TRABALHO ESCRAVO NO BRASIL DO SÉCULO XXI:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TRABALHO ESCRAVO NO BRASIL DO SÉCULO XXI:"

Transcrição

1 FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E DE CIÊNCIAS SOCIAIS CURSO DE DIREITO NÚCLEO DE PESQUISA E MONOGRAFIA ANA LUIZA RIBEIRO CUNHA TRABALHO ESCRAVO NO BRASIL DO SÉCULO XXI: A redução à condição análoga à de escravo e o direito ao respeito da dignidade humana. PESQUISA APRESENTADA COMO REQUISITO PARA CONCLUSÃO DO CURSO DE BACHARELADO EM DIREITO DO CENTRO UNIVERCITÁRIO DE BRASÍLA, UNICEUB. ORIENTADORA: PROFª MARIA ELIZABETH GUIMARÃES TEIXEIRA ROCHA. BRASÍLIA

2 2005 Para meus pais, Antonio Luiz Cunha e Regina M. R. Cunha, pelas virtudes ensinadas e pelo apoio, confiança e amor que sempre me deram; Vandete Macedo Ribeiro, por todos os conselhos, ensinamentos, mensagens de paz e alegria, que ficarão para sempre em minha mente como referencial de bondade e felicidade, o que transforma a saudade num sentimento de gratidão por tê-la tido como avó; Rachel Maria Cunha, por me propor o tema sobre trabalho escravo contemporâneo e por ter me ajudado com o material de pesquisa; Péricles Luiz Cunha, por estar sempre disposto a me orientar e me esclarecer; Eduardo Molina de Oliveira, pela compreensão, paciência e incentivos; Eder Batista, por me enviar algumas fotos utilizadas no último capítulo; Maria Elizabeth Teixeira Rocha, minha orientadora, pelas dicas, correções e críticas.

3 Às vezes, fora do Brasil, quando me perguntam como é a nossa luta aqui por Direitos Humanos, eu digo: Direitos Humanos no Brasil? Isso é um luxo! Nós ainda estamos lutando por direitos animais. Frei Beto 1 1 FÓRUM SOCIAL MUNDIAL 2003: Anais da Oficina Trabalho Escravo: Uma Chaga Aberta. Brasília: OIT, 2003, p. 18.

4 RESUMO: Trata-se de uma pesquisa destinada a retratar a violência praticada no meio rural brasileiro, onde se escravizam seres humanos, objetivando um maior lucro nas produções, sendo que os infratores se aproveitam da ignorância e falta de oportunidade de pessoas miseráveis, explorando-as e barateando a mão-de-obra. Assim, o fazendeiro contrata uma pessoa com experiência em aliciamento de peões, conhecida como gato, que ilude e transporta os empregados até a fazenda, onde são submetidos a condições subumanas de vida e de trabalho, sem respeito às suas dignidades, de forma que seus direitos trabalhistas não são observados. Além disso, esses peões não podem deixar a propriedade rural em razão de uma dívida criada quando o gato paga a sua pensão e, também, pelos produtos adquiridos no armazém da fazenda. Diante desses fatos, fica evidenciada a complexidade do crime de trabalho escravo, que envolve outros delitos a ele conectados, o que exige uma atuação rápida e eficiente no combate a essa prática, que se perpetua em virtude do capitalismo, da impunidade, das precárias condições de vida dos trabalhadores, da reincidência destes no aliciamento, da falta de políticas sociais etc. Sendo assim, é necessário que o Governo dê maior apoio aos órgãos estatais e às ONGs que atuam contra a escravidão, para que brasileiros subalternos tenham respeitadas as garantias de dignidade, previstas na Constituição Federal, para que, respeitando os direitos humanos, haja uma mudança na visão, que algumas pessoas têm, de poder explorar cidadãos menos favorecidos em benefício próprio, por possuírem poder político e econômico. Palavras-chaves: Trabalho escravo; fazenda; gato; aliciamento; exploração; dívida; dignidade; respeito; trabalhador.

5 SUMÁRIO: 1 DIREITOS HUMANOS E SUA EVOLUÇÃO HISTÓRICA: BREVE HISTÓRICO DA ESCRAVIDÃO NO BRASIL: O ESCRAVO APÓS A ABOLIÇÃO E A ESCRAVIDÃO NO SÉCULO XXI: AS ORIGENS DO DIREITO DO TRABALHO E A LEGISLAÇÃO TRABALHISTA INTERNACIONAL E BRASILEIRA: O SIGNIFICADO DO TERMO ESCRAVIDÃO E A POLÊMICA EXISTENTE A RESPEITO DESSA TERMINOLOGIA: AS PRINCIPAIS CAUSAS DA PRÁTICA DO TRABALHO ESCRAVO CONTEMPORÂNEO NO BRASIL: Impunidade: Capitalismo: A questão da competência para julgar crimes de trabalho escravo: A contribuição das precárias condições sociais: MÉTODOS DE ERRADICAÇÃO DO CRIME: O PROBLEMA DA REINCIDÊNCIA: Reincidência dos fazendeiros infratores: Reincidência do trabalhador nas formas de aliciamento e escravidão: EXPOSIÇÃO DE CASOS REAIS: Casos, depoimentos e fazendas denunciadas pela prática ilícita de trabalho escravo: Processos, denúncias, decisões, jurisprudências e documentos: Fotos:

6 6 INTRODUÇÃO: São vários os temas, dentro do Direito, que merecem uma maior atenção pelo seu grau de importância para com os indivíduos. Tendo em vista que o homem não vive isoladamente, sabemos que o Direito foi criado pela sociedade e para ela mesma, assim, podemos concluir que todos esses temas abordam, como alvo principal, as pessoas que a compõe. Dessa forma, pela Constituição Federal e pela Declaração Universal dos Direitos Humanos, são resguardados os direitos e garantias fundamentais que cabem ao homem, tendo em vista uma condição de vida melhor e mais justa para cada um dos brasileiros. A violação desses direitos causa um profundo sentimento de revolta e de impotência perante o Estado que, muitas vezes, não consegue atender a todas as demandas da população ficando, assim, boa parte da sociedade lesada em sua integridade física e moral. Com o aumento das injustiças sociais e com a freqüente onda de crimes, que muitas vezes acontecem às cegas perante a justiça e à própria população, resta-nos dar um maior enfoque na área dos Direitos Humanos. Dentre vários crimes que violam os direitos fundamentais dos cidadãos, o que mais me chama a atenção é o referente ao artigo 149 do Código Penal, pois, mesmo após a Lei Áurea, continua existindo em nosso país, principalmente em fazendas, reduzindo o homem a uma situação de subordinação que se dá por cerceamento de liberdade e coação (por isso não ser chamada de escravidão e sim condição análoga a esta). De acordo com os dizeres de Luis Camargo (Ministério Público do Trabalho) em sua Definição de Trabalho Escravo Distinção entre trabalho escravo, forçado e degradante, "esta coação poderá ser de três ordens: moral, psicológica e física".

7 7 Muitas vezes o empregador faz ameaças ao empregado, o agride fisicamente e estabelece entre eles uma dívida que nunca se extingue: o empregado é obrigado a adquirir materiais de trabalho, alimentação e transporte por conta própria, fazendo com que esta dívida se transforme numa bola de neve que aumenta cada vez mais sendo, dessa forma, obrigados a permanecerem no local de trabalho para pagar tal dívida; o que nunca acontece. Dessa forma, a escravidão contemporânea seria melhor denominada de servidão por dívida, já que a pessoa não pode abandonar o local de trabalho em virtude desta 2. Diante do que foi dito, passo agora a expor a pesquisa feita nesses últimos meses, com base em publicações dos órgãos estatais, pesquisas na Internet e na página da OIT Brasil, documentos enviados pela SEDH, seminários e doutrina, relatando os problemas centrais que norteiam o tema Trabalho Escravo no século XXI, de modo que fique esclarecido, desde já, que esta monografia tem, por fim, expor a abordagem de uma situação dramática que, infelizmente, ocorre nos dia atuais, configurando uma afronta às Leis brasileiras e que ocorre às escondidas de tal maneira que, às vezes, ao falar com colegas e conhecidos, muitos deles ficam incrédulos quanto à existência do crime e de sua tamanha incidência no presente século. Por isso, gostaria de dizer que os tópicos iniciais como Direitos Humanos e sua evolução histórica, Breve histórico da escravidão no Brasil, As Origens do Direito do trabalho e a Legislação trabalhista internacional e brasileira etc, têm a função de servir, somente, como base para que se possa entender que o problema dessa escravidão, mesmo sendo atual, tem suas origens em tempos remotos, desde a colonização brasileira, passando pela abolição dos negros, também pelo problema do capitalismo, que faz com que as pessoas busquem cada vez mais riquezas para satisfazer seu consumismo, servindo, destarte, como impulso para que a prática escravocrata se 2 MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO. Disponível em: <www.pgt.mpt.gov.br/index.html>. Acesso em: 12 set

8 8 perpetuasse ao longo do tempo, pois, mesmo com a proibição desta desde a Lei Áurea, uma vez que o não pagamento de trabalhadores enseja em lucro maior para o proprietário rural, estes procuram um meio de burlar a Lei proibitiva e encontrar uma prática mascarada de se escravizar pessoas, o que consiste, hoje em dia, na servidão por dívida: tema central deste trabalho monográfico. E assim, gostaria de finalizar esta introdução, com o pedido de que todos que por ventura leiam as linhas a seguir além da banca examinadora e de minha orientadora - se atinem para os fatos humanos, não somente aos fatos jurídico-processuais, uma vez que a minha real intenção é fazer-se conhecer mais um pouco a respeito da barbaridade praticada contra trabalhadores humildes, vítimas de um sistema capitalista que transforma seres humanos em robôs cuja principal função é obter o maior lucro possível, mesmo que para isso tenha que agir de uma forma egoísta, satisfazendo seus prazeres em detrimento da liberdade de cidadãos que não têm seus direitos garantidos, ou seja, em detrimento de pessoas pobres, sofridas e humilhadas que, através de práticas como esta, têm suas dignidades roubadas, preferindo ficar no anonimato, tocando suas vidinhas precárias, e sem lutar por seus direitos mínimos garantidos pela Constituição Brasileira. E assim, em virtude de tudo o que foi dito, tenho para mim que, em suma, podemos caracterizar o escravagismo atual com apenas duas palavras, a saber, crime egoísta.

9 9 1 DIREITOS HUMANOS E SUA EVOLUÇÃO HISTÓRICA: Ao falar em Direitos Humanos, deve-se ter em mente que, do ponto de vista da doutrina jurídica, estes se referem aos direitos inerentes à pessoa humana quando consagrados em textos jurídicos internacionais que, ao serem inclusos nas Constituições, recebem a nomenclatura de DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS. Assim, o estudo dos Direitos Humanos está ligado ao estudo do Direito Constitucional, tendo importante contribuição, na proteção de tais direitos, o movimento constitucionalista, que possibilitou a inserção destes nas Constituições 3. Tal movimento se deu, segundo Alexandre de Moraes 4, após a independência das 13 Colônias, nos Estados Unidos da América e a partir da Revolução Francesa, em Como os referidos direitos passaram a fazer parte das Constituições, sabe-se que cabe a todo Estado assegurar a dignidade da pessoa humana, o que no Brasil constitui um princípio fundamental da República. No entanto existe, entre Estado, Poder e Direitos Humanos, uma tensão constante na história da humanidade 5. Isso porque cada um de nós tem sua própria visão em se tratando de Direitos Humanos, pois nossas ideologias, religiões e influências não são iguais. Contudo, há coisas em comum em qualquer acepção de Direitos Humanos, ou seja, questões mínimas de dignidade ao próximo, defendendo os mais fracos e desfavorecidos dos mais fortes e poderosos, garantindo-lhes respeito às suas vidas e, nesse ponto, diante da visão que 3 ROBERT, Cinthia; Danielle Marcial. Direitos Humanos: teoria e prática. Rio de Janeiro: Editora Lúmen Júris, 1999, p MORAES, Alexandre de. Direitos Humanos Fundamentais: teoria geral, comentários aos artigos 1º a 5º da Constituição Federal do Brasil, doutrina e jurisprudência. São Paulo: Atlas, 1988, p ROBERT, Cinthia; Danielle Marcial. Direitos Humanos: teoria e prática. P. 07. Op.Cit.

10 10 se tem nos tempos atuais, todos concordam em proporcionar ao cidadão o respeito à sua moral, seu trabalho e sua existência 6. Estado é a organização política nacional, soberana, composta de órgãos e aparelhos ideológicos públicos e privados, dirigida e dominada por um grupo social, que mantém e justifica sua dominação e obtém o consenso imposto a toda a nação através da força bruta ou por meio da concessão limitadas de direitos e liberdades fundamentais 7. Nesse sentido, os Direitos Humanos passaram a fazer parte do Estado Nacional, embora venham se tornando internacionais, com intuito de proteger as pessoas pertencentes à classe social dominada do abuso de poder. Segundo Fernando Barcellos de Almeida, em seu livro Teoria Geral dos Direitos Humanos, o conceito destes direitos consiste nas seguintes palavras: [...] ressalvas e restrições ao poder político ou as imposições a estes, expressas em declarações, dispositivos legais e mecanismos privados e públicos, destinados a fazer respeitar e concretizar as condições de vida que possibilitem a todo ser humano manter e desenvolver suas qualidades peculiares de inteligência, dignidade e consciência, e permitir a satisfação de suas necessidades materiais e espirituais 8. Diante do conceito de Estado e de Direitos Humanos, cabe, contudo, ressaltar a importância de se saber, pelo menos um pouco, a respeito da evolução histórica dos Direitos resguardados ao homem. Ao observar a história da humanidade nota-se que os direitos humanos não são algo inerente à mesma, pois foi apenas a partir de determinado acontecimento histórico que tiveram, os seres humanos, seus direitos assegurados. A fim de se compreender com clareza a evolução dos citados direitos, mister se faz, estabelecer qual fato histórico positivou tais direitos, e, neste ponto, existem duas possíveis datas: 1215, com a outorga da Magna Carta pelo rei João Sem Terra ou em 1789 na Revolução Francesa. Vale ressaltar, porém, que bem antes disso, em 6 ALMEIDA, Fernando Barcellos de. Teoria Geral dos Direitos Humanos. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris Editor, 1996, p Ibidem, p Ibidem, p. 24.

11 a.c., já existira outras formas de proteção do indivíduo perante o Estado, a exemplo do conhecido Código de Hamurabi. Este foi Rei da Babilônia e tudo podia, sem necessidade de dar satisfação de seus atos a ninguém. Mas ele preferiu limitar, pela Lei, os seus próprios poderes e os poderes de seus esperados descendentes ou sucessores 9, verbis: Que o oprimido proclamava Hamurabi que tenha um litígio venha ante minha imagem de Rei de Direito e leia as inscrições do meu Código, que ouça minhas preciosas palavras e que meu código se aplique à sua causa 10. Porém de acordo com Cinthia Robert e Danielle Marcial 11, atribui-se a consagração normativa dos Direitos Humanos ao dia 28 de agosto de 1789 com a promulgação da Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, composta de 17 artigos. Após ter sido feito o estudo do tema proposto, vale destacar o resumo da evolução histórica dos direitos do homem reunidas em cinco fases principais: Citando Fernando Barcellos de Almeida 12, dizemos que a primeira fase nada mais era que a concessão arbitrária de um monarca com poderes absolutos e estas eram tidas como justas e inteligentes (ex.: Código de Hamurabi; o Imperador Claudius Tibério, de Roma e Frederico II, da Suádia, imperador das duas Sicílias). Numa segunda fase, teremos os direitos humanos como sendo conquistas das elites, do alto clero ou da aristocracia, contra o monarca, como foi o caso do rei João Sem Terra que outorgou aos seus súditos, mas essencialmente, aos barões, que o pressionaram, a Magna Carta, em 1215, na Inglaterra. Evoluindo para uma terceira fase, encontramos os Direitos do Homem (já com esta denominação e com a exclusão da mulher) 9 ALMEIDA, Fernando Barcellos de. Teoria Geral dos Direitos Humanos. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris Editor, 1996, p Ibidem, p ROBERT, Cinthia; Danielle Marcial. Direitos Humanos: teoria e prática. Rio de Janeiro: Editora Lúmen Júris, 1999, p ALMEIDA, Fernando Barcellos de. Teoria Geral dos Direitos Humanos. P Op. Cit.

12 12 como pertencentes a uma classe em ascensão, a burguesia, que teria na ocasião o poder econômico e mais tarde, após a Revolução Francesa, teria também o poder político. Na quarta fase teremos a conquista dos Direitos Humanos por parte das classes sociais dominadas que não detêm o poder político, que alcançam, através deles, direitos sociais econômicos, e culturais. Na quinta e última fase, os Direitos Humanos, já na sua terceira geração, se internacionalizam tornando-se supranacionais sendo alguns deles impostos pela comunidade internacional. Tais etapas não possuem uma separação rígida entre si, ora se misturando, ora evoluindo de maneira cronológica invertida, ou se antecipam ou se pospõem. Contudo, apesar da quinta fase da evolução dos direitos do homem representar uma internacionalização desses direitos, há paises em que, em pleno século XXI, governam de forma semelhante à do século XII, a exemplo do reinado a Arábia Saudita, mesmo sendo membro das Nações Unidas 13. Uma outra tentativa de se racionalizar a evolução dos Direitos Humanos é apresentada pelo jurista espanhol Rafael de Asís Roig 14 [...] Ele cita três processos históricos nos Direitos Humanos : Positivação (sem esta os direitos não se completam ficando apenas no plano das idéias), Generalização ( ampliação da titularidade dos direitos e outro setores da população, com uma realização jurídica ) e Internacionalização (quando se toma a consciência de que a proteção em nível estatal é insuficiente, que pode encontrar seu limite na razão de Estado. Importante torna-se dizer que o processo de internacionalização é realizado de forma integrada com a positivação e a generalização). 13 ALMEIDA, Fernando Barcellos de. Teoria Geral dos Direitos Humanos. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris Editor, 1996, p Apud ALMEIDA, Fernando Barcellos de. Teoria Geral dos Direitos Humanos. P Op. Cit.

13 13 Diante disto, é possível concluir que a quinta fase da evolução dos Direitos Humanos (juntamente com a quarta fase, que atribuiu aos menos favorecidos, garantias sociais econômicas e culturais) teve relevante importância na luta contra o desrespeito da dignidade humana e a favor da garantia dos direitos fundamentais do homem, visto que sua internacionalização demonstra uma preocupação mais profunda com tais direitos, principalmente no que tange o tráfico de pessoas e o trabalho forçado ALMEIDA, Fernando Barcellos de. Teoria Geral dos Direitos Humanos. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris Editor, 1996, p

14 14 2 BREVE HISTÓRICO DA ESCRAVIDÃO NO BRASIL: No Brasil a escravidão surgiu quando se deu início à colonização do país 16, que, em sua estrutura, combinava três caracteres: grande propriedade de terra, monocultura e trabalho escravo. 17 Contudo, ao contrário do que se pensa, os primeiros seres escravizados foram os índios, e não os negros trazidos da África. Ao passo que os índios eram eficazes na extração do pau brasil, estes eram ineficazes na agricultura, de forma que, em meados do século XVI, iniciou-se a captura de negros africanos para que estes trabalhassem na lavoura e no engenho de açúcar, uma vez que a sociedade colonial precisava garantir o baixo preço e a rentabilidade do produto no mercado externo, ao passo que necessitava também, assegurar o baixo custo interno de produção 18. O transporte dos escravos era feito de forma brutal: crianças eram retiradas de suas famílias, pessoas capturadas na África e levadas ao porão dos navios, onde se amontoavam, e faziam toda a viagem quase que na mesma posição, sem higiene, sem água, sem alimentação adequada, o que resultava num grande número de mortos. Tal captura muitas vezes era feita por nativos da região, outras vezes por comerciantes de escravos, de forma que acordos foram feitos com reis da própria África, uma vez que os informavam dos lucros trazidos pelo tráfico, tendo, assim, a permissão destes para implantar um monopólio no comércio de africanos para serem escravizados 19, de forma que: 16 ESCRAVIDÃO, Tráfico de Escravos, sociedade e Religião Afro-brasileira, Zumbi. Disponível em: <http://paginas.terra.com.br/arte/mundoantigo/africa/2.htm>. Acesso em: 12 dez PRADO JÚNIOR, Caio apud Jacob Gorender. O Escravismo Colonial. Ed. Ática: São Paulo, 1980, p ESCRAVIDÃO, Tráfico de Escravos, sociedade e Religião Afro-brasileira, Zumbi. Op.Cit. 19 NABUCO, Joaquim. A escravidão. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 1999, p

15 15 Assim vemos a ganância em sua corrente contagiosa perverter por amor ao luxo, os próprios governos negros, e estes de parceria com os enviados europeus e americanos condenando anualmente milhares de compatriotas, que os estrangeiros resgatavam para o cativeiro. Farsa era essa adrede preparada para livrar os reis da nódoa do tráfico de seus súditos, e ao mesmo tempo para honrar os negociantes negreiros, cujo comércio pareceria clemente, visto ser para salvar da morte milhares de homens. A isso só há uma resposta: foi o tráfico que fez as condenações chegarem a esse algarismo importante: se não houvesse a procura não haveria oferta, e os reis não proscreveriam a tantos de seus compatriotas 20. Quanto a números, pode-se dizer que, na América, o primeiro surgimento da escravidão foi com Colombo e o comércio de gentios. Assim, presume-se que a armada de Cabral trouxe os primeiros escravos, uma vez que àquela época, a escravidão do negro estava muito espalhada em Portugal. Dos inúmeros cativos transportados em navios negreiros havia uma perda de vinte e cinco por cento de pessoas até chegarem ao destino. Tem-se um cálculo aproximado do número de importação e exportação de escravos no período que vai de 1798 a A soma total da exportação nesses 49 anos montou a , a de mortalidade a bordo a ; a da importação a [...] assim, temos um milhão e meio de homens exportados da África pelo Atlântico, havendo uma perda de 25% das pessoas uma pequena redução de quinhentos mil homens que só escapavam ao cativeiro porque sucumbiam na asfixia do porão 21. Eram dois os modos de escravidão no Brasil Colônia: o patriarcal, que se caracterizava por uma economia natural e, também, o colonial que visava a produção de bens comerciáveis e lucrativos, de forma que a escravidão se estabeleceu como tipo fundamental e estável de relação de produção 22. A escravatura era a maneira de como o proprietário de terras lidava com o trabalho e, assim, sua preocupação consistia apenas em esclarecer o efeito da 20 NABUCO, Joaquim. A escravidão. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 1999, p Ibidem, p GORENDER, Jacob. O escravismo Colonial. São Paulo: Editora Ática, 1980, p. 60.

16 16 economia exportadora-escravocrata sobre a distribuição da renda 23. No entanto, do período que vai do ano de 1530, até um pouco antes da metade do século XIX, a escravidão, que era sustentada pelos donos de terras e pelo poder, era apenas moralmente errada, sendo poucas as pessoas que viam em tal prática, um ato de selvageria e, mesmo não concordando com a escravatura, a viam como necessária e obrigatória para o desenvolvimento do país tendo, assim, de suportá-la 24. Dessa forma, ao penetrar na sociedade brasileira, a escravidão destruiu a maior parte de seus fundamentos morais, afetando, assim, o progresso estatal, visto que o abalo causado em cada força social foi de tal grandeza que o laço moral dos cidadãos foi, de certo modo, desatado. Além disso, princípios foram violados e, conseqüentemente, também houve a violação das Leis, uma vez que estas não passam de um encadeamento lógico dos princípios. Assim, ao penetrar na sociedade brasileira, a escravidão gerou direitos contra a moral, tornando o direito imoral e com força coercitiva, mostrando-nos que o regime escravocrata violava direitos naturais porque, além de enfraquecer a moral e a religião, a escravidão fez do trabalho, principalmente os manuais, uma ocupação rebaixada, o mais vulgar meio de trabalho. E foi assim que a instituição escravocrata destruiu o fundamento moral da propriedade, atacou os costumes, vez que houve perda da virtude ora maculada pela escravidão, tendo, ainda, atacado, de forma brutal a família, pois aniquilavam a dignidade da mãe e dos filhos, ao serem violentados, de forma que feriam a honra do pai, além de submetê-los a castigos terríveis caso houvesse qualquer tipo de manifestação por parte de qualquer membro da família escravizada FURTADO, Celso apud Jacob Gorender. O escravismo Colonial. São Paulo: Editora Ática, 1980, p TRAGETÓRIA Social, Política e Econômica do Negro no Brasil: aspectos da violência racial. Disponível em: <www.dourados.ms.gov.br/proas-violenciaracial.htm>. Acesso em: 12 nov NABUCO, Joaquim. A escravidão. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 1999, p. 1 4.

17 17 O tráfico de escravos entre a África e o Brasil era considerado um negócio lucrativo para o traficante, assim como para os compradores, e foi por esse motivo que os negros cativos formaram a maior parte da massa trabalhadora, no Brasil, no período que se estende do século XVIII ao XIX. Vale ressaltar que o tráfico negreiro era basicamente dominado por portugueses, espanhóis, holandeses e, também, ingleses 26. A partir do ano de 1830, por motivo da expansão cafeeira, surgiu o aumento da necessidade de mão-de-obra escrava, ao passo que houve, também, o crescimento das manifestações contra a prática de tráfico de negros africanos. Tais manifestações foram motivadas mais pela concorrência do que por questões humanitárias, isso porque, vindo da Inglaterra a maior parte da pressão contra o comércio de negros, esta se via ameaçada no mercado externo, uma vez que o tráfico de escravos fora proibido nas colônias inglesas da Guiana e do Caribe 27. E assim, a escravidão passou a ser vista como economicamente errada, e não mais apenas moralmente errada como outrora, havendo, destarte, alteração do quadro político e econômico do país 28. A escravidão na grande lavoura sempre foi uma instituição simultaneamente política e econômica, ou seja, ela não teria existido sem que houvesse medidas coercitivas e legais concebidas com intuito de estabelecer a condição do escravo, e assim, não admitindo formação de modos alternativos de organização social.tais medidas serviam de base para a dominação racial, subordinando o negro, de maneira que por tais fatos passaram a contribuir para 26 ESCRAVIDÃO, Tráfico de Escravos, sociedade e Religião Afro-brasileira, Zumbi. Disponível em: <http://paginas.terra.com.br/arte/mundoantigo/africa/2.htm>. Acesso em: 12 dez Ibidem. 28 TRAGETÓRIA Social, Política e Econômica do Negro no Brasil: aspectos da violência racial. Disponível em: <www.dourados.ms.gov.br/proas-violenciaracial.htm>. Acesso em: 12 nov

18 18 o surgimento de uma classe social dominadora. Contudo, a escravidão não passava de uma instituição em crescente antagonismo com a sensibilidade moral da época 29. No ano de 1830 o tráfico já ra visto como um ato de pirataria e deveria estar extinto, por razão de um tratado feito entre Brasil e Inglaterra, onde estava previsto o fim do comércio negreiro neste citado ano. E foi assim, com a proibição, que se deu o maior apogeu do tráfico, tornando-se contrabando 30. Em 1831, por meio de acordo firmado com a Inglaterra, foi declarado ilegal, em território brasileiro, o tráfico de negros; mesmo assim, eram exportados para o Brasil vinte mil negros por ano, sendo que esses representavam no desfalque que produziam na população da África, aumentado pelos perigos da travessia sob o canhão inglês, cerca de duzentas mil vidas, de forma que a entrada ilegal de africanos cativos continuava ocorrendo no país 31. Diante disso, o parlamento britânico aprovou, em 1845, a Bill Aberdeen, permitindo a captura de navios negreiros brasileiros, por parte da Marinha de Guarda Inglesa, tornado, assim, mais difícil e menos lucrativo o tráfico de negros 32, podendo-se dizer que tal Lei se torna, de certa forma, um ultraje à soberania brasileira, ao mesmo tempo em que faz da Inglaterra a defensora da humanidade, mesmo tendo, este país, estabelecido a Bill Aberdeen por motivos puramente econômicos 33. Políticos, liberais e conservadores, se declararam contra o tráfico no Império, por mera conveniência, mas continuavam aceitando a prática do regime escravista, uma vez que estes o viam como essencial para o progresso ecônomo e financeiro do País. Foi somente em 29 FONER, Eric. Nada Além da Liberdade: A Emancipação e seu Legado. Rio de Janeiro: Paz e Terra; Brasília: CNpq, 1988, p NABUCO, Joaquim. A escravidão. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 1999, p Ibidem, p ESCRAVIDÃO, Tráfico de Escravos, sociedade e Religião Afro-brasileira, Zumbi. Disponível em: <http://paginas.terra.com.br/arte/mundoantigo/africa/2.htm>. Acesso em: 12 dez NABUCO, Joaquim. A escravidão. P. 76. Op. Cit.

19 , por meio da Lei de Eusébio de Queirós, no Governo de D. Pedro II, que foi declarado o fim do tráfico de escravos. A partir desse momento, começou a crescer, no país, a campanha abolicionista, sendo que a abolição se concretizaria, aproximadamente, quarenta anos após a fixação desta Lei 34. O processo revolucionário mais dramático em suas conseqüências sociais e também humanas, ocorrido no Brasil do século XIX, foi a abolição da escravidão 35, que, por sua vez, caracterizava-se como um movimento social e político que ocorreu, mais precisamente, entre os anos de 1870 e 1888, com o intuito de defender o fim da escravidão em nosso país. Mesmo tendo começado a declinar em 1850, foi somente após a Guerra do Paraguai que o movimento abolicionista ganhou maior força. Isso porque os escravos que voltavam da guerra, por terem recebido medalhas e títulos, recusavam-se a voltar à condição servil de antes, uma vez que condecorados, não gostariam mais de serem submetidos às vontades de seus senhores. Assim, o problema social passa a ser uma questão política para a elite dirigente do segundo reinado. Também foi nessa época que imigrantes vindos da Europa começaram a formar uma classe de trabalhadores assalariados, que veio a substituir o regime de escravidão legal que existira até pouco tempo antes 36. A primeira Lei abolicionista foi a do Ventre Livre, em 1871, que possuía poucos efeitos práticos, vez que os filhos de escravos nascidos a partir daquela data eram livres, no entanto, permaneciam sob os cuidados de seus senhores até que estes completassem ESCRAVIDÃO, Tráfico de Escravos, sociedade e Religião Afro-brasileira, Zumbi. Disponível em: <http://paginas.terra.com.br/arte/mundoantigo/africa/2.htm>. Acesso em: 12 dez FONER, Eric. Nada Além da Liberdade: A emancipação e seu legado. Rio de Janeiro: Paz e Terra; Brasília: CNpq, 1988, p ABOLIÇÃO da escravatura no Brasil. Disponível em: <http://paginas.terra.com.br/arte/mundoantigo/africa/3.htm>. Acesso em: 12 dez

20 20 anos de idade. Em 1885, o governo, ao ceder mais um pouco às reações contra a escravidão, resolveu promulgar a Lei dos Sexagenários, que libertava escravos com mais de 60 anos de idade, possuindo, também, pouco efeito prático, pois poucos escravos atingiam tal idade, e os que atingiam não tinham de onde tirar sustento próprio. Ainda sobre a Lei dos sexagenários, importante é frisar que os escravos com 60 anos ou mais somente eram libertos, mediante um pagamento devido a seus donos 37. Mesmo com o surgimento das chamadas leis abolicionistas, o movimento contra a escravidão tinha se tornado forte e cheio de adeptos. Intelectuais e políticos formaram a Sociedade Brasileira contra a Escravidão, tendo tal sociedade, como membros, nomes importantes como Joaquim Nabuco e José do Patrocínio. A Partir da criação destas, varias outras sociedades surgiram no Brasil, de forma que artistas, políticos, parlamentares, intelectuais, jornalistas, mergulharam no movimento abolicionista, procurando disseminar esta idéia a todos, por meio de apresentações, publicações etc e, assim, foram angariando dinheiro para pagamento da carta de alforria de muitos escravos. Cabe, aqui, dizer que o primeiro estado brasileiro a decretar o fim da escravidão em seu território foi o Ceará. Contudo, o movimento dos próprios escravos também foi de suma importância, uma vez que começaram a sair dos cativeiros, buscando suas liberdades na cidade, fazendo com que o movimento abolicionista se misturasse com a campanha republicana. Por isso ganhou o apoio dos militares, pois estes, insatisfeitos com o Império, não mais participavam da captura de escravos fugitivos. Houve, certamente, campanhas abolicionistas vindas do exterior, principalmente dos países europeus, tudo isso 37 ABOLIÇÃO da escravatura no Brasil. Disponível em: <http://paginas.terra.com.br/arte/mundoantigo/africa/3.htm>. Acesso em: 12 dez

21 21 contribuindo, conjuntamente, para que se devolvesse a liberdade roubada dos povos trazidos da África 38. Em 13 de maio de 1888, o governo imperial sucumbiu às pressões políticas que vinham de intelectuais, políticos, da população e do exterior, não esquecendo da importante participação dos próprios negros escravos no movimento, em virtude de suas rebeliões e fugas para os Quilombos, fazendo com que, nesta data, a Princesa Isabel assinasse a Lei Áurea, extinguindo a escravidão no Brasil. Com isso, deu-se o fim do Império, vez que se tornou evidente a insatisfação dos fazendeiros com a abolição da escravatura, pois exigiam indenização pela perda de seus homens, sendo que tal ressarcimento lhes foi negado. Destarte, tais fazendeiros aderiram ao movimento Republicano, e assim o Império Brasileiro perdeu sua última coluna de sustentação política ABOLIÇÃO da escravatura no Brasil. Disponível em: <http://paginas.terra.com.br/arte/mundoantigo/africa/3.htm>. Acesso em: 12 dez Ibidem.

22 22 3 O ESCRAVO APÓS A ABOLIÇÃO E A ESCRAVIDÃO NO SÉCULO XXI: A abolição trouxe difíceis questões acerca do sistema de organização da economia e das relações sociais que veio a substituir a escravidão, pois toda a sociedade, existente no período da grande lavoura, ao passar pelo referido processo de emancipação, vivenciou uma série de conflitos a respeito do controle da mão-de-obra, ou seja, da formação da classe dos libertos 40. Assim, mesmo com a extinção da escravatura no Brasil, a condição dos exescravos continuou da mesma maneira, sendo eles ainda subalternos, uma vez que dependiam de seus ex-senhores e geralmente não tinham de onde tirar sustento próprio 41. Na maioria dos casos, alguma forma de coerção foi empregada em uma tentativa de forçar ex - escravos a voltarem a trabalhar nas fazendas, ainda que nenhuma generalização possa se dar conta da complexidade das relações de trabalho que surgiram em sociedades específicas. Em toda parte o resultado do processo de emancipação e o grau de autonomia alcançado pelos antigos escravos dependia de uma elaborada série de relações de poder. 42 Após a abolição, os negros tiveram uma certa dificuldade para integrar-se à sociedade brasileira, pois as reformas agrária e educacional pregadas pelos abolicionistas, nunca se concretizavam. Além disso, os negros passaram a concorrer, no mercado de trabalho, com os imigrantes europeus, sendo que, no decorrer do século XX, surgiram inúmeros movimentos que visavam a defesa dos direitos da população negra, e lutavam pela cidadania plena dessa 40 FONER, Eric. Nada Além da Liberdade: A emancipação e seu legado. Rio de Janeiro: Paz e Terra; Brasília: CNpq, 1988, p ABOLIÇÃO da escravatura no Brasil. Disponível em: <http://paginas.terra.com.br/arte/mundoantigo/africa/3.htm>. Acesso em: 12 dez FONER, Eric. Nada Além da Liberdade: A emancipação e seu legado. P Op. Cit.

