III. DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 0.1. Balanço

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "III. DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 0.1. Balanço"

Transcrição

1 III. DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 0.1. Balanço 1

2 1.2.1.Demonstração de Resultados por Naturezas 2

3 1.3.Demonstração de Fluxos de Caixa 3

4 1.4.Demonstração das Alterações no Capital Próprio 4

5 1. Identificação da entidade 1.5.Anexo do período de 2013 A entidade E211 Empresa Comercial de Livros e Documentação, S.A., foi constituída a 2 de Setembro de 2013; passando de uma sociedade por quotas para uma sociedade anónima em Dezembro de Com sede na Rua Fernando Pessoa, nº 211, , Lisboa, Portugal, e dedica-se fundamentalmente à comercialização de livros e documentação. 2.Referencial Contabilístico de Preparação das Demonstrações Financeiras: 2.1. Sistema de Normalização Contabilística As demonstrações financeiras anexas foram elaboradas de acordo com as Normas Contabilísticas e de Relato Financeiro (NCRF) previstas pelo Sistema de Normalização Contabilística (SNC), aprovado pelo Decreto-Lei nº158/2009, de 13 de Julho, com as rectificações da Declaração de Rectificação n.º67-b/2009, de 11 de Setembro, e com as alterações introduzidas pela Lei n.º 20/2010, de 23 de Agosto. O SNC é regulado pelos seguintes diplomas: Aviso nº 15652/2009, de 7 de Setembro (Estrutura Conceptual); Portaria nº 986/ 2009, de 7 de Setembro (Modelos de Demonstrações Financeiras); Portaria n.º1011/2009, de 9 de Setembro (Código de Contas); Aviso n.º15655/2009, de 7 de Setembro (Normas Contabilísticas e de Relato Financeiro); Aviso n.º15654/2009, de 7 de Setembro (Normas Contabilísticas e de Relato Financeiro para pequenas entidades); Aviso n.º15653/2009, de 7 de Setembro (Normas Interpretativas). 2.2 Derrogação de disposições do SNC Durante o período findo em 31/12/2013, todas as disposições foram cumpridas e, como tal não foram derrogadas quaisquer disposições contidas no SNC. 2.3 Comentários das contas do balanço e demonstração de resultados cujos conteúdos não sejam comparáveis com os do exercício anterior A empresa E211 iniciou a sua actividade no decorrer do ano de Como tal, não é possível comparar as demonstrações financeiras do ano corrente com demonstrações financeiras de anos anteriores Adopção pela primeira vez das NCRF A entidade iniciou a sua actividade no presente ano. Deste modo, a transição dos anteriores princípios geralmente aceites para a NCRF-PE não afectou a posição financeira, e o seu desempenho financeiro. 3. Fluxos de caixa O valor inscrito em fluxos de caixa corresponde às rubricas de caixa e depósitos à ordem no valor de ,10. 5

6 3.2 Desagregação dos valores inscritos na rubrica de caixa e em depósitos bancários Demonstrações financeiras Rubricas Balanço Caixa 1.000,00 Depósitos à Ordem ,10 Fluxos de Caixa Variações de caixa e seus equivalentes ,10 4. Principais políticas contabilísticas 4.1. Bases de mensuração As demonstrações financeiras foram preparadas de acordo com o pressuposto de continuidade e o regime de acréscimo. O primeiro explica-se pelo facto de que a entidade partiu do princípio que é uma entidade em continuidade e continuará a operar no futuro, ou seja, a entidade não tem a intenção nem a necessidade de liquidar o nível das operações dado que ao longo do ano apresentou resultados positivos. Ao passo que o segundo prossupõe que as operações são reconhecidas no momento em que ocorrem independentemente do recebimento e do pagamento. 4.2 Outras políticas contabilísticas relevantes As principais políticas contabilísticas adoptadas são as seguintes: Activos fixos tangíveis Os activos fixos tangíveis da entidade são itens tangíveis detidos para fornecimento de bens ou serviços, dos quais se espera que sejam usados durante mais do que um período. São reconhecidos como activos pois futuros benefícios económicos dos itens fluíram para a entidade e o seu custo foi mensurado com fiabilidade. Na mensuração inicial, determinou-se o custo inicial de cada item. O custo compreende o preço de compra, impostos de compra não reembolsáveis, os custos necessários para colocar o activo em funcionamento (ou seja, os custos directamente atribuíveis ao activo) e a estimativa inicial dos custos de desmantelamento e remoção, tendo em conta se cada item do activo fixo tangível apresentava todos estes custos. Na mensuração subsequente utiliza-se o modelo do custo, sendo que as depreciações dos activos fixos tangíveis só são reconhecidas no momento em que estes estão prontos a ser utilizados. Para determinar a depreciação utilizou-se o método das quotas constantes de acordo com as taxas máximas de cada item que constam nas tabelas do DR 25/ Activos intangíveis O activo intangível da entidade é o activo não monetário identificável sem qualquer substância física. Também tem de ser identificável, controlado pela entidade e gerar benefícios económicos futuros como é o caso do Software Goldmine GD. 6

7 É reconhecido no momento em que for provável que os benefícios económicos futuros fluam para a entidade e o custo é mensurado com fiabilidade. Posteriormente, é mensurado pelo custo. A mensuração inicial do activo intangível abrange o preço de compra, impostos de compra não reembolsáveis, os custos necessários para colocar o activo em funcionamento (ou seja, os custos directamente atribuíveis ao activo). Na mensuração subsequente utiliza-se o modelo do custo, sendo que a amortização é determinada pelo método das quotas constantes, a vida útil é finita e definida com base na tabela II do DR 25/ Inventários Os inventários da entidade são activos detidos para venda, como os isqueiros, as luvas e ferramentas de jardim no decurso da actividade. Quanto à mensuração, os inventários devem ser mensurados pelo custo ou valor realizável líquido, dos dois o mais baixo. O custo de inventários abrange o custo de compra, custo de conversão e outros custos incorridos para colocar os inventários no seu local e na sua condição actual. Como fórmula de custeio a entidade utiliza o custo médio ponderado. E como método de contabilização o sistema de inventário permanente Activos e passivos financeiros Activos financeiros Clientes As dívidas dos clientes são registadas pelo valor nominal Caixa e depósitos à ordem O valor da caixa e depósito à ordem corresponde aquele que se encontra à disposição da entidade Passivos financeiros Outras contas a pagar As dívidas são registadas pelo seu valor nominal Provisões A provisão é um passivo de tempestividade ou quantia incerteza, neste caso, a entidade reconheceu como provisão a estimativa de desmantelamento de activo fixo tangível. É reconhecida quando a entidade tenha uma obrigação presente como resultado de um acontecimento passado; seja provável que um exfluxo de recursos será necessário para liquidar a obrigação e possa ser feita uma estima fiável da quantia da obrigação. Sendo esta a melhor estimativa que a entidade considerou Rédito Os réditos são rendimentos que resultam do decurso das actividades correntes da entidade como, por exemplo, as vendas que a entidade efectuou com os seus clientes. Este é reconhecido no momento em que satisfazer todas as condições: a entidade transfere para o comprador todas as vantagens e riscos dos bens; a entidade não tem qualquer envolvimento continuado de gestão; o montante do rédito é mensurado fiavelmente; é provável que os benefícios económicos da transacção fluam para a entidade e, os custos incorridos são mensurados fiavelmente. 7

8 4.2.7 Efeitos de alterações em taxas de câmbio As transacções em moeda estrangeira, nomeadamente, a libra esterlina (GBP) e o dólar (USD) foram reconhecidas em euros. Para tal, é necessário converter a quantia da moeda estrangeira em euros recorrendo à cotação da moeda face ao euro (na óptica do banco) à data da transacção. À data de balanço é necessário efectuar novamente a conversão pois os itens monetários em moeda estrangeira devem ser transpostos pelo uso da taxa de fecho. A diferença apurada entre o valor à data de transacção e à data de balanço é reconhecida nos resultados do período Benefícios dos empregados Os benefícios dos empregados foram reconhecidos como sendo benefícios a curto prazo, dos quais são os salários e as contribuições para a segurança social Imposto sobre o rendimento Trata-se do imposto que incide sobre o rendimento que diz respeito ao lucro tributável. 4.3 Juízos de valor A entidade fez juízos de valor no que diz respeito à fórmula de custeio e ao método de contabilização dos quais são o custo médio ponderado e o sistema de inventário permanente, respectivamente. 4.4 Estimativas As estimativas foram determinadas com base no melhor conhecimento existente à aprovação das demonstrações financeiras. As estimativas dizem respeito a: Ao valor de acréscimo de gastos de electricidade; comunicações; água e combustíveis; Ao valor de provisão de desmantelamento. 5. Activos Fixos Tangível 5.1. Divulgação sobre Activos Fixos Tangíveis Bases de mensuração usados para determinarem a quantia escriturada bruta: A E211 utiliza o método do custo para a mensuração inicial dos seus activos fixos tangíveis, dos quais são os servidores (inclui custos de instalação); Switch de rede; secretária de madeira; cadeira de braços; computadores; de impressora de jacto de tinta; fotocopiadora; armário de madeira; estante de madeira; carrinho porta paletes; empilhador grande; viatura ligeira de passageiros; de máquina envolvedora ASOT (inclui custos de transporte). Mais tarde, vamos incluir aqui nesta rubrica o valor de terrenos e edifícios. 8

9 O método de mensuração subsequente utilizado é o método de custo, ou seja, ao custo inicial deduz-se as depreciações acumuladas verificada até à data. O total das depreciações acumuladas dos activos fixos tangíveis da entidade é de ,04, cujo valor abrange o equipamento de transporte em 5.394,78 ; o equipamento administrativo em 1.695,11 ; o equipamento básico em ,12 ; e os edifícios e outras construções em 230, Métodos de depreciação usados A E211 utiliza o método das quotas constantes para a depreciação dos seus activos fixos tangíveis Vidas úteis ou taxas de depreciação usadas E211 determinou a taxa de depreciação dos activos fixos tangíveis de acordo com Decreto Regulamentar 25/2009. Activo fixo tangível Quantidades Vida útil Taxa de depreciação Switch de rede ,33 Secretária de ,5 madeira Cadeira de braços ,5 Computadores ,33 Impressora a jacto de tinta Fotocopiadora Armário de madeira ,5 Estante de madeira ,5 Carrinho portapaletes Empilhador grande ,5 Viatura ligeira de passageiros Máquina envolvedora ASOT Rotor da máquina ASOT Edifícios Terrenos Sistema de ,5 armazenagem Quantia escriturada bruta e depreciação acumulada no início e no fim do período O quadro mostra a quantia bruta de cada activo fixo tangível bem como a respectiva depreciação acumulada. Activo fixo Quantidade Quantia Depreciações Quantia tangível Escriturada Bruta Acumuladas Escriturada Líquida Switch de rede ,00 155, ,46 9

10 Secretária de ,00 177, ,25 madeira Cadeira de ,00 104, ,83 braços Computadores ,00 955, ,54 Impressora a ,00 75, ,00 jacto de tinta Fotocopiadora ,00 86, ,33 Armário de ,40 65, ,55 madeira Estante de ,00 74, ,33 madeira Carrinho porta ,00 77, ,13 paletes Empilhador ,00 272, ,08 grande Viatura ligeira , , ,58 de passageiros Máquina ,00 253, ,67 envolvedora ASOT Rotor da 1 300,00 60,00 240,00 máquina ASOT Edifícios ,67 230, ,64 Terrenos , ,33 Sistema de , , ,00 armazenagem 5.2. Depreciação acumulada no final do período: O valor das depreciações acumuladas dos activos fixos tangíveis é de , Locações 6.1. Locações Financeiras locatários: Quantia escriturada líquida à data do balanço: AFT Quantidade Quantia escriturada bruta Depreciações Acumuladas Quantia escriturada líquida EKM , , , Reconciliação entre o total dos futuros pagamentos mínimos da locação à data do balanço, e o seu valor presente í Rendas contingentes reconhecidas no rendimento do período Locação Renda mensal 10

11 EKM ,03 Total 2.771, Descrição geral dos acordos de locação significativos Foi adquirido um sistema de armazenagem EKM 500 em regime de locação financeira, com pagamentos constantes, postecipados e com duração de três anos. No final do contrato está incluída a opção de compra. 7. Propriedades de Investimento 7.1. Modelo aplicado O modelo aplicado pela E211 no que toca às propriedades de investimento é o modelo do custo Aplicação do modelo do custo Propriedades de investimento Vida útil Quantidade Quantia Escriturada Bruta Depreciações Acumuladas Quantia Escriturada Líquida Edifícios ,67 241, ,33 anos Terrenos , ,83 O método de depreciação usado é o método de linha recta. 8. Activo Intangível 8.1. Divulgações sobre Activos Intangíveis Métodos de amortização usados para activos intangíveis com vidas úteis finitas A E211 utiliza o método das quotas constantes para a amortização do activo intangível Quantia escriturada bruta e amortização acumulada no início e no fim do período O quadro mostra a quantia bruta de cada activo intangível bem como a respectiva depreciação acumulada. Activo Intangível Quantia Escriturada Bruta Amortização Acumulada Quantia Escriturada Bruta Software Goldmine , ,30 Servidores , ,01 9. Interesses em empreendimentos conjuntos e investimentos e associadas: 9.1. Investimentos em associadas: Justo valor de investimentos em associadas: O justo valor dos investimentos em associadas ascende aos , Informação financeira resumida das associadas: A seguinte tabela ilustra a associada da E211 juntamente com a designação da sua actividade e a percentagem do capital detida pela E211: 11

12 Empresas associadas Actividade principal Percentagem do capital PSEII IT, SA Tecnologias de informação 31% A PSEII IT, SA foi incluída na consolidação pelo método de equivalência patrimonial não tendo sido necessário qualquer ajustamento de políticas contabilísticas da associada com a E211 pois não existem diferenças significativas. A tabela abaixo mostra os activos líquidos da associada e o seu resultado líquido: Empresas associadas Capital Próprio (Activos líquidos) Resultado líquido 30/11/2013 PSEII IT, SA , ,00 31/12/2013 PSEII IT, SA , , Inventários Politicas contabilísticas adoptadas na mensuração dos inventários e fórmula de custeio usada Os inventários são mensurados pelo valor mais baixo entre o valor realizável líquido e o custo. O sistema de contabilização adoptada para os seus inventários é o sistema de inventário permanente. Além disso, a entrada e saída dos artigos são valorizados ao custo médio ponderado Quantia total escriturada de inventários e quantia escriturada em classificações apropriadas Artigos Preço Quantidade unitário Manuais de 6, ,26 Segurança Manuais de Higiene 5, ,11 Manutenções de 5, equipamentos Total , Quantia de inventários reconhecida como um gasto durante o período O custo da matérias vendidas e matérias consumidas apurado foi de: Meses Setembro ,72 Outubro ,60 Novembro ,13 Dezembro ,29 Total , Activos financeiros e passivos financeiros Activos financeiros mensurados ao justo valor por contrapartida em resultados 12

13 Dívidas de Clientes A rubrica de dívidas de clientes abrange as vendas no mercado nacional, comunitário e outros mercados, tal como consta no quadro. Mercado Mercado Nacional ,89 Mercado Comunitário ,23 Total , Diferimentos Na data de encerramento a rubrica diferimentos referente a gastos a reconhecer é contabilizada no valor total de ,01. Rubrica Gastos a reconhecer Rendimentos a reconhecer Rendas 7.956,00 250,00 Outros serviços 2.164,90 Seg. Ac. Trabalho e doenças 3.541,66 Seguros 182,45 Total ,01 250, Caixa e depósitos à ordem Os valores constam no seguinte quadro: Rubrica Fundo Fixo de Caixa 1.000,00 Depósitos à ordem ,10 Total , Passivos financeiros mensurados ao justo valor por contrapartida em resultados Dívidas a Fornecedores A rubrica de dívidas a fornecedores abrange compras de inventários no mercado nacional, comunitário e outros mercados, tal como consta no quadro. Mercado Mercado Nacional ,31 Mercado Comunitário ,04 Total , Estado e outros entes públicos No final do período, os totais da conta estado e outros entes públicos estão divididos da seguinte forma: 13

14 Estado e outros entes públicos Débito Crédito IRS 2.821,50 IRC 500, ,14 IVA ,84 Segurança Social ,90 Total , , Outras contas a pagar No que respeita a esta rubrica, estão incluídas as remunerações a pagar ao pessoal e aos órgãos sociais, bem como os sindicatos e outros credores, tendo um saldo total de ,40. Rubrica Remunerações ,40 Sindicatos 388,00 Outros credores 6.250,00 Total , Instrumentos de Capital Próprio Indicação das quantias do capital social nominal e do capital social por realizar Os accionistas da empresa E211, realizaram na totalidade o capital subscrito. Sociedades Sociedade anónima Capital Total Capital Realizado Provisões, passivos contingentes e activos contingentes: Divulgação para cada classe de provisão: Quantia escriturada no começo e no fim do período Aquando a aquisição dos servidores constitui-se uma provisão para a estimativa de desmantelamento, cujo valor apresenta-se no quadro: Rubrica Provisão 2.400, Rédito Politicas contabilísticas adoptadas para o reconhecimento do rédito O rédito é mensurado pelo justo valor do montante recebido ou a receber pela entidade. O reconhecimento do rédito por parte da entidade quando transfere para o comprador todas as vantagens e riscos dos bens inerentes; a entidade não tem qualquer envolvimento continuado de gestão; o montante do rédito é mensurado fiavelmente; é provável que os benefícios económicos da transacção fluam para a entidade e os custos incorridos são mensurados fiavelmente Quantia de cada categoria significativa de rédito reconhecida durante o período, incluindo o rédito proveniente de: Venda de bens 14

15 Vendas efectuadas no: Meses Setembro Outubro Novembro Dezembro Mercado nacional , , , ,44 Mercado , , , ,22 Intracomunitário Outros mercados ,31 Total das vendas , , , ,66 mensais Total das vendas acumuladas , Prestação de serviços O rédito da prestação de serviços que resultou da formação dos colaboradores encontra-se na seguinte tabela: Rubrica Prestação de serviços ,00 14.Outras informações: 14.1.Fornecimentos e serviços externos Os fornecimentos e serviços externos estão subdivididos na tabela seguinte e apresentam um saldo total de ,03. FSE Serviços especializados 4.081,14 Materiais 250,40 Electricidade 2.212,28 Combustíveis 3.979,77 Água 2.722,09 Comunicação ,22 Seguros 36,48 Contencioso e Notariado 3.085,13 Deslocações, Estradas e Transportes 497,13 Outros serviços 287,39 Rendas e alugueres ,00 Total , Benefícios dos empregados Os benefícios dos empregados contabilizam no período de encerramento a totalidade de gastos com pessoal no valor de ,30. Rubrica Remunerações dos órgãos sociais ,00 Remunerações do pessoal ,48 Encargos sobre as remunerações ,30 Seg. de Ac. Trab e Doenças 708,34 Outros gastos com o pessoal 7.888,18 Encargos com o pessoal (total) , Impostos sobre o rendimento 15

16 O imposto sobre o Rendimento foi determinado da seguinte forma: Rubrica IRC Colecta ,03 IRC Derrama ,59 IRC Tributação Autónoma ,52 IRC Total , Efeitos de alterações em taxas de câmbio Quantia das diferenças de câmbio reconhecidas nos resultados As diferenças cambiais que resultaram dos diferentes clientes foram de: Cliente F27-USA, Import Corporation Câmbio favorável ,34 Cliente F25-UK, Import Limited Câmbio desfavorável 5.516,01 As diferenças cambiais que resultaram das compras foram de: Fornecedor F04-USA, Export Corporation Câmbio desfavorável 1.034,26 Fornecedor F02-UK,Export Limited Câmbio desfavorável ,07 Câmbio favorável 2.819, Razão para o uso de uma moeda de apresentação diferente da moeda funcional Como se realizou transacções com as seguintes moedas USD e GBP, foi necessário efectuar as conversões para o euro na data de transacção e na data de balanço. Conversão da moeda estrangeira na moeda funcional Taxa de câmbio aquando a transacção com F27-USA, Import Corporation Data de venda a 20 de Out. 1 1,38285 USD Data de balanço a 31 Dez. 1 1,37414 USD Taxa de câmbio aquando a transacção com a F25-UK, Import Limited Data de venda a 20 de Out. 1 0,86219 GBP Data de balanço a 31 Dez. 1 0,85170 GBP Taxa de câmbio aquando a transacção com F04-USA, Export Corporation Data de compra dia 5 Out. 1 1,36635 USD Data de balanço a 31 Dez. 1 1,32026 USD Taxa de câmbio aquando a transacção com F02-UK,Export Limited Data de compra dia 5 Out. 1 0,85191 GBP Data de balanço a 31 Dez. 1 0,81830 GBP 16

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANO : 2010 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras 2.1 Referencial

Leia mais

ANEXO. Prestação de Contas 2011

ANEXO. Prestação de Contas 2011 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1. Designação da entidade Fluviário de Mora, E.E.M. NIPC: 507 756 754 1.2. Sede Parque Ecológico do Gameiro - Cabeção 1.3. Natureza da Actividade O Fluviário de Mora, é uma

Leia mais

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ASSOCIAÇÃO POPULAR DE PAÇO DE ARCOS Rua Carlos Bonvalot, Nº 4 Paço de Arcos Contribuinte nº 501 238 840 NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE:

Leia mais

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 1 Identificação da entidade 1.1 Designação da entidade APOTEC Associação Portuguesa de Técnicos de Contabilidade 1.2 Sede Rua Rodrigues Sampaio, 50-3º-Esq. 1169-029

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2014

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2014 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Mediator Sociedade Corretora de Seguros, S.A. 1.2 - Sede: Avª Fontes Pereira

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANO : 2011 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

1.5. Sede da entidade-mãe Largo Cónego José Maria Gomes 4800-419 Guimarães Portugal.

1.5. Sede da entidade-mãe Largo Cónego José Maria Gomes 4800-419 Guimarães Portugal. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 (Montantes expressos em euros) 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1. Designação da Entidade Casfig Coordenação de âmbito social

Leia mais

2. Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras

2. Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras 1. Identificação da entidade EXERCÍCIO DE 2011 INTRODUÇÃO PLC - Corretores de Seguros, S.A é uma sociedade anonima. A Empresa foi constituida em 1999, tem sede na Av. Infante Santo nº 48 2º Esq. em Lisboa,

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2012

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2012 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 2012 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Mediator Sociedade Corretora de Seguros, S.A. 1.2 - Sede: Avª Fontes Pereira

Leia mais

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Exercício de 2011 Notas às Demonstrações Financeiras 31 De Dezembro de 2011 e 2010 1. Identificação da entidade Accendo, Lda, inscrita na conservatória

Leia mais

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014 Exercício 2014 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 6 Demonstração dos Fluxos de Caixa Individuais em...7

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANO : 2012 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

31-Dez-2013 31-Dez-2012

31-Dez-2013 31-Dez-2012 FUNDAÇÃO CASA MUSEU MÁRIO BOTAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS CONTAS 31 DE DEZEMBRO DE 2013 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PARA OS PERÍODOS FFI INDOS EM 31 DE DEZZEMBRO DE 2013 E DE 2012 ACTIVO NÃO CORRENTE

Leia mais

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 ÍNDICE Relatório de Gestão 2 Balanço 5 Demonstração de Resultados por Naturezas 7 Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 Relatório e Parecer do Conselho Fiscal 20 Certificação Legal das Contas

Leia mais

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 ÍNDICE Relatório de Gestão 2 Balanço 5 Demonstração de Resultados por Naturezas 7 Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 Relatório e Parecer do Conselho Fiscal 20 Certificação Legal das Contas

Leia mais

Fundação Casa Museu Mario Botas

Fundação Casa Museu Mario Botas DEMOSNTRAÇAO DE RESULTADOS 2012 Fundação Casa Museu Mario Botas RENDIMENTOS E GASTOS 31-Dez-2012 31-Dez-2011 Vendas 551,62 Prestação de serviços Subsídios à exploração Ganhos/perdas imputados a subsidiárias

Leia mais

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 ANEXO Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1 - Identificação de entidade: 1.1- Designação da entidade: GATO - Grupo de Ajuda a Toxicodependentes

Leia mais

! " # $%&' (") *+)( *+)* , " # - %. " / 012 $ )"* *+)( 012+"4 "# *+)( 012 5"5 " 6! ! " '.! " 7 . % "' *+)( $%, % " ## *++* -. - ! $ ." )+#.

!  # $%&' () *+)( *+)* ,  # - %.  / 012 $ )* *+)( 012+4 # *+)( 012 55  6! !  '.!  7 . % ' *+)( $%, %  ## *++* -. - ! $ . )+#. !! " # $%&' (") *+)( *+)*, " # %. " / 012 $ )"* *+)( 3 012+"4 "# *+)( 012 5"5 " 6!! " '.! " 7. % "' *+)(!, $%, % " ## *++*. 7! $." )+#. *+)*!! 28" *+)(. "' $%981!5": *+)(*+);!)5) *++**++

Leia mais

Scal - Mediação de Seguros, S. A.

Scal - Mediação de Seguros, S. A. Scal - Mediação de Seguros, S. A. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1. Nota introdutória A Empresa Scal-Mediação de Seguros foi constituída

Leia mais

Introdução à Contabilidade 2014/2015. Financeira

Introdução à Contabilidade 2014/2015. Financeira Introdução à Contabilidade 2014/2015 Financeira 2 Sumário 1. O papel da contabilidade nas organizações. 2. A contabilidade externa vs a contabilidade interna. 3. Os diversos utilizadores da contabilidade.

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DR 2014

ANEXO AO BALANÇO E DR 2014 ANEXO AO BALANÇO E DR 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade PATRIMÓNIO DOS POBRES DA FREGUESIA DE ÍLHAVO 1.2 Sede Av. Manuel da Maia 3830 050 Ílhavo 1.3 NIPC 500876789 1.4 Natureza

Leia mais

Fundação Denise Lester

Fundação Denise Lester Relatório e Contas 2010 Fundação Denise Lester Fundação Denise Lester 1/14 Balanço ACTIVO Notas Exercício findo a 31/12/2010 Exercício findo a 31/12/2009 Activo não corrente Activos fixos tangíveis 2.291.289,31

Leia mais

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande NIPC :501971327 NISS :20007555241 NOTAS PERÍODOS 31-12-2014 31-12- ACTIVO Activo não corrente

Leia mais

Portaria n.º 104/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I

Portaria n.º 104/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I Aprova os modelos para várias demonstrações financeiras para microentidades A O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para microentidades, prevendo a

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2 NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 7 Demonstrações de

Leia mais

ANEXO RELATIVO AO ANO DE 2014

ANEXO RELATIVO AO ANO DE 2014 NOTA 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE: 1.1. Designação da entidade INSTITUTO PROFISSIONAL DO TERÇO 1.2. Sede PRAÇA MARQUÊS DO POMBAL, 103 4000 391 PORTO 1.3. NIPC 500836256 1.4. - Natureza da actividade CAE

Leia mais

Anexo às Demonstrações Financeiras - ANIPB - Associação Nacional dos Industriais de Prefabricação em Betão ANEXO

Anexo às Demonstrações Financeiras - ANIPB - Associação Nacional dos Industriais de Prefabricação em Betão ANEXO ANEXO IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE Designação ANIPB - Associação Nacional dos Industriais de Morada Rua Dona Filipa de Vilhena, Nº 9-2.º Direito Código postal 1000-134 Localidade LISBOA DADOS DA ENTIDADE

Leia mais

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA Exame Época Normal 04 de Julho de 0 Duração: H 00M Deve identificar-se nesta folha de prova, indicando o nome completo, número de matrícula e turma em que se encontra inscrito(a). As opções de resposta

Leia mais

Associação Boa Hora, IPSS NIPC: 503897531 Contas 2014

Associação Boa Hora, IPSS NIPC: 503897531 Contas 2014 Notas às Demonstrações Financeiras Individuais 31 De Dezembro de 2014 1. Identificação da Entidade ASSOCIAÇÃO BOA HORA, IPSS, é uma instituição particular de solidariedade social, com sede na Rua do Cemitério,

Leia mais

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC CÓDIGO DE CONTAS DO SNC 1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS 11 Caixa 12 Depósitos à ordem 13 Outros depósitos bancários 14 Outros instrumentos financeiros 141 Derivados 1411 Potencialmente favoráveis 1412 Potencialmente

Leia mais

2. Regra geral, o IVA não dedutível deve ser registado na conta 68111 : a) Verdadeira; b) Falsa Justificação:

2. Regra geral, o IVA não dedutível deve ser registado na conta 68111 : a) Verdadeira; b) Falsa Justificação: 1. A aplicação do princípio da prudência está exclusivamente relacionada com o registo de perdas de imparidade em activos e provisões : a) Verdadeira; b) Falsa 2. Regra geral, o IVA não dedutível deve

Leia mais

NCRF 2 Demonstração de fluxos de caixa

NCRF 2 Demonstração de fluxos de caixa NCRF 2 Demonstração de fluxos de caixa Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 7 - Demonstrações de Fluxos de Caixa, adoptada pelo texto

Leia mais

NCRF 1 Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras

NCRF 1 Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras NCRF 1 Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 1 - Apresentação de Demonstrações Financeiras,

Leia mais

BOMPISO COMERCIO DE PNEUS, S.A.

BOMPISO COMERCIO DE PNEUS, S.A. Exercício 2012 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2010 Balanço Individual em 31 de Dezembro de 2010 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 31

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (EM EUROS) Relatório Anual 2012 2 Relatório Anual 2012 3 Relatório Anual 2012 4 Relatório Anual 2012 5 Relatório

Leia mais

Agenda Evolução de mapas legais Obrigado AGENDA Evolução do Normativo Contabilístico Nacional SNC Demonstrações Financeiras A nova terminologia Dificuldades de transição Siglas SNC: Sistema de Normalização

Leia mais

Organização de Apoio e Solidariedade para a Integração Social

Organização de Apoio e Solidariedade para a Integração Social Organização de Apoio e Solidariedade para a Integração Social ANEXO para as Contas do Ano 2014 1/ IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE: 1.1 / Designação da entidade: OASIS Organização de Apoio e Solidariedade para

Leia mais

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras Nos termos do previsto no ponto 2.1.4. das Bases para a Apresentação das Demonstrações

Leia mais

Exame para Contabilista Certificado. Contabilidade Financeira Aprofundada. Duração: 2 horas

Exame para Contabilista Certificado. Contabilidade Financeira Aprofundada. Duração: 2 horas Nome: Nº do BI/ Passaporte Duração: 2 horas Leia atentamente as questões. Depois, coloque no quadradinho que fica na parte superior direito de cada questão, a alínea correspondente à melhor resposta. Se

Leia mais

Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas

Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Formação Eventual Sistema de Normalização Contabilística Exemplos práticos 14Set2009 a 14Out2009 1 de 142 Sistema de Normalização Contabilística Exemplos práticos

Leia mais

1 - Identificação da entidade

1 - Identificação da entidade ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS DO EXERCÍCIO DE 2014 ATAS Apartamentos Turísticos Amorim Santos, Lda 1 - Identificação da entidade 1.1 Designação da entidade: Apartamentos Turísticos Amorim

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EXERCÍCIO 2014

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EXERCÍCIO 2014 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EXERCÍCIO 2014 AIDGLOBAL- ACÃO E INTEG. PARA O DESENVOLVIMENTO GLOBAL ONG BALANÇOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2013 (VALORES EXPRESSOS EM EUROS) Notas 2014 2013 Activo Activos

Leia mais

UFCD 6222 - Introdução ao código de contas e normas contabilísticas

UFCD 6222 - Introdução ao código de contas e normas contabilísticas UFCD 6222 - Introdução ao código de contas e normas contabilísticas C O M P I L A Ç Ã O D E M A T E R I A I S Conteúdo programático Código das contas Meios Financeiros Líquidos Contas a receber e a pagar

Leia mais

Demonstrações Financeiras & Anexo. 31 Dezembro 2013

Demonstrações Financeiras & Anexo. 31 Dezembro 2013 Demonstrações Financeiras & Anexo 31 Dezembro 2013 1 I. Demonstrações Financeiras individuais a) Balanço em 31 de Dezembro de 2013 e 2012 2 b) Demonstração dos resultados por naturezas dos exercícios findos

Leia mais

«APCAS- Associação de Paralisia Cerebral de Almada Seixal» Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2014

«APCAS- Associação de Paralisia Cerebral de Almada Seixal» Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2014 «APCAS- Associação de Paralisia Cerebral de Almada Seixal» Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2014 30 de Junho de 2015 Nos termos da Portaria nº 105/2011 de 14 de Março, as divulgações a efetuar

Leia mais

O fundo patrimonial é representado por 10 465,64, encontrando-se realizado na totalidade.

O fundo patrimonial é representado por 10 465,64, encontrando-se realizado na totalidade. 01 -IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE A ASSOCIACAO ENTRE FAMILIA - BRAGANÇA é uma sociedade Anónima, constituída a 13-08-2009, com sede em RUA EMIDIO NAVARRO TRAS IGREJA, BRAGANCA, 5300-210, BRAGANCA, e tem como

Leia mais

CONTABILIDADE. Docente: José Eduardo Gonçalves. Elementos Patrimoniais

CONTABILIDADE. Docente: José Eduardo Gonçalves. Elementos Patrimoniais CONTABILIDADE Docente: José Eduardo Gonçalves Ano: 2008/2009 Universidade da Madeira Elementos Patrimoniais Activo Recurso controlado pela entidade como resultado de acontecimentos passados e do qual se

Leia mais

A prestação de contas de 2011 é elaborada de acordo com o SNC 1, não existiram alterações no capital nem perdas ou ganhos por imparidade.

A prestação de contas de 2011 é elaborada de acordo com o SNC 1, não existiram alterações no capital nem perdas ou ganhos por imparidade. INTERPRETAÇÃO DAS CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2011 Nota Introdutória: A prestação de contas de 2011 é elaborada de acordo com o SNC 1, não existiram alterações no capital nem perdas ou ganhos por imparidade.

Leia mais

Demonstrações Financeiras & Anexo. 31 Dezembro 2012

Demonstrações Financeiras & Anexo. 31 Dezembro 2012 Demonstrações Financeiras & Anexo 31 Dezembro 2012 1 I. Demonstrações Financeiras individuais a) Balanço em 31 de Dezembro de 2012 e 2011 2 b) Demonstração dos resultados por naturezas dos exercícios findos

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEFIR ANGOLA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEFIR ANGOLA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANO : 2012 1 - Actividade 1.1 Breve descrição das actividades da empresa ÍNDICE 2 - Bases de preparação das demonstrações financeiras e derrogações 2.1 Bases de apresentação

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I Aprova o Código de Contas para Microentidades O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria

Leia mais

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras. 2.2. Activo. 2.

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras. 2.2. Activo. 2. MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras Nos termos do previsto no ponto 2.1.4. das Bases para a Apresentação das Demonstrações

Leia mais

3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO. Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte:

3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO. Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte: 3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO CONSIDERAÇÕES GERAIS Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte: Tomar como referência o código de contas constante do POC e proceder apenas às alterações

Leia mais

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ ------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ Fluxos empresariais: Tipos de fluxos Perspectiva Quadros demonstrativos contabilísticos Externos: Despesas Receitas

Leia mais

Contabilidade Financeira II 2008/2009

Contabilidade Financeira II 2008/2009 Contabilidade Financeira II 2008/2009 Valores a receber e a pagar, Acréscimos e Diferimentos e Provisões Valores a receber e a pagar, Acréscimos e Diferimentos e Provisões Contas a receber e a pagar Acréscimos

Leia mais

Impostos Diferidos e o SNC

Impostos Diferidos e o SNC Impostos Diferidos e o SNC Na vigência do anterior Plano Oficial de Contabilidade (POC) a Directriz Contabilistica (DC) nº 28, da Comissão de Normalização Contabilística (CNC) veio, em tempo, estabelecer

Leia mais

SEMINÁRIO CROWE HORWATH DIVULGAÇÕES SNC

SEMINÁRIO CROWE HORWATH DIVULGAÇÕES SNC SEMINÁRIO CROWE HORWATH DIVULGAÇÕES SNC 1 Divulgações em SNC Introdução 2 Introdução A Portaria 986/2009 de 7 de Setembro integra o modelo de anexo que é apenas uma compilação das divulgações exigidas

Leia mais

NOTAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANEXO

NOTAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANEXO NOTAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANEXO 1.1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade IDFG Instituto D. Francisco Gomes - Casa dos Rapazes 1.2 Sede Bom João 8000-301 Faro 1.3 NIPC 500868395

Leia mais

Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2013/2014 1º Semestre. 28 de NOVEMBRO de 2013 Duração da prova: 60 minutos

Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2013/2014 1º Semestre. 28 de NOVEMBRO de 2013 Duração da prova: 60 minutos Contabilidade Financeira Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2013/2014 1º Semestre 28 de NOVEMBRO de 2013 Duração da prova: 60 minutos 3º TESTE INTERMÉDIO NOME: NÚMERO: Atenção

Leia mais

1. Os AFT devem ser contabilisticamente mensurados no reconhecimento inicial pelo seu custo.

1. Os AFT devem ser contabilisticamente mensurados no reconhecimento inicial pelo seu custo. Classificação: 00 0. 0 1. 0 9 GABINETE DO DIRECTOR GERAL Direcção de Serviços do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Activos Fixos Tangíveis Código do IRC Decreto Regulamentar n.º 25/2009,

Leia mais

Centro Social Cultural Recreativo de Amoreira Anexo 13 de Março de 2015

Centro Social Cultural Recreativo de Amoreira Anexo 13 de Março de 2015 Centro Social Cultural Recreativo de Amoreira Anexo 13 de Março de 2015 1 Identificação da Entidade A Centro Social Cultural Recreativo de Amoreira é uma instituição sem fins lucrativos, constituída sob

Leia mais

ENCERRAMENTO DE CONTAS

ENCERRAMENTO DE CONTAS 1 13 Jan 2011 ENCERRAMENTO DE CONTAS ROCHA MARTINS 2010-2011: Informação Crítica para a Transição Fiscal Parceiros Institucionais Media Partner 2 ENCERRAMENTO DE CONTAS GENERALIDADES GENERALIDADES 1. Número

Leia mais

Relatório e Contas. Fundação Denise Lester

Relatório e Contas. Fundação Denise Lester Relatório e Contas 2011 Fundação Denise Lester Fundação Denise Lester 1/16 Índice Balanço individual Demonstração dos resultados individuais Demonstração das Alterações dos fundos patrimoniais Demonstração

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 EMPRESA: UNISEGUROS- CORRETORES DE SEGUROS, LDA SEDE: Rua de Castilho nº 65 2º Dto. Sala 10 Lisboa, Concelho de Lisboa Nº CONTRIBUINTE

Leia mais

newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013

newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013 newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2013 2 Contabilização dos Subsídios do Governo e Divulgação de Apoios do Governo 3 Revisores e Auditores 7 LEGISLAÇÃO

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 20 RÉDITO

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 20 RÉDITO NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 20 RÉDITO Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 18 Rédito, adoptada pelo Regulamento (CE)

Leia mais

Análise Financeira 2º semestre

Análise Financeira 2º semestre ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO Análise Financeira 2º semestre Caderno de exercícios CAP II Luís Fernandes Rodrigues António Manuel F Almeida CAPITULO II 2011 2012 Página

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS 4984 Diário da República, 1.ª série N.º 143 24 de julho de 2015 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Portaria n.º 220/2015 de 24 de julho Na sequência da publicação do Decreto -Lei n.º 98/2015, de 2 de junho, que transpôs

Leia mais

2. REFERENCIAL CONTABILISTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

2. REFERENCIAL CONTABILISTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Nos termos da Portaria nº 105/2011 de 14 de Março, as divulgações a efetuar pelas ESNL em anexo às Demonstrações Financeiras, correspondem às publicadas no anexo nº 10 da Portaria nº 986/2009 de 07 de

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria do membro

Leia mais

Anexo ao balanço e à Demonstração de Resultados

Anexo ao balanço e à Demonstração de Resultados Anexo ao balanço e à Demonstração de Resultados 8.2 Notas ao balanço e à demonstração de Resultados 8.2.1 Indicação e justificação das disposições do POCAL que, em casos excepcionais devidamente fundamentados

Leia mais

Contabilidade Financeira I

Contabilidade Financeira I Contabilidade Financeira I INVESTIMENTOS É constituído pelos recursos que a empresa detém com carácter de continuidade, não se destinando a ser vendidos ou transformados no decorrer das suas actividades

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 - Princípios Contabilísticos Na contabilidade autarca é necessário cumprir um conjunto de princípios contabilísticos, de modo a obter uma imagem

Leia mais

Exame de 2.ª Chamada de Contabilidade Financeira Ano letivo 2013-2014

Exame de 2.ª Chamada de Contabilidade Financeira Ano letivo 2013-2014 PARTE A (13,50v) Realize as partes A e B em folhas de teste separadas devidamente identificadas I A empresa A2, SA dedica-se à compra e venda de mobiliário, adotando o sistema de inventário periódico.

Leia mais

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020.

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020.063 NOTAS AO BALANÇO E A DEMONSTRAÇÃO

Leia mais

Demonstrações Financeiras 27 Março, 2014

Demonstrações Financeiras 27 Março, 2014 2013 Demonstrações Financeiras 27 Março, 2014 Índice 1. Mensagem do Presidente... 3 2. Demonstrações financeiras de 2013... 4 2.1. Situação patrimonial... 4 2.2. Demonstração de resultados... 5 2.3. Fluxos

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. 6148 Diário da República, 1.ª série N.º 175 9 de Setembro de 2009

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. 6148 Diário da República, 1.ª série N.º 175 9 de Setembro de 2009 6148 Diário da República, 1.ª série N.º 175 9 de Setembro de 2009 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Portaria n.º 1011/2009 de 9 de Setembro O Decreto -Lei n.º 158/2009, de 13 de Julho,

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS 6006 Diário da República, 1.ª série N.º 173 7 de Setembro de 2009 Município de Cascais; Município de Almada; Município de Braga; Município de Leiria; Município de Viana do Castelo; Município de Guimarães;

Leia mais

MYBRAND MARKETING SESSIONS 02 Conferência - Avaliação de Marcas

MYBRAND MARKETING SESSIONS 02 Conferência - Avaliação de Marcas MYBRAND MARKETING SESSIONS 02 Conferência - Avaliação de Marcas Tema: As Marcas e o Sistema de Normalização Contabilística (SNC) Orador: Pedro Aleixo Dias Senior Partner da BDO Membro da Comissão Executiva

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Designação da Entidade: CÂMARA MUNICIPAL DE ODIVELAS Gerência de 1 de Janeiro a 31 de Dezembro de 2006 8.2.1 Não se aplica. 8.2.2 Os conteúdos das contas

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 8.2 - NOTAS AO BALANÇO E A DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 Indicação e justificação das disposições do POCAL que, em casos excecionais, devidamente fundamentados e sem

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º 173 7 de Setembro de 2009 36237

Diário da República, 2.ª série N.º 173 7 de Setembro de 2009 36237 Diário da República, 2.ª série N.º 173 7 de Setembro de 2009 36237 17 Como ponto de partida na determinação de tal estimativa, a entidade deve ter em conta as seguintes taxas: a) O custo médio ponderado

Leia mais

Anexo em 31 de Dezembro de 2014 Anexo 31 de Dezembro de 2014

Anexo em 31 de Dezembro de 2014 Anexo 31 de Dezembro de 2014 Anexo 31 de Dezembro de 2014 Associação Escola 31 de Janeiro 1 Índice 1- IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE... 3 2- REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS... 3 3 - PRINCIPAIS POLÍTICAS

Leia mais

I B 1:) CERTIFICAÇÃO LEGAL DAS CONTAS. Introdução

I B 1:) CERTIFICAÇÃO LEGAL DAS CONTAS. Introdução Relatório e Contas do Exercício de 2013 10, I B 1:) Te[: +351 217 990 420 Av. da República, 50-1Q Fax: +351 217990439 1069-211 Lisboa www. bdo. pt CERTIFICAÇÃO LEGAL DAS CONTAS Introdução 1. Examinámos

Leia mais

RELATÓRIO DA GESTÃO, BALANÇO E CONTAS

RELATÓRIO DA GESTÃO, BALANÇO E CONTAS 2014 1 Nome: SEDE: Rua Infante D. Henrique - Beja NIF: 500875030 Instituição Particular de Solidariedade Social RELATÓRIO DA GESTÃO, BALANÇO E CONTAS Índice RELATÓRIO DE GESTÃO... 3 2 BALANÇO EM 31 DE

Leia mais

Federação Portuguesa de Orientação

Federação Portuguesa de Orientação Federação Portuguesa de Orientação Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2013 Índice Balanço... 4 Demonstração dos Resultados por Naturezas... 5 Demonstração dos Resultados por Funções... 6 Demonstração

Leia mais

Contabilidade Geral. Gestão do Desporto 2011/2012

Contabilidade Geral. Gestão do Desporto 2011/2012 Contabilidade Geral Gestão do Desporto 2011/2012 OPERAÇÕES CORRENTES 1. Meios Financeiros Líquidos Esta Classe destina-se a registar os meios financeiros líquidos que incluem quer o dinheiro e depósitos

Leia mais

Relatório e Contas 2011 Relatório e Contas 2011 Safira 18 Balanço do Exercício em 31 de Dezembro de 2011 e 2010 (Montantes expressos em euros) ACTIVO Activo não corrente Activos fixos

Leia mais

Contabilidade Financeira II 2008/09

Contabilidade Financeira II 2008/09 Contabilidade Financeira II 2008/09 Impostos Estado e Outros Entes Públicos Impostos: IRC - Imposto sobre o rendimento IRS - Retenção de impostos sobre rendimentos (já vimos) IVA - Imposto sobre o valor

Leia mais

MARÇO DE 2015. Rua de Entrecampos, nº 9 1000-151 Lisboa Tel.: 218 110 540 Fax 218 110 545 Email: secretaria.geral@ump.pt www.ump.

MARÇO DE 2015. Rua de Entrecampos, nº 9 1000-151 Lisboa Tel.: 218 110 540 Fax 218 110 545 Email: secretaria.geral@ump.pt www.ump. MARÇO DE 2015 INDICE 1 Identificação da Entidade 2 Referencial Contabilístico de Preparação das Demonstrações Financeiras 3 Principais Politicas Contabilísticas 4 Políticas Contabilísticas, Alterações

Leia mais

Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Batalha Relatório e Contas 2013 ANEXO

Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Batalha Relatório e Contas 2013 ANEXO ANEXO 13 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários do Concelho da Batalha, PCUP 1.2 Sede: Batalha 2440-117 Batalha 1.3 - Natureza da actividade:

Leia mais

Objectivo 1 e 2. Âmbito 3. Considerações Gerais 4 e 5. Identificação das Demonstrações financeiras 6 a 8. Período de Relato 9.

Objectivo 1 e 2. Âmbito 3. Considerações Gerais 4 e 5. Identificação das Demonstrações financeiras 6 a 8. Período de Relato 9. ÍNDICE (parágrafos) Objectivo 1 e 2 Âmbito 3 Considerações Gerais 4 e 5 Identificação das Demonstrações financeiras 6 a 8 Período de Relato 9 Balanço 10 a 31 Demonstração dos Resultados 32 a 38 Demonstração

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO DE 2014 Página 1 de 9 1 - Identificação da entidade A Santa Casa da de Viana do Castelo é uma instituição particular de solidariedade social, constituída em

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

NCRF 22 Subsídios do Governo. Casos Práticos

NCRF 22 Subsídios do Governo. Casos Práticos NCRF 22 Subsídios do Governo Casos Práticos 150 Caso 1- Subsídios: transição do POC para o SNC Caso 2 Subsídio relacionado com ativos depreciáveis Caso 3 Subsídio não monetário (ativo não depreciável)

Leia mais

ASSOCIAÇÃO ASSISTÊNCIA DE EIXO

ASSOCIAÇÃO ASSISTÊNCIA DE EIXO ASSOCIAÇÃO ASSISTÊNCIA DE EIXO Anexo 10 de Março de 2015 Índice 1 Identificação da Entidade... 4 2 Referencial Contabilístico de Preparação das Demonstrações Financeiras... 4 3 Principais Políticas Contabilísticas...

Leia mais

ANEXO ANEXO DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012

ANEXO ANEXO DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 ANEXO ANEXO DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 1 Nota introdutória A Empresa foi constituída em 26 de Junho de 1997, tem a sua sede na Rua São Gonçalo de Lagos, Pavilhão de Exposições em Torres

Leia mais

Trabalho de Grupo. Contabilidade Geral 1. Ano lectivo 2007/2008 1º Semestre

Trabalho de Grupo. Contabilidade Geral 1. Ano lectivo 2007/2008 1º Semestre Trabalho de Grupo Contabilidade Geral 1 Ano lectivo 2007/2008 1º Semestre 1 1 Objectivo Pretende-se com o presente trabalho que os alunos procedam a uma análise sintética do Novo Sistema de Normalização

Leia mais

Noções de Contabilidade

Noções de Contabilidade Noções de Contabilidade 1 1. Noção de Contabilidade A contabilidade é uma técnica utilizada para: registar toda a actividade de uma empresa (anotação sistemática e ordenada da qualidade e quantidade de

Leia mais

OTOC - Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas

OTOC - Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas Normas contabilísticas e de relato financeiro Norma contabilística e de relato financeiro 1 - Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras Norma contabilística e de relato financeiro 2 - Demonstração

Leia mais