Redes de Computadores.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Redes de Computadores."

Transcrição

1 Redes de Computadores

2 Meios de Comunicação Fibra Óptica

3 Meios de Comunicação Fibra Óptica Consiste basicamente de material dielétrico, em geral sílica ou plástico, transparente flexível e de dimensões reduzidas. Uma fibra óptica é cilíndrica e tem três camadas concêntricas: núcleo, casca e revestimento.

4 Meios de Comunicação Fibra Óptica - Como Funciona Pense em um imenso canudo de refrigerante ou em um cano plástico flexível. Imagine, por exemplo, um cano excessivamente comprido. Agora, considere que a superfície interna desse cano foi revestida com um espelho perfeito. Então, imagine que você está olhando em uma das pontas do cano. Há vários quilômetros de distância, na outra ponta, um amigo seu liga uma lanterna e reflete sua luz dentro do cano. Uma vez que o interior do cano é revestido de um espelho perfeito, a luz da lanterna refletirá na superfície do cano (mesmo que ele seja curvo ou distorcido) e você a verá na outra ponta. Se o seu amigo começar a ligar e desligar a lanterna à maneira do código Morse, ele conseguirá se comunicar com você por meio do cano. Essa é a essência do cabo de fibra ótica.

5 Vamos ver o vídeo! Meios de Comunicação de Dados

6 Meios de Comunicação Fibra Óptica - Vantagens: Imune a interferências eletromagnéticas(não sofre interferências eletromagnéticas, pois é composta de material dielétrico, e assegura imunidade a pulsos eletromagnéticos.); Segurança da informação e do sistema; Enorme capacidade de transmissão; Não emite nenhum tipo de radiação; Matéria Prima Abundante(A sílica é um material abundante e não muito caro.); Mais leve que os outros tipos de cabos; Isolação Elétrica(Não há necessidade de se preocupar com aterramento e problemas de interface de equipamento, uma vez que é constituída por material isolante elétrico.); Sinal se propaga por longas distâncias.

7 Meios de Comunicação Fibra Óptica - Desvantagens: Fragilidade das fibras(as fibras quebram com facilidade.); Dificuldade de conexão(devido a pequena dimensão, requer dispositivos de alta precisão.); Maior custo; Impossibilidade de alimentação remota(requer alimentação independente para cada repetidor.).

8 Tipos de Fibra Redes de Computadores Dois tipos de fibra: monomodo e multimodo Modo: feixe de raios luminosos entrando na fibra com um determinado ângulo em relação ao seu eixo

9 Fibra Óptica - DISPERSÃO Dispersão está associado aos diferentes tempo de chegada, de cada modo que está se propagando na fibra, no receptor; Isso resulta em um alargamento temporal do sinal óptico emitido no início da fibra; Esse alargamento limita a banda passante e, consequentemente, a capacidade de transmissão de informação na fibra; Dispersão Modal

10 Fibra MONOMODO O diâmetro reduzido do núcleo limita a propagação da luz a um único modo, não ocorrendo dispersão modal. A fibra atua como um guia de onda, permitindo a propagação de um único modo de luz paralelo ao eixo. Com isso, evita-se a dispersão modal e os sistemas monomodo têm maior capacidade (velocidades mais altas).

11 Fibra MULTIMODO O grande diâmetro do núcleo possibilita a ocorrência de diferentes modos de propagação (ou caminhos) percorridos pelo feixe de luz, criando um atraso (dispersão modal ou espalhamento de pulso). A principal vantagem é a maior facilidade de acoplamento.

12 Diferença entre fibra MONOMODO e MULTIMODO A diferença entre a fibra monomodo e multimodo é a variação de densidade que ocorre entre essas duas camadas de material. Se você cortasse uma fibra e colocasse no microscópio, teria uma imagem como essa abaixo. Nas duas temos um núcleo (menor densidade) e uma borda (maior densidade) do mesmo material. A fibra monomodo muda de densidade rapidamente, já a multimodo passa lentamente de uma densidade para outra. Ou seja, a fibra monomodo é mais bem feita. Mas qual o impacto disso na distância que se consegue chegar com um fibra? Porque as fibras monomodo tem maior alcance que as fibras multimodo?

13 Diferença entre fibra MONOMODO e MULTIMODO A explicação é simples: cada vez que uma fibra ótica faz uma curva, a luz tem que refletir internamente. Se fibra ótica fosse perfeitamente reta, não haveria diferença entre as fibras, mas nas curvas a luz é refletida. Falando de maneira simplista, na fibra multimodo a luz reflete de maneira mais "suave", o que é ruim, pois a luz acaba se dispersando. Na fibra monomodo, como existe essa variação brusca, a luz reflete de maneira mais eficiente, com menos perda.

14

15 Fibra Óptica - Fonte de luz Fibras MULTIMODO: LEDS - Light Emitting Diodes (diodos emissores de luz); Fibras MONOMODO: diodos de injeção a laser (altamente direcionais).

