Taxa de Semeadura do Capim-piatã em Consórcio com Sorgo de Corte e Pastejo em Sistema de Integração Lavoura-Pecuária, na Safrinha 1

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Taxa de Semeadura do Capim-piatã em Consórcio com Sorgo de Corte e Pastejo em Sistema de Integração Lavoura-Pecuária, na Safrinha 1"

Transcrição

1 Taxa de Semeadura do Capim-piatã em Consórcio com Sorgo de Corte e Pastejo em Sistema de Integração Lavoura-Pecuária, na Safrinha 1 ALMEIDA, R. G. 2, COSTA, J. A. A. 2, KICHEL, A. N. 2, ZIMMER, A. H. 2, MACEDO, M. C. M. 2 e CARDOSO, R. A. 3 1 Trabalho financiado pela Embrapa; 2 Pesquisador da Embrapa Gado de Corte, Rodovia BR 262, km 4, Caixa Postal 154, CEP , Campo Grande, MS. 3 Estudante do curso de Agronomia da Uniderp/Anhanguera, Campo Grande, MS. Palavras-chave: estrato superior do dossel, massa seca de forragem, porcentagem de capimpiatã, sorgo cv. BRS 800. Revisão Bibliográfica No Centro-Sul do Brasil, em sistemas de integração lavoura-pecuária (SILPs), onde o objetivo é a produção de forragem no período de outono-inverno e de palhada para plantio direto, normalmente, a soja é cultivada no verão e, na safrinha, culturas como milho ou sorgo são consorciadas com forrageiras perenes dos gêneros Brachiaria ou Panicum (Kluthcouski et al., 2003). Em ambientes onde há restrições hídricas, a partir de março, tanto em quantidade como em regularidade, como é o caso de grandes áreas do Cerrado, e da microrregião de Campo Grande, MS, em particular, o problema da estacionalidade da produção forrageira torna-se mais evidente. Nessas condições, a opção pelo sorgo é preferencial, pelo fato desta espécie ser tolerante a estresses hídricos, apresentar boa resposta à adubação e capacidade de rebrotação (Kluthcouski et al., 2003; Machado et al., 2004). Os híbridos de sorgo (Sorghum sudanense x S. bicolor), chamados de sorgo de corte e pastejo, são mais precoces no estabelecimento e apresentam maior proporção de folhas do que as cultivares de sorgo forrageiro, podendo ser utilizados para antecipar o período de pastejo ou de corte, permitindo a terminação de animais com forragem de alta qualidade no período de outono-inverno (Rodrigues, 2000). Entretanto, para uso em SILPs, o sorgo de corte e pastejo, em monocultivo, tem apresentado baixa produção de palhada para cobertura do solo e para o plantio direto da cultura subsequente (Almeida et al b). Assim, Almeida et al. (2009 c) avaliaram sete braquiárias em cultivo simultâneo com sorgo de corte e pastejo (cv. BRS 800), para uso no outono-inverno, sendo que o capim-piatã se destacou por apresentar maior acúmulo de forragem na rebrotação. Almeida et al. (2009 a) avaliaram três taxas de semeadura do capim-piatã (2; 4 e 6 kg/ha de sementes puras viáveis) em cultivo simultâneo com sorgo cv. BRS 800, sobre palhada de capim, e observaram que o aumento na taxa de semeadura do capim-piatã não alterou a produtividade de forragem do sorgo, mas aumentou a produtividade de lâminas foliares do capim no estrato superior do dossel, proporcionando forragem em maior quantidade e qualidade, no início do período seco. Neste contexto, o presente trabalho teve por objetivo avaliar taxas de semeadura do capim-piatã (4; 8 e 12 kg/ha de sementes puras viáveis) em consórcio com sorgo cv. BRS 800, em sucessão à cultura da soja, visando maior produção de forragem no outono-inverno. 2517

2 Material e Métodos O experimento foi realizado na Embrapa Gado de Corte, Campo Grande, MS, localizada à 20 o 27 de latitude Sul, 54 o 37 de longitude Oeste e a 530 m de altitude. O padrão climático da região é descrito, segundo Köppen, na faixa de transição entre Cfa e Aw tropical úmido. A precipitação média anual é de mm, sendo considerados meses de seca, de maio a setembro (30% da precipitação anual). Os dados de precipitação pluviométrica, durante o ensaio, foram registrados pela estação meteorológica INMET - A702, localizada a cerca de 500 m da área experimental, com um índice acumulado de 199 mm. O solo da área experimental foi caracterizado como Latossolo Vermelho Distroférrico, de textura muito argilosa. Adotou-se delineamento inteiramente casualizado em esquema de parcelas subdivididas, com três repetições. Os tratamentos principais (parcela) corresponderam às taxas de semeadura do capim-piatã (Brachiaria brizantha cv. BRS Piatã), de 4; 8 e 12 kg/ha de sementes puras viáveis (SPV), em consórcio com sorgo de corte e pastejo (Sorghum spp. cv. BRS 800), e os tratamentos secundários (subparcela), aos estratos verticais do dossel, de 0-20 cm e acima de 20 cm do nível do solo. As parcelas experimentais apresentavam área de 4,0 m x 5,0 m. As forrageiras foram semeadas sobre palhada de soja, em sistema plantio direto. O sorgo foi semeado com semeadora-adubadora, no dia 12/03/2010, utilizando-se 12 kg/ha de SPV, com espaçamento das entrelinhas de 45 cm e a profundidade de 4-6 cm, sendo aplicados 300 kg/ha da fórmula 0:20:20 nas linhas do sorgo. O capim-piatã foi semeado manualmente, entre os dias 15 e 16/03/2010, com espaçamento das entrelinhas de 28 cm e a profundidade de 3-4 cm, de modo a não coincidir com as linhas de sorgo. Em abril, foram feitas aplicações de inseticida a base de clorpirifós, para controle de lagartas, e de herbicida a base de atrazina, para controle de plantas daninhas. As avaliações foram realizadas aos 62 dias após a semeadura do sorgo, em 13/05/2010, em área amostral de 1,0 m x 1,0 m por parcela, onde foram medidas duas plantas de sorgo e duas plantas de capim por linha, na altura da inserção da última folha. Também, foi feita a contagem do número de plantas de cada forrageira e a avaliação visual da cobertura do solo. Após, a biomassa da área amostral (capim-piatã e sorgo) foi cortada nos estratos de 0-20 cm e acima de 20 cm do nível do solo. O material cortado foi pesado em campo e, posteriormente, separado nos seguintes componentes: lâmina foliar, colmo com bainha e material senescente de capim-piatã e de sorgo. Essas amostras foram encaminhadas para estufa a C por 72 horas. As produtividades de cada componente foram expressas em base seca. Os dados foram submetidos à análise de variância e, para o fator quantitativo, taxa de semeadura, foi realizada análise de regressão. Para o fator qualitativo, estrato vertical do dossel, as médias foram comparadas pelo teste t. A interação foi devidamente desdobrada. Adotou-se o nível de probabilidade de 5% e utilizou-se o aplicativo estatístico Sisvar versão 4.6 (Ferreira, 2000). Resultados e Discussão A taxa de semeadura do capim-piatã não influenciou (P>0,05) as variáveis do sorgo cv. BRS 800: densidade de plantas (média de 42 plantas/m 2 ), altura de planta (média de 1,28 m), razão lâmina foliar: colmo com bainha (média de 0,42) e razão material vivo: morto (média de 44,56). As produtividades dos componentes da forragem de sorgo também não foram influenciadas (P>0,05) pela taxa de semeadura do capim-piatã, entretanto, variaram quanto à distribuição pelo estrato vertical do dossel, conforme disposto na Tabela

