INTERNATIONAL JOURNAL ON WORKING CONDITIONS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INTERNATIONAL JOURNAL ON WORKING CONDITIONS"

Transcrição

1 INTERNATIONAL JOURNAL ON WORKING CONDITIONS ISSN Rui Pedro Fonseca Universidade do Porto / Instituto de Sociologia, Porto, Portugal. Resumo: Este estudo aborda as condições de produção artística no âmbito internacional focando, com particular ênfase, as convenções de género no âmbito representacional e as regras que regem o seu sistema institucional. A recolha de dados foi efetivada através da compilação de indicadores advindos relatórios que contêm rácios de consagração, por género, em espaços institucionais de países como o México, Alemanha, EUA, França e Itália. Adicionalmente recorre-se à teoria feminista para compreender a história da arte enquanto disciplina legitimadora e perpetuadora de convenções de género. Não obstante algumas das conquistas das mulheres pela preconização da igualdade de género no campo artístico, ainda nos deparamos com claras assimetrias: uma história da arte e sistemas de linguagem que formulam uma canonização do masculino; e, ainda, um gatekeeping no principal circuito internacional que põe em prática políticas que consagram essencialmente os homens, pese embora, atualmente, as mulheres apresentem uma maior diplomação. Palavras-chave: feminismos, assimetrias, género, campo da arte.. The international art scene still perpetuating the gender asymmetries Abstract: This study addresses the conditions of artistic production in an international context, focusing, with particular emphasis, on the gender conventions within the representational and the rules governing their institutional system. Data collection was accomplished through the compilation of indicators arising from reports that contain ratios of consecration, by gender, in institutional spaces of countries like Mexico, Germany, USA, France and Italy. Additionally resorts to feminist theory to understand art history as a discipline that legitimizes and perpetuates gender conventions. Despite some of the women s achievements in the promotion of gender equality in the artistic field, we still come across clear asymmetries: a history of art and language systems that formulate the canonization of men, as well as the implementation of policies legitimized in the main international circuit, which essentially establishes the consecration of men, although women are currently more likely to have graduated from universities. Keywords: feminisms, gender, art field, asymmetries. Publicação editada pela RICOT (Rede de Investigação sobre Condições de Trabalho) Instituto Publicação de editada Sociologia pela RICOT da Universidade (Rede de Investigação do Porto sobre Condições de Trabalho) Instituto de Sociologia da Universidade do Porto Publication edited by RICOT (Working Conditions Research Network) Institute Publication of edited Sociology, by RICOT University (Working Conditions of Porto Research Network) Institute of Sociology, University of Porto

2 Introdução Este artigo 1 expõe algumas das assimetrias de género, com prejuízo para as mulheres, que atualmente decorrem no campo artístico. Consiste num estudo sobre as condições de produção artística num âmbito internacional que exigiu o recurso a análises pluridisciplinares aos mecanismos sociais e convenções de género, quer no âmbito representacional nas artes plásticas, quer às regras que regem o seu sistema estruturante - os tecidos institucionais. Optou-se por dividir este estudo em 3 secções distintas, mas complementares, onde se apresentam os seguintes conteúdos: na secção 1. A história (masculina) da arte é desconstruída como uma disciplina de legitimação cultural que jogou, e joga, um importante papel na disseminação de valores culturais de género. Recorrendo às referências de Ways of Seeing, de John Berger (1972), e Differencing the Canon: feminist desire and the writing of art s histories, de Griselda Pollock, entre outras, aportase como as mulheres surgem em representações (re)consagrantes da história da arte onde, frequentemente, surgem como despidas, exploradas, vulneráveis, como objeto contemplante, reduzidas ao corpo e aos seus preceitos icónicos. Exemplificam-se com menções a obras consagradas. Autoras como Freida High ( In search of a Discourse and Critique(s) that Center the art of Black Women Artists, 2001), Cindy Nemser ( Art Talk: Conversations with Twelve Women Artists, 1975) e Luciana Gruppelli Loponte ( Sexualidades, artes visuais e poder: pedagogias visuais do feminino, 2002) desconstroem a natureza do génio artístico, também sustentado pela linguagem, que surge invariavelmente associado aos homens artistas. Face à conjuntura laboral desfavorável para muitas mulheres artistas, ainda no decorrer na década de 1970, importa aclarar uma das principais estratégias utilizadas pelas próprias para darem visibilidade ao seu trabalho. Para o efeito, realizou-se a secção 2 (À procura da visibilidade: dos espaços alternativos aos espaços institucionais), onde se expõe a pertinência dos esforços em torno de ações dirigidas para a concretização de exposições de arte de mulheres em espaços alternativos no contexto norte-americano. Janet Wolff, em Sentenças femininas (2003), ou Judith Brodsky, em Exhibitions, galleries and alternative spaces (1994), explicam como a organização das primeiras exposições em espaços alternativos originariam as primeiras conquistas. Ainda, na secção 2, os espaços institucionais são mencionados à luz das vantagens que trazem para a construção de qualquer carreira artística. Especifica-se com o exemplo das galerias de arte em ambas as suas dimensões: económica e cultural, pela sua capacidade em atrair agentes económicos de prestígio ocorrência que acarreta maior nome quer para as galerias, quer aos/às artistas que nestas se consagram. Essencialmente, através do trabalho de Alexandre Melo Arte e Dinheiro (1994), destacase e desenvolve-se a lógica de funcionamento das galerias, pela sua capacidade de posicionar artistas na hierarquia de consagração, mediante o estabelecimento de contactos profissionais com agentes económicos e mediadores. Adicionalmente, foca-se uma dupla conjuntura de mulheres que expõem quer em espaços alternativos, quer em espaços institucionais, sendo que muitas delas também não contam com apoios de 1 Este estudo foi realizado para o âmbito do trabalho de Doutoramento Condições de Produção e Práticas de Recepção da Arte Feminista, na Universidad del País Vasco, em parceria com o Instituto de Sociologia da Universidade do Porto e com o apoio da Fundação para a Ciência e a Tecnologia. 2

3 movimentos associativos feministas (dá-se o exemplo do caso mexicano relatado por McCaughan, Navegando pelo labirinto do silêncio: artistas feministas no México (2003). A obtenção de dados sobre a representatividade das mulheres artistas em instituições artísticas (bienais, feiras, galerias, museus, concursos, etc.) proporciona importantes indicadores que revelam rácios de consagração, por género, e permitem averiguar se há indícios de equilíbrio, ou de discriminação. Existem estudos estatísticos reconhecidos sobre alguns países onde se mede a presença/visibilidade ou ausência/discriminação de mulheres artistas em instituições artísticas (galerias, museus, etc.). Na secção 3 (A perpetuação de assimetrias de género nas principais zonas do mercado artístico mundial) disponibilizam-se dados sobre o México, Alemanha, EUA, França e Itália. Nesta secção avançam-se com dados referentes à docência em estudos realizados nas cidades de San Carlos e em La Esmeralda; também sobre o rácio, por género, em exposições individuais e coletivas na Cidade do México; assim como o rácio, por género, da exposição A Arte Latino-Americana, : Seleções das Coleções do Museu de Arte Moderna de Nova York, de 1996, no Museu Mexicano de Arte Moderna (MAM) (em Sí somos muchas... y no somos machas: Textos sobre mujeres artistas, de Mónica Mayer). No caso da Alemanha, recorreu-se ao estudo de Culture-Gates in Music and New Media Arts in Germany, de Annette Brinkmann. A autora fornece dados recolhidos sobre a Feira Internacional de Arte de Colónia (de 2000); sobre a exposição bilder*codes# , do (Zentrum für Kunst und Medientechnologie Karlsruhe) em Karlsruhe); sobre o Museu de Arte Moderna ZKM (Zentrum für Kunst und Medientechnologie Karlsruhe); sobre a Edith-Rub-Haus em Oldenburg, em Hannover. No caso dos EUA procedeu-se à consulta de fontes, como artist-info (http://www.artistinfo.com), de forma a averiguar qual o rácio de representatividade entre artistas (por género) num total de 1,129 representados/as. Com o estudo de Andrea Blum, The Facts about Women, acedeu-se ao número total de mulheres artistas nos EUA; aos rácios de homens e de mulheres que são modelos de figura humana; às percentagens de graus académicos nas artes entre homens e mulheres (bacharelato, mestrado, doutoramento, e doutoramento em história da arte); às percentagens de obras de mulheres presentes em museus; às percentagens de obras de mulheres presentes em galerias; à percentagem de mulheres artistas revistas pela história da arte; à percentagem de mulheres artistas mencionadas em revistas de arte; à percentagem dos prémios do Guggenheim atribuídos a mulheres; e à percentagem de grandes colecionadores/as espalhados/as pelo planeta. No contexto francês, foram reproduzidos, através de Brinkmann (2003), os dados relativos ao registo de artistas (por género) no Centro George a Pompidou, do Museu Ludwig e do Centre pour l Image Contemporain. No contexto italiano, foi empreendido um estudo quantitativo 2 na biblioteca da Bienal de Veneza sobre a representatividade de homens e mulheres nas exposições internacionais das Bienais de Veneza, entre uma amostra que foi confrontada com outras (recolhidas por Pauline Barrie, em The Art machine Part 2 : 1988) sobre as Bienais de Veneza. Finalmente, partindo da premissa de que o ensino artístico universitário possibilita a aquisição de competências várias (referências históricas, valias técnicas e teóricas, cunho/identidade artística, currículo, etc.), aquelas/es que as possuam têm à partida mais vantagens na competição com seus pares não diplomados e que analogamente almejam 2 O estudo quantitativo na Bienal de Veneza foi realizado no âmbito do trabalho de doutoramento Condições de Produção e Práticas de Recepção da Arte Feminista. 3

