TERMO DE AUDIÊNCIA. Processo: RT

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TERMO DE AUDIÊNCIA. Processo: RT 0002725-38-2010.5.12.0038"

Transcrição

1 TERMO DE AUDIÊNCIA Processo: RT No dia vinte e três do mês de abril do ano de dois mil e doze, às 17h51min, na sala de audiências da 2 a Vara do Trabalho de Chapecó, sob a presidência do Ex. mo Juiz do Trabalho Dr. Rodrigo Goldschmidt, foram apregoadas as partes: IVONE BELLEI PAGLIARI, reclamante, e SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA - SESI e SADIA S.A., reclamadas, ausentes para a audiência de leitura e publicação da sentença. Submetido o processo a julgamento, foi então proferida a seguinte S E N T E N Ç A Vistos etc. I - Relatório IVONE BELLEI PAGLIARI demanda contra SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA - SESI e SADIA S.A., pelas razões declinadas na inicial. Dá à causa o valor de R$ ,00. Junta documentos. A primeira ré contesta (fls. 65/110). Junta documentos. A segunda ré contesta (fls. 229/233). Junta documentos. Realizadas perícia de nexo (fls. 428/433) e de insalubridade (fls. 443/445). Audiência de instrução processual às fls. 456/457. Ouvida uma testemunha. Sem outras provas a produzir, encerra-se a instrução. Razões finais remissivas. Propostas conciliatórias rejeitadas. II Fundamentação 2ª VT de Chapecó-SC - RT Página 1 de 15

2 Preliminarmente 1. Ilegitimidade passiva da segunda ré Rejeito, posto que o autora busca a responsabilidade solidária ou subsidiária da segunda ré, matéria que está afeta ao mérito e lá será dirimida. Mérito 2. Prescrição quinquenal Devidamente arguida pela primeira ré, declaro prescritos todos os créditos devidos, vencidos e exigíveis anteriores a , com fundamento no art. 7, inciso XXIX, da CF. 3. Do vínculo com a segunda ré. Da responsabilidade subsidiária da segunda ré A autora alega que foi formalmente contratada pela primeira reclamada, porém prestou serviços exclusivamente para a segunda reclamada. Em razão disso, postula o reconhecimento de vínculo de emprego também com a segunda ré, ou, sucessivamente, a condenação desta como responsável subsidiária pelos créditos porventura deferidos na presente sentença. Na hipótese, a autora foi contratada pela primeira ré, a qual encontra-se regularmente constituída, detendo personalidade jurídica própria, demonstrando, os elementos dos autos, que a autora trabalhou efetivamente em favor dessa empresa, subordinada exclusivamente a primeira ré. Logo, improcede o pedido de reconhecimento de vínculo direto com a segunda reclamada. 2ª VT de Chapecó-SC - RT Página 2 de 15

3 Porém, há responsabilidade subsidiária da segunda ré, nos termos da súmula 331 do TST. Os argumentos da segunda ré em sentido contrário não prosperam. Primeiro, ante o princípio da relatividade das convenções, as cláusulas contratuais firmadas entre as rés não atingem terceiros, no caso o trabalhador. De fato, pouco importa que, em contrato firmado entre as rés, a primeira ré tenha assumido a responsabilidade por passivo trabalhista. Isso não se aplica à autora, posto que a mesma não participou do ajuste entre as empresas e, mesmo que tivesse participado, cláusula nesse sentido seria nula, ante o art. 9º da CLT. A questão está pacificada, já que a súmula 331 do TST diz que a tomadora de serviço é SEMPRE responsável subsidiariamente, seja a terceirização lícita ou ilícita. Do exposto, condeno a segunda ré a responder subsidiariamente por todas as condenações eventualmente impostas no presente julgado à primeira ré. 4. Da norma coletiva a ser aplicada A primeira reclamada (SESI SC) aduz que, como Entidade de Educação e Assistência Social, sem fins lucrativos, tem a representação dos seus servidores exercida pelo SENALBA/SC Sindicato dos Empregados em Entidades Culturais, Recreativas, de Assistência Social, de Orientação e Formação Profissional do Estado de Santa Catarina, objetivando propiciar melhores e específicas condições de trabalho aos seus colaboradores. Aduz, ainda, que as normas coletivas firmadas entre SESI/SC e SENALBA sempre pontuaram pela melhor condição laboral dos trabalhados envolvidos. Requer, assim, que o acordo celebrado entre 2ª VT de Chapecó-SC - RT Página 3 de 15

4 as categorias configure lei regente da relação de trabalho e, em caso de condenação, sejam aplicados os termos das normas coletivas juntadas aos autos. Entende-se que as convenções e os acordos coletivos, enquanto erigidas à categoria de direito social constitucionalmente reconhecido (art. 7º, inc. XXVI), não podem restringir direito assegurado em lei, salvo se expressamente autorizados para tanto. Ocorre que a própria Constituição Federal enumera as hipóteses em que é possível a interferência, por parte da autonomia de vontade coletiva, no plano dos contratos individuais de trabalho, como se verifica, por exemplo, em relação à irredutibilidade salarial (CF, art. 7º, inciso VI) e à jornada normal de trabalho, possibilitada a compensação (incisos XIII e XIV). Logo, as normas coletivas serão aplicadas, conforme requerido pela 1ª ré, desde que mais benéficas ao trabalhador, na sua exegese. Defere-se, nestes termos, o pleiteado. 5. Horas extras. Tempo de troca de uniforme e deslocamento. Intervalos intra e entre jornadas. A autora afirma que tinha que trabalhar constantemente em jornada elastecida sem ter recebido a contraprestação pela horas laboradas além da 8ª diária, ocorrendo, ainda, em média duas reuniões por mês e outra a cada trimestre, com duração de 1 hora a 3 horas sem a remuneração correspondente. Alega que não teve o tempo de troca de uniforme e deslocamento remunerados. Diz que gozava de 40 a 45 minutos de intervalo intrajornada e que o intervalo entre jornadas não era respeitado. A primeira ré contesta, afirmando que a jornada da autora era de 44ª horas semanais e que a jornada anotada reflete corretamente a jornada realizada pela autora, ressaltando que o registro nos pontos não era realizado por meio de passagem de cartão, mas mediante anotação 2ª VT de Chapecó-SC - RT Página 4 de 15

5 em Ficha Individual de Presença, na própria cozinha, não necessitando, assim, de dez minutos de deslocamento, conforme alegado pela autora. Diz que os pontos consignam o intervalo intrajornada de 1 hora e que inexiste qualquer desrespeito ao intervalo interjornada, consoante jornada registrada. Refere haver acordo em norma coletiva, para compensação de horas e sustenta que as horas despendidas além da jornada eram registradas em cartão-ponto, para posterior compensação ou pagamento. Pugna pela improcedência dos pedidos. A autora, em sua manifestação (fls. 316/326), impugna os cartõesponto, sob a alegação de que são computadorizados, podendo ser alterados ou adequados conforme o interesse da reclamada. Diz que não registram a efetiva jornada e que carecem de assinatura da empregada. Em análise aos cartões-ponto, os registros foram feitos manualmente, devidamente assinados pela autora, o que vai de encontro com a argumentação da obreira em sua manifestação, uma vez que a mesma diz que a empresa manipulava o ponto e que era feito por computador, sem a anuência da obreira. Assim, tenho por fidedignos os horários de trabalho dos registros de frequência das fls. 316/326, com exceção do tempo de deslocamento e troca de uniforme, que a autora alega não registrado. Os documentos das fls. 81/89 registram pagamentos de horas extras, não tendo a autora apontado diferenças. Os acordos coletivos de trabalho das fls. 166/227, firmados pela primeira reclamada com o Sindicato dos Empregados em Entidades Culturais, Recreativas e de Assistência Social, de Orientação e Formação Profissional do Estado de Santa Catarina SENALBA/SC, estabelecem a compensação de jornada, na cláusula décima oitava, estatuindo que as horas não compensadas em outro dia, hora por hora, serão pagas no prazo de doze meses, com adicional de 50%. Conforme 1º da cláusula referida, nas cozinhas industriais do SESI, onde a refeição dos 2ª VT de Chapecó-SC - RT Página 5 de 15

6 empregados é servida no mesmo local, fica autorizada a redução de 30 minutos do intervalo para refeição (fls. 207, 216, 226, 236 e 248). Em relação aos acordos de compensação de horas e Banco de Horas, emergentes da negociação coletiva, ditos acordos devem ser observados e aplicados, ante o disposto no art. 7o, inciso XXVI, da CF, posto que emanam de livre negociação entre as partes pactuantes. Declaro, no entanto, inválido o 1º, da cláusula 18ª dos acordos coletivos de trabalho juntados aos autos, porquanto não comprovado o cumprimento do art. 71, 3º, da CLT e Portaria do MTE n. 42/07. Por outro lado, segundo a OJ n. 342 da SDI-1 do TST, é inválida cláusula de ACT que subtrai ou reduz o intervalo intrajornada por se constituir, a norma inserta no art. 71, da CLT, medida de higiene, saúde e segurança do trabalho. Colocadas as teses das partes e fixados estes parâmetros passo analisar os pedidos propriamente ditos. No tocante as horas extras além da 8ª diária e 44ª semanal, a autora, além de não comprovar jornada diversa da registrada nos cartões de ponto, não apresentou, em sua manifestação dos documentos, demonstrativo de diferenças de horas extras pagas ou compensadas, conforme dispõe a ata da fl. 61. Da análise das fichas financeiras, fls. 81/89, verifico que a autora recebeu horas extras com 50% e 100%, por amostragem do Juízo, fl. 81 e 95. Desta forma, não tendo a autora apontado diferenças de horas extras pagas ou compensadas, não se desincumbiu de seu ônus de prova, a teor do art. 818, da CLT. Logo, nada a deferir no tocante ao pedido de pagamento de horas extras além da 8ª hora diária e da 44ª semanal. No caso, não desconstituída a validade dos registros de jornada nas folhas de frequência, fls. 110/165, verifica-se que foi observado o 2ª VT de Chapecó-SC - RT Página 6 de 15

