(I)MOBILIDADE URBANA: OS IMPACTOS SOFRIDOS PELOS MORADORES DE SÃO JOSÉ DE ITABORAÍ FRENTE Á PRECARIEDADE DO SERVIÇO DE TRANSPORTE PÚBLICO DO BAIRRO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "(I)MOBILIDADE URBANA: OS IMPACTOS SOFRIDOS PELOS MORADORES DE SÃO JOSÉ DE ITABORAÍ FRENTE Á PRECARIEDADE DO SERVIÇO DE TRANSPORTE PÚBLICO DO BAIRRO"

Transcrição

1 (I)MOBILIDADE URBANA: OS IMPACTOS SOFRIDOS PELOS MORADORES DE SÃO JOSÉ DE ITABORAÍ FRENTE Á PRECARIEDADE DO SERVIÇO DE TRANSPORTE PÚBLICO DO BAIRRO Isabelle Aguiar da Silva Graduanda em Geografia, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Bolsista CETREINA Marcelo Wermelinger Lemes Professor Adjunto, Departamento de Geografia, Faculdades Integradas Simonsen. Andrelino de Oliveira Campos Professor Adjunto UERJ/FFP. INTRODUÇÃO Segundo CARLOS (2011) refletir as relações sociais é buscar analisá-la espacialmente como existência constitutiva da sociedade. Pois a mesma ao se constituir no espaço, possui sua própria dimensão histórica e especificidades em diferentes escalas. SANTOS (2009) mostra que uma sociedade só se torna concreta através do espaço que ela produz, o espaço sendo visto como fator social e não somente como um reflexo social. O mesmo deve ser analisado a partir de categorias, estruturas, funções e formas. Pois, a organização do espaço seria como diversos elementos criados pelo o homem, colocados sobre a superfície da Terra, interagindo entre si. Para compreender o que é o espaço urbano, devemos primeiramente defini-lo, segundo CORRÊA (2006), pois ele possui diferentes usos e são essas utilidades que definem a distribuição e articulações espaciais das cidades, Já que as relações sociais possuem uma 5055

2 espacialidade e tem como sua principal estrutura a sociedade de classes. A Geografia trabalha várias temáticas, e dentre elas a geografia dos transportes, que com seu estudo é possível caracterizar, analisar, discutir e planejar ações como a mobilidade e acessibilidade urbana, além de auxiliar no pensamento da reprodução do espaço urbano. A mobilidade urbana é entendida nesta pesquisa como a movimentação constantemente realizada pelo fluxo de pessoas e equipamentos de transporte no espaço urbano. Assim, a mobilidade urbana é um dos importantes elementos para a configuração da estrutura urbana, para a reprodução do espaço urbano e para as interações espaciais, temática que iremos tratar neste trabalho. Sendo um dos grandes problemas infraestruturais sofridos pelos moradores de São José, o transporte público é considerado ruim e ineficiente, com passagens caras e ônibus frequentemente lotados, veículos em condições ruins, além do grande tempo de espera nos pontos de ônibus. Os serviços concentraram-se nos bairros mais nobres e nos centros urbanos do município, consequentemente, o emprego também. O trabalhador precisa se deslocar grandes distâncias em trechos cada vez mais inchados para trabalhar ou utilizar serviços públicos e privados. De acordo com a Constituição Federal, o serviço deve ser administrado e mantido pelas prefeituras municipais, mas os investimentos devem ser realizados também pelos estados e pelo Governo Federal. É importante ressaltar que, quando se refere ao transporte público, não estamos falando somente dos meios de transporte utilizados, mas de questões referentes à mobilidade urbana e à infraestrutura existente para este transporte. Além do mais, é preciso que se compreenda que o transporte público não está isolado da lógica urbana, sobretudo das grandes metrópoles, que concentram a maior parte da população do país. Bairros menores e com uma maior quantidade de pessoas que trabalham distante de seus empregos necessitam de um transporte público massificado para evitar a ocorrência de ônibus lotados e insuficientes para atender à população. Assim está uma área pouco povoada, composta em sua maioridade por pessoas menos favorecidas, localizada distante do centro do município, enfrentando problemas com abastecimento de água, precariedade nos transportes públicos e abandono pelo poder público, sobretudo pela Prefeitura Municipal, despertou o interesse em reconhecer as ações do cotidiano dos moradores frente aos grandes problemas infraestruturais vivenciados 5056

3 pelos mesmos. Desta forma temos como primeiro objetivo analisar o uso do transporte público do bairro de São José que tem como única opção o transporte coletivo de ônibus, a qualidade do serviço e as práticas cotidianas ao entorno do uso do transporte público. Através de observações empíricas e entrevistas nas quais foram aplicados questionários junto aos moradores. Buscamos entender de que forma as ausências e carências na infraestrutura do bairro afeta a vida dos moradores. Para a elaboração da pesquisa foi necessário o cumprimento de algumas etapas. Primeiramente foram realizadas pesquisas bibliográficas sobre os assuntos referentes à área de estudo, assuntos como a história do município, dados sobre o bairro de São José e sobre o transporte de ônibus do recorte espacial da pesquisa. Num segundo momento a pesquisa foi direcionada para as questões que envolvem a falta de infraestrutura do bairro que por este motivo tornava-o juntamente com a sua população ainda mais invisibilizado e negligenciado pelo poder público, o que de fato ocorre como pode ser constatado nesta pesquisa. Após as primeiras etapas foram realizadas uma série de idas a campo a fim de observar empiricamente os objetos de estudo e também aplicar questionários junto aos moradores do bairro de São José, bem como, aos passageiros dos ônibus. Para de esta forma obter os dados socioeconômicos que após serem tabulados serviram como suporte para a elaboração dos textos, gráficos e mapas nos quais são apresentados os trajetos e os cotidianos percorridos e vividos pelos moradores, também possibilitando a caracterização socioeconômica dos moradores de São José. AS CARACTERÍSTICAS GEOGRÁFICAS DO BAIRRO DE SÃO JOSÉ DE ITABORAÍ Neste primeiro capítulo serão apresentadas as características e dados de localização do bairro de São José e um breve histórico sobre o contexto populacional do bairro. Breve histórico do Bairro de São José De acordo com (IBGE, 2011) São José pertencente ao 6 distrito do município de Itaboraí, Estado do Rio de Janeiro cujas coordenadas da sede municipal são L. S. e I. W. Cerca de 34 a NE da Cidade do Rio de Janeiro. É considerado um dos bairros 5057

4 mais importantes do município devido a abrigar o Parque Paleontológico de São José que conta com um grande acervo de artefatos que comprovam pré-história (Figura 1). Figura 1: Mapa e localização do bairro de São Jose e Itaboraí. É um bairro tipicamente rural e pacato com uma população pequena de cerca de habitantes com um comércio inferior a bairros limítrofes como Cabuçu e Largo da Ideia. O transporte no bairro é feito por apenas uma linha de ônibus e uma de transporte alternativo que liga ao centro. O bairro de São José é marcado por histórias e dentre elas se destaca a exploração do cimento na região que começou por volta do ano 1928 a área da Bacia Calcária de São José de Itaboraí, com ,50 m 2 passou a ser explorada como mina de calcário para a indústria cimenteira (Figura 2), também, por abrigar indícios de materiais animais de anos atrás. Segundo Maria da Conceição M. Coutinho Beltrão, as evidências de vida aí encontradas correspondem ao período que sucedeu ao da extinção dos dinossauros. Fósseis de um mamífero xenungulado, provavelmente o mais velho da América do Sul, com 5058

5 idade que alcança cerca de 65 milhões de anos, foram ai encontrados. De São José, a calcária era transportada através de vagões de trem para o bairro de Guaxindiba, em São Gonçalo - RJ, onde foi inaugurada a Primeira fábrica de cimentos no Brasil com a presença do então presidente da república do Brasil Getúlio Vargas. A seguir a foto da inauguração da fábrica de cimento e comemoração pelo primeiro cimento ensacado no Brasil. Figura 2: Imagem dos trabalhadores Bacia Calcária de São José de Itaboraí (FAPERJ). A Bacia de São José de Itaboraí é considerada patrimônio geológico por apresentar rochas calcárias ricas em fósseis de invertebrados e vertebrados, destacando-se os mamíferos do Paleoceno tardio, que se difundiram na Terra em torno de 57 Ma após os eventos de extinção do Cretáceo Superior. No intuito da geoconservação do patrimônio geológico foi criado em 1995 o Parque Paleontológico de São José de Itaboraí (Estado do Rio de Janeiro, Brasil) que, atualmente, passa por um processo de revitalização, incluindo a construção de um centro cultural para exposição científica. 5059

