CIRCUITO FECHADO: UM OLHAR SEMIÓTICO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CIRCUITO FECHADO: UM OLHAR SEMIÓTICO"

Transcrição

1 3 CIRCUITO FECHADO: UM OLHAR SEMIÓTICO Camila de Araújo Beraldo Ludovice Professora dos cursos de Letras e Ciências Contábeis da Universidade de Franca (Unifran). Coordenadora da Especialização em Estudos Linguísticos da Universidade de Franca (Unifran). Aluna do Programa de Pós-graduação (Doutorado) da Universidade Estadual Paulista (Unesp), Araraquara. Juliana Spirlandeli Batista Professora dos cursos de Letras, Tradutor e Intérprete, Ciências Contábeis e Gastronomia da Unifran. Aluna do Programa de Pós-graduação (Doutorado) da Universidade Estadual Paulista (Unesp), Araraquara. RESUMO O objetivo deste artigo é mostrar a aplicação da teoria semiótica francesa no texto Circuito Fechado, de Ricardo Ramos, e construir, a partir dos estudos semióticos de base greimasiana, os sentidos do texto em pauta. Esta teoria foi fundada por Algirdas Julien Greimas e tem como fundamento analisar o que o texto diz e como ele faz para dizer o que diz, utilizando como um dos mecanismos básicos para desvendar os sentidos do texto o percurso gerativo de sentido que o desdobra em três níveis (fundamental, narrativo e discursivo). Palavras-chave: semiótica greimasiana; construção de sentido; conto; ações diárias. ABSTRACT The aim of this paper is to show the application of the French semiotics theory in the text Circuito Fechado by Ricardo Ramos and to build, on the basis of the greimasian semiotics studies, the senses

2 4 4 of the referred text. This theory was founded by Algirdas Julien Greimas and its main goal is to analyse what the text says and how it does to say what it says, making use of the sense generative path as a main tool to reveal the senses of the text, which can be found in three different levels (fundamental, narrative and discursive). Keywords: greimasian semiotics; sense building; tale; everyday actions.

3 4 5 INTRODUÇÃO O presente artigo tem como proposta inicial analisar o conto Circuito fechado (Anexo 1) de Ricardo Ramos que, à primeira leitura, parece apenas uma série de palavras justapostas, que nem mesmo chegam a formar frases completas devido à ausência de elementos coesivos. No entanto, ao observar o texto de maneira mais cuidadosa, é possível estabelecer relações semânticas entre os vocábulos encadeados e perceber, por meio da organização vocabular, aparentemente caótica, a coerência do texto, mesmo estando ausentes os elementos coesivos. Tal fato ocorre porque a associação dos mecanismos internos com os fatores contextuais e sócio-históricos ajuda na construção da significação desse texto, já que faz parte da memória um conjunto de ações diárias relativas às situações descritas no texto, como acordar, fazer a higiene pessoal, vestir-se para o trabalho, tomar o café da manhã, dentre outras. Dessa maneira, esse aglomerado de substantivos passa a fazer sentido e torna o texto coerente. Ante o exposto, o objetivo do artigo em questão é explicar o que o conto diz e como faz para dizer o que diz, examinando os procedimentos de organização textual, bem como os mecanismos de recepção e produção do texto. Para isso, a metodologia de pesquisa terá como suporte a teoria semiótica francesa, principalmente os estudos de A. J. Greimas e seus discípulos, centrando-se no percurso gerativo de sentido. Inicialmente, a teoria semiótica apresenta-se como uma teoria da significação e sua primeira preocupação é explicitar as condições de apreensão e da produção do sentido. Pode-se dizer, portanto, que o objeto da semiótica é o sentido, porém devido ao vasto domínio que o conjunto das disciplinas que constituem as ciências humanas ocupa, logo de início uma restrição é imposta: à semiótica interessa o parecer do sentido, apreendido por meio das formas da linguagem

4 4 6 e, mais concretamente, dos discursos que o manifestam, tornando-o comunicável e partilhável, ainda que parcialmente (BERTRAND, 2003, p. 11). Dessa forma, as preocupações da semiótica traduzemse na explicitação do modo pelo qual o sentido se constitui, ou seja, busca-se o quê, mas por intermédio do como; não o sentido verdadeiro, mas o parecer verdadeiro do sentido, isto é, o simulacro; não a fragmentação do sentido, mas sua totalidade, deduzida da unidade textual. Tais preocupações resultam na descrição do sentido que se apresenta por meio de um percurso gerativo, que compreende um nível fundamental de organização do sentido, um nível narrativo e um nível discursivo, que dão conta dessa explicação do sentido. Dessa maneira, a semiótica não se ocupa apenas da descrição frasal, mas filia-se às abordagens semânticas que rompem a barreira da frase e atingem o texto, inserindo-se, portanto, no quadro das teorias que se ocupam do texto. O sentido, para a semiótica, citando Floch (2001), decorre da fusão de dois planos que toda linguagem possui, seja na fala, na escrita, no gesto ou no desenho, o plano da expressão e o plano do conteúdo. O plano da expressão é o local onde as qualidades sensíveis que possui uma linguagem para se manifestar são selecionadas e articuladas por variações diferenciais. O plano de conteúdo, por sua vez, é onde a significação brota das variações diferenciais graças às quais, cada cultura, para refletir o mundo, ordena e encadeia ideias e discurso. De acordo com Floch (2001), a semiótica, na definição de sentido, assume que o referente não é um elemento constitutivo da linguagem, mas é representado pelo mundo real para alguns e, para outros, pelo contexto de comunicação. No entanto, a pressuposição metafísica de uma correspondência termo a termo entre a linguagem e o universo referencial é recusada pela tradição saussuriana, assumindo, dessa forma, duas consequências por essa recusa, uma mais prática, outra

5 4 7 mais teórica. A semiótica, como disciplina autônoma, estuda os fatos da linguagem, não dependendo de outra ciência real, como a física, a sociologia, entre outras. Também não se concebe, em semiótica, que determinadas linguagens, por exemplo, as visuais, sejam mais fiéis à realidade que outras, pois um desenho, afirma Floch (2001), mesmo figurativo, é tão arbitrário quanto uma palavra. A partir disso, o empenho da semiótica é analisar crenças, sentimentos e atitudes que cada sociedade adota frente às suas linguagens. A fim de construir o sentido do texto, a semiótica concebe seu plano de conteúdo sob a forma de um percurso gerativo. Tal percurso gerativo da significação é a representação dinâmica da produção de sentido, ou seja, é a disposição ordenada das etapas sucessivas pelas quais passa a significação para se enriquecer e, de simples e abstrata, tornar-se complexa e concreta (FLOCH, 2001, p.15). Greimas (1975), no texto intitulado Sobre o sentido, pondera que para o homem o sentido é colocado, ele se impõe como uma evidência, como um sentimento de compreensão absolutamente natural. Tendo em vista que toda interrogação é metalinguística, não seria possível interrogar-se sobre o sentido num universo em que a linguagem fosse pura denotação das coisas e dos gestos. Assim, nos dois extremos do canal da comunicação aparecem metáforas antropomórficas, por meio das quais o homem procura questionar ingenuamente o sentido, como se as palavras realmente quisessem dizer alguma coisa, como se o sentido pudesse ser ouvido, apenas apurando-se os ouvidos. No entanto, as respostas dadas são sempre paráfrases, que acarretam equívocos, ou seja, são traduções mais ou menos inexatas de palavras e de enunciados por outras palavras e outros enunciados. Greimas (2002) conseguiu proporcionar um contato com as relações sensíveis do mundo que se mistura com a realidade da vivência real e da vivência mostrada por meio da figuratividade. A cada análise é

6 4 8 possível, através dos textos, perceber o mundo ou perceber o sujeito que o percebe e esta vivência do sensível opera muitas transformações e cria e recria estereótipos e simulacros construídos e pré-construídos. Dessa forma, aparecem novas formas de sentido e se concebem outras maneiras do parecer do sentido. É Greimas quem chama a atenção de todos para a relevância do dia a dia e para a construção de seus sentidos e valores. Nessa construção do parecer, a figuratividade tem um papel importante, é ela que constrói o suporte do parecer e cria condições para surgir o sentido. E, moldurado pelas concepções de Greimas, o parecer vai se mostrar sempre imperfeito pela própria condição de imperfeito do ser humano. Todo parecer é imperfeito; oculta o ser; é a partir dele que se constroem um querer-ser e um dever-ser, o que já é um desvio do sentido. Somente o parecer, enquanto o que pode ser a possibilidade é vivível (GREIMAS, 2002, p. 19). A enunciação pode ser vista como um ato e, como o próprio Greimas sugeriu, para apreender a construção dos sentidos e de significação dos textos é necessário entrar nas profundezas do texto, ou seja, colocar-se em posição de muita intimidade com o texto; e, acima de tudo, perceber que o sentido está sempre presente, faz parte da realidade permanente do cotidiano. Enfim, observa Greimas (1975) que os progressos da semiótica consistem essencialmente na maior exploração das possibilidades estratégicas da apreensão da significação. Sem se saber mais sobre a natureza do sentido, aprende-se a conhecer melhor onde ele se manifesta e como se transforma. Ao lado de uma semiótica interpretativa, define-se cada vez mais a possibilidade de uma semiótica formal que daria conta apenas das articulações das manipulações de quaisquer conteúdos. Determinar as múltiplas formas de presença do sentido e os modos de sua existência, interpretá-los como instâncias

