Valeria Merce Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos Universidade Metodista de Piracicaba- UNIMEP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Valeria Merce Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos Universidade Metodista de Piracicaba- UNIMEP"

Transcrição

1 RESUMO Discriminação da mulher no mercado de trabalho brasileiro Fabiana de Sousa Jorge Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos Universidade Metodista de Piracicaba- UNIMEP Valeria Merce Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos Universidade Metodista de Piracicaba- UNIMEP O número de estudos que tem a mulher como objeto central de discussão ampliou consideravelmente. O foco principal dessas pesquisas é o preconceito vivido pelo gênero feminino. O objetivo do estudo foi evidenciar a discriminação sofrida pela mulher dentro do mercado de trabalho especialmente no que diz respeito à empregabilidade e disparidade no salário quando comparados com os do homem, mesmos exercendo a mesma função. Os dados foram obtidos de pesquisas já publicadas e órgãos públicos como o Ministério do Trabalho e Emprego, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística e a Relação Anual de Informações Sociais. Os resultados apontaram que embora a mulher tenha aumentado sua participação no mercado de trabalho, essas ainda sofrem bastante preconceito com relação aos baixos salários recebidos quando comparados aos dos homens mesmo tendo a mesma formação e ocupando a mesma função na empresa. Palavras-chave: Preconceito, Mercado de Trabalho e Mulher 1- INTRODUÇÃO O número de estudo que tem a mulher como objeto central de discussão, ampliou consideravelmente. Para Costa (2005,p.5), acompanhando essa vertente de pesquisas destacase o discurso social da subordinação, a perspectiva de igualdade sexista e as diversas formas de preconceito sofrido pela mulher. A mulher sempre foi alvo de discriminação no que diz respeito ao mercado de trabalho Balbino (2007). No passado a mulher era criada para cuidar da casa e dos filhos e jamais ocupava os cargos dos homens dentro das empresas Costa (2005). Falar da descriminação sexista no século XXI parece, inicialmente, irrelevante, dado o grande avanço tecnológico que hoje vivenciamos. No entanto, eliminar preconceitos parece tão importante e dificultoso como lançar um novo Softwear Balbino (2007, p.11). O mercado de trabalho sofreu inúmeras transformações, especialmente no final do século XX, onde se notam significativas alterações de cume social, econômico e político. No entanto a relação de gênero no trabalho parece não ter sofrido mudanças radicais. É comum ainda hoje a mulher apresentar uma fragilidade na manutenção do emprego formal, alto índice de desemprego, diferença salarial entre gênero, segregação ocupacional e barreiras de ascensão e promoção profissional Balbino (2007). 1.1 Caracterização do estudo A pesquisa possui característica exploratória e descritiva. Trata-se de uma revisão bibliográfica com dados sobre o preconceito vivido pela mulher no mercado de trabalho O problema de estudo O problema aqui estudado é o preconceito existente contra a mulher no mercado de trabalho. Dentro da história do trabalho, a mulher sempre foi designada para exercer funções

2 2 relacionadas aos cuidados com a casa e com os filhos. Mesmo com os pensamentos mais modernos esta é uma realidade ainda vivida por muitas delas. É natural pensar que o fato acaba por gerar maiores dificuldades em adquirir novos conhecimentos e aprimoramento profissional, refletindo diretamente na conquista do emprego e nos salários por elas recebidos. A hipótese do estudo está baseada na idéia de que mulher ainda sofre discriminação no que diz respeito à competitividade no mercado de trabalho. Além das empresas disponibilizarem um número menor de vagas em altos cargos para as mulheres essas, quando os ocupam gozam de menores salários e benefícios Objetivos O estudo tem por objetivo: Objetivo geral: O objetivo do estudo é colocar em evidência o preconceito sofrido pela mulher dentro do mercado de trabalho, especialmente no que diz respeito à empregabilidade e disparidade no salário quando comparados com os do homem, mesmo exercendo a mesma função. Objetivos específicos Os objetivos específicos são: a) Apontar o número de empregos formais segundo gênero e grau de instrução; b) Evidenciar a disparidade com relação a remuneração média entre gêneros e grau de instrução; c) Apontar a diferença existente entre gênero com relação ao vínculo celetista Justificativas da pesquisa Espera-se que os resultados do estudo possam contribuir para evidenciar o preconceito ainda vivenciado pela mulher no mercado de trabalho. A discussão sobre o tema parece de suma importância para conscientizar e sensibilizar não só as empresas, mas também toda a sociedade de que a mulher é discriminada principalmente com relação à empregabilidade. E que mesmo quando consegue atingir o mesmo cargo assumido comumente por homens, sofrem preconceito recebendo menores salários e exercendo mesma função. Espera-se ainda que os dados possam contribuir para sensibilizar a sociedade e profissionais que trabalham em recursos humanos (RH). 1.2 Procedimentos Metodológicos Este trabalho foi realizado a partir de uma pesquisa de literaturas publicadas que abordam a discriminação sofrida pela mulher no mercado de trabalho. Utilizou-se como fonte publicações e livros, assim como dissertações de mestrado, teses de doutorado e periódicos. Juntamente a esta revisão bibliográfica, utilizou-se dados produzidos por órgãos públicos como o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) e dados extraídos da Relação Anual de Informações Sociais (RAIS). As informações foram coletadas e transformadas em tabelas que possam facilitar o entendimento dos dados extraídos. Estas tabelas separam os dados por gênero, permitindo a análise comparativa entre a participação masculina e feminina no mercado de trabalho e identificar os problemas existentes nas relações de trabalho. 2. BREVE HISTÓRICO SOBRE AS LUTAS FEMINISTAS Neste artigo, definem-se preconceito como atitudes discriminatórias devido ao gênero da pessoa, impondo-lhe salários menores pelo mesmo trabalho; ou impedindo seu acesso a