6 Em relação aos estudos científicos, um aspecto positivo da atividade mineradora foi evidenciar a grande importância daquele depósito calcário sob o ponto de vista paleontológico. As profundas e extensas escavações ali efetuadas revelaram a existência de rico depósito fossilífero do Paleógeno, com destaque para a fauna continental do Paleoceno tardio, de aproximadamente 57 milhões de anos, correspondente aos primeiros mamíferos que se irradiaram pela Terra após a extinção dos dinossauros há cerca de 65 milhões de anos. Essa característica única faz com que a bacia sedimentar seja conhecida como o "berço dos mamíferos" no Brasil (Bergqvist et al., 2006; Bergqvist et al., 2008). Após a escassez do calcário, antes explorado na bacia calcária de São José, a Prefeitura do município determinou a revitalização da área como Parque Paleontológico, por possuir em seu terreno muitos materiais fossiliferos, de grande importância cientifica. (Figura 4) 5060

7 Figura 4: Imagem da revitalização do Parque Paleontológico auxiliada pela FAPERJ BREVE HISTÓRICO DO CONTEXTO POPULACIONAL DO BAIRRO DE SÃO JOSÉ DE ITABORAÍ No século 20, entre as décadas de 1920 e 1980, atribuiu grande destaque, na economia do município, a produção de laranjas, quando o município ganhou a alcunha de "terra da laranja" por ser o segundo maior produtor nacional dessa fruta. Itaboraí que antes era um município rural, tem um processo de urbanização após inicio da construção do Complexo Petroquímico do Estado do Rio de Janeiro (COMPERJ) em Neste momento o bairro de São José de Itaboraí passou a ser o bairro mais importante do município de Itaboraí pela economia ao entorno da exploração de calcário e, também, por ser um dos bairros que mais produzia laranjas no município de Itaboraí. A partir dessas atividades o processo de popularização do bairro foi iniciado. A priori, a população era composta pelos trabalhadores da cimenteira e produtores agrícolas. Durante o período de funcionamento da mineração, a região foi bastante próspera devido aos benefícios sociais e econômicos gerados pela exploradora. Todavia, com o fim da atividade mineradora, a região entrou em decadência social e econômica. (SANTOS, 2010) Depois da desativação da atividade de exploração do calcário na bacia de São José houve um esvaziamento demográfico e os trabalhadores da Companhia de Cimentos Mauá e os agentes de outras atividades subexistentes pela atividade de exploração, 5061

8 migraram para outros lugares. Com o vazio demográfico formado pela migração do bairro, o Prefeito Sérgio Soares loteou a área e doou alguns terrenos para pessoas próximas a ele. Atualmente, São José de Itaboraí tem em sua demografia marcas de um passado próspero e depois decadente, vivido pela exploração do calcário e frente à desativação da exploradora. Sua população é composta por pessoas menos favorecidas dentro da lógica capitalista, seus governantes negligenciam suas necessidades básicas e infraestruturais, não dão atenção devida ao bairro. Para (LEFEBVRE, 1973:p.5) a sociedade capitalista é uma totalidade não consumada e, por isso, aberta a inúmeras contradições. Em outros termos é um projeto histórico inacabado (GOTTDIENER, 2010 p.147) Conforme sua análise, o capitalismo deve ser concebido como uma totalidade aberta, como totalidade nunca sistematizada, nunca acabada; nunca perfeita, mas que, contudo, se vai consumando, se vai realizando. Apesar do descaso das autoridades, nas entrevistas é possível perceber a grande demanda de trabalhadores que saem todos os dias do bairro de São José de Itaboraí para fazer parte da morfologia dos grandes centros urbanos dos municípios de Itaboraí, São Gonçalo, Niterói, Maricá e Rio de Janeiro. SPOSITO (2005) reflete sobre a morfologia urbana onde os fluxos se estabelecem a partir de redes sociais e culturais. Um sujeito vai de uma cidade para outra e compõem a morfologia da cidade com relação a sua morfologia social. Ele traz a sua morfologia social para cidade. Segundo CARDOSO (2008) O espaço urbano transformado em força produtiva, subordinado à lógica da mercadoria, transformado ele mesmo em uma mercadoria, onde o valor de troca e as relações de consumo subordinam as formas e os conteúdos do valor de uso que são gerados pela dinâmica da vida cotidiana é um espaço passível de ser fragmentado, homogeneizado, hierarquizado, um espaço alienado e fonte de alienação.. Desta forma o sujeito trabalhador que sai de seu bairro, seu município para vender sua mão de obra e compor a morfologia da cidade em relação a sua morfologia social, não é valorizado frente ao sistema capitalista, as relações de trabalho, ao vínculo empregatício e as funções do trabalho. Também se integra a alienação da lógica capitalista pela subordinação de suas necessidades de subexistência. Apesar da presença de grande importância cientifica, as autoridades do município ainda não produziram nenhum tipo de programa realmente eficaz, que abarque a 5062

9 preservação do Parque Paleontológico e de sua população moradora, tendo em vista que a área do Parque conta com um quantitativo de mais de vinte famílias instaladas, pela própria prefeitura que cedeu o terreno para os mesmos há mais de dez anos. Figura 5: Imagem de dois mamíferos encontrados na bacia calcária de São José de Itaboraí AUSÊNCIAS E CARÊNCIAS DE TRANSPORTE COLETIVO NO BAIRRO DE SÃO JOSÉ DE ITABORAÍ O serviço de transporte coletivo no bairro de São José de Itaboraí é o objeto de estudo desta pesquisa devido aos grandes problemas infraestruturais do bairro. Os moradores reclamam da carência dos serviços oferecidos pela empresa Rio Ita que há mais de vinte anos controla individualmente (Monopólio) os trajetos municipais e intermunicipais do município de Itaboraí, assim como do bairro de São José de Itaboraí. Sem opção, os moradores locais são forçados a serem usuários dos meios de transporte oferecidos pela empresa. Lembrando que a mesma se utiliza de diferentes nomes fantasia para atuar no município Itaboraí, como Staneck, Delrey, Fagundes, Tanguá, Maravilha, Rio de Janeiro e Rio Minho. 5063

10 Figura 6: Pontos de parada da linha 700 (Alcântara x Curuzu). O atual nome fantasia utilizado no bairro de São José de Itaboraí é o nome Fagundes, compreendendo a linha 700 Curuzu, trajeto Alcântara-Curuzu e Curuzu-Alcântara. Para ROSA (2006) A desigualdade social e espacialidade periférica destas populações podem ser mitigadas por uma política de transporte público que promova a mobilidade destas pessoas, aumentando assim o acesso às atividades socioeconômicas, à infra-estrutura pública e a serviços essenciais disponíveis. Na Figura 6 é possível o reconhecimento espacial do trajeto percorrido pelo ônibus da linha 700- Alcântara x Curuzu. Apesar da grande distância percorrida pelos moradores do bairro supracitado, sendo assim usuários do ônibus da linha 700 Curuzu, até o destino final do trajeto que é o bairro de Alcântara no município de São Gonçalo, os moradores associam a precariedade do serviço prestado pela empresa Rio Ita á ausência de demanda suficiente de ônibus na região, demoras no ponto de espera e lotação excedida de pessoas no veiculo automotivo. Questionam, também, a qualidade do serviço e relacionam a falta de estrutura ao monopólio da Rio Ita em Itaboraí, assim como no bairro de São José de 5064

11 Itaboraí. Percepções local das condições de transporte do bairro de São José de Itaboraí Sobre a coleta de dados foram realizadas 40 entrevistas com os moradores do bairro de São José de Itaboraí, a fim de conhecer a realidade socioeconômica dos moradores, sua opinião frente ao descaso infraestrutural das autoridades políticas e, principalmente, a ação de deslocamento dos moradores. O roteiro de entrevista traz quatro perguntas que buscam o alcance socioeconômico e o olhar individual dos sujeitos estudados dentro da problemática analisada. A importância da entrevista acontece através da vontade de tornar visível dentro da pesquisa a reflexão daqueles que sofrem na pele esse cotidiano cansativo e cheio de obstáculos produzidos pela precariedade infraestrutural do bairro de São José de Itaboraí, assim como do município de Itaboraí. Os primeiros resultados foram obtidos através de seguinte pergunta: Como foi que o Sr. (Srª) entrevistado veio residir no bairro São José de Itaboraí? Pode-se observar que do total cinco moradores realizaram a invasão e ocupação das terras onde residem, vinte e tres foram contempladas com terrenos sedidos pela prefeitura e pelo governo do estado, nove vieram para trabalhar na exploração da bacia clcária, apenas dois adquiriram as terras através da compra direta e três disseram não saber como vieram para este local (Figura 7A). Na figura 7B, observa-se a escala temporal na qual os entrevistados estão envolvidos com a dinâmica do bairro, nesse contexto dois entrevistados apenas residem a menos de 10 anos, quinze declaram viver no lugar entre 10 e 14 anos e foi o que teve maior representatividade, logo após os entrevistados que residem entre 20, 30 e 40 anos somaram vinte e dois e apenas um, esta a mais de 40 anos construindo sua identidade neste local. 5065