7 4 9 horizontais e níveis verticais da significação, descrever os percursos das transposições e transformações de conteúdos já não são tarefas irrealizáveis, pois apenas uma semiótica de formas poderá surgir como a linguagem que permite falar do sentido, visto que a forma semiótica é exatamente o sentido do sentido. Para Fiorin (2005, p. 31), o primeiro sentido de enunciação é o ato produtor do enunciado. O sujeito, por um ato, gera o sentido e é criado pelo enunciado. Trata-se, então, de uma entidade semiótica. Quando o enunciado e a enunciação são um fazer ser, podem ser considerados como uma performance. Quando se estabelece uma relação de implicação entre enunciado e enunciação, a enunciação é considerada como uma instância linguística qualquer. No segundo ponto, as marcas da enunciação presentes no enunciado permitem reconstituir um ato enunciativo. Para Fiorin (2005, p. 36), tem-se dois conjuntos no texto-objeto: a enunciação enunciada, que é o conjunto de marcas, identificáveis no texto, que remetem à instância de enunciação; e o enunciado enunciado, que é a sequência enunciada desprovida de marcas de enunciação. Na concepção de Bertrand (2003, p. 83), quanto ao sujeito da enunciação real, o da cena intersubjetiva da comunicação, autor ou locutor, ele é sempre inevitavelmente relegado a uma posição implícita: ele é visto na cadeia recursiva do eu digo que digo que digo, e permanece em si mesmo inacessível. Assim, o sujeito só se manifesta através de simulacros linguísticos de enunciações enunciadas (digo, penso, parece-me) que dependem de análises para serem compreendidas. Dessa forma, o sujeito do discurso é sempre concebido como uma instância em construção, parcial, incompleta e transformável, que só pode ser apreendido através dos fragmentos de discurso realizado.

8 5 0 O texto Circuito fechado, de Ricardo Ramos, palco para análise, parece à primeira leitura um simples aglomerado de palavras. Entretanto, uma observação mais cuidadosa permite ao leitor estabelecer relações semânticas entre os vários grupos de vocábulos encadeados, revelando, a partir dessa organização vocabular, a coerência do texto e evidenciando a possibilidade de um texto ser coerente mesmo com a ausência de elementos coesivos. E não são apenas as relações semânticas que estabelecem o sentido, mas também a associação dos mecanismos internos com os fatores contextuais e sócio-históricos ajuda a construir a significação desse texto. A semiótica é uma teoria que dá conta de explicar essa construção do sentido e se interessa em reconhecer o objeto de estudo e, ao mesmo tempo, tratá-lo de um modo científico. Pode-se dizer que a semiótica busca o parecer do sentido, um simulacro, verificando o que o texto quer dizer e como o diz. A fim de explicar o que o texto diz e como o diz, a semiótica busca examinar os procedimentos da organização textual, bem como os mecanismos enunciativos de produção e recepção do texto. Assim, a teoria semiótica investiga a enunciação enquanto instância pressuposta pelo discurso, em que deixa marcas ou pistas que permitem recuperá-la. Dessa forma, por meio do discurso, é possível chegar-se ao sujeito e, por meio da análise interna do texto, reconstruir a enunciação, visto que certos procedimentos do texto marcam a relação entre o discurso e a enunciação pressuposta nos diferentes níveis do percurso gerativo. Entretanto, vale ressaltar que é sobretudo no nível das estruturas discursivas que a enunciação é mais fortemente revelada, seja nas projeções da sintaxe do discurso, seja nos procedimentos de argumentação, ou ainda na escolha dos temas e figuras, sustentadas por formações

9 5 1 ideológicas. Esses aspectos são apreendidos pela análise interna do texto, que evidencia que as escolhas feitas e os efeitos de sentido obtidos decorrem da direção que a enunciação imprime ao texto. No texto em questão, o sujeito da enunciação manifesta-se numa espécie de ele universal, de uma não pessoa, o que na terminologia semiótica pode ser chamado de debreagem enunciva, pois projeta, no momento do ato de linguagem ou do seu simulacro no interior do discurso, actantes do enunciado. Esse é um típico caso das formas do enunciado enunciado, ou objetivado, pois no texto sob análise, a narração apresenta um sujeito qualquer, ou como já foi dito, um sujeito universal. Não se trata especificamente de uma narrativa em terceira pessoa, pois não tem verbos nem construções sintáticas próprias da estrutura gramatical, mas subentende-se um ele, especificamente do sexo masculino, que participa dos acontecimentos enumerados no seu cotidiano, o que pode ser comprovado em vários excertos do texto: Chinelos, vaso, descarga. Pia, sabonete. Água. Escova, creme dental, água, espuma, creme de barbear, pincel, espuma, gilete, água... ; Cueca, camisa, abotoaduras, calça, meias, sapatos, gravata, paletó. Essa debreagem enunciva produz o efeito de sentido de distanciamento da enunciação e, também, os efeitos de objetividade e neutralidade. Além desses componentes do nível discursivo, é possível depreender também como os componentes semânticos podem ser detectados na configuração temática e figurativa do discurso expresso no/pelo texto. O texto pode ser compreendido como uma representação do comportamento de um homem ou de vários homens que vivem na cidade e trabalham durante todo o dia com serviços burocráticos. Pode-se dizer, mais especificamente, que o texto retrata o dia de um homem desde o seu despertar até a hora de ir dormir, relatando por meio de palavras soltas, mas que, juntas no contexto, remetem ao cotidiano. O sentido de cotidiano e até corriqueiro é dado pela

10 5 2 própria construção textual, não existe um ator definido e as ações, por sua vez, não remetem a um único ator. A organização temática e figurativa do texto conduz a um conjunto de ações diárias, que remetem ao tema da cotidianidade e que podem ser divididas em vários atos, como o ato de acordar, fazer a higiene pessoal e vestir-se para o trabalho, corroborado pelo texto: Chinelos, vaso, descarga. Pia, sabonete. Água. Escova, creme dental, água, espuma, creme de barbear, pincel, espuma, gilete, água, cortina, sabonete, água fria, água quente, toalha. Creme para cabelo, pente. Cueca, camisa, abotoaduras, calça, meias, sapatos, gravata, paletó. Carteira, níqueis, documentos, caneta, chaves, lenço, relógio, maço de cigarros, caixa de fósforos. O ato de tomar café da manhã acompanhado pela leitura do jornal: Jornal. Mesa, cadeiras, xícara e pires, prato, bule, talheres, guardanapo. As ações realizadas para sair de casa e as percepções resgatadas por esse ato são revestidas pelas seguintes figuras apresentadas pelo texto: Quadros. Pasta, carro. Cigarro, fósforo. O ato de chegar ao trabalho, um possível escritório, e começar a trabalhar; as pausas para o café e o cigarro também permitem organizar uma leitura das figuras que se seguem: Mesa e poltrona, cadeira, cinzeiro, papéis, telefone, agenda, copo com lápis, canetas, bloco de notas, espátula, pastas, caixas de entrada, de saída, vaso com plantas, quadros, papéis, cigarro, fósforo. Bandeja, xícara pequena. Cigarro e fósforo. Papéis, telefone, relatórios, cartas, notas, vales, cheques, memorandos, bilhetes, telefone, papéis. Relógio. Mesa, cavalete, cinzeiros, cadeiras, esboços de anúncios, fotos, cigarro, fósforo, bloco de papel, caneta, projetor de filmes, xícara, cartaz, lápis, cigarro, fósforo, quadronegro, giz, papel. No meio do dia, a pausa para o almoço seguido de um café e cigarros e, novamente, a higiene pessoal básica: Mictório, pia, água. Táxi. Mesa, toalha, cadeiras, copos, pratos, talheres, garrafa, guardanapo, xícara. Maço de cigarros, caixa de fósforos. Escova de dentes, pasta, água. O retorno ao trabalho e toda a rotina com pausas para

11 5 3 fumar e tomar café: Mesa e poltrona, papéis, telefone, revista, copo de papel, cigarro, fósforo, telefone interno, externo, papéis, prova de anúncio, caneta e papel, relógio, papel, pasta, cigarro, fósforo, papel e caneta, telefone, caneta e papel, telefone, papéis, folheto, xícara, jornal, cigarro, fósforo, papel e caneta. No fim do dia, a volta para casa, o descanso, os momentos de relaxar, ler, assistir TV, o jantar e, finalmente, a hora de dormir: Carro. Maço de cigarros, caixa de fósforos. Paletó, gravata. Poltrona, copo, revista. Quadros. Mesa, cadeiras, pratos, talheres, copos, guardanapos. Xícaras. Cigarro e fósforo. Poltrona, livro. Cigarro e fósforo. Televisor, poltrona. Cigarro e fósforo. Abotoaduras, camisa, sapatos, meias, calça, cueca, pijama, chinelos. Vaso, descarga, pia, água, escova, creme dental, espuma, água. Chinelos. Coberta, cama, travesseiro. O componente narrativo do discurso, no texto Circuito fechado, pode servir para se fazer a descrição e ilustração de fenômenos semióticos. O modelo narrativo deste texto pode ser construído da seguinte forma: a narração do texto só é compreendida se integrada ao conjunto de significados do senso comum, de um simulacro de cotidiano; não é possível identificar o narrador nem um ator, mas supõe-se a presença de um ator; cada bloco de palavras e sua consequente construção de sentido se integram dentro de um modelo maior e, a partir daí, constrói-se o sentido geral do texto. Para entender melhor cada segmento, pode-se fazer o modelo narrativo, separadamente, da seguinte forma: programa narrativo (PN) 1 de acordar e se preparar para sair é expresso na primeira parte do texto: Chinelos, vaso, descarga. Pia, sabonete. Água. Escova, creme dental, água, espuma, creme de barbear, pincel, espuma, gilete, água, cortina, sabonete, água fria, água quente, toalha. Creme para cabelo, pente. Cueca, camisa, abotoaduras, calça, meias, sapatos, gravata, paletó. Carteira, níqueis, documentos, caneta, chaves, lenço, relógio, maço de cigarros, caixa de fósforos. Este bloco comporta um enunciado narrativo que dá início