3 3 determinadas atividades econômicas (exemplo: a pouca mão-de-obra feminina na construção civil). O dicionário Michaelis (2009), apresenta diversas definições de preconceito: Um Conceito ou opinião formada antes de ter os conhecimentos adequados. 2 Opinião ou sentimento desfavorável, concebido antecipadamente ou independente de experiência ou razão. 3 Superstição que obriga a certos atos ou impede que eles se pratiquem. 4 Sociol Atitude emocionalmente condicionada, baseada em crença, opinião ou generalização, determinando simpatia ou antipatia para com indivíduos ou grupos. P. de classe: atitudes discriminatórias incondicionadas contra pessoas de outra classe social. P. racial: manifestação hostil ou desprezo contra indivíduos ou povos de outras raças. P. religioso: intolerância manifesta contra indivíduos ou grupos que seguem outras religiões. A discriminação da mulher no mercado de trabalho ocorre desde o inicio dos tempos. A mulher era criada para cuidar da casa e dos filhos. Como fatores determinantes da duração do desemprego destacam-se o gênero, a educação, a idade, a experiência anterior, o tempo de trabalho, o fato de ter sido demitido, ter tido carteira de trabalho assinada e ter recebido o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) Santos (2006, p.42). A mulher era criada para cuidar da casa e dos filhos. Com a Revolução Industrial esta diferença se manteve, e apenas o homem ocupava as funções existentes, sendo em muitos casos, o próprio homem substituído por máquinas, comandadas por outros homens, separando os trabalhadores dos meios de produção, ou seja, a separação definitiva entre o capital e o trabalho Guimarães (1988, apud SANTOS, 2006,p.42-67). Neste contexto, passaram a surgir diversos problemas sociais. A utilização do trabalho feminino e infantil, como forma de diminuir custos por ser uma mão-de-obra mais barata, agravou os problemas socioeconômicos, pois aumentaram o desemprego, que passou a ser acompanhado pela fome e de outros flagelos sociais, como a prostituição, o alcoolismo e a exploração dos filhos pelos pais, que buscavam na família uma prole numerosa que garantisse a sua sobrevivência. Em resposta a isso, trabalhadores e patrões passaram a se organizar para a luta pelos seus interesses. Os trabalhadores, revoltados com os baixos salários e as péssimas condições de trabalho, formaram associações e sindicatos para a luta contra os patrões, pois estas associações davam força para os trabalhadores fazerem suas reivindicações e conquistaram alguns direitos Rifkin (1995, apud SANTOS, 2006, p.42-67) No caso das mulheres, a revolta gerou a criação do Dia Internacional da Mulher. No Dia 8 de março de 1857, operárias de uma fábrica de tecidos, situada na cidade norte americana de Nova Iorque, fizeram uma grande greve. Ocuparam a fábrica e começaram a reivindicar melhores condições de trabalho, tais como, redução na carga diária de trabalho para dez horas (as fábricas exigiam 16 horas de trabalho diário), equiparação de salários com os homens (as mulheres chegavam a receber até um terço do salário de um homem, para executar o mesmo tipo de trabalho) e tratamento digno dentro do ambiente de trabalho. A manifestação foi reprimida com total violência. As mulheres foram trancadas dentro da fábrica, que foi incendiada. Aproximadamente 130 tecelãs morreram carbonizadas, num ato totalmente desumano. (Secretaria Especial da Mulher, 1999 p.13) Ao criar-se esta data, não se pretendia apenas comemorar. Na maioria dos países, realizam-se conferências, debates e reuniões cujo objetivo é discutir o papel da mulher na sociedade atual. O esforço é para tentar diminuir e, quem sabe um dia terminar, com o preconceito e a desvalorização da mulher. Mesmo com todos os avanços, elas ainda sofrem, em muitos locais, com salários baixos, violência masculina, jornada excessiva de trabalho e

4 4 desvantagens na carreira profissional. Muito foi conquistado, mas muito ainda há para ser modificado nesta história. 3- AS NOVAS FORMAS DE PRECONCEITO Na sociedade moderna qualquer ato de preconceito de forma explicita é proibido pela lei n 7716/89 da constituição federal Costa (2005, p.59-60). Sendo assim, criam-se novas formas de preconceito, que se utilizando de discursos mais atuais a ação preconceituosa persiste. O problema torna-se mais grave quando se estuda somente a forma clássica de preconceito ignorando as formas mais atuais Costa (2005, p ). Ainda segundo Costa, (2005, p.59-60) as novas formas de preconceito reproduzem atitudes discriminatórias sem desafiar a norma do politicamente correto. Segundo McConahay apud Costa (2005, p.59-60), relata que hoje existem abordagens que pressupõem a existência de atitudes e gestos preconceituosos e que de alguma forma não transgridem as normas sociais antidiscriminatórias. Essas abordagens sugerem que a diminuição da expressão do preconceito é mais aparente que real Costa (2005,p59-60). Sendo assim, atitudes preconceituosas que não vão de encontro às normas sociais anti-discriminatórias persistem até hoje e estão no interior do consciente dos indivíduos Costa (2005,p.59-60). 4- O aumento da participação da mulher no mercado de trabalho O mundo anda apostando em valores femininos, como a capacidade de trabalho em equipe contra o antigo individualismo, a persuasão em oposição ao autoritarismo, a cooperação no lugar da competição. Probst e Ramos (2010). Isso ocorre porque muitos empregadores perceberam que a mulher é mais zelosa do que o homem para determinados tipos de trabalho. Porém, a remuneração ainda é menor do que a dos homens. Na sociedade atual, por vários motivos, a mulher tem assumido o papel de chefe de família, entre os quais podemos citar: o desemprego masculino, óbito do chefe da família, gravidez precoce, etc. No Brasil, as mulheres são 41% da força de trabalho, mas ocupam somente 24% dos cargos de gerência. O balanço anual da Gazeta Mercantil revela que a parcela de mulheres nos cargos executivos das 300 maiores empresas brasileiras subiu de 8%, em 1990, para 13%, em No geral, entretanto, as mulheres brasileiras recebem, em média, o correspondente a 71% do salário dos homens. Essa diferença é mais patente nas funções menos qualificadas. No topo, elas quase alcançam os homens. Os estudos mostram que no universo do trabalho as mulheres são ainda preferidas para as funções de rotina. De cada dez pessoas afetadas pelas lesões por esforço repetitivo (LER), oito são mulheres. Segundo uma pesquisa recente feita pelo Grupo Catho, empresa de recrutamento e seleção de executivos, as mulheres conquistam cargos de direção mais cedo. Tornam-se diretoras, em média, aos 36 anos de idade. Os homens chegam lá depois dos 40. No entanto, essas executivas ganham, em média, 22,8% menos que seus competidores de colarinho e gravata. A boa notícia é que essa diferença nos rendimentos vem caindo rapidamente. Por estar a menos tempo no mercado, é natural que elas tenham currículos menos robustos que os dos homens. A diferença nos ganhos tende a inexistir em futuro próximo. PROBST E RAMOS (2010. p.3). Diante desta situação pode-se concluir que a mulher, por seu desempenho, tem aumentado sua participação nos cargos de chefia. Porém, a maior participação ocorre em cargos de rotina, discriminados pelos homens, que visam cargos maiores. Segundo Probst e Ramos (2010, p.3) o crescimento do país deve impulsionar o aumento da participação feminina no mercado de trabalho, uma vez que no Brasil a população de mulheres é superior a de homens. Soma-se a isso a falta de trabalhadores qualificados no Brasil, o que obriga as