12 Figura 7: (A) Gráfico da distribuição das peculiaridades de ingresso e (B) Gráfico da distribuição temporal dos moradores no bairro de São José de Itaboraí. A figura 8A tem uma importância impar para o desenvolvimento deste trabalho pois mostra exatamente a função que cada entrevistado exerce como cidadão trabalhador ou não dentro da perspectiva do bairro de São José. Assim os dados coletados demonstraram que a maioria da população é composta de trabalhadores e jovens estudantes, pois trinta e três entrevistaram declaram utilizar o transporte publico para se deslocar até o seu local de trabalho e oito declararam estudar e trabalhar, o que faz refletir sobre seu importante papel social, onde um jovem estudante desde pouca idade já necessita ingressar no mercado de trabalho e apenas um dos entrevistados disse não ser nem estudante, nem trabalhador, pois se declarou aposentado. 5066

13 Figura 8: Gráfico da distribuição ocupacional e dos destinos de trabalho e estudo dos moradores do bairro de São José de Itaboraí. A figura 8B mostra o a variação do destino de trabalho e estudo dos entrevistados. O perfil traçado aponta que a maioria destes ruma para o município de São Gonçalo, alcançando um total numérico de vinte indivíduos. Isso vem a calhar com a quantidade de empregos de segunda ordem oferecidos no bairro do Alcântara e no centro da cidade. Oito entrevistados trabalham na cidade do Rio de Janeiro, mesmo a distância sendo bastante considerável. Um contingente de quatro entrevistados trabalha no centro do município de Itaboraí, que é a sede distrital do bairro de São José. Já no município de Niterói, seis indivíduos fazem suas ocupações profissionais, basicamente nas imediações do centro da cidade e no município de Maricá apenas dois trabalhadores exercem suas atividades. 5067

14 Figura 9: Mapa dos destinos dos entrevistados no bairro de São José de Itaboraí. Na figura 9 podemos observar detalhadamente os trajetos dos destinos demonstrados e discutidos na Figura 8, como também um mosaico de imagens de satélites RapidEye do ano de 2009, demonstrando em suas partes com tonalidade mais clara um grande avanço da urbanização nas áreas que estão no entorno do itinerário da linha de ônibus estudada, principalmente nos centros dos municípios de Itaboraí, São Gonçalo e Rio de Janeiro. CONSIDERAÇÕES FINAIS A CERCA DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS DE TRANSPORTE DA LINHA 700 ALCÂNTARA X CURUZU Após a análises e discussão dos dados apresentados no capítulo anterior chega-se à algumas considerações que demonstram os sentimentos de indignação dos usuários do transporte publico coletivo oferecido na linha 700 (Alcântara x Curuzu). Com as entrevistas foi possível traçar um perfil do passageiro e também tempo de deslocamento para os exercícios de suas atividades. 5068

15 Os entrevistados que trabalham em São Gonçalo gastam por volta de duas horas e trinta minutos diariamente para deslocarem-se de casa para o trabalho e do trabalho para casa. O trabalhador de Itaboraí gasta em média uma hora e trinta minutos, contudo vale ressaltar que este tempo vem aumentando com o aumento do fluxo de veículos na RJ 104 motivados com as atividades relacionadas ao COMPERJ. Para exercer atividade em Niterói se gasta três horas e trinta minutos, pois além de ter que buscar mais uma linha de ônibus, pouco antes do horário comercial tanto na RJ 104 como na BR 101 acontece engarrafamentos longos e diários, salvo nos domingos. Quem conseguiu ser empregado na cidade do Rio de Janeiro realiza uma verdadeira peregrinação, pois pelo tempo de deslocamento ser extremamente longo, por volta de quatro horas, todo trajeto é interferido pelo engarrafamento diário na Ponte Presidente Costa e Silva (Ponte Rio-Niterói). Para trabalhar no município de Maricá enfrenta um sério problema por não existir uma linha direta, então tem que se deslocar para Niterói para depois rumar para Maricá ou fazer uso de transportes clandestino que utilizam de caminhos alternativos. Além do tempo de deslocamento dos entrevistados ser extremamente longo, duras críticas foram engendradas em relação a qualidade dos veículos, que geralmente não possuem instrumentos de segurança, e visivelmente não passam por manutenção regular e ar condicionado é artigo de luxo que nenhum veiculo possui. As percepções obtidas neste trabalham não esgotam o assunto dos transportes públicos no bairro de São José, mas busca servir como um subsídio inicial para o planejamento e gestão da linha 700 e também como um ponta pé para a denuncia às péssimas condições dos veículos disponibilizados para esta linha. REFERÊNCIAS CARDOSO, Isabel C. da Costa. À procura de antigos e novos diálogos entre o direito à cidade e o direito ao trabalho: a cidade do Rio de Janeiro em foco. In: GOMES, Maria de Fátima C.M., FERNANDES, Lenise L. e MAIA, Rosemere S. In: Interlocuções urbanas: cenários, enredos e atores. Rio de Janeiro, Editora Arco Iris, CARLOS, Ana Fani Alessandri. O espaço urbano.novos escritos sobre a cidade. São Paulo, Contexto, CORRÊA, Roberto Lobato. Estudos sobre a rede urbana. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, GOTTDIENER, Mark. A produção social do espaço urbano. São Paulo, Edusp, INSTITUTO BRASILEIRO DE ESTATISTICA (IBGE). Carlos José GEOGRAFIA Lessa (Coordenador). Anuário estatístico do Brasil, Volume 71. Ed. Wasmália. Brasília, SANTOS, Milton. A urbanização Brasileira. Paulo: Hucitec, São SPOSITO, Maria Encarnação Beltrão. Capitalismo e 5069

16 urbanização. IN.: Industrialização e urbanização. 15. ed. São Paulo: Contexto, (p ). LEFEBVRE, Henri. A Re-produção das relações de produção. (tradução da 1ª parte de La survie du capitalisme). Porto, Edições Escorpião,

17 (I)MOBILIDADE URBANA: OS IMPACTOS SOFRIDOS PELOS MORADORES DE SÃO JOSÉ DE ITABORAÍ FRENTE Á PRECARIEDADE DO SERVIÇO DE TRANSPORTE PÚBLICO DO BAIRRO EIXO 3 Desigualdades urbano-regionais: agentes, políticas e perspectivas RESUMO São José pertencente ao 6 distrito do município de Itaboraí que faz parte do Estado do Rio de Janeiro. É um bairro que pode ser enquadrado como aqueles que se encontram na franja rural-urbana, com uma população que gira em torno de cerca de habitantes. Como muitos outros bairros periféricos do Brasil a fora, a população de São José de Itaboraí, que utilizam o transporte coletivo público de ônibus, possui sérios problemas para o deslocamento entre o lugar de moradia e outros pontos com maior centralidade. Por outro lado, o transporte alternativo que poderia representar outra possibilidade, também não consegue suprir as necessidades da população. Assim, esta proposta de trabalho irá examinar, no contexto dos princípios da mobilidade urbana, tendo como ponto de partida o bairro de São José, os problemas do transporte coletivo por ônibus como parte da qualidade de vida das pessoas. Palavras-chave: mobilidade urbana; infraestrutura; São José e Itaboraí. 5071

Metodologia. Resultados

Metodologia. Resultados ENCONTRO INTERNACIONAL PARTICIPAÇÃO, DEMOCRACIA E POLÍTICAS PÚBLICAS: APROXIMANDO AGENDAS E AGENTES UNESP SP 23 a 25 de abril de 2013, UNESP, Araraquara (SP) AGENTES SOCIAIS E A PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO

Leia mais

I Simposio de Geoparques y Geoturismo en Chile

I Simposio de Geoparques y Geoturismo en Chile I Simposio de Geoparques y Geoturismo en Chile 1 I Simposio de Geoparques y Geoturismo en Chile Propostas para conservação, valorização e divulgação do patrimônio geológico de São José de Itaboraí - Itaboraí,

Leia mais

A QUESTÃO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BAIRRO SANGA FUNDA, PELOTAS, RS.