12 5 4 às ações de começar o dia e a partir dessas ações descritas, ou melhor, subentendidas, presume-se a continuação das ações diárias. O PN 2 tomar café e sair para o trabalho é descrito pelo bloco que se segue: Jornal. Mesa, cadeiras, xícara e pires, prato, bule, talheres, guardanapo. Quadros. Pasta, carro. Nesse trecho há um discurso englobante que revela a saída do homem de seu ambiente doméstico, mas de forma quase mecânica. O PN 3 iniciar o trabalho diário, conforme ilustra o trecho seguinte: Cigarro, fósforo. Mesa e poltrona, cadeira, cinzeiro, papéis, telefone, agenda, copo com lápis, canetas, bloco de notas, espátula, pastas, caixas de entrada, de saída, vaso com plantas, quadros, papéis, cigarro, fósforo. Bandeja, xícara pequena. Cigarro e fósforo. Papéis, telefone, relatórios, cartas, notas, vales, cheques, memorandos, bilhetes, telefone, papéis. Relógio. Mesa, cavalete, cinzeiros, cadeiras, esboços de anúncios, fotos, cigarro, fósforo, bloco de papel, caneta, projetor de filmes, xícara, cartaz, lápis, cigarro, fósforo, quadro-negro, giz, papel. Esta parte do texto ilustra a ação de começar a trabalhar que é sempre seguida de um momento para fumar e tomar um café; neste trecho o ator desenvolve suas tarefas e ficam também registradas as impressões do ambiente relatadas pelas palavras vaso com plantas, quadros. No trecho a seguir é possível perceber que no meio do dia o ator faz uma pausa e sai de seu local de trabalho de táxi para almoçar, o que pode ser denominado de PN 4 o ato de almoçar : Mictório, pia, água. Táxi. Mesa, toalha, cadeiras, copos, pratos, talheres, garrafa, guardanapo, xícara. Maço de cigarros, caixa de fósforos. Escova de dentes, pasta, água. E logo após retorna ao seu ambiente de trabalho novamente o que pode ser denominado de PN 5 o retorno do almoço. Após essa pausa para o almoço percebe-se a volta à rotina de trabalho, com todas as burocracias, papéis, canetas, telefonemas e, logicamente, pausas para café e cigarro: Mesa e poltrona, papéis, telefone, revista, copo de papel, cigarro, fósforo, telefone interno, externo, papéis, prova

13 5 5 de anúncio, caneta e papel, relógio, papel, pasta, cigarro, fósforo, papel e caneta, telefone, caneta e papel, telefone, papéis, folheto, xícara, jornal, cigarro, fósforo, papel e caneta. O PN 6 volta para casa narra a sequência de fatos do retorno para casa após um dia de trabalho, os momentos de descanso e de relaxamento, as pausas para leitura e TV, o jantar na mesma mesa do café da manhã e a higiene pessoal antes de se deitar para dormir e, então finalizar o dia. Carro. Maço de cigarros, caixa de fósforos. Paletó, gravata. Poltrona, copo, revista. Quadros. Mesa, cadeiras, pratos, talheres, copos, guardanapos. Xícaras. Cigarro e fósforo. Poltrona, livro. Cigarro e fósforo. Televisor, poltrona. Cigarro e fósforo. Abotoaduras, camisa, sapatos, meias, calça, cueca, pijama, chinelos. Vaso, descarga, pia, água, escova, creme dental, espuma, água. Chinelos. Coberta, cama, travesseiro. Examinadas as estruturas discursivas e narrativas, conforme Barros (2005) passa-se ao estudo das estruturas fundamentais do texto, que é a primeira etapa do percurso de geração de sentido de um discurso, como propõe a teoria semiótica. É nesse nível das estruturas fundamentais que se determina o mínimo de sentido a partir do qual o discurso se constrói. O modo de existência da significação como estrutura elementar é explicado nesse nível do percurso gerativo de sentido como uma estrutura em que a rede de relações se reduz a uma única relação, que é a relação de oposição ou diferença entre dois termos, no mesmo eixo semântico que os engloba. Dessa maneira, para que essa estrutura elementar se torne operatória é necessário que ela seja representada por um modelo lógico, o do quadrado semiótico. A seguir eis a forma que toma o quadrado semiótico, a partir das categorias semânticas extraídas do texto em análise:

14 5 6 Em suma, nas palavras de Barros (2005) é no nível das estruturas fundamentais que se constrói o mínimo de sentido que o texto gera. Construídas dessa forma, as estruturas fundamentais são convertidas em estruturas narrativas; a narrativa, por sua vez, torna-se discurso; o plano da expressão casa-se com o do conteúdo e faz o texto, que dialoga com outros textos e, dessa forma, situa-se na sociedade e na história. REFERÊNCIAS BARROS, D.L.P. Teoria semiótica do texto. 4. ed. São Paulo: Ática, BERTRAND, D. Caminhos da semiótica literária. São Paulo: EDUSC, FIORIN, J. L. As astúcias da enunciação: as categorias de pessoa, espaço e tempo. São Paulo: Ática, FLOCH, J.-M. Alguns conceitos fundamentais em semiótica geral. São Paulo: Centro de Pesquisas Sociossemióticas, GREIMAS, A. J. Sobre o sentido. In:. Sobre o sentido. Ensaios semióticos. Trad. de Ana Cristina Cruz Cezar et al. Petrópolis: Vozes, p O jogo das restrições semióticas. In:. Sobre o sentido. Ensaios

15 5 7 semióticos. Trad. de Ana Cristina Cruz Cezar et al. Petrópolis: Vozes, p Editores, Da imperfeição. Trad. de Ana Cláudia de Oliveira. São Paulo: Hacker ANEXO 1 TEXTO- Circuito Fechado Chinelos, vaso, descarga. Pia, sabonete. Água. Escova, creme dental, água, espuma, creme de barbear, pincel, espuma, gilete, água, cortina, sabonete, água fria, água quente, toalha. Creme para cabelo, pente. Cueca, camisa, abotoaduras, calça, meias, sapatos, gravata, paletó. Carteira, níqueis, documentos, caneta, chaves, lenço, relógio, maço de cigarros, caixa de fósforos. Jornal. Mesa, cadeiras, xícara e pires, prato, bule, talheres, guardanapo. Quadros. Pasta, carro. Cigarro, fósforo. Mesa e poltrona, cadeira, cinzeiro, papéis, telefone, agenda, copo com lápis, canetas, bloco de notas, espátula, pastas, caixas de entrada, de saída, vaso com plantas, quadros, papéis, cigarro, fósforo. Bandeja, xícara pequena. Cigarro e fósforo. Papéis, telefone, relatórios, cartas, notas, vales, cheques, memorandos, bilhetes, telefone, papéis. Relógio. Mesa, cavalete, cinzeiros, cadeiras, esboços de anúncios, fotos, cigarro, fósforo, bloco de papel, caneta, projetor de filmes, xícara, cartaz, lápis, cigarro, fósforo, quadro-negro, giz, papel. Mictório, pia, água. Táxi. Mesa, toalha, cadeiras, copos, pratos, talheres, garrafa, guardanapo, xícara. Maço de cigarros, caixa de fósforos. Escova de dentes, pasta, água. Mesa e poltrona, papéis, telefone, revista, copo de papel, cigarro, fósforo, telefone interno, externo, papéis, prova de anúncio, caneta e papel, relógio, papel, pasta, cigarro, fósforo, papel e caneta, telefone, caneta e papel, telefone, papéis, folheto, xícara, jornal, cigarro, fósforo, papel e caneta. Carro. Maço de cigarros, caixa de fósforos. Paletó, gravata. Poltrona, copo, revista. Quadros. Mesa,

16 5 8 cadeiras, pratos, talheres, copos, guardanapos. Xícaras. Cigarro e fósforo. Poltrona, livro. Cigarro e fósforo. Televisor, poltrona. Cigarro e fósforo. Abotoaduras, camisa, sapatos, meias, calça, cueca, pijama, chinelos. Vaso, descarga, pia, água, escova, creme dental, espuma, água. Chinelos. Coberta, cama, travesseiro. (RAMOS, R. Circuito fechado. In: LADEIRA, J. de G. (Org.). Contos brasileiros contemporâneos. São Paulo: Moderna, 1994.)

