DIVERSIDADE DA QUIROPTEROFAUNA (MAMMALIA, CHIROPTERA), NO BOSQUE MUNICIPAL PARQUE DAS AVES, APUCARANA-PARANÁ MARCHI. E. C. 1 ; TOZZO, R. A.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIVERSIDADE DA QUIROPTEROFAUNA (MAMMALIA, CHIROPTERA), NO BOSQUE MUNICIPAL PARQUE DAS AVES, APUCARANA-PARANÁ MARCHI. E. C. 1 ; TOZZO, R. A."

Transcrição

1 DIVERSIDADE DA QUIROPTEROFAUNA (MAMMALIA, CHIROPTERA), NO BOSQUE MUNICIPAL PARQUE DAS AVES, APUCARANA-PARANÁ MARCHI. E. C. 1 ; TOZZO, R. A. 2 1 Graduanda em Ciências Biológicas, FAP- Faculdade de Apucarana PR; 2 Graduando em Ciências Biológicas e Pós Graduando em Ecologia e Manejo de Espécies Silvestres, FAP- Faculdade de Apucarana PR. Resumo: Os mamíferos são animais de maior dominância terrestre, totalizado em aproximadamente espécies. Dentre estas, destacam-se os mamíferos de pequeno porte (microquiropteros) que se orientam por ecolocalização. O principal objetivo foi conhecer sua diversidade no Parque das Aves, a fim de preservar sua importância ecológica no local. Foram realizadas 5 campanhas com 40 capturas, com o auxilio de redes de neblina. Identificou-se o gênero Artibeus com maior dominância sob as demais ordens. Palavras chaves: Genêro Artibeus, Fauna silvestre, Mamíferos voadores. Abstract: Mammals are animals most dominant terrestrial, totaling in 4500 copies. Among these, highlights are the small mammals (microchiropteran) that are guided by echolocation. The principal objective was to know their diversity in Bird Park in order to preserve their ecological importance site. Were performed 5 campaigns with 40 captures, with the aid of mist nets. Was identified the genus Artibeus more dominance over the other orders. Keywords: Genus Artibeus, Wild Fauna, Flying mammals Introdução Os mamíferos são considerados animais com maior dominância terrestre, esta caracterização se deve em decorrência da enorme variabilidade de espécies, totalizando em espécies aproximadamente. (POUGH; JANIS; HEISER, 2003). Paglia et al. (2012) salientam que no Brasil são conhecidas 701 espécies de mamíferos, 243 gêneros, 50 famílias e 12 ordens. De acordo com Bredt (1998), dentre estas ordens se encontra a ordem dos Quirópteros, na qual são subdivididos em duas subordens: a megaquiróptera (grandes morcegos voadores,

2 também conhecidos como raposas voadoras) e os microquirópteros (mamíferos de pequeno porte que se orientam através da ecolocalização). Em resultados obtidos por Fonseca (1996), o numero de microquirópteros eram de 141 espécies. Estudos mais recentes realizados por Reis (2007) mostra que no Brasil os microquirópteros estão distribuídos em nove famílias, 64 gêneros e 167 espécies, mostrando um aumento no número de espécies classificadas, possuindo muitos indivíduos que são desconhecidos pela ciência ou ainda não foram classificados. O estudo teve como objetivo principal, a obtenção de dados sobre os quirópteros do Bosque Municipal Parque das Aves, localizado no em Apucarana- PR, gerando maior conhecimento desta ordem. Metodologia O Bosque Municipal Parque das Aves, situado as coordenadas geográficas X: e Y: (Fig. 1), na qual localiza-se na cidade de Apucarana-PR, onde a Secretaria Municipal do Meio Ambiente (SEMA) tem por responsabilidade uma área de 24,7 mil metros quadrados. As coletas ocorreram no período compreendido entre abril a junho de Foram escolhidos três (3) pontos aleatórios no Bosque, todos eles com árvores frutíferas ao seu redor. Foram utilizadas redes de neblina ou mist nets para a captura dos morcegos (ARICCHIO e SALOMÃO, 2002), onde foram mantidas abertas das 18 horas às 3 horas da manhã, totalizando em um esforço amostral total de 45 horas. Os indivíduos capturados passaram por um procedimento de triagem de dados, sendo realizadas medidas do antebraço, determinação do sexo, peso, um registro fotográfico de cada indivíduo e por fim o anilhamento de cada morcego capturado (ARNONE, PASSOS, 2007). Os padrões de diversidade analisados foram de dominância de Simpson e diversidade de Shanon-Wiener. Os parâmetros adotados no presente trabalho foram estimados no software DivEs v2.0 (RODRIGUES, 2005).

3 Figura 1. Localização do Bosque Municipal Parque das Aves, no município de Apucarana-PR e os pontos em que as redes foram dispostas. Fonte: Google Earth, Conclusão Foram capturados 40 indivíduos no Bosque Municipal Parque das Aves de Apucarana. A partir dos indivíduos capturados foram identificados duas famílias e quatro gêneros de quirópteros, sendo três frugívoros e um insetívoro, dos exemplares coletados 67,5% são do gênero Artibeus, 2,5% do gênero Myotis, 17,5% do gênero Platyrrhinus e 12,5% do gênero Sturnira. Nas redes 01, 02 e 03 o gênero Artibeus apresentou no total 27 indivíduos, o gênero Myotis um, o gênero Platyrrhinus apresentou sete capturas, por fim, o gênero Sturnira apresentou cinco capturas (Tabela 1). Através dos dados obtidos pode-se compreender que ocorre uma grande diversidade de indivíduos, porem uma dominância do gênero Artibeus. Segundo Reis (2007), as espécies desse gênero possuem fácil adaptação em ambientes urbanos e sua alimentação é composta basicamente de frutos, representam uma grande abundância em todas as regiões do Brasil. Foi possível identificar uma alta presença de indivíduos frugívoros (Gênero Artibeus, Platyrrhinus e Sturnira), graças ao grande numero das árvores

4 frutíferas no fragmento florestal, e um baixo aparecimento de indivíduos insetívoros (apenas um do gênero Myotis). O gênero Artibeus se manteve dominante no ambiente estudado devido a sua maior facilidade na adaptação geográfica em ambientes urbanos e pela rica distribuição de frutos no fragmento florestal, diferente do comportamento de outras espécies que possuem hábitos mais específicos para permanecer em determinados locais. Tabela 01. Relação dos gêneros, quantidade de indivíduos e a frequência que foram capturados nas redes 01, 02 e 03. GÊNERO REDE 01 REDE 02 REDE 03 TOTAL FREQ. (%) Artibeus sp ,5% Myotis ,5% Platyrrhinus ,5% Sturnira ,5% TOTAL % Referências ARNONE, I. S. & PASSOS, F. C Estrutura de comunidade da quiropterofauna (Mammalia, Chiroptera) do Parque Estadual de Campinhos, Paraná, Brasil. Revista Brasileira de Zoologia, 24 (3): AURICCHIO, Paulo; SALOMÃO, Maria da Graça. Técnicas de coleta e preparação de vertebrados. São Paulo: Parma, BREDT, Angelika et al.morcegos em áreas urbanas e rurais: Manual de manejo e controle. Brasília: Fundação Nacional de Saúde, FONSECA, G.A.B. et. al. Lista anotada dos mamíferos do Brasil. Washington: Occasional Papers in Conservation Biology, GOOGLE. Google earth Disponível em <http://www.google.com.br/intl/pt- BR/earth/> Acesso 06/04/2013 PAGLIA, P.A., et al. Lista Anotada dos Mamíferos do Brasil. Ocasional Paper No Ed. Conservation International, Arlington, VA POUGH, F. Harvey; JANIS, Christine M.; HEISER, John B. A vida dos vertebrados. 4.ed. São Paulo: Atheneu, 2008.