16 Quando devemos utilizar cabos de fibras ópticas? Resposta: quando você for obrigado a usar, ou quando seu uso fizer sentido. Você será obrigado a usar cabos de fibra óptica se adquirir um equipamento que tenha conexões realizadas com fibras ópticas, se a companhia prestadora de serviços de telecomunicação instalar fibras na sua região e você desejar estender esta conexão ou, mais importante, se o seu projeto incluir fibras ópticas em sua instalação. Por outro lado, faz sentido usar fibras ópticas quando: 1- A instalação envolve grandes distâncias (centenas ou milhares de metros ou quilômetros) 2 - O ambiente de instalação apresentar muita interferência eletromagnética (fibras ópticas são imunes a qualquer tipo de interferência ou ruído) 3- Nos ambientes agressivos (fibras ópticas são imunes à oxidação e corrosão, que costumam ser um problema para os cabos de cobre) 4- For preciso reduzir o peso e o tamanho dos cabos (as fibras ópticas são extremamente leves e compactas)

17 DÚVIDAS...

18

Prof. Marcelo Cunha Parte 7

Prof. Marcelo Cunha Parte 7 Prof. Marcelo Cunha Parte 7 www.marcelomachado.com Cabos Elétricos Coaxiais Pares trançados Ópticos Fibras ópticas Um dos primeiros tipos de cabo a ser utilizado em redes; Características: Núcleo de cobre

Leia mais

Mídias Físicas Utilizadas Cabo Coaxial e Par Trançado. Prof. Alexandre Beletti Ferreira. Cabo Coaxial

Mídias Físicas Utilizadas Cabo Coaxial e Par Trançado. Prof. Alexandre Beletti Ferreira. Cabo Coaxial Mídias Físicas Utilizadas Cabo Coaxial e Par Trançado Prof. Alexandre Beletti Ferreira COMPOSTO POR: Cabo Coaxial Fio de cobre rígido que forma o núcleo Envolto por um material isolante, O isolante, por

Leia mais

Redes de Alta Velocidade

Redes de Alta Velocidade Redes de Alta Velocidade Redes de Alta Velocidade Arquiteturas e Protocolos para Redes de Banda Larga A fibra óptica em si foi inventada pelo físico indiano Narinder Singh Kanpany Foi criada a partir de

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA - CAMPUS LAGES Ciência da Computação - 2ª fase

INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA - CAMPUS LAGES Ciência da Computação - 2ª fase INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA - CAMPUS LAGES Ciência da Computação - 2ª fase. FIBRA ÓPTICA Q U A L I D A D E & S I N C R O N I A Alunos: Arthur de Bortoli, Felipe Guimarães e João Vitor Manfroi Disciplina:

Leia mais

Meios físicos. Par Trançado (TP) dois fios de cobre isolados

Meios físicos. Par Trançado (TP) dois fios de cobre isolados Meios físicos bit: propaga entre pares de transmissor/receptor enlace físico: o que fica entre transmissor e receptor meio guiado: sinais se propagam em meio sólido: cobre, fibra, coaxial meio não guiado:

Leia mais

A camada Física. Universidade Estadual de Minas Gerais - UEMG. Referência: -Redes de Computadores. A. S. Tanenbaum. Campus/Elsevier, Capítulo 2

A camada Física. Universidade Estadual de Minas Gerais - UEMG. Referência: -Redes de Computadores. A. S. Tanenbaum. Campus/Elsevier, Capítulo 2 Universidade Estadual de Minas Gerais - UEMG A camada Física Referência: -Redes de Computadores. A. S. Tanenbaum. Campus/Elsevier, 2003 - Capítulo 2 Camada Física Camada mais baixa da hierarquia do modelo

Leia mais

Instituto Federal de Ciência e Tecnologia de São Paulo. Campus Presidente Epitácio REDES DE COMPUTADORES I (RC1A2) MEIOS DE TRASMISSÃO

Instituto Federal de Ciência e Tecnologia de São Paulo. Campus Presidente Epitácio REDES DE COMPUTADORES I (RC1A2) MEIOS DE TRASMISSÃO Instituto Federal de Ciência e Tecnologia de São Paulo. Campus Presidente Epitácio REDES DE COMPUTADORES I (RC1A2) MEIOS DE TRASMISSÃO Aluna: Pamela Nascimento da Silva 2º Semestre ADS Presidente Epitácio

Leia mais

MEIOS DE TRANSMISSÃO REDES E SR1 ETER-FAETEC. Rio de Janeiro - RJ ETER-FAETEC

MEIOS DE TRANSMISSÃO REDES E SR1 ETER-FAETEC. Rio de Janeiro - RJ ETER-FAETEC MEIOS DE TRANSMISSÃO REDES E SR1 Rio de Janeiro - RJ INTRODUÇÃO É a conexão física entre os nós. Pode ser através de cabos ou por ondas de rádio, como no caso do wireless. Influencia diretamente no custo

Leia mais

DISPERSÃO. Esse alargamento limita a banda passante e, consequentemente, a capacidade de transmissão de informação na fibra;

DISPERSÃO. Esse alargamento limita a banda passante e, consequentemente, a capacidade de transmissão de informação na fibra; DISPERSÃO Quando a luz se propaga em meios dispersivos a sua velocidade de propagação muda com o comprimento de onda. Além disso a luz se propaga de diferentes modos (por diferentes caminhos) gerando distintos

Leia mais

Redes de comunicação. Mod 2 Redes de computadores. Professor: Rafael Henriques

Redes de comunicação. Mod 2 Redes de computadores. Professor: Rafael Henriques Redes de comunicação Mod 2 Redes de computadores 1 Professor: Rafael Henriques Apresentação 2 Professor: Rafael Henriques Introdução às redes de computadores; Tipos de rede; Diagramas de encaminhamento;

Leia mais

SISTEMAS ÓPTICOS FIBRAS ÓPTICAS

SISTEMAS ÓPTICOS FIBRAS ÓPTICAS MIISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIOAL E TECOLÓGICA Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Campus São José Área de Telecomunicações Curso Superior Tecnológico

Leia mais

PLANO DE ENSINO EMENTA

PLANO DE ENSINO EMENTA 1 PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Curso: CST em Sistemas de Telecomunicações, Tecnologia Nome da disciplina: Comunicações Ópticas Código: TEL037 Carga horária: 67 horas Semestre previsto: 5º