COESÃO E COERÊNCIA TEXTUAL

COESÃO E COERÊNCIA TEXTUAL COESÃO E COERÊNCIA TEXTUAL Coesão: mecanismos linguísticos Conexão entre frases e parágrafos; Encadeamento lógico e formal entre as partes do texto; Ideias soltas, parágrafos sem conexão representam falta

Leia mais

INTERPRETAÇÃO E PRODUÇÃO DE TEXTO MÓDULO 3 NOÇÕES DE TEXTO - UNIDADE DE SENTIDO

INTERPRETAÇÃO E PRODUÇÃO DE TEXTO MÓDULO 3 NOÇÕES DE TEXTO - UNIDADE DE SENTIDO INTERPRETAÇÃO E PRODUÇÃO DE TEXTO MÓDULO 3 NOÇÕES DE TEXTO - UNIDADE DE SENTIDO Índice 1. Introdução...3 2 1. INTRODUÇÃO A palavra texto é bastante familiar no âmbito escolar e fora dele, embora, de modo

Leia mais

Diretoria de Ensino - Região de Diadema. Diretoria de Ensino Região de Diadema

Diretoria de Ensino - Região de Diadema. Diretoria de Ensino Região de Diadema Diretoria de Ensino - Região de Diadema Pauta Objetivo; Avaliação no processo de ensino aprendizagem e Avaliação da Aprendizagem em Processo AAP; Café; Oficina 1 O que fazer com os resultados? Conteúdo

Leia mais

Queridos alunos, aproveitem esta oportunidade de recordar o que estudamos durante este ano. Boa sorte! (Cada questão vale 1 ponto)

Queridos alunos, aproveitem esta oportunidade de recordar o que estudamos durante este ano. Boa sorte! (Cada questão vale 1 ponto) DISCIPLINA: Redação PROFESSORAS: Fernanda/Andréa/Marianna DATA: /12/2014 ASSUNTO: Trabalho de recuperação SÉRIE/ANO: 8º TURMA: NOME COMPLETO: Nº: Queridos alunos, aproveitem esta oportunidade de recordar

Leia mais

PRÁTICA DOCENTE: OS PROFESSORES ENQUANTO SUJEITOS DO CONHECIMENTO

PRÁTICA DOCENTE: OS PROFESSORES ENQUANTO SUJEITOS DO CONHECIMENTO PRÁTICA DOCENTE: OS PROFESSORES ENQUANTO SUJEITOS DO CONHECIMENTO Por Carolina Fernandes e Fabiana Giovani (profs. UNIPAMPA) A SUBJETIVIDADE DO PROFESSOR Com base em Tardif (2002), o professor de profissão

Leia mais

Estudo das classes de palavras - Substantivos. Casas entre bananeiras mulheres entre laranjeiras pomar amor cantar. Devagar...as janelas olham.

Estudo das classes de palavras - Substantivos. Casas entre bananeiras mulheres entre laranjeiras pomar amor cantar. Devagar...as janelas olham. Estudo das classes de palavras - Substantivos Cidadezinha qualquer Carlos Drummond de Andrade 1 Casas entre bananeiras mulheres entre laranjeiras pomar amor cantar. Um homem vai devagar. Um cachorro vai

Leia mais

Substantivo. Apostila 2; Capítulo 6 Unidades 17 a 20 (pág. 400 a 408)

Substantivo. Apostila 2; Capítulo 6 Unidades 17 a 20 (pág. 400 a 408) Substantivo Apostila 2; Capítulo 6 Unidades 17 a 20 (pág. 400 a 408) Professora Simone 2 Introdução Morfologia é a descrição das regras que regem a estrutura interna das palavras, isto é, as regras de

Leia mais

A EXPERIÊNCIA PIONEIRA DA EQUIPE PIBID/AEDB EM RESENDE

A EXPERIÊNCIA PIONEIRA DA EQUIPE PIBID/AEDB EM RESENDE A EXPERIÊNCIA PIONEIRA DA EQUIPE PIBID/ EM RESENDE Rosel Ulisses Silva e Vasconcelos ulisses.vas@gmail.com Barbara Rezende Alves Eschholz barbaraeschholz@hotmail.com Isadora Rangel de Freitas isadora.rangel@hotmail.com

Leia mais

UNILAVRAS CONCURSOS. Concurso Público da Prefeitura Municipal de Alfenas. Edital n.º 01/2016

UNILAVRAS CONCURSOS. Concurso Público da Prefeitura Municipal de Alfenas. Edital n.º 01/2016 UNILAVRAS CONCURSOS Concurso Público da Prefeitura Municipal de Alfenas Edital n.º 01/2016 CADERNO DE PROVAS I / 1. Esta prova contém 30 (trinta) questões objetivas de múltipla escolha com 4 (quatro) opções

Leia mais

Reflexões no ensino acerca das conjunções coordenativas 1

Reflexões no ensino acerca das conjunções coordenativas 1 Crátilo: Revista de Estudos Linguísticos e Literários, UNIPAM, (4):37-45, 2011 Reflexões no ensino acerca das conjunções coordenativas 1 CRISTIANE NASCIMENTO RODRIGUES DANIELA S. GUANAIS COSTA LUAN LEE

Leia mais

LINGUA PORTUGUESA MATEMÁTICA INFORMÁTICA. Ministério da Educação Instituto Federal do Paraná PROCESSO SELETIVO PROCESSO SELETIVO ANO LETIVO 2010

LINGUA PORTUGUESA MATEMÁTICA INFORMÁTICA. Ministério da Educação Instituto Federal do Paraná PROCESSO SELETIVO PROCESSO SELETIVO ANO LETIVO 2010 Ministério da Educação Instituto Federal do Paraná INSTITUTO FEDERAL PARANÁ EAD PROCESSO SELETIVO PROCESSO SELETIVO ANO LETIVO 2010 INSTRUÇÕES 1. Aguarde autorização para abrir o caderno da prova. 2. Assine

Leia mais

Coesão e coerência coesão coerência

Coesão e coerência coesão coerência Coesão e coerência A coesão, manifestada no nível microtextual, referese aos modos como os componentes do universo textual, isto é, as palavras que ouvimos ou vemos, estão ligados entre si dentro de uma

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE ENSINO DEPARTAMENTO DE INGRESSO INSTRUÇÕES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE ENSINO DEPARTAMENTO DE INGRESSO INSTRUÇÕES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA INSTRUÇÕES 1. Confira seu nome e número de inscrição no cartão-resposta. Se houver algum erro, comunique-o ao fiscal de sala. Assine o cartão-resposta

Leia mais

INFORMAÇÃO DE EXAME A NÍVEL DE ESCOLA EQUIVALENTE A NACIONAL Secundário - 1.ª e 2.ª FASES CÓDIGO: 847

INFORMAÇÃO DE EXAME A NÍVEL DE ESCOLA EQUIVALENTE A NACIONAL Secundário - 1.ª e 2.ª FASES CÓDIGO: 847 2015/2016 ANO DE ESCOLARIDADE: 11.º ANO DURAÇÃO DO EXAME: 120 minutos TOLERÂNCIA: 30 minutos INFORMAÇÃO DE EXAME A NÍVEL DE ESCOLA EQUIVALENTE A NACIONAL Secundário - 1.ª e 2.ª FASES CÓDIGO: 847 DISCIPLINA:

Leia mais

GRUPO 1 GRUPO 2 GRUPOS 3e4

GRUPO 1 GRUPO 2 GRUPOS 3e4 GRUPO 1 GRUPO GRUPOS 3e UFG/CS RESPOSTAS ESPERADAS OFICIAIS GRUPO I ADEQUAÇÃO A-ao tema = 0 a pontos B-à leitura da coletânea = 0 a pontos C-ao gênero textual = 0 a pontos D-à modalidade = 0 a pontos CRITÉRIOS

Leia mais

CRITÉRIOS DE CORREÇÃO DA PROVA DE REDAÇÃO PARA O CURSO LETRAS LIBRAS. I ADEQUAÇÃO Adequação ao tema

CRITÉRIOS DE CORREÇÃO DA PROVA DE REDAÇÃO PARA O CURSO LETRAS LIBRAS. I ADEQUAÇÃO Adequação ao tema UFG/CS PS/011-1 RESPOSTAS ESPERADAS OFICIAIS CRITÉRIOS DE CORREÇÃO DA PROVA DE REDAÇÃO PARA O CURSO LETRAS LIBRAS I ADEQUAÇÃO (SERÁ CONSIDERADO O USO DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO SEGUNDA LÍNGUA) A- ao tema

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CENTRO DE SELEÇÃO PROCESSO SELETIVO PARA O PREENCHIMENTO DE VAGAS DISPONÍVEIS/2015

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CENTRO DE SELEÇÃO PROCESSO SELETIVO PARA O PREENCHIMENTO DE VAGAS DISPONÍVEIS/2015 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CENTRO DE SELEÇÃO PROCESSO SELETIVO PARA O PREENCHIMENTO DE VAGAS DISPONÍVEIS/015 I ADEQUAÇÃO A- ao tema = 0 a pontos B- à leitura da coletânea =