5 REIS, Nélio R dos et al. Morcegos do Brasil. Londrina: UEL, RODRIGUES, W.C.; DivEs - Diversidade de espécies. Versão 2.0. Software e Guia do Usuário, Disponível em: <http://www.ebras.bio.br/dives>. Acesso em: 14/06/2013.

DIVERSIDADE DE CHIROPTERA NA ÁREA URBANA DA CIDADE DE IJUÍ, RS 1

DIVERSIDADE DE CHIROPTERA NA ÁREA URBANA DA CIDADE DE IJUÍ, RS 1 DIVERSIDADE DE CHIROPTERA NA ÁREA URBANA DA CIDADE DE IJUÍ, RS 1 Guilherme Henrique Wagner 2, Jéssica Freitag Hintz 3, Francesca Werner Ferreira 4. 1 Projeto de pesquisa realizado no curso de Ciências

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE BIOLOGIA CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS FICHA DE DISCIPLINA CH TOTAL TEÓRICA: OBJETIVOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE BIOLOGIA CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS FICHA DE DISCIPLINA CH TOTAL TEÓRICA: OBJETIVOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE BIOLOGIA CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS FICHA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: Vertebrados 2 CÓDIGO: UNIDADE ACADÊMICA: Instituto de Biologia PERÍODO: 5º OBRIGATÓRIA:

Leia mais

ANEXO I. Plano de Trabalho

ANEXO I. Plano de Trabalho Diário Oficial Nº. 31159 de 30/04/2008 FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA DE ESTADO DO PARÁ EDITAL Nº 006/2008 - PROGRAMA DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA JÚNIOR PIBICJR 10 ANEO I MODELO DE PLANO DE ATIVIDADES

Leia mais

INTRODUÇÃO ISSN

INTRODUÇÃO ISSN ISSN 1809-0362 COMPARAÇÃO DA ABUNDÂNCIA RELATIVA E RIQUEZA DE ESPÉCIES DE MORCEGOS (MAMMALIA, CHIROPTERA) EM DOIS DIFERENTES HABITATS DE UM FRAGMENTO URBANO DE MATA ATLÂNTICA, SALVADOR- BAHIA Tiago Henrique

Leia mais

MORCEGOS. Daniele Cristine Agripino Vitorino. Graduanda em Medicina Veterinária Bolsista PET - FMVZ

MORCEGOS. Daniele Cristine Agripino Vitorino. Graduanda em Medicina Veterinária Bolsista PET - FMVZ MORCEGOS Daniele Cristine Agripino Vitorino Graduanda em Medicina Veterinária Bolsista PET - FMVZ INTRODUÇÃO Ordem Chiroptera originária do Grego cheir mão e pteron asa um dos grupos de mamíferos mais

Leia mais

ÀS QUARTAS, NA APA MORCEGOS: INFINDÁVEL DIVERSIDADE ECOLÓGICA

ÀS QUARTAS, NA APA MORCEGOS: INFINDÁVEL DIVERSIDADE ECOLÓGICA ÀS QUARTAS, NA APA MORCEGOS: INFINDÁVEL DIVERSIDADE ECOLÓGICA ECOLOGIA Estudo das interações entre os organismos e o seu ambiente, nas suas componentes bióticas e abióticas DIVERSIDADE DE ESPÉCIES ESTRATÉGIAS

Leia mais

Marcos Silveira & Thaline Brito Universidade Federal do Acre

Marcos Silveira & Thaline Brito Universidade Federal do Acre II Simpósio CENBAM-PPBio, 27-30/nov/2013, Manaus-AM Marcos Silveira & Thaline Brito Universidade Federal do Acre desde 2006 Áreas de pesquisa Campinaranas Parque Estadual Chandless Fazenda Experimental

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina ENF389 Manejo de Fauna Silvestre

Programa Analítico de Disciplina ENF389 Manejo de Fauna Silvestre 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Engenharia Florestal - Centro de Ciências Agrárias Número de créditos: Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária semanal 2 2 Períodos

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA. CÓDIGO NOME CARGA HORÁRIA TOTAL CRÉDITO Teórica Prática Teórico Prático Zoologia dos Vertebrados 60

PROGRAMA DE DISCIPLINA. CÓDIGO NOME CARGA HORÁRIA TOTAL CRÉDITO Teórica Prática Teórico Prático Zoologia dos Vertebrados 60 CENTRO: Centro de Educação, Ciências Exatas e Naturais CURSO: Ciências Habilitação em Biológia DEPARTAMENTO: Química e Biologia PROGRAMA DE DISCIPLINA CÓDIGO NOME CARGA HORÁRIA TOTAL CRÉDITO Teórica Prática

Leia mais

Registro de Phrynops williamsi no rio do Chapecó, Oeste de Santa Catarina, Brasil

Registro de Phrynops williamsi no rio do Chapecó, Oeste de Santa Catarina, Brasil NOTA CIENTÍFICA Registro de Phrynops williamsi no rio do Chapecó, Oeste de Santa Catarina, Brasil SPIER, Edson Fernando * ; FAVRETTO, Mario Arthur ** ; ONGHERO JUNIOR, Osvaldo *** ; PIOVEZAN, Jean Carlos

Leia mais

6 Campanha de medições

6 Campanha de medições 6 Campanha de medições A escolha dos sítios onde foram realizadas as medições é de grande importância para uma boa caracterização da perda de sinal devido à presença vegetal. Para tanto foram selecionados

Leia mais

Morcegos: conhecer para preservar. Maiara Jaloretto Barreiro* Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Campus de Assis.

Morcegos: conhecer para preservar. Maiara Jaloretto Barreiro* Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Campus de Assis. Morcegos: conhecer para preservar Maiara Jaloretto Barreiro* Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Campus de Assis. Departamento de Ciências Biológicas. Av. Dom Antonio, 2100. Parque

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Disciplina: Zoologia dos vertebrados

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Disciplina: Zoologia dos vertebrados UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Disciplina: Zoologia dos vertebrados Diversidade e Classificação dos Vertebrados Professor: Heleno Brandão Dr. em Ciências Biológicas, Área de Concentração: Zoologia

Leia mais

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O R E C Ô N C A V O D A B A H I A CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS, AMBIENTAIS E BIOLÓGICAS COORDENAÇÃO ACADÊMICA

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O R E C Ô N C A V O D A B A H I A CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS, AMBIENTAIS E BIOLÓGICAS COORDENAÇÃO ACADÊMICA U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O R E C Ô N C A V O D A B A H I A CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS, AMBIENTAIS E BIOLÓGICAS COORDENAÇÃO ACADÊMICA FORMULÁRIO R0092 PROGRAMA DE COMPONENTE CURRICULAR COMPONENTE

Leia mais

Redução de área Isolamento Efeito de borda. Fragmentação de Habitats. Fragmentação de Habitats. Biogeografia de ilhas (MacArthur & Wilson, 1963, 1967)