4 conquistar posições no circuito. Face a esta premissa, procedeu-se à consulta do relatório "Unveiling the Status of Women in Arts and Media Professions in Europe, de Danielle Cliché, Ritva Mitchell e Andreas Wiesand, (Eds.) (1999) que aporta com dados circunscritos ao contexto europeu, no decorrer de toda a década de A história (masculina) da arte O fenómeno de arbitrariedade cultural transformado em natural que Bourdieu (1998: 12) refere em relação à história pode ser aplicado à disciplina da história da arte. As artes plásticas constituem um dos grandes fatores pelos quais, ao longo da história até aos dias de hoje, foram consolidadas conceções sobre a sexualidade, o género, ou mesmo sobre o poder. Dos discursos artísticos, ou melhor, da grande arte ou da arte universal surgem representações aparentemente neutras e naturais sobre o feminino. As feministas têm vindo a assumir um papel decisivo porque têm dado a compreender que a sexualidade não é apenas pessoal ou individual mas é, sobretudo, um tema cultural e político densamente abrangedor. Sob a aura da cultura, muitas vezes pedagógica, os discursos artísticos fixam, efetivamente, identidades sexuais produzindo o que Loponte designa de pedagogia do feminino, como uma «pedagogia visual que naturaliza e legitima o corpo feminino como objeto de contemplação, tornando esse modo de ver particular como a única verdade possível» (Loponte, 2002: 283). A pedagogia do feminino, a que Loponte se refere, tem sido posta em prática mediante conceções hegemónicas (por isso naturalizadas) das artes plásticas do Ocidente sobre as feminilidades e as masculinidades. A incessante repetição, durante séculos, de textos e representações refletores dos cânones oriundos das academias e, sobretudo, do circuito artístico principal, tem vindo a estabelecer o que é inquestionavelmente bom e eminentemente referenciável. As bases ideológicas dos cânones, normalmente incontestáveis, têm vindo a manter mulheres artistas, assim como outras minorias, na clandestinidade. Simultaneamente, as referências (masculinas) são reportadas como conquista de luta triunfante do talento individual e da universalidade do valor. A teoria feminista 3 tem tido um papel determinante no questionamento das bases de apreciação artística, assim como das estruturas de poder que fomentam discursos legitimadores como a história da arte 4, que tem um contributo categórico na objetificação da feminilidade e discriminação de mulheres artistas ao longo da história. Em Ways of Seeing (1972), John Berger refere que, quer na arte quer na publicidade, os homens atuam e as mulheres aparecem 5.Ou seja, tem havido uma tendência no âmbito 3 A teoria feminista consubstancia uma designação lata que integra todos campos teóricos e filosóficos do heterogéneo movimento feminista. Aplicada no campo artístico, a teoria feminista procura compreender os mecanismos que criam desigualdade de género, mas também promove os direitos das mulheres no sistema artístico que integra agentes e produtores/as culturais. À semelhança do feminismo cultural, também procura desconstruir os estereótipos associados às representações culturais de género. 4 Começa a dar os primeiros passos, com Lorenzo Ghiberti, (I Commentarii, ca. 1445), Vasari (Vite de piu eccelenti Pittori, Scultori e Architettori, 1550) e Benvenuto Cellini (Autobiographie, 1562), a história da história da arte concebida como a história dos artistas (Cf. Hadjinicolaou, 1973: 54), que tinha como foco essencial os criadores-homens. 5 John Berger (1972), Ways of Seeing Op. Cit. Heartney, p.52. 4

5 representacional para que os homens assumam papéis onde se revelam mais ativos e as mulheres mais passivas. Já Griselda Pollock, com a obra Differencing the canon: feminist desire and the writing of art s histories (1999), demonstra que a prática da canonização falocêntrica legitima determinadas identidades e memórias culturais como as narrativas originais, portanto, conferidoras de autoridade a textos que desempenham a função de narrativas de origem. Com uma hegemónica frequência, as mulheres do período clássico, mesmo aquelas que almejavam o mecenato, eram representadas pelo gosto oficial como despidas, exploradas, vulneráveis, como objeto contemplante, reduzidas ao corpo e aos seus preceitos icónicos. Na história da arte 6 ocidental, os corpos de mulheres objetificados consistem num tema recorrente. Obras como Olympia e Almoço na relva, de Manet, Les demoiselles d Avignon, de Picasso, ou as Antropometrias de Yves Klein, entre muitas outras, são consideradas marcos artísticos pela história da arte oficial que privilegiam determinadas formas de representação das mulheres que giram em torno da erotização, submissão fórmulas concebidas, sobretudo, para agradar ao olhar masculino. A condição de mulheres artistas era considerada desvalorizante, e a história da arte, pela sua dependência dos agentes artísticos legitimadores, confirma a ocultação de muitas produções artísticas de mulheres. As duas das maiores referências oficiais da história da arte Art in the Western World (1969), de David Robb e J.J. Garrison, assim como The History of Art (1950) de E.H. Gombrish, abonam uma consistente omissão de mulheres artistas, tendo um contributo decisivo para estruturar posições hierárquicas com favorecimento para os homens brancos. Embora no decorrer do século XX o número de mulheres começasse a aumentar nas academias de artes, muito poucas conseguiam mudar o seu estatuto de amadoras para profissionais. Uma das exceções seria Georgia O Keefe. Contudo, a sua imagem pública, enquanto artista, seria diminuída ao erotismo do que uma mulher deveria ostentar na época, pelo princípio de prazer que o seu corpo deveria proporcionar ao olhar masculino, no caso dela através da objetiva do seu companheiro - o fotógrafo Alfred Stieglitz (Cf. Norma et al., 1994: 13). Ao longo e em grande parte da história, as mulheres que mantinham atividades artísticas nas designadas artes maiores (pintura e escultura) sempre tiveram dificuldades em evidenciarem a sua condição de mulheres, inclusivamente em projetar o seu trabalho artístico. A precursora do Orfismo, Sonia Delaunay, seria negligenciada pela história da arte, que preferiu distinguir o seu marido Robert Delaunay como o prestigioso artista precursor e fundador deste estilo artístico. Com o advento do Expressionismo Abstrato, na década de 1940, e com a sua mística masculina, as mulheres artistas teriam acesso ao grupo imediatamente negado. Uma delas seria Lee Krasner, cujo professor Hans Hofmann atribuiu um suposto elogio a um dos seus trabalhos: «isto está tão bom que é 6 Em 1844, a história da arte surge, em Berlim, como disciplina científica, como a história dos/as artistas e das obras, eventualmente como a história das civilizações (de uma época ou civilização). Define-se, essencialmente, como legitimadora dos gostos estabelecidos pelos investidores, assim como oculta os interesses da aquisição e legitimação de obras consagradas. O não reconhecimento de assimetrias de classe, género e raça têm sido não só sonegadas pela história da arte, como tem tido um papel decisivo de construções históricas assentes em cânones, gostos, e outras construções derivadas do gosto dominante, que se assumem falocêntricas e, portanto, discriminatórias. 5