A QUESTÃO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BAIRRO SANGA FUNDA, PELOTAS, RS. A QUESTÃO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BAIRRO SANGA FUNDA, PELOTAS, RS. Carina da Silva UFPel, carinasg2013@gmail.com INTRODUÇÃO A atual sociedade capitalista tem como alicerce, que fundamenta sua manutenção,

Leia mais

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis Fabiana Cristina da Luz luz.fabiana@yahoo.com.br Universidade Cruzeiro do Sul Palavras-chave: Urbanização

Leia mais

A REDE URBANA NO VALE DO PARAÍBA: ESTAGNAÇÃO ECONÔMICA DO MUNÍCIPIO DE REDENÇÃO DA SERRA

A REDE URBANA NO VALE DO PARAÍBA: ESTAGNAÇÃO ECONÔMICA DO MUNÍCIPIO DE REDENÇÃO DA SERRA A REDE URBANA NO VALE DO PARAÍBA: ESTAGNAÇÃO ECONÔMICA DO MUNÍCIPIO DE REDENÇÃO DA SERRA RODRIGO ALEXANDRE PEREIRA CALDERARO 1 e EVÂNIO DOS SANTOS BRANQUINHO 2 calderaro.ro@gmail.com; evanio.branquinho@unifal-mg.edu.br

Leia mais

CONTEÚDOS DE GEOGRAFIA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

CONTEÚDOS DE GEOGRAFIA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO DE GEOGRAFIA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO João Lyra Neto SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES Ricardo Dantas SECRETÁRIA EXECUTIVA

Leia mais

Mobilidade Urbana COMO SE FORMAM AS CIDADES? 06/10/2014

Mobilidade Urbana COMO SE FORMAM AS CIDADES? 06/10/2014 Mobilidade Urbana VASCONCELOS, Eduardo Alcântara de. Mobilidade urbana e cidadania. Rio de Janeiro: SENAC NACIONAL, 2012. PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL LUCIANE TASCA COMO SE FORMAM AS CIDADES? Como um

Leia mais

UMA ALTERNATIVA NA PRÁTICA DOCENTE: ENSINANDO A URBANIZAÇÃO COM O JOGO SIMCITY 3000. Palavras-chave: Simcity3000. Urbanização. Ensino-aprendizagem.

UMA ALTERNATIVA NA PRÁTICA DOCENTE: ENSINANDO A URBANIZAÇÃO COM O JOGO SIMCITY 3000. Palavras-chave: Simcity3000. Urbanização. Ensino-aprendizagem. UMA ALTERNATIVA NA PRÁTICA DOCENTE: ENSINANDO A URBANIZAÇÃO COM O JOGO SIMCITY 3000 Thiago Kiyoschi Igarashi Kikuchi 1 A falta de interesse e o descomprometimento discente, entre outros problemas, levam

Leia mais

A PRODUÇÃO SOCIOESPACIAL DO BAIRRO PINHEIRINHO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP: A BUSCA PELA CIDADANIA

A PRODUÇÃO SOCIOESPACIAL DO BAIRRO PINHEIRINHO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP: A BUSCA PELA CIDADANIA A PRODUÇÃO SOCIOESPACIAL DO BAIRRO PINHEIRINHO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP: A BUSCA PELA CIDADANIA Ana Lia Ferreira Mendes de Carvalho liafmc@yahoo.com.br Geografia Bacharelado - UNIFAL-MG INTRODUÇÃO O presente

Leia mais

Danilo Munhoz Alves Corrêa Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC-Rio danilomunhoz@globo.com. 1 - Introdução

Danilo Munhoz Alves Corrêa Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC-Rio danilomunhoz@globo.com. 1 - Introdução Sistema Modal de Transportes no Município do Rio de Janeiro: a modernização dos eixos de circulação na cidade carioca para a Copa do Mundo de Futebol em 2014 e as Olimpíadas em 2016. 1 - Introdução Danilo

Leia mais

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a 1. INTRODUÇÃO Muitas e intensas transformações ambientais são resultantes das relações entre o homem e o meio em que ele vive, as quais se desenvolvem num processo histórico. Como reflexos dos desequilíbrios

Leia mais

O ESPAÇO PÚBLICO NA CIDADE CONTEMPORÂNEA: O COMPLEXO RECREATIVO CLUBE DO POVO DE CATALÃO (GO)

O ESPAÇO PÚBLICO NA CIDADE CONTEMPORÂNEA: O COMPLEXO RECREATIVO CLUBE DO POVO DE CATALÃO (GO) O ESPAÇO PÚBLICO NA CIDADE CONTEMPORÂNEA: O COMPLEXO RECREATIVO CLUBE DO POVO DE CATALÃO (GO) Palavras-chave: espaço público, cidade, capital. Patrícia Souza Rocha Marçal Universidade Federal de Goiás

Leia mais

INCLUSÃO DE HABITAÇÕES SOCIAIS PARA REQUALIFICAÇÃO DA ÁREA CENTRAL DE PRESIDENTE PRUDENTE

INCLUSÃO DE HABITAÇÕES SOCIAIS PARA REQUALIFICAÇÃO DA ÁREA CENTRAL DE PRESIDENTE PRUDENTE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 244 INCLUSÃO DE HABITAÇÕES SOCIAIS PARA REQUALIFICAÇÃO DA ÁREA CENTRAL DE PRESIDENTE PRUDENTE João Victor de Souza

Leia mais

Projeto Cidade da Copa : influência na mobilidade da Zona da Mata Norte do Estado de Pernambuco

Projeto Cidade da Copa : influência na mobilidade da Zona da Mata Norte do Estado de Pernambuco Danilo Corsino de Queiróz Albuquerque¹ Ana Regina Marinho Dantas Barboza da Rocha Serafim² ¹Graduando do 5º Período no Curso de Licenciatura em Geografia pela Universidade de Pernambuco (UPE), E-mail:

Leia mais

Figura 5 - Mapa no papel vegetal pronto Autor: PEREIRA, T. mar/2006.

Figura 5 - Mapa no papel vegetal pronto Autor: PEREIRA, T. mar/2006. 55 Figura 5 - Mapa no papel vegetal pronto Autor: PEREIRA, T. mar/2006. Depois desta etapa no módulo seguinte realizou-se um trabalho de campo na área localizada anteriormente, registraram-se as coordenadas

Leia mais

MIGRAÇÃO E RELAÇÃO CAMPO-CIDADE 1

MIGRAÇÃO E RELAÇÃO CAMPO-CIDADE 1 MIGRAÇÃO E RELAÇÃO CAMPO-CIDADE 1 Débora Aparecida Tombini* Marcos Aurélio Saquet** INTRODUÇÃO Desde o surgimento da vida humana na Terra até o início do século XIX, a população cresceu em ritmo lento

Leia mais

CENTRALIDADE POLINUCLEADA: UMA ANÁLISE DOS SUBCENTROS POPULARES DE GOIÂNIA O CASO DO SETOR CAMPINAS

CENTRALIDADE POLINUCLEADA: UMA ANÁLISE DOS SUBCENTROS POPULARES DE GOIÂNIA O CASO DO SETOR CAMPINAS CENTRALIDADE POLINUCLEADA: UMA ANÁLISE DOS SUBCENTROS POPULARES DE GOIÂNIA O CASO DO SETOR CAMPINAS Flavia Maria de Assis Paula 1,3 Elaine Alves Lobo Correa 2,3 José Vandério Cirqueira Pinto 2,3 RESUMO

Leia mais

Estudo Estratégico n o 6. Mobilidade urbana e mercado de trabalho na Região Metropolitana do Rio de Janeiro Danielle Carusi Machado e Vitor Mihessen

Estudo Estratégico n o 6. Mobilidade urbana e mercado de trabalho na Região Metropolitana do Rio de Janeiro Danielle Carusi Machado e Vitor Mihessen Estudo Estratégico n o 6 Mobilidade urbana e mercado de trabalho na Região Metropolitana do Rio de Janeiro Danielle Carusi Machado e Vitor Mihessen PANORAMA GERAL Processo de urbanização: expansão territorial

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO E CUSTO DA TERRA: TENDÊNCIAS DE EXPANSÃO DA CIDADE DE CURITIBA

VERTICALIZAÇÃO E CUSTO DA TERRA: TENDÊNCIAS DE EXPANSÃO DA CIDADE DE CURITIBA VERTICALIZAÇÃO E CUSTO DA TERRA: TENDÊNCIAS DE EXPANSÃO DA CIDADE DE CURITIBA Gislene Pereira Universidade Federal do Paraná (UFPR) gislenepereira42@gmail.com Bruna Gregorini Universidade Federal do Paraná

Leia mais

AS TRANSFORMAÇÕES NA PAISAGEM A PARTIR DA IMPLANTAÇÃO DO LAGO DE FURNAS NO MUNICÍPIO DE FAMA-MG

AS TRANSFORMAÇÕES NA PAISAGEM A PARTIR DA IMPLANTAÇÃO DO LAGO DE FURNAS NO MUNICÍPIO DE FAMA-MG AS TRANSFORMAÇÕES NA PAISAGEM A PARTIR DA IMPLANTAÇÃO DO LAGO DE FURNAS NO MUNICÍPIO DE FAMA-MG Tamiris Batista Diniz tamirisbdiniz@hotmail.com Discente Geografia UNIFAL-MG 349 Ana Rute do Vale ana.vale@unifal-mg.edu.br

Leia mais

A urbanização Brasileira

A urbanização Brasileira A urbanização Brasileira Brasil Evolução da população ruralurbana entre 1940 e 2006. Fonte: IBGE. Anuário estatístico do Brasil, 1986, 1990, 1993 e 1997; Censo demográfico, 2000; Síntese Fonte: IBGE. Anuário

Leia mais

PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO A PARTIR DA MEMÓRIA: O CASO REALENGO. Palavras-chave: Memória Urbana. Geografia Urbana. Geografia Histórica. Realengo.

PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO A PARTIR DA MEMÓRIA: O CASO REALENGO. Palavras-chave: Memória Urbana. Geografia Urbana. Geografia Histórica. Realengo. PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO A PARTIR DA MEMÓRIA: O CASO REALENGO MENDES, Andréa Ribeiro (Orientador) 1 SILVA, Fábio Ferreira da (Co-orientador) 2 SILVA, Luciana Conceição da 3 Palavras-chave: Memória Urbana.

Leia mais

O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO E A MOBILIDADE DO CAMPO PARA A CIDADE EM BELO CAMPO/BA

O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO E A MOBILIDADE DO CAMPO PARA A CIDADE EM BELO CAMPO/BA O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO E A MOBILIDADE DO CAMPO PARA A CIDADE EM BELO CAMPO/BA Silmara Oliveira Moreira 1 Graduanda em Geografia/UESB, Bolsista da UESB E-mail: silmara.geo@gmail.com Resumo: O objetivo

Leia mais

EDUCAÇÃO GEOGRÁFICA E RISCOS SOCIOAMBIENTAIS: EXPERIÊNCIAS EM ATIVIDADES DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA

EDUCAÇÃO GEOGRÁFICA E RISCOS SOCIOAMBIENTAIS: EXPERIÊNCIAS EM ATIVIDADES DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA EDUCAÇÃO GEOGRÁFICA E RISCOS SOCIOAMBIENTAIS: EXPERIÊNCIAS EM ATIVIDADES DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Carla Juscélia de Oliveira Souza Departamento de Geociências, Curso de Geografia, Universidade Federal

Leia mais

MOBILIDADE URBANA EM PRESIDENTE PRUDENTE: O TRANSPORTE COLETIVO E SUAS POSSIBILIDADES

MOBILIDADE URBANA EM PRESIDENTE PRUDENTE: O TRANSPORTE COLETIVO E SUAS POSSIBILIDADES 480 MOBILIDADE URBANA EM PRESIDENTE PRUDENTE: O TRANSPORTE COLETIVO E SUAS POSSIBILIDADES Poliana de Oliveira Basso¹, Sibila Corral de Arêa Leão Honda². ¹Discente do curso de Arquitetura e Urbanismo da

Leia mais

História da Habitação em Florianópolis

História da Habitação em Florianópolis História da Habitação em Florianópolis CARACTERIZAÇÃO DAS FAVELAS EM FLORIANÓPOLIS No início do século XX temos as favelas mais antigas, sendo que as primeiras se instalaram em torno da região central,

Leia mais

Classes multisseriadas e nucleação das escolas: um olhar sobre a realidade da Educação do Campo

Classes multisseriadas e nucleação das escolas: um olhar sobre a realidade da Educação do Campo Classes multisseriadas e nucleação das escolas: um olhar sobre a realidade da Educação do Campo Segundo Fagundes & Martini (2003) as décadas de 1980 e 1990 foram marcadas por um intenso êxodo rural, provocado

Leia mais

Reconstruindo o Conceito de Moradia: A Experiência do Plano Local de Habitação de Interesse Social em Paiçandu

Reconstruindo o Conceito de Moradia: A Experiência do Plano Local de Habitação de Interesse Social em Paiçandu Beatriz Fleury e Silva bfsilva@iem.br Msc. Engenharia Urbana. Docente curso de arquitetura Universidade Estadual de Maringá Reconstruindo o Conceito de Moradia: A Experiência do Plano Local de Habitação

Leia mais

SITUAÇÃO DO SANEAMENTO BÁSICO DO BAIRRO KIDÉ, JUAZEIRO/BA: UM ESTUDO DE CASO NO ÂMBITO DO PET CONEXÕES DE SABERES SANEAMENTO AMBIENTAL

SITUAÇÃO DO SANEAMENTO BÁSICO DO BAIRRO KIDÉ, JUAZEIRO/BA: UM ESTUDO DE CASO NO ÂMBITO DO PET CONEXÕES DE SABERES SANEAMENTO AMBIENTAL SITUAÇÃO DO SANEAMENTO BÁSICO DO BAIRRO KIDÉ, JUAZEIRO/BA: UM ESTUDO DE CASO NO ÂMBITO DO PET CONEXÕES DE SABERES SANEAMENTO AMBIENTAL Juliana Maria Medrado de Melo (1) Graduanda em Engenharia Agrícola

Leia mais

URBANIZAÇÃO BRASILEIRA: ALGUNS COMENTÁRIOS. Profa. Dra. Vera Lúcia Alves França

URBANIZAÇÃO BRASILEIRA: ALGUNS COMENTÁRIOS. Profa. Dra. Vera Lúcia Alves França URBANIZAÇÃO BRASILEIRA: ALGUNS COMENTÁRIOS Profa. Dra. Vera Lúcia Alves França A década de 1930 do século XX traz para a população brasileira um novo momento, quanto a sua distribuição. Até então, a população

Leia mais

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE. DA REPRODUÇÃO DA VIDA E PODE SER ANALISADO PELA TRÍADE HABITANTE- IDENTIDADE-LUGAR. OBJETIVOS ESPECÍFICOS A. Caracterizar o fenômeno da urbanização como maior intervenção humana

Leia mais

ANÁLISE DOCENTE SOBRE O TEMA MONUMENTO NATURAL VALE DOS DINOSSAUROS, NAS ESCOLAS DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DE SOUSA-PB.

ANÁLISE DOCENTE SOBRE O TEMA MONUMENTO NATURAL VALE DOS DINOSSAUROS, NAS ESCOLAS DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DE SOUSA-PB. ANÁLISE DOCENTE SOBRE O TEMA MONUMENTO NATURAL VALE DOS DINOSSAUROS, NAS ESCOLAS DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DE SOUSA-PB. Mariana Moreira Torres Gadelha [marianamtgadelha@gmail.com] Marcus José Conceição

Leia mais

LANÇAMENTO PLATAFORMA IDS MESA 2 DESAFIOS PARA A DEFESA DA VIDA E DO BEM-ESTAR DO CIDADÃO

LANÇAMENTO PLATAFORMA IDS MESA 2 DESAFIOS PARA A DEFESA DA VIDA E DO BEM-ESTAR DO CIDADÃO LANÇAMENTO PLATAFORMA IDS MESA 2 DESAFIOS PARA A DEFESA DA VIDA E DO BEM-ESTAR DO CIDADÃO Local: Sala Crisantempo Data : 12/12/2014 Horário: 9h30 às 13h30 Expositores: Ricardo Paes de Barros - Subsecretário

Leia mais

O papel do estado na formação espacial urbana da conurbação Aparecida- Guaratinguetá: breve estudo do passado socioeconômico.

O papel do estado na formação espacial urbana da conurbação Aparecida- Guaratinguetá: breve estudo do passado socioeconômico. Ivo Francisco Barbosa¹ Universidade Federal Fluminense ivo_francisco@hotmail.com O papel do estado na formação espacial urbana da conurbação Aparecida- Guaratinguetá: breve estudo do passado socioeconômico.

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA DA QUALIDADE DE VIDA NA CIDADE DE ARACRUZ.