Redução de área Isolamento Efeito de borda. Fragmentação de Habitats. Fragmentação de Habitats. Biogeografia de ilhas (MacArthur & Wilson, 1963, 1967) Fragmentação de Habitats Fragmentação de Habitats Ampla porção contínua de habitat, reduzida em área e dividida em pedaços; Matriz e fragmentos Conseqüências da fragmentação Redução de área Isolamento

Leia mais

Conteúdo(s) - Seres vivos: aves. Ano(s) 7º / 8º e 9º

Conteúdo(s) - Seres vivos: aves. Ano(s) 7º / 8º e 9º Objetivo(s) - Caracterizar a classe das aves; - Entender que algumas espécies são introduzidas em outros lugares que não o seu de origem; - Participar de um estudo de campo com observação de pássaros e

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina BAN100 Zoologia Geral

Programa Analítico de Disciplina BAN100 Zoologia Geral Catálogo de Graduação 06 da UFV 0 Programa Analítico de Disciplina BAN00 Zoologia Geral Departamento de Biologia Animal - Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Número de créditos: Teóricas Práticas

Leia mais

FRUGIVORIA NA DIETA DE Artibeus lituratus Olfers, 1818 (CHIROPTERA, PHYLLOSTOMIDAE) NO PARQUE DO INGÁ, MARINGÁ / PR.

FRUGIVORIA NA DIETA DE Artibeus lituratus Olfers, 1818 (CHIROPTERA, PHYLLOSTOMIDAE) NO PARQUE DO INGÁ, MARINGÁ / PR. Revista F@pciência, Apucarana-PR, ISSN 1984-2333, v.3, n. 2, p. 19 29, 2009. FRUGIVORIA NA DIETA DE Artibeus lituratus Olfers, 1818 (CHIROPTERA, PHYLLOSTOMIDAE) NO PARQUE DO INGÁ, MARINGÁ / PR. Aline Rodrigues

Leia mais

Os Morcegos. (Carimbo: Bat Cave)

Os Morcegos. (Carimbo: Bat Cave) Os Morcegos 1) Mamífero Alado: Os morcegos são pequenos mamíferos voadores que possuem os membros anteriores transformados em asas. Como todos os mamíferos, esses animais possuem o corpo coberto por pelos

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico Unidade Universitária: CCBS - CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Curso: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Disciplina: ZOOLOGIA III (VERTEBRADOS I) Núcleo Temático: DIVERSIDADE BIOLÓGICA Código da Disciplina: 020.1378.9

Leia mais

MORCEGOS E A RAIVA: QUESTÕES PARA O FUTURO. Juliana Castilho Instituto Pasteur Outubro 2007

MORCEGOS E A RAIVA: QUESTÕES PARA O FUTURO. Juliana Castilho Instituto Pasteur Outubro 2007 MORCEGOS E A RAIVA: QUESTÕES PARA O FUTURO Juliana Castilho Instituto Pasteur Outubro 2007 1. RAIVA 1.1 - DEFINIÇÃO: Zoonose de evolução aguda que compromete o sistema nervoso central de mamíferos em geral,

Leia mais

Resumo Público do Plano de Manejo Florestal da Fazenda Citróleo

Resumo Público do Plano de Manejo Florestal da Fazenda Citróleo Resumo Público do Plano de Manejo Florestal da Fazenda Citróleo CITRÓLEO INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE ÓLEOS ESSECIAIS LTDA FAZENDA CITRÓLEO BAIRRO TRES PINHEIROS CEP 37.443-000 BAEPENDI / MG CNPJ 51.527.190/0002-11

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Unidade Universitária: CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Curso: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Disciplina: ZOOLOGIA III (VERTEBRADOS I) Professor(es): Profa Dra Mônica Ponz Louro Código da Disciplina: 020.1378.9

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE FAUNA COMO MEDIDA MITIGADORA E COMPENSATÓRIA DE IMPACTOS SOBRE O MEIO BIÓTICO

PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE FAUNA COMO MEDIDA MITIGADORA E COMPENSATÓRIA DE IMPACTOS SOBRE O MEIO BIÓTICO PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE FAUNA COMO MEDIDA MITIGADORA E COMPENSATÓRIA DE IMPACTOS SOBRE O MEIO BIÓTICO Juliana Narita 1,2, Amanda Santos Oehlmeyer 1,3, Francisco de Assis Alves 1,4 e Joan Ricardo Vetev

Leia mais

Seminário Explorações a Céu Aberto Novos desenvolvimentos

Seminário Explorações a Céu Aberto Novos desenvolvimentos Seminário Explorações a Céu Aberto Novos desenvolvimentos Recuperação Paisagística das Pedreiras do Outão José Oliveira Colégio de Engenharia Geológica e de Minas Localização das Pedreiras Porto Lisboa

Leia mais

USO DE NINHOS ARTIFICIAIS COMO METODOLOGIA PARA VERIFICAR A TAXA DE PREDAÇÃO DE NINHOS EM DOIS AMBIENTES: BORDA E INTERIOR DE MATA

USO DE NINHOS ARTIFICIAIS COMO METODOLOGIA PARA VERIFICAR A TAXA DE PREDAÇÃO DE NINHOS EM DOIS AMBIENTES: BORDA E INTERIOR DE MATA USO DE NINHOS ARTIFICIAIS COMO METODOLOGIA PARA VERIFICAR A TAXA DE PREDAÇÃO DE NINHOS EM DOIS AMBIENTES: BORDA E INTERIOR DE MATA Ivonete Batista Santa Rosa Gomes 1 Mariluce Rezende Messias 2 Resumo:

Leia mais

VII SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ

VII SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ 1 VII SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ Diagnóstico preliminar de mastofauna não-voadora de médio e grande porte da serra do Guararu (Guarujá, SP, Brasil) Biól. Márcio

Leia mais

Morcegos do Maciço de Gericinó-Mendanha, Rio de Janeiro, sudeste do Brasil

Morcegos do Maciço de Gericinó-Mendanha, Rio de Janeiro, sudeste do Brasil Morcegos do Maciço de Gericinó-Mendanha, Rio de Janeiro, sudeste do Brasil Raphael Silvares* (1), Roberto Leonan M. Novaes (2), Camila Sant Anna (3), Renan de França Souza (1), Saulo Felix (1), André Siqueira

Leia mais

Characterization of Rainfall Patterns in the Projeto Rio Formoso Region in the Araguaia Basin, Tocantins State, Brazil

Characterization of Rainfall Patterns in the Projeto Rio Formoso Region in the Araguaia Basin, Tocantins State, Brazil CARACTERIZAÇÃO DO REGIME PLUVIOMÉTRICO DA Jair da Costa OLIVEIRA FILHO 1, Eder Soares PINTO 1, Luciano Marcelo Fallé SABOYA 1, Antonio José PERON 1, Gaspar F. CAETANO 2 RESUMO - A caracterização do regime

Leia mais

Temática: Adaptações fisiológicas nosvertebrados

Temática: Adaptações fisiológicas nosvertebrados Plano de aula Zoo EF: Bolsistas de IC Chaiana Fernandez da Costa e Caroline Resende profª Lavínia Schwantes. Temática: Adaptações fisiológicas nosvertebrados Aula destinada para: Ensino Fundamental 1 Objetivo:

Leia mais

CAPTURA DE INSETOS UTILIZANDO ARMADILHAS DE GARRAFA PET EM UMA MATA NA LOCALIDADE DE JENIPAPO, PUXINANÃ, PB

CAPTURA DE INSETOS UTILIZANDO ARMADILHAS DE GARRAFA PET EM UMA MATA NA LOCALIDADE DE JENIPAPO, PUXINANÃ, PB CAPTURA DE INSETOS UTILIZANDO ARMADILHAS DE GARRAFA PET EM UMA MATA NA LOCALIDADE DE JENIPAPO, PUXINANÃ, PB José Adeildo de Lima Filho, Romildo Lima Souza; Luan Matheus Cassimiro; Raphael de Andrade Braga.