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada Física Parte II Prof. Thiago Dutra Agenda Camada Física n Introdução ntécnicas de Transmissão de Dados n Meios de Transmissão ndispositivos n Cabeamento

Leia mais

11/04/2009. Redes de Computadores. Topologias. Topologia das Redes. Estrela. Anel. Híbrida/Mista

11/04/2009. Redes de Computadores. Topologias. Topologia das Redes. Estrela. Anel. Híbrida/Mista Redes de Computadores Aula 03 Topologias Definição É a forma como os MP s e os caminhos físicos do meio físico (enlace) de comunicação estão organizados. Estrela Anel Híbrida/Mista 1 Barramento Todos os

Leia mais

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 4 Tipos de cabo Ferramentas e componentes do cabeamento

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 4 Tipos de cabo Ferramentas e componentes do cabeamento APRENDIZAGEM INDUSTRIAL UNIDADE 4 Tipos de cabo Ferramentas e componentes do cabeamento Meios de transmissão Meios de TX guiados Cabo par trançado Isolante Cabos U/UTP e F/UTP Condutores Categorias dos

Leia mais

Camada Física. Exemplo: RS-232 ou EIA-232. Redes Aplicação Apresentação Sessão Transporte Rede Enlace Físico. Codificação de Sinais Digitais

Camada Física. Exemplo: RS-232 ou EIA-232. Redes Aplicação Apresentação Sessão Transporte Rede Enlace Físico. Codificação de Sinais Digitais Camada Física Redes Nível Físico Aplicação Apresentação Sessão Transporte Rede Enlace Físico Ativar, manter e desativar transmissões físicas entre duas ou mais entidades do nível de enlace Cuidar da Transferência

Leia mais

MACIEL FURTADO RELATÓRIO FINAL DE PROJETO

MACIEL FURTADO RELATÓRIO FINAL DE PROJETO Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática RAQUEL MACIEL FURTADO RELATÓRIO FINAL

Leia mais

Workshop de Domótica e Telecomunicação. Fibras Ópticas. Patrício Moreira

Workshop de Domótica e Telecomunicação. Fibras Ópticas. Patrício Moreira Workshop de Domótica e Telecomunicação Fibras Ópticas Patrício Moreira Objectivos: Transmissão de uma mensagem (informação) Conceitos associados à transmissão de luz e às Fibras Ópticas Tipos de Fibras

Leia mais

ÍNDICE CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO... 6 O QUE É UMA REDE E PARA QUE SERVE?... 7 O PORQUE DE UMA REDE... 9

ÍNDICE CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO... 6 O QUE É UMA REDE E PARA QUE SERVE?... 7 O PORQUE DE UMA REDE... 9 Redes -1- ÍNDICE CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO... 6 O QUE É UMA REDE E PARA QUE SERVE?... 7 O PORQUE DE UMA REDE... 9 CAPÍTULO 2 ARQUITETURAS... 12 MEIOS DE TRANSMISSÃO... 12 TIPOS DE TRANSMISSÃO... 14 CAPÍTULO

Leia mais

É a propagação de ondas por meio de um meio físico que podem ter suas características alteradas no tempo. 20/08/2013

É a propagação de ondas por meio de um meio físico que podem ter suas características alteradas no tempo. 20/08/2013 Capitulo 03 Prof. Ricardo de Macedo Define as Especificações Elétricas, Mecânica, Funcionais e de Procedimentos para ativar, Manter e Desativar o Link Físico Entre o Emissor e o Receptor É a propagação

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores. Prof. Claudemir Santos Pinto

Fundamentos de Redes de Computadores. Prof. Claudemir Santos Pinto Fundamentos de Redes de Computadores MEIOS FÍSICOS DE TRANSMISSÃO Prof. Claudemir Santos Pinto profdemir@yahoo.com.br Meios Físicos de Transmissão Com cabeamento: Cabo coaxial Cabo par trançado Fibra ótica

Leia mais

Tipos de cabos. cabos de par trançado cabos coaxiais cabos de fibra óptica Sem Fio *

Tipos de cabos. cabos de par trançado cabos coaxiais cabos de fibra óptica Sem Fio * Cabeamento Tipos de cabos cabos de par trançado cabos coaxiais cabos de fibra óptica Sem Fio * Wireless wi-fi Cabo Coaxial Instalação difícil terminador / problemas Custo elevado Cabos de Fibra Óptica

Leia mais

SISTEMAS ÓPTICOS. Atenuação e Dispersão

SISTEMAS ÓPTICOS. Atenuação e Dispersão MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Campus São José Área de Telecomunicações Curso Superior Tecnológico

Leia mais

Redes de Computadores. Topologias

Redes de Computadores. Topologias Redes de Computadores Topologias Sumário! Topologia Tipo de topologias 2 Topologia Configuração dos cabos, computadores e outros equipamentos 3 Topologia de cablagem! Topologia física Localização real

Leia mais

Prof. Marcelo Machado Cunha Parte 2

Prof. Marcelo Machado Cunha Parte 2 Prof. Marcelo Machado Cunha Parte 2 www.marcelomachado.com As redes de computadores se classificam conforme a forma de ligação entre as estações nas seguintes categorias: Linear ou Barramento Estrela Anel

Leia mais

Prof. Filipe Ornelas

Prof. Filipe Ornelas Prof. Filipe Ornelas ICCRLRI Hardware de Redes Por onde seguem os sinais nas redes? 3 Meios de Transmissão ICORLI 4 Cabulagem 0Cabos eléctricos 0 Coaxiais 0 Entrançados 5 Cabulagem - Cabo Coaxial 0 Até

Leia mais

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1.1 Introdução Consiste em um guia de onda cilíndrico, conforme ilustra a Figura 1, formado por núcleo de material dielétrico (em geral vidro de alta pureza),