3 No estrato superior do dossel (> 20 cm), foram observadas maiores (P<0,05) produtividades de massa seca de lâminas foliares e de colmo com bainha, além da inflorescência, refletindo em maior produtividade de forragem total nesse estrato (3.597 kg/ha). A produtividade de material senescente, no entanto, não variou (P>0,05) entre os estratos, com valor médio de 53,5 kg/ha. Mesmo comportamento do sorgo cv. BRS 800, em função de taxas de semeadura do capim-piatã em consórcio, foi relatado por Almeida et al. (2009 a), entretanto, esses autores observaram uma produtividade média de kg/ha de massa seca de sorgo no estrato superior do dossel. No presente trabalho, as produtividades de sorgo foram inferiores, pela ausência de adubação nitrogenada de cobertura e pelo menor índice pluviométrico ocorrido no período experimental. A produtividade de forragem de sorgo no estrato superior do dossel apresentou apenas 1,36% de material senescente, no entanto, a razão lâmina foliar: colmo com bainha foi inferior a 0,50, indicando que o corte do sorgo poderia ter sido antecipado, para promover forragem com maior proporção de folhas. Tabela 1. Massa seca (kg/ha) dos componentes da forragem de sorgo cv. BRS 800 nos estratos verticais do dossel, de 0-20 cm e acima de 20 cm do nível do solo, aos 62 dias após a semeadura, em maio de 2010 (médias de três taxas de semeadura do capim-piatã) Componente da forragem Estrato do dossel de sorgo 0-20 cm > 20 cm Total (kg/ha de massa seca) Inflorescência 0 b 533 a 533 Lâmina foliar 21 b a Colmo com bainha 730 b a Material senescente 58 a 49 a 107 Total 809 b a a>b, na linha, pelo teste t (P<0,05). A taxa de semeadura do capim-piatã, os estratos do dossel e a interação taxa x estrato, não influenciaram (P>0,05) as variáveis do capim-piatã: densidade de plantas (média de 35 plantas/m 2 ), altura de planta (média de 0,24 m), razão lâmina foliar: colmo com bainha (média de 2,42), massa seca de lâminas foliares (média de 49 kg/ha), massa seca de colmo com bainha (média de 24 kg/ha), massa seca de material senescente (média de 7 kg/ha) e massa seca total de capim (média de 80 kg/ha). A densidade de plantas de capim-piatã foi adequada, de acordo com Zimmer et al. (2008), que indicam de 15 a 20 plantas/m 2 para um bom estabelecimento da pastagem. As produtividades do capim-piatã, no entanto, foram baixas, provavelmente, em consequência do período de 14 dias sem chuva, antes da semeadura, e pela competição exercida pela cultura do sorgo. Apesar de não ter sido observada variação na produtividade de forragem, foi observado aumento linear da porcentagem de capim-piatã na massa seca total de forragem (sorgo + capim), em função da taxa de semeadura do capim, de acordo com a equação de regressão ajustada: Ŷ = 0, ,812 x (r 2 = 0,72; P<0,05). Também, foi observada maior (P<0,05) porcentagem de capim-piatã na massa seca total de forragem no estrato inferior (11,37%) do que no estrato superior do dossel (1,97%), ocorrendo o inverso com a porcentagem de sorgo. 2519

4 Ao contrário do observado no presente trabalho, Almeida et al. (2009 a), trabalhando na mesma área, na safrinha do ano anterior, relataram aumentos lineares na densidade de plantas e na produtividade de massa seca total, de lâminas foliares e de colmo com bainha do capim-piatã, em função de aumentos na taxa de semeadura do capim (de 2 a 6 kg/ha de sementes puras viáveis), em cultivo simultâneo com sorgo cv. BRS 800. Os motivos para esses resultados divergentes parecem recair sobre o menor índice pluviométrico durante o período experimental do presente trabalho, com 84,2 mm de chuva a menos do que no ano anterior, caracterizando os riscos climáticos na implantação de culturas consorciadas na safrinha. Não foi observada a presença de invasoras, tendo em vista que foi realizada aplicação de herbicida seletivo cerca de 30 dias antes do corte da forragem. A cobertura do solo não foi influenciada (P>0,05) pela taxa de semeadura do capim-piatã, apresentando valor médio de 65,00%. Resultado semelhante foi obtido por Almeida et al. (2009 a) na safrinha do ano anterior, com sorgo cv. BRS 800 em consórcio com capim-piatã, com índice de cobertura do solo de 57,78%. A produtividade de massa seca total de forragem (sorgo + capim) do estrato superior do dossel foi maior (P<0,05) do que a do estrato inferior, kg/ha e 907 kg/ha, respectivamente. Considerando-se perdas de forragem de 10%, a forragem do estrato superior do dossel seria suficiente para suportar uma carga animal de 2,74 UA/ha em um período de 120 dias durante a época seca, até setembro, quando o pasto deveria ser vedado para acúmulo de forragem para formação de palhada para plantio direto da soja, em outubro. Conclusões O aumento na taxa de semeadura do capim-piatã, em consórcio com sorgo de corte e pastejo, não altera a produtividade total de forragem na safrinha, mas aumenta a porcentagem de capim na massa seca de forragem. A produtividade de forragem no estrato superior do dossel é maior do que no estrato inferior. Literatura citada ALMEIDA, R. G.; COSTA, J. A. A.; KICHEL, A. N.; MACEDO, M. C. M.; ZIMMER, A. H.; GODINHO, V. B. Densidade de semeadura para capim-piatã em cultivo simultâneo com sorgo na safrinha. In: CONGRESSO DE FORRAGICULTURA E PASTAGENS, 3., 2009, Lavras, MG. Anais... Lavras, MG: NEFOR; UFLA, 2009a. 4 p. 1 CD-ROM. ALMEIDA, R. G.; MACEDO, M. C. M.; ZIMMER, A. H.; RODRIGUES, J. A. S.; EUCLIDES, V. P. B. Produção de forragem e de palhada no outono-inverno em sistemas de integração lavoura-pecuária. In: REUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ZOOTECNIA, 46., 2009, Maringá, PR. Anais... Maringá, PR: SBZ; UEM, 2009b. 3 p. 1 CD-ROM. ALMEIDA, R. G.; MACEDO, M. C. M.; ZIMMER, A. H.; RODRIGUES, J. A. S.; KICHEL, A. N. Produção de forragem e de palhada de capins do gênero Brachiaria em monocultivo e em consórcio com sorgo de corte e pastejo, no outono-inverno. In: REUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ZOOTECNIA, 46., 2009, Maringá, PR. Anais... Maringá, PR: SBZ; UEM, 2009c. 3 p. 1 CD-ROM. FERREIRA, D. F. Análises estatísticas por meio do Sisvar para Windows versão 4.0. In: REUNIÃO ANUAL DA REGIÃO BRASILEIRA DA SOCIEDADE INTERNACIONAL 2520

5 DE BIOMETRIA, 45., 2000, São Carlos, SP. Anais... São Carlos, SP: UFSCar, p KLUTHCOUSKI, J.; STONE, L. F.; AIDAR, H. Integração lavoura-pecuária. Santo Antônio de Goiás: Embrapa Arroz e Feijão, p. MACHADO, L. A. Z.; ASSIS, P. G. G.; PALOMBO, C. Sorgo para pastejo/corte e cobertura do solo no período de outono/inverno (safrinha) em Mato Grosso do Sul. Dourados, MS: Embrapa Agropecuária Oeste, p. (Embrapa Agropecuária Oeste. Documentos, 16). RODRIGUES, J. A. S. Híbridos de sorgo sudão e sorgo bicolor: alternativa de forrageira para corte e pastejo. Sete Lagoas, MG: Embrapa Milho e Sorgo, p. (Embrapa Milho e Sorgo. Circular Técnica, 4). ZIMMER, A. H.; LAURA, V. A.; MACEDO, M. C. M.; KICHEL, A. N.; ALMEIDA, R. G.; COSTA, J. A. A.; VALLE, C. B. Estabelecimento da pastagem. In: CURSO DE FORMAÇÃO, RECUPERAÇÃO E MANEJO DE PASTAGENS, 2008, Campo Grande, MS. [Palestras apresentadas]. Campo Grande, MS: Embrapa Gado de Corte, f

Desempenho do Consórcio Milho-braquiária: Populações de Plantas e Modalidades de Semeadura de Urochloa brizantha cv. Piatã

Desempenho do Consórcio Milho-braquiária: Populações de Plantas e Modalidades de Semeadura de Urochloa brizantha cv. Piatã XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Desempenho do Consórcio Milho-braquiária: Populações de Plantas e Modalidades de Semeadura de Urochloa brizantha