Leia mais

Organização da Aula. Recuperação de Áreas Degradadas. Aula 6. Contextualização. Adequação Ambiental. Prof. Francisco W.

Organização da Aula. Recuperação de Áreas Degradadas. Aula 6. Contextualização. Adequação Ambiental. Prof. Francisco W. Recuperação de Áreas Degradadas Aula 6 Prof. Francisco W. von Hartenthal Organização da Aula Adequação Ambiental e Biologia da Conservação 1. Adequação Ambiental de Atividades Produtivas 2. Preservação,

Leia mais

Seleção de variáveis e escalas em estudos com morcegos em paisagens de cerrado

Seleção de variáveis e escalas em estudos com morcegos em paisagens de cerrado Seleção de variáveis e escalas em estudos com morcegos em paisagens de cerrado Me. Ciro Líbio Caldas dos Santos Prof. LCN/Biologia - UFMA Imperatriz PPG Ecologia e Conservação - UFMS Qual a escala em estudos

Leia mais

O MÉTODO DOS QUADRATS

O MÉTODO DOS QUADRATS O MÉTODO DOS QUADRATS UM ESTUDO INTRODUTÓRIO O método dos quadrats, também conhecido por método das parcelas, é um dos procedimentos mais usados para o levantamento por amostragem da diversidade vegetal

Leia mais

ÍNDICE. 2.2.3.3 - Fauna... 1/10 ANEXOS. Anexo 2.2.3.3-1 Autorizações de Captura, Coleta e Transporte de Material Biológico n 325/2015

ÍNDICE. 2.2.3.3 - Fauna... 1/10 ANEXOS. Anexo 2.2.3.3-1 Autorizações de Captura, Coleta e Transporte de Material Biológico n 325/2015 2935-01-EIA-RL-0001-00 LT 500 KV GILBUÉS II - OUROLÂNDIA II ÍNDICE... 1/10 ANEXOS Anexo 2.2.3.3-1 Autorizações de Captura, Coleta e Transporte de Material Biológico n 325/2015 Anexo 2.2.3.3-2 Anexo 2.2.3.3-3

Leia mais

1 Biodiversidade. Definições de biodiversidade

1 Biodiversidade. Definições de biodiversidade 1 Biodiversidade Definições de biodiversidade Afinal de contas, quantas espécies de seres vivos existem no nosso planeta??? Você tem ideia?? Centenas? Milhares? Milhões? A Terra abriga uma enorme variedade

Leia mais

Distribuição geográfica e abundância de Platyrrhinus recifinus no Estado do Rio de Janeiro, sudeste do Brasil

Distribuição geográfica e abundância de Platyrrhinus recifinus no Estado do Rio de Janeiro, sudeste do Brasil Distribuição geográfica e abundância de Platyrrhinus recifinus no Estado do Rio de Janeiro, sudeste do Brasil Luciana de Moraes Costa (1, 2)*, Daniela Dias (3), Gustavo Pena Freitas (1), William Douglas

Leia mais

Levantamento da quiropterofauna do Parque Municipal Fazenda Lagoa do Nado, Belo Horizonte, MG, Brasil

Levantamento da quiropterofauna do Parque Municipal Fazenda Lagoa do Nado, Belo Horizonte, MG, Brasil Levantamento da quiropterofauna do Parque Municipal Fazenda Lagoa do Nado, Belo Horizonte, MG, Brasil Michael Bruno 1*, Fábio da Cunha Garcia 2 & Ana Paula Gotschalg Duarte Silva 3 1. Centro Universitário

Leia mais

Estrutura da comunidade de morcegos da área em regeneração da Fazenda Cervinho, Bandeirantes, Mato Grosso do Sul 1

Estrutura da comunidade de morcegos da área em regeneração da Fazenda Cervinho, Bandeirantes, Mato Grosso do Sul 1 Estrutura da comunidade de morcegos da área em regeneração da Fazenda Cervinho, Bandeirantes, Mato Grosso do Sul 1 Bat community structure in regeneration area of the Fazenda Cervinho, Bandeirantes, Mato

Leia mais

CRIAÇÃO DE ANIMAIS SILVESTRES

CRIAÇÃO DE ANIMAIS SILVESTRES 21/08/2015 M.V. CHRISTIANO PAVAN MATEUS DISCIPLINA CRIAÇÃO COMERCIAL DE JACARÉS CRIAÇÃO COMERCIAL DE RATITAS CRIAÇÃO COMERCIAL DE CAPIVARAS AVESTRUZ EMA CRIAÇÃO COMERCIAL DE CATETO E QUEIXADA CRIAÇÃO COMERCIAL

Leia mais

Morcegos do Parque Nacional do Iguaçu, Paraná (Chiroptera, Mammalia) 1

Morcegos do Parque Nacional do Iguaçu, Paraná (Chiroptera, Mammalia) 1 Morcegos do Parque Nacional do Iguaçu, Paraná (Chiroptera, Mammalia) Margareth Lumy Sekiama Nelio Roberto dos Reis 3 Adriano Lúcio Peracchi 4 Viamir José Rocha ABSTRACT. Morcegos do Parque Nacional do

Leia mais

Ampliação da distribuição e descrição da dieta de Mimon bennettii (Phyllostomidae, Phyllostominae) no sul do Brasil

Ampliação da distribuição e descrição da dieta de Mimon bennettii (Phyllostomidae, Phyllostominae) no sul do Brasil Ampliação da distribuição e descrição da dieta de Mimon bennettii (Phyllostomidae, Phyllostominae) no sul do Brasil Fernando Carvalho 1, Ariovaldo P. da Cruz-Neto 2 e Jairo J. Zocche 3 1. Laboratório de

Leia mais

EVOLUÇÃO DA BIODIVERSIDADE DE FAUNA SILVESTRE NOS CANAVIAIS SOB CULTIVO ORGÂNICO E MANEJO ECOLÓGICO

EVOLUÇÃO DA BIODIVERSIDADE DE FAUNA SILVESTRE NOS CANAVIAIS SOB CULTIVO ORGÂNICO E MANEJO ECOLÓGICO EVOLUÇÃO DA BIODIVERSIDADE DE FAUNA SILVESTRE NOS CANAVIAIS SOB CULTIVO ORGÂNICO E MANEJO ECOLÓGICO José Roberto Miranda 1 ; Vagner Roberto Ariedi Junior 2 1 Doutor em Ecologia, Pesquisador Científico,

Leia mais

O ESTADO DA ARTE DO CONHECIMENTO DA BIOLOGIA DOS MICROCHIROPTERA (MAMMALIA) BRASILEIROS

O ESTADO DA ARTE DO CONHECIMENTO DA BIOLOGIA DOS MICROCHIROPTERA (MAMMALIA) BRASILEIROS Universidade Presbiteriana Mackenzie O ESTADO DA ARTE DO CONHECIMENTO DA BIOLOGIA DOS MICROCHIROPTERA (MAMMALIA) BRASILEIROS Bruno Augusto e Silva Pereira (IC) e Maria Helena de Arruda Leme (Orientadora)

Leia mais

COMPORTAMENTO POPULACIONAL DE CUPIÚBA (GOUPIA GLABRA AUBL.) EM 84 HA DE FLORESTA DE TERRA FIRME NA FAZENDA RIO CAPIM, PARAGOMINAS, PA.