Leia mais

IFRS Campus POA. Elétrica Aplicada Turma Redes II Noite. Prof. Sergio Mittmann. Grupo : Nilo Cesar Ferreira Alvira. Caroline Silva Tolfo

IFRS Campus POA. Elétrica Aplicada Turma Redes II Noite. Prof. Sergio Mittmann. Grupo : Nilo Cesar Ferreira Alvira. Caroline Silva Tolfo IFRS Campus POA Elétrica Aplicada Turma Redes II Noite Prof. Sergio Mittmann Grupo : Nilo Cesar Ferreira Alvira Caroline Silva Tolfo Claudia Silva Machado Marcelo Lucas A Fibra Óptica é um filamento extremamente

Leia mais

Modos de Propagação. Tecnologia em Redes de Computadores 5º Período Disciplina: Sistemas e Redes Ópticas Prof. Maria de Fátima F.

Modos de Propagação. Tecnologia em Redes de Computadores 5º Período Disciplina: Sistemas e Redes Ópticas Prof. Maria de Fátima F. Modos de Propagação Tecnologia em Redes de Computadores 5º Período Disciplina: Sistemas e Redes Ópticas Prof. Maria de Fátima F. Bueno Marcílio 1 Modos de Propagação Antes de iniciarmos o estudo dos tipos

Leia mais

História da Fibra Óptica

História da Fibra Óptica História da Fibra Óptica Em 1870, o físico inglês Jonh Tyndall, demonstrou o princípio de guiamento da luz através de uma experiência muito simples, utilizando um recipiente furado com água, um balde e

Leia mais

Transmissão de informação sob a forma de ondas

Transmissão de informação sob a forma de ondas Transmissão de informação sob a forma de ondas Adaptado da Escola Virtual (Porto Editora) 1 2 1 3 ONDAS: fenómenos de reflexão, absorção e refração Quando uma onda incide numa superfície de separação entre

Leia mais

CONCEITOS DE CABOS COMPUTACIONAIS PROF. DR. PAULO ROBERTO SCHROEDER DE SOUZA

CONCEITOS DE CABOS COMPUTACIONAIS PROF. DR. PAULO ROBERTO SCHROEDER DE SOUZA CONCEITOS DE CABOS COMPUTACIONAIS PROF. DR. PAULO ROBERTO SCHROEDER DE SOUZA 1 2 Uma empresa relativamente informatizada finca seus pilares sobre depósitos de dados setoriais e globais e que são manipulados

Leia mais

Meios de Comunicação de Dados.

Meios de Comunicação de Dados. Meios de Comunicação de Dados www.profjvidal.com Redes sem Fio: - Com infraestrutura - Sem infraestrutura ou AD-HOC Introdução As redes de computadores vieram para revolucionar a forma como nos comunicamos

Leia mais

SISTEMAS DE COMUNICAÇÕES ÓPTICAS. A atenuação experimentada pelos sinais luminosos propagados através de uma fibra

SISTEMAS DE COMUNICAÇÕES ÓPTICAS. A atenuação experimentada pelos sinais luminosos propagados através de uma fibra Capítulo 3 3. DEGRADAÇÃO DOS SINAIS EM FIBRAS ÓPTICAS 3.1 Atenuação A atenuação experimentada pelos sinais luminosos propagados através de uma fibra óptica é uma característica cujo papel é fundamental

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE REDES-

CLASSIFICAÇÃO DE REDES- 1 CLASSIFICAÇÃO DE REDES- MEIO DE TRANSMISSÃO Prof. Me. Hélio Esperidião CLASSIFICAÇÃO SEGUNDO O MEIO DE TRANSMISSÃO: Rede por cabo Rede de Cabo coaxial Rede de Cabo de par trançado Rede de Cabo de fibra

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA

CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA 1. Considere a seguinte seqüência de cores utilizada para se fazer um cabo de par trançado no padrão T568A: 1 - Branco-verde 2 - Verde 3 - Branco-laranja 4 - Azul 5 - Branco-azul 6 - Laranja 7 - Branco-marrom

Leia mais

Comunicação de Dados. Aula 9 Meios de Transmissão

Comunicação de Dados. Aula 9 Meios de Transmissão Comunicação de Dados Aula 9 Meios de Transmissão Sumário Meios de Transmissão Transmissão guiada Cabo par trançado Coaxial Fibra ótica Transmissão sem fio Ondas de rádio Micro ondas Infravermelho Exercícios

Leia mais

CCNA 1 Meios de Comunicação. Kraemer

CCNA 1 Meios de Comunicação. Kraemer CCNA 1 Meios de Comunicação Meios de comunicação Meios de cobres Meios ópticos Meios sem fio Meios de cobre Meios de cobre fecham circuitos para que a corrente elétrica flua de um lado ao outro Meios de

Leia mais

Trabalho do APE da mensal. (Professor: Bob)

Trabalho do APE da mensal. (Professor: Bob) Trabalho do APE da mensal. (Professor: Bob) 1. A sucessão de pulsos representada na figura a seguir foi produzida em 1,5 segundos. Determine a freqüência e o período da onda. 2. Uma piscina tem fundo plano

Leia mais

Análise dos Meios de Comunicação em Redes de Computadores com foco no PLC

Análise dos Meios de Comunicação em Redes de Computadores com foco no PLC Revista Interdisciplinar de Tecnologias e Educação [RInTE] CNPq ARC 2015 ISSN 2447-5955 01 a 03 de junho de 2016 IFSP Câmpus Boituva - Capital Nacional do Paraquedismo Análise dos Meios de Comunicação

Leia mais

Capítulo 7 - Tecnologias Ethernet. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de Página

Capítulo 7 - Tecnologias Ethernet. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de Página Capítulo 7 - Tecnologias Ethernet 1 Tipos de Ethernet Quatro características comuns em todos os tipos de Ethernet: parâmetros de temporização, o formato de quadros, o processo de transmissão e as regras

Leia mais

Meios de Comunicação de Dados.