Leia mais

CULTIVO SIMULTÂNEO DE MILHO COM CAPINS, NA SAFRINHA, PARA PRODUÇÃO DE GRÃOS E DE FORRAGEM

CULTIVO SIMULTÂNEO DE MILHO COM CAPINS, NA SAFRINHA, PARA PRODUÇÃO DE GRÃOS E DE FORRAGEM CULTIVO SIMULTÂNEO DE MILHO COM CAPINS, NA SAFRINHA, PARA PRODUÇÃO DE GRÃOS E DE FORRAGEM Armindo Neivo Kichel 1, José Alexandre Agiova da Costa 2, Roberto Giolo de Almeida 3 1. Introdução No Mato Grosso

Leia mais

MILHO SAFRINHA EM CONSÓRCIO COM ALTERNATIVAS DE OUTONO- INVERNO PARA PRODUÇÃO DE PALHA E GRÃOS, EM MS, EM 2005

MILHO SAFRINHA EM CONSÓRCIO COM ALTERNATIVAS DE OUTONO- INVERNO PARA PRODUÇÃO DE PALHA E GRÃOS, EM MS, EM 2005 MILHO SAFRINHA EM CONSÓRCIO COM ALTERNATIVAS DE OUTONO- INVERNO PARA PRODUÇÃO DE PALHA E GRÃOS, EM MS, EM 2005 Gessi Ceccon (1), Luís Armando Zago Machado (2), Luiz Alberto Staut (3) Introdução As alterações

Leia mais

Ocorrência de artrópodes em área recuperada com o Sistema de Integração Lavoura- Pecuária 1. Paulo A. Viana 2 e Maria C. M.

Ocorrência de artrópodes em área recuperada com o Sistema de Integração Lavoura- Pecuária 1. Paulo A. Viana 2 e Maria C. M. Ocorrência de artrópodes em área recuperada com o Sistema de Integração Lavoura- Pecuária Paulo A. Viana e Maria C. M. Viana 3 Pesquisador Embrapa Milho e Sorgo, pviana@cnpms.embrapa.br. CP. 5, CEP 357-97,

Leia mais

EFEITO DE ADUBAÇÃO NITROGENADA EM MILHO SAFRINHA CULTIVADO EM ESPAÇAMENTO REDUZIDO, EM DOURADOS, MS

EFEITO DE ADUBAÇÃO NITROGENADA EM MILHO SAFRINHA CULTIVADO EM ESPAÇAMENTO REDUZIDO, EM DOURADOS, MS EFEITO DE ADUBAÇÃO NITROGENADA EM MILHO SAFRINHA CULTIVADO EM ESPAÇAMENTO REDUZIDO, EM DOURADOS, MS Carlos Hissao Kurihara (1), Bruno Patrício Tsujigushi (2) Introdução A adubação da cultura do milho safrinha

Leia mais

Gessi Ceccon, Giovani Rossi, Marianne Sales Abrão, (3) (4) Rodrigo Neuhaus e Oscar Pereira Colman

Gessi Ceccon, Giovani Rossi, Marianne Sales Abrão, (3) (4) Rodrigo Neuhaus e Oscar Pereira Colman 9º Seminário Nacional de Milho Safrinha. Rumo à estabilidade: anais. 311 COMPORTAMENTO DE GENÓTIPOS DE MILHO SAFRINHA EM DUAS ÉPOCAS DE SEMEADURA, EM DOURADOS, MS (1) (2) (3) Gessi Ceccon, Giovani Rossi,

Leia mais

Produção de milho (Zea mays) sob três arranjos estruturais do eucalipto (Eucalyptus spp.) no Sistema de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta

Produção de milho (Zea mays) sob três arranjos estruturais do eucalipto (Eucalyptus spp.) no Sistema de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 7., 2010, Belo Horizonte Produção de milho (Zea mays) sob três arranjos estruturais do eucalipto (Eucalyptus spp.) no Sistema de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta

Leia mais

Cobertura do solo e ocorrência de plantas daninhas em área com diferentes rotações entre soja, milho, pastagem e Sistema Santa-fé

Cobertura do solo e ocorrência de plantas daninhas em área com diferentes rotações entre soja, milho, pastagem e Sistema Santa-fé Cobertura do solo e ocorrência de plantas daninhas em área com diferentes rotações entre soja, milho, pastagem e Sistema Santa-fé Vinicius Gustavo Freire Barcelos 1, Edson Aparecido dos Santos 2, Eduardo

Leia mais

TÍTULO: EFEITOS DA PROFUNDIDADE DE PLANTIO NA GERMINAÇÃO E PRODUÇÃO DE MASSA DO CAPIM BRAQUIARÃO ADUBADO NO PLANTIO

TÍTULO: EFEITOS DA PROFUNDIDADE DE PLANTIO NA GERMINAÇÃO E PRODUÇÃO DE MASSA DO CAPIM BRAQUIARÃO ADUBADO NO PLANTIO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: EFEITOS DA PROFUNDIDADE DE PLANTIO NA GERMINAÇÃO E PRODUÇÃO DE MASSA DO CAPIM BRAQUIARÃO ADUBADO

Leia mais

SISTEMAS DE CONSÓRCIO EM MILHO SAFRINHA. Gessi Ceccon 1 1.INTRODUÇÃO

SISTEMAS DE CONSÓRCIO EM MILHO SAFRINHA. Gessi Ceccon 1 1.INTRODUÇÃO SISTEMAS DE CONSÓRCIO EM MILHO SAFRINHA Gessi Ceccon 1 1.INTRODUÇÃO A sucessão da soja-milho safrinha sustenta a produção de grãos na região Centro-Oeste do Brasil. No entanto, de acordo com Brüggemann

Leia mais

Consórcio Milho-Braquiária

Consórcio Milho-Braquiária Gessí Ceccon Consórcio Milho-Braquiária 1Oque é. É o cultivo simultâneo de milho safrinha com braquiária utilizando a semeadora de soja, ajustando-a para uma linha de milho safrinha e outra de braquiária.

Leia mais

ADUBAÇÃO DE MANUTENÇÃO COM NITROGÊNIO E FÓSFORO PARA A PRODUÇÃO DE FENO COM O CAPIM MASSAI (Panicum maximum CV. Massai)

ADUBAÇÃO DE MANUTENÇÃO COM NITROGÊNIO E FÓSFORO PARA A PRODUÇÃO DE FENO COM O CAPIM MASSAI (Panicum maximum CV. Massai) ADUBAÇÃO DE MANUTENÇÃO COM NITROGÊNIO E FÓSFORO PARA A PRODUÇÃO DE FENO COM O CAPIM MASSAI (Panicum maximum CV. Massai) Renata Freires Lima¹; José Antonio Maior Bono² ¹Acadêmica do Curso de Agronomia da

Leia mais

Avaliação econômica do Sistema de Integração Lavoura-Pecuária

Avaliação econômica do Sistema de Integração Lavoura-Pecuária Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 7., 2010, Belo Horizonte Avaliação econômica do Sistema de Integração Lavoura-Pecuária Rafael França Fonseca (1), Maria Celuta Machado Viana (2), José Joaquim

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Influência de Diferentes Épocas de Corte e Densidade de Plantas no Desempenho Agronômico de Duas Cultivares de Sorgo

Leia mais

DENSIDADE DE SEMEADURA E POPULAÇÃO INICIAL DE PLANTAS PARA CULTIVARES DE TRIGO EM AMBIENTES DISTINTOS DO PARANÁ

DENSIDADE DE SEMEADURA E POPULAÇÃO INICIAL DE PLANTAS PARA CULTIVARES DE TRIGO EM AMBIENTES DISTINTOS DO PARANÁ DENSIDADE DE SEMEADURA E POPULAÇÃO INICIAL DE PLANTAS PARA CULTIVARES DE TRIGO EM AMBIENTES DISTINTOS DO PARANÁ José Salvador Simoneti Foloni 1*, Manoel Carlos Bassoi 1, Luis César Vieira Tavares 1, Larissa

Leia mais

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA EMBRAPA- PESCA E AQUICULTURA FUNDAÇÃO AGRISUS RELATÓRIO PARCIAL-01/10/2016