6 melhor que ninguém saiba que foi feito por uma mulher» 7. Apesar das escassas oportunidades para que a maior parte das mulheres artistas se tornassem visíveis durante a década de 1940, Grace Hartigan, Joan Mitchell e Helen Frankenthaler obtiveram alguma visibilidade e conhecimento no mundo artístico como a Segunda Geração de Expressionistas Abstratos, em parte porque se tinham projetado e estavam a ser projetadas pelos críticos como discípulas, seguidoras dos homens inovadores e fundadores da corrente (Cf. Norma et al., 1994: 13). Elas seriam estereotipadas, pela imprensa crítica, como imitadoras dos estilos dos homens, os seus mentores (Idem). Algumas artistas, face à sua guetização, mantinham, por um lado, uma grande resistência aos escritos feministas mas, por outro, não se resignavam e tentavam de alguma forma contornar a discriminação que sentiam no campo 8. Veja-se o caso de Grace Hartigan que, como estratégia de ocultar que era mulher, expôs os seus trabalhos (até 1951) com o pseudónimo de George Hartigan. A guetização de mulheres artistas é também impressa pela linguagem: termos como mestria e obra-prima são percecionados, dentro e fora do campo da arte, como conferidores da natureza do génio (masculino). Veja-se o período clássico, com as marcadas noções de beleza, os cânones e valores sublimados sobre o homem do renascimento. Freida Heigh refere que este período foca com especial ênfase as vidas dos homens de descendência europeia, que o seu propósito convencional é ministrar conhecimento sobre o desenvolvimento das grandes obras, das obras-mestras, feitas pelas grandes figuras, pelos génios, e finalmente, para atrair apreciação deles 9. Intelectuais feministas, como Griselda Pollock e Rozsika Parker, chamaram a atenção para o facto de este tipo de linguagem utilizada pela história da arte estar repleta de suposições veladas a respeito da natureza do génio, ou de que a linguagem visual da arte ocidental incluía pretensões a respeito da natureza intrínseca da feminilidade e da masculinidade «Por que motivo»- comentaram as historiadoras de arte - «será o nu feminino o tema quintessencial da arte pós-renascentista?» «Que mensagens serão vinculadas por toda aquela carne núbil utilizada como alegoria da Virtude, a Justiça e da Verdade?» «Por que motivo a representação de homens e mulheres é tão díspar?» (Pollock, Op. Cit. Heartney,2001: 52). As mulheres artistas confrontam-se com a prática da negação e marginalização na história da arte convencional e assistem à prioridade que esta dá aos homens, enquanto tendencialmente circunscreve as mulheres a um plano secundário. A história da arte tem cumprido um papel determinante de informação, mas também de conceção sobre as obras e artistas que concede visibilidade, assim como das conexões históricas que estabelece: faz crónicas sobre o seu desenvolvimento (primariamente sobre a pintura, escultura e arquitetura), por períodos e estilos, dando atenção à forma (estrutura), 7 Cindy Nemser, Art Talk: Conversations with Twelve Women Artists (New York: Charles Scribner s Sons, 1975, 85) in Norma e Mary, 1994: Campos (incluindo o campo da arte) referem-se a áreas de produção, circulação e apropriação de bens, serviços, conhecimentos ou estatuto, assim como a competitividade por posições por atores na sua luta para acumular e monopolizar estes diferentes tipos de capital (Cf. Swartz, 1997: 118). O campo artístico, por exemplo, designa essa matriz de instituições, organizações e mercados, cujos/as artistas competem pelo capital simbólico (Idem). 9 High, Freida, In search of a Discourse and Critique(s) that Center the art of Black Women Artists in Robinson, 2001:

7 iconografia (significado), iconologia (tema-assunto, e atitudes culturais), biografia e contextos históricos, entre outras questões. Uma das formas mais familiares que esta disciplina adota para se referir a um objeto artístico é a de abordá-lo pela sua diferença, originalidade, pouca familiaridade, desligando-o muitas vezes do contexto patronal, sociodemográfico, das intenções, motivações e posições ideológicas do/a artista. Linda Nochlin analisou a situação das mulheres artistas ocidentais e questionou as bases ideológicas e intelectuais da história da arte como disciplina e instrumento de legitimação artística. Desde logo, o facto do historiador se apresentar maioritariamente como figura masculina, cuja linha de pensamento consiste sobretudo em provar a genialidade de homens artistas que emproam aptidões naturais e inquestionáveis. A história da arte, os/as críticos/as e mesmo os/as artistas tendem a conceber o talento artístico como algo inato, sagrado, religioso. A questão: Porque nunca houve grandes mulheres artistas? contém, para a autora, uma resposta implícita enganadora: que as mulheres não têm capacidade de produzir grandes obras de referência. A inexistência de grandes mulheres artistas tem a ver com questões ligadas a índoles institucionais e educacionais, das quais partem em vantagem os homens brancos, de classe média e alta. Os exemplos de obras consagradas acima mencionadas, as omissões, as discriminações, o uso de pseudónimos, as formas assimétricas de visibilidade, etc., atestam como a história da arte, nos seus processos de reprodução/representação, contribui decisivamente para sedimentar relações desiguais do mundo da arte. Geralmente, o mundo da arte refere-se a universos regularizados por vários grupos e instituições, que giram em torno da produção, criação, distribuição e avaliação de várias obras de arte. No mundo da arte procuram coexistir outros mundos da arte: o afroamericano, o euro-feminista, o africano, o asiático, etc., que procuram resistir à exclusão dos principais espaços institucionais ocupados pela dominant art establishment, cujas estruturas promovem interesses específicos de agentes culturais dominantes 10. O discurso empoderador e consagrador, particularmente no domínio do conhecimento, é controlado por quem está no poder. De acordo com este princípio, aqueles/as que ao longo da história detêm o controlo no domínio do conhecimento têm o poder de determinar, através da consagração, aquilo que é válido e verdadeiro. A validação pelas estruturas de poder ao longo da história tem vindo a decidir quem se torna visível ou invisível, tem definido as referências artísticas, os cânones, os baluartes da cultura, mas também vem referenciando conteúdos, sistemas de valor, formas de pensar, conhecimentos e linguagem. Concretamente a linguagem não é de todo neutra: codifica convenções culturais, determina e classifica a realidade e expressa as conceções que temos desta, inclusivamente sobre artistas, homens e mulheres. A história da arte oficial, enquanto disciplina académica, não define como termos de análise valores sociais, crenças ou injustiças. Assume a transcendência artística, a individualidade dos/as artistas e evidencia que o campo da arte é regulado principalmente por homens caucasianos, essencialmente de origem europeia, que asseguram um sistema que certifica a sua própria visibilidade e dominação. Reflete um sistema hierárquico e falocêntrico, que evidencia diferentes modos de tratamento em relação aos homens e às mulheres, quer nas formas de representação, quer nas formas de legitimação. 10 High, Freida, In search of a Discourse and Critique(s) that Center the art of Black Women Artists in Robinson, 2001: 232 7

