leia mais

Unidade 4 Projeto de BD Relacional

Unidade 4 Projeto de BD Relacional Unidade 4 Projeto de BD Relacional UFCG/CEEI/DSC Banco de Dados I Prof. Cláudio Baptista, PhD Principais Conceitos do MER: Tipos de entidades (regular, fraca); Graus de relacionamentos (binário, n-ário);

Leia mais

Modelo Entidade-Relacionamento (E-R)

Modelo Entidade-Relacionamento (E-R) Modelo Entidade-Relacionamento (E-R) composto n lote n n n contrato_compra_venda n possui proprietário possui n associado cadastro n banco faz fronteira pertence n ruas n quadras n financiado empréstimo

Leia mais

Informática. Banco de Dados Relacional. Professor Julio Alves.

Informática. Banco de Dados Relacional. Professor Julio Alves. Informática Banco de Dados Relacional Professor Julio Alves www.acasadoconcurseiro.com.br Informática 1. BANCOS DE DADOS RELACIONAL Um BD relacional possui apenas um tipo de construção, a tabela. Uma

Leia mais

Banco de Dados I. Aula 17 - Prof. Bruno Moreno 08/11/2011

Banco de Dados I. Aula 17 - Prof. Bruno Moreno 08/11/2011 Banco de Dados I Aula 17 - Prof. Bruno Moreno 08/11/2011 Plano de Aula Visões em SQL Normalização Motivação Definição Formas Normais Banco de Dados I VISÕES Visões É uma tabela única derivada de outra(s)

Leia mais

Dependência Funcional e Normalização. Relembrando: Primeira Forma Normal (1FN) Relembrando: Segunda Forma Normal (2FN) Terceira Forma Normal (3FN)

Dependência Funcional e Normalização. Relembrando: Primeira Forma Normal (1FN) Relembrando: Segunda Forma Normal (2FN) Terceira Forma Normal (3FN) Pós-graduação em Ciência da Computação CCM-205 Sistema de Bancos de Dados Dependência Funcional e Normalização Profa. Maria Camila Nardini Barioni camila.barioni@ufabc.edu.br Bloco B - sala 937 Relembrando:

Leia mais

Normalização de dados

Normalização de dados 1 Normalização de dados Vantagens da normalização A normalização permite: Agrupar os atributos de uma entidade de forma a reduzir o número de dependências funcionais existentes entre os dados numa base

Leia mais

NORMALIZAÇÃO. Lílian Simão Oliveira

NORMALIZAÇÃO. Lílian Simão Oliveira NORMALIZAÇÃO Lílian Simão Oliveira Normalização Normalização de dados : decomposição de esquemas para minimizar redundância e evitar anomalias de atualização, inserção e remoção. Projeto conceitual bem

Leia mais

Roteiro. Normalização. BCC321 - Banco de Dados I. Ementa. Para que serve a normalização? Posicionamento

Roteiro. Normalização. BCC321 - Banco de Dados I. Ementa. Para que serve a normalização? Posicionamento Roteiro Normalização Posicionamento Luiz Henrique de Campos Merschmann Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto luizhenrique@iceb.ufop.br www.decom.ufop.br/luiz Introdução Dependências

Leia mais

Normalização: Noções Básicas

Normalização: Noções Básicas Normalização: Noções Básicas Além de corresponder a uma representação relacional do diagrama ER discutido no livro-texto, o esquema relacional acima possui alguma propriedade específica que o qualifica

Leia mais

A Técnica de Normalização de Banco de Dados (1)

A Técnica de Normalização de Banco de Dados (1) CURSO DE GRADUAÇÃO e DE PÓS-GRADUAÇÃO DO ITA 1º SEMESTRE 2002 CES-30 Técnicas de Banco de Dados - BD e CE-240 Projeto de Sistema de BD A Técnica de Normalização de Banco de Dados (1) CES-30 / CE-240 -

Leia mais

Banco de Dados I 4 Normalização

Banco de Dados I 4 Normalização Banco de Dados I 4 Normalização Grinaldo Lopes de Oliveira (grinaldo( grinaldo@gmail.com) Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas * Material com créditos de colaboração dos

Leia mais

Classificação dos Dados

Classificação dos Dados Classificação dos Dados A seguir, apresentamos uma proposta de padrão para classificação dos dados. Alguns exemplos de dados: cd_matrícula_funcionário,nm_funcionário, vl_tota_nota_fiscal, ds_material,