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA EMBRAPA- PESCA E AQUICULTURA FUNDAÇÃO AGRISUS RELATÓRIO PARCIAL-01/10/2016 1 EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA EMBRAPA- PESCA E AQUICULTURA FUNDAÇÃO AGRISUS RELATÓRIO PARCIAL-01/10/2016 CONSÓRCIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA: COMPREENDENDO OS RISCOS DO ESTRESSE HÍDRICO NA

Leia mais

ProdutiviDade e valor nutritivo de forrageiras tropicais em cultivo

ProdutiviDade e valor nutritivo de forrageiras tropicais em cultivo ProdutiviDade e valor nutritivo de forrageiras tropicais em cultivo SIMULTÂNEO com milho safrinha José Alexandre Agiova da Costa 1, Armindo Neivo Kichel 2, Roberto Giolo de Almeida 3 1. Introdução Sistemas

Leia mais

Avaliação de Cultivares de Sorgo Sacarino em Ecossistema de Cerrado no Estado de Roraima

Avaliação de Cultivares de Sorgo Sacarino em Ecossistema de Cerrado no Estado de Roraima XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Avaliação de Cultivares de Sorgo Sacarino em Ecossistema de Cerrado no Estado de Roraima 1 Everton Diel Souza, 2

Leia mais

AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE MILHETO NA INTERFACE CHUVA/SECA

AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE MILHETO NA INTERFACE CHUVA/SECA AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE MILHETO NA INTERFACE CHUVA/SECA Tássio Bonomo Murça (1), Domingos Sávio Queiroz (2), Luiz Tarcisio Salgado (3), Sabrina Saraiva Santana (4), Sérgio Dutra de Resende (5) (1) Bolsista

Leia mais

Desempenho da braquiária (Brachiaria Brizantha) em consórcio com a cultura do milho 1. Palavras-chave: produtividade, forrageira, consorciação.

Desempenho da braquiária (Brachiaria Brizantha) em consórcio com a cultura do milho 1. Palavras-chave: produtividade, forrageira, consorciação. Desempenho da braquiária (Brachiaria Brizantha) em consórcio com a cultura do milho 1 Lília A. de Castro 2, Bruno F. Moura 2, Camilo de L. T. de Andrade 2, Tales A. Amaral 2, Miguel M. Gontijo Neto 2 e

Leia mais

Características Agrônomicas e Produção de Massa Seca no Cultivo Consorciado de Milho e Urochloa ruziziensis Inoculados com Azospirillum brasiliense

Características Agrônomicas e Produção de Massa Seca no Cultivo Consorciado de Milho e Urochloa ruziziensis Inoculados com Azospirillum brasiliense XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Características Agrônomicas e Produção de Massa Seca no Cultivo Consorciado de Milho e Urochloa ruziziensis Inoculados

Leia mais

PRODUÇÃO DE FORRAGEM DE AZEVEM CV. BAR JUMBO SOB DISTINTAS DENSIDADES DE SEMEADURA E DOSES DE NITROGÊNIO

PRODUÇÃO DE FORRAGEM DE AZEVEM CV. BAR JUMBO SOB DISTINTAS DENSIDADES DE SEMEADURA E DOSES DE NITROGÊNIO PRODUÇÃO DE FORRAGEM DE AZEVEM CV. BAR JUMBO SOB DISTINTAS DENSIDADES DE SEMEADURA E DOSES DE NITROGÊNIO Fabio César Bratti 1, Laércio Sartor 1* [orientador], Priscila Wielewski 1, Julio Cezar Machado

Leia mais

Produtividade de Soja Semeada em Palhada de Capins Cultivados em Consórcio com Milho na Safrinha 1

Produtividade de Soja Semeada em Palhada de Capins Cultivados em Consórcio com Milho na Safrinha 1 Produtividade de Soja Semeada em Palhada de Capins Cultivados em Consórcio com Milho na Safrinha 1 José Alexandre Agiova da Costa 2, Armindo Neivo Kichel 2, Roberto Giolo de Almeida 2 e Ademir Hugo Zimmer

Leia mais

Avaliação de cultivares de milho para produção de silagem em Patrocínio, MG

Avaliação de cultivares de milho para produção de silagem em Patrocínio, MG Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 8., 2011, Belo Horizonte Avaliação de cultivares de milho para produção de silagem em Patrocínio, MG José Ricardo Silva (1), Leonardo de Oliveira Fernandes

Leia mais

11 EFEITO DA APLICAÇÃO DE FONTES DE POTÁSSIO NO

11 EFEITO DA APLICAÇÃO DE FONTES DE POTÁSSIO NO 11 EFEITO DA APLICAÇÃO DE FONTES DE POTÁSSIO NO ESTÁDIO R3 DA SOJA EM LUCAS DO RIO VERDE, MT O objetivo neste trabalho foi avaliar o efeito da aplicação de diferentes fontes de potássio aplicados no estádio

Leia mais

AVALIAÇÃO DE CULTIVARES E ÉPOCAS DE SEMEADURA DE MILHO SAFRINHA NA REGIÃO DE RIO VERDE (GO)

AVALIAÇÃO DE CULTIVARES E ÉPOCAS DE SEMEADURA DE MILHO SAFRINHA NA REGIÃO DE RIO VERDE (GO) AVALIAÇÃO DE CULTIVARES E ÉPOCAS DE SEMEADURA DE MILHO SAFRINHA NA REGIÃO DE RIO VERDE (GO) Miguel Marques Gontijo Neto (1), André May (1), Álisson Vanin (2), Alexandre Ferreira da Silva (1), Eduardo de

Leia mais

CONSÓRCIO DE MILHO SAFRINHA COM Brachiaria ruziziensis EM DIFERENTES POPULAÇÕES DE PLANTAS

CONSÓRCIO DE MILHO SAFRINHA COM Brachiaria ruziziensis EM DIFERENTES POPULAÇÕES DE PLANTAS CONSÓRCIO DE MILHO SAFRINHA COM Brachiaria ruziziensis EM DIFERENTES POPULAÇÕES DE PLANTAS Gessí Ceccon (1), Valdecir Batista Alves (2), Neriane de Souza Padilha (3) & Leonardo Fernandes Leite (4) 1.INTRODUÇÃO

Leia mais

Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Dois Vizinhos, Paraná Brasil. Bolsista CNPq/Capes.

Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Dois Vizinhos, Paraná Brasil. Bolsista CNPq/Capes. Características nutricionais da silagem de milho e de forrageiras dos gêneros Panicum e Brachiaria cultivadas em consórcio no Sistema Integração Lavoura - Pecuária 1 1 Idianara Fernanda Pizzatto 2, 2 Viviann

Leia mais

Palavras-chave: Zea mays L., densidade populacional, nitrogênio, produção.

Palavras-chave: Zea mays L., densidade populacional, nitrogênio, produção. XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Influência da Adubação Nitrogenada e Densidade Populacional sobre um Híbrido Simples, na Região Sul do Mato Grosso

Leia mais

AVALIAÇÃO DA PRODUTIVIDADE DE MILHO COM Brachiaria ruziziensis E MILHO SOLTEIRO

AVALIAÇÃO DA PRODUTIVIDADE DE MILHO COM Brachiaria ruziziensis E MILHO SOLTEIRO AVALIAÇÃO DA PRODUTIVIDADE DE MILHO COM Brachiaria ruziziensis E MILHO SOLTEIRO Mateus Luiz Secretti (1), Mirianny Elena de Freitas (2), Lígia Maria Maraschi da Silva Piletti (3), Luiz Carlos Ferreira

Leia mais

INTEGRAÇÃO LAVOURA- Prof. Dr. Gelci Carlos Lupatini. UNESP Campus Experimental de Dracena 8200

INTEGRAÇÃO LAVOURA- Prof. Dr. Gelci Carlos Lupatini. UNESP Campus Experimental de Dracena 8200 INTEGRAÇÃO LAVOURA- PECUÁRIA Prof. Dr. Gelci Carlos Lupatini UNESP Campus Experimental de Dracena (18) 3821-8200 8200 lupatini@dracena.unesp.br 1 INTRODUÇÃO Monocultivo de culturas e pastagens; Problemas

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Seleção de Cultivares de Sorgo e Braquiária em Consórcio para Produção de Grãos e Palhada Adalbert Horvathy Neto