8 2. À procura da visibilidade: dos espaços alternativos aos espaços institucionais A disparidade e a desigualdade não são características únicas no que diz respeito à representação da feminilidade vs. masculinidade de artistas (homens e mulheres) na história da arte, nem mesmo se resumem a esta disciplina. A história da arte é, tãosomente, refletora de um campo artístico cujas estruturas de poder perpetuam e internalizam o que Bourdieu designou de socialização do biológico e biologização do social (Bourdieu, 1998: 13), fenómeno que interfere nos esquemas de percepção (falar, sentir, abordar, mexer, etc.) de ambos os polos dominante (homens) e dominada (mulheres). A resposta à pergunta de Linda Nochlin porque não houve grandes mulheres artistas? pressupõe o (re)conhecimento da existência de fatores de ordem institucional, de regras que comandam o jogo da consagração artística, que não têm vindo a permitir que mulheres talentosas alcancem a visibilidade que os homens têm vindo a alcançar. Face a esta conjuntura desfavorável com a qual muitas mulheres artistas se deparam, têm-se registado diversos eventos ou ações que têm implicado esforços de vários grupos que procuram dar visibilidade ao seu trabalho. Antes da década de 1970, a visibilidade das mulheres no circuito artístico ainda era insignificante. Uma das primeiras exposições de mulheres artistas organizadas pelas próprias teve lugar em Los Angeles e Nova Iorque, ainda antes da década de Josine lanco-starrels tornou-se consciente do facto de que as mulheres estavam a ficar para trás e organizou uma exposição nas Lytton Galleries of Contemporary Art em Los Angeles intitulada de 25 California Women of Art. Também a curadora Dextra Frankel proporcionaria a primeira one-women show a Judy Chicago 11. Também, mas não só, de registar a alegada primeira exposição de mulheres artistas negras intitulada Where we At Black Women Artists (1971), que teve lugar na Acts of Art Gallery, New York 12. Ou ainda a Women s Caucus for Art conference em Washington, , onde a organização anunciou várias exposições e cerimónias que honraram mulheres mais velhas: historiadoras, curadoras, artistas como Louise Bourgois, Selma Burke, Alice Neel, Louise Nevelson, e Georgia O Keefe 14. Na década de 1980, a Artnews ao colocar na capa vinte mulheres artistas, daria os primeiros sinais de que as lutas, mesmo fora dos principais espaços artísticos, poderiam trazer conquistas. Recuando à década de 1970, obtendo alguns registos de exposições de mulheres em instâncias artísticas e comparando-os com os tempos atuais, constata-se uma plausível evolução. Na década de 1970, um dos motivos de protesto de mulheres e feministas era, e é, a falta de representatividade que tinham, e têm, nas instâncias artísticas. Para além de protestarem contra esta conjuntura, criaram, e criam, as suas próprias exposições e espaços. Judith K. Brodsky refere os três objetivos associados a esta medida: «colocar pressão sobre as principais instituições de forma a incluírem nas suas exposições o trabalho de mulheres artistas. Outro objetivo seria proporcionar às mulheres artistas um sistema com apoio intelectual e emocional para que pudessem ultrapassar os 11 Idem: Idem: Brodsky, Judith Exhibitions, galleries and alternative spaces in Norma, Mary, 1994: Idem: 106 8

9 seus sentimentos de isolamento. Um terceiro objetivo, mais radical, foi proporcionar locais para expor arte feminista que não tivesse sido vista em lado algum. O que é que as exposições alternativas e estratégias de galerias permitem? Dão a oportunidade a muitas mulheres artistas ( ) de serem documentadas. Embora as muitas reputações das artistas que participaram nestas exposições e galerias não sobrevivessem nos anos sucessivos, algumas destas mulheres estariam perdidas na história se não fossem as oportunidades da década de 1970» 15. O sistema de espaços artísticos alternativos 16 criados a partir da década de 1970, ainda usado atualmente, proporcionaria/proporciona às mulheres artistas estruturas de apoio que possibilitam o desenvolvimento de projetos a longo termo, permitindo-lhes acumular trabalho, currículo e, eventualmente, vender trabalhos e/ou obter convites para exposições. As instituições alternativas criadas permitem gerar emprego, mas também painéis, reuniões ou palestras; podem favorecer a administração de aulas, e a prestação de outros serviços que promovem a disseminação do trabalho das mulheres artistas. Ao contrário do que acontece nos espaços institucionais 17, nos espaços alternativos de carácter mais feminista não há censura no que respeita à ostentação dos corpos e da sexualidade das mulheres artistas, assim como não há uma obrigação verbalizada ou tácita em ter de agradar a determinado/a galerista 18 ou curador/a. Contudo, como refere Judith K. Brodsky, existiam/existem «algumas mulheres artistas preocupadas com a 15 Idem: Nos espaços artísticos alternativos a dinâmica comercial e de consagração são muito pouco acentuadas, dando antes lugar a dinâmicas de experimentação dirigidas, essencialmente, para a comunidade artística (pares) e públicos mais heterogéneos ou, eventualmente, com raras exceções, para grupos de ativistas (como é o caso das feministas). Normalmente, as atividades promovidas neste tipo de espaços distinguem-se pela sua maior abertura a artistas pouco consagrados/as ou mesmo desconhecidos/as. No que concerne à produção, são espaços que também permitem uma maior experimentação e heterogeneidade de temas e estilos que estejam mais à margem dos cânones académicos. Derivado da prática da realização de atividades conjuntas, nos espaços alternativos as/os artistas normalmente têm maior liberdade em conjugar palestras, workshops, concertos e outro tipo de atividades com a sua produção. A proximidade de alguns destes espaços a legitimadores culturais com mais prestígio e/ou investidores, podem permitir que uma cota muito ínfima de artistas deem o salto para espaços mais prestigiados. 17 Os espaços institucionais, por norma mais prestigiados, possuem uma dimensão económica superior ao dos espaços alternativos. Por exemplo, as galerias de arte de prestígio distinguem-se pela sua capacidade de atrair agentes económicos com grandes capacidades de investimento o que acarreta maior nome para as galerias e para as/os artistas que nestas expõem. Este tipo de galerias apresentam, tendencialmente, os/as artistas que, supostamente, são mais falados/as em dado momento; podem ser artistas revelação, jovens promessas, ou artistas já consagrados/as. Já os museus têm uma dinâmica essencialmente de consagração oficial. A possibilidade de qualquer artista integrar o seu trabalho em museus de arte implica um percurso longo, consistente, ao qual está associado o acompanhamento de agentes culturais legitimadores (críticos, comissários e/ou galeristas) cujo reconhecimento seja suficiente para certificar favoravelmente determinado/a artista. 18 «Os galeristas têm uma importância simultaneamente económica são eles que essencialmente, ou inicialmente, vendem as obras dos/as artistas e sociocultural são eles que mostram e, basicamente, promovem o trabalho dos/as artistas.» (Melo, 1994: 43) São os galeristas acedem diretamente à obra dos/as artistas com os/as quais mantêm uma relação de trabalho. Não são os galeristas que compram as obras aos/às artistas, mas servem de intermediários entre artistas e compradores, recebendo uma percentagem que varia de galeria para galeria entre 30% a 70%. 9

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

VISEU TERCEIRO. Programa de Apoio Direto à Cultura e Criatividade. Normas de Acesso e Apoio. Enquadramento

VISEU TERCEIRO. Programa de Apoio Direto à Cultura e Criatividade. Normas de Acesso e Apoio. Enquadramento VISEU TERCEIRO Programa de Apoio Direto à Cultura e Criatividade 2015 Normas de Acesso e Apoio Enquadramento A atividade de criação e programação exercida por entidades, grupos e pessoas singulares no

Leia mais

MULHERES EM ASCENSÃO: ESTUDO COMPARATIVO DE TRAJETÓRIAS EDUCACIONAIS DE MULHERES NEGRAS E BRANCAS NA PÓS-GRADUAÇÃO DA UFF PINTO

MULHERES EM ASCENSÃO: ESTUDO COMPARATIVO DE TRAJETÓRIAS EDUCACIONAIS DE MULHERES NEGRAS E BRANCAS NA PÓS-GRADUAÇÃO DA UFF PINTO MULHERES EM ASCENSÃO: ESTUDO COMPARATIVO DE TRAJETÓRIAS EDUCACIONAIS DE MULHERES NEGRAS E BRANCAS NA PÓS-GRADUAÇÃO DA UFF PINTO, Giselle UFF giselleuff@yahoo.com.br GT: Afro-Brasileiros e Educação / n.21

Leia mais

I Seminário Transfronteiriço sobre Estratégias de participação Andaluzia, Algarve, Alentejo Marta Terra Voluntariado e cidadania - A REDE -

I Seminário Transfronteiriço sobre Estratégias de participação Andaluzia, Algarve, Alentejo Marta Terra Voluntariado e cidadania - A REDE - Rede Portuguesa de Jovens para a Igualdade de Oportunidades entre Mulheres e Homens (REDE) I Seminário Transfronteiriço sobre Estratégias de participação Andaluzia, Algarve, Alentejo Marta Terra Voluntariado

Leia mais

ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS

ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS 2 3 Artes da Infância infans Do latim, infans significa aquele que ainda não teve acesso à linguagem falada. Na infância adquirimos conhecimentos, acumulamos vivências e construímos

Leia mais

A Dimensão Cultural e o Espaço uma leitura geográfica. Elis Miranda

A Dimensão Cultural e o Espaço uma leitura geográfica. Elis Miranda A Dimensão Cultural e o Espaço uma leitura geográfica Elis Miranda Professora do Mestrado em Planejamento Regional e Gestão de Cidades Universidade Cândido Mendes - Campos. O livro Introdução à Geografia