Meios de Comunicação de Dados. Meios de Comunicação de Dados www.profjvidal.com Redes sem Fio: - Com infraestrutura - Sem infraestrutura ou AD-HOC Introdução As redes de computadores vieram para revolucionar a forma como nos comunicamos

Leia mais

Capítulo 1 Refração da luz

Capítulo 1 Refração da luz ROBERTO VAMOS/TYBA Capítulo 1 Refração da luz Esquema de uma Onda Eletromagnética B Campo Magnético E Campo Elétrico Animação de uma Onda Eletromagnética TODA ONDA ELETROMAGNÉTICA É TRANSVERSAL LUZ BRANCA

Leia mais

TIPOS DE FIBRA FIBRA MULTIMODO ÍNDICE DEGRAU. d 1. diâmetro do núcleo de 50 µm a 200 µm. (tipicamente 50 µm e 62,5 µm) d 2

TIPOS DE FIBRA FIBRA MULTIMODO ÍNDICE DEGRAU. d 1. diâmetro do núcleo de 50 µm a 200 µm. (tipicamente 50 µm e 62,5 µm) d 2 TIPOS DE FIBRA FIBRA MULTIMODO ÍNDICE DEGRAU d 1 diâmetro do núcleo de 50 µm a 200 µm (tipicamente 50 µm e 62,5 µm) d 2 diâmetro da fibra óptica (núcleo + casca) de 125 µm a 280 µm (tipicamente 125 µm)

Leia mais

ANNE SOARES RELATÓRIO FINAL DE PROJETO MEIOS DE TRANSMISSÃO

ANNE SOARES RELATÓRIO FINAL DE PROJETO MEIOS DE TRANSMISSÃO Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática JULIE ANNE SOARES RELATÓRIO FINAL DE

Leia mais

Fenómenos Ondulatórios

Fenómenos Ondulatórios Fenómenos Ondulatórios Fenómenos Ondulatórios a) Reflexão b) Refração c) Absorção Reflexão da onda: a onda é devolvida para o primeiro meio. Transmissão da onda: a onda continua a propagar-se no segundo

Leia mais

Resolução dos exercícios propostos do livro texto referente a primeira etapa do curso Rodrigo César Pacheco

Resolução dos exercícios propostos do livro texto referente a primeira etapa do curso Rodrigo César Pacheco dos exercícios propostos do livro texto referente a primeira etapa do curso Rodrigo César Pacheco Exercícios do capítulo 1 (páginas 24 e 25) Questão 1.1 Uma fonte luminosa emite uma potência igual a 3mW.

Leia mais

Cabo Coaxial Fino ou 10 Base 2 também conhecido como Thin Cable ou RG58, suas características são:

Cabo Coaxial Fino ou 10 Base 2 também conhecido como Thin Cable ou RG58, suas características são: Cabo Coaxial Um Cabo coaxial é constituído de um condutor interno circundado por um condutor externo, tendo entre os condutores, um dielétrico que os separa. O condutor externo é por sua vez circundado

Leia mais

Prof. Patricia Caldana FORMAÇÃO DE IMAGENS EM LENTES ESFÉRICAS

Prof. Patricia Caldana FORMAÇÃO DE IMAGENS EM LENTES ESFÉRICAS FORMAÇÃO DE IMAGENS EM LENTES ESFÉRICAS EXERCÍCIOS ÓPTICA 1. Ano-luz é a medida de distância usada em astronomia que se refere ao espaço percorrido pela luz durante um ano terrestre. Considerando c = 300.000

Leia mais

Fontes Emissoras Ópticas

Fontes Emissoras Ópticas Fontes Emissoras Ópticas Diodo Emissor de Luz LED - Light Emitting Diode Emissão espontânea de luz Dispositivos semicondutores Diodo Laser LASER- Light Amplification by Emmiting Stimuled Emission of Radiation

Leia mais

Fenómenos ondulatórios

Fenómenos ondulatórios Sumário UNIDADE TEMÁTICA 2. 2- Comunicação de informação a longas distâncias. 2.2- Propriedades das ondas. - Reflexão e refração de ondas. - Leis da reflexão e da refração. - Índice de refração de um meio.

Leia mais

Redes de Computadores. Meios de comunicação sem fios

Redes de Computadores. Meios de comunicação sem fios Meios de comunicação sem fios Características da ligação! Largura de banda de um meio de transmissão, W, é a diferença entre a maior e a menor frequência comportadas, ou seja, é a amplitude da sua gama

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi fabianotaguchi@gmail.com http://fabianotaguchi.wordpress.com Meios de comunicação Protocolos de rede AULA 03 Meios de comunicação COMUTAÇÃO CIRCUITOS Necessário

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores

Fundamentos de Redes de Computadores Fundamentos de Redes de Computadores Hardware de Rede Prof. Eng. Alexandre Dezem Bertozzi Formiga, 11 de Maio de 2014 Tipos de Ligação Basicamente a dois tipos de tecnologia de transmissão: Rede Ponto-a-Ponto:

Leia mais

CONCEITOS GERAIS 01. LUZ. c = km/s. c = velocidade da luz no vácuo. Onda eletromagnética. Energia radiante