COMPORTAMENTO POPULACIONAL DE CUPIÚBA (GOUPIA GLABRA AUBL.) EM 84 HA DE FLORESTA DE TERRA FIRME NA FAZENDA RIO CAPIM, PARAGOMINAS, PA. COMPORTAMENTO POPULACIONAL DE CUPIÚBA (GOUPIA GLABRA AUBL.) EM 84 HA DE FLORESTA DE TERRA FIRME NA FAZENDA RIO CAPIM, PARAGOMINAS, PA. HIRAI, Eliana Harumi ; CARVALHO, João Olegário Pereira de. INTRODUÇÃO

Leia mais

Similaridade florística em duas áreas de Cerrado, localizadas no município de Parnarama, Maranhão - Brasil

Similaridade florística em duas áreas de Cerrado, localizadas no município de Parnarama, Maranhão - Brasil Similaridade florística em duas áreas de Cerrado, localizadas no município de Parnarama, Maranhão - Brasil Jaçanan Eloisa Freitas Milani 1 ; Carlos Frederico Lins e Silva Brandão 2 ; Mayara Dalla Lana

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Ecologia, Conservação e Manejo da Vida Silvestre. Processo de Seleção de Mestrado 2015 Questões Gerais de Ecologia

Programa de Pós-Graduação em Ecologia, Conservação e Manejo da Vida Silvestre. Processo de Seleção de Mestrado 2015 Questões Gerais de Ecologia Questões Gerais de Ecologia a. Leia atentamente as questões e responda apenas 3 (três) delas. identidade (RG) e o número da questão. 1. Como a teoria de nicho pode ser aplicada à Biologia da Conservação?

Leia mais

ANOVA - parte I Conceitos Básicos

ANOVA - parte I Conceitos Básicos ANOVA - parte I Conceitos Básicos Erica Castilho Rodrigues 9 de Agosto de 2011 Referências: Noções de Probabilidade e Estatística - Pedroso e Lima (Capítulo 11). Textos avulsos. Introdução 3 Introdução

Leia mais

¹ Estudante de Geografia na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), estagiária na Embrapa Informática Agropecuária (Campinas, SP).

¹ Estudante de Geografia na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), estagiária na Embrapa Informática Agropecuária (Campinas, SP). 89 Interpretação e classificação de imagens de satélite na extração de informações sobre o uso da terra e cobertura vegetal na bacia hidrográfica do rio Teles Pires/MT-PA Jéssica da Silva Rodrigues Cecim

Leia mais

Departamento de Ecologia, Instituto de Biociências, Universidade de São Paulo, São Paulo SP. RESUMO

Departamento de Ecologia, Instituto de Biociências, Universidade de São Paulo, São Paulo SP. RESUMO ANÁLISE DA PAISAGEM PARA O PLANEJAMENTO ESPACIAL DA RESTAURAÇÃO FLORESTAL DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE EM IMÓVEIS RURAIS NA REGIÃO DE ALTA FLORESTA - MT VISANDO A CONSTITUIÇÃO DE CORREDORES ECOLÓGICOS

Leia mais

Comunidade: definição

Comunidade: definição 1 Comunidade: definição 1. Definições e a importância dos padrões 2. Riqueza, diversidade e padrões de abundância 3. Padrões espaciais em comunidades 4. Resumo 5. Para saber mais... Ao final da aula, nós

Leia mais

Perda e proteção de espécies. ConBio 2013

Perda e proteção de espécies. ConBio 2013 Perda e proteção de espécies ConBio 2013 Extinção = processo natural cada espécie tem um tempo de vida finito (em média 2-5 milhões de anos) Provavelmente, 96-98% de todas as espécies que já existiram

Leia mais

PEQUENOS MAMÍFEROS NÃO VOADORES EM UM FRAGMENTO PARTICULAR EM SÃO SEBASTIÃO DO OESTE MG

PEQUENOS MAMÍFEROS NÃO VOADORES EM UM FRAGMENTO PARTICULAR EM SÃO SEBASTIÃO DO OESTE MG PEQUENOS MAMÍFEROS NÃO VOADORES EM UM FRAGMENTO PARTICULAR EM SÃO SEBASTIÃO DO OESTE MG Manuela Tavares Moreira*, Catarina Teixeira *Fundação Educacional de Divinópolis - FUNEDI/UEMG, manuelamoreira92@gmail.com

Leia mais

CRISTIANE MATTJE MENDONÇA CONTRIBUIÇÃO AO CONHECIMENTO DA FAUNA DE QUIRÓPTEROS DO MORRO DO COCO, ÁREA DE DOMÍNIO MATA ATLÂNTICA DO SUL DO BRASIL

CRISTIANE MATTJE MENDONÇA CONTRIBUIÇÃO AO CONHECIMENTO DA FAUNA DE QUIRÓPTEROS DO MORRO DO COCO, ÁREA DE DOMÍNIO MATA ATLÂNTICA DO SUL DO BRASIL 0 CRISTIANE MATTJE MENDONÇA CONTRIBUIÇÃO AO CONHECIMENTO DA FAUNA DE QUIRÓPTEROS DO MORRO DO COCO, ÁREA DE DOMÍNIO MATA ATLÂNTICA DO SUL DO BRASIL CANOAS, 2008 1 CRISTIANE MATTJE MENDONÇA CONTRIBUIÇÃO

Leia mais

REQUERIMENTO DE AUTORIZAÇÃO DE MANEJO DE FAUNA SILVESTRE NO LICENCIAMENTO AMBIENTAL

REQUERIMENTO DE AUTORIZAÇÃO DE MANEJO DE FAUNA SILVESTRE NO LICENCIAMENTO AMBIENTAL REQUERIMENTO DE AUTORIZAÇÃO DE MANEJO DE FAUNA SILVESTRE NO LICENCIAMENTO AMBIENTAL 01 - TIPO DE ESTUDO ( ) Levantamento de Fauna Silvestre ( ) Monitoramento de Fauna ( ) RENOVAÇÃO ( ) Resgate de Fauna

Leia mais

Categoria Resumo Expandido Eixo Temático - (Expansão e Produção Rural X Sustentabilidade)

Categoria Resumo Expandido Eixo Temático - (Expansão e Produção Rural X Sustentabilidade) Categoria Resumo Expandido Eixo Temático - (Expansão e Produção Rural X Sustentabilidade) Titulo do Trabalho CULTIVO ORGÂNICO DA CANA-DE-AÇÚCAR, MANEJO ECOLÓGICO E BIODIVERSIDADE FAUNÍSTICA Nome do Autor

Leia mais

MONITORANDO CARNÍVOROS: Assessando informações essenciais à conservação

MONITORANDO CARNÍVOROS: Assessando informações essenciais à conservação MONITORANDO CARNÍVOROS: Assessando informações essenciais à conservação Rogério Cunha de Paula Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Mamíferos Carnívoros/ Instituto Chico Mendes de Conservação da