RELATÓRIO DA PESQUISA DA QUALIDADE DE VIDA NA CIDADE DE ARACRUZ. RELATÓRIO DA PESQUISA DA QUALIDADE DE VIDA NA CIDADE DE ARACRUZ. Apresentação Este relatório contém os resultados da 1ª pesquisa de Qualidade de Vida na cidade de Aracruz solicitada pela FACE. O objetivo

Leia mais

Planejamento Anual. Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015. Professor(s): Júlio

Planejamento Anual. Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015. Professor(s): Júlio Planejamento Anual Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015 Professor(s): Júlio APRESENTAÇÃO: Percebemos ser de fundamental importância que o aluno da 2 Ano do Ensino Fundamental possua

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2012 DISCIPLINA: GEOGRAFIA - PROFESSOR: ADEMIR REMPEL SÉRIE: 8º

Leia mais

Mobilidade Urbana Urbana

Mobilidade Urbana Urbana Mobilidade Urbana Urbana A Home Agent realizou uma pesquisa durante os meses de outubro e novembro, com moradores da Grande São Paulo sobre suas percepções e opiniões em relação à mobilidade na cidade

Leia mais

A PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO NO BAIRRO DA MARAMBAIA, BELÉM-PA: UM ESTUDO DE CASO

A PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO NO BAIRRO DA MARAMBAIA, BELÉM-PA: UM ESTUDO DE CASO A PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO NO BAIRRO DA MARAMBAIA, BELÉM-PA: UM ESTUDO DE CASO Evandro Neves evandronevez@live.com Universidade do Estado do Pará Filipe Dias Evandro Neves li.pedias@hotmail.com Universidade

Leia mais

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano SANTANA, Ludmylla Siqueira 1 RIBEIRO, José Pedro Machado 2 SOUZA, Roberto Barcelos 2

Leia mais

Governança social integrada e desenvolvimento local: o plano de desenvolvimento sustentável da Costa das Baleias - Bahia

Governança social integrada e desenvolvimento local: o plano de desenvolvimento sustentável da Costa das Baleias - Bahia Governança social integrada e desenvolvimento local: o plano de desenvolvimento sustentável da Costa das Baleias - Bahia 25/06/ 2013 1 Contexto Região, situada ao Extremo Sul da Bahia, necessita de um

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS ISSN 2316-7785 FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS José André Tavares de Oliveira Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

Formação docente e movimentos sociais: diálogos e tensões cotidianas

Formação docente e movimentos sociais: diálogos e tensões cotidianas A PRÁTICA PEDAGÓGICA E MOVIMENTOS SOCIAIS: DIÁLOGOS FORMATIVOS PARA O TRABALHO DOCENTE NA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA Eliziane Santana dos Santos 1 Ludmila Oliveira Holanda Cavalcante 2 ¹ Bolsista FAPESB,

Leia mais

TRANSPORTE COLETIVO URBANO E ACESSIBILIDADE NA ÁREA CENTRAL DE TERESINA: um instrumento na (re) organização do espaço

TRANSPORTE COLETIVO URBANO E ACESSIBILIDADE NA ÁREA CENTRAL DE TERESINA: um instrumento na (re) organização do espaço TRANSPORTE COLETIVO URBANO E ACESSIBILIDADE NA ÁREA CENTRAL DE TERESINA: um instrumento na (re) organização do espaço Maria do Socorro Ribeiro de Melo Universidade Federal do Piauí-UFPI, Mestranda em Geografia

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS COORDENAÇÃO DO CURSO DE GEOGRAFIA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS COORDENAÇÃO DO CURSO DE GEOGRAFIA 1. EMENTA O processo de urbanização e as redes urbanas. As novas tendências do crescimento urbano. A produção e a (re) produção da cidade e dos espaços urbanos, a estrutura, interna e sua relação com a

Leia mais

O trabalho compreende a análise de três TCC - Trabalho de Conclusão de Curso.

O trabalho compreende a análise de três TCC - Trabalho de Conclusão de Curso. III Congresso Internacional III Congresso Internacional, I Simpósio Ibero-Americano e VIII Encontro Nacional de Riscos Guimarães RISCO AMBIENTAL E VULNERABILIDADE: DISCUSSÃO CONCEITUAL A PARTIR DE TRABALHOS

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM.

RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM. RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM. Andréa Viviana Waichman* João Tito Borges** INTRODUÇÃO Nas últimas décadas

Leia mais

OS DILEMAS DA DICOTOMIA RURAL-URBANO: ALGUMAS REFLEXÕES.

OS DILEMAS DA DICOTOMIA RURAL-URBANO: ALGUMAS REFLEXÕES. OS DILEMAS DA DICOTOMIA RURAL-URBANO: ALGUMAS REFLEXÕES. Fausto Brito Marcy R. Martins Soares Ana Paula G.de Freitas Um dos temas mais discutidos nas Ciências Sociais no Brasil é o verdadeiro significado,

Leia mais

Projeto Viva a Alameda

Projeto Viva a Alameda Projeto Viva a Alameda Janeiro 2012 I. Enquadramento a. Política de Cidades o instrumento PRU b. Sessões Temáticas II. A PRU de Oliveira do Bairro a. Visão b. Prioridades Estratégicas c. Área de Intervenção

Leia mais

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014 GEOGRAFIA QUESTÃO 1 A Demografia é a ciência que estuda as características das populações humanas e exprime-se geralmente através de valores estatísticos. As características da população estudadas pela

Leia mais

Dinamização imobiliária no entorno da unidade de conservação Mata de Santa Genebra, Campinas (SP)

Dinamização imobiliária no entorno da unidade de conservação Mata de Santa Genebra, Campinas (SP) Dinamização imobiliária no entorno da unidade de conservação Mata de Santa Genebra, Campinas (SP) Mariana Ferreira Cisotto maricisotto@yahoo.com.br IG/UNICAMP Antonio Carlos Vitte IG/UNICAMP Palavras-chave:

Leia mais

PORTO ALEGRE EM ANÁLISE 2013

PORTO ALEGRE EM ANÁLISE 2013 PORTO ALEGRE EM ANÁLISE 2013 Na data em que Porto Alegre comemora seus 241 anos de fundação, o Observatório da Cidade apresenta o Porto Alegre em Análise 2013. Trata-se de um espaço que tem como desafio

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA SILVA, Lourdes Helena da - UFV GT: Educação Fundamental /n.13 Agência Financiadora:

Leia mais

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências boletim Jovem de Futuro ed. 04-13 de dezembro de 2013 Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências O Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013 aconteceu de 26 a 28 de novembro.

Leia mais

MAPEAMENTO DE PESQUISAS EDUCACIONAIS EM TORNO DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA TEMAS E DEBATES DAS PESQUISAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (2005-2010)

MAPEAMENTO DE PESQUISAS EDUCACIONAIS EM TORNO DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA TEMAS E DEBATES DAS PESQUISAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (2005-2010) MAPEAMENTO DE PESQUISAS EDUCACIONAIS EM TORNO DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA TEMAS E DEBATES DAS PESQUISAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (2005-2010) Taílla Caroline Souza Menezes¹ e Ludmila Oliveira Holanda

Leia mais

PROCESSO DE METROPOLIZAÇÃO. desigualmente mudando de natureza e de composição, exigindo

PROCESSO DE METROPOLIZAÇÃO. desigualmente mudando de natureza e de composição, exigindo Geografia urbana Costa, 2002 1 PROCESSO DE METROPOLIZAÇÃO! As porções do território ocupadas pelo homem vão desigualmente mudando de natureza e de composição, exigindo uma nova definição. As noções de

Leia mais

Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento

Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento S. M. R. Alberto 38 Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento Solange Maria Rodrigues Alberto Pedagoga Responsável pelo

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL COMO SUBSÍDIO À GESTÃO DAS ÁREAS DE VULNERABILIDADE AMBIENTAL DA CIDADE DE CORUMBÁ - MS

DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL COMO SUBSÍDIO À GESTÃO DAS ÁREAS DE VULNERABILIDADE AMBIENTAL DA CIDADE DE CORUMBÁ - MS DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL COMO SUBSÍDIO À GESTÃO DAS ÁREAS DE VULNERABILIDADE AMBIENTAL DA CIDADE DE CORUMBÁ - MS Nayane Cristina Costa Silva *, Graciela Gonçalves de Almeida, Joelson Gonçalves Pereira

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam a autoestima

Leia mais

Palavras chave: Expansão Urbana;Sensoriamento Remoto; SIG e Supressão da vegetação.