5 5 empresas a buscarem pessoas para cargos executivos em outros países. Uma mulher bem qualificada terá seu lugar garantido no mercado de trabalho do futuro. As mulheres sofrem mais do que os homens com o estresse de uma carreira, pois as pressões do trabalho fora de casa se duplicaram. Ao terminar seu trabalho, a mulher enfrenta sua segunda jornada com o serviço doméstico, e instintivamente dedicam-se com a mesma intensidade ao trabalho doméstico Probst e Ramos, (2010, p.4). Outro problema que as mulheres enfrentam na resistência de contratá-las por parte dos empregadores é o fato delas terem direito a licença maternidade. Isso ocorre porque ao ter filhos a mulher tem seis meses de licença remunerados e obriga o empregador a contratar outra pessoa para ficar em seu lugar durante esse período Probst e Ramos (2010, p.6). 5 - APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS DADOS COLETADOS (porque está com outra fonte verifique formatação de todo o texto) Para este trabalho foi utilizado o banco de dados da Relação Anual de Informações Sociais (RAIS). Segundo Santos (2006, p.34-35) define a RAIS da seguinte forma: A RAIS é feita a partir de informações prestadas por empresas a cada ano sobre os vínculos de trabalhos realizados no ano anterior. As informações da RAIS referem-se aos assalariados com carteira de trabalho do setor privado e aos assalariados do setor público, permitindo assim uma radiografia anual do mercado formal de trabalho no Brasil. Segundo dados da Relação Anual de Informações Sociais (RAIS), em 2009, a evolução do emprego segundo o variável gênero assinala que o estoque da mão-de-obra feminina apresentou um aumento de 5,34%, evidenciando uma vantagem comparativa em relação à elevação do contingente de trabalhadores do gênero masculino (+3,87%). Esse resultado traduz-se no aumento da participação da mulher no mercado de trabalho formal, de 41,1% em 2008 para 41,4% em 2009, dando seqüência à trajetória de elevação da representatividade da força de trabalho feminina nos últimos anos. Tabela 1 Número de Empregos Formais, Variação Absoluta, Segundo Gênero e Grau de Instrução Brasil 2008 e 2009

6 6 Gráfico 1 - Evolução do saldo do emprego segundo gênero e grau de instrução As informações da RAIS tomando como referência o grau de instrução mostram uma queda na geração de emprego para os níveis com menor grau de escolaridade, até o ensino fundamental incompleto, para ambos os gêneros, e um aumento dos vínculos empregatícios para todos os níveis de instrução a partir do ensino fundamental completo. Os dados da RAIS referentes aos rendimentos médios segundo o recorte por gênero assinalam que em 2009 as mulheres obtiveram um ganho real de 2,70%, resultante da passagem do valor de R$ 1.385,61 em 2008, para R$ 1.422,99 em 2009, percentual superior ao obtido pelos homens, de 2,52%, proveniente da elevação de R$ 1.675,46 para R$ 1.717,66, nos respectivos períodos. Esses aumentos dão continuidade à tendência ascendente dos rendimentos para ambos os gêneros, conforme mostra o gráfico a seguir:

7 7 Gráfico 2 Evolução do Rendimento Médio Real (*), em 31/12, segundo o Gênero Período: 2002 a 2009 Os dados, porém, mostram que a mulher continua a receber menos que o homem, embora seus aumentos sejam maiores que o dos homens. Esses dados evidenciam um processo de busca pela igualdade entre os gêneros, mas que ainda está longe de ser atingida. Segundo o Ministério do Trabalho e Emprego (2009), há uma análise sobre a evolução do rendimento médio real das mulheres conforme mostrado a seguir: Em 2009, o rendimento médio da mulher equivalia a 82,84% do rendimento do homem, ante uma representatividade de 82,70% em O aumento do rendimento médio da mulher, de 2,70%, oculta uma variabilidade que vai de -1,61% na faixa de escolaridade superior incompleto a +6,22% na faixa do ensino fundamental completo. Com relação aos homens, o percentual de aumento obtido, de 2,52%, resulta de variações que oscilam entre -2,13% no grau de instrução superior incompleto a +5,27% para os analfabetos. Ressalte-se que somente no nível de instrução da quarta série incompleta a mulher (+1,79%) obteve aumento real no rendimento inferior ao auferido pelo homem (+2,50%). No nível superior completo, onde o estoque de emprego e a geração de emprego das mulheres superam o estoque e geração de emprego dos homens, o diferencial entre os salários percebidos permanece expressivo, situando-se em 58,17%, sinalizando, contudo uma pequena redução frente ao percentual verificado em 2008, de 57,86%.

8 8 Gráfico 3 Remuneração Médio em 31/12/2009 No gráfico remuneração média nota-se que o nível de instrução influi na remuneração e nas chances de alcançar emprego. A constante reestruturação produtiva requer qualificação do trabalhador, poli valência e conhecimentos básicos. A falta de qualificação do trabalhador é responsável pelos diversos tipos de desemprego, sendo este o maior motivo que impede a recolocação dos trabalhadores no mercado de trabalho. Os novos padrões diminuem os requisitos de trabalho por unidade de produto e de capital e demandam cada vez mais trabalho qualificado (Presidência da República, 1996, apud Santos, 2006). Portanto, dotar o trabalhador de conhecimentos básicos e de poli valência é uma exigência da globalização e um das formas de aumentar as possibilidades de emprego da força de trabalho e a eficiência da economia. Isso explica o fato de as mulheres com maior instrução terem maior empregabilidade e maiores remunerações. As mulheres que trabalham e ainda tem que cuidar da casa tem maiores dificuldades para adquirir esses novos conhecimentos, pela falta de tempo para estudar e freqüentar cursos para se atualizar sobre as novas tecnologias. Isso leva as mulheres a aceitarem a situação de Subemprego crônico, que ocorre devido à falta de qualificação do trabalhador para encontrar um emprego estável Santos (2006 p.35). Segundo Pochmann (1998, apud SANTOS, 2006, p35-40), isto caracteriza o desemprego disfarçado, em que o trabalhador com dificuldades de acesso ao mercado formal, exerce atividades temporárias, com regime de trabalho sem reconhecimento legal e em condições precárias, o que configura uma situação de subemprego. 6- CONCLUSÕES E CONSIDERAÇÕES FINAIS Os resultados do estudo permitem concluir que existe uma tendência ao aumento da participação da mulher no mercado de trabalho formal. Esse aumento da oferta de emprego está diretamente relacionado ao nível de instrução, tanto para homens quanto para as mulheres. Mesmo ocupando um número maior de vagas disponíveis nas empresas, conforme