Leia mais

Aspectos culturais e relações de gênero 1

Aspectos culturais e relações de gênero 1 Aspectos culturais e relações de gênero 1 Objetivo da Aula A questão de gênero realiza-se culturalmente por ideologias que tomam formas específicas em cada momento histórico e, tais formas, estão associadas

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

PAINEL I A IGUALDADE DE GÉNERO COMO FACTOR COMPETITIVO E DE DESENVOLVIMENTO

PAINEL I A IGUALDADE DE GÉNERO COMO FACTOR COMPETITIVO E DE DESENVOLVIMENTO PAINEL I A IGUALDADE DE GÉNERO COMO FACTOR COMPETITIVO E DE DESENVOLVIMENTO Maria Regina Tavares da Silva Perita em Igualdade de Género Consultora das Nações Unidas Nesta Conferência de celebração dos

Leia mais

SEXISMO EM MEIO ESCOLAR

SEXISMO EM MEIO ESCOLAR SEXISMO EM MEIO ESCOLAR Seminário Évora Sexismo Avaliação negativa e atos discriminatórios baseados no sexo, no género ou na orientação sexual Historicamente marcado por relações de poder dos homens sobre

Leia mais

O Processo de Bolonha e o desafio da empregabilidade

O Processo de Bolonha e o desafio da empregabilidade O Processo de Bolonha e o desafio da empregabilidade P o r M a r g a r i d a S a r a i v a, J o r g e C a s a s N o v a s, J o s é R o b e r t o e E l i z a b e t h R e i s Um ano lectivo após o arranque

Leia mais

Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação

Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação Valéria Amorim Arantes 1 Brigitte Ursula Stach Haertel

Leia mais

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PARA OS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PARA OS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PARA OS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS DEPENDENTES DA DGPC CARTA DO VOLUNTÁRIO (MINUTA) VOLUNTARIADO NOS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS DA DGPC CARTA DO VOLUNTÁRIO DE MONUMENTOS,

Leia mais

O Curso de História da Arte na Universidade Federal de São Paulo

O Curso de História da Arte na Universidade Federal de São Paulo O Curso de História da Arte na Universidade Federal de São Paulo Jens Baumgarten UNIFESP Resumo O artigo apresenta o projeto acadêmico-intelectual do novo curso de graduação de História da Arte na Universidade

Leia mais

I Semana de Educação Matemática da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB.

I Semana de Educação Matemática da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB. I Semana de Educação Matemática da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB. Tema: Educação Inclusiva. Palestrante: Professor Nivaldo Vieira Santana Inicialmente desejo agradecer aos organizadores

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações

Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações M ensagens que devem permanecer A pobreza não se combate apenas com caridade ou medidas de emergência. Queremos que a situação melhore

Leia mais

Equilíbrio de Género nos Conselhos de Administração: as Empresas do PSI 20

Equilíbrio de Género nos Conselhos de Administração: as Empresas do PSI 20 1 Equilíbrio de Género nos Conselhos de Administração: as Empresas do PSI 20 Relatório 2014 ACEGIS Associação para a Cidadania, Empreendedorismo, Género e Inovação Social 8 de março de 2014 Dia Internacional

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 145/2015 de 16 de Setembro de 2015

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 145/2015 de 16 de Setembro de 2015 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 145/2015 de 16 de Setembro de 2015 Considerando que José Christiano de Freitas Henrique Júnior foi um açoriano, nascido e criado nos Açores,

Leia mais

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS MARTA LÚCIA DA SILVA ROSANA CAPPUTI BORGES Educação Infantil: desigualdades de idade e raça, um grande desafio a ser conquistado. São Paulo 2012 EDUCAÇÃO

Leia mais

ANEXO III PROGRAMAÇÃO ARTÍSTICA LINHAS ORIENTADORAS E OBJETIVOS

ANEXO III PROGRAMAÇÃO ARTÍSTICA LINHAS ORIENTADORAS E OBJETIVOS ANEXO III PROGRAMAÇÃO ARTÍSTICA LINHAS ORIENTADORAS E OBJETIVOS CENTRO CULTURAL VILA FLOR A programação do Centro Cultural Vila Flor deverá assentar em critérios de qualidade, diversidade, contemporaneidade

Leia mais

Família nuclear casal e filhos solteiros.

Família nuclear casal e filhos solteiros. Família Uma família é um conjunto de pessoas ligadas por parentesco de sangue, por casamento ou algum outro tipo de relacionamento acordado ou adoção, e que compartilha a responsabilidade básica de reprodução

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

COMUNICADO DE IMPRENSA 31-10-2014

COMUNICADO DE IMPRENSA 31-10-2014 COMUNICADO DE IMPRENSA 31-10-2014 Fotografia de João Louro e María de Corral / João Miranda JOÃO LOURO REPRESENTARÁ PORTUGAL NA BIENAL DE VENEZA EM 2015 De acordo com a Direção-Geral das Artes, a participação

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE O APRENDER PARA SABER E O SABER PARA ENSINAR: ACTUAIS DESAFIOS PARA UMA FORMAÇÃO PERMANENTE DE PROFESSORES

REFLEXÕES SOBRE O APRENDER PARA SABER E O SABER PARA ENSINAR: ACTUAIS DESAFIOS PARA UMA FORMAÇÃO PERMANENTE DE PROFESSORES REFLEXÕES SOBRE O APRENDER PARA SABER E O SABER PARA ENSINAR: ACTUAIS DESAFIOS PARA UMA FORMAÇÃO PERMANENTE DE PROFESSORES Andréia Serra Azul da Fonseca 1 Maristela Lage Alencar 2 Sinara Mota Neves 3 Universidade

Leia mais

ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS. Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais. Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail.

ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS. Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais. Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail. ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail.com Parte I - Fotografia e valor documentário Parte II - A fotografia nos arquivos:

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

ESTRATÉGIA MUNICIPAL PARA A IGUALDADE DE GÉNERO (EMIG)

ESTRATÉGIA MUNICIPAL PARA A IGUALDADE DE GÉNERO (EMIG) ESTRATÉGIA MUNICIPAL PARA A IGUALDADE DE GÉNERO (EMIG) Cascais, junho 2012 Para conseguir a instauração de uma sociedade baseada na igualdade, é fundamental que as coletividades locais e regionais integrem

Leia mais

PROPOSTA DE PLANO DE AÇÃO PARA A PROMOÇÃO DA IGUALDADE E EQUIDADE DE GÉNERO/CPLP (2014-2016)

PROPOSTA DE PLANO DE AÇÃO PARA A PROMOÇÃO DA IGUALDADE E EQUIDADE DE GÉNERO/CPLP (2014-2016) PROPOSTA DE PLANO DE AÇÃO PARA A PROMOÇÃO DA IGUALDADE E EQUIDADE DE GÉNERO/CPLP (2014-2016) Este Plano de Ação é um sinal claro para os intervenientes dos Estados membro da importância que a CPLP atribui

Leia mais

O PAPEL DA ESCOLA NA SOCIEDADE: ALGUMAS CONCEPÇÕES DE WEBER E BOURDIEU. Resumo

O PAPEL DA ESCOLA NA SOCIEDADE: ALGUMAS CONCEPÇÕES DE WEBER E BOURDIEU. Resumo 1 O PAPEL DA ESCOLA NA SOCIEDADE: ALGUMAS CONCEPÇÕES DE WEBER E BOURDIEU Suellen Celina Vitcov Ribeiro IE/UFMT shuribeiro@hotmail.com Juliana Assis da Cruz IE/UFMT- juliassis2010@yahoo.com.br Resumo Este

Leia mais

Acabar com as disparidades salariais entre mulheres e homens. http://ec.europa.eu/equalpay

Acabar com as disparidades salariais entre mulheres e homens. http://ec.europa.eu/equalpay Acabar com as disparidades salariais entre mulheres e homens Resumo O que se entende por disparidades salariais entre mulheres e homens Por que razão continuam a existir disparidades salariais entre mulheres

Leia mais

Exposição de motivos

Exposição de motivos Exposição de motivos Hoje, Portugal é uma sociedade onde vivem e convivem muitas culturas e etnias diferentes. Muitos são os imigrantes que aqui vivem, de diversas nacionalidades, e com um papel fundamental

Leia mais

cerca de 200 crianças, adolescentes e jovens em situação de vulnerabilidade social do Centro Histórico e da periferia de Salvador.

cerca de 200 crianças, adolescentes e jovens em situação de vulnerabilidade social do Centro Histórico e da periferia de Salvador. I ENCONTRO, CAPOEIRA e PATRIMÔNIO IMATERIAL no BRASIL: perspectivas para a implementação de políticas públicas de salvaguarda da Capoeira. Local: UFF Niterói RJ Data: 3 de setembro de 2006 às 16:00 h Tema:

Leia mais

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira.