Palavras chave: Expansão Urbana;Sensoriamento Remoto; SIG e Supressão da vegetação. SENSORIAMENTO REMOTO E SIG APLICADOS NA ANÁLISE DA EXPANSÃO URBANA NA REGIÃO SUDOESTE DA CIDADE DE MONTES CLAROS MG E A SUPRESSÃO DA VEGETAÇÃO NOS ANOS DE 2000 Á 2011 OLIVEIRA, Gustavo Henrique Gomes de

Leia mais

ESPAÇOS MIGRATÓRIOS E REDES SOCIAIS NA CIDADE DE PRUDENTÓPOLIS-PR

ESPAÇOS MIGRATÓRIOS E REDES SOCIAIS NA CIDADE DE PRUDENTÓPOLIS-PR ESPAÇOS MIGRATÓRIOS E REDES SOCIAIS NA CIDADE DE PRUDENTÓPOLIS-PR Vanessa dos Santos Pereira Discente do curso de Geografia da UNICENTRO-Irati Bolsista do Programa Institucional de Iniciação Científica

Leia mais

Cultura Material em Exposição: Museu do Couro e do Zé Didor, Campo Maior, Piauí

Cultura Material em Exposição: Museu do Couro e do Zé Didor, Campo Maior, Piauí 1 Cultura Material em Exposição: Museu do Couro e do Zé Didor, Campo Maior, Piauí Felipe de Sousa Soares* Felipe Rocha Carvalho Lima** Petherson Farias de Oliveira*** 1. Introdução O texto visa apresentar

Leia mais

Urbanização no Brasil

Urbanização no Brasil Urbanização no Brasil Urbanização é o aumento proporcional da população urbana em relação à população rural. Segundo esse conceito, só ocorre urbanização quando o crescimento da população urbana é superior

Leia mais

PALESTRA A SER PROFERIDA EM QUITO PELO SR SECRETÁRIO DE ESTADO DE TRANSPORTES DO DISTRITO FEDERAL

PALESTRA A SER PROFERIDA EM QUITO PELO SR SECRETÁRIO DE ESTADO DE TRANSPORTES DO DISTRITO FEDERAL PALESTRA A SER PROFERIDA EM QUITO PELO SR SECRETÁRIO DE ESTADO DE TRANSPORTES DO DISTRITO FEDERAL Senhoras e senhores É com grande satisfação que participo dessa primeira Conferência de Gerenciamento de

Leia mais

Mobilidade Urbana na área urbana de Tefé- AM: um estudo sobre o mototaxi como meio de deslocamento

Mobilidade Urbana na área urbana de Tefé- AM: um estudo sobre o mototaxi como meio de deslocamento Mobilidade Urbana na área urbana de Tefé- AM: um estudo sobre o mototaxi como meio de deslocamento Jouber da Costa e Silva¹ Universidade Federal do Amazonas-Ufam Joubercs@gmail.com ¹ Mestrando em Geografia

Leia mais

PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DO PARQUE DOM PEDRO II

PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DO PARQUE DOM PEDRO II PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DO PARQUE DOM PEDRO II UFJF Faculdade de Engenharia - Dep. de Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Projeto VIII Prof: Luciane Tasca Grupo: Jeanny Vieira, Livia Cosentino, Marília

Leia mais

Carências no acesso a serviços e informalidade nas favelas cariocas Dialogando com as pesquisas recentes. Sergio Guimarães Ferreira Maína Celidonio

Carências no acesso a serviços e informalidade nas favelas cariocas Dialogando com as pesquisas recentes. Sergio Guimarães Ferreira Maína Celidonio Carências no acesso a serviços e informalidade nas favelas cariocas Dialogando com as pesquisas recentes Sergio Guimarães Ferreira Maína Celidonio Estrutura da apresentação Distribuição e crescimento populacional

Leia mais

OS PADRÕES DE MOBILIDADE DAS MÃES DE FAMÍLIAS.

OS PADRÕES DE MOBILIDADE DAS MÃES DE FAMÍLIAS. OS PADRÕES DE MOBILIDADE DAS MÃES DE FAMÍLIAS. Silva, Ligia M. da (1) ; Marchi, Maria Eugenia V. (1) ; Granja, Rafael C. (1) ; Waisman, J. (2) Escola Politécnica da USP, Av. Prof. Almeida Prado Travessa

Leia mais

Mapa 11: Itinerários das Linhas Diametrais - por Grupo de Operação. Ribeirão Preto - SP/2010

Mapa 11: Itinerários das Linhas Diametrais - por Grupo de Operação. Ribeirão Preto - SP/2010 200000 205000 210000 215000 220000 Mapa 11: Itinerários das Linhas Diametrais - por Grupo de Operação. Ribeirão Preto - SP/2010 7660000 7665000 195000 Legenda Linhas Diametrais Rápido D Oeste (4) 7655000

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Expansão urbana em Áreas de Proteção Ambiental: um estudo sobre os conflitos socioambientais na cidade de São Luís-MA

Expansão urbana em Áreas de Proteção Ambiental: um estudo sobre os conflitos socioambientais na cidade de São Luís-MA Expansão urbana em Áreas de Proteção Ambiental: um estudo sobre os conflitos socioambientais na cidade de São Luís-MA Resumo: Debate em teoria social. GT-15: Meio Ambiente Sociedade e Desenvolvimento Sustentável.

Leia mais

CONFECÇÃO DE GUIA EDUCACIONAL COMO MATERIAL DIDÁTICO PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA E CIÊNCIAS

CONFECÇÃO DE GUIA EDUCACIONAL COMO MATERIAL DIDÁTICO PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA E CIÊNCIAS CONFECÇÃO DE GUIA EDUCACIONAL COMO MATERIAL DIDÁTICO PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA E CIÊNCIAS ROCHA, Isabel Rodrigues da¹; CABRAL, João Batista Pereira²; SILVA, Hellen Fabiane Franco³; DE PAULA, Makele Rosa

Leia mais

A URBANIZAÇÃO SOB O CAPITALISMO E SEUS PROBLEMAS. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério

A URBANIZAÇÃO SOB O CAPITALISMO E SEUS PROBLEMAS. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério A URBANIZAÇÃO SOB O CAPITALISMO E SEUS PROBLEMAS 1 Industrialização e urbanização A industrialização dá o tom da urbanização contemporânea; Teve seu início próxima as áreas de matériasprimas e água; Ela

Leia mais

Entrevista com Edgard Porto (Transcrição) (Tempo Total 26:33)

Entrevista com Edgard Porto (Transcrição) (Tempo Total 26:33) Entrevista com Edgard Porto (Transcrição) (Tempo Total 26:33) Edgard: A idéia [desta entrevista] é a gente comentar dez características da globalização e seus reflexos em Salvador. Meu nome é Edgard Porto,

Leia mais

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE Adriele Albertina da Silva Universidade Federal de Pernambuco, adrielealbertina18@gmail.com Nathali Gomes

Leia mais

PARTICIPAÇÃO NA VELHICE: POLÍTICAS PÚBLICAS E CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADES ENTRE IDOSOS INSERIDOS EM GRUPOS E ASSOCIAÇÕES

PARTICIPAÇÃO NA VELHICE: POLÍTICAS PÚBLICAS E CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADES ENTRE IDOSOS INSERIDOS EM GRUPOS E ASSOCIAÇÕES PARTICIPAÇÃO NA VELHICE: POLÍTICAS PÚBLICAS E CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADES ENTRE IDOSOS INSERIDOS EM GRUPOS E ASSOCIAÇÕES Kátia Ramos Silva (Doutoranda PPGS/UFPB) E-mail: katya6@gmail.com I. INTRODUÇÃO A

Leia mais

Mapa 09 Área Central de PiracicabaOcupação do Solo. Urbano

Mapa 09 Área Central de PiracicabaOcupação do Solo. Urbano L E I T U R A E I N T E R P R E T A Ç Ã O D A S I T U A Ç Ã O U R B A N A Mapa 09 de PiracicabaOcupação do Solo Urbano P L A N O D E A Ç Ã O P A R A R E A B I L I T A Ç Ã O U R B A N A D A Á R E A C E

Leia mais

APLICAÇÃO DE MÉTODO DE LOCALIZAÇÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS E MONITORAMENTO DA VARIAÇÃO DO VALOR DO SOLO.