9 nossas hipóteses previam os valores dos salários recebidos por elas são inferiores quando comparados aos recebidos por homens mesmo possuindo o mesmo grau de formação e ocupando o mesmo cargo. Os salários recebidos por ambos os gêneros vem apresentando um aumento significativo ao longo dos anos e está diretamente relacionado ao grau de instrução. Neste aspecto, a mulher parece sofrer ainda mais já que além trabalharem, ainda tem que cuidar da casa, fato que parece dificultar a aquisição de novos conhecimentos, pela falta de tempo para estudar e freqüentar cursos para se atualizarem sobre as novas tecnologias. A mulher vem alcançando um espaço cada vez maior, contudo, essa evolução ainda ocorre de maneira gradativa, sem muita expressão, o que ainda leva a mulher a se ver discriminada por um longo período. REFERÊNCIAS BALBINO, E. C. M. S. de. A Trabalhadora Bancaria: Uma reconfiguração da Discriminação f. Dissertação (Mestrado Em educação) - UNICAMP/ Campinas Disponível em: <http://www.unicamp.com.br/unicamp/servicos/> acesso em: 11 out h40 biblioteca CAMINO, L., DA SILVA, P., MACHADO, A. As novas formas de expressão do preconceito racial no Brasil: Estudos exploratórios. Em: M E. O. Lima e M. E. Pereira (orgs.) Estereótipos, Preconceitos e Discriminação: Perspectivas teóricas e Metodológicas. Salvador, EDUFBA Cap. 5, COSTA, E. C. I. da. As Novas Formas de Descriminação Sexista- Uma perpesctiva da Psicologia Social f. tese (doutorado em Educação)- UNICAMP/ Campinas Disponível em < Acesso em: 11 out h30 Michaelis Moderno Dicionário da Língua Portuguesa. Disponível em: <http://michaelis.uol.com.br/moderno/portugues/index.php?lingua=portuguesportugues&palavra=preconceito> Acesso em 03 nov MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. Características do Emprego Formal segundo a Relação Anual de Informações Sociais Brasília, Disponível em: Acesso em 24 out PROBST, E.R. RAMOS, P. A Evolução da Mulher no Mercado de Trabalho. Instituto Catarinense de Pós Graduação. Disponível em: < > Acesso em 03 nov SANTOS, J.E.F. O MERCADO DE TRABALHO: Estimativas de Desemprego e de Políticas Locais para Geração de Empregos na meso-região de Piracicaba. Trabalho de Iniciação Cientifica financiado pela FAPESP, Rio Claro, p. Secretaria Especial da Mulher. 8 de marco dia internacional da mulher: Realizações e perspectivas da secretaria especial da mulher. Londrina: Sem, P 9

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero.

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero. Pesquisa O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero. Introdução Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e políticas capazes de ampliar a inserção da mulher no mercado de trabalho.

Leia mais

I - A inserção dos trabalhadores negros nos mercados de trabalho metropolitanos entre 1998 e 2004

I - A inserção dos trabalhadores negros nos mercados de trabalho metropolitanos entre 1998 e 2004 DESIGUALDADE RACIAL EM MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS (ROTEIRO DE DIVULGAÇÃO) Embora a segregação racial esteja presente em várias manifestações e estruturas da sociedade brasileira, o mercado de

Leia mais

MURAL- MARÇO 2015. Compromisso. Declaração Imposto de Renda

MURAL- MARÇO 2015. Compromisso. Declaração Imposto de Renda Compromisso Declaração Imposto de Renda O prazo para declaração de Imposto de Renda em 2015 (referente aos rendimentos de 2014) vai começar em 2 de março e terminar em 30 de abril, segundo publicação da

Leia mais

TEMA: A Mulher no Mercado de Trabalho em Goiás.

TEMA: A Mulher no Mercado de Trabalho em Goiás. TEMA: A Mulher no Mercado de Trabalho em Goiás. O Dia Internacional da Mulher, celebrado dia 8 de março, traz avanços do gênero feminino no mercado de trabalho formal. Segundo informações disponibilizadas

Leia mais

Sugestões para uma política de igualdade de oportunidades entre homens e mulheres no mundo do trabalho

Sugestões para uma política de igualdade de oportunidades entre homens e mulheres no mundo do trabalho Sugestões para uma política de igualdade de oportunidades entre homens e mulheres no mundo do trabalho Junho 2010 ISP Brasil A mulher trabalhadora e o mundo do trabalho: algumas considerações o trabalho

Leia mais

ANÁLISE CONJUNTURAL DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO CATARINENSE: 2012-2013

ANÁLISE CONJUNTURAL DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO CATARINENSE: 2012-2013 GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL, TRABALHO E HABITAÇÃO SST DIRETORIA DE TRABALHO E EMPREGO DITE COORDENAÇÃO ESTADUAL DO SISTEMA NACIONAL DE EMPREGO SINE SETOR

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL

O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL Abril /2007 O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL A busca de alternativas para o desemprego tem encaminhado o debate sobre a estrutura e dinâmica

Leia mais

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DE PORTO ALEGRE NOS ANOS 2000 Boletim Especial: Dia Internacional das Mulheres MARÇO/2010 Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho

Leia mais

A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE

A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE 1 Março 2008 A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE Ângela da Matta Silveira Martins * Esta nota técnica apresenta algumas considerações sobre a inserção da mão-de-obra feminina no mercado de trabalho

Leia mais

A INFLUÊNCIA DE GÊNERO NAS DIFICULDADES DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO

A INFLUÊNCIA DE GÊNERO NAS DIFICULDADES DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO A INFLUÊNCIA DE GÊNERO NAS DIFICULDADES DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO OLIVEIRA, A. A. (UFCG) 1 ARRUDA, S. F. A. (UFCG) 2 INTRODUÇÃO As mulheres pouco a pouco vêm ampliando seu espaço na economia nacional.

Leia mais

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 no Estado do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 PANORAMA GERAL Na última década, o Brasil passou por profundas mudanças

Leia mais

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul.

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul. Pesquisa A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul. Introdução Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e políticas capazes de ampliar a inserção da mulher no mercado de trabalho.

Leia mais

Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste

Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste Introdução De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

8 DE MARÇO Uma história de lutas e conquistas

8 DE MARÇO Uma história de lutas e conquistas 8 DE MARÇO Uma história de lutas e conquistas A proposta de criar uma data internacional para celebrar as lutas e as conquistas das mulheres foi apresentada por Clara Zetkin, em 1910, na 2ª Conferência

Leia mais

OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015

OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015 OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015 OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS E m comemoração ao 20 de novembro, consagrado como o Dia da Consciência Negra, o DIEESE

Leia mais

Arrefecimento do mercado de trabalho penalizou mais as mulheres

Arrefecimento do mercado de trabalho penalizou mais as mulheres A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA MARÇO - 2014 Arrefecimento do mercado de trabalho penalizou mais as mulheres O mercado de trabalho metropolitano de Fortaleza,

Leia mais

Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007. Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos

Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007. Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007 Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho

Leia mais

NÍVEL DE EMPREGO, ESCOLARIDADE E RENDA NO RAMO DE ATIVIDADES FINANCEIRAS, SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS, DE CAMPO MOURÃO-PR.

NÍVEL DE EMPREGO, ESCOLARIDADE E RENDA NO RAMO DE ATIVIDADES FINANCEIRAS, SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS, DE CAMPO MOURÃO-PR. NÍVEL DE EMPREGO, ESCOLARIDADE E RENDA NO RAMO DE ATIVIDADES FINANCEIRAS, SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS, DE CAMPO MOURÃO-PR Área: ECONOMIA LOPES, Janete Leige PEREIRA, Kelli Patrícia PONTILI, Rosangela

Leia mais

Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade?

Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade? Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade? Natália de Oliveira Fontoura * Roberto Gonzalez ** A taxa de participação mede a relação entre a população

Leia mais

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2013 A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS A sociedade brasileira comemora, no próximo dia 20 de novembro, o Dia da

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE CURITIBA

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE CURITIBA OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE CURITIBA Relatório Especial sobre a Mulher no Mercado de Trabalho de Curitiba-PR Contrato de Prestação de Serviços Nº. 17731/2007 - PMC / DIEESE MARÇO DE 2010 EXPEDIENTE DA

Leia mais

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA SETEMBRO /2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 1. Dimensão e características da ocupação no setor da construção civil no Brasil e na Bahia (2000 e 2010)...

Leia mais

MULHERES EM ASCENSÃO: ESTUDO COMPARATIVO DE TRAJETÓRIAS EDUCACIONAIS DE MULHERES NEGRAS E BRANCAS NA PÓS-GRADUAÇÃO DA UFF PINTO

MULHERES EM ASCENSÃO: ESTUDO COMPARATIVO DE TRAJETÓRIAS EDUCACIONAIS DE MULHERES NEGRAS E BRANCAS NA PÓS-GRADUAÇÃO DA UFF PINTO MULHERES EM ASCENSÃO: ESTUDO COMPARATIVO DE TRAJETÓRIAS EDUCACIONAIS DE MULHERES NEGRAS E BRANCAS NA PÓS-GRADUAÇÃO DA UFF PINTO, Giselle UFF giselleuff@yahoo.com.br GT: Afro-Brasileiros e Educação / n.21

Leia mais

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades 1 Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades A Comissão Nacional da Questão da Mulher Trabalhadora da CUT existe desde 1986. Neste período houve muitos avanços na organização das

Leia mais

Manutenção das desigualdades nas condições de inserção

Manutenção das desigualdades nas condições de inserção A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MARÇO 2014 Manutenção das desigualdades nas condições de inserção De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

3Apesar dos direitos adquiridos pelas

3Apesar dos direitos adquiridos pelas objetivo. promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres mulheres ao longo do século 20, ainda há considerável desigualdade entre os gêneros no mundo. Em geral, as mulheres sofrem com a

Leia mais

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014 Introdução A seguir são apresentados os últimos resultados disponíveis sobre o emprego no Brasil, com foco no ramo Metalúrgico. Serão utilizadas as bases de dados oficiais, são elas: a RAIS (Relação Anual

Leia mais

O Papel da Mulher na Gestão Pública

O Papel da Mulher na Gestão Pública O Papel da Mulher na Gestão Pública A linha divisória entre o mundo particular da família onde ficavam as mulheres, e o mundo público do trabalho e sucesso profissional, onde estavam os homens, está cada

Leia mais

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Novembro 2013 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO O mercado de trabalho em 2012 Dia Nacional da Consciência Negra A rota de redução de desigualdades na RMSP O crescimento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE NÚCLEO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA OBSERVATÓRIO RH NESC/UFRN

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE NÚCLEO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA OBSERVATÓRIO RH NESC/UFRN UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE NÚCLEO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA OBSERVATÓRIO RH NESC/UFRN PESQUISA INTEGRANTE DO PLANO DIRETOR 2004/2005 ROREHS/MS/OPAS DINÂMICA

Leia mais

AS CARACTERÍSTICAS DO TRABALHO DOMÉSTICO REMUNERADO NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS

AS CARACTERÍSTICAS DO TRABALHO DOMÉSTICO REMUNERADO NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS A MULHER NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS MARÇO 2008 Especial - Abril 2011 AS CARACTERÍSTICAS DO TRABALHO DOMÉSTICO REMUNERADO NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS Em homenagem ao Dia Nacional

Leia mais

Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres

Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres META 3 Eliminar as disparidades entre os sexos no ensino fundamental e médio, se possível, até 2005, e em todos os níveis de ensino, o mais

Leia mais

Aspectos culturais e relações de gênero 1

Aspectos culturais e relações de gênero 1 Aspectos culturais e relações de gênero 1 Objetivo da Aula A questão de gênero realiza-se culturalmente por ideologias que tomam formas específicas em cada momento histórico e, tais formas, estão associadas

Leia mais

NOSSA CLASSE TEM COR E NOSSA COR É DE LUTA - Contribuição à tese 02 Unidade e Luta - Construindo o Vamos À Luta Nacional

NOSSA CLASSE TEM COR E NOSSA COR É DE LUTA - Contribuição à tese 02 Unidade e Luta - Construindo o Vamos À Luta Nacional NOSSA CLASSE TEM COR E NOSSA COR É DE LUTA - Contribuição à tese 02 Unidade e Luta - Construindo o Vamos À Luta Nacional A GLOBALIZAÇÃO E A COR DA EXCLUSÃO Em oposição a um projeto da classe trabalhadora,

Leia mais

Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2012: análise dos principais resultados de Santa Catarina

Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2012: análise dos principais resultados de Santa Catarina Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2012: análise dos principais resultados de Santa Catarina A 5ª edição do Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa é um dos produtos elaborados por meio

Leia mais

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS MARTA LÚCIA DA SILVA ROSANA CAPPUTI BORGES Educação Infantil: desigualdades de idade e raça, um grande desafio a ser conquistado. São Paulo 2012 EDUCAÇÃO

Leia mais

RH NA ÁREA. Clarice da Fontoura Paim Mestre em Administração e Negócios (PUCRS) UNIRITTER cfpaim@cpovo.net. 1 Introdução

RH NA ÁREA. Clarice da Fontoura Paim Mestre em Administração e Negócios (PUCRS) UNIRITTER cfpaim@cpovo.net. 1 Introdução RH NA ÁREA Clarice da Fontoura Paim Mestre em Administração e Negócios (PUCRS) UNIRITTER cfpaim@cpovo.net Resumo: Considerando a necessidade de orientação das pessoas para o aproveitamento de vagas disponíveis

Leia mais

Revista África e Africanidades Ano 2 - n. 5 - Maio. 2009 - ISSN 1983-2354 www.africaeafricanidades.com

Revista África e Africanidades Ano 2 - n. 5 - Maio. 2009 - ISSN 1983-2354 www.africaeafricanidades.com Direitos Humanos A mulher negra brasileira Walkyria Chagas da Silva Santos Pós-graduanda em Direito do Estado pela Fundação Faculdade de Direito da Bahia - UFBA E-mail: kyriachagas@yahoo.com.br A articulação

Leia mais

25 de novembro - Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres. Carta de Brasília

25 de novembro - Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres. Carta de Brasília Anexo VI 25 de novembro - Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres Carta de Brasília Na véspera do Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres nós, trabalhadoras dos

Leia mais

Textos escritos pelos alunos das oitavas séries para homenagear as mulheres. - Prof. Luana Batista

Textos escritos pelos alunos das oitavas séries para homenagear as mulheres. - Prof. Luana Batista Textos escritos pelos alunos das oitavas séries para homenagear as mulheres. - Prof. Luana Batista 1. Uma história de minha mulher Alisson Ribeiro Sousa 8ª Série D (Ally Scott) Posso não ser mulher, mais

Leia mais

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO MARÇO 2013 A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