Leia mais

Scarabaeoidea em fragmentos florestais, Londrina, PR

Scarabaeoidea em fragmentos florestais, Londrina, PR 86 Embrapa Soja. Documentos, 276 Scarabaeoidea em fragmentos florestais, Londrina, PR Vanesca Korasaki' 2; George Gardner Brown 2; José Lopes'. 1 Departamento de Agronomia, vanesca@cnpso.embrapa.br ; 3Departamento

Leia mais

Das perspectivas sobre Biodiversidade aos propósitos de a ensinar. Rosalina Gabriel e Ana Moura Arroz

Das perspectivas sobre Biodiversidade aos propósitos de a ensinar. Rosalina Gabriel e Ana Moura Arroz Das perspectivas sobre Biodiversidade aos propósitos de a ensinar Rosalina Gabriel e Ana Moura Arroz Formação Biodiversidade e arte para docentes Centro Cultural, Angra do Heroísmo, 11 de Setembro de 2010

Leia mais

LEVANTAMENTO E MANEJO ECOLÓGICO DE PRAGAS EM SISTEMAS AGROFLORESTAIS (SAF S): ESTUDO DE CASO DE UM SAF SUCESSIONAL NO DISTRITO FEDERAL, BRASIL

LEVANTAMENTO E MANEJO ECOLÓGICO DE PRAGAS EM SISTEMAS AGROFLORESTAIS (SAF S): ESTUDO DE CASO DE UM SAF SUCESSIONAL NO DISTRITO FEDERAL, BRASIL LEVANTAMENTO E MANEJO ECOLÓGICO DE PRAGAS EM SISTEMAS AGROFLORESTAIS (SAF S): ESTUDO DE CASO DE UM SAF SUCESSIONAL NO DISTRITO FEDERAL, BRASIL PROJETO DE PESQUISA PROFESSOR: MARCELO TAVARES DE CASTRO ALUNA:

Leia mais

COLETA DE GERMOPLASMA DE CAJUEIRO COMUM EM PLANTIOS SEGREGANTES INTRODUÇÃO

COLETA DE GERMOPLASMA DE CAJUEIRO COMUM EM PLANTIOS SEGREGANTES INTRODUÇÃO COLETA DE GERMOPLASMA DE CAJUEIRO COMUM EM PLANTIOS SEGREGANTES Joquebede Bezerra Cacau 1 ; João Rodrigues de Paiva 2 ; João Ribeiro Crisóstomo 2 ; José Maurício Magalhães 3 1 Estudante de Graduação de

Leia mais

ASPECTOS DA BIOLOGIA POPULACIONAL DO TUCUNARÉ (Cichla piquiti) NO RESERVATÓRIO DE LAJEADO, RIO TOCANTINS

ASPECTOS DA BIOLOGIA POPULACIONAL DO TUCUNARÉ (Cichla piquiti) NO RESERVATÓRIO DE LAJEADO, RIO TOCANTINS 11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas ASPECTOS DA BIOLOGIA POPULACIONAL DO TUCUNARÉ (Cichla piquiti) NO RESERVATÓRIO DE LAJEADO, RIO TOCANTINS Leandro Amorim da Silva 1, Fernando Mayer Pelicice

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2017 MESTRADO

PROCESSO SELETIVO 2017 MESTRADO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIODIVERSIDADE ANIMAL PROCESSO SELETIVO 2017 MESTRADO Prova Conhecimentos Específicos

Leia mais

RESERVA BIOLÓGICA JAÍBA

RESERVA BIOLÓGICA JAÍBA Governo do Estado de Minas Gerais Sistema Estadual de Meio Ambiente Instituto Estadual de Florestas Diretoria de Biodiversidade Gerência de Projetos e Pesquisas Referências Bibliográficas RESERVA BIOLÓGICA

Leia mais

DIAGNÓSTICO DE RISCOS AMBIENTAIS E ALTERNATIVAS PARA RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DE TRECHO DO RIO GUANDU

DIAGNÓSTICO DE RISCOS AMBIENTAIS E ALTERNATIVAS PARA RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DE TRECHO DO RIO GUANDU DIAGNÓSTICO DE RISCOS AMBIENTAIS E ALTERNATIVAS PARA RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DE TRECHO DO RIO GUANDU Albieri, Rafael 1 ; Firmino, Felipe 2 ; Ribeiro, Ariel 2 1 Colégio Técnico da Universidade Federal Rural

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO SUPERVISIONADA EM IMAGEM ALOS PARA O MAPEAMENTO DE ARROZ IRRIGADO NO MUNICÍPIO DE MASSARANDUBA SC

CLASSIFICAÇÃO SUPERVISIONADA EM IMAGEM ALOS PARA O MAPEAMENTO DE ARROZ IRRIGADO NO MUNICÍPIO DE MASSARANDUBA SC p. 001-007 CLASSIFICAÇÃO SUPERVISIONADA EM IMAGEM ALOS PARA O MAPEAMENTO DE ARROZ IRRIGADO NO MUNICÍPIO DE MASSARANDUBA SC RAPHAEL SOUZA RIBEIRO DENILSON DORTZBACH. JUAN ANTÔNIO ALTAMIRANO FLORES Universidade

Leia mais

MORCEGOS (MAMMALIA: CHIROPTERA) DA CAVERNA TOCA DA ONÇA EM SÃO LUÍS DO PURUNÃ, MUNICÍPIO DE BALSA NOVA, PARANÁ, BRASIL.

MORCEGOS (MAMMALIA: CHIROPTERA) DA CAVERNA TOCA DA ONÇA EM SÃO LUÍS DO PURUNÃ, MUNICÍPIO DE BALSA NOVA, PARANÁ, BRASIL. MARIA FERNANDA MARTINS DE AZEVEDO BARROS MORCEGOS (MAMMALIA: CHIROPTERA) DA CAVERNA TOCA DA ONÇA EM SÃO LUÍS DO PURUNÃ, MUNICÍPIO DE BALSA NOVA, PARANÁ, BRASIL. CURITIBA 2007 MARIA FERNANDA MARTINS DE

Leia mais

PROPOSTAS PARA CRIAÇÃO DAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO PARQUE ESTADUAL SERRA DO AREAL E REFÚGIO DE VIDA SILVESTRE RIACHO PONTAL PETROLINA/PE

PROPOSTAS PARA CRIAÇÃO DAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO PARQUE ESTADUAL SERRA DO AREAL E REFÚGIO DE VIDA SILVESTRE RIACHO PONTAL PETROLINA/PE PROPOSTAS PARA CRIAÇÃO DAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO PARQUE ESTADUAL SERRA DO AREAL E REFÚGIO DE VIDA SILVESTRE RIACHO PONTAL PETROLINA/PE ASPECTOS LEGAIS Lei Federal nº 9.985/2000 Institui o Sistema Nacional

Leia mais

RESUMO O presente estudo tem por finalidade a caracterização das comunidades de peixes e da pesca de um trecho de aproximadamente 32 km do rio Pará, situado entre a jusante da UHE Cajuru e sua confluência

Leia mais

"O Sistema de Autorização e Informação em Biodiversidade - SISBio e a disponibilização de dados por meio do Portal da Biodiversidade 2º Encontro de