23 23 população, formando, assim, uma classe social considerada inferior e desfavorecida economicamente. 43. A indiferença da sociedade brasileira pela condição do escravo, marcada pela convicção de que ele não era igual em direitos e dignidade, explica porque não foram criadas condições mínimas de sobrevivência digna aos libertos pela Lei Áurea e seus descendentes. E, em parte, influi na existência da escravidão no Brasil hoje. Essa intolerância dissimulada ainda viceja na sociedade brasileira 44. O fato de ter havido uma escravatura no Brasil, implantou no inconsciente dos brasileiros considerados livres a idéia de que o ser humano de cor negra não passava de um instrumento de trabalho que quando se desgastava, era substituído por outro. O negro era comparado a um animal de tal forma que, quando não conseguia mais manter um trabalho produtivo, em razão de fraqueza, idade avançada ou velhice, era levado ao tronco para receber chicotada como punição 45. Assim, mesmo com a extinção em 1888, pela lei Áurea, a herança da escravidão permanece na sociedade brasileira, na forma de discriminação racial, social e econômica 46. No presente século, a escravidão ainda é verificada, no entanto, esta se dá de uma maneira diferente daquela que se deu no século XVIII, pois em 1888, o escravismo era assegurado pela lei e aceito pelos costumes da época, de forma que o negro era considerado uma mercadoria. Já na escravidão contemporânea, o peão pode ou não ser uma mercadoria. Entretanto, entre essas duas formas de escravidão, há semelhanças, como, por exemplo, a 43 NEGROS no Brasil: História, Cultura e os Quilombos. Disponível em: <http://paginas.terra.com.br/arte/mundoantigo/africa/1htm>. Acesso em: 12 dez DODGE, Rachel Elias Ferreira. FÓRUM SOCIAL MUNDIAL 2003: Anais da Oficina Trabalho Escravo: Uma Chaga Aberta. Brasília: OIT, 2003, p TRAGETÓRIA Social, Política e Econômica do Negro no Brasil: aspectos da violência racial. Disponível em: <www.dourados.ms.gov.br/proas-violenciaracial.htm>. Acesso em: 12 nov ESCRAVIDÃO, Tráfico de Escravos, sociedade e Religião Afro-brasileira, Zumbi. Disponível em: <http://paginas.terra.com.br/arte/mundoantigo/africa/2.htm>. Acesso em: 12 dez

24 24 privação de cidadãos e de seus direitos, retirando-lhes a garantia à dignidade humana 47. Assim, podemos afirmar que, pela existência de uma ligação entre a idéia de dignidade da pessoa individual com o princípio da liberdade de cada cidadão, a escravidão, antes de se configurar como crime contra a liberdade da pessoa, torna-se um crime contra a própria dignidade humana 48. Todavia, existem inúmeras formas de se escravizar um ser humano, contudo, será dada ênfase, nessa pesquisa, somente à escravidão por dívida existente em propriedades rurais brasileiras, isso porque diante das inúmeras formas de relações trabalhistas que caracterizam a sociedade capitalista atual, seria inútil à finalidade deste trabalho, fazer uma classificação das formas de trabalho consideradas como escravocratas, uma vez que, além da escravidão no campo, já foi detectada uma ampla diversidade de sujeição de pessoas à condição análoga à de escravo também no meio urbano, ou seja, em casas, oficinas, na indústria etc 49. No Brasil, a prática de trabalho forçado acontece, com mais freqüência, na fronteira agrícola, ou seja, na Amazônia. Contudo, tal fronteira não fica restrita somente à geográfica, uma vez que a escravização de trabalhadores se dá na fronteira da civilização, pois é, a meu ver, uma forma bárbara de se obter lucro em detrimento de pessoas que fazem parte de uma classe social inferior; ocorre também na fronteira espacial, vez que os lugares de aliciamento e recrutamento de pessoas são escolhidos de forma a dificultar a fuga dos capturados e buscando, ainda, dificultar a descoberta de tal prática pela fiscalização do governo; pode-se dizer, destarte, que a escravidão se dá na fronteira de etnias e culturas, se aproveitando da discriminação racial e social dessas pessoas humildes que se tornam vítimas do crime ora abordado; e, também, na 47 MARTINS, José de Souza. Fronteira: A degradação do outro nos confins do humano. São Paulo: Editora HUCITEC, 1997, p CASTILHO, Ela Wiecko V. de. Em busca de uma definição jurídico-penal de trabalho. Disponível em: <www.pgr.mpf.gov.br/pfdc/gts/trabalho_escravo/documentos/diversos.html>. Acesso em: 23 nov MARTINS, José de Souza. Fronteira. A Degradação do Outro nos Confins do Humano. P Op. Cit.

25 25 fronteira de visões de mundo, pois ocorre, principalmente, em virtude da ignorância do trabalhador que busca desesperadamente por emprego para poder se sustentar e sustentar sua família; cabe ressaltar que a escravidão se dá na fronteira da história, pois vem ocorrendo no Brasil desde sua colonização e, sobretudo, na fronteira do humano, porque transforma a pessoa em um objeto descartável, sem valor, que não merece cuidado e que serve somente para exploração, de forma que quando não produz mais, é descartado 50. Os vestígios do escravismo que persistiram, de uma forma cultural, na maneira de pensar de alguns fazendeiros, que buscam de forma desesperada o lucro em suas produções, nunca foram totalmente superados. Mesmo com o advento da Constituição de 88, que determinou a igualdade de direitos entre os trabalhadores rurais e urbanos, fica claro o afastamento entre direito formal e relações de trabalho que se dão no dia-a-dia. Assim, sabendo-se que a semelhança entre a escravidão contemporânea e a oitocentista é a privação da liberdade e o afastamento da dignidade humana das pessoas vitimadas, a diferença básica existente entre elas, se configura na idéia de que o escravo não é mais uma mercadoria, e sim um simples objeto para consumo imediato e momentâneo, visando um posterior descarte 51. Como não é mais lícito possuir escravos, foram criados métodos para dissimular tal prática. Dessa forma, os fazendeiros contratam os chamados gatos, que são pessoas com experiência em recrutamento de trabalhadores e contratação de serviços rurais que, na verdade, têm a intenção de ludibriar e levar recrutados para fazendas distantes onde estes 50 MARTINS J.S. apud CACCIAMALI, Maria Cristina; Flávio Antonio Gomes Azevedo. Trabalho forçado: exclusão ou opção pela inclusão? Disponível em: <www.ilo.org/public/portugue/region/ampro/brasilia/trabalho_forcado/brasil/documentos/artigo_f.pdf>. Acesso em: 16 nov MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. Secretaria de Inspeção do Trabalho, SIT. O Trabalho Escravo e as Políticas Governamentais para sua Erradicação. Brasília, 2003, p Documento enviado por Rachel Maria Cunha, assessora da SEDH.

26 26 dificilmente serão descobertos ou conseguirão fugir. Os gatos têm a função de iludir pessoas que se instalam em pensões à espera de algum emprego, por meio de promessas de boa alimentação, estadia e salário. Assim, a pessoa é levada até a fazenda, já possuindo dívida, pois o gato pagara suas contas na pensão. E dessa maneira, o fazendeiro se apodera do trabalhador, por meio da chamada servidão por dívida. É justamente neste meio, onde se enquadra a cadeia que contribui para tal prática - que vai desde o gato, passando pelos policiais que se calam, pelos donos de pensões até chegar ao proprietário rural que se cria a relação social que ensejará no cativeiro do peão, transformando a superexploração dos capturados em escravidão, concretizando a servidão por dívida em primeira instância, pois é no momento de sua captura que se estabelece o que passa a ser devido pelo trabalhador, e não exatamente na fazenda, vez que o proprietário rural fará uso temporário do peão, e depois se livrará dele. Contudo, cabe ressaltar, que o trabalhador acaba fazendo mais dívidas na fazenda, ao adquirir produtos na cantina da propriedade rural 52. Chegando à Fazenda, o aliciado percebe que as condições de trabalho são desumanas, e acaba por contrair mais dívida, pois é obrigado a adquirir objetos e alimentos essenciais para a sobrevivência, a preços exorbitantes, que aumentam cada vez mais o valor devido ao patrão. A tentativa de fuga pode ensejar em castigos, surras e até morte, sendo que a única solução para estas pessoas é trabalhar até o fim do serviço e, se por sorte, não forem transferidos para outras fazendas, serão libertos sem receber nada e com suas dignidades feridas 53. O termo escravidão sugere a redução de pessoas à coisas, de forma que sua existência 52 MARTINS, José de Souza. Fronteira. A degradação do outro nos confins do humano. São Paulo: Editora HUCITEC, 1997, p MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. Secretaria de Inspeção do Trabalho. O Trabalho Escravo e as Políticas Governamentais para sua Erradicação. Brasília, 2003, p Documento enviado por Rachel Maria Cunha, assessora da SEDH.

27 27 e legitimidade leva-nos à conclusão do tanto que a dívida está incorporada às relações trabalhistas no meio rural, influenciando na visão que o trabalhador escravizado tem da relação com seu patrão, uma vez que este, realmente, passa a achar que não pode sair do local de trabalho em virtude da dívida adquirida, sem questionar a origem desta. A freqüente ocorrência desse fato se dá porque, muitas vezes, os peões se acham ignorantes de forma que o patrão, por ser rico e estudado, compreende muito mais a relação de trabalho, fazendo com que este tenha razão em relação à dívida. Assim, muitos deles ficam no local de trabalho por longos períodos tentando quitar o que devem, até por medo da prisão, por não terem pagado tudo o que consumiram durante a estadia na fazenda 54. As formas de escravidão neste século comportam, portanto, o aliciamento de trabalhadores rurais em locais distantes, assim como o pagamento da conta da pensão onde estes se encontravam; o precário transporte; a já citada cadeia de intermediários, além das condições de trabalho degradantes e perigosas; ameaça e coação por uso de violência; cerceamento da liberdade dos indivíduos e, por fim, o endividamento que se dá de uma maneira forçada, pois os trabalhadores são obrigados a comprar o material de trabalho, pagar pelo seu alojamento, alimentação, remédios e tudo mais o que for necessário para que sobrevivam. Sabendo que as empreitadas ocorrem, de forma regular, na fronteira agrícola, vale frisar que esta se dá em forma de desmatamento para utilização de madeira, derrubada da flora local para abertura de pastos e fazendas, dentre outras, como a utilização do trabalho escravo em carvoarias, colheitas etc ESTERCI, Neide. A dívida que escraviza. Disponível em: <http://www.pgr.mpf.gov.br/pgr/pfdc/grupos_encerrados/trab_escravo/documentos/esterci.pdf>. Acesso em: 27 dez MORO, Luiz Carlos, Relator do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil, em seu voto dado em relação ao processo CNDS nº 13/2001.

28 28 A concentração de renda faz do Brasil um país com uns dos piores índices de desenvolvimento humano do mundo 56. Dessa forma, tem-se em vista que quem escraviza, não é apenas o fazendeiro infrator, mas também é o capital desumano, vez que implica na exploração do homem pelo homem, que por sua vez é resultado da globalização econômica, fazendo disso não somente um problema do Brasil, mas um problema de todo o mundo. 57 Assim, dos vinte municípios com os piores IDHs no Brasil, dezesseis, portanto, estão situados onde há incidência de 80% do trabalho escravo do país. 58 Logo, o aliciamento criminoso de pessoas se vale da pouca educação das vítimas, assim como se vale da fome e da falta de oportunidade de emprego que garanta a subsistência do cidadão 59. Tendo por base o ponto de vista estabelecido no parágrafo anterior, não seria incorreto afirmar que existe, hoje em dia, uma ideologia que visa humanizar as coisas, ou seja, é dado mais valor a bens materiais, às riquezas, deixando de lado os valores, a moral e o respeito pelos seres humanos, ao passo que é dada ao homem característica de coisa, uma vez que o explora e descarta após desfrutá-lo ao máximo. Assim, pode-se dizer que esta ideologia também é culpada pela prática escravocrata persistente no Brasil COSTA, Flávio Dino. FÓRUM SOCIAL MUNDIAL 2003: Anais da Oficina Trabalho Escravo: Uma Chaga Aberta. Brasília: OIT, 2003, p CALDAS, Roberto de Figueiredo. FÓRUM SOCIAL MUNDIAL 2003: Anais da Oficina Trabalho Escravo: Uma Chaga Aberta. Brasília: OIT, 2003, p COSTA, Flávio Dino. FÓRUM SOCIAL MUNDIAL 2003: Anais. P Op. Cit. 59 DODGE, Raquel Elias Ferreira. FÓRUM SOCIAL MUNDIAL 2003: Anais. P.50. Op. Cit. 60 COSTA, Flávio Dino. FÓRUM SOCIAL MUNDIAL 2003: Anais. P.47. Op. Cit.

29 29 4 AS ORIGENS DO DIREITO DO TRABALHO E A LEGISLAÇÃO TRABALHISTA INTERNACIONAL E BRASILEIRA: O trabalho sempre foi o elemento de distinção das posições sociais, econômicas e políticas dos indivíduos. No entanto, na pré-história, a forma de trabalho era determinada pela idade, ou seja, os mais velhos, por já terem cumprido sua função e terem sido úteis à tribo quando novos, usufruíam o trabalho dos mais jovens, sem, contudo, que houvesse uma exploração de cunho econômico, pois, nesse caso, o que existia era apenas uma rotina que se seguia em virtude de tempo 61. É na sociedade escravagista que se verifica, pela primeira vez, a exploração do trabalho de uma forma abrangente, uma vez que os mais poderosos submetiam determinadas pessoas a situações degradantes por meio de coação física ou, ainda, por coação econômica. Por exemplo, na Democracia Direta Ateniense, de poucos séculos Antes de Cristo, o trabalho escravo era considerado indispensável e aceitável, uma vez que precisavam de indivíduos para a realização das atividades mais desgastantes, enquanto seus donos se dedicavam ao desenvolvimento do intelecto. Assim, eram escravizados os inimigos de guerras por eles vencidos, e também pessoas que eram consideradas cidadãs anteriormente e que acabaram empobrecendo, tudo isso sob o argumento de que necessitavam de mais tempo para o estudo 62. A sociedade Romana utilizou-se do trabalho escravo como uma forma de consolidar sua potência perante as pessoas de todas as localidades, o que amedrontava as demais 61 COUTINHO, Grijalbo Fernandes. Competência da justiça do trabalho para julgar os crimes contra a organização do trabalho. Disponível em: <http://www.oitbrasil.org.br/trabalho_forcado/brasil/documentos/palestra_drgrijalbo_oit.pdf>. Acesso em: 23 dez Ibidem. 62 Ibidem.

30 30 nações, em razão do poder que esta tinha em decorrência de suas conquistas e domínio de grande parte do mundo, pois tornou muitos Estados soberanos em províncias romanas. Dessa forma, percebe-se que a História da Antiguidade está fortemente vinculada e entrelaçada com o serviço forçado de pessoas que se submetiam ao trabalho escravo por diversos motivos, ou seja, por serem inimigos de guerra capturados, pessoas pobres, bandidos, estrangeiros etc 63. Nos demais modelos de sociedade que se deram após este período, o trabalho dos seres humanos passou a ser explorado, mas com características diferentes da escravidão. Como exemplo pode-se citar a Idade Média, onde surgiu a figura do servo caracterizando o feudalismo que consistia, basicamente, na submissão de vassalos - por serem economicamente menos favorecidos - em relação aos senhores proprietários de terras, que, além de riquezas, tinham o apoio da nobreza 64. Contudo, formas diversas de trabalhos surgiram com o advento das Cruzadas, que veio a proporcionar uma expansão do comércio, fazendo com que uma nova classe social surgisse. Essa nova classe era a detentora do poder econômico, uma vez que as novas rotas comerciais fizerem com que inúmeras pessoas se tornassem ricas, formando, assim, a burguesia, que veio a derrubar o sistema do feudalismo vigente até então 65. Dentro desse contexto, vem à tona o movimento do iluminismo, que vislumbrava e detectava a impossibilidade de uma convivência pacífica entre o regime capitalista 63 COUTINHO, Grijalbo Fernandes. Competência da justiça do trabalho para julgar os crimes contra a organização do trabalho. Disponível em: <http://www.oitbrasil.org.br/trabalho_forcado/brasil/documentos/palestra_drgrijalbo_oit.pdf>. Acesso em: 23 dez Ibidem. 65 Ibidem.

31 31 da liberdade individual e a ordem política dos reis, e foi assim que se deu impulso para a ocorrência da Revolução Francesa 66. A revolução Industrial da Inglaterra firmou o capitalismo, contudo de uma forma diversa, caracterizando uma outra fase, revelando, contudo, outras maneiras de exploração de trabalho, por meio de longas jornadas de atividades laborais, trabalho de mulheres e crianças sem nenhuma proteção social etc. Com as reações contra esta exploração surgiram as primeiras legislações com o fim de proteger o trabalho e suas relações. Nesse contexto, importante foi Marx, o maior crítico do capitalismo, ao vislumbrar no excedente da força de trabalho não remunerada pelos patrões - Mais Valia toda a base de sustentação deste sistema econômico. Assim, Marx lutava pelo fim das classes sociais e a instauração do socialismo e, posteriormente, do comunismo 67. Em suma, o Direto do trabalho surgiu da reação da classe operária aos abusos do capitalismo, atendendo também ao receio da burguesia que se viu amedrontada com o comunismo na Europa 68, isto é, a legislação trabalhista surgiu, basicamente, dos resultados da Revolução Industrial, dos efeitos da entrado do Estado Neoliberalista (que passou a intervir na liberdade das partes da relação de trabalho) e da reivindicação, mais do que justa, dos trabalhadores à suas proteções COUTINHO, Grijalbo Fernandes. Competência da justiça do trabalho para julgar os crimes contra a organização do trabalho. Disponível em: <http://www.oitbrasil.org.br/trabalho_forcado/brasil/documentos/palestra_drgrijalbo_oit.pdf>. Acesso em: 23 dez Ibidem. 68 Ibidem. 69 COSTA, Wagner Veneziani; Valter Roberto Augusto; Marcelo Aquaroli. Novo Exame de Ordem. São Paulo: Madras, Pg. 231.

32 32 No Brasil, devido ao atraso de sua economia, o fenômeno do surgimento do Direito do Trabalho foi retardado, tendo sido a mão-de-obra escrava utilizada durante três séculos e meio. As primeiras leis brasileiras de proteção social surgiram na transição do Século IX para o XX, com a reunião de todas essas leis na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), em No ano de 1946 houve a integração da Justiça do Trabalho ao poder judiciário, retirando-lhe o caráter administrativo que lhe era próprio 70. Como a escravidão foi extinta, a partir do novo modelo de economia vigente no país, passaram a surgir novas formas de se escravizar um indivíduo. Contudo, no Código Penal Brasileiro não há uma definição de trabalho escravo, e sim de redução à condição análoga a de escravo, sendo que o mesmo se pode dizer com relação às convenções internacionais. Assim, vêse que há uma definição legal a respeito da escravidão onde o conceito de trabalho escravo e trabalho servil a ele está vinculado 71. O fato de escravizar cidadãos foi um dos primeiros assuntos tratados pela Sociedade das Nações, consolidada em 1919, que, em 1926, adotou uma Convenção que proibia toda e qualquer prática de trabalho escravo e, também o tráfico de seres humanos para tal fim. Nela a escravidão vem definida como o estado ou condição de um indivíduo sobre o qual se exercitam os atributos do direito de propriedade ou algum deles. Vale lembrar, ainda, que as 70 COUTINHO, Grijalbo Fernandes. Competência da justiça do trabalho para julgar os crimes contra a organização do trabalho. Disponível em: <http://www.oitbrasil.org.br/trabalho_forcado/brasil/documentos/palestra_drgrijalbo_oit.pdf>. Acesso em: 23 dez CASTILHO, Ela Wiecko V. de. Em busca de uma definição jurídico-penal de trabalho. Disponível em: <http://www.pgr.mpf.gov.br/pgr/pfdc/grupos_encerrados/trab_escravo/documentos/wiecko.pdf>. Acesso em: 23 nov

33 33 partes contratantes, no caso dessa convenção, ficam responsabilizadas, contudo, por evitar situações análogas à escravidão, caso se utilizem trabalho obrigatório ou forçado 72. Quanto ao trabalho forçado, a OIT adotou o Convênio nº 29, mediante o qual os Estados ratificantes ficam obrigados a extinguir a prática do trabalho forçado ou obrigatório, seja qual for sua forma, salvo, apenas, em caso de serviço militar, dos trabalhos realizados em carceragem etc, ou seja, aqueles impostos pelo Estado. Aí se vê a diferença entre trabalho forçado ou obrigatório, do trabalho escravo. Este último priva o cidadão de sua liberdade, ao passo que os primeiros são formas de trabalho compulsórias, ou seja, o Estado obriga as pessoas a realizarem certo tipo de trabalho por determinado tempo 73. Em 1948 as Nações Unidas assinaram a Declaração Universal dos Direitos do Homem, a qual afirma, em seu artigo 4º que "Ninguém será mantido em escravidão ou servidão; a escravidão e o tráfico de escravos são proibidos em todas as formas". Como conseqüência foi adotada, em 1956, uma Convenção suplementar que acabou ampliando o conceito de trabalho forçado, ao incluir "as instituições e práticas análogas à escravidão de 1926 tais como a servidão da gleba, a servidão por dívida, formas servis de casamento, exploração da prostituição, exploração de crianças e adolescentes. Em 1957, foi aplicado o convênio nº 105, abolindo a prática de trabalho forçado 74. No ano de 1975, foi estabelecido, pelo Conselho Econômico e Social das Nações Unidas, um grupo de trabalho, composto de cinco membros representantes de cada uma 72 Ibidem. 73 CASTILHO, Ela Wiecko V. de. Em busca de uma definição jurídico-penal de trabalho. Disponível em: <http://www.pgr.mpf.gov.br/pgr/pfdc/grupos_encerrados/trab_escravo/documentos/wiecko.pdf>. Acesso em: 23 nov Ibidem.

34 34 das cinco regiões geopolíticas, com intuito de tratar das formas contemporâneas de escravidão, fazendo deste uma Subcomissão da Comissão de Direitos Humanos, que se reúne de ano em ano para examinar os casos que lhe são confiados. Assim, podem participar das reuniões deste grupo, como observadores, os representantes dos Estados-membros, das ONGs reconhecidas e membros dos demais organismos das Nações Unidas. O trabalho deste grupo gerou a tendência que existe hoje no direito internacional, de se fazer conhecer as novas formas de sujeição à escravidão, assim como divulgar e combater as antigas formas que passaram a ser inaceitáveis para a sociedade. E diante disso, vemos que nos documentos internacionais, nada se fala a respeito de escravidão, isto é, não está tipificado em nenhuma Convenção e em nenhum documento a escravidão propriamente dita, uma vez que não encontramos o termo trabalho escravo e sim termos como trabalho forçado, redução à condição análoga à de escravo etc 75. Diante do fato de se saber que em toda escravidão há trabalho forçado, mas que nem todo trabalho forçado é escravidão, no Brasil, nos anos que vão de 1992 a 1994, surge uma discussão entre autoridades governamentais e organizações não-governamentais sobre a existência de forçado ou trabalho escravo, tema que será tratado em outro tópico desta pesquisa. Contudo, novas práticas de escravidão ainda não incorporadas às Convenções continuam surgindo. Tais práticas são observadas pelo grupo de trabalho da ONU e apesar de não estarem descritas nas convenções, poderiam ser integradas à Legislação brasileira 76. Em nosso Código penal, o tipo que criminaliza a escravidão se encontra descrito no artigo 149, sendo este aberto, ou seja, cabe ao juiz definir se é análogo à condição de 75 CASTILHO, Ela Wiecko V. de. Em busca de uma definição jurídico-penal de trabalho. Disponível em: <http://www.pgr.mpf.gov.br/pgr/pfdc/grupos_encerrados/trab_escravo/documentos/wiecko.pdf>. Acesso em: 23 nov Ibidem.

35 35 escravo o fato que se deu. De acordo com o citado artigo, é crime reduzir alguém a condição análoga à de escravo, com pena de reclusão de dois a oito anos. Por tais motivos, não se pode julgar tomando por base uma tipificação fechada, pois impediria o reconhecimento jurisprudencial de novas formas contemporâneas de escravidão. Sendo assim, essas discussões que se travam no plano judiciário e administrativo, a respeito de se caracterizar certas situações que ocorrem nos campos brasileiros como trabalho escravo, não podem ser encaradas como negativas isso porque impediria o reconhecimento, pela coletividade, de novas situações análogas à escravidão. Por isso, é possível se chegar à conclusão de que o problema não está na Lei em si, e sim, na consciência dos patrões que escravizam, dos órgãos e pessoas competentes que se omitem, no sistema social que impõe uma busca incontrolável pelo lucro etc 77. No Brasil, uma nova forma de escravidão contemporânea é a existente entre as relações de trabalho rural, por isso, quando falamos em trabalho escravo, estamos nos referindo a esse tipo de exploração. Contudo, entre as formas de trabalho que devem ser proibidas estão a escravidão na forma da antiguidade Clássica; qualquer modo de servidão que negue a dignidade ou a liberdade do homem, por exemplo, a servidão da gleba; o trabalho forçado tal qual o que ocorreu nos campos de concentração nazistas; qualquer outra forma que se assemelhe à escravidão ou servidão e que negue ou inferiorize a dignidade e a liberdade da pessoa individual CASTILHO, Ela Wiecko V. de. Em busca de uma definição jurídico-penal de trabalho. Disponível em: <http://www.pgr.mpf.gov.br/pgr/pfdc/grupos_encerrados/trab_escravo/documentos/wiecko.pdf>. Acesso em: 23 nov Ibidem.

36 36 5 O SIGNIFICADO DO TERMO ESCRAVIDÃO E A POLÊMICA EXISTENTE A RESPEITO DESSA TERMINOLOGIA: Uma grande discussão que se trava é a respeito do termo correto para a caracterização do crime ora abordado. Uma vez que não há mais escravatura, visto que essa foi abolida, não pode existir um artigo no Código Penal Brasileiro, versando sobre tal prática 79. De 1992 a 1994 houve uma grande discussão a respeito da existência de trabalho forçado e escravo no Brasil. Autoridades governamentais negavam a existência enquanto órgãos não-governamentais apontavam sua ocorrência no país. Foi, entretanto, por meio das pressões internacionais que as autoridades admitiram a prática do crime 80. No entanto, o artigo 149 do Código Penal Brasileiro, que existe desde o século passado, trata do fato de reduzir alguém à condição análoga a de escravo, o que não significa exatamente escravidão, e sim, no caso de servidão por dívida, uma forma de cerceamento da liberdade individual por meio de uma dívida estabelecida, o que força o trabalhador a continuar oferecendo seus serviços no intuito de quitar tal divida que possui com o empregador 81. A essência do crime de trabalho escravo, nos dias de hoje, se encontra na sujeição de uma pessoa à outra, ou seja, no sentido do domínio físico e psicológico. E, assim, 79 PLASSAT, Frei Xavier, coordenador da campanha contra o trabalho escravo da Comissão Pastoral da Terra. Entrevista concedida a Jô Soares. Programa do Jô, 27 abr Disponível em: <http://programadojo.globo.com/>. Obs: Clicar no Link entrevistas. 80 CASTILHO, Ela Wiecko V. de. Em busca de uma definição jurídico-penal de trabalho. Disponível em: <http://www.pgr.mpf.gov.br/pgr/pfdc/grupos_encerrados/trab_escravo/documentos/wiecko.pdf>. Acesso em: 23 nov CONATRAE. Desmascarando as mentiras mais contadas sobre o trabalho escravo no Brasil. Disponível em:<http://www.ilo.org/public/portugue//region/ampro/brasilia/trabalho_forcado/brasil/documentos/mentiras_final.pdf>. Acesso em: 15 dez

37 37 mesmo permanecendo como estado de Direito, a liberdade do escravizado é excluída como fato. Dessa forma, torna-se uma pessoa totalmente submissa à vontade de seu patrão como se fosse um escravo propriamente dito. Destarte, o crime consiste em apoderar-se de um ser humano e reduzilo à condição de coisa, comprando-o, vendendo-o, sem consultar a vontade deste, tornando irrelevante seu consentimento no que tange as suas prestações de serviços 82. Tal vínculo trabalhista é diverso do que era estabelecido entre escravo e patrão no regime escravocrata oitocentista, onde o custo do negro africano era altíssimo. Hoje em dia, o escravo contemporâneo sai a custo quase zero, uma vez que o gato apenas paga o transporte até a fazenda e, se houver, paga também a dívida do trabalhador aliciado em alguma pensão, iniciando, assim, a referida dívida, vez que o gasto com o transporte, alimentação, alojamento e materiais de trabalho serão anotados no caderno de dívida que fica na posse do gato. Mesmo assim, diante das agressões, privação da liberdade e desprezo, a dignidade do ser humano é roubada, assemelhando-se, nesse ponto, com a escravidão do Brasil Colonial 83. Além do Artigo 149 do Código Penal, existe, também, a legislação trabalhista aplicada no meio rural, lei 5.888, desde a década de 70. Há, ainda convenções e acordos internacionais que tratam da polêmica da escravidão contemporânea, como por exemplo, as convenções internacionais de 1926 e de 1956, que versam sobre a proibição da servidão por dívida, e que entraram em vigor no Brasil no ano de Existe, além disso, as convenções 29 e 105, da OIT, datadas de 1930 e 1957, respectivamente, que tratam deste mesmo tema, e, para 82 OLIVEIRA, Neide M.C. Cardoso de. Atuação do MPF em relação ao crime de trabalho Escravo. Disponível em: <http://www.ilo.org/public/portugue/region/ampro/brasilia/trabalho_forcado/brasil/documentos/mpft.pdf>. Acesso em: 13/12/ CONATRAE. Desmascarando as mentiras mais contadas sobre o trabalho escravo no Brasil. Disponível em:<http://www.ilo.org/public/portugue//region/ampro/brasilia/trabalho_forcado/brasil/documentos/mentiras_final.pdf>. Acesso em: 15 dez

38 38 finalizar, verifica-se, ainda, a Declaração de Princípios e Direitos Fundamentais do Trabalho e seus Seguimentos, de Dessa forma, não se pode falar em dúvida quanto à terminologia e tentar eximir a culpa dos fazendeiros adeptos de tal prática criminosa, por acreditar que a Lei não explica detalhadamente o que é o Trabalho Escravo e, por isso, os empresários não sabem o que é proibido fazer. Contudo, tais empresários são pessoas instruídas e conscientes, de forma que suas fazendas e empresas possuem assessoria jurídica, assim como uma assessoria contábil de alto nível, uma vez que, em boa parte dos casos, são os grandes latifundiários que praticam a escravidão mascarada pela dívida. Por isso, não se pode negar o fato de que manter um trabalhador em situações precárias de moradia, alimentação e submetê-los a um trabalho degradante afronta no mínimo os direitos fundamentais de um cidadão, o que já se tornaria uma infração. Como se vê, o conceito de trabalho escravo é universal e o conceito legal é mais do que claro 84. De qualquer maneira, todos nós sabemos o que é escravidão, e também sabemos as condições mínimas necessárias para não ferir a dignidade de uma pessoa. Além do mais, o artigo 149, CP, em seu parágrafo único, considera como condição análoga à de escravo, submeter uma pessoa à vontade de outra pelo uso de fraude, violência ou por intermédio da privação de direitos sociais, assim como a dos direitos individuais; ameaça, ou qualquer meio diverso que torne impossível a hipótese da pessoa se tornar livre da situação em que é mantida 85. As inúmeras modalidades de trabalho forçado pelo mundo possuem dois pontos em comum, que são o uso da coação, assim como a negação da liberdade. Em nosso país, a 84 CONATRAE. Desmascarando as mentiras mais contadas sobre o trabalho escravo no Brasil. Disponível em:<http://www.ilo.org/public/portugue//region/ampro/brasilia/trabalho_forcado/brasil/documentos/mentiras_final.pdf>. Acesso em: 15 dez COSTA, Flávio Dino de Castro. Combate ao Trabalho Forçado no Brasil: Aspectos Jurídicos. Documento enviado por Rachel Maria Andrade Cunha, assessora da SEDH.

39 39 soma do trabalho degradante com a privação da liberdade resulta na prática ora em questão, sendo que o termo utilizado pela OIT para designar tal prática de servidão por dívida é o termo Trabalho Escravo 86, o grande problema acerca da correta terminologia a ser empregada está no fato de que ao artigo 149 do CP se encontra tipificado no capítulo dos crimes contra a liberdade individual, o que gera confusão tanto no âmbito da competência para apreciar tais crimes, como na esfera trabalhista, e assim, muitos fazendeiros se escusam desta prática utilizando o argumento de que a lei não explica corretamente o que vem a ser a escravidão contemporânea 87. No entanto, importante é que fique explicito que ao se falar em trabalho escravo, venha em mente, de imediato, a servidão por dívida, de acordo com os termos utilizados pela OIT. 86 CONATRAE. Desmascarando as mentiras mais contadas sobre o trabalho escravo no Brasil. Disponível em:<http://www.ilo.org/public/portugue//region/ampro/brasilia/trabalho_forcado/brasil/documentos/mentiras_final.pdf>. Acesso em: 15 dez COSTA, Flávio Dino de Castro. Combate ao Trabalho Forçado no Brasil: Aspectos Jurídicos. Documento enviado por Rachel Maria Andrade Cunha, assessora da SEDH.

40 40 6 AS PRINCIPAIS CAUSAS DA PRÁTICA DO TRABALHO ESCRAVO CONTEMPORÂNEO NO BRASIL: Para tentar esclarecer os motivos que levam empresários rurais à práticas escravocratas, serão expostas, a seguir, algumas das causas mais comuns que perpetuam o crime em enfoque. 6.1 Impunidade: Ao falarmos em trabalho escravo, vamos de encontro a bens jurídicos fundamentais, consagrados pela Constituição Federal, que garantem a dignidade da pessoa humana e os valores sociais do trabalho. Nesse sentido, é importante que se use de alguns artifícios jurídicos para tentar combater o problema da impunidade como causa de escravidão moderna 88. Como se sabe, as sanções fora da área penal são insuficientes por si só no combate ao trabalho escravo, inclusive do ponto de vista econômico, o que derruba o pensamento de que as penas que atingem as contas bancárias do fazendeiro seriam eficazes na luta contra o crime em questão. Por isso, a intervenção do direito penal torna-se extremamente necessária, para que se evite uma linha de raciocínio, como se tem hoje, de custo-benefício por parte de certos empresários rurais, que acham compensatório escravizar pessoas, pois sabem que na pior das hipóteses receberão sanções de cunho econômico que, uma vez pagas, restaria somente como mais um custo de produção COSTA, Flávio Dino de Castro. Combate ao Trabalho Forçado no Brasil: Aspectos Jurídicos. Documento enviado por Rachel Maria Cunha, assessora da SEDH. 89 Ibidem.

41 41 A Justiça do Trabalho da 8ª Região condenou uma fazenda em 30 mil reais, e também duas Fazendas em 60 mil reais, sendo que este dinheiro vai para o FAT Fundo de Amparo ao Trabalhador. Além dessas condenações, em 2002 a Vara itinerante 90 renovou as esperanças do Ministério Público do Trabalho, ao se deslocar para dentro das fazendas, e lá se proceder ao pagamento dos direitos trabalhistas das pessoas que ali se encontram. Isso tudo graças à produção da petição que é feita na hora, recebida pela Vara tendo, logo, a decisão e a autorização judicial do bloqueio da conta do fazendeiro que se dá por meio de um notebook. Dessa forma é enviado um avião com o valor bloqueado e a partir daí é feito o pagamento dos direitos trabalhistas das pessoas escravizadas 91. Mesmo com o intuito de punir os escravocratas, por parte da Justiça do Trabalho, o uso do trabalho escravo ainda é lucrativo, pois, para os fazendeiros, essa prática barateia a mão-de-obra, otimizando seus lucros, de forma que ainda ficam, de certa maneira, seguros uma vez que poucos infratores são denunciados por manter trabalhadores nessas situações em suas fazendas 92. Torna-se, então, necessária a intervenção do Direito Penal nas relações escravocratas, como forma de intimidação, prevenção e retribuição à conduta ilícita praticada. Nesse sentido, cabem as palavras de Nicolao Dino de Castro e Costa Neto ao dizer que [...] Direito Penal exerce papel relevante na proteção dos valores fundamentais. Irradia seus efeitos, destarte, em relação aos comportamentos que ofendem os bens mais caros da coletividade Vide p PEREIRA JÚNIOR, Loris Rocha. FÓRUM SOCIAL MUNDIAL 2003: Anais da Oficina Trabalho Escravo: Uma Chaga Aberta. Brasília: OIT, 2003, p CONATRAE. Desmascarando as mentiras mais contadas sobre o trabalho escravo no Brasil. Disponível em:<http://www.ilo.org/public/portugue//region/ampro/brasilia/trabalho_forcado/brasil/documentos/mentiras_final.pdf>. Acesso em: 15 dez Apud COSTA, Flávio Dino de Castro. Combate ao Trabalho Forçado no Brasil: Aspectos Jurídicos. Documento enviado por Rachel Maria Andrade Cunha, assessora da SEDH.