Leia mais

Efeito de Arranjos Plantio na Produtividade do Milho Consorciado com Brachiaria brizantha

Efeito de Arranjos Plantio na Produtividade do Milho Consorciado com Brachiaria brizantha Efeito de Arranjos Plantio na Produtividade do Milho Consorciado com Brachiaria brizantha Galvão, J.C.C., Rodrigues, O. L.,Conceição, P. M., Corrêa, M.L.P. e Lemos, J.P. galvao@ufv.br; orismario.rodrigues@ufv.br

Leia mais

16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE

16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE 16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE EM RELAÇÃO AO FORMULADO PADRÃO O objetivo deste trabalho foi avaliar o desempenho do fertilizante Farture (00-12-12) em diferentes dosagens em relação ao

Leia mais

Avaliação de variedades sintéticas de milho em três ambientes do Rio Grande do Sul. Introdução

Avaliação de variedades sintéticas de milho em três ambientes do Rio Grande do Sul. Introdução Avaliação de variedades sintéticas de milho em três ambientes do Rio Grande do Sul Machado, J.R. de A. 1 ; Guimarães, L.J.M. 2 ; Guimarães, P.E.O. 2 ; Emygdio, B.M. 3 Introdução As variedades sintéticas

Leia mais

PP = 788,5 mm. Aplicação em R3 Aplicação em R5.1. Aplicação em Vn

PP = 788,5 mm. Aplicação em R3 Aplicação em R5.1. Aplicação em Vn Fabiano Andrei Bender da Cruz. Pesquisador/Consultor Fundação Bahia, Eng o. Agr o. Dr. CREA 40620232/MG. Aline Fabris. Estagiária, Acadêmica do Curso de Agronomia, convênio FAAHF/Fundação Bahia. Edimilson

Leia mais

1.INTRODUÇÃO , Dourados, MS. 2 Acadêmico de Agronomia Universidade Federal da Grande Dourados - UFGD,

1.INTRODUÇÃO , Dourados, MS.   2 Acadêmico de Agronomia Universidade Federal da Grande Dourados - UFGD, PERDA DE UMIDADE EM GRÃOS DE HÍBRIDOS DE MILHO SAFRINHA, EM DOURADOS MS Gessí Ceccon (1), Antonio Luiz Neto Neto (2), Rodrigo César Sereia (3), Valdecir Batista Alves (4) & Robson Benites Soares (5) 1.INTRODUÇÃO

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Embrapa Belém, PA 2014 ALTERAÇÕES NA FERTILIDADE DO SOLO APÓS CINCO ANOS DE CULTIVO

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO MILHO ISOLADO E CONSORCIADO COM DIFERENTES CULTURAS DE COBERTURA SOB PLANTIO DIRETO NO CERRADO RESUMO

PRODUTIVIDADE DO MILHO ISOLADO E CONSORCIADO COM DIFERENTES CULTURAS DE COBERTURA SOB PLANTIO DIRETO NO CERRADO RESUMO PRODUTIVIDADE DO MILHO ISOLADO E CONSORCIADO COM DIFERENTES CULTURAS DE COBERTURA SOB PLANTIO DIRETO NO CERRADO Simone Cândido Ensinas 1 ; Marlene Estevão Marchetti 2 ; Ademar Pereira Serra 3, Matheus

Leia mais

Avaliação de Cultivares de Milho na Safra 2009/2010, em Dourados, MS

Avaliação de Cultivares de Milho na Safra 2009/2010, em Dourados, MS Avaliação de Cultivares de Milho na Safra 2009/2010, em Dourados, MS Gessi Ceccon 1, Leonardo M. P. Rocha 2, Islaine C. Fonseca 3, Antonio L. N. Neto 3 e Rodrigo C. Sereia 4 1 Embrapa Agropecuária Oeste,

Leia mais

Potencial Forrageiro de Cultivares de Sorgo Sacarino em Diferentes Arranjos de Plantas e Localidades de Minas Gerais

Potencial Forrageiro de Cultivares de Sorgo Sacarino em Diferentes Arranjos de Plantas e Localidades de Minas Gerais Potencial Forrageiro de Cultivares de Sorgo Sacarino em Diferentes Arranjos de Plantas e Localidades de Minas Gerais Carlos J.B. Albuquerque; Rafael A.C. Parrela; Flávio D. Tardin; Renata da S. Brant;

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Herbicidas Pós-emergentes em Milho Safrinha Consorciado com Capim Tanzânia Gustavo Pavan Mateus 1, Andréia Cristina

Leia mais

Fundação de Apoio e Pesquisa e Desenvolvimento Integrado Rio Verde

Fundação de Apoio e Pesquisa e Desenvolvimento Integrado Rio Verde PARCERIIA FUNDAÇÃO RIIO VERDE - SN CENTRO Lucas do Rio, Outubro de 2007 PLANO DE PARCERIA FUNDAÇÃO RIIO VERDE - SN CENTRO TECNOLOGIAS DE NUTRIÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS LINHA DE PESQUISA: Avaliação de

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1573

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1573 Página 1573 AVALIAÇÃO DE LINHAGENS DE MAMONEIRA NO MUNICÍPIO DE NOSSA SENHORA DAS DORES/SE Francisco Elias Ribeiro 1 ; Samuel Silva da Mata 1 ; Milena Mascarenhas de Jesus Ribeiro 2 ; Máira Milani 3 1Pesquisador

Leia mais

14 AVALIAÇÃO DE HERBICIDAS PRÉ-EMERGENTES NA

14 AVALIAÇÃO DE HERBICIDAS PRÉ-EMERGENTES NA 14 AVALIAÇÃO DE HERBICIDAS PRÉ-EMERGENTES NA CULTURA DA SOJA EM LUCAS DO RIO VERDE, MT O objetivo neste trabalho foi avaliar a eficácia dos herbicidas Boral, Classic, e Spider visando o manejo do complexo

Leia mais

AVEIA BRANCA FORRAGEIRA IPR ESMERALDA

AVEIA BRANCA FORRAGEIRA IPR ESMERALDA AVEIA BRANCA FORRAGEIRA RELAÇÃO FOLHA/COLMO Proporção 1,5:1 2,3:1 SEMENTES SUGESTÃO DE SEMEADURA A cultivar está registrada no Registro Nacional de Cultivares (RNC/MAPA) sob o nº. 29.873. Sementes podem

Leia mais

Consórcio de milho com braquiária: aspectos práticos de implantação. Intercropped corn-brachiaria: practical deployment.

Consórcio de milho com braquiária: aspectos práticos de implantação. Intercropped corn-brachiaria: practical deployment. Consórcio de com braquiária: aspectos práticos de implantação Intercropped corn-brachiaria: practical deployment. Gessi Ceccon 1 e Luís Armando Zago Machado 2 Identificação das principais forrageiras perenes

Leia mais

PRODUÇÃO DE GRÃOS E DECOMPOSIÇÃO DOS RESÍDUOS CULTURAIS DE MILHO E SOJA EM FUNÇÃO DAS PLANTAS DE COBERTURA

PRODUÇÃO DE GRÃOS E DECOMPOSIÇÃO DOS RESÍDUOS CULTURAIS DE MILHO E SOJA EM FUNÇÃO DAS PLANTAS DE COBERTURA PRODUÇÃO DE GRÃOS E DECOMPOSIÇÃO DOS RESÍDUOS CULTURAIS DE MILHO E SOJA EM FUNÇÃO DAS PLANTAS DE COBERTURA RODRIGUES JÚNIOR, D.J. 1 ; TORRES, J.L.R 2.; PEREIRA 3, M.G.; FABIAN 4, A.J. 1 Graduando do 5º

Leia mais

Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2010)

Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2010) Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2010) 5771-5775 AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS DE ARROZ IRRIGADO NO USO DE NITROGÊNIO CARVALHO, Glaucilene Duarte 1 ; DE CAMPOS, Alfredo Borges 2 & FAGERIA,

Leia mais

PRODUTIVIDADE DE SOJA EM RESPOSTA AO ARRANJO ESPACIAL DE PLANTAS E À ADUBAÇÃO NITROGENADA ASSOCIADA A FERTILIZAÇÃO FOLIAR