CONCEITOS GERAIS 01. LUZ. c = km/s. c = velocidade da luz no vácuo. Onda eletromagnética. Energia radiante CONCEITOS GERAIS 01. LUZ Onda eletromagnética Energia radiante c = 300.000 km/s c = velocidade da luz no vácuo (01) Um raio laser e um raio de luz possuem, no vácuo, a mesma velocidade OBSERVAÇÕES Todas

Leia mais

Atenuações em Fibras Ópticas

Atenuações em Fibras Ópticas Atenuações em Fibras Ópticas A atenuação da luz (Perca de potência ótica) ao passar pela fibra óptica é devida a várias razões, tais como: absorção do material no núcleo ou na casca, espalhamento devido

Leia mais

Filtros, Multiplexadores, Demutiplexadores Compensadores de Dispersão

Filtros, Multiplexadores, Demutiplexadores Compensadores de Dispersão MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Campus São José Área de Telecomunicações Filtros, Multiplexadores,

Leia mais

CCT0023 INFRAESTRUTURA DE REDES DE COMPUTADORES Aula 9: Equipamentos Rede / Topologia Hierárquica

CCT0023 INFRAESTRUTURA DE REDES DE COMPUTADORES Aula 9: Equipamentos Rede / Topologia Hierárquica CCT0023 Aula 9: Equipamentos Rede / Topologia Hierárquica Placa de rede Placa de rede Preparação dos quadros para que possam ser enviados pelos cabos. A placa de rede gera os bits de um quadro no sentido

Leia mais

Comunicações Ópticas. Amplificadores Ópticos Prof.: Cláudio Henrique Albuquerque Rodrigues, M. Sc.

Comunicações Ópticas. Amplificadores Ópticos Prof.: Cláudio Henrique Albuquerque Rodrigues, M. Sc. Comunicações Ópticas Amplificadores Ópticos Prof.: Cláudio Henrique Albuquerque Rodrigues, M. Sc. Introdução Em um sistema de comunicação óptica, o sinal óptico é atenuado após a propagação na fibra óptica

Leia mais

Par Trançado e Cabo Coaxial

Par Trançado e Cabo Coaxial UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL COMUNIDADE EVANGÉLICA LUTERANA SÃO PAULO Reconhecida pela Portaria Ministerial nº 681 de 07/12/89 DOU de 11/12/89 Campus Torres Par Trançado e Cabo Coaxial Redes 1 Vitor

Leia mais

CUBA DE ONDAS. Fonte de alimentação com duas saídas (lâmpada e vibrador) e protegidas com fusível e relé.

CUBA DE ONDAS. Fonte de alimentação com duas saídas (lâmpada e vibrador) e protegidas com fusível e relé. CUBA DE ONDAS Composição do conjunto experimental Fonte de alimentação com duas saídas (lâmpada e vibrador) e protegidas com fusível e relé. Chave liga desliga e indicador de ligada com led verde, alimentação

Leia mais

Entregue no mínimo 15 questões à sua escolha PROVA QUESTÃO 01

Entregue no mínimo 15 questões à sua escolha PROVA QUESTÃO 01 Entregue no mínimo 15 questões à sua escolha PROVA 2013-1 QUESTÃO 01 A multiplexação é usada para transmissão de vários sinais em um único meio físico (canal). Descreva as três formas como se pode fazer

Leia mais

Meios de transmissão

Meios de transmissão Laboratório de Redes I 1º Semestre Aula 04 Meios de transmissão Prof. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com Objetivos Identificar as características básicas do meio físico de rede de cobre, fibra ótica

Leia mais

Capítulo 3: A CAMADA FÍSICA

Capítulo 3: A CAMADA FÍSICA Capítulo 3: A CAMADA FÍSICA PCS 2476 Introdução - 1 Meios Físicos e Suas Características PCS 2476 Introdução - 2 Linhas Físicas Linhas Bifilares Par de fios Cabo de Pares Linha Aberta Linha de Alta Tensão

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA PARAÍBA Campus Princesa Isabel. Refração da Luz. Disciplina: Física II Professor: Carlos Alberto

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA PARAÍBA Campus Princesa Isabel. Refração da Luz. Disciplina: Física II Professor: Carlos Alberto ISTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊCIA E TECOLOGIA PARAÍBA Campus Princesa Isabel Refração da Luz Disciplina: Física II Professor: Carlos Alberto Objetivos de aprendizagem Ao estudar este capítulo você aprenderá:

Leia mais

Medição de Nível. Sistema típico

Medição de Nível. Sistema típico Medição de Nível Nível pode ser definido como a altura de preenchimento de um líquido ou de algum tipo de material em um reservatório ou recipiente. A medição normalmente é realizada do fundo do recipiente

Leia mais

Interbits SuperPro Web

Interbits SuperPro Web 1. (Ulbra 016) Um objeto está à frente de um espelho e tem sua imagem aumentada em quatro vezes e projetada em uma tela que está a,4 m do objeto, na sua horizontal. Que tipo de espelho foi utilizado e

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Campus São José Área de Telecomunicações Curso Superior Tecnológico

Leia mais

Cabeamento Óptico 14/03/2014. Vantagens de utilização. Noções Ópticas. Vantagens de utilização. Sistema de comunicação Fibra. Funcionamento da Fibra

Cabeamento Óptico 14/03/2014. Vantagens de utilização. Noções Ópticas. Vantagens de utilização. Sistema de comunicação Fibra. Funcionamento da Fibra Cabeamento Óptico Fundamentos de Redes de Computadores Prof. Marcel Santos Silva Vantagens de utilização Total imunidade às interferências eletromagnéticas; Dimensões reduzidas; Maior segurança no tráfego

Leia mais

ONDAS ELETROMAGNÉTICAS:3 CAPÍTULO 33 HALLIDAY, RESNICK. 8ª EDIÇÃO. Revisão: Campos se criam mutuamente. Prof. André L. C.