APOIO E PARTICIPAÇÃO NAS AÇÕES DE CRIAÇÃO DO NÚCLEO DE ESTUDOS EM GÊNERO, RAÇA E ETNIA NEGRE/UEMS. RESUMO

APOIO E PARTICIPAÇÃO NAS AÇÕES DE CRIAÇÃO DO NÚCLEO DE ESTUDOS EM GÊNERO, RAÇA E ETNIA NEGRE/UEMS. RESUMO APOIO E PARTICIPAÇÃO NAS AÇÕES DE CRIAÇÃO DO NÚCLEO DE ESTUDOS EM GÊNERO, RAÇA E ETNIA NEGRE/UEMS. ¹Gislaine De Oliveira Correia; ²Maria José de Jesus Alves Cordeiro. ¹Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO

A EVOLUÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO ICPG Instituto Catarinense de Pós-Graduação www.icpg.com.br 1 A EVOLUÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO Elisiana Renata Probst Instituto Catarinense de Pós-Graduação ICPG Gestão Estratégica de Recursos

Leia mais

Gênero e trabalho na terceira idade

Gênero e trabalho na terceira idade 97 Gênero e trabalho na terceira idade Norma Herminia Kreling* Com as transformações demográficas ocorridas nos últimos anos, o envelhecimento populacional deixa de ser um fenômeno restrito aos países

Leia mais

PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS: EXPECTATIVAS E PERCEPÇÕES SOBRE A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO

PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS: EXPECTATIVAS E PERCEPÇÕES SOBRE A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS: EXPECTATIVAS E PERCEPÇÕES SOBRE A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO 2014 APRESENTAÇÃO Já faz tempo que as empresas estão trabalhando com o desafio

Leia mais

Número 141 - Outubro de 2014. Transformações recentes no perfil do docente das escolas estaduais e municipais de educação básica

Número 141 - Outubro de 2014. Transformações recentes no perfil do docente das escolas estaduais e municipais de educação básica Número 141 - Outubro de 2014 Transformações recentes no perfil do docente das escolas estaduais e municipais de educação básica Transformações recentes no perfil do docente das escolas estaduais e municipais

Leia mais

O mercado de trabalho no biênio 2011-2012. Dia Nacional da Consciência Negra

O mercado de trabalho no biênio 2011-2012. Dia Nacional da Consciência Negra PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC 1 Novembro 2013 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO DO ABC O mercado de trabalho no biênio 2011-2012 Dia Nacional da Consciência Negra 1. Compreende

Leia mais

Mulheres e Exclusão na América Latina Nalu Faria

Mulheres e Exclusão na América Latina Nalu Faria Mulheres e Exclusão na América Latina Nalu Faria Gerações e gerações viveram uma realidade em que as mulheres eram consideradas inferiores aos homens. Como isso era encarado como parte do destino das mulheres

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

A POLÍTICA DE EFETIVAÇÃO DOS DIREITOS DA POPULAÇÃO NEGRA. Prof. Dr. Silvio Luiz de Almeida

A POLÍTICA DE EFETIVAÇÃO DOS DIREITOS DA POPULAÇÃO NEGRA. Prof. Dr. Silvio Luiz de Almeida A POLÍTICA DE EFETIVAÇÃO DOS DIREITOS DA POPULAÇÃO NEGRA Prof. Dr. Silvio Luiz de Almeida As ações afirmativas na construção de um horizonte ético Democracia, Republicanismo e Cidadania - Questão racial:

Leia mais

A MULHER COMO CONSTRUTORA E OPERADORA DO DIREITO DO TRABALHO

A MULHER COMO CONSTRUTORA E OPERADORA DO DIREITO DO TRABALHO A MULHER COMO CONSTRUTORA E OPERADORA DO DIREITO DO TRABALHO José Carlos Batista - Auditor Fiscal do Trabalho da SRTE-ES RESUMO: a mulher teve e tem uma grande participação na construção do direito do

Leia mais

Os gargalos para o ingresso e a permanência das mulheres no mercado de TI, no Brasil Bárbara Castro

Os gargalos para o ingresso e a permanência das mulheres no mercado de TI, no Brasil Bárbara Castro Os gargalos para o ingresso e a permanência das mulheres no mercado de TI, no Brasil Bárbara Castro Dra. em Ciências Sociais (UNICAMP) Bom dia, Primeiramente gostaria de cumprimentar a todos e a todas

Leia mais

Mais Trabalho Decente para Trabalhadoras e Trabalhadores Domésticos no Brasil

Mais Trabalho Decente para Trabalhadoras e Trabalhadores Domésticos no Brasil Mais Trabalho Decente para Trabalhadoras e Trabalhadores Domésticos no Para a OIT, o trabalho é a ferramenta fundamental para promover a superação da pobreza, a governabilidade democrática e o desenvolvimento

Leia mais

Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil

Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil Introdução No Brasil, a questão étnico-racial tem estado em pauta, nos últimos anos, em debates sobre políticas

Leia mais

EDIÇÃO ESPECIAL NOVEMBRO DE 2001

EDIÇÃO ESPECIAL NOVEMBRO DE 2001 BOLETIM DIEESE DIEESE EDIÇÃO ESPECIAL NOVEMBRO DE 2001 Há 306 anos morria Zumbi dos Palmares, o maior líder da resistência anti-escravista nas Américas. A sua luta contra a discriminação racial permanece

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego

Pesquisa Mensal de Emprego Pesquisa Mensal de Emprego EVOLUÇÃO DO EMPREGO COM CARTEIRA DE TRABALHO ASSINADA 2003-2012 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 2 Pesquisa Mensal de Emprego - PME I - Introdução A Pesquisa

Leia mais

PROPOSTAS PARA O COMBATE À ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO

PROPOSTAS PARA O COMBATE À ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO PROPOSTAS PARA O COMBATE À ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO 2 PROPOSTAS PARA O COMBATE À ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO Nos últimos anos, várias medidas adotadas

Leia mais

SINDEEPRES: As Relações do Trabalho Terceirizado

SINDEEPRES: As Relações do Trabalho Terceirizado 20 Anos de SINDEEPRES Anos de Terceirização no Brasil Seminário 20 Anos de Terceirização no Brasil SINDEEPRES: As Relações do Trabalho Terceirizado Marcio Pochmann www.sindeepres.org.br Relações do trabalho

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011 Estabelece medidas de proteção a mulher e garantia de iguais oportunidades de acesso, permanência e remuneração nas relações de trabalho no âmbito rural ou urbano.