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 1 PROJETO SETORIAL INTEGRADO BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 2 Introdução O Ministério da Cultura, sugeriu a Fundação

Leia mais

Press Release 21 de junho de 2013

Press Release 21 de junho de 2013 Press Release 21 de junho de 2013 O Instituto Sacatar tem a satisfação de anunciar a chegada de um novo grupo de seis artistas premiados, cada um, com um período de residência de oito semanas de duração

Leia mais

Vou entrar no Ensino Secundário. E agora? Que via escolher?

Vou entrar no Ensino Secundário. E agora? Que via escolher? Vou entrar no Ensino Secundário. E agora? Que via escolher? A publicação da Lei n.º 85/2009, de 27 de Agosto, estabelece o regime de escolaridade obrigatória para as crianças e jovens em idade escolar,

Leia mais

Comunicações e Informações

Comunicações e Informações Jornal Oficial da União Europeia C 224 A Edição em língua portuguesa Comunicações e Informações 58. o ano 9 de julho de 2015 Índice V Avisos PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS Serviço Europeu de Seleção do

Leia mais

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES Por cerca de 50 anos, a série Boletim Verde descreve como a John Deere conduz os negócios e coloca seus valores em prática. Os boletins eram guias para os julgamentos e as

Leia mais

HOMOFOBIA E VIOLÊNCIA: O DESAFIO EDUCACIONAL NA PERSPECTIVAS DE HANNAH ARENET

HOMOFOBIA E VIOLÊNCIA: O DESAFIO EDUCACIONAL NA PERSPECTIVAS DE HANNAH ARENET 1 HOMOFOBIA E VIOLÊNCIA: O DESAFIO EDUCACIONAL NA PERSPECTIVAS DE HANNAH ARENET Marlesson Castelo Branco do Rêgo IFPE Doutorando em Ciências Humanas pela UFSC Introdução Em 2004, o governo federal lançou

Leia mais

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM?

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? As Áreas de Conteúdo são áreas em que se manifesta o desenvolvimento humano ao longo da vida e são comuns a todos os graus de ensino. Na educação pré-escolar

Leia mais

Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social

Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social O Serviço Social é uma profissão de intervenção e uma disciplina académica que promove o desenvolvimento e a mudança social, a coesão

Leia mais

CONCURSO DE EXPERIÊNCIAS INOVADORAS NA FORMAÇÃO DOCENTE SEGUNDA EDIÇÃO DO PRÊMIO PAULO FREIRE

CONCURSO DE EXPERIÊNCIAS INOVADORAS NA FORMAÇÃO DOCENTE SEGUNDA EDIÇÃO DO PRÊMIO PAULO FREIRE CONCURSO DE EXPERIÊNCIAS INOVADORAS NA FORMAÇÃO DOCENTE SEGUNDA EDIÇÃO DO PRÊMIO PAULO FREIRE Esta iniciativa objetiva conhecer e compartilhar práticas inovadoras na Formação e Desenvolvimento Profissional

Leia mais

AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL -

AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL - AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL - Sónia Cardoso e Sérgio Machado dos Santos Gabinete de

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (5 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (5 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (5 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Conhecer diferentes termos espaciais (em pé, deitado, em cima, em baixo, à frente, atrás, dentro, fora ) Descrever itinerários diários (exemplos:

Leia mais

USOS E LIMITES DA CATEGORIA GÊNERO *

USOS E LIMITES DA CATEGORIA GÊNERO * USOS E LIMITES DA CATEGORIA GÊNERO * MARIA LYGIA QUARTIM DE MORAES ** A introdução da categoria gênero permite a incorporação das dimensões culturais às dimensões psico-biológicas das diferenças entre

Leia mais

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO 19.12.2007 C 308/1 I (Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO RESOLUÇÃO DO CONSELHO de 5 de Dezembro de 2007 sobre o seguimento do Ano Europeu da Igualdade de Oportunidades para Todos

Leia mais

Contexto do Dadaísmo

Contexto do Dadaísmo O Movimento Dadá Contexto do Dadaísmo O Movimento Dadá O movimento Dadá ou Dadaísmo foi uma vanguarda moderna iniciada em Zurique, em 1916, no chamado Cabaret Voltaire, por um grupo de escritores e artistas

Leia mais

Questionário de autorreflexão sobre igualdade salarial entre homens e mulheres nas empresas

Questionário de autorreflexão sobre igualdade salarial entre homens e mulheres nas empresas GUIA DE APOIO Questionário de autorreflexão sobre igualdade salarial entre homens e mulheres nas empresas II GUIA DE APOIO GUIA DE APOIO AO QUESTIONÁRIO DE AUTORREFLEXÃO SOBRE IGUALDADE SALARIAL ENTRE

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013.

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013. 122 Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LER, ESCREVER E REESCREVER NO ENSINO MÉDIO POR MEIO DOS CLÁSSICOS DA LITERATURA BRASILEIRA José Enildo Elias Bezerra (IFAP) enildoelias@yahoo.com.br

Leia mais

Workshop PROCESSING > Marius Watz 11-15 Outubro, 2004 no Espaço Atmosferas em Lisboa.

Workshop PROCESSING > Marius Watz 11-15 Outubro, 2004 no Espaço Atmosferas em Lisboa. Workshop PROCESSING > Marius Watz 11-15 Outubro, 2004 no Espaço Atmosferas em Lisboa. > Sobre o Workshop Nos últimos anos surgiu um novo movimento de designers e artistas que reconhece o potencial do uso

Leia mais

Articulação Formação Graduada - Formação Pós-Graduada

Articulação Formação Graduada - Formação Pós-Graduada Articulação Formação Graduada - Formação Pós-Graduada Uma proposta de reflexão para o Conselho Académico da Universidade do Minho António Sérgio Pouzada Moisés Martins Cândida Lucas Dolores Cabral Jorge

Leia mais

A Inclusão e as Relações entre a Família e a Escola

A Inclusão e as Relações entre a Família e a Escola A Inclusão e as Relações entre a Família e a Escola (Mônica Pereira dos Santos) 1 Introdução A perspectiva da relação entre família e escola pouco tem sido tratada na literatura do ponto de vista educacional,

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

O campo científico e os conflitos e relações de poder no trabalho de professores de uma universidade pública

O campo científico e os conflitos e relações de poder no trabalho de professores de uma universidade pública 1 O campo científico e os conflitos e relações de poder no trabalho de professores de uma universidade pública Resumo Carla Fabiana Graetz Orientador Prof. Dr. Eduardo Pinto e Silva Mestrado Linha de Pesquisa:

Leia mais

RELATÓRIO DE BOAS PRÁTICAS NOME DA AÇÃO HISTÓRICO DA AÇÃO

RELATÓRIO DE BOAS PRÁTICAS NOME DA AÇÃO HISTÓRICO DA AÇÃO RELATÓRIO DE BOAS PRÁTICAS NOME DA AÇÃO Processos do silêncio: oficina dialógica e criativa HISTÓRICO DA AÇÃO Processos do Silêncio é um projeto contemplado com o II Prêmio Nacional de Expressões Culturais

Leia mais

Fundação Sousândrade. IUA Instituto Universitário Atlântico

Fundação Sousândrade. IUA Instituto Universitário Atlântico Fundação Sousândrade IUA Instituto Universitário Atlântico Curso de Especialização conducente ao Mestrado GESTÃO DA EDUCAÇÃO Administração Escolar e Administração em Educação A ser realizado no Brasil

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

PARTICIPAÇÃO EQUILIBRADA DAS MULHERES E DOS HOMENS NOS PROCESSOS DE TOMADA DE DECISÃO POLÍTICA E ECONÓMICA

PARTICIPAÇÃO EQUILIBRADA DAS MULHERES E DOS HOMENS NOS PROCESSOS DE TOMADA DE DECISÃO POLÍTICA E ECONÓMICA As/os jovens e a participação cívica e pol ítica A n a S o f i a F e r n a n d e s C o - f u n d a d o r a e e x - P r e s i d e n t e d a R e d e P o r t u g u e s a d e J o v e n s p a r a a I g u a