42 42 Contudo, a aplicação penal nesses casos, torna-se difícil mesmo com as tipificações do Código Penal Pátrio, a saber, artigo 149, 203 e 207, além das diversas leis, tratados e convenções assinados com o intuito de se prevenir e erradicar o trabalho escravo. Isso porque existe uma certa dúvida que paira sobre a interpretação do artigo 149, CP, que versa sobre o crime de reduzir alguém à condição análoga a de escravo, uma vez que o conteúdo do artigo é considerado vago sendo que, somente quando pessoas fossem encontradas acorrentadas em uma senzala oitocentista haveria a configuração do crime 94. Entretanto esse absurdo é contestado por Cezar Bitencourt 95 ao relatar que: os meios ou modos para a prática do crime são os mais variados possíveis, não havendo qualquer limitação legal nesse sentido; o agente poderá praticá-lo, por exemplo, retendo os salários, pagando-os de forma irrisória, mediante fraude, fazendo descontos de alimentação e habitação desproporcionais aos ganhos, com violência ou grave ameaça etc. Diante de tal descaso referente à interpretação do citado artigo do Código Penal, necessária se torna uma alteração na legislação existente, com o objetivo de superar as equivocadas formas de interpretação que giram entorno desse tipo penal 96. Não obstante, esse tema será tratado adiante. Algumas pessoas se apóiam no aspecto cultural para redimir a culpa do fazendeiro infrator, contribuindo, ainda mais, para a impunidade 97. Sendo assim, afirmam que é um costume da região a contratação de trabalhadores somente por um curto período. No entanto há uma imensa diferença entre os empregadores que fazem um contrato de trabalho de curta 94 COSTA, Flávio Dino de Castro. Combate ao trabalho forçado no Brasil: Aspectos Jurídicos. Documento enviado por Rachel Maria Andrade Cunha, assessora da SEDH. 95 Apud COSTA, Flávio Dino de Castro. Combate ao trabalho forçado no Brasil: Aspectos Jurídicos. Op.Cit. 96 COSTA, Flávio Dino de Castro. Combate ao trabalho forçado no Brasil: Aspectos Jurídicos. Op.Cit. 97 CONATRAE. Desmascarando as mentiras mais contadas sobre o trabalho escravo no Brasil. Disponível em:<http://www.ilo.org/public/portugue//region/ampro/brasilia/trabalho_forcado/brasil/documentos/mentiras_final.pdf>. Acesso em: 15 dez

43 43 duração sem assinar carteira trabalhista, mas sem deixar de pagar os direitos do trabalhador e fazendeiros que mantém pessoas trabalhando em sua propriedade, vinculados a esse trabalho em virtude de uma dívida empreitada pelo gato e pela coação física e moral, sem a possibilidade de deixar o local onde se encontram. O empregador honesto cumpre todas as normas relativas à segurança e saúde, respeitando a dignidade do trabalhador, ao passo que o infrator submete as pessoas a condições subumanas, sem direito à saúde, higiene, alojamento decente, tampouco segurança em seu local de trabalho 98. É justamente pelo que foi exposto no parágrafo anterior que o desrespeito à dignidade e o cerceamento da liberdade não podem ser vistos e encarados como manifestação cultural de uma determinada região, mas sim como uma imposição da vontade daqueles que possuem maior poder econômico e social, vontade esta movida pela busca insaciável pelo lucro, gerada pelo modo capitalista de pensar dos tempos atuais. Se realmente fosse parte da cultura local, tal crime seria praticado por quase todos os fazendeiros da região, o que não se pode afirmar, vez que somente alguns fazendeiros utilizam o trabalho escravo, reiteradamente, em suas propriedades 99. Contudo, não podemos deixar de lado certas relações de trabalho que realmente fazem parte da cultura da região, sem que configure trabalho escravo, é o caso em que se dá esse tipo de relação em propriedades abertas, sem cerceamento da liberdade e sem interferência dos 98 TAVARES, Rodolfo. II Jornada de debates sobre Trabalho Escravo.Brasília, STJ, 23 e 24 nov CONATRAE. Desmascarando as mentiras mais contadas sobre o trabalho escravo no Brasil. Disponível em:<http://www.ilo.org/public/portugue//region/ampro/brasilia/trabalho_forcado/brasil/documentos/mentiras_final.pdf>. Acesso em: 15 dez

44 44 capangas do local, mas que possui condições de trabalho precárias, sendo que este é o meio oferecido pelo mercado de trabalho e pela cultura a esse povo 100. Outro fator que contribui diretamente para a continuidade da impunidade, ocorre em função da reciprocidade e apoio, muitas vezes existente, entre fazendeiros e agentes do Estado, fazendo com que muitos infratores sejam encobertos por quem necessita da influência destes para que continuem em seus cargos; ou ainda por repressão vinda desses proprietários rurais que passam a fazer ameaças à vida dos agentes estatais e das suas famílias e estes, por medo, se omitem, contribuindo, destarte, com o déficit de denúncias nesse caso 101. Vários são os casos de ameaças a Auditores Fiscais, Juízes, Delegados e promotores que atuam na luta pela repressão do trabalho escravo. Dentre os vários exemplos, vale mencionar o Juiz Jorge Ramos Vieira, que atuava como juiz do trabalho na comarca de Paraupebas, PA, que foi ameaçado de morte, por várias vezes, devido sua atuação no combate ao trabalho escravo, comprovando, mais uma vez que, quem escraviza, além de desrespeitar os direitos do cidadão, desrespeita, também a Constituição Federal, vez que esta assegura os referidos direitos. Segundo este magistrado, os escravagistas do sul do Pará estão rindo à-toa porque se livraram de autoridades que estavam lhes impondo a lei 102. A impunidade não pode ser justificada pela idéia que se tem da impossibilidade de aplicação da lei trabalhista na região de fronteira agrícola amazônica, sob o 100 CASTILHO, Ela Wiecko V. de. Em busca de uma definição jurídico-penal de trabalho. Disponível em: <http://www.pgr.mpf.gov.br/pgr/pfdc/grupos_encerrados/trab_escravo/documentos/wiecko.pdf>. Acesso em: 23 nov COSTA, Flávio Dino. FÓRUM SOCIAL MUNDIAL 2003: Anais da Oficina Trabalho Escravo: Uma Chaga Aberta. Brasília: OIT, 2003, p TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO. Notícias do Tribunal Superior do Trabalho. Disponível em: <http://ext02.tst.gov.br/pls/no01/no_noticias.exibe_noticia?p_cod_noticia=2944&p_cod_area_noticia=ascs>. Acesso em: 23 ago

45 45 pretexto de que isso geraria desemprego na região. A partir do momento em que se tem necessidade de aplicação de mão-de-obra humana, deverá ser seguida a risca a lei que protege as relações de trabalho. Com isso, todo empregador que não contratar trabalhadores rurais sob os ditames de tal lei, ficará sujeito às sanções penais, administrativas e trabalhistas, em virtude da violação dos preceitos legais impostos a ele 103. Os dispositivos legais que proíbem a prática de trabalho escravo no Brasil estão enraizados na Constituição Federal de 1988, em seu artigo 5º, caput, e incisos II e XIII. Quanto ao Código Penal, esse tema é tratado pelo artigo 149, assim como pelo 197, inciso I. A Lei nº 9.777, datada de 29 de dezembro de 1998, veio alterar os artigos 132, 203, e 207 do Código Penal Brasileiro, contudo, versa sobre o tema da frustração dos direitos trabalhistas e do aliciamento de pessoas para levá-las a outro local do território nacional 104. No setor internacional do combate ao crime ora abordado, o Brasil tornou-se signatário de certos documentos, a saber, Convenção das Nações Unidas sobre Escravatura (1926), ratificada pelo país no ano de 1966 e promulgada pelo Decreto nº ; Convenção Suplementar sobre a Abolição da Escravatura (1956); Convenção nº 29 da Organização Internacional do Trabalho (1930), ratificada em 1957 e promulgada pelo Decreto ; Convenção nº 105 da Organização Internacional do Trabalho (1957), ratificada em 1965 e 103 CONATRAE. Desmascarando as mentiras mais contadas sobre o trabalho escravo no Brasil. Disponível em:<http://www.ilo.org/public/portugue//region/ampro/brasilia/trabalho_forcado/brasil/documentos/mentiras_final.pdf>. Acesso em: 15 dez CACCIAMALI, Maria Cristina; Flávio Antonio Gomes Azevedo. Trabalho forçado: exclusão ou opção pela inclusão? Disponível em: <www.ilo.org/public/portugue/region/ampro/brasilia/trabalho_forcado/brasil/documentos/artigo_f.pdf>. Acesso em: 16 nov

46 46 promulgada pelo Decreto nº ; assim como a Declaração sobre os Princípios e os Direitos fundamentais no Trabalho, da OIT, adotada em Como já foi dito, são formas análogas à escravidão, de acordo com as opiniões internacionais, a que se dá de forma semelhante da praticada na Antiguidade Clássica; modos de servidão que privem a liberdade ou neguem a dignidade da pessoa individual; o trabalho forçado como, por exemplo, o que se deu nos campos de concentração nazistas, assim como qualquer outra situação equivalente à servidão ou escravidão, desrespeitando e negando a dignidade e a liberdade do ser humano. Isto posto, vale ressaltar que pelas convenções internacionais a escravidão por dívida no meio rural brasileiro se caracteriza como forma análoga à escravidão, de tal sorte que no Brasil, os defensores dos direitos humanos queixam-se, não da falta de leis nacionais contra tal prática, mas da falta de uma definição legal dessas situações semelhantes à escravidão, para que haja a punição dos infratores pelo sistema penal - porque a falta da definição torna-se uma desculpa para o fazendeiro, vez que este alega a falta de clareza da Lei - reduzindo, assim, a impunidade existente. 106 Mesmo com a existência de todos os preceitos contra o trabalho escravo, citados nos parágrafos anteriores, muitos fazendeiros não se sentem sujeitos à legislação e, por isso, continuam escravizando, tendo por base a idéia de que não podem ser punidos, fazendo assim, ameaças contra quem se dedica ao trabalho de repressão à essa atitude 107. Sabe-se, 105 CACCIAMALI, Maria Cristina; Flávio Antonio Gomes Azevedo. Trabalho forçado: exclusão ou opção pela inclusão? Disponível em: <www.ilo.org/public/portugue/region/ampro/brasilia/trabalho_forcado/brasil/documentos/artigo_f.pdf>. Acesso em: 16 nov CASTILHO, Ela Wiecko V. de. Em busca de uma definição jurídico-penal de trabalho. Disponível em: <http://www.pgr.mpf.gov.br/pgr/pfdc/grupos_encerrados/trab_escravo/documentos/wiecko.pdf>. Acesso em: 23 nov MELO, Luis Antonio Camargo. II Jornada de debates sobre Trabalho Escravo. Brasília, STJ, 23 e 24 nov

47 47 entretanto, que todo e qualquer homem pode cometer crimes e sabe-se, também, que a sociedade sempre luta a favor da conservação das ações que ocorrem de forma normal e não agressivas no cotidiano. Assim, sempre haverá uma reação social contra as ações que ameacem ou contrariem a população, definindo, então, as ações ilícitas que podem ser cometidas. Nesse sentido, pode-se afirmar que a pena é vista pelas pessoas como uma forma de defesa social e que, por isso, não pode deixar de ser aplicada, caracterizando-se como meio de prevenção e de repressão às atitudes ofensivas ao meio social 108. Dentro deste contexto de impunidade, sabe-se que a presença do Estado na região de fronteira agrícola sempre existiu, vez que os empréstimos e financiamentos subsidiados aos empreiteiros agrícolas sempre foram realizados, com o intuito de promover o pregresso. Por isso, não se pode dizer que a falta de punição é culpa da ausência do Governo, vez que este sempre se manifestou no local 109. Entretanto, o desenvolvimento econômico brasileiro, que é uma das metas do Governo, exige um certo nível de ética, o que torna inaceitável o fato de haver um uma ligação entre tal desenvolvimento e as práticas ilícitas de escravidão 110. Assim, inadmissível é aceitar a exploração humana em prol do desenvolvimento agrário 111, sendo que a impunidade deve ser combatida pelo Estado que, por muito tempo, se tornou omisso em relação à defesa dos economicamente desfavorecidos da região, favorecendo apenas os fazendeiros com o intuito de se obter avanços para o país, deixando de lado certas questões relacionadas aos direitos humanos dos cidadãos. No entanto, o Estado vem mudando seu foco de atenção e, hoje em dia, empenha 108 ANDRADE, Vera Regina de. A ilusão de Segurança Jurídica: Do controle da violência à violência do controle penal. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 1997, p CONATRAE. Desmascarando as mentiras mais contadas sobre o trabalho escravo no Brasil. Disponível em:<http://www.ilo.org/public/portugue//region/ampro/brasilia/trabalho_forcado/brasil/documentos/mentiras_final.pdf>. Acesso em: 15 dez ROSSETO, Edson Carvalho Vidigal. II Jornada de debates sobre Trabalho Escravo. Brasília, STJ, 23 e 24 nov PEREIRA, Armand.. II Jornada de debates sobre Trabalho Escravo. Brasília, STJ, 23 e 24 nov

48 48 uma luta contra a prática degradante de exploração da mão-de-obra humana, o que significa um avanço para a sociedade 112. De qualquer forma, mesmo existindo as citadas disposições legais contra a prática de trabalho escravo, o número de pessoas condenadas por este crime é muito baixo. Por isso, o volume de casos denunciados cresce enquanto a quantidade de fazendeiros condenados diminui e, assim, o trabalho escravo vem aumentado em virtude de determinados fatores como a instabilidade das condições econômicas que surgem do crescimento econômico desbalanceado; falta de fiscalização por falta de recursos humanos e materiais, assim como a lenta atuação jurídica. O Governo tem a consciência da necessidade de uma punição mais rigorosa e severa, contudo, nada indica que algo realmente eficiente esteja ocorrendo contra a prática deste crime, porque, mesmo havendo planos de combate e erradicação, falta mais incentivo, por parte do Estado, ao combate à escravidão, faltando também maior apoio a quem realmente luta pelo controle desta situação 113. Os processos criminais relativos ao artigo 149 do Código penal, muitas vezes são arquivados sem serem julgados ou até mesmo antes do oferecimento da denúncia, pois a prescrição do crime impede o seguimento das ações. Dentre os raros processos que estão em andamento, pode-se dizer que os fazendeiros acusados da prática delituosa nunca serão julgados, muito menos condenados, em decorrência da demora da conclusão dos inquéritos, da lentidão do judiciário, da falta de testemunhas, permitindo que o acusado fique foragido até que ocorra a 112 CONATRAE. Desmascarando as mentiras mais contadas sobre o trabalho escravo no Brasil. Disponível em:<http://www.ilo.org/public/portugue//region/ampro/brasilia/trabalho_forcado/brasil/documentos/mentiras_final.pdf>. Acesso em: 15 dez CACCIAMALI, Maria Cristina; Flávio Antonio Gomes Azevedo. Trabalho forçado: exclusão ou opção pela inclusão? Disponível em: <www.ilo.org/public/portugue/region/ampro/brasilia/trabalho_forcado/brasil/documentos/artigo_f.pdf>. Acesso em: 16 nov

49 49 prescrição da sua pena o que torna, dessa maneira, evidente a impunidade no meio rural do país. Contudo, não é somente no âmbito penal que a impunidade persiste. Na área trabalhista, as multas devidas não são pagas, muitas vezes nem são cobradas e, além do mais, o valor cobrado desses fazendeiros é, para eles, simplório e, portanto, sem efeito 114. As estatísticas oficiais obtidas são referentes apenas ao número de trabalhadores resgatados pela Fiscalização do Ministério do Trabalho e Emprego, por isso, conclui-se que não há precisão nessa contagem, pois a quantidade de escravos divulgada não condiz com a realidade, uma vez que o crime continua sendo praticado, cada vez mais, por proprietários rurais nos confins do Brasil. A não punição dos infratores, a lentidão dos processos judiciais e a falta de entrosamento entre os órgãos estatais acabam contribuindo para a permanência da prática delituosa no país. E, para finalizar, importante é dizer que, nos raros casos de condenação por esse delito, quem acaba sendo punido é o intermediário, gato ou gerente, ou ainda o pequeno proprietário rural, de forma que o grande produtor, dono de enormes fazendas, nunca é penalizado 115. Para o Ministério público, no entanto, o autor do crime é o empregador final, porque o dono da propriedade rural é o responsável por tudo o que nela ocorre, isso porque se presume que o mesmo visite, ainda que raramente, sua fazenda. Por isso não se pode excluir a responsabilidade penal do fazendeiro até porque este utiliza os serviços de terceiros gatos e gerentes de suas fazendas - para não cumprir as Leis do Trabalho, escravizando indivíduos e 114 MORO, Luiz Carlos, Relator do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil, em seu voto dado em relação ao processo CNDS nº 13/ CACCIAMALI, Maria Cristina; Flávio Antonio Gomes Azevedo. Trabalho forçado: exclusão ou opção pela inclusão? Disponível em: <www.ilo.org/public/portugue/region/ampro/brasilia/trabalho_forcado/brasil/documentos/artigo_f.pdf>. Acesso em: 16 nov

50 50 tendo por fim um lucro maior em sua produção. Estes terceiros, só devem ser denunciados conjuntamente com os patrões quando participam de maneira direta na manutenção dos trabalhadores aliciados em regime de escravidão na fazenda, isto é, quando por meio de ameaças físicas ou psicológicas, impedem que os empregados se libertem da condição de escravo. Há que se observar, também, mais um detalhe para não escusar o fazendeiro do crime em tela, ou seja, há que se esclarecer que esses terceiros também não têm seus direitos trabalhistas observados de forma correta, sendo que o lucro da atividade ilícita fica vinculado apenas ao dono da propriedade rural 116. Assim, a prevenção ao crime fica cada vez mais difícil, de forma que a erradicação se torna cada vez mais distante, sendo que o mais prejudicado diante desta situação é o trabalhador e sua família, e estes não podem ficar dependendo eternamente da atividade do governo uma vez que esta até hoje tem se mostrado ineficiente que procura, com a punição, a solução para o problema e também o resgate da dignidade do trabalhador. No entanto, esta punição não ocorre de forma concreta, o que significa um atraso no emprenho contra o crime de trabalho escravo Capitalismo: Outro fator que contribui para a existência da prática de trabalho escravo no Brasil é a busca, por parte dos empresários rurais, pelo lucro e por uma melhor posição no mercado. Por tal motivo, alguns fazendeiros usam meios ilícitos para alcançar este fim e superar a concorrência diminuindo, para isso, seus gastos pecuniários ao explorar a mão-de-obra de 116 OLIVEIRA, Neide M.C. Cardoso de. Atuação do MPF em relação ao crime de trabalho Escravo. Disponível em: <http://www.ilo.org/public/portugue/region/ampro/brasilia/trabalho_forcado/brasil/documentos/mpft.pdf>. Acesso em: 13/12/ VILELA, Ruth. II Jornada de debates sobre Trabalho Escravo. Brasília, STJ, 23 e 24 nov

51 51 pessoas, sem garantir a estas os direitos trabalhistas devidos, a segurança, a saúde e a dignidade de seus empregados 118. Assim, o capitalismo contribui para tal crime. Mas neste caso, não se fala no capitalismo em sua estrutura, onde aparece o estado Neoliberal intervindo na relação de trabalho para a proteção das partes; não se fala num capitalismo que estabelece a possibilidade de trabalhar e perceber lucros para ter uma vida melhor; mas sim em suas conseqüências, como, por exemplo, a vontade de possuir e consumir cada vez mais, para mostrar um bom status social, faz com que pessoas esqueçam seus valores e passem a agir de forma cruel, sem observar as condições que oferecem para seus empregados. Contudo, além de despertar a ganância em certos indivíduos, pode-se dizer que o trabalho escravo no Brasil teve início a partir do momento em que houve a necessidade de expandir e modernizar o país, dentro de uma perspectiva capitalista (gastar pouco e lucrar muito) de promover a economia e gerar lucros para se obter o desenvolvimento. 119 Portanto, a prática contemporânea de trabalho forçado que se deu no Brasil deve ser tomada a partir de 1966, quando da expansão da fronteira agrícola amazônica. O que ocorreu, na verdade, foi que no período que vai de 1964 a 1985, ou seja, quando vigorava no Brasil a ditadura militar, foi imposto um plano de ocupação econômica da região amazônica, em base consideradas modernas na época. Os pressupostos geopolíticos gerados pela tensão da guerra fria aceleraram a necessidade de ocupação da região e, como a abertura e exploração do 118 CONATRAE. Desmascarando as mentiras mais contadas sobre o trabalho escravo no Brasil. Disponível em:<http://www.ilo.org/public/portugue//region/ampro/brasilia/trabalho_forcado/brasil/documentos/mentiras_final.pdf>. Acesso em: 15 dez MARTINS, J. S., apud CACCIAMALI, Maria Cristina; Flávio Antonio Gomes Azevedo. Trabalho forçado: exclusão ou opção pela inclusão? Disponível em: <www.ilo.org/public/portugue/region/ampro/brasilia/trabalho_forcado/brasil/documentos/artigo_f.pdf>. Acesso em: 16 nov

52 52 território foram feitas sob a ditadura militar, onde havia falta de liberdade e muita repressão, os trabalhadores não podiam nem se quer reclamar das más condições a que eram expostos, pois poderiam ser acusados de subversão a ordem. Entretanto, o objetivo de cunho econômico dessa ocupação, obviamente, também existiu 120. Mesmo estando a região ocupada por tribos indígenas, o medo gerado pela guerra fria, fazia com que ficasse no pensamento da população o lema integrar para não entregar e, com isso, procurava ocupar os espaços tidos como vazios. Acontece que o fundamento econômico usado para ocupar a região não era coerente com a destinação de tal proposta, uma vez que atividade escolhida para a ocupação, a agropecuária, não necessita de muita mão-de-obra e, assim, esvazia o território, uma vez que precisa de amplos pastos para o gado e para a plantação. Contudo, mesmo com essa incoerência, foi esse o modelo adotado pelo Governo e promovido por meio de altos incentivos fiscais. Assim observando, podemos correlacionar as formas modernas de trabalho forçado com a teoria do capital por ser a escravidão moderna um produto do sistema capitalista de produção, aonde se busca gastar o mínimo possível e alcançar o maior lucro que possa existir 121. Os empreendimentos agropecuários de ocupação da fronteira conservaram a tal lógica capitalista de investimento intensivo em dinheiro, visto que esses empreendimentos foram financiados a juros muito baixos e pela capacidade de utilização, de forma forçada e explorada, 120 MARTINS, J. S., apud CACCIAMALI, Maria Cristina; Flávio Antonio Gomes Azevedo. Trabalho forçado: exclusão ou opção pela inclusão? Disponível em: <www.ilo.org/public/portugue/region/ampro/brasilia/trabalho_forcado/brasil/documentos/artigo_f.pdf>. Acesso em: 16 nov CACCIAMALI, Maria Cristina; Flávio Antonio Gomes Azevedo. Trabalho forçado: exclusão ou opção pela inclusão? Disponível em: <www.ilo.org/public/portugue/region/ampro/brasilia/trabalho_forcado/brasil/documentos/artigo_f.pdf>. Acesso em: 16 nov

53 53 da mão-de-obra humana. Logo, dentro das expectativas de combate à exploração do trabalho, posto que, como já foi dito, as fronteiras não são, nesse caso, somente geográficas, mas moveis, versáteis e adaptáveis à história e à historicidade, fica evidente que a prática de trabalho forçado acompanha a dinâmica econômica da reprodução de capital, em prol do lucro visado pelos empreendedores 122. De acordo com a escritora inglesa Binka Le Breton, o modelo de desenvolvimento da Amazônia se deu de forma semelhante à ocupação do Faroeste americano, ou seja, na época houve uma série de más conseqüências, mas, após longo lapso temporal, tal ocupação foi a responsável pela firmação de um continente capaz de oferecer oportunidades para todos que nele habitam. Isso porque a ocupação consistia em dar direito de posse aos pequenos agricultores, e estimular os caubóis a entrarem na terra prometida. Contudo, no Brasil os resultados foram diferentes, principalmente em face do regime militar que estava implantado na época, que pouco entendia sobre a economia de seu país. Assim, a degradação ambiental ocorreu em grandes proporções, até porque essa questão não interessava a quase ninguém, além de ser vista como um empecilho para o desenvolvimento econômico da região. Nesse contexto, importante é citar a tendência que sempre existe da exploração humana seguir e andar lado a lado com a expansão e o desenvolvimento. Assim, diferentemente da ocupação do faroeste americano, a ocupação amazônica se deu de forma errada, uma vez que grande quantidade de dinheiro foi entregue a pessoas inconseqüentes que exploraram toda a região, além das pessoas, sem que fosse levada em conta a degradação local e humana, tudo isso em prol da corrida pelo maior lucro atingível. O grande problema que existe, hoje em dia, é o fato de que não se conseguiu, ainda, encontrar um modo melhor de desenvolvimento da Amazônia, de forma que as explorações 122 Ibidem.

54 54 humanas persistem, forçando o Governo a tomar providências mais adequadas com intuito de achar uma solução e moralizar o interior da Amazônia, uma vez que alguns fazendeiros não respeitam a Lei, tampouco a dignidade humana, tudo isso num local onde falta infra-estrutura, escolaridade para os necessitados e que, em contrapartida, predomina a corrupção e o comodismo de forma que o poder dessas pessoas inescrupulosas implanta o medo em quem realmente se interessa pela causa e tenta solucionar o problema A questão da competência para julgar crimes de trabalho escravo: A escravidão contemporânea caracteriza-se por um sistema perfeitamente integrado, onde cada peça tem seu papel definido, tendo por condições básicas de sua permanência a ganância e o lucro a qualquer custo, as vistas grossas das autoridades, a impunidade de seus operadores, o silencio constrangido da sociedade. Por esses motivos nos últimos oito anos apenas dois fazendeiros foram condenados, de forma que suas penas quando não suspensas foram substituídas por entrega de mantimentos a pobres da região, apenas por poucas semanas, o que não tem muita eficiência, haja vista ser a pena de baixo valor pecuniário, o que não impede a repetição, por parte do empregador, do crime. A situação se agrava ainda mais a partir do momento em que a Justiça Federal, tomando por base uma antiga jurisprudência do STF, passou a negar sua competência e, dessa forma, começou a devolver os casos de trabalho escravo já denunciados para a Justiça Comum. Por isso existe a afirmação de que esses casos serão esquecidos e deixados para trás, sem ocorrer o julgamento devido. Destarte, a impunidade 123 BRETON, Binka Le. Trabalho Escravo a chaga do Brasil aberta para o mundo. Disponível em: <www.ilo.org/public/portugue/region/ampro/brasilia/trabalho_forcado/brasil/documentos/entrevistabinka.pdf>. Acesso em: 21 nov

55 55 do sistema, em face da questão da competência se agrava, configurando-se como um dos principais agentes da persistência deste crime 124. A Constituição Federal de 1988, em seu artigo 109, inciso VI, determina que a competência para julgamento de crimes contra a organização do trabalho é da Justiça Federal, cabendo a apuração à Polícia Federal 125. No entanto, existe uma determinada corrente jurisprudencial que transfere para Justiça Estadual o julgamento desses delitos. O problema é que no âmbito do Poder Judiciário, a competência de processar e julgar esses crimes é dos juízes federais, vez que a questão criminal não cabe ao Ministério Público do Trabalho 126. Tal corrente se baseia no fato de que para o STF, o trabalho forçado contemporâneo, não faz parte dos crimes contra a organização trabalhista, porque não afronta as organizações que visam preservar os direitos e deveres dos trabalhadores, sob uma visão coletiva dos fatos que as envolvem. Por essa razão, são várias as manifestações da Justiça Federal afirmando que a Justiça Comum Estadual deve ser a competente no caso de processo e julgamento dos referidos crimes 127. Diante do que foi dito, importante é ressaltar que no final dos anos 70, o Tribunal Federal de Recursos, que, inclusive, já foi extinto, entendeu que práticas que ofendem a organização geral do trabalho ou dos direitos dos trabalhadores, considerados coletivamente 124 PLASSAT, Fr. Xavier. Direitos humanos no Brasil Relatório da Rede Social de Justiça e Direitos Humanos, em parceria com a Global Exchange, 2002, p CACCIAMALI, Maria Cristina; Flávio Antonio Gomes Azevedo. Trabalho forçado: exclusão ou opção pela inclusão? Disponível em: <www.ilo.org/public/portugue/region/ampro/brasilia/trabalho_forcado/brasil/documentos/artigo_f.pdf>. Acesso em: 16 nov COSTA, Flávio Dino de Castro e. O combate ao Trabalho Forçado no Brasil: aspectos jurídicos. Documento enviado por Rachel Maria Andrade Cunha, assessora da SEDH. 127 SECRETARIA DE ESTADO DOS DIREITOS HUMANOS; ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO. Aperfeiçoamento Legislativo para o Combate ao Trabalho Escravo: oficina de trabalho. Brasília: OIT, 2002, p. 06. Documento enviado por Rachel Maria Andrade Cunha. Assessora da SEDH.

56 56 seriam de competência da Justiça Federal, de modo que qualquer ato que atente contra direito trabalhista individual, sem colocar em risco o conjunto da organização do trabalho, seria de competência da Justiça Estadual 128. in verbis: Assim, o TFR, mediante o aceite do STF, no ano de 82, editou a Súmula nº 115, Compete à Justiça Federal processar e julgar os crimes contra a organização geral do trabalho ou direito dos trabalhadores considerados coletivamente A respeito desta súmula, importante é falar que nenhum dos julgados que levaram à sua formulação se referia a casos de trabalho escravo ou forçado. Contudo, tal súmula acabou se estendendo aos citados casos, sem um estudo específico de suas finalidades. Por isso estamos, no momento atual, com dúvidas oriundas de uma orientação jurisprudencial antiga, da qual não foi feita uma análise adequada a respeito de novos fatos e novas leis que surgiram após a edição da Súmula gerando, assim, a polêmica da competência 129. Entretanto, o legislador de 1988 renovou ao tomar a decisão de incluir os crimes contra a organização do trabalho, sem exceção, à competência da Justiça Federal. De acordo com a Constituição vigente, em seu artigo 21, inciso XXIV, cabe à União organizar e manter a inspeção do trabalho, e isso faz com que a incidência do artigo 190, IV, deste mesmo diploma legal, seja atraído de forma que, uma interpretação feita de maneira sistemática, pode 128 COSTA, Flávio Dino de Castro. Combate ao Trabalho Forçado no Brasil: Aspectos Jurídicos. Documento enviado por Rachel Maria Andrade Cunha, assessora da SEDH. 129 COSTA, Flávio Dino de Castro. Combate ao Trabalho Forçado no Brasil: Aspectos Jurídicos. Documento enviado por Rachel Maria Andrade Cunha, assessora da SEDH.

57 57 levar à conclusão de que sejam crimes contra a organização do trabalho, como cita este último artigo 130. No ano de 1998, novas modalidades de crimes contra a organização do trabalho surgiram e foram adicionados às tipificações do Código Penal pátrio, como podemos citar os artigos 203 e 205, especificadamente seus parágrafos 1º e 2º, o que contribuiu para extravasar o pensamento que vinculava à ofensas apenas individuais. Assim, mesmo que se opte por seguir o enunciado da Súmula 115, estamos diante de uma variedade de tipos penais novos, que tratam de crimes relacionados com direitos coletivos, assim como crimes enlaçados com a organização geral do trabalho 131. Vale ressaltar, ainda, que os crimes contra a organização do trabalho lesam, também, a previdência social e, por isso, os trabalhadores submetidos à situação análoga à de escravo são segurados obrigatórios da previdência social. Dessa forma, é negado a esses trabalhadores não só os direitos trabalhistas essenciais, mas também os previdenciários, de tal forma que isso configura crimes tipificados nos artigos 297 e 337 A, CP. Sendo assim, fica evidenciado um laço existente entre crime que atenta contra a organização do trabalho e contra a liberdade individual, uma vez que em quase todos os relatos se verifica a conexão entre o crime tipificado no artigo 149 do Código Penal e os citados nos artigos 203 e 207, ambos do referido Código, lesando, assim, a previdência social, em virtude da prática da redução à condição análoga à de escravo Ibidem. 131 Ibidem. 132 COSTA, Flávio Dino de Castro. Combate ao Trabalho Forçado no Brasil: Aspectos Jurídicos. Documento enviado por Rachel Maria Andrade Cunha, assessora da SEDH.

58 58 Dessa mesma maneira, ocorre a conexão dos crimes contra a organização do trabalho com outros delitos federais, como o uso do trabalho escravo para desmatamento ilegal em áreas de preservação ou em terrenos indígenas 133. Assim, quem tira proveito da prática de exploração da mão-de-obra humana pratica, também, uma série de outros crimes e contravenções. Um exemplo seria a degradação ambiental onde há incidência de trabalho escravo, vez que esse tipo de exploração, como já foi dito anteriormente, geralmente serve para desmatamento na Amazônia 134. Tomando por base o fato de que o crime descrito no artigo 149, CP, ora em exame, afronta a dignidade da pessoa humana, assim como a liberdade de trabalho, não se pode deixar de falar no evidente desvio da função social da propriedade 135. Tal função social é citada pela Constituição Federal, em seu artigo 186, I, II, III e IV, ao afirmar que a propriedade rural só é assegurada quando esta não deixa de cumprir os requisitos listados neste artigo e em seus respectivos incisos 136. E nesse sentido, importante é frisar que o que foi citado neste parágrafo, isto é, os valores abordados são pecúlios que a União se comprometeu a defender, devendo, assim, ficar sob a responsabilidade da Justiça Federal a competência para julgamento de tais crimes, sendo que o Programa Nacional de Direitos Humanos, lançado em 13 de maio de 2002, veio reforçar a idéia de federalização dos delitos em tela ao estabelecer escopos a fim de regularizar a questão da competência como, por exemplo, a meta de número 403 que surgiu com 133 Ibidem. 134 CONATRAE. Desmascarando as mentiras mais contadas sobre o trabalho escravo no Brasil. Disponível em:<http://www.ilo.org/public/portugue//region/ampro/brasilia/trabalho_forcado/brasil/documentos/mentiras_final.pdf>. Acesso em: 15 dez SECRETARIA DE ESTADO DOS DIREITOS HUMANOS; ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO. Aperfeiçoamento Legislativo para o Combate ao Trabalho Escravo: oficina de trabalho. Brasília: OIT, 2002, p Documento enviado por Rachel Maria Andrade Cunha, assessora da SEDH. 136 KAIPPER, Carlos Henrique. Consultor Jurídico do Ministério do Desenvolvimento Agrário. Desapropriação da fazenda e castanhal Cabaceiras; PA: Um marco na luta pela reforma agrária, pela preservação do meio ambiente e pela regulação das relações de trabalho no campo. Texto enviando, via , por Rachel Maria Andrade Cunha, assessora da SEDH.