ONDAS ELETROMAGNÉTICAS:3 CAPÍTULO 33 HALLIDAY, RESNICK. 8ª EDIÇÃO. Revisão: Campos se criam mutuamente. Prof. André L. C. ONDAS ELETROMAGNÉTICAS:3 Prof. André L. C. Conceição DAFIS CAPÍTULO 33 HALLIDAY, RESNICK. 8ª EDIÇÃO Ondas eletromagnéticas Revisão: Campos se criam mutuamente Lei de indução de Faraday: Lei de indução

Leia mais

Introdução as Redes de Computadores

Introdução as Redes de Computadores Introdução as Redes de Computadores Redes de Computadores Charles Tim Batista Garrocho Instituto Federal de São Paulo IFSP Campus Campos do Jordão garrocho.ifspcjo.edu.br/rdc charles.garrocho@ifsp.edu.br

Leia mais

II-2 Meios de transmissão

II-2 Meios de transmissão II-2 Meios de transmissão Comunicações ISEL - ADEETC - Comunicações 1 Sumário 1. Transmissão não ideal Atenuação, Distorção, Ruído e Interferência Causas de erros na comunicação digital 2. Meios de transmissão

Leia mais

Tiago Guedes 10º 13ª

Tiago Guedes 10º 13ª Tiago Guedes 10º 13ª Introdução A transmissão de dados ou informação consiste na utilização de um suporte de informação para a transportar entre dois pontos fisicamente distantes. Este trabalho apresenta

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA FERREIRA DIAS, AGUALVA - SINTRA

ESCOLA SECUNDÁRIA FERREIRA DIAS, AGUALVA - SINTRA ESCOLA SECUNDÁRIA FERREIRA DIAS, AGUALVA - SINTRA CURSOS PROFISSIONAIS Disciplina: FÍSICA E QUÍMICA Módulo (*) : F3 Luz e fontes de luz - * Ótica Geométrica (*) e extensão do módulo, se aplicável. Matriz

Leia mais

Conceitos Básicos de Fibra Óptica (Módulo II)

Conceitos Básicos de Fibra Óptica (Módulo II) Conceitos Básicos de Fibra Óptica (Módulo II) Este tutorial apresenta conceitos básicos sobre Refração e Confinamento da luz. É o segundo de uma série contendo conceitos básicos de fibra óptica preparada

Leia mais

2/10/2014 Redes Industriais - R. C. Betini 1

2/10/2014 Redes Industriais - R. C. Betini 1 REDES INDUSTRIAIS AULA 3 MEIOS FÍSICOS DE TRANSMISSÃO 2/10/2014 Redes Industriais - R. C. Betini 1 4. MEIOS FÍSICOS DE TRANSMISSÃO 4.1 Meio de Transmissão Diferem com relação a: Banda passante Potencial

Leia mais

Redes de Computadores.

Redes de Computadores. Redes de Computadores www.profjvidal.com TOPOLOGIA DE REDES Topologia de Redes A topologia de rede descreve como é o layout de uma rede de computadores, através da qual há o tráfego de informações, e também

Leia mais

Redes de Alta Velocidade

Redes de Alta Velocidade Redes de Alta Velocidade Fundamentos de Redes sem Fio Vantagens: Mobilidade + Conectividade Dispositivos móveis PDAs, notebooks, telefones celulares Aplicações móveis Escritório portátil, serviços de emergência,

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Interconexão Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br Redes locais (LANs) Redes privadas contidas em um único edifício ou campus universitário com até alguns quilômetros de extensão.

Leia mais

Modulo 3: Componentes básicos de conectividade

Modulo 3: Componentes básicos de conectividade Modulo 3: Componentes básicos de conectividade Componentes básicos de conectividade Cabos de redes Coaxial Par trançado Fibra Ótica Comunicação sem fio (wireless) Rádio Bluetooth Microondas Infra-vermelho

Leia mais

Cabo Óptico Dielétrico Duto com Capa Externa Retardante à Chama

Cabo Óptico Dielétrico Duto com Capa Externa Retardante à Chama Os cabos ópticos Telcon proporcionam excelente performance de transmissão e proteção das fibras ópticas contra mudanças ambientais. Este cabo foi desenvolvido com uma proteção externa contra fungos e bactérias,

Leia mais

CCNA 1 Teste de Cabos. Kraemer

CCNA 1 Teste de Cabos. Kraemer CCNA 1 Teste de Cabos Testes de Cabos Tipos de sinais Características dos meios de cobre Características dos meios ópticos Tipos de sinais Sinal Analógico (ondas senoidais) Variam continuamente O que é

Leia mais

Raios de luz: se propagam apenas em uma. direção e em um sentido

Raios de luz: se propagam apenas em uma. direção e em um sentido A luz é uma onda eletromagnética, cujo comprimento de onda se inclui num determinado intervalo dentro do qual o olho humano é a ela perceptível. O seu estudo é a base da óptica. Raios de luz: se propagam

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS LUZ E ONDAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos

FACULDADE PITÁGORAS LUZ E ONDAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos FACULDADE PITÁGORAS LUZ E ONDAS Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br A LUZ E SUA NATUREZA [1] O estudo da luz na física chama-se óptica.