PRODUTIVIDADE DE SOJA EM RESPOSTA AO ARRANJO ESPACIAL DE PLANTAS E À ADUBAÇÃO NITROGENADA ASSOCIADA A FERTILIZAÇÃO FOLIAR 28 Resumos da XXXIII Reunião de Pesquisa de Soja da Região Central do Brasil - Londrina, PR, agosto de 203 5 PRODUTIVIDADE DE SOJA EM RESPOSTA AO ARRANJO ESPACIAL DE PLANTAS E À ADUBAÇÃO NITROGENADA ASSOCIADA

Leia mais

Demanda Energética de Máquinas Agrícolas na Implantação da Cultura do Corgo Forrageiro

Demanda Energética de Máquinas Agrícolas na Implantação da Cultura do Corgo Forrageiro Demanda Energética de Máquinas Agrícolas na Implantação da Cultura do Corgo Forrageiro Flávia M. Nascimento 1, José G. L. Rodrigues 2, Carlos A. Gamero 3, Jairo C. Fernandes 4, Sílvio J. Bicudo 5 1,2,4

Leia mais

Curso de Pós-Graduação em Estratégias Integradas para Pecuária de Corte: Produção, Eficiência e Gestão

Curso de Pós-Graduação em Estratégias Integradas para Pecuária de Corte: Produção, Eficiência e Gestão Curso de Pós-Graduação em Estratégias Integradas para Pecuária de Corte: Produção, Eficiência e Gestão Módulo I PRODUÇÃO DE BOVINOS EM PASTAGENS NO BRASIL Prof. Dr. Gelci Carlos Lupatini Zootecnia UNESP/Dracena

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE GRUPOS DE GENÓTIPOS DE MILHO SAFRINHA AVALIADOS EM DOURADOS, MS

CARACTERIZAÇÃO DE GRUPOS DE GENÓTIPOS DE MILHO SAFRINHA AVALIADOS EM DOURADOS, MS CARACTERIZAÇÃO DE GRUPOS DE GENÓTIPOS DE MILHO SAFRINHA AVALIADOS EM DOURADOS, MS Luan Marlon Ribeiro (1), Priscilla Cunha Moreira dos Santos (1), Jorge Junior Theodoro Martins Prata (2), Gessí Ceccon

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Milho-Verde em Consórcio com Feijão em Diferentes Populações Lauro Kenji Komuro 1, João Antonio da Costa Andrade

Leia mais

Produção de matéria seca do capim-marandu após aplicação de Azospirillum brasiliense e ureia no Cerrado de baixa altitude

Produção de matéria seca do capim-marandu após aplicação de Azospirillum brasiliense e ureia no Cerrado de baixa altitude Produção de matéria seca do capim-marandu após aplicação de Azospirillum brasiliense e ureia no Cerrado de baixa altitude Viviane Cristina Modesto (1) ; Marcelo Andreotti (2) ; Allan Hisashi Nakao (3)

Leia mais

Avaliação da velocidade de reação do corretivo líquido na camada superficial de um Latossolo Vermelho distroférrico

Avaliação da velocidade de reação do corretivo líquido na camada superficial de um Latossolo Vermelho distroférrico Avaliação da velocidade de reação do corretivo líquido na camada superficial de um Latossolo Vermelho distroférrico Bruna de Souza SILVEIRA 1 ; André Luís XAVIER 1 ; Sheila Isabel do Carmo PINTO 2 ; Fernando

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO

PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO Valdecir Batista Alves (1), Gessí Ceccon (2), Júlio Cesar Salton (3), Antonio Luiz Neto Neto (4), Leonardo

Leia mais

Manejo da adubação nitrogenada na cultura do milho

Manejo da adubação nitrogenada na cultura do milho Manejo da adubação nitrogenada na cultura do milho Atualmente, pode-se dizer que um dos aspectos mais importantes no manejo da adubação nitrogenada na cultura do milho refere-se à época de aplicação e

Leia mais

Efeito do inseticida Lorsban na supressão de Spodoptera frugiperda (Smith, 1797) (Lepidoptera: Noctuidae) na cultura do milho.

Efeito do inseticida Lorsban na supressão de Spodoptera frugiperda (Smith, 1797) (Lepidoptera: Noctuidae) na cultura do milho. Efeito do inseticida Lorsban na supressão de Spodoptera frugiperda (Smith, 1797) (Lepidoptera: Noctuidae) na cultura do milho. Previous Top Next 1MARIA DE L. C. FIGUEIREDO, 2 ANGÉLICA M. PENTEADO-DIAS

Leia mais

18 PRODUTIVIDADE DA SOJA EM FUNÇÃO DA

18 PRODUTIVIDADE DA SOJA EM FUNÇÃO DA 18 PRODUTIVIDADE DA SOJA EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO DE MACRONUTRIENTES EM PÓS- EMERGÊNCIA DA CULTURA O objetivo neste trabalho foi avaliar a aplicação de macronutrientes de diversas fontes e épocas de aplicação

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1213

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1213 Página 1213 COMPORTAMENTO DA CULTIVAR DE MAMONA BRS ENERGIA CULTIVADA SOB DUAS DENSIDADES DE PLANTIO EM IRECÊ, BA Jalmi Guedes Freitas 1, José Carlos Aguiar da Silva 1, Jocelmo Ribeiro Mota 1 Gilvando

Leia mais

Cultivares de Aveias para Produção de Forragem e Cobertura do Solo

Cultivares de Aveias para Produção de Forragem e Cobertura do Solo 49 ISSN 1516-8441 Dezembro, 2001 Dourados, MS Fotos: Luís Armando Zago Machado Cultivares de Aveias para Produção de Forragem e Cobertura do Solo 1 Luís Armando Zago Machado As aveias branca e preta são

Leia mais

Uso da cama de Peru na substituição parcial ou total da adubação química na cultura da soja¹

Uso da cama de Peru na substituição parcial ou total da adubação química na cultura da soja¹ Uso da cama de Peru na substituição parcial ou total da adubação química na cultura da soja¹ L.C.Dias², W.S. Rezende³, M. R. Carbalial 4, L. A. Silva 5 Resumo Com o objetivo de se avaliar o efeito de produção

Leia mais

CULTIVARES DE TRIGO SUBMETIDAS À INTERAÇÃO ENTRE ADUBAÇÃO NITROGENADA E DENSIDADE DE SEMEADURA EM AMBIENTES DISTINTOS DO PARANÁ

CULTIVARES DE TRIGO SUBMETIDAS À INTERAÇÃO ENTRE ADUBAÇÃO NITROGENADA E DENSIDADE DE SEMEADURA EM AMBIENTES DISTINTOS DO PARANÁ CULTIVARES DE TRIGO SUBMETIDAS À INTERAÇÃO ENTRE ADUBAÇÃO NITROGENADA E DENSIDADE DE SEMEADURA EM AMBIENTES DISTINTOS DO PARANÁ José Salvador Simoneti Foloni 1*, Manoel Carlos Bassoi 1, Adônis Moreira

Leia mais

08 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA

08 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA 08 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA COM TECNOLOGIA INTACTA RR2 PRO EM DUAS ÉPOCAS DE SEMEADURA O objetivo deste trabalho foi avaliar o potencial produtivo de cultivares de soja disponíveis comercialmente

Leia mais

RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES CULTIVOS CONSORCIADOS 08/04/2013

RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES CULTIVOS CONSORCIADOS 08/04/2013 RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES CULTIVOS CONSORCIADOS GLUPOS GÊNICOS GLUPOS GÊNICOS 1 2 3 4 5 Estima-se que mais de 50% do feijão produzido no estado de MG provém do cultivo consorciado. CULTIVOS CONSORCIADOS

Leia mais

AVALIAÇÃO DO ARRANJO DE PLANTAS DE GIRASSOL

AVALIAÇÃO DO ARRANJO DE PLANTAS DE GIRASSOL 241 ( 55 AVALIAÇÃO DO ARRANJO DE PLANTAS DE GIRASSOL EVALUATION OF PLANT DESIGN IN SUNFLOWER César de Castro 1 ; Adilson de Oliveira Júnior 1 ; Fábio Alvares de Oliveira 1 ; Regina M.V.B.C. Leite 1 ; Bruna

Leia mais

BANCO DE PROTEÍNAS COMO ALTERNATIVAS PARA A ALIMENTAÇÃO DE BOVINOS NO PERÍODO SECO, COM E SEM IRRIGAÇÃO

BANCO DE PROTEÍNAS COMO ALTERNATIVAS PARA A ALIMENTAÇÃO DE BOVINOS NO PERÍODO SECO, COM E SEM IRRIGAÇÃO BANCO DE PROTEÍNAS COMO ALTERNATIVAS PARA A ALIMENTAÇÃO DE BOVINOS NO PERÍODO SECO, COM E SEM IRRIGAÇÃO Ítalo Bazzo de Oliveira 1 ;João Batista Leite Jr. 2 1 Acadêmico do curso de agronomia da UEMS, Unidade

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO CULTIVO DO TOMATEIRO IRRIGADO *

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO CULTIVO DO TOMATEIRO IRRIGADO * VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO CULTIVO DO TOMATEIRO IRRIGADO * VIEIRA, T.A. 1 ; SANTANA, M.J. 2 ; BARRETO, A.C. 2 * Projeto financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (FAPEMIG).