59 59 o intuito de sensibilizar juízes Federais para a necessidade de manter no âmbito Federal a competência para julgar crimes de trabalho forçado 137. Trabalho escravo além de ser um problema criminal é também um desrespeito à dignidade humana e um problema previdenciário, sendo que todos esses problemas devem ser velados pela Justiça Federal. A questão da competência para julgar o crime, aliada à baixa pena atribuída a este, tem inibido qualquer ação penal efetiva, pois, se julgado, pode-se abrandar a punição, transformando-a em alternativa, fazendo com que a questão da competência, juntamente com a impunidade gerada por essa indecisão, contribua para a permanência da escravidão, tornando-se um empecilho na tentativa de combate a esse crime A contribuição das precárias condições sociais: Como fator que causa a utilização do trabalho escravo no Brasil, pode-se citar, também, as precárias condições de vida que pairam sobre as vítimas de tal exploração. Assim, há a possibilidade de afirmar, com veemência, que a pobreza possibilita o trabalho escravo 139, de forma que os escravos contemporâneos não deixam de ser vítimas da fome, pois pertencem a grupos vulneráveis de pobreza, sendo que o critério utilizado para escravizar um indivíduo deixa de ser a cor, passando a ser a condição de miséria em que este se encontra 140. Na escravidão contemporânea, não faz diferença se a pessoa é negra, amarela ou branca. Os escravos são miseráveis, sem distinção de cor ou credo. Porém, 137 SECRETARIA DE ESTADO DOS DIREITOS HUMANOS; ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO. Aperfeiçoamento Legislativo para o Combate ao Trabalho Escravo: oficina de trabalho. Brasília: OIT, 2002, p Documento enviado por Rachel Maria Cunha, assessora da SEDH. 138 CONATRAE. Desmascarando as mentiras mais contadas sobre o trabalho escravo no Brasil. Disponível em:<http://www.ilo.org/public/portugue//region/ampro/brasilia/trabalho_forcado/brasil/documentos/mentiras_final.pdf>. Acesso em: 15 dez CAMPOS, Marcelo. II Jornada de debates sobre Trabalho Escravo. Brasília, STJ, 23 e 24 nov DANTAS, Marinalva Cardoso. FÓRUM SOCIAL MUNDIAL 2003: Anais da Oficina Trabalho Escravo: Uma Chaga Aberta. Brasília: OIT, 2003, p. 24.

60 60 tanto na escravidão imperial como na do Brasil de hoje, mantém-se a ordem por meio de ameaças, terror psicológico, coerção física, punições e assassinatos 141. As condições de vida das pessoas que acabam se tornando um escravo são tão precárias que a necessidade que eles passam faz com que qualquer trabalho seja aceito 142. Assim, existem milhares de brasileiros escravizados pela falta de oportunidade na vida, pois nunca tiveram direito à saúde, educação, dinheiro e, por serem essas pessoas pobres, ficam sem alternativas e acabam explorados pela própria pobreza e ignorância, também pela dívida gerada ao ser iludido pelo gato, sendo que grande parte desses trabalhadores vem de locais como Piauí, norte de Minas Gerais, Pernambuco, Tocantins, Ceará, Alagoas e Bahia, ou seja, de lugares onde há grande índice de pobreza e miséria. Depois de aliciados nas citadas localidades, são levados para trabalhar, de forma degradante, na área conhecida por nova fronteira agrícola que fica ao sul do Pará, Maranhão e na parte norte do Mato Grosso. Nessas áreas, a mão-de-obra é usada de forma superexplorada seja nas derrubadas ilegais, na limpeza dos pastos, nas carvoarias etc 143. A concentração de renda se traduz numa desigualdade regional no Brasil de forma que os municípios com piores índices de desenvolvimento humano são os que possuem maior incidência do trabalho escravo, o que mostra que a concentração de riqueza apenas gera 141 CONATRAE. Desmascarando as mentiras mais contadas sobre o trabalho escravo no Brasil. Disponível em:<http://www.ilo.org/public/portugue//region/ampro/brasilia/trabalho_forcado/brasil/documentos/mentiras_final.pdf>. Acesso em: 15 dez MELO FILHO, Hugo Cavalcanti. FÓRUM SOCIAL MUNDIAL 2003: Anais. P. 34. Op. Cit. 143 BRETON, Binka Le. Excertos de seu livro Vidas Roubadas. Brasil 2003: A face Humana da Escravidão. Disponível em: <www.ilo.org/public/region/ampro/brasilia/trabalho_forçado/brasil/documentos/face-humanaescravidao.pdf>. Acessado em 21 nov

61 61 maior sofrimento humano, além de contribuir para a prática escravagista, uma vez que não oferece às pessoas carentes condições mínimas de educação, saúde e emprego digno 144. Contudo, não basta que o governo tome medidas de erradicação do crime por meio de Leis e Emendas Constitucionais, é preciso, também, que se gere a oportunidade de melhoria de vida para que as pessoas fiquem mais esclarecidas a respeito de seus direitos e deveres, sem a necessidade de se subordinar a um trabalho degradante 145. Além da implementação das citadas políticas públicas nos estados fornecedores desse tipo de mão-deobra, é preciso, também, atacar a cadeia produtiva do fazendeiro escravocrata, além de causar impacto na sociedade para que esta passe a dar mais valor a esse problema e, através da força social, se enraizar na defesa dos direitos humanos, contribuindo, assim, para a tentativa de erradicação do crime 146. O trabalhador escravo é o produto da desigualdade, da distribuição de renda, é produto da desigualdade até mesmo na distribuição das terras nesse país. Ele é também o resultado da ineficácia, da ineficiência dos nossos poderes constituídos, do Ministério Público, do Poder Judiciário e do Poder Executivo COSTA, Flávio Dino. FÓRUM SOCIAL MUNDIAL 2003: Anais da Oficina Trabalho Escravo: Uma Chaga Aberta. Brasília: OIT, 2003, p PEREIRA, Armand. II Jornada de debates sobre Trabalho Escravo. Brasília, STJ, 23 e 24 nov PEREIRA JUNIOR, Loris Rocha. FÓRUM SOCIAL MUNDIAL 2003: Anais. P Op. Cit. 147 PEREIRA JUNIOR, Loris Rocha. FÓRUM SOCIAL MUNDIAL 2003: Anais da Oficina Trabalho Escravo: Uma Chaga Aberta. Brasília: OIT, 2003, p. 25.

62 62 7 MÉTODOS DE ERRADICAÇÃO DO CRIME: Por se saber que a dívida que escraviza seres humanos é aquela adquirida quando da suposta contratação para uma temporada de trabalho, sabemos, também, que existe o trabalho escravo, no Brasil, em vários setores, isto é, o crime é identificado nas mais simples áreas de extrativismo, em derrubadas e até nas mais sofisticadas fazendas de gado que, muitas vezes, pertencem a grupos econômicos de conhecimento no mercado internacional. No caso desse crime, existe uma relação onde o empregador acha que possui domínio e direito absoluto sobre a pessoa do empregado e sobre seus serviços, tudo em razão do capitalismo que, segundo os dizeres de José de Souza Martins, leva à formas coercitivas extremadas de exploração do trabalhador, produzidas em momentos e circunstâncias particulares da reprodução do capital 148. Tendo em vista que tais relações ilícitas de trabalho se baseiam na vontade de se obter, de forma rápida, a multiplicação do capital do empregador, importante é dizer que seu combate e erradicação se tornam, a cada dia que se passa, mais difíceis. Isso porque existe uma cadeia de produção entre o fazendeiro e o empregado que solidifica a persistência da prática escravocrata. Tal cadeia, como já foi dito anteriormente, vai da pensionista, passando pelo gato sustentado pelo pistoleiro e apoiado pela dona do bordel, passando, também, pelos policiais que se omitem, pelos transportadores de trabalhadores aliciados até se chegar ao proprietário rural. Assim, sempre que houver, por parte dos fazendeiros, o tratamento de trabalhadores como se fossem mercadorias, as pessoas que formam essa cadeia lucrarão e, dessa forma, continuarão existindo barreiras que dificultarão o trabalho realizado em prol da solução deste problema. Por isso mister é apontar, aqui, que a cadeia somente existe porque não há uma política 148 MARTINS, José de Souza. Fronteira: A degradação do outro nos confins do humano. São Paulo: HUCITEC, 1997, p

63 63 governamental de desenvolvimento e melhoria das condições humanas nesses locais e, assim, pela exploração, pela conveniência, ignorância e comodismo, a cadeia persiste contribuindo para a prática do crime de trabalho escravo. Entretanto, com a solução desses problemas sociais, as pessoas que constituem essa cadeia poderiam ter mais autoconfiança e esperança, de forma que passariam a não aceitar a exploração do próximo, dando um grande passo no empenho que há contra a exploração do trabalho humano 149. O trabalho Escravo desrespeita os Direitos humanos, vez que existe a prática de tortura; é, também, uma afronta à Lei criminal, por haver lesão corporal, cerceamento da liberdade e homicídios, não deixando de ser, destarte, um problema previdenciário 150. Para isso, necessário se torna a criação de meios que busquem a prevenção da prática escravagista no Brasil, uma vez que a submissão de trabalhadores à condição análoga à de escravo afronta todo um sistema de órgãos e instituições federais que tratam de prevenir e reprimir esta prática. A aplicação efetiva e mais severa da pena criminal é necessária, contudo, não se cogita que a simples existência de normas penais seja capaz de erradicar tal exploração, por isso, é importante que haja a atuação conjunta dos sistemas, isto é, que haja a responsabilização civil, administrativa e penal, pois, pela ordem jurídica, seria o combate mais adequado contra o crime ora em questão BRETON, Binka Le. Trabalho Escravo a chaga do Brasil aberta para o mundo. Disponível em: <www.ilo.org/public/portugue/region/ampro/brasilia/trabalho_forcado/brasil/documentos/entrevistabinka.pdf>. Acesso em: 21 nov CONATRAE. Desmascarando as mentiras mais contadas sobre o trabalho escravo no Brasil. Disponível em:<http://www.ilo.org/public/portugue//region/ampro/brasilia/trabalho_forcado/brasil/documentos/mentiras_final.pdf>. Acesso em: 15 dez COSTA, Flávio Dino de Castro. Combate ao Trabalho Forçado no Brasil: Aspectos Jurídicos. Documento enviado por Rachel Maria Andrade Cunha, assessora da SEDH.

64 64 Foi em 1995 que o Brasil assumiu de vez a existência do trabalho escravo no país 152, mesmo tendo, desde a década de 70, buscado soluções para os casos de exploração que eram descobertos 153. Foi a partir do momento em que foi assumida a prática escravagista no país que foi criado o Grupo de Executivo para o Combate ao Trabalho Forçado GERTRAF e o Grupo Especial de Fiscalização Móvel. No atual Governo, foi criado o Plano Nacional para a Erradicação do Trabalho Escravo, ao passo que também foi criada a CONTRAE Comissão Nacional de Erradicação do Trabalho Escravo e dessa forma descobriram que os escravagistas são os grandes latifundiários, que utilizam alta tecnologia em suas fazendas, ou seja, são pessoas esclarecidas e conscientes, que conhecem a legislação e sabem da existência do crime e que, mesmo assim, são capazes de tratar melhor seus gados e plantações do que os seres humanos que trabalham em suas propriedades, realizando o serviço que gerará lucro para seu negócio 154. É notório o fato de que esse não é problema existente somente no Brasil. A escravidão existe em vários países no mundo inteiro e, nesse contexto, é notável e respeitável o empenho realizado pela Organização Internacional do Trabalho no combate às práticas escravocratas do século XXI. No Brasil, o Ministério Público do Trabalho atua conjuntamente com a OIT, sendo que possui em sua organização o já citado Grupo Especial de Fiscalização móvel GEFM que é ligado à Secretaria de Inspeção do Trabalho, funcionando como grande aliado do Grupo Executivo de Repressão ao Trabalho Forçado, pois realiza as operações 152 CONATRAE. Desmascarando as mentiras mais contadas sobre o trabalho escravo no Brasil. Disponível em:<http://www.ilo.org/public/portugue//region/ampro/brasilia/trabalho_forcado/brasil/documentos/mentiras_final.pdf>. Acesso em: 15 dez CASTILHO, Ela Wiecko V. de. Em busca de uma definição jurídico-penal de trabalho. Disponível em: <http://www.pgr.mpf.gov.br/pgr/pfdc/grupos_encerrados/trab_escravo/documentos/wiecko.pdf>. Acesso em: 23 nov CONATRAE. Desmascarando as mentiras mais contadas sobre o trabalho escravo no Brasil. Op Cit.

65 65 designadas por este e que, trabalhando ao lado de ONGs como a CONTAG, Comissão Pastoral da Terra etc, luta contra a escravidão no país 155. Ao se falar em fiscalizações realizadas em fazendas, com intuito de detectar trabalho escravo e proporcionar as denúncias contra este crime, importante é a atuação do Grupo Especial de Fiscalização Móvel que, desde sua criação, vem exercendo um papel essencial na reprimenda à prática escravocrata contemporânea. Sobre a importância e o papel exercido pelo GEFM, relatam Ruth Beatriz Vasconcelos Vilela 156 e Rachel Maria Andrade Cunha 157, respectivamente, in verbis: Visava-se, assim, centralizar o comando para diagnosticar e dimensionar o problema; garantir a padronização dos procedimentos e supervisão direta dos casos fiscalizados; assegurar o sigilo absoluto na apuração das denúncias; deixar a fiscalização local livre de pressões e ameaças [...] Além disso, as ações de Fiscalização Móvel, sendo extra-rotineiras, possibilitam o levantamento preliminar de dados para depurar o conteúdo das denúncias, permitindo um planejamento e uma execução mais cuidadosos, sempre em parceria com a Polícia Federal parceria que, em alguns casos, inclui os Ministérios Públicos, o IBAMA e Funai.. [..] A Fiscalização Móvel, constitui a estrutura operacional do Grupo Executivo de Repressão ao Trabalho Forçado (GERTRAF) no combate ao trabalho escravo. Subordinado à Câmara de Política Social do Conselho de Governo [...] 158. Assim fica evidente que a Fiscalização é feita através das operações do GEFM, de forma que essas operações ocorrem em sigilo e sempre há participação da Polícia Federal, que atua como polícia Judiciária, e também como protetora dos integrantes do Grupo. Nesse sentido, 155 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA (SEDH); MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO (SIT). O Combate ao Trabalho Forçado no Brasil. Brasília DF, Maio de 2002, p Documento enviado por Rachel Maria Andrade Cunha, assessora da SEDH. 156 Secretária de Fiscalização do Ministério de Trabalho e Emprego. 157 Assessora da Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidência da República. 158 Apud CAMARGO, Luis. Definição de Trabalho Escravo Distinção entre Trabalho Escravo, Forçado e Degradante. 2003, p. 23. Documento enviado por Rachel Maria Andrade Cunha, assessora da SEDH.

66 66 importante é a presença de um procurador nas fazendas e regiões onde são feitas as inspeções do GEFM 159, pois, segundo as palavras de Luis Camargo, do MPT, além de dar suporte aos Auditores Fiscais do Trabalho, o procurador do Trabalho poderá promover, in loco, a coleta de dados indispensáveis à propositura de eventual ação para a tutela dos interesses envolvidos 160. As equipes de fiscalização são formadas por Auditores Fiscais do Trabalho, Delegados e agentes da Polícia Federal, membros do Ministério Público do Trabalho e Ministério Público Federal, sendo que todos eles agem de acordo com os ditames da Lei. Quanto à atuação da Polícia Federal, as equipes móveis devem estar prevenidas quando do momento da fiscalização, uma vez que nessas fazendas, existem seguranças, gatos, capangas, fortemente armados para intimidar os trabalhadores e, assim, podem atentar contra os integrantes das equipes fiscalizadoras, uma vez que estes têm suas vidas ameaçadas, devendo, então, estar armada, a Policia Federal, tão somente para preservar a segurança, a integridade física e moral, além da dignidade dos seres humanos que se encontram no local 161. Contudo, nas regiões onde há fiscalização do Grupo Móvel, os empregadores procuram novas formas alternativas do trabalho escravo, onde a privação da liberdade não se faz mais por meio de armas e agressões físicas ou psicológicas, isso porque é implantado no pensamento de trabalhador que a dívida impagável o vincula ao patrão, de forma que não pode abandonar o local onde labora. O isolamento geográfico da fazenda também coopera para a não 159 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. Secretaria de Inspeção do Trabalho. O Trabalho Escravo e as Políticas Governamentais para sua Erradicação. Brasília, 2003, p Documento enviado por Rachel Maria Andrade Cunha, assessora da SEDH. 160 CAMARGO, Luis. Definição de Trabalho Escravo Distinção entre Trabalho Escravo, Forçado e Degradante. 2003, p. 23. Documento enviado por Rachel Maria Andrade Cunha, assessora da SEDH. 161 CONATRAE. Desmascarando as mentiras mais contadas sobre o trabalho escravo no Brasil. Disponível em:<http://www.ilo.org/public/portugue//region/ampro/brasilia/trabalho_forcado/brasil/documentos/mentiras_final.pdf>. Acesso em: 15 dez

67 67 utilização de armas e a manutenção do peão nas piores condições de trabalho 162. Assim, a força moral dispensa o emprego da violência física, pois o empregado se sente realmente endividado e culpado por isso, de forma que se nega a sair da fazenda sem antes quitar o débito 163. Infelizmente há pouco incentivo financeiro para as fiscalizações e, visando a melhoria da atuação do grupo móvel em suas empreitadas contra fazendeiros escravocratas, a CONATRAE encaminhou ao Presidente da República uma nota pedindo o aumento das diárias de policiais federais e auditores fiscais do trabalho 164, pois a quantia que recebem não é suficiente para cobrir todos os gastos com hospedagem e alimentação, por isso, os integrantes do grupo se alojam em locais poucos seguros e que não oferecem boas condições de estadia, porque são, geralmente, escuros e sujos 165, de forma que, por isso, sugerem o aumento financeiro uma vez que têm suas vidas postas em risco em virtude dos locais perigosos, portanto, mais baratos, em que eles têm que se hospedar. As diárias oferecidas atualmente são de sessenta reais, o que, obviamente, é muito pouco. Então, por falta desses recursos, a CONTRAE reivindica um aumento desse valor para a quantia de 120 reais, o dobro do que eles recebem, para que haja uma melhoria e uma maior eficiência do Grupo Móvel em suas tentativas de combate ao crime 166. Entretanto, caso não ocorra esse aumento, as ações contra os escravocratas podem ficar 162 MORO, Luis Carlos, Relator do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil, em seu voto dado em relação ao processo CNDS nº 13/ ESTERCI, Neide. A dívida que escraviza. Disponível em: <http://www.pgr.mpf.gov.br/pgr/pfdc/grupos_encerrados/trab_escravo/documentos/esterci.pdf>. Acesso em: 27 dez ÉBOLI, Evandro. Ações contra trabalho escravo podem ser paralisadas em abril se a diária de servidores não for aumentada. Disponível em: <www.ilo.org/public/portugue/region/ampro/brasilia/trabalho_forcado/brasil/imprensa/index.htm>. Acesso em: 08 abr GAZETA ON LINE. Associação de procuradores pede aumento na diária dos fiscais. Disponível em: <www.ilo.org/public/portugue/region/ampro/brasilia/trabalho_forcado/brasil/imprensa/index.htm>. Acesso em: 08 abr Segundo Rachel Maria Andrade Cunha, assessora da SEDH, houve um aumento, em 2006, nas diárias dos auditores fiscais. Entretanto, tais diárias ainda são insuficientes, ainda mais se comparadas às diárias percebidas pelos membros do Ministério Público.

68 68 comprometidas, por exemplo, somente neste ano, cinco operações de fiscalização foram interrompidas sendo que, se o aumento não for dado, as ações futuras correm, também, o risco de serem canceladas 167. Essas reivindicações não são novas, os Auditores Fiscais do Trabalho há anos pedem melhorias das condições de trabalho, mas até o presente momento não conseguiram nada 168. Diante da falta do que foi dito a respeito das dificuldades passadas pelo Grupo Móvel e visando, ainda, uma melhoria na luta contra o trabalho escravo, o Ministério do Desenvolvimento Agrário, juntamente com o INCRA, estão elaborando um plano para erradicação da exploração de mão-de-obra escrava, que fala na necessidade de integração do Plano Nacional para a Erradicação do Trabalho Escravo com o Ministério do Trabalho e Emprego e, também, com a Secretaria Especial de Direitos Humanos, buscando, ainda, apoio parlamentar na Câmara dos Deputados 169. O trabalho escravo no país dos agronegócios é lucrativo para os fazendeiros, como nos dizeres de Jorge Antonio Vieira, essa prática é um business próspero alimentado por miséria, ganância e impunidade 170. Assim, o trabalho rural, até 1943 era excluído da CLT, sendo que o Estatuto do Trabalhador Rural e o Estatuto da Terra, surgiram anos mais tarde, em O trabalho rural ficou tanto tempo excluído da Legislação trabalhista porque não interessava ao Estado, naquela época, legislar contra o grupo que o sustentava, que era formado 167 ÉBOLI, Evandro. Ações contra trabalho escravo podem ser paralisadas em abril se a diária de servidores não for aumentada. Disponível em: <www.ilo.org/public/portugue/region/ampro/brasilia/trabalho_forcado/brasil/imprensa/index.htm>. Acesso em: 08 abr VILELA, Ruth. II Jornada de debates sobre Trabalho Escravo. Brasília, STJ, 23 e 24 nov MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO. MDA terá plano contra Trabalho Escravo. Disponível em: <www.ilo.org/public/portugue/region/ampro/brasilia/trabalho_forcado/brasil/imprensa/index.htm> Acesso em: 08 abr VIEIRA, Jorge Antonio. II Jornada de debates sobre Trabalho Escravo. Brasília, STJ, 23 e 24 nov

69 69 por ricos proprietários de terras que tinham o poder de determinar, por meio de apoio e financiamento, quem estava ou não no governo. Contudo, essa realidade mudou de tal forma que, hoje, o Estado empenha uma luta contra a escravidão em nosso meio rural, não importando quem pratique o crime. Mas para isso, fica evidente a necessidade de saber e compreender o cotidiano, os costumes e os problemas das regiões onde incide o trabalho escravo para que, a partir da ação conjunta do Ministério do Trabalho, Ministério Público, Polícia Federal, fiscais do trabalho, dentre outros, se abra uma exceção ao princípio da inércia do poder judiciário para que este possa atuar, nesse caso específico, ex officio, pois diante de tanta dificuldade, tal inovação viria somente beneficiar a campanha contra a escravidão 171. Ainda no combate ao trabalho escravo, no dia 13 de maio de 1996, foi criado o Programa Nacional de Direitos Humanos PNDH lançado pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. Nesse programa buscava-se prevenir e reprimir o trabalho escravo, mas, em 13 de maio de 2002, o PNDH foi ampliado, passando a se chamar PNDH II. Agora, ao invés de possuir cinco metas como o primeiro programa, este contém dez 172, in verbis: 1) Dar continuidade à implantação das Convenções nº 29 e 105 da OIT, que tratam do trabalho forçado; 2) Apoiar a aprovação da proposta de emenda constitucional que altera o artigo nº 243 da Constituição Federal, incluindo entre as hipóteses de expropriação de terras, além co cultivo de plantas psicotrópicas, a ocorrência de trabalho forçado; 171 FONSECA, Vicente José Malheiros. II Jornada de debates sobre Trabalho Escravo. Brasília, STJ, 23 e 24 nov CACCIAMALI, Maria Cristina; Flávio Antonio Gomes Azevedo. Trabalho forçado: exclusão ou opção pela inclusão? Disponível em: <www.ilo.org/public/portugue/region/ampro/brasilia/trabalho_forcado/brasil/documentos/artigo_f.pdf>. Acesso em: 16 nov

70 70 3) Apoiar a reestruturação do Grupo Executivo de Repressão ao trabalho forçado GERTRAF, vinculado ao Ministério do Trabalho; 4) Fortalecer a atuação do Grupo de Fiscalização Móvel do Ministério do Trabalho e emprego com vistas à erradicação do trabalho forçado; 5) Criar, nas organizações policiais, divisões especializadas na repressão ao trabalho forçado, com atenção especial para as crianças, adolescentes, estrangeiros e migrantes brasileiros; 6) Criar e capacitar, no âmbito do Departamento da Polícia Federal, grupo especializado na repressão do trabalho forçado para apoio consistente às ações de Fiscalização Móvel do MTE; 7) Promover campanhas de sensibilização sobre o trabalho forçado e degradante e as formas contemporâneas de escravidão nos estados onde ocorre trabalho forçado e nos pólos de aliciamento de trabalhadores; 8) Sensibilizar juízes federais para a necessidade de manter, no âmbito Federal, a competência para julgar crimes de trabalho forçado; 9) Estudar a possibilidade de aumentar os valores das multas impostas aos responsáveis pela exploração de trabalho forçado; 10) Propor nova redação para o artigo 149 do Código Penal, de modo a tipificar de forma mais precisa o crime de submeter alguém à condição análoga à de escravo. O Presidente Luis Inácio Lula da Silva lançou o Plano Nacional para a Erradicação do Trabalho Escravo e, no tocante ao artigo 149 do Código Penal, pode-se dizer que tal Plano visa a mudança da classificação atual do tipo penal discutido, transformando-o em crime hediondo, com pena fixada de 4 a 8 anos de reclusão para quem infringir a Lei. Claro que reações vindas de quem defende o Direito Penal Mínimo surgirão com relação ao aumento da

71 71 punição e, também, contra a existência do crime considerado como hediondo, contudo, vê-se que a proposta não é tão absurda e sim razoável, pois estamos diante de crimes graves, uma vez que a escravidão está longe de ser um crime de menor potencial ofensivo. Por isso, a pena, nesse caso, deve ser mais severa e o tipo penal tido como hediondo 173. Quanto ao artigo 203 do Código Penal, este é considerado um crime de menor potencial ofensivo, pois a pena máxima a ele atribuída não ultrapassa dois anos. Contudo, essas infrações não são leves, pois atacam e agridem o núcleo fundamental do princípio da dignidade da pessoa humana. Por isso, torna-se importante, no combate ao trabalho escravo, um aumento nas penas previstas para estes delitos, no entanto, a política criminal não pode se tornar encarceradora e rígida ao extremo de forma que, se assim for, pode se tornar injusta e errônea, pois deve ser permitida a aplicação de penas alternativas, caso sejam detectadas pequenas irregularidades, contudo mais brandas que a escravidão em sua pior forma, de acordo com o que dita o artigo do Código Penal 174. São vários os métodos utilizados em prol da erradicação do trabalho escravo, e notável é a necessidade de punir os criminosos para que se tenha algum tipo de prevenção. Como é sabido, o empresário é o responsável legal por todas as relações trabalhistas em seu negócio, além disso, a Constituição Federal só permite a posse da propriedade rural quando seu dono faz com que se cumpra corretamente a função social desta. Dessa forma, para assegurar a propriedade de suas terras e para não ser acusado de práticas ilegais de escravidão, o fazendeiro deve observar e seguir adequadamente a legislação trabalhista, e ficar atento a tudo o que ocorre 173 COSTA, Flávio Dino de Castro. Combate ao Trabalho Forçado no Brasil: Aspectos Jurídicos. Documento enviado por Rachel Maria Andrade Cunha, assessora da SEDH. 174 Ibidem.

72 72 dentro de sua propriedade. Por isso, o empregador deve acompanhar o serviço e as ações de seus empregados, além de fazer o contrato de trabalho dentro dos ditames estabelecidos pela CLT 175. Ações movidas pelo Ministério Público do Trabalho e Ministério Público Federal, assim como as publicações das Listas Sujas, chamadas, hoje em dia, de Cadastros de Empregadores, são medidas que vêm sendo tomadas no combate ao trabalho escravo contemporâneo. Quanto ao Cadastro de Empregadores, este se resume a uma lista onde estão relacionadas empresas e pessoas que praticaram o crime, de forma que os nomes arrolados têm suas linhas de crédito encerradas em agências públicas. No entanto, o que se percebe é que somente a suspensão dos créditos não surte efeitos e, assim, é necessária a implantação de medidas mais drásticas, colocando em risco a perda da fazenda onde foi detectado o trabalho escravo. Por isso é almejada a aprovação de um dispositivo constitucional que permita a expropriação da terra onde for localizada a prática de exploração de mão-de-obra 176. Entretanto, são vários os fazendeiros e empresas que estão, atualmente, pedindo em sede de liminar, para que tenham seus nomes excluídos da Lista Suja. Como estas liminares têm sido concedidas, as pessoas que lutam contra o trabalho escravo ficam descontentes e, assim, acabam perdendo o ânimo, uma vez que todo o empenho contra o crime e a impunidade está sendo em vão, deixando que se conclua que todo o esforço de nada adiantou, pois se vê que a mobilização contra a escravidão é pequena. A Associação Nacional dos Procuradores do Trabalho ANPT está pedindo aos Tribunais Superiores para que sejam revertidas essas decisões, uma vez que esse cadastro de empregadores que utilizam a exploração do trabalho é 175 CONATRAE. Desmascarando as mentiras mais contadas sobre o trabalho escravo no Brasil. Disponível em:<http://www.ilo.org/public/portugue//region/ampro/brasilia/trabalho_forcado/brasil/documentos/mentiras_final.pdf>. Acesso em: 15 dez Ibidem.

73 73 muito importante no combate a esse delito, de forma que as liminares acabam por enfraquecer essa luta 177. Já são nove as fazendas que, por ordem judicial, tiveram seus nomes retirados da relação, sendo que, em virtude das liminares, seus donos voltam a ter acesso ao crédito público 178. De acordo com Sebastião Caixeta, seria um imenso contrasenso se a Administração Pública concedesse incentivos à empregadores que desrespeitam a lei, mantém trabalhadores em situações degradantes e exploram o trabalho escravo, por isso, os juízes devem analisar com mais cautela os pedidos de retirada de nomes da Lista Suja, dando maior apoio ao combate à escravidão 179. Não só a Justiça Federal como também a Justiça Estadual estão beneficiando fazendeiros ao retirarem seus nomes da Lista Suja. Exemplos de empresas que já foram beneficiadas serão arroladas a seguir 180 : -Fazenda Cabaceiras, da Empresa Jorge Mutran, no Pará. Principal atividade: gado; - Fazenda Peruano, de Evandro Mutran, no Pará. Principal atividade: gado e inseminação; - Fazenda Mutun, da Pinesso Agropastoril, em Mato Grosso. Principal atividade: algodão; - Fazenda Pantera, de Nivaldo Barbosa. Principal atividade: gado; - Fazenda São José, de João José de Oliveira. Principal atividade: gado; - Fazenda Malu, da Agromon S/A, no Mato Grosso; 177 INFOJUR. Procuradores do Trabalho criticam liminares contra Lista Suja. Disponível em: <www.infojur.com.br/noticia.php?codnoticia=2072>. Acesso em: 08 abr DECISÕES da Justiça beneficiam escravocratas Agencia Carta Maior. Documento enviado via pela Assessoria da Secretaria Especial dos Direitos Humanos. 179 INFOJUR. Procuradores do Trabalho criticam liminares contra Lista Suja. Op.Cit. 180 DECISÕES da Justiça beneficiam escravocratas Agencia Carta Maior. Op. Cit.

74 74 - Fazenda Marabá, de José Pupin, no Mato Grosso. Principal atividade: algodão; - Fazenda Sol Nascente, de Reinaldo Zucatelli, no Pará. Principal atividade: gado; - Maeda S/A Agroindustrial, Minas Gerais, São Paulo, Goiás e Mato Grosso. Principal atividade: algodão e soja 181. Ainda nesse sentido, existe uma Ação Direta de Inconstitucionalidade ADIN no Supremo Tribunal Federal, contra a inclusão de nomes e a própria existência da Lista Suja. De acordo, novamente, com Sebastião Caixeta, vale relatar o que por ele foi dito na tentativa de fazer valer o Cadastro de Empregadores 182 : Todos os argumentos contrários à manutenção dessa lista são improcedentes, uma vez que este [SIC] somente retrata situações que já foram decididas definitivamente no âmbito Administrativo, respeitando o princípio da publicidade desses atos e servindo como instrumento de comunicação entre os órgãos da Administração e o Ministério Público. Conforme dita Flávio Dino de Castro e Costa 183, verbis: O artigo 173, parágrafo 5º, da Constituição Federal estabelece que: A Lei, sem prejuízo da responsabilidade individual dos dirigentes da pessoa jurídica, estabelecerá a responsabilidade desta, sujeitando-a às punições compatíveis com sua natureza, nos atos praticados contra a ordem econômica e financeira e contra a economia popular. Ora, a utilização de mão-de-obra escrava é contrária à ordem econômica, conforme o artigo 170 da Constituição, que estabelece que aquela tem por fim assegurar a todos existência digna, incluindo-se entre os seus princípios a função social da propriedade e a livre concorrência. O trabalho escravo privilegia injustamente os empresários que dele se utilizam, distorcendo a livre concorrência. Demais disso, para que uma propriedade rural cumpra sua função social é imprescindível que observe as disposições que regulam as relações de trabalho, de acordo com o art. 186 da 181 DECISÕES da Justiça beneficiam escravocratas Agencia Carta Maior. Documento enviado via pela Assessoria da Secretaria Especial dos Direitos Humanos. 182 INFOJUR. Procuradores do Trabalho criticam liminares contra Lista Suja. Disponível em: <www.infojur.com.br/noticia.php?codnoticia=2072>. Acesso em: 08 abr COSTA, Flávio Dino de Castro. Combate ao Trabalho Forçado no Brasil: Aspectos Jurídicos. Documento enviado por Rachel Maria Andrade Cunha, assessora da SEDH.

75 75 Carta Magna. Logo, a interpretação sistemática da Constituição abre a possibilidade de que uma Lei institua a responsabilidade penal da pessoa jurídica em casos de trabalho forçado, podendo-se ainda cogitar de uma eventual proposta de emenda Constitucional[...] Dentro deste contexto, no dia 12/05/2004, a Comissão da Câmara dos Deputados, mesmo com as restrições investidas por parte da bancada ruralista, aprovou a Proposta de Emenda Constitucional, que visa o confisco de imóveis rurais onde forem detectados crimes de trabalho escravo 184. Entretanto, hoje em dia, a PEC está na Câmara dos Deputados para ser aprovada em segundo turno e será remetida, novamente, ao Senado Federal para nova apreciação. Na verdade faltou uma intervenção mais objetiva para a aprovação da Proposta de uma vez 185. Existe um dispositivo na Carta Magna que prevê o confisco de glebas de qualquer região do país onde forem encontradas plantações de psicotrópicos que, após a expropriação, são destinadas ao assentamento de colonos, para que estes produzam alimentos e produtos medicamentosos, sem que seja dado direito algum de indenização ao proprietário do imóvel rural. Trata-se do artigo 243 da Constituição Federal 186. Logo, a aprovação da PEC para a expropriação de terras onde há prática de trabalho escravo não seria uma novidade em nosso ordenamento jurídico, e alem disso, seria de suma importância para a prevenção do crime abordado 187. Contudo, o que é permitido, hoje em dia, é a desapropriação de terras onde se encontram trabalhadores escravizados, mediante indenização, o que não surte efeito uma vez que, 184 GOES, Severino, Assessor de Imprensa: Projeto Combate ao Trabalho Escravo, escritório da OIT Brasil. Documento enviado, via , por Rachel Maria Andrade Cunha. Assessora da Secretaria Especial dos Direitos Humanos. 185 MELO, Luis Antonio Camargo de. II Jornada de debates sobre Trabalho Escravo. Brasília, STJ, 23 e 24 nov COSTA, Flávio Dino de Castro. Combate ao Trabalho Forçado no Brasil: Aspectos Jurídicos. Documento enviado por Rachel Maria Andrade Cunha, assessora da SEDH. 187 CONATRAE. Desmascarando as mentiras mais contadas sobre o trabalho escravo no Brasil. Disponível em:<http://www.ilo.org/public/portugue//region/ampro/brasilia/trabalho_forcado/brasil/documentos/mentiras_final.pdf>. Acesso em: 15 dez

76 76 mesmo violando as disposições das leis trabalhistas e a função social da propriedade rural, tais indenizações podem chegar a custos altíssimos que acabam sendo vistas como um prêmio aos proprietários. Mas essa alternativa, que antes era muito usada, hoje me dia não ocorre com grande freqüência sendo aplicada, para fins de reforma agrária, enquanto não é aprovada a PEC de expropriação de terras 188. O artigo 186 da Constituição Federal estabelece os requisitos que devem ser cumpridos para que a função social da propriedade rural seja cumprida, são eles 189 : I aproveitamento racional e adequado; II utilização adequada dos recursos naturais disponíveis e preservação do meio ambiente; III observância das disposições que regulam as relações de trabalho; IV exploração que favoreça o bem-estar dos proprietários e dos trabalhadores. Com efeito, um marco histórico pela luta contra o trabalho escravo se deu com a desapropriação da Fazenda e Castanhal Cabaceiras, localizada em Marabá, PA, que ocorreu no ano de A desapropriação se deu com fulcro no interesse social, visando a reforma agrária, por ter a fazenda descumprido, além da função social ambiental, a função social trabalhista da 188 COSTA, Flávio Dino de Castro. Combate ao Trabalho Forçado no Brasil: Aspectos Jurídicos. Documento enviado por Rachel Maria Andrade Cunha, assessora da SEDH. 189 In Constituição Federal.