Leia mais

O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES

O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES Outubro 2012 Nº 7 O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES A Construção ocupa um contingente crescente de trabalhadores e pode ser apontada como um dos responsáveis pelo dinamismo

Leia mais

FICHA BIBLIOGRÁFICA. Título: Perfil da Mulher Metalúrgica do ABC. Autoria: Subseção DIEESE/Metalúrgicos do ABC

FICHA BIBLIOGRÁFICA. Título: Perfil da Mulher Metalúrgica do ABC. Autoria: Subseção DIEESE/Metalúrgicos do ABC FICHA BIBLIOGRÁFICA Título: Perfil da Mulher Metalúrgica do ABC Autoria: Subseção DIEESE/Metalúrgicos do ABC Equipe técnica responsável: Fausto Augusto Junior; Zeíra Mara Camargo de Santana; Warley Batista

Leia mais

NOTA TÉCNICA AS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E O MERCADO DE TRABALHO NO CEARÁ

NOTA TÉCNICA AS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E O MERCADO DE TRABALHO NO CEARÁ Setembro de 2013 AS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E O MERCADO DE TRABALHO NO CEARÁ O contexto histórico do desenvolvimento humano auxilia a compreender as dificuldades ainda existentes para o ingresso da pessoa

Leia mais

O EMPREGO DOMÉSTICO NO PERÍODO DE 2000 A 2009

O EMPREGO DOMÉSTICO NO PERÍODO DE 2000 A 2009 Região Metropolitana de São Paulo Março 2010 O EMPREGO DOMÉSTICO NO PERÍODO DE 2000 A 2009 No ano em que a Organização Internacional do Trabalho OIT inclui o trabalho doméstico como tema de sua 99ª Conferência

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO 2007 O MERCADO DE TRABALHO SOB A ÓPTICA DA RAÇA/COR Os dados da Pesquisa de Emprego e Desemprego permitem diversos tipos de detalhamento

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007. (Do Sr. José Guimarães)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007. (Do Sr. José Guimarães) PROJETO DE LEI Nº, DE 2007. (Do Sr. José Guimarães) Institui feriado nacional no dia 20 de novembro, Dia Nacional da Consciência Negra, data que lembra o dia em que foi assassinado, em 1695, o líder Zumbi,

Leia mais

CAPA. Dreamstime. Desenvolvimento março/abril de 2010

CAPA. Dreamstime. Desenvolvimento março/abril de 2010 CAPA Dreamstime 18 Desenvolvimento março/abril de 2010 Como nossos pais? Bruno De Vizia de Brasília Mudança no perfil etário da população, crescimento econômico e melhor acesso à educação ressaltam importância

Leia mais

Desigualdade Racial e políticas públicas no Brasil

Desigualdade Racial e políticas públicas no Brasil Desigualdade Racial e políticas públicas no Brasil Documento para a Audiência Pública sobre as políticas de ação afirmativa de acesso ao ensino superior- STF Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada

Leia mais

TEMA: A importância da Micro e Pequena Empresa para Goiás

TEMA: A importância da Micro e Pequena Empresa para Goiás TEMA: A importância da Micro e Pequena Empresa para Goiás O presente informe técnico tem o objetivo de mostrar a importância da micro e pequena empresa para o Estado de Goiás, em termos de geração de emprego

Leia mais

SEXISMO EM MEIO ESCOLAR

SEXISMO EM MEIO ESCOLAR SEXISMO EM MEIO ESCOLAR Seminário Évora Sexismo Avaliação negativa e atos discriminatórios baseados no sexo, no género ou na orientação sexual Historicamente marcado por relações de poder dos homens sobre

Leia mais

Nesta mesma matéria divulga uma tabela e variação no faturamento das empresas de TI no Rio Grande do Sul em 2013, que aponta os seguintes índices:

Nesta mesma matéria divulga uma tabela e variação no faturamento das empresas de TI no Rio Grande do Sul em 2013, que aponta os seguintes índices: Quando da manifestação sobre a defesa apresentada pelo SEPRORGS, o SINDPPD/RS apontou que existe concordância, quanto a manutenção de algumas cláusulas, sendo elas: 2ª, 5ª, 6ª, 7ª, 8ª, 9ª, 10ª, 15ª, 16ª,

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego Dezembro 2005

Pesquisa Mensal de Emprego Dezembro 2005 Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Dezembro 2005 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro de Estado do Planejamento, Orçamento

Leia mais

Administração de Recursos Humanos

Administração de Recursos Humanos Administração de Recursos Humanos Profª Ma. Máris de Cássia Ribeiro Vendrame O que é a Administração de Recursos Humanos? Refere-se às práticas e às políticas necessárias para conduzir os aspectos relacionados

Leia mais

Ano 3 Nº 24 setembro de 2006. A ocupação dos jovens nos mercados de trabalho metropolitanos

Ano 3 Nº 24 setembro de 2006. A ocupação dos jovens nos mercados de trabalho metropolitanos Ano 3 Nº 24 setembro de 2006 A ocupação dos jovens nos mercados de trabalho metropolitanos A ocupação dos jovens nos mercados de trabalho metropolitanos No Brasil, as profundas transformações pelas quais

Leia mais

Perfil ocupacional dos empregados do setor de energia elétrica no Brasil: 1998/2004

Perfil ocupacional dos empregados do setor de energia elétrica no Brasil: 1998/2004 Ano 3 Nº 28 dezembro de 2006 Perfil ocupacional dos empregados do setor de energia elétrica no Brasil: 1998/2004 REDE ELETRICITÁRIOS RESUMO Este estudo retrata a evolução do emprego no setor elétrico entre

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2012 M U L H E R N O M E R C A D O D E T R A B A L H O: P E R G U N T A S E R E S P O S T A S A Pesquisa Mensal de Emprego PME,

Leia mais

INTRODUÇÃO O PROGRAMA DO SEGURO-DESEMPREGO

INTRODUÇÃO O PROGRAMA DO SEGURO-DESEMPREGO SEGURO-DESEMPREGO NO MUNICÍPIO DE CURITIBA 2008 E 1º BIMESTRE DE 2009 INTRODUÇÃO Este texto tem como objetivo apresentar um perfil do programa de Seguro-Desemprego no município de Curitiba no ano de 2008

Leia mais

História de Lutas e Conquistas

História de Lutas e Conquistas Página 02 Expediente Prof. Dr. Wendel Cleber Soares Coordenador do Projeto FAI Caroline Pigarri de Sousa Aluna do 2º Ensino Médio ETEC Prof. Eudecio Luis Vicente Beatriz Andriotti Colato Aluna do 2º Ensino

Leia mais

A Inserção da Mulher no Mercado de Trabalho Brasileiro

A Inserção da Mulher no Mercado de Trabalho Brasileiro A Inserção da Mulher no Mercado de Trabalho Brasileiro André Luis da Silva Baylão andrebaylao@gmail.com CEDERJ/FACSUM/UNITAU Elisa Mara Oliveira Schettino elisamos@uol.com.br FACSUM Resumo:Sempre que se

Leia mais

Secretaria Municipal de Política para Mulheres de São Paulo Secretária Denise Motta Dau

Secretaria Municipal de Política para Mulheres de São Paulo Secretária Denise Motta Dau 1 Prefeitura de São Paulo Prefeito Fernando Haddad Secretaria Municipal de Política para Mulheres de São Paulo Secretária Denise Motta Dau Elaboração Maria Cristina Corral Regina Stela Corrêa Vieira Sarah