Leia mais

Visibilidade estatística da população afro-descendente da América Latina: aspectos conceituais e metodológicos

Visibilidade estatística da população afro-descendente da América Latina: aspectos conceituais e metodológicos Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) Comissão Européia Visibilidade estatística da população afro-descendente da América Latina: aspectos conceituais e metodológicos Versão preliminar

Leia mais

A TRAMA DO VALOR NA ARTE ASPECTOS DA HISTÓRIA DA CURADORIA

A TRAMA DO VALOR NA ARTE ASPECTOS DA HISTÓRIA DA CURADORIA 8.00.00.00-2 LINGUÍSTICA, LETRAS E ARTES 8.03.00.00-6 ARTES A TRAMA DO VALOR NA ARTE ASPECTOS DA HISTÓRIA DA CURADORIA CAROLINA CARMINI MARIANO LÚCIO - ORIENTANDA Curso de Arte: História, Crítica e Curadoria

Leia mais

O EDUCADOR E AS POLÍTICAS EDUCACIONAIS: INCLUSÃO, DIVERSIDADE E IGUALDADE

O EDUCADOR E AS POLÍTICAS EDUCACIONAIS: INCLUSÃO, DIVERSIDADE E IGUALDADE O EDUCADOR E AS POLÍTICAS EDUCACIONAIS: INCLUSÃO, DIVERSIDADE E IGUALDADE Kizzy Morejón 1 Luci Riston Garcia 2 Cristiane Camargo Aita 3 Vitor Cleton Viegas de Lima 4 RESUMO Vivemos em uma sociedade que,

Leia mais

SIGNIFICADOS DE GÊNERO NO COTIDIANO ESCOLAR DE UMA ESCOLA PÚBLICA MUNICIPAL DE SÃO PAULO

SIGNIFICADOS DE GÊNERO NO COTIDIANO ESCOLAR DE UMA ESCOLA PÚBLICA MUNICIPAL DE SÃO PAULO SIGNIFICADOS DE GÊNERO NO COTIDIANO ESCOLAR DE UMA ESCOLA PÚBLICA MUNICIPAL DE SÃO PAULO TELLES, Edna de Oliveira - USP GE: Gênero, Sexualidade e Educação / n.23 Agência Financiadora: Não contou com financiamento.

Leia mais

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/ MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: HISTÓRIA LICENCIATURA PLENA SERIADO ANUAL 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 03 (TRÊS) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 05 (CINCO)

Leia mais

Resenha. Informar não é comunicar (WOLTON, Dominique. Porto Alegre: Sulinas, 2011).

Resenha. Informar não é comunicar (WOLTON, Dominique. Porto Alegre: Sulinas, 2011). Resenha Informar não é comunicar (WOLTON, Dominique. Porto Alegre: Sulinas, 2011). Bruno Ribeiro NASCIMENTO 1 Dominique Wolton costuma nadar contra a corrente: quando os críticos da indústria cultural

Leia mais

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus APRESENTAÇÃO Ao se propor a sistematização de uma política pública voltada para os museus brasileiros, a preocupação inicial do Ministério

Leia mais

INCLUSÃO E EXCLUSÃO NO INTERIOR DA ESCOLA: AS REPRESENTAÇÕES EM FOCO NOVAIS, Gercina Santana UFU CICILLINI, Graça Aparecida UFU GT-12: Currículo

INCLUSÃO E EXCLUSÃO NO INTERIOR DA ESCOLA: AS REPRESENTAÇÕES EM FOCO NOVAIS, Gercina Santana UFU CICILLINI, Graça Aparecida UFU GT-12: Currículo INCLUSÃO E EXCLUSÃO NO INTERIOR DA ESCOLA: AS REPRESENTAÇÕES EM FOCO NOVAIS, Gercina Santana UFU CICILLINI, Graça Aparecida UFU GT-12: Currículo Este trabalho é parte de uma pesquisa de natureza qualitativa

Leia mais

Pesquisa Clima Organizacional 2009. Relatório Embrapa Gado de Corte

Pesquisa Clima Organizacional 2009. Relatório Embrapa Gado de Corte Pesquisa Clima Organizacional 2009 Relatório Embrapa Gado de Corte 1. Fundamentação Teórica A Pesquisa de Cultura e Clima Organizacional é um instrumento de levantamento de informações, utilizado para

Leia mais

O QUE É MUSEU? Definições e Tipologias

O QUE É MUSEU? Definições e Tipologias O QUE É MUSEU? Definições e Tipologias Desde o início, o ICOM tinha como um dos seus objetivos definir museu. No primeiro número do ICOM News, em 1948, o museu é definido como voltado apenas para a coleção,

Leia mais

Grupo Parlamentar. Projecto de Lei N.º 52/IX ALTERA A LEI DE BASES DO SISTEMA EDUCATIVO

Grupo Parlamentar. Projecto de Lei N.º 52/IX ALTERA A LEI DE BASES DO SISTEMA EDUCATIVO Grupo Parlamentar Projecto de Lei N.º 52/IX ALTERA A LEI DE BASES DO SISTEMA EDUCATIVO O chamado processo de Bolonha não é, por essência, negativo, particularmente se for adoptado numa óptica de estímulo

Leia mais

Sucesso académico: Variáveis pessoais e respostas institucionais. Leandro S. Almeida & Alexandra M. Araújo Universidade do Minho

Sucesso académico: Variáveis pessoais e respostas institucionais. Leandro S. Almeida & Alexandra M. Araújo Universidade do Minho Sucesso académico: Variáveis pessoais e respostas institucionais Leandro S. Almeida & Alexandra M. Araújo Universidade do Minho TÓPICOS: - (In)Sucesso académico: Enquadramento - (In)Sucesso académico:

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 637/XII

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 637/XII PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 637/XII RECOMENDAÇÃO RELATIVA À ADOÇÃO POR ENTIDADES PÚBLICAS E PRIVADAS DA EXPRESSÃO UNIVERSALISTA PARA REFERENCIAR OS DIREITOS HUMANOS Exposição de motivos Não obstante o esforço

Leia mais

EDUCAÇÃO COMPARADA NO BRASIL: COMPLEMENTANDO A ANÁLISE DA PRODUÇÃO ACADÊMICA

EDUCAÇÃO COMPARADA NO BRASIL: COMPLEMENTANDO A ANÁLISE DA PRODUÇÃO ACADÊMICA EDUCAÇÃO COMPARADA NO BRASIL: COMPLEMENTANDO A ANÁLISE DA PRODUÇÃO ACADÊMICA Msc. Nádia Estima de Castro nadia.castro@acad.pucrs.br +55 51 92388146 Doutoranda em Educação da Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

FORÇA FEMINISTA NA CHINA

FORÇA FEMINISTA NA CHINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA I CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM HISTÓRIA DO SECULO XX FORÇA FEMINISTA NA CHINA DÉBORAH PAULA DA SILVA RECIFE

Leia mais

A Constituição das desigualdades

A Constituição das desigualdades Introdução Muitos estudos, especialmente na área da sociologia da educação, têm demonstrado que os projetos de democratização das sociedades modernas enfrentam dificuldades relacionadas à efetivação dos

Leia mais

Os Cursos Pré-Vestibulares para Negros e as Políticas de Cotas nas Instituições de Ensino Superior no Brasil

Os Cursos Pré-Vestibulares para Negros e as Políticas de Cotas nas Instituições de Ensino Superior no Brasil LUGAR COMUM Nº30, pp. 95-100 Os Cursos Pré-Vestibulares para Negros e as Políticas de Cotas nas Instituições de Ensino Superior no Brasil Alexandre do Nascimento Políticas de ação afirmativa são medidas

Leia mais

Inserção de mulheres na docência em teologia: um estudo quantitativo

Inserção de mulheres na docência em teologia: um estudo quantitativo Inserção de mulheres na docência em teologia: um estudo quantitativo Neiva Furlin Resumo O objetivo deste artigo é apresentar alguns resultados da pesquisa de mestrado em andamento, que se insere dentro

Leia mais

16. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, PESQUISA E AVALIAÇÃO

16. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, PESQUISA E AVALIAÇÃO 16. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, PESQUISA E AVALIAÇÃO 16.1 SISTEMA DE INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA A LDBEN Lei n.º 9.394, de 20 de dezembro de 1996 delega à União as seguintes competências: a) Coletar, analisar e