77 77 propriedade rural e, dessa forma, a sanção beneficiará cerca de 340 famílias no sul do Pará, sendo que o imóvel possui hectares 190. Obviamente somente a aprovação da PEC não resolverá o problema do trabalho escravo em nosso país. É preciso que se tomem medidas mais eficazes em se tratando de prevenção nos locais de aliciamento, por exemplo, geração de emprego, educação e melhoramento das condições de vida do trabalhador, fazendo com que este não tenha necessidade de sair de sua região a procura de emprego e acabar sendo iludido por um gato. Contudo, essa Lei, se aprovada, será somada às outras medidas de combate ao crime, tornando-se uma ferramenta de suma importância 191. Com o intuito de se evitar que fazendeiros explorem a mão-de-obra humana, a Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária do Brasil, recomenda que seja observada a legislação trabalhista em sua publicação Alerta aos produtores rurais. Há também o esforço por parte da Federação da Agricultura do Pará que distribui aos sindicatos rurais de sua região, o manual Fazenda Legal é Produtor Tranqüilo roteiro para o cumprimento da legislação trabalhista da propriedade rural. 192 Em 1997, foi realizada, na região Norte, uma campanha preventiva voltada não para o empregador, mas sim para o empregado, alertando-o para que não seja escravizado. Essa campanha se chamava De Olho Aberto Para Não Virar Escravo!, sendo que materiais didáticos foram utilizados para um maior e melhor esclarecimento. A campanha 190 KAIPPER, Carlos Henrique, consultor jurídico do Ministério do Desenvolvimento Agrário. Desapropriação da fazenda e castanhal cabaceiras / PA: um marco histórico na luta pela reforma agrária, pela preservação do meio ambiente e pela regulação das relações de trabalho no campo. Texto enviando, via , por Rachel Maria Andrade Cunha, assessora da SEDH. 191 CONATRAE. Desmascarando as mentiras mais contadas sobre o trabalho escravo no Brasil. Disponível em:<http://www.ilo.org/public/portugue//region/ampro/brasilia/trabalho_forcado/brasil/documentos/mentiras_final.pdf>. Acesso em: 15 dez Ibidem.

78 78 sensibilizou e orientou pessoas, realizou encontros e promoveu a capacitação nas regiões consideradas focos de trabalho escravo, e, além disso, acompanhou algumas operações de resgate de trabalhadores explorados 193. A imprensa também se torna uma aliada no combate à escravidão no século XXI, e foi graças às divulgações feitas por esta que o problema passou a ser debatido e fazer parte da opinião pública, fazendo o assunto alcançar proporções nacionais. O grande problema é que não há denúncia em número suficiente da prática delituosa, mesmo com todo o país sabendo de sua existência. A OIT é uma organização de grande importância em se tratando de erradicação do trabalho escravo, uma vez que esta, além de tocar campanhas contra tal prática, fez com que houvesse um processo contra o Brasil, na Organização dos Estados Americanos, em virtude da tentativa de homicídio que se deu contra José Pereira quando tentou fugir de uma fazenda onde era mantido como escravo. A solução encontrada foi o pagamento de uma indenização de 52 mil reais a José Pereira, por parte do Brasil. Assim, a prática criminosa de exploração humana, utilizada por alguns fazendeiros, acaba por causar prejuízo à Nação que tem que pagar pela ganância destes produtores 194. Sendo o agronegócio fundamental para o desenvolvimento econômico do país, não é necessário que haja exploração para que este se dê de forma lucrativa, tanto que o MTE, em suas fiscalizações, encontrou produtores rurais que não utilizam mão-de-obra escrava, agindo conforme cita a Lei. Por isso, nada obsta para que os fazendeiros criminosos deixem a exploração e passem a produzir sem a margem de lucro que percebem com esta, competindo, dessa maneira, 193 MORO, Luis Carlos, Relator do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil, em seu voto dado em relação ao processo CNDS nº 13/ CONATRAE. Desmascarando as mentiras mais contadas sobre o trabalho escravo no Brasil. Disponível em:<http://www.ilo.org/public/portugue//region/ampro/brasilia/trabalho_forcado/brasil/documentos/mentiras_final.pdf>. Acesso em: 15 dez

79 79 igualmente no mercado, com aqueles que agem em conformidade com a legislação. Por isso, o país deve operar contra o trabalho escravo, isolando os empresários escravocratas, impedindo, assim, que toda a atividade econômica fique prejudicada pela prática delituosa de poucos fazendeiros 195. No combate ao crime, vale ressaltar também, uma estratégia de trabalho adotada pelo Ministério Público Federal, de trabalhar com uma cesta de crimes, para que, assim, não haja prescrição e conversão da pena mínima em pena alternativa, de tal sorte que, somente ajuízam as devidas ações penais quando há indícios de cerceamento da liberdade e afronta à dignidade da humana. Dessa forma, busca mostrar que o crime é praticado juntamente com outros ilícitos, o que já foi citado ao se frisar a conexão existente entre a prática escravocrata e outros delitos como, por exemplo, a degradação ambiental 196. A ofensiva contra a escravidão no campo já rendeu resultados, sendo que do período que vai de 2001 a 2003, trabalhadores foram encontrados em regime de escravidão, sendo que entre 2003 e fevereiro de 2004, trabalhadores foram localizados e libertos. Em janeiro de 2003, houve o assassinato dos Auditores Fiscais em Unaí, MG, o que prova, mais uma vez, o risco que correm as pessoas que se empenham na luta pela extinção da escravidão, ressaltando a necessidade de maior apoio por parte do Governo para que se obtenha resultados mais favoráveis do que os já atingidos. Contudo, até outubro de 2004, trabalhadores foram libertados 197 e, em outubro de 2005, 65 pessoas foram resgatadas pelo grupo 195 CONATRAE. Desmascarando as mentiras mais contadas sobre o trabalho escravo no Brasil. Disponível em:<http://www.ilo.org/public/portugue//region/ampro/brasilia/trabalho_forcado/brasil/documentos/mentiras_final.pdf>. Acesso em: 15 dez OBSERVATÓRIO SOCIAL EM REVISTA. Trabalho Escravo no Brasil: o drama dos carvoeiros, a responsabilidade das siderúrgicas, a campanha para a erradicação. Santa Catarina: Junho, nº 6, p BERZOINI. II Jornada de debates sobre Trabalho Escravo. Brasília, STJ, 23 e 24 nov

80 80 de fiscalização no sudeste do Pará, sendo que cinco mulheres estavam presentes entre os libertos. Dados revelam que somente neste ano, 179 pessoas foram libertadas no Pará 198, de forma que a meta de libertação desejada ainda está longe de ser alcançada 199. Quanto às estatísticas de datas anteriores, pode-se dizer que de 1995 até 2001, as operações de fiscalização libertaram mais de trabalhadores escravizados, sendo que desde 1995 a Comissão Pastoral da Terra mencionava que pessoas foram encontradas em cativeiro. No que diz respeito à Polícia Federal, esta em pareceria com o Ministério Público do Trabalho, até 2002 prendeu em flagrante delito 26 pessoas e instaurou 18 inquéritos policiais 200. Dados referentes ao mês de dezembro de 2004 relatavam a existência de 348 Procedimentos Administrativos em andamento e outros 374 foram arquivados. Afirma, também, que foi firmado 167 Termos de Compromissos de Ajustamento de Condutas e impetrou 22 Ações de Execução de título extra judicial. Além disso, diz ter ingressado com 111 Ações Civis Públicas, 24 Ações Civis Coletivas, quatro Ações Cautelares, quatro Reclamações Trabalhistas. Não bastando, o MTE participou de 71 operações de fiscalização do grupo móvel 201. Entretanto, tais estatísticas não podem ser encaradas como exatas, uma vez que os números apresentados não são tão precisos, pois as estatísticas, por serem oficiais, referem-se apenas à quantidade de trabalhadores rurais libertados durante as operações de fiscalização realizadas nas fazendas, de tal forma que estas informações não retratam de forma real a 198 JORNAL HOJE, Rede Globo, 05 out DADOS DE 2006 DO QUADRO DAS OPERAÇÕES DO GRUPO ESPECIAL DE FISCALIZAÇÃO MÓVEL, enviado pela SEDH: Até o mês de abril, 112 trabalhadores foram libertados. 200 SECRETARIA DE ESTADO DOS DIREITOS HUMANOS; ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO. Aperfeiçoamento Legislativo para o Combate ao Trabalho Escravo: oficina de trabalho. Brasília: OIT, 2002, p. 05. Documento enviado por Rachel Maria Andrade Cunha, assessora da SEDH. 201 MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO. Disponível em: <www.pgt.mpt.gov.br/escravo/geral/estatisticas.htm>. Acesso em: 13 set

81 81 quantidade de pessoas que foram ou que ainda são submetidas à prática degradante de trabalho, pois grande número de escravizados não chega nem ao conhecimento do grupo de fiscalização móvel, devido ao difícil acesso e localização das propriedades rurais 202. O Brasil é considerado, pela OIT, como um exemplo para todo o mundo, isso porque assume o problema do trabalho escravo na região e tenta combatê-lo, contudo, o Governo precisa do apoio da sociedade 203, havendo a necessidade de atacar o problema em sua origem, ou seja, nos estados fornecedores de mão-de-obra para os escravagistas e, também, nas cadeias que levam a essa prática. Para isso seria necessária a implantação de uma política pública social efetiva que proporcionasse melhores condições de vida, educação e saúde aos necessitados. Mas para isso, imprescindível se torna a participação conjunta das instituições do Governo, fazendo com que a fiscalização se torne mais célere e eficaz, ocorrendo, assim, apuração do crime e a punição dos infratores, assim como o ressarcimento dos trabalhadores de forma mais rápida e justa. Um exemplo de atuação integrada foi a participação agregada do Ministério do Trabalho (através do Grupo Móvel), Ministério Público do Trabalho e a Justiça do Trabalho que, juntos, realizaram o pagamento de mais de 90 trabalhadores 204. Vale ressaltar aqui uma importante atuação do Ministério Público, que consiste na articulação com órgãos e agentes sociais visando 202 CACCIAMALI, Maria Cristina; Flávio Antonio Gomes Azevedo. Trabalho forçado: exclusão ou opção pela inclusão? Disponível em: <www.ilo.org/public/portugue/region/ampro/brasilia/trabalho_forcado/brasil/documentos/artigo_f.pdf>. Acesso em: 16 nov OBSERVATÓRIO SOCIAL EM REVISTA.Trabalho Escravo no Brasil: o drama dos carvoeiros, a responsabilidade das siderúrgicas, a campanha para a erradicação. Santa Catarina: Junho, nº 6, p PEREIRA JÚNIOR, Loris Rocha. FÓRUM SOCIAL MUNDIAL 2003: Anais da Oficina Trabalho Escravo: Uma Chaga Aberta. Brasília: OIT, 2003, p

82 82 à alteração da Constituição Federal, da legislação penal e trabalhista, de modo a imprimir maior efetividade ao combate ao trabalho forçado 205. Outra iniciativa de grande importância que merece ser mencionada é a Vara Itinerante que vai até a fazenda, nas operações de fiscalização, e lá faz o pagamento dos direitos trabalhistas dos empregados que estavam sendo explorados, sem que estes precisem ir até uma Vara Trabalhista. Na própria fazenda é recebida a petição do Ministério Público e, logo em seguida, a causa é decidida por juizes do trabalho que atuam in loco, o que dá maior celeridade ao combate em questão 206. Além disso, é preciso causar impacto na sociedade através da divulgação de fotos, filmes, para que a população passe a enxergar o problema e, assim, por meio da força social, dar-se mais valor aos Direitos Humanos que não recebe dos brasileiros a atenção dada pelos estrangeiros e mais um passo no processo de afronta ao trabalho degradante no Brasil 207. afirmar que, verbis: Finalizando este tópico, importantes são as palavras de Frei Xavier Plassat ao Erradicar o trabalho escravo é muito mais complicado que tirar simplesmente um trabalhador da escravidão e punir o infrator. É importante mudar o rumo desse modelo de desenvolvimento que vem consumindo, sem nunca se saciar, florestas e vidas humanas MINISTÉRIO DA JUSTIÇA (SEDH); MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO (SIT). O Combate ao Trabalho Forçado no Brasil. Brasília DF, Maio de 2002, p. 10. Documento enviado por Rachel Maria Andrade Cunha, assessora da SEDH. 206 PEREIRA JÚNIOR, Loris Rocha. FÓRUM SOCIAL MUNDIAL 2003: Anais da Oficina Trabalho Escravo: Uma Chaga Aberta. Brasília: OIT, 2003, p Ibidem, p OBSERVATÓRIO SOCIAL EM REVISTA. Trabalho Escravo no Brasil: o drama dos carvoeiros, a responsabilidade das siderúrgicas, a campanha para a erradicação. Santa Catarina: Junho, nº 6, p 09.

83 83 8 O PROBLEMA DA REINCIDÊNCIA: 8.1 Reincidência dos fazendeiros infratores: Evidente é que as Leis existentes em nosso país são insuficientes, tanto que a reincidência de fazendeiros em práticas escravocratas nas propriedades rurais é grande. Decerto, existe a incidência da multa e do corte do crédito do infrator, no entanto, o uso de trabalho escravo ainda é lucrativo para o fazendeiro, uma vez que agindo dessa forma, eles conseguem baratear a mão-de-obra e, além disso, para eles vale a pena delinqüir porque somente uma pequena parcela desses infratores é denunciada por este crime. Na realidade, menos de 10% dos envolvidos nessa situação ilícita, entre os anos de 1996 e 2003, foram denunciados, sendo que a realidade não muda muito em 2004 e 2005, de forma que os poucos que assim o são, pagam apenas os direitos trabalhistas devidos a seus empregados 209. A idéia arrogante e prepotente que têm os empregadores de que estão acima da lei por possuírem poder político e econômico na região 210, contribui para a impunidade destes, fazendo com que haja realmente a reincidência no crime, uma vez que, com suas ameaças e chantagens, as autoridades locais se intimidam em puni-los, fazendo com que o uso da exploração do trabalho humano seja um risco a ser assumido, pois, se não for detectado o trabalho escravo pela fiscalização do governo, sairão lucrando. Contudo, se for detectada a escravidão, apenas pagarão os direitos trabalhistas dos peões CONATRAE. Desmascarando as mentiras mais contadas sobre o trabalho escravo no Brasil. Disponível em:<http://www.ilo.org/public/portugue//region/ampro/brasilia/trabalho_forcado/brasil/documentos/mentiras_final.pdf>. Acesso em: 15 dez MELO, Luis Antonio Camargo de. II Jornada de debates sobre Trabalho Escravo. Brasília, STJ, 23 e 24 nov CONATRAE. Desmascarando as mentiras mais contadas sobre o trabalho escravo no Brasil. Op Cit.

84 84 O problema reside no fato de que o Direito Penal alcança em um todo as camadas sociais inferiores e, por isso, é tido como lato por essas pessoas. Já a elite, acha que o Direito Penal é estrito, ou seja, voltado somente para os delinqüentes de classes sociais subalternas, por isso, os fazendeiros vêem a tipificação do crime como um meio indesejado, pois preferem a pena pecuniária, por serem consideradas riscos a serem corridos, como já foi dito anteriormente 212. Nesse contexto, vale esclarecer que um fazendeiro nunca é visto como um criminoso pela população, pois todos acham mais efetiva a atuação da política criminal quando esta se aplica às condutas tidas como mais perigosas e nocivas à sociedade como um todo e, assim, os delitos que ocorrem sem uma repercussão social grande, deixam de ser observadas pela coletividade. No caso de trabalho escravo, o crime ocorre em fazendas distantes, de forma oculta, dificultando o seu conhecimento por parte da sociedade, que não sabe das barbáries cometidas nos campos brasileiros 213. Assim, o senso comum social tem uma visão maniqueísta de mundo, pois divide o ser humano e as relações entre estes em bem e mal. Por isso, o senso comum considera os homens de bem como aqueles que possuem valores e uma vida boa e regrada, sem vícios e com tranqüilidade, ao passo que os homens maus seriam aqueles que colocam em risco a tranqüilidade dos cidadãos bons. Dessa forma, o criminoso é visto pela sociedade de uma forma estereotipada pelo citado senso comum, como uma pessoa violenta, má, pobre, excluída, negra etc, de tal sorte que o fazendeiro, por não se enquadrar nesse estereótipo, não é visto, perante os cidadãos como um delinqüente, o que contribui para sua impunidade, conseqüentemente, para a 212 COSTA, Flávio Dino. II Jornada de debates sobre Trabalho Escravo. Brasília, STJ, 23 e 24 nov BARATTA, Alessandro apud CASTILHO, Ela Wiecko V. de. Em busca de uma definição jurídico-penal de trabalho. Disponível em: <http://www.pgr.mpf.gov.br/pgr/pfdc/grupos_encerrados/trab_escravo/documentos/wiecko.pdf>. Acesso em: 23 nov

85 85 reincidência no crime de trabalho escravo e impedindo a extensão da cidadania aos que dela necessitam na região 214. Citando como exemplo de reincidência, dentre os vários existentes, podemos frisar o caso da Siderúrgica Pindaré, da Queiroz Galvão, que aparece na lista do Grupo Móvel em 1996, 1997, 1998, 2002 e 2003, por manter trabalhadores em situações de trabalho degradantes 215. Há também o caso da Fazenda e Castanhal Cabaceiras, que foi inclusa na lista suja e posteriormente desapropriada, em virtude de ter sido constatado trabalho escravo por quatro vezes, em fiscalizações feitas pelo Grupo Móvel, mostrando, destarte, que o problema da reincidência existe, além de ser grave Reincidência do trabalhador nas formas de aliciamento e escravidão: Hoje, os trabalhadores considerados como escravos são aqueles brasileiros pertencentes a um grupo social específico e que praticam atividades rurais, mas que, mesmo trabalhando nesse meio, não possuem terra ou qualquer outro tipo de propriedade. Além disso, esse grupo de pessoas não tem boas condições financeiras para sustentar suas famílias e, por isso, esses indivíduos acabam vendendo seus serviços a preços insignificantes, cabendo ressaltar que 214 ANDRADE, Vera Regina Pereira de. Sistema Penal Máximo x Cidadania Mínima: códigos da violência na era da globalização. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2003, p OBSERVATÓRIO SOCIAL EM REVISTA. Trabalho Escravo no Brasil: o drama dos carvoeiros, a responsabilidade das siderúrgicas, a campanha para a erradicação. Santa Catarina: Junho, nº 6, p KAIPPER, Carlos Henrique, consultor jurídico do Ministério do Desenvolvimento Agrário. Desapropriação da fazenda e castanhal cabaceiras / PA: um marco histórico na luta pela reforma agrária, pela preservação do meio ambiente e pela regulação das relações de trabalho no campo. Texto enviando, via , por Rachel Maria Andrade Cunha, assessora da SEDH.

86 86 são também submetidos a condições degradantes de trabalho, de forma que não têm resguardado seus direitos trabalhistas 217. O que faz o trabalhador aceitar e se submeter ao trabalho escravo é a noção de dívida que ele tem para com o patrão e a falta de opção que sua situação impõe. Assim, fica trabalhando nessas condições, mesmo que por muito tempo, para pagar o que acha que deve. Por isso, pode-se dizer que a relação entre o fazendeiro e o empregado é quase nula, pois, na maioria das vezes, o fato de o trabalhador aceitar o trabalho degradante para pagamento da dívida, não é nem percebido pelo patrão, que só está interessado na exploração da mão-de-obra humana, sem ter qualquer contato com o explorado. Essa situação é negativa, uma vez que acaba se incorporando na cultura regional e, assim, passa a influenciar, de certa forma, a maneira que os explorados vêem suas relações com seus empregadores 218. Normalmente os escravizados são nordestinos, sem condições de vida, mas também existem os escravos de outras etnias: pobres que, em geral, não possuem nem registro civil, ou seja, a maioria deles é miserável, ingênua e ignorante 219. Contudo, não é somente no Norte do país onde ocorre trabalho escravo, pois mesmo sendo o local de maior foco deste, tal prática de aliciamento e escravidão se dá nos demais estados brasileiros, como no Rio de Janeiro, onde utilizam a escravidão em usinas, granjas e olarias, sendo que o aliciamento ocorre no Rio Grande do Norte e na Paraíba. Em São Paulo, dá-se o fenômeno na indústria do vestuário, e o aliciamento geralmente se dá no Norte de Minas e no Sul do Pará. O Rio Grande do Sul alicia 217 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. Secretaria de Inspeção do Trabalho. O Trabalho Escravo e as Políticas Governamentais para sua Erradicação. Brasília, 2003, p. 03. Documento enviado pela SEDH. 218 ESTERCI, Neide. A dívida que escraviza. Disponível em: <http://www.pgr.mpf.gov.br/pgr/pfdc/grupos_encerrados/trab_escravo/documentos/esterci.pdf>. Acesso em: 27 dez FARIAS, Maria Eliane Menezes de FÓRUM SOCIAL MUNDIAL 2003: Anais da Oficina Trabalho Escravo: Uma Chaga Aberta. Brasília: OIT, 2003, p. 25.

87 87 trabalhadores brasileiros para a Venezuela, sendo que foi constatado também o aliciamento para exploração na colheita da maçã. Na Bahia, ocorre o recrutamento de mão-de-obra por intermédio de um gato, para o plantio e preparação do sisal e na extração de britas. Em Pernambuco, ocorre tal crime no meio urbano, em empresas fornecedoras de serviços para empresa do ramo de telefonia. No Ceará, aliciam-se pessoas para trabalhar no Mato Grosso ou em São Paulo. No Pará, há o aliciamento de pessoas do norte e nordeste do Brasil para trabalhar nas fazendas, em desmatamentos etc. No Paraná, verifica-se o trabalho forçado em pedreiras e no meio rural. Tocantins alicia pessoas de Minas Gerais, Maranhão e do próprio estado para o trabalho na exploração do carvão vegetal. Santa Catarina utiliza-se do fenômeno na colheita de maçã, na industria de móveis e esquadrias e em distribuidora de papéis. Rondônia e Acre exploram índios e crianças nas queimadas, desmatamentos, plantio e colheitas. No Maranhão, usam o trabalho forçado em reflorestamento, fazendas e carvoarias.no Espírito Santo, escravizam bóias-frias na colheita de café e nas carvoarias, com aliciamento de pessoas em Minas e no próprio estado, para exploração na Bahia. Em Goiás, se encontram trabalhadores que foram aliciados na Bahia e levados para trabalhar na capina e colheita das sementes de braquiária. Em Sergipe são aliciados trabalhadores para serem explorados na Bahia na colheita de laranja. No Piauí há trabalho escravo na industria de açúcar e álcool, em carvoarias e, também, na extração da cal, o que destrói, inclusive, sítios arqueológicos. Em Mato Grosso o aliciamento se dá para a exploração da mão-de-obra em fazendas e madeireiras, sendo que em Mato Grosso do Sul há exploração indígena na destilaria de cana de açúcar, de forma que o trabalho escravo também é praticado com mão-de-obra nordestina. Assim, vê-se que o aliciamento, juntamente com a exploração de pessoas, não é um problema que ocorre em poucos estados brasileiros, e sim uma situação degradante que se dá em todo o território nacional, não importando se este local é ou não

88 88 urbanizado, tampouco se tem um bom IDH. O que se pode afirmar, contudo, é que os locais mais pobres, como Norte e Nordeste, são locais de maior foco dessa prática 220. Assim, grupos sociais em situação de vulnerabilidade, mesmo sabendo da existência da violência, por terem sofrido com ela, acabam sendo enganadas com falsas promessas de benefícios ou de pagamento para que consintam com a exploração de seu trabalho, o que caracteriza o aliciamento feito pelo gato 221. Esse crime só ocorre, todavia, pela existência de viabilidade econômica, social e política 222, o que faz com que pessoas aceitem ter o seu trabalho explorado, pois acham que é preferível estar empregado de qualquer jeito a não ter nenhum trabalho e, por isso, se submetem a patrões inescrupulosos, pois passam dias a fio trabalhando, sem ganhar um salário suficiente para pagar por sua moradia e alimentação na fazenda, que são cobradas pelo próprio empregador 223. Além disso, o empregado escravizado se sente tão excluído e diminuído que acaba aceitando as condições trabalhistas impostas a ele, evidenciando, dessa forma, a baixa auto-estima do trabalhador rural brasileiro 224. Muitos explorados sentem vergonha de suas situações, por isso, varias vezes, não se manifestam contra o crime, aceitando a exploração, de forma que, em virtude da violência que sofrem, necessário se faz empenhar um grande esforço na tentativa de melhorar ou manter a auto-estima dessas pessoas. O fato dos trabalhadores mantidos 220 LIKCS, T. M. apud CACCIAMALI, Maria Cristina; Flávio Antonio Gomes Azevedo. Trabalho forçado: exclusão ou opção pela inclusão? Disponível em: <www.ilo.org/public/portugue/region/ampro/brasilia/trabalho_forcado/brasil/documentos/artigo_f.pdf>. Acesso em: 16 nov CACCIAMALI, Maria Cristina; Flávio Antonio Gomes Azevedo. Trabalho forçado: exclusão ou opção pela inclusão? Disponível em: <www.ilo.org/public/portugue/region/ampro/brasilia/trabalho_forcado/brasil/documentos/artigo_f.pdf>. Acesso em: 16 nov PEREIRA JÚNIOR, Loris Rocha. FÓRUM SOCIAL MUNDIAL 2003: Anais da Oficina Trabalho Escravo: Uma Chaga Aberta. Brasília: OIT, 2003, p MELO FILHO, Hugo Cavalcanti. FÓRUM SOCIAL MUNDIAL 2003: Anais. P. 34. Op. Cit. 224 MIRANDA, Nilmário. FÓRUM SOCIAL MUNDIAL 2003: Anais. P. 36. Op. Cit.

89 89 como escravos esconderem o que ocorria com eles durante a estada nas fazendas, dificulta a punição dos infratores de tal maneira que se pode dizer que, por achar que deve pagar a dívida ao patrão e por medo de ser preso por estar errado ao querer se livrar da situação em que vive, o empregado não utiliza os instrumentos de defesa oferecidos pela Lei, o que prejudica a construção e formação de uma condição social melhor como, por exemplo, a de um assalariado com seus direitos trabalhistas observados e respeitados 225. Existe oferta de mão-de-obra, assim, deve ser garantido trabalho decente para todas essas pessoas, garantindo, ao mesmo tempo, em relação ao empregador, lucro e competitividade 226. Contudo, o que vemos hoje é a subsistência do coronelismo no Brasil, com a perpetuação do crime de trabalho escravo, que acaba sendo ocultado por omissão dos agentes estatais que estão vinculados ao sistema de reciprocidade para com os coronéis ou, ainda, ameaçados de morte, juntamente com sua família, a mando do infrator 227. Na tentativa de evitar a reincidência do trabalhador rural como vítima deste crime, existe, nos municípios, uma proposta de juntar esforços com o intuito de implantar programas e ações sociais evitando, assim, o recrutamento de trabalhadores que aceitam tal prática pela falta de oportunidade que têm na vida 228. E nesse sentido, cabem as palavras 225 ESTERCI, Neide. A dívida que escraviza. Disponível em: <http://www.pgr.mpf.gov.br/pgr/pfdc/grupos_encerrados/trab_escravo/documentos/esterci.pdf>. Acesso em: 27 dez VILELA, Ruth. II Jornada de debates sobre Trabalho Escravo. Brasília, STJ, 23 e 24 nov COSTA, Flávio Dino. FÓRUM SOCIAL MUNDIAL 2003: Anais da Oficina Trabalho Escravo: Uma Chaga Aberta. Brasília: OIT, 2003, p MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. Secretaria de Inspeção do Trabalho. O Trabalho Escravo e as Políticas Governamentais para sua Erradicação. Brasília, 2003, p.13. Documento enviado pela SEDH.

90 90 proferidas por Valderez Maria Monte Rodrigues, representante do SINAIT e do Grupo Móvel de Fiscalização 229 : O que fazer para que o trabalhador escravo liberte-se definitivamente? [...] Não sei tudo, mas tenho uma certeza: a inclusão urgente desse homem naquilo que chamamos de cidadania, com a garantia dos direitos básicos, através do conhecimento, da alfabetização, da qualificação profissional, políticas públicas de geração de renda com a fixação desse homem ao campo que ele tanto ama, proporcionado-lhe, e à família, assistência médica, odontológica e até mesmo psicológica porque não?,[sic] escola adequada e digna para os filhos, terra, estrada, transporte, crédito e assistência técnica, enfim, uma reforma agrária competente e real. Antes mesmo dessas conquistas, urge que os escravagistas sejam punidos com os rigores da lei, desde o pagamento das multas trabalhistas, prisões exemplares, expropriação. [...] E, mais um detalhe: que se crie a obrigação de que esses senhores de escravos devolvam aos cofres públicos o valor relativo ao custo de cada Grupo Móvel que tiver que fiscalizar a situação que ele mesmo criou. Aí sim, poderemos pretender a legítima liberdade aos trabalhadores escravizados, aos subcidadãos que produzem riqueza e grandes lucros aos agronegócios no Brasil. O trabalhador rural brasileiro possui direitos mínimos à preservação de sua dignidade, de tal forma que, qualquer tratamento que não alcance esse patamar ensejará, sem sombra de dúvida, em um trabalho degradante, fazendo com que se amplie, ainda mais, o já imenso número de pessoas escravas que temos no Brasil In FÓRUM SOCIAL MUNDIAL 2003: Anais. P. 73. Op. Cit. 230 MELO FILHO, Hugo Cavalcanti. FÓRUM SOCIAL MUNDIAL 2003: Anais da Oficina Trabalho Escravo: Uma Chaga Aberta. Brasília: OIT, 2003, p. 35.

91 91 9 EXPOSIÇÃO DE FATOS REAIS: 9.1 Casos, depoimentos e fazendas denunciadas pela prática ilícita de trabalho escravo: Relembrando, a escravidão contemporânea é um fato que realmente existe, de maneira altamente clandestina e, por ocorrer às escondidas, existe um grande desconhecimento social em relação è realidade da exploração no meio rural brasileiro 231, cabendo relembrar, aqui, que além da existência quase que oculta do crime, devido a distância e a vigilância nas fazendas, este é sempre negado por parte dos escravos libertados, por razão de vergonha e medo, vez que sofreram muita violência por parte dos capangas e, também, por achar que o direito penal irá prejudicá-lo e vê-lo como culpado e devedor. Isso porque, como já foi dito, as classes inferiores vêem a política criminal voltada para eles, nunca para os ricos fazendeiros 232. Por essas razões, os parágrafos a seguir serão dedicados à exposição de fatos que realmente vêm sendo praticados no meio rural brasileiro. Para começar, interessante é relatar um incidente vivido por Binka Le Breton: Ela relata que acompanhou uma fiscalização do grupo Móvel que, segundo ela, não foi muito bem sucedida, por razões fora do controle do Grupo Móvel, pois nem todos os trabalhadores foram libertados. Além disso, o dono da fazenda não concordou em fazer o pagamento dos trabalhadores, gerando tensão nessa fiscalização, inclusive por parte dos policiais federais. O dono da fazenda Chico Filho chamou seu advogado, que veio com um integrante da Polícia Federal, alegando que o preço a ser pago não estava de acordo coma situação, que o banco não 231 BRETON, Binka Le. Trabalho Escravo A chaga do Brasil aberta para o mundo. Disponível em: <www.ilo.org/public/portugue/region/ampro/brasilia/trabalho_forcado/brasil/documentos/entrevistabinka.pdf>. Acesso em: 21 nov ESTERCI, Neide. A dívida que escraviza. Disponível em: <http://www.pgr.mpf.gov.br/pgr/pfdc/grupos_encerrados/trab_escravo/documentos/esterci.pdf>. Acesso em: 27 dez

92 92 poderia pagar a dívida, pois não teria dinheiro suficiente para isso, de forma que o ressarcimento dos empregados não foi realizado, ficando o grupo Móvel desmoralizado perante os trabalhadores, não só pelo fato de não conseguirem as quitações de dívidas do patrão para com os peões, mas pela notável desunião entre os Auditores Fiscais e os Policiais Federais, pois estes últimos evadiram-se do local, deixando todos em uma situação vulnerável de segurança. Outro fato interessante se deu em uma entrevista que Breton conseguiu com o Senhor Quagliato fazendeiro denunciado por prática de trabalho escravo em suas terras que a recebeu muito bem, transparecendo uma figura educada e profissional, o que contrasta com o fato de suas fazendas terem sido apontadas como locais de exploração do trabalho humano. Esse incidente vem comprovar, mais uma vez, o que já foi afirmado: esses criminosos não se enquadram no estereótipo de infrator estabelecido pelo senso comum de uma sociedade, haja vista ter dinheiro, educação etc 233. Existem, também, empresas que utilizam a mão-de-obra escrava e, quando detectadas, firmam acordo para regularizar a situação, de forma que depois se descobre que até mesmo o acordo foi fraudado e a prática continua nas fazendas. É o caso da Agropecuária Rio Largo, localizada ao sul do Pará, que em 2000 foi verificada a prática escravocrata no local, sendo que um acordo foi firmado, por escrito, junto ao Ministério Público, prometendo a regularização dos funcionários. Assim, mandaram cópias dos recibos de recolhimento de impostos e das carteiras de trabalho dos peões, além de terem enviado retratos de novos alojamentos e de um bom refeitório, dando a impressão de que está tudo organizado e de acordo com a Lei. Não bastando, afirmaram que os trabalhadores recebiam duzentos reais por cada mês 233 BRETON, Binka Le. Trabalho Escravo A chaga do Brasil aberta para o mundo. Disponível em: <www.ilo.org/public/portugue/region/ampro/brasilia/trabalho_forcado/brasil/documentos/entrevistabinka.pdf>. Acesso em: 21 nov

93 93 de serviço. Contudo, em 2002, uma nova fiscalização foi feita, e lá foram encontrados sessenta homens em situação análoga à de escravo, que eram obrigados a assinar recibos comprovando o pagamento do salário que, na verdade, nunca receberam. Assim, quem não assinava, tinha o nome publicado no jornal, informando que o mesmo tinha abandonado o serviço e, por cada uma dessas supostas pessoas, era depositado o valor de noventa e seis reais em juízo, o que não deixa de ser lucrativo para o fazendeiro, pois deposita essa quantia mínima, mas sonega todos os direitos trabalhistas de seu peão, barateando o custo de sua produção, de forma que, ao firmar um compromisso e simular seu cumprimento, passa a acobertar o crime com a própria lei. Se eu não tivesse acompanhado a diligência e confiasse somente nas provas documentais, acharia que os fazendeiros cumpriam a lei, afirma Hideraldo Machado, Procurador do Trabalho, presente à fiscalização 234. Vele lembrar, também, o caso da já citada Fazenda e Castanhal Cabaceiras, cuja desapropriação se deu, no diário oficial, no dia 19 de outubro de Foi constatado pelo INCRA/MDA, que o Grupo Especial Móvel detectou, por quatro vezes, exploração da mão-deobra, além de uma série de irregularidades em relação às normas de trabalho, situação que fez com que o nome da empresa fosse citado na lista suja, ou melhor, cadastro de empregadores. Na última fiscalização feita na fazenda, foram encontradas dezoito pessoas, inclusive um menor de dezesseis anos, trabalhando em situação análoga à de escravo, sem alojamento adequado, além da má alimentação, falta de higiene, saúde e segurança. Por isso, foi fixada uma multa de R$ ,00 por dano moral que foi destinada ao Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT). E foi o descumprimento da função social trabalhista da propriedade que ensejou a desapropriação da 234 CACCIAMALI, Maria Cristina; Flávio Antonio Gomes Azevedo. Trabalho forçado: exclusão ou opção pela inclusão? Disponível em: <www.ilo.org/public/portugue/region/ampro/brasilia/trabalho_forcado/brasil/documentos/artigo_f.pdf>. Acesso em: 16 nov