Leia mais

MÓDULO 2 GESTÃO DE BASE DE DADOS

MÓDULO 2 GESTÃO DE BASE DE DADOS MÓDULO 2 GESTÃO DE BASE DE DADOS Data: 25/11/2014 Pág 1 de 22 ÍNDICE ASPECTOS GENÉRICOS SOBRE BASE DE DADOS... 3 Dos ficheiros de dados aos Sistemas de Gestão de Base de Dados - (SGBD)... 3 Ficheiros de

Leia mais

Transformação de Diagramas MER em Diagramas DR

Transformação de Diagramas MER em Diagramas DR Transformação de Diagramas MER em Diagramas DR Principais conceitos do MER: Tipos de entidades (regular, fraca) Graus de relacionamentos (binário, n-ário) Atributos (simples, compostos, multivalorados)

Leia mais

Engenharia Reversa e Normalização

Engenharia Reversa e Normalização SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Engenharia Reversa e Normalização Banco de Dados I Engenharia reversa de modelos relacionais Engenharia reversa parte do modelo de implementação obtém modelo de especificação (modelo

Leia mais

Modelo Comportamental

Modelo Comportamental MEDIDA 2.2 - Cursos de Educação e Formação de Adultos Modelo Comportamental Documento de apoio 4 Normalização de Dados Curso de Educação e Formação de Adultos Turma de Qualificação Escolar de Nível Secundário

Leia mais

Modelo Relacional. Aula 02

Modelo Relacional. Aula 02 Aula 02 Modelo Relacional É um modelo baseado em relações, seus dados no BD são representados através de tabelas, ou seja, sua coleção ou relação recebe cada uma um nome único. Revisando: Dados: é o conteúdo

Leia mais

26/03/2012. É uma restrição entre dois conjuntos de atributos do banco de dados. Definição formal: Significa que: Exemplos

26/03/2012. É uma restrição entre dois conjuntos de atributos do banco de dados. Definição formal: Significa que: Exemplos É uma restrição entre dois conjuntos de atributos do banco de dados. Normalização 2012.1 2 Definição formal: Uma dependência funcional é denotada por X Y entre dois conjuntos distintos de atributos X e

Leia mais

Modelagem de Dados. Conceitos de Normalização. Prof. Esp. Andrew Rodrigues

Modelagem de Dados. Conceitos de Normalização. Prof. Esp. Andrew Rodrigues Modelagem de Dados Conceitos de Normalização Prof. Esp. Andrew Rodrigues www.andrewrodrigues.com.br Introdução Para utilizar a técnica de normalização, é preciso antes conhecer alguns conceitos fundamentais

Leia mais

Curso: Banco de Dados I. Conceitos Iniciais

Curso: Banco de Dados I. Conceitos Iniciais Curso: Conceitos Iniciais Discussão inicial O que são Bancos de Dados? Quais os programas de Bancos de Dados mais conhecidos no mercado? Quais as vantagens do uso de Bancos de Dados nas empresas? Como

Leia mais

# Normalização # 1 Forma normal, não podem ter recursos com mais de um item (vetores) # dados que devem ser detalhados... #Revisão #não normalizado #Normalização (Nada é redundante) Cliente idcliente nome

Leia mais

PARTE I - INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS

PARTE I - INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS Introdução a Banco de Dados Prof Sérgio Carlos Portari Jr PARTE I - INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS CAPÍTULO I - CONCEITOS BÁSICOS Introdução 01 1 Arquivo 02 2 Registro 02 3 Campo 03 4 Chave Primária 04 5

Leia mais

Banco de Dados 30/04/2012 1

Banco de Dados 30/04/2012 1 Banco de Dados Representa o arquivo físico de dados, armazenado em dispositivos periféricos, para consulta e atualização pelo usuário. Possui uma série de informações relacionadas a um determinado assunto.