Leia mais

NOTAS DE AULA CONSTRUÇÃO DO MARCO TEÓRICO CONCEITUAL 1

NOTAS DE AULA CONSTRUÇÃO DO MARCO TEÓRICO CONCEITUAL 1 NOTAS DE AULA CONSTRUÇÃO DO MARCO TEÓRICO CONCEITUAL 1 Profa. Gláucia Russo Um projeto de pesquisa pode se organizar de diversas formas, naquela que estamos trabalhando aqui, a problematização estaria

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência Espanhol

Informação Prova de Equivalência à Frequência Espanhol Informação Prova de Equivalência à Frequência Espanhol Prova 368 2016 10.º e 11.º Anos de Escolaridade (Continuação) O presente documento visa divulgar informação relativa à prova de Equivalência à Frequência,

Leia mais

Linguagem como Interlocução em Portos de Passagem

Linguagem como Interlocução em Portos de Passagem Linguagem como Interlocução em Portos de Passagem (Anotações de leitura por Eliana Gagliardi) Geraldi, em seu livro Portos de Passagem, São Paulo, Martins Fontes, 1991, coloca-nos que o ensino de Português

Leia mais

INFORMAÇÃO DE PROVA EQUIVALENTE A EXAME NACIONAL

INFORMAÇÃO DE PROVA EQUIVALENTE A EXAME NACIONAL INFORMAÇÃO DE PROVA EQUIVALENTE A EXAME NACIONAL Espanhol Continuação (Bienal)- Prova Escrita Prova 847 2016 Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos 11º Ano de Escolaridade (Decreto-lei nº

Leia mais

847- ESPANHOL (NÍVEL- CONTINUAÇÃO 10.º/ 11.º ANO)

847- ESPANHOL (NÍVEL- CONTINUAÇÃO 10.º/ 11.º ANO) 847- ESPANHOL (NÍVEL- CONTINUAÇÃO 10.º/ 11.º ANO) FORMAÇÃO ESPECÍFICA 1ª/2ª FASE 1.INTRODUÇÃO O presente documento visa divulgar as características do Exame de Espanhol a nível de escola a realizar em

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA. Prova

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA. Prova INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Espanhol - Prova Escrita e Prova Oral Prova 368 2017 11º Ano de Escolaridade (Decreto-lei nº 139/2012 de 5 de Julho) O presente documento visa divulgar a informação

Leia mais

A interação pela linguagem

A interação pela linguagem Tema A interação pela linguagem Tópico de estudo Coerência e coesão. Entendendo a competência Competência 6 Compreender e usar os sistemas simbólicos das diferentes linguagens como meios de organização

Leia mais

TEORIA DA LINGUAGEM Prof ª Giovana Uggioni Silveira

TEORIA DA LINGUAGEM Prof ª Giovana Uggioni Silveira TEORIA DA LINGUAGEM Prof ª Giovana Uggioni Silveira COMUNICAÇÃO LINGUAGEM LÍNGUA FALA ESCRITA DISCURSO Forma de linguagem escrita (texto) ou falada (conversação no seu contexto social, político ou cultural).

Leia mais

1ª edição Projeto Timóteo Como Pregar Mensagens Bíblicas Apostila do Orientador

1ª edição Projeto Timóteo Como Pregar Mensagens Bíblicas Apostila do Orientador Como Pregar Mensagens Bíblicas Projeto Timóteo Apostila do Orientador Como Pregar Mensagens Bíblicas Projeto Timóteo Coordenador do Projeto Dr. John Barry Dyer Equipe Pedagógica Marivete Zanoni Kunz Tereza

Leia mais

Descrição da Escala Língua Portuguesa - 7 o ano EF

Descrição da Escala Língua Portuguesa - 7 o ano EF Os alunos do 7º ano do Ensino Fundamental 150 identificam a finalidade de produção do texto, com auxílio de elementos não verbais e das informações explícitas presentes em seu título, em cartaz de propaganda

Leia mais

3.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto Lei n.º 3/2008, de 7 de janeiro)

3.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto Lei n.º 3/2008, de 7 de janeiro) INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Espanhol Maio de 2015 Prova 15 - Escrita 3.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto Lei n.º 3/2008, de 7 de janeiro) 1. Introdução O presente documento dá a conhecer

Leia mais

Técnico Integrado em Controle Ambiental SÉRIE:

Técnico Integrado em Controle Ambiental SÉRIE: PLANO DA DISCIPLINA COMPONENTE CURRICULAR: Língua Portuguesa e Literatura Brasileira CURSO: Técnico Integrado em Controle Ambiental SÉRIE: 1º Ano CARGA HORÁRIA: 100 h.r. EMENTA Estudos de Fonética e Fonologia

Leia mais

Técnico Integrado em Controle Ambiental SÉRIE:

Técnico Integrado em Controle Ambiental SÉRIE: PLANO DA DISCIPLINA COMPONENTE CURRICULAR: Língua Portuguesa e Literatura Brasileira CURSO: Técnico Integrado em Controle Ambiental SÉRIE: 2º Ano CARGA HORÁRIA: 100 h.r. EMENTA Aspectos morfológicos e

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência - 15 Ano Letivo 2012/2013

Informação Prova de Equivalência à Frequência - 15 Ano Letivo 2012/2013 Ensino Básico Informação Prova de Equivalência à Frequência - 15 Disciplina: Espanhol Ano Letivo 2012/2013 9º Ano de escolaridade 1. Objeto de avaliação A prova tem por referência o Programa de Espanhol

Leia mais

3. Programa de pesquisa com três aplicações do método

3. Programa de pesquisa com três aplicações do método 3. Programa de pesquisa com três aplicações do método 3.1 Análise de publicações para crianças de dados estatísticos do IBGE Tendo a análise do discurso como linha metodológica, o que o presente estudo

Leia mais

PÊCHEUX E A PLURIVOCIDADE DOS SENTIDOS 1

PÊCHEUX E A PLURIVOCIDADE DOS SENTIDOS 1 1 PÊCHEUX E A PLURIVOCIDADE DOS SENTIDOS 1 Silmara Cristina DELA-SILVA Universidade Estadual Paulista (Unesp)... as palavras, expressões, proposições etc., mudam de sentido segundo as posições sustentadas

Leia mais

Introdução 1 Língua, Variação e Preconceito Linguístico 1 Linguagem 2 Língua 3 Sistema 4 Norma 5 Português brasileiro 6 Variedades linguísticas 6.

Introdução 1 Língua, Variação e Preconceito Linguístico 1 Linguagem 2 Língua 3 Sistema 4 Norma 5 Português brasileiro 6 Variedades linguísticas 6. Introdução 1 Língua, Variação e Preconceito Linguístico 1 Linguagem 2 Língua 3 Sistema 4 Norma 5 Português brasileiro 6 Variedades linguísticas 6.1 Padrão vs. não padrão 6.2 Variedades sociais 6.3 Classificação

Leia mais

Análise e comentário dos desenhos do conto A receita de Mandrágora

Análise e comentário dos desenhos do conto A receita de Mandrágora Análise e comentário dos desenhos do conto A receita de Mandrágora Teberosky, A., Ribera, N. Universidade de Barcelona Índice Página 1 do conto Página 3 do conto Página 4 do conto Página 5 do conto Página

Leia mais

Linguagem e Ideologia

Linguagem e Ideologia Linguagem e Ideologia Isabela Cristina dos Santos Basaia Graduanda Normal Superior FUPAC E-mail: isabelabasaia@hotmail.com Fone: (32)3372-4059 Data da recepção: 19/08/2009 Data da aprovação: 31/08/2011

Leia mais

LINGUA PORTUGUESA MATEMÁTICA INFORMÁTICA. Ministério da Educação Instituto Federal do Paraná PROCESSO SELETIVO

LINGUA PORTUGUESA MATEMÁTICA INFORMÁTICA. Ministério da Educação Instituto Federal do Paraná PROCESSO SELETIVO Ministério da Educação Instituto Federal do Paraná INSTITUTO FEDERAL PARANÁ EAD PROCESSO SELETIVO PROCESSO SELETIVO ANO LETIVO 2010 PROVA ESPECIAL INSTRUÇÕES 1. Aguarde autorização para abrir o caderno

Leia mais

INSTRUMENTAL DE REDAÇÃO. PROFESSOR(A): Cláudia/ Patrick DATA: / /2017. DISCIPLINA: Redação 9º A ( ) B ( ) C ( ) D ( )

INSTRUMENTAL DE REDAÇÃO. PROFESSOR(A): Cláudia/ Patrick DATA: / /2017. DISCIPLINA: Redação 9º A ( ) B ( ) C ( ) D ( ) ALUNO(A): ATIVIDADE INSTRUMENTAL DE REDAÇÃO PROFESSOR(A): Cláudia/ Patrick DATA: / /2017 DISCIPLINA: Redação 9º A ( ) B ( ) C ( ) D ( ) Senhores pais, ATIVIDADE INSTRUMENTAL DE APRENDIZAGEM TAREFÃO DE

Leia mais

Escola Secundária de Camões

Escola Secundária de Camões Escola Secundária de Camões INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 11º Ano Espanhol (Continuação) Código 368 (Decreto-Lei nº 74/2004, de 26 de março) Modalidade da Prova: Escrita + Oral Duração