Leia mais

Elas trabalham mais e ganham menos

Elas trabalham mais e ganham menos Estudo Elas trabalham mais e ganham menos Relatório da OIT mostra que, no período de um ano, as mulheres trabalham dez dias a mais que os homens Lídia Borges e Karina Ribeiro 20 de julho de 2012 (sexta-feira)

Leia mais

A Contratação, a Demissão e a Carreira dos Executivos Brasileiros

A Contratação, a Demissão e a Carreira dos Executivos Brasileiros A Contratação, a Demissão e a Carreira dos Executivos Brasileiros Adriano Arruda - 2009 FICHA TÉCNICA DIREÇÃO EXECUTIVA Adriano Arruda DIREÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA Adriano Meirinho SUPERVISÃO DE PRODUÇÃO

Leia mais

INDICADORES SOCIAIS (AULA 4)

INDICADORES SOCIAIS (AULA 4) 1 INDICADORES SOCIAIS (AULA 4) Ernesto Friedrich de Lima Amaral Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia ESTRUTURA DO CURSO 2 1. Conceitos básicos relacionados a indicadores

Leia mais

Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março 2005

Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março 2005 Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março 2005 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro de Estado do Planejamento, Orçamento

Leia mais

Consultor/a Local Direitos do Trabalho da Mulher

Consultor/a Local Direitos do Trabalho da Mulher PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES CCBB SCES, Trecho 2, Lote 22 Edifício Tancredo Neves, 1º andar Cep 70200-002 Brasília / DF Telefone (61) 3313-7101 Central de Atendimento

Leia mais

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade.

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. A educação de nível superior superior no Censo de 2010 Simon Schwartzman (julho de 2012) A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. Segundo os dados mais recentes, o

Leia mais

O EMPREGO DOMÉSTICO. Boletim especial sobre o mercado de trabalho feminino na Região Metropolitana de São Paulo. Abril 2007

O EMPREGO DOMÉSTICO. Boletim especial sobre o mercado de trabalho feminino na Região Metropolitana de São Paulo. Abril 2007 O EMPREGO DOMÉSTICO Boletim especial sobre o mercado de trabalho feminino na Abril 2007 Perfil de um emprego que responde por 17,7% do total da ocupação feminina e tem 95,9% de seus postos de trabalho

Leia mais

I Seminário Nacional sobre Deficiência e Funcionalidade. Transitando do modelo médico para o biopsicossocial

I Seminário Nacional sobre Deficiência e Funcionalidade. Transitando do modelo médico para o biopsicossocial I Seminário Nacional sobre Deficiência e Funcionalidade Transitando do modelo médico para o biopsicossocial 1 Participação do MTE no Programa BPC - Trabalho Intermediação de mão de obra da pessoa com deficiência;

Leia mais

Aconstrução civil é uma atividade relevante para o desenvol

Aconstrução civil é uma atividade relevante para o desenvol Revista da Fapese, v.3, n. 2, p. 101-116, jul./dez. 2007 101 Construção Civil e Mercado de Trabalho: Uma Análise Sócio-econômica no Nordeste em Aracaju-SE Denisia Araujo Chagas Tavares* Resumo Aconstrução

Leia mais

Palavras-chave: Mortalidade Infantil, Análise Multivariada, Redes Neurais.

Palavras-chave: Mortalidade Infantil, Análise Multivariada, Redes Neurais. UMA ANÁLISE COMPARATIVA DE MODELOS PARA CLASSIFICAÇÃO E PREVISÃO DE SOBREVIVÊNCIA OU ÓBITO DE CRIANÇAS NASCIDAS NO RIO DE JANEIRO EM 2006 NO PRIMEIRO ANO DE VIDA Mariana Pereira Nunes Escola Nacional de

Leia mais

CLUBE EDUCACIONAL GESTAR NA ESCOLA TRAJETÓRIA II Atividades da III Unidade 6º ano / 5ª série ATIVIDADE 1 - LÍNGUA PORTUGUESA

CLUBE EDUCACIONAL GESTAR NA ESCOLA TRAJETÓRIA II Atividades da III Unidade 6º ano / 5ª série ATIVIDADE 1 - LÍNGUA PORTUGUESA CLUBE EDUCACIONAL GESTAR NA ESCOLA TRAJETÓRIA II Atividades da III Unidade 6º ano / 5ª série ATIVIDADE 1 - LÍNGUA PORTUGUESA IMPRIMA ANTES O FORMULÁRIO DE RESPOSTAS! Ao concluir as atividades e tendo certeza

Leia mais

EXPECTATIVAS DE COMPRAS PARA O CARNAVAL 2014

EXPECTATIVAS DE COMPRAS PARA O CARNAVAL 2014 EXPECTATIVAS DE COMPRAS PARA O CARNAVAL 2014 Compradores "Mais compradores devem frequentar os centros de compras no pólo de confecções do Agreste em 2014" Os compradores dos Centros de Compras do Polo

Leia mais

São Paulo, 14 de julho de 2004. COMÉRCIO VAREJISTA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

São Paulo, 14 de julho de 2004. COMÉRCIO VAREJISTA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO São Paulo, 14 de julho de 2004. COMÉRCIO VAREJISTA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO E OS TRABALHADORES Pulverizado, com uma grande concentração de empresas de pequeno porte - mais de 60% dos trabalhadores estão

Leia mais

A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014

A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014 A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Março de 2015 A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014 Em 2014, a presença de

Leia mais

OS REFLEXOS DA CRISE FINANCEIRA DE 2008 NO PERFIL DOS NOVOS POSTOS DE TRABALHO CRIADOS EM CAXIAS DO SUL NO PERÍODO DE SETEMBRO DE 2008 A SETEMBRO DE

OS REFLEXOS DA CRISE FINANCEIRA DE 2008 NO PERFIL DOS NOVOS POSTOS DE TRABALHO CRIADOS EM CAXIAS DO SUL NO PERÍODO DE SETEMBRO DE 2008 A SETEMBRO DE 1 OS REFLEXOS DA CRISE FINANCEIRA DE 2008 NO PERFIL DOS NOVOS POSTOS DE TRABALHO CRIADOS EM CAXIAS DO SUL NO PERÍODO DE SETEMBRO DE 2008 A SETEMBRO DE 2009. RESUMO Adalberto Ayjara Dornelles Filho 1 David

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego PME. Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada

Pesquisa Mensal de Emprego PME. Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada Pesquisa Mensal de Emprego PME Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Algumas das principais

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht Page 1 of 7 Comunicação Social 17 de setembro de 2010 Síntese de Indicadores Sociais 2010 SIS 2010: Mulheres mais escolarizadas são mães mais tarde e têm menos filhos Embora abaixo do nível de reposição

Leia mais

I N F O R M E S E T O R I A L

I N F O R M E S E T O R I A L ÁREA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL I N F O R M E S E T O R I A L Gerência Setorial REALIDADE SOCIAL BRASILEIRA Principais Indicadores nº 1 janeiro de 2002 No final do ano de 2001 foram divulgados os estudos

Leia mais