Leia mais

. Um modelo que represente fielmente a realidade. Um modelo capaz de responder às funcionalidades que se pretendem

. Um modelo que represente fielmente a realidade. Um modelo capaz de responder às funcionalidades que se pretendem 3. Teoria da Normalização Ao modelar a informação procura-se:. Um modelo que represente fielmente a realidade. Um modelo capaz de responder às funcionalidades que se pretendem Queremos obter um modelo

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Bancos de Dados 1 a versão - MAC5760 DCC-IME-USP J.E.FERREIRA e O.TAKAI Terceira Forma Normal (3FN)

Introdução aos Sistemas de Bancos de Dados 1 a versão - MAC5760 DCC-IME-USP J.E.FERREIRA e O.TAKAI Terceira Forma Normal (3FN) 7.3.3. Terceira Forma Normal (3FN) A terceira forma normal é baseado no conceito de dependência transitiva. Uma dependência X Y em uma relação R é uma dependência transitiva se existir um conjunto de atributos

Leia mais

Modelo Relacional. Banco de Dados 2º trimestre Prof. Patrícia Lucas

Modelo Relacional. Banco de Dados 2º trimestre Prof. Patrícia Lucas Modelo Relacional Banco de Dados 2º trimestre Prof. Patrícia Lucas Composição de um BD Relacional Um banco de dados relacional é composto de tabelas ou relações. Tabelas = Relações Tabelas Umatabelaéumconjuntonãoordenadodelinhas

Leia mais

Ciência da Computação MODELAGEM DE DADOS Professor Décio Jorge Craveiro Machado

Ciência da Computação MODELAGEM DE DADOS Professor Décio Jorge Craveiro Machado Ciência da Computação MODELAGEM DE DADOS Professor Décio Jorge Craveiro Machado Uma entidade está na 3FN se nenhum de seu atributos possui dependência transitiva em relação a outro atributo da entidade

Leia mais

TABELA ENTIDADE LINHA OCORRÊNCIA DA ENTIDADE COLUNA ATRIBUTO DA ENTIDADE

TABELA ENTIDADE LINHA OCORRÊNCIA DA ENTIDADE COLUNA ATRIBUTO DA ENTIDADE TABELA ENTIDADE LINHA OCORRÊNCIA DA ENTIDADE COLUNA ATRIBUTO DA ENTIDADE CARACTERISTICA DE UMA TABELA: NÃO EXISTEM DUAS LINHAS IGUAIS A ORDEM DAS LINHAS É INSIGNIFICANTE A ORDEM DAS COLUNAS É INSIGNIFICANTE

Leia mais

Banco de Dados Relacional

Banco de Dados Relacional Centro Federal de Educação Tecnológica de Pernambuco Curso de Tecnologia em Sistemas de Informação Banco de Dados Relacional Renata Lúcia Mendonça Ernesto do Rêgo rlrego@yahoo.com 1 Plano de Ensino Objetivo

Leia mais

Processo de Normalização

Processo de Normalização Processo de Normalização Entrada fonte de dados estruturados da organização relatório, fichário, documento estruturado,... Saída esquema relacional para a fonte de dados Objetivos obtenção de um esquema

Leia mais

Banco de Dados I Unidade 3: Projeto de BD Relacional. Cláudio Baptista

Banco de Dados I Unidade 3: Projeto de BD Relacional. Cláudio Baptista Banco de Dados I Unidade 3: Projeto de BD Relacional Cláudio Baptista 4.1 Transformação de Diagramas MER em Diagramas DR Principais conceitos do MER: Tipos de entidades (regular, fraca) Graus de relacionamentos

Leia mais

Abordagem relacional. Capítulo 4

Abordagem relacional. Capítulo 4 Abordagem relacional Capítulo 4 Abordagem Relacional Abordagem de modelagem de dados usada nos sistemas de gerência de banco de dados do tipo relacional. Modelagem em nível lógico (SGBD) e não conceitual.

Leia mais

NORMALIZAÇÃO DE BASE DE DADOS

NORMALIZAÇÃO DE BASE DE DADOS Departamento de Informática NORMALIZAÇÃO DE BASE DE DADOS Prof. Carlos Pampulim Caldeira Évora, Outubro de 2003 ÍNDICE 1. Normalização 1 1.1 Introdução 1 1.1.1 Etapas da Normalização 1 1.1.2 Primeira Forma

Leia mais

Dependências Funcionais e Formas Normais. Formas Normais Pedro Sousa 1

Dependências Funcionais e Formas Normais. Formas Normais Pedro Sousa 1 Dependências Funcionais e Formas Normais Formas Normais Pedro Sousa 1 Introdução As dependências funcionais e as formas normais estabelecem critérios de qualidade de desenho no modelo Relacional. Permitem