94 94 área rural, tendo o Decreto Presidencial se fundamentado, também, no inciso III do artigo 186 da Constituição Federal, de forma que toda a área foi destinada a beneficiar cerca de 340 famílias no sul do Pará 235. Vários relatos de trabalhadores submetidos à prática escravagista também podem ser citados como, por exemplo, a comida era servida em latões nunca lavados, e o alojamento fedia a chiqueiro. E a gente dormia amontoado, foi o que disse um trabalhador de uma destilaria do MS denunciada pelo crime ora em questão (Folha de São Paulo, 11/05/91), de forma que frases como bebiam a mesma água que os cachorros, morando numa pocilga, viviam que nem porcos, são vistas e ouvidas muitas vezes em denúncias e fiscalizações contra o crime de trabalho escravo. Ainda nos depoimentos dos empregados, presente estava, com freqüência, a palavra humilhação e frases como não tivesse um juízo muito forte enlouquecia, e assim, essas pessoas preferem se esconder por trás de sua exploração, pois é o único meio que encontram de se proteger da falta de dignidade. A situação causada pela dívida é tão absurda e agressiva que uma viúva, para garantir a dignidade do marido falecido, aceitava a sua exploração e a de seus filhos, numa fazenda onde eram criados gados, para pagar o que era devido ao empregador. Assim, tais pessoas acabam perdendo a esperança e não vêem a possibilidade de melhorar de vida, ou de morar e trabalhar em um lugar mais digno, o que fortalece a baixa auto-estima dos trabalhadores, contribuindo para a reincidência destes como vítimas da exploração KAIPPER, Carlos Henrique. Desapropriação da fazenda e castanhal cabaceiras / PA: um marco histórico na luta pela reforma agrária, pela preservação do meio ambiente e pela regulação das relações de trabalho no campo. Texto enviando, via , por Rachel Maria Andrade Cunha, assessora da SEDH. 236 ESTERCI, Neide. A dívida que escraviza. Disponível em: <http://www.pgr.mpf.gov.br/pgr/pfdc/grupos_encerrados/trab_escravo/documentos/esterci.pdf>. Acesso em: 27 dez

95 95 Logo abaixo, está transcrito um enviado pela assessoria da Secretaria Especial de Direitos Humanos, onde se expõe a impunidade, a lentidão nas ações, dentre outros problemas que, infelizmente, são realidade nos dias de hoje: Condenações por trabalho escravo são poucas: Bernardo de La Peña BRASÍLIA. A Procuradoria da República move pelo menos 202 processos criminais na Justiça Federal contra fazendeiros, agenciadores de trabalhadores rurais, conhecidos como gatos, e empresários acusados de manter trabalhadores escravos em todo o país. O número de processos, maior do que os 166 de infratores incluídos nas três "listas sujas" do trabalho escravo, feitas pelo Ministério do Trabalho a partir de operações de fiscalização, entretanto, não garante a punição. * Sabemos de apenas duas condenações nos últimos dez anos, mas se houver alguma outra este número não passa de cinco * afirma a subprocuradora-geral da República Ela Wiecko de Castilho. Só entre denúncias apresentadas por procuradores da República entre março de 2003 e junho do ano passado são 39 processos, nos quais foram denunciadas 125 pessoas, 51 delas proprietárias das terras onde foram encontrados trabalhadores escravos. Além desses, outros 85 processos penais e pelo menos 87 inquéritos, que envolvem prisões e medidas cautelares, tramitam pela Justiça Federal nos 27 estados brasileiros. Provar a culpa de proprietários é difícil A subprocuradora atribui o pequeno número de condenações às dificuldades inerentes ao processo penal. A polêmica sobre de quem é a competência para julgar os casos, se da Justiça Federal ou da Justiça comum, também é apontada pelos especialistas como um problema. A jurisprudência, classificada como antiga pela subprocuradora, admite que os processos podem ser julgados pela Justiça comum. * Na área penal, é necessário mostrar a consciência e a vontade do fazendeiro de tratar as pessoas como escravos. Isso é mais fácil em relação aos gerentes das fazendas, mas mais difícil quando se trata do dono. Já teve juiz que absolveu proprietários apesar de as pessoas estarem vivendo como porcos num barraquinho. Os donos da fazenda costumam alegar que as pessoas já viviam assim * explica a subprocuradora. * Eles acham que peão é peão. Pode dormir no chão, beber água suja e receber menos de um salário-mínimo. Lentidão da Justiça pode causar prescrição do crime

96 96 A lentidão da Justiça muitas vezes pode provocar também a prescrição do crime. Para o chefe da Coordenadoria Nacional de Combate ao Trabalho Escravo, Luís Camargo, as ações criminais na Justiça são importantes por representar o fechamento do cerco aos proprietários de terras que exploram trabalhadores como escravos: * Só duas coisas têm feito com que esses escravocratas modernos recuem: uma é a indenização por danos morais (determinada pela Justiça trabalhista), e a segunda é a lista do governo que faz com que seque o financiamento público para estes infratores * afirma Luís Camargo. Ele admite que a jurisprudência sobre o assunto é desfavorável. * A Justiça Federal remete para a Justiça comum o julgamento dessas demandas. Isso é ruim porque a Justiça estadual é mais sujeita a pressões e injunções que acabam prejudicando os julgamentos. Severino Goes Assessor de Imprensa Projeto Combate ao Trabalho Escravo Escritório da OIT no Brasil. Gostaria de citar, também, um caso de trabalho escravo detectado numa fazenda, localizada ao Oeste da Bahia, que foi discutido judicialmente em Barreiras, que por sinal é minha cidade natal. O texto a ser citado, foi enviado via por Rachel Maria Andrade Cunha, da Secretaria Especial de Direitos Humanos: Empresa condenada a pagar indenização por danos morais aos trabalhadores: A Justiça Trabalhista condenou uma empresa e um fazendeiro da Bahia por submeter empregados a trabalho análogo à escravidão. A juíza Alice Maria Santos Braga, titular da vara do Trabalho de Barreiras, município na região oeste do Estado, atendeu à reclamação dos agricultores Antonio Rodrigues Paé, 37, e Inácia Cordeiro, 43, contra a empresa Roda Velha Agroindustrial Ltda, localizada no município vizinho de São Desidério, e o fazendeiro José Leite Filho de Barreiras. Os trabalhadores foram assistidos na ação pela AATR (Associação dos Advogados Trabalhistas Rurais da Bahia).

97 97 Nos esclarecimentos preliminares da ação, os advogados informaram que a Roda Velha ficou conhecida nacionalmente em 2003 por ter sido alvo da maior libertação de trabalhadores em regime de trabalho escravo registrada até então no país. O fato ocorreu entre os dias 19 de agosto e 5 de setembro de Cerca de 800 trabalhadores, entre eles crianças e adolescentes, foram encontrados em condições análogas à de escravidão na lavoura de café da empresa, sendo que destes, mais de 70 trabalhadores encontravam-se enfermos sem qualquer assistência médica. A partir daquela operação, a Bahia, com ênfase na região Oeste, passou a figurar entre os sítios que mais fornecem e utilizam mão-de-obra escrava no Brasil. "Portanto, a utilização do trabalho compulsório e degradante na propriedade da primeira Reclamada não é novidade e encontra-se amplamente noticiada, sendo que os reclamantes [trabalhadores] estiveram submetidos à condição análoga a de escravo no período em que ali laboraram, situação constatada pela equipe de fiscalização móvel entre os dias e ", afirmaram os advogados. De acordo com a inicial da ação, os trabalhadores sujeitavam-se à imposição de trabalhos degradantes análogos a de escravo e teriam tolhido o seu direito de ir e vir caso permanecessem por mais tempo na fazenda, uma vez que prepostos dos empregadores os mantinham a seu julgo utilizando-se de "supostas" dívidas superfaturadas que os empregados contraíam no barracão (ou cantina) da propriedade, relativas à hospedagem, alimentação, instrumentos indispensáveis ao trabalho, tudo a ser descontado do salário. A fiscalização do Grupo Móvel do Ministério do Trabalho e Emprego constatou ainda uma série de violações às normas trabalhistas, entre elas: trabalhadores sem o respectivo registro em livro, ficha ou sistema eletrônico; admissão de empregados sem assinatura da CTPS; ausência de exames médicos admissionais; falta de material necessário para a prestação de primeiros socorros; não fornecimento de equipamentos de proteção individual; não fornecimento de abrigos para proteção contra intempéries; falta de condições mínimas de conforto e higiene para as refeições; não fornecimento de água potável em condições higiênicas; não fornecimento de alojamentos e condições sanitárias em situação minimamente adequada; retenção indevida de salários e verbas rescisórias; coação do empregado por dívidas contraídas no barracão; e manutenção de "segurança" armada na propriedade. "Com efeito, a conduta das Reclamadas merece a reprovação mais profunda deste MM. Juízo, pois, atuando em conjunto, arregimentaram mão-de-obra nos

98 98 moldes do que se denomina escravagismo contemporâneo [comumente capitaneado por grandes empresas agrícolas e intermediado pelo gato, falso empreiteiro, testa-de-ferro], em que trabalhadores em situação de extrema pobreza são ludibriados, enganados por promessas fantasiosas e coagidos, moral e fisicamente, ao trabalho forçado em condições indignas", requereram os advogados. Decisão No seu despacho a juíza Alice Maria entendeu que a instrução processual "demonstrou à saciedade, sujeição dos trabalhadores a condições desumanas, com graves prejuízos à honra dos reclamantes, redução de sua estima própria e/ou social, violado sua moral e respeitabilidade, atingindo os direitos de sua personalidade". A magistrada deferiu o pedido de indenização por dano moral, na razão de R$ para cada Antonio e Inácia, na razão de metade do piso normativo para cada dia de duração do vínculo empregatício. Com relação aos demais pleitos requeridos pelos advogados, a juíza acatou a maior parte dos pedidos. Ela julgou procedente em parte o pedido, para reconhecer a existência da relação de emprego entre os trabalhadores e o fazendeiro José Leite Filho, mas o condenou e a Roda Velha Agroindustrial a pagarem a Antonio e Inácia, com juros e correção, as seguintes parcelas: verbas rescisórias; multa legal; repouso semanal remunerado; restituição de descontos, além da já citada indenização por dano moral. Coube ainda a José Leite retificar a CTPS do casal de trabalhadores. Severino Góes Assessor de Imprensa Projeto Combate ao Trabalho Escravo Escritório da OIT no Brasil. São inúmeros os casos de exploração do trabalho humano no Brasil, o que seria impossível e monótono citá-los nesta pesquisa, de forma que este tópico, assim como os

99 99 seguintes, tem por fundamento, apenas, expor de uma forma clara e com dados reais a absurda afronta à dignidade humana que existe contra os menos favorecidos econômica e socialmente em nosso país. 9.2 Processos, denúncias, decisões, jurisprudências e documentos: Por pedidos da Secretaria Especial de Direitos Humanos, não serão citados nomes, nem os números relativos ao documento anexado abaixo. Seu conteúdo expressa o conflito de competência para julgamento do crime de trabalho escravo, fator que dificulta, de forma significativa, o combate ao crime. MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão VOTO N.º: PROCESSO MPF N.º: PROCESSO N.º: REQUERENTE: REQUERIDO: MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PR/GO IRREGULARIDADE NA CONTRATAÇÃO DE TRABALHADORES PARA O ARRANQUIO DA LAVOURA DE FEIJÃO. CRIMES CONTRA ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO. REDUÇÃO À CONDIÇÃO ANÁLOGA À DE ESCRAVO. INOBSERVÂNCIA AS NORMAS TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS. ÍNDIOS INTEGRANDO O GRUPO DE TRABALHADORES. COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA

100 100 FEDERAL. OBSERVÂNCIA À SÚMULA N.º 122 DO STJ. VOTO PELA DESIGNAÇÃO DE OUTRO MEMBRO DO MPF PARA O OFÍCIO. 1.Trata-se de procedimento administrativo, instaurado pela Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão, em face do relatório conclusivo da Ação Fiscal apresentada pelo Ministério do Trabalho e Emprego, relativo à ocorrência de supostas irregularidades praticadas pela empresa XX XXXXXXX XXXXXX XXXX, no Município de Cabeceiras de Goiás/GO na contratação de trabalhadores para colheita da lavoura de feijão do Sr. XXXXXX XXXXXXX XX XXXXX. 2.Consta dos autos, que os trabalhadores foram contratados pela aludida empresa, sem o devido registro na CTPS e que a mesma não os fornecia equipamentos de proteção para colheita do feijão, nem tampouco havia material de primeiros socorros. Forram alojados em precariamente, pois muitos dormiam no chão, dada a insuficiência de camas, as instalações sanitárias eram precárias, sujeitando as pessoas a fazerem suas necessidades nos quintais ou lotes vagos dos vizinhos. Quanto a alimentação, os trabalhadores tinham que pagar pela marmita oferecida, sendo que muitas essas estragavam, devido o intervalo de tempo em que eram preparadas e consumidas. E ainda, parte destes trabalhadores eram indígenas. [grifo nosso] 3.Encaminhado os autos à Procuradoria da República no Estado do Goiás, a Procuradora-chefe remeteu os autos à Coordenadoria Jurídica para distribuição. 4.O Procurador da República, Dr. DIVINO DONIZETE DA SILVA, houve por bem requerer a declinação da competência à Justiça Comum Estadual [grifo nosso], por entender que a competência da Justiça Federal, conforme preceitua o art. 109, VI, da Constituição Federal, é restrita ao processamento e julgamento dos crimes praticados contra a organização do trabalho (fls. 03).[grifo do autor] 5.O MM. Juiz Federal da 11ª Vara da Seção Judiciária de Goiás, discordando das razões expendidas pelo Membro Ministerial, firmou a competência para processar e julgar o feito, determinando retorno dos autos ao MPF, para as providências cabíveis.[grifo nosso] 6.O representante do Parquet Federal insistiu na declinação do juízo, no que foi indeferido pelo ínclito julgador, que remeteu os presentes autos ao Procurador-Geral da República, consoante o art. 28 do CPP.[grifo nosso] 7.É o relatório.

101 101 8.Com a devida vênia, discordo do entendimento do ilustre colega DIVINO DONIZETE DA SILVA. 9.Extrai-se da análise dos autos, que os trabalhadores foram aliciados pelo gato (empreiteiros) para trabalhar na lavoura de feijão do Sr. WILSON BATISTA DO COUTO. 10.Este trabalhadores foram contratados sem o devido registro legal na CTPS para trabalhar em território nacional diverso do qual residia e submetido a condições desumanas, conforme o relatório do Grupo de Fiscalização Móvel do Ministério do Trabalho e Emprego. 11.Ademais, dentre os trabalhadores contratados para a colheita do feijão, estavam integrantes da raça indígena (Xacriabás). 12.Pois bem, verifico que os autos noticiam, em tese, conduta delituosa contra a organização do trabalho previsto nos arts. 203 e 207 do CP, crime de redução à condição análoga à escravo (art. 149, do CP), bem como crimes previdenciário, face à ausência de registro destes trabalhadores, burlando desta forma os interesses da Fazenda Federal.[grifo nosso] 13.O art. 109, inc. VI, da CF, definiu que o julgamento dos crimes praticados contra a organização do trabalho seriam da Justiça Federal. Porém, coube aos operadores do direito interpretar e definir o que seriam delitos praticados em detrimento a organização trabalhista, haja vista a variedade de tipos penais inseridos no Título IV, do Código Penal Brasileiro. 14.Os Tribunais firmaram jurisprudências no sentido de que seriam da competência da Justiça Federal aqueles crimes que violassem a organização geral do trabalho ou direitos dos trabalhadores considerados, coletivamente, segundo a Súmula n.º 115 do extinto Tribunal Federal de Recursos, razão pela qual crimes desta natureza, praticados contra a liberdade individual dos trabalhadores, ou seja, individualmente considerados, são remetidos à Justiça Estadual para o seu regular processamento.[grifo nosso] 15.No caso, não se aplica tal interpretação, visto que a ofensa aos direitos, ora trabalhistas, ora previdenciários e quiçá outros, ainda não constatados nesta sumária investigação, fora em detrimento de um grupo de mais de 200 pessoas, conforme o relato dos fiscais do Ministério do Trabalho e Emprego.[grifo nosso]

102 É censurável a conduta de certos empresários que contratam trabalhadores, aproveitando-se da situação de dificuldade que passa essas pessoas nos longínquos rincões deste país, e no intuito de aumentar seus lucros, sem o devido controle e fiscalização dos entes estatais dada a dimensão do território nacional, e disto se aproveitam para ilidir o fisco, legislação trabalhista, previdenciária e a própria proteção aos direitos humanos. 17.Em face da relevância da matéria, entendo que a hipótese é do interesse nacional, e por conseguinte da competência da Justiça Federal para processa e julgar fatos desta natureza.[grifo nosso] 18.Sobre o tema, a Oficina de Trabalho-Aperfeiçoamento Legislativo para o Combate ao Trabalho Escravo, no qual contou com a participação de órgãos e entidades governamentais - dentre elas: MPF; MPT PF; OAB, ponderou no seu relatório conclusivo, verbis: (...) Pelo critério do interesse da União, objetivamente identificado, o resultado da avaliação satisfaz também ao modelo de definição da competência federal. O delito em exame ofende claramente interesses da União Federal, expressos na Constituição, já que atenta contra a dignidade da pessoa humana, a liberdade no trabalho, e retira a função social da propriedade, valores que a União Federal comprometeu-se a defender, assumindo inclusive compromissos internacionais, como visto. Veja-se que o art. 34, VII, b, da CF atribui mesmo ao ente central o poder de intervenção nas entidades da Federação, para preservar os direitos da pessoa humana. (...) [grifo do autor] 19.A propósito, cito a jurisprudência do Tribunal Regional Federal da 1ª Região: PENAL. PROCESSO PENAL. HABEAS CORPUS. REDUZIR ALGUÉM À CONDIÇÃO ANÁLOGA A DE ESCRAVO (ART. 149, CP). FRUSTRAR DIREITO ASSEGURADO POR LEI TRABALHISTA (ART. 203, CP). CRIMES CONTRA A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO. COMPETÊNCIA. CONFIGURAÇÃO DE INTERESSE ESPECÍFICO DA UNIÃO. COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA FEDERAL. ORDEM DENEGADA. 1. Número expressivo de pessoas, 135 (cento e trinta e cinco), trabalhando para empresa agroindustrial em condições sub humanas, análogas às de escravo, sem observância das leis trabalhistas e previdenciárias. Configuração de crime contra a organização geral do trabalho.

103 Interesse da União no combate às práticas atentatórias contra a dignidade da pessoa humana e a liberdade do trabalho. Competência da Justiça Federal. 2. Ordem denegada. (HC /MT, TRF 1ª R, Rel Des. CARLOS OLAVO, DJU , p ) PENAL. PROCESSO PENAL. HABEAS CORPUS. REDUZIR ALGUÉM À CONDIÇÃO ANÁLOGA A DE ESCRAVO (ART. 149, CP). ATENTADO CONTRA A LIBERDADE DE TRABALHO (ART.197, CP). FRUSTRAR DIREITO ASSEGURADO POR LEI TRABALHISTA (ART. 203, CP). ALICIAMENTO DE TRABALHADORES DE UM LOCAL PARA OUTRO DO TERRITÓRIO NACIONAL (ART.207). AUSÊNCIA DE JUSTA CAUSA PARA A AÇÃO PENAL. INOCORRÊNCIA. MATERIALIDADE E INDÍCIOS DE AUTORIA. CRIMES CONTRA A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO. CONFIGURAÇÃO DE INTERESSE ESPECÍFICO DA UNIÃO. COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA FEDERAL. ORDEM DENEGADA. 1.Materialidade comprovada e indícios de autoria. Presentes os pressupostos legais para o recebimento da denúncia. Art. 41 do CPP. 2.Trabalho prestado em condições sub humanas, análogas às de escravo, sem observância das leis trabalhistas e previdenciárias. Configuração de crime contra a organização geral do trabalho. 3. Interesse da União no combate às práticas atentatórias contra a dignidade da pessoa humana e a liberdade do trabalho. Competência da Justiça Federal. 4. Ordem denegada. (HC /MA, TRF 1ª R, Rel. Des. CARLOS OLAVO, DJU , p. 24)[grifo do autor] 20.Outrossim, verifica-se que havia entre os trabalhadores vitimados pela conduta ora narrada, a existência de índios da etnia Xacriabás, o que reforça, ainda mais, a definição da competência da Justiça Federal para processar e julgar os delitos, sobretudo, porque houve ofensa a direitos (individuais e coletivos) dos indígenas e a sua própria organização econômica e social. 21.A questão não é nova. Esse egrégio Superior Tribunal de Justiça consolidou sua jurisprudência, a teor do enunciado nº 140, no sentido de que compete à Justiça Comum Estadual processar e julgar crime em que indígena figure como autor ou vítima.[grifo do autor]

104 Essa orientação, no entanto, conflita com entendimento sufragado pelo Supremo Tribunal Federal que, em acórdãos proferidos na vigência da atual Constituição, nos termos do inciso XI do artigo 109, proclamou competir à Justiça Federal o processo e julgamento de ação penal instaurada para apuração de delitos praticados por indígena ou contra ele, pois todos os direitos dos índios são tutelados pela União, conforme dispõe o artigo 231 da Carta Magna (RT 758/687).[grifo do autor] É o que demonstram os julgados adiante reproduzidos: HABEAS CORPUS. HOMICÍDIO. ÍNDIO. JUSTIÇA ESTADUAL: INCOMPETÊNCIA. ARTIGO 109, XI, DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL. Caso em que se disputam direitos indígenas. Todos os direitos (a começar pelo direito à vida) que possa ter uma comunidade indígena ou um índio em particular estão sob a rubrica do inciso XI do art. 109 da Constituição Federal. Habeas corpus concedido para que se desloque o feito para a Justiça Federal, competente para julgar o caso. (HC nº /MS, Rel. Ministro FRANCISCO RESEK, in DJU de 22/11/1996)[grifo do autor] RECURSO EXTRAORDINÁRIO. CONFLITO DE COMPETÊNCIA. HOMICÍDIO. CRIME PRATICADO CONTRA SILVÍCOLA. COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA FEDERAL. 1. A Constituição Federal, em seu art. 231, impôs à União o dever de preservar as populações indígenas, preservando, sem ordem de preferência, mas na realidade existencial do conjunto, sua cultura, sua terra, sua vida. 2. Sendo a vida do índio tutelada pela União, é competente a Justiça Federal para julgar o feito, não estando a Justiça Estadual, na presente ordem constitucional, legitimada a conhecer das infrações penais cometidas por ou contra silvícolas. Recurso conhecido e provido. (RE nº /RR, 2ª Turma, Rel. Ministro MAURÍCIO CORRÊA)[grifo do autor] 23.A Constituição Federal, inovando em relação à Carta de 1969 e atribuindo fundamento constitucional aos direitos indígenas, deu ao silvícola tratamento distinto, seja no intuito de reconhecer sua organização social, cultura, costumes, línguas, crenças e tradições, além do direito sobre as terras tradicionalmente ocupadas (art. 231), seja para conferir competência à Justiça Federal para processar e julgar as lides que tenham por objeto a disputa sobre direitos indígenas (art. 109, XI). 24.Em preciosa reflexão sobre o tema, sob o enfoque processual, a partir do tratamento constitucional reservado à sociedade indígena, o ilustre Subprocurador-Geral da República CLÁUDIO LEMOS FONTELES não teve receio de afirmar que o artigo 231 da Carta Política, inquestionavelmente, impôs à União o dever de preservar as populações indígenas, preservando, sem ordem de preferência, mas na realidade existencial do conjunto: sua cultura; sua terra; sua vida. Sua cultura, porque aos índios há o reconhecimento constitucional de sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições. Sua terra, porque aos índios há o reconhecimento constitucional dos direitos sobre as terras que

105 105 tradicionalmente ocupam. Sua vida, quer na expressão do indivíduo considerado de per se quer na expressão da liderança, ou das lideranças do grupo, quer na expressão do próprio grupo, porque a cada índio, em particular, e a todos em coletividade, estende-se o dever de proteção constitucionalmente imposto à União: Proteger e fazer respeitar todos os seus bens. Bens, por óbvio, não só os economicamente mensuráveis, mas os inestimáveis como a vida, a integridade física, a honra etc. Ora, como dissemos antes, porque o art. 231, caput, da CF, impõe à União o dever de preservar as populações indígenas, preservando, sem ordem de preferência, mas na realidade existencial do conjunto, sua cultura, sua terra, sua vida e porque o inc. IX (sic) do art. 109 da mesma Carta, que o primeiro operacionaliza, marca na Justiça Federal de 1º grau a competência jurisdicional para as contendas sobre direitos indígenas, a Justiça estadual não mais está legitimada a conhecer das infrações penais cometidas por, ou contra índios. Sem sobressaltos, à luz do novo texto constitucional é de se estabelecer nova orientação jurisprudencial para tais assuntos criminais (Os julgamentos de crimes cometidos contra comunidades indígenas pela Justiça Estadual. Revista da Procuradoria-Geral da República, nº 3, 1993, p. 59/61).[grifo do autor] 25.Assim também entendeu o Excelso Pretório nos precedentes antes invocados: o termo direitos indígenas compreende todos os direitos que a comunidade ou um índio em particular possam ser titulares. A proteção que se pretendeu dar ao silvícola justifica a competência da Justiça Federal sempre que houver ofensa a seus direitos, não apenas os inestimáveis, mas os economicamente mensuráveis. 26.Não se trata de dar foro privilegiado aos autores de crimes contra indígenas, mas de dar exata aplicação à norma constitucional que declara a Justiça Federal como juiz natural das causas que tenham por objeto a disputa de direitos indígenas, pouco importando, se o índio é o autor ou a vítima da conduta delituosa. 27.Pretendeu o constituinte, na elaboração dos preceitos insertos nos artigos 109, inciso XI, e 231, dar integral proteção ao índio, em qualquer situação, remetendo para a Justiça Federal todas as causas cíveis e penais que tenham por objeto direitos indígenas. Deslocar a competência para a Justiça Estadual é contrariar frontalmente esses dispositivos, especialmente, o preceito constitucional de índole processual. 28.A Sexta Câmara de Coordenação e Revisão (Comunidades Indígenas e Minorias) do Ministério Público Federal, em parecer da antropóloga Maria Fernanda Paranhos acerca dos trabalhadores índios do Estado do Mato Grosso do Sul e do fenômeno do trabalho fora, descreve essa realidade (violação da organização geral do trabalho e dos direitos dos trabalhadores indígenas considerados coletivamente) e realça a ocorrência de maltratos (SIC) aos direitos, à cultura, aos costumes e à organização social e econômica do grupo étnico Terena. Esse estudo traz importantes conclusões: As condições de trabalho denunciadas como existentes nas destilarias, caracterizadas pela comercialização de todos os produtos necessários ao índio fora de sua Terra e o endividamento permanente

106 106 nos alojamentos associado à baixa remuneração dentro das usinas, podem ser enquadradas na nossa noção de mecanismos repressivos de imobilização da mão-de-obra na agricultura. Essa noção refere-se a uma relação específica que se estabelece entre a classe proprietária rural e a mão-de-obra agrícola. O uso da mão-de-obra indígena de forma servil ou semi-servil enquadra-se nesta noção que se distingue de outros sistemas de trabalho agrícola nos quais os assalariados têm a liberdade de recusar um trabalho ou as condições deste e ir embora. O ponto extremo dessa relação é a escravatura. Considerando que a Constituição Brasileira garante o respeito à diversidade cultural e toda cultura possui concepções de dignidade humana, é de grande importância a intervenção dos poderes públicos na proteção dos direitos dos trabalhadores indígenas. Na defesa desses direitos, alguns pontos parecem fundamentais: a) o objeto do processo aqui em referência enquadra-se indubitavelmente no contexto das relações interétnicas. Portanto, a realidade étnica do caso exige do profissional do direito máxima cautela ao investigá-lo e julgá-lo. b) os Terena têm direito à proteção de sua forma de organização econômica. c) os Terena têm direito ao trabalho, dentro ou fora de suas terras. Trabalho aqui entendido dentro da concepção de respeito à especificidade cultural como aquele que atende ao modo de ser tradicional dos Terena, que o faz se sentir digno, dentro ou fora do seu território. d) o trabalhador indígena tem direito à justa remuneração. Remuneração esta não só baseada no salário, mas que propicie ao trabalhador condições de vida e saúde. e) os trabalhadores indígenas têm direito ao equilíbrio nas relações de poder contratual entre os empregados e os seus empregadores. [grifo do autor] 29.Em outra frente, a competência da Justiça Federal, em matéria criminal, prevista no inciso IV do artigo 109, também é aplicável à hipótese porque evidenciado interesse da União na demanda, precisamente pela necessária intervenção da FUNAI na proteção dos indígenas em face de sua incapacidade civil. O interesse federal em atuar na tutela dos silvícolas, em especial quanto às suas relações sociais fora das reservas, justifica a competência da Justiça Federal. Os contratos de trabalho de locação de serviços realizados com indígenas em processo de aculturação dependem de prévia aprovação do órgão de proteção dos silvícolas e, na forma dos artigos 16, 2º, e 37 da Lei nº 6.001/73 (Estatuto do Índio), em qualquer caso de prestação de serviços por indígenas em processo de integração, a FUNAI, incumbida de assistir essas comunidades, deverá exercer permanente fiscalização das condições de trabalho, denunciando os abusos e providenciando a aplicação das sanções. Na espécie dos autos, a denúncia faz expressa referência a fatos

107 107 relacionados com a tutela dos direitos indígenas, especialmente quanto à necessidade de autorização da FUNAI para contratação de mão-de-obra indígena e à expedição irregular de guias de trânsito. 30.O disposto nos incisos IV, VI e XI do artigo 109 da Carta Magna evidencia, portanto, interesse federal na matéria, seja pela especial atuação da União na tutela e na defesa dos direitos dos silvícolas, seja pela quebra da harmonia e do equilíbrio imprescindíveis à ordem econômica e social. 31.Nessa ótica, por haver conexão de delitos de competência federal (artigos 203 e 207, do CP) e mesmo desconsiderando os fundamentos sobredito a respeito da competência da Justiça Federal acerca do delito de redução à condição análoga à de escravo (art. 149, CP), predomina a competência da Justiça Federal, nos termos da Súmula n.º 122 do STJ.[grifo nosso] 32.Ante o exposto, voto pela designação de outro Membro do MPF para o ofício por entender que é da Justiça Federal a competência para processar e julgar os fatos relatados neste feito. Brasília, 7 de outubro de 2004 CLÁUDIA SAMPAIO MARQUES Relatora O documento a seguir é do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil e, a meu ver, contém importantes questões, inclusive relatos das fiscalizações feitas em propriedades rurais:

108 108 Processo: CNDS nº 13/2001 Origem: Comissão Nacional de Direitos Sociais Proponente: Dra. Cléa Anna Maria Carpi da Rocha Interessado: Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil Assunto: Solicitação de análise e manifestação referente à exploração do trabalho escravo ou congênere no Brasil RELATÓRIO Em decorrência de artigo/denúncia publicado no Jornal Folha de São Paulo em 18 de julho de 2001, que Doutora Cléa Anna Maria Carpi da Rocha, DD. Secretária de nossa Comissão Nacional de Direitos Sociais, solicita uma análise, para posterior manifestação, acerca da aprovação, pelo Ministério do Trabalho, de parecer da sua Consultoria Jurídica, impondo uma desoneração das penalidades impostas aos empregadores de trabalho escravo ou condição semelhante.

109 109 Houve a juntada do artigo Trabalho Escravo no Brasil, de autoria do Frei Betto, que denunciava uma certa dose de leniência governamental em relação à matéria. O processo respectivo me foi distribuído, por ordem do Presidente da CNDS, Dr. Renato César Vianna Gomes, impondo-me, entre outras obrigações, um inseparável compromisso com a causa da extinção da exploração escravagista no Brasil. Ouvimos, ainda, o Frei Henry de Roziers, explanando sobre a sua atuação, como membro da igreja e da Pastoral da Terra e como advogado, na região do sul do Pará e do Bico de Papagaio. Autos relatados. VOTO 1. Conveniência e Oportunidade Importância extrema tem o assunto que nos trazem os presentes autos. Conecta-se com o Direito Constitucional; Direito Penal; Direito Civil, estando centrado, obviamente, nas searas dos Direitos Humanos e, de modo específico, no Direito do Trabalho. E, infelizmente, o Brasil, ainda nessa matéria, é exemplo negativo, o que ressalta a importância, conveniência e oportunidade da discussão que ora trazemos ao Conselho Federal. Imperiosa a urgente discussão da matéria. 2. Denúncia da Comissão Pastoral da Terra A Comissão Pastoral da Terra, instituição cristã vinculada à Igreja Católica e à Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil, cujos trabalhos são realizados desde 1975, tem denunciado o que se passa em nosso país. Vale a pena reproduzir alguns de seus documentos, que contêm declarações e fotografias que merecem divulgação, para que tenhamos noção do grau de abrangência da iniqüidade correspondente ao tema: Há anos Maranhão, Tocantins, Piauí, Ceará, Minas Gerais são percorridos por empreiteiros do Pará e Mato Grosso. Estes empreiteiros são conhecidos como gatos. Eles caçam trabalhadores rurais para derrubadas de mata, roço de juquira, limpeza de pasto, aceiro e conserto de cerca. Chegam com promessas bonitas de emprego e salário mas depois, quando os peões entram nas fazendas, encontram ameaça, espancamento e trabalho escravo. Milhares de pessoas sofreram muito nos últimos anos e dezenas, ao tentarem sair do cativeiro, foram torturadas e até mortas.

110 110 Escravidão por dívida e trabalho forçado não são resquícios do passado em fazendas remotas e atrasadas. Encontram-se nos desmatamentos, na produção de carvão, nos seringais e garimpos, em projetos com incentivos fiscais de bancos e multinacionais. São consequências de uma receita de modernização e da limitada democracia brasileira. (Alison Sutton, Trabalho Escravo, 1994) Nos últimos anos, nós os brasileiros, temos sido submetidos à vergonha de ver o Brasil várias vezes interpelado por instâncias internacionais de Justiça pela existência do trabalho escravo. Vergonha não pela interpelação em si, mas porque elas significam não só a existência como a continuidade deste crime de lesa-humanidade. (Fórum Permanente contra a Violência no Campo) 1. a CPT e o trabalho escravo no Brasil A Comissão Pastoral da Terra se preocupa há anos com a permanência do trabalho escravo no Brasil. A primeira denúncia conhecida sobre conceito moderno de trabalho escravo é de 1972, realizada por Dom Pedro Casaldaliga, de acordo com o critério divida impagável. No século 19 já havia situações de trabalho escravo - trabalho de imigrantes - por divida de viagem e alimentação. Na Alemanha, na época, houve um movimento para a libertação dos trabalhadores. E possível que tenha havido outras denuncias no âmbito da Igreja. No Brasil, ha dados de trabalho forcado com os soldados da borracha (trabalho obrigatório), onde muita gente morreu - mais de 40 mil - promovido também pelo governo. Nas décadas de 70-80, temse noticias de trabalho forcado em fazendas na Amazônia. Em 73, quando o governo militar fornece subsídios a grandes empresas da Amazônia, e estimado em 100 mil o numero de trabalhadores escravizados, por ano, ate a década de

111 Em 77, vem de Conceição do Araguaia a 1a. noticia de trabalho escravo em fazendas, dada pelos próprios trabalhadores fugitivos dessa situação. Em 74, teria havido na fazenda Bradesco - sul do Para, a queima de 60 peões. Os trabalhadores contratados fora do estado eram levados de avião para tornar a fuga mais difícil. Normalmente, a contratação e o aliciamento se dão no Piauí, Rio Grande do Sul, Paraná, Maranhão, Espirito Santo, e os trabalhadores só se dão conta da situação de divida de viagem, cantina, ferramentas, quando chegam ao local. O que fizemos? A primeira grande denúncia foi em 1984, o caso da fazenda da Vale do Rio Cristalino, da Volkswagen, no Sul do Pará. Os peões conseguiram escapar a pé da fazenda e foram parar em São Félix do Araguaia. Houve mobilização e a idéia de flagrar os responsáveis foi frustrada. Na época, o governador do Pará era Jader Barbalho. Não se conseguiu fazer o flagrante, então convocou-se a imprensa nacional e internacional e se fez a denúncia. Havia indícios de que eram 600 trabalhadores. Mais tarde, uma matéria publicada na Alemanha afirmou que havia 800 trabalhadores escravizados. É muito difícil conseguir informações exatas sobre o número de peões escravizados. O peão fala, no máximo, do grupo que foi com ele, do local onde estava. Nem sempre tem contato com o todo. O gato geralmente tem outros grupos. Quem sabe da realidade são os gerentes ou proprietários que sempre negam. Nos anos 90, o Fórum contra a Violência no Campo tem sido um veiculo forte de denúncia e debate do problema. Ele é composto de entidades da Sociedade Civil, dentro das quais a CPT, e governamentais: Ministério Público Federal, Ministério do Trabalho, INCRA entre outras pelas denúncias sucessivas realizadas, diretamente pela CPT ou através do Fórum, as autoridades começaram a se preocupar com a questão: Abril de 1993: o então presidente da CPT, Dom Augusto Alves da Rocha, denuncia em audiência com o ministro do Trabalho, Valter Barelli e ao Procurador Geral do Trabalho. Anos 92 e 93: denúncias em instâncias internacionais da ONU, OIT, Parlamento Europeu e OEA. A CPT e representada pelo Pe. Ricardo Rezende e Dr. Marcelo Lavénère, então presidente da OAB Darci Frigo, representando a CPT, faz pronunciamento na 19ª sessão da Subcomissão da ONU - grupo de trabalho sobre a escravidão contemporânea. Com isso conseguimos alguns instrumentos legais e institucionais para combater melhor o trabalho escravo: Instrução normativa do Ministério do Trabalho: dispondo sobre os procedimentos da inspeção do trabalho na zona rural.