7 intervalo intrajornada mínimo legal, razão pela qual indefiro o pleito de pagamento do respectivo intervalo. No que diz respeito à troca de uniforme e deslocamento interno, a autora alega na exordial que despendia, para esse fim, de 15 minutos no início e 15 minutos no final da jornada, não registrados. A testemunha ERONI, fl. 456, diz que primeiro pegavam o uniforme e se dirigiam até o vestiário, trocavam de roupa para depois bater o ponto, sendo que na saída ocorria o inverso; que gastavam em média 15 minutos para cada troca. Por conseguinte, tendo em vista de que a informação da testemunha confere com a informação da autora, na inicial, que o tempo despendido para cada troca de uniforme é de 15 minutos e, considerando que a ré não logrou provar que tal tempo é inferior ou que o procedimento é diverso da informação da autora e da testemunha, ônus que lhe competia, tenho por verdadeiro que o tempo necessário para cada troca e deslocamento é de 15 minutos, ocorrendo duas vezes por dia trabalhado. Logo, fixo em 30 minutos por dia o tempo despendido para troca de uniforme não registrado nos cartões de ponto, sendo 15 minutos no início da jornada e 15 minutos no final da jornada, considerando neste tempo o deslocamento interno. A troca de vestes constitui exigência da empresa, ligada a imperativos de higiene, ante a atividade fim da empresa. Logo, trata-se de tempo à disposição do empregador, nos exatos termos do art. 4o da CLT. Por outro lado, como não foi computado na jornada, o tempo destinado a troca de uniforme deve ser remunerado como extra. Saliento que não há se falar de compensação com os minutos que sucedem ou antecedem a jornada, já que tais desconsiderações se aplicam à jornada registrada no ponto (inteligência do parágrafo primeiro do art. 58 da CLT), o que não é o caso, já que o tempo destinado à troca de uniforme não era computado no ponto. 2ª VT de Chapecó-SC - RT Página 7 de 15

8 O tempo com a troca de uniforme, como dito, está fora dos limites formais do ponto, e não abrangido pelo regime de compensação de horários, devendo ser remunerado autonomamente, como extra. Do exposto, condeno a ré a pagar à autora 30 (trinta) minutos por jornada, durante toda a contratualidade, salvo o período prescrito, observados os dias efetivamente trabalhados, conforme registrado nos cartões-ponto, referente ao tempo despendido com a troca de roupa e deslocamento, como extra, com adicional de 50%, com reflexos em repouso semanal remunerado e, com estes, em férias acrescidas de 1/3, décimo terceiro salário, aviso prévio e FGTS + 40%. No que pertine aos abatimentos, não se autoriza, uma vez que este tempo não foi anotado nos cartões-ponto. Quanto às horas despendidas em reuniões, não há prova de que a parte-autora participava de reuniões mensais e trimestrais, não se incumbindo, assim, a autora, de seu ônus de prova, a teor do art. 818, da CLT. Indefiro. Por fim, no tocante aos intervalos interjornada, além da autora não ter feito apontamento de desrespeito a tal intervalo, não se identifica a violação aos intervalos mínimos legais, sendo improcedente o pleito, no aspecto. ocupacional 6. Da doença ocupacional. Dano material. Dano moral da doença A autora formula os pedidos em tela aduzindo que ingressou na empresa em bom estado de saúde e que, ao longo do contrato, em virtude do desempenho de atividades repetitivas e pesadas e pela falta frequente de funcionários, passou a ter sérios problemas de saúde em seus pés, coluna lombar e nos membros superiores. Informa que em março/2007 precisou se ausentar do trabalho para realização de cirurgia de joanetes, permanecendo afastada do trabalho por 4 meses, sendo 2ª VT de Chapecó-SC - RT Página 8 de 15

9 que no retorno ao trabalho foi colocada para trabalhar no mesmo setor e nas mesmas funções anteriores, o que agravou ainda mais seu problema de saúde. Em virtude de seu agravamento das lesões nos pés, precisou se afastar pelo INSS por mais 5 meses; retornou ao trabalho e começou a sentir fortes dores nas costas e membros superiores, necessitando se afastar novamente do trabalho. Voltou a trabalhar e, em que pese ainda doente, tinha que esfregar número excessivo de mesas, até o momento de sua dispensa. A primeira ré nega a doença ocupacional, afirmando que sempre proporcionou condições ideais de trabalho, mormente na área de saúde e segurança. Nega que havia problemas de falta de funcionários. Diz que a autora, após orientação médica, foi remanejada de função e que a obreira pedia insistentemente que fosse demitida para receber seus direitos, seno que a empresa não concordou com tal pedido, passando a autora a fazer outras queixas e buscando afastamentos médicos. Nega os requisitos da responsabilidade civil e pugna pela improcedência dos pedidos. Da análise dos documentos, verifica-se inúmeros atestados médicos e vários afastamentos pela Previdência Social. Conforme Laudo Médico Pericial, fls. 428/433, o Perito do Juízo identificou a existência de nexo causal e nexo técnico como concausa entre a patologia e as atividades desenvolvidas para a ré. O laudo pericial conclui: A autora apresentou quadro de dor lombar e quadro de dor no ombro D decorrente de processos degenerativos e esteve exposta a riscos ergonômicos para coluna vertebral e ombros durante a atividade laboral na empresa. Concluímos que existe relação de nexo causal e nexo técnico como concausa entre o quadro de dor em coluna lombar e ombro D em razão da autora apresentar alterações degenerativas, acrômio tipo II e histórico laboral de agressividade semelhante ou maior às atividades feitas na ré. 2ª VT de Chapecó-SC - RT Página 9 de 15

10 No item DISCUSSÃO (fl. 432 e 432-verso), o perito descreve: Ainda nesse aspecto, consideramos que as atividades laborais que a autora realizou antes de ingressar na ré (agricultora e diarista), tiveram grande participação no desencadeamento das patologias que atualmente a autora apresenta, por apresentaram risco ergonômico para coluna vertebral e ombros, semelhante ou maior àquele que a autora esteve exposta na reclamada. Dessa forma, justifica-se o nexo concausal entre as patologias alegasas pela autora e as atividades feitas na ré. Em resposta aos quesitos do Juízo (fl. 61), o Perito confirma a existência de nexo de causalidade entre a atividade laboral e a patologia apresentada, na forma de concausa (fl. 432-verso). Já em resposta aos quesito de n. 4, da autora, que questiona se a patologia é de origem ocupacional, o perito diz que o trabalho atuou como agravante das patologias degenerativas que a autora apresentou. A prova testemunhal, ERONI (fl. 456) diz que a autora, em várias tarefas erguia peso; que a iniciar pelo transporte de várias térmicas de café e balde de suco para levar até o setor administrativo e o setor técnico que ficava longe; além disso a autora erguia e esvaziava cubas contendo alimentos no container, cubas essas que pesavam aproximadamente 20 kg, ainda a autora movimentava o recipiente do lixo, que pesava uns 80 kg com o auxílio de uma outra colega para colocar em cima de um carrinho; que a autora puxava esse carrinho para levar até um container e lá virava o lixo no container; que o carrinho também era puxado por 2 pessoas. Frisa-se que o perito afirma as condições de trabalho na ré contribuíram na patologia como concausa, muito embora diga que a doença da autora, em regra, é de cunho degenerativo. Diante do exposto, tenho que a participação culposa da ré é mínima para o evento, uma vez que a patologia da autora é de cunho 2ª VT de Chapecó-SC - RT Página 10 de 15

11 degenerativo e que as atividades laborais desenvolvidas anteriormente ao labor para a ré tiveram grande participação no desencadeamento da patologia. Tais considerações são importantes para a quantificação do dano. No caso, entendo que não cabe pensão mensal vitalícia, posto que atualmente, segundo o expert, não há incapacidade laboral, em que pese existir restrição para a atividade de sobrecarga para coluna lombar e ombros, de forma preventiva e que atualmente não identifica-se quadro clínico a ser tratado (fl. 432-verso). Porém, como o perito diz que deve ter acompanhamento médico para evitar a progressão da patologia, entendo razoável fixar o pensionamento em noventa dias contados da presente data ( ), no importe de 30% da última remuneração integral da autora. Logo, condeno a ré a pagar à autora o pensionamento de 90 dias contados da data da publicação deste julgado, no importe de 30% da última remuneração integral da autora. Ressalto que a indenização devida pela reclamada não se confunde nem se compensa com o benefício previdenciário recebido ou pretendido pela autora, por se tratarem de direitos distintos. O dano moral está presente e decorre da dor física experimentada pela autora e pela estado de menos valia perante terceiros, ante a sua incapacidade laborativa, que lhe faz alvo de discriminação pela sociedade, afetando o seu patrimônio moral. Porém, como a responsabilidade da ré se deu na forma de concausa, entendo pertinente fixar o dano moral em R$ 1.500,00 ante a gravidade dos fatos, a capacidade econômica da ré e o caráter pedagógico da imposição. Do exposto, condeno a ré a pagar para a autora R$ 1.500,00 de danos morais, devidamente corrigidos e acrescidos de juros legais de 1% ao mês, desde a data da publicação deste julgado. Concernente à indenização do período de suposta garantia de emprego decorrente do art. 118 da Lei 8.213/91 não pode ser deferida, 2ª VT de Chapecó-SC - RT Página 11 de 15

12 posto que a autora, ao ser desligada, não estava recebendo auxílio doença acidentário. Veja-se que a despedida operou-se em , ao passo que a obreira teve indeferido a prorrogação de auxílio doença em , fl. 38. Logo, não havia óbice, na oportunidade, para a sua despedida. Improcede. 7. Indenização por assédio moral O pedido em tela improcede, posto que o assédio moral constitui em ações reiteradas da chefia, que expõe o trabalhador a constrangimentos, isolamentos, humilhações, abalando a sua moral e honra subjetiva. No caso dos autos, em que pese a testemunha da autora (NELCIDES) ter mencionado que presenciou a Sra. Paula (responsável pela contratação e remuneração dos empregados da 1ª ré) chamando a autora de laranja podre, pelo motivo que a autora era lenta e que não acompanhava o serviço, que tais xingamentos ocorreram no refeitório, na presença de demais empregados, entende o Juízo que tal prova se reveste de certa fragilidade, posto que, quando a testemunha foi questionada para mencionar o nome das demais colegas que presenciaram o episódio da laranja podre, a mesma disse que não recordava do nome das colegas. Ademais, o assédio moral caracteriza-se pela exposição do trabalhador a situações humilhantes e constrangedoras, repetitivas e prolongadas durante a jornada de trabalho e no exercício das suas funções. Degrada-se deliberadamente as condições sociais de trabalho nas quais prevalece condutas negativas do superior frente ao obreiro, constituindo desta forma uma experiência subjetiva que traz consigo prejuízos práticos e emocionais ao trabalhador e ao clima organizacional. Em suma, um ato isolado de humilhação ou constrangimento não constitui assédio moral, que deve ser delimitado pelos seguintes 2ª VT de Chapecó-SC - RT Página 12 de 15

13 elementos: 1) repetição sistemática; 2) intencionalidade do empregador; 3) direcionalidade (direcionado a um trabalhador); 4) temporalidade (durante a jornada de trabalho); e 5) degradação deliberada das condições sociais de trabalho. No caso dos autos, nada disso restou evidenciado, razão pela qual indefiro o pedido. 8. Adicional de insalubridade Acolho a conclusão do laudo pericial, fl. 445, no sentido de que a atividade da autora é SALUBRE, até porque o perito é incisivo de que o uso efetivo de EPI's e EPC's elidiram e/ou eliminaram os riscos, bem como diz inexistir potencialidade nas atividades da autora a ponto de causar danos à saúde da mesma. Logo, não há falar em pagamento de adicional de insalubridade. 9. Multa do art. 477 da CLT Como o pagamento das verbas rescisórias ocorreu fora do prazo legal previsto no art. 477, b, da CLT, condeno a ré a pagar à autora a multa prevista no referido artigo. 10. Recolhimentos previdenciários e fiscais Juros de 1% ao mês contados da propositura da demanda (art. 883 da CLT) e correção monetária a partir do 5 dia útil do mês subsequente (art. 459, parágrafo único, da CLT). Descabem juros compensatórios, por falta de amparo legal. Os recolhimentos previdenciários e fiscais deverão ser procedidos pela ré, de acordo com a lei, observado o regime de competência na apuração dos débitos previdenciários e a Instrução 2ª VT de Chapecó-SC - RT Página 13 de 15

14 Normativa RFB 1.127, de no tocante aos cálculos dos débitos fiscais. Autorizo o abatimento da cota parte da empregada dos recolhimentos previdenciários. Esclareço que da condenação imposta são indenizatórias as seguintes parcelas: reflexos de férias acrescidas de 1/3 e em FGTS + multa 40%, pensionamento, dano moral e juros moratórios. Defiro a justiça gratuita à autora, com fundamento no art. 790, parágrafo 3º, da CLT, porém, segue a mesma responsável pelo pagamento dos honorários da perícia de insalubridade, por força do disposto na Portaria GP n. 0034/2011, do E. TRT 12. Improcedem os honorários advocatícios, ante as súmulas 219 e 329 do TST. III Dispositivo ISSO POSTO, rejeito a prefacial de ilegitimidade passiva da segunda ré. No mérito, julgo PROCEDENTE EM PARTE a demanda proposta por IVONE BELLEI PAGLIARI em desfavor de SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA - SESI e SADIA S.A., condenando a primeira ré, de forma principal, e a segunda ré, de forma subsidiária, a pagar para a autora, observada a prescrição declarada, com juros e correção monetária, nos termos e limites da fundamentação supra, as seguintes parcelas: a) 30 (trinta) minutos por jornada, durante a contratualidade, salvo o período prescrito, observados os dias efetivamente trabalhados conforme cartões-ponto, referente ao tempo despendido com a troca de roupa, como extra, com adicional de 50%, com reflexos em repouso semanal remunerado e, com estes, em férias acrescidas de 1/3, décimo terceiro salário, aviso prévio e FGTS + 40%; b) pensionamento de 90 dias contados da data da publicação deste julgado, no importe de 30% da última remuneração integral da autora; c) R$ 1.500,00 de danos morais, devidamente corrigidos e acrescidos de juros legais de 1% ao 2ª VT de Chapecó-SC - RT Página 14 de 15

15 mês, desde a data da publicação deste julgado; d) multa prevista no art. 477, da CLT; Custas no importe de R$ 180,00, calculadas sobre o valor ora arbitrado à condenação de R$ 9.000,00, pelas rés. Honorários pericias da perícia de nexo, no importe de R$ 700,00, pela ré, sucumbente na matéria. Honorários da perícia de insalubridade, no importe de R$ 400,00, pela autora, sucumbente, nos termos da Portaria GP n. 0034/2011 do TRT 12. Recolhimentos previdenciários e fiscais na forma da fundamentação. Valores a serem apurados em liquidação. Cumpra-se em 48h após o trânsito em julgado. Intimem-se as partes. Intime-se a União, nos termos do Ofício Circular CR n. 03. Dr. Rodrigo Goldschmidt Juiz do Trabalho 2ª VT de Chapecó-SC - RT Página 15 de 15

TERMO DE AUDIÊNCIA. Processo: RTOrd 0000431-42.2012.5.12.0038

TERMO DE AUDIÊNCIA. Processo: RTOrd 0000431-42.2012.5.12.0038 TERMO DE AUDIÊNCIA Processo: RTOrd 0000431-42.2012.5.12.0038 No dia vinte e cinco de abril do ano de dois mil e doze, às 11h17min, na sala de audiências da 2 a Vara do Trabalho de Chapecó, sob a presidência

Leia mais

TERMO DE AUDIÊNCIA. Processo: RT 0002378-68.2011.5.12.0038

TERMO DE AUDIÊNCIA. Processo: RT 0002378-68.2011.5.12.0038 TERMO DE AUDIÊNCIA Processo: RT 0002378-68.2011.5.12.0038 No dia vinte e cinco do mês de abril do ano de dois mil e doze, às 18h03min, na sala de audiências da 2 a Vara do Trabalho de Chapecó, sob a presidência

Leia mais

JOSÉ DE SÃO DO TRABALHO S E N T E N Ç A

JOSÉ DE SÃO DO TRABALHO S E N T E N Ç A 3ª VARA DO TRABALHO DE SÃO JOSÉ - SC TERMO DE AUDIÊNCIA RTOrd 0003346-50.2011.5.12.0054 Aos 13 dias do mês de abril do ano de dois mil e doze, às 17h58min, na sala de audiências da, por ordem da Exma.

Leia mais

TERMO DE AUDIÊNCIA. Processo: RTOrd 0003139-02.2011.5.12.0038

TERMO DE AUDIÊNCIA. Processo: RTOrd 0003139-02.2011.5.12.0038 TERMO DE AUDIÊNCIA Processo: RTOrd 0003139-02.2011.5.12.0038 No dia dezenove do mês de abril do ano de dois mil e doze, às 18h17min, na sala de audiências da 2 a Vara do Trabalho de Chapecó, sob a presidência

Leia mais

TERMO DE AUDIÊNCIA S E N T E N Ç A

TERMO DE AUDIÊNCIA S E N T E N Ç A TERMO DE AUDIÊNCIA Aos 18 dias do mês de setembro de dois mil e nove, às 17h40, na sala de audiências desta 2ª Vara do Trabalho de Criciúma, SC, sob a titularidade do MM. Juiz do Trabalho Dr. JOSÉ LUCIO

Leia mais

1ª VARA DO TRABALHO DE BLUMENAU/SC RT 02277-2007-002-12-00-9

1ª VARA DO TRABALHO DE BLUMENAU/SC RT 02277-2007-002-12-00-9 1ª VARA DO TRABALHO DE BLUMENAU/SC RT 02277-2007-002-12-00-9 Submetido o processo a julgamento, na sala de audiências desta Vara, presente a Excelentíssima Juíza do Trabalho Substituta, ELAINE CRISTINA

Leia mais

SENTENÇA 0000883-25.2012.5.04.0701 Ação Trabalhista - Rito Ordinário VISTOS, ETC.

SENTENÇA 0000883-25.2012.5.04.0701 Ação Trabalhista - Rito Ordinário VISTOS, ETC. Fl. 1 VISTOS, ETC. JUSSIANO LARA EVANGELISTA DE PAULO ajuíza ação trabalhista em face de WMS SUPERMERCADOS DO BRASIL LTDA., em 07.08.2012, consoante a petição inicial das fls. 02/6, alegando ter sido admitido

Leia mais

XXVI CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NA MAGISTRATURA DO TRABALHO DA 2ª REGIÃO PROVA PRÁTICA (SENTENÇA) 30/JUNHO/2001

XXVI CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NA MAGISTRATURA DO TRABALHO DA 2ª REGIÃO PROVA PRÁTICA (SENTENÇA) 30/JUNHO/2001 XXVI CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NA MAGISTRATURA DO TRABALHO DA 2ª REGIÃO PROVA PRÁTICA (SENTENÇA) 30/JUNHO/2001 Ação trabalhista ajuizada em 10 de janeiro de 2000. PETIÇÃO INICIAL Carlos da Silva,

Leia mais

X EXAME DE ORDEM UNIFICADO 2ª FASE DIREITO EMPRESARIAL. Modelo de Contestação:

X EXAME DE ORDEM UNIFICADO 2ª FASE DIREITO EMPRESARIAL. Modelo de Contestação: X EXAME DE ORDEM UNIFICADO 2ª FASE DIREITO EMPRESARIAL Modelo de Contestação: Sistema de passos: 1º passo: Sergio Peres x Refrigeração Nacional (empresa de pequeno porte) Vinculo: Pedidos: 1-dano moral

Leia mais

S E N T E N Ç A JOSÉ. 3ª Vara do Trabalho de São José RTOrd 0000307-11.2012.5.12.0054 - Sentença - p. 1

S E N T E N Ç A JOSÉ. 3ª Vara do Trabalho de São José RTOrd 0000307-11.2012.5.12.0054 - Sentença - p. 1 3ª VARA DO TRABALHO DE SÃO JOSÉ - SC TERMO DE AUDIÊNCIA RTOrd 0000307-11.2012.5.12.0054 Aos 17 dias do mês de abril do ano de dois mil e doze, às 17h57min, na sala de audiências da, por ordem da Exma.

Leia mais

NÚCLEO PREPARATÓRIO DE EXAME DE ORDEM

NÚCLEO PREPARATÓRIO DE EXAME DE ORDEM ENDEREÇAMENTO E QUALIFICAÇÃO EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DA... VARA DO TRABALHO DE... A, estado civil..., profissão..., portador do RG nº..., inscrito no CPF nº..., portador da CTPS..., série...,

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DA VARA DO TRABALHO DE CURITIBA PR

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DA VARA DO TRABALHO DE CURITIBA PR EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DA VARA DO TRABALHO DE CURITIBA PR Tomi Lee Gando, brasileiro, casado, técnico eletricista, portador de CTPS n. 01010, série 010, inscrito no PIS sob o n. 010.010.010-10

Leia mais

Aberta a audiência, por ordem da MMa. Juíza, foram apregoadas as partes, ausentes.

Aberta a audiência, por ordem da MMa. Juíza, foram apregoadas as partes, ausentes. ATA DE AUDIÊNCIA RELATIVA AO PROCESSO N.º 0001234-66.2011.5.19.0005 Aos 12 dias do mês de dezembro do ano de 2011, às 17h00min, realizou-se audiência na sede da 5ª Vara do Trabalho de Maceió, na presença

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Você foi procurado pelo Banco Dinheiro Bom S/A, em razão de ação trabalhista nº XX, distribuída para a 99ª VT de Belém/PA, ajuizada pela ex-funcionária Paula, que

Leia mais

0000085-19.2011.5.04.0016 Reclamatória-Ordinário

0000085-19.2011.5.04.0016 Reclamatória-Ordinário Reclamante: ARIANE RODRIGUES DE LIMA Reclamada: INTERSAÚDE COOPERATIVA DOS TRABALHADORES PROFISSIONAIS AUTÔNOMOS EM HOSPITAIS, CLÍNICAS, ATENDIMENTOS DOMICILIARES E SERVIÇOS DE URGÊNCIAS MÉDICAS VISTOS,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 12ª REGIÃO 1.ª Vara do Trabalho de Joinville/SC.

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 12ª REGIÃO 1.ª Vara do Trabalho de Joinville/SC. Reclamante: Thiago Ivo Pereira Reclamado: 1) Probank S.A (Em recuperação judicial). 2) Caixa Econômica Federal Aos 19 dias do mês setembro de 2011, na sala de audiências da 1.ª Vara do Trabalho de Joinville,

Leia mais

executivo e sua remuneração era de R$ 3.000,00 acrescida de gratificação de um terço de seu salário.

executivo e sua remuneração era de R$ 3.000,00 acrescida de gratificação de um terço de seu salário. EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DA VARA DO TRABALHO DE FLORIANÓPOLIS/SC ANA KARENINA, estado civil..., profissão..., residente e domiciliada na Rua..., nº..., cidade... estado..., CEP..., representada

Leia mais

PRÁTICA DE TRABALHO MODELOS DE ITENS PARA PETIÇÃO INICIAL

PRÁTICA DE TRABALHO MODELOS DE ITENS PARA PETIÇÃO INICIAL PRÁTICA DE TRABALHO MODELOS DE ITENS PARA PETIÇÃO INICIAL Caros alunos, os modelos a seguir são apenas sugestões de redação. O ideal é que cada um tenha sua forma de escrever. O que realmente importa é

Leia mais

Reclamação Trabalhista ajuizada por CLELIO FERRAZ DOS REIS em face de MACAUBAS MEIO AMBIENTE S/A.

Reclamação Trabalhista ajuizada por CLELIO FERRAZ DOS REIS em face de MACAUBAS MEIO AMBIENTE S/A. Aos 07 dias do mês de novembro de 2014, às 16h45min, na Vara do Trabalho de Sabará, sob a direção do MM. Juiz do Trabalho, ANDRÉ BARBIERI AIDAR, realizou-se a audiência para JULGAMENTO da Reclamação Trabalhista

Leia mais

04/08/2011 10:40:03 Sistema de Acompanhamento de Processos em 1ª Instância pág. 2 / 5

04/08/2011 10:40:03 Sistema de Acompanhamento de Processos em 1ª Instância pág. 2 / 5 PROCESSO Nº 0000527-83.2011.5.19.0010 (RECLAMAÇÃO TRABALHISTA) SENTENÇA VISTOS, ETC... I - RELATÓRIO: DISPENSADO( ART. 852-I/CLT). II - FUNDAMENTAÇÃO: 1. DA PRELIMINAR DE ILEGITIMIDADE PASSIVA AD CAUSAM

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO Acórdão 10ª Turma INDENIZAÇÃO. DANO MORAL. ATRASO NA ENTREGA DAS GUIAS DO FGTS E SEGURO- DESEMPREGO. A demora injustificada na entrega das guias do FGTS e do Seguro- Desemprego, feita ultrapassado o decêndio

Leia mais

Processo nº 0002540-12.2011.5.12.0055. Termo de Audiência

Processo nº 0002540-12.2011.5.12.0055. Termo de Audiência Processo nº 0002540-12.2011.5.12.0055 Termo de Audiência Rito Ordinário Aos 15 (quinze) dias do mês de maio de dois mil e doze, às 17h15min, na sala de audiências da, por ordem do Exmo. Juiz Erno Blume,

Leia mais

Apresentou a reclamada defesa escrita (fls. 97/100), impugnando especificamente os pedidos contidos na petição inicial.

Apresentou a reclamada defesa escrita (fls. 97/100), impugnando especificamente os pedidos contidos na petição inicial. VISTOS ETC. CRISTIANO WEBER ANDRÉ, devidamente qualificado, ajuizou reclamação trabalhista em face de FRAS-LE S.A. em 27 de agosto de 2010, aduzindo ter sido admitida pela ré em 06/03/2006, na função de

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO - 4ª REGIÃO RIO GRANDE DO SUL Fl. 1. 1ª Vara do Trabalho de Bagé

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO - 4ª REGIÃO RIO GRANDE DO SUL Fl. 1. 1ª Vara do Trabalho de Bagé Fl. 1 Reclamante: JURACI SILVA DA PORCIUNCULA Reclamada: LIDERANÇA LIMPEZA E CONSERVAÇÃO LTDA. VISTOS, ETC. JURACI SILVA DA PORCIUNCULA ajuíza ação trabalhista contra LIDERANÇA LIMPEZA E CONSERVAÇÃO LTDA.

Leia mais

29/11/2007 14:33:23 Sistema de Acompanhamento de Processos em 1ª Instância pág. 1 / 6

29/11/2007 14:33:23 Sistema de Acompanhamento de Processos em 1ª Instância pág. 1 / 6 TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 19ª REGIÃO 10ª VARA DO TRABALHO DE MACEIÓ/AL ATA DE JULGAMENTO DO PROCESSO nº. 1301-2007-010-19-00-9 Aos vinte e nove dias do mês de novembro do ano de dois mil e sete,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO DA 9ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO DA 9ª REGIÃO Vistos, etc. I. RELATÓRIO ADIVAL SANTOS DE LIMA, já qualificado na inicial, ajuizou reclamação trabalhista em face de BANDA LIVRE TERCEIRIZAÇÃO DE ENTREGAS RÁPIDAS e FARMÁCIA PANVEL LTDA., também qualificadas

Leia mais

PROCESSO: 0046800-32.2006.5.01.0064 RO

PROCESSO: 0046800-32.2006.5.01.0064 RO Acórdão 10a Turma RECURSO ORDINÁRIO. DOENÇA PROFISSIONAL. AUSÊNCIA DO NEXO DE CAUSALIDADE. PROVA PERICIAL. Para se reconhecer a doença profissional, o que é possível mesmo após a ruptura do contrato, ainda

Leia mais

29/02/2012 CORREÇÃO SIMULADO CONTESTAÇÃO (OAB/RJ COM ADAPTAÇÕES)

29/02/2012 CORREÇÃO SIMULADO CONTESTAÇÃO (OAB/RJ COM ADAPTAÇÕES) Direito do Trabalho Aula 17 2ª Fase Maria Inês Gerardo CORREÇÃO SIMULADO CONTESTAÇÃO Augusto Giuliano e Rui Santoro, devidamente qualificados na inicial, ajuízam em 10/02/2012 uma ação trabalhista em face

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 19ª REGIÃO 1ª VARA DO TRABALHO DE SÃO MIGUEL DOS CAMPOS/AL PROCESSO: 0001912-41.2010.5.19.0062

TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 19ª REGIÃO 1ª VARA DO TRABALHO DE SÃO MIGUEL DOS CAMPOS/AL PROCESSO: 0001912-41.2010.5.19.0062 TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 19ª REGIÃO 1ª VARA DO TRABALHO DE SÃO MIGUEL DOS CAMPOS/AL PROCESSO: 0001912-41.2010.5.19.0062 Aos 16 dias do mês de janeiro do ano dois mil e doze, às 13:12 horas, estando

Leia mais

OPERADOR DE TELEMARKETING INTELIGÊNCIA DA SÚMULA 29 DESTE TRIBUNAL REGIONAL

OPERADOR DE TELEMARKETING INTELIGÊNCIA DA SÚMULA 29 DESTE TRIBUNAL REGIONAL Acórdão 9ª Turma OPERADOR DE TELEMARKETING INTELIGÊNCIA DA SÚMULA 29 DESTE TRIBUNAL REGIONAL Reconheço o pedido do autor como operador de telemarketing, afastando o argumento da CONTAX de que o autor era

Leia mais

Petições Trabalhistas 3.0

Petições Trabalhistas 3.0 Contestações 1. Contestação - ação de cobrança de contribuição sindical 2. Contestação - ação rescisória trabalhista 3. Contestação - adicional de insalubridade - limpeza de banheiro - empresa 4. Contestação

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO A C Ó R D Ã O 3ª T U R M A PODER JUDICIÁRIO FEDERAL MEMBRO DE CONSELHO CONSULTIVO. ESTABILIDADE. DESCABIMENTO. Não faz jus à estabilidade sindical o empregado eleito pelo órgão consultivo da entidade,

Leia mais

Após a análise dos autos, foi proferida a seguinte: Dispensado na forma do art. 852-I da CLT.

Após a análise dos autos, foi proferida a seguinte: Dispensado na forma do art. 852-I da CLT. PODER JUDICIÁRIO DA UNIÃO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO OITAVA VARA DO TRABALHO DE GOIÂNIA-GO Endereço: Rua T-29, nº 1403 - Setor Bueno CEP: 74215-901 Telefones: (62)3901-3476 - (62)3901-3477

Leia mais

O MM. Juiz passou a decidir o litígio nos termos seguintes:

O MM. Juiz passou a decidir o litígio nos termos seguintes: ATA DE AUDIÊNCIA PROCESSO: 801-15.2014.5.10.0003 RECLAMANTE: MIRACI BARBOSA DOS SANTOS RECLAMADO: ELIAS HANNA MOKDISSI Aos 24 dias do mês de fevereiro do ano de 2015, às 17h10, a 3ª Vara do Trabalho de

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO - 4ª REGIÃO RIO GRANDE DO SUL Fl. 1. 4ª Vara do Trabalho de Passo Fundo

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO - 4ª REGIÃO RIO GRANDE DO SUL Fl. 1. 4ª Vara do Trabalho de Passo Fundo Fl. 1 Reclamante: Fauzi Abdelkarim Hamad Reclamada: Doux Frangosul S.A. Agro Avícola Industrial I Relatório Trata-se de Reclamatória Trabalhista ajuizada em 27-6-2011 por FAUZI ABDELKARIM HAMAD contra

Leia mais

VI Exame OAB 2ª FASE Padrão de correção Direito do Trabalho

VI Exame OAB 2ª FASE Padrão de correção Direito do Trabalho VI Exame OAB 2ª FASE Padrão de correção Direito do Trabalho Peça 1) Estrutura inicial O examinando deve elaborar uma contestação, indicando o fundamento legal (artigo 847 da CLT ou artigo 300 do CPC),

Leia mais

EXMO. JUIZ DO TRABALHO DA VARA DO TRABALHO DE

EXMO. JUIZ DO TRABALHO DA VARA DO TRABALHO DE EXMO. JUIZ DO TRABALHO DA VARA DO TRABALHO DE José, nacionalidade, estado civil, profissão, RG, CPF, CTPS, PIS, residente e domiciliado na, vem, respeitosamente, perante V. Exa., por meio de seu advogado,

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB PADRÃO DE RESPOSTAS PEÇA PROFISSIONAL Contratado pela empresa Clínica das Amendoeiras, em razão de uma reclamação trabalhista proposta em 12.12.2012 pela empregada Jussara Péclis (número 1146-63.2012.5.18.0002,

Leia mais

Recurso Ordinário: 0100700-57-2005.5.01.0421

Recurso Ordinário: 0100700-57-2005.5.01.0421 Recurso Ordinário: 0100700-57-2005.5.01.0421 Titulação: Direito Processual Civil e do Trabalho. Atos Processuais. Nulidade. Palavras-chave: nulidade processual, prestação jurisdicional, indenização, dano

Leia mais

Processo nº 0003719-78.2011.5.12.0055. Termo de Audiência. Rito Ordinário

Processo nº 0003719-78.2011.5.12.0055. Termo de Audiência. Rito Ordinário Processo nº 0003719-78.2011.5.12.0055 Termo de Audiência Rito Ordinário Aos 24 (vinte e quatro) dias do mês de maio de dois mil e doze, às 17h, na sala de audiência da, por ordem do Exmo. Juiz Erno Blume,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL Tribunal Regional do Trabalho 2ª Região ATA DE AUDIÊNCIA

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL Tribunal Regional do Trabalho 2ª Região ATA DE AUDIÊNCIA ATA DE AUDIÊNCIA Aos 14 dias do mês de fevereiro de 2014, às 08h25, na sala de audiências da Egrégia 6ª Vara do Trabalho de São Paulo, presente o Excelentíssimo Juiz RENATO SABINO CARVALHO FILHO, realizou-se

Leia mais

ACÓRDÃO 0104400-87.2009.5.04.0301 RO Fl. 1. JUIZ CONVOCADO MARCOS FAGUNDES SALOMÃO Órgão Julgador: 3ª Turma

ACÓRDÃO 0104400-87.2009.5.04.0301 RO Fl. 1. JUIZ CONVOCADO MARCOS FAGUNDES SALOMÃO Órgão Julgador: 3ª Turma 0104400-87.2009.5.04.0301 RO Fl. 1 JUIZ CONVOCADO MARCOS FAGUNDES SALOMÃO Órgão Julgador: 3ª Turma Recorrente: Recorrido: Origem: Prolator da Sentença: TEREZA DE JESUS AMARAL - Adv. Maria Silesia Pereira

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO - JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO - JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO RECORRENTE: CALÇADOS ITAPUÃ S/A RECORRIDO: MARCUS PAULO SANTOS EMENTA: BENEFÍCIO PREVIDENCIÁRIO NEGADO. RETORNO DO EMPREGADO AO TRABALHO. EFEITOS PECUNIÁRIOS Somente a concessão do benefício previdenciário

Leia mais

Reclamante: LEANDRO RAFAEL VIEIRA BALEJO Reclamada: AGCO DO BRASIL COMÉRCIO E INDÚSTRIA LTDA.

Reclamante: LEANDRO RAFAEL VIEIRA BALEJO Reclamada: AGCO DO BRASIL COMÉRCIO E INDÚSTRIA LTDA. Fl. 1 Reclamante: LEANDRO RAFAEL VIEIRA BALEJO Reclamada: AGCO DO BRASIL COMÉRCIO E INDÚSTRIA LTDA. VISTOS, ETC. LEANDRO RAFAEL VIEIRA BALEJO ajuíza ação trabalhista contra AGCO DO BRASIL COMÉRCIO E INDÚSTRIA

Leia mais

Da preliminar de carência de ação suscitada pelas litisconsortes.

Da preliminar de carência de ação suscitada pelas litisconsortes. TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 19ª REGIÃO VARA DO TRABALHO - SÃO MIGUEL DOS CAMPOS PROCESSO: 0001844-57.2011.5.19.0062 Aos 10 dias do mês de outubro do ano dois mile onze, às 13:47 horas, estando aberta

Leia mais

Autos nº: 201403216112 SENTENÇA I? RELATÓRIO

Autos nº: 201403216112 SENTENÇA I? RELATÓRIO Autos nº: 201403216112 SENTENÇA I? RELATÓRIO ALEX DA SILVA CALDEIRA propôs ação de cobrança de seguro por invalidez decorrente de doença em face de ITAÚ SEGUROS S/A, já qualificados, afirmando que foi

Leia mais

PROCESSO: 0135500-11.2004.5.01.0013 - RTOrd. Acórdão 10a Turma

PROCESSO: 0135500-11.2004.5.01.0013 - RTOrd. Acórdão 10a Turma PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO Gabinete Juiz Convocado 4 Av. Presidente Antonio Carlos, 251 6º Andar - Gab.52 Castelo Rio de Janeiro 20020-010 RJ

Leia mais

Reclamante: Janice Schneider Reclamado: Associação Congregação de Santa Catarina - Hospital Regina

Reclamante: Janice Schneider Reclamado: Associação Congregação de Santa Catarina - Hospital Regina Fl. 1 Reclamante: Janice Schneider Reclamado: Associação Congregação de Santa Catarina - Hospital Regina VISTOS, ETC. artigo 852 I da CLT. Dispensado o relatório nos termos do ISTO POSTO: rescisórias.

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 6ª REGIÃO RECIFE

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 6ª REGIÃO RECIFE PROC. Nº TRT 0002288-94.2012.5.06.0231 Órgão Julgador : 2ª Turma Relator : Desembargador Ivanildo da Cunha Andrade Recorrente : KLABIN S. A. Recorrido : CLÁUDIO GOMES DA SILVA Advogados : Tarcízio Chaves

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XV EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XV EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Tramita perante a 89ª Vara do Trabalho de Curitiba a RT nº 000153-80.2012.5.09.0089, ajuizada em 06/05/2012 por Sérgio Camargo de Oliveira, assistido por advogado

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO 3ª REGIÃO 1 3ª VARA DO TRABALHO DE UBERLÂNDIA Processo 0001325-66.2012.503.0103 Recte PAULA DAIANE SILVA GONÇALVES Recdos - 1) ALGAR TECNOLOGIA E CONSULTORIA S/A 2) TEMPO SERVIÇOS LTDA AUDIÊNCIA DE JULGAMENTO Aos

Leia mais

SENTENÇA 1. RELATÓRIO

SENTENÇA 1. RELATÓRIO SENTENÇA 1. RELATÓRIO SINDICATO DOS ENFERMEIROS DO ESTADO DA BAHIA ajuizou reclamação trabalhista em face de HOSPITAL EMEC (EMEC EMPREENDIMENTOS MÉDICO CIRÚRGICOS LTDA.), pelos fatos deduzidos na inicial

Leia mais

Doc.: 3163 Pag.: 1. 17ª Vara do Trabalho de Belo Horizonte- MG. Ata de audiência Autos nº: 858-2012-017-03-00-1

Doc.: 3163 Pag.: 1. 17ª Vara do Trabalho de Belo Horizonte- MG. Ata de audiência Autos nº: 858-2012-017-03-00-1 Pag.: 1 17ª Vara do Trabalho de Belo Horizonte- MG Ata de audiência Autos nº: 858-2012-017-03-00-1 Aos três dias do mês de agosto de 2011, às 17h31min, na 17ªVara do Trabalho de Belo Horizonte-MG, a Meritíssima

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO 12ª REGIÃO 3ª VARA DO TRABALHO DE JOINVILLE SC RT 05866-2007-028-12-00-1

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO 12ª REGIÃO 3ª VARA DO TRABALHO DE JOINVILLE SC RT 05866-2007-028-12-00-1 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO 12ª REGIÃO 3ª VARA DO TRABALHO DE JOINVILLE SC JEAN CARLOS SOUZA Reclamante OFICINA CRUZCAR NETO LTDA. Reclamada Ausentes as partes. Em seguida, analisando-se os autos

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL. Justiça do Trabalho - 2ª Região 04ª VARA DO TRABALHO DE OSASCO. Processo nº 0000080-14.2011.5.02.0384

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL. Justiça do Trabalho - 2ª Região 04ª VARA DO TRABALHO DE OSASCO. Processo nº 0000080-14.2011.5.02.0384 Aos 09 dias do mês de agosto de 2013, às 09:00 horas, na sala de audiências desta Vara do Trabalho, sob a minha presença, Dr. Leonardo Grizagoridis da Silva, Juiz do Trabalho Substituto, foram apregoados

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DA 35ª VARA DO TRABALHO DO PORTO ALEGRE RS

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DA 35ª VARA DO TRABALHO DO PORTO ALEGRE RS EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DA 35ª VARA DO TRABALHO DO PORTO ALEGRE RS Reclamante: Joaquim Ferreira Reclamados: Parque dos Brinquedos Ltda Autos nº 0001524-15.2011.5.04.0035 PARQUE DOS BRINQUEDOS

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO 3ª REGIÃO (2) NET SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO S.A. GESILVA REPRESENTAÇÕES LTDA.

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO 3ª REGIÃO (2) NET SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO S.A. GESILVA REPRESENTAÇÕES LTDA. PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO 3ª REGIÃO 01209 2013 019 03 00 1 RO RECORRENTES: RECORRIDOS: (1) JOSÉ PAULINO DA SILVA (2) NET SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO S.A. OS MESMOS E GESILVA REPRESENTAÇÕES

Leia mais

Doc.: 2305. Pag.: 1 1ª VARA DO TRABALHO DE BELO HORIZONTE MG PROCESSO Nº 0001153-71.2014.503.0001

Doc.: 2305. Pag.: 1 1ª VARA DO TRABALHO DE BELO HORIZONTE MG PROCESSO Nº 0001153-71.2014.503.0001 1ª VARA DO TRABALHO DE BELO HORIZONTE MG PROCESSO Nº 0001153-71.2014.503.0001 Pag.: 1 Aos 02 dias do mês de outubro de 2015, às 17h44 na sala de audiência desta Vara, por determinação da MMª Juíza do Trabalho

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL Justiça do Trabalho - 2" Região 05" Vara do Trabalbo de São Paulo - Capital TERMO DE AUDIÊNCIA. Processo n" 727/15

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL Justiça do Trabalho - 2 Região 05 Vara do Trabalbo de São Paulo - Capital TERMO DE AUDIÊNCIA. Processo n 727/15 PODER JUDICIÁRIO FEDERAL Justiça do Trabalho - 2" Região 05" Vara do Trabalbo de São Paulo - Capital TERMO DE AUDIÊNCIA Processo n" 727/15 Aos oito dias do mês de setembro do ano de dois mil e quinze às

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO A C Ó R D Ã O 1ª Turma PENSÃO VITALÍCIA. DANOS MORAIS E ESTÉTICOS. ACIDENTE DE TRABALHO NÃO CONFIGURADO. AUSÊNCIA DE NEXO CAUSAL. A ausência de nexo causal acarreta a improcedência do pedido. Recurso do

Leia mais

CÁLCULOS TRABALHISTAS

CÁLCULOS TRABALHISTAS CÁLCULOS TRABALHISTAS Remuneração - Salário acrescido da média das variáveis (exemplo: comissões) dos últimos 12 meses. - Média: soma das 6 maiores parcelas variáveis mês a mês, divididas por 6, dentro

Leia mais

2ª VARA DO TRABALHO DE JACAREÍ-SP PROC. 0000751-65.2013.5.15.0138

2ª VARA DO TRABALHO DE JACAREÍ-SP PROC. 0000751-65.2013.5.15.0138 2ª VARA DO TRABALHO DE JACAREÍ-SP PROC. 0000751-65.2013.5.15.0138 Os autos vieram conclusos, nesta data. Submetido o processo a julgamento, foi proferida a seguinte S E N T E N Ç A I - RELATÓRIO PAULO

Leia mais

DECISÃO MONOCRÁTICA CONTRATO DE SEGURO DE VIDA E INVALIDEZ PERMANENTE EM GRUPO. PRESCRIÇÃO. INOCORRÊNCIA. SEGURADO COM LESÃO NEUROLÓGICA QUE

DECISÃO MONOCRÁTICA CONTRATO DE SEGURO DE VIDA E INVALIDEZ PERMANENTE EM GRUPO. PRESCRIÇÃO. INOCORRÊNCIA. SEGURADO COM LESÃO NEUROLÓGICA QUE DÉCIMA SEXTA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO N.º 0402603-95.2008.8.19.0001 APELANTE: SULAMÉRICA SEGUROS DE VIDA E PREVIDENCIA APELADO: FRANCISCO DE SOUZA COELHO JUNIOR RELATOR: DES. LINDOLPHO MORAIS MARINHO DECISÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO DE DIREITO CURSO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO DE DIREITO CURSO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO DE DIREITO CURSO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL DE ADVOCACIA Prática Processual Trabalhista 1º Ano São Paulo - 2010 2 Sumário 1. Ponto nº 1...pág. 3 2. Ponto nº 2...pág. 4 3.

Leia mais

SENTENÇA 0001400-57.2012.5.04.0013 Ação Trabalhista - Rito Ordinário

SENTENÇA 0001400-57.2012.5.04.0013 Ação Trabalhista - Rito Ordinário Natureza: Ação Trabalhista - Rito Ordinário Origem: Reclamante: Rosmari Barbosa Pagel Costa Reclamado: Avon Cosméticos Ltda. I Relatório Rosmari Barbosa Pagel Costa ajuíza ação trabalhista em face de Avon

Leia mais

Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB

Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB AULA 10: Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB Amparo legal: art. 7º, II da CRFB. * urbanos e rurais: Lei nº 7.998/90, Lei nº 8.900/94 e Resolução do CODEFAT 467/05. * domésticos: artigo 6º-A da Lei

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 19ª REGIÃO. 10ª VARA DO TRABALHO DE MACEIÓ/AL. PROCESSO Nº. 0000141-87.2010.5.19.0010.

TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 19ª REGIÃO. 10ª VARA DO TRABALHO DE MACEIÓ/AL. PROCESSO Nº. 0000141-87.2010.5.19.0010. TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 19ª REGIÃO. 10ª VARA DO TRABALHO DE MACEIÓ/AL. PROCESSO Nº. 0000141-87.2010.5.19.0010. No dia 23 de abril de 2010, às 13h11min, na 10ª VARA DO TRABALHO DE MACEIÓ/AL., situada

Leia mais

Reclamante: Reclamado: Edison Freitas de Siqueira Advogados Associados S/S. Dispensado o relatório nos termos do artigo 852 I da CLT.

Reclamante: Reclamado: Edison Freitas de Siqueira Advogados Associados S/S. Dispensado o relatório nos termos do artigo 852 I da CLT. Fl. 1 Reclamante: Reclamado: Edison Freitas de Siqueira Advogados Associados S/S VISTOS, ETC. Dispensado o relatório nos termos do artigo 852 I da CLT. ISTO POSTO: PRELIMINAR INCOMPETÊNCIA EM RAZÃO DA

Leia mais

1- CONTRATO DE TRABALHO

1- CONTRATO DE TRABALHO 1- CONTRATO DE TRABALHO 1.1 - ANOTAÇÕES NA CARTEIRA DE TRABALHO Quando o empregado é admitido - mesmo em contrato de experiência -, a empresa tem obrigatoriamente que fazer as anotações na carteira de

Leia mais

Contrarrazões da primeira ré às fls.455/465, do reclamante às fls. 466/468, e da segunda ré às fls.469/471.

Contrarrazões da primeira ré às fls.455/465, do reclamante às fls. 466/468, e da segunda ré às fls.469/471. Acórdão 10a Turma INDENIZAÇÃO POR DANO MORAL- DEFERIMENTO - O dano moral configura-se por um sofrimento decorrente de lesão de direitos não-patrimoniais caracterizado por excesso, abuso, tratamento humilhante

Leia mais

VARA DO TRABALHO DE IMBITUBA SC TERMO DE AUDIÊNCIA

VARA DO TRABALHO DE IMBITUBA SC TERMO DE AUDIÊNCIA VARA DO TRABALHO DE IMBITUBA SC TERMO DE AUDIÊNCIA Autos nº 0000967-09.2010.5.12.0043 AUTOS Nº 0000967-09.2010.5.12.0043 AUTOR: SEVERINO FERNANDES DE OLIVEIRA RÉ: CASA DAS BATERIAS PEÇAS E SERVIÇOS PARA

Leia mais

FUNDAMENTOS. 07/10/2010 15:23:26 Sistema de Acompanhamento de Processos em 1ª Instância pág. 1 / 5

FUNDAMENTOS. 07/10/2010 15:23:26 Sistema de Acompanhamento de Processos em 1ª Instância pág. 1 / 5 TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 19ª REGIÃO VARA DO TRABALHO DE SÃO MIGUEL DOS CAMPOS (AL) SENTENÇA DE CONHECIMENTO - PROCESSO N. 0001520-04.2010.5.19.0062. RELATÓRIO. MANOEL BENEDITO FERREIRA DA SILVA,

Leia mais

O advogado da reclamante falou, dentro do prazo fixado, sobre a defesa e a documentação apresentada pelo reclamado.

O advogado da reclamante falou, dentro do prazo fixado, sobre a defesa e a documentação apresentada pelo reclamado. TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 19ª REGIÃO. 10ª VARA DO TRABALHO DE MACEIÓ/AL. PROCESSO Nº. 0000405-70.2011.5.19.0010. No dia 18 de novembro de 2011, às 17h02min, na 10ª VARA DO TRABALHO DE MACEIÓ/AL.,

Leia mais

Trata-se de Reclamação Trabalhista onde postula o Autor o pagamento dos consectários legais alinhados às fls. 03/04 dos autos.

Trata-se de Reclamação Trabalhista onde postula o Autor o pagamento dos consectários legais alinhados às fls. 03/04 dos autos. PROCESSO Nº 0000779-86.2011.5.19.0010 (RECLAMAÇÃO TRABALHISTA) SENTENÇA VISTOS, ETC. I - RELATÓRIO: Trata-se de Reclamação Trabalhista onde postula o Autor o pagamento dos consectários legais alinhados

Leia mais

Auxiliar Jurídico. Módulo IV. Aula 01

Auxiliar Jurídico. Módulo IV. Aula 01 Auxiliar Jurídico Módulo IV Aula 01 1 CÁLCULOS TRABALHISTAS Neste módulo você irá aprender a realizar os cálculos de verbas rescisórias e Liquidação de Sentença. I. VERBAS RESCISÓRIAS Podemos entender

Leia mais

Juntam-se documentos. Tomam-se os depoimentos das partes e são inquiridas testemunhas.

Juntam-se documentos. Tomam-se os depoimentos das partes e são inquiridas testemunhas. Fl. 1 Aos seis de julho do ano de dois mil e dez, às 18h, estando aberta audiência na, com a presença do Exmo. Sr. Juiz do Trabalho, Rui Ferreira dos Santos, são apregoadas as partes, para audiência de

Leia mais

Atualizações Trabalhistas

Atualizações Trabalhistas Atualizações Trabalhistas Aviso-prévio não pode ser suprimido por norma coletiva, suplente de Conselho Fiscal tem estabilidade sindical e empregado pago para não trabalhar deve ser indenizado por assédio

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Dispensa Registro de Marcações no Intervalo de Trabalho - Batidas Pré-Assinaladas

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Dispensa Registro de Marcações no Intervalo de Trabalho - Batidas Pré-Assinaladas Dispensa Registro de Marcações no Intervalo de Trabalho - Batidas Pré-Assinaladas 16/04/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação...

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO A C Ó R D Ã O 8ª T U R M A RECURSO ORDINÁRIO. REGISTROS DE HORÁRIO. PROVA DA JORNADA DE TRABALHO. INVALIDADE. Registros de horário que não refletem a jornada efetivamente cumprida são imprestáveis à pré-constituição

Leia mais

FLAVIO ROBERTO VICENTIN ROSSINI e COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS - AMBEV MESMOS.

FLAVIO ROBERTO VICENTIN ROSSINI e COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS - AMBEV MESMOS. EMENTA GRATIFICAÇÃO CONDICIONAL ASSIDUIDADE (GCA). NATUREZA SALARIAL. INCLUSÃO NA BA DE CÁLCULO DAS HORAS EXTRAS. A parcela denominada Gratificação Condicional Assiduidade (GCA), paga durante toda a contratualidade,

Leia mais

PROCESSO: 0001148-91.2010.5.01.0018 RO

PROCESSO: 0001148-91.2010.5.01.0018 RO Acórdão 4ª Turma REDUÇÃO DE AULAS FALTA DE COMPROVAÇÃO DE DIMINUIÇÃO DE ALUNOS A alegação de redução de alunos que justifique a diminuição de aulas, in casu, não foi comprovada. Como pode ser observado

Leia mais

Acórdão-5ªC RO 00982-2009-030-12-00-2

Acórdão-5ªC RO 00982-2009-030-12-00-2 Acórdão-5ªC RO 00982-2009-030-12-00-2 TÉCNICO DE FUTEBOL. DIREITO DE IMAGEM. NATUREZA SALARIAL. O pagamento efetuado ao técnico de futebol pelo uso da imagem, quando parcela ajustada para o pagamento do

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DA UNIÃO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO 18ª REGIÃO 9ª VARA DO TRABALHO DE GOIÂNIA

PODER JUDICIÁRIO DA UNIÃO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO 18ª REGIÃO 9ª VARA DO TRABALHO DE GOIÂNIA PODER JUDICIÁRIO DA UNIÃO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO 18ª REGIÃO 9ª VARA DO TRABALHO DE GOIÂNIA Rua T 29, 1403, Setor Bueno, GOIANIA - GO - CEP: 74215-901 - Telefone: PROCESSO Nº 0010494-17.2013.5.18.0009

Leia mais

Reclamante: Reclamadas: AP VÍDEO COMUNICAÇÃO LTDA. e SBT - SISTEMA BRASILEIRO DE TELEVISÃO LTDA. S E N T E N Ç A

Reclamante: Reclamadas: AP VÍDEO COMUNICAÇÃO LTDA. e SBT - SISTEMA BRASILEIRO DE TELEVISÃO LTDA. S E N T E N Ç A 12ª Vara do Trabalho de Brasília - DF Proc. nº 01085-2003-012-10-00-0 Reclamante: Reclamadas: AP VÍDEO COMUNICAÇÃO LTDA. e SBT - SISTEMA BRASILEIRO DE TELEVISÃO LTDA. I RELATÓRIO S E N T E N Ç A ( ) propôs

Leia mais

A T A D E A U D I Ê N C I A

A T A D E A U D I Ê N C I A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 10ª REGIÃO A T A D E A U D I Ê N C I A PROCESSO : 0001119-44.2014.5.10.0020 RECLAMANTE: RENATA

Leia mais

PROCESSO Nº TST-AIRR-1992-87.2010.5.04.0202. A C Ó R D Ã O 7ª TURMA VMF/jmg/mahe/hcf/drs

PROCESSO Nº TST-AIRR-1992-87.2010.5.04.0202. A C Ó R D Ã O 7ª TURMA VMF/jmg/mahe/hcf/drs A C Ó R D Ã O 7ª TURMA VMF/jmg/mahe/hcf/drs AGRAVO DE INSTRUMENTO EM RECURSO DE REVISTA HORAS EXTRAORDINÁRIAS CURSOS ON-LINE DE TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO AUSÊNCIA DE DEMONSTRAÇÃO DE OBRIGATORIEDADE

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO 3ª REGIÃO AGRAVANTE(S): BANCO BMG S.A. (1) PRESTASERV - PRESTADORA DE SERVICOS LTDA. (2) AGRAVADO(S): OS MESMOS E (1) ELIZANGELA GOUVEA SALES (2) RH TIME RECURSOS HUMANOS LTDA. (3) EMENTA: HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS

Leia mais

16ª VARA DO TRABALHO DE SALVADOR/BA RECLAMAÇÃO TRABALHISTA N. 0000429-36.2012.5.05.0016-RTOrd SENTENÇA

16ª VARA DO TRABALHO DE SALVADOR/BA RECLAMAÇÃO TRABALHISTA N. 0000429-36.2012.5.05.0016-RTOrd SENTENÇA 16ª VARA DO TRABALHO DE SALVADOR/BA RECLAMAÇÃO TRABALHISTA N. 0000429-36.2012.5.05.0016-RTOrd SENTENÇA RECLAMANTE: SINDADOS-BA SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS E ÓRGÃOS PÚBLICOS DE PROCESSAMENTO

Leia mais

Custas, pela reclamada, no valor de R$200,00, calculadas sobre o valor de R$10.000,00, arbitrado à condenação acima.

Custas, pela reclamada, no valor de R$200,00, calculadas sobre o valor de R$10.000,00, arbitrado à condenação acima. 3 - CONCLUSÃO: Face ao exposto, no exercício do poder que emana do povo, na titularidade da 10ª Vara do Trabalho de Maceió/AL., e por tudo que consta dos autos, resolvemos JULGAR PROCEDENTE EM PARTE a

Leia mais

Acórdão 8a Turma. V O T O CONHECIMENTO Conheço do recurso, eis que atendidos os requisitos de admissibilidade.

Acórdão 8a Turma. V O T O CONHECIMENTO Conheço do recurso, eis que atendidos os requisitos de admissibilidade. Acórdão 8a Turma PROCESSO: 0112000-70.2006.5.01.0521 RTOrd PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO Gab Des Edith Maria Correa Tourinho Av. Presidente Antonio

Leia mais

1 Da rescisão indireta do contrato de trabalho:

1 Da rescisão indireta do contrato de trabalho: Fl. 1 Reclamante: Odonias Lucas Branco da Rosa Reclamada: Sociedade de Ônibus Porto Alegrense Ltda. - SOPAL VISTOS, ETC. Odonias Lucas Branco da Rosa ajuíza ação trabalhista contra Sociedade de Ônibus

Leia mais

RECURSO ORDINÁRIO TRT/RO - 0001505-23.2011.5.01.0055 - RTOrd A C Ó R D Ã O 7ª Turma

RECURSO ORDINÁRIO TRT/RO - 0001505-23.2011.5.01.0055 - RTOrd A C Ó R D Ã O 7ª Turma HORAS EXTRAS. CONTROLE DE PONTO. ESTABELECIMENTO COM MENOS DE 10 FUNCIONÁRIOS. Não possuindo a reclamada mais de 10 empregados, é do reclamante o ônus de comprovar a jornada indicada na inicial. Inteligência

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DO TRABALHODA 5º VARA DO TRABALHO DE GUARUJÁ- SP

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DO TRABALHODA 5º VARA DO TRABALHO DE GUARUJÁ- SP PEÇA PRÁTICA EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DO TRABALHODA 5º VARA DO TRABALHO DE GUARUJÁ- SP Processo n. PLAYNOBIL SA, pessoa jurídica de direito privado, inscrita no CNPJ sob o n. (xxx), com sede na

Leia mais

Por despacho fundamentado, o juiz indeferiu o pedido de tutela antecipada.

Por despacho fundamentado, o juiz indeferiu o pedido de tutela antecipada. TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 19ª REGIÃO. 10ª VARA DO TRABALHO DE MACEIÓ/AL. PROCESSO Nº. 0001576-96.2010.5.19.0010. No dia 10 de agosto de 2011, às 17h11min, na 10ª VARA DO TRABALHO DE MACEIÓ/AL.,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO córdão 1a Turma ENQUADRAMENTO SINDICAL - No caso dos autos restou demonstrado que a segunda reclamada efetivamente se apresenta aos seus clientes como empresa que atua no ramo financeiro e é reconhecida

Leia mais

Réplica à fl. 45, em Audiência.

Réplica à fl. 45, em Audiência. ATA DE AUDIÊNCIA PROCESSO: 0001569-23.2010.5.10.0021 RECLAMANTE: KELMA JAQUELINE SOARES RECLAMADA: COMPANHIA IMOBILIÁRIA DE BRASÍLIA - TERRACAP Em 02 de fevereiro de 2011, na sala das sessões da MM. 21ª

Leia mais

O Eg. Tribunal Regional do Trabalho da 9ª Região, em acórdão de fls. 382/404, negou provimento ao Recurso Ordinário do Reclamante.

O Eg. Tribunal Regional do Trabalho da 9ª Região, em acórdão de fls. 382/404, negou provimento ao Recurso Ordinário do Reclamante. A C Ó R D Ã O (8ª Turma) GDCJPS/lfa/bt RECURSO DE REVISTA DANO MORAL CANCELAMENTO INDEVIDO DO PLANO DE SAÚDE Na esteira de diversos precedentes desta Corte, configura ato ilícito capaz de gerar danos morais

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Página 1 de 6 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG004008/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR057851/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.008943/2011-67 DATA

Leia mais

TRABALHADOR HORISTA. Dr. Leslie Magro

TRABALHADOR HORISTA. Dr. Leslie Magro TRABALHADOR HORISTA Dr. Leslie Magro 1. DEFINIÇÃO O trabalhador horista é aquele que recebe o salário mensalmente, porém determinado pelo valor-hora. O trabalhador horista tem todos os direitos e obrigações

Leia mais

afastando a ilegitimidade ativa e determinando o retorno dos autos à origem, para prosseguimento da ação.

afastando a ilegitimidade ativa e determinando o retorno dos autos à origem, para prosseguimento da ação. PROCESSO TRT/SP Nº 00001753120125020086-10ª TURMA RECURSO ORDINÁRIO RECORRENTE: SINTHORESP SINDICATO DOS TRABALHADORES EM HOTÉIS, APART HOTÉIS, MOTÉIS, FLAT, RESTAURANTES, BARES, LANCHONETES E SIMILARES

Leia mais