Leia mais

Introdução ao Modelo Relacional

Introdução ao Modelo Relacional INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Introdução ao Modelo Relacional Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com 19/05/2016 Sumário Instalação do

Leia mais

Projeto de Bancos de Dados Relacional- Normalização. Vantagens da decomposição Normalização

Projeto de Bancos de Dados Relacional- Normalização. Vantagens da decomposição Normalização Projeto de Bancos de Dados Relacional- Normalização Vantagens da decomposição Normalização Decomposição sem Perdas; Teorema de HEATH; Eliminar Dados Duplicados; Chaves (Candidata, Primária e Estrangeira);

Leia mais

INTRODUÇÃO AO MODELO RELACIONAL

INTRODUÇÃO AO MODELO RELACIONAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE INTRODUÇÃO AO MODELO RELACIONAL Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com 26/06/2013 SUMÁRIO Instalação do

Leia mais

8/9/2008. Curso Superior de Tecnologia em Bando de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional II Prof.: Fernando Hadad Zaidan

8/9/2008. Curso Superior de Tecnologia em Bando de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional II Prof.: Fernando Hadad Zaidan Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia em Bando de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional II Prof.: Fernando Hadad Zaidan Aula 0 1 2 Apresentações Ementa Da equipe; Do professor. Disponibilização

Leia mais

4.1 Introdução. Unidade 4 Dependências funcionais e normalização para bancos de dados relacionais. Esta unidade tem como objetivo:

4.1 Introdução. Unidade 4 Dependências funcionais e normalização para bancos de dados relacionais. Esta unidade tem como objetivo: Unidade 4 Dependências funcionais e normalização para bancos de dados relacionais Esta unidade tem como objetivo: Definir o conceito de dependência funcional, que é a ferramenta básica para analisar esquemas

Leia mais

Processo de Normalização

Processo de Normalização Processo de Normalização Entrada fonte de dados estruturados da organização relatório, fichário, documento estruturado,... Saída esquema relacional para a fonte de dados Objetivos obtenção de um esquema

Leia mais

Cadeira de Tecnologias de Informação. Normalização Relacional

Cadeira de Tecnologias de Informação. Normalização Relacional Cadeira de Tecnologias de Informação Ano lectivo 2009/2010 Normalização Relacional TI2009/10 NOR_1 Tópicos -Normalizar porquê? - Etapas da modelização da informação - Objectivos da normalização - Etapas

Leia mais

Chave alternativa. Angélica Toffano Seidel Calazans Abordagem Relacional

Chave alternativa. Angélica Toffano Seidel Calazans   Abordagem Relacional Chave alternativa Quando mais de uma coluna ou combinação podem servir para distinguir uma linha das demais Codempreg ado Nome CodDepto CPF E5 Ana D1 2224441995 E4 Eva D1 4445666777 E1 Pedro D2 4456879908

Leia mais

Revisando Banco de Dados. Modelo Relacional

Revisando Banco de Dados. Modelo Relacional : Revisando Banco de Dados Banco de Dados (BD) é o arquivo físico, em dispositivos periféricos, onde estão armazenados os dados de diversos sistemas, para consulta e atualização pelo usuário. Sistema Gerenciador

Leia mais

Componentes de SIs. Pessoas Organiz. Tecnologia

Componentes de SIs. Pessoas Organiz. Tecnologia Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 03 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Banco de dados. Prof. Alexandre

Banco de dados. Prof. Alexandre Banco de dados Prof. Alexandre INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS HISTÓRICO Décadas 50 e 60 Dados armazenados em fitas magnéccas e cartões perfurados. Histórico Década de 70 Armazenamento em discos rígidos Nascimento

Leia mais

Cadeira de Tecnologias de Informação. Ano lectivo 2008/09. de Tabelas

Cadeira de Tecnologias de Informação. Ano lectivo 2008/09. de Tabelas Cadeira de Tecnologias de Informação Ano lectivo 2008/09 Normalização de Tabelas Profª Ana Lucas (Responsável) Mestre Cristiane Pedron Mestre Fernando Naves Engª Filipa Pires da Silva Dr. José Camacho