Leia mais

INTERPRETAÇÃO E PRODUÇÃO DE TEXTOS

INTERPRETAÇÃO E PRODUÇÃO DE TEXTOS Unidade I INTERPRETAÇÃO E PRODUÇÃO DE TEXTOS Prof. Adilson Oliveira Leitura Plantar / cisalhamento. leitura global / leitura de análise e síntese. leitura relaciona-se à memória de curto prazo e à memória

Leia mais

Perspectivas da Abordagem Sistêmico-Funcional

Perspectivas da Abordagem Sistêmico-Funcional Perspectivas da Abordagem Sistêmico-Funcional Ariel Novodvorski UFU Mestre em Estudos Linguísticos, Linguística Aplicada UFMG Fone: (34)3087-6776 E-mail: ariel_novodvorski@yahoo.com.br Data de recepção:

Leia mais

RESENHA - ANÁLISE DO DISCURSO: PRINCÍPIOS E PROCEDIMENTOS REVIEW - DISCOURSE ANALYSIS: PRINCIPLES AND PROCEDURES

RESENHA - ANÁLISE DO DISCURSO: PRINCÍPIOS E PROCEDIMENTOS REVIEW - DISCOURSE ANALYSIS: PRINCIPLES AND PROCEDURES RESENHA - ANÁLISE DO DISCURSO: PRINCÍPIOS E PROCEDIMENTOS 200 REVIEW - DISCOURSE ANALYSIS: PRINCIPLES AND PROCEDURES Elizete Beatriz Azambuja Doutoranda em Linguística UEG Unidade de São Luís de Montes

Leia mais

Sumário. Introdução, 1. 1 Português jurídico, 5 1 Linguagem, sistema, língua e norma, 5 2 Níveis de linguagem, 11 Exercícios, 24

Sumário. Introdução, 1. 1 Português jurídico, 5 1 Linguagem, sistema, língua e norma, 5 2 Níveis de linguagem, 11 Exercícios, 24 Sumário Introdução, 1 1 Português jurídico, 5 1 Linguagem, sistema, língua e norma, 5 2 Níveis de linguagem, 11 Exercícios, 24 2 Como a linguagem funciona, 31 1 Análise do discurso, 31 2 O estudo da linguagem,

Leia mais

Koch, I. V. O texto e a construção dos sentidos. São Paulo: Contexto, 1997, 124 p.

Koch, I. V. O texto e a construção dos sentidos. São Paulo: Contexto, 1997, 124 p. Koch, I. V. O texto e a construção dos sentidos. São Paulo: Contexto, 1997, 124 p. Resenhado por: Adriana Sidralle Rolim O texto e a construção dos sentidos é um livro que aborda questões referentes ao

Leia mais

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 4

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 4 COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 4 Índice 1. Significado...3 1.1. Contexto... 3 1.2. Intertextualidade... 3 1.2.1. Tipos de intertextualidade... 3 1.3. Sentido... 4 1.4. Tipos de Significado... 4 1.4.1. Significado

Leia mais

10/06/2010. Prof. Sidney Facundes. Adriana Oliveira Betânia Sousa Cyntia de Sousa Godinho Giselda da Rocha Fagundes Mariane da Cruz da Silva

10/06/2010. Prof. Sidney Facundes. Adriana Oliveira Betânia Sousa Cyntia de Sousa Godinho Giselda da Rocha Fagundes Mariane da Cruz da Silva Teoria Gramatical Análise do Discurso Prof. Sidney Facundes Adriana Oliveira Betânia Sousa Cyntia de Sousa Godinho Giselda da Rocha Fagundes Mariane da Cruz da Silva Análise do Discurso Conforme Maingueneua

Leia mais

AS RELAÇÕES DIALÓGICAS E AS FORMAS DE CITAÇÃO DO DISCURSO DO OUTRO NA CRÔNICA GRIPE SUÍNA OU PORCINA?

AS RELAÇÕES DIALÓGICAS E AS FORMAS DE CITAÇÃO DO DISCURSO DO OUTRO NA CRÔNICA GRIPE SUÍNA OU PORCINA? 729 AS RELAÇÕES DIALÓGICAS E AS FORMAS DE CITAÇÃO DO DISCURSO DO OUTRO NA CRÔNICA GRIPE SUÍNA OU PORCINA? Maricília Lopes da Silva - UNIFRAN A crônica é na essência uma forma de arte, arte da palavra,

Leia mais

Narrativa: Elementos Estruturais (1)

Narrativa: Elementos Estruturais (1) Narrativa: Elementos Estruturais (1) Narrativa de ficção Discurso figurativo inscrito em coordenadas espaço-temporais. Sucessão temporal de ações (funções). Narrativa simples: passagem de um estado anterior

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ LÍNGUA PORTUGUESA e REDAÇÃO PROSEL/ PRISE 1ª ETAPA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ LÍNGUA PORTUGUESA e REDAÇÃO PROSEL/ PRISE 1ª ETAPA LÍNGUA PORTUGUESA e REDAÇÃO PROSEL/ PRISE 1ª ETAPA 1. Confrontar opiniões e pontos de vista sobre as diferentes manifestações da linguagem verbal e não verbal. 1.2. Depreender, através de leitura do texto,

Leia mais

PROVA TEMÁTICA/2013 GERAÇÃO CONTEMPORÂNEA: desafios e novas possibilidades

PROVA TEMÁTICA/2013 GERAÇÃO CONTEMPORÂNEA: desafios e novas possibilidades PROVA TEMÁTICA/2013 GERAÇÃO CONTEMPORÂNEA: desafios e novas possibilidades 7 ANO / ENSINO FUNDAMENTAL MATRIZ DE REFERÊNCIA DE LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS (LÍNGUA PORTUGUESA, REDAÇÃO, ARTES E

Leia mais

Linguística CORRENTES MODERNAS DA LINGUÍSTICA (PARTE I) Profª. Sandra Moreira

Linguística CORRENTES MODERNAS DA LINGUÍSTICA (PARTE I) Profª. Sandra Moreira Linguística CORRENTES MODERNAS DA LINGUÍSTICA (PARTE I) Profª. Sandra Moreira Conteúdo Programático O Funcionalismo As Funções da Linguagem de Roman Jakobson A Linguística Sistêmica de Michael Halliday

Leia mais

Competências globais a serem adquiridas na série

Competências globais a serem adquiridas na série PLANO DE ENSINO - 2016 Disciplina: Língua Portuguesa 9º ANO Professor: Ricardo Andrade Competências globais a serem adquiridas na série.fundamentar uma aprendizagem significativa, desenvolvendo múltiplas

Leia mais

As Metas Curriculares de Português, para o 3º Ciclo, apresentam cinco características essenciais:

As Metas Curriculares de Português, para o 3º Ciclo, apresentam cinco características essenciais: DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PORTUGUÊS º ANO A Ano Letivo: 204 / 205. Introdução / Metas Curriculares Na disciplina de Português o desenvolvimento do ensino será orientado por Metas Curriculares cuja definição

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA 1º ANO

LÍNGUA PORTUGUESA 1º ANO Escutar para aprender e construir conhecimentos LÍNGUA PORTUGUESA 1º ANO COMPREENSÂO DO ORAL Prestar atenção ao que ouve de modo a tornar possível: -apropriar-se de padrões de entoação e ritmo; - memorizar

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2013 PROVA FINAL DE PORTUGUÊS

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2013 PROVA FINAL DE PORTUGUÊS COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2013 PROVA FINAL DE PORTUGUÊS Aluno(a): Nº Ano: 9º Turma: Data: /01/2013 Nota: Professor(a): Valor da Prova: 90 pontos Orientações gerais: 1) Número de questões

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE EFEITOS DE SENTIDO. Profa. Carol Casali

CONSTRUÇÃO DE EFEITOS DE SENTIDO. Profa. Carol Casali CONSTRUÇÃO DE EFEITOS DE SENTIDO Profa. Carol Casali ENUNCIADO UNIDADE ELEMENTAR DA COMUNICAÇÃO VERBAL; Se opõe à enunciação como o produto se opõe à produção; MARCA VERBAL DO ACONTECIMENTO (ENUNCIAÇÃO).