Leia mais

FUNDAMENTOS DE REDES DE COMPUTADORES AULA 4: REDE DE ACESSO CAMADA FÍSICA Prof. Luiz Leão

FUNDAMENTOS DE REDES DE COMPUTADORES AULA 4: REDE DE ACESSO CAMADA FÍSICA Prof. Luiz Leão Prof. Luiz Leão Conteúdo Desta Aula SISTEMAS DE COMUNICAÇÃO CABEAMENTO DE COBRE ORGANIZAÇÕES DE PADRONIZAÇÃO 1 2 3 4 5 CAMADA FÍSICA REDES SEM FIO PRÓXIMOS PASSOS Sistema de Comunicações Tarefa de Comunicações

Leia mais

- Curso: ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Redes de Computadores Lista de Exercício I

- Curso: ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Redes de Computadores Lista de Exercício I 1- Um dos componentes de um a Rede de Teleprocessamento que tem a função de compatibilizar o sinal digital de dados ao sinal analógico para uso da Rede Pública de Telefonia é: a) UNIDADE CONTROLADORA DE

Leia mais

Comunicações Óticas. Janelas de transmissão e Amplificadores a fibra ótica 5 Período Prof. Felipe Henriques

Comunicações Óticas. Janelas de transmissão e Amplificadores a fibra ótica 5 Período Prof. Felipe Henriques Comunicações Óticas Janelas de transmissão e Amplificadores a fibra ótica 5 Período Prof. Felipe Henriques Janelas de transmissão Primeira janela: 850 nm multimodo; Segunda janela: 1300 nm multimodo; Terceira

Leia mais

Sala de Estudos FÍSICA - Lucas 2 trimestre Ensino Médio 1º ano classe: Prof.LUCAS Nome: nº ÓPTICA GEOMÉTRICA REFRAÇÃO

Sala de Estudos FÍSICA - Lucas 2 trimestre Ensino Médio 1º ano classe: Prof.LUCAS Nome: nº ÓPTICA GEOMÉTRICA REFRAÇÃO Sala de Estudos FÍSICA - Lucas trimestre Ensino Médio 1º ano classe: Prof.LUCAS Nome: nº ÓPTICA GEOMÉTRICA REFRAÇÃO 1. (Puccamp 1995) Um feixe de luz monocromática, que se propaga no meio 1 com velocidade

Leia mais

Integrou a equipe do Teleco para contribuir na área de Sistemas de Telecomunicações Fotônicos.

Integrou a equipe do Teleco para contribuir na área de Sistemas de Telecomunicações Fotônicos. Conceitos Básicos de Fibra Óptica (Módulo II) Este tutorial apresenta conceitos básicos sobre Refração e Confinamento da luz. É o segundo de uma série preparada pelo autor contendo conceitos básicos de

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Vinícius Pádua

REDES DE COMPUTADORES. Vinícius Pádua REDES DE COMPUTADORES Introdução Necessidade Compartilhar dados em tempo hábil Constituída por vários computadores conectados através de algum meio de comunicação onde recursos são compartilhados Telecomunicação

Leia mais

Relação entre comprimento de onda e frequência.

Relação entre comprimento de onda e frequência. Espectro Eletromagnético. Relação entre comprimento de onda e frequência. Relação entre comprimento de onda e frequência. FENÔMENOS ONDULATÓRIOS Reflexão Refração Difração Interferência Batimento Ressonância

Leia mais

Professor Ventura Ensina Tecnologia

Professor Ventura Ensina Tecnologia Professor Ventura Ensina Tecnologia Experimento PV006 Lanterna de LED Ensino Fundamental Direitos Reservados = Newton C. Braga 1 Prof. Ventura Ensina Tecnologia Lanterna de LED Nosso simples projeto consiste

Leia mais

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores 04. Meios Físicos de Transmissão Prof. Ronaldo Introdução n

Leia mais

Evolução dos sistemas de comunicação óptica

Evolução dos sistemas de comunicação óptica Evolução dos sistemas de comunicação óptica 960 - Realização do primeiro laser; 966 - Proposta para usar as fibras ópticas em telecomunicações (Kao); 970 - Fabrico da primeira fibra óptica de sílica dopada

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial. E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico. Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego

Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial. E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico. Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática NAIELEM BITENCOURTE DE FREITAS MEIOS

Leia mais

Exercícios Refração -1.

Exercícios Refração -1. Exercícios Refração -1. 1. Um raio luminoso vindo do vidro vai em direção ao ar sabendo que o ângulo de incidência é de 60º é correto afirmar: Dados: (índice de refração do vidro, n=2) (índice de refração

Leia mais

COMUNICAÇÕES POR RADIAÇÃO ELECTROMAGNÉTICA

COMUNICAÇÕES POR RADIAÇÃO ELECTROMAGNÉTICA COMUNICAÇÕES POR RADIAÇÃO ELECTROMAGNÉTICA Verificação prática de algumas propriedades das ondas electromagnéticas 1. Questão Problema Nas comunicações por telemóvel e via satélite são utilizadas microondas

Leia mais

1) Camada Física. Camada física. Par trançado. Prof. Leandro Pykosz leandro@sulbbs.com.br

1) Camada Física. Camada física. Par trançado. Prof. Leandro Pykosz leandro@sulbbs.com.br 1) Camada Física Prof. Leandro Pykosz leandro@sulbbs.com.br Camada física Camada mais baixa da hierarquia do modelo OSI; O seu objetivo é transmitir um fluxo de bits de uma máquina para outra; Vários meios

Leia mais

3 - Na figura a seguir, está esquematizado um aparato experimental que é utilizado. 1 - Dois raios de luz, um vermelho (v) e outro

3 - Na figura a seguir, está esquematizado um aparato experimental que é utilizado. 1 - Dois raios de luz, um vermelho (v) e outro 1 - Dois raios de luz, um vermelho (v) e outro azul (a), incidem perpendicularmente em pontos diferentes da face AB de um prisma transparente imerso no ar. No interior do prisma, o ângulo limite de incidência

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade IV REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade IV REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade IV REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade IV: Apresentar as facilidades das camadas mais inferiores da pilha de

Leia mais