APLICAÇÃO DE MÉTODO DE LOCALIZAÇÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS E MONITORAMENTO DA VARIAÇÃO DO VALOR DO SOLO. APLICAÇÃO DE MÉTODO DE LOCALIZAÇÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS E MONITORAMENTO DA VARIAÇÃO DO VALOR DO SOLO. Laura Pereira Aniceto Faculdade de Arquitetura e Urbanismo CEATEC Laura.aniceto@gmail.com Jonathas

Leia mais

e/ou o recorte dessa área sempre foi uma temática central para pensar a ação de formar profissionais. O professor universitário, historicamente,

e/ou o recorte dessa área sempre foi uma temática central para pensar a ação de formar profissionais. O professor universitário, historicamente, O COMPROMISSO DA UNIVERSIDADE NO EXERCÍCIO DA DOCÊNCIA BROILO, Cecília Luiza UNISINOS ceciliab@unisinos.br FAGUNDES, Maurício César UNISINOS mc.fagundes@terra.com.br GOMES, Marta Quintanilha UNISINOS martaqg@unisinos.br

Leia mais

TRABALHO DE GEOGRAFIA ESTUDOS ORIENTADOS 1º ANO ENSINO MÉDIO NOTURNO

TRABALHO DE GEOGRAFIA ESTUDOS ORIENTADOS 1º ANO ENSINO MÉDIO NOTURNO TRABALHO DE GEOGRAFIA ESTUDOS ORIENTADOS 1º ANO ENSINO MÉDIO NOTURNO 1) O gráfico baixo indica uma forma de organização do espaço rural. Sobre esse gráfico é possível inferir: a) Trata-se da representação

Leia mais

Desigualdades socioespaciais no RN: velhas causas, novas formas

Desigualdades socioespaciais no RN: velhas causas, novas formas Desigualdades socioespaciais no RN: velhas causas, novas formas Rita de Cássia da Conceição Gomes Natal, 11/09/2011 As Desigualdades socioespacias em nossa agenda de pesquisa: Dialética apresentada Pesquisa

Leia mais

III SIMPÓSIO NACIONAL DE GEOGRAFIA POLÍTICA

III SIMPÓSIO NACIONAL DE GEOGRAFIA POLÍTICA PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO, POLÍTICAS TERRITORIAIS E A COMPARAÇÃO ENTRE AS CRIMINALIDADES EM BRASÍLIA, CEILÂNDIA E TAGUATINGA: UMA QUESTÃO DE POLÍCIA, DE SEGREGAÇÃO SÓCIO- ESPACIAL OU DE FALTA DA PRESENÇA

Leia mais

Oportunidades criadas pelo Plano Diretor Estratégico

Oportunidades criadas pelo Plano Diretor Estratégico A CRIAÇÃO DE TERRITÓRIOS DE OPORTUNIDADE JUNTO AO SISTEMA METRO-FERROVIÁRIO: EM PROL DE UMA PARCERIA MAIS EFETIVA NOS PROCESSOS DE TRANSFORMAÇÃO URBANA NO ENTORNO DAS ESTAÇÕES. ABSTRACT Ao longo dos trinta

Leia mais

Análise dos sistemas de educação superior no Brasil e em Portugal: o que apontam as políticas educacionais

Análise dos sistemas de educação superior no Brasil e em Portugal: o que apontam as políticas educacionais 1394 Análise dos sistemas de educação superior no Brasil e em Portugal: o que apontam as políticas educacionais X Salão de Iniciação Científica PUCRS Jonas Tarcisio Reis, Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO

ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO SIMÃO, Rosycler Cristina Santos Palavras chave: rede urbana; São Paulo; disparidades regionais; Censo Demográfico 2000. Resumo O objetivo do trabalho é mostrar

Leia mais

Atuação do COEP frente às mudanças climáticas. Equipe Mobilizadores Oficina Mudanças Climáticas Novembro de 2011

Atuação do COEP frente às mudanças climáticas. Equipe Mobilizadores Oficina Mudanças Climáticas Novembro de 2011 Atuação do COEP frente às mudanças climáticas Equipe Mobilizadores Oficina Mudanças Climáticas Novembro de 2011 Mudanças Climáticas e pobreza As populações mais pobres tendem a ficar mais vulneráveis diante

Leia mais

Informações do Convênio N.o 001/2008 - Linha 3, Lote 2 do Metrô do Rio de Janeiro:

Informações do Convênio N.o 001/2008 - Linha 3, Lote 2 do Metrô do Rio de Janeiro: Informações do Convênio N.o 001/2008 - Linha 3, Lote 2 do Metrô do Rio de Janeiro: A - SeMOB participa do Convênio em questão na condição de Concedente. O Convênio n 00112008 foi celebrado em 30/12/2008

Leia mais

Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE Curso :Uso Escolar do Sensoriamento Remoto no Estudo do Meio Ambiente

Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE Curso :Uso Escolar do Sensoriamento Remoto no Estudo do Meio Ambiente Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE Curso :Uso Escolar do Sensoriamento Remoto no Estudo do Meio Ambiente Visualização das alterações ocorridas nos últimos 20 anos nas áreas limítrofes entre

Leia mais

REUNIÃO DA COMISSÃO DE POLÍTICA URBANA E AMBIEN 9 DE SETEMBRO DE 2015

REUNIÃO DA COMISSÃO DE POLÍTICA URBANA E AMBIEN 9 DE SETEMBRO DE 2015 DESAFIOS METROPOLITANOS À GESTÃO PÚBLICA DE APROPRIAÇÃO DO ESPAÇO URBANO NO LESTE METROPOLITANO DO RIO DE JANEIRO. LUIS FERNANDO VALVERDE SALANDÍA Tese de Doutorado em Geografia - Universidade Federal

Leia mais

A REINSERÇÃO DE NOVA ESPERANÇA NA REDE URBANA DE MARINGÁ: UMA PROPOSTA DE ESTUDO

A REINSERÇÃO DE NOVA ESPERANÇA NA REDE URBANA DE MARINGÁ: UMA PROPOSTA DE ESTUDO A REINSERÇÃO DE NOVA ESPERANÇA NA REDE URBANA DE MARINGÁ: UMA PROPOSTA DE ESTUDO 5 Amanda dos Santos Galeti Acadêmica de Geografia - UNESPAR/Paranavaí amanda_galeti@hotmail.com Kamily Alanis Montina Acadêmica

Leia mais

Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 11 A mobilidade no Brasil Eudes Santana Araujo (*)

Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 11 A mobilidade no Brasil Eudes Santana Araujo (*) Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 11 A mobilidade no Brasil Eudes Santana Araujo (*) Sabe-se que, as mazelas vividas pela sociedade brasileira, têm suas raízes na forma que se deu

Leia mais

A Mobilidade em uma Pequena Cidade Baiana: Um Estudo Sobre Belo Campo/BA

A Mobilidade em uma Pequena Cidade Baiana: Um Estudo Sobre Belo Campo/BA A Mobilidade em uma Pequena Cidade Baiana: Um Estudo Sobre Belo Campo/BA Silmara Oliveira Moreira Bolsista de iniciação científica - UESB Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB Email: silmara.geo@gmail.com

Leia mais

Urbanização Brasileira

Urbanização Brasileira Urbanização Brasileira O Brasil é um país com mais de 190 milhões de habitantes. A cada 100 pessoas que vivem no Brasil, 84 moram nas cidades e 16 no campo. A população urbana brasileira teve seu maior

Leia mais

Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras

Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras nº 342 outubro 2014 Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras Odebrecht 70 anos: projetos que contribuem para melhorar as opções de mobilidade urbana das comunidades Odebrecht Infraestrutura Brasil

Leia mais

AS INTERFACES DO PLANEJAMENTO URBANO COM A MOBILIDADE

AS INTERFACES DO PLANEJAMENTO URBANO COM A MOBILIDADE AS INTERFACES DO PLANEJAMENTO URBANO COM A MOBILIDADE Quando focalizamos a condição de sermos moradores de um aglomerado, isso nos remete a uma posição dentro de um espaço físico, um território. Esse fato,

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA Fundamentos teóricos da disciplina PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA O ensino da Geografia leva o educando a perceber que as relações sociais e as relações do homem com a natureza estão projetadas

Leia mais

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Um projeto para discutir Direitos Humanos necessariamente tem que desafiar à criatividade, a reflexão, a crítica, pesquisando, discutindo e analisando

Leia mais

Densidade de ocorrências de mortes violentas

Densidade de ocorrências de mortes violentas de mortes violentas Temporalidade e espaços dos homicídios dolosos na capital paulista Sérgio Adorno* No Município de São Paulo, a distribuição de ocorrências de homicídio doloso, segundo o período do

Leia mais

URBANIZAÇÃO NO BRASIL, NO ESTADO E NO MUNICÍPIO, NOS ÚLTIMOS 50 ANOS.

URBANIZAÇÃO NO BRASIL, NO ESTADO E NO MUNICÍPIO, NOS ÚLTIMOS 50 ANOS. URBANIZAÇÃO NO BRASIL, NO ESTADO E NO MUNICÍPIO, NOS ÚLTIMOS 50 ANOS. O que é cidade? Segundo a ONU, aglomerado urbano concentrado com mais de 20 mil habitantes, com atividades no setorsecundário secundário

Leia mais