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA GESTAR II PROGRAMA GESTÃO DA APRENDIZAGEM ESCOLAR GESTAR II PROGRAMA GESTÃO DA APRENDIZAGEM ESCOLAR. Versão do Professor

LÍNGUA PORTUGUESA GESTAR II PROGRAMA GESTÃO DA APRENDIZAGEM ESCOLAR GESTAR II PROGRAMA GESTÃO DA APRENDIZAGEM ESCOLAR. Versão do Professor LÍNGUA PORTUGUESA GESTAR II PROGRAMA GESTÃO DA APRENDIZAGEM ESCOLAR Acesse www.mec.gov.br ou ligue 0800 616161 Ministério da Educação LÍNGUA PORTUGUESA LEITURA E PROCESSOS DE ESCRITA I AAA4 GESTAR II GESTAR

Leia mais

ASCESE-MORTE VERSUS PRAZER-VIDA NO CARME 5 DE CATULO: UMA ANÁLISE SEMIÓTICA. Prof. Me. Marco Antonio Abrantes de Barro (UERJ)

ASCESE-MORTE VERSUS PRAZER-VIDA NO CARME 5 DE CATULO: UMA ANÁLISE SEMIÓTICA. Prof. Me. Marco Antonio Abrantes de Barro (UERJ) ASCESE-MORTE VERSUS PRAZER-VIDA NO CARME 5 DE CATULO: UMA ANÁLISE SEMIÓTICA. Prof. Me. Marco Antonio Abrantes de Barro (UERJ) RESUMO: Propomos nesta análise semiótica de linha francesa fazer a análise

Leia mais

PROJETO DE LÍNGUA PORTUGUESA

PROJETO DE LÍNGUA PORTUGUESA ASSOCIAÇÃO ESCOLA 31 DE JANEIRO 2012/13 PROJETO DE LÍNGUA PORTUGUESA TRANSVERSALIDADE NA CORREÇÃO DA ESCRITA E DA EXPRESSÃO ORAL DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS E CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS INTRODUÇÃO A língua

Leia mais

GENEROS TEXTUAIS E O LIVRO DIDÁTICO: DESAFIOS DO TRABALHO

GENEROS TEXTUAIS E O LIVRO DIDÁTICO: DESAFIOS DO TRABALHO GENEROS TEXTUAIS E O LIVRO DIDÁTICO: DESAFIOS DO TRABALHO Fernanda Félix da Costa Batista 1 INTRODUÇÃO O trabalho com gêneros textuais é um grande desafio que a escola tenta vencer, para isso os livros

Leia mais

EBSERH E D I I T T R A

EBSERH E D I I T T R A EBSERH E D I T R A APRESENTAÇÃO...3 INTERPRETAÇÃO DE TEXTO...5 1. Informações Literais e Inferências possíveis...6 2. Ponto de Vista do Autor...7 3. Significado de Palavras e Expressões...7 4. Relações

Leia mais

ANÁLISE DE TEXTO: UM OLHAR DE SEMANTICISTA. Sheila Elias de Oliveira 1

ANÁLISE DE TEXTO: UM OLHAR DE SEMANTICISTA. Sheila Elias de Oliveira 1 ANÁLISE DE TEXTO: UM OLHAR DE SEMANTICISTA Sheila Elias de Oliveira 1 Eduardo Guimarães 2 tem se dedicado desde a década de 1980 à reflexão sobre o sentido na linguagem e nas línguas de um ponto de vista

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 1. As imagens podem ser úteis para serem usadas principalmente: a) A ensinar a criança a relaxar; b) A ajudar a cri

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 1. As imagens podem ser úteis para serem usadas principalmente: a) A ensinar a criança a relaxar; b) A ajudar a cri PREFEITURA MUNICIPAL DE FRONTEIRA - MG Concurso Público nº 01/2016 NOVA RAZÃO SOCIAL: CADERNO DE PROVAS Preencha com seu nome completo Cargo Pretendido AUXILIAR DE BERÇARIO I Senhor(a) Candidato(a), SÓ

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 3.588, DE 04 DE SETEMBRO DE 2007

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 3.588, DE 04 DE SETEMBRO DE 2007 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 3.588, DE 04 DE SETEMBRO DE 2007 Homologa o Parecer nº 034/07-CEG, que aprova o Projeto Político

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL 5º Ano. Disciplina de Português Ano Letivo /2017. Domínios/Conteúdos/Descritores. Unidade 0 Apresentações

PLANIFICAÇÃO ANUAL 5º Ano. Disciplina de Português Ano Letivo /2017. Domínios/Conteúdos/Descritores. Unidade 0 Apresentações AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALE DE MILHAÇOS ESCOLA BÁSICA DE VALE DE MILHAÇOS PLANIFICAÇÃO ANUAL 5º Ano Disciplina de Português Ano Letivo - 2016/2017 Metas de aprendizagem/objetivos Domínios/Conteúdos/Descritores

Leia mais

Processo de Admissão de Novos Estudantes Conteúdos programáticos para candidatos que ingressarão no. 3º ano do Ensino Médio MATEMÁTICA

Processo de Admissão de Novos Estudantes Conteúdos programáticos para candidatos que ingressarão no. 3º ano do Ensino Médio MATEMÁTICA Processo de Admissão de Novos Estudantes 2017 Conteúdos programáticos para candidatos que ingressarão no 3º ano do Ensino Médio MATEMÁTICA HABILIDADES CONTEÚDOS Identificar padrões numéricos ou princípios

Leia mais

A NARRATIVIZAÇÃO DE UMA EXPERIÊNCIA À LUZ DA SEMIÓTICA: A FRONTERA IDENTITÁRIA DE GLORIA ANZALDÚA

A NARRATIVIZAÇÃO DE UMA EXPERIÊNCIA À LUZ DA SEMIÓTICA: A FRONTERA IDENTITÁRIA DE GLORIA ANZALDÚA A NARRATIVIZAÇÃO DE UMA EXPERIÊNCIA À LUZ DA SEMIÓTICA: A FRONTERA IDENTITÁRIA DE GLORIA ANZALDÚA Thami Amarilis Straiotto MOREIRA (PG/UFG) thamiamarilis@yahoo.com.br Elza Kioto Nenoki MURATA (Orientadora)

Leia mais

Português. Língua Não Materna (B1) 1. Introdução. Informação n.º Data: Para: Prova 64/94/

Português. Língua Não Materna (B1) 1. Introdução. Informação n.º Data: Para: Prova 64/94/ Prova Final / Prova de Exame Nacional de Português Língua Não Materna (B1) Prova 64/94/839 2012 6.º Ano, 9.º Ano ou 12.º Ano de Escolaridade Para: Direção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE AS FORMAS GEOMÉTRICAS EM NOSSO COTIDIANO. Instituto de Ciências Exatas da Universidade Federal de Minas Gerais

UM ESTUDO SOBRE AS FORMAS GEOMÉTRICAS EM NOSSO COTIDIANO. Instituto de Ciências Exatas da Universidade Federal de Minas Gerais UM ESTUDO SOBRE AS FORMAS GEOMÉTRICAS EM NOSSO COTIDIANO Fernanda Lima Ferreira Instituto de Ciências Exatas da Universidade Federal de Minas Gerais Introdução O presente relato de experiência se refere

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL 2016

PLANEJAMENTO ANUAL 2016 PLANEJAMENTO ANUAL 2016 Professor Joabe Bernardo dos Santos Língua Portuguesa 9º ano Colégio Nossa Senhora da Piedade Referências: -SAE, 9º ano: Língua Portuguesa. Livro do professor: livro 1 / IESDE BRASIL

Leia mais

Colégio Nossa Senhora da Piedade

Colégio Nossa Senhora da Piedade Colégio Nossa Senhora da Piedade Docente: Marcela Rodriguês dos Santos/ Rubinaldo da Silva Araújo Carga horária: 80h Disciplina: Produção Textual Serie: 6 Ano Plano de Curso I Unidade Objetivo Geral: Desenvolver

Leia mais

11.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho)

11.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS Maio de 2017 Prova 367 2017 11.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) Introdução Prova escrita e oral O presente documento

Leia mais

LISTA DE MATERIAL PARA 2016 EDUCAÇÃO INFANTIL 1 FASE 2

LISTA DE MATERIAL PARA 2016 EDUCAÇÃO INFANTIL 1 FASE 2 LISTA DE MATERIAL PARA 2016 EDUCAÇÃO INFANTIL 1 FASE 2 O Colégio Objetivo fornece aos seus alunos todos os Cadernos de Atividades necessários ao trabalho desenvolvido nas diversas áreas. Esses cadernos

Leia mais

Diferentes abordagens de alfabetização

Diferentes abordagens de alfabetização ALFABETIZAÇÃO Diferentes abordagens de alfabetização MODELO 1 (MÉTODO FONÉTICO OU DIRETO) Identificar oralmente os fonemas da língua (sons). Corresponder o fonema ao grafema: mostrar a letra e a pronuncia

Leia mais

Semiótica. O que é semiótica? Semiótica X Semiologia. Para quem ainda discute. Gerações da semiótica

Semiótica. O que é semiótica? Semiótica X Semiologia. Para quem ainda discute. Gerações da semiótica Design & Percepção 3 Lígia Fascioni Semiótica Para entender a cultura contemporânea, você tem que entender semiótica Paul Cobley Semiótica para Principiantes, 2004 O que é semiótica? Semiótica X Semiologia

Leia mais

ANEXO 1 A Ementário e Quadro de disciplinas por Departamentos/Setores

ANEXO 1 A Ementário e Quadro de disciplinas por Departamentos/Setores ANEXO 1 A Ementário e Quadro de disciplinas por Departamentos/Setores LET 1 - DISCIPLINAS DO SETORES DE LÍNGUA PORTUGUESA,LITERATURAS E LATIM Atenção: As disciplinas em negrito são novas disciplinas propostas.