O Sistema de Autorização e Informação em Biodiversidade - SISBio e a disponibilização de dados por meio do Portal da Biodiversidade 2º Encontro de "O Sistema de Autorização e Informação em Biodiversidade - SISBio e a disponibilização de dados por meio do Portal da Biodiversidade 2º Encontro de Coleções Biológicas da FIOCRUZ Tatiana Rezende Rosa COINF/CGPEQ/DIBIO/ICMBioICMBio

Leia mais

Componentes e pesquisadores envolvidos

Componentes e pesquisadores envolvidos Componentes e pesquisadores envolvidos Impactos sobre aves (avifauna) Dr. Luciano Naka Impactos nas comunidades indígenas e tradicionais - Dr. Philip Fearnside Qualidade da água: monitoramento de níveis

Leia mais

Impactes na biodiversidade

Impactes na biodiversidade Impactes na biodiversidade A biodiversidade Biodiversidade é a variabilidade entre os organismos vivos de todas as fontes, inter alia, meio terrestre, meio marinho, e outros ecossistemas aquáticos e os

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO TEMPORAL DE CHUVAS INTENSAS EM PIRACICABA, SP Ronalton Evandro Machado 1 *; Liebe Santolin Ramos Rittel Bull 2 ; Paulo César Sentelhas 3

DISTRIBUIÇÃO TEMPORAL DE CHUVAS INTENSAS EM PIRACICABA, SP Ronalton Evandro Machado 1 *; Liebe Santolin Ramos Rittel Bull 2 ; Paulo César Sentelhas 3 DISTRIBUIÇÃO TEMPORAL DE CHUVAS INTENSAS EM PIRACICABA, SP Ronalton Evandro Machado 1 *; Liebe Santolin Ramos Rittel Bull 2 ; Paulo César Sentelhas 3 Resumo O estudo da variação temporal de chuvas intensas

Leia mais

Prof. Guilhardes de Jesus Júnior, MSc.

Prof. Guilhardes de Jesus Júnior, MSc. RESERVA LEGAL FLORESTAL Aspectos jurídicos Prof. Guilhardes de Jesus Júnior, MSc. O QUE É A RESERVA LEGAL FLORESTAL? Segundo o Código Florestal (Lei 4.771/65), é a área localizada no interior de uma propriedade

Leia mais

Manejo integrado de fauna aquática na várzea: Pirarucu, Quelônios e Jacarés. Juarez Pezzuti NAEA/UFPA Marcelo Crossa - IPAM George Rebêlo - INPA

Manejo integrado de fauna aquática na várzea: Pirarucu, Quelônios e Jacarés. Juarez Pezzuti NAEA/UFPA Marcelo Crossa - IPAM George Rebêlo - INPA Manejo integrado de fauna aquática na várzea: Pirarucu, Quelônios e Jacarés Juarez Pezzuti NAEA/UFPA Marcelo Crossa - IPAM George Rebêlo - INPA Objetivos Gerais 1) Consolidar sistemas de manejo integrado

Leia mais

Banco de Sons. Nota Técnica

Banco de Sons. Nota Técnica Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação Projeto: Diretrizes e Estratégias para a Modernização de Coleções Biológicas Brasileiras e a Consolidação de Sistemas Integrados de

Leia mais

PREVALÊNCIA DE GIARDIA LAMBLIA NA CIDADE DE BURITAMA ESTADO DE SÃO PAULO

PREVALÊNCIA DE GIARDIA LAMBLIA NA CIDADE DE BURITAMA ESTADO DE SÃO PAULO PREVALÊNCIA DE GIARDIA LAMBLIA NA CIDADE DE BURITAMA ESTADO DE SÃO PAULO Catierine Hirsch Werle RESUMO A Giardia está distribuída mundialmente. No Brasil sua prevalência varia de 4 a 30%, dependendo das

Leia mais

Influência da População de Plantas: Caracterização Morfológica de Cultivares de Soja em Solos de Varzeasob Irrigação por Aspersão

Influência da População de Plantas: Caracterização Morfológica de Cultivares de Soja em Solos de Varzeasob Irrigação por Aspersão 40ª Reunião de Pesquisa de Soja da Região Sul - Atas e Resumos 145 Influência da População de Plantas: Caracterização Morfológica de Cultivares de Soja em Solos de Varzeasob Irrigação por Aspersão Ewerton

Leia mais

LEVANTAMENTO PRELIMINAR DA ENTOMOFAUNA DAS PRAÇAS DE BAGÉ, RS - ORDEM COLEOPTERA

LEVANTAMENTO PRELIMINAR DA ENTOMOFAUNA DAS PRAÇAS DE BAGÉ, RS - ORDEM COLEOPTERA LEVANTAMENTO PRELIMINAR DA ENTOMOFAUNA DAS PRAÇAS DE BAGÉ, RS - ORDEM COLEOPTERA BONFADA, Y.¹, CIMIRRO, L.¹, RAMOS, T.¹ ¹ Universidade da Região da Campanha URCAMP/Campus Bagé Bagé RS Brasil RESUMO Devido

Leia mais

Poda experimental de Schinus terebinthifolius Raddi (pimenta-rosa) em área de Cerrado

Poda experimental de Schinus terebinthifolius Raddi (pimenta-rosa) em área de Cerrado NOTA TÉCNICA DE PESQUISA Poda experimental de Schinus terebinthifolius Raddi (pimenta-rosa) em área de Cerrado Annete Bonnet, Gustavo Ribas Curcio, Edberto Moura, Deborah Santos, Roberto Ogata 2016 Foto:

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE ACIDENTES OFÍDICOS EM MACHADO/MG NO TRIÊNIO E SUA RELAÇÃO COM A ESCOLARIDADE DOS ENVOLVIDOS.

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE ACIDENTES OFÍDICOS EM MACHADO/MG NO TRIÊNIO E SUA RELAÇÃO COM A ESCOLARIDADE DOS ENVOLVIDOS. INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CÂMPUS MACHADO DAVID JÚNIOR GOMES DE ALMEIDA PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE ACIDENTES OFÍDICOS EM MACHADO/MG NO TRIÊNIO 2007 2010 E

Leia mais

Biologia da Conservação

Biologia da Conservação Biologia da Conservação Prof. Alexandre R. T. Palma Conservação de ecossistemas Introdução Unidades de conservação Biologia da Conservação Prof. Alexandre R. T. Palma Introdução Conservação de ecossistemas

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 71, DE 04 DE AGOSTO DE 2005. O Presidente do Instituto

Leia mais

TÍTULO: A INFLUÊNCIA DA FRAGMENTAÇÃO DE HABITATS E PERDA DA BIODIVERSIDADE: ESTUDO DE CASO DA MATA DOS MACACOS EM SANTA FÉ DO SUL - SP.

TÍTULO: A INFLUÊNCIA DA FRAGMENTAÇÃO DE HABITATS E PERDA DA BIODIVERSIDADE: ESTUDO DE CASO DA MATA DOS MACACOS EM SANTA FÉ DO SUL - SP. TÍTULO: A INFLUÊNCIA DA FRAGMENTAÇÃO DE HABITATS E PERDA DA BIODIVERSIDADE: ESTUDO DE CASO DA MATA DOS MACACOS EM SANTA FÉ DO SUL - SP. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ECOLOGIA

Leia mais

VOLUME II Introdução e enquadramento

VOLUME II Introdução e enquadramento #$ VOLUME I RELATÓRIO SÍNTESE VOLUME II Introdução e enquadramento Capítulo 1 Introdução Capítulo 2 - Enquadramento das Políticas e Instrumentos de Ordenamento Territorial VOLUME III PATRIMÓNIO NATURAL

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Material informativo. Coleções. Molusco. Zoologia.