112 : criação do GERTRAF, grupo executivo de repressão ao trabalho forçado, e implantação do Grupo Móvel de Fiscalização, pela SEFIT, seção de fiscalização do Ministério do trabalho final de 1998: a lei sobre o trabalho escravo, em tramitação há 2 anos, é votada pelo Congresso e sancionada pelo presidente da República em Os números levantados pela CPT chegaram a em 1995 enquanto que em 1991, o total apurado atingia Difícil de fazer comparações rigorosas de um ano para o outro já que, até entrar em ação o Grupo Móvel, em 96, os únicos números disponíveis são os números fornecidos por informantes, fugitivos ou, com a margem de erro que essa informação comporta: a mais como a menos. O peão escravizado só tem conhecimento da frente de trabalho onde foi contratado. A partir de 1996 os números contabilizados se restringem aos trabalhadores efetivamente resgatados em operações de flagrante realizadas pelos fiscais do Ministério do Trabalho. Das vítimas contabilizadas em 1995, 821 foram encontradas no Pará (86 no Maranhão, 90 no Mato Grosso). Já em 1996 o número apurado no Pará, a partir dos relatórios do Ministério do Trabalho, foi de 674, em 1997, de 473 e em 98 foram contabilizados pela CPT, 254 só no sul do Pará. Em abril de 99 já foram resgatados 185 peões só no Sul do Pará. Quando se sabe das dificuldades para se chegar à informação e à posterior dificuldade para montar uma operação de resgate, é permitido pensar que esses números não passam da ponta do iceberg. As formas de escravização comportam habitualmente os seguintes elementos: aliciamento em região distante, pagamento antecipado dos gastos do peão (pensão, feira, transporte), transporte em condições péssimas, cadeia de intermediários desde o dono da pensão até os distintos gatos, condições de trabalho precárias e perigosas, coação por meios violentos, ameaças e cerceamento da liberdade, prática do endividamento reforçado pelo sistema da compra no barracão da fazenda ou da frente de trabalho. As empreitas mais habituais, nas regiões de fronteira agrícola são o desmatamento, a derrubada para abertura de fazenda ou pastos novos, a limpeza de juquira ou juquirão, além de obras específicas (ex.: linhão da Eletronorte a partir de Tucurui-PA). No interior dos Estados, embora muitas vezes no limite entre escravidão e trabalho super-explorado, há repetidos casos em carvoarias e serrarias (MA, MG, MS, MT). 2. Os desafios atuais da luta contra o trabalho escravo Tivemos em 1997 uma experiência inovadora, realizada na Grande Região Norte, visando a articular as estratégias de trabalho a fim de prevenir e combater o trabalho escravo nos Estados de Maranhão, Tocantins, Pará e Mato Grosso: Campanha De olho aberto para não virar escravo!". Essa Campanha partia da observação - de novo confirmada pelos casos flagrados de 1997 para cá no sul do Pará - de que Maranhão e Tocantins são regiões preferenciais de aliciamento, fornecedores de mão de obra, para as empreitas realizadas no Pará e Mato Grosso, em regiões cada vez mais distantes (ex.: região do alto Xingu). Apoiada em material didático especialmente realizado (material de

113 113 sensibilização voltado para os trabalhadores sujeitos a contratação; material de orientação para monitores da Campanha, material de divulgação para opinião pública), a Campanha teve desdobramentos diferenciados conforme a região envolvida desde encontros de sensibilização e primeiras orientações, encontros de capacitação nas regiões de incidência de trabalho escravo até acompanhamento de operações de resgate e das pendências que delas decorrem (ações criminais e trabalhistas, orientação às vítimas, proteção a testemunhas e/ou vítimas). Vale ressaltar que: 1. A forma como chegamos até as informações é sempre por um fio. Requer uma boa capilaridade por parte de uma rede consistente de agentes treinados e motivados, com presença nos bairros de cidades a forte concentração de peões (ex: sul do Maranhão, norte do Tocantins, sul do Pará, leste do Mato Grosso). Consciente de seus limites, a CPT procura ampliar o leque de atores envolvidos nesse trabalho de vigilância: grupos locais de direitos humanos, equipes pastorais, etc. 2. A denúncia é o passo essencial para correta apuração dos casos e realização do resgate das vítimas. A falta de compromisso por parte de várias autoridades locais às vezes omissão, às vezes conivência implica na absoluta necessidade de se ter encaminhamentos claramente definidos e confiáveis, junto ao Grupo Móvel de Fiscalização da SEFIT. 3. Devido os laços de dependência/amizade que vem se tecendo entre os peões e seus gatos, a extrema mobilidade e a falta de alternativa de subsistência para essa categoria de trabalhadores cuja vida se confunde com a peonagem (peão do trecho), é muito difícil tirar grande proveito dos resgates realizados: a volta à mesma situação continua sendo a maior probabilidade. Conforme os casos, essa situação exige ações de emergência (socorro imediato às vítimas) e soluções mais duráveis, onde deve se discutir localmente as oportunidades de organização e de emprego. A CPT pode assumir papel incentivador para tais ações. 4. Devemos atentar ao fato que aos poucos, nas regiões objeto de fiscalização do Grupo Móvel, a tendência é de aparecer formas alternativas de trabalho escravo onde o cerceamento da liberdade não é mais caracterizado por uma vigilância armada: a dívida impagável por si só com a ajuda do isolamento geográfico, basta para submeter o peão e lhe impor as piores condições de trabalho. É preciso levar a fiscalização a encarar essas novas táticas. 5. Impunidade: no acompanhamento às pendências penais, os processos criminais por trabalho escravo (art. 149 CP) são muitas vezes arquivados antes de chegarem ao julgamento e, às vezes, antes mesmo da denúncia ou da pronúncia, por razão de prescrição. Em 22/08/97 a Justiça Federal de Marabá comunicou a relação de 11 processos criminais ligados à prática do trabalho

114 114 escravo (período de 80 a 92). Desse número só 3 processos estavam ainda em andamento sendo os demais arquivados ou até sem notícia. Tudo indica que os demais nunca chegarão ao julgamento por não se encontrar mais, depois de tanto tempo, nem as testemunhas nem os acusados, que são foragidos ou com pena prescrita. Por morosidade ou má vontade da Polícia Federal, inquéritos demoram anos antes de serem concluídos. È preciso acompanhar de maneira qualificada o andamento dos processos criminais de trabalho escravo no Ministério Público e na Justiça Federal. Na parte trabalhista, a situação é idêntica: as multas não são pagas, nem provavelmente cobradas. Sob pena de favorecer a recidiva no crime do trabalho escravo (já bastante evidente nos casos apurados), é preciso cobrar do Ministério do Trabalho a execução das sanções das infrações lavradas nas operações de fiscalização. O valor das multas, de qualquer maneira, são irrisórias por esses grandes fazendeiros e não tem efeito dissuasivo. 6. Os debates da sociedade organizada, tais como os realizados no Fórum Nacional contra a Violência no Campo e contra o Trabalho Escravo, são de primeira importância neste combate. Em 09/09/97, por exemplo, foi o Fórum quem pressionou o presidente do INCRA, Dr Milton Seligman, para desapropriar a fazenda Flor da Mata, no Sul do Pará (por motivo de trabalho escravo). Apesar de fortes reações por parte dos políticos (grupo do governador Siqueira Campos, Estado do Tocantins) ligados à empresa tocantinense Umuarama, dona da fazenda, os quais foram até o Ministro para tentar descaracterizar o trabalho do Grupo Móvel, da PF e da CPT-Xingu, a desapropriação ocorreu e foi implantado um projeto de assentamento de 400 famílias removidas da reserva indígena vizinha dos Kaiapó-Xicrín. Foi muito questionado e denunciado o fato que o proprietário da fazenda Flor da Mata recebeu do governo federal uma indenização de R$ , enquanto ele tinha comprado a fazenda, 3 anos antes, pelo valor de R$ Por isso o Fórum esta articulando a preparação de um projeto de lei para que, em caso de trabalho escravo, a fazenda seja confiscada sem direito a nenhuma indenização. Foi também o Fórum quem acompanhou cuidadosamente o andamento do projeto de lei sobre o trabalho escravo, o qual foi votado pelo Congresso no fim de 98. O mesmo vale, a fortiori, dos demais espaços de âmbito internacional (OEA, ONU, OIT). Várias Representações contra o governo brasileiro por omissão na apuração de casos de trabalho escravo encontram se na Comissão Interamericana da OEA em Washington. 3. Extratos de Relatórios de Fiscalizações feitas pelo Ministério do Trabalho e Emprego Mais uma vez, valemo-nos do trabalho da Comissão Pastoral da Terra, que pesquisou extratos de relatórios de fiscalização e ações do Ministério do Trabalho, muito significativas: Extratos de relatórios de fiscalização do Ministério do Trabalho

115 115 Agropecuária Umuarama Ltda - Parauapebas (pa) - trabalhadores alcançados na ação fiscal: 78 A Agropecuária Umuarama Ltda. foi fiscalizada pelo Grupo Móvel no final do mês de agosto deste ano. Na oportunidade os trabalhadores foram encontrados em condições degradantes de vida e trabalho. Ao retornar constatamos que não houve alteração na relação trabalhista e nas condições de vida e trabalho imposta aos empregados daquela fazenda. Os trabalhadores foram encontrados alojados em barracões cobertos de plástico, com alimentação fornecida sob sistema de barracão, sem registro em CTPS, sem Equipamentos de Proteção Individual - EPI, sem que lhes seja fornecida água potável. São descontados dos trabalhadores valores-referentes a alimentação, EPI e as despesas com pensões de onde são recrutados pelos "gatos" e levados para a fazenda, conforme constatamos nos cadernos de dívidas que são anotadas e controladas pelo "gato". Aos trabalhadores não é permitida a saída da fazenda sem que antes tenham liquidado os débitos contraídos com o "gato". Fazenda Brasil Verde - Xingara (PA)-nº de trabalhadores alcançados na Ação Fiscal: 78 As condições de vida e trabalho dos trabalhadores da Fazenda Santa Lúcia não diferem das demais fazendas fiscalizadas pelo Grupo Móvel no Sul do Pará, os trabalhadores foram encontrados alojados em barracões cobertos de plásticos, com alimentação fornecida sob sistema de barracão, sem registro em CTPS, sem o fornecimento de água potável, sem Equipamentos de Proteção Individual - EPI, sujeitos, portanto, a acidente do trabalho. Não é permitida aos trabalhadores a saída do local de trabalho sem que antes tenham liquidado débitos contraídos relativos às despesas com alimentação, EPI, bem como com pensões de onde são recrutados e levados para trabalhar na fazenda. RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO NO ESTADO DO PARÁ - 25/11 A 07/12/96 - SEFIT - COORD. DE FISCALIZAÇÃO MÓVEL REGIÃO NORTE 01. Fazenda Primavera - Curianópolis/PA n de trabalhadores alcançados na Ação Fiscal: 218 Foram encontrados na Fazenda Primavera 218 (duzentos e dezoito) trabalhadores, sendo que 83 (oitenta e três) são trabalhadores permanentes da fazenda e os demais 135 (cento e trinta e cinco) trabalham no roço de juquira, em precárias condições de vida e trabalho, sem CTPS anotada, sem Equipamentos de Proteção Individual - EPI, alojados em barracões cobertos de plástico, com alimentação fornecida sob o sistema de barracão. São debitados aos trabalhadores valores referentes à alimentação, EPI, despesas com pensões de onde são recrutados pelos "gatos" e levados para trabalhar na fazenda. Os trabalhadores iniciam a prestação de serviço já com uma dívida considerável sempre crescente e de difícil liquidação, tendo em vista os baixos salários a que são submetidos e os altos preços dos produtos vendidos pelo "gato". Os trabalhadores estavam há vários meses sem

116 116 dos produtos vendidos pelo "gato". Os trabalhadores estavam há vários meses sem receber seus salários; o empregador, apesar de notificado, não efetuo o pagamento dos salários que se encontravam em atraso, nem tão pouco demonstrou o interesse de modificar a situação degradante a que os trabalhadores são submetidos naquela fazenda. Apenas cerca de 30 (trinta) trabalhadores os quais manifestaram o desejo de sair da fazenda tiveram seus salários quitados. Durante a entrevista com os trabalhadores, vários deles confirmaram a denúncia de vigilância armada e maus tratos impostos pelo "gato". Foram apreendidas pela Polícia Federal várias armas de fogo e motoserras, sendo que as últimas foram entregues ao IBAMA em Xinguara/PA. Grupo especial de fiscalização móvel - SEFIT - Coord. regional 01 - Fiscalização no Pará (25/11 a 07/12/96) Reconheço que os bois recebem um tratamento muito melhor que os peões. Eu não forneço água limpa porque eles não gostam, eles preferem beber da água do côrrego. Nós devemos manter esses homens ocupados nas fazendas para que eles não se juntem ao Movimento dos Sem Terra." Se uma ONG dessas que defendem direitos humanos entrar nas nossas fazendas nós vamos todos em Lana". FAZENDA MARINGÁ - COMODORO (MT) (...) Apesar do insucesso da noite anterior, e da informação que nos. foi passada pela equipe do IBAMA que haviam duas frentes de trabalhos, seguimos até a sede da fazenda onde o Sr. A. D. do V. nos aguardava para apresentar o dito contrato de empreita com Antônio D. Ao nos apresentarmos, o proprietário da fazenda apresentou-nos apenas 6 (seis) carteiras de trabalho de empregados seus da sede, com função de serviços gerais, e pediu-nos desculpas por não apresentar o contrato. Lembrara que era Semana Santa e seria impossível apresentar o contrato. Seguimos rumo à frente de trabalho que não havíamos visitado, agora sem as presenças do proprietário, que dizia ter outras atividades a fazer, e do empreiteiro que teria se deslocado ate a cidade de Vilhena-RO. Já nesta outra frente de trabalhos constatamos todas as irregularidades possíveis referentes à segurança, higiene e saúde, além das trabalhistas. Passamos a obter as informações sobre os maus tratos, intimidação e trabalhador que teria sido amarrado com ordem de espancamento. Foi encontrado um trabalhador com tuberculose ativa e sob medicação especifica, alojado com mais alguns. Fomos informados da morte de 2 trabalhadores por acidente de trabalho e 2 mortes por doença no período de 27/01 a 04/04/96. À medida que os trabalhadores iam sendo entrevistados, ia crescendo a confiança entre eles e a manifestação de querer sair da fazenda. Confessaram ter pavor do Sr. Antenor D. e um deles possuía uma edição da revista Veja que abordava a chacina de Corumbiara, na Fazenda Sta. Elina, em Rondônia. Alegavam que haviam contratado determinado valor por um alqueire de mata derrubada, mas estavam sendo obrigados a limpar um alqueirão, exatamente o dobro daquele

117 117 contratado. Nesse dia iniciamos a retirada dos trabalhadores das frentes de serviço para sede da fazenda, abrigando-os sob um galpão ao lado do hangar. Tal operação se tornou dificílima pelos motivos abaixo relacionados: Falta de transporte suficiente e adequado; Intempéries; Acampamentos distantes s de onde nos encontrávamos e em que existiam ainda muitos trabalhadores; Impossibilidade de atingirmos os locais indicados utilizando nossos veículos. Mesmo que utilizássemos um trator, restariam 8 km de caminhada. A solidariedade entre os trabalhadores se fez gritante. Apareceram voluntários que foram em busca de seus companheiros nos acampamentos mais longínquos. SEFIT - região 04 - Fiscalização no MT (abril 1996) FAZENDA MARINGÁ - COMODORO (MT) Enquanto os trabalhadores iam chegando das frentes de trabalho, a equipe foi providenciando a alimentação junto ao administrador da fazenda. Subdividindose, os Agentes da Inspeção pressionaram o "gato" que já a essa altura encontravase sob a vigilância da Polícia Federal, a apresentar a lista de preços dos produtos e objetos vendidos aos trabalhadores. Nos cadernos apreendidos havia apenas a quantidade e sem preços arbitrados, o que aconteceria na hora do acerto final e como é de costume, ninguém teria saldo. À medida que os trabalhadores foram chegando, a revolta por não saber o que teriam a receber foi se tornando perigosa, pois estavam a mais de 2 meses trabalhando e até então não haviam recebido nenhum centavo pelo serviço prestado, com exceção de alguns que teriam recebido no momento da contratação adiantamento, alguns em espécie, outros com suas contas em pensões saldadas pelo "gato". Foi então que os agentes da Inspeção resolveram colocar os preços nos produtos com base num romaneio de vendas apresentado pelo "gato", dai resultando dois extremos: os fiscais do time (sub-gatos) receberiam o maior saldo de sua história e a outra parte dos trabalhadores nada teria a receber, pelo contrário, estava pagando para trabalhar. SEFIT - região 04 - Fiscalização no MT (abril 1996) FAZENDA MARINGÁ - COMODORO (MT) - NOTAS RELEVANTES 01) À entrada da fazenda, existe uma placa cuja mensagem é a de repressão violenta em caso de invasão; 02) Em dois momentos, pelo menos, o Sr. A. D. do V. tentou desviar a atenção da fiscalização e da Polícia Federal para a questão do Movimento Sem Terra, alegando que a denúncia só poderia ser do MST; 03) Em conversa telefônica com a coordenação, chegou a afirmar que com a saída

118 118 dos empregados, a fiscalização estaria trabalhando a favor do MST; 04) Embora a Ação Fiscal tenha sido organizada em praticamente 24 horas e não houvesse notícias na imprensa, o fazendeiro já nos esperava e determinava aos empregados que escondessem as moto-serras e armas. Induziu alguns, que confessaram mais tarde, a falar mal do "gato"; 05) Antes de chegarmos a fazenda na primeira visita, encontramos uma equipe do IBAMA retornando a Cuiabá, cujas informações que nos repassou não condizeram com o que encontramos. Informou que a situação do crime ecológico não existia e que não havia operação com moto-serras e que nas frentes de trabalho existiam cerca de 80 trabalhadores; 6) Durante nossa permanência na cantina, na primeira noite de trabalho, mesmo com a presença dos Agentes da Polícia Federal, o fazendeiro pressionou a esposa de D. a sabotar o gerador de energia elétrica colocando água no mesmo ou usando qualquer meio para nos deixar no escuro. Apavorada, com medo de ser presa, a Sra..M. resistiu e num determinado momento o fazendeiro, Sr. A., perdeu a calma e partiu para agressão física, pressionando fortemente a cabeça da senhora. Tal fato só chegou ao nosso conhecimento quando estávamos resgatando os empregados e sem a presença do Sr. A; 07) Em uma das frentes de trabalho, um dos trabalhadores possuía uma edição da revista "Veja" com a reportagem sobre o "massacre de Corumbiara", ocorrido na Fazenda Sta. Elina em Rondônia; 08) As medidas que dependiam do empregador para a retirada dos empregados se fez lenta e com entraves, chegando inclusive a declarar que só retiraria em tomo de 20 empregados para o que seu representante teria autorização; (9) Na madrugada de 04/04, houve esvaziamento, com a retirada de trabalhadores da Fazenda, por estarem sem registro; 10) Observamos que na sede ou imediações da fazenda, não há sequer uma horta para subsistência dos empregados, muito menos qualquer tipo de outra cultura. A alimentação dos trabalhadores consiste em arroz, feijão e carne, a qual é fornecida aos sábados. 11 ) Grande parte dos empregados é constituída dos chamados "peões-de-trecho", aqueles que já perderam o sentido da cidadania, não possuem referências da história passada e o futuro será como e o presente, de "pensão" em "pensão", a mercê de algum "gato" que vá "comprá-los". Muitos não possuem, sequer, qualquer documento de identificação (CTPS, carteira de identidade, etc.); 12) Durante a nossa permanência em Comodoro, já com os empregados resgatados e sob a nossa responsabilidade fomos informados de que pistoleiros do fazendeiro

119 119 estavam rondando, além do Centro Comunitário, à Casa das Irmãs; 13) Foi de fundamental importância a colaboração do Prefeito Municipal de Comodoro. Ao solicitarmos veículos e abrigo, não houve sequer o questionamento de que era feriado. Tomou providências imediatas e a contento; 14) Buscamos o apoio da Casa das irmãs e ali ficou sendo a nossa base de comunicação telefônica. Foi outro apoio importantíssimo sem o qual teríamos corrido grande risco; 15) Durante conversa telefônica entre a coordenadora e o fazendeiro, solicitada pelo mesmo, ocorrida no guichê da empresa de ônibus. E ele deu a entender que já estava pesquisando sobre a vida pregressa dela, dizendo que sabia que ela morara anteriormente em cidade-tal. Tentou saber qual o endereço atual e a mesma respondeu-lhe não ter no momento endereço fixo, por força da função. Fez questão de enfatizar que com o esvaziamento da fazenda, o MST invadiria. SEFIT - região 04 - Fiscalização no MT (abril 1996) Irregularidades 1. Trabalhadores sem registro (sanada com a assinatura das CTPS); 2. Salários em atraso, (sanada com o pagamento durante a fiscalização); 3. Trabalho de menor de 14 anos; 4. Omissão do socorro: 7 pessoas contraíram malária no local sendo que um dos trabalhadores foi encontrado em crise, sendo socorrido pela nossa equipe e levado ao Hospital em Xinguara. 5. Trabalhadores acidentados também foram encontrados no local. 6. Não fornecimento de EPI. Apenas a bota era fornecida a alguns, para posterior desconto; 7. Alojamentos cobertos de plástico, sem pisos e sem paredes; 8. Comprometimento total do salário através da alimentação fornecida no sistema de barracão, com preços superfaturados, gerando o endividamento crescente, conforme podemos comprovar através dos cadernos de anotação das dívidas dos trabalhadores, (cópia anexa), como também pela obrigação de comprar no barracão por imposição do "gato", pelo isolamento do local de trabalho e pela distância existente entre o desmatamento e as cidades ou povoados mais próximos. SEFIT - região 01 - Fiscalização no PARÁ (23/08 a 02/09/96) Fazenda Rio V.(PA) Para fiscalizar a Fazenda Rio V. tivemos algumas dificuldades, devido principalmente a ausência de um informante que nos levasse aos alojamentos ou até o local onde havia trabalhadores no roço de juquira. Encontramos um número reduzido de trabalhadores que desempenhar atividade no campo propriamente

120 120 dito, ou seja, no roço, na fabricação de cercas, etc., entretanto tal dificuldade não impediu a realização do trabalho, tendo em vista que a Fazenda possui 158 empregados permanentes. Cumpre ressaltar que as irregularidades constatadas pela equipe na Fazenda Rio V e posteriormente C., são idênticos aos das demais fazendas da região, ou seja, barracões cobertos de plásticos, sem piso e sem paredes, não fornecimento de água potável, falta de assinatura de CTPS, trabalho da criança e do adolescente, apesar de serem as Fazendas do Grupo Q., consideradas de grande porte. SEFIT - região 01 - Fiscalização no PARÁ (23/08 a 02/09/96) DESTILARIA GAMELEIRA (MT) Encontramos ali total desrespeito às normas de segurança, saúde e higiene no trabalho. Segundo declarações dos trabalhadores cortadores de cana as condições de trabalho são péssimas. Constatamos que a comida servida no jantar, chega ao alojamento já fermentada, para isso estivemos presentes ao local, assistindo (...). No corte de cana, encontramos vários trabalhadores com lesões (cortes significativos declarando que não procuravam o Posto da Destilaria porque ali só existe uma enfermeira que exerce as funções de Médica. cujos atestados" para licença não são respeitados. Resumindo os empregados não recebem os dias parados por acidente, Não é fornecido Equipamento de Proteção individual, há jornada excessiva, tanto no corte quanto na indústria. Outra constatação durante a nossa permanência durante a noite, observando a vida nos alojamentos, foi a de vigilância armada. Para tal. acionamos o Delegado Regional de Polícia de Confresa, que apreendeu a arma e proibiu que o fato se repetisse. A Auxiliar de Enfermagem Maria T. A. de P. supre a falta de médico, prescreve medicação, faz suturas, assina Declarações (tipo Atestado Médico) atendendo, inclusive acidentes de trabalho, problemas odontológicos, otorrinolaringológicos, etc.. Termos de Declaração apreendidos e acostados ao presente. Tivemos o relato dos trabalhadores de que é prática dos mesmos, trabalhar doentes, pela falta de assistência da empregadora; e que durante esta safra o empregado Cícero A. da S.- CTPS PE, CPF oriundo de Amaraji - PE, residente à Vila Nossa Senhora de Fátima, adoeceu com crises de dores abdominais fortes, febre e não conseguia a devida assistência. Segundo seus companheiros, ia ao corte diariamente e muitas vezes caia, contorcendo-se de dores. Não conseguindo mais trabalhar, foi obrigado pela administração da empresa a solicitar dispensa, e retornar a origem, onde faleceu logo ao chegar. A empregadora é reincidente e deverá ser acompanhada com rigor na próxima safra.[grifo nosso] Grupo especial de fiscalização móvel - SEFIT - Coord. regional 04 - Agosto de A Lei de Dezembro de 1998 Em decorrência da grave repercussão do problema, o Brasil aprovou a Lei 9.777/1998, que tenta impor limites penais à ação dos empregadores inescrupulosos.

121 121 O PRESIDENTE DA REPÚBLICA LEI Nº 9.777, DE 29 DE DEZEMBRO DE Altera os arts. 132, 203 e 207 do Decreto- Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de Código Penal. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º Os arts. 132, 203 e 207 do Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de Código Penal, passam a vigorar com as seguintes alterações: "Art Parágrafo único. A pena é aumentada de um sexto a um terço se a exposição da vida ou da saúde de outrem a perigo decorre do transporte de pessoas para a prestação de serviços em estabelecimentos de qualquer natureza, em desacordo com as normas legais." "Art Pena - detenção de um ano a dois anos, e multa, além da pena correspondente à violência." (NR) " 1º Na mesma pena incorre quem: I - obriga ou coage alguém a usar mercadorias de determinado estabelecimento, para impossibilitar o desligamento do serviço em virtude de dívida; II - impede alguém de se desligar de serviços de qualquer natureza, mediante coação ou por meio da retenção de seus documentos pessoais ou contratuais. 2º A pena é aumentada de um sexto a um terço se a vítima é menor de dezoito anos, idosa, gestante, indígena ou portadora de deficiência física ou mental." "Art Pena - detenção de um a três anos, e multa."(nr) " 1º Incorre na mesma pena quem recrutar trabalhadores fora da localidade de execução do trabalho, dentro do território nacional, mediante fraude ou cobrança de qualquer quantia do trabalhador, ou, ainda, não assegurar condições do seu retorno ao local de origem.

122 122 2º A pena é aumentada de um sexto a um terço se a vítima é menor de dezoito anos, idosa, gestante, indígena ou portadora de deficiência física ou mental." Art. 2º Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação. Brasília, 29 de dezembro de 1998; 177 o da Independência e 110 o da República. FERNANDO HENRIQUE CARDOSO 5. Repercussão Internacional O prejuízo é da humanidade. Mas é particular do Brasil e assume proporções internacionais. Há denúncias feitas pela Organização Internacional do Trabalho. Outras na imprensa internacional. Ilustra-se com a reportagem germânica do Dreikönigsaktion, denominada Nein zur Sklavenarbeit, que pode ser mal traduzida por Não à Escravidão. O relatório de Alisson Sutton, ilustrada representante da Organização Internacional do Trabalho aponta uma atomização de competências, divididas entre o Ministério do Trabalho, Ministério Público do Trabalho e Ministério Público Federal; tudo isso implica em dispersão de ações e ausência de um trabalho sinérgico que talvez viesse a ser solucionado com a ampliação da competência jurisdicional trabalhista para abarcar todos os contornos, inclusos os penais, da relação jurídica trabalhista, assim entendida qualquer forma de labor. 6. Prêmio e Dinheiro aos Infratores Após passada a fase mais aguda das denúncias, o Governo Brasileiro não apenas arrefece o tom fiscalizatório do trabalho escravo, mas, pior do que isso, há denúncias de que infratores, ao invés de punidos, são premiados, através de desapropriações remuneradas. CPT protesta diante da "premiação" dada a fazendeiro que escraviza trabalhadores A operação da fiscalização realizada pelo grupo móvel do Ministério do Trabalho e pela Polícia Federal na Fazenda Agropecuária Maciel II, localizada no município de São Félix do Xingu, sul do Pará, entre os dias 18 e 28 de março/99, concluiu que 175 trabalhadores (número exato de trabalhadores que receberam as carteiras de trabalho expedidas pelo Grupo de Fiscalização) eram mantidos em regime de escravidão naquela fazenda, sob as mais perversas condições de humilhação, exploração e violência. Há cerca de um ano e meio atrás numa fiscalização realizada pelo mesmo Grupo de Fiscais flagrou-se a existência de trabalho escravo na Fazenda Flor da Mata, localizada a menos de 100 Km da

123 123 na Fazenda Flor da Mata, localizada a menos de 100 Km da Agropecuária Maciel II, de onde foram resgatados 220 trabalhadores. Na época do flagrante na Fazenda flor da Mata o governo saiu a campo para demonstrar sua preocupação com o quadro de barbárie impetrado contra os trabalhadores naquela fazenda. Numa espetacular operação de marketing o Ministro da Reforma Agrária Raul Jungmann declarava à imprensa que a Fazenda Flor da Mata seria confiscada e destinada para reforma agrária e que situações como aquela seriam mais toleradas pelo governo. Outro pronunciamento veio do então Ministro do Trabalho, Paulo Paiva, registradas pelo jornal Folha de São Paulo na época. Segundo o Ministro, "por não se tratar de desapropriação o Governo não teria que pagar pela terra ou pelas benfeitorias da propriedade", confiscando o imóvel para fins de Reforma Agrária, punindo com esta medida o proprietário. Entretanto, nada disso foi feito. Pelo contrário. A fazenda foi desapropriada e o fazendeiro só não recebeu, ainda, a vultuosa soma de R$ ,00 (dois milhões e quinhentos mil reais) na negociação devido às denúncias de superfaturamento no processo de desapropriação da área pelo Movimento Sindical do Pará e pela CPT. Com a fiscalização na fazenda Agropecuária Maciel II mais uma vez a sociedade brasileira e o governo tomaram conhecimento deste perverso sistema de exploração a que estão submetidos centenas e até milhares de trabalhadores. E a sociedade brasileira precisa saber o que será feito diante deste caso. O governador do estado do Pará, Almir Gabriel, já se pronunciou afirmando que é contra o trabalho escravo e que a fazenda Agropecuária Maciel II deva ser desapropriada para fins de Reforma Agrária. (O LIBERAL,) Há rumores de que o Ministro da Reforma Agrária, Dr Raul Jungmann, também se pronunciou sobre a desapropriação da fazenda, alegando que com esta medida irá coibir a prática a prática de trabalho escravo no Brasil. A CPT considera que com esta medida do governo fica patente que não há nenhum risco para os fazendeiros que submetem os trabalhadores ao regime de escravidão. Pelo contrário, continua sendo um negócio altamente lucrativo, podendo o fazendeiro, inclusive, receber uma premiação por esta prática, na medida em que suas terras são desapropriadas para fins de reforma agrária, o que em si é um bom negócio e o quadro de violência e super exploração de centenas e até milhares de trabalhadores espalhados em inúmeras fazendas deste país, principalmente na região amazônica, se mantém sem que nada seja feito para alterar este quadro. A CPT considera que se quer, de fato, erradicar o trabalho escravo no Brasil é preciso uma ação mais rigorosa por parte do governo. Caso

124 124 contrário, em nosso país, os direitos dos trabalhadores se constituirão em letra morta. A questão dos Direitos Humanos não passará de mero discurso e os direitos mais elementares dos trabalhadores continuarão sendo abertamente desrespeitados enquanto estas práticas criminosas ficam absolutamente impunes. E o que é pior, muitas vezes os criminosos, a exemplo do que ocorreu com os proprietários da Fazenda Flor da Mata, e que poderá ocorrer com o proprietário da agropecuária Maciel II, recebem até "premiações". Nesse sentido, a CPT entende que a solução passa pelo confisco imediato da fazenda onde se confirmar a existência de trabalho escravo e a punição rigorosa dos fazendeiros. Caso contrário, continuaremos a assistir, ano após anos, a este perverso sistema de exploração e de morte de centenas de homens vítima destes crimes. A CPT espera que o governo, desta vez, faça justiça. Neste caso, confiscando, imediatamente, a Fazenda Agropecuária Maciel II. Tudo isso porque há uma Portaria do Ministério do Trabalho indicando para Reforma Agrária as terras em que há trabalho escravo. Entretanto, a indenização não é vedada, o que promove, caso queira o proprietário alienar sua fazenda, o trabalho escravo devidamente premiado com a indenização. A Portaria é silente sobre a não indenização e assim está redigida: Portaria nº 101, de 12 de janeiro de 1996 O Ministro de Estado do Trabalho, no uso de sua atribuições legais, e Dispõe sobre o encaminhamento de relatório de fiscalização do trabalho rural ao Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária, para os fins da Lei Complementar nº 76, de 06 de junho de Considerando que, em muitas propriedades rurais, os trabalhadores têm sido submetidos, diuturnamente, a forma degradante de trabalho, desrespeitando-se os direitos trabalhistas básicos; Considerando que as disposições que regulam as relações do trabalho têm sido reiteradamente infringidas nas propriedades rurais, apesar da ação da fiscalização do trabalho, descaracterizando-se função social da propriedade; Considerando que, de acordo com o art. 184, caput, da Carta Magna, compete à União desapropriar por interesse social, para fins de reforma agrária, o imóvel rural que não esteja cumprindo sua função social; Considerando que a função social é cumprida quando a propriedade rural atende, simultaneamente, os requisitos de aproveitamento racional e adequado; utilização adequada dos recursos naturais disponíveis e preservação do meio ambiente, observância das disposições que regulam as relações de trabalho e exploração que favoreça o bem-estar dos proprietários e dos trabalhadores, conforme o art. 186 da Constituição Federal;