Leia mais

MATRIZ DE REFERÊNCIA LÍNGUA PORTUGUESA SADEAM 3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

MATRIZ DE REFERÊNCIA LÍNGUA PORTUGUESA SADEAM 3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL MATRIZ DE REFERÊNCIA LÍNGUA PORTUGUESA SADEAM 3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DOMÍNIOS COMPETÊNCIAS DESCRITORES D01 Distinguir letras de outros sinais gráficos. Reconhecer as convenções da escrita. D02 Reconhecer

Leia mais

AULA 2. Texto e Textualização. Prof. Daniel Mazzaro Vilar de Almeida 2013/1º

AULA 2. Texto e Textualização. Prof. Daniel Mazzaro Vilar de Almeida 2013/1º AULA 2 Texto e Textualização Prof. Daniel Mazzaro Vilar de Almeida 2013/1º daniel.almeida@unifal-mg.edu.br O QUE É TEXTO? Para Costa Val, texto = discurso. É uma ocorrência linguística falada ou escrita,

Leia mais

Metodologia de Dissertação II. Renata Lèbre La Rovere IE/UFRJ

Metodologia de Dissertação II. Renata Lèbre La Rovere IE/UFRJ Metodologia de Dissertação II Renata Lèbre La Rovere IE/UFRJ Definição Análise de Conteúdo Análise de Conteúdo se define como um "conjunto de técnicas de análise das comunicações e aposta no rigor do método

Leia mais

INFORMAÇÃO-PROVA. MODALIDADE Escrita (peso de 70%) + Oral (peso de 30%) DURAÇÃO MATERIAL OBJETO DE AVALIAÇÃO. Escrita: 90 minutos Oral: 25 minutos

INFORMAÇÃO-PROVA. MODALIDADE Escrita (peso de 70%) + Oral (peso de 30%) DURAÇÃO MATERIAL OBJETO DE AVALIAÇÃO. Escrita: 90 minutos Oral: 25 minutos E N S I N O S E C U N D Á R I O Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março, alterado pelo Decreto-Lei n.º 50/2011 Ano Letivo 2016 / 2017 1ª E 2ª FASES Prova de Equivalência à Frequência de INGLÊS (12.º ano)

Leia mais

Planejamento de ensino

Planejamento de ensino Planejamento de ensino Ensino O ENSINO: é um processo de aprendizagem que objetiva a formação ou transformação da conduta humana. A educação de hoje interessa-se pelo desenvolvimento harmônico do educando

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio ETEC Mairiporã Etec: Mairiporã Código: 27 Município: Mairiporã Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Nível Médio de

Leia mais

PLANO DE CURSO DISCIPLINA:História ÁREA DE ENSINO: Fundamental I SÉRIE/ANO: 2 ANO DESCRITORES CONTEÚDOS SUGESTÕES DE PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

PLANO DE CURSO DISCIPLINA:História ÁREA DE ENSINO: Fundamental I SÉRIE/ANO: 2 ANO DESCRITORES CONTEÚDOS SUGESTÕES DE PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS UNIDADE 1 MUITO PRAZER, EU SOU CRIANÇA. *Conhecer e estabelecer relações entre a própria história e a de outras pessoas,refletindo sobre diferenças e semelhanças. *Respeitar e valorizar a diversidade étnico

Leia mais

Língua Portuguesa 8º ano

Língua Portuguesa 8º ano Escutar para Aprender e Construir Conhecimento Tipologia textual: texto conversacional. Variação e normalização linguística. Língua padrão (traços específicos). Língua Portuguesa 8º ano Conteúdos 1º Período

Leia mais

INFORMATIVO. Sistema de Ensino Integral

INFORMATIVO. Sistema de Ensino Integral INFORMATIVO Sistema de Ensino Integral Senhores Pais, Todos nos colocamos por inteiro no ambiente escolar. Passamos uma vida inteira no colégio, levamos nossas emoções,afetos,expectativas...e deixamos

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO VISUAL - 9.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO VISUAL - 9.º ANO DE EDUCAÇÃO VISUAL - 9.º ANO Ano Letivo 2014 2015 PERFIL DO ALUNO O aluno è capaz de: identificar a evolução histórica dos elementos de construção e representação da perspetiva; distinguir e caracterizar

Leia mais

Curso TURMA: 2101 e 2102 DATA: Teste: Prova: Trabalho: Formativo: Média:

Curso TURMA: 2101 e 2102 DATA: Teste: Prova: Trabalho: Formativo: Média: EXERCÍCIOS ON LINE 3º BIMESTRE DISCIPLINA: Filosofia PROFESSOR(A): Julio Guedes Curso TURMA: 2101 e 2102 DATA: Teste: Prova: Trabalho: Formativo: Média: NOME: Nº.: Exercício On Line (1) A filosofia atingiu

Leia mais

UNIDADE DE ESTUDO - 3ª ETAPA

UNIDADE DE ESTUDO - 3ª ETAPA OBJETIVOS GERAIS: UNIDADE DE ESTUDO - 3ª ETAPA - 2016 Disciplina: Linguagem Oral e Escrita Professoras: Anália, Carla, Fabiana e Roberta Período: 2º Segmento: Educação Infantil Mostrar autonomia na utilização

Leia mais

Informação - Prova de Equivalência à Frequência de. Inglês

Informação - Prova de Equivalência à Frequência de. Inglês Informação - Prova de Equivalência à Frequência de Inglês Ano Letivo 2016 / 2017 Código da Prova: 367 Ensino Secundário Tipo de Prova: Escrita e Oral 1. Objeto de avaliação A prova de exame tem por referência

Leia mais

Ano Letivo: 2014 / 2015 Ano de Escolaridade: 1º

Ano Letivo: 2014 / 2015 Ano de Escolaridade: 1º 1.º CEB Agrupamento de Escolas Ano Letivo: 2014 / 2015 Ano de Escolaridade: 1º Saber escutar para reproduzir pequenas mensagens e Compreensão do oral Leitura Escrita para cumprir ordens e pedidos Prestar

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARCO DE CANAVESES Nº

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARCO DE CANAVESES Nº Informação-Prova Final a Nível de Escola de Português Prova 61 2016 2.º Ciclo do Ensino Básico 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova final do 2.º ciclo do ensino

Leia mais

Espanhol maio de 2015

Espanhol maio de 2015 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Espanhol maio de 2015 Prova 15 2015 3.º Ciclo do Ensino Básico INTRODUÇÃO O presente documento visa divulgar as características da prova de Exame de Equivalência

Leia mais

Interpretar discursos orais com diferentes graus de formalidade e complexidade. Registar,

Interpretar discursos orais com diferentes graus de formalidade e complexidade. Registar, DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PORTUGUÊS 8º ANO A Ano Letivo: 2012/2013 Introdução /Metas Consigna-se no Despacho n.º 5306/2012, de 18 de abril de 2012, que o desenvolvimento do ensino será orientado por Metas

Leia mais

Relações entre o visual e o verbal em propaganda.

Relações entre o visual e o verbal em propaganda. JULIA HELENA DA ROCHA URRUTIA Relações entre o visual e o verbal em propaganda. Universidade de São Paulo Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Textos Comunicacionais Profa. Dra. Irene Machado São Paulo,

Leia mais

O MEMORÁVEL NA RELAÇÃO ENTRE LÍNGUAS

O MEMORÁVEL NA RELAÇÃO ENTRE LÍNGUAS Artigo recebido até 15/01/2012 Aprovado até 15/02/2012 O MEMORÁVEL NA RELAÇÃO ENTRE LÍNGUAS Soeli Maria Schreiber da Silva 1 (UFSCar) xoila@terra.com.br Estudar o sentido significa estudá-lo na relação

Leia mais

Conteúdos/Objetivos Estrutura da prova Critérios gerais de correção Cotações

Conteúdos/Objetivos Estrutura da prova Critérios gerais de correção Cotações MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA ESCOLA SECUNDÁRIA DE AVELAR BROTERO MATRIZ DA PROVA DE AVALIAÇÃO SUMATIVA MODALIDADE NÃO PRESENCIAL DISCIPLINA: Português 10.º ANO MÓDULO conjunto: 1 2 3 DURAÇÃO: 135 MINUTOS

Leia mais

FRANCÊS INICIAÇÃO MAIO

FRANCÊS INICIAÇÃO MAIO INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FRANCÊS INICIAÇÃO MAIO 2017 Prova Escrita 376 Portaria nº 243/2012, de 10 de agosto 11.º ANO - FORMAÇÃO GERAL CCH e CT O presente documento divulga informação

Leia mais

Língua e Produção. 3º ano Francisco. Análise do discurso

Língua e Produção. 3º ano Francisco. Análise do discurso Língua e Produção 3º ano Francisco Análise do discurso Elementos básicos da comunicação; Texto e discurso/ a intenção no discurso; As funções intrínsecas do texto. ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO Emissor emite,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO BRANCO RESPOSTAS AOS RECURSOS CONTRA O GABARITO

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO BRANCO RESPOSTAS AOS RECURSOS CONTRA O GABARITO PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO BRANCO RESPOSTAS AOS RECURSOS CONTRA O GABARITO Cargo: S1 PROFESSOR DA EDUCAÇÃO ESPECIAL AEE ZONA URBANA 15 pronome apassivador Em resposta ao recurso interposto, temos a dizer

Leia mais

Lista de material Infantil (Unidades Santos e Guarujá)

Lista de material Infantil (Unidades Santos e Guarujá) Lista de material Infantil 3-2011 (Unidades Santos e Guarujá) I) Material fornecido pela escola: O Centro Educacional Objetivo fornece aos seus alunos todos os Cadernos de Atividades necessários ao trabalho

Leia mais