PALAVRAS-CHAVE: Material informativo. Coleções. Molusco. Zoologia. 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( X) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE

Leia mais

ANAIS do XXX Congresso Brasileiro de Espeleologia Montes Claros MG, de julho de Sociedade Brasileira de Espeleologia

ANAIS do XXX Congresso Brasileiro de Espeleologia Montes Claros MG, de julho de Sociedade Brasileira de Espeleologia LEVANTAMENTO PRELIMINAR DA FAUNA CAVERNÍCOLA DE GRUTAS ARENÍTICAS NA SERRA DO LAJEADO, PALMAS, TOCANTINS, BRASIL Priscilla Sousa da Silva CUNHA* - priscillaevan@gmail.com Fernando MORAIS** - morais@uft.edu.br

Leia mais

Red ibérica de evaluación de eficacia y efectos secundarios de tratamientos para el control de plagas en el olivar

Red ibérica de evaluación de eficacia y efectos secundarios de tratamientos para el control de plagas en el olivar Red ibérica de evaluación de eficacia y efectos secundarios de tratamientos para el control de plagas en el olivar 2ª reunião Madrid, 10 e 11 de Junho de 2010 Métodos de amostragem: 1. Tópicos a abordar

Leia mais

Análise dos Eventos Extremos de Precipitação para cidade de Belém e Região Metropolitana.

Análise dos Eventos Extremos de Precipitação para cidade de Belém e Região Metropolitana. Análise dos Eventos Extremos de Precipitação para cidade de Belém e Região Metropolitana. Thamiris Luisa de Oliveira Brandão Campos ¹, Maria Aurora Santos Da Mota ², Everaldo Barreiros de Souza ³, Ana

Leia mais

LEVANTAMENTO DA DIETA DE MORCEGOS (MAMMALIA CHIROPTEROS) NO PARQUE ESTADUAL MATA SÃO FRANCISCO, NORTE DO PARANÁ

LEVANTAMENTO DA DIETA DE MORCEGOS (MAMMALIA CHIROPTEROS) NO PARQUE ESTADUAL MATA SÃO FRANCISCO, NORTE DO PARANÁ 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE DO PARANÁ UENP CAMPUS LUIS MENEGHEL CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE CIENCIAS BIOLÓGICAS BEATRIZ ELIAS GOMES DO PINHO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO LEVANTAMENTO

Leia mais

Considerações sobre a soltura de aves silvestres apreendidas

Considerações sobre a soltura de aves silvestres apreendidas Considerações sobre a soltura de aves silvestres apreendidas Dr. Caio Graco Machado Universidade Estadual de Feira de Santana Sociedade Brasileira de Ornitologia - SBO Principais pontos a serem considerados:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE CIEÊNCIAS FLORESTAIS E DA MADEIRA DEFESA DE MONOGRAFIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE CIEÊNCIAS FLORESTAIS E DA MADEIRA DEFESA DE MONOGRAFIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE CIEÊNCIAS FLORESTAIS E DA MADEIRA DEFESA DE MONOGRAFIA ANÁLISE ESPACIAL DOS REMANESCENTES FLORESTAIS DO BIOMA MATA ATLÂNTICA

Leia mais

TÍTULO: DENSIDADE POPULACIONAL DA TARTARUGA MARINHA CHELONIA MYDAS NA CIDADE DE SANTOS, SÃO PAULO, REGIÃO DO SUDESTE BRASILEIRO

TÍTULO: DENSIDADE POPULACIONAL DA TARTARUGA MARINHA CHELONIA MYDAS NA CIDADE DE SANTOS, SÃO PAULO, REGIÃO DO SUDESTE BRASILEIRO TÍTULO: DENSIDADE POPULACIONAL DA TARTARUGA MARINHA CHELONIA MYDAS NA CIDADE DE SANTOS, SÃO PAULO, REGIÃO DO SUDESTE BRASILEIRO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ECOLOGIA

Leia mais

COMPLEXIBILIDADE E ESTABILIDADE DE COMUNIDADES. META Nessa aula é importante aprender sobre o conceito de complexidade e estabilidade de comunidades

COMPLEXIBILIDADE E ESTABILIDADE DE COMUNIDADES. META Nessa aula é importante aprender sobre o conceito de complexidade e estabilidade de comunidades COMPLEXIBILIDADE E ESTABILIDADE DE COMUNIDADES Aula 8 META Nessa aula é importante aprender sobre o conceito de complexidade e estabilidade de comunidades OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá:

Leia mais

Universidade Federal de Goiás. Ecologia de Ecossistemas

Universidade Federal de Goiás. Ecologia de Ecossistemas Universidade Federal de Goiás Instituto de Ciências Biológicas Dep. Ecologia Prof. Adriano S. Melo asm.adrimelo no gmail.com Ecologia de Ecossistemas www.ecoevol.ufg.br/adrimelo/ecossistemas Aula 11: Conservação

Leia mais

VALE DOTUA MICRO-RESERVAS

VALE DOTUA MICRO-RESERVAS VALE DOTUA MICRO-RESERVAS Micro-reservas No contexto do PNRVT, emergem locais de excecional valia ambiental e natural, distribuídas por sete Micro-reservas e que materializam extraordinários espaços de

Leia mais

EFEITO DA URBANIZAÇÃO SOBRE A FAUNA DE INSETOS AQUÁTICOS DE UM RIACHO DE DOURADOS, MATO GROSSO DO SUL

EFEITO DA URBANIZAÇÃO SOBRE A FAUNA DE INSETOS AQUÁTICOS DE UM RIACHO DE DOURADOS, MATO GROSSO DO SUL EFEITO DA URBANIZAÇÃO SOBRE A FAUNA DE INSETOS AQUÁTICOS DE UM RIACHO DE DOURADOS, MATO GROSSO DO SUL Joab Pires Santana 1 ; Emerson Machado de Carvalho 2 1 Graduando do curso de Ciências Biológicas e

Leia mais

O TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO PARA MANEJO DE FAUNA SILVESTRE E RELATÓRIO DE RESULTADOS NA ETAPA DE LEVANTAMENTO DE FAUNA

O TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO PARA MANEJO DE FAUNA SILVESTRE E RELATÓRIO DE RESULTADOS NA ETAPA DE LEVANTAMENTO DE FAUNA O TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO PARA MANEJO DE FAUNA SILVESTRE E RELATÓRIO DE RESULTADOS NA ETAPA DE LEVANTAMENTO DE FAUNA. AUTORIZAÇÃO PARA MANEJO DE FAUNA SILVESTRE LEVANTAMENTO

Leia mais

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO UNIDADES DE CONSERVAÇÃO As florestas e demais formas de vegetação são reconhecidas no Brasil como bens de interesse comum a todos os habitantes do país, sendo que algumas destas áreas, legalmente determinadas

Leia mais

Plano De Manejo Florestal Sustentável Da Caatinga Na Região Central Do RN

Plano De Manejo Florestal Sustentável Da Caatinga Na Região Central Do RN Plano De Manejo Florestal Sustentável Da Caatinga Na Região Central Do RN Mayara Freire Paiva da Silva (1) ; Marcelo da Silva Rebouças (2) ; Eduarda Ximenes Dantas (3) ; Paulo Rogério Soares de Oliveira

Leia mais