125 125 Considerando que, de acordo com a Lei nº 8.629, de 25 de fevereiro de 1993, art. 9º, 4º, a observância das disposições que regulam as relações de trabalho implica tanto o respeito às leis trabalhistas e aos contratos coletivos de trabalho como às disposições que disciplinam os contratos de arrendamento e parcerias rurais; Considerando que, nos termos da referida Lei, a exploração que favorece o bem-estar dos proprietários e trabalhadores rurais é que objetiva o atendimento das necessidades básicas dos que trabalham a terra, observa as normas de segurança do trabalho e não provoca conflitos e tensões sociais no imóvel; Considerando que, nos termos do art. 2º da Lei nº 8;629/93, a propriedade rural que não cumprir a função social é passível de desapropriação, respeitados os dispositivos constitucionais; Considerando que a ação da desapropriação é proposta pelo órgão federal executor da reforma agrária, resolve: Art. 1º O Ministério do Trabalho ao constatar, por via da Fiscalização, que em função dos dispositivos violados, os trabalhadores, naquela propriedade, são submetidos a forma degradantes de trabalho, desvirtuando a função social da propriedade, encaminhará relatório circunstanciado ao Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária - INCRA, a fim de subsidiar proposta de ação de desapropriação, de acordo com o art. 2º 1º, da Lei Complementar nº 76, de 06 de junho de Art. 2º Para os fins previstos no artigo 1º desta Portaria, a Secretaria de Fiscalização do Trabalho - SEFIT ou a Secretaria de Segurança e Saúde no Trabalho - SSST, à vista dos relatórios expedidos pela fiscalização móvel, verificará a reincidência do descumprimento das normas trabalhistas básicas e as de Segurança e Saúde e emitirá relatório circunstanciado. Parágrafo único - O relatório será instruído com cópias autênticas dos autos de infração lavrados e cópias das decisões proferidas na forma do parágrafo único do art. 635 da Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, bem como cópias das notificações e orientações emitidas pelo agente da inspeção do trabalho. Art. 3º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. Paulo Paiva Para tentar corrigir tal falha, gritante, o Senador Ademir Andrade apresentou Proposta de Emenda à Constituição, número 57/99, que dá nova redação ao art. 243 da Constituição Federal, sobre a destinação de área de culturas ilegais de plantas psicotrópicas ou de exploração de trabalho escravo. A matéria tramita com o Parecer 755/01-CCJ e está aprovada desde 17 de outubro de 2001, após reunião deliberativa da Subseção de Coordenação Legislativa do Senado. Mas, como nos adverte Frei Betto, no artigo de inauguração dos presentes autos, o Ministério do Trabalho acaba de reduzir até mesmo a pena administrativa pecuniária imposta sobre os exploradores de mão de obra escrava. Tudo através de uma interpretação de que, quando da violação dos direitos dos trabalhadores rurais, são aplicáveis penalidades da antiga Lei 5.889/73, e não as regras Consolidadas, mesmo que estejam hoje urbanos e rurais equiparados pela Constituição Federal. O absurdo da situação está retratado naquela denúncia, que revela que ao empregador rural que se vale de mão de obra escrava, se primário, sua multa não pode superar

126 126 R$720,00 (setecentos e vinte reais). Eis o preço da manutenção da escravatura no Brasil. Menos oneroso que nos tempos em que o país se sustentava como o último dos ocidentais a manter a escravidão. E se renunciar ao direito de recorrer, pode o proprietário das terras não ter qualquer sanção administrativa além de apenas R$360,00 (trezentos e sessenta reais) pagos, pois pode valer-se da redução de 50% (cinqüenta por cento) das penalidades, oferecida aos que renunciam ao recurso. 7. Direitos Humanos Violados A forma com que se estrutura o combate ao trabalho escravo no Brasil faz com que haja diversas violações de textos fundamentais. Estão violados os artigos 18 da Declaração dos Direitos Fundamentais do Homem e do Cidadão, de 1793; 4º e 23 da Declaração Universal dos Direitos do Homem, de 10 de dezembro de 1948, pelos quais... Art. 18. Todos os homens podem vender os seus serviços, seu tempo, mas não podem vender sua pessoa e nem ser vendidos. Sua pessoa não é uma propriedade alienável. A lei não reconhece nenhuma domesticidade; o que pode haver é apenas um contrato de serviços e de reconhecimento entre o homem que trabalha e o que o emprega. Art. 4º. Ninguém será obrigado à escravidão nem à servidão; a escravidão e a servidão são proibidos sob todas as suas formas. Art. 23. Toda pessoa tem direito ao trabalho; à livre escolha de seu trabalho, a condições justas e satisfatórias de trabalho e à proteção contra o desemprego. Não há, em suma, como admitir tal situação em nosso território nacional. Somos exemplares, quando se trata em parâmetro negativo de tratamento social e aos trabalhadores em geral. 8. CONCLUSÃO Em decorrência do exposto, concluímos por indicar ao Egrégio Conselho Federal as seguintes proposições e providências: 1. Oficiar ao Senado Federal e à Câmara dos Deputados, inclusive para as Comissões específicas, iniciando por todos os membros da Comissão de Constituição e Justiça e Redação da Câmara dos Deputados, relacionados em anexo, onde a Proposta hoje se encontra, propugnando pela urgência na aprovação da PEC 0438/2001, de autoria do Senador Ademir Andrade;

127 Oficiar ao Ministério do Trabalho e Emprego, solicitando explicações acerca da enorme redução, não apenas de valor, mas também da quantidade de autuações, na aplicação de multas aos que se valem de trabalho escravo, bem como informações acerca das eventuais aplicações da lei que criminaliza a prática da exploração do trabalho escravo e das ações executivas que intentam aplicar a nova norma; 3. Solicitar ao Ministério do Trabalho e Emprego a manutenção e intensificação dos esforços de fiscalização e prevenção do trabalho escravo; 4. Oficiar ao Ministério Público do Trabalho, à Associação Nacional dos Procuradores do Trabalho, ao Ministério Público Federal, à Fundação Pedro Jorge, solicitando providências no sentido de coibir a prática do trabalho escravo; 5. Oficiar ao Ministério da Justiça e aos Secretários de Estado de Justiça dos Estados- Membros abarcados pelas denúncias, solicitando providências no sentido da eliminação dessa prática criminosa no país; 6. Oficiar à Organização Internacional do Trabalho, dando-lhe ciência do contido no presente voto; 7. Dar ciência à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil do presente voto, louvando-lhe os esforços, em especial da Pastoral da Terra, no sentido de erradicar o trabalho forçado ou escravo; 8. Propugnar pela concentração da competência judicial, para abranger todos os aspectos decorrentes do trabalho escravo, inclusive de cunho penal, evitando-se a atomização do combate à exploração do trabalho humano em diversas instituições e competências. 9. Manifestar-se publicamente sobre a questão, inclusive com a eventual promoção de um seminário específico, procurando atrair a atenção da comunidade internacional, da mídia e dos governantes para que todos nos empenhemos na solução dos males que a escravidão impõe. Brasília, Distrito Federal, 12 de novembro de Comissão Nacional de Direitos Sociais Luís Carlos Moro Relator Ramos Vieira: Por fim, gostaria de acrescentar uma liminar proferida pelo Juiz Jorge Antonio

128 128

129 129

130 130

131 131

132 132

133 133

134 134

135 135

136 136

137 137

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão.

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão. CRISE DO ESCRAVISMO A Dinamarca foi o primeiro país Europeu a abolir o tráfico de escravos em 1792. A Grã-Bretanha veio a seguir, abolindo em 1807 e os Estados Unidos em 1808. O Brasil foi o último país

Leia mais

Imperialismo dos EUA na América latina

Imperialismo dos EUA na América latina Imperialismo dos EUA na América latina 1) Histórico EUA: A. As treze colônias, colonizadas efetivamente a partir do século XVII, ficaram independentes em 1776 formando um só país. B. Foram fatores a emancipação

Leia mais

A ESCRAVIDÃO CHEGA AO FIM Aula: 37 Pág. 27 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO

A ESCRAVIDÃO CHEGA AO FIM Aula: 37 Pág. 27 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO A ESCRAVIDÃO CHEGA AO FIM Aula: 37 Pág. 27 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO 1 INTRODUÇÃO Colonização: trabalho escravo. Séc. XIX condenação da instituição escravista pelos países europeus (Inglaterra): pressiona

Leia mais

Considerando ser essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações,

Considerando ser essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações, A Declaração Universal dos Direitos Humanos é um dos documentos básicos das Nações Unidas e foi assinada em 1948. Nela, são enumerados os direitos que todos os seres humanos possuem. Preâmbulo Considerando

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000 DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000 DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM com a Independência dos E.U.A. e a Revolução Francesa, a Declaração Universal dos Direitos do Homem é um documento extraordinário que precisa ser mais conhecido

Leia mais

Juristas Leigos - Direito Humanos Fundamentais. Direitos Humanos Fundamentais

Juristas Leigos - Direito Humanos Fundamentais. Direitos Humanos Fundamentais Direitos Humanos Fundamentais 1 PRIMEIRAS NOÇÕES SOBRE OS DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS 1. Introdução Para uma introdução ao estudo do Direito ou mesmo às primeiras noções de uma Teoria Geral do Estado

Leia mais

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL A partir de meados do séc. XVI, o Império Português do Oriente entrou em crise. Que fatores contribuíram para essa crise? Recuperação das rotas

Leia mais

Rei (controla poder moderador) além de indicar o primeiro ministro e dissolve a Câmara de Deputados Monarquia torna-se estável

Rei (controla poder moderador) além de indicar o primeiro ministro e dissolve a Câmara de Deputados Monarquia torna-se estável História do Brasil Professora Agnes (Cursinho Etec Popular de São Roque) Política Interna O SEGUNDO REINADO (1840-1889) * Apogeu da monarquia brasileira. * Centralização política e administrativa. * Pacificação

Leia mais

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE - Sistemas sociais e culturais de notação de tempo ao longo da história, - As linguagens das fontes históricas; - Os documentos escritos,

Leia mais

Provão. História 5 o ano

Provão. História 5 o ano Provão História 5 o ano 61 Os reis portugueses governaram o Brasil à distância, até o século XIX, porém alguns acontecimentos na Europa mudaram essa situação. Em que ano a família real portuguesa veio

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Formação do bacharel em direito Valdir Caíres Mendes Filho Introdução O objetivo deste trabalho é compreender as raízes da formação do bacharel em Direito durante o século XIX. Será

Leia mais

Declaração Universal dos. Direitos Humanos

Declaração Universal dos. Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos Ilustrações gentilmente cedidas pelo Fórum Nacional de Educação em Direitos Humanos Apresentação Esta é mais uma publicação da Declaração Universal dos Direitos

Leia mais

Preâmbulo. Considerando essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações,

Preâmbulo. Considerando essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações, DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembleia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo História baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo 1 PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA Middle e High School 2 6 th Grade A vida na Grécia antiga: sociedade, vida cotidiana, mitos,

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Preâmbulo DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA TREZE COLÔNIAS Base de ocupação iniciativa privada: Companhias de colonização + Grupos de imigrantes = GRUPOS DISTINTOS [excedente da metrópole;

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS BR/1998/PI/H/4 REV. DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Brasília 1998 Representação

Leia mais

Estes são os direitos de: Atribuídos em: Enunciados pela Organização das Naões Unidas na Declaração Universal dos Direitos Humanos

Estes são os direitos de: Atribuídos em: Enunciados pela Organização das Naões Unidas na Declaração Universal dos Direitos Humanos Estes são os direitos de: Atribuídos em: Enunciados pela Organização das Naões Unidas na Declaração Universal dos Direitos Humanos No dia 10 de dezembro de 1948, a Assembléia Geral das Nações Unidas adotou

Leia mais

A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos.

A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos. HISTÓRIA 8º ANO A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos. Por volta do século XIII, o rei João sem terras estabeleceu novos

Leia mais

Os Desafios da Erradicação do Trabalho Infantil

Os Desafios da Erradicação do Trabalho Infantil Os Desafios da Erradicação do Trabalho Infantil A origem do trabalho infantil remonta ao princípio do trabalho humano. Contudo, salienta Adalberto Martins,... que na antiguidade, o trabalho do menor se

Leia mais

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan João Paulo I O NORDESTE COLONIAL Professor Felipe Klovan A ECONOMIA AÇUCAREIRA Prof. Felipe Klovan Portugal já possuía experiência no plantio da cana-de-açúcar nas Ilhas Atlânticas. Portugal possuía banqueiros

Leia mais

www. Lifeworld.com.br

www. Lifeworld.com.br 1 Artigos da Constituição Mundial A Constituição Mundial é composta de 61º Artigos, sendo do 1º ao 30º Artigo dos Direitos Humanos de 1948, e do 31º ao 61º Artigos estabelecidos em 2015. Dos 30 Artigos

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA 2011/HIST8ANOEXE2-PARC-1ºTRI-I AVALIAÇÃO PARCIAL 1º TRIMESTRE

Leia mais

TRÁFICO DE SERES HUMANOS. RESUMO: Por séculos o se humano vem

TRÁFICO DE SERES HUMANOS. RESUMO: Por séculos o se humano vem TRÁFICO DE SERES HUMANOS Nathália Raíssa dos Santos SOUZA RESUMO: Por séculos o se humano vem explorando o seu semelhante. A Humanidade vem sofrendo com o tráfico de pessoas. Um ato ilícito que vem ganhando

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO LIVRO: CABO VERDE ABOLIÇÃO DA ESCRAVATURA SUBSÍDIOS PARA O ESTUDO Iva Cabral

APRESENTAÇÃO DO LIVRO: CABO VERDE ABOLIÇÃO DA ESCRAVATURA SUBSÍDIOS PARA O ESTUDO Iva Cabral APRESENTAÇÃO DO LIVRO: CABO VERDE ABOLIÇÃO DA ESCRAVATURA SUBSÍDIOS PARA O ESTUDO Iva Cabral O convite que me foi feito por João Lopes Filho para apresentar o livro Cabo Verde abolição da escravatura subsídios

Leia mais

Gabarito oficial preliminar: História

Gabarito oficial preliminar: História 1) Questão 1 Segundo José Bonifácio, o fim do tráfico de escravos significaria uma ameaça à existência do governo porque Geraria uma crise econômica decorrente da diminuição da mão de obra disponível,

Leia mais

Observação: De acordo com o art.2º da Lei 8.069/90 Estatuto da Criança e Adolescente :

Observação: De acordo com o art.2º da Lei 8.069/90 Estatuto da Criança e Adolescente : TRABALHO É toda atividade humana, remunerada ou não, sistemática, obrigatória, que pode ou não exigir conhecimentos específicos sobre determinado tema, arte ou ofício, cujo objetivo é o alcance de uma

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA ENSINO MÉDIO ÁREA CURRICULAR: CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS DISCIPLINA: HISTÓRIA SÉRIE 1.ª CH 68 ANO 2012 COMPETÊNCIAS:. Compreender

Leia mais

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727)

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727) A Revolução Inglesa A Revolução inglesa foi um momento significativo na história do capitalismo, na medida em que, ela contribuiu para abrir definitivamente o caminho para a superação dos resquícios feudais,

Leia mais

Convenção Internacional sobre a Supressão e Punição do Crime de Apartheid

Convenção Internacional sobre a Supressão e Punição do Crime de Apartheid Convenção Internacional sobre a Supressão e Punição do Crime de Apartheid INTRODUÇÃO A Convenção Apartheid foi aprovado pela Assembléia Geral da ONU em 1973, mas com um grande número de abstenções por

Leia mais

RACISMO NO BRASIL: O mito da democracia racial FALANDO DE HISTÓRIA: SER PEÇA, SER COISA

RACISMO NO BRASIL: O mito da democracia racial FALANDO DE HISTÓRIA: SER PEÇA, SER COISA RACISMO NO BRASIL: O mito da democracia racial FALANDO DE HISTÓRIA: SER PEÇA, SER COISA Por Neila Cristina N. Ramos Embora vivamos num país em que se tente transmitir uma imagem de igualdade e harmonia

Leia mais

ESCRAVIDÃO MODERNA. Aluna do 8º termo do curso de Direito das Faculdade Integradas Antonio Eufrásio de Toledo de Presidente Prudente/SP.

ESCRAVIDÃO MODERNA. Aluna do 8º termo do curso de Direito das Faculdade Integradas Antonio Eufrásio de Toledo de Presidente Prudente/SP. ESCRAVIDÃO MODERNA Marina Paula Zampieri BRAIANI 1 Mayara Maria Colaço TROMBETA 2 Rafaela Trevisan AVANÇO 3 Institución: Faculdades Integradas Antônio Eufrásio de Toledo de Presidente Prudente. Dirección:

Leia mais

Psicologia Clínica ISSN: 0103-5665 psirevista@puc-rio.br. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Brasil

Psicologia Clínica ISSN: 0103-5665 psirevista@puc-rio.br. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Brasil Psicologia Clínica ISSN: 0103-5665 psirevista@puc-rio.br Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Brasil Declaração Universal dos Direitos Humanos adotada e proclamada pela resolução 217 A (III)

Leia mais

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série 1 - DEFINIÇÃO Direitos e deveres civis, sociais e políticos usufruir dos direitos e o cumprimento das obrigações constituem-se no exercício da

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES. História

CADERNO DE ATIVIDADES. História COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES História Aluno (a): 4º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Conteúdo de Recuperação O que é História. Identificar a História como ciência. Reconhecer que

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 8 o ano 3 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : 1. 25 de janeiro de 1835, ao amanhecer o dia na cidade de Salvador, 600 negros entre libertos e escravos levantaram-se decididos

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo III: Conselhos dos Direitos no

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM.

COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM. COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM. PLANO DE TRABALHO DOCENTE - 2012 Professora: Ana Claudia Martins Ribas Disciplina: História - 8º ano -Fundamental 1º BIMESTRE Conteúdos Básicos: -Povos, Movimentos e

Leia mais

O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa "cidade". Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma

O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa cidade. Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma Bruno Oliveira O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa "cidade". Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma comunidade politicamente articulada um país

Leia mais

História dos Direitos Humanos

História dos Direitos Humanos História dos Direitos Humanos Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Os direitos humanos são o resultado de uma longa história, foram debatidos ao longo dos séculos por filósofos e juristas. O início

Leia mais

OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA

OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA http://plataformabrioli.xpg.uol.com.br/historiaresumo/2ano/epopeialusitana.pdf http://blog.msmacom.com.br/familia-real-portuguesa-quem-e-quem-na-monarquia/

Leia mais

SER NEGRO NO CEARÁ UM OLHAR SOBRE AS COMUNIDADES QUILOMBOLAS PARA O DIGITAL MUNDO MIRAIRA

SER NEGRO NO CEARÁ UM OLHAR SOBRE AS COMUNIDADES QUILOMBOLAS PARA O DIGITAL MUNDO MIRAIRA SER NEGRO NO CEARÁ UM OLHAR SOBRE AS COMUNIDADES QUILOMBOLAS PARA O DIGITAL MUNDO MIRAIRA Izaura Lila Lima Ribeiro 1 Maria de Lourdes Macena Filha 2 RESUMO Este artigo versa sobre o papel dos negros na

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos Humanos

Declaração Universal dos Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e dos seus direitos iguais e inalienáveis constitui o fundamento

Leia mais

Surgimento e Evolução do Direito do Trabalho

Surgimento e Evolução do Direito do Trabalho 1 Surgimento e Evolução do Direito do Trabalho 1 - Surgimento e Evolução do Direito do Trabalho 1.1 Introdução 1.2 - Os Escravos 1.3 - Os Servos 1.4 - As corporações de ofício 1.5 - A revolução industrial

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos do Homem

Declaração Universal dos Direitos do Homem Declaração Universal dos Direitos do Homem Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e dos seus direitos iguais e inalienáveis constitui o fundamento

Leia mais

DATAS COMEMORATIVAS. CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril

DATAS COMEMORATIVAS. CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril Descobrimento do Brasil. Pintura de Aurélio de Figueiredo. Em 1500, há mais de 500 anos, Pedro Álvares Cabral e cerca de 1.500 outros portugueses chegaram

Leia mais

História da escravidão

História da escravidão BRAZIL, Carlos. História da escravidão. 2004. Disponível em: http://www.universia.com.br/materia/materia.jsp?materia=2852. Acessado por Luciane Cuervo em 18 de fev.2010. História da escravidão Carlos Brazil

Leia mais

EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS

EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS Sandra Regina Paes Padula * Gostaria aqui fazer um breve histórico de como surgiu os Direitos Humanos para depois entendermos como surgiu a Educação em Direitos Humanos.

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Direito agrário: função social da propriedade; sua evolução e história Paula Baptista Oberto A Emenda Constitucional Nº. 10 de 10/11/64 foi o grande marco desta recente ciência jurídica

Leia mais

Palavra-chave: trabalho infantil, direitos humanos, evolução histórica, erradicação.

Palavra-chave: trabalho infantil, direitos humanos, evolução histórica, erradicação. DIREITOS HUMANOS E A ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL Clarice Guimarães Ferreira, clariceg.ferreira@hotmail.com, UEPG. Maria Cristina Rauch Baranoski, mestre, cristinarauch@ibest.com.br, UEPG. Resumo:

Leia mais

Exerc ícios de Revisão Aluno(a): Nº:

Exerc ícios de Revisão Aluno(a): Nº: Exerc íciosde Revisão Aluno(a): Nº: Disciplina:HistóriadoBrasil Prof(a).:Cidney Data: deagostode2009 2ªSériedoEnsinoMédio Turma: Unidade:Nilópolis 01. QuerPortugallivreser, EmferrosqueroBrasil; promoveaguerracivil,

Leia mais

Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real. Prof.ª viviane jordão

Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real. Prof.ª viviane jordão Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real Prof.ª viviane jordão INTRODUÇÃO Na segunda metade do século XVIII, novas ideias começaram a se difundir pela América portuguesa. Vindas da Europa,

Leia mais

1º ano CULTURA, DIVERSIDADE E SER HUMANO TRABALHO, CONSUMO E LUTAS POR DIREITOS

1º ano CULTURA, DIVERSIDADE E SER HUMANO TRABALHO, CONSUMO E LUTAS POR DIREITOS 1º ano Estudo da História Estudo da História O Brasil antes dos portugueses América antes de Colombo Povos indígenas do Brasil A colonização portuguesa A colonização europeia na América Latina Introdução:

Leia mais

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX)

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX) 1803 Os Estados Unidos compram a Louisiana da França. Cronologia 1846 a 1848 Guerra do México. Os Estados Unidos conquistam e anexam os territórios da Califórnia, Novo México, Nevada, Arizona e Utah. 1810

Leia mais

RESPEITO AOS DIREITOS HUMANOS ECONOMICOS E SOCIAIS DA CIDADANIA: Efetivação de Políticas de Prevenção da Criminalidade pelo Ministério Público.

RESPEITO AOS DIREITOS HUMANOS ECONOMICOS E SOCIAIS DA CIDADANIA: Efetivação de Políticas de Prevenção da Criminalidade pelo Ministério Público. RESPEITO AOS DIREITOS HUMANOS ECONOMICOS E SOCIAIS DA CIDADANIA: Efetivação de Políticas de Prevenção da Criminalidade pelo Ministério Público. - Resumo e destaques objetivos da Conferência proferida no

Leia mais

03. O que foi o Bloqueio Continental? 04. Qual o interesse de Napoleão Bonaparte em estabelecer esse Bloqueio?

03. O que foi o Bloqueio Continental? 04. Qual o interesse de Napoleão Bonaparte em estabelecer esse Bloqueio? Pré Universitário Uni-Anhanguera Lista de Exercícios Aluno(a): Nº. Professor: Barros Antônio Guimarães Dutra Série: 2ª. Disciplina: História (p2,1ª,chamada, 3º. Bimestre) prova dia 26 setembro de 2015.

Leia mais

Resoluções das Atividades

Resoluções das Atividades Resoluções das Atividades Sumário Módulo 1 A conquista da América, a história cultural dos povos indígenas e africanos e a economia açucareira...1 Módulo 2 A mineração no Período Colonial, as atividades

Leia mais

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822).

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822). 1. (Enem 2014) A transferência da corte trouxe para a América portuguesa a família real e o governo da Metrópole. Trouxe também, e sobretudo, boa parte do aparato administrativo português. Personalidades

Leia mais

O TRABALHO ESCRAVO NO BRASIL

O TRABALHO ESCRAVO NO BRASIL INTRODUÇÃO Para começar a falar sobre o trabalho escravo no Brasil, necessariamente devo remeter-me ao passado, ao tempo do Descobrimento, enumerando alguns fatos históricos, ilustrativos, de forma a dar

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 2.799, DE 2015 (Do Sr. Davidson Magalhães)

PROJETO DE LEI N.º 2.799, DE 2015 (Do Sr. Davidson Magalhães) *C0055690A* C0055690A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 2.799, DE 2015 (Do Sr. Davidson Magalhães) Dispõe sobre a proibição de entidades, empresas brasileiras ou sediadas em território nacional com

Leia mais

Os negros na formação do Brasil PROFESSORA: ADRIANA MOREIRA

Os negros na formação do Brasil PROFESSORA: ADRIANA MOREIRA Os negros na formação do Brasil PROFESSORA: ADRIANA MOREIRA ESCRAVIDÃO ANTIGA A escravidão é um tipo de relação de trabalho que existia há muito tempo na história da humanidade. Na Antiguidade, o código

Leia mais

SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES

SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES A GUERRA DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA ANTECEDENTES SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES NESSA ÉPOCA

Leia mais

que se viver com dignidade, o que requer a satisfação das necessidades fundamentais. O trabalho é um direito e um dever de todo cidadão.

que se viver com dignidade, o que requer a satisfação das necessidades fundamentais. O trabalho é um direito e um dever de todo cidadão. Osdireitosdohomemedocidadãonocotidiano (OscarNiemeyer,1990) "Suor, sangue e pobreza marcaram a história desta América Latina tão desarticulada e oprimida. Agora urge reajustá-la num monobloco intocável,

Leia mais

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como:

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: 1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: a) incapacidade dos Braganças de resistirem à pressão

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA 1789-1799

REVOLUÇÃO FRANCESA 1789-1799 REVOLUÇÃO FRANCESA 1789-1799 À procura de solução para a crise: 1787 Luís XVI convocação dos conselheiros para criação de novos impostos Acabar com a isenção fiscal do Primeiro e Segundo Estados CONSEQUÊNCIA

Leia mais

3-5-2010 CURSO DE MAHATMA GANDHI TIS. Sandra Jacinto

3-5-2010 CURSO DE MAHATMA GANDHI TIS. Sandra Jacinto 3-5-2010 CURSO DE TIS MAHATMA GANDHI Sandra Jacinto 1869 Gandhi nasce no dia 2 de outubro, na Índia ocidental( Porbandar). 1891 - Forma-se em direito em Londres volta para a Índia a fim de praticar a advocacia.

Leia mais

A estrutura social e as desigualdades

A estrutura social e as desigualdades 3 A estrutura social e as desigualdades Unidade As desigualdades sociais instalaram se no Brasil com a chegada dos portugueses. Os povos indígenas foram vistos pelos europeus como seres exóticos e ainda

Leia mais

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Curso: Especialização em Psicopedagogia Módulo: Noções Fundamentais de Direito

Leia mais

1º ano. I. O Surgimento do Estado e a Organização de uma Sociedade de Classes

1º ano. I. O Surgimento do Estado e a Organização de uma Sociedade de Classes Africana: África como berço da humanidade Capítulo 1: Item 1 Européia Capítulo 1: Item 2 Asiática Capítulo 1: Item 2 Americana Capítulo 1: Item 3 Arqueologia Brasileira Capítulo 1: Item 4 A paisagem e

Leia mais

AFRO-DESCENDENTES NA HISTÓRIA DO BRASIL...

AFRO-DESCENDENTES NA HISTÓRIA DO BRASIL... AFRO-DESCENDENTES NA HISTÓRIA DO BRASIL... Refletir: Após as discussões vamos analisar a música de Elza Soares http://www.youtube.com/watch?v=okeg7x PxLU4 O que você entendeu? A Carne Elza Soares A carne

Leia mais

Lista de exercícios para pra final de História. 7ª série

Lista de exercícios para pra final de História. 7ª série Lista de exer PROVÍNCIA BRASILEIRA DA CONGREGAÇÃO DAS IRMÃS FILHAS DA CARIDADE DE SÃO VICENTE DE PAULO COLÉGIO VICENTINO SÃO JOSÉ Rua Pe. José Joaquim Goral, 182 Abranches Curitiba Fone (041) 3355-2200

Leia mais

NEGROS EM SOBRAL NO SÉCULO XIX (1880-1884): UM ESTUDO SOB A ÓTICA DA HISTÓRIA E DO DIREITO

NEGROS EM SOBRAL NO SÉCULO XIX (1880-1884): UM ESTUDO SOB A ÓTICA DA HISTÓRIA E DO DIREITO NEGROS EM SOBRAL NO SÉCULO XIX (1880-1884): UM ESTUDO SOB A ÓTICA DA HISTÓRIA E DO DIREITO Sabrina Nascimento de Carvalho, Universidade Estadual Vale do Acaraú - UVA, sabrinaerarisson@hotmail.com Rárisson

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL TEORIA MARXISTA NA COMPREENSÃO DA SOCIEDADE CAPITALISTA Disciplina: QUESTÃO E SERVIÇO Professora: Maria da Graça Maurer Gomes Türck Fonte: AS Maria da Graça Türck 1 Que elementos são constitutivos importantes

Leia mais

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com Reflexões sobre Empresas e Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com PRINCÍPIOS ORIENTADORES SOBRE EMPRESAS E DIREITOS HUMANOS (ONU, 2011): 1. PROTEGER 2. RESPEITAR 3. REPARAR Em junho de 2011, o

Leia mais

ANTECEDENTES A idéia de República

ANTECEDENTES A idéia de República ANTECEDENTES A idéia de República Silêncio, o imperador está governando o Brasil Piada comum entre os republicanos. Para eles, não era apenas o imperador que estava envelhecido e incapaz. O próprio regime

Leia mais

BREVES EXPOSIÇÕES SOBRE OS DIREITOS HUMANOS

BREVES EXPOSIÇÕES SOBRE OS DIREITOS HUMANOS BREVES EXPOSIÇÕES SOBRE OS DIREITOS HUMANOS Kelen Campos Benito 1 Bruno Souza Garcia 2 Resumo: O presente trabalho tem por finalidade discutir os Direitos Humanos que são os Direitos Fundamentais do homem.

Leia mais

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ (Conjur, 10/12/2014) Alexandre de Moraes Na luta pela concretização da plena eficácia universal dos direitos humanos o Brasil, mais

Leia mais

CIÊNCIAS SOCIAIS 10/9/2012. I ECONOMIA COLONIAL SÉCULOS XVI a XIX OBJETIVOS: Formação Econômica e Social Brasileira (I)

CIÊNCIAS SOCIAIS 10/9/2012. I ECONOMIA COLONIAL SÉCULOS XVI a XIX OBJETIVOS: Formação Econômica e Social Brasileira (I) CIÊNCIAS SOCIAIS M.I DESENVOLVIMENTO DESIGUAL E COMBINADO DA SOCIEDADE MODERNA Formação Econômica e Social Brasileira (I) Profa. Claudete Pagotto Período 2 2012 2 OBJETIVOS: Abordar as características

Leia mais

ASPECTOS HISTÓRICOS RESGATE DA HISTÓRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES NO BRASIL Maria Izabel Rocha Simão e Silva Capacitação de Candidatos ao Conselho Tutelar Barbacena, julho/2010 Objetivos: 1- Entendimento

Leia mais

DIVERSIDADE CULTURAL: A VALORIZAÇÃO ATRAVÉS DO LÚDICO 1

DIVERSIDADE CULTURAL: A VALORIZAÇÃO ATRAVÉS DO LÚDICO 1 DIVERSIDADE CULTURAL: A VALORIZAÇÃO ATRAVÉS DO LÚDICO 1 Naiara de Souza Araújo 2 Raquel Leandro Portal 3 Resumo O Brasil é um país com uma ampla diversidade cultural que necessita ser valorizada e por

Leia mais

O MUNDO MEDIEVAL. Prof a. Maria Fernanda Scelza

O MUNDO MEDIEVAL. Prof a. Maria Fernanda Scelza O MUNDO MEDIEVAL Prof a. Maria Fernanda Scelza Antecedentes Crises políticas no Império Romano desgaste; Colapso do sistema escravista; Problemas econômicos: aumento de impostos, inflação, descontentamento;

Leia mais

CONSELHO INTERACÇÃO. Declaração Universal dos Deveres do Homem. Setembro de 1997. Criado em 1983. InterAction Council

CONSELHO INTERACÇÃO. Declaração Universal dos Deveres do Homem. Setembro de 1997. Criado em 1983. InterAction Council CONSELHO INTERACÇÃO Criado em 1983 Declaração Universal dos Deveres do Homem Setembro de 1997 InterAction Council Declaração Universal dos Deveres do Homem Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. História C Aula 08 Prof. Thiago

Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. História C Aula 08 Prof. Thiago Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real História C Aula 08 Prof. Thiago Movimentos de Pré- Independência Século XVIII e XIX Crise do mercantilismo e do Estado Absolutista Hegemonia de

Leia mais

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815)

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815) NAPOLEÃO BONAPARTE 1 Profª Adriana Moraes Destaca-se política e militarmente no Período Jacobino. DIRETÓRIO Conquistas militares e diplomáticas na Europa defesa do novo governo contra golpes. Golpe 18

Leia mais

Revista África e Africanidades Ano 2 - n. 5 - Maio. 2009 - ISSN 1983-2354 www.africaeafricanidades.com

Revista África e Africanidades Ano 2 - n. 5 - Maio. 2009 - ISSN 1983-2354 www.africaeafricanidades.com Direitos Humanos A mulher negra brasileira Walkyria Chagas da Silva Santos Pós-graduanda em Direito do Estado pela Fundação Faculdade de Direito da Bahia - UFBA E-mail: kyriachagas@yahoo.com.br A articulação

Leia mais

O TRABALHO QUE EMPOBRECE

O TRABALHO QUE EMPOBRECE O TRABALHO QUE EMPOBRECE Fonte CD Acervo - Direitos da Criança e do Adolescente Alicia Irena Hernández Walcher Acadêmica do Curso de Direito do Centro Universitário Ritter dos Reis, Canoas/RS. Resumo 2.231.974.

Leia mais

CRISE DO ANTIGO SISTEMA COLONIAL

CRISE DO ANTIGO SISTEMA COLONIAL CRISE DO ANTIGO SISTEMA COLONIAL BASES COMUNS DO SISTEMA COLONIAL PACTO-COLONIAL Dominação Política Monopólio Comercial Sistema de Produção Escravista ESTRUTURA SOCIAL DAS COLONIAS ESPANHOLAS Chapetones

Leia mais

II - Desenvolvimento. 1. O primeiro mundo. 2. Sociedades de consumo

II - Desenvolvimento. 1. O primeiro mundo. 2. Sociedades de consumo I - Introdução Consideram-se como Norte os países ricos ou industrializados: o primeiro Mundo ou países capitalistas desenvolvidos, em primeiro lugar e também os países mais industrializados do antigo

Leia mais

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009 Questão 01 UFBA - -2009 2ª FASE 2009 Na Época Medieval, tanto no Oriente Médio, quanto no norte da África e na Península Ibérica, muçulmanos e judeus conviviam em relativa paz, fazendo comércio e expressando,

Leia mais

Formação do Estado Nacional Moderno: O Antigo Regime

Formação do Estado Nacional Moderno: O Antigo Regime Formação do Estado Nacional Moderno: O Antigo Regime A formação do Absolutismo Inglês Medieval Territórios divididos em condados (shires) e administrados por sheriffs (agentes reais) submetidos ao poder

Leia mais

O ANTIGO REGIME FRANCÊS ANCIEN REGIM

O ANTIGO REGIME FRANCÊS ANCIEN REGIM O ANTIGO REGIME FRANCÊS ANCIEN REGIM Organização social que vigorou na França, principalmente na época em que os reis eram absolutistas, ou seja, de meados do século XVII até a Revolução Francesa. Tal

Leia mais

Evolução histórica da Moral/Ética

Evolução histórica da Moral/Ética (3) Evolução histórica da Moral/Ética Zeila Susan Keli Silva 1º Semestre 2013 1 O homem vive em sociedade, convive com outros homens e, portanto, cabe-lhe pensar e responder à seguinte pergunta: Importância

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Segurança pública e a minha bicicleta Gildo Dalto Junior* Já dizia Hans Kelsen, sobre esta inversão de valores, que é certo que a vida humana é mais importante do que um relógio,

Leia mais