Leia mais

Avaliação Preliminar de Híbridos Triplos de Milho Visando Consumo Verde.

Avaliação Preliminar de Híbridos Triplos de Milho Visando Consumo Verde. Avaliação Preliminar de Híbridos Triplos de Milho Visando Consumo Verde. XXIV Congresso Nacional de Milho e Sorgo - 01 a 05 de setembro de 2002 - Florianópolis - SC Monteiro, M. A. R1., Pereira Filho,

Leia mais

Palavras-Chave: Adubação mineral. Adubação orgânica. Cama de Peru. Glycine max.

Palavras-Chave: Adubação mineral. Adubação orgânica. Cama de Peru. Glycine max. RENDIMENTO DE SOJA (GLICINE MAX) SUBMETIDO A SUBISTITUIÇÃO DO ADUBO QUIMICO POR CAMA DE PERU Leonardo Citelli Dias 1, Rejane Aparecida de Carvalho Pohlmann 1 Egresso do Curso de Agronomia UNIFIMES, Rua

Leia mais

Efeito da Densidade de Plantas nas Características Biométricas e na Produtividade de Grãos de Milho no Sul de Minas Gerais

Efeito da Densidade de Plantas nas Características Biométricas e na Produtividade de Grãos de Milho no Sul de Minas Gerais XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Efeito da Densidade de Plantas nas Características Biométricas e na Produtividade de Grãos de Milho no Sul de Minas

Leia mais

fontes e doses de nitrogênio em cobertura na qualidade fisiológica de sementes de trigo

fontes e doses de nitrogênio em cobertura na qualidade fisiológica de sementes de trigo fontes e doses de nitrogênio em cobertura na qualidade fisiológica de sementes de trigo PRANDO, A.M. 1 ; ZUCARELI, C. 1 ; FRONZA, V. 2 ; BASSOI, M.C. 2 ; OLIVEIRA, F.A. 2 1 Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

Fazenda Triunfo Integração Lavoura-Pecuária Safrinha de Boi. Diversificação da produção em larga escala em clima tropical (Oeste da Bahia)

Fazenda Triunfo Integração Lavoura-Pecuária Safrinha de Boi. Diversificação da produção em larga escala em clima tropical (Oeste da Bahia) Fazenda Triunfo Integração Lavoura-Pecuária Safrinha de Boi Diversificação da produção em larga escala em clima tropical (Oeste da Bahia) Nossa experiência de... Integração lavoura-pecuária ROTEIRO DA

Leia mais

Desenvolvimento e Produção de Sementes de Feijão Adzuki em Função da Adubação Química

Desenvolvimento e Produção de Sementes de Feijão Adzuki em Função da Adubação Química Desenvolvimento e Produção de Sementes de Feijão Adzuki em Função da Adubação Química Flívia Fernandes de Jesus 1, Fabrícia C. Adriano 2, Fabrício de C. Peixoto 3, Adilson Pelá 4, Nei Peixoto 5 1. Bolsista

Leia mais

Controle de Plantas Daninhas em Sistemas Integrados

Controle de Plantas Daninhas em Sistemas Integrados Controle de Plantas Daninhas em Sistemas Integrados Devido à importância da pecuária, principalmente a produção animal a pasto, para a economia brasileira, o cultivo de plantas forrageiras assume um papel

Leia mais

PRODUÇÃO DE CULTIVARES DE AZEVÉM NO EXTREMO OESTE CATARINENSE. Palavras-chave: Lolium multiflorum L., Produção de leite, Pastagem de inverno.

PRODUÇÃO DE CULTIVARES DE AZEVÉM NO EXTREMO OESTE CATARINENSE. Palavras-chave: Lolium multiflorum L., Produção de leite, Pastagem de inverno. PRODUÇÃO DE CULTIVARES DE AZEVÉM NO EXTREMO OESTE CATARINENSE José Tiago Rambo Hoffmann 1 ; Leandro Werlang 1 ; Rogério Klein 1 ; Marcos Paulo Zambiazi 1 ; Fabiana Raquel Mühl 2 ; Neuri Antônio Feldman

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO HÍBRIDO FORRAGEIRO DE SORGO SS318 CULTIVADO NA 2ª SAFRA COM DIFERENTES POPULAÇÕES DE PLANTAS

PRODUTIVIDADE DO HÍBRIDO FORRAGEIRO DE SORGO SS318 CULTIVADO NA 2ª SAFRA COM DIFERENTES POPULAÇÕES DE PLANTAS 6ª Jornada Científica e Tecnológica e 3º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 04 e 05 de novembro de 2014, Pouso Alegre/MG PRODUTIVIDADE DO HÍBRIDO FORRAGEIRO DE SORGO SS318 CULTIVADO NA 2ª SAFRA

Leia mais

Índice de clorofila em variedades de cana-de-açúcar tardia, sob condições irrigadas e de sequeiro

Índice de clorofila em variedades de cana-de-açúcar tardia, sob condições irrigadas e de sequeiro Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 7., 2010, Belo Horizonte Índice de clorofila em variedades de cana-de-açúcar tardia, sob condições irrigadas e de sequeiro Thiago Henrique Carvalho de Souza

Leia mais

Leonardo Henrique Duarte de Paula 1 ; Rodrigo de Paula Crisóstomo 1 ; Fábio Pereira Dias 2

Leonardo Henrique Duarte de Paula 1 ; Rodrigo de Paula Crisóstomo 1 ; Fábio Pereira Dias 2 Avaliação de diferentes cultivares de milho (Zea mays) para a produção de minimilho na região Bambuí MG Leonardo Henrique Duarte de Paula 1 ; Rodrigo de Paula Crisóstomo 1 ; Fábio Pereira Dias 2 1 Estudante

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Doses de Nitrogênio em Cobertura e Densidade de Plantas nas Características Agronômicas do Milho de Primeira Safra

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE MILHO SAFRINHA EM CULTIVO CONSORCIADO

ANÁLISE ECONÔMICA DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE MILHO SAFRINHA EM CULTIVO CONSORCIADO ANÁLISE ECONÔMICA DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE MILHO SAFRINHA EM CULTIVO CONSORCIADO Alceu Richetti 1, Gessi Ceccon 2 1. Introdução As condições de riscos e incertezas na agricultura são elevadas e, para

Leia mais

Características de híbridos para produção de minimilho submetidos a diferentes estratégias de adubação pós plantio

Características de híbridos para produção de minimilho submetidos a diferentes estratégias de adubação pós plantio Características de híbridos para produção de minimilho submetidos a diferentes estratégias de adubação pós plantio Kelson Willian de Oliveira (1) ; Alice Lagoeiro de Abreu (2) ; Iran Dias Borges (3) ;

Leia mais

Análise de crescimento de plantas de sorgo biomassa (BRS 716)

Análise de crescimento de plantas de sorgo biomassa (BRS 716) Análise de crescimento de plantas de sorgo biomassa (BRS 716) Ana Lúcia Lara Lanza (1) ; Iran Dias Borges (2) ; Júnia de Paula Lara (3) ; Kelson Willian de Oliveira (4) ; Ana Gabriela Ferreira Magalhães