Leia mais

COMITÊ BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA ARTE CARTA ABERTA AO PRESIDENTE DA ANPUH E AOS COLEGAS HISTORIADORES

COMITÊ BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA ARTE CARTA ABERTA AO PRESIDENTE DA ANPUH E AOS COLEGAS HISTORIADORES CARTA ABERTA AO PRESIDENTE DA ANPUH E AOS COLEGAS HISTORIADORES História Prezado Prof. Benito Bisso Schmidt Presidente da Associação Nacional dos Professores Universitários de Tendo tomado conhecimento

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

As políticas de diversidade no governo Lula: inclusão e reconhecimento AS POLÍTICAS DE DIVERSIDADE NO GOVERNO LULA: INCLUSÃO

As políticas de diversidade no governo Lula: inclusão e reconhecimento AS POLÍTICAS DE DIVERSIDADE NO GOVERNO LULA: INCLUSÃO E RECONHECIMENTO* 32 Sidney Reinaldo Silva* 33 As políticas de diversidade no governo Lula: inclusão e reconhecimento AS POLÍTICAS DE DIVERSIDADE NO GOVERNO LULA: INCLUSÃO A diversidade pode ser entendida

Leia mais

Plano de Atividades 2014

Plano de Atividades 2014 Plano de Atividades 2014 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO... 3 1.1 Breve caracterização da Direção-Geral das Artes... 3 1.2 Missão, Visão, Valores... 5 1.3 Identificação das Partes Interessadas... 5 2. CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

FUNDAMENTOS E PRÁTICAS DA AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 FUNDAMENTALS AND EVALUATION PRACTICES IN THE CHILDHOOD EDUCATION

FUNDAMENTOS E PRÁTICAS DA AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 FUNDAMENTALS AND EVALUATION PRACTICES IN THE CHILDHOOD EDUCATION FUNDAMENTOS E PRÁTICAS DA AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 FUNDAMENTALS AND EVALUATION PRACTICES IN THE CHILDHOOD EDUCATION ANTECEDENTES Y EVALUACIÓN PRÁCTICA EN EDUCACIÓN INFANTIL Amélia de Jesus Marchão

Leia mais

Escola Secundária de PAREDES. Plano Curricular de Escola

Escola Secundária de PAREDES. Plano Curricular de Escola Escola Secundária de PAREDES Plano Curricular de Escola O currículo nacional, como qualquer documento matriz, tem necessariamente de ser uma moldura complexa e circunscritiva, pois é construído em torno

Leia mais

2- Demonstração da irregularidade processual e da inconsistência científica da avaliação do CFUL

2- Demonstração da irregularidade processual e da inconsistência científica da avaliação do CFUL 1.10 Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa (7 de Julho de 2014) Carta da Direcção do Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa (CFUL) à FCT, De Rerum Natura, 2014 [http://dererummundi.blogspot.pt/2014/07/carta-da-direccao-do-centro-de_7.html]

Leia mais

Entrevista. com. Reitor da Universidade de Cabo Verde, António Correia e Silva

Entrevista. com. Reitor da Universidade de Cabo Verde, António Correia e Silva Entrevista com Reitor da Universidade de Cabo Verde, António Correia e Silva A Universidade Pública de Cabo Verde vem assumindo cada vez maior importância na formação superior orientada para o conhecimento

Leia mais

Regulamento. Prémio Novos Artistas Fundação EDP 2015

Regulamento. Prémio Novos Artistas Fundação EDP 2015 Regulamento Prémio Novos Artistas Fundação EDP 2015 Considerando que: A. A Fundação EDP é uma instituição de direito privado, sem fins lucrativos, que tem por fins gerais a promoção, o desenvolvimento

Leia mais

Guião para a autoavaliação. Ciclo de estudos em funcionamento. (Ensino Universitário e Politécnico)

Guião para a autoavaliação. Ciclo de estudos em funcionamento. (Ensino Universitário e Politécnico) Guião para a autoavaliação Ciclo de estudos em funcionamento (Ensino Universitário e Politécnico) Guião ACEF 2014/2015 PT (Revisão aprovada em 26.03.2014) Caracterização do pedido A1. Instituição de ensino

Leia mais

Prova de Cultura Geral

Prova de Cultura Geral Provas Especialmente Adequadas Destinadas a Avaliar a Capacidade para a Frequência dos Cursos Superiores do Instituto Politécnico de Leiria dos Maiores de 23 Anos Prova de Cultura Geral Instruções gerais

Leia mais

Estereótipos, preconceito e discriminação racial

Estereótipos, preconceito e discriminação racial MÓDULO 4 - Relações Étnico-Raciais unidade 2 TEXTO 5 Estereótipos, preconceito e discriminação racial Esse texto aborda a questão dos estereótipos e da discriminação racial. Ressalta que cada grupo ocupa

Leia mais

Reflexões Sobre a Cooperação Internacional

Reflexões Sobre a Cooperação Internacional Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Ministério da Educação Anexos I e II 2º andar Caixa Postal 365 70359-970 Brasília, DF Brasil PLANO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO (PNPG) 2005-2010

Leia mais

Exposições Individuais / Solo Exhibitions

Exposições Individuais / Solo Exhibitions Fabiano Gonper Exposições Individuais / Solo Exhibitions 1997 Fabiano Gonper Pinacoteca da Universidade Federal da Paraíba / João Pessoa PB 1998 Desenho-Objeto Centro Cultural São Francisco / João Pessoa

Leia mais

REGULAMENTO 1º PHOTO MUSEU DO VINHO BAIRRADA 2013 ÂMBITO E APLICAÇÃO

REGULAMENTO 1º PHOTO MUSEU DO VINHO BAIRRADA 2013 ÂMBITO E APLICAÇÃO REGULAMENTO 1º PHOTO MUSEU DO VINHO BAIRRADA 2013 ÂMBITO E APLICAÇÃO 1. O Photo Museu do Vinho Bairrada, organizado pela Autarquia de Anadia/Museu do Vinho da Bairrada, apresenta-se sob a forma de concurso

Leia mais

AS ATITUDES DOS EMPRESÁRIOS ALGARVIOS FACE AO EMPREGO DE PESSOAS SOCIALMENTE DISCRIMINADAS: Um estudo empírico

AS ATITUDES DOS EMPRESÁRIOS ALGARVIOS FACE AO EMPREGO DE PESSOAS SOCIALMENTE DISCRIMINADAS: Um estudo empírico AS ATITUDES DOS EMPRESÁRIOS ALGARVIOS FACE AO EMPREGO DE PESSOAS SOCIALMENTE DISCRIMINADAS: Um estudo empírico Ileana Monteiro Docente da Escola de Gestão, Hotelaria e Turismo da Universidade do Algarve

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural Licença para Criar: Imigrantes nas Artes em Portugal Magda Nico, Natália Gomes, Rita Rosado e Sara Duarte Maio de 2007, Estudos OI 23 Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural (ACIDI)

Leia mais

Instituto Roerich da Paz e Cultura do Brasil

Instituto Roerich da Paz e Cultura do Brasil COMITÊS DA BANDEIRA DA PAZ E DO PACTO ROERICH CARTA DE PRINCÍPIOS SALVADOR/BA BRASIL 2012 CARTA DE PRINCÍPIOS PARA INSTALAÇÃO DE COMITÊS DA BANDEIRA DA PAZ E DO PACTO ROERICH NO BRASIL E NOS PAÍSES DA

Leia mais

334 Valdecy de Oliveira Pontes e Alexandra Maria de Castro e Santos Araújo

334 Valdecy de Oliveira Pontes e Alexandra Maria de Castro e Santos Araújo MARTINS, André Ricardo Nunes. A polêmica construída: racismo e discurso da imprensa sobre a política de cotas para negros. Brasília: Senado Federal, 2011, 281p. O livro intitulado A polêmica construída:

Leia mais

O ENVELHECIMENTO SOB A ÓTICA MASCULINA

O ENVELHECIMENTO SOB A ÓTICA MASCULINA O ENVELHECIMENTO SOB A ÓTICA MASCULINA Por: DANIELA NASCIMENTO AUGUSTO (Técnica em Gerontologia e Terapeuta Ocupacional) DIEGO MIGUEL (Artista Plástico, Técnico em Gerontologia e Coordenador do NCI Jova

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 27.2.2009 COM(2009) 77 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES

Leia mais