Leia mais

Tecnologia de Base de Dados Processo de Normalização. MSc. Eugénio Alberto Macumbe

Tecnologia de Base de Dados Processo de Normalização. MSc. Eugénio Alberto Macumbe Tecnologia de Base de Dados Processo de Normalização MSc. Eugénio Alberto Macumbe Porquê normalizar? Após a construção do modelo conceptual dos dados é feita a transformação para um modelo lógico (esquema

Leia mais

Tecnologia de Bases de Dados. Apontamentos sobre Normalização

Tecnologia de Bases de Dados. Apontamentos sobre Normalização Tecnologia de Bases de Dados Apontamentos sobre Normalização 1. Objectivos da normalização A normalização é um processo que consiste em estruturar a informação em tabelas na forma que pode ser considerada

Leia mais

MODELO DE BANCO DE DADOS RELACIONAL

MODELO DE BANCO DE DADOS RELACIONAL UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO BANCO DE DADOS I MODELO DE BANCO DE DADOS RELACIONAL Profº Erinaldo Sanches Nascimento Objetivos Descrever os princípios básicos

Leia mais

Modelo Relacional. Josino Rodrigues

Modelo Relacional. Josino Rodrigues Modelo Relacional Josino Rodrigues Modelo Relacional Chave Primária Atributos PILOTO Num-cad Nome CPF Endereço 0101 João 123456 Recife Tuplas 0035 José 234567 São Paulo... 0987 Pedro 567890 Recife 2 Chave

Leia mais

TIC Unidade 2 Base de Dados

TIC Unidade 2 Base de Dados NORMALIZAÇÃO Em qualquer das metodologias é necessário em dada fase proceder à normalização dos dados, isto é, compreender a sua estrutura mais adequada e o seu significado independente da forma como vão

Leia mais

2010 Diagrama Entidade - Associação

2010 Diagrama Entidade - Associação 2010 Diagrama Entidade - Associação Patrícia da Conceição Mega Expansão 01-01-2010 O que é Diagrama de Entidade associação É uma técnica de representação gráfica que auxilia vivamente a visualização das

Leia mais

Banco de Dados I Módulo II: Modelagem Entidade- Relacionamento versus Relacional. (Aula 5) Clodis Boscarioli

Banco de Dados I Módulo II: Modelagem Entidade- Relacionamento versus Relacional. (Aula 5) Clodis Boscarioli Banco de Dados I 2007 Módulo II: Modelagem Entidade- Relacionamento versus Relacional (Aula 5) Clodis Boscarioli Agenda: Normalização: Conceitos Gerais; Definições; 1NF; 2NF; 3NF; BCNF. Exercício de fixação.

Leia mais

Modelagem de Dados (Estrutura Relacional)

Modelagem de Dados (Estrutura Relacional) Modelagem de Dados (Estrutura Relacional) Se você pretende desenvolver aplicações que usam banco de dados relacionais deverá possuir os conceitos básicos sobre modelagem de dados. Não importa se sua aplicação

Leia mais

Banco de Dados I. Prof. Edson Thizon ethizon@bol.com.br

Banco de Dados I. Prof. Edson Thizon ethizon@bol.com.br Banco de Dados I Prof. Edson Thizon ethizon@bol.com.br Conceitos Dados Fatos conhecidos que podem ser registrados e que possuem significado implícito Banco de dados (BD) Conjunto de dados interrelacionados

Leia mais

Plano de Aula - Access cód Horas/Aula

Plano de Aula - Access cód Horas/Aula Plano de Aula - Access 2016 - cód. 6309 24 Horas/Aula Aula 1 Capítulo 1 - Introdução Aula 2 Capítulo 2 - Banco de Dados Aula 3 Continuação do Capítulo 2 - Banco de Dados Aula 4 Continuação do Capítulo

Leia mais

P R O J E T O: C A R N A V A L. 2. Informações Básicas sobre o Sistema a ser Desenvolvido

P R O J E T O: C A R N A V A L. 2. Informações Básicas sobre o Sistema a ser Desenvolvido Universidade de São Paulo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Ciências de Computação Disciplina de Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri P R O J E T

Leia mais

Restrições de Integridade. Prof. Jefferson Silva CEFET.PHB - PI

Restrições de Integridade. Prof. Jefferson Silva CEFET.PHB - PI Restrições de Integridade Prof. Jefferson Silva CEFET.PHB - PI Restrições de Integridade Um dos principais objetivos de um SGBD é a integridade dos dados. Um banco de dados íntrego é um banco que reflete

Leia mais

Restrições do modelo relacional

Restrições do modelo relacional Restrições de CHAVE a relação CARRO da figura abaixo apresenta duas chaves candidatas considera-se como chave primária, o atributo-chave que é usado para identificar a tupla na relação e ela deve ser sublinhada

Leia mais

Com base nos slides vistos em sala de aula resolva os seguintes exercícios:

Com base nos slides vistos em sala de aula resolva os seguintes exercícios: Com base nos slides vistos em sala de aula resolva os seguintes exercícios: 1. Dê ao menos cinco exemplos de cada um dos conceitos básicos da abordagem ER apresentados nesta aula: entidade, relacionamento,

Leia mais

Modelagem de Dados Técnicas de Análise de Dados. Prof. Esp. Andrew Rodrigues

Modelagem de Dados Técnicas de Análise de Dados. Prof. Esp. Andrew Rodrigues Modelagem de Dados Técnicas de Análise de Dados Prof. Esp. Andrew Rodrigues www.andrewrodrigues.com.br Introdução Para modelar um sistema de informações, precisamos identificar e especificar: As funções

Leia mais

Exercício. Exercício

Exercício. Exercício Exercício Exercício Aula Prática Utilizar o banco de dados ACCESS para passar o MER dos cenários apresentados anteriormente para tabelas. 1 Exercício oções básicas: ACCESS 2003 2 1 Exercício ISERIDO UMA

Leia mais

Banco de Dados e Engenharia de Software

Banco de Dados e Engenharia de Software Banco de Dados e Engenharia de Software Agenda Introdução a Banco de Dados Lógica Elementar, Conjuntos e Relações Arquitetura de Banco de Dados Linguagem SQL Modelo conceitual para Banco de Dados Transações

Leia mais

6. QUAIS AS TÉCNICAS E RESPECTIVOS CRITÉRIOS DE TESTE EXISTENTES?

6. QUAIS AS TÉCNICAS E RESPECTIVOS CRITÉRIOS DE TESTE EXISTENTES? 6. QUAIS AS TÉCNICAS E RESPECTIVOS CRITÉRIOS DE TESTE EXISTENTES? Atualmente existem muitas maneiras de se testar um software. Mesmo assim, existem as técnicas que sempre foram muito utilizadas em sistemas

Leia mais

Simulado para CFPS. Questões de Propósito, Tipo e Fronteira. 1. Um dos objetivos da Análise de Pontos de Função é:

Simulado para CFPS. Questões de Propósito, Tipo e Fronteira. 1. Um dos objetivos da Análise de Pontos de Função é: Questões de Propósito, Tipo e Fronteira 1. Um dos objetivos da Análise de Pontos de Função é: Simulado para CFPS a) Ajudar no processo de depuração de um software. b) Estimar o tamanho de uma equipe de

Leia mais

A linguagem SQL

A linguagem SQL SQL 2008.1 A linguagem SQL SQL - Structured Query Language. Foi definida nos laboratórios de pesquisa da IBM em San Jose, California, em 1974. Teve seus fundamentos no modelo relacional Sua primeira versão

Leia mais

Diagrama de Entidade Associação ou Relacionamento

Diagrama de Entidade Associação ou Relacionamento Diagrama de Entidade Associação ou Relacionamento 1 Quanto à obrigatoriedade dos elementos de uma entidade participarem, ou não, no relacionamento com outra entidade, tem-se: Participação obrigatória de

Leia mais

Tubarão / Santa Catarina / BRAZIL

Tubarão / Santa Catarina / BRAZIL Tubarão / Santa Catarina / BRAZIL E-Mail : osmarjr@unisul.rct-sc.br http://tec1.unisul.rct-sc.br/osmarjr/ Sumário 1. Conceitos Básicos...4 1.1 Análise...4 1.2 Processo...4 1.3 Programa...4 1.4 Análise

Leia mais

Classificação e Pesquisa de Dados. Aula 23 Organização de Arquivos: Arquivos Indexados, Diretos e Arquivos Invertidos

Classificação e Pesquisa de Dados. Aula 23 Organização de Arquivos: Arquivos Indexados, Diretos e Arquivos Invertidos Classificação e Pesquisa de Dados Aula 23 Organização de Arquivos: Arquivos Indexados, Diretos e Arquivos Invertidos UFRGS INF1124 Arquivo indexado - AI Indicação de uso Baixa freqüência de acessos seqüenciais

Leia mais

Profa. Flávia Cristina Bernardini

Profa. Flávia Cristina Bernardini Banco de Dados Dependência Funcional, Dependência Multivalorada e Normalização Profa. Flávia Cristina Bernardini * Slides Baseados no material elaborado pelos professores Eduardo R. Hruschka, Cristina

Leia mais

Documento de Requisitos SISTEMA DE APOIO À ESCRITA (SAPES)

Documento de Requisitos SISTEMA DE APOIO À ESCRITA (SAPES) 1. Introdução 1.1 Propósito Documento de Requisitos SISTEMA DE APOIO À ESCRITA (SAPES) O propósito deste documento de especificação de requisitos é definir os requisitos do sistema SAPES - Sistema de Apoio

Leia mais

ERIK CORREA SANTOS A IMPORTANCIA DAS FORMAS NORMAIS PARA O ENSINO DE MODELAGEM DE DADOS EM CURSOS DE GRADUAÇÃO. Assis

ERIK CORREA SANTOS A IMPORTANCIA DAS FORMAS NORMAIS PARA O ENSINO DE MODELAGEM DE DADOS EM CURSOS DE GRADUAÇÃO. Assis ERIK CORREA SANTOS A IMPORTANCIA DAS FORMAS NORMAIS PARA O ENSINO DE MODELAGEM DE DADOS EM CURSOS DE GRADUAÇÃO 2012 Assis ERIK CORREA SANTOS A IMPORTANCIA DAS FORMAS NORMAIS PARA O ENSINO DE MODELAGEM

Leia mais

AVALIAÇÃO DO GRAU DE DIFICULDADE DO APRENDIZADO DA MODELAGEM DE BANCOS DE DADOS

AVALIAÇÃO DO GRAU DE DIFICULDADE DO APRENDIZADO DA MODELAGEM DE BANCOS DE DADOS AVALIAÇÃO DO GRAU DE DIFICULDADE DO APRENDIZADO DA MODELAGEM DE BANCOS DE DADOS Alex Sandro Romeo de Souza Poletto apoletto@femanet.com.br Fundação Educacional do Município de Assis (FEMA) - Instituto

Leia mais

Introdução a B anco de Dados. INE5206 Introdução à Informática INE/CTC/UFSC Prof. Roberto Willrich

Introdução a B anco de Dados. INE5206 Introdução à Informática INE/CTC/UFSC Prof. Roberto Willrich Introdução a B anco de Dados INE5206 Introdução à Informática INE/CTC/UFSC Prof. Roberto Willrich 1 Introdução Sistema de banco de dados Projetados para gerenciar grandes quantidades de informação Proporcionar

Leia mais

MANUAL INTEGRAÇÃO DE SISTEMAS

MANUAL INTEGRAÇÃO DE SISTEMAS MANUAL INTEGRAÇÃO DE SISTEMAS ÍNDICE 1. Objetivo... 3 2. Características... 4 3. Configuração do FTP... 5 4. Exportação de Pedidos e Clientes... 7 4.1 Exemplo... 9 5. Exportar estoque de produtos... 10

Leia mais

Marcelo Henrique dos Santos

Marcelo Henrique dos Santos Marcelo Henrique dos Santos Mestrado em Educação (em andamento) MBA em Marketing e Vendas (em andamento) Especialista em games Bacharel em Sistema de Informação Email: marcelosantos@outlook.com BANCO DE

Leia mais

Banco de Dados. Dependências Funcionais e Normalização de Bancos de Dados Relacionais. João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai

Banco de Dados. Dependências Funcionais e Normalização de Bancos de Dados Relacionais. João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai Banco de Dados Dependências Funcionais e Normalização de Bancos de Dados Relacionais João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai Abordagens de Projeto Top-down Iniciar com o agrupamento dos atributos obtidos

Leia mais

Modelagem de Dados MODELAGEM DE DADOS. Lista de Exercícios 01. Luiz Leão Lista de Exercícios AV1

Modelagem de Dados MODELAGEM DE DADOS. Lista de Exercícios 01. Luiz Leão  Lista de Exercícios AV1 MODELAGEM DE DADOS Lista de Exercícios 01 Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Questão 01 Preencha as lacunas: Em um sistema de gerenciamento de bancos de dados, um(a) é um conjunto integrado

Leia mais

Aula 01 Conceito de Banco de Dados e SGBD

Aula 01 Conceito de Banco de Dados e SGBD Aula 01 Conceito de Banco de Dados e SGBD Dado: conjunto de símbolos arranjados a fim de representar a informação fora da mente humana. Elemento de Dado: subconjunto de símbolos que compõem um dado com

Leia mais

Modelo Lógico de Dados (MLD) Origens do modelo relacional

Modelo Lógico de Dados (MLD) Origens do modelo relacional Modelo Lógico de Dados (MLD) O MLD é derivado a partir do MCD pela aplicação de um conjunto de regras bem definidas; A derivação do MLD depende fortemente dos conceitos e tecnologias subjacentes do MLD;

Leia mais

Modelo Lógico. Felippe Lima Felippels.wordpress.com

Modelo Lógico. Felippe Lima Felippels.wordpress.com Modelo Lógico Felippe Lima Felippels.wordpress.com Abordagem Relacional Abordagem de modelagem de dados utilizada nos sistemas de gerenciamento de bancos de dados do tipo relacional. Modelagem a nível

Leia mais

Ordenação Externa. Ordenação Externa. Ordenação Externa. Ordenação Externa

Ordenação Externa. Ordenação Externa. Ordenação Externa. Ordenação Externa Ordenação Externa Ordenação Externa Estrutura de Dados II Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Departamento de Computação

Leia mais

BCD29008 Banco de dados

BCD29008 Banco de dados BCD29008 Banco de dados Prof. Emerson Ribeiro de Mello Instituto Federal de Santa Catarina IFSC campus São José mello@ifsc.edu.br http://docente.ifsc.edu.br/mello/bcd 31 de julho de 2017 1/24 Apresentação

Leia mais

1FN: os atributos de uma relação têm que ser atómicos. FNBC: para qualquer dependência funcional α β numa relação, ou α β é trivial ou α é super-chave

1FN: os atributos de uma relação têm que ser atómicos. FNBC: para qualquer dependência funcional α β numa relação, ou α β é trivial ou α é super-chave Bases de Dados Dependências funcionais Formas Normais revisão 1FN: os atributos de uma relação têm que ser atómicos FNBC: para qualquer dependência funcional α β numa relação, ou α β é trivial ou α é super-chave

Leia mais

BA B SES DE DADOS I SES DE D LEI/2 Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2009/2010

BA B SES DE DADOS I SES DE D LEI/2 Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2009/2010 BASES DE DADOS I LEI/2 Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2009/2010 Na sequência do aparecimento do modelo relacional, e uma vez que é necessário organizar

Leia mais

Aula 2 BD Introdução. Profa. Elaine Faria UFU

Aula 2 BD Introdução. Profa. Elaine Faria UFU Aula 2 BD Introdução Profa. Elaine Faria UFU - 2017 Motivação A quantidade de informação disponível está crescendo exponencialmente Os dados e as informações tem um papel importante para as organizações

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Análise e Desenvolvimento de Sistemas 3ª. Série Sistemas de Banco de Dados A atividade prática supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem

Leia mais

5 a e 6 a Técnicas de BD Normalização e Modelagem (1)

5 a e 6 a Técnicas de BD Normalização e Modelagem (1) CURSO DE GRADUAÇÃO e DE PÓS-GRADUAÇÃO DO ITA 1º SEMESTRE 2002 CES-30 Técnicas de Banco de Dados - BD e CE-240 Projeto de Sistema de BD 5 a e 6 a Técnicas de BD Normalização e Modelagem CES-30 / CE-240

Leia mais

Introdução à Banco de Dados

Introdução à Banco de Dados Introdução à Banco de Dados Disciplina de Sistemas de Banco de Dados Prof. Marcos Antonio Schreiner /08/2015 Banco de dados Definição Coleção de dados relacionados. Fatos conhecidos que podem ser armazenados.

Leia mais