Leia mais

Pesquisador, Embrapa Milho e Sorgo, CP. 151, CEP , Sete Lagoas-MG. 1

Pesquisador, Embrapa Milho e Sorgo, CP. 151, CEP , Sete Lagoas-MG. 1 Crescimento de plantas de milho e de braquiária em plantio consorciado, na presença ou ausência de subdose de herbicida nicosulfuron e diferentes modos de adubação Ramon C. Alvarenga 1, Miguel M. Gontijo

Leia mais

Manejos da Sucessão Aveia Branca /Milho em Sistema de Integração Lavoura Pecuária nas Características Físicas de um Latossolo Vermelho Muito Argiloso

Manejos da Sucessão Aveia Branca /Milho em Sistema de Integração Lavoura Pecuária nas Características Físicas de um Latossolo Vermelho Muito Argiloso Manejos da Sucessão Aveia Branca /Milho em Sistema de Integração Lavoura Pecuária nas Características Físicas de um Latossolo Vermelho Muito Argiloso Marcos V. M. Sarto 1, Rafael de L. Lázaro 1, Cristiane

Leia mais

Dirceu Luiz Broch e Gessi Ceccon

Dirceu Luiz Broch e Gessi Ceccon 9º Seminário Nacional de Milho Safrinha. Rumo à estabilidade: anais. 121 PRODUÇÃO DE MILHO SAFRINHA COM INTEGRAÇÃO LAVOURA E PECUÁRIA () () Dirceu Luiz Broch e Gessi Ceccon 1. Introdução O safrinha é uma

Leia mais

431 - AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE MILHO EM DIFERENTES DENSIDADES DE PLANTIO EM SISTEMA ORGÂNICO DE PRODUÇÃO

431 - AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE MILHO EM DIFERENTES DENSIDADES DE PLANTIO EM SISTEMA ORGÂNICO DE PRODUÇÃO Manejo de Agroecosistemas Sustentaveis Monferrer 431 - AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE MILHO EM DIFERENTES DENSIDADES DE PLANTIO EM SISTEMA ORGÂNICO DE PRODUÇÃO José C. Cruz 1 ; Israel A. Pereira Filho 1 ;

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS E QUÍMICAS DO SOLO EM SISTEMA SILVIPASTORIL EM REGIÃO DE ECÓTONO CERRADO- AMAZÔNIA

AVALIAÇÃO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS E QUÍMICAS DO SOLO EM SISTEMA SILVIPASTORIL EM REGIÃO DE ECÓTONO CERRADO- AMAZÔNIA AVALIAÇÃO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS E QUÍMICAS DO SOLO EM SISTEMA SILVIPASTORIL EM REGIÃO DE ECÓTONO CERRADO- AMAZÔNIA Marcelo Gomes de Araújo 1 ; José Expedito Cavalcante da Silva 2 ; Antonio Clementino

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO CONTEÚDO DE ÁGUA DE SOLO PELO MÉTODO DA FRIGIDEIRA EM UM LATOSSOLO VERMELHO ESCURO

DETERMINAÇÃO DO CONTEÚDO DE ÁGUA DE SOLO PELO MÉTODO DA FRIGIDEIRA EM UM LATOSSOLO VERMELHO ESCURO DETERMINAÇÃO DO CONTEÚDO DE ÁGUA DE SOLO PELO MÉTODO DA FRIGIDEIRA EM UM LATOSSOLO VERMELHO ESCURO Márcio Rodrigues TAVEIRA 1; Mário dos SANTOS 2 ; Antonio Clarette Santiago TAVARES 3, José ALVES Jr. 4,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO LONGITUDINAL DE PLANTAS DE MILHO EM DIFERENTES SISTEMAS DE CULTIVO

AVALIAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO LONGITUDINAL DE PLANTAS DE MILHO EM DIFERENTES SISTEMAS DE CULTIVO AVALIAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO LONGITUDINAL DE PLANTAS DE MILHO EM DIFERENTES SISTEMAS DE CULTIVO Morais Carneiro dos Reis (1) ; Gustavo Ferreira de Sousa (1) ; Maila Adriely Silva (1) ; Júlia Camargos da Costa

Leia mais

Revista Agrarian ISSN: Growth analysis of off season corn and Brachiaria intercropping

Revista Agrarian ISSN: Growth analysis of off season corn and Brachiaria intercropping Crescimento de Brachiaria spp. e milho safrinha em cultivo consorciado Growth analysis of off season corn and Brachiaria intercropping Rodrigo César Sereia 1, Leonardo Fernandes Leite 2, Valdecir Batista

Leia mais

Comunicado Técnico. Odo Primavesi 1 Rodolfo Godoy 1 Francisco H. Dübbern de Souza 1. ISSN X São Carlos, SP. Foto capa: Odo Primavesi

Comunicado Técnico. Odo Primavesi 1 Rodolfo Godoy 1 Francisco H. Dübbern de Souza 1. ISSN X São Carlos, SP. Foto capa: Odo Primavesi Comunicado Técnico Dezembro, 81 ISSN 1981-206X São Carlos, SP 2007 Foto capa: Odo Primavesi Avaliação de genótipos e recomendação de cultivares de aveia forrageira, para a região central do Estado de São

Leia mais

Atributos químicos do solo sob diferentes tipos de vegetação na Unidade Universitária de Aquidauana, MS

Atributos químicos do solo sob diferentes tipos de vegetação na Unidade Universitária de Aquidauana, MS Atributos químicos do solo sob diferentes tipos de vegetação na Unidade Universitária de Aquidauana, MS JEAN SÉRGIO ROSSET 1, JOLIMAR ANTONIO SCHIAVO 2 Bolsista CNPq 1 Orientador 2 RESUMO O objetivo deste

Leia mais

SELETIVIDADE DOS HERBICIDAS BENTAZON E NICOSULFURON PARA Crotalaria juncea e Crotalaria spectabilis

SELETIVIDADE DOS HERBICIDAS BENTAZON E NICOSULFURON PARA Crotalaria juncea e Crotalaria spectabilis SELETIVIDADE DOS HERBICIDAS BENTAZON E NICOSULFURON PARA Crotalaria juncea e Crotalaria spectabilis NOGUEIRA, C. H. P (FCAV - UNESP, Jaboticabal/SP - nogueirachp@gmail.com), CORREIA, N. M. (Embrapa, Brasília/DF

Leia mais

Correção da acidez subsuperficial no plantio direto pela aplicação de calcário na superfície e uso de plantas de cobertura e adubação verde

Correção da acidez subsuperficial no plantio direto pela aplicação de calcário na superfície e uso de plantas de cobertura e adubação verde Correção da acidez subsuperficial no plantio direto pela aplicação de calcário na superfície e uso de plantas de cobertura e adubação verde Julio Cezar Franchini Eleno Torres Luiz Gustavo Garbelini Mario

Leia mais

INOCULAÇÃO VIA FOLIAR COM

INOCULAÇÃO VIA FOLIAR COM INOCULAÇÃO VIA FOLIAR COM Azospirillum brasilense ASSOCIADA A DOSES DE NITROGÊNIO EM COBERTURA NA CULTURA DO MILHO SAFRINHA José Roberto Portugal (1), Orivaldo Arf (2), Amanda Ribeiro Peres (3), Aline

Leia mais

13 AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS DE NUTRIÇÃO VIA

13 AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS DE NUTRIÇÃO VIA 13 AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS DE NUTRIÇÃO VIA FOLIAR APLICADOS NA SOJA EM LUCAS DO RIO VERDE, MT O objetivo neste trabalho foi testar e avaliar o programa de nutrição foliar recomendado pela empresa Helena

Leia mais

6 Práticas Culturais

6 Práticas Culturais CULTURA DO ARROZ 6 Práticas Culturais A produção de arroz no Brasil é feita em dois grandes sistemas: - Terras altas - Várzeas Incluindo diversas modalidades de cultivo. Cultivo irrigado com irrigação

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Componentes da Produção e Produtividade de Grãos de Milho em Consórcio com Brachiaria brizantha cv Xaraés